SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
Alguns números do sistema de saúde suplementar brasileiro
45,5 milhões de pessoas, cerca de 24% da população brasileira são usuárias do Sistema de Saúde Su-
plementar (dado de dezembro de 2010).
74% dos usuários de planos de assistência médica estão em planos coletivos(quase 33 milhões de pesso-
as). O restante, 26%, têm plano individual ou familiar.
Dos usuários de planos de assistência médica, 19,6% permanecem em planos antigos (8,8 milhões), muitos deles
com restrições de cobertura ainda piores do que as praticadas pelos planos novos (contratos após janeiro de 1999).
26% de lucro foi o desempenho, em 2010, das 15 operadoras filiadas à Federação Nacional de Saúde Suple-
mentar (FenaSaúde), que obtiveram receita de R$ 74 bilhões contra despesas de R$ 58 bilhões.
R$ 64 bilhões foi o que as empresas do Sistema de Saúde Suplementar movimentaram em 2009, variação
de 13,5% em um ano - maior que a variação da inflação.
350 mil médicos em atividade estão registrados junto ao Conselho Federal de Medicina (CFM).
No Distrito Federal são 10.308 os médicos ativos registrados no Conselho Regional de Medicina.
160 mil médicos, aproximadamente, atendem usuários de planos e de seguros de saúde.
223 milhões de consultas são realizadas anualmente pelos médicos que atendem o sistema de
saúde suplementar.
4,8 milhões de internações são realizadas por ano sob a responsabilidade dos médicos do sistema suplementar.
Os médicos atendem, em média, em seus consultórios, oito planos ou seguros saúde.
Cada hospital privado atende, em média, convênio com 42 planos de saúde.
Cada usuário de plano de saúde vai ao médico (consulta) em média 5,5 vezes por ano.
80% das consultas, em um mês típico de consultório médico particular, são realizadas por meio de plano
de saúde. As consultas particulares representam, em média, 20% do trabalho médico em consultório.
O médico que trabalha com planos ou seguros de saúde atribui, em média, nota 5 para as operadoras, em
escala de zero a dez. Ressalta-se que 5% dos médicos deram nota zero para os planos ou seguros
saúde brasileiros e apenas 1% atribuiu notas nove ou 10.
O setor de planos de saúde liderou, em 2010, o ranking de reclamações do Instituto Brasileiro de
Defesa do Consumidor (Idec) pelo 11º ano consecutivo.
As principais queixas foram referentes a reajustes de mensalidade, negativas de cobertura, manutenção de
dependentes no plano de saúde após a morte do titular e adaptação e migração de contratos antigos.
92% dos médicos brasileiros que atendem planos ou seguros saúde afirmam que sofreram pressão ou
ocorreu interferência das operadoras na autonomia técnica do médico.
54,9% dos hospitais afirmam que os planos de saúde determinam a transferência de pacientes para
hospitais próprios das operadoras.
51% dos hospitais afirmam que os planos de saúde demoram na liberação de guias de autorização
para internação, cirurgia e exames, o que prejudica pacientes e médicos.
Entre as interferências no trabalho médico, glosar procedimentos ou medidas terapêuticas e impor a redução
de número de exames ou procedimentos são as práticas mais comuns das operadoras (veja quadro a seguir).


                Quem ganha com a atual situação da saúde suplementar
         Principais interferências dos planos no trabalho médico

         Glosa (rejeitação da prescrição ou cancelamento de
         pagamento) de procedimentos ou medidas terapêuticas                          78%

         Limitação de número de exames ou procedimentos
                                                                               75%

         Restrição (limitação da cobertura) de doenças pré-existentes    70%

         Autorização de atos diagnósticos e terapêuticos
         somente mediante designação de auditores                       70%

         Interferência no tempo de internação de pacientes
         (determinação de alta hospitalar antes da hora)       55%

         Negativa a prescrição de
         medicamentos de alto custo                     49%

         Interferência no período de internação
         pré-operatório (Ex.: não permitir          48%
         internação na véspera da cirurgia)


          Nenhuma       6%

       Base (número de médicos entrevistados) 2.184
       Fonte: APM/DataFolha – Pesquisa Nacional

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"CONITEC
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosProqualis
 
