SlideShare uma empresa Scribd logo
Jacques Le Goff
Sobre o Autor
Jacques Le Goff

• Nasceu em 1 de Janeiro de 1924 na
  cidade de Toulon – Sul da França;
• Iniciou seus estudos na École Normale
  Superiéure de Paris, o principal centro
  de formação dos quadros do magistério
  Francês;
• Em 1944 ingressou no Liceu Louis-le
  Grand.
• Entre os Anos de 1947/48, estudou na
  Universidade Charle de Prague.
• Em 1950, já como professor de História, torna-se membro da École Française de
  Rome.
• Em 1954, foi nomeado Assistente da Faculté de Lille, ocupando o cargo até 1959.
• Em 1960 foi nomeado pesquisador do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa
  Científica).
• Em 1962 Assume o cargo de Mestre-Assistente VI seção da École Pratique des Hautes
  Études
Bibliografia do Autor

  •   Os Mercadores o os Banqueiros na Idade Média (1956)
  •   Os Intelectuais na Idade Média (1957)
  •   A Civilização do Ocidente Medieval (1964)
  •   Para Um Novo conceito da Idade Média (1977)
  •   O Apogeu da Cidade Medieval (1980)
  •   O Nascimento do Purgatório (1981)
  •   O Imaginário Medieval (1985)
  •   História e Memória (1988)
  •   O Homem medieval (1994)
  •   A Europa contada aos Jovens (1996)
  •   Por Amos das Cidades (1999)
  •   Dicionário Temático do Ocidente Medieval (2001)
  •   O Deus da Idade Média (2003)
  •   Em busca da Idade Média (2003)
 Le Goff se opõe a ideia da história utilizada para justificar fins políticos, e passa a
  atuar em prol de uma renovação pedagógica no ensino de tal disciplina.

 Dirigiu os estudos relacionados à “Nova História”, corrente historiográfica
  correspondente a terceira geração da École dos Annales.
Exemplos de retratações históricas com finalidades políticas no Brasil




                           Pedro Américo retrata Tiradentes com e
                           como Jesus Cristo. Também idealiza O Grito
                           da Independência, com Dom Pedro II belo e
                           formoso sobre seu corcel.
“A fobia da história política já não é
 um artigo de fé, porque a noção de
política evoluiu e a problemática do
 poder impôs-se à Nova História.”
•   “Revolução urbana do século XII” Sidney R. Packard;
•   Crescimento quantitativo espetacular, sobretudo entre 1150 e 1300
•   Indicadores desse crescimento: aumento do perímetro das
    muralhas, novos burgos e subúrbios, multiplicação das
    paróquias, conventos e casas


    •   Habitantes das novas cidades não pensavam em criar uma
        cidade, pensavam em formar uma comunidade capaz de fazer frente aos
        senhores
    •   Consciência a princípio física, separando-se quase sempre por muralhas
        do exterior não-urbano
    •   Estrutura interna com pontos de referência emblemáticos
    •   Conventos das ordens medicantes, nascidos nas cidades e para as
        cidades, exprimirá essa primeira tomada de consciência urbana
Haguenau – Terceira muralha - 1300   Haguenau - As três muralhas
 A urbanização é dirigida. “Fruto da vontade de um homem e não
  mais obra coletiva de gerações sucessivas… Desta vez a
  urbanização precede o povoamento em vez de ser a sua
  consequência… Em Reims, os urbanistas dos anos 1180-1210
  fixaram definitivamente a configuração de sua cidade por vários
  séculos.” (P. Desportes)
 O arcebispo Guillaume de Champagne realizou, a partir de 1183,
  o loteamento da totalidade do seu domínio em torno de uma
  artéria central
 “teve-se uma visão ampla e ambiciosa: nem todo o espaço
  oferecido foi ocupado; mas a superfície construída quase
  duplicou”
 Cidades fortificadas;
 Charles Higounet pensa que se trata sobretudo de uma Organização da
  ocupação do solo e de um agrupamento da população;
 Permanecem muito inseridas no tecido campesino, constituindo antes
  burgos rurais do que cidades propriamente ditas;




 Século XIII, início do recenseamento
 A distância entre o lugar de origem e a cidade depende evidentemente
  da importância dessa cidade, de seu poder de atração
 Origem sobretudo rural, camponeses recém-urbanizados
 A França urbana medieval é em grande parte uma França rural da
  cidade
 tabela
 tipos de cidades
 ilustração genérica
Muralhas
• Construída para fins militares e de
  defesa
• Elemento físico e simbólico mais
  significativo das cidades medievais
• Elemento essencial para a tomada
  da consciência urbana
• Elemento que estabelece a dialética
  entre interior e exterior




•
Muralhas
• Construídas em pedra, constituíam-se de muros, torres e portas
• A responsabilidade pela guarda e manutenção se dividia, entre seus
  habitantes, por vezes aos citadinos, outras, aos senhores e ao rei
• A destruição da muralha simbolizava a derrota da cidade
Portas
• Portas como instrumento da dialética do exterior e o
  interior.
• Mercados, albergues, e conventos de ordens
  mendicantes se instalavam próximas às portas
• A defesa das portas era ponto chave para proteção da
  cité e do burgo




                                            Porta Aude, Carcassonne
   Porta Narbonne, Carcassonne
Estradas e Pontes
• Estradas eram elementos de conexão entre
  cidades e elementos da cité
• Estradas compunham elemento chave para
  determinar a relação entre campo e cidade
• Pontes eram elementos de transposição de
  rios, articulavam estradas.




