SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Castro AlvesCastro Alves

Isabella Ruas
Caroline Reis
Daniely Assis
Integrantes

Um pouco do poema
“[...]Era um sonho dantesco... o tombadilho  
Que das luzernas avermelha o brilho.
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar de açoite...  
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...  
Negras mulheres, suspendendo às tetas  
Magras crianças, cujas bocas pretas  
Rega o sangue das mães:  
Outras moças, mas nuas e espantadas,  
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs!  
E ri-se a orquestra irônica, estridente...
E da ronda fantástica a serpente  
Faz doudas espirais ...
Se o velho arqueja, se no chão resvala,  
Ouvem-se gritos... o chicote estala.
E voam mais e mais...  
A multidão faminta cambaleia,
E chora e dança ali!
Um de raiva delira, outro enlouquece,  
Outro, que martírios embrutece,
Cantando, geme e ri!  
No entanto o capitão manda a manobra,
E após fitando o céu que se desdobra,
Tão puro sobre o mar,
Diz do fumo entre os densos nevoeiros:
"Vibrai rijo o chicote, marinheiros!
Fazei-os mais dançar!..."  
E ri-se a orquestra irônica, estridente. . .
E da ronda fantástica a serpente
Faz doudas espirais...
Qual um sonho dantesco as sombras voam!...
Gritos, ais, maldições, preces ressoam!
E ri-se Satanás!...  [...]”

Navios Negreiros
 Autor : Castro Alves
 Editora : Comboio de
corda
 Edição : Abril de 2009
 Edição original : 18 de
abril de 1868
 O livro é um poema
que fala sobre tráfico
de escravos.
 O autor inicia a história exaltando a natureza e o mar ( 84
primeiros versos ) onde existem grandes navios de espanhóis,
italianos , franceses e ingleses cada qual cantando uma musica
alegre. Quando ele está num ponto muito alto no mar, ouve uma
triste música e vê negros dançando sob tortura no porão de um
navio por divertimento dos traficantes. Como uma ave ele entra
no navio e fica transtornado e extremamente confuso com a
situação e então pede uma explicação pra Deus. Ele começa a citar
a vida livre dos negros antes da escravidão e compara essa vida ao
que eles tem agora, em porões fétidos e quentes. Procura saber
então de qual nação é o navio e se surpreende quando vê a
bandeira do Brasil. Indignado, invoca o patriarca da
independência, José Bonifácio e Cristóvão Colombo, o Descobridor
da América, para impedirem o navio de seguir viagem.
Resumo

Castro Alves
 Nasceu dia 14 de Março de 1847 na Bahia;
 Com 16 anos, foi para Recife, estudar
Direito;
 Em 1862 publicou seu primeiro poema,
Destruição de Jerusalém;
 Viajou para o Rio de Janeiro e foi recebido
José de Alencar que o recomendou para
Machado de Assis, para quem leu o
poema Gonzaga;
 Em 1868, em São Paulo, um tiro acidental
no pé durante uma caçada, obrigou-o a
uma cirurgia que, por fim, amputou seu
membro.
 Faleceu em 1871, em sua cidade natal, por
tuberculose pulmonar.
 Algumas publicações: Os escravos, Navios
Negreiros, A cachoeira de Paulo Afonso,
Espumas Flutuantes, A canção do Africano e
Gonzaga ou Revolução de Minas.
Os negrosOs negros

 Os negros no poema são considerados sem valor,
inferiores, sem posicionamento na sociedade ou em
todo um contexto cultural. Só possuem sua própria
cultura e o único momento de demonstrá-la é sobre
chibatadas e tortura. Em determinado ponto, ele vê
os negros como guerreiros, fortes e bravos homens
que saíram da África para sofrerem em navios. Para
Mário de Andrade, o autor não coloca os escravos a
sua altura mas se abaixa até eles como se a África
não fosse uma terra diferente mas uma infelicidade.
Os negros

Ele está fora da história e sente
as emoções de se estar
presenciando cenas de tortura e
escravidão que os traficantes
trazem para dentro do navio.
O narrador

Escravidão
 O poema é passado
numa época onde
havia tráfico de
negros da África
para o Brasil. Esse
comércio foi abolido
em 1888 pela
Princesa Isabel.
“[...]Ontem plena liberdade,
A vontade por poder...
Hoje... cúm'lo de maldade,
Nem são livres p'ra morrer. .
Prende-os a mesma corrente
— Férrea, lúgubre serpente —
Nas roscas da escravidão.
E assim zombando da morte,
Dança a lúgubre coorte
Ao som do açoute... Irrisão!...
[...]”

