SlideShare uma empresa Scribd logo
A FORMA URBANA
  MORFOLOGIA
URBANA E DESENHO
    DA CIDADE
            JOSÉ M. RESSANO GARCIA LAMAS

CAROLINE RIBEIRO | LAILA GUIMARÃES
MARÍLIA AMORIM | PATRÍCIA MONTEIRO
INTRODUÇÃO
 Processo antigo de formação do desenho e processo
melhorado.

 Interação entre campo arquitetônico e urbanístico.

 Forma urbana como transformação em espaço
urbano humanizado.

                                             Cidade
   Cidade Antiga      Cidade Moderna
                                         Contemporânea.
INTRODUÇÃO
   José diz: "Todavia um primeiro grau de leitura da cidade
é eminentemente físico-espacial e morfológico, portanto
específico da arquitetura, e o único que permite evidenciar
a diferença entre este e outro espaço, entre esta e aquela
forma, e explicar as características de cada parte da
cidade. A este se juntam outros níveis de leitura que
revelam diferentes conteúdos (históricos, econômicos,
sociais e outros). Mas esse conjunto de leituras só foi
possível porque a cidade existe como fato físico e material.
Todos os instrumentos de leitura lêem o mesmo objeto - o
espaço físico, a FORMA URBANA.”
INTRODUÇÃO
  Esse parágrafo enfatiza interação entre vários
campos na elaboração e produção de uma cidade,
quebrando a idéia de uma simples composição de
prédios, vias e natureza em um determinado espaço.
A MORFOLOGIA URBANA
  Estuda os aspectos exteriores do meio urbano e as
suas relações recíprocas, determinando e
interpretando a paisagem urbana e a sua estrutura.
  Conhecer o meio urbano implica na existência de
instrumentos de leitura e uma relação objeto-
observador.
   Só a leitura disciplinar não consegue explicar o
objeto. É necessário o cruzamento de diferentes
leituras e informações para explicar a cidade.
A MORFOLOGIA URBANA
  Porém, é comum que na
produção das formas urbanas
exista uma característica que seja
determinante e tenha em
qualquer análise.
  O arquiteto ao produzir o seu
espaço, poderá dar
maior ênfase a este ou àquele
aspecto, o qual se revelará mais
evidente em análise posterior.
A MORFOLOGIA URBANA
  Nas cidades atuais, certas formas apenas revelam
uma total sujeição do urbanismo à rentabilidade do
solo e à especulação fundiária.
  “A destruição da paisagem rural e urbana
portuguesa efetuada nos últimos trinta anos revela, e
bem, as condições culturais, políticas e sociais em que
se projeta e se deixa construir em Portugal”.
A MORFOLOGIA URBANA
  A morfologia urbana é o estudo da forma do meio
urbano nas suas partes físicas exteriores, ou
elementos morfológicos e na sua produção e
transformação no tempo.
  É necessário ressaltar que um estudo morfológico
não é feito do conjunto de elementos sociais,
econômicos e outros. Estes são utilizado para a
explicação da produção da forma e da cidade como
elemento físico e construído, mas não são objeto de
estudo.
A MORFOLOGIA URBANA

                             Meio urbano:
                            Elementos morfológicos:
                                                                                Interação
              - de acordo com a leitura ou análise do espaço,                      dos
                                                                               elementos
              - de acordo com sua compreensão ou produção.                     morfológi-
                                                                               cos entre si
                  Lote        Fachada                                            e com o
    Solo                                  Traçado/                Mobiliário
                (parcela       (plano                 A árvore                   espaço
(pavimento)                                 Rua                    Urbano
               fundiária)     marginal)                                          urbano

                                                                               Produção e
                                                                               transforma-
 Edifícios     Quarteirão    Logradouro    Praça      Vegetação   Monumento
                                                                                  ção no
                                                                                  tempo
A MORFOLOGIA URBANA

                     Níveis
(momentos de produção do espaço urbano)