                                              Ponte Velha, Carcassonne
Ponte Valentre, Cahors




                         Ponte Nova, Cahors
Forma da Cidade Medieval


  Muralha: elemento não determinante;
  Sítio Geográfico: fator plenamente determinande
   Cidades planas ou de planícies eram minoria. Enquanto, as cidades nos
   morros, terraços ou colinas eram maioria.

   Motivos que influenciavam a escolha do sítio geográfico:
  Proteção contra inundações;
  Defesa contra invasões;
  Referência a temas imaginários, muitos deles baseados em citações
   bíblicas.
Centro da Cidade Medieval

 Tortuoso;
 Dédalo de ruelas, ou seja, um lugar onde os caminhos estão dispostos
   de maneira confusa a ponto de confundir os passantes;
    Motivos:
    Essas características são consequências das marcas feudais, como, por
exemplo, dos limite dos feudos, das censíves - local sobre o qual é cobrado
o censo.
Estruturas da Cidade Medieval

 Três estruturas da cidade medieval:
1. Cidades oriundas da cité romana:
    - Centro: corresponde à cidade do Baixo Imperio com muralhas;
   - Característica marcante: par de eixos perpendiculares que se cruzam;
   - Cités não se encontram isoladas, e sim, engastadas na cidade medieval;
   - Pequena superfície (5 a 30 habitantes)




                                                  A cité e as paróquias urbanas
                                                  de     Bordeaux,     segunda
                                                  metade         do      século
                                                  XII, conforme Ch.
Toulouse




Metz
2. Cidades de Adesão, segundo Pierre Lavedan, correspondem às cidades
oriundas de núcleos pré-urbanos.
Origem: a partir de castelos e mosteiros




             Castelo Charlieu              Charlieu, dessin de Gaston Jourda
                                           de Vaux
Desenvolveram-se de três maneiras distintas:

a) Cidades com um único centro, onde se localiza o castelo e o mosteiro




 Brive, onde sete ruas irradiantes convergem para a igreja de Saint-Martin — "uma teia de aranha"
b) Cidades policêntrica
 Casos em que se divide em várias núcleos urbanos;
 Pode ser ou não circundada por uma muralha.
  Em Reims, por exemplo, há dois nucleos primitivos, a cité encerrada na muralha galo-
romana de forma oval e o burgo desenvolvido ao redor da Abadia de Saint-Remi.




 Abadia de Saint-Remi
c) Casos em que se divide em cidade alta e cidade baixa
   As cidades altas posicionavam-se no centro em relação à cidade baixa que o
circunda. Tal configuração possuía um centro, formado pela atração gerada por um
mosteiro ou castelo.




                                 Cidade
                                 Loches




                                  Château de
                                  loches,
                                  França
3. Cidades Novas ou Bastides
   Algumas foram pré-concebidas, e, portanto, possuíam planta
geométrica e praça central com entorno regular; enquanto, outras eram
“espaços inorgânicos de aldeias de formação espontânea”
Elementos das Bastides:
- Muralhas
- Praças
  Centro de atração;
  Havia preocupação com o planejamento
urbano deste local;
   Cercada pelos cobertos, mercados de
madeira com passagens subterrâneas para
abastecimento.
- Igrejas


Muitas bastides foram bem sucedidas;
enquanto outras não passavam de aldeias.



Quanto ao terreno, havia um divisão:
 - locais de construção;
- jardim;
- arpentos de terras cultiváveis ou vinhas
Cidade de Saint-Denis, França
• Localizada a aproximadamente 10 km do centro de Paris

• Abadia construída em local considerado sagrado

• Homenagem a St. Denis, 1º bispo de Paris

• Centro de atração de peregrinos
 -Policêntrica:
 No geral, possue múltiplos pontos de interesse, onde se
 reunem os habitantes para suas funções sociais.

 - Pontos de referência (Arlette higounet) ou Pontos quentes
 Estabelecidos os pontos de referência( lugares e
 monumentos) são concebidos os espaços para as casas, ruas e
 circulação.
   Juntos , dão coesão à tessitura urbana e exercem poder de
    atração e repulsão aos citadinos.
 Os pontos de referência são aceleradores da vida
  urbana e neles manifestam-se 3 funções:

 1) religiosa
 2) econômica
 3)política
 1)Função religiosa:


 A igreja ocupa lugares estratégicos na topografia.


