SlideShare uma empresa Scribd logo
SEGUNDA REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL
(2ª metade do XIX e início do XX)
• SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (2ª metade
do XIX e início do XX):
a) Novas fontes de energia: petróleo e eletricidade
SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (2ª metade do XIX e início do XX):
b) Novas tecnologias: motor de combustão interna (carro, navios e trens), dínamo (converte
energia mecânica em elétrica), telégrafo (mensagem de longa distância por sinais elétricos) e telefone
(o som é transformado em impulso elétrico, transmitido por cabos e depois reconvertido em som);
Essa rua de Paris estava realmente vazia?
Nesta época, para que a imagem fosse captada, o objeto fotografado deveria ficar parado por
aproximadamente 13 minutos. Caso contrário, a imagem poderia sair borrada ou simplesmente não aparecer.
SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (2ª metade do XIX e início do XX):
c) Principal matéria prima: aço (ferro fundido com ar frio – maior resistência à
deformação)
• CAPITALISMO MONOPOLISTA
a) o domínio da indústria pelas inversões bancárias
(financiamento);
b) a formação das grandes reservas de capitais;
c) a distinção entre a propriedade particular dos dirigentes da
empresa e o patrimônio da empresa;
d) a responsabilidade econômica da organização.
e) crise do capitalismo de superprodução e subconsumo.
f) expansão Imperialista e surgimento das empresas gigantes.
[EMPRESAS GIGANTES]
TRUSTE: é quando as empresas do mesmo ramo se
fundem para controlar o preço, a produção e o
mercado, tendo o monopólio sobre a produção.
[EMPRESAS GIGANTES]
CARTEL: é quando empresas independentes fazem acordos com
o objetivo de dividir o mercado e combater concorrentes.
Uma das estratégias utilizadas é o preço combinado, mais ou
menos semelhantes, para obrigarem os consumidores a
pagarem o valor que elas querem.
[EMPRESAS GIGANTES]
HOLDING: é quando uma empresa controla uma série de
outras empresas do mesmo ramo, ou de setores
diferentes, com o objetivo de controlar o mercado.
[EMPRESAS GIGANTES]
OLIGOPÓLIO:
Quando poucas
empresas
controlam a maior
parte do mercado.
[EMPRESAS GIGANTES]
SOCIEDADES ANÔNIMAS (S/A):
Empresa constituída, por
inúmeros proprietários,
através da compra de ações.
A direção das S/A é
escolhida por uma minoria de
acionistas que tem a maioria
das ações com direito a voto.
IMPERIALISMO
1870-1914
(Neocolonialismo)
CONCEITO DE IMPERIALISMO
O Imperialismo foi o processo de submissão das nações
periféricas agroexportadoras e pouco industrializadas as
nações centrais industrializadas através de diversas formas de
domínio (econômico, político e cultural) após a Segunda
Revolução Industrial.
Obs:
• Bloco Central: Países altamente industrializados, com tecnologia
avançada e capitais excedentes. (Inglaterra, França, Bélgica e Holanda.
Itália e Alemanha. Estados Unidos e Japão);
• Bloco Periférico: Nações de economia tradicional, agrário-
exportadoras, sem tecnologia ou capital excedente para investir. (Ex.
Continente Africano, Ásia, Oceania, América Latina).
2 rev.ind imperialismo
OBJETIVOS DO IMPERIALISMO
(A) Obter matéria prima barata para vencer a concorrência.
(B) Escoar o excedente de produção para evitar uma crise econômica
(encalhe de mercadoria) e manter o equilíbrio político e democrático
(afastar revoltas sociais).
(C) Exportar capital através de investimentos e empréstimos para
multiplicar os lucros.
(D) Explorar mão de obra dois países periféricos pagando baixos salários.
(E) Minimizar as tensões sociais internas (migração da população
europeia excedente para as colônias).
Formas de domínio imperialista:
a) administração direta (protetorado): quando um país imperialista
controla o governo colonial, cabendo à população colonial os cargos
subalternos, isto é, quando há a intervenção na administração local
pela potência imperialista.
b) administração indireta: quando a elite local (nativa) se aliava às
potências imperialistas, isto é, a elite local controla o governo que é
submetido a uma potência imperialista.
Justificativa ideológicas do dominador
Toda forma de poder é a
acompanhada de um discurso para
justificar “moralmente” a
dominação. No caso da África e da
Ásia as justificativas eram as
seguintes:
Ver vídeo: Darwinismo Social [BBC] (iniciar exibição:20min): http://youtu.be/wYQr5P46vek
Justificativa ideológicas do dominador
(A) Darwinismo social
(evolucionismo): é a tentativa de
se aplicar o darwinismo (teoria da
evolução das espécies)nas
sociedades humanas. Ele pregava
a superioridade da raça branca
