SlideShare uma empresa Scribd logo
IMPERIALISM
O
O IMPERIALISMO
O imperialismo ou
neocolonialismo do século XIX
se constituiu como
movimento de exploração
das nações industrializadas
europeias à exemplo da
Inglaterra, França, Alemanha,
Bélgica, etc, sobre Ásia e
África.
Acrescentando Estados
Unidos e Japão que
ascenderam industrialmente e
A Conferência de Berlim, proposta pelo Chanceler
alemão Otto von Bismarck (1815-1898), foi uma
reunião entre países para dividir o continente
africano.Estiveram presentes as nações imperialistas do
século XIX: Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha,
Dinamarca, Portugal, Espanha, França, Bélgica,
Holanda, Itália, Império Alemão, Suécia, Noruega,
Império Austro-Húngaro e Império Turco-
Otomano.
Observe que alguns países participantes não
possuíam colônias na África, como o império
Alemão, Império Turco-Otomano e Estados
Unidos. No entanto, cada um deles tinha interesse
em obter um pedaço do território africano ou
garantir tratados de comércio.
Conhecemos e falamos de impérios desde a
antiguidade, será no período em que o sistema
capitalista torna-se industrialmente mais
tecnológico, que notaremos a utilização de
artifícios mais agressivos na busca de mercados.
Essa busca passa a abranger boa parte do globo,
o qual, por sua vez, será manipulado por
empresas multinacionais e por grandes bancos.
Esta ação mais agressiva do capitalismo teve inicio
a partir da Segunda Revolução Industrial (1850-
1950). As As inovações tecnológicas, tal como
motores elétricos e à explosão, a siderurgia do
aço, os barcos movidos à hélice, os sistemas
ferroviários e rodoviários, o telégrafo, o telefone,
o automóvel, o avião, irão permitir um avanço das
forças imperialistas de um modo sem precedentes
na história.
Cabe aqui também citar uma distinção entre
Colonialismo e Imperialismo:
Colonialismo sugere controle político, abarcando
incorporação de território e perda da soberania
pela força militar.
Imperialismo se refere ao domínio que é exercido
tanto do ponto de vista formal quanto informal,
direta ou indiretamente, porém, com o mesmo
resultado, que é o controle político e econômico
da região.
Colonialismo europeu
do século XVI
Colonialismo europeu
do século XIX
Área principal de
Dominação
América África e Ásia
Fase do
Capitalismo
Capitalismo mercantilista
(comercial)
Capitalismo financeiro e
monopolista (industrial)
Patrocinadores
Lideranças
Burguesia comercial e Estados
Metropolitanos europeus
Portugal e Espanha
Burguesia financeiro-industrial
Europa em especial : França e
Inglaterra, América
(EUA) e Ásia (Japão)
Objetivos
econômicos
• Garantia de mercado consumidor
para a produção econômica
europeia.
• Garantia de fornecimento de
produtos coloniais, como
artigos tropicais e metais preciosos.
• Reserva de mercado para a
produção Industrial
• Garantia de fornecimento de
matérias-primas, como carvão,
ferro, petróleo e metais
preciosos.
• Controle dos mercados para a
exportação de capitais
excedentes.
Justificativa
ideológica
Expansão da fé cristã O homem branco tem a missão
civilizadora de espalhar o
progresso técnico-científico pelo
mundo
CAUSAS
1. Busca de matérias-primas, mão-
de-obra e de mercados
consumidores
2. Necessidade de expandir o
território para acomodar a
população excedente
3. Obtenção de locais para bases
militares.
4. Necessidade de obter recursos
JUSTIFICATIVAS
1 - Superioridade da
raça branca.
2 - Superioridade
tecnológica.
3 - Missão de espalhar
a verdadeira religião (o
Cristianismo).
4 - Darwinismo Social.
5. Missão Civilizadora:
Homem branco, europeu e norte-americano teriam
a missão de levar o progresso técnico-científico às
regiões “atrasadas” e sem condições de
progredirem sozinhas.
O darwinismo social é uma aplicação da teoria da
seleção natural para as questões sociais, políticas
e econômicas. Na sua forma mais simples, o
darwinismo social segue o pensamento de “os
fortes sobrevivem”.
6. Darwinismo Social
Colônias de:
1-Enquadramento (objetivo
mais comercial) EX: Gana,
Nigéria, Somália, Serra Leoa,
Tanzânia, Uganda, Quênia, etc.
2-Enraízamento (objetivo mais
migratório) Ex.: Argélia, Angola,
África do Sul, Austrália e Nova
Zelândia.
TIPOS DE DOMINAÇÃO
3- Protetorado: Território ou país que, no direito
internacional, possui certos atributos de Estado
independente, porém, sob outros aspectos, está
subordinado a uma potência que decide sua
política externa e tem a obrigação de o proteger.
Ex.: Marrocos (França), o Egito e a Índia
(Inglaterra).
4- Zonas de Influência: Eram as áreas de
dominação e exploração das potências europeias.
No século XIX, as zonas de influência imperialista
europeia eram principalmente a África e a Ásia.
Ex.: China, Pérsia e Império Otamano
REAÇÕES
1. Guerra dos Cipaios (1857 – 1859)
O alistamento reunia membros de várias castas e
causando choques na sociedade Hindu, além
disto os Cipaios estavam insatisfeitos com as
péssimas condições de trabalho e a baixa
