SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO




PRÉDIO DA
 REITORIA
                                FELIPE KILARIS GALLANI
                                         LAWSON DAIKI
                                       RAUL LIMA SILVA
A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

A história da universidade de São Paulo se inicia em pleno direito a partir de 25 de janeiro de
1934, após debates durante a década de 20, através do decreto estadual nº 6.283.

Além de instituições de pesquisa, destacavam-se as de ensino independentes, como a faculdade
de direito, a escola politécnica e a faculdade de medicina.

É criada em meio a ideia de centralizar todas as suas unidades em um só campus comum,
denominada cidade universitária.

Apresenta como justificativa a integração e a convivência formadora do espírito universitário, o
intercâmbio de material científico, didático ou de pesquisa, além da centralização bibliográfica,
desportiva e burocrática.
A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
Quanto a escolha da gleba da universidade, as discussões foram intensas e de consideráveis
transformações.

Levando-se em conta o baixo preço de desapropriação das terras e o tamanho da área, o que
primeiramente fora concebido a ocupar 1.000 alqueires consecutivamente adensou-se,
compactou-se.

É interessante notar como, desde a forma ambiciosa e dispersa da proposta inicial, tentando
ocupar toda a área entre o Araçá e a fazenda Butantã, o desenho toma corpo e procura sentido
de totalidade dentro das limitações impostas pela realidade, para chegar à relação mais
equilibrada de escala na proposta resultante de onze estudos iniciais.

A universidade, pois, acaba por ser alocada com limites do canal do rio pinheiros, a adutora de
cotia, o instituto Butantã, parte da antiga estrada de Itú, terrenos da Cia City e da Sociedade
Imobiliária Jaguaré.
A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

O engenheiro arquiteto Eduardo Kneese de melo, em 1946, durante uma palestra na biblioteca
municipal de São Paulo: “porque arquitetura contemporânea” faz a defesa da arquitetura
moderna (a que denominou de “contemporânea”) citando a “semana da cidade universitária”:

“Para quem considera, como Le Corbusier, que a arquitetura é um espelho dos tempos, há de se
parecer esquisito que, ao se cogitar a construção de uma cidade universitária num terreno
completamente livre, sem um único edifício antigo que devesse ser mantido e que pudesse
trazer dúvidas aos espíritos mais conservadores, e numa terra progressista e culta como São
Paulo, possa surgir um tal problema ‘qual deve ser o estilo arquitetônico de nossa futura cidade
universitária?’
PROPOSTA DE 1937
             Legenda da “Solução Butantã”
             Escritório Técnico do Plano da Universidade de São
             Paulo.
             (Fonte: CABRAL, 2004, p. 100)
PROPOSTA DE 1943
           Legenda do Plano de 1943
           Secretaria da Viação.
           (Fonte: CABRAL, 2004, p. 100)
PROPOSTA DE 1945
         Legenda do Plano “Accuratus”
         Engenheiros arquitetos Hipólito Gustavo Pujol Junior e Oscar Defilipi.
         (Fonte: CABRAL, 2004, p. 100)
A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
Vale o destaque do plano de 1949 que altera a estrutura geral de acessos, fazendo com que o
grande eixo de entrada corra paralelo ao canal de pinheiros, como prolongamento da Avenida
Afranio Peixoto. Com apoio neste eixo é feito o zoneamento por setores, sendo o ponto focal do
grande eixo, o edifício da reitoria.

A divisão em setores sob considerações do próprio plano da universidade define os setores da
reitoria, biblioteca, teatro acadêmico, imprensa universitária e outros elementos
administrativos ocupando posição tão central quanto possível.

De aspectos monumentais, a avenida de acesso principal em continuação da avenida de acesso
do butantã – cidade universitária, terminando em uma praça rotatória em cuja sequência de
espaços formados temos a praça maior da administração central.
O EIXO




Centro Cívico
(Fonte: MACEDO,1987, p.114)
O EIXO




Eixo Central / Plano Ilustrativo
(Fonte: MACEDO,1987, p.176)
O EIXO




Eixo
(Fonte: 2012 Google, Maplink)
O EIXO




         Av da Universidade
         (Fonte: “O espaço da USP”, 2003, p. 208)
O EIXO
O EDIFICIO DA REITORIA
Inaugurado em 1961, com área construída de 13.564 m² .