 Pontos de atração como centros litúrgicos ou de
 devoção. Também são pontos de partida de procissões
 Exerce funções
 -econômica de arrecadação, através do dízimo, censo e
 rendas.a

 - de comando através da alta justiça. (julgamentos e
 execuções)
 2)Função econômica


 Praças
 Mercados
 Ruas de artesãos e mercadores agrupados
 Moinhos Urbanos e suburbanos
 - Função Política:
    Figura nas mãos do Senhor Local(poder local) e do rei (
  poder regional).
 Forças de REPRESSÂO
 Ameaça; Domina a cidade
    Associada à Igreja através da Alta Justiça
   Poder de prisão




                                                         Pelourinho – local onde era feita
                                                                                  justiça




                                           Patíbulo ou Cadafalso
 Base: Atlas das cidade medievais da Alsácia Livro da
  Arlette Higounet sobre Périguex

 Breves estudos de caso sobre cidades alsacianas e referência
  de Périgueux




Região da Alsácia
                                 Périgueux, situada na
                                 Aquitânia
 Castelo Senhorial                      Frequentemente associados
                                         no mesmo espaço físico
 Igrejas
 Mercado ou Mercados
 Estabelec. Especializados em
  peixes, gado, grãos, tecidos, ervas.
 Tornos
 Arcadas de diferentes ofícios
 Moinhos
 Balanças públicas
   Pesos, medidas, moedas



  Mercados especializados em
   trigos, tecidos, açougues,
   açougues matadouros
 Equipamentos hídricos de usos comunitários


 Poços, Fontes e Banhos


 Em 1350 Estrasburgo contava com 11 banhos públicos.
 Tribunais


 Prisões ( bastilhas) localizadas no interior do castelo


 Pelourinho


 Patíbulo : extra muros
 Bordeis
 Cemitérios intraurbanos – locais de reunião e cultos
  religiosos.
 Paços Municipais
 Casa de senhores importantes , chamadas SALAS
 Cruzamentos
 Praças _ geralmente associadas ao mercado e outros
 equipamentos, tal como o Chafariz ( caso de Périgueux)

Igrejas
Casas de notáveis ( geralmente em pedra)
Fornos
Lagares
Açougues
 A importância dos rios aumenta com o
 desenvolvimento do artesanato e tecelagem.

 “As cidades medievais foram outras tantas Venezas”
 Produzem trigo, tecidos, tinturas, no fim da Id
 Média, até mesmo Papel;

 Extra muros
 Às margens dos rios que circundam a cidade
 No fosso ( como em Cernay, Alsácia,1268)
 Alguns moinhos são fortificados
 Podem estar associados à pontes ( moinhos-barcos)
• Fundada no séc. VII por Dagoberto I, rei dos
  Francos

• Inicialmente um mosteiro beneditino que guardava
  os restos mortais de St. Denis (padroeiro da França)

• No século VIII, o abade Fulrad consegue
  enriquecer consideravelmente as posses da
  igreja

• Recebia grandes caravanas de comerciantes para
  suas férias

• Sua influência cresce e passa a receber
  privilégios da corte

• Propõe a construção de uma nova igreja, planta
  próxima da configuração atual
• Em 869 é invadida e saqueada por
  normandos

• Começam as obras de muramento

• Em 877 é considerada tão bem
  fortificada que recebe parte da
  coleção de manuscritos do Rei,
  configurando a biblioteca de St.
  Denis, uma das mais ricas até o fim
  da Alta Idade Média
Planta de Suger (séc XII)   Desenho de reconstrução da   Planta atual
                                   torre norte.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Urbanismo Pombalino
Urbanismo PombalinoUrbanismo Pombalino
Urbanismo Pombalino
crie_historia8
 
A VIDA NA IDADE MÉDIA
A VIDA NA IDADE MÉDIAA VIDA NA IDADE MÉDIA
A VIDA NA IDADE MÉDIA
Dahistoria
 
Antonio sant’elia e a arquitetura futurista,1909 14
Antonio sant’elia e a arquitetura futurista,1909 14Antonio sant’elia e a arquitetura futurista,1909 14
Antonio sant’elia e a arquitetura futurista,1909 14
Tais Duque
 
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTEÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
abarros
 
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
filomena morais
 
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
glauci coelho
 
A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1
A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1
A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1
Maria Adelaide
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
Arquitetura neoclássica no rj ok
Arquitetura neoclássica no rj okArquitetura neoclássica no rj ok
Arquitetura neoclássica no rj ok
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Correção teste5 fev
Correção teste5 fevCorreção teste5 fev
Correção teste5 fev
manjosp
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
João Lima
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
Carla Teixeira
 
Plantas de cidades[1]
Plantas de cidades[1]Plantas de cidades[1]
Plantas de cidades[1]
Fátima Cunha Lopes
 
Benevolo 75
Benevolo 75 Benevolo 75
Benevolo 75
Ana Regina Pinto
 
5. a urbanização medieval
5. a urbanização medieval5. a urbanização medieval
5. a urbanização medieval
Ana Cunha
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
Carla Teixeira
 