remuneração.
Por fim, vale ressaltar o grande estopim, que foi
a utilização de gordura animal de vaca e porco
para impermeabilizar as munições dos fuzis
utilizadas pelos soldados indianos
As Guerras do Ópio surgiram das tentativas da
China de sufocar o comércio de ópio. As barreiras
estavam em comerciantes estrangeiros,
principalmente os ingleses, que exportavam o
ópio de maneira ilegal para a China.
2. Guerras do Ópio
Consequências :
Na primeira Guerra do Ópio (1839-1842) a
China é obrigada assinar o Tratado de
Nanquim, o primeiro dos chamados “Tratados
Desiguais”, abrindo cinco portos ao comércio
Britânico e entregando a ilha de Hong Kong.
A China ,também foi derrotada no segundo
conflito (1856-1860) assinando o Tratado de
Pequim determinando : abertura de onze portos
chineses para o comércio internacional , Liberdade
para os estrangeiros de viajar e fazer comércio na
China e Garantia de liberdade religiosa aos
cristãos em território chinês;
3. Revolta dos Taipings (1851-1864)
Foi um dos conflitos mais sangrentos da história,
um confronto entre as forças da China imperial e
um grupo místico .O Grupo pregava uma
sociedade ideal.
A escravidão, a tortura policial, os casamentos
arranjados, o concubinato, o consumo de ópio, a
idolatria e outros tradições, como o cruel hábito de
enfaixar e comprimir os pés das mulheres, seriam
abolidos.
4. Guerra dos Boxers (1900)
A Guerra dos Boxers foi um conflito ocorrido na
China entre os anos de 1899 e 1900, onde um
violento grupo nacionalista lutava contra a
presença dos estrangeiros em seu território.
Consequências
1 - Derrota e política de “Portas Abertas”
2 - Break-up da China(Indochina,Manchúria e
Coréia)
5. Guerra dos Bôeres
A Guerra dos Bôeres na África do Sul, entre os
anos de 1899 e 1902. Esta guerra ocorreu entre o
Império Britânico e os colonos holandeses
(chamados de boeres).
CONSEQUÊNCIAS DO
IMPERIALISMO1. Desestruturação de sistemas produtivos
locais.
2. Fome oculta ou endêmica e fome e aberta e
epidêmica.
3. Submissão econômica das regiões dominadas.
4. Agravamento de conflitos regionais.
5. Desenvolvimento de nações industrializadas.
6. Disputas imperialistas.
QUESTÕES
1) (Puc-Rio) Assinale a alternativa correta a
respeito da expansão imperialista na Ásia e na
África, na segunda metade do século XIX.
a) Ela derivou da necessidade de substituir os
mercados dos novos países americanos, uma vez
que a constituição de Estados nacionais foi
acompanhada de políticas protecionistas.
b) Ela foi motivada pela busca de novas fontes de
matérias-primas e de novos mercados
consumidores, fundamentais para a expansão
c) Ela foi consequência direta da formação do
Segundo Império alemão e da ampliação de suas
rivalidades em relação ao governo da França.
d) Ela atendeu, primordialmente, às necessidades
da expansão demográfica em diversos países
europeus, decorrente de políticas médicas
preventivas e programas de saneamento básico.
e) Ela viabilizou a integração econômica mundial,
favorecendo a circulação de riquezas, tecnologia e
conhecimentos entre povos e regiões envolvidos.
Resposta B - Um dos principais objetivos dos
países europeus com a expansão de seus
domínios por outros continentes era encontrar
matérias-primas para serem usadas em sua
própria produção industrial. A essa busca também
estava associada a procura por mercado
consumidor que fosse receptível ao consumo dos
produtos industriais.
2) (Mackenzie) Uma das alternativas a seguir
NÃO corresponde às diferenças entre o
colonialismo do século XVI e o
Neocolonialismo do século XIX.
a) A principal área de dominação do
Colonialismo europeu foi a América e o
Neocolonialismo voltava-se para a África e a
Ásia.
b) O Colonialismo teve como justificativa
ideológica a expansão da fé cristã, enquanto
que no Neocolonialismo, a missão civilizadora
do homem branco foi espalhar o progresso.
c) Os patrocinadores do Colonialismo foram a
burguesia financeiro/industrial e os Estados da
Europa, América e Ásia, enquanto que os do
Neocolonialismo, o Estado metropolitano europeu
e sua burguesia comercial.
d) O Colonialismo buscava garantir o
fornecimento de produtos tropicais e metais
preciosos, enquanto que o Neocolonialismo, a
reserva de mercados e o fornecimento de
matérias-primas.
e) A fase do capitalismo em que o Colonialismo se
desenvolveu denominou-se Capitalismo Comercial
e a do Neocolonialismo, Capitalismo Industrial e
Resposta C - Estaria certa se apresentasse
exatamente o inverso do que propõe: foi o
Colonialismo que foi patrocinado pelo Estado
metropolitano europeu e sua burguesia
comercial. O Neocolonialismo, por sua vez, foi
patrocinado pela burguesia financeiro/industrial
e pelos Estados Nacionalistas da Europa
(excetuando os da África e da Ásia).
3) (Uemg - adaptada) O mapa a seguir representa
a África em 1914:
No final do século XIX, na Conferência de Berlim,
os europeus definiram a partilha da África entre
as potências europeias, conforme mostra o
