SlideShare uma empresa Scribd logo
Escrita das Américas: a
literatura como fonte
Ensino de História e Linguagens: da graduação à
educação básica, práticas de leitura documental
Coordenadora: Adriane Vidal Costa
Bárbara Munaier
Isadora Vivacqua
José Antônio
Pablo Neruda (1904 – 1973)
Vida e Obra
• Ainda adolescente adotou o pseudônimo de Pablo
Neruda, pois tinha uma relação conflituosa com o pai
que não aceitava sua condição de poeta.
• Em 1927, começa sua longa carreia diplomática. Isso
possibilitou ao poeta vasta experiência cultural.
• Em 1936, eclode a Guerra Civil espanhola; Neruda é
destituído do cargo consular e escreve Espanha no
coração.
• Pablo Neruda esteve presente no palco dos
acontecimentos da Guerra Civil Espanhola, o que
mudou o rumo de sua poesia, despertando no
poeta o compromisso político-social.
• Em 1945 é eleito senador. No mesmo ano, lê para
mais de 100 mil pessoas no Estádio do Pacaembu
em homenagem ao líder comunista Luís Carlos
Prestes.
• Em 1947, Pablo Neruda, então senador do Chile,
perde sua cadeira à mando do presidente Videla.
É decretada sua prisão pelo Tribunal. Passa a
viver escondido.
• Em 1949, foge pela Cordilheira e começa a
escrever Canto General, uma de suas obras
mais importantes, publicada em 1950.
• Em outubro de 1971 recebeu o Nobel de
Literatura. Após o prêmio, Neruda é convidado
por Salvador Allende para ler para mais de 70
mil pessoas no Estádio Nacional de Chile.
Aula 5 -  Pablo Neruda
Aula 5 -  Pablo Neruda
Amor América (1400)
I - Vegetações
Às terras sem nomes e
sem números baixava o
vento de outros domínios,
trazia a chuva fios celestes
e o deus dos altares
impregnados devolvia as
flores e as vidas.
Na fertilidade crescia o
tempo.
(...)
América arvoredo,
sarça selvagem entre os
mares, de pólo a pólo
balançavas, tesouro verde,
a tua mata.
VI – Os Homens
(...)
Mas multidões de povoados
teciam a fibra, guardavam o
porvir das colheitas,
trançavam o fulgor da pluma,
convenciam a turquesa,
e em trepadeiras têxteis
expressavam a luz do mundo.
(...)
Era o sul um assombro
dourado. As altas soledades
de Machu Picchu na porta do
céu estavam cheias de azeite
e cantos, o homem desfizera
as moradas. E no novo
domínio, entre os cumes, o
lavrador tocava a semente
com seus dedos feridos pela
neve.
(...)
(Doce raça, folha de serras,
estirpe de torre e turquesa;
fecha-me os olhos agora,
antes de irmos ao mar de
onde as dores chegam.)
(...)
No fundo da América sem
nome estava Arauco entre as
águas vertiginosas, apartado
por todo o frio do planeta.
Olhai o grande sul solitário.
(...)
Tudo é silêncio de água e
vento.
(...)
Não há ninguém. Escutas? É
o passo do puma no ar e nas
folhas. Não há ninguém.
Escuta. Escuta a árvore,
escuta a árvore araucana.
Não há ninguém. Olha as
pedras. Olha as pedras de
Arauco. Não há ninguém,
somente as árvores.
Somente as pedras, Arauco.
Os conquistadores
I - Chegam pelas ilhas (1493)
Os carniceiros desolaram as
ilhas. Guanahaní foi a primeira
nesta história de martírios. Os
filhos da argila viram partido
seu sorriso, ferida sua frágil
estatura de gamos, e nem
mesmo na morte entendiam.
Foram amarrados e feridos,
foram queimados e abrasados,
foram mordidos e enterrados.
(...)
Só ficavam ossos rigidamente
colocados em forma de cruz,
para maior glória de Deus e dos
homens.
Das gredas ancestrais
e da ramagem de sotavento
até as agrupadas coralinas
foi cortando a faca de Narváez.
Aqui a cruz, ali o rosário, aqui a
Virgem do Garrote. A jóia de
Colombo, Cuba fosfórica,
recebeu o estandarte e os
joelhos em sua areia molhada.
V- Cholula
Em Cholula os jovens vestem seu melhor tecido, ouro e
lumagens, e calçados para o festival interrogam o
invasor. A morte lhes deu resposta. (...)
(Entraram matando a cavalo, cortaram a mão que fazia a
homenagem de ouro e flores, fecharam a praça,
cansaram os braços até o arrocho, matando a flor do
reinado, metidos até os cotovelos no sangue de meus
irmãos surpreendidos.)
XIII - Encontro de
corvos
No Panamá uniram-se os
demônios. Foi aí o pacto dos
furões. Uma vela apenas
iluminava quando os três
chegaram por um. Primeiro
chegou Almagro antigo e torto,
Pizarro, o velho porcino e o
frade Luque, cônego entendido
em trevas.
(...)
Quando pactuaram, Luque
ergueu a hóstia na eucaristia,
os três ladrões amassaram
a obréia com torvo sorriso.
“Deus foi dividido, irmãos,
entre nós”, garantiu o cônego, e
os carniceiros de dentes roxos
disseram “Amém”.
Bateram na mesa cuspindo.
Como não sabiam de letras
encheram de cruzes a mesa,
o papel, os bancos, os muros.
O Peru, escuro, submerso,
estava marcado de cruzes,
pequenas, negras, negras
cruzes pelo sul saíram
navegando:
cruzes para as agonias,
cruzes peludas e afiadas,
cruzes com ganchos de
réptil, cruzes salpicadas de
pústulas, cruzes como
pernas de aranha,
sombrias cruzes
caçadoras.
Mercedes Sosa
Solo le Pido a Dios
Sólo le pido a Dios