                                       planificação e prog-
                    os projetos dos    ramação das quan-
                                       tidades, das utiliza-
composição urbana   edifícios ou das
                                        ções (organização
 (desenho urbano)     diferentes          quantitativa e
                     construções         funcional) e das
                                           localizações
A FORMA URBANA
  É um conjunto de objetos arquitetônicos correlacionados e
organizados espacialmente. Sendo a arquitetura, o principal
meio de entendimento da cidade como estrutura espacial.
  A forma física é um dado real, predominante em qualquer
descrição do meio urbano, é o resultado final dos problemas
postos ao urbanismo e à arquitetura.
FORMA E CONTEXTO
  A forma deve atender às necessidades de um
contexto.
   As formas arquitetônicas podem englobar tanto
critérios funcionais quanto de natureza estética,
devendo constituir uma solução para os problemas que
a analise urbanística pretende organizar e controlar.
FORMA E FUNÇÃO
      A forma terá de se relacionar com a função de modo a
   permitir o desenvolvimento eficaz das atividades que nela se
   processam.

Princípios da arquitetura: a função, a construção e a arte.
Cada um assume um peso no processo criativo, podendo
             variar em duas posições:
               Funcionalista                              Antifuncionalismo
    adequação da forma à função, “FORM
             FOLLOWS FUNCTION”.                  defende a função se adaptando à forma,
     Facilitou a realização de edificações,          “FUNCTION FOLLOWS FORM”.
geralmente monofuncionais, repetitivas, fáceis
de projetar e executar, gerando monotonia nas
                    cidades.
FORMA E FIGURA
   Encontramos na figura as motivações mais complexas e
profundas para a concepção da forma. Entende-se por
aspectos figurativos, os aspectos da forma que são
comunicáveis através dos sentidos. E figura, ao poder de
comunicação estética da forma. É através da mensagem
figurativa que a arquitetura e a arte urbana se revelam.
   Toda a ação que humaniza a paisagem pode conter
objetivos e valores estéticos que se comunicam através dos
sentidos ou da percepção. Em suma os valores estéticos só
são comunicáveis através dos sentidos e , apesar de as
características da forma não se resumirem aos aspectos
sensoriais, estes são determinantes na sua compreensão.
SISTEMA DE ORIENTAÇÃO
   É importante para o
conhecimento da cidade,
respeita o equilíbrio vertical e
permite que o homem possa
orientar-se na cidade.
   Numa cidade dependerá
fundamentalmente de
sistemas de referência como
marcos, monumentos, bairros,
entre outros.
SISTEMA VISUAL
   É através da visão que se constrói a parte mais
importante da imagem da cidade, no entanto, o sistema
de observação do espaço urbano, implica o movimento
e a captação do espaço em sequência visual.
SISTEMA TÁTIL
      No sistema tátil se incluem
   todas as percepções térmicas e de
   fricção com a atmosfera, que
   também são importantes na
   vivência, compreensão e
   caracterização da cidade.
SISTEMA OLFATIVO
   Os cheiros e odores
caracterizam os lugares e
são parte do meio urbano. O
sistema olfativo pertence à
experiência da cidade,
embora seja um fator de
menor controle e incidência
no desenho da forma
urbana.
SISTEMAS
   Cada sistema vai corresponder a uma característica da forma.
Contudo, as condições que se realiza a comunicação com o
ambiente, são essencialmente visuais.
   A imagem da cidade é o meio de comunicar a sua forma física
e para que exista imagem é necessária uma relação entre objeto
e observador. No entanto, apesar de a imagem depende
primeiramente das características da forma.
   A própria forma pode ser organizada com relativa
independência para atingir a comunicação visual; no fundo
trata-se de retomar os problemas da arte urbana e de
embelezamento da cidade com o objetivo de contribuir para um
ambiente mais estimulante.
REFERÊNCIAS
   LAMAS, José. Morfologia Urbana E Desenho Da
Cidade. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian. 2004. P. 19
– 62.
   http://www.esteio.com.br/novoblog/blogs/index.ph
p/2008/02/21/morfologia_urbana
   http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sao-
paulo/imagens/monumento-independencia-2.jpg
http://www.naturezabrasileira.com.br/fotos/watermar
k/wm_IMG12999.jpg
   http://blogfut.zip.net/images/cidade_do_cabo.jpg
   http://blogs.estadao.com.br/jt-
cidades/files/2011/10/CHEIRO_S1.jpg