sobre as outras.
IMPORTANTE:
Darwin era contra os maus
tratos a outros seres humanos
justificadas pela teoria evolucionista
(como escravidão, por exemplo) .
Justificativa ideológicas do dominador
(B) Ação civilizatória: o colonialismo era uma benfeitoria a evolução
civilizatória dos países periféricos tidos como “atrasados”.  “fardo” do
homem branco (poema de Kipling)
Justificativa ideológicas do dominador
(D) Cristianização dos nativos:
catequese da fé cristã (Colônias
francesas e portuguesas:
catolicismo. Colônias britânicas:
protestantes, especialmente,
batistas.)
IMAGEM:
Primeira Associação Cristã de Moços (ACM/
YMCA) na China, 1900. A instituição surgiu na
Inglaterra em 1844 com o objetivo de incentivar
a prática dos princípios cristãos, através de
estudos bíblicos e orações. Atualmente a ACM
adota uma abordagem multidisciplinar, visando o
desenvolvimento espiritual, físico e
intelectual .
Conferência de Berlim
O interesse das potências
industrializadas pela África gerou
rivalidades. Para evitar maiores
conflitos, foi criada a CONFERÊNCIA
DE BERLIM (Nov. 1884 – Fev.1885).
OBJETIVOS:
a) Regulamentar a ocupação do
território africano (o território foi
dividido entre: Grã-Bretanha*, França,
Bélgica, Alemanha, Itália, Portugal e
Espanha).
b) Estabelecer regras para o comércio na
bacia do Rio Congo.
Justificativa ideológicas do dominador
C)Teoria Populacional Malthusiana: A teoria diz que a população cresce mais
que a produção de alimentos, e por isso justificaria a transferência de parte da
população branca para as colônias para evitar uma crise.
c) Aprovação da “política do
interior”, ou seja, toda a nação
estabelecida no litoral deveria
expandir a sua fronteira em
direção ao interior, o máximo
possível.
d) Extinguir a escravidão e levar a
“civilização”* aos povos por meio
da educação e da catequese.
*Civilizar: estabelecer regras de conduta,
hábitos, costumes e até controle dos
corpos, de acordo com o padrão cultural
europeu.
Conferência de Berlim
Resistência ao imperialismo na África (exemplos)
a) Revolta Maji-Maji (1905-1907): o povo nativo de Maji-Maji (atual Tanzânia)
organizaram um movimento contra a dominação alemã. O movimento foi
duramente reprimido, mas o governo alemão foi obrigado a realizar reformas na
estrutura colonial, abandonando, por exemplo, a cultura algodoeira.
b) Rebelião Ashanti (1890-1900): os ingleses derrubaram os chefes Ashanti
(Costa do Ouro, atual Gana) e exigiam que a nova liderança branca fosse tratada
com a mesma legitimidade (rito do trono de ouro). A população se revoltou
contra a dominação, mas foi brutalmente reprimidas em 1900.
Mapa do Imperialismo no mundo
A COLONIZAÇÃO INGLESA
O império Britânico era o maior império do século XIX.
África: dominou o Canal de Suez (entre o Mar Mediterrâneo e o
Mar Vermelho), parte do vale do rio Nilo.
•Modelo de colonização: “dividir para dominar”.
Alianças com chefes tribais locais
Incentivo ao conflito entre tribos rivais (colônias de
enquadramento).
A exploração comercial era realizada por empresas privadas
com o apoio da coroa.
A COLONIZAÇÃO INGLESA
[GUERRA DOS BÔERES, África do Sul]:
Os colonos conhecidos como Bôeres (colonizadores de origem holandesa–
1652) descobriram diamante e ouro na região (1867-1886).
Os ingleses interessados nas riquezas da região travaram duas batalhas
contra os colonizadores holandeses (Segunda Guerra dos Bôeres) e
dominaram a região (1899-1902). Durante a guerra, foram criados centros de
retenção e confinamento de presos militares e civis chamados campos de
concentração. Lá a população era submetida a péssimas condições de vida e
obrigados a trabalharem.
A COLONIZAÇÃO INGLESA NA ÍNDIA
Os ingleses dominaram a Índia (atuais: Índia, Paquistão, Sri Lanka,
Bangladesh, Birmânia/Miannamar) entre meados do séc. XIX até 1947.
Dominação direta: acordos entre a elite local indiana e a elite branca
europeia. A Grã-Bretanha estimulou o estudo da elite indiana na
metrópole, como forma de moldar seus hábitos de acordo com os
valores ocidentais, gerando um preconceito da elite indiana contra
restante da população. Vale lembrar que a discriminação social na Índia
já era muito forte por conta do “sistema de castas”.
OBS.:
os BRÂMANES (sacerdotes e letrados) nasceram
da cabeça de Brahma).
os XÁTRIAS (guerreiros) nasceram dos braços de
Brahma);
os VAIXÁS (comerciantes) nasceram das pernas
de Brahma) ;
os SUDRAS (servos: camponeses, artesãos e
operários) nasceram dos pés de Brahma.
DALIT: poeira debaixo do pé de Brahma.
Imagem: Jogadores de Cricket.
A COLONIZAÇÃO INGLESA NA ÍNDIA