Que el dolor no me
sea indiferente,
Que la reseca muerte
no me encuentre
Vacío y solo sin haber
hecho lo suficiente
Só peço a Deus
Que a dor não me
seja indiferente
Que a seca morte
não me encontre
Vazio e só sem ter
feito o suficiente
Sólo le pido a Dios
Que la guerra no me
sea indiferente,
Es un monstruo grande
y pisa fuerte
Toda la pobre inocencia
de la gente
Só peço a Deus
Que a guerra não me
seja indiferente
É um monstro grande
e pisa forte
Em toda pobre inocência
desta gente
Sólo le pido a Dios
que el futuro no me
sea indiferente,
Desahuciado está el
que tiene que marchar
A vivir una
cultura diferente.
Só peço a Deus
que o futuro não me
seja indiferente,
Desiludido está o
que tem que marchar
Para viver uma
cultura diferente.
Os libertadores
“Os libertadores” são, segundo Neruda, os
que promoveram a liberdade do homem e a
libertação da América Latina, desde os heróis
da resistência à colonização até os heróis
contemporâneos (...)”
“O propósito de Neruda foi compor uma
crônica da América que mostrasse o
enfrentamento permanente entre opressores
e libertadores, e, ao mesmo tempo, que
servisse para iluminar e incitar os oprimidos a
conquistar sua definitiva independência.
Poesia mítica, utilitária, combativa, que se põe
a serviço de uma causa.”
(Adriane Vidal)
Castro Alves do Brasil
Castro Alves do Brasil, para quem cantaste?
Para a flor cantaste? Para a água
cuja formosura diz palavras às pedras?
Cantaste para os olhos para o perfil recortado
da que então amaste? Para a primavera?
(...)
- Cantei para os escravos, eles sobre os navios,
como um cacho escuro da árvore da ira
viajaram, e no porto se dessangrou o navio
deixando-nos o peso de um sangue roubado.
(...)
- Cantei naqueles dias contra o inferno,
contra as afiadas línguas da cobiça,
contra o ouro empapado de tormento,
contra a mão que empunhava o chicote,
contra os dirigentes de trevas.
- Eu quis que do homem nos salvássemos,
eu cria que a rota passasse pelo homem,
e que daí tinha de sair o destino.
Cantei para aqueles que não tinham voz.
Minha voz bateu em portas até então fechadas
para que, combatendo, a liberdade entrasse.
Castro Alves do Brasil, hoje que o teu livro puro
torna a nascer para a terra livre,
deixa-me a mim, poeta da nossa América,
coroar a tua cabeça com os louros do povo.
Tua voz uniu-se à eterna e alta voz dos homens.
Cantaste bem. Cantaste como se deve cantar.
Páginas 121-122
Recabarren (1921)
Seu nome era Recabarren.
Bonachão, corpulento, espaçoso,
claro olhar, cara firme,
sua vasta compostura cobria,
como a areia numerosa,
as jazidas da força.
(...)
Ali chegou com seus panfletos
este capitão do povo.
Pegou o solitário ofendido
que, enrolando suas mantas rotas
em seus filhos famintos,
aceitava as injustiças
encarniçadas, e lhe disse:
“Junta tua voz a outra voz”,
“Junta tua mão a outra mão”.
(...)
Organizou as soledades.
Levou os livros e os cantos
até os muros do terror,
juntou uma queixa a outra queixa,
e o escravo sem voz nem boca,
o extenso sofrimento,
se fez nome, se chamou Povo
Proletariado, Sindicato,
ganhou pessoa e postura.
Páginas 143 - 147
Volver a los 17 – Violeta Parra
Volver a los diecisiete después de vivir un siglo
Es como descifrar signos sin ser sabio competente,
Volver a ser de repente tan frágil como un segundo
Volver a sentir profundo como un niño frente a dios
Eso es lo que siento yo en este instante fecundo.
Voltar aos 17 depois de viver um século
É como decifrar sinais sem ser sábio competente
Voltar a ser de repente tão frágil como um segundo
Voltar a sentir profundo como um menino diante de Deus
Isso é o que sinto neste instante fecundo
Vai se envolvendo, envolvendo
Como no muro a hera
E vai brotando, brotando
Como o musgo na pedra
Como o musgo na pedra, ai sim, sim, sim.
Vai se envolvendo, envolvendo
Como no muro a hera
E vai brotando, brotando
Como o musgo na pedra
Como o musgo na pedra, ai sim, sim, sim.
Mi paso retrocedido cuando el de ustedes avanza
El arco de las alianzas ha penetrado en mi nido
Con todo su colorido se ha paseado por mis venas
Y hasta la dura cadena con que nos ata el destino
Es como un diamante fino que alumbra mi alma serena.
Meu passo retrocede quando o de vocês avança
O arco das alianças penetrou em meu ninho
Com todo seu colorido passeou por minhas veias
E até a dura corrente com a qual nos prende o destino
É como um diamante fino que ilumina minha alma serena
Lo que puede el sentimiento no lo ha podido el saber
Ni el más claro proceder, ni el más ancho pensamiento
Todo lo cambia al momento cual mago condescendiente
Nos aleja dulcemente de rencores y violencias
Solo el amor con su ciencia nos vuelve tan inocentes.
O que pode o sentimento não o pode o saber
Nem o mais claro proceder, nem o maior dos
pensamentos
Tudo o muda num momento qual mago condescendente
Nos afasta docemente de rancores e violências