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introducao ao planejamento_urbano
Introducao ao planejamento_urbanoIntroducao ao planejamento_urbano
Introducao ao planejamento_urbano
Patricia Fraga
 
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Lila Donato
 
Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
Isa Guerreiro
 
Conceitos e instrumentos de planejamento urbano
Conceitos e instrumentos de planejamento urbanoConceitos e instrumentos de planejamento urbano
Conceitos e instrumentos de planejamento urbano
Paulo Orlando
 
Planejamento urbano
Planejamento urbanoPlanejamento urbano
Planejamento urbano
Paulo Orlando
 
Apresentaçao diagnostico
Apresentaçao diagnosticoApresentaçao diagnostico
Apresentaçao diagnostico
Steves Rocha
 
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
glauci coelho
 
Morte e Vida das Grandes Cidades
Morte e Vida das Grandes CidadesMorte e Vida das Grandes Cidades
Morte e Vida das Grandes Cidades
Isabella Rodrigues
 
Cidades Racionalistas
Cidades Racionalistas Cidades Racionalistas
Cidades Racionalistas
Rafaela Stella
 
A imagem da cidade e a boa forma da cidade
A imagem da cidade e a boa forma da cidade  A imagem da cidade e a boa forma da cidade
A imagem da cidade e a boa forma da cidade
Janaína Bandeira
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Caliandra Desenhos
 
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosPlanejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Marcos
 
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
Mariana Mincarone
 
Planejamento Urbano
Planejamento Urbano Planejamento Urbano
Planejamento Urbano
Jubsilva
 
Paisagismo aula 1
Paisagismo   aula 1Paisagismo   aula 1
Paisagismo aula 1
rmpatron
 
Apresentação de intervenção urbana Agua Branca-SP
Apresentação de intervenção urbana Agua Branca-SPApresentação de intervenção urbana Agua Branca-SP
Apresentação de intervenção urbana Agua Branca-SP
Luciana Paixão Arquitetura
 
Urbanismo Progressista
Urbanismo Progressista Urbanismo Progressista
Urbanismo Progressista
Marcelo Daniel Trindade
 
Urbanismo durante a revolução industrial
Urbanismo durante a revolução industrialUrbanismo durante a revolução industrial
Urbanismo durante a revolução industrial
Herminio Banze
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
Idalina Leite
 
TFG - Arquitetura e Urbanismo - Espaço Cultural de Apresentações Musicais
TFG - Arquitetura e Urbanismo - Espaço Cultural de Apresentações MusicaisTFG - Arquitetura e Urbanismo - Espaço Cultural de Apresentações Musicais
TFG - Arquitetura e Urbanismo - Espaço Cultural de Apresentações Musicais
Beatriz Lara Campos
 

Mais procurados (20)

Introducao ao planejamento_urbano
Introducao ao planejamento_urbanoIntroducao ao planejamento_urbano
Introducao ao planejamento_urbano
 
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
 
Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
 
Conceitos e instrumentos de planejamento urbano
Conceitos e instrumentos de planejamento urbanoConceitos e instrumentos de planejamento urbano
Conceitos e instrumentos de planejamento urbano
 
Planejamento urbano
Planejamento urbanoPlanejamento urbano
Planejamento urbano
 
Apresentaçao diagnostico
Apresentaçao diagnosticoApresentaçao diagnostico
Apresentaçao diagnostico
 
