SlideShare uma empresa Scribd logo
Poupança e Investimento

Economia A
Ao longo da matéria estudámos o conceito de
rendimento pessoal disponível das famílias, ou
seja, aquele com que as famílias ficam depois
de terem recebido todos os rendimentos a
que têm direito e depois de deduzidos os
impostos e as contribuições para a segurança
social.
É este o rendimento que as famílias irão
utilizar na aquisição de bens e serviços, ou
seja, em consumo. Mas, existe uma parte do
rendimento que não é gasto, é guardado. A
isso chama-se poupança.
Temos então que:
Consumo
Rendimento pessoal
disponível (é aplicado em)

Poupança
Poupança

Poupança representa a parte do rendimento
que não é destinada ao consumo, ou seja,
consiste numa renúncia a uma satisfação
imediata, em benefício de uma satisfação
futura.
Poupança
Porque razões poupam as famílias?
Motivos de precaução, receio de não terem
rendimentos no futuro
Riscos futuros
Objectivos de longo prazo
Aplicação do dinheiro
Factores determinantes da poupança
Rendimento disponível das famílias
Publicidade e incentivos ao consumo (criam
necessidades e levam a que as pessoas
poupem menos)
Condições do futuro (reforma, doença,
educação dos filhos, desemprego, etc)
Factores determinantes da poupança
Para além das famílias, as empresas também
poupam ao não distribuírem a totalidade ou
parte dos seus lucros, canalizando-os para o
investimento. De igual forma, os Estados
também realizam as suas poupanças.
Assim, no seu conjunto, a poupança dos
países corresponde à soma das poupanças das
famílias, das empresas e do Estado
Aplicações da poupança
Aplicações da poupança
Entesouramento – Conservação de valores de
forma inactiva (ouro, moedas antigas,
mealheiros, etc.)
Aplicação financeira - Depósitos bancários ou
compra de activos financeiros (acções,
obrigações, etc.)
Investimento – Parte das poupanças
destinadas à aquisição de bens de produção e
de valores imobiliários ou mobiliários
Aplicações da poupança
De acentuar que a poupança constitui uma
muito
importante
determinante
da
produtividade
de
um
país
e,
consequentemente, do seu padrão de vida.
Aplicações da poupança
Com efeito, sendo os recursos escassos, para
que uma sociedade invista mais em capital,
terá de consumir menos e poupar mais do seu
rendimento, ou seja: terá de sacrificar o
consumo de bens e serviços no presente para
beneficiar de um maior consumo no futuro.
Aplicações da poupança

Taxa de poupança = Poupança / Rend. Pessoal
Disp x 100
Quando os particulares poupam é porque
esperam obter uma melhor situação no
futuro. Mas pode esta poupança ajudar outros
igualmente? É precisamente nesta questão
que se situa a distinção entre poupança e
investimento
Se a primeira é, como vimos, a parte do
rendimento pessoal disponível que não é
gasta em consumo, o segundo traduz
justamente esse sacrifício de não consumir no
presente, com o objectivo de aumentar e/ou
manter a produção no futuro.
Investimento

Investimento é a parcela da poupança que se
destina à aquisição de bens de produção que
permitem manter ou aumentar a capacidade
de produtiva de um país.
Investimento
Investimento
Investimento
Conclui-se, portanto, que o investimento
traduz-se na formação de capital, a qual se
decompõe em:
O investimento das empresas (e do Estado) pode ser
analisado de diferentes formas:

Formação Bruta de Capital Fixo – respeita ao
investimento em capital fixo, quer o
correspondente a mais capital (Formação
Líquida de Capital Fixo), quer o respeitante à
substituição
de
capital
utilizado
(amortizações)
O investimento das empresas (e do Estado) pode ser
analisado de diferentes formas:

Variação de existências – compreende as
matérias-primas e subsidiárias e os produtos
acabados e semi-acabados, representando a
diferença entre a existência final e a existência
inicial de um determinado ano.
O investimento das empresas (e do Estado) pode ser
analisado de diferentes formas:

Formação de capital = FBCF + VE
Tipos de Investimentos
Tipos de Investimentos

Investimento Material – Despesas em
aquisição de bens de produção físicos
(terrenos, edifícios, escritórios)
Tipos de Investimentos
Investimento Imaterial – Despesas cujos
efeitos, apesar de não se traduzirem na
aquisição de bens materiais, se repercutem
por vários anos como as despesas destinadas
a Investigação e Desenvolvimento (I&D),
formação profissional, aquisição de patentes,
publicidade, marketing, etc
Tipos de Investimentos

Investimento Financeiro – Aplicação de
poupança na aquisição de valores mobiliários,
como acções ou obrigações, com o objectivo
de obter um rendimento
Funções do Investimento
Investimento de substituição – determina a
reposição da capacidade produtiva (meios de
produção não duradouros que foram
utilizados e totalmente consumidos ao longo
do processo produtivo, bem como da
reposição do capital fixo)
Funções do Investimento

Investimento de capacidade – destina-se a
aumentar a capacidade produtiva seja através
de máquinas mais modernas ou a ampliação
das instalações ou a aplicação de novas
técnicas produtivas.
Funções do Investimento

Inovação - investimento realizado em
actividades que visam desenvolver novos
produtos e processos ou introduzir melhorias
significativas nos produtos e processos já
existentes
O investimento é fundamental para o
desenvolvimento da actividade económica.
Sem investimento as sociedades não crescem,
não se desenvolvem. Com efeito, o
investimento é que permite criar riqueza,
produzir mais e melhores bens, que ficam à
disposição das famílias, para estas poderem
satisfazer as suas necessidades de consumo.
Por outro lado, se há mais produção nas
empresas, há mais rendimentos a repartir.
Logo, as Famílias passam a ganhar mais e a
poder consumir e poupar mais. Vemos, assim,
que consumo, poupança e investimento estão
interligados, influenciando-se mutuamente.
Aulas poupanca e_investimento
Inovação Tecnológica e I&D

