SlideShare uma empresa Scribd logo
Leandro Zago
Básica 3 – Modelo de Jogo
1. O que é Modelo de Jogo ?
O conceito de modelo
de jogo (MJ) aparece
nesse momento muito
pertinente nas
literaturas buscadas
pelos profissionais que
estão sempre à
procura de evolução
sobre questões ligadas
aos esportes coletivos
e almejam tornar cada vez mais consistente sua filosofia de trabalho. Enquanto no
Brasil pouquíssimo material foi produzido sobre o tema, na Europa ele é alvo de
discussões há muito tempo, como podemos observar nesse trecho escrito por
Teodurescu em 1984, em que o autor considera que “o modelo de jogo é uma
referência, construída a partir de outras referências de ordem de rendimento
superior, que postulam um conjunto de ações individuais e coletivas dos jogadores
e da equipe, integradas com o espírito físico e psíquico característico do jogo”. Na
década de 90, o autor Júlio Garganta escreveu bastante sobre o assunto, devido à
relação que o mesmo tem com sua proposta metodológica de ensino para os jogos
desportivos coletivos. A partir do pressuposto que o processo de ensino /
aprendizagem deve pautar-se pela eficácia, isto é, pela capacidade de produzir os
efeitos pretendidos, torna-se imprescindível a existência de referenciais que, para
além de possibilitarem a definição dos objetivos, orientem a seleção dos meios e
métodos mais adequados para alcançá-los (Garganta, 1985). Complementando
Leandro Zago
este conceito, defende que o processo de ensino do Futebol deve reportar-se a um
conjunto de princípios ou idéias (modelos), que expressam os aspectos a que se
atribui maior importância e que se pretende ver cumpridos.
2. Definições de Modelo de Jogo na Universidade e no Campo
Recentemente, José
Mourinho (2006),
afirmou que ter um
modelo de jogo definido
é o mais importante para
uma equipe de futebol, e
tal modelo é um
conjunto de princípios
que dão organização a
sua equipe por isso deve ter relevância especial desde o primeiro dia de trabalho. O
treinador português define MJ como a direção que faz com que os jogadores
possam nos quatro momentos do jogo (veremos mais à frente este tema), pensar
sob a mesma perspectiva.
Para o treinador Rafa Benitez (2007) o MJ é a finalidade a que se destinam os
treinamentos para dar uma identidade de jogo à equipe. Leitão (2009) define MJ
como a orientação (norte) que permite a todos os jogadores de uma equipe ter a
mesma leitura do jogo, de forma organizada em todos os momentos do jogo.
O treinadores e os autores, em publicações com intervalos maiores ou menores de
tempo referem-se ao conceito de MJ com muita proximidade, apesar de utilizam-se
de algumas palavras distintas para descrevê-lo, de acordo com o enfoque com que
cada um tem sobre o mesmo tema.
Leandro Zago
3. O Conteúdo do Modelo de Jogo
Segundo Bayer (1986), os princípios de jogo representam a fonte da ação, definem
as propriedades invariáveis sobre as quais se realizarão as estruturas fundamentais
do desenrolar dos acontecimentos. Os princípios de jogo aplicados pelo jogador e
pela equipe devem manter uma congruência muito grande entre eles e com o
Modelo de Jogo pretendido para a equipe. Castelo (1996) afirma que o MJ
compreende a evolução dinâmica e criativa do jogo ao longo do seu processo de
desenvolvimento. Durante a evolução do jogo, vão se alternando as exigências de
resposta a cada situação problema, tornando imprescindível coordenação entre as
resposta dos jogadores e suas equipes para que os padrões coletivos comecem a
dar identidade ao sistema (equipe).
Figura 1 – Grandes Princípios segundo Vítor Frade (2002)
Sem aprofundar-se na discussão em relação às bolas paradas (se é que podemos
assim chamar) se pertencem ou não a um dos quatro primeiros grupos (figura 1),
pode-se observar que o Professor Vítor Frade (2002) dividiu toda a estrutura
acontecimental do jogo em quatro grandes momentos, como já havia sido citado
Leandro Zago