Projeto do arquiteto José Maria da Silva Neves e adaptação de Mario Rosa Soares.

Destinado à administração geral da universidade , biblioteca central, gráfica, editora, TV
educativa, Coralusp e outros serviços ligados à administração .

Sob a forma de um “U” constitui-se num bloco central, vertical com 9 pavimentos e outro baixo
com 3 pavimentos, além do subsolo central destinado às máquinas e caixa d’água.
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA

É dotado de uma arquitetura pesada, mas harmoniosa com ritmo claro e destacado na
implantação dos pilares externos.

Apresenta estrutura de concreto armado convencional revestido e isolado.

A divisão dos espaços internos é de caráter flexível, de grande utilidade frente à constante
necessidade de adaptação do programa, com tabiques de madeira revestidos de fórmica.

A cobertura em teto plano é impermeabilizado a base asfáltica.
O EDIFICIO DA REITORIA
               Esboço do Edifício da Reitoria
               (Fonte: MACEDO,1987, p.18)
O EDIFICIO DA REITORIA




                Pavimento Térreo
                (Fonte: COESF)
O EDIFICIO DA REITORIA




                Primeiro Pavimento
                (Fonte: COESF)
O EDIFICIO DA REITORIA




                Terceiro Pavimento
                (Fonte: COESF)
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA




    Livraria da Edusp
O EDIFICIO DA REITORIA


O edifício sofreu e vem sofrendo várias reformas face a mudanças de uso, tornando-se obsoleto
quanto às suas funções propostas inicialmente devido à dinâmica da USP.

Com racionalização na apresentação espacial e estrutural o edifício é mostra de uma arquitetura
cuja origem data da década de 30, com forte caráter modernista.
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA
O EDIFICIO DA REITORIA
BIBLIOGRAFIA

JOÃO R. L. SIMÕES, ARQUITETURA NA CIDADE UNIVERSITÁRIA “ARMANDO SALLES
OLIVEIRA” O ESPAÇO CONSTRUÍDO, 1984, FAU-USP

CAMPOS, CIDADE UNIVERSITÁRIA DA USP, 1954, FAU-USP

ADILSON COSTA MACEDO, 1987, FAU-USP

NEYDE A. JOPPERT CABRAL, 2004, FAU-USP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASPLina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Bruna Fonseca
 
Paulo mendes da rocha
Paulo mendes da rochaPaulo mendes da rocha
Paulo mendes da rocha
Gabriela Baiotto Monteiro
 
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Praças de Vila Mariana:forma, gestão e apropriação do espaço (ISUF2013)
Praças de Vila Mariana:forma, gestão e  apropriação do espaço (ISUF2013)Praças de Vila Mariana:forma, gestão e  apropriação do espaço (ISUF2013)
Praças de Vila Mariana:forma, gestão e apropriação do espaço (ISUF2013)
Helena Degreas
 
Plantas de cidades[1]
Plantas de cidades[1]Plantas de cidades[1]
Plantas de cidades[1]
Fátima Cunha Lopes
 
Colégio Pies Descalzos - Giancarlo Mazzanti (Estudo de Caso)
Colégio Pies Descalzos - Giancarlo Mazzanti (Estudo de Caso)Colégio Pies Descalzos - Giancarlo Mazzanti (Estudo de Caso)
Colégio Pies Descalzos - Giancarlo Mazzanti (Estudo de Caso)
François Urban, MBA
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
SILVIA G. FERNANDES
 
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos PortuguesesUrbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Fernando de Sá
 
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SPEstudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
Luciana Paixão Arquitetura
 