Os ingleses impuseram um sistema de administração civil e jurídica, sistemas
de pesos e medidas, uma moeda única (rúpia), o inglês como idioma oficial,
separaram comunidades e mesclaram povos rivais.
A Índia fornecia matéria prima (algodão, tintura, carvão) para a indústria
inglesa e consumia produtos industrializados. Isso prejudicou a produção
artesanal na Índia.
Rei Jorge V e Rainha
Maria em Deli, 1911.
A COLONIZAÇÃO INGLESA NA ÍNDIA
[Revolta dos Cipaios, 1857/59 - Índia]: os Cipaios era soldados
indianos treinados nos moldes militares europeus. Eles realizaram um
movimento nacionalista contra a dominação britânica e seu monopólio
comercial (Cia. das Índias Orientais) que mantinham manufatura têxtil
britânica com preços mais baratos.
RESISTÊNCIA À COLONIZAÇÃO INGLESA NA CHINA
[GUERRA DO ÓPIO – CHINA, 1830-1842/ 1856-1860]: Os ingleses
mantinham com a China forte relações comerciais (seda, chá, etc). Porém,
para aumentar os seus lucros, os ingleses passaram a estimular o consumo
de ópio (droga fabricada a partir da semente de papoula). O governo chinês
reagiu e destruiu o carregamento de ópio. Começa o conflito armado
chamada Guerra do ópio. Os ingleses venceram o confronto e obrigaram o
governo a assinar tratados (Tratado de Nanquim) que davam privilégios
comerciais e políticos, além de exigirem o território de Hong Kong.
IMAGEM:
A xilogravura chinesa mostra
um viciado em ópio
vendendo a esposa para
sustentar seu vício.
RESISTÊNCIA À COLONIZAÇÃO INGLESA NA CHINA
[GUERRA DOS BOXERS - CHINA,
1899-1900]: Os boxers eram
camponeses miseráveis que fundaram
um grupo secreto nacionalista
(Sociedade dos Punhos Harmoniosos
e Justiceiros) para enfrentar o
imperialismo na China. Táticas
usadas: sabotagem e cartazes
xenofóbicos. Em junho de 1900, os
Boxers dominaram as embaixadas
ocidentais em Pequim. A imperatriz
Cixi apoiou o movimento e declarou
guerra aos colonizadores. No entanto,
em 1901, Grã-Bretanha, Japão,
Rússia, França, Alemanha e Estados
Unidos uniram-se e derrotaram o
movimento.
IMAGEM: prisioneiros Boxers, 1901.
A COLONIZAÇÃO PORTUGUESA
- Após a independência do Brasil, Portugal concentrou seu
interesse colonial na África para explorar produtos de gêneros
tropicais. Portugal mantinha boas relações diplomáticas com a
Inglaterra para ter apoio militar. As colônias portuguesas foram as
últimas a se tornarem independentes.
Modelo de colonização: fixação de colonos europeus nas
colônias para dominar a população local (colônia de enraizamento)
A COLONIZAÇÃO FRANCESA
A França possuía o segundo
maior império do mundo (África, Ásia
e Oceania). Na Ásia, cultivavam arroz,
chá, café, seringueira (látex/borracha)
e carvão.
-Modelo de colonização: assimilação
cultural, ou seja, os nativos deveriam
abandonar seus próprios hábitos e
adotar a cultura francesa para que
fossem considerados cidadãos
franceses. Os franceses alimentavam
rivalidades e elegiam colaboradores
para dominar seus compatriotas em
nome da França.
ERA MEIJI (Governo Esclarecido) - JAPÃO
-O Japão era uma economia fechada
até meados do séc. XIX, quando os EUA
pressionaram pela a abertura de seus
portos.
-A entrada de novas mercadorias gerou
uma crise no sistema feudal (Xogum-
líder político pertencente às grandes
famílias proprietárias de terras).
- Em 1868, o imperador Mitsuhito
(Menji) sobe ao trono, acaba com o
sistema de Xogunato e inicia uma série
de reformas incentivando a
industrialização, o intercâmbio
educacional, a centralização política e a
modernização das forças armadas.
ERA MEIJI - JAPÃO
- Surgem os ZAIBATSUS (grande
grupo econômico com as atividades
financeiras e industriais controlado
por uma família poderosa aliada
aos interesses do governo japonês.
Ex.: Mitsubishi)
- Entre o final do séc.XIX e o
começo do XX, o Japão já disputava
territórios e mercados na Ásia e
obteve o domínio de Taiwan e da
Manchúria.
- O Japão foi uma grande potência
imperialista até o fim da Segunda
Guerra Mundial (1945)
Consequências do imperialismo
As elites locais colonizadas foram privilegiadas frente a população
subjulgada.
Empobrecimento da maior parte da população colonizada (fome,
guerra civil, doenças, dependência econômica, segregação racial,
“apartheid” na África do Sul, países subdesenvolvidos).
Enriquecimento das potências imperialistas europeias, como
Inglaterra e França.
Eclosão da Primeira Guerra Mundial (1914-1918): disputas por
colônias entre as grandes potências e principalmente, dos novos
emergentes países, a Alemanha e Itália, tardiamente unificados.
Referência:
Documentário da BBC sobre Darwinismo Social: http://youtu.be/wYQr5P46vek