por José Mourinho. Para o autor, todas as ações do jogo estão contidas em um
desses quatro momentos, por ele denominados de Grandes Princípios. O nome
Grandes Princípios vem em decorrência de, dentro de cada deles, existirem os
respectivos Princípios de Jogo, que contém os seus respectivos Sub-Princípios, onde
se encontram os Sub-Princípios dos Sub-Princípios e assim sucessivamente. Todos
subjugados ao MJ e respeitando uma hierarquia de acordo com o nível em que se
encontra.
4. O Processo de Construção de um Modelo de Jogo
O modelo de jogo é o núcleo de toda a periodização tática, sem a definição do
modelo torna-se descontextualizado o trabalho sob a perspectiva da periodização
tática. O foco nesse novo cenário está na forma de jogar que será construída ao
longo da temporada, visando uma regularidade competitiva e evolução constante
nos comportamentos da dominante tática para que se atinja o “pico do modelo de
jogo” como objetivo do processo.
Figura 2 – Do Modelo Idealizado ao Modelo Concreto
Leandro Zago
A periodização deve englobar a especificidade do MJ adotado em aspectos
cognitivos, físicos, táticos, técnicos e psicológicos, além dos princípios e sub-
princípios de jogo que serão aplicados pela equipe nas organizações ofensiva,
defensiva e nas transições defesa - ataque e ataque-defesa. A modelação (figura 2)
é um processo que acontece quando o Modelo Idealizado, e que guia o processo de
treinamento, vai se concretizando em comportamentos apresentados de forma
individual e coletiva com uma regularidade que permite tornar a equipe um modelo
único.
Construir um MJ a partir das metodologias tradicionais soa incoerente, porque de
um lado estão as teorias pautadas na complexidade, integração (MJ) e de outro,
processos fragmentadores, característica comum aos métodos de treinamento
atualmente utilizados em que tática, técnica, preparação física e emocional são
trabalhadas de maneira isolada.
5. Ter ou não um Modelo de Jogo é uma opção ?
Portanto, modelo de jogo não é somente a tática usada pelo treinador, mas sim um
conjunto de ações, pensamentos e princípios seguidos pela equipe. Ao elaborar os
treinos, deve-se levar em conta o MJ previamente definido, ou seja, o processo de
treinamento deve englobar exercícios que seguem o MJ escolhido pelo treinador. E
que fique claro que todas as equipes possuem um MJ, independente do método de
treino aplicado e do conhecimento do treinador sobre o tema, o que poderá variar é
o quão elaborado (ou não) é o MJ que determinada equipe apresenta no campo.
Colocar onze jogadores no campo defensivo e “dar chutões” ou jogar realizando
uma zona pressionante são dois MJ com um grau de complexidade bem distinto,
desde a forma como se operacionalizar um treinamento para construí-los, passando
pela assimilação dos atletas, até sua aplicação no jogo.
O treinador, na fase inicial do trabalho deve definir o modelo de jogo da equipe
junto com sua comissão técnica, levando em conta sua idéia de jogo, a
Leandro Zago
característica dos jogadores, os princípios de jogo, a organização funcional e a
estrutura do clube. O modelo de jogo deve ter objetivos bem definidos e bem claros
para todos, para que cheguem a atingir tais metas. Porém, devem saber que esse
modelo de jogo pode sofrer ajustes, para que haja um aperfeiçoamento gradativo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Amieiro, N. (2005) Defesa à Zona no Futebol: Um pretexto para refletir sobre
o jogar ... bem, ganhando! Edição do Autor.
Bayer, C (1986) La enseñanza de los juegos desportivos colectivosl. Hispano
Europea. Barcelona.
Frade, V. (2002) Apontamentos das aulas de Metodologia Aplicada II, Opção
de Futebol. FCDEF-UP. Porto. Não publicado.
Oliveira, B. et al (2006) Mourinho: Porquê tantas vitórias?. Editora Gradiva.
Teodurescu, L. (1984) Problemas de Teoria e Metodologia nos Jogos
Desportivos. Livros Horizonte.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
Fundação Real Madrid
 
