SlideShare uma empresa Scribd logo
A FORMA URBANA
  MORFOLOGIA
URBANA E DESENHO
    DA CIDADE
            JOSÉ M. RESSANO GARCIA LAMAS

CAROLINE RIBEIRO | LAILA GUIMARÃES
MARÍLIA AMORIM | PATRÍCIA MONTEIRO
INTRODUÇÃO
 Processo antigo de formação do desenho e processo
melhorado.

 Interação entre campo arquitetônico e urbanístico.

 Forma urbana como transformação em espaço
urbano humanizado.

                                             Cidade
   Cidade Antiga      Cidade Moderna
                                         Contemporânea.
INTRODUÇÃO
   José diz: "Todavia um primeiro grau de leitura da cidade
é eminentemente físico-espacial e morfológico, portanto
específico da arquitetura, e o único que permite evidenciar
a diferença entre este e outro espaço, entre esta e aquela
forma, e explicar as características de cada parte da
cidade. A este se juntam outros níveis de leitura que
revelam diferentes conteúdos (históricos, econômicos,
sociais e outros). Mas esse conjunto de leituras só foi
possível porque a cidade existe como fato físico e material.
Todos os instrumentos de leitura lêem o mesmo objeto - o
espaço físico, a FORMA URBANA.”
INTRODUÇÃO
  Esse parágrafo enfatiza interação entre vários
campos na elaboração e produção de uma cidade,
quebrando a idéia de uma simples composição de
prédios, vias e natureza em um determinado espaço.

Recomendado para você

Historia Da Arquitetura
Historia Da ArquiteturaHistoria Da Arquitetura
Historia Da Arquitetura

Este documento descreve a evolução histórica da arquitetura, desde as primeiras construções humanas na Pré-História até as grandes obras da Antiguidade no Egito, Mesopotâmia e outras civilizações. Aborda os primeiros abrigos e monumentos megalíticos, assim como o desenvolvimento inicial da arquitetura militar e religiosa e as necessidades de infraestrutura das primeiras cidades antigas.

Arquitetura moderna
Arquitetura modernaArquitetura moderna
Arquitetura moderna

O documento descreve os principais aspectos da arquitetura moderna, incluindo seu surgimento no final do século XIX como reflexo de inovações técnicas, suas características como formas geométricas e uso de materiais como concreto, e seus principais expoentes como Le Corbusier e Oscar Niemeyer.

Analise urbana
Analise urbanaAnalise urbana
Analise urbana

O documento descreve a área de estudo localizada no centro da cidade de Anápolis, Goiás. A área possui ruas principais em boa conservação, porém ruas locais precisam de reparos, e é cortada por diversas vias de transporte público. O tecido urbano da área é formado por quadras de tamanhos irregulares sem espaços verdes.

A MORFOLOGIA URBANA
  Estuda os aspectos exteriores do meio urbano e as
suas relações recíprocas, determinando e
interpretando a paisagem urbana e a sua estrutura.
  Conhecer o meio urbano implica na existência de
instrumentos de leitura e uma relação objeto-
observador.
   Só a leitura disciplinar não consegue explicar o
objeto. É necessário o cruzamento de diferentes
leituras e informações para explicar a cidade.
A MORFOLOGIA URBANA
  Porém, é comum que na
produção das formas urbanas
exista uma característica que seja
determinante e tenha em
qualquer análise.
  O arquiteto ao produzir o seu
espaço, poderá dar
maior ênfase a este ou àquele
aspecto, o qual se revelará mais
evidente em análise posterior.
A MORFOLOGIA URBANA
  Nas cidades atuais, certas formas apenas revelam
uma total sujeição do urbanismo à rentabilidade do
solo e à especulação fundiária.
  “A destruição da paisagem rural e urbana
portuguesa efetuada nos últimos trinta anos revela, e
bem, as condições culturais, políticas e sociais em que
se projeta e se deixa construir em Portugal”.
A MORFOLOGIA URBANA
  A morfologia urbana é o estudo da forma do meio
urbano nas suas partes físicas exteriores, ou
elementos morfológicos e na sua produção e
transformação no tempo.
  É necessário ressaltar que um estudo morfológico
não é feito do conjunto de elementos sociais,
econômicos e outros. Estes são utilizado para a
explicação da produção da forma e da cidade como
elemento físico e construído, mas não são objeto de
estudo.