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
Aula 01 sobre urbanismo [revisado em 20160808]
 
Morte e Vida das Grandes Cidades
Morte e Vida das Grandes CidadesMorte e Vida das Grandes Cidades
Morte e Vida das Grandes Cidades
 
Cidades Racionalistas
Cidades Racionalistas Cidades Racionalistas
Cidades Racionalistas
 
A imagem da cidade e a boa forma da cidade
A imagem da cidade e a boa forma da cidade  A imagem da cidade e a boa forma da cidade
A imagem da cidade e a boa forma da cidade
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana
 
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosPlanejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
 
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
PROJETO URBANISTICO I - UFRGS
 
Planejamento Urbano
Planejamento Urbano Planejamento Urbano
Planejamento Urbano
 
Paisagismo aula 1
Paisagismo   aula 1Paisagismo   aula 1
Paisagismo aula 1
 
Apresentação de intervenção urbana Agua Branca-SP
Apresentação de intervenção urbana Agua Branca-SPApresentação de intervenção urbana Agua Branca-SP
Apresentação de intervenção urbana Agua Branca-SP
 
Urbanismo Progressista
Urbanismo Progressista Urbanismo Progressista
Urbanismo Progressista
 
Urbanismo durante a revolução industrial
Urbanismo durante a revolução industrialUrbanismo durante a revolução industrial
Urbanismo durante a revolução industrial
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
 
TFG - Arquitetura e Urbanismo - Espaço Cultural de Apresentações Musicais
TFG - Arquitetura e Urbanismo - Espaço Cultural de Apresentações MusicaisTFG - Arquitetura e Urbanismo - Espaço Cultural de Apresentações Musicais
TFG - Arquitetura e Urbanismo - Espaço Cultural de Apresentações Musicais
 

Semelhante a A Forma Urbana

53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
Brunna Pereira
 
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
Leticia Jorge
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
ladraoalmas11
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
vpcsilva
 
Conceito cidade
Conceito cidadeConceito cidade
Conceito cidade
ManoelaR
 
Morfologia Urbana
Morfologia UrbanaMorfologia Urbana
Morfologia Urbana
Cassius Baumgarten
 
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
Sâmia Érika Bandeira
 
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
Sâmia Érika Bandeira
 
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
LeandroLetti1
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobato
Juliana Costa
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
Elise Pio
 
Artigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismoArtigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismo
RaquelNery
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
Lucy Donegan
 
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
Fundación Universitaria Iberoamericana (FUNIBER)
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
Vinicius Gomes
 
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Henri Lefebvre na Geografia
Henri Lefebvre na GeografiaHenri Lefebvre na Geografia
Henri Lefebvre na Geografia
Magnus Magalhaes
 
A fachada 2 menor
A  fachada 2 menorA  fachada 2 menor
A fachada 2 menor
Deborah Cristine Santos
 
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de ArteA Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
David Cardoso
 
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Atividades Diversas Cláudia
 

Semelhante a A Forma Urbana (20)

53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
 
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
 
Conceito cidade
Conceito cidadeConceito cidade
Conceito cidade
 
Morfologia Urbana
Morfologia UrbanaMorfologia Urbana
Morfologia Urbana
 
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO URB...
 
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
desenvolvimento IMAGENS GEOFOTOGRÁFICAS ANTIGAS E ATUAIS COMO INSTRUMENTO DE ...
 
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobato
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
 
Artigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismoArtigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismo
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
 
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
FUNIBER. Ana Maria Nagem - Los espacios libres de uso público de la Región ce...
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
 
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na  paisage...
Reminiscências edificadas: a relação entre memória e esquecimento na paisage...
 