Elaboración de un modelo de juego
Elaboración de un modelo de juegoElaboración de un modelo de juego
Elaboración de un modelo de juego
Futbol_Ofensivo
 
La périodización táctica
La périodización tácticaLa périodización táctica
La périodización táctica
morodo
 
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo AncelottiModelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Fundação Real Madrid
 
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos CarvalhalPeriodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Fundação Real Madrid
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Fundação Real Madrid
 
Periodización táctica2
Periodización táctica2Periodización táctica2
Periodización táctica2
fercontrerasromero79
 
TECHNICAL - TACTICAL FOOTBALL PERIODIZATION
TECHNICAL - TACTICAL FOOTBALL PERIODIZATIONTECHNICAL - TACTICAL FOOTBALL PERIODIZATION
TECHNICAL - TACTICAL FOOTBALL PERIODIZATION
Raúl Oliveira
 
Treinos em construção
Treinos em construçãoTreinos em construção
Treinos em construção
Humberto Bettencourt
 
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira
Periodização Tática - José Guilherme OliveiraPeriodização Tática - José Guilherme Oliveira
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira
Fundação Real Madrid
 
Meios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebolMeios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebol
moko25
 
Sessões De Treino Do Ajax
Sessões  De Treino Do AjaxSessões  De Treino Do Ajax
Sessões De Treino Do Ajax
Rafael Hackbarth
 
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoConstrução de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Fundação Real Madrid
 
Exercicia de treino
Exercicia de treino Exercicia de treino
Exercicia de treino
Joao Paulo Barros Manoel
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
carlosmoreira
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern MuniqueModelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Fundação Real Madrid
 
Modelo de Jogo
Modelo de Jogo  Modelo de Jogo
Modelo de Jogo
Claudio Roberto
 
Trabajo 2 puntas en fútbol
Trabajo 2 puntas en fútbolTrabajo 2 puntas en fútbol
Trabajo 2 puntas en fútbol
Hector Rodriguez Alamo
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Fundação Real Madrid
 

Mais procurados (20)

João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no FutebolJoão Aroso - Periodização do Treino no Futebol
João Aroso - Periodização do Treino no Futebol
 
Elaboración de un modelo de juego
Elaboración de un modelo de juegoElaboración de un modelo de juego
Elaboración de un modelo de juego
 
La périodización táctica
La périodización tácticaLa périodización táctica
La périodización táctica
 
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo AncelottiModelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
Modelo de Jogo e Morfociclo Padrão de Carlo Ancelotti
 
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos CarvalhalPeriodização Táctica - Carlos Carvalhal
Periodização Táctica - Carlos Carvalhal
 
Programação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em FutebolProgramação e Periodização do Treino em Futebol
Programação e Periodização do Treino em Futebol
 
Periodización táctica2
Periodización táctica2Periodización táctica2
Periodización táctica2
 
TECHNICAL - TACTICAL FOOTBALL PERIODIZATION
TECHNICAL - TACTICAL FOOTBALL PERIODIZATIONTECHNICAL - TACTICAL FOOTBALL PERIODIZATION
TECHNICAL - TACTICAL FOOTBALL PERIODIZATION
 
Treinos em construção
Treinos em construçãoTreinos em construção
Treinos em construção
 
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira
Periodização Tática - José Guilherme OliveiraPeriodização Tática - José Guilherme Oliveira
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira
 
Meios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebolMeios de ensino treino do jogo de futebol
Meios de ensino treino do jogo de futebol
 
Sessões De Treino Do Ajax
Sessões  De Treino Do AjaxSessões  De Treino Do Ajax
Sessões De Treino Do Ajax
 
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de JogoConstrução de um Estilo (Modelo) de Jogo
Construção de um Estilo (Modelo) de Jogo
 
Exercicia de treino
Exercicia de treino Exercicia de treino
Exercicia de treino
 
Modelo de jogo
Modelo de jogoModelo de jogo
Modelo de jogo
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern MuniqueModelo de Jogo do FC Bayern Munique
Modelo de Jogo do FC Bayern Munique
 