O progresso tecnológico, que resulta da
aplicação de novos conhecimentos/inovações
ao processo produtivo, tem permitido o
aumento quantitativo e/ou qualitativo da
produção.
Inovação Tecnológica e I&D
Essas inovações estão, geralmente, associadas
à introdução de novos produtos, de novas
técnicas de produção, de novos processos de
fabrico ou de vendas. Ora, as inovações e o
progresso
tecnológico
resultam,
principalmente,
das
actividades
de
Investigação e Desenvolvimento (I&D).
Inovação Tecnológica e I&D
Assim, na sociedade actual, onde a inovação
tecnológica é constante, as empresas para
serem competitivas e terem sucesso, num
contexto mundial em que a concorrência é
cada vez maior, deverão estar atentas à sua
capacidade de inovação.
Inovação Tecnológica e I&D

Ora, isso significa que deverão investir em l&D
quer individualmente, quer apoiadas pelo
Estado, quer em colaboração com as
universidades ou outras entidades.
Inovação Tecnológica e I&D
Não será difícil afirmar-se a importância do
investimento para as empresas e para a economia
em geral. Na verdade, por um lado, o aumento da
riqueza e, consequentemente, a melhoria do padrão
de vida de uma sociedade só são alcançados com
crescimento económico, o qual depende, no
essencial da capacidade de poupança de uma
economia;
Inovação Tecnológica e I&D
Por outro lado, o actual contexto de
globalização em que a concorrência é
crescente exige das empresas uma cada vez
maior capacidade competitiva. Inovação e
progresso tecnológico constituem “palavras
de ordem” para qualquer empresa.
Inovação Tecnológica e I&D
O esforço empresarial dedicado às actividades
de I&D constitui uma exigência da sociedade
contemporânea
No mundo de hoje, o empresário moderno faz
a diferença em relação aos demais, desde logo
porque pensa e age de forma diferente
Inovação Tecnológica e I&D
Consciente de que, no contexto actual, as novas e
crescentes exigências e os múltiplos desafios que se
colocam não se compadecem com um espírito
tradicional, o novo empresário sabe que tem de estar
aberto para o inesperado, para o quase-impossível,
para um “novo olhar” que exige um estado de
insatisfação permanente e um questionar incessante
Inovação Tecnológica e I&D
Daí que se reconheça que a inovação é
fundamental, dir-se-ia mesmo basilar, numa
sociedade marcada por mudanças bruscas na
forma de produzir, distribuir e comercializar
bens
Inovação Tecnológica e I&D
A introdução de novas tecnologias nos processos
produtivos assume, assim, uma muito especial
relevância, quer pelos custos mais baixos a que
conduz, quer pela melhoria da qualidade e
aumento da quantidade dos bens que se produzem,
quer ainda pela criação de novos produtos, mais
sofisticados e com potencialidades superiores.
Inovação Tecnológica e I&D
De salientar, que estes aspectos não deixarão
de se reflectir directamente sobre o emprego
e a alteração dos padrões de consumo.
Inovação Tecnológica e I&D
Em conclusão:
A investigação e o desenvolvimento agem
sobre a produção de diversas maneiras que
podem resumir-se no seguinte:
a descoberta de novos produtos
a descoberta de novos processos de produção
Inovação Tecnológica e I&D

A actividade de investigação supõe a
articulação entre ciência e técnica, entre
pesquisa fundamental e aplicada.
Inovação Tecnológica e I&D
O Financiamento da Actividade Económica –
Autofinanciamento e Financiamento Externo

Para realizarem os seus investimentos, as
empresas e o Estado necessitam de recursos
financeiros, recorrendo para isso a fundos
próprios ou, no caso de insuficientes a fundos
alheios
O Financiamento da Actividade Económica –
Autofinanciamento e Financiamento Externo

Na hipótese de os agentes económicos
satisfazerem
as
suas
necessidades
de
financiamento com fundos próprios, diz-se tratarse
de
um
financiamento
interno
(autofinanciamento); se porém, se recorre a
fundos
alheios,
está-se
perante
um
financiamento externo
O Financiamento da Actividade Económica –
Autofinanciamento e Financiamento Externo
Por isso se fala em capacidade (+) e necessidade
(-) de financiamento
Conclui-se
Investimento > Poupança => Necessidade de
Financiamento
Financiamento externo
O Financiamento da Actividade Económica –
Autofinanciamento e Financiamento Externo

Poupança > Investimento => Capacidade de
Investimento
Financiamento interno (autofinanciamento)
O Financiamento da Actividade Económica –
Autofinanciamento e Financiamento Externo

Mas como recorre um agente económico ao
financiamento alheio?
A obtenção de fundos é garantida pelas
poupanças de outros agentes económicos que
dispõem de recursos excedentários, podendo
ser conseguida:
O Financiamento da Actividade Económica –
Autofinanciamento e Financiamento Externo

directamente, pelo recurso ao mercado de
títulos, através da emissão de acções (aumento
de capital) e/ou de obrigações – financiamento
externo directo;
indirectamente, através do mercado de
crédito junto das instituições financeiras,
designadamente os bancos – financiamento
externo indirecto
Financiamento Externo Directo

Com o objectivo de captar directamente as
poupanças dos particulares, emitem-se acções e
títulos representativos de dívida, essencialmente
obrigações.
Trata-se de valores que são transaccionados mo
mercado de títulos ou mercado de valores
mobiliários, livremente transmissíveis e possuidores
de liquidez garantida pela negociação no mercado
O Crédito
Financiamento Externo Indirecto
Financiamento Externo Indirecto
A breve análise do quadro inserido permitenos, de imediato, concluir acerca das funções
do crédito enquanto estímulo ao consumo das
famílias e incentivo à produção. Assim, por um
lado, o crédito, ao suprir a insuficiência da
poupança das famílias, viabiliza um maior
consumo, diferindo o seu pagamento no
tempo;
Financiamento Externo Indirecto
Por outro lado, permite às empresas resolver
dificuldades pontuais de tesouraria e,
fundamentalmente, procederem à realização
de investimentos. Desta forma, quer em
consequência do aumento do mercado
consumidor, quer derivado do esforço de
investimento que, de outra forma, não seria
realizado, o crédito constitui um muito
importante instrumento de crescimento
económico
As Instituições Financeiras
As Instituições Financeiras
Os Bancos
Os Bancos
Os Bancos
Os Bancos
Os Bancos
Os Bancos
O Juro
O Juro
O Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Taxa de Juro
Outras Instituições Financeiras
Outras Instituições Financeiras
Outras Instituições Financeiras
Outras Instituições Financeiras
Outras Instituições Financeiras
O Mercado de Títulos
O Mercado de Títulos
O Mercado de Títulos
O Mercado de Títulos
O Mercado de Títulos
O Mercado de Títulos
O Mercado de Títulos
O Mercado de Títulos
O Investimento em Portugal e o Investimento
Português no Estrangeiro