 A história do poema se
passa em geral no mar e
no navio em questão onde
estão os negros escravos.
Lugar

Tráfico de negros
 Outros poemas como
o de Heinrich Heine,
Navios Negreiros, e
filmes como A rota do
tráfico, Tráfico Negreiro
e Django Livre
abordam o mesmo
tema do poema de
Castro Alves.

 Em 300 anos, O Brasil foi responsável por 43% da
compra de negros em todo o mundo o que equivale a
4 milhões de negros. Os EUA contribuiu coom 5%
apenas desse total.
 A mercadoria era trazida em navios com um fundo
falso nos porões para que caso os fiscais
aparecessem, ele funcionasse como um alçapão,
jogando no fundo do mar toda a sua carga, os
negros, que quase sempre morriam afogados ou
devorados por tubarões.
 Os negros eram considerados uma mercadoria mais
valiosa que ouro em pó ou marfim.
O tráfico

 http://
pt.wikipedia.org/wiki/O_Navio_Negrei
 Livro Navios Negreiros - Castro Alves
e Heinrich Heine, editora Comboio de
Corda, 2009, 1° edição.
Referências bibliográficas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoQuezia Neves
 
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )Darril Paton
 
Figuras de linguagem para aula 1 ano
Figuras de linguagem para aula 1 anoFiguras de linguagem para aula 1 ano
Figuras de linguagem para aula 1 anomfmpafatima
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramáticoGlauco Souza
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Daniel Leitão
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoFaell Vasconcelos
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideIvana Bastos
 
Resposta das questôes os sertões- euclides da cunha
Resposta das questôes   os sertões-  euclides da cunhaResposta das questôes   os sertões-  euclides da cunha
Resposta das questôes os sertões- euclides da cunhaEdneide Lima
 
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoFigura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoJuliana Oliveira
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura 91118538
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasileeadolpho
 

Mais procurados (20)

Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )
EUCLIDES DA CUNHA ( SUA HISTÓRIA )
 
Figuras de linguagem para aula 1 ano
Figuras de linguagem para aula 1 anoFiguras de linguagem para aula 1 ano
Figuras de linguagem para aula 1 ano
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
Triste Fim de Policarpo Quaresma - 3ª A - 2011
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem slideFiguras de linguagem slide
Figuras de linguagem slide
 
Resposta das questôes os sertões- euclides da cunha
Resposta das questôes   os sertões-  euclides da cunhaResposta das questôes   os sertões-  euclides da cunha
Resposta das questôes os sertões- euclides da cunha
 
Jose de Alencar e suas fases românticas
Jose de Alencar e suas fases românticasJose de Alencar e suas fases românticas
Jose de Alencar e suas fases românticas
 
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoFigura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativo
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 

Semelhante a Navios Negreiros - Castro Alves

Semelhante a Navios Negreiros - Castro Alves (20)

CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptxCASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Castro Alves
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
ROMANTISMO
ROMANTISMOROMANTISMO
ROMANTISMO
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Avaliação sobre tráfico e escravidão no Brasil
Avaliação sobre tráfico e escravidão no BrasilAvaliação sobre tráfico e escravidão no Brasil
Avaliação sobre tráfico e escravidão no Brasil
 
2014 cometas do bispo
2014   cometas do bispo2014   cometas do bispo
2014 cometas do bispo
 
Resumos das obras derek e isabella 2º b
Resumos das obras   derek e isabella 2º bResumos das obras   derek e isabella 2º b
Resumos das obras derek e isabella 2º b
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 
Aula 5 - Pablo Neruda
Aula 5 -  Pablo NerudaAula 5 -  Pablo Neruda
Aula 5 - Pablo Neruda
 
O navio negreiro
O navio negreiro  O navio negreiro
O navio negreiro
 
romantismo.ppt
romantismo.pptromantismo.ppt
romantismo.ppt
 
romantismo parte 3.ppt
romantismo parte 3.pptromantismo parte 3.ppt
romantismo parte 3.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 