Recomendado para você

Morfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitosMorfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitos

Este documento discute os conceitos de morfologia urbana e forma urbana, apresentando as principais escolas de pensamento sobre o tema: 1) A Escola Inglesa (Conzeniana), que foca na análise da evolução urbana e na paisagem urbana ao longo do tempo; 2) A Escola Italiana (Muratoriana), que adota uma abordagem tipológica e projetual, analisando os tipos edilícios e sua derivação em séries e tecidos urbanos. 3) O documento também apresenta

Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007

O documento descreve a evolução do urbanismo moderno e sua crítica. Ele apresenta como o urbanismo moderno surgiu como uma ruptura com a cidade industrial do século XIX, promovendo o funcionalismo e o zoneamento rígido através de grandes projetos como Brasília. No entanto, essas cidades modernas são criticadas por terem gerado ambientes monótonos e pela desconexão com a vida urbana coletiva.

Hau2 aula04
Hau2 aula04Hau2 aula04
Hau2 aula04

O documento discute os aspectos do urbanismo renascentista e barroco. Aborda como os princípios renascentistas foram aplicados de forma limitada às cidades medievais existentes, com transformações como a retificação de ruas. Também descreve características do urbanismo barroco como amplas artérias e praças com igrejas, visando transformar Roma em cidade-espetáculo.

hau2
A MORFOLOGIA URBANA

                             Meio urbano:
                            Elementos morfológicos:
                                                                                Interação
              - de acordo com a leitura ou análise do espaço,                      dos
                                                                               elementos
              - de acordo com sua compreensão ou produção.                     morfológi-
                                                                               cos entre si
                  Lote        Fachada                                            e com o
    Solo                                  Traçado/                Mobiliário
                (parcela       (plano                 A árvore                   espaço
(pavimento)                                 Rua                    Urbano
               fundiária)     marginal)                                          urbano

                                                                               Produção e
                                                                               transforma-
 Edifícios     Quarteirão    Logradouro    Praça      Vegetação   Monumento
                                                                                  ção no
                                                                                  tempo
A MORFOLOGIA URBANA

                     Níveis
(momentos de produção do espaço urbano)

                                       planificação e prog-
                    os projetos dos    ramação das quan-
                                       tidades, das utiliza-
composição urbana   edifícios ou das
                                        ções (organização
 (desenho urbano)     diferentes          quantitativa e
                     construções         funcional) e das
                                           localizações
A FORMA URBANA
  É um conjunto de objetos arquitetônicos correlacionados e
organizados espacialmente. Sendo a arquitetura, o principal
meio de entendimento da cidade como estrutura espacial.
  A forma física é um dado real, predominante em qualquer
descrição do meio urbano, é o resultado final dos problemas
postos ao urbanismo e à arquitetura.
FORMA E CONTEXTO
  A forma deve atender às necessidades de um
contexto.
   As formas arquitetônicas podem englobar tanto
critérios funcionais quanto de natureza estética,
devendo constituir uma solução para os problemas que
a analise urbanística pretende organizar e controlar.

Recomendado para você

Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana

Paisagem urbana segundo estudos de Gordon Cullen; 3 aspectos a serem considerados - ótico, local e conteúdo.

imagemimaginabilidadecidade
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbano
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbanoCronologia do urbanismo e do planejamento urbano
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbano

Cronologia do urbanismo e do planejamento urbano resume a evolução histórica dessas disciplinas em 3 frases: 1) As utopias sociais do século XIX, como as de Robert Owen e Charles Fourier, propunham comunidades planejadas de forma harmônica. 2) No final do século XIX, urbanistas alemães como Reinhard Baumeister e Camillo Sitte defenderam abordagens científicas e artísticas para o planejamento e expansão urbana. 3) A partir do século XX, o movimento moderno e a cri

urbanismoplanejamento urbano
Plano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano MoçambiquePlano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano Moçambique