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Valéria Shoujofan
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
Rodrigo Luiz
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
A conquista da América
A conquista da América A conquista da América
A conquista da América
Isaquel Silva
 
Ideologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixIdeologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xix
Privada
 
Terceiro Ano (1) - Imperialismo e Neocolonialismo
Terceiro Ano (1) - Imperialismo e NeocolonialismoTerceiro Ano (1) - Imperialismo e Neocolonialismo
Terceiro Ano (1) - Imperialismo e Neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
isameucci
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
Bruce Portes
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
Edenilson Morais
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
Edenilson Morais
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
Daniel Alves Bronstrup
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
Creusa Lima
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
Eduard Henry
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
A conquista da América
A conquista da América A conquista da América
A conquista da América
 
Ideologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xixIdeologias políticas do século xix
Ideologias políticas do século xix
 
Terceiro Ano (1) - Imperialismo e Neocolonialismo
Terceiro Ano (1) - Imperialismo e NeocolonialismoTerceiro Ano (1) - Imperialismo e Neocolonialismo
Terceiro Ano (1) - Imperialismo e Neocolonialismo
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 

Semelhante a 2 rev.ind imperialismo

Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Josué Ramos
 
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
Daniel Alves Bronstrup
 
O IMPERIALISMO
O IMPERIALISMOO IMPERIALISMO
O IMPERIALISMO
Jorge Miklos
 
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismoAula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Gerson Coppes
 
3ª série–e
3ª série–e3ª série–e
3ª série–e
joadmo
 
Imperialismo e Primeira Guerra
Imperialismo e Primeira GuerraImperialismo e Primeira Guerra
Imperialismo e Primeira Guerra
Alan
 
Imperialismo ou Neocolonialismo.
Imperialismo ou Neocolonialismo.Imperialismo ou Neocolonialismo.
Imperialismo ou Neocolonialismo.
Jéssica Santos
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Alan
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
Edenilson Morais
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Aula sobre imperialismo
Aula sobre imperialismoAula sobre imperialismo
Aula sobre imperialismo
CarlosNazar1
 
imperialismo esse.ppt
imperialismo esse.pptimperialismo esse.ppt
imperialismo esse.ppt
MarceloFonseca250758
 
O Imperialismo
O ImperialismoO Imperialismo
O Imperialismo
Bruno E Geyse Ornelas
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Marco Santos
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
isameucci
 
Aula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo defAula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo def
CarlosNazar1
 
Módulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Módulo 10 - Imperialismo e NeocolonialismoMódulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Módulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Fernando Sergio Leão Castilho
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
LianaSuzuki
 
Imperialismo 2013
Imperialismo   2013Imperialismo   2013
Imperialismo 2013
Profernanda
 
Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo
CarlosNazar1
 

Semelhante a 2 rev.ind imperialismo (20)

Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
 
O IMPERIALISMO
O IMPERIALISMOO IMPERIALISMO
O IMPERIALISMO
 
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismoAula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
Aula 2 [3º ano - 2022] - Industrialização e imperialismo
 
3ª série–e
3ª série–e3ª série–e
3ª série–e
 
Imperialismo e Primeira Guerra
Imperialismo e Primeira GuerraImperialismo e Primeira Guerra
Imperialismo e Primeira Guerra
 
Imperialismo ou Neocolonialismo.
Imperialismo ou Neocolonialismo.Imperialismo ou Neocolonialismo.
Imperialismo ou Neocolonialismo.
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Aula sobre imperialismo
Aula sobre imperialismoAula sobre imperialismo
Aula sobre imperialismo
 
imperialismo esse.ppt
imperialismo esse.pptimperialismo esse.ppt
imperialismo esse.ppt
 
O Imperialismo
O ImperialismoO Imperialismo
O Imperialismo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
 
Aula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo defAula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo def
 
Módulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Módulo 10 - Imperialismo e NeocolonialismoMódulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
Módulo 10 - Imperialismo e Neocolonialismo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo 2013
Imperialismo   2013Imperialismo   2013
Imperialismo 2013
 
Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo
 

Mais de Priscila Azeredo

Independencia brasil
Independencia brasilIndependencia brasil
Independencia brasil
Priscila Azeredo
 
Revolucao industrial2014
Revolucao industrial2014Revolucao industrial2014
Revolucao industrial2014
Priscila Azeredo
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
Priscila Azeredo
 
Familia real no_brasil
Familia real no_brasilFamilia real no_brasil
Familia real no_brasil
Priscila Azeredo
 
Era napoleonica
Era napoleonicaEra napoleonica
Era napoleonica
Priscila Azeredo
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
Priscila Azeredo
 
Revolucao Russa
Revolucao RussaRevolucao Russa
Revolucao Russa
Priscila Azeredo
 
A grande depressao
A grande depressaoA grande depressao
A grande depressao
Priscila Azeredo
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
Priscila Azeredo
 
Segunda guerra
Segunda guerraSegunda guerra
Segunda guerra
Priscila Azeredo
 

Mais de Priscila Azeredo (10)

Independencia brasil
Independencia brasilIndependencia brasil
Independencia brasil
 
Revolucao industrial2014
Revolucao industrial2014Revolucao industrial2014
Revolucao industrial2014
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
 
Familia real no_brasil
Familia real no_brasilFamilia real no_brasil
Familia real no_brasil
 
Era napoleonica
Era napoleonicaEra napoleonica
Era napoleonica
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Revolucao Russa
Revolucao RussaRevolucao Russa
Revolucao Russa
 
A grande depressao
A grande depressaoA grande depressao
A grande depressao
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Segunda guerra
Segunda guerraSegunda guerra
Segunda guerra
 