Aula 02 grecia e as primeiras cidades [revisado em 20160821]
Aula 02 grecia e as primeiras cidades [revisado em 20160821]Aula 02 grecia e as primeiras cidades [revisado em 20160821]
Aula 02 grecia e as primeiras cidades [revisado em 20160821]
glauci coelho
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
Carla Teixeira
 

Mais procurados (20)

Urbanismo Pombalino
Urbanismo PombalinoUrbanismo Pombalino
Urbanismo Pombalino
 
A VIDA NA IDADE MÉDIA
A VIDA NA IDADE MÉDIAA VIDA NA IDADE MÉDIA
A VIDA NA IDADE MÉDIA
 
Antonio sant’elia e a arquitetura futurista,1909 14
Antonio sant’elia e a arquitetura futurista,1909 14Antonio sant’elia e a arquitetura futurista,1909 14
Antonio sant’elia e a arquitetura futurista,1909 14
 
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTEÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
 
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
 
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
 
A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1
A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1
A RecuperaçãO Da Qualidade Urbana 1
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
Arquitetura neoclássica no rj ok
Arquitetura neoclássica no rj okArquitetura neoclássica no rj ok
Arquitetura neoclássica no rj ok
 
Correção teste5 fev
Correção teste5 fevCorreção teste5 fev
Correção teste5 fev
 
Idade Média: Gótico
Idade Média: GóticoIdade Média: Gótico
Idade Média: Gótico
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 
Plantas de cidades[1]
Plantas de cidades[1]Plantas de cidades[1]
Plantas de cidades[1]
 
Benevolo 75
Benevolo 75 Benevolo 75
Benevolo 75
 
5. a urbanização medieval
5. a urbanização medieval5. a urbanização medieval
5. a urbanização medieval
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
Aula 02 grecia e as primeiras cidades [revisado em 20160821]
Aula 02 grecia e as primeiras cidades [revisado em 20160821]Aula 02 grecia e as primeiras cidades [revisado em 20160821]
Aula 02 grecia e as primeiras cidades [revisado em 20160821]
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
 

Destaque

História da Cidade - Benevólo
História da Cidade - BenevóloHistória da Cidade - Benevólo
História da Cidade - Benevólo
Daniele Barreto
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medieval
Maria Barroso
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
cattonia
 
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Lila Donato
 
05:. Plano de Paris
05:. Plano de Paris05:. Plano de Paris
05:. Plano de Paris
ARQ210AN
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Douglas Barraqui
 

Destaque (6)

História da Cidade - Benevólo
História da Cidade - BenevóloHistória da Cidade - Benevólo
História da Cidade - Benevólo
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medieval
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
Urbanismo medieval e renascentista - breves abordagens.
 
05:. Plano de Paris
05:. Plano de Paris05:. Plano de Paris
05:. Plano de Paris
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 

Semelhante a O apodeu da cidade medieval le goff

Planejamento Urbano e Regional.
Planejamento Urbano e Regional.Planejamento Urbano e Regional.
Planejamento Urbano e Regional.
Mayara Feitosa
 
Geo Urb 3.pptx
Geo Urb 3.pptxGeo Urb 3.pptx
Geo Urb 3.pptx
vpcsilva
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
a15385LeandroFilipeG
 
2ª aula renasc-urb
2ª aula renasc-urb2ª aula renasc-urb
2ª aula renasc-urb
Karina Maciel Monteiro
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Andrea Dressler
 
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptxhistoria-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
Sandra Sousa
 
Principais Áreas de Fixaçao Humana
Principais Áreas de Fixaçao HumanaPrincipais Áreas de Fixaçao Humana
Principais Áreas de Fixaçao Humana
Diogo Mateus
 
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por  Maísa da Silva FernandesArte Gótica - por  Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Maísa Fernandes
 
Cidade colonial salvador (apresentação)
Cidade colonial   salvador (apresentação)Cidade colonial   salvador (apresentação)
Cidade colonial salvador (apresentação)
Jéssica Saito
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
Joana Tavares
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
RosaNardaci1
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
cattonia
 
Apresentação powerpoint o despotismo esclarecido a cidade de lisboa como i...
Apresentação powerpoint  o despotismo esclarecido   a cidade de lisboa como i...Apresentação powerpoint  o despotismo esclarecido   a cidade de lisboa como i...
Apresentação powerpoint o despotismo esclarecido a cidade de lisboa como i...
isabelhortas
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
cattonia
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
João Lima
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
cattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Aprese. ecleticocapixaba
Aprese. ecleticocapixabaAprese. ecleticocapixaba
Aprese. ecleticocapixaba
CLARA LUIZA MIRANDA
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
Carla Teixeira
 

Semelhante a O apodeu da cidade medieval le goff (20)

Planejamento Urbano e Regional.
Planejamento Urbano e Regional.Planejamento Urbano e Regional.
Planejamento Urbano e Regional.
 