Vimos já que o investimento consiste no acto
através do qual a poupança é aplicada na
aquisição de meios de produção, tendo em
vista o aumento e/ou manutenção da
produção no futuro
O Investimento em Portugal e o Investimento
Português no Estrangeiro
Se os agentes económicos aforrador e investidor
final forem residentes no mesmo território,
verificar-se-á um investimento interno, que
tanto pode ser público (se efectuado pelo
Estado) como privado ( se realizado por
empresas privadas)
O Investimento em Portugal e o Investimento
Português no Estrangeiro

Refira-se que, depois do acentuado dinamismo
observado até 2000 , a FBCF apresentou, a
partir daí, uma redução continuada apenas
interrompida em 2007, voltando, em 2008, a
verificar-se uma variação estimada de -1,7%
O Investimento em Portugal e o Investimento
Português no Estrangeiro
Como afirma o Banco de Portugal, “aFBCF em
Portugal registou uma redução acumulada em
volume de 10% desde 2000, acentuando a
divergência face ao conjunto da área do euro,
onde a FBCF, em idêntico período, apresentou
uma variação acumulada de 17%”.
O Investimento em Portugal e o Investimento
Português no Estrangeiro
O Investimento em Portugal e o Investimento
Português no Estrangeiro
Caso, porém, os mesmos agentes económicos
sejam residentes em países diferentes, ou
seja, o aforrador é residente no território e o
investidor final é não residente, o movimento
de capitais dará origem ao investimento
directo estrangeiro (IDE)
Investimento Directo Estrangeiro em Portugal
(IDE)

“aplicação de capitais efectuada com o fim de
adquirir uma posição duradoura, ou mesmo o
controlo, numa empresa que exerce a sua
actividade no estrangeiro.
Investimento Directo Estrangeiro em Portugal
(IDE)
Um fluxo de investimento directo em Portugal pode
corresponder à criação de uma empresa em
Portugal por parte do investidor estrangeiro, à
aquisição de pelo menos 10% de capital de uma
sociedade portuguesa anteriormente existente, ao
reinvestimento dos lucros por um filial da empresa
estrangeira em Portugal ou a operações entre a
casa-mãe no estrangeiro e uma filial em Portugal
(aumentos de capital, empréstimos diversos,
adiantamentos, etc.)”
Investimento Directo Português no Estrangeiro
(IPE)
“aplicação de capitais efectuada com o fim de
adquirir uma posição duradoura, ou mesmo o
controlo, numa empresa que exerce a sua
actividade no estrangeiro.
Investimento Directo Português no Estrangeiro
(IPE)
Um fluxo de investimento directo português pode
corresponder à criação de uma empresa no
estrangeiro por parte de um investidor nacional,
à aquisição de pelo menos 10% de capital de uma
sociedade estrangeira anteriormente existente,
ao reinvestimento dos lucros por um filial de uma
empresa portuguesa no estrangeiro ou a
operações entre a casa-mãe em Portugal e uma
filial no estrangeiro (aumentos de capital,
empréstimos diversos, adiantamentos, etc.)”
Investimento Directo Português no Estrangeiro
(IPE)
O gráfico que a seguir se insere refere-se à
posição do investimento directo de Portugal
no exterior (IPE) e do exterior em Portugal
(IDE)
Investimento Directo Português no Estrangeiro
(IPE)
Investimento Directo Português no Estrangeiro
(IPE)
Como se verifica, o investimento directo de
Portugal no exterior (IPE) é muito inferior ao
do exterior em Portugal (IDE), donde resulta
um saldo negativo do investimento directo,
que em 2006, 2007 e 2008 foi
respectivamente de – 26 179, - 32 339 e – 25
996 milhões de euros.
Investimento Directo Português no Estrangeiro
(IPE)

Por outro lado, se, de 2006 para 2007, tanto o
IPE como o IDE apresentam um crescimento,
em 2008, verifica-se uma sua queda.
Investimento Directo Português no Estrangeiro
(IPE)

Em ambos os casos, porém, a componente
relativa ao investimento directo no capital das
empresas e lucros reinvestidos permanece, de
longe, como a de maior relevância,
respeitando às outras operações de capital
uma posição pouco significativa
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos
Conceitos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poupança
PoupançaPoupança
Poupança
hcbmelo
 
Economia11ano (1)
Economia11ano (1)Economia11ano (1)
Economia11ano (1)
SILVESTRE098
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Raffaella Ergün
 
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Raffaella Ergün
 
Economia resumo
Economia resumoEconomia resumo
Economia resumo
direitoeetc
 
O consumo
O consumoO consumo
O consumo
ciganito5
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
Helena Fonseca
 
Material economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
Material  economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)Material  economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
Material economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
Janísio Salomao
 
Padrões de consumo
Padrões de consumoPadrões de consumo
Padrões de consumo
EconomicSintese
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
Jenny Fortes
 
Aula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas EconômicosAula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas Econômicos
Caio Roberto de Souza Filho
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
Ivanildo Moreira
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
Helena Serrão
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
Ilda Bicacro
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
Maria Teixiera
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Politica combate ao desemprego modulo 5- economia
Politica combate ao desemprego  modulo 5-  economiaPolitica combate ao desemprego  modulo 5-  economia
Politica combate ao desemprego modulo 5- economia
Daniela Costa
 
Agentes economicos
Agentes economicosAgentes economicos
Agentes economicos
Ana Torres
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Ilda Bicacro
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
Idalina Leite
 

Mais procurados (20)

Poupança
PoupançaPoupança
Poupança
 
Economia11ano (1)
Economia11ano (1)Economia11ano (1)
Economia11ano (1)
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
 
Economia resumo
Economia resumoEconomia resumo
Economia resumo
 
O consumo
O consumoO consumo
O consumo
 
A intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economiaA intervenção do estado na economia
A intervenção do estado na economia
 
Material economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
Material  economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)Material  economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
Material economia 10º ano (ii ciclo ensino secundário)
 
Padrões de consumo
Padrões de consumoPadrões de consumo
Padrões de consumo
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
 
Aula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas EconômicosAula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas Econômicos
 
Apresentação inflação
Apresentação inflaçãoApresentação inflação
Apresentação inflação
 
