SlideShare uma empresa Scribd logo
ANHANGUERA EDUCACIONAL
NOME DA UNIDADE
NOME DO CURSO
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO:
Subtítulo (se houver)
LOCAL
ANO
AUTOR(ES)
TÍTULO DO TRABALHO:
subtítulo (se houver)
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado
ao curso de Nome do Curso da Nome da
Instituição requisito parcial à obtenção do
título de Bacharel ou Licenciatura em
Formação.
Orientador(a): Nome do Orientador.
LOCAL
ANO
AUTOR (ES)
TÍTULO DO TRABALHO:
subtítulo (se houver)
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado
ao curso de Nome do Curso da Nome da
Instituição como requisito parcial à obtenção
do título de Bacharel ou Licenciatura em
Formação.
Cidade, ____ de ______________de ANO.
_________________________________
Nome do Orientador
Instituição
titulação
_________________________________
Examinador (banca)
Instituição
titulação
_________________________________
Examinador (banca)
Instituição
titulação
A dedicatória é opcional, mas geralmente
é um momento especial de expressar o
reconhecimento por alguma pessoa que,
de forma especial, foi um auxílio para
você durante o processo de construção
do trabalho.
Clique AQUI Para Baixar
Esse Modelo em Word
AGRADECIMENTOS
A sequência de agradecimentos fica a critério do autor do trabalho;
A sugestão é que se inicie com a gratidão a Deus, à instituição, ao orientador e as
demais pessoas que contribuíram para que o trabalho fosse possível.
A epígrafe, apesar de opcional, é o
momento de evidenciar uma frase ou
pensamento que identifica com a temática
da pesquisa. Seguido pelo nome do autor
da frase no canto direito.
(Autor ou Autor desconhecido)
RESUMO
O resumo é redigido pelo próprio autor, composto de uma sequência de frases
concisas e afirmativas. Inicie com uma frase significativa descrevendo para o leitor a
idéia do que trata o trabalho. Desta forma, o resumo deve fornecer informações
sobre o tema, o problema e o objetivo da pesquisa, a seguir apresente o método, os
resultados e as considerações finais. O resumo completo deve estar em um único
parágrafo. É importante ressaltar que o trabalho será inicialmente conhecido pelo
resumo aqui escrito, portanto, ele deve ser fidedigno ao trabalho desenvolvido. O
espaço entre as linhas é simples (1,0 cm). Depois do término do resumo dê dois
espaços e escreva as palavras-chave, que devem ser representativas do conteúdo
do trabalho. Escreva de três a seis palavras chave, com a primeira letra em
maiúscula e separada por um ponto final. Após o resumo segue sua tradução em
língua inglesa (Abstract). Uma dica importante é a de que um texto inicial bem
escrito pode influenciar, e muito, no interesse do leitor pela obra apresentada.
Palavras-Chave: Metodologia científica. Resumo. Pesquisa.
ABSTRACT
The summary is written by the author himself, composed of a sequence of concise
sentences and statements. Start with a meaningful phrase describing to the reader
the idea of what the job is. Thus, the abstract should provide information on the topic,
the problem and the purpose of the research, then present the method, results and
final considerations. The summary must be completed in a single paragraph.
Importantly, the work will be initially known by the summary written here, so it should
be trusted to work. The space between lines is simple (1.0 cm). After the end of the
abstract give two spaces and type the keywords, which should be representative of
the work content. Write three to six key words, with the first letter capitalized and
separated by a period. After the summary follows its translation in English (Abstract).
An important tip is that a text can influence initial well written, and very, reader
interest in the work presented.
Keywords: Scientific methodology. Abstract. Search.
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
FIGURA 1 - Título da figura...................................................................................00
FIGURA 2 - Título da figura...................................................................................00
GRÁFICO 1 - Título do gráfico..............................................................................00
GRÁFICO 2 - Título do gráfico..............................................................................00
QUADRO 1 - Título do quadro ..............................................................................00
QUADRO 2 - Título do quadro ..............................................................................00
LISTA DE TABELAS
TABELA 1 – Título da tabela ................................................................................00
TABELA 2 – Título da tabela ................................................................................00
TABELA 3 – Título da tabela ................................................................................00
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS
AACD – Associação de Assistência à Criança Deficiente
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas
AESA – Anhanguera Educacional S.A.
CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo
FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos
IBGE – Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial
TCC – Trabalho de Conclusão de Curso
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................00
2 DESENVOLVIMENTO.......................................................................................00
2.1 Entendendo a monografia...........................................................................00
2.2 Tipos de Monografias..................................................................................00
2.3 Etapas da Monografia .................................................................................00
2.4 Construção dos Capítulos...........................................................................00
2.5 Coleta de Dados .........................................................................................00
2.6 Resultados ..................................................................................................00
2.7 Apresentação dos Dados............................................................................00
2.7.1 Tabelas..............................................................................................00
2.7.2 Quadros.............................................................................................00
2.7.3 Gráficos .............................................................................................00
2.7.4 Figura.................................................................................................00
3 METODOLOGIA ................................................................................................00
4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS ...........................................................00
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS...............................................................................00
REFERÊNCIAS.....................................................................................................00
APÊNDICE............................................................................................................00
ANEXO .................................................................................................................00
12
1 INTRODUÇÃO
A introdução deve ser iniciada com uma breve contextualização.
Contextualizar é escrever sobre o assunto num aspecto mais geral e depois delimitar
o tema que deseja desenvolver no trabalho. A escrita deve ser clara, objetiva e
jamais na primeira pessoa. Leia sobre seu tema e anote as frases, ou ideias que
deseja usar no trabalho para confirmar e embasar o que está investigando. Use
referências (citações diretas e indiretas) no texto sempre que achar necessário; não
há um critério de quantas referências se deve ter, mas use somente aquelas
estritamente pertinentes, que terão o objetivo de confirmar ou confrontar o que está
pesquisando com o que outros já pesquisaram.
É importante permitir ao leitor ter uma ideia geral sobre o cenário em que a
pesquisa se insere. Uma estratégia interessante é redigir, nos primeiros parágrafos,
os temas mais gerais para então, aos poucos, chegar ao tema principal. Na
introdução deve ficar claro o problema a ser investigado, os objetivos da pesquisa e
sua justificativa, a qual indicará a importância e a relevância em desenvolvê-la.
O último parágrafo da introdução deve descrever a estrutura da monografia. É
neste ponto que se apresenta o que foi tratado em cada capítulo do documento.
13
2 DESENVOLVIMENTO
Em primeiro lugar, deve-se observar que ao iniciar um capítulo não é correto
apresentar a primeira seção deste, sem antes, redigir ao menos um parágrafo
explicativo sobre o capítulo.
2.1 Entendendo a Monografia
A palavra monografia pode ser definida como um estudo aprofundado de um
determinado assunto e realizado a partir de uma sequência de metodologias. Todo o
seu conteúdo discorre sobre um determinado tema que tem, como função
direcionada, a uma questão específica de modo a inferir no conhecimento de um
determinado grupo de pessoas. Acevedo e Nohara (2004) definem monografia como
sendo pesquisas relacionadas à geração ou validação de conhecimento científico e,
por isso, preocupam-se com fatos da realidade empírica, ou seja, tudo o que existe
no universo e pode ser conhecido por meio da experiência. Segundo Marion, et al
(2002), monografia é a arte de redigir cientificamente sobre um problema específico
de determinado assunto. É um trabalho intelectual de um estudante que lê, levanta
os dados, reflete e interpreta um tema específico. Marconi e Lakatos (2005) definem
monografia como a descrição especial de determinada parte de uma ciência
qualquer, trabalho escrito que trata especialmente de determinado ponto da ciência,
da arte, da história, etc. Trata-se, portanto, de um estudo sobre um tema especifico
ou particular, com suficiente valor representativo que obedece uma determinada
metodologia.
Investiga determinado assunto não só em profundidade, mas também em
todos os seus ângulos ou aspectos, dependendo dos fins a que se destina.
A monografia geralmente aborda um assunto específico de acordo com sua
relevância, sendo elaborada de maneira sistemática e organizada, visando a uma
melhor construção das idéias e conceitos expostos e construídos. A monografia se
baseia em fatos ou ainda conceitos, devendo-se fundamentar o assunto de modo a
que se obtenha uma coerência e relevância científica e/ou filosófica. Para tanto, a
monografia necessita ser elaborada a partir do embasamento existente em
bibliografias, que irão fundamentá-la ou ainda a partir de resultados práticos de
14
pesquisa científica, como um modo de apresentação, racionalização e discussão dos
mesmos.
2.2 Tipos de Monografias
Durante um curso de graduação, normalmente se produzem vários tipos de
monografias. Serão exemplificados aqui três tipos principais: análise teórica, análise
teóricoempírica e estudo de caso.
a) Análise teórica:
- Uma organização coerente de idéias, extraídas de uma pesquisa
bibliográfica de alto nível;
- Análise crítica ou comparativa de uma obra, teoria ou modelo já existente,
a partir de um esquema conceitual bem definido;
- Um trabalho inovador, com base em pesquisas exclusivamente
bibliográficas;
- Apresentará dados referentes a pesquisas realizadas por outros autores
e/ou publicadas pelo próprio autor da monografia.
b) Análise teórico-empírica:
- Análise interpretativa de dados primários em torno de um tema, com apoio
bibliográfico;
- Teste de hipóteses, modelos ou teorias, a partir de dados primários e
secundários;
- Um trabalho inovador, a partir de dados primários, com pesquisa de
campo ou laboratoriais;
- Contém dados oriundos de pesquisas de campo ou de documentos