Plantas
PlantasPlantas
Complexos de cultura, esporte e lazer.
Complexos de cultura, esporte e lazer.Complexos de cultura, esporte e lazer.
Complexos de cultura, esporte e lazer.
Nathéssia Marques
 

Mais procurados (11)

Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASPLina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
 
Paulo mendes da rocha
Paulo mendes da rochaPaulo mendes da rocha
Paulo mendes da rocha
 
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
 
Praças de Vila Mariana:forma, gestão e apropriação do espaço (ISUF2013)
Praças de Vila Mariana:forma, gestão e  apropriação do espaço (ISUF2013)Praças de Vila Mariana:forma, gestão e  apropriação do espaço (ISUF2013)
Praças de Vila Mariana:forma, gestão e apropriação do espaço (ISUF2013)
 
Plantas de cidades[1]
Plantas de cidades[1]Plantas de cidades[1]
Plantas de cidades[1]
 
Colégio Pies Descalzos - Giancarlo Mazzanti (Estudo de Caso)
Colégio Pies Descalzos - Giancarlo Mazzanti (Estudo de Caso)Colégio Pies Descalzos - Giancarlo Mazzanti (Estudo de Caso)
Colégio Pies Descalzos - Giancarlo Mazzanti (Estudo de Caso)
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
 
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos PortuguesesUrbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
Urbanismo e Mobilidade - Monumentos Portugueses
 
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SPEstudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
Estudo de Caso: Sesc Pompeia-SP
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
Complexos de cultura, esporte e lazer.
Complexos de cultura, esporte e lazer.Complexos de cultura, esporte e lazer.
Complexos de cultura, esporte e lazer.
 

Semelhante a Prédio da reitoria

Cartas patrimoniais veneza
Cartas patrimoniais venezaCartas patrimoniais veneza
Cartas patrimoniais veneza
Stephanie Ribeiro
 
Arquitetura brutalismo
Arquitetura brutalismoArquitetura brutalismo
Arquitetura brutalismo
Nilson Bertotto
 
Estudo de Caso Parque do Ibirapuera-SP
Estudo de Caso Parque do Ibirapuera-SPEstudo de Caso Parque do Ibirapuera-SP
Estudo de Caso Parque do Ibirapuera-SP
Luciana Paixão Arquitetura
 
Resenha: Secretaria da Agricultura, Ramos de Azevedo
Resenha: Secretaria da Agricultura, Ramos de AzevedoResenha: Secretaria da Agricultura, Ramos de Azevedo
Resenha: Secretaria da Agricultura, Ramos de Azevedo
IZIS PAIXÃO
 
Felipe corres
Felipe corresFelipe corres
Felipe corres
Carlos Elson Cunha
 
Resenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria GamboaResenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria Gamboa
IZIS PAIXÃO
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
biancrazy
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
biancrazy
 
Um pouco da história...
Um pouco da história...Um pouco da história...
Um pouco da história...
Rafaela Garcia
 
HistóRico
HistóRicoHistóRico
HistóRico
Rafaela Garcia
 
HistóRico
HistóRicoHistóRico
HistóRico
Rafaela Garcia
 
Histórico
HistóricoHistórico
Histórico
Rafaela Garcia
 
Brutalismo e Paulo Mendes da Rocha
Brutalismo e Paulo Mendes da RochaBrutalismo e Paulo Mendes da Rocha
Brutalismo e Paulo Mendes da Rocha
Élen Vanessa Silva
 
Art decó
Art decóArt decó
Escola normal do rio de janeiro
Escola normal do rio de janeiroEscola normal do rio de janeiro
Escola normal do rio de janeiro
Victor Barizon
 
Lina Bo Bardi- MASP
Lina Bo Bardi- MASPLina Bo Bardi- MASP
Lina Bo Bardi- MASP
Alfai Bene
 
A História de Belém através do estudo do Patrimônio Arquitetônico identificad...
A História de Belém através do estudo do Patrimônio Arquitetônico identificad...A História de Belém através do estudo do Patrimônio Arquitetônico identificad...
A História de Belém através do estudo do Patrimônio Arquitetônico identificad...
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USPConceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Rafael Kerst
 