Logica informal
Logica informalLogica informal
Logica informal
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
A sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionaisA sociedade - desequilibrios regionais
A sociedade - desequilibrios regionais
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Politica combate ao desemprego modulo 5- economia
Politica combate ao desemprego  modulo 5-  economiaPolitica combate ao desemprego  modulo 5-  economia
Politica combate ao desemprego modulo 5- economia
 
Agentes economicos
Agentes economicosAgentes economicos
Agentes economicos
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
 
Envelhecimento em Portugal
Envelhecimento em PortugalEnvelhecimento em Portugal
Envelhecimento em Portugal
 

Destaque

Consumo e Poupança
Consumo e PoupançaConsumo e Poupança
Consumo e Poupança
Alfredo Garcia
 
Investimento
InvestimentoInvestimento
Investimento
Nuno Casimiro
 
Poupança...
Poupança...Poupança...
Poupança...
luisduarte89
 
Investimentos
InvestimentosInvestimentos
Investimentos
simuladocontabil
 
Opticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesaOpticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesa
duartealbuquerque
 
Investimentos - Bruno Lekecinskas [Jul/2012]
Investimentos - Bruno Lekecinskas [Jul/2012]Investimentos - Bruno Lekecinskas [Jul/2012]
Investimentos - Bruno Lekecinskas [Jul/2012]
Bruno Lekecinskas
 
Tabela de Investimentos
Tabela de InvestimentosTabela de Investimentos
Tabela de Investimentos
agenciaradarsm
 
Entendendo investimentos com memes
Entendendo investimentos com memesEntendendo investimentos com memes
Entendendo investimentos com memes
Juliano Marlous
 
Stc actividade 3 comunicações rádio
Stc actividade 3 comunicações rádioStc actividade 3 comunicações rádio
Stc actividade 3 comunicações rádio
Jose Simoes
 
Educação para os media
Educação para os mediaEducação para os media
Educação para os media
Celestino Joanguete
 
A economia no mundo globalizado
A economia no mundo globalizadoA economia no mundo globalizado
A economia no mundo globalizado
Rodrigo Baglini
 
Ficha informativa
Ficha informativaFicha informativa
Ficha informativa
NidiaCaires
 
Economia cap 1 3
Economia cap 1 3Economia cap 1 3
Economia cap 1 3
nascimentomarta
 
Testes filosofiaAp tfil10 2_2011_12_v1_turma_c
Testes filosofiaAp tfil10 2_2011_12_v1_turma_cTestes filosofiaAp tfil10 2_2011_12_v1_turma_c
Testes filosofiaAp tfil10 2_2011_12_v1_turma_c
Marilia Teixeira
 
O que e_preciso_para_conseguir_ser_inovador
O que e_preciso_para_conseguir_ser_inovadorO que e_preciso_para_conseguir_ser_inovador
O que e_preciso_para_conseguir_ser_inovador
Marilia Teixeira
 
Síntese dos resultados do inquérito à literacia financeira
Síntese dos resultados do inquérito à literacia financeiraSíntese dos resultados do inquérito à literacia financeira
Síntese dos resultados do inquérito à literacia financeira
Marilia Teixeira
 
Ecn teste diagnostico_modulo 1
 Ecn teste diagnostico_modulo 1 Ecn teste diagnostico_modulo 1
Ecn teste diagnostico_modulo 1
Marilia Teixeira
 
Padronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeisPadronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeis
admcontabil
 

Destaque (20)

Consumo e Poupança
Consumo e PoupançaConsumo e Poupança
Consumo e Poupança
 
Investimento
InvestimentoInvestimento
Investimento
 
Poupança...
Poupança...Poupança...
Poupança...
 
Investimentos
InvestimentosInvestimentos
Investimentos
 
Opticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesaOpticas do rendimento e da despesa
Opticas do rendimento e da despesa
 
Investimentos - Bruno Lekecinskas [Jul/2012]
Investimentos - Bruno Lekecinskas [Jul/2012]Investimentos - Bruno Lekecinskas [Jul/2012]
Investimentos - Bruno Lekecinskas [Jul/2012]
 
Tabela de Investimentos
Tabela de InvestimentosTabela de Investimentos
Tabela de Investimentos
 
Entendendo investimentos com memes
Entendendo investimentos com memesEntendendo investimentos com memes
Entendendo investimentos com memes
 
Stc actividade 3 comunicações rádio
Stc actividade 3 comunicações rádioStc actividade 3 comunicações rádio
Stc actividade 3 comunicações rádio
 
Educação para os media
Educação para os mediaEducação para os media
Educação para os media
 
A economia no mundo globalizado
A economia no mundo globalizadoA economia no mundo globalizado
A economia no mundo globalizado
 
Manual p.e unidade 10 iv
Manual p.e unidade 10 ivManual p.e unidade 10 iv
Manual p.e unidade 10 iv
 
Ficha informativa
Ficha informativaFicha informativa
Ficha informativa
 
Manual p.e unidade 10 v
Manual p.e unidade 10 vManual p.e unidade 10 v
Manual p.e unidade 10 v
 
Economia cap 1 3
Economia cap 1 3Economia cap 1 3
Economia cap 1 3
 
Testes filosofiaAp tfil10 2_2011_12_v1_turma_c
Testes filosofiaAp tfil10 2_2011_12_v1_turma_cTestes filosofiaAp tfil10 2_2011_12_v1_turma_c
Testes filosofiaAp tfil10 2_2011_12_v1_turma_c
 
O que e_preciso_para_conseguir_ser_inovador
O que e_preciso_para_conseguir_ser_inovadorO que e_preciso_para_conseguir_ser_inovador
O que e_preciso_para_conseguir_ser_inovador
 
Síntese dos resultados do inquérito à literacia financeira
Síntese dos resultados do inquérito à literacia financeiraSíntese dos resultados do inquérito à literacia financeira
Síntese dos resultados do inquérito à literacia financeira
 
Ecn teste diagnostico_modulo 1
 Ecn teste diagnostico_modulo 1 Ecn teste diagnostico_modulo 1
Ecn teste diagnostico_modulo 1
 
Padronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeisPadronizacao das demostracoes contabeis
Padronizacao das demostracoes contabeis
 

Semelhante a Aulas poupanca e_investimento

Poupança e Investimento
Poupança e Investimento Poupança e Investimento
Poupança e Investimento
Slideshare O Mundo da Informção
 
Gestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovaçãoGestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovação
Vicente Willians Nunes
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovação
laikboy
 
Tecnologia da informação vicente willians aula 5
Tecnologia da informação vicente willians aula 5Tecnologia da informação vicente willians aula 5
Tecnologia da informação vicente willians aula 5
Vicente Willians Nunes
 
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovaçãoAs fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
Fernando Alcoforado
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Luciano Pires
 
[E-book] Como transformar ideias em resultados
[E-book] Como transformar ideias em resultados[E-book] Como transformar ideias em resultados
[E-book] Como transformar ideias em resultados
Ninho Desenvolvimento Empresarial
 
Administraçao de sistemas aula 3
Administraçao de sistemas  aula 3Administraçao de sistemas  aula 3
Administraçao de sistemas aula 3
Vicente Willians Nunes
 
Informação e inteligência competitiva aula 4
Informação e inteligência competitiva aula 4Informação e inteligência competitiva aula 4
Informação e inteligência competitiva aula 4
vicente nunes
 
Aula 3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - Prof.Vicente Willians
Aula 3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - Prof.Vicente WilliansAula 3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - Prof.Vicente Willians
Aula 3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - Prof.Vicente Willians
Vicente Willians Nunes
 
Tecnologia da Informação - aula 3
Tecnologia da Informação - aula 3Tecnologia da Informação - aula 3
Tecnologia da Informação - aula 3
vicente nunes
 
2-O-que-e-inovacao-Definicao-importancia-e-as-acoes-que-tem-impulsionado-a-in...
2-O-que-e-inovacao-Definicao-importancia-e-as-acoes-que-tem-impulsionado-a-in...2-O-que-e-inovacao-Definicao-importancia-e-as-acoes-que-tem-impulsionado-a-in...
2-O-que-e-inovacao-Definicao-importancia-e-as-acoes-que-tem-impulsionado-a-in...
AuceliodaSilvaSoutoP
 
TCC_EderBatistaMacedo_v6
TCC_EderBatistaMacedo_v6TCC_EderBatistaMacedo_v6
TCC_EderBatistaMacedo_v6
Eder Macedo
 
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e InovaçãoEmbrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
BRAIN Brasil Inovação
 
Inovação Tecnologica
Inovação TecnologicaInovação Tecnologica
Inovação Tecnologica
Marcelo Pereira
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Hugo Oliveira
 
Analise de investimentos. (1)
Analise de investimentos. (1)Analise de investimentos. (1)
Analise de investimentos. (1)
Josy Freitas
 
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústriaInovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Fabricio Martins
 
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdfAULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
FranciscoNeto353211
 
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdfAULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
FranciscoNeto353211
 

Semelhante a Aulas poupanca e_investimento (20)

Poupança e Investimento
Poupança e Investimento Poupança e Investimento
Poupança e Investimento
 
Gestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovaçãoGestão empresarial aula 5 inovação
Gestão empresarial aula 5 inovação
 
Inovação
InovaçãoInovação
Inovação
 
Tecnologia da informação vicente willians aula 5
Tecnologia da informação vicente willians aula 5Tecnologia da informação vicente willians aula 5
Tecnologia da informação vicente willians aula 5
 
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovaçãoAs fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
As fragilidades do brasil em ciência, tecnologia e inovação
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
 
[E-book] Como transformar ideias em resultados
[E-book] Como transformar ideias em resultados[E-book] Como transformar ideias em resultados
[E-book] Como transformar ideias em resultados
 
Administraçao de sistemas aula 3
Administraçao de sistemas  aula 3Administraçao de sistemas  aula 3
Administraçao de sistemas aula 3
 
Informação e inteligência competitiva aula 4
Informação e inteligência competitiva aula 4Informação e inteligência competitiva aula 4
Informação e inteligência competitiva aula 4
 
Aula 3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - Prof.Vicente Willians
Aula 3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - Prof.Vicente WilliansAula 3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - Prof.Vicente Willians
Aula 3 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - Prof.Vicente Willians
 
Tecnologia da Informação - aula 3
Tecnologia da Informação - aula 3Tecnologia da Informação - aula 3
Tecnologia da Informação - aula 3
 
2-O-que-e-inovacao-Definicao-importancia-e-as-acoes-que-tem-impulsionado-a-in...
2-O-que-e-inovacao-Definicao-importancia-e-as-acoes-que-tem-impulsionado-a-in...2-O-que-e-inovacao-Definicao-importancia-e-as-acoes-que-tem-impulsionado-a-in...
2-O-que-e-inovacao-Definicao-importancia-e-as-acoes-que-tem-impulsionado-a-in...
 
TCC_EderBatistaMacedo_v6
TCC_EderBatistaMacedo_v6TCC_EderBatistaMacedo_v6
TCC_EderBatistaMacedo_v6
 
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e InovaçãoEmbrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
 
Inovação Tecnologica
Inovação TecnologicaInovação Tecnologica
Inovação Tecnologica
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Analise de investimentos. (1)
Analise de investimentos. (1)Analise de investimentos. (1)
Analise de investimentos. (1)
 
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústriaInovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
Inovação: Conceitos, gestão, parcerias e oportunidades para a indústria
 
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdfAULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
 
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdfAULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
AULA_21___GEST_O_DA_INOVA__O_3_15592522169242_10352 (1).pdf
 

Mais de duartealbuquerque

2 apontamentos poupanca_e_investimento
2 apontamentos poupanca_e_investimento2 apontamentos poupanca_e_investimento
2 apontamentos poupanca_e_investimento
duartealbuquerque
 
1 apontamentos poupanca_e_investimento
1 apontamentos poupanca_e_investimento1 apontamentos poupanca_e_investimento
1 apontamentos poupanca_e_investimento
duartealbuquerque
 
Sinteses esquematicas 11.o_ano_i
Sinteses esquematicas 11.o_ano_iSinteses esquematicas 11.o_ano_i
Sinteses esquematicas 11.o_ano_i
duartealbuquerque
 
O que é a sociologia? A. Giddens
O que é a sociologia? A. GiddensO que é a sociologia? A. Giddens
O que é a sociologia? A. Giddens
duartealbuquerque
 
Limitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade NacionalLimitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade Nacional
duartealbuquerque
 