Modelo de Jogo
Modelo de Jogo  Modelo de Jogo
Modelo de Jogo
 
Trabajo 2 puntas en fútbol
Trabajo 2 puntas en fútbolTrabajo 2 puntas en fútbol
Trabajo 2 puntas en fútbol
 
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de FutebolProgramação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
Programação, Periodização e Planificação do Treino de Futebol
 

Destaque

Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael FernandesMetodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Rafael Fernandes
 
Estrutura organizativa da formação gus
Estrutura organizativa da formação gusEstrutura organizativa da formação gus
Estrutura organizativa da formação gus
Bruno Ferreira
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Mário Torres
 
Preparação de uma selecção
Preparação de uma selecçãoPreparação de uma selecção
Preparação de uma selecção
Luis Sénica
 
Futebol apresentação
Futebol apresentaçãoFutebol apresentação
Futebol apresentação
Dany Lopes
 
Seminário internacional a transição defesa – ataque“o c a”-fflc2015
Seminário internacional a transição defesa – ataque“o c a”-fflc2015Seminário internacional a transição defesa – ataque“o c a”-fflc2015
Seminário internacional a transição defesa – ataque“o c a”-fflc2015
Luis Sénica
 
Esportes e jogos alternativos (slide)
Esportes e jogos alternativos (slide)Esportes e jogos alternativos (slide)
Esportes e jogos alternativos (slide)
Rogerio Melo
 
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
oscarbarbedofaria
 
Esporte e saúde
Esporte e saúdeEsporte e saúde
Esporte e saúde
Suelene Gomes Silva
 
História Do Futebol
História Do FutebolHistória Do Futebol
História Do Futebol
narped
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Jean Carvalho
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
Luis
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Fundação Real Madrid
 
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de JogoFC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
Renato Moreira
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Fundação Real Madrid
 
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira - CBF
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira - CBFPeriodização Tática - José Guilherme Oliveira - CBF
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira - CBF
Fernando Farias
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
carlosmoreira
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 

Destaque (18)

Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael FernandesMetodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
Metodologia de trabalho no futebol: Rafael Fernandes
 
Estrutura organizativa da formação gus
Estrutura organizativa da formação gusEstrutura organizativa da formação gus
Estrutura organizativa da formação gus
 
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formaçãoSl Benfica modelo de jogo para a formação
Sl Benfica modelo de jogo para a formação
 
Preparação de uma selecção
Preparação de uma selecçãoPreparação de uma selecção
Preparação de uma selecção
 
Futebol apresentação
Futebol apresentaçãoFutebol apresentação
Futebol apresentação
 
Seminário internacional a transição defesa – ataque“o c a”-fflc2015
Seminário internacional a transição defesa – ataque“o c a”-fflc2015Seminário internacional a transição defesa – ataque“o c a”-fflc2015
Seminário internacional a transição defesa – ataque“o c a”-fflc2015
 
Esportes e jogos alternativos (slide)
Esportes e jogos alternativos (slide)Esportes e jogos alternativos (slide)
Esportes e jogos alternativos (slide)
 
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
José Mourinho - Modelo de jogo (FCP)
 
Esporte e saúde
Esporte e saúdeEsporte e saúde
Esporte e saúde
 
História Do Futebol
História Do FutebolHistória Do Futebol
História Do Futebol
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui QuintaModelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
Modelo de Jogo do Treinador Rui Quinta
 
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de JogoFC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
FC Barcelona - Exercícios para a Construção do Sistema de Jogo
 
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de TreinoConcepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
Concepção e Prática de Exercícios Específicos de Treino
 
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira - CBF
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira - CBFPeriodização Tática - José Guilherme Oliveira - CBF
Periodização Tática - José Guilherme Oliveira - CBF
 
Futebol 7
Futebol 7Futebol 7
Futebol 7
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 

Semelhante a Modelo de Jogo

Coachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdfCoachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdf
Dinarte Duarte
 