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...MV
 
Experiência, avanço e desafio na elaboração de diretrizes clínicas
Experiência, avanço e desafio na elaboração de diretrizes clínicasExperiência, avanço e desafio na elaboração de diretrizes clínicas
Experiência, avanço e desafio na elaboração de diretrizes clínicasCONITEC
 
Apresentação - CONITEC em Evidência
Apresentação -  CONITEC em EvidênciaApresentação -  CONITEC em Evidência
Apresentação - CONITEC em EvidênciaCONITEC
 
Apresentacao Siappa
Apresentacao SiappaApresentacao Siappa
Apresentacao Siappaguest96ac94
 
Monitoramento e avaliação de desempenho de tecnologias em saúde: ações e pers...
Monitoramento e avaliação de desempenho de tecnologias em saúde: ações e pers...Monitoramento e avaliação de desempenho de tecnologias em saúde: ações e pers...
Monitoramento e avaliação de desempenho de tecnologias em saúde: ações e pers...CONITEC
 
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...CONITEC
 

Mais procurados (10)

Socesp
SocespSocesp
Socesp
 
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
 
Eventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentosEventos adversos a medicamentos
Eventos adversos a medicamentos
 
Gestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta HospitalarGestão da Alta Hospitalar
Gestão da Alta Hospitalar
 
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
#MEF2017 | Palestra: Prontuário Eletrônico do Paciente: o coração do Hospital...
 
Experiência, avanço e desafio na elaboração de diretrizes clínicas
Experiência, avanço e desafio na elaboração de diretrizes clínicasExperiência, avanço e desafio na elaboração de diretrizes clínicas
Experiência, avanço e desafio na elaboração de diretrizes clínicas
 
Apresentação - CONITEC em Evidência
Apresentação -  CONITEC em EvidênciaApresentação -  CONITEC em Evidência
Apresentação - CONITEC em Evidência
 
Apresentacao Siappa
Apresentacao SiappaApresentacao Siappa
Apresentacao Siappa
 
Monitoramento e avaliação de desempenho de tecnologias em saúde: ações e pers...
Monitoramento e avaliação de desempenho de tecnologias em saúde: ações e pers...Monitoramento e avaliação de desempenho de tecnologias em saúde: ações e pers...
Monitoramento e avaliação de desempenho de tecnologias em saúde: ações e pers...
 
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
A cooperação do Hospital Moinhos de Vento na elaboração de diretrizes clínica...
 

Semelhante a Principais números do sistema de saúde suplementar brasileiro

Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoCassyano Correr
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Ney Weidemann Neto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Ney Weidemann Neto2º Fórum da Saúde Suplementar - Ney Weidemann Neto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Ney Weidemann NetoCNseg
 
Revisão do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúde
Revisão do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúdeRevisão do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúde
Revisão do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúdePalácio do Planalto
 
Revisão do rol de procedimentos 2805
Revisão do rol de procedimentos 2805Revisão do rol de procedimentos 2805
Revisão do rol de procedimentos 2805Ministério da Saúde
 
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Apresentação de Gabriel Palne no ENF Rio 2012
Apresentação de Gabriel Palne no ENF Rio 2012Apresentação de Gabriel Palne no ENF Rio 2012
Apresentação de Gabriel Palne no ENF Rio 2012Beto Guimas
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra CrfMarcelo Polacow Bisson
 
Nauseas e vomito
Nauseas e vomitoNauseas e vomito
Nauseas e vomitoOncoguia
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE Guilherme Barcellos
 
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoCassyano Correr
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceuticaARNON ANDRADE
 
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaMétodo Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaBruna Bernardi
 
Regiao_OESTE_I.ppt
Regiao_OESTE_I.pptRegiao_OESTE_I.ppt
Regiao_OESTE_I.pptAlice Costa
 

Semelhante a Principais números do sistema de saúde suplementar brasileiro (20)

Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Ney Weidemann Neto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Ney Weidemann Neto2º Fórum da Saúde Suplementar - Ney Weidemann Neto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Ney Weidemann Neto
 
Auditoria assistencial
Auditoria assistencialAuditoria assistencial
Auditoria assistencial
 
Revisão do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúde
Revisão do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúdeRevisão do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúde
Revisão do rol de procedimentos obrigatórios dos planos de saúde
 