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito EconómicoUnidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
duartealbuquerque
 
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade NacionalUnidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
duartealbuquerque
 
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas  8 os agentes económicos e o circuito económicoRespostas  8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
duartealbuquerque
 
8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico
duartealbuquerque
 
Unidade 8
Unidade 8Unidade 8
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxosUnidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
duartealbuquerque
 
Teste Diagnóstico
Teste DiagnósticoTeste Diagnóstico
Teste Diagnóstico
duartealbuquerque
 
Conceitos
ConceitosConceitos

Mais de duartealbuquerque (17)

2 apontamentos poupanca_e_investimento
2 apontamentos poupanca_e_investimento2 apontamentos poupanca_e_investimento
2 apontamentos poupanca_e_investimento
 
1 apontamentos poupanca_e_investimento
1 apontamentos poupanca_e_investimento1 apontamentos poupanca_e_investimento
1 apontamentos poupanca_e_investimento
 
Textos complementares
Textos complementaresTextos complementares
Textos complementares
 
Manual p.e unidade 10 iii
Manual p.e unidade 10 iiiManual p.e unidade 10 iii
Manual p.e unidade 10 iii
 
Manual p.e unidade 10 ii
Manual p.e unidade 10 iiManual p.e unidade 10 ii
Manual p.e unidade 10 ii
 
Manual p.e unidade 10 i
Manual p.e unidade 10 iManual p.e unidade 10 i
Manual p.e unidade 10 i
 
Sinteses esquematicas 11.o_ano_i
Sinteses esquematicas 11.o_ano_iSinteses esquematicas 11.o_ano_i
Sinteses esquematicas 11.o_ano_i
 
O que é a sociologia? A. Giddens
O que é a sociologia? A. GiddensO que é a sociologia? A. Giddens
O que é a sociologia? A. Giddens
 
Limitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade NacionalLimitações da Contabilidade Nacional
Limitações da Contabilidade Nacional
 
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito EconómicoUnidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
Unidade 8 - Os Agentes Económicos e o Circuito Económico
 
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade NacionalUnidade 9 - A Contabilidade Nacional
Unidade 9 - A Contabilidade Nacional
 
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas  8 os agentes económicos e o circuito económicoRespostas  8 os agentes económicos e o circuito económico
Respostas 8 os agentes económicos e o circuito económico
 
8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico8 os agentes económicos e o circuito económico
8 os agentes económicos e o circuito económico
 
Unidade 8
Unidade 8Unidade 8
Unidade 8
 
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxosUnidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
Unidade 8 -_preparacao_exame_porto_editora_fluxos
 