O documento discute as características e etapas de elaboração do Plano de Estrutura Urbana (PEU). O PEU estabelece a organização espacial do município e define parâmetros para uso do solo de forma socialmente funcional e participativa. O processo de elaboração envolve inventário, análise, geração de alternativas, aprovação e monitoramento com participação da comunidade.

peuplaneamento urbano em moambiqueplano estructura urbano
FORMA E FUNÇÃO
      A forma terá de se relacionar com a função de modo a
   permitir o desenvolvimento eficaz das atividades que nela se
   processam.

Princípios da arquitetura: a função, a construção e a arte.
Cada um assume um peso no processo criativo, podendo
             variar em duas posições:
               Funcionalista                              Antifuncionalismo
    adequação da forma à função, “FORM
             FOLLOWS FUNCTION”.                  defende a função se adaptando à forma,
     Facilitou a realização de edificações,          “FUNCTION FOLLOWS FORM”.
geralmente monofuncionais, repetitivas, fáceis
de projetar e executar, gerando monotonia nas
                    cidades.
FORMA E FIGURA
   Encontramos na figura as motivações mais complexas e
profundas para a concepção da forma. Entende-se por
aspectos figurativos, os aspectos da forma que são
comunicáveis através dos sentidos. E figura, ao poder de
comunicação estética da forma. É através da mensagem
figurativa que a arquitetura e a arte urbana se revelam.
   Toda a ação que humaniza a paisagem pode conter
objetivos e valores estéticos que se comunicam através dos
sentidos ou da percepção. Em suma os valores estéticos só
são comunicáveis através dos sentidos e , apesar de as
características da forma não se resumirem aos aspectos
sensoriais, estes são determinantes na sua compreensão.
SISTEMA DE ORIENTAÇÃO
   É importante para o
conhecimento da cidade,
respeita o equilíbrio vertical e
permite que o homem possa
orientar-se na cidade.
   Numa cidade dependerá
fundamentalmente de
sistemas de referência como
marcos, monumentos, bairros,
entre outros.
SISTEMA VISUAL
   É através da visão que se constrói a parte mais
importante da imagem da cidade, no entanto, o sistema
de observação do espaço urbano, implica o movimento
e a captação do espaço em sequência visual.

Recomendado para você

Paisagismo brasil moderno e contemporâneo
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneoPaisagismo   brasil moderno e contemporâneo
Paisagismo brasil moderno e contemporâneo

O documento discute a história do paisagismo no Brasil, desde os jardins coloniais até o paisagismo contemporâneo. Aborda importantes paisagistas como Burle Marx, Teixeira Mendes e Fernando Chacel, e como eles incorporaram influências internacionais e a flora nativa brasileira em seus projetos. Também destaca a evolução do pensamento paisagístico em direção a uma abordagem mais ecológica e sustentável a partir da década de 1960.

Plano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbanoPlano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbano

O documento discute o plano diretor como principal instrumento de planejamento urbano. Ele descreve a evolução dos planos no Brasil ao longo do tempo e a política urbana definida na Constituição de 1988 que tornou o plano diretor obrigatório para cidades com mais de 20 mil habitantes. Também apresenta os principais instrumentos definidos pelo Estatuto da Cidade para orientar o desenvolvimento urbano municipal de forma democrática e sustentável.

Tony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialTony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrial

Tony Garnier foi um arquiteto e urbanista francês que projetou a Cidade Industrial em 1901, uma cidade socialista ideal sem propriedade privada. Sua obra refletia as ideias socialistas e de planejamento urbano de sua época em Lyon no final do século XIX. A Cidade Industrial propunha a separação de zonas residenciais, industriais e de lazer com amplos espaços verdes públicos.