Revisão do rol de procedimentos 2805
Revisão do rol de procedimentos 2805Revisão do rol de procedimentos 2805
Revisão do rol de procedimentos 2805
 
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 01 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Apresentação de Gabriel Palne no ENF Rio 2012
Apresentação de Gabriel Palne no ENF Rio 2012Apresentação de Gabriel Palne no ENF Rio 2012
Apresentação de Gabriel Palne no ENF Rio 2012
 
8901
89018901
8901
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
Nauseas e vomito
Nauseas e vomitoNauseas e vomito
Nauseas e vomito
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
 
Sistemas de apoio nas ras
Sistemas de apoio nas rasSistemas de apoio nas ras
Sistemas de apoio nas ras
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Luis Fernando Rolim
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaMétodo Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
 
Idec Aberto - Planos de Saúde
Idec Aberto - Planos de SaúdeIdec Aberto - Planos de Saúde
Idec Aberto - Planos de Saúde
 
Sustentabilidade na Saúde Corporativa
Sustentabilidade na Saúde CorporativaSustentabilidade na Saúde Corporativa
Sustentabilidade na Saúde Corporativa
 
Regiao_OESTE_I.ppt
Regiao_OESTE_I.pptRegiao_OESTE_I.ppt
Regiao_OESTE_I.ppt
 

Mais de azimutecomunicacao

DocumentoRecebidoCPMI8deJaneiro67Outros26062023115028070RECIBOCOD5896.pdf
DocumentoRecebidoCPMI8deJaneiro67Outros26062023115028070RECIBOCOD5896.pdfDocumentoRecebidoCPMI8deJaneiro67Outros26062023115028070RECIBOCOD5896.pdf
DocumentoRecebidoCPMI8deJaneiro67Outros26062023115028070RECIBOCOD5896.pdfazimutecomunicacao
 
representação - regularização fundiária - v2 (1).pdf
representação - regularização fundiária - v2 (1).pdfrepresentação - regularização fundiária - v2 (1).pdf
representação - regularização fundiária - v2 (1).pdfazimutecomunicacao
 
ARQUIVO_PORTAL_CPMI8DEJANEIRO_7781ComissaoCPIComissaoCPMI8DEJANEIRO20230606.pdf
ARQUIVO_PORTAL_CPMI8DEJANEIRO_7781ComissaoCPIComissaoCPMI8DEJANEIRO20230606.pdfARQUIVO_PORTAL_CPMI8DEJANEIRO_7781ComissaoCPIComissaoCPMI8DEJANEIRO20230606.pdf
ARQUIVO_PORTAL_CPMI8DEJANEIRO_7781ComissaoCPIComissaoCPMI8DEJANEIRO20230606.pdfazimutecomunicacao
 
ab21e4fc-0d08-4a7b-aaa6-18f66d0a4179.pdf
ab21e4fc-0d08-4a7b-aaa6-18f66d0a4179.pdfab21e4fc-0d08-4a7b-aaa6-18f66d0a4179.pdf
ab21e4fc-0d08-4a7b-aaa6-18f66d0a4179.pdfazimutecomunicacao
 
Req CLDF informações CPI.pdf
Req CLDF informações CPI.pdfReq CLDF informações CPI.pdf
Req CLDF informações CPI.pdfazimutecomunicacao
 
notícia crime Magno Malta vf.pdf
notícia crime Magno Malta vf.pdfnotícia crime Magno Malta vf.pdf
notícia crime Magno Malta vf.pdfazimutecomunicacao
 
representação coetica Senador Mago Malta vfvf pdf[1].pdf
representação coetica Senador Mago Malta vfvf pdf[1].pdfrepresentação coetica Senador Mago Malta vfvf pdf[1].pdf
representação coetica Senador Mago Malta vfvf pdf[1].pdfazimutecomunicacao
 
Nordeste_21SNM_Programacao.pdf
Nordeste_21SNM_Programacao.pdfNordeste_21SNM_Programacao.pdf
Nordeste_21SNM_Programacao.pdfazimutecomunicacao
 

Mais de azimutecomunicacao (20)