originais com suas respectivas experimentações e comprovações
(pesquisa).
c) Estudo de caso:
- Requer um estudo detalhado de um caso real, com definição e teste de
hipótese(s) e uma fundamentação teórica.
15
2.3 Etapas da Monografia
Revisão de literatura
A revisão de literatura é a etapa do trabalho que permite que o autor se
aprofunde sobre o objeto de estudo, e tem como conseqüência maior entendimento
sobre o problema, bem como maior clareza para a formulação das hipóteses.
Segundo Acevedo e Nohara (2004, p. 6):
[...] o pesquisador deve assegurar-se que abordou no texto os seguintes
aspectos: 1) o que os estudos anteriormente relatam sobre esse fenômeno?
2) quais as teorias relacionadas a esse fenômeno? 3) quais as lacunas na
literatura relacionadas ao fenômeno? 4) quais as escolhas metodológicas
utilizadas para explorar o fenômeno? 5) quais as formas e os constructos,
as variáveis e as definições operacionais utilizadas no trabalho?
A revisão bibliográfica não é lugar para opiniões sobre o objeto investigado.
No entanto, o capítulo da discussão é a seção recomendada para que o autor
analise e interprete os dados. O desenvolvimento da argumentação pode ser
organizado em capítulos que variam em função da natureza do assunto tratado e
dos procedimentos adotados na coleta de dados, conforme a necessidade do plano
definitivo da obra. Há várias formas de organizar o material coletado. Um
procedimento é demonstrar cada hipótese num determinado capítulo. A conclusão
pode (deve) vir ao final de cada capítulo ou ao longo da argumentação.
2.4 Construção dos Capítulos
Os capítulos são construídos na ordem lógica de argumentação ou explicação
obtidos das leituras e pesquisas de campo ou laboratoriais. As idéias e reflexão do
tema conduzirão naturalmente à discussão e conclusão. Os capítulos devem ser
temáticos e expressivos, ou seja, dar a idéia exata do conteúdo do setor que
intitulam. Em regra geral, a quantidade de capítulos é determinada pelo(a) autor(a)
ou por sugestão do(a) orientador(a). Não há uma regra específica quanto à
determinação dos capítulos que deverão compor a monografia.
São as leituras, as orientações com o professor orientador e o
aprofundamento do conhecimento sobre o tema que lhe ajudarão a definir a
quantidade de capítulos do seu trabalho.
16
Os capítulos surgem da exigência de logicidade e da necessidade de clareza
e não de um critério puramente espacial. Não basta enumerar simetricamente os
vários capítulos, é preciso que haja subtítulos portadores de sentido.
2.5 Coleta de Dados
A coleta pode ser feita através de pesquisas teóricas, questionários,
observações, registro em planilhas específicas a cada objetivo de pesquisa e outros
critérios pré-definidos. A coleta de dados exige sempre um bom planejamento, que é
justamente o que deve estar contido na metodologia do projeto. Procure elaborar os
questionários e roteiros de entrevistas com antecedência e discuti-los com o
orientador antes da aplicação no campo de pesquisa.
Os questionários podem apresentar questões abertas ou fechadas, podem
ser de múltipla escolha, de alternativas fixas ou de escala. Na maioria dos casos,
devido à impossibilidade de se trabalhar com todo o “grupo-alvo” é necessário que
se faça uma pesquisa por amostragem. Os dados coletados no campo, por você ou
pelo seu grupo, são chamados de dados “primários”. Esses dados podem referir-se,
por exemplo, a uma pesquisa de demanda ou de oferta de um determinado serviço
ou produto, a um diagnóstico da região no qual são levantados e analisados fatores
de contexto social, econômico, cultural, ambiental etc. É muito importante que você
comente e discuta as informações obtidas de fontes primárias ou secundárias. Ou
seja, espera-se que a monografia não seja simplesmente descritiva, mas que
contenha a análise dos autores sobre as informações coletadas.
Outra forma de coletar dados são os livros, revistas, jornais e artigos na
internet relacionados ao tema. Estes são chamados de fontes “secundárias”. É
sempre bom lembrar que as informações provenientes das fontes secundárias não
devem ser organizadas como uma “colcha de retalhos”, ou seja, um simples
aglomerado de parágrafos sobre o tema tratado.
É importante também que se faça uma pré-leitura do material coletado, isso
possibilitará uma primeira seleção das obras que passarão pela leitura seletiva. Na
leitura seletiva serão localizadas as obras ou capítulos que contém informações úteis
para o trabalho em questão. A leitura crítica ou reflexiva permite a apreensão das
idéias contidas no texto. São necessárias muitas leituras, para destacar o
indispensável, o complementar e o desnecessário no texto lido.
17
A apresentação dos dados coletados inclui gráficos, tabelas, quadros, mapas
e demais ilustrações que evidenciam ou esclarecem toda questão levantada. A
opção pelo tipo de ilustração vai depender das características dos dados a serem
apresentados.
2.6 Resultados
Lembre-se, se seu estudo envolve apenas pesquisa bibliográfica, este tópico
deve ser utilizado para fazer confronto entre idéias de autores ou teóricos utilizados
na construção da revisão.
Para as outras pesquisas, nesta parte você organiza os dados obtidos em sua
pesquisa de campo ou laboratorial. Para a apresentação dos resultados você pode
usar recursos como: índices, cálculos estatísticos, tabelas, quadros e gráficos, com
uma descrição panorâmica dos dados levantados. Para tanto, deve ter uma redação
objetiva, exata e precisa. Se for longo, pode ser dividido em tópicos. Segundo
Acevedo e Nohara (2004), alguns passos para a elaboração dos resultados são:
 Mencionar novamente (mas brevemente) como foi mensurado o
fenômeno em questão;
 Comunicar de forma resumida a resposta para a pergunta;
 Apresentar as estatísticas descritivas e os níveis de significância
estatísticos (se for uma pesquisa quantitativa);
 Descrever quais foram os comportamentos observados;
 Apresentar tabelas, gráficos, ou figuras com os dados relevantes;
 Elaborar um resumo para situar o leitor.
2.7 Apresentação dos Dados
As ilustrações são importantes formas de demonstrar os dados produzidos
pela pesquisa prática, mas também pode servir para fixar melhor um conceito ou
esclarecer alguma temática. As ilustrações mais comuns em trabalhos científicos
são: quadros, tabelas, gráficos, figuras ou outras formas que comumente são
chamadas de “ilustrações”. Não é necessário que todo trabalho deva ter uma tabela,
ou quadro. Porém, se for colocada, deve obedecer ao padrão aqui apresentado.
Deve ter um título, que sempre virá na parte superior quando for tabela e na parte
18
inferior quando for ilustração, gráficos e símbolos. As letras são normais para o
título, ou seja, tamanho da fonte 12. Abaixo da tabela, ilustração, gráfico ou símbolo,
a fonte de onde foi retirada precisa ser escrita com letra no tamanho 10. Se os
quadros, tabelas, gráficos, figuras e símbolos, forem resultados da própria pesquisa,
simplesmente não coloque nada. Devem aparecer as linhas da grade e não mude o
estilo da borda ou espessura dessas linhas, se necessário pode usar cores ou
legendas.
2.7.1 Tabelas
As tabelas são constituídas de mais de três colunas e geralmente são usadas
para comparativos estatísticos.
Tabela 1 - Título da Tabela
Situação Fator 1 Fator 2 Total
X 59 595 332 58 364 969 117 960 301
Y 41 115 439 38 857 492 79972931
Z 18 479 890 19 507 477 37987367
Fonte:
2.7.2 Quadros
Os quadros são constituídos por uma ou mais colunas.
Quadro 1 - Título do Quadro
Programa Operações Recursos Produto Prazo Resultado
Projeto 1
Projeto 2
Projeto 3
Fonte:
19
2.7.3 Gráficos
Gráfico 1 - Título do Gráfico
Fonte:
2.7.4 Figura
Figura 1 - Título da Figura
Fonte:
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
1° Trim 2° Trim 3° Trim 4° Trim
Leste
Oeste
Norte
20
3 METODOLOGIA
A Metodologia é o caminho por onde passará a pesquisa. Deve ser clara,
coerente com o tempo proposto, a viabilidade e com as técnicas que nortearão toda
a fundamentação teórico-metodológica que possibilitará a solução da problemática
levantada.
Assim, juntamente com seu professor orientador, reformule se necessário, a
Metodologia descrita no seu Projeto, deixando os procedimentos efetivamente
realizados no seu estudo. Todos os itens constantes na metodologia do Projeto
devem ser descritos aqui, porém nesse momento deve-se atentar para a escrita dos
verbos no passado, já que a pesquisa já foi realizada. Exemplo: Foram
entrevistados.
Traga também para a metodologia do TCC, os esclarecimentos necessários
sobre os aspectos éticos da pesquisa que foram trabalhados no projeto e
efetivamente executados.
Escreva com clareza as etapas desenvolvidas e os materiais utilizados, bem
como o tempo que foi necessário para a realização da pesquisa.
 Deve-se justificar e descrever o tipo de pesquisa adotado;
 Em síntese neste capítulo deve-se expor detalhadamente as etapas da
investigação suficientes para permitir sua compreensão e suas limitações.
21
5 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS
A discussão sempre remete ao problema, aos objetivos e hipóteses que foram
apresentados na introdução. Dessa forma, pode-se dizer que a discussão guarda
estreita relação com a introdução e com a revisão de literatura (ACEVEDO;
NAHORA, 2004). Nesta parte ainda confirma-se, ou não, a hipótese anunciada, e se
discutem os resultados anteriormente descritos. Seu conteúdo visa interpretar os
dados e não meramente recapitulá-los. É aqui que se apresenta a discussão e se
fazem novas afirmações com base em confirmações advindas de estudos
anteriormente realizados. Significa analisar os dados expostos no capítulo de
resultados e relacioná-los com as pesquisas anteriores apresentadas na revisão
bibliográfica. Na verdade, a discussão é tecida a partir da costura entre a análise
dos resultados do estudo em comparação com o referencial teórico.
Alguns pontos a considerar:
 Ressaltar as evidências que esclareçam cada questão levantada através
das análises quantitativas e /ou qualitativas, das informações e dados
obtidos;
 Em face dos achados, testar as hipóteses formuladas;
 Evidenciar os resultados em atenção aos objetivos propostos.
22
6 CONCLUSÃO
Neste capítulo são retomados o problema e os objetivos da pesquisa para
sintetizar as ideias principais que representam o resultado de toda a pesquisa. Estas
deverão ser claras e objetivas.
A conclusão consiste na recapitulação do conteúdo, autocrítica em relação à
pesquisa, sugestões de aspectos a serem ainda pesquisados. O autor deve
manifestar seu ponto de vista sobre os resultados obtidos, sobre o alcance dos
mesmos.
Pode-se incluir as possibilidades de trabalhos futuros que derivem da
pesquisa realizada.
23
REFERÊNCIAS
ANHANGUERA EDUCACIONAL. Manual para Elaboração de Trabalhos
Acadêmicos. Disponível em:
<http://www.unianhanguera.edu.br/anhanguera/bibliotecas/normas_bibliograficas/ind
ex.html>. Acesso em: 09 mar. 2013.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023. Informação e
documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.
______. NBR 10520. Informação e documentação: citações em documentos:
apresentação. Rio de Janeiro, 2002.
______. NBR 14724. Informação e documentação: trabalhos acadêmicos:
apresentação. Rio de Janeiro, 2005.
ECO, Umberto. Como se faz uma tese em ciências humanas. 5. ed. Lisboa,
Editorial Presença, 1991. 174 p.
FRANÇA, J. L. Manual para normalização de publicações técnico-científicas.
Belo Horizonte: UFMG, 1990. 256 p.
24
APÊNDICES
APÊNDICE A – Título do Anexo
25
ANEXOS
ANEXO A – Título do Anexo
MODELO DISPONÍVEL EM:
www.portfolioead.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anhanguera - Atividade 1 e 2 do tcc
Anhanguera - Atividade 1 e 2 do tccAnhanguera - Atividade 1 e 2 do tcc
Anhanguera - Atividade 1 e 2 do tcc
mkbariotto
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
Portal do Vestibulando
 
Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)
Fernanda Câmara
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
denisecgomes
 
Modelo pre projeto- tcc-
Modelo pre projeto- tcc-Modelo pre projeto- tcc-
Modelo pre projeto- tcc-
Rosane Domingues
 
aula de tcc: estrutura da introdução e conclusão
aula de tcc: estrutura da introdução e conclusãoaula de tcc: estrutura da introdução e conclusão
aula de tcc: estrutura da introdução e conclusão
Lordde Pinda
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
Felipe Pereira
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Resenha de artigo para estudantes
Resenha de artigo para estudantesResenha de artigo para estudantes
Resenha de artigo para estudantes
Jose Roberto Batista da Silva
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
RafaelBorges3
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
Giselle Coutinho
 
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICAEXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
Larissa Gomes
 
061 relatorio modelo
061 relatorio modelo061 relatorio modelo
061 relatorio modelo
Marcos Azevedo
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
joiramara
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
Diego Moura
 
Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)
Jerfson Abreu Brito
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
Denise
 

Mais procurados (20)

Anhanguera - Atividade 1 e 2 do tcc
Anhanguera - Atividade 1 e 2 do tccAnhanguera - Atividade 1 e 2 do tcc
Anhanguera - Atividade 1 e 2 do tcc
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
 
Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)Artigo cientifico (como fazer)
Artigo cientifico (como fazer)
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
 
Modelo pre projeto- tcc-
Modelo pre projeto- tcc-Modelo pre projeto- tcc-
Modelo pre projeto- tcc-
 
aula de tcc: estrutura da introdução e conclusão
aula de tcc: estrutura da introdução e conclusãoaula de tcc: estrutura da introdução e conclusão
aula de tcc: estrutura da introdução e conclusão
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
 
Modelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientificoModelo de artigo cientifico
Modelo de artigo cientifico
 
Resenha de artigo para estudantes
Resenha de artigo para estudantesResenha de artigo para estudantes
Resenha de artigo para estudantes
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
 