Teste Diagnóstico
Teste DiagnósticoTeste Diagnóstico
Teste Diagnóstico
 
Conceitos
ConceitosConceitos
Conceitos
 

Aulas poupanca e_investimento

  • 2. Ao longo da matéria estudámos o conceito de rendimento pessoal disponível das famílias, ou seja, aquele com que as famílias ficam depois de terem recebido todos os rendimentos a que têm direito e depois de deduzidos os impostos e as contribuições para a segurança social.
  • 3. É este o rendimento que as famílias irão utilizar na aquisição de bens e serviços, ou seja, em consumo. Mas, existe uma parte do rendimento que não é gasto, é guardado. A isso chama-se poupança.
  • 4. Temos então que: Consumo Rendimento pessoal disponível (é aplicado em) Poupança
  • 5. Poupança Poupança representa a parte do rendimento que não é destinada ao consumo, ou seja, consiste numa renúncia a uma satisfação imediata, em benefício de uma satisfação futura.
  • 7. Porque razões poupam as famílias? Motivos de precaução, receio de não terem rendimentos no futuro Riscos futuros Objectivos de longo prazo Aplicação do dinheiro
  • 8. Factores determinantes da poupança Rendimento disponível das famílias Publicidade e incentivos ao consumo (criam necessidades e levam a que as pessoas poupem menos) Condições do futuro (reforma, doença, educação dos filhos, desemprego, etc)
  • 9. Factores determinantes da poupança Para além das famílias, as empresas também poupam ao não distribuírem a totalidade ou parte dos seus lucros, canalizando-os para o investimento. De igual forma, os Estados também realizam as suas poupanças. Assim, no seu conjunto, a poupança dos países corresponde à soma das poupanças das famílias, das empresas e do Estado
  • 11. Aplicações da poupança Entesouramento – Conservação de valores de forma inactiva (ouro, moedas antigas, mealheiros, etc.) Aplicação financeira - Depósitos bancários ou compra de activos financeiros (acções, obrigações, etc.) Investimento – Parte das poupanças destinadas à aquisição de bens de produção e de valores imobiliários ou mobiliários
  • 12. Aplicações da poupança De acentuar que a poupança constitui uma muito importante determinante da produtividade de um país e, consequentemente, do seu padrão de vida.
  • 13. Aplicações da poupança Com efeito, sendo os recursos escassos, para que uma sociedade invista mais em capital, terá de consumir menos e poupar mais do seu rendimento, ou seja: terá de sacrificar o consumo de bens e serviços no presente para beneficiar de um maior consumo no futuro.
  • 14. Aplicações da poupança Taxa de poupança = Poupança / Rend. Pessoal Disp x 100
  • 15. Quando os particulares poupam é porque esperam obter uma melhor situação no futuro. Mas pode esta poupança ajudar outros igualmente? É precisamente nesta questão que se situa a distinção entre poupança e investimento
  • 16. Se a primeira é, como vimos, a parte do rendimento pessoal disponível que não é gasta em consumo, o segundo traduz justamente esse sacrifício de não consumir no presente, com o objectivo de aumentar e/ou manter a produção no futuro.
  • 17. Investimento Investimento é a parcela da poupança que se destina à aquisição de bens de produção que permitem manter ou aumentar a capacidade de produtiva de um país.
  • 20. Investimento Conclui-se, portanto, que o investimento traduz-se na formação de capital, a qual se decompõe em:
  • 21. O investimento das empresas (e do Estado) pode ser analisado de diferentes formas: Formação Bruta de Capital Fixo – respeita ao investimento em capital fixo, quer o correspondente a mais capital (Formação Líquida de Capital Fixo), quer o respeitante à substituição de capital utilizado (amortizações)
  • 22. O investimento das empresas (e do Estado) pode ser analisado de diferentes formas: Variação de existências – compreende as matérias-primas e subsidiárias e os produtos acabados e semi-acabados, representando a diferença entre a existência final e a existência inicial de um determinado ano.
  • 23. O investimento das empresas (e do Estado) pode ser analisado de diferentes formas: Formação de capital = FBCF + VE
  • 25. Tipos de Investimentos Investimento Material – Despesas em aquisição de bens de produção físicos (terrenos, edifícios, escritórios)
  • 26. Tipos de Investimentos Investimento Imaterial – Despesas cujos efeitos, apesar de não se traduzirem na aquisição de bens materiais, se repercutem por vários anos como as despesas destinadas a Investigação e Desenvolvimento (I&D), formação profissional, aquisição de patentes, publicidade, marketing, etc
  • 27. Tipos de Investimentos Investimento Financeiro – Aplicação de poupança na aquisição de valores mobiliários, como acções ou obrigações, com o objectivo de obter um rendimento
  • 28. Funções do Investimento Investimento de substituição – determina a reposição da capacidade produtiva (meios de produção não duradouros que foram utilizados e totalmente consumidos ao longo do processo produtivo, bem como da reposição do capital fixo)
  • 29. Funções do Investimento Investimento de capacidade – destina-se a aumentar a capacidade produtiva seja através de máquinas mais modernas ou a ampliação das instalações ou a aplicação de novas técnicas produtivas.
  • 30. Funções do Investimento Inovação - investimento realizado em actividades que visam desenvolver novos produtos e processos ou introduzir melhorias significativas nos produtos e processos já existentes
  • 31. O investimento é fundamental para o desenvolvimento da actividade económica. Sem investimento as sociedades não crescem, não se desenvolvem. Com efeito, o investimento é que permite criar riqueza, produzir mais e melhores bens, que ficam à disposição das famílias, para estas poderem satisfazer as suas necessidades de consumo.
  • 32. Por outro lado, se há mais produção nas empresas, há mais rendimentos a repartir. Logo, as Famílias passam a ganhar mais e a poder consumir e poupar mais. Vemos, assim, que consumo, poupança e investimento estão interligados, influenciando-se mutuamente.
  • 34. Inovação Tecnológica e I&D O progresso tecnológico, que resulta da aplicação de novos conhecimentos/inovações ao processo produtivo, tem permitido o aumento quantitativo e/ou qualitativo da produção.
  • 35. Inovação Tecnológica e I&D Essas inovações estão, geralmente, associadas à introdução de novos produtos, de novas técnicas de produção, de novos processos de fabrico ou de vendas. Ora, as inovações e o progresso tecnológico resultam, principalmente, das actividades de Investigação e Desenvolvimento (I&D).
  • 36. Inovação Tecnológica e I&D Assim, na sociedade actual, onde a inovação tecnológica é constante, as empresas para serem competitivas e terem sucesso, num contexto mundial em que a concorrência é cada vez maior, deverão estar atentas à sua capacidade de inovação.
  • 37. Inovação Tecnológica e I&D Ora, isso significa que deverão investir em l&D quer individualmente, quer apoiadas pelo Estado, quer em colaboração com as universidades ou outras entidades.
  • 38. Inovação Tecnológica e I&D Não será difícil afirmar-se a importância do investimento para as empresas e para a economia em geral. Na verdade, por um lado, o aumento da riqueza e, consequentemente, a melhoria do padrão de vida de uma sociedade só são alcançados com crescimento económico, o qual depende, no essencial da capacidade de poupança de uma economia;
  • 39. Inovação Tecnológica e I&D Por outro lado, o actual contexto de globalização em que a concorrência é crescente exige das empresas uma cada vez maior capacidade competitiva. Inovação e progresso tecnológico constituem “palavras de ordem” para qualquer empresa.
  • 40. Inovação Tecnológica e I&D O esforço empresarial dedicado às actividades de I&D constitui uma exigência da sociedade contemporânea No mundo de hoje, o empresário moderno faz a diferença em relação aos demais, desde logo porque pensa e age de forma diferente
  • 41. Inovação Tecnológica e I&D Consciente de que, no contexto actual, as novas e crescentes exigências e os múltiplos desafios que se colocam não se compadecem com um espírito tradicional, o novo empresário sabe que tem de estar aberto para o inesperado, para o quase-impossível, para um “novo olhar” que exige um estado de insatisfação permanente e um questionar incessante