Mais de Isabella Ruas

Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudIsabella Ruas
 
Acredito ( We Believe ) - Leonardo Gonçalves
Acredito ( We Believe ) - Leonardo GonçalvesAcredito ( We Believe ) - Leonardo Gonçalves
Acredito ( We Believe ) - Leonardo GonçalvesIsabella Ruas
 
Pra sempre - Fernandinho
Pra sempre - FernandinhoPra sempre - Fernandinho
Pra sempre - FernandinhoIsabella Ruas
 
Nada além do sangue - Fernandinho
Nada além do sangue - FernandinhoNada além do sangue - Fernandinho
Nada além do sangue - FernandinhoIsabella Ruas
 
Sífilis - O que é, sintomas, tratamento, formas de contágio e mais
Sífilis - O que é, sintomas, tratamento, formas de contágio e maisSífilis - O que é, sintomas, tratamento, formas de contágio e mais
Sífilis - O que é, sintomas, tratamento, formas de contágio e maisIsabella Ruas
 
A Escrava Isaura - Atores antes e depois - Novela Record 2004
A Escrava Isaura - Atores antes e depois  - Novela Record 2004A Escrava Isaura - Atores antes e depois  - Novela Record 2004
A Escrava Isaura - Atores antes e depois - Novela Record 2004Isabella Ruas
 
Caia fogo - Fernandinho
Caia fogo - FernandinhoCaia fogo - Fernandinho
Caia fogo - FernandinhoIsabella Ruas
 
Eu quero é Deus - Comunidade de Nilópolis
Eu quero é Deus - Comunidade de NilópolisEu quero é Deus - Comunidade de Nilópolis
Eu quero é Deus - Comunidade de NilópolisIsabella Ruas
 
Deus é maior - Jamily
Deus é maior - JamilyDeus é maior - Jamily
Deus é maior - JamilyIsabella Ruas
 
Quero ver a mão do senhor - Marquinhos Gomes
Quero ver a mão do senhor - Marquinhos GomesQuero ver a mão do senhor - Marquinhos Gomes
Quero ver a mão do senhor - Marquinhos GomesIsabella Ruas
 
Meu bom jesus - Ronaldo Bezerra
Meu bom jesus - Ronaldo BezerraMeu bom jesus - Ronaldo Bezerra
Meu bom jesus - Ronaldo BezerraIsabella Ruas
 
Vontade de adorar - Eyshila
Vontade de adorar - EyshilaVontade de adorar - Eyshila
Vontade de adorar - EyshilaIsabella Ruas
 
Uma nova história - Fernandinho
Uma nova história - FernandinhoUma nova história - Fernandinho
Uma nova história - FernandinhoIsabella Ruas
 
Meu barquinho - Gisele Cristina
Meu barquinho - Gisele CristinaMeu barquinho - Gisele Cristina
Meu barquinho - Gisele CristinaIsabella Ruas
 
Jesus, filho de deus Fernandinho
Jesus, filho de deus FernandinhoJesus, filho de deus Fernandinho
Jesus, filho de deus FernandinhoIsabella Ruas
 
Teu amor não falha - Nivea Soares
Teu amor não falha - Nivea SoaresTeu amor não falha - Nivea Soares
Teu amor não falha - Nivea SoaresIsabella Ruas
 
Virada - Toque no Altar
Virada - Toque no AltarVirada - Toque no Altar
Virada - Toque no AltarIsabella Ruas
 
Vim para adorar te - Quatro por um
Vim para adorar te - Quatro por umVim para adorar te - Quatro por um
Vim para adorar te - Quatro por umIsabella Ruas
 
Senhor te quero - Vineyard
Senhor te quero - VineyardSenhor te quero - Vineyard
Senhor te quero - VineyardIsabella Ruas
 

Mais de Isabella Ruas (20)

Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Acredito ( We Believe ) - Leonardo Gonçalves
Acredito ( We Believe ) - Leonardo GonçalvesAcredito ( We Believe ) - Leonardo Gonçalves
Acredito ( We Believe ) - Leonardo Gonçalves
 
Pra sempre - Fernandinho
Pra sempre - FernandinhoPra sempre - Fernandinho
Pra sempre - Fernandinho
 
Nada além do sangue - Fernandinho
Nada além do sangue - FernandinhoNada além do sangue - Fernandinho
Nada além do sangue - Fernandinho
 