2 rev.ind imperialismo

  • 2. • SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (2ª metade do XIX e início do XX): a) Novas fontes de energia: petróleo e eletricidade
  • 3. SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (2ª metade do XIX e início do XX): b) Novas tecnologias: motor de combustão interna (carro, navios e trens), dínamo (converte energia mecânica em elétrica), telégrafo (mensagem de longa distância por sinais elétricos) e telefone (o som é transformado em impulso elétrico, transmitido por cabos e depois reconvertido em som);
  • 4. Essa rua de Paris estava realmente vazia? Nesta época, para que a imagem fosse captada, o objeto fotografado deveria ficar parado por aproximadamente 13 minutos. Caso contrário, a imagem poderia sair borrada ou simplesmente não aparecer.
  • 5. SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (2ª metade do XIX e início do XX): c) Principal matéria prima: aço (ferro fundido com ar frio – maior resistência à deformação)
  • 6. • CAPITALISMO MONOPOLISTA a) o domínio da indústria pelas inversões bancárias (financiamento); b) a formação das grandes reservas de capitais; c) a distinção entre a propriedade particular dos dirigentes da empresa e o patrimônio da empresa; d) a responsabilidade econômica da organização. e) crise do capitalismo de superprodução e subconsumo. f) expansão Imperialista e surgimento das empresas gigantes.
  • 7. [EMPRESAS GIGANTES] TRUSTE: é quando as empresas do mesmo ramo se fundem para controlar o preço, a produção e o mercado, tendo o monopólio sobre a produção.
  • 8. [EMPRESAS GIGANTES] CARTEL: é quando empresas independentes fazem acordos com o objetivo de dividir o mercado e combater concorrentes. Uma das estratégias utilizadas é o preço combinado, mais ou menos semelhantes, para obrigarem os consumidores a pagarem o valor que elas querem.
  • 9. [EMPRESAS GIGANTES] HOLDING: é quando uma empresa controla uma série de outras empresas do mesmo ramo, ou de setores diferentes, com o objetivo de controlar o mercado.
  • 11. [EMPRESAS GIGANTES] SOCIEDADES ANÔNIMAS (S/A): Empresa constituída, por inúmeros proprietários, através da compra de ações. A direção das S/A é escolhida por uma minoria de acionistas que tem a maioria das ações com direito a voto.
  • 13. CONCEITO DE IMPERIALISMO O Imperialismo foi o processo de submissão das nações periféricas agroexportadoras e pouco industrializadas as nações centrais industrializadas através de diversas formas de domínio (econômico, político e cultural) após a Segunda Revolução Industrial. Obs: • Bloco Central: Países altamente industrializados, com tecnologia avançada e capitais excedentes. (Inglaterra, França, Bélgica e Holanda. Itália e Alemanha. Estados Unidos e Japão); • Bloco Periférico: Nações de economia tradicional, agrário- exportadoras, sem tecnologia ou capital excedente para investir. (Ex. Continente Africano, Ásia, Oceania, América Latina).
  • 15. OBJETIVOS DO IMPERIALISMO (A) Obter matéria prima barata para vencer a concorrência. (B) Escoar o excedente de produção para evitar uma crise econômica (encalhe de mercadoria) e manter o equilíbrio político e democrático (afastar revoltas sociais). (C) Exportar capital através de investimentos e empréstimos para multiplicar os lucros. (D) Explorar mão de obra dois países periféricos pagando baixos salários. (E) Minimizar as tensões sociais internas (migração da população europeia excedente para as colônias).
  • 16. Formas de domínio imperialista: a) administração direta (protetorado): quando um país imperialista controla o governo colonial, cabendo à população colonial os cargos subalternos, isto é, quando há a intervenção na administração local pela potência imperialista. b) administração indireta: quando a elite local (nativa) se aliava às potências imperialistas, isto é, a elite local controla o governo que é submetido a uma potência imperialista.
  • 17. Justificativa ideológicas do dominador Toda forma de poder é a acompanhada de um discurso para justificar “moralmente” a dominação. No caso da África e da Ásia as justificativas eram as seguintes: Ver vídeo: Darwinismo Social [BBC] (iniciar exibição:20min): http://youtu.be/wYQr5P46vek
  • 18. Justificativa ideológicas do dominador (A) Darwinismo social (evolucionismo): é a tentativa de se aplicar o darwinismo (teoria da evolução das espécies)nas sociedades humanas. Ele pregava a superioridade da raça branca sobre as outras. IMPORTANTE: Darwin era contra os maus tratos a outros seres humanos justificadas pela teoria evolucionista (como escravidão, por exemplo) .