Geo Urb 3.pptx
Geo Urb 3.pptxGeo Urb 3.pptx
Geo Urb 3.pptx
 
Arquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptxArquitetura gotica.pptx
Arquitetura gotica.pptx
 
2ª aula renasc-urb
2ª aula renasc-urb2ª aula renasc-urb
2ª aula renasc-urb
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptxhistoria-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
 
Principais Áreas de Fixaçao Humana
Principais Áreas de Fixaçao HumanaPrincipais Áreas de Fixaçao Humana
Principais Áreas de Fixaçao Humana
 
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por  Maísa da Silva FernandesArte Gótica - por  Maísa da Silva Fernandes
Arte Gótica - por Maísa da Silva Fernandes
 
Cidade colonial salvador (apresentação)
Cidade colonial   salvador (apresentação)Cidade colonial   salvador (apresentação)
Cidade colonial salvador (apresentação)
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
86465.pptx
 
Arte gotica
Arte goticaArte gotica
Arte gotica
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
 
Apresentação powerpoint o despotismo esclarecido a cidade de lisboa como i...
Apresentação powerpoint  o despotismo esclarecido   a cidade de lisboa como i...Apresentação powerpoint  o despotismo esclarecido   a cidade de lisboa como i...
Apresentação powerpoint o despotismo esclarecido a cidade de lisboa como i...
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
Aprese. ecleticocapixaba
Aprese. ecleticocapixabaAprese. ecleticocapixaba
Aprese. ecleticocapixaba
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 

Mais de De Janks

Drenagem na rmsp apresentação parcial dez 2014
Drenagem na rmsp  apresentação parcial dez 2014Drenagem na rmsp  apresentação parcial dez 2014
Drenagem na rmsp apresentação parcial dez 2014
De Janks
 
Tour eiffel presentation
Tour eiffel presentationTour eiffel presentation
Tour eiffel presentation
De Janks
 
Presentation plataform publique - Place de la republique lille
Presentation plataform publique - Place de la republique lillePresentation plataform publique - Place de la republique lille
Presentation plataform publique - Place de la republique lille
De Janks
 
Seminário planurb
Seminário planurbSeminário planurb
Seminário planurb
De Janks
 
Vivienda social en madrid siglo xxi
Vivienda social en madrid siglo xxiVivienda social en madrid siglo xxi
Vivienda social en madrid siglo xxi
De Janks
 
O andar do bêbado – capítulo iv modificado
O andar do bêbado – capítulo iv modificadoO andar do bêbado – capítulo iv modificado
O andar do bêbado – capítulo iv modificado
De Janks
 
Apresentação cubo maracujá
Apresentação cubo  maracujáApresentação cubo  maracujá
Apresentação cubo maracujá
De Janks
 
Avaliação pós ocupação
Avaliação pós ocupaçãoAvaliação pós ocupação
Avaliação pós ocupação
De Janks
 
Aula império 2012
Aula império 2012Aula império 2012
Aula império 2012
De Janks
 
Aula i media 1 alta idade média
Aula i media 1 alta idade médiaAula i media 1 alta idade média
Aula i media 1 alta idade média
De Janks
 
Aula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade médiaAula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade média
De Janks
 
Gestalt new(fix)
Gestalt new(fix)Gestalt new(fix)
Gestalt new(fix)
De Janks
 
Aula 4 grecia 2012
Aula 4 grecia  2012Aula 4 grecia  2012
Aula 4 grecia 2012
De Janks
 
Seminário cidades precolombianas
Seminário cidades precolombianasSeminário cidades precolombianas
Seminário cidades precolombianas
De Janks
 
Visitaao centro2008
Visitaao centro2008Visitaao centro2008
Visitaao centro2008
De Janks
 
idade média
idade médiaidade média
idade média
De Janks
 
Prédio da reitoria
Prédio da reitoriaPrédio da reitoria
Prédio da reitoria
De Janks
 
Pico do jaraguá
Pico do jaraguáPico do jaraguá
Pico do jaraguá
De Janks
 
Paisagismo propostas campus usp
Paisagismo   propostas campus uspPaisagismo   propostas campus usp
Paisagismo propostas campus usp
De Janks
 
Paisagismo propostas campus usp
Paisagismo   propostas campus uspPaisagismo   propostas campus usp
Paisagismo propostas campus usp
De Janks
 

Mais de De Janks (20)

Drenagem na rmsp apresentação parcial dez 2014
Drenagem na rmsp  apresentação parcial dez 2014Drenagem na rmsp  apresentação parcial dez 2014
Drenagem na rmsp apresentação parcial dez 2014
 
Tour eiffel presentation
Tour eiffel presentationTour eiffel presentation
Tour eiffel presentation
 
Presentation plataform publique - Place de la republique lille
Presentation plataform publique - Place de la republique lillePresentation plataform publique - Place de la republique lille
Presentation plataform publique - Place de la republique lille
 