AULA 13 - VAZIOS URBANOS E QUADRA ABERTA - CONCEITOS.pdf
AULA 13 - VAZIOS URBANOS E QUADRA ABERTA - CONCEITOS.pdfAULA 13 - VAZIOS URBANOS E QUADRA ABERTA - CONCEITOS.pdf
AULA 13 - VAZIOS URBANOS E QUADRA ABERTA - CONCEITOS.pdf
PaulaMariaMagalhesTe
 
O museu como extensão da sala de aula
O museu como extensão da sala de aulaO museu como extensão da sala de aula
O museu como extensão da sala de aula
Marluce Carlos Oliveira
 

Semelhante a Prédio da reitoria (20)

Cartas patrimoniais veneza
Cartas patrimoniais venezaCartas patrimoniais veneza
Cartas patrimoniais veneza
 
Arquitetura brutalismo
Arquitetura brutalismoArquitetura brutalismo
Arquitetura brutalismo
 
Estudo de Caso Parque do Ibirapuera-SP
Estudo de Caso Parque do Ibirapuera-SPEstudo de Caso Parque do Ibirapuera-SP
Estudo de Caso Parque do Ibirapuera-SP
 
Resenha: Secretaria da Agricultura, Ramos de Azevedo
Resenha: Secretaria da Agricultura, Ramos de AzevedoResenha: Secretaria da Agricultura, Ramos de Azevedo
Resenha: Secretaria da Agricultura, Ramos de Azevedo
 
Felipe corres
Felipe corresFelipe corres
Felipe corres
 
Resenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria GamboaResenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria Gamboa
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Um pouco da história...
Um pouco da história...Um pouco da história...
Um pouco da história...
 
HistóRico
HistóRicoHistóRico
HistóRico
 
HistóRico
HistóRicoHistóRico
HistóRico
 
Histórico
HistóricoHistórico
Histórico
 
Brutalismo e Paulo Mendes da Rocha
Brutalismo e Paulo Mendes da RochaBrutalismo e Paulo Mendes da Rocha
Brutalismo e Paulo Mendes da Rocha
 
Art decó
Art decóArt decó
Art decó
 
Escola normal do rio de janeiro
Escola normal do rio de janeiroEscola normal do rio de janeiro
Escola normal do rio de janeiro
 
Lina Bo Bardi- MASP
Lina Bo Bardi- MASPLina Bo Bardi- MASP
Lina Bo Bardi- MASP
 
A História de Belém através do estudo do Patrimônio Arquitetônico identificad...
A História de Belém através do estudo do Patrimônio Arquitetônico identificad...A História de Belém através do estudo do Patrimônio Arquitetônico identificad...
A História de Belém através do estudo do Patrimônio Arquitetônico identificad...
 
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USPConceitos e Estrutura - FAU-USP
Conceitos e Estrutura - FAU-USP
 
AULA 13 - VAZIOS URBANOS E QUADRA ABERTA - CONCEITOS.pdf
AULA 13 - VAZIOS URBANOS E QUADRA ABERTA - CONCEITOS.pdfAULA 13 - VAZIOS URBANOS E QUADRA ABERTA - CONCEITOS.pdf
AULA 13 - VAZIOS URBANOS E QUADRA ABERTA - CONCEITOS.pdf
 
O museu como extensão da sala de aula
O museu como extensão da sala de aulaO museu como extensão da sala de aula
O museu como extensão da sala de aula
 

Mais de De Janks

Drenagem na rmsp apresentação parcial dez 2014
Drenagem na rmsp  apresentação parcial dez 2014Drenagem na rmsp  apresentação parcial dez 2014
Drenagem na rmsp apresentação parcial dez 2014
De Janks
 
Tour eiffel presentation
Tour eiffel presentationTour eiffel presentation
Tour eiffel presentation
De Janks
 