  • 42. Inovação Tecnológica e I&D Daí que se reconheça que a inovação é fundamental, dir-se-ia mesmo basilar, numa sociedade marcada por mudanças bruscas na forma de produzir, distribuir e comercializar bens
  • 43. Inovação Tecnológica e I&D A introdução de novas tecnologias nos processos produtivos assume, assim, uma muito especial relevância, quer pelos custos mais baixos a que conduz, quer pela melhoria da qualidade e aumento da quantidade dos bens que se produzem, quer ainda pela criação de novos produtos, mais sofisticados e com potencialidades superiores.
  • 44. Inovação Tecnológica e I&D De salientar, que estes aspectos não deixarão de se reflectir directamente sobre o emprego e a alteração dos padrões de consumo.
  • 45. Inovação Tecnológica e I&D Em conclusão: A investigação e o desenvolvimento agem sobre a produção de diversas maneiras que podem resumir-se no seguinte: a descoberta de novos produtos a descoberta de novos processos de produção
  • 46. Inovação Tecnológica e I&D A actividade de investigação supõe a articulação entre ciência e técnica, entre pesquisa fundamental e aplicada.
  • 48. O Financiamento da Actividade Económica – Autofinanciamento e Financiamento Externo Para realizarem os seus investimentos, as empresas e o Estado necessitam de recursos financeiros, recorrendo para isso a fundos próprios ou, no caso de insuficientes a fundos alheios
  • 49. O Financiamento da Actividade Económica – Autofinanciamento e Financiamento Externo Na hipótese de os agentes económicos satisfazerem as suas necessidades de financiamento com fundos próprios, diz-se tratarse de um financiamento interno (autofinanciamento); se porém, se recorre a fundos alheios, está-se perante um financiamento externo
  • 50. O Financiamento da Actividade Económica – Autofinanciamento e Financiamento Externo Por isso se fala em capacidade (+) e necessidade (-) de financiamento Conclui-se Investimento > Poupança => Necessidade de Financiamento Financiamento externo
  • 51. O Financiamento da Actividade Económica – Autofinanciamento e Financiamento Externo Poupança > Investimento => Capacidade de Investimento Financiamento interno (autofinanciamento)
  • 52. O Financiamento da Actividade Económica – Autofinanciamento e Financiamento Externo Mas como recorre um agente económico ao financiamento alheio? A obtenção de fundos é garantida pelas poupanças de outros agentes económicos que dispõem de recursos excedentários, podendo ser conseguida:
  • 53. O Financiamento da Actividade Económica – Autofinanciamento e Financiamento Externo directamente, pelo recurso ao mercado de títulos, através da emissão de acções (aumento de capital) e/ou de obrigações – financiamento externo directo; indirectamente, através do mercado de crédito junto das instituições financeiras, designadamente os bancos – financiamento externo indirecto
  • 54. Financiamento Externo Directo Com o objectivo de captar directamente as poupanças dos particulares, emitem-se acções e títulos representativos de dívida, essencialmente obrigações. Trata-se de valores que são transaccionados mo mercado de títulos ou mercado de valores mobiliários, livremente transmissíveis e possuidores de liquidez garantida pela negociação no mercado
  • 57. Financiamento Externo Indirecto A breve análise do quadro inserido permitenos, de imediato, concluir acerca das funções do crédito enquanto estímulo ao consumo das famílias e incentivo à produção. Assim, por um lado, o crédito, ao suprir a insuficiência da poupança das famílias, viabiliza um maior consumo, diferindo o seu pagamento no tempo;
  • 58. Financiamento Externo Indirecto Por outro lado, permite às empresas resolver dificuldades pontuais de tesouraria e, fundamentalmente, procederem à realização de investimentos. Desta forma, quer em consequência do aumento do mercado consumidor, quer derivado do esforço de investimento que, de outra forma, não seria realizado, o crédito constitui um muito importante instrumento de crescimento económico
  • 85. O Mercado de Títulos
  • 86. O Mercado de Títulos
  • 87. O Mercado de Títulos
  • 88. O Mercado de Títulos
  • 89. O Mercado de Títulos
  • 90. O Mercado de Títulos
  • 91. O Mercado de Títulos
  • 92. O Mercado de Títulos
  • 93. O Investimento em Portugal e o Investimento Português no Estrangeiro Vimos já que o investimento consiste no acto através do qual a poupança é aplicada na aquisição de meios de produção, tendo em vista o aumento e/ou manutenção da produção no futuro
  • 94. O Investimento em Portugal e o Investimento Português no Estrangeiro Se os agentes económicos aforrador e investidor final forem residentes no mesmo território, verificar-se-á um investimento interno, que tanto pode ser público (se efectuado pelo Estado) como privado ( se realizado por empresas privadas)
  • 95. O Investimento em Portugal e o Investimento Português no Estrangeiro Refira-se que, depois do acentuado dinamismo observado até 2000 , a FBCF apresentou, a partir daí, uma redução continuada apenas interrompida em 2007, voltando, em 2008, a verificar-se uma variação estimada de -1,7%
  • 96. O Investimento em Portugal e o Investimento Português no Estrangeiro Como afirma o Banco de Portugal, “aFBCF em Portugal registou uma redução acumulada em volume de 10% desde 2000, acentuando a divergência face ao conjunto da área do euro, onde a FBCF, em idêntico período, apresentou uma variação acumulada de 17%”.
  • 97. O Investimento em Portugal e o Investimento Português no Estrangeiro
  • 98. O Investimento em Portugal e o Investimento Português no Estrangeiro Caso, porém, os mesmos agentes económicos sejam residentes em países diferentes, ou seja, o aforrador é residente no território e o investidor final é não residente, o movimento de capitais dará origem ao investimento directo estrangeiro (IDE)
  • 99. Investimento Directo Estrangeiro em Portugal (IDE) “aplicação de capitais efectuada com o fim de adquirir uma posição duradoura, ou mesmo o controlo, numa empresa que exerce a sua actividade no estrangeiro.
  • 100. Investimento Directo Estrangeiro em Portugal (IDE) Um fluxo de investimento directo em Portugal pode corresponder à criação de uma empresa em Portugal por parte do investidor estrangeiro, à aquisição de pelo menos 10% de capital de uma sociedade portuguesa anteriormente existente, ao reinvestimento dos lucros por um filial da empresa estrangeira em Portugal ou a operações entre a casa-mãe no estrangeiro e uma filial em Portugal (aumentos de capital, empréstimos diversos, adiantamentos, etc.)”
  • 101. Investimento Directo Português no Estrangeiro (IPE) “aplicação de capitais efectuada com o fim de adquirir uma posição duradoura, ou mesmo o controlo, numa empresa que exerce a sua actividade no estrangeiro.
  • 102. Investimento Directo Português no Estrangeiro (IPE) Um fluxo de investimento directo português pode corresponder à criação de uma empresa no estrangeiro por parte de um investidor nacional, à aquisição de pelo menos 10% de capital de uma sociedade estrangeira anteriormente existente, ao reinvestimento dos lucros por um filial de uma empresa portuguesa no estrangeiro ou a operações entre a casa-mãe em Portugal e uma filial no estrangeiro (aumentos de capital, empréstimos diversos, adiantamentos, etc.)”
  • 103. Investimento Directo Português no Estrangeiro (IPE) O gráfico que a seguir se insere refere-se à posição do investimento directo de Portugal no exterior (IPE) e do exterior em Portugal (IDE)
  • 104. Investimento Directo Português no Estrangeiro (IPE)
  • 105. Investimento Directo Português no Estrangeiro (IPE) Como se verifica, o investimento directo de Portugal no exterior (IPE) é muito inferior ao do exterior em Portugal (IDE), donde resulta um saldo negativo do investimento directo, que em 2006, 2007 e 2008 foi respectivamente de – 26 179, - 32 339 e – 25 996 milhões de euros.
  • 106. Investimento Directo Português no Estrangeiro (IPE) Por outro lado, se, de 2006 para 2007, tanto o IPE como o IDE apresentam um crescimento, em 2008, verifica-se uma sua queda.
  • 107. Investimento Directo Português no Estrangeiro (IPE) Em ambos os casos, porém, a componente relativa ao investimento directo no capital das empresas e lucros reinvestidos permanece, de longe, como a de maior relevância, respeitando às outras operações de capital uma posição pouco significativa