Henri Lefebvre na Geografia
Henri Lefebvre na GeografiaHenri Lefebvre na Geografia
Henri Lefebvre na Geografia
 
A fachada 2 menor
A  fachada 2 menorA  fachada 2 menor
A fachada 2 menor
 
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de ArteA Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
 
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
Exercícios resolvidos de geografia sobre o conceito de paisagem (1)
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

A Forma Urbana

  • 1. A FORMA URBANA MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE JOSÉ M. RESSANO GARCIA LAMAS CAROLINE RIBEIRO | LAILA GUIMARÃES MARÍLIA AMORIM | PATRÍCIA MONTEIRO
  • 2. INTRODUÇÃO  Processo antigo de formação do desenho e processo melhorado.  Interação entre campo arquitetônico e urbanístico.  Forma urbana como transformação em espaço urbano humanizado. Cidade Cidade Antiga Cidade Moderna Contemporânea.
  • 3. INTRODUÇÃO José diz: "Todavia um primeiro grau de leitura da cidade é eminentemente físico-espacial e morfológico, portanto específico da arquitetura, e o único que permite evidenciar a diferença entre este e outro espaço, entre esta e aquela forma, e explicar as características de cada parte da cidade. A este se juntam outros níveis de leitura que revelam diferentes conteúdos (históricos, econômicos, sociais e outros). Mas esse conjunto de leituras só foi possível porque a cidade existe como fato físico e material. Todos os instrumentos de leitura lêem o mesmo objeto - o espaço físico, a FORMA URBANA.”
  • 4. INTRODUÇÃO Esse parágrafo enfatiza interação entre vários campos na elaboração e produção de uma cidade, quebrando a idéia de uma simples composição de prédios, vias e natureza em um determinado espaço.
  • 5. A MORFOLOGIA URBANA Estuda os aspectos exteriores do meio urbano e as suas relações recíprocas, determinando e interpretando a paisagem urbana e a sua estrutura. Conhecer o meio urbano implica na existência de instrumentos de leitura e uma relação objeto- observador. Só a leitura disciplinar não consegue explicar o objeto. É necessário o cruzamento de diferentes leituras e informações para explicar a cidade.
  • 6. A MORFOLOGIA URBANA Porém, é comum que na produção das formas urbanas exista uma característica que seja determinante e tenha em qualquer análise. O arquiteto ao produzir o seu espaço, poderá dar maior ênfase a este ou àquele aspecto, o qual se revelará mais evidente em análise posterior.
  • 7. A MORFOLOGIA URBANA Nas cidades atuais, certas formas apenas revelam uma total sujeição do urbanismo à rentabilidade do solo e à especulação fundiária. “A destruição da paisagem rural e urbana portuguesa efetuada nos últimos trinta anos revela, e bem, as condições culturais, políticas e sociais em que se projeta e se deixa construir em Portugal”.
  • 8. A MORFOLOGIA URBANA A morfologia urbana é o estudo da forma do meio urbano nas suas partes físicas exteriores, ou elementos morfológicos e na sua produção e transformação no tempo. É necessário ressaltar que um estudo morfológico não é feito do conjunto de elementos sociais, econômicos e outros. Estes são utilizado para a explicação da produção da forma e da cidade como elemento físico e construído, mas não são objeto de estudo.
  • 9. A MORFOLOGIA URBANA Meio urbano: Elementos morfológicos: Interação - de acordo com a leitura ou análise do espaço, dos elementos - de acordo com sua compreensão ou produção. morfológi- cos entre si Lote Fachada e com o Solo Traçado/ Mobiliário (parcela (plano A árvore espaço (pavimento) Rua Urbano fundiária) marginal) urbano Produção e transforma- Edifícios Quarteirão Logradouro Praça Vegetação Monumento ção no tempo
  • 10. A MORFOLOGIA URBANA Níveis (momentos de produção do espaço urbano) planificação e prog- os projetos dos ramação das quan- tidades, das utiliza- composição urbana edifícios ou das ções (organização (desenho urbano) diferentes quantitativa e construções funcional) e das localizações