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICAEXEMPLO DE RESENHA CRITICA
EXEMPLO DE RESENHA CRITICA
 
061 relatorio modelo
061 relatorio modelo061 relatorio modelo
061 relatorio modelo
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
 
Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)Slide relatório (estrutura)
Slide relatório (estrutura)
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
 

Destaque

Normas TCC faculdade Anhanguera
Normas TCC faculdade Anhanguera Normas TCC faculdade Anhanguera
Normas TCC faculdade Anhanguera
Rogerio Sena
 
Fazer pesquisa é um problema
Fazer pesquisa é um problemaFazer pesquisa é um problema
Fazer pesquisa é um problema
Marcia Gomes
 
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Alisson Martins
 
Fernando marcio capanema pereira tcc nuteds 09.07 atual fernando maciel
Fernando marcio capanema pereira   tcc nuteds 09.07 atual fernando macielFernando marcio capanema pereira   tcc nuteds 09.07 atual fernando maciel
Fernando marcio capanema pereira tcc nuteds 09.07 atual fernando maciel
fernando capanema pereira
 
Tcc relatório de análise estratégica baseado na metodologia do
Tcc   relatório de análise estratégica baseado na metodologia doTcc   relatório de análise estratégica baseado na metodologia do
Tcc relatório de análise estratégica baseado na metodologia do
Fran Rozo
 
Tcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia PositivaTcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia Positiva
Fábio Munhoz
 
A psicologia positiva e o inquérito apreciativo no coaching executivo. Maria ...
A psicologia positiva e o inquérito apreciativo no coaching executivo. Maria ...A psicologia positiva e o inquérito apreciativo no coaching executivo. Maria ...
A psicologia positiva e o inquérito apreciativo no coaching executivo. Maria ...
Fábio Munhoz
 
Manual tcc nova metodologia
Manual tcc nova metodologiaManual tcc nova metodologia
Manual tcc nova metodologia
netinhasites
 
Educação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogiaEducação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogia
Mariana Dias
 
Tcc anhanguera a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc anhanguera   a dificuldade no ensino de leitura na educaçãoTcc anhanguera   a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc anhanguera a dificuldade no ensino de leitura na educação
mkbariotto
 
Apresentação de TCC de Tiago Bartz Schneider - Administração/UFSM -
Apresentação de TCC de Tiago Bartz Schneider  - Administração/UFSM - Apresentação de TCC de Tiago Bartz Schneider  - Administração/UFSM -
Apresentação de TCC de Tiago Bartz Schneider - Administração/UFSM -
Tiago Bartz Schneider
 
ApresentaçAo De Tcc Modelo
ApresentaçAo De Tcc ModeloApresentaçAo De Tcc Modelo
ApresentaçAo De Tcc Modelo
Lindaeloka
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
professsorcarlinho
 

Destaque (13)

Normas TCC faculdade Anhanguera
Normas TCC faculdade Anhanguera Normas TCC faculdade Anhanguera
Normas TCC faculdade Anhanguera
 
Fazer pesquisa é um problema
Fazer pesquisa é um problemaFazer pesquisa é um problema
Fazer pesquisa é um problema
 
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
Padrão de trabalho desafio profissional matemática e processos gerenciais 2014
 
Fernando marcio capanema pereira tcc nuteds 09.07 atual fernando maciel
Fernando marcio capanema pereira   tcc nuteds 09.07 atual fernando macielFernando marcio capanema pereira   tcc nuteds 09.07 atual fernando maciel
Fernando marcio capanema pereira tcc nuteds 09.07 atual fernando maciel
 
Tcc relatório de análise estratégica baseado na metodologia do
Tcc   relatório de análise estratégica baseado na metodologia doTcc   relatório de análise estratégica baseado na metodologia do
Tcc relatório de análise estratégica baseado na metodologia do
 
Tcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia PositivaTcc: Psicologia Positiva
Tcc: Psicologia Positiva
 
A psicologia positiva e o inquérito apreciativo no coaching executivo. Maria ...
A psicologia positiva e o inquérito apreciativo no coaching executivo. Maria ...A psicologia positiva e o inquérito apreciativo no coaching executivo. Maria ...
A psicologia positiva e o inquérito apreciativo no coaching executivo. Maria ...
 
Manual tcc nova metodologia
Manual tcc nova metodologiaManual tcc nova metodologia
Manual tcc nova metodologia
 
Educação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogiaEducação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogia
 
Tcc anhanguera a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc anhanguera   a dificuldade no ensino de leitura na educaçãoTcc anhanguera   a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc anhanguera a dificuldade no ensino de leitura na educação
 
Apresentação de TCC de Tiago Bartz Schneider - Administração/UFSM -
Apresentação de TCC de Tiago Bartz Schneider  - Administração/UFSM - Apresentação de TCC de Tiago Bartz Schneider  - Administração/UFSM -
Apresentação de TCC de Tiago Bartz Schneider - Administração/UFSM -
 
ApresentaçAo De Tcc Modelo
ApresentaçAo De Tcc ModeloApresentaçAo De Tcc Modelo
ApresentaçAo De Tcc Modelo
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
 

Semelhante a Modelo de TCC faculdade Anhanguera

Wd0000047
Wd0000047Wd0000047
Wd0000047
Gildo Crispim
 
Modelo tcc 2013
Modelo tcc    2013Modelo tcc    2013
Modelo tcc 2013
Rosane Domingues
 
Tcc f9 modelo_monografia
Tcc f9 modelo_monografiaTcc f9 modelo_monografia
Tcc f9 modelo_monografia
Tatiane Andrade Dias
 
Modelo trabalho 2° ano probabilidade
Modelo trabalho 2° ano probabilidadeModelo trabalho 2° ano probabilidade
Modelo trabalho 2° ano probabilidade
André Tavares
 
Projeto x modelo para a pesquisa bibliográfica
Projeto x   modelo para a pesquisa bibliográficaProjeto x   modelo para a pesquisa bibliográfica
Projeto x modelo para a pesquisa bibliográfica
ProfessoresColeguium
 
Modelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abntModelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abnt
Arnaldo Almeida Junior
 
Modelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abntModelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abnt
Ricardo Ledier
 
Modelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abntModelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abnt
Arthur Leal
 
Modelo trabalho-normas-abnt-1
Modelo trabalho-normas-abnt-1Modelo trabalho-normas-abnt-1
Modelo trabalho-normas-abnt-1
Cynttya Helen Rodrigues
 
modelo_dissertacao_Latex.pdf
modelo_dissertacao_Latex.pdfmodelo_dissertacao_Latex.pdf
modelo_dissertacao_Latex.pdf
ViverLibras
 
3 manual-para-elaboracao-de-tcc
3 manual-para-elaboracao-de-tcc3 manual-para-elaboracao-de-tcc
3 manual-para-elaboracao-de-tcc
Lima Pedagoga
 
Apresentação de um trabalho
Apresentação de um trabalhoApresentação de um trabalho
Apresentação de um trabalho
beaneves
 
Normas Acadêmicas FATEC
Normas Acadêmicas FATECNormas Acadêmicas FATEC
Normas Acadêmicas FATEC
César Augusto Fernandes
 
Normas da ABNT
Normas da ABNTNormas da ABNT
Normas da ABNT
eef-fps
 
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCCEtapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
UFMA e UEMA
 
Texto seminário
Texto seminárioTexto seminário
Texto seminário
UNIPÊ
 
Anexo unopar
Anexo unoparAnexo unopar
Anexo unopar
tiago possi
 
Manual de TCC Unopar
Manual  de TCC UnoparManual  de TCC Unopar
Manual de TCC Unopar
Fabio Frossard
 
Manual Abnt 3
Manual Abnt 3Manual Abnt 3
Manual Abnt 3
Robson Silva Espig
 
Normas da ABNT
Normas da ABNTNormas da ABNT
Normas da ABNT
eef-fps
 

Semelhante a Modelo de TCC faculdade Anhanguera (20)