mapa. De acordo com esse mapa e sua relação
com a história do continente africano nos
séculos XX/XXI, é CORRETO afirmar:
a)A divisão política imposta à África pelos países
europeus no período do imperialismo foi
completamente desfeita pelos movimentos de
independência e pelas consequentes guerras civis
que tomaram o continente no século XX.
b) As constantes guerras civis e os conflitos por
fronteiras na África contemporânea são
consequência da manutenção de descendentes
c) As fronteiras políticas impostas pela dominação
europeia consideraram a divisão étnica da África, o
que levou, no período pós-independência, ao
acirramento dos ânimos e, em últimas
consequências, a conflitos de diversas ordens.
d) A organizada colonização inglesa e holandesa
possibilitou que a África do Sul se desenvolvesse;
como resultado dessa colonização, hoje o país tem
baixíssimos índices de violência e de pobreza.
e) As fronteiras políticas impostas pela dominação
europeia desconsideraram a divisão étnica da
África, o que levou, no período pós-
independência, ao acirramento dos ânimos e, em
Resposta – d - As fronteiras políticas impostas
pela dominação europeia desconsideraram a
divisão étnica da África, o que levou, no
período pós-independência, ao acirramento
dos ânimos e, em últimas consequências, a
conflitos de diversas ordens.
4) (Pucrj ) Ao longo do século XIX, diversos países
praticaram uma política de expansionismo
imperialista que interferiu na trajetória histórica
de sociedades em todos os continentes. Sobre
esse processo, assinale a única alternativa correta.
a) O expansionismo, nesse momento, estava
associado ao desenvolvimento da
industrialização e à expansão do capital
financeiro, o que significava ampliar o mercado
consumidor, garantir o controle sobre áreas
fornecedoras de matérias-primas estratégicas
e encontrar novas áreas de investimento.
b) A principal justificativa desse expansionismo
foi a ideia de civilização, tendo os povos
c) A relação econômica entre a metrópole e a
colônia estava baseada na pratica do monopólio
comercial que os primeiros exerciam sobre os
segundos.
d) O controle das áreas coloniais nesse momento
obedecia a uma lógica econômica e, por isso,
não houve significativos deslocamentos de
população entre as regiões metropolitanas e
coloniais.
e) A resistência ao colonialismo no século XIX foi
vitoriosa, pois as populações locais conseguiram
articular alianças políticas e militares que
Resposta A - O expansionismo, nesse
momento, estava associado ao
desenvolvimento da industrialização e à
expansão do capital financeiro, o que
significava ampliar o mercado consumidor,
garantir o controle sobre áreas fornecedoras
de matérias-primas estratégicas e encontrar
novas áreas de investimento.
5) (UERJ adaptada) A política imperialista consistia
na busca, principalmente, de novos mercados
consumidores para os países industrializados e
foi assim que vários países da África e da Ásia
sofreram com a prática da neocolonização nos
séculos XIX e XX. Portanto, sobre a justificativa
construída pelas potências europeias para invadir
as nações do continente africano e asiático é
correto dizer que:
a)As potências europeias justificavam a invasão nos
países periféricos afirmando que essa ação
contribuiria para o desenvolvimento industrial e
que incentivaria a adoção de um regime socialista
nos países asiáticos.
b) As principais alegações utilizadas na prática do
Imperialismo foram as teorias darwinistas que
defendiam a superioridade cultural dos países
europeus, sendo eles os países que levariam o
progresso e o desenvolvimento social para os
países da África e da Ásia através da missão
civilizadora.
c) Uma das justificativas era que os europeus
aprenderiam técnicas industriais com os
africanos e asiáticos, o que acarretaria no
desenvolvimento econômico e científico dos
países desenvolvidos.
d) O fardo do homem branco era uma das
legitimações europeias durante a política
imperialista. Esse fardo consistia numa missão
que contribuiria para o desenvolvimento
industrial dos países africanos e asiáticos,
gerando assim o crescimento da burguesia local.e) As potências europeias justificavam a invasão
nos países periféricos afirmando que essa ação
contribuiria para o desenvolvimento comercial e
que incentivaria a adoção de um regime
parlamentar nos países asiáticos.
Resposta B
Comentário: Na alternativa de letra B,
podemos observar uma das principais
alegações para invasão dos territórios
Asiáticos e Africanos no contexto de revolução
industrial e imperialismo, que seria o
“Darwinismo Social”. Mesmo Darwin não tendo
aplicado suas teorias diretamente a questão
cultural, seus conceitos de evolução e
superioridade foram absorvidos e difundidos
em vários âmbitos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Independencia Afroasiática
Independencia AfroasiáticaIndependencia Afroasiática
Independencia Afroasiática
eiprofessor
 