Seminário planurb
Seminário planurbSeminário planurb
Seminário planurb
 
Vivienda social en madrid siglo xxi
Vivienda social en madrid siglo xxiVivienda social en madrid siglo xxi
Vivienda social en madrid siglo xxi
 
O andar do bêbado – capítulo iv modificado
O andar do bêbado – capítulo iv modificadoO andar do bêbado – capítulo iv modificado
O andar do bêbado – capítulo iv modificado
 
Apresentação cubo maracujá
Apresentação cubo  maracujáApresentação cubo  maracujá
Apresentação cubo maracujá
 
Avaliação pós ocupação
Avaliação pós ocupaçãoAvaliação pós ocupação
Avaliação pós ocupação
 
Aula império 2012
Aula império 2012Aula império 2012
Aula império 2012
 
Aula i media 1 alta idade média
Aula i media 1 alta idade médiaAula i media 1 alta idade média
Aula i media 1 alta idade média
 
Aula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade médiaAula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade média
 
Gestalt new(fix)
Gestalt new(fix)Gestalt new(fix)
Gestalt new(fix)
 
Aula 4 grecia 2012
Aula 4 grecia  2012Aula 4 grecia  2012
Aula 4 grecia 2012
 
Seminário cidades precolombianas
Seminário cidades precolombianasSeminário cidades precolombianas
Seminário cidades precolombianas
 
Visitaao centro2008
Visitaao centro2008Visitaao centro2008
Visitaao centro2008
 
idade média
idade médiaidade média
idade média
 
Prédio da reitoria
Prédio da reitoriaPrédio da reitoria
Prédio da reitoria
 
Pico do jaraguá
Pico do jaraguáPico do jaraguá
Pico do jaraguá
 
Paisagismo propostas campus usp
Paisagismo   propostas campus uspPaisagismo   propostas campus usp
Paisagismo propostas campus usp
 
Paisagismo propostas campus usp
Paisagismo   propostas campus uspPaisagismo   propostas campus usp
Paisagismo propostas campus usp
 