Wd0000047
Wd0000047Wd0000047
Wd0000047
 
Modelo tcc 2013
Modelo tcc    2013Modelo tcc    2013
Modelo tcc 2013
 
Tcc f9 modelo_monografia
Tcc f9 modelo_monografiaTcc f9 modelo_monografia
Tcc f9 modelo_monografia
 
Modelo trabalho 2° ano probabilidade
Modelo trabalho 2° ano probabilidadeModelo trabalho 2° ano probabilidade
Modelo trabalho 2° ano probabilidade
 
Projeto x modelo para a pesquisa bibliográfica
Projeto x   modelo para a pesquisa bibliográficaProjeto x   modelo para a pesquisa bibliográfica
Projeto x modelo para a pesquisa bibliográfica
 
Modelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abntModelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abnt
 
Modelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abntModelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abnt
 
Modelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abntModelo trabalho-normas-abnt
Modelo trabalho-normas-abnt
 
Modelo trabalho-normas-abnt-1
Modelo trabalho-normas-abnt-1Modelo trabalho-normas-abnt-1
Modelo trabalho-normas-abnt-1
 
modelo_dissertacao_Latex.pdf
modelo_dissertacao_Latex.pdfmodelo_dissertacao_Latex.pdf
modelo_dissertacao_Latex.pdf
 
3 manual-para-elaboracao-de-tcc
3 manual-para-elaboracao-de-tcc3 manual-para-elaboracao-de-tcc
3 manual-para-elaboracao-de-tcc
 
Apresentação de um trabalho
Apresentação de um trabalhoApresentação de um trabalho
Apresentação de um trabalho
 
Normas Acadêmicas FATEC
Normas Acadêmicas FATECNormas Acadêmicas FATEC
Normas Acadêmicas FATEC
 
Normas da ABNT
Normas da ABNTNormas da ABNT
Normas da ABNT
 
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCCEtapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
Etapas do trabalho de conclusão de curso-TCC
 
Texto seminário
Texto seminárioTexto seminário
Texto seminário
 
Anexo unopar
Anexo unoparAnexo unopar
Anexo unopar
 
Manual de TCC Unopar
Manual  de TCC UnoparManual  de TCC Unopar
Manual de TCC Unopar
 
Manual Abnt 3
Manual Abnt 3Manual Abnt 3
Manual Abnt 3
 
Normas da ABNT
Normas da ABNTNormas da ABNT
Normas da ABNT
 

Mais de Rogerio Sena

Nomes estranhos da Biblia (Quiz)
Nomes estranhos da Biblia (Quiz)Nomes estranhos da Biblia (Quiz)
Nomes estranhos da Biblia (Quiz)
Rogerio Sena
 
16 Nomes gregos do novo testamento
16 Nomes gregos do novo testamento16 Nomes gregos do novo testamento
16 Nomes gregos do novo testamento
Rogerio Sena
 
36 Perguntas Daniel e Apocalipse
36 Perguntas Daniel e Apocalipse36 Perguntas Daniel e Apocalipse
36 Perguntas Daniel e Apocalipse
Rogerio Sena
 
Isaias 30 perguntas com alternativas
Isaias 30 perguntas com alternativasIsaias 30 perguntas com alternativas
Isaias 30 perguntas com alternativas
Rogerio Sena
 
Isaias 35 pergutas biblicas PPT
Isaias 35 pergutas biblicas PPTIsaias 35 pergutas biblicas PPT
Isaias 35 pergutas biblicas PPT
Rogerio Sena
 
A crianca que queria ser um smartphone
A crianca que queria ser um smartphoneA crianca que queria ser um smartphone
A crianca que queria ser um smartphone
Rogerio Sena
 
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
Rogerio Sena
 
Curiosidades do livro de Genesis PDF
Curiosidades do livro de Genesis PDFCuriosidades do livro de Genesis PDF
Curiosidades do livro de Genesis PDF
Rogerio Sena
 
43 Perguntas dia das Maes pdf
43 Perguntas dia das Maes pdf43 Perguntas dia das Maes pdf
43 Perguntas dia das Maes pdf
Rogerio Sena
 
16 Perguntas e Charadas Biblicas em pdf
16 Perguntas e Charadas Biblicas em pdf16 Perguntas e Charadas Biblicas em pdf
16 Perguntas e Charadas Biblicas em pdf
Rogerio Sena
 
39 Perguntas Biblicas com referencias PDF
39 Perguntas Biblicas com referencias PDF39 Perguntas Biblicas com referencias PDF
39 Perguntas Biblicas com referencias PDF
Rogerio Sena
 
75 Curiosidades Biblicas em PDF (Baixar no Site)
75 Curiosidades Biblicas em PDF (Baixar no Site)75 Curiosidades Biblicas em PDF (Baixar no Site)
75 Curiosidades Biblicas em PDF (Baixar no Site)
Rogerio Sena
 
Slides semana santa 2021 Tema 1 - Aplausos e lagrimas
Slides semana santa 2021 Tema 1 - Aplausos e lagrimasSlides semana santa 2021 Tema 1 - Aplausos e lagrimas
Slides semana santa 2021 Tema 1 - Aplausos e lagrimas
Rogerio Sena
 
Sermonario 10 dias de oração 2021
Sermonario 10 dias de oração 2021Sermonario 10 dias de oração 2021
Sermonario 10 dias de oração 2021
Rogerio Sena
 
01 Misterio das profecias Seguranca em um mundo de incertezas (Tema 1)
01 Misterio das profecias Seguranca em um mundo de incertezas (Tema 1)01 Misterio das profecias Seguranca em um mundo de incertezas (Tema 1)
01 Misterio das profecias Seguranca em um mundo de incertezas (Tema 1)
Rogerio Sena
 
A volta de Jesus pela constelacao de orion
A volta de Jesus pela constelacao de orionA volta de Jesus pela constelacao de orion
A volta de Jesus pela constelacao de orion
Rogerio Sena
 
Vida apos a morte (Estudo Completo)
Vida apos a morte (Estudo Completo)Vida apos a morte (Estudo Completo)
Vida apos a morte (Estudo Completo)
Rogerio Sena
 
Curso Biblico Apocalipse revelacoes de esperanca
Curso Biblico Apocalipse revelacoes de esperancaCurso Biblico Apocalipse revelacoes de esperanca
Curso Biblico Apocalipse revelacoes de esperanca
Rogerio Sena
 
Slide 01 - Semana santa 2020 (Sabado)
Slide 01 - Semana santa 2020  (Sabado)Slide 01 - Semana santa 2020  (Sabado)
Slide 01 - Semana santa 2020 (Sabado)
Rogerio Sena
 
Sermomario semana santa 2020 Portugues
Sermomario semana santa 2020 PortuguesSermomario semana santa 2020 Portugues
Sermomario semana santa 2020 Portugues
Rogerio Sena
 

Mais de Rogerio Sena (20)

Nomes estranhos da Biblia (Quiz)
Nomes estranhos da Biblia (Quiz)Nomes estranhos da Biblia (Quiz)
Nomes estranhos da Biblia (Quiz)
 
16 Nomes gregos do novo testamento
16 Nomes gregos do novo testamento16 Nomes gregos do novo testamento
16 Nomes gregos do novo testamento
 
36 Perguntas Daniel e Apocalipse
36 Perguntas Daniel e Apocalipse36 Perguntas Daniel e Apocalipse
36 Perguntas Daniel e Apocalipse
 
Isaias 30 perguntas com alternativas
Isaias 30 perguntas com alternativasIsaias 30 perguntas com alternativas
Isaias 30 perguntas com alternativas
 
Isaias 35 pergutas biblicas PPT
Isaias 35 pergutas biblicas PPTIsaias 35 pergutas biblicas PPT
Isaias 35 pergutas biblicas PPT
 
A crianca que queria ser um smartphone
A crianca que queria ser um smartphoneA crianca que queria ser um smartphone
A crianca que queria ser um smartphone
 