Só o amor com sua ciência nos torna tão inocentes
“Volver a los 17, quem sabe, significaria voltar
a ter esperanças nos verdes anos, quando não
mais se é quem é. Mas foram tantas as
mudanças, tantos os pequenos e grandes
fatos ocorridos, que um relance de olhos não
distingue no tempo a dor suprema pela qual
se deixou abater”
Theotonio de Paiva
V – A AREIA TRAÍDA
Por isso te falarei destas dores que quisera afastar,
te obrigarei a viver uma vez mais entre suas queimaduras,
não para nos determos coma numa estação, ao partir,
nem tampouco para golpear com o rosto a terra .
nem para enchermos o coração de água salgada,
mas para caminhar conhecendo, para tocar a retidão
com decisões infinitamente carregadas de sentido,
para que a severidade seja uma condição da alegria, para
que assim sejamos invencíveis.
Página 161
Os mortos da praça
(28 de janeiro de 1946, Santiago do Chile)
Eu não venho chorar aqui onde tombaram:
venho a vós, acudo aos que vivem.
Acudo a ti e a mim e em teu peito bato.
Antes outros tombaram. Lembras? Sim, lembras.
Outros que os mesmos nomes e sobrenomes
tiveram.
(...)
(...)
outros que se chamavam Antonio como tu
e que eram como tu pescadores ou ferreiros:
carne do Chile, rostos
cicatrizados pelo vento,
martirizados pelo pampa,
firmados pelo sofrimento.
Páginas 200 - 201
Os Massacres
(...) e a morte do povo foi como sempre tem sido:
como se não morresse ninguém, nada,
como se fossem pedras que caem
sobre a terra, ou água sobre água.
No meio da praça foi o crime.
Não escondeu o matagal o sangue puro
do povo, nem o tragou a areia do pampa.
Ninguém escondeu este crime.
O crime foi no meio da Pátria.
Páginas 201 - 202
Os Inimigos
Aqui eles trouxeram os fuzis repletos
de pólvora, eles comandaram o acerbo extermínio,
eles aqui encontraram um povo que cantava,
um povo por dever e por amor reunido,
e a delgada menina caiu com a sua bandeira,
e o jovem sorridente girou a seu lado ferido,
e o estupor do povo viu os mortos tombarem
com fúria e dor.
Página 204
SEMPRE
Ainda que as passadas toquem mil anos este lugar,
não apagarão o sangue dos que aqui tombaram.
E não se extinguirá a hora em que tombastes,
ainda que milhares de vozes cruzem este silêncio.
A chuva há de empapar as pedras da praça,
mas não apagará vossos nomes de fogo.
Mil noites cairão com as suas asas escuras,
sem destruir o dia que esperam estes mortos.
O dia que esperamos ao longo do mundo
tantos homens, o dia final do sofrimento.
Um dia de justiça conquistada na luta,
e vós, irmãos tombados, em silêncio,
estareis conosco nesse vasto dia
da luta final, nesse dia imenso.
Página 206
Canto X – O Fugitivo (1948)
“Pela alta noite, pela vida inteira,
de lágrima a papel, de roupa em roupa,
andei nestes dias angustiados.
Fui o fugitivo da polícia:
na hora de cristal, na mata
de estrelas solitárias,
cruzei cidades, bosques,
chácaras, portos,
da porta de um ser humano a outro,
da mão de um ser a outro ser, a outro ser”
Uma vez a uma casa, na campina,
cheguei à noite, a ninguém
antes daquela noite havia visto,
nem adivinhado aquelas existências.
(...)
Entrei, eram cinco da família:
todos como na noite dum incêndio
se haviam levantado.
(...)
Apertei uma
e outra mão, vi um rosto e outro rosto,
que nada me diziam: eram portas
que antes não vi na rua,
olhos que não conheciam meu rosto,
e na alta noite, apenas
recebido, me entreguei ao cansaço,
para adormecer a angústia de minha pátria.
“Vive o chileno
entre lixeira e vendaval, escuro
filho da dura Pátria.
Vidraças despedaçadas, tetos partidos,
paredes aniquiladas, cal leprosa,
porta enterrada, piso de barro,
sujeitando-se apenas ao vestígio
do solo.”
“Assim, pois, de noite em noite,
aquela longa hora, a treva
mergulhada em todo o litoral chileno,
fugitivo passei de porta em porta”
(...)
“Para mim era o segredo:
estava para mim palpitando,
era nas zonas do carvão,
empapadas pelo martírio,
era nos portos da costa
junto ao antártico arquipélago,
era, escuta, talvez nessa
rua sonora, entre a música
do meio-dia das ruas,
ou junto ao parque essa janela
que ninguém distinguiu entre as outras
janelas, e que me esperava
com um prato de sopa clara
e o coração sobre a mesa”
“Não sou um sino de tão longe,
nem um cristal enterrado tão profundo
que não possas decifrar, sou apenas
povo, porta escondida, pão escuro,
e quando me recebes, recebes
a ti mesmo, a esse hóspede
tantas vezes batido
e tantas vezes
Renascido”
“Não me sinto só na noite,
na escuridão da terra.
Sou povo, povo inumerável.
Tenho em minha voz a força pura
para atravessar o silêncio
e germinar nas trevas.
Morte, martírio, sombra, gelo,
cobrem de repente a semente.
E o povo parece enterrado.
Mas o milho volta à terra”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As minas de_prata_segunda_parte
As minas de_prata_segunda_parteAs minas de_prata_segunda_parte
As minas de_prata_segunda_parte
MClara
 