Exercícios sobre o Apartheid
Exercícios sobre o ApartheidExercícios sobre o Apartheid
Exercícios sobre o Apartheid
Rodrigo Baglini
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Aulas de História
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Anderson Torres
 
Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Janaína Tavares
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Elaine Bogo Pavani
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
Edenilson Morais
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil Período Joanino
Brasil Período JoaninoBrasil Período Joanino
Brasil Período Joanino
dmflores21
 
Nazismo Fascismo
Nazismo Fascismo Nazismo Fascismo
Nazismo Fascismo
Adail Silva
 
Ascensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismoAscensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismo
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
cattonia
 
Aula sobre Socialismo
Aula sobre SocialismoAula sobre Socialismo
Aula sobre Socialismo
clauverlevy
 
Fascismo e nazismo
Fascismo e nazismoFascismo e nazismo
Fascismo e nazismo
Fabiana Tonsis
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
Portal do Vestibulando
 
O QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIAO QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIA
Nila Michele Bastos Santos
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

Independencia Afroasiática
Independencia AfroasiáticaIndependencia Afroasiática
Independencia Afroasiática
 
Exercícios sobre o Apartheid
Exercícios sobre o ApartheidExercícios sobre o Apartheid
Exercícios sobre o Apartheid
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
 
Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
O império napoleônico
O império napoleônicoO império napoleônico
O império napoleônico
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Brasil Período Joanino
Brasil Período JoaninoBrasil Período Joanino
Brasil Período Joanino
 
Nazismo Fascismo
Nazismo Fascismo Nazismo Fascismo
Nazismo Fascismo
 
Ascensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismoAscensão do fascismo e nazismo
Ascensão do fascismo e nazismo
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Guerra civil espanhola
Guerra civil espanholaGuerra civil espanhola
Guerra civil espanhola
 
Aula sobre Socialismo
Aula sobre SocialismoAula sobre Socialismo
Aula sobre Socialismo
 
Fascismo e nazismo
Fascismo e nazismoFascismo e nazismo
Fascismo e nazismo
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
 
O QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIAO QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIA
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 

Semelhante a Aula sobre imperialismo

Aula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo defAula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo def
CarlosNazar1
 
Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo
CarlosNazar1
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
José Gomes
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
isameucci
 
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
isameucci
 
3ª série–e
3ª série–e3ª série–e
3ª série–e
joadmo
 
Slides conferencia de berlim 1
Slides   conferencia de berlim 1Slides   conferencia de berlim 1
Slides conferencia de berlim 1
Chagna
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Italo Colares
 
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
Daniel Alves Bronstrup
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Andre Lucas
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
Bruce Portes
 
Imperialismo aulas 31 e 32
Imperialismo   aulas 31 e 32Imperialismo   aulas 31 e 32
Imperialismo aulas 31 e 32
secretaria estadual de educação
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Josué Ramos
 
Imperialismo 2023.pptx
Imperialismo 2023.pptxImperialismo 2023.pptx
Imperialismo 2023.pptx
DomingasMariaRomao
 
Imperialismo
Imperialismo Imperialismo
Imperialismo
Paulo Muniz
 
Imperialismo Aulas 31 E 32
Imperialismo   Aulas 31 E 32Imperialismo   Aulas 31 E 32
Imperialismo Aulas 31 E 32
secretaria estadual de educação
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
Marcos Mamute
 
Aula de acacia e hellen imperialismo
Aula de acacia e hellen   imperialismoAula de acacia e hellen   imperialismo
Aula de acacia e hellen imperialismo
Zeze Silva
 
Imperialismo e Colonialismo
Imperialismo e ColonialismoImperialismo e Colonialismo
Imperialismo e Colonialismo
ricardup
 

Semelhante a Aula sobre imperialismo (20)

Aula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo defAula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo def
 
Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
 
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
 
3ª série–e
3ª série–e3ª série–e
3ª série–e
 
Slides conferencia de berlim 1
Slides   conferencia de berlim 1Slides   conferencia de berlim 1
Slides conferencia de berlim 1
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
 
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo2º ano - neocolonialismo e imperialismo
2º ano - neocolonialismo e imperialismo
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
 