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
18 Curiosidades do livro de Exodo em PDF
 
Curiosidades do livro de Genesis PDF
Curiosidades do livro de Genesis PDFCuriosidades do livro de Genesis PDF
Curiosidades do livro de Genesis PDF
 
43 Perguntas dia das Maes pdf
43 Perguntas dia das Maes pdf43 Perguntas dia das Maes pdf
43 Perguntas dia das Maes pdf
 
16 Perguntas e Charadas Biblicas em pdf
16 Perguntas e Charadas Biblicas em pdf16 Perguntas e Charadas Biblicas em pdf
16 Perguntas e Charadas Biblicas em pdf
 
39 Perguntas Biblicas com referencias PDF
39 Perguntas Biblicas com referencias PDF39 Perguntas Biblicas com referencias PDF
39 Perguntas Biblicas com referencias PDF
 
75 Curiosidades Biblicas em PDF (Baixar no Site)
75 Curiosidades Biblicas em PDF (Baixar no Site)75 Curiosidades Biblicas em PDF (Baixar no Site)
75 Curiosidades Biblicas em PDF (Baixar no Site)
 
Slides semana santa 2021 Tema 1 - Aplausos e lagrimas
Slides semana santa 2021 Tema 1 - Aplausos e lagrimasSlides semana santa 2021 Tema 1 - Aplausos e lagrimas
Slides semana santa 2021 Tema 1 - Aplausos e lagrimas
 
Sermonario 10 dias de oração 2021
Sermonario 10 dias de oração 2021Sermonario 10 dias de oração 2021
Sermonario 10 dias de oração 2021
 
01 Misterio das profecias Seguranca em um mundo de incertezas (Tema 1)
01 Misterio das profecias Seguranca em um mundo de incertezas (Tema 1)01 Misterio das profecias Seguranca em um mundo de incertezas (Tema 1)
01 Misterio das profecias Seguranca em um mundo de incertezas (Tema 1)
 
A volta de Jesus pela constelacao de orion
A volta de Jesus pela constelacao de orionA volta de Jesus pela constelacao de orion
A volta de Jesus pela constelacao de orion
 
Vida apos a morte (Estudo Completo)
Vida apos a morte (Estudo Completo)Vida apos a morte (Estudo Completo)
Vida apos a morte (Estudo Completo)
 
Curso Biblico Apocalipse revelacoes de esperanca
Curso Biblico Apocalipse revelacoes de esperancaCurso Biblico Apocalipse revelacoes de esperanca
Curso Biblico Apocalipse revelacoes de esperanca
 
Slide 01 - Semana santa 2020 (Sabado)
Slide 01 - Semana santa 2020  (Sabado)Slide 01 - Semana santa 2020  (Sabado)
Slide 01 - Semana santa 2020 (Sabado)
 
Sermomario semana santa 2020 Portugues
Sermomario semana santa 2020 PortuguesSermomario semana santa 2020 Portugues
Sermomario semana santa 2020 Portugues
 

Último

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Modelo de TCC faculdade Anhanguera