Falenas
FalenasFalenas
Mestres da poesia
Mestres da poesiaMestres da poesia
Mestres da poesia
Mensagens Virtuais
 
Bocage Sonetos E Outros Poemas
Bocage Sonetos E Outros PoemasBocage Sonetos E Outros Poemas
Bocage Sonetos E Outros Poemas
Flávio Mello
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
Sérgio Pitaki
 
Chicos 42 abril 2015
Chicos 42 abril 2015Chicos 42 abril 2015
Chicos 42 abril 2015
Chicos Cataletras
 
Mestres Da Poesia
Mestres Da PoesiaMestres Da Poesia
Mestres Da Poesia
Luzia Gabriele
 
Mestres da Poesia
Mestres da PoesiaMestres da Poesia
Mestres da Poesia
Chuck Gary
 
Chicos 41 - Dezembro 2014
Chicos 41 - Dezembro 2014Chicos 41 - Dezembro 2014
Chicos 41 - Dezembro 2014
Chicos Cataletras
 
Poemas da juventude de machado
Poemas da juventude de machadoPoemas da juventude de machado
Poemas da juventude de machado
Cláudio de Oliveira Martins
 
Meus oito anos
Meus oito anosMeus oito anos
Meus oito anos
gaby_advent
 
Folhas em versos
Folhas em versosFolhas em versos
Folhas em versos
Luciano Cordier
 
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Tania Montandon
 
Tear de ondas - Danilo Barcelos
Tear de ondas - Danilo BarcelosTear de ondas - Danilo Barcelos
Tear de ondas - Danilo Barcelos
Danilo Barcelos
 
50
5050
Ilka+vieira renascitudes
Ilka+vieira renascitudesIlka+vieira renascitudes
Ilka+vieira renascitudes
rc1951
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
guida04
 
POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICOPOESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
Daniel Amaral
 
Contemp setembro__10
Contemp  setembro__10Contemp  setembro__10
Contemp setembro__10
michelechristine
 
Contemp novembro__19
Contemp  novembro__19Contemp  novembro__19
Contemp novembro__19
michelechristine
 

Mais procurados (20)

As minas de_prata_segunda_parte
As minas de_prata_segunda_parteAs minas de_prata_segunda_parte
As minas de_prata_segunda_parte
 
Falenas
FalenasFalenas
Falenas
 
Mestres da poesia
Mestres da poesiaMestres da poesia
Mestres da poesia
 
Bocage Sonetos E Outros Poemas
Bocage Sonetos E Outros PoemasBocage Sonetos E Outros Poemas
Bocage Sonetos E Outros Poemas
 
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
VERSOS NA REDE. No.1 NOV/DEZ 2018
 
Chicos 42 abril 2015
Chicos 42 abril 2015Chicos 42 abril 2015
Chicos 42 abril 2015
 
Mestres Da Poesia
Mestres Da PoesiaMestres Da Poesia
Mestres Da Poesia
 
Mestres da Poesia
Mestres da PoesiaMestres da Poesia
Mestres da Poesia
 
Chicos 41 - Dezembro 2014
Chicos 41 - Dezembro 2014Chicos 41 - Dezembro 2014
Chicos 41 - Dezembro 2014
 
Poemas da juventude de machado
Poemas da juventude de machadoPoemas da juventude de machado
Poemas da juventude de machado
 
Meus oito anos
Meus oito anosMeus oito anos
Meus oito anos
 
Folhas em versos
Folhas em versosFolhas em versos
Folhas em versos
 
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
 
Tear de ondas - Danilo Barcelos
Tear de ondas - Danilo BarcelosTear de ondas - Danilo Barcelos
Tear de ondas - Danilo Barcelos
 
50
5050
50
 
Ilka+vieira renascitudes
Ilka+vieira renascitudesIlka+vieira renascitudes
Ilka+vieira renascitudes
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
 
POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICOPOESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
POESIAS DE DANIEL D'AMARAL - O FLORAL POÉTICO
 
Contemp setembro__10
Contemp  setembro__10Contemp  setembro__10
Contemp setembro__10
 
Contemp novembro__19
Contemp  novembro__19Contemp  novembro__19
Contemp novembro__19
 

Destaque

Aula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García MárquezAula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García Márquez
isadoravivacqua
 
Resol. sim. enem compacto 2012
Resol. sim. enem compacto 2012Resol. sim. enem compacto 2012
Resol. sim. enem compacto 2012
Adolfo Dias
 
Escritos
EscritosEscritos
Escritos
Bruno Rodrigues
 
Obras de Pablo Neruda
Obras de  Pablo NerudaObras de  Pablo Neruda
Obras de Pablo Neruda
Alejandra
 
Aula 3 - Júlio Cortázar
Aula 3 - Júlio CortázarAula 3 - Júlio Cortázar
Aula 3 - Júlio Cortázar
isadoravivacqua
 
Vida de pablo neruda
Vida de pablo nerudaVida de pablo neruda
Vida de pablo neruda
humberto1154
 
Vida de pablo neruda
Vida de pablo nerudaVida de pablo neruda
Vida de pablo neruda
profesoraelia
 
Pablo neruda biografia
Pablo neruda biografiaPablo neruda biografia
Pablo neruda biografia
Luzia Gabriele
 