Presentation plataform publique - Place de la republique lille
Presentation plataform publique - Place de la republique lillePresentation plataform publique - Place de la republique lille
Presentation plataform publique - Place de la republique lille
De Janks
 
Seminário planurb
Seminário planurbSeminário planurb
Seminário planurb
De Janks
 
Vivienda social en madrid siglo xxi
Vivienda social en madrid siglo xxiVivienda social en madrid siglo xxi
Vivienda social en madrid siglo xxi
De Janks
 
O andar do bêbado – capítulo iv modificado
O andar do bêbado – capítulo iv modificadoO andar do bêbado – capítulo iv modificado
O andar do bêbado – capítulo iv modificado
De Janks
 
Apresentação cubo maracujá
Apresentação cubo  maracujáApresentação cubo  maracujá
Apresentação cubo maracujá
De Janks
 
Avaliação pós ocupação
Avaliação pós ocupaçãoAvaliação pós ocupação
Avaliação pós ocupação
De Janks
 
O apodeu da cidade medieval le goff
O apodeu da cidade medieval le goffO apodeu da cidade medieval le goff
O apodeu da cidade medieval le goff
De Janks
 
Aula império 2012
Aula império 2012Aula império 2012
Aula império 2012
De Janks
 
Aula i media 1 alta idade média
Aula i media 1 alta idade médiaAula i media 1 alta idade média
Aula i media 1 alta idade média
De Janks
 
Aula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade médiaAula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade média
De Janks
 
Gestalt new(fix)
Gestalt new(fix)Gestalt new(fix)
Gestalt new(fix)
De Janks
 
Aula 4 grecia 2012
Aula 4 grecia  2012Aula 4 grecia  2012
Aula 4 grecia 2012
De Janks
 
Seminário cidades precolombianas
Seminário cidades precolombianasSeminário cidades precolombianas
Seminário cidades precolombianas
De Janks
 
Visitaao centro2008
Visitaao centro2008Visitaao centro2008
Visitaao centro2008
De Janks
 
Apogeu da cidade medieval
Apogeu da cidade medievalApogeu da cidade medieval
Apogeu da cidade medieval
De Janks
 
idade média
idade médiaidade média
idade média
De Janks
 
Pico do jaraguá
Pico do jaraguáPico do jaraguá
Pico do jaraguá
De Janks
 
Paisagismo propostas campus usp
Paisagismo   propostas campus uspPaisagismo   propostas campus usp
Paisagismo propostas campus usp
De Janks
 

Mais de De Janks (20)

Drenagem na rmsp apresentação parcial dez 2014
Drenagem na rmsp  apresentação parcial dez 2014Drenagem na rmsp  apresentação parcial dez 2014
Drenagem na rmsp apresentação parcial dez 2014
 
Tour eiffel presentation
Tour eiffel presentationTour eiffel presentation
Tour eiffel presentation
 
Presentation plataform publique - Place de la republique lille
Presentation plataform publique - Place de la republique lillePresentation plataform publique - Place de la republique lille
Presentation plataform publique - Place de la republique lille
 
Seminário planurb
Seminário planurbSeminário planurb
Seminário planurb
 
Vivienda social en madrid siglo xxi
Vivienda social en madrid siglo xxiVivienda social en madrid siglo xxi
Vivienda social en madrid siglo xxi
 
O andar do bêbado – capítulo iv modificado
O andar do bêbado – capítulo iv modificadoO andar do bêbado – capítulo iv modificado
O andar do bêbado – capítulo iv modificado
 
Apresentação cubo maracujá
Apresentação cubo  maracujáApresentação cubo  maracujá
Apresentação cubo maracujá
 
Avaliação pós ocupação
Avaliação pós ocupaçãoAvaliação pós ocupação
Avaliação pós ocupação
 
O apodeu da cidade medieval le goff
O apodeu da cidade medieval le goffO apodeu da cidade medieval le goff
O apodeu da cidade medieval le goff
 