  • 1. ANHANGUERA EDUCACIONAL NOME DA UNIDADE NOME DO CURSO AUTOR(ES) TÍTULO DO TRABALHO: Subtítulo (se houver) LOCAL ANO
  • 2. AUTOR(ES) TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo (se houver) Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Nome do Curso da Nome da Instituição requisito parcial à obtenção do título de Bacharel ou Licenciatura em Formação. Orientador(a): Nome do Orientador. LOCAL ANO
  • 3. AUTOR (ES) TÍTULO DO TRABALHO: subtítulo (se houver) Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Nome do Curso da Nome da Instituição como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel ou Licenciatura em Formação. Cidade, ____ de ______________de ANO. _________________________________ Nome do Orientador Instituição titulação _________________________________ Examinador (banca) Instituição titulação _________________________________ Examinador (banca) Instituição titulação
  • 4. A dedicatória é opcional, mas geralmente é um momento especial de expressar o reconhecimento por alguma pessoa que, de forma especial, foi um auxílio para você durante o processo de construção do trabalho. Clique AQUI Para Baixar Esse Modelo em Word
  • 5. AGRADECIMENTOS A sequência de agradecimentos fica a critério do autor do trabalho; A sugestão é que se inicie com a gratidão a Deus, à instituição, ao orientador e as demais pessoas que contribuíram para que o trabalho fosse possível.
  • 6. A epígrafe, apesar de opcional, é o momento de evidenciar uma frase ou pensamento que identifica com a temática da pesquisa. Seguido pelo nome do autor da frase no canto direito. (Autor ou Autor desconhecido)
  • 7. RESUMO O resumo é redigido pelo próprio autor, composto de uma sequência de frases concisas e afirmativas. Inicie com uma frase significativa descrevendo para o leitor a idéia do que trata o trabalho. Desta forma, o resumo deve fornecer informações sobre o tema, o problema e o objetivo da pesquisa, a seguir apresente o método, os resultados e as considerações finais. O resumo completo deve estar em um único parágrafo. É importante ressaltar que o trabalho será inicialmente conhecido pelo resumo aqui escrito, portanto, ele deve ser fidedigno ao trabalho desenvolvido. O espaço entre as linhas é simples (1,0 cm). Depois do término do resumo dê dois espaços e escreva as palavras-chave, que devem ser representativas do conteúdo do trabalho. Escreva de três a seis palavras chave, com a primeira letra em maiúscula e separada por um ponto final. Após o resumo segue sua tradução em língua inglesa (Abstract). Uma dica importante é a de que um texto inicial bem escrito pode influenciar, e muito, no interesse do leitor pela obra apresentada. Palavras-Chave: Metodologia científica. Resumo. Pesquisa.
  • 8. ABSTRACT The summary is written by the author himself, composed of a sequence of concise sentences and statements. Start with a meaningful phrase describing to the reader the idea of what the job is. Thus, the abstract should provide information on the topic, the problem and the purpose of the research, then present the method, results and final considerations. The summary must be completed in a single paragraph. Importantly, the work will be initially known by the summary written here, so it should be trusted to work. The space between lines is simple (1.0 cm). After the end of the abstract give two spaces and type the keywords, which should be representative of the work content. Write three to six key words, with the first letter capitalized and separated by a period. After the summary follows its translation in English (Abstract). An important tip is that a text can influence initial well written, and very, reader interest in the work presented. Keywords: Scientific methodology. Abstract. Search.
  • 9. LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - Título da figura...................................................................................00 FIGURA 2 - Título da figura...................................................................................00 GRÁFICO 1 - Título do gráfico..............................................................................00 GRÁFICO 2 - Título do gráfico..............................................................................00 QUADRO 1 - Título do quadro ..............................................................................00 QUADRO 2 - Título do quadro ..............................................................................00
  • 10. LISTA DE TABELAS TABELA 1 – Título da tabela ................................................................................00 TABELA 2 – Título da tabela ................................................................................00 TABELA 3 – Título da tabela ................................................................................00
  • 11. LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AACD – Associação de Assistência à Criança Deficiente ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas AESA – Anhanguera Educacional S.A. CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos IBGE – Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial TCC – Trabalho de Conclusão de Curso
  • 12. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ..................................................................................................00 2 DESENVOLVIMENTO.......................................................................................00 2.1 Entendendo a monografia...........................................................................00 2.2 Tipos de Monografias..................................................................................00 2.3 Etapas da Monografia .................................................................................00 2.4 Construção dos Capítulos...........................................................................00 2.5 Coleta de Dados .........................................................................................00 2.6 Resultados ..................................................................................................00 2.7 Apresentação dos Dados............................................................................00 2.7.1 Tabelas..............................................................................................00 2.7.2 Quadros.............................................................................................00 2.7.3 Gráficos .............................................................................................00 2.7.4 Figura.................................................................................................00 3 METODOLOGIA ................................................................................................00 4 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS ...........................................................00 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS...............................................................................00 REFERÊNCIAS.....................................................................................................00 APÊNDICE............................................................................................................00 ANEXO .................................................................................................................00
  • 13. 12 1 INTRODUÇÃO A introdução deve ser iniciada com uma breve contextualização. Contextualizar é escrever sobre o assunto num aspecto mais geral e depois delimitar o tema que deseja desenvolver no trabalho. A escrita deve ser clara, objetiva e jamais na primeira pessoa. Leia sobre seu tema e anote as frases, ou ideias que deseja usar no trabalho para confirmar e embasar o que está investigando. Use referências (citações diretas e indiretas) no texto sempre que achar necessário; não há um critério de quantas referências se deve ter, mas use somente aquelas estritamente pertinentes, que terão o objetivo de confirmar ou confrontar o que está pesquisando com o que outros já pesquisaram. É importante permitir ao leitor ter uma ideia geral sobre o cenário em que a pesquisa se insere. Uma estratégia interessante é redigir, nos primeiros parágrafos, os temas mais gerais para então, aos poucos, chegar ao tema principal. Na introdução deve ficar claro o problema a ser investigado, os objetivos da pesquisa e sua justificativa, a qual indicará a importância e a relevância em desenvolvê-la. O último parágrafo da introdução deve descrever a estrutura da monografia. É neste ponto que se apresenta o que foi tratado em cada capítulo do documento.
  • 14. 13 2 DESENVOLVIMENTO Em primeiro lugar, deve-se observar que ao iniciar um capítulo não é correto apresentar a primeira seção deste, sem antes, redigir ao menos um parágrafo explicativo sobre o capítulo. 2.1 Entendendo a Monografia A palavra monografia pode ser definida como um estudo aprofundado de um determinado assunto e realizado a partir de uma sequência de metodologias. Todo o seu conteúdo discorre sobre um determinado tema que tem, como função direcionada, a uma questão específica de modo a inferir no conhecimento de um determinado grupo de pessoas. Acevedo e Nohara (2004) definem monografia como sendo pesquisas relacionadas à geração ou validação de conhecimento científico e, por isso, preocupam-se com fatos da realidade empírica, ou seja, tudo o que existe no universo e pode ser conhecido por meio da experiência. Segundo Marion, et al (2002), monografia é a arte de redigir cientificamente sobre um problema específico de determinado assunto. É um trabalho intelectual de um estudante que lê, levanta os dados, reflete e interpreta um tema específico. Marconi e Lakatos (2005) definem monografia como a descrição especial de determinada parte de uma ciência qualquer, trabalho escrito que trata especialmente de determinado ponto da ciência, da arte, da história, etc. Trata-se, portanto, de um estudo sobre um tema especifico ou particular, com suficiente valor representativo que obedece uma determinada metodologia. Investiga determinado assunto não só em profundidade, mas também em todos os seus ângulos ou aspectos, dependendo dos fins a que se destina. A monografia geralmente aborda um assunto específico de acordo com sua relevância, sendo elaborada de maneira sistemática e organizada, visando a uma melhor construção das idéias e conceitos expostos e construídos. A monografia se baseia em fatos ou ainda conceitos, devendo-se fundamentar o assunto de modo a que se obtenha uma coerência e relevância científica e/ou filosófica. Para tanto, a monografia necessita ser elaborada a partir do embasamento existente em bibliografias, que irão fundamentá-la ou ainda a partir de resultados práticos de
  • 15. 14 pesquisa científica, como um modo de apresentação, racionalização e discussão dos mesmos. 2.2 Tipos de Monografias Durante um curso de graduação, normalmente se produzem vários tipos de monografias. Serão exemplificados aqui três tipos principais: análise teórica, análise teóricoempírica e estudo de caso. a) Análise teórica: - Uma organização coerente de idéias, extraídas de uma pesquisa bibliográfica de alto nível; - Análise crítica ou comparativa de uma obra, teoria ou modelo já existente, a partir de um esquema conceitual bem definido; - Um trabalho inovador, com base em pesquisas exclusivamente bibliográficas; - Apresentará dados referentes a pesquisas realizadas por outros autores e/ou publicadas pelo próprio autor da monografia. b) Análise teórico-empírica: - Análise interpretativa de dados primários em torno de um tema, com apoio bibliográfico; - Teste de hipóteses, modelos ou teorias, a partir de dados primários e secundários; - Um trabalho inovador, a partir de dados primários, com pesquisa de campo ou laboratoriais; - Contém dados oriundos de pesquisas de campo ou de documentos originais com suas respectivas experimentações e comprovações (pesquisa). c) Estudo de caso: - Requer um estudo detalhado de um caso real, com definição e teste de hipótese(s) e uma fundamentação teórica.