  • 19. Justificativa ideológicas do dominador (B) Ação civilizatória: o colonialismo era uma benfeitoria a evolução civilizatória dos países periféricos tidos como “atrasados”.  “fardo” do homem branco (poema de Kipling)
  • 20. Justificativa ideológicas do dominador (D) Cristianização dos nativos: catequese da fé cristã (Colônias francesas e portuguesas: catolicismo. Colônias britânicas: protestantes, especialmente, batistas.) IMAGEM: Primeira Associação Cristã de Moços (ACM/ YMCA) na China, 1900. A instituição surgiu na Inglaterra em 1844 com o objetivo de incentivar a prática dos princípios cristãos, através de estudos bíblicos e orações. Atualmente a ACM adota uma abordagem multidisciplinar, visando o desenvolvimento espiritual, físico e intelectual .
  • 21. Conferência de Berlim O interesse das potências industrializadas pela África gerou rivalidades. Para evitar maiores conflitos, foi criada a CONFERÊNCIA DE BERLIM (Nov. 1884 – Fev.1885). OBJETIVOS: a) Regulamentar a ocupação do território africano (o território foi dividido entre: Grã-Bretanha*, França, Bélgica, Alemanha, Itália, Portugal e Espanha). b) Estabelecer regras para o comércio na bacia do Rio Congo.
  • 22. Justificativa ideológicas do dominador C)Teoria Populacional Malthusiana: A teoria diz que a população cresce mais que a produção de alimentos, e por isso justificaria a transferência de parte da população branca para as colônias para evitar uma crise.
  • 23. c) Aprovação da “política do interior”, ou seja, toda a nação estabelecida no litoral deveria expandir a sua fronteira em direção ao interior, o máximo possível. d) Extinguir a escravidão e levar a “civilização”* aos povos por meio da educação e da catequese. *Civilizar: estabelecer regras de conduta, hábitos, costumes e até controle dos corpos, de acordo com o padrão cultural europeu. Conferência de Berlim
  • 24. Resistência ao imperialismo na África (exemplos) a) Revolta Maji-Maji (1905-1907): o povo nativo de Maji-Maji (atual Tanzânia) organizaram um movimento contra a dominação alemã. O movimento foi duramente reprimido, mas o governo alemão foi obrigado a realizar reformas na estrutura colonial, abandonando, por exemplo, a cultura algodoeira. b) Rebelião Ashanti (1890-1900): os ingleses derrubaram os chefes Ashanti (Costa do Ouro, atual Gana) e exigiam que a nova liderança branca fosse tratada com a mesma legitimidade (rito do trono de ouro). A população se revoltou contra a dominação, mas foi brutalmente reprimidas em 1900.
  • 26. A COLONIZAÇÃO INGLESA O império Britânico era o maior império do século XIX. África: dominou o Canal de Suez (entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho), parte do vale do rio Nilo. •Modelo de colonização: “dividir para dominar”. Alianças com chefes tribais locais Incentivo ao conflito entre tribos rivais (colônias de enquadramento). A exploração comercial era realizada por empresas privadas com o apoio da coroa.
  • 27. A COLONIZAÇÃO INGLESA [GUERRA DOS BÔERES, África do Sul]: Os colonos conhecidos como Bôeres (colonizadores de origem holandesa– 1652) descobriram diamante e ouro na região (1867-1886). Os ingleses interessados nas riquezas da região travaram duas batalhas contra os colonizadores holandeses (Segunda Guerra dos Bôeres) e dominaram a região (1899-1902). Durante a guerra, foram criados centros de retenção e confinamento de presos militares e civis chamados campos de concentração. Lá a população era submetida a péssimas condições de vida e obrigados a trabalharem.
  • 28. A COLONIZAÇÃO INGLESA NA ÍNDIA Os ingleses dominaram a Índia (atuais: Índia, Paquistão, Sri Lanka, Bangladesh, Birmânia/Miannamar) entre meados do séc. XIX até 1947. Dominação direta: acordos entre a elite local indiana e a elite branca europeia. A Grã-Bretanha estimulou o estudo da elite indiana na metrópole, como forma de moldar seus hábitos de acordo com os valores ocidentais, gerando um preconceito da elite indiana contra restante da população. Vale lembrar que a discriminação social na Índia já era muito forte por conta do “sistema de castas”. OBS.: os BRÂMANES (sacerdotes e letrados) nasceram da cabeça de Brahma). os XÁTRIAS (guerreiros) nasceram dos braços de Brahma); os VAIXÁS (comerciantes) nasceram das pernas de Brahma) ; os SUDRAS (servos: camponeses, artesãos e operários) nasceram dos pés de Brahma. DALIT: poeira debaixo do pé de Brahma. Imagem: Jogadores de Cricket.