Aula império 2012
Aula império 2012Aula império 2012
Aula império 2012
 
Aula i media 1 alta idade média
Aula i media 1 alta idade médiaAula i media 1 alta idade média
Aula i media 1 alta idade média
 
Aula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade médiaAula i média baixa idade média
Aula i média baixa idade média
 
Gestalt new(fix)
Gestalt new(fix)Gestalt new(fix)
Gestalt new(fix)
 
Aula 4 grecia 2012
Aula 4 grecia  2012Aula 4 grecia  2012
Aula 4 grecia 2012
 
Seminário cidades precolombianas
Seminário cidades precolombianasSeminário cidades precolombianas
Seminário cidades precolombianas
 
Visitaao centro2008
Visitaao centro2008Visitaao centro2008
Visitaao centro2008
 
Apogeu da cidade medieval
Apogeu da cidade medievalApogeu da cidade medieval
Apogeu da cidade medieval
 
idade média
idade médiaidade média
idade média
 
Pico do jaraguá
Pico do jaraguáPico do jaraguá
Pico do jaraguá
 
Paisagismo propostas campus usp
Paisagismo   propostas campus uspPaisagismo   propostas campus usp
Paisagismo propostas campus usp
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

Prédio da reitoria

  • 1. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO PRÉDIO DA REITORIA FELIPE KILARIS GALLANI LAWSON DAIKI RAUL LIMA SILVA
  • 2. A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A história da universidade de São Paulo se inicia em pleno direito a partir de 25 de janeiro de 1934, após debates durante a década de 20, através do decreto estadual nº 6.283. Além de instituições de pesquisa, destacavam-se as de ensino independentes, como a faculdade de direito, a escola politécnica e a faculdade de medicina. É criada em meio a ideia de centralizar todas as suas unidades em um só campus comum, denominada cidade universitária. Apresenta como justificativa a integração e a convivência formadora do espírito universitário, o intercâmbio de material científico, didático ou de pesquisa, além da centralização bibliográfica, desportiva e burocrática.
  • 3. A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Quanto a escolha da gleba da universidade, as discussões foram intensas e de consideráveis transformações. Levando-se em conta o baixo preço de desapropriação das terras e o tamanho da área, o que primeiramente fora concebido a ocupar 1.000 alqueires consecutivamente adensou-se, compactou-se. É interessante notar como, desde a forma ambiciosa e dispersa da proposta inicial, tentando ocupar toda a área entre o Araçá e a fazenda Butantã, o desenho toma corpo e procura sentido de totalidade dentro das limitações impostas pela realidade, para chegar à relação mais equilibrada de escala na proposta resultante de onze estudos iniciais. A universidade, pois, acaba por ser alocada com limites do canal do rio pinheiros, a adutora de cotia, o instituto Butantã, parte da antiga estrada de Itú, terrenos da Cia City e da Sociedade Imobiliária Jaguaré.
  • 4. A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO O engenheiro arquiteto Eduardo Kneese de melo, em 1946, durante uma palestra na biblioteca municipal de São Paulo: “porque arquitetura contemporânea” faz a defesa da arquitetura moderna (a que denominou de “contemporânea”) citando a “semana da cidade universitária”: “Para quem considera, como Le Corbusier, que a arquitetura é um espelho dos tempos, há de se parecer esquisito que, ao se cogitar a construção de uma cidade universitária num terreno completamente livre, sem um único edifício antigo que devesse ser mantido e que pudesse trazer dúvidas aos espíritos mais conservadores, e numa terra progressista e culta como São Paulo, possa surgir um tal problema ‘qual deve ser o estilo arquitetônico de nossa futura cidade universitária?’
  • 5. PROPOSTA DE 1937 Legenda da “Solução Butantã” Escritório Técnico do Plano da Universidade de São Paulo. (Fonte: CABRAL, 2004, p. 100)