garnierurbanismoarq & urb
SISTEMA TÁTIL
      No sistema tátil se incluem
   todas as percepções térmicas e de
   fricção com a atmosfera, que
   também são importantes na
   vivência, compreensão e
   caracterização da cidade.
SISTEMA OLFATIVO
   Os cheiros e odores
caracterizam os lugares e
são parte do meio urbano. O
sistema olfativo pertence à
experiência da cidade,
embora seja um fator de
menor controle e incidência
no desenho da forma
urbana.
SISTEMAS
   Cada sistema vai corresponder a uma característica da forma.
Contudo, as condições que se realiza a comunicação com o
ambiente, são essencialmente visuais.
   A imagem da cidade é o meio de comunicar a sua forma física
e para que exista imagem é necessária uma relação entre objeto
e observador. No entanto, apesar de a imagem depende
primeiramente das características da forma.
   A própria forma pode ser organizada com relativa
independência para atingir a comunicação visual; no fundo
trata-se de retomar os problemas da arte urbana e de
embelezamento da cidade com o objetivo de contribuir para um
ambiente mais estimulante.
REFERÊNCIAS
   LAMAS, José. Morfologia Urbana E Desenho Da
Cidade. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian. 2004. P. 19
– 62.
   http://www.esteio.com.br/novoblog/blogs/index.ph
p/2008/02/21/morfologia_urbana
   http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sao-
paulo/imagens/monumento-independencia-2.jpg
http://www.naturezabrasileira.com.br/fotos/watermar
k/wm_IMG12999.jpg
   http://blogfut.zip.net/images/cidade_do_cabo.jpg
   http://blogs.estadao.com.br/jt-
cidades/files/2011/10/CHEIRO_S1.jpg

Recomendado para você

URB | Panorama Brasil
URB | Panorama BrasilURB | Panorama Brasil
URB | Panorama Brasil

O documento discute o processo de urbanização e planejamento urbano no Brasil, dividido em três fases principais: 1) 1875-1930, com foco em embelezamento e saneamento das cidades; 2) 1930-1965, com planos de conjunto e zoneamento urbano; 3) 1965-1971, com planos complexos e abrangentes que se afastaram da execução prática.

cidadeurbanismoplanejamento
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]

O documento descreve os conceitos fundamentais da arquitetura egípcia antiga, como a orientação e a simetria derivadas da geografia linear do Egito ao longo do rio Nilo. Apresenta como os egípcios desenvolveram noções de orientação com base nos pontos cardeais e a combinação das linhas horizontais e verticais, resultando na grade ortogonal e princípios de axialidade e simetria na implantação de construções. Explica também como essas noções geométricas serviram de base para o desenvolvimento inicial da ar

arquitetura e arte egito
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011

Este documento discute a evolução das ideias de urbanismo desde o século XIX até Brasília na década de 1960. Aborda o contexto da Revolução Industrial e o surgimento dos utopistas, as influências de Haussmann, as propostas de Ebenezer Howard, Arturo Soria y Mata e Tony Garnier no final do século XIX. Também analisa o movimento racionalista, a Carta de Atenas e como essas ideias influenciaram o plano piloto de Brasília projetado por Lúcio Costa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila formatada paisagismo
Apostila formatada paisagismoApostila formatada paisagismo
Apostila formatada paisagismo
Beatriz Goulart
 
Planejamento urbano
Planejamento urbanoPlanejamento urbano
Planejamento urbano
Paulo Orlando
 
Aula02 formacidade
Aula02 formacidadeAula02 formacidade
Aula02 formacidade
Caliandra Desenhos
 
Historia Da Arquitetura
Historia Da ArquiteturaHistoria Da Arquitetura
Historia Da Arquitetura
melins
 
Arquitetura moderna
Arquitetura modernaArquitetura moderna
Arquitetura moderna
Daniela Radavelli
 
Analise urbana
Analise urbanaAnalise urbana
Analise urbana
Anderson Vieira
 
Morfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitosMorfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitos
Ariele Luckwü Mendes
 
Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
Isa Guerreiro
 
Hau2 aula04
Hau2 aula04Hau2 aula04
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Caliandra Desenhos
 
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbano
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbanoCronologia do urbanismo e do planejamento urbano
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbano
CLARA LUIZA MIRANDA
 
Plano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano MoçambiquePlano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano Moçambique
margaritaschetter
 