  • 29. A COLONIZAÇÃO INGLESA NA ÍNDIA Os ingleses impuseram um sistema de administração civil e jurídica, sistemas de pesos e medidas, uma moeda única (rúpia), o inglês como idioma oficial, separaram comunidades e mesclaram povos rivais. A Índia fornecia matéria prima (algodão, tintura, carvão) para a indústria inglesa e consumia produtos industrializados. Isso prejudicou a produção artesanal na Índia. Rei Jorge V e Rainha Maria em Deli, 1911.
  • 30. A COLONIZAÇÃO INGLESA NA ÍNDIA [Revolta dos Cipaios, 1857/59 - Índia]: os Cipaios era soldados indianos treinados nos moldes militares europeus. Eles realizaram um movimento nacionalista contra a dominação britânica e seu monopólio comercial (Cia. das Índias Orientais) que mantinham manufatura têxtil britânica com preços mais baratos.
  • 31. RESISTÊNCIA À COLONIZAÇÃO INGLESA NA CHINA [GUERRA DO ÓPIO – CHINA, 1830-1842/ 1856-1860]: Os ingleses mantinham com a China forte relações comerciais (seda, chá, etc). Porém, para aumentar os seus lucros, os ingleses passaram a estimular o consumo de ópio (droga fabricada a partir da semente de papoula). O governo chinês reagiu e destruiu o carregamento de ópio. Começa o conflito armado chamada Guerra do ópio. Os ingleses venceram o confronto e obrigaram o governo a assinar tratados (Tratado de Nanquim) que davam privilégios comerciais e políticos, além de exigirem o território de Hong Kong. IMAGEM: A xilogravura chinesa mostra um viciado em ópio vendendo a esposa para sustentar seu vício.
  • 32. RESISTÊNCIA À COLONIZAÇÃO INGLESA NA CHINA [GUERRA DOS BOXERS - CHINA, 1899-1900]: Os boxers eram camponeses miseráveis que fundaram um grupo secreto nacionalista (Sociedade dos Punhos Harmoniosos e Justiceiros) para enfrentar o imperialismo na China. Táticas usadas: sabotagem e cartazes xenofóbicos. Em junho de 1900, os Boxers dominaram as embaixadas ocidentais em Pequim. A imperatriz Cixi apoiou o movimento e declarou guerra aos colonizadores. No entanto, em 1901, Grã-Bretanha, Japão, Rússia, França, Alemanha e Estados Unidos uniram-se e derrotaram o movimento. IMAGEM: prisioneiros Boxers, 1901.
  • 33. A COLONIZAÇÃO PORTUGUESA - Após a independência do Brasil, Portugal concentrou seu interesse colonial na África para explorar produtos de gêneros tropicais. Portugal mantinha boas relações diplomáticas com a Inglaterra para ter apoio militar. As colônias portuguesas foram as últimas a se tornarem independentes. Modelo de colonização: fixação de colonos europeus nas colônias para dominar a população local (colônia de enraizamento)
  • 34. A COLONIZAÇÃO FRANCESA A França possuía o segundo maior império do mundo (África, Ásia e Oceania). Na Ásia, cultivavam arroz, chá, café, seringueira (látex/borracha) e carvão. -Modelo de colonização: assimilação cultural, ou seja, os nativos deveriam abandonar seus próprios hábitos e adotar a cultura francesa para que fossem considerados cidadãos franceses. Os franceses alimentavam rivalidades e elegiam colaboradores para dominar seus compatriotas em nome da França.
  • 35. ERA MEIJI (Governo Esclarecido) - JAPÃO -O Japão era uma economia fechada até meados do séc. XIX, quando os EUA pressionaram pela a abertura de seus portos. -A entrada de novas mercadorias gerou uma crise no sistema feudal (Xogum- líder político pertencente às grandes famílias proprietárias de terras). - Em 1868, o imperador Mitsuhito (Menji) sobe ao trono, acaba com o sistema de Xogunato e inicia uma série de reformas incentivando a industrialização, o intercâmbio educacional, a centralização política e a modernização das forças armadas.
  • 36. ERA MEIJI - JAPÃO - Surgem os ZAIBATSUS (grande grupo econômico com as atividades financeiras e industriais controlado por uma família poderosa aliada aos interesses do governo japonês. Ex.: Mitsubishi) - Entre o final do séc.XIX e o começo do XX, o Japão já disputava territórios e mercados na Ásia e obteve o domínio de Taiwan e da Manchúria. - O Japão foi uma grande potência imperialista até o fim da Segunda Guerra Mundial (1945)
  • 37. Consequências do imperialismo As elites locais colonizadas foram privilegiadas frente a população subjulgada. Empobrecimento da maior parte da população colonizada (fome, guerra civil, doenças, dependência econômica, segregação racial, “apartheid” na África do Sul, países subdesenvolvidos). Enriquecimento das potências imperialistas europeias, como Inglaterra e França. Eclosão da Primeira Guerra Mundial (1914-1918): disputas por colônias entre as grandes potências e principalmente, dos novos emergentes países, a Alemanha e Itália, tardiamente unificados.
  • 38. Referência: Documentário da BBC sobre Darwinismo Social: http://youtu.be/wYQr5P46vek