  • 11. A FORMA URBANA É um conjunto de objetos arquitetônicos correlacionados e organizados espacialmente. Sendo a arquitetura, o principal meio de entendimento da cidade como estrutura espacial. A forma física é um dado real, predominante em qualquer descrição do meio urbano, é o resultado final dos problemas postos ao urbanismo e à arquitetura.
  • 12. FORMA E CONTEXTO A forma deve atender às necessidades de um contexto. As formas arquitetônicas podem englobar tanto critérios funcionais quanto de natureza estética, devendo constituir uma solução para os problemas que a analise urbanística pretende organizar e controlar.
  • 13. FORMA E FUNÇÃO A forma terá de se relacionar com a função de modo a permitir o desenvolvimento eficaz das atividades que nela se processam. Princípios da arquitetura: a função, a construção e a arte. Cada um assume um peso no processo criativo, podendo variar em duas posições: Funcionalista Antifuncionalismo adequação da forma à função, “FORM FOLLOWS FUNCTION”. defende a função se adaptando à forma, Facilitou a realização de edificações, “FUNCTION FOLLOWS FORM”. geralmente monofuncionais, repetitivas, fáceis de projetar e executar, gerando monotonia nas cidades.
  • 14. FORMA E FIGURA Encontramos na figura as motivações mais complexas e profundas para a concepção da forma. Entende-se por aspectos figurativos, os aspectos da forma que são comunicáveis através dos sentidos. E figura, ao poder de comunicação estética da forma. É através da mensagem figurativa que a arquitetura e a arte urbana se revelam. Toda a ação que humaniza a paisagem pode conter objetivos e valores estéticos que se comunicam através dos sentidos ou da percepção. Em suma os valores estéticos só são comunicáveis através dos sentidos e , apesar de as características da forma não se resumirem aos aspectos sensoriais, estes são determinantes na sua compreensão.
  • 15. SISTEMA DE ORIENTAÇÃO É importante para o conhecimento da cidade, respeita o equilíbrio vertical e permite que o homem possa orientar-se na cidade. Numa cidade dependerá fundamentalmente de sistemas de referência como marcos, monumentos, bairros, entre outros.
  • 16. SISTEMA VISUAL É através da visão que se constrói a parte mais importante da imagem da cidade, no entanto, o sistema de observação do espaço urbano, implica o movimento e a captação do espaço em sequência visual.
  • 17. SISTEMA TÁTIL No sistema tátil se incluem todas as percepções térmicas e de fricção com a atmosfera, que também são importantes na vivência, compreensão e caracterização da cidade.
  • 18. SISTEMA OLFATIVO Os cheiros e odores caracterizam os lugares e são parte do meio urbano. O sistema olfativo pertence à experiência da cidade, embora seja um fator de menor controle e incidência no desenho da forma urbana.
  • 19. SISTEMAS Cada sistema vai corresponder a uma característica da forma. Contudo, as condições que se realiza a comunicação com o ambiente, são essencialmente visuais. A imagem da cidade é o meio de comunicar a sua forma física e para que exista imagem é necessária uma relação entre objeto e observador. No entanto, apesar de a imagem depende primeiramente das características da forma. A própria forma pode ser organizada com relativa independência para atingir a comunicação visual; no fundo trata-se de retomar os problemas da arte urbana e de embelezamento da cidade com o objetivo de contribuir para um ambiente mais estimulante.
  • 20. REFERÊNCIAS LAMAS, José. Morfologia Urbana E Desenho Da Cidade. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian. 2004. P. 19 – 62. http://www.esteio.com.br/novoblog/blogs/index.ph p/2008/02/21/morfologia_urbana http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sao- paulo/imagens/monumento-independencia-2.jpg http://www.naturezabrasileira.com.br/fotos/watermar k/wm_IMG12999.jpg http://blogfut.zip.net/images/cidade_do_cabo.jpg http://blogs.estadao.com.br/jt- cidades/files/2011/10/CHEIRO_S1.jpg