Paisagismo brasil moderno e contemporâneo
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneoPaisagismo   brasil moderno e contemporâneo
Paisagismo brasil moderno e contemporâneo
Carlos Elson Cunha
 
Plano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbanoPlano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbano
Paulo Orlando
 
Tony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialTony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrial
Marcia Rodrigues
 
URB | Panorama Brasil
URB | Panorama BrasilURB | Panorama Brasil
URB | Panorama Brasil
Edison Ribeiro
 
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]
glauci coelho
 
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
Aridson Andrade
 
Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura moderna
Viviane Marques
 
01:. Plano Piloto de Brasília
01:. Plano Piloto de Brasília01:. Plano Piloto de Brasília
01:. Plano Piloto de Brasília
ARQ210AN
 

Mais procurados (20)

Apostila formatada paisagismo
Apostila formatada paisagismoApostila formatada paisagismo
Apostila formatada paisagismo
 
Planejamento urbano
Planejamento urbanoPlanejamento urbano
Planejamento urbano
 
Aula02 formacidade
Aula02 formacidadeAula02 formacidade
Aula02 formacidade
 
Historia Da Arquitetura
Historia Da ArquiteturaHistoria Da Arquitetura
Historia Da Arquitetura
 
Arquitetura moderna
Arquitetura modernaArquitetura moderna
Arquitetura moderna
 
Analise urbana
Analise urbanaAnalise urbana
Analise urbana
 
Morfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitosMorfologia-urbana-conceitos
Morfologia-urbana-conceitos
 
Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
 
Hau2 aula04
Hau2 aula04Hau2 aula04
Hau2 aula04
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana
 
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbano
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbanoCronologia do urbanismo e do planejamento urbano
Cronologia do urbanismo e do planejamento urbano
 
Plano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano MoçambiquePlano de Estructura Urbano Moçambique
Plano de Estructura Urbano Moçambique
 
Paisagismo brasil moderno e contemporâneo
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneoPaisagismo   brasil moderno e contemporâneo
Paisagismo brasil moderno e contemporâneo
 
Plano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbanoPlano diretor instrumento de planejamento urbano
Plano diretor instrumento de planejamento urbano
 
Tony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialTony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrial
 
URB | Panorama Brasil
URB | Panorama BrasilURB | Panorama Brasil
URB | Panorama Brasil
 
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]
Aula 8 arte e arquitetura egito [revisado em 130414]
 
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011A circulação das idéias do urbanismo   Aridson Andrade - 2011
A circulação das idéias do urbanismo Aridson Andrade - 2011
 
Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura moderna
 
01:. Plano Piloto de Brasília
01:. Plano Piloto de Brasília01:. Plano Piloto de Brasília
01:. Plano Piloto de Brasília
 

Semelhante a A Forma Urbana

53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
Brunna Pereira
 
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
Leticia Jorge
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
ladraoalmas11
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
vpcsilva
 
Morfologia Urbana
Morfologia UrbanaMorfologia Urbana
Morfologia Urbana
Cassius Baumgarten
 
Conceito cidade
Conceito cidadeConceito cidade
Conceito cidade
ManoelaR
 
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
Sâmia Érika Bandeira
 
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
Sâmia Érika Bandeira
 
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
LeandroLetti1
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobato
Juliana Costa
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
Elise Pio
 
Artigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismoArtigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismo
RaquelNery
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
Lucy Donegan
 
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
Fundación Universitaria Iberoamericana (FUNIBER)
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
Vinicius Gomes
 
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Henri Lefebvre na Geografia
Henri Lefebvre na GeografiaHenri Lefebvre na Geografia
Henri Lefebvre na Geografia
Magnus Magalhaes
 
A fachada 2 menor
A  fachada 2 menorA  fachada 2 menor
A fachada 2 menor
Deborah Cristine Santos
 
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de ArteA Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
David Cardoso
 
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Atividades Diversas Cláudia
 

Semelhante a A Forma Urbana (20)

53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
 
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
 
Morfologia Urbana
Morfologia UrbanaMorfologia Urbana
Morfologia Urbana
 
Conceito cidade
Conceito cidadeConceito cidade
Conceito cidade
 
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
 
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
 
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobato
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
 
Artigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismoArtigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismo
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
 
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
 
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
 
Henri Lefebvre na Geografia
Henri Lefebvre na GeografiaHenri Lefebvre na Geografia
Henri Lefebvre na Geografia
 
A fachada 2 menor
A  fachada 2 menorA  fachada 2 menor
A fachada 2 menor
 
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de ArteA Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
 
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 

A Forma Urbana

  • 1. A FORMA URBANA MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE JOSÉ M. RESSANO GARCIA LAMAS CAROLINE RIBEIRO | LAILA GUIMARÃES MARÍLIA AMORIM | PATRÍCIA MONTEIRO
  • 2. INTRODUÇÃO  Processo antigo de formação do desenho e processo melhorado.  Interação entre campo arquitetônico e urbanístico.  Forma urbana como transformação em espaço urbano humanizado. Cidade Cidade Antiga Cidade Moderna Contemporânea.
  • 3. INTRODUÇÃO José diz: "Todavia um primeiro grau de leitura da cidade é eminentemente físico-espacial e morfológico, portanto específico da arquitetura, e o único que permite evidenciar a diferença entre este e outro espaço, entre esta e aquela forma, e explicar as características de cada parte da cidade. A este se juntam outros níveis de leitura que revelam diferentes conteúdos (históricos, econômicos, sociais e outros). Mas esse conjunto de leituras só foi possível porque a cidade existe como fato físico e material. Todos os instrumentos de leitura lêem o mesmo objeto - o espaço físico, a FORMA URBANA.”
  • 4. INTRODUÇÃO Esse parágrafo enfatiza interação entre vários campos na elaboração e produção de uma cidade, quebrando a idéia de uma simples composição de prédios, vias e natureza em um determinado espaço.
  • 5. A MORFOLOGIA URBANA Estuda os aspectos exteriores do meio urbano e as suas relações recíprocas, determinando e interpretando a paisagem urbana e a sua estrutura. Conhecer o meio urbano implica na existência de instrumentos de leitura e uma relação objeto- observador. Só a leitura disciplinar não consegue explicar o objeto. É necessário o cruzamento de diferentes leituras e informações para explicar a cidade.
  • 6. A MORFOLOGIA URBANA Porém, é comum que na produção das formas urbanas exista uma característica que seja determinante e tenha em qualquer análise. O arquiteto ao produzir o seu espaço, poderá dar maior ênfase a este ou àquele aspecto, o qual se revelará mais evidente em análise posterior.
  • 7. A MORFOLOGIA URBANA Nas cidades atuais, certas formas apenas revelam uma total sujeição do urbanismo à rentabilidade do solo e à especulação fundiária. “A destruição da paisagem rural e urbana portuguesa efetuada nos últimos trinta anos revela, e bem, as condições culturais, políticas e sociais em que se projeta e se deixa construir em Portugal”.
  • 8. A MORFOLOGIA URBANA A morfologia urbana é o estudo da forma do meio urbano nas suas partes físicas exteriores, ou elementos morfológicos e na sua produção e transformação no tempo. É necessário ressaltar que um estudo morfológico não é feito do conjunto de elementos sociais, econômicos e outros. Estes são utilizado para a explicação da produção da forma e da cidade como elemento físico e construído, mas não são objeto de estudo.
  • 9. A MORFOLOGIA URBANA Meio urbano: Elementos morfológicos: Interação - de acordo com a leitura ou análise do espaço, dos elementos - de acordo com sua compreensão ou produção. morfológi- cos entre si Lote Fachada e com o Solo Traçado/ Mobiliário (parcela (plano A árvore espaço (pavimento) Rua Urbano fundiária) marginal) urbano Produção e transforma- Edifícios Quarteirão Logradouro Praça Vegetação Monumento ção no tempo
  • 10. A MORFOLOGIA URBANA Níveis (momentos de produção do espaço urbano) planificação e prog- os projetos dos ramação das quan- tidades, das utiliza- composição urbana edifícios ou das ções (organização (desenho urbano) diferentes quantitativa e construções funcional) e das localizações