Pablo Neruda - Coletanea
Pablo Neruda - ColetaneaPablo Neruda - Coletanea
Pablo Neruda - Coletanea
Zanah
 
O Carteiro de Pablo Neruda
O Carteiro de Pablo NerudaO Carteiro de Pablo Neruda
O Carteiro de Pablo Neruda
Ana MF
 
Pablo neruda 1
Pablo neruda 1Pablo neruda 1
Pablo neruda 1
dolors
 
Pablo neruda
Pablo nerudaPablo neruda
Pablo neruda
tatianamtq
 
Pablo Neruda
Pablo NerudaPablo Neruda
Pablo Neruda
141sfm
 
Power point pablo neruda
Power point pablo nerudaPower point pablo neruda
Power point pablo neruda
delta38
 
Diapositivas pablo neruda (slideshare)
Diapositivas pablo neruda (slideshare)Diapositivas pablo neruda (slideshare)
Diapositivas pablo neruda (slideshare)
Jhonatan Restrepo
 
Pablo Neruda
Pablo NerudaPablo Neruda
Pablo Neruda
yanete
 

Destaque (16)

Aula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García MárquezAula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García Márquez
 
Resol. sim. enem compacto 2012
Resol. sim. enem compacto 2012Resol. sim. enem compacto 2012
Resol. sim. enem compacto 2012
 
Escritos
EscritosEscritos
Escritos
 
Obras de Pablo Neruda
Obras de  Pablo NerudaObras de  Pablo Neruda
Obras de Pablo Neruda
 
Aula 3 - Júlio Cortázar
Aula 3 - Júlio CortázarAula 3 - Júlio Cortázar
Aula 3 - Júlio Cortázar
 
Vida de pablo neruda
Vida de pablo nerudaVida de pablo neruda
Vida de pablo neruda
 
Vida de pablo neruda
Vida de pablo nerudaVida de pablo neruda
Vida de pablo neruda
 
Pablo neruda biografia
Pablo neruda biografiaPablo neruda biografia
Pablo neruda biografia
 
Pablo Neruda - Coletanea
Pablo Neruda - ColetaneaPablo Neruda - Coletanea
Pablo Neruda - Coletanea
 
O Carteiro de Pablo Neruda
O Carteiro de Pablo NerudaO Carteiro de Pablo Neruda
O Carteiro de Pablo Neruda
 
Pablo neruda 1
Pablo neruda 1Pablo neruda 1
Pablo neruda 1
 
Pablo neruda
Pablo nerudaPablo neruda
Pablo neruda
 
Pablo Neruda
Pablo NerudaPablo Neruda
Pablo Neruda
 
Power point pablo neruda
Power point pablo nerudaPower point pablo neruda
Power point pablo neruda
 
Diapositivas pablo neruda (slideshare)
Diapositivas pablo neruda (slideshare)Diapositivas pablo neruda (slideshare)
Diapositivas pablo neruda (slideshare)
 
Pablo Neruda
Pablo NerudaPablo Neruda
Pablo Neruda
 

Semelhante a Aula 5 - Pablo Neruda

Camoes
CamoesCamoes
Exposições de Autores de lingua e expressão portuguesa na biblioteca da ESAB
Exposições de Autores de lingua e expressão portuguesa na biblioteca da ESABExposições de Autores de lingua e expressão portuguesa na biblioteca da ESAB
Exposições de Autores de lingua e expressão portuguesa na biblioteca da ESAB
Biblioteca Avelar Brotero
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
AndrPlez1
 
Modernismo brasileiro – 1ª fase
Modernismo brasileiro – 1ª faseModernismo brasileiro – 1ª fase
Modernismo brasileiro – 1ª fase
Aires Jones
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Isabella Silva
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Isabella Silva
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Ajudar Pessoas
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia Poética
Vinicius Soco
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
Rotivtheb
 
Romantismo e realismo
Romantismo e realismoRomantismo e realismo
Romantismo e realismo
isaianabrito
 
Jorge amado o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
Jorge amado   o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)Jorge amado   o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
Jorge amado o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
João Carvalho
 
Jorge amado o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
Jorge amado   o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)Jorge amado   o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
Jorge amado o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
João Carvalho
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
MichaelMorais12
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptxAULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
Leidimarabatista
 
Parque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasParque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, Oeiras
Agostinho.Gouveia
 
A Linguagem do Modernismo.docx
A Linguagem do Modernismo.docxA Linguagem do Modernismo.docx
A Linguagem do Modernismo.docx
JodenilmoraisSilva
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Richard Lincont
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 

Semelhante a Aula 5 - Pablo Neruda (20)

Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Exposições de Autores de lingua e expressão portuguesa na biblioteca da ESAB
Exposições de Autores de lingua e expressão portuguesa na biblioteca da ESABExposições de Autores de lingua e expressão portuguesa na biblioteca da ESAB
Exposições de Autores de lingua e expressão portuguesa na biblioteca da ESAB
 
Arcadismo.ppt
Arcadismo.pptArcadismo.ppt
Arcadismo.ppt
 
Modernismo brasileiro – 1ª fase
Modernismo brasileiro – 1ª faseModernismo brasileiro – 1ª fase
Modernismo brasileiro – 1ª fase
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia Poética
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Romantismo e realismo
Romantismo e realismoRomantismo e realismo
Romantismo e realismo
 
Jorge amado o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
Jorge amado   o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)Jorge amado   o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
Jorge amado o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
 