Neocolonialismo
NeocolonialismoNeocolonialismo
Neocolonialismo
 
Imperialismo aulas 31 e 32
Imperialismo   aulas 31 e 32Imperialismo   aulas 31 e 32
Imperialismo aulas 31 e 32
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo 2023.pptx
Imperialismo 2023.pptxImperialismo 2023.pptx
Imperialismo 2023.pptx
 
Imperialismo
Imperialismo Imperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo Aulas 31 E 32
Imperialismo   Aulas 31 E 32Imperialismo   Aulas 31 E 32
Imperialismo Aulas 31 E 32
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Aula de acacia e hellen imperialismo
Aula de acacia e hellen   imperialismoAula de acacia e hellen   imperialismo
Aula de acacia e hellen imperialismo
 
Imperialismo e Colonialismo
Imperialismo e ColonialismoImperialismo e Colonialismo
Imperialismo e Colonialismo
 

Mais de CarlosNazar1

Live int 07mai
Live int 07maiLive int 07mai
Live int 07mai
CarlosNazar1
 
Aula de reforma
Aula de reforma Aula de reforma
Aula de reforma
CarlosNazar1
 
Live i guerra
Live i guerraLive i guerra
Live i guerra
CarlosNazar1
 
Live do 2 ano republica oligarquica
Live do 2 ano republica oligarquicaLive do 2 ano republica oligarquica
Live do 2 ano republica oligarquica
CarlosNazar1
 
Aula de Reforma
Aula de  Reforma Aula de  Reforma
Aula de Reforma
CarlosNazar1
 
Aula Reforma Modulo
Aula Reforma Modulo Aula Reforma Modulo
Aula Reforma Modulo
CarlosNazar1
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
CarlosNazar1
 
Aula Reforma Religiosa Módulo
Aula Reforma Religiosa Módulo Aula Reforma Religiosa Módulo
Aula Reforma Religiosa Módulo
CarlosNazar1
 
Aula Mercantilismo e Renascimento
Aula Mercantilismo e Renascimento Aula Mercantilismo e Renascimento
Aula Mercantilismo e Renascimento
CarlosNazar1
 
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
CarlosNazar1
 
Live Intensivo SSA 17/04
Live  Intensivo SSA 17/04Live  Intensivo SSA 17/04
Live Intensivo SSA 17/04
CarlosNazar1
 
Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo
CarlosNazar1
 
Live Bernoulli Absolutismo
Live  Bernoulli Absolutismo Live  Bernoulli Absolutismo
Live Bernoulli Absolutismo
CarlosNazar1
 
Absolutismo Bernoulli Live
Absolutismo Bernoulli Live Absolutismo Bernoulli Live
Absolutismo Bernoulli Live
CarlosNazar1
 
Renascimento Cultural Módulo
Renascimento Cultural Módulo Renascimento Cultural Módulo
Renascimento Cultural Módulo
CarlosNazar1
 
Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1
CarlosNazar1
 

Mais de CarlosNazar1 (16)

Live int 07mai
Live int 07maiLive int 07mai
Live int 07mai
 
Aula de reforma
Aula de reforma Aula de reforma
Aula de reforma
 
Live i guerra
Live i guerraLive i guerra
Live i guerra
 
Live do 2 ano republica oligarquica
Live do 2 ano republica oligarquicaLive do 2 ano republica oligarquica
Live do 2 ano republica oligarquica
 
Aula de Reforma
Aula de  Reforma Aula de  Reforma
Aula de Reforma
 
Aula Reforma Modulo
Aula Reforma Modulo Aula Reforma Modulo
Aula Reforma Modulo
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
 
Aula Reforma Religiosa Módulo
Aula Reforma Religiosa Módulo Aula Reforma Religiosa Módulo
Aula Reforma Religiosa Módulo
 
Aula Mercantilismo e Renascimento
Aula Mercantilismo e Renascimento Aula Mercantilismo e Renascimento
Aula Mercantilismo e Renascimento
 
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
Aula Consolidação da Ordem Liberal Intensivo
 
Live Intensivo SSA 17/04
Live  Intensivo SSA 17/04Live  Intensivo SSA 17/04
Live Intensivo SSA 17/04
 
Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo
 
Live Bernoulli Absolutismo
Live  Bernoulli Absolutismo Live  Bernoulli Absolutismo
Live Bernoulli Absolutismo
 
Absolutismo Bernoulli Live
Absolutismo Bernoulli Live Absolutismo Bernoulli Live
Absolutismo Bernoulli Live
 
Renascimento Cultural Módulo
Renascimento Cultural Módulo Renascimento Cultural Módulo
Renascimento Cultural Módulo
 
Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

Aula sobre imperialismo

  • 2. O IMPERIALISMO O imperialismo ou neocolonialismo do século XIX se constituiu como movimento de exploração das nações industrializadas europeias à exemplo da Inglaterra, França, Alemanha, Bélgica, etc, sobre Ásia e África. Acrescentando Estados Unidos e Japão que ascenderam industrialmente e
  • 3. A Conferência de Berlim, proposta pelo Chanceler alemão Otto von Bismarck (1815-1898), foi uma reunião entre países para dividir o continente africano.Estiveram presentes as nações imperialistas do século XIX: Estados Unidos, Rússia, Grã-Bretanha, Dinamarca, Portugal, Espanha, França, Bélgica, Holanda, Itália, Império Alemão, Suécia, Noruega, Império Austro-Húngaro e Império Turco- Otomano.
  • 4. Observe que alguns países participantes não possuíam colônias na África, como o império Alemão, Império Turco-Otomano e Estados Unidos. No entanto, cada um deles tinha interesse em obter um pedaço do território africano ou garantir tratados de comércio.
  • 5. Conhecemos e falamos de impérios desde a antiguidade, será no período em que o sistema capitalista torna-se industrialmente mais tecnológico, que notaremos a utilização de artifícios mais agressivos na busca de mercados. Essa busca passa a abranger boa parte do globo, o qual, por sua vez, será manipulado por empresas multinacionais e por grandes bancos.
  • 6. Esta ação mais agressiva do capitalismo teve inicio a partir da Segunda Revolução Industrial (1850- 1950). As As inovações tecnológicas, tal como motores elétricos e à explosão, a siderurgia do aço, os barcos movidos à hélice, os sistemas ferroviários e rodoviários, o telégrafo, o telefone, o automóvel, o avião, irão permitir um avanço das forças imperialistas de um modo sem precedentes na história.
  • 7. Cabe aqui também citar uma distinção entre Colonialismo e Imperialismo: Colonialismo sugere controle político, abarcando incorporação de território e perda da soberania pela força militar. Imperialismo se refere ao domínio que é exercido tanto do ponto de vista formal quanto informal, direta ou indiretamente, porém, com o mesmo resultado, que é o controle político e econômico da região.
  • 8. Colonialismo europeu do século XVI Colonialismo europeu do século XIX Área principal de Dominação América África e Ásia Fase do Capitalismo Capitalismo mercantilista (comercial) Capitalismo financeiro e monopolista (industrial) Patrocinadores Lideranças Burguesia comercial e Estados Metropolitanos europeus Portugal e Espanha Burguesia financeiro-industrial Europa em especial : França e Inglaterra, América (EUA) e Ásia (Japão) Objetivos econômicos • Garantia de mercado consumidor para a produção econômica europeia. • Garantia de fornecimento de produtos coloniais, como artigos tropicais e metais preciosos. • Reserva de mercado para a produção Industrial • Garantia de fornecimento de matérias-primas, como carvão, ferro, petróleo e metais preciosos. • Controle dos mercados para a exportação de capitais excedentes. Justificativa ideológica Expansão da fé cristã O homem branco tem a missão civilizadora de espalhar o progresso técnico-científico pelo mundo
  • 9. CAUSAS 1. Busca de matérias-primas, mão- de-obra e de mercados consumidores 2. Necessidade de expandir o território para acomodar a população excedente 3. Obtenção de locais para bases militares. 4. Necessidade de obter recursos
  • 10. JUSTIFICATIVAS 1 - Superioridade da raça branca. 2 - Superioridade tecnológica. 3 - Missão de espalhar a verdadeira religião (o Cristianismo). 4 - Darwinismo Social.
  • 11. 5. Missão Civilizadora: Homem branco, europeu e norte-americano teriam a missão de levar o progresso técnico-científico às regiões “atrasadas” e sem condições de progredirem sozinhas.
  • 12. O darwinismo social é uma aplicação da teoria da seleção natural para as questões sociais, políticas e econômicas. Na sua forma mais simples, o darwinismo social segue o pensamento de “os fortes sobrevivem”. 6. Darwinismo Social
  • 13. Colônias de: 1-Enquadramento (objetivo mais comercial) EX: Gana, Nigéria, Somália, Serra Leoa, Tanzânia, Uganda, Quênia, etc. 2-Enraízamento (objetivo mais migratório) Ex.: Argélia, Angola, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia. TIPOS DE DOMINAÇÃO
  • 14. 3- Protetorado: Território ou país que, no direito internacional, possui certos atributos de Estado independente, porém, sob outros aspectos, está subordinado a uma potência que decide sua política externa e tem a obrigação de o proteger. Ex.: Marrocos (França), o Egito e a Índia (Inglaterra).
  • 15. 4- Zonas de Influência: Eram as áreas de dominação e exploração das potências europeias. No século XIX, as zonas de influência imperialista europeia eram principalmente a África e a Ásia. Ex.: China, Pérsia e Império Otamano
  • 16. REAÇÕES 1. Guerra dos Cipaios (1857 – 1859) O alistamento reunia membros de várias castas e causando choques na sociedade Hindu, além disto os Cipaios estavam insatisfeitos com as péssimas condições de trabalho e a baixa remuneração.