DocumentoRecebidoCPMI8deJaneiro67Outros26062023115028070RECIBOCOD5896.pdf
DocumentoRecebidoCPMI8deJaneiro67Outros26062023115028070RECIBOCOD5896.pdfDocumentoRecebidoCPMI8deJaneiro67Outros26062023115028070RECIBOCOD5896.pdf
DocumentoRecebidoCPMI8deJaneiro67Outros26062023115028070RECIBOCOD5896.pdf
 
Future close up report.pdf
Future close up report.pdfFuture close up report.pdf
Future close up report.pdf
 
representação - regularização fundiária - v2 (1).pdf
representação - regularização fundiária - v2 (1).pdfrepresentação - regularização fundiária - v2 (1).pdf
representação - regularização fundiária - v2 (1).pdf
 
ARQUIVO_PORTAL_CPMI8DEJANEIRO_7781ComissaoCPIComissaoCPMI8DEJANEIRO20230606.pdf
ARQUIVO_PORTAL_CPMI8DEJANEIRO_7781ComissaoCPIComissaoCPMI8DEJANEIRO20230606.pdfARQUIVO_PORTAL_CPMI8DEJANEIRO_7781ComissaoCPIComissaoCPMI8DEJANEIRO20230606.pdf
ARQUIVO_PORTAL_CPMI8DEJANEIRO_7781ComissaoCPIComissaoCPMI8DEJANEIRO20230606.pdf
 
ab21e4fc-0d08-4a7b-aaa6-18f66d0a4179.pdf
ab21e4fc-0d08-4a7b-aaa6-18f66d0a4179.pdfab21e4fc-0d08-4a7b-aaa6-18f66d0a4179.pdf
ab21e4fc-0d08-4a7b-aaa6-18f66d0a4179.pdf
 
Req CLDF informações CPI.pdf
Req CLDF informações CPI.pdfReq CLDF informações CPI.pdf
Req CLDF informações CPI.pdf
 
Req Alexandre de Moraes.pdf
Req Alexandre de Moraes.pdfReq Alexandre de Moraes.pdf
Req Alexandre de Moraes.pdf
 
Req Ricardo Cappelli.pdf
Req Ricardo Cappelli.pdfReq Ricardo Cappelli.pdf
Req Ricardo Cappelli.pdf
 
Req Flavio Dino.pdf
Req Flavio Dino.pdfReq Flavio Dino.pdf
Req Flavio Dino.pdf
 
Req Ibaneis Rocha.pdf
Req Ibaneis Rocha.pdfReq Ibaneis Rocha.pdf
Req Ibaneis Rocha.pdf
 
Req Mauro Cid.pdf
Req Mauro Cid.pdfReq Mauro Cid.pdf
Req Mauro Cid.pdf
 
Req Anderson Torres.pdf
Req Anderson Torres.pdfReq Anderson Torres.pdf
Req Anderson Torres.pdf
 
Req Augusto Heleno.pdf
Req Augusto Heleno.pdfReq Augusto Heleno.pdf
Req Augusto Heleno.pdf
 
notícia crime Magno Malta vf.pdf
notícia crime Magno Malta vf.pdfnotícia crime Magno Malta vf.pdf
notícia crime Magno Malta vf.pdf
 
representação coetica Senador Mago Malta vfvf pdf[1].pdf
representação coetica Senador Mago Malta vfvf pdf[1].pdfrepresentação coetica Senador Mago Malta vfvf pdf[1].pdf
representação coetica Senador Mago Malta vfvf pdf[1].pdf
 
Sul_21SNM_Programacao.pdf
Sul_21SNM_Programacao.pdfSul_21SNM_Programacao.pdf
Sul_21SNM_Programacao.pdf
 
Sudeste_21SNM_Programacao.pdf
Sudeste_21SNM_Programacao.pdfSudeste_21SNM_Programacao.pdf
Sudeste_21SNM_Programacao.pdf
 
Norte_21SNM_Programacao.pdf
Norte_21SNM_Programacao.pdfNorte_21SNM_Programacao.pdf
Norte_21SNM_Programacao.pdf
 
Nordeste_21SNM_Programacao.pdf
Nordeste_21SNM_Programacao.pdfNordeste_21SNM_Programacao.pdf
Nordeste_21SNM_Programacao.pdf
 