Jorge amado o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
Jorge amado   o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)Jorge amado   o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
Jorge amado o cavaleiro da esperança (pdf)(rev)
 
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdfpdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
pdfcoffee.com_romantismo-slideppt-pdf-free.pdf
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptxAULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
AULA 5 - 1ª GERAÇÃO ROMANTICA BRASILEIRA.pptx
 
Parque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasParque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, Oeiras
 
A Linguagem do Modernismo.docx
A Linguagem do Modernismo.docxA Linguagem do Modernismo.docx
A Linguagem do Modernismo.docx
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 

Último

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Aula 5 - Pablo Neruda

  • 1. Escrita das Américas: a literatura como fonte Ensino de História e Linguagens: da graduação à educação básica, práticas de leitura documental Coordenadora: Adriane Vidal Costa Bárbara Munaier Isadora Vivacqua José Antônio
  • 2. Pablo Neruda (1904 – 1973)
  • 3. Vida e Obra • Ainda adolescente adotou o pseudônimo de Pablo Neruda, pois tinha uma relação conflituosa com o pai que não aceitava sua condição de poeta. • Em 1927, começa sua longa carreia diplomática. Isso possibilitou ao poeta vasta experiência cultural. • Em 1936, eclode a Guerra Civil espanhola; Neruda é destituído do cargo consular e escreve Espanha no coração.
  • 4. • Pablo Neruda esteve presente no palco dos acontecimentos da Guerra Civil Espanhola, o que mudou o rumo de sua poesia, despertando no poeta o compromisso político-social. • Em 1945 é eleito senador. No mesmo ano, lê para mais de 100 mil pessoas no Estádio do Pacaembu em homenagem ao líder comunista Luís Carlos Prestes. • Em 1947, Pablo Neruda, então senador do Chile, perde sua cadeira à mando do presidente Videla. É decretada sua prisão pelo Tribunal. Passa a viver escondido.
  • 5. • Em 1949, foge pela Cordilheira e começa a escrever Canto General, uma de suas obras mais importantes, publicada em 1950. • Em outubro de 1971 recebeu o Nobel de Literatura. Após o prêmio, Neruda é convidado por Salvador Allende para ler para mais de 70 mil pessoas no Estádio Nacional de Chile.
  • 8. Amor América (1400) I - Vegetações Às terras sem nomes e sem números baixava o vento de outros domínios, trazia a chuva fios celestes e o deus dos altares impregnados devolvia as flores e as vidas. Na fertilidade crescia o tempo. (...) América arvoredo, sarça selvagem entre os mares, de pólo a pólo balançavas, tesouro verde, a tua mata.
  • 9. VI – Os Homens (...) Mas multidões de povoados teciam a fibra, guardavam o porvir das colheitas, trançavam o fulgor da pluma, convenciam a turquesa, e em trepadeiras têxteis expressavam a luz do mundo. (...) Era o sul um assombro dourado. As altas soledades de Machu Picchu na porta do céu estavam cheias de azeite e cantos, o homem desfizera as moradas. E no novo domínio, entre os cumes, o lavrador tocava a semente com seus dedos feridos pela neve.
  • 10. (...) (Doce raça, folha de serras, estirpe de torre e turquesa; fecha-me os olhos agora, antes de irmos ao mar de onde as dores chegam.) (...) No fundo da América sem nome estava Arauco entre as águas vertiginosas, apartado por todo o frio do planeta. Olhai o grande sul solitário. (...) Tudo é silêncio de água e vento. (...) Não há ninguém. Escutas? É o passo do puma no ar e nas folhas. Não há ninguém. Escuta. Escuta a árvore, escuta a árvore araucana. Não há ninguém. Olha as pedras. Olha as pedras de Arauco. Não há ninguém, somente as árvores. Somente as pedras, Arauco.
  • 11. Os conquistadores I - Chegam pelas ilhas (1493) Os carniceiros desolaram as ilhas. Guanahaní foi a primeira nesta história de martírios. Os filhos da argila viram partido seu sorriso, ferida sua frágil estatura de gamos, e nem mesmo na morte entendiam. Foram amarrados e feridos, foram queimados e abrasados, foram mordidos e enterrados. (...) Só ficavam ossos rigidamente colocados em forma de cruz, para maior glória de Deus e dos homens. Das gredas ancestrais e da ramagem de sotavento até as agrupadas coralinas foi cortando a faca de Narváez. Aqui a cruz, ali o rosário, aqui a Virgem do Garrote. A jóia de Colombo, Cuba fosfórica, recebeu o estandarte e os joelhos em sua areia molhada.
  • 12. V- Cholula Em Cholula os jovens vestem seu melhor tecido, ouro e lumagens, e calçados para o festival interrogam o invasor. A morte lhes deu resposta. (...) (Entraram matando a cavalo, cortaram a mão que fazia a homenagem de ouro e flores, fecharam a praça, cansaram os braços até o arrocho, matando a flor do reinado, metidos até os cotovelos no sangue de meus irmãos surpreendidos.)
  • 13. XIII - Encontro de corvos No Panamá uniram-se os demônios. Foi aí o pacto dos furões. Uma vela apenas iluminava quando os três chegaram por um. Primeiro chegou Almagro antigo e torto, Pizarro, o velho porcino e o frade Luque, cônego entendido em trevas. (...) Quando pactuaram, Luque ergueu a hóstia na eucaristia, os três ladrões amassaram a obréia com torvo sorriso. “Deus foi dividido, irmãos, entre nós”, garantiu o cônego, e os carniceiros de dentes roxos disseram “Amém”. Bateram na mesa cuspindo. Como não sabiam de letras encheram de cruzes a mesa, o papel, os bancos, os muros.