O apodeu da cidade medieval le goff

  • 2. Sobre o Autor Jacques Le Goff • Nasceu em 1 de Janeiro de 1924 na cidade de Toulon – Sul da França; • Iniciou seus estudos na École Normale Superiéure de Paris, o principal centro de formação dos quadros do magistério Francês; • Em 1944 ingressou no Liceu Louis-le Grand. • Entre os Anos de 1947/48, estudou na Universidade Charle de Prague. • Em 1950, já como professor de História, torna-se membro da École Française de Rome. • Em 1954, foi nomeado Assistente da Faculté de Lille, ocupando o cargo até 1959. • Em 1960 foi nomeado pesquisador do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica). • Em 1962 Assume o cargo de Mestre-Assistente VI seção da École Pratique des Hautes Études
  • 3. Bibliografia do Autor • Os Mercadores o os Banqueiros na Idade Média (1956) • Os Intelectuais na Idade Média (1957) • A Civilização do Ocidente Medieval (1964) • Para Um Novo conceito da Idade Média (1977) • O Apogeu da Cidade Medieval (1980) • O Nascimento do Purgatório (1981) • O Imaginário Medieval (1985) • História e Memória (1988) • O Homem medieval (1994) • A Europa contada aos Jovens (1996) • Por Amos das Cidades (1999) • Dicionário Temático do Ocidente Medieval (2001) • O Deus da Idade Média (2003) • Em busca da Idade Média (2003)  Le Goff se opõe a ideia da história utilizada para justificar fins políticos, e passa a atuar em prol de uma renovação pedagógica no ensino de tal disciplina.  Dirigiu os estudos relacionados à “Nova História”, corrente historiográfica correspondente a terceira geração da École dos Annales.
  • 4. Exemplos de retratações históricas com finalidades políticas no Brasil Pedro Américo retrata Tiradentes com e como Jesus Cristo. Também idealiza O Grito da Independência, com Dom Pedro II belo e formoso sobre seu corcel.
  • 5. “A fobia da história política já não é um artigo de fé, porque a noção de política evoluiu e a problemática do poder impôs-se à Nova História.”
  • 6. “Revolução urbana do século XII” Sidney R. Packard; • Crescimento quantitativo espetacular, sobretudo entre 1150 e 1300 • Indicadores desse crescimento: aumento do perímetro das muralhas, novos burgos e subúrbios, multiplicação das paróquias, conventos e casas • Habitantes das novas cidades não pensavam em criar uma cidade, pensavam em formar uma comunidade capaz de fazer frente aos senhores • Consciência a princípio física, separando-se quase sempre por muralhas do exterior não-urbano • Estrutura interna com pontos de referência emblemáticos • Conventos das ordens medicantes, nascidos nas cidades e para as cidades, exprimirá essa primeira tomada de consciência urbana
  • 7.
  • 8.
  • 9. Haguenau – Terceira muralha - 1300 Haguenau - As três muralhas
  • 10.  A urbanização é dirigida. “Fruto da vontade de um homem e não mais obra coletiva de gerações sucessivas… Desta vez a urbanização precede o povoamento em vez de ser a sua consequência… Em Reims, os urbanistas dos anos 1180-1210 fixaram definitivamente a configuração de sua cidade por vários séculos.” (P. Desportes)  O arcebispo Guillaume de Champagne realizou, a partir de 1183, o loteamento da totalidade do seu domínio em torno de uma artéria central  “teve-se uma visão ampla e ambiciosa: nem todo o espaço oferecido foi ocupado; mas a superfície construída quase duplicou”
  • 11.
  • 12.  Cidades fortificadas;  Charles Higounet pensa que se trata sobretudo de uma Organização da ocupação do solo e de um agrupamento da população;  Permanecem muito inseridas no tecido campesino, constituindo antes burgos rurais do que cidades propriamente ditas;  Século XIII, início do recenseamento  A distância entre o lugar de origem e a cidade depende evidentemente da importância dessa cidade, de seu poder de atração  Origem sobretudo rural, camponeses recém-urbanizados  A França urbana medieval é em grande parte uma França rural da cidade
  • 13.
  • 14.
  • 16.  tipos de cidades
  • 18. Muralhas • Construída para fins militares e de defesa • Elemento físico e simbólico mais significativo das cidades medievais • Elemento essencial para a tomada da consciência urbana • Elemento que estabelece a dialética entre interior e exterior •
  • 19. Muralhas • Construídas em pedra, constituíam-se de muros, torres e portas • A responsabilidade pela guarda e manutenção se dividia, entre seus habitantes, por vezes aos citadinos, outras, aos senhores e ao rei • A destruição da muralha simbolizava a derrota da cidade
  • 20. Portas • Portas como instrumento da dialética do exterior e o interior. • Mercados, albergues, e conventos de ordens mendicantes se instalavam próximas às portas • A defesa das portas era ponto chave para proteção da cité e do burgo Porta Aude, Carcassonne Porta Narbonne, Carcassonne
  • 21. Estradas e Pontes • Estradas eram elementos de conexão entre cidades e elementos da cité • Estradas compunham elemento chave para determinar a relação entre campo e cidade • Pontes eram elementos de transposição de rios, articulavam estradas. Ponte Velha, Carcassonne
  • 22. Ponte Valentre, Cahors Ponte Nova, Cahors
  • 23. Forma da Cidade Medieval  Muralha: elemento não determinante;  Sítio Geográfico: fator plenamente determinande Cidades planas ou de planícies eram minoria. Enquanto, as cidades nos morros, terraços ou colinas eram maioria. Motivos que influenciavam a escolha do sítio geográfico:  Proteção contra inundações;  Defesa contra invasões;  Referência a temas imaginários, muitos deles baseados em citações bíblicas.
  • 24. Centro da Cidade Medieval  Tortuoso;  Dédalo de ruelas, ou seja, um lugar onde os caminhos estão dispostos de maneira confusa a ponto de confundir os passantes; Motivos: Essas características são consequências das marcas feudais, como, por exemplo, dos limite dos feudos, das censíves - local sobre o qual é cobrado o censo.