Sífilis - O que é, sintomas, tratamento, formas de contágio e mais
Sífilis - O que é, sintomas, tratamento, formas de contágio e maisSífilis - O que é, sintomas, tratamento, formas de contágio e mais
Sífilis - O que é, sintomas, tratamento, formas de contágio e mais
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 
A Escrava Isaura - Atores antes e depois - Novela Record 2004
A Escrava Isaura - Atores antes e depois  - Novela Record 2004A Escrava Isaura - Atores antes e depois  - Novela Record 2004
A Escrava Isaura - Atores antes e depois - Novela Record 2004
 
Caia fogo - Fernandinho
Caia fogo - FernandinhoCaia fogo - Fernandinho
Caia fogo - Fernandinho
 
Eu quero é Deus - Comunidade de Nilópolis
Eu quero é Deus - Comunidade de NilópolisEu quero é Deus - Comunidade de Nilópolis
Eu quero é Deus - Comunidade de Nilópolis
 
Deus é maior - Jamily
Deus é maior - JamilyDeus é maior - Jamily
Deus é maior - Jamily
 
Quero ver a mão do senhor - Marquinhos Gomes
Quero ver a mão do senhor - Marquinhos GomesQuero ver a mão do senhor - Marquinhos Gomes
Quero ver a mão do senhor - Marquinhos Gomes
 
Meu bom jesus - Ronaldo Bezerra
Meu bom jesus - Ronaldo BezerraMeu bom jesus - Ronaldo Bezerra
Meu bom jesus - Ronaldo Bezerra
 
Vontade de adorar - Eyshila
Vontade de adorar - EyshilaVontade de adorar - Eyshila
Vontade de adorar - Eyshila
 
Uma nova história - Fernandinho
Uma nova história - FernandinhoUma nova história - Fernandinho
Uma nova história - Fernandinho
 
Meu barquinho - Gisele Cristina
Meu barquinho - Gisele CristinaMeu barquinho - Gisele Cristina
Meu barquinho - Gisele Cristina
 
Jesus, filho de deus Fernandinho
Jesus, filho de deus FernandinhoJesus, filho de deus Fernandinho
Jesus, filho de deus Fernandinho
 
Teu amor não falha - Nivea Soares
Teu amor não falha - Nivea SoaresTeu amor não falha - Nivea Soares
Teu amor não falha - Nivea Soares
 
Virada - Toque no Altar
Virada - Toque no AltarVirada - Toque no Altar
Virada - Toque no Altar
 
Vim para adorar te - Quatro por um
Vim para adorar te - Quatro por umVim para adorar te - Quatro por um
Vim para adorar te - Quatro por um
 
Senhor te quero - Vineyard
Senhor te quero - VineyardSenhor te quero - Vineyard
Senhor te quero - Vineyard
 

Último

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 

Último (20)

Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 

Navios Negreiros - Castro Alves

  • 3.
  • 4.  Um pouco do poema “[...]Era um sonho dantesco... o tombadilho   Que das luzernas avermelha o brilho. Em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar de açoite...   Legiões de homens negros como a noite, Horrendos a dançar...   Negras mulheres, suspendendo às tetas   Magras crianças, cujas bocas pretas   Rega o sangue das mães:   Outras moças, mas nuas e espantadas,   No turbilhão de espectros arrastadas, Em ânsia e mágoa vãs!   E ri-se a orquestra irônica, estridente... E da ronda fantástica a serpente   Faz doudas espirais ... Se o velho arqueja, se no chão resvala,   Ouvem-se gritos... o chicote estala. E voam mais e mais...   A multidão faminta cambaleia, E chora e dança ali! Um de raiva delira, outro enlouquece,   Outro, que martírios embrutece, Cantando, geme e ri!   No entanto o capitão manda a manobra, E após fitando o céu que se desdobra, Tão puro sobre o mar, Diz do fumo entre os densos nevoeiros: "Vibrai rijo o chicote, marinheiros! Fazei-os mais dançar!..."   E ri-se a orquestra irônica, estridente. . . E da ronda fantástica a serpente Faz doudas espirais... Qual um sonho dantesco as sombras voam!... Gritos, ais, maldições, preces ressoam! E ri-se Satanás!...  [...]”
  • 5.  Navios Negreiros  Autor : Castro Alves  Editora : Comboio de corda  Edição : Abril de 2009  Edição original : 18 de abril de 1868  O livro é um poema que fala sobre tráfico de escravos.
  • 6.  O autor inicia a história exaltando a natureza e o mar ( 84 primeiros versos ) onde existem grandes navios de espanhóis, italianos , franceses e ingleses cada qual cantando uma musica alegre. Quando ele está num ponto muito alto no mar, ouve uma triste música e vê negros dançando sob tortura no porão de um navio por divertimento dos traficantes. Como uma ave ele entra no navio e fica transtornado e extremamente confuso com a situação e então pede uma explicação pra Deus. Ele começa a citar a vida livre dos negros antes da escravidão e compara essa vida ao que eles tem agora, em porões fétidos e quentes. Procura saber então de qual nação é o navio e se surpreende quando vê a bandeira do Brasil. Indignado, invoca o patriarca da independência, José Bonifácio e Cristóvão Colombo, o Descobridor da América, para impedirem o navio de seguir viagem. Resumo
  • 7.
  • 8.  Castro Alves  Nasceu dia 14 de Março de 1847 na Bahia;  Com 16 anos, foi para Recife, estudar Direito;  Em 1862 publicou seu primeiro poema, Destruição de Jerusalém;  Viajou para o Rio de Janeiro e foi recebido José de Alencar que o recomendou para Machado de Assis, para quem leu o poema Gonzaga;  Em 1868, em São Paulo, um tiro acidental no pé durante uma caçada, obrigou-o a uma cirurgia que, por fim, amputou seu membro.  Faleceu em 1871, em sua cidade natal, por tuberculose pulmonar.  Algumas publicações: Os escravos, Navios Negreiros, A cachoeira de Paulo Afonso, Espumas Flutuantes, A canção do Africano e Gonzaga ou Revolução de Minas.
  • 10.   Os negros no poema são considerados sem valor, inferiores, sem posicionamento na sociedade ou em todo um contexto cultural. Só possuem sua própria cultura e o único momento de demonstrá-la é sobre chibatadas e tortura. Em determinado ponto, ele vê os negros como guerreiros, fortes e bravos homens que saíram da África para sofrerem em navios. Para Mário de Andrade, o autor não coloca os escravos a sua altura mas se abaixa até eles como se a África não fosse uma terra diferente mas uma infelicidade. Os negros
  • 11.
  • 12.  Ele está fora da história e sente as emoções de se estar presenciando cenas de tortura e escravidão que os traficantes trazem para dentro do navio. O narrador
  • 13.
  • 14.  Escravidão  O poema é passado numa época onde havia tráfico de negros da África para o Brasil. Esse comércio foi abolido em 1888 pela Princesa Isabel. “[...]Ontem plena liberdade, A vontade por poder... Hoje... cúm'lo de maldade, Nem são livres p'ra morrer. . Prende-os a mesma corrente — Férrea, lúgubre serpente — Nas roscas da escravidão. E assim zombando da morte, Dança a lúgubre coorte Ao som do açoute... Irrisão!... [...]”
  • 15.
  • 16.   A história do poema se passa em geral no mar e no navio em questão onde estão os negros escravos. Lugar
  • 17.
  • 18.  Tráfico de negros  Outros poemas como o de Heinrich Heine, Navios Negreiros, e filmes como A rota do tráfico, Tráfico Negreiro e Django Livre abordam o mesmo tema do poema de Castro Alves.
  • 19.
  • 20.   Em 300 anos, O Brasil foi responsável por 43% da compra de negros em todo o mundo o que equivale a 4 milhões de negros. Os EUA contribuiu coom 5% apenas desse total.  A mercadoria era trazida em navios com um fundo falso nos porões para que caso os fiscais aparecessem, ele funcionasse como um alçapão, jogando no fundo do mar toda a sua carga, os negros, que quase sempre morriam afogados ou devorados por tubarões.  Os negros eram considerados uma mercadoria mais valiosa que ouro em pó ou marfim. O tráfico
  • 21.   http:// pt.wikipedia.org/wiki/O_Navio_Negrei  Livro Navios Negreiros - Castro Alves e Heinrich Heine, editora Comboio de Corda, 2009, 1° edição. Referências bibliográficas