  • 14. O Peru, escuro, submerso, estava marcado de cruzes, pequenas, negras, negras cruzes pelo sul saíram navegando: cruzes para as agonias, cruzes peludas e afiadas, cruzes com ganchos de réptil, cruzes salpicadas de pústulas, cruzes como pernas de aranha, sombrias cruzes caçadoras.
  • 16. Solo le Pido a Dios Sólo le pido a Dios Que el dolor no me sea indiferente, Que la reseca muerte no me encuentre Vacío y solo sin haber hecho lo suficiente Só peço a Deus Que a dor não me seja indiferente Que a seca morte não me encontre Vazio e só sem ter feito o suficiente
  • 17. Sólo le pido a Dios Que la guerra no me sea indiferente, Es un monstruo grande y pisa fuerte Toda la pobre inocencia de la gente Só peço a Deus Que a guerra não me seja indiferente É um monstro grande e pisa forte Em toda pobre inocência desta gente
  • 18. Sólo le pido a Dios que el futuro no me sea indiferente, Desahuciado está el que tiene que marchar A vivir una cultura diferente. Só peço a Deus que o futuro não me seja indiferente, Desiludido está o que tem que marchar Para viver uma cultura diferente.
  • 19. Os libertadores “Os libertadores” são, segundo Neruda, os que promoveram a liberdade do homem e a libertação da América Latina, desde os heróis da resistência à colonização até os heróis contemporâneos (...)”
  • 20. “O propósito de Neruda foi compor uma crônica da América que mostrasse o enfrentamento permanente entre opressores e libertadores, e, ao mesmo tempo, que servisse para iluminar e incitar os oprimidos a conquistar sua definitiva independência. Poesia mítica, utilitária, combativa, que se põe a serviço de uma causa.” (Adriane Vidal)
  • 21. Castro Alves do Brasil Castro Alves do Brasil, para quem cantaste? Para a flor cantaste? Para a água cuja formosura diz palavras às pedras? Cantaste para os olhos para o perfil recortado da que então amaste? Para a primavera? (...)
  • 22. - Cantei para os escravos, eles sobre os navios, como um cacho escuro da árvore da ira viajaram, e no porto se dessangrou o navio deixando-nos o peso de um sangue roubado. (...) - Cantei naqueles dias contra o inferno, contra as afiadas línguas da cobiça, contra o ouro empapado de tormento, contra a mão que empunhava o chicote, contra os dirigentes de trevas.
  • 23. - Eu quis que do homem nos salvássemos, eu cria que a rota passasse pelo homem, e que daí tinha de sair o destino. Cantei para aqueles que não tinham voz. Minha voz bateu em portas até então fechadas para que, combatendo, a liberdade entrasse.
  • 24. Castro Alves do Brasil, hoje que o teu livro puro torna a nascer para a terra livre, deixa-me a mim, poeta da nossa América, coroar a tua cabeça com os louros do povo. Tua voz uniu-se à eterna e alta voz dos homens. Cantaste bem. Cantaste como se deve cantar. Páginas 121-122
  • 25. Recabarren (1921) Seu nome era Recabarren. Bonachão, corpulento, espaçoso, claro olhar, cara firme, sua vasta compostura cobria, como a areia numerosa, as jazidas da força. (...)
  • 26. Ali chegou com seus panfletos este capitão do povo. Pegou o solitário ofendido que, enrolando suas mantas rotas em seus filhos famintos, aceitava as injustiças encarniçadas, e lhe disse: “Junta tua voz a outra voz”, “Junta tua mão a outra mão”. (...)
  • 27. Organizou as soledades. Levou os livros e os cantos até os muros do terror, juntou uma queixa a outra queixa, e o escravo sem voz nem boca, o extenso sofrimento, se fez nome, se chamou Povo Proletariado, Sindicato, ganhou pessoa e postura. Páginas 143 - 147
  • 28. Volver a los 17 – Violeta Parra
  • 29. Volver a los diecisiete después de vivir un siglo Es como descifrar signos sin ser sabio competente, Volver a ser de repente tan frágil como un segundo Volver a sentir profundo como un niño frente a dios Eso es lo que siento yo en este instante fecundo. Voltar aos 17 depois de viver um século É como decifrar sinais sem ser sábio competente Voltar a ser de repente tão frágil como um segundo Voltar a sentir profundo como um menino diante de Deus Isso é o que sinto neste instante fecundo
  • 30. Vai se envolvendo, envolvendo Como no muro a hera E vai brotando, brotando Como o musgo na pedra Como o musgo na pedra, ai sim, sim, sim. Vai se envolvendo, envolvendo Como no muro a hera E vai brotando, brotando Como o musgo na pedra Como o musgo na pedra, ai sim, sim, sim.
  • 31. Mi paso retrocedido cuando el de ustedes avanza El arco de las alianzas ha penetrado en mi nido Con todo su colorido se ha paseado por mis venas Y hasta la dura cadena con que nos ata el destino Es como un diamante fino que alumbra mi alma serena. Meu passo retrocede quando o de vocês avança O arco das alianças penetrou em meu ninho Com todo seu colorido passeou por minhas veias E até a dura corrente com a qual nos prende o destino É como um diamante fino que ilumina minha alma serena