  • 25. Estruturas da Cidade Medieval Três estruturas da cidade medieval: 1. Cidades oriundas da cité romana: - Centro: corresponde à cidade do Baixo Imperio com muralhas; - Característica marcante: par de eixos perpendiculares que se cruzam; - Cités não se encontram isoladas, e sim, engastadas na cidade medieval; - Pequena superfície (5 a 30 habitantes) A cité e as paróquias urbanas de Bordeaux, segunda metade do século XII, conforme Ch.
  • 27. 2. Cidades de Adesão, segundo Pierre Lavedan, correspondem às cidades oriundas de núcleos pré-urbanos. Origem: a partir de castelos e mosteiros Castelo Charlieu Charlieu, dessin de Gaston Jourda de Vaux
  • 28. Desenvolveram-se de três maneiras distintas: a) Cidades com um único centro, onde se localiza o castelo e o mosteiro Brive, onde sete ruas irradiantes convergem para a igreja de Saint-Martin — "uma teia de aranha"
  • 29. b) Cidades policêntrica Casos em que se divide em várias núcleos urbanos; Pode ser ou não circundada por uma muralha. Em Reims, por exemplo, há dois nucleos primitivos, a cité encerrada na muralha galo- romana de forma oval e o burgo desenvolvido ao redor da Abadia de Saint-Remi. Abadia de Saint-Remi
  • 30. c) Casos em que se divide em cidade alta e cidade baixa As cidades altas posicionavam-se no centro em relação à cidade baixa que o circunda. Tal configuração possuía um centro, formado pela atração gerada por um mosteiro ou castelo. Cidade Loches Château de loches, França
  • 31. 3. Cidades Novas ou Bastides Algumas foram pré-concebidas, e, portanto, possuíam planta geométrica e praça central com entorno regular; enquanto, outras eram “espaços inorgânicos de aldeias de formação espontânea”
  • 32. Elementos das Bastides: - Muralhas - Praças Centro de atração; Havia preocupação com o planejamento urbano deste local; Cercada pelos cobertos, mercados de madeira com passagens subterrâneas para abastecimento. - Igrejas Muitas bastides foram bem sucedidas; enquanto outras não passavam de aldeias. Quanto ao terreno, havia um divisão: - locais de construção; - jardim; - arpentos de terras cultiváveis ou vinhas
  • 33. Cidade de Saint-Denis, França • Localizada a aproximadamente 10 km do centro de Paris • Abadia construída em local considerado sagrado • Homenagem a St. Denis, 1º bispo de Paris • Centro de atração de peregrinos
  • 34.  -Policêntrica:  No geral, possue múltiplos pontos de interesse, onde se reunem os habitantes para suas funções sociais.  - Pontos de referência (Arlette higounet) ou Pontos quentes  Estabelecidos os pontos de referência( lugares e monumentos) são concebidos os espaços para as casas, ruas e circulação.  Juntos , dão coesão à tessitura urbana e exercem poder de atração e repulsão aos citadinos.
  • 35.  Os pontos de referência são aceleradores da vida urbana e neles manifestam-se 3 funções:  1) religiosa  2) econômica  3)política
  • 36.  1)Função religiosa:  A igreja ocupa lugares estratégicos na topografia.  Pontos de atração como centros litúrgicos ou de devoção. Também são pontos de partida de procissões
  • 37.  Exerce funções  -econômica de arrecadação, através do dízimo, censo e rendas.a  - de comando através da alta justiça. (julgamentos e execuções)
  • 38.  2)Função econômica  Praças  Mercados  Ruas de artesãos e mercadores agrupados  Moinhos Urbanos e suburbanos
  • 39.  - Função Política:  Figura nas mãos do Senhor Local(poder local) e do rei ( poder regional).  Forças de REPRESSÂO  Ameaça; Domina a cidade  Associada à Igreja através da Alta Justiça  Poder de prisão Pelourinho – local onde era feita justiça Patíbulo ou Cadafalso
  • 40.  Base: Atlas das cidade medievais da Alsácia Livro da Arlette Higounet sobre Périguex  Breves estudos de caso sobre cidades alsacianas e referência de Périgueux Região da Alsácia Périgueux, situada na Aquitânia
  • 41.  Castelo Senhorial Frequentemente associados no mesmo espaço físico  Igrejas  Mercado ou Mercados  Estabelec. Especializados em peixes, gado, grãos, tecidos, ervas.  Tornos  Arcadas de diferentes ofícios  Moinhos
  • 42.  Balanças públicas  Pesos, medidas, moedas Mercados especializados em trigos, tecidos, açougues, açougues matadouros
  • 43.  Equipamentos hídricos de usos comunitários  Poços, Fontes e Banhos  Em 1350 Estrasburgo contava com 11 banhos públicos.
  • 44.  Tribunais  Prisões ( bastilhas) localizadas no interior do castelo  Pelourinho  Patíbulo : extra muros
  • 45.  Bordeis  Cemitérios intraurbanos – locais de reunião e cultos religiosos.  Paços Municipais  Casa de senhores importantes , chamadas SALAS
  • 46.  Cruzamentos  Praças _ geralmente associadas ao mercado e outros equipamentos, tal como o Chafariz ( caso de Périgueux) Igrejas Casas de notáveis ( geralmente em pedra) Fornos Lagares Açougues
  • 47.  A importância dos rios aumenta com o desenvolvimento do artesanato e tecelagem.  “As cidades medievais foram outras tantas Venezas”
  • 48.  Produzem trigo, tecidos, tinturas, no fim da Id Média, até mesmo Papel;  Extra muros  Às margens dos rios que circundam a cidade  No fosso ( como em Cernay, Alsácia,1268)  Alguns moinhos são fortificados  Podem estar associados à pontes ( moinhos-barcos)
  • 49.
  • 50. • Fundada no séc. VII por Dagoberto I, rei dos Francos • Inicialmente um mosteiro beneditino que guardava os restos mortais de St. Denis (padroeiro da França) • No século VIII, o abade Fulrad consegue enriquecer consideravelmente as posses da igreja • Recebia grandes caravanas de comerciantes para suas férias • Sua influência cresce e passa a receber privilégios da corte • Propõe a construção de uma nova igreja, planta próxima da configuração atual
  • 51. • Em 869 é invadida e saqueada por normandos • Começam as obras de muramento • Em 877 é considerada tão bem fortificada que recebe parte da coleção de manuscritos do Rei, configurando a biblioteca de St. Denis, uma das mais ricas até o fim da Alta Idade Média
  • 52. Planta de Suger (séc XII) Desenho de reconstrução da Planta atual torre norte.