  • 6. PROPOSTA DE 1943 Legenda do Plano de 1943 Secretaria da Viação. (Fonte: CABRAL, 2004, p. 100)
  • 7. PROPOSTA DE 1945 Legenda do Plano “Accuratus” Engenheiros arquitetos Hipólito Gustavo Pujol Junior e Oscar Defilipi. (Fonte: CABRAL, 2004, p. 100)
  • 8. A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Vale o destaque do plano de 1949 que altera a estrutura geral de acessos, fazendo com que o grande eixo de entrada corra paralelo ao canal de pinheiros, como prolongamento da Avenida Afranio Peixoto. Com apoio neste eixo é feito o zoneamento por setores, sendo o ponto focal do grande eixo, o edifício da reitoria. A divisão em setores sob considerações do próprio plano da universidade define os setores da reitoria, biblioteca, teatro acadêmico, imprensa universitária e outros elementos administrativos ocupando posição tão central quanto possível. De aspectos monumentais, a avenida de acesso principal em continuação da avenida de acesso do butantã – cidade universitária, terminando em uma praça rotatória em cuja sequência de espaços formados temos a praça maior da administração central.
  • 9. O EIXO Centro Cívico (Fonte: MACEDO,1987, p.114)
  • 10. O EIXO Eixo Central / Plano Ilustrativo (Fonte: MACEDO,1987, p.176)
  • 11. O EIXO Eixo (Fonte: 2012 Google, Maplink)
  • 12. O EIXO Av da Universidade (Fonte: “O espaço da USP”, 2003, p. 208)
  • 14. O EDIFICIO DA REITORIA Inaugurado em 1961, com área construída de 13.564 m² . Projeto do arquiteto José Maria da Silva Neves e adaptação de Mario Rosa Soares. Destinado à administração geral da universidade , biblioteca central, gráfica, editora, TV educativa, Coralusp e outros serviços ligados à administração . Sob a forma de um “U” constitui-se num bloco central, vertical com 9 pavimentos e outro baixo com 3 pavimentos, além do subsolo central destinado às máquinas e caixa d’água.
  • 15. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 16. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 17. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 18. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 19. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 20. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 21. O EDIFICIO DA REITORIA É dotado de uma arquitetura pesada, mas harmoniosa com ritmo claro e destacado na implantação dos pilares externos. Apresenta estrutura de concreto armado convencional revestido e isolado. A divisão dos espaços internos é de caráter flexível, de grande utilidade frente à constante necessidade de adaptação do programa, com tabiques de madeira revestidos de fórmica. A cobertura em teto plano é impermeabilizado a base asfáltica.
  • 22. O EDIFICIO DA REITORIA Esboço do Edifício da Reitoria (Fonte: MACEDO,1987, p.18)
  • 23. O EDIFICIO DA REITORIA Pavimento Térreo (Fonte: COESF)
  • 24. O EDIFICIO DA REITORIA Primeiro Pavimento (Fonte: COESF)
  • 25. O EDIFICIO DA REITORIA Terceiro Pavimento (Fonte: COESF)
  • 26. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 27. O EDIFICIO DA REITORIA Livraria da Edusp
  • 28. O EDIFICIO DA REITORIA O edifício sofreu e vem sofrendo várias reformas face a mudanças de uso, tornando-se obsoleto quanto às suas funções propostas inicialmente devido à dinâmica da USP. Com racionalização na apresentação espacial e estrutural o edifício é mostra de uma arquitetura cuja origem data da década de 30, com forte caráter modernista.
  • 29. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 30. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 31. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 32. O EDIFICIO DA REITORIA
  • 33. BIBLIOGRAFIA JOÃO R. L. SIMÕES, ARQUITETURA NA CIDADE UNIVERSITÁRIA “ARMANDO SALLES OLIVEIRA” O ESPAÇO CONSTRUÍDO, 1984, FAU-USP CAMPOS, CIDADE UNIVERSITÁRIA DA USP, 1954, FAU-USP ADILSON COSTA MACEDO, 1987, FAU-USP NEYDE A. JOPPERT CABRAL, 2004, FAU-USP