  • 32. Lo que puede el sentimiento no lo ha podido el saber Ni el más claro proceder, ni el más ancho pensamiento Todo lo cambia al momento cual mago condescendiente Nos aleja dulcemente de rencores y violencias Solo el amor con su ciencia nos vuelve tan inocentes. O que pode o sentimento não o pode o saber Nem o mais claro proceder, nem o maior dos pensamentos Tudo o muda num momento qual mago condescendente Nos afasta docemente de rancores e violências Só o amor com sua ciência nos torna tão inocentes
  • 33. “Volver a los 17, quem sabe, significaria voltar a ter esperanças nos verdes anos, quando não mais se é quem é. Mas foram tantas as mudanças, tantos os pequenos e grandes fatos ocorridos, que um relance de olhos não distingue no tempo a dor suprema pela qual se deixou abater” Theotonio de Paiva
  • 34. V – A AREIA TRAÍDA Por isso te falarei destas dores que quisera afastar, te obrigarei a viver uma vez mais entre suas queimaduras, não para nos determos coma numa estação, ao partir, nem tampouco para golpear com o rosto a terra . nem para enchermos o coração de água salgada, mas para caminhar conhecendo, para tocar a retidão com decisões infinitamente carregadas de sentido, para que a severidade seja uma condição da alegria, para que assim sejamos invencíveis. Página 161
  • 35. Os mortos da praça (28 de janeiro de 1946, Santiago do Chile) Eu não venho chorar aqui onde tombaram: venho a vós, acudo aos que vivem. Acudo a ti e a mim e em teu peito bato. Antes outros tombaram. Lembras? Sim, lembras. Outros que os mesmos nomes e sobrenomes tiveram. (...)
  • 36. (...) outros que se chamavam Antonio como tu e que eram como tu pescadores ou ferreiros: carne do Chile, rostos cicatrizados pelo vento, martirizados pelo pampa, firmados pelo sofrimento. Páginas 200 - 201
  • 37. Os Massacres (...) e a morte do povo foi como sempre tem sido: como se não morresse ninguém, nada, como se fossem pedras que caem sobre a terra, ou água sobre água.
  • 38. No meio da praça foi o crime. Não escondeu o matagal o sangue puro do povo, nem o tragou a areia do pampa. Ninguém escondeu este crime. O crime foi no meio da Pátria. Páginas 201 - 202
  • 39. Os Inimigos Aqui eles trouxeram os fuzis repletos de pólvora, eles comandaram o acerbo extermínio, eles aqui encontraram um povo que cantava, um povo por dever e por amor reunido, e a delgada menina caiu com a sua bandeira, e o jovem sorridente girou a seu lado ferido, e o estupor do povo viu os mortos tombarem com fúria e dor. Página 204
  • 40. SEMPRE Ainda que as passadas toquem mil anos este lugar, não apagarão o sangue dos que aqui tombaram. E não se extinguirá a hora em que tombastes, ainda que milhares de vozes cruzem este silêncio. A chuva há de empapar as pedras da praça, mas não apagará vossos nomes de fogo.
  • 41. Mil noites cairão com as suas asas escuras, sem destruir o dia que esperam estes mortos. O dia que esperamos ao longo do mundo tantos homens, o dia final do sofrimento. Um dia de justiça conquistada na luta, e vós, irmãos tombados, em silêncio, estareis conosco nesse vasto dia da luta final, nesse dia imenso. Página 206
  • 42. Canto X – O Fugitivo (1948) “Pela alta noite, pela vida inteira, de lágrima a papel, de roupa em roupa, andei nestes dias angustiados. Fui o fugitivo da polícia: na hora de cristal, na mata de estrelas solitárias, cruzei cidades, bosques, chácaras, portos, da porta de um ser humano a outro, da mão de um ser a outro ser, a outro ser”
  • 43. Uma vez a uma casa, na campina, cheguei à noite, a ninguém antes daquela noite havia visto, nem adivinhado aquelas existências. (...) Entrei, eram cinco da família: todos como na noite dum incêndio se haviam levantado. (...) Apertei uma e outra mão, vi um rosto e outro rosto, que nada me diziam: eram portas que antes não vi na rua, olhos que não conheciam meu rosto, e na alta noite, apenas recebido, me entreguei ao cansaço, para adormecer a angústia de minha pátria.
  • 44. “Vive o chileno entre lixeira e vendaval, escuro filho da dura Pátria. Vidraças despedaçadas, tetos partidos, paredes aniquiladas, cal leprosa, porta enterrada, piso de barro, sujeitando-se apenas ao vestígio do solo.”
  • 45. “Assim, pois, de noite em noite, aquela longa hora, a treva mergulhada em todo o litoral chileno, fugitivo passei de porta em porta” (...)
  • 46. “Para mim era o segredo: estava para mim palpitando, era nas zonas do carvão, empapadas pelo martírio, era nos portos da costa junto ao antártico arquipélago, era, escuta, talvez nessa rua sonora, entre a música do meio-dia das ruas, ou junto ao parque essa janela que ninguém distinguiu entre as outras janelas, e que me esperava com um prato de sopa clara e o coração sobre a mesa”
  • 47. “Não sou um sino de tão longe, nem um cristal enterrado tão profundo que não possas decifrar, sou apenas povo, porta escondida, pão escuro, e quando me recebes, recebes a ti mesmo, a esse hóspede tantas vezes batido e tantas vezes Renascido”
  • 48. “Não me sinto só na noite, na escuridão da terra. Sou povo, povo inumerável. Tenho em minha voz a força pura para atravessar o silêncio e germinar nas trevas. Morte, martírio, sombra, gelo, cobrem de repente a semente. E o povo parece enterrado. Mas o milho volta à terra”