  • 11. A FORMA URBANA É um conjunto de objetos arquitetônicos correlacionados e organizados espacialmente. Sendo a arquitetura, o principal meio de entendimento da cidade como estrutura espacial. A forma física é um dado real, predominante em qualquer descrição do meio urbano, é o resultado final dos problemas postos ao urbanismo e à arquitetura.
  • 12. FORMA E CONTEXTO A forma deve atender às necessidades de um contexto. As formas arquitetônicas podem englobar tanto critérios funcionais quanto de natureza estética, devendo constituir uma solução para os problemas que a analise urbanística pretende organizar e controlar.
  • 13. FORMA E FUNÇÃO A forma terá de se relacionar com a função de modo a permitir o desenvolvimento eficaz das atividades que nela se processam. Princípios da arquitetura: a função, a construção e a arte. Cada um assume um peso no processo criativo, podendo variar em duas posições: Funcionalista Antifuncionalismo adequação da forma à função, “FORM FOLLOWS FUNCTION”. defende a função se adaptando à forma, Facilitou a realização de edificações, “FUNCTION FOLLOWS FORM”. geralmente monofuncionais, repetitivas, fáceis de projetar e executar, gerando monotonia nas cidades.
  • 14. FORMA E FIGURA Encontramos na figura as motivações mais complexas e profundas para a concepção da forma. Entende-se por aspectos figurativos, os aspectos da forma que são comunicáveis através dos sentidos. E figura, ao poder de comunicação estética da forma. É através da mensagem figurativa que a arquitetura e a arte urbana se revelam. Toda a ação que humaniza a paisagem pode conter objetivos e valores estéticos que se comunicam através dos sentidos ou da percepção. Em suma os valores estéticos só são comunicáveis através dos sentidos e , apesar de as características da forma não se resumirem aos aspectos sensoriais, estes são determinantes na sua compreensão.
  • 15. SISTEMA DE ORIENTAÇÃO É importante para o conhecimento da cidade, respeita o equilíbrio vertical e permite que o homem possa orientar-se na cidade. Numa cidade dependerá fundamentalmente de sistemas de referência como marcos, monumentos, bairros, entre outros.
  • 16. SISTEMA VISUAL É através da visão que se constrói a parte mais importante da imagem da cidade, no entanto, o sistema de observação do espaço urbano, implica o movimento e a captação do espaço em sequência visual.
  • 17. SISTEMA TÁTIL No sistema tátil se incluem todas as percepções térmicas e de fricção com a atmosfera, que também são importantes na vivência, compreensão e caracterização da cidade.
  • 18. SISTEMA OLFATIVO Os cheiros e odores caracterizam os lugares e são parte do meio urbano. O sistema olfativo pertence à experiência da cidade, embora seja um fator de menor controle e incidência no desenho da forma urbana.
  • 19. SISTEMAS Cada sistema vai corresponder a uma característica da forma. Contudo, as condições que se realiza a comunicação com o ambiente, são essencialmente visuais. A imagem da cidade é o meio de comunicar a sua forma física e para que exista imagem é necessária uma relação entre objeto e observador. No entanto, apesar de a imagem depende primeiramente das características da forma. A própria forma pode ser organizada com relativa independência para atingir a comunicação visual; no fundo trata-se de retomar os problemas da arte urbana e de embelezamento da cidade com o objetivo de contribuir para um ambiente mais estimulante.
  • 20. REFERÊNCIAS LAMAS, José. Morfologia Urbana E Desenho Da Cidade. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian. 2004. P. 19 – 62. http://www.esteio.com.br/novoblog/blogs/index.ph p/2008/02/21/morfologia_urbana http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sao- paulo/imagens/monumento-independencia-2.jpg http://www.naturezabrasileira.com.br/fotos/watermar k/wm_IMG12999.jpg http://blogfut.zip.net/images/cidade_do_cabo.jpg http://blogs.estadao.com.br/jt- cidades/files/2011/10/CHEIRO_S1.jpg