C.Oeste_21SNM_Programacao.pdf
C.Oeste_21SNM_Programacao.pdfC.Oeste_21SNM_Programacao.pdf
C.Oeste_21SNM_Programacao.pdf
 

Principais números do sistema de saúde suplementar brasileiro

  • 1. Alguns números do sistema de saúde suplementar brasileiro 45,5 milhões de pessoas, cerca de 24% da população brasileira são usuárias do Sistema de Saúde Su- plementar (dado de dezembro de 2010). 74% dos usuários de planos de assistência médica estão em planos coletivos(quase 33 milhões de pesso- as). O restante, 26%, têm plano individual ou familiar. Dos usuários de planos de assistência médica, 19,6% permanecem em planos antigos (8,8 milhões), muitos deles com restrições de cobertura ainda piores do que as praticadas pelos planos novos (contratos após janeiro de 1999). 26% de lucro foi o desempenho, em 2010, das 15 operadoras filiadas à Federação Nacional de Saúde Suple- mentar (FenaSaúde), que obtiveram receita de R$ 74 bilhões contra despesas de R$ 58 bilhões. R$ 64 bilhões foi o que as empresas do Sistema de Saúde Suplementar movimentaram em 2009, variação de 13,5% em um ano - maior que a variação da inflação. 350 mil médicos em atividade estão registrados junto ao Conselho Federal de Medicina (CFM). No Distrito Federal são 10.308 os médicos ativos registrados no Conselho Regional de Medicina. 160 mil médicos, aproximadamente, atendem usuários de planos e de seguros de saúde. 223 milhões de consultas são realizadas anualmente pelos médicos que atendem o sistema de saúde suplementar. 4,8 milhões de internações são realizadas por ano sob a responsabilidade dos médicos do sistema suplementar. Os médicos atendem, em média, em seus consultórios, oito planos ou seguros saúde. Cada hospital privado atende, em média, convênio com 42 planos de saúde. Cada usuário de plano de saúde vai ao médico (consulta) em média 5,5 vezes por ano. 80% das consultas, em um mês típico de consultório médico particular, são realizadas por meio de plano de saúde. As consultas particulares representam, em média, 20% do trabalho médico em consultório. O médico que trabalha com planos ou seguros de saúde atribui, em média, nota 5 para as operadoras, em escala de zero a dez. Ressalta-se que 5% dos médicos deram nota zero para os planos ou seguros saúde brasileiros e apenas 1% atribuiu notas nove ou 10. O setor de planos de saúde liderou, em 2010, o ranking de reclamações do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) pelo 11º ano consecutivo. As principais queixas foram referentes a reajustes de mensalidade, negativas de cobertura, manutenção de dependentes no plano de saúde após a morte do titular e adaptação e migração de contratos antigos. 92% dos médicos brasileiros que atendem planos ou seguros saúde afirmam que sofreram pressão ou ocorreu interferência das operadoras na autonomia técnica do médico. 54,9% dos hospitais afirmam que os planos de saúde determinam a transferência de pacientes para hospitais próprios das operadoras.
  • 2. 51% dos hospitais afirmam que os planos de saúde demoram na liberação de guias de autorização para internação, cirurgia e exames, o que prejudica pacientes e médicos. Entre as interferências no trabalho médico, glosar procedimentos ou medidas terapêuticas e impor a redução de número de exames ou procedimentos são as práticas mais comuns das operadoras (veja quadro a seguir). Quem ganha com a atual situação da saúde suplementar Principais interferências dos planos no trabalho médico Glosa (rejeitação da prescrição ou cancelamento de pagamento) de procedimentos ou medidas terapêuticas 78% Limitação de número de exames ou procedimentos 75% Restrição (limitação da cobertura) de doenças pré-existentes 70% Autorização de atos diagnósticos e terapêuticos somente mediante designação de auditores 70% Interferência no tempo de internação de pacientes (determinação de alta hospitalar antes da hora) 55% Negativa a prescrição de medicamentos de alto custo 49% Interferência no período de internação pré-operatório (Ex.: não permitir 48% internação na véspera da cirurgia) Nenhuma 6% Base (número de médicos entrevistados) 2.184 Fonte: APM/DataFolha – Pesquisa Nacional