  • 17. Por fim, vale ressaltar o grande estopim, que foi a utilização de gordura animal de vaca e porco para impermeabilizar as munições dos fuzis utilizadas pelos soldados indianos
  • 18. As Guerras do Ópio surgiram das tentativas da China de sufocar o comércio de ópio. As barreiras estavam em comerciantes estrangeiros, principalmente os ingleses, que exportavam o ópio de maneira ilegal para a China. 2. Guerras do Ópio
  • 19. Consequências : Na primeira Guerra do Ópio (1839-1842) a China é obrigada assinar o Tratado de Nanquim, o primeiro dos chamados “Tratados Desiguais”, abrindo cinco portos ao comércio Britânico e entregando a ilha de Hong Kong.
  • 20. A China ,também foi derrotada no segundo conflito (1856-1860) assinando o Tratado de Pequim determinando : abertura de onze portos chineses para o comércio internacional , Liberdade para os estrangeiros de viajar e fazer comércio na China e Garantia de liberdade religiosa aos cristãos em território chinês;
  • 21. 3. Revolta dos Taipings (1851-1864) Foi um dos conflitos mais sangrentos da história, um confronto entre as forças da China imperial e um grupo místico .O Grupo pregava uma sociedade ideal. A escravidão, a tortura policial, os casamentos arranjados, o concubinato, o consumo de ópio, a idolatria e outros tradições, como o cruel hábito de enfaixar e comprimir os pés das mulheres, seriam abolidos.
  • 22. 4. Guerra dos Boxers (1900) A Guerra dos Boxers foi um conflito ocorrido na China entre os anos de 1899 e 1900, onde um violento grupo nacionalista lutava contra a presença dos estrangeiros em seu território.
  • 23. Consequências 1 - Derrota e política de “Portas Abertas” 2 - Break-up da China(Indochina,Manchúria e Coréia)
  • 24. 5. Guerra dos Bôeres A Guerra dos Bôeres na África do Sul, entre os anos de 1899 e 1902. Esta guerra ocorreu entre o Império Britânico e os colonos holandeses (chamados de boeres).
  • 25. CONSEQUÊNCIAS DO IMPERIALISMO1. Desestruturação de sistemas produtivos locais. 2. Fome oculta ou endêmica e fome e aberta e epidêmica. 3. Submissão econômica das regiões dominadas. 4. Agravamento de conflitos regionais. 5. Desenvolvimento de nações industrializadas. 6. Disputas imperialistas.
  • 26. QUESTÕES 1) (Puc-Rio) Assinale a alternativa correta a respeito da expansão imperialista na Ásia e na África, na segunda metade do século XIX. a) Ela derivou da necessidade de substituir os mercados dos novos países americanos, uma vez que a constituição de Estados nacionais foi acompanhada de políticas protecionistas. b) Ela foi motivada pela busca de novas fontes de matérias-primas e de novos mercados consumidores, fundamentais para a expansão
  • 27. c) Ela foi consequência direta da formação do Segundo Império alemão e da ampliação de suas rivalidades em relação ao governo da França. d) Ela atendeu, primordialmente, às necessidades da expansão demográfica em diversos países europeus, decorrente de políticas médicas preventivas e programas de saneamento básico. e) Ela viabilizou a integração econômica mundial, favorecendo a circulação de riquezas, tecnologia e conhecimentos entre povos e regiões envolvidos.
  • 28. Resposta B - Um dos principais objetivos dos países europeus com a expansão de seus domínios por outros continentes era encontrar matérias-primas para serem usadas em sua própria produção industrial. A essa busca também estava associada a procura por mercado consumidor que fosse receptível ao consumo dos produtos industriais.
  • 29. 2) (Mackenzie) Uma das alternativas a seguir NÃO corresponde às diferenças entre o colonialismo do século XVI e o Neocolonialismo do século XIX. a) A principal área de dominação do Colonialismo europeu foi a América e o Neocolonialismo voltava-se para a África e a Ásia. b) O Colonialismo teve como justificativa ideológica a expansão da fé cristã, enquanto que no Neocolonialismo, a missão civilizadora do homem branco foi espalhar o progresso.
  • 30. c) Os patrocinadores do Colonialismo foram a burguesia financeiro/industrial e os Estados da Europa, América e Ásia, enquanto que os do Neocolonialismo, o Estado metropolitano europeu e sua burguesia comercial. d) O Colonialismo buscava garantir o fornecimento de produtos tropicais e metais preciosos, enquanto que o Neocolonialismo, a reserva de mercados e o fornecimento de matérias-primas. e) A fase do capitalismo em que o Colonialismo se desenvolveu denominou-se Capitalismo Comercial e a do Neocolonialismo, Capitalismo Industrial e
  • 31. Resposta C - Estaria certa se apresentasse exatamente o inverso do que propõe: foi o Colonialismo que foi patrocinado pelo Estado metropolitano europeu e sua burguesia comercial. O Neocolonialismo, por sua vez, foi patrocinado pela burguesia financeiro/industrial e pelos Estados Nacionalistas da Europa (excetuando os da África e da Ásia).
  • 32. 3) (Uemg - adaptada) O mapa a seguir representa a África em 1914:
  • 33. No final do século XIX, na Conferência de Berlim, os europeus definiram a partilha da África entre as potências europeias, conforme mostra o mapa. De acordo com esse mapa e sua relação com a história do continente africano nos séculos XX/XXI, é CORRETO afirmar: a)A divisão política imposta à África pelos países europeus no período do imperialismo foi completamente desfeita pelos movimentos de independência e pelas consequentes guerras civis que tomaram o continente no século XX. b) As constantes guerras civis e os conflitos por fronteiras na África contemporânea são consequência da manutenção de descendentes
  • 34. c) As fronteiras políticas impostas pela dominação europeia consideraram a divisão étnica da África, o que levou, no período pós-independência, ao acirramento dos ânimos e, em últimas consequências, a conflitos de diversas ordens. d) A organizada colonização inglesa e holandesa possibilitou que a África do Sul se desenvolvesse; como resultado dessa colonização, hoje o país tem baixíssimos índices de violência e de pobreza. e) As fronteiras políticas impostas pela dominação europeia desconsideraram a divisão étnica da África, o que levou, no período pós- independência, ao acirramento dos ânimos e, em
  • 35. Resposta – d - As fronteiras políticas impostas pela dominação europeia desconsideraram a divisão étnica da África, o que levou, no período pós-independência, ao acirramento dos ânimos e, em últimas consequências, a conflitos de diversas ordens.
  • 36. 4) (Pucrj ) Ao longo do século XIX, diversos países praticaram uma política de expansionismo imperialista que interferiu na trajetória histórica de sociedades em todos os continentes. Sobre esse processo, assinale a única alternativa correta. a) O expansionismo, nesse momento, estava associado ao desenvolvimento da industrialização e à expansão do capital financeiro, o que significava ampliar o mercado consumidor, garantir o controle sobre áreas fornecedoras de matérias-primas estratégicas e encontrar novas áreas de investimento. b) A principal justificativa desse expansionismo foi a ideia de civilização, tendo os povos
  • 37. c) A relação econômica entre a metrópole e a colônia estava baseada na pratica do monopólio comercial que os primeiros exerciam sobre os segundos. d) O controle das áreas coloniais nesse momento obedecia a uma lógica econômica e, por isso, não houve significativos deslocamentos de população entre as regiões metropolitanas e coloniais. e) A resistência ao colonialismo no século XIX foi vitoriosa, pois as populações locais conseguiram articular alianças políticas e militares que
  • 38. Resposta A - O expansionismo, nesse momento, estava associado ao desenvolvimento da industrialização e à expansão do capital financeiro, o que significava ampliar o mercado consumidor, garantir o controle sobre áreas fornecedoras de matérias-primas estratégicas e encontrar novas áreas de investimento.
  • 39. 5) (UERJ adaptada) A política imperialista consistia na busca, principalmente, de novos mercados consumidores para os países industrializados e foi assim que vários países da África e da Ásia sofreram com a prática da neocolonização nos séculos XIX e XX. Portanto, sobre a justificativa construída pelas potências europeias para invadir as nações do continente africano e asiático é correto dizer que:
  • 40. a)As potências europeias justificavam a invasão nos países periféricos afirmando que essa ação contribuiria para o desenvolvimento industrial e que incentivaria a adoção de um regime socialista nos países asiáticos. b) As principais alegações utilizadas na prática do Imperialismo foram as teorias darwinistas que defendiam a superioridade cultural dos países europeus, sendo eles os países que levariam o progresso e o desenvolvimento social para os países da África e da Ásia através da missão civilizadora.
  • 41. c) Uma das justificativas era que os europeus aprenderiam técnicas industriais com os africanos e asiáticos, o que acarretaria no desenvolvimento econômico e científico dos países desenvolvidos. d) O fardo do homem branco era uma das legitimações europeias durante a política imperialista. Esse fardo consistia numa missão que contribuiria para o desenvolvimento industrial dos países africanos e asiáticos, gerando assim o crescimento da burguesia local.e) As potências europeias justificavam a invasão nos países periféricos afirmando que essa ação contribuiria para o desenvolvimento comercial e que incentivaria a adoção de um regime parlamentar nos países asiáticos.
  • 42. Resposta B Comentário: Na alternativa de letra B, podemos observar uma das principais alegações para invasão dos territórios Asiáticos e Africanos no contexto de revolução industrial e imperialismo, que seria o “Darwinismo Social”. Mesmo Darwin não tendo aplicado suas teorias diretamente a questão cultural, seus conceitos de evolução e superioridade foram absorvidos e difundidos em vários âmbitos.