  • 16. 15 2.3 Etapas da Monografia Revisão de literatura A revisão de literatura é a etapa do trabalho que permite que o autor se aprofunde sobre o objeto de estudo, e tem como conseqüência maior entendimento sobre o problema, bem como maior clareza para a formulação das hipóteses. Segundo Acevedo e Nohara (2004, p. 6): [...] o pesquisador deve assegurar-se que abordou no texto os seguintes aspectos: 1) o que os estudos anteriormente relatam sobre esse fenômeno? 2) quais as teorias relacionadas a esse fenômeno? 3) quais as lacunas na literatura relacionadas ao fenômeno? 4) quais as escolhas metodológicas utilizadas para explorar o fenômeno? 5) quais as formas e os constructos, as variáveis e as definições operacionais utilizadas no trabalho? A revisão bibliográfica não é lugar para opiniões sobre o objeto investigado. No entanto, o capítulo da discussão é a seção recomendada para que o autor analise e interprete os dados. O desenvolvimento da argumentação pode ser organizado em capítulos que variam em função da natureza do assunto tratado e dos procedimentos adotados na coleta de dados, conforme a necessidade do plano definitivo da obra. Há várias formas de organizar o material coletado. Um procedimento é demonstrar cada hipótese num determinado capítulo. A conclusão pode (deve) vir ao final de cada capítulo ou ao longo da argumentação. 2.4 Construção dos Capítulos Os capítulos são construídos na ordem lógica de argumentação ou explicação obtidos das leituras e pesquisas de campo ou laboratoriais. As idéias e reflexão do tema conduzirão naturalmente à discussão e conclusão. Os capítulos devem ser temáticos e expressivos, ou seja, dar a idéia exata do conteúdo do setor que intitulam. Em regra geral, a quantidade de capítulos é determinada pelo(a) autor(a) ou por sugestão do(a) orientador(a). Não há uma regra específica quanto à determinação dos capítulos que deverão compor a monografia. São as leituras, as orientações com o professor orientador e o aprofundamento do conhecimento sobre o tema que lhe ajudarão a definir a quantidade de capítulos do seu trabalho.
  • 17. 16 Os capítulos surgem da exigência de logicidade e da necessidade de clareza e não de um critério puramente espacial. Não basta enumerar simetricamente os vários capítulos, é preciso que haja subtítulos portadores de sentido. 2.5 Coleta de Dados A coleta pode ser feita através de pesquisas teóricas, questionários, observações, registro em planilhas específicas a cada objetivo de pesquisa e outros critérios pré-definidos. A coleta de dados exige sempre um bom planejamento, que é justamente o que deve estar contido na metodologia do projeto. Procure elaborar os questionários e roteiros de entrevistas com antecedência e discuti-los com o orientador antes da aplicação no campo de pesquisa. Os questionários podem apresentar questões abertas ou fechadas, podem ser de múltipla escolha, de alternativas fixas ou de escala. Na maioria dos casos, devido à impossibilidade de se trabalhar com todo o “grupo-alvo” é necessário que se faça uma pesquisa por amostragem. Os dados coletados no campo, por você ou pelo seu grupo, são chamados de dados “primários”. Esses dados podem referir-se, por exemplo, a uma pesquisa de demanda ou de oferta de um determinado serviço ou produto, a um diagnóstico da região no qual são levantados e analisados fatores de contexto social, econômico, cultural, ambiental etc. É muito importante que você comente e discuta as informações obtidas de fontes primárias ou secundárias. Ou seja, espera-se que a monografia não seja simplesmente descritiva, mas que contenha a análise dos autores sobre as informações coletadas. Outra forma de coletar dados são os livros, revistas, jornais e artigos na internet relacionados ao tema. Estes são chamados de fontes “secundárias”. É sempre bom lembrar que as informações provenientes das fontes secundárias não devem ser organizadas como uma “colcha de retalhos”, ou seja, um simples aglomerado de parágrafos sobre o tema tratado. É importante também que se faça uma pré-leitura do material coletado, isso possibilitará uma primeira seleção das obras que passarão pela leitura seletiva. Na leitura seletiva serão localizadas as obras ou capítulos que contém informações úteis para o trabalho em questão. A leitura crítica ou reflexiva permite a apreensão das idéias contidas no texto. São necessárias muitas leituras, para destacar o indispensável, o complementar e o desnecessário no texto lido.
  • 18. 17 A apresentação dos dados coletados inclui gráficos, tabelas, quadros, mapas e demais ilustrações que evidenciam ou esclarecem toda questão levantada. A opção pelo tipo de ilustração vai depender das características dos dados a serem apresentados. 2.6 Resultados Lembre-se, se seu estudo envolve apenas pesquisa bibliográfica, este tópico deve ser utilizado para fazer confronto entre idéias de autores ou teóricos utilizados na construção da revisão. Para as outras pesquisas, nesta parte você organiza os dados obtidos em sua pesquisa de campo ou laboratorial. Para a apresentação dos resultados você pode usar recursos como: índices, cálculos estatísticos, tabelas, quadros e gráficos, com uma descrição panorâmica dos dados levantados. Para tanto, deve ter uma redação objetiva, exata e precisa. Se for longo, pode ser dividido em tópicos. Segundo Acevedo e Nohara (2004), alguns passos para a elaboração dos resultados são:  Mencionar novamente (mas brevemente) como foi mensurado o fenômeno em questão;  Comunicar de forma resumida a resposta para a pergunta;  Apresentar as estatísticas descritivas e os níveis de significância estatísticos (se for uma pesquisa quantitativa);  Descrever quais foram os comportamentos observados;  Apresentar tabelas, gráficos, ou figuras com os dados relevantes;  Elaborar um resumo para situar o leitor. 2.7 Apresentação dos Dados As ilustrações são importantes formas de demonstrar os dados produzidos pela pesquisa prática, mas também pode servir para fixar melhor um conceito ou esclarecer alguma temática. As ilustrações mais comuns em trabalhos científicos são: quadros, tabelas, gráficos, figuras ou outras formas que comumente são chamadas de “ilustrações”. Não é necessário que todo trabalho deva ter uma tabela, ou quadro. Porém, se for colocada, deve obedecer ao padrão aqui apresentado. Deve ter um título, que sempre virá na parte superior quando for tabela e na parte
  • 19. 18 inferior quando for ilustração, gráficos e símbolos. As letras são normais para o título, ou seja, tamanho da fonte 12. Abaixo da tabela, ilustração, gráfico ou símbolo, a fonte de onde foi retirada precisa ser escrita com letra no tamanho 10. Se os quadros, tabelas, gráficos, figuras e símbolos, forem resultados da própria pesquisa, simplesmente não coloque nada. Devem aparecer as linhas da grade e não mude o estilo da borda ou espessura dessas linhas, se necessário pode usar cores ou legendas. 2.7.1 Tabelas As tabelas são constituídas de mais de três colunas e geralmente são usadas para comparativos estatísticos. Tabela 1 - Título da Tabela Situação Fator 1 Fator 2 Total X 59 595 332 58 364 969 117 960 301 Y 41 115 439 38 857 492 79972931 Z 18 479 890 19 507 477 37987367 Fonte: 2.7.2 Quadros Os quadros são constituídos por uma ou mais colunas. Quadro 1 - Título do Quadro Programa Operações Recursos Produto Prazo Resultado Projeto 1 Projeto 2 Projeto 3 Fonte:
  • 20. 19 2.7.3 Gráficos Gráfico 1 - Título do Gráfico Fonte: 2.7.4 Figura Figura 1 - Título da Figura Fonte: 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 1° Trim 2° Trim 3° Trim 4° Trim Leste Oeste Norte
  • 21. 20 3 METODOLOGIA A Metodologia é o caminho por onde passará a pesquisa. Deve ser clara, coerente com o tempo proposto, a viabilidade e com as técnicas que nortearão toda a fundamentação teórico-metodológica que possibilitará a solução da problemática levantada. Assim, juntamente com seu professor orientador, reformule se necessário, a Metodologia descrita no seu Projeto, deixando os procedimentos efetivamente realizados no seu estudo. Todos os itens constantes na metodologia do Projeto devem ser descritos aqui, porém nesse momento deve-se atentar para a escrita dos verbos no passado, já que a pesquisa já foi realizada. Exemplo: Foram entrevistados. Traga também para a metodologia do TCC, os esclarecimentos necessários sobre os aspectos éticos da pesquisa que foram trabalhados no projeto e efetivamente executados. Escreva com clareza as etapas desenvolvidas e os materiais utilizados, bem como o tempo que foi necessário para a realização da pesquisa.  Deve-se justificar e descrever o tipo de pesquisa adotado;  Em síntese neste capítulo deve-se expor detalhadamente as etapas da investigação suficientes para permitir sua compreensão e suas limitações.
  • 22. 21 5 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS A discussão sempre remete ao problema, aos objetivos e hipóteses que foram apresentados na introdução. Dessa forma, pode-se dizer que a discussão guarda estreita relação com a introdução e com a revisão de literatura (ACEVEDO; NAHORA, 2004). Nesta parte ainda confirma-se, ou não, a hipótese anunciada, e se discutem os resultados anteriormente descritos. Seu conteúdo visa interpretar os dados e não meramente recapitulá-los. É aqui que se apresenta a discussão e se fazem novas afirmações com base em confirmações advindas de estudos anteriormente realizados. Significa analisar os dados expostos no capítulo de resultados e relacioná-los com as pesquisas anteriores apresentadas na revisão bibliográfica. Na verdade, a discussão é tecida a partir da costura entre a análise dos resultados do estudo em comparação com o referencial teórico. Alguns pontos a considerar:  Ressaltar as evidências que esclareçam cada questão levantada através das análises quantitativas e /ou qualitativas, das informações e dados obtidos;  Em face dos achados, testar as hipóteses formuladas;  Evidenciar os resultados em atenção aos objetivos propostos.
  • 23. 22 6 CONCLUSÃO Neste capítulo são retomados o problema e os objetivos da pesquisa para sintetizar as ideias principais que representam o resultado de toda a pesquisa. Estas deverão ser claras e objetivas. A conclusão consiste na recapitulação do conteúdo, autocrítica em relação à pesquisa, sugestões de aspectos a serem ainda pesquisados. O autor deve manifestar seu ponto de vista sobre os resultados obtidos, sobre o alcance dos mesmos. Pode-se incluir as possibilidades de trabalhos futuros que derivem da pesquisa realizada.
  • 24. 23 REFERÊNCIAS ANHANGUERA EDUCACIONAL. Manual para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos. Disponível em: <http://www.unianhanguera.edu.br/anhanguera/bibliotecas/normas_bibliograficas/ind ex.html>. Acesso em: 09 mar. 2013. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023. Informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002. ______. NBR 10520. Informação e documentação: citações em documentos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002. ______. NBR 14724. Informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2005. ECO, Umberto. Como se faz uma tese em ciências humanas. 5. ed. Lisboa, Editorial Presença, 1991. 174 p. FRANÇA, J. L. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. Belo Horizonte: UFMG, 1990. 256 p.
  • 25. 24 APÊNDICES APÊNDICE A – Título do Anexo
  • 26. 25 ANEXOS ANEXO A – Título do Anexo MODELO DISPONÍVEL EM: www.portfolioead.com.br