PERIODIZAÇÃO TÁCTICA: PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES E ERROS METODOLÓGICOS NA SUA A...
PERIODIZAÇÃO TÁCTICA: PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES E ERROS METODOLÓGICOS NA SUA A...PERIODIZAÇÃO TÁCTICA: PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES E ERROS METODOLÓGICOS NA SUA A...
PERIODIZAÇÃO TÁCTICA: PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES E ERROS METODOLÓGICOS NA SUA A...
Raúl Oliveira
 
O modelo de jogo
O modelo de jogoO modelo de jogo
Modelo_de_jogo_e_processo_de_ensino_no_f.pdf
Modelo_de_jogo_e_processo_de_ensino_no_f.pdfModelo_de_jogo_e_processo_de_ensino_no_f.pdf
Modelo_de_jogo_e_processo_de_ensino_no_f.pdf
LEONESSANTOS
 
Metodologia do treino
Metodologia do treinoMetodologia do treino
Metodologia do treino
Bé Couto
 
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantesConstruindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Jarbas Rossatto
 
Referências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Referências para a Ocupação do Espaço sem BolaReferências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Referências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Leandro Zago
 
Métodos de Treino
Métodos de TreinoMétodos de Treino
Métodos de Treino
Fundação Real Madrid
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Bruno Comelli
 
Pt ponencia ok
Pt ponencia okPt ponencia ok
Periodização Tática - Carlos Carvalhal
Periodização Tática - Carlos CarvalhalPeriodização Tática - Carlos Carvalhal
Periodização Tática - Carlos Carvalhal
Fernando Farias
 
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdfEbook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Dinarte Duarte
 
O desenvolvimento do jogar segundo a PT
O desenvolvimento do jogar segundo a PTO desenvolvimento do jogar segundo a PT
O desenvolvimento do jogar segundo a PT
Rodrigo Saldanha
 
O desenvolvimento do jogar
O desenvolvimento do jogarO desenvolvimento do jogar
O desenvolvimento do jogar
Fernando Farias
 
El desenvolvimeinto-de-jugar-1217352900071818-9-120211143523-phpapp02 (1)
El desenvolvimeinto-de-jugar-1217352900071818-9-120211143523-phpapp02 (1)El desenvolvimeinto-de-jugar-1217352900071818-9-120211143523-phpapp02 (1)
El desenvolvimeinto-de-jugar-1217352900071818-9-120211143523-phpapp02 (1)
Filipe Silva
 
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
António Martins Silva
 
Princípios Operacionais de Transição
Princípios Operacionais de TransiçãoPrincípios Operacionais de Transição
Princípios Operacionais de Transição
Leandro Zago
 
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das ReferênciasO Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
Leandro Zago
 
A extinção do preparador físico
A extinção do preparador físicoA extinção do preparador físico
A extinção do preparador físico
Gilterlan Ferreira
 
E book (o desenvolvimento do jogar segundo a pt)
E book (o desenvolvimento do jogar segundo a pt)E book (o desenvolvimento do jogar segundo a pt)
E book (o desenvolvimento do jogar segundo a pt)
Silas Paixao
 

Semelhante a Modelo de Jogo (20)

Coachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdfCoachidapp-eBook.pdf
Coachidapp-eBook.pdf
 
PERIODIZAÇÃO TÁCTICA: PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES E ERROS METODOLÓGICOS NA SUA A...
PERIODIZAÇÃO TÁCTICA: PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES E ERROS METODOLÓGICOS NA SUA A...PERIODIZAÇÃO TÁCTICA: PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES E ERROS METODOLÓGICOS NA SUA A...
PERIODIZAÇÃO TÁCTICA: PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES E ERROS METODOLÓGICOS NA SUA A...
 
O modelo de jogo
O modelo de jogoO modelo de jogo
O modelo de jogo
 
Modelo_de_jogo_e_processo_de_ensino_no_f.pdf
Modelo_de_jogo_e_processo_de_ensino_no_f.pdfModelo_de_jogo_e_processo_de_ensino_no_f.pdf
Modelo_de_jogo_e_processo_de_ensino_no_f.pdf
 
Metodologia do treino
Metodologia do treinoMetodologia do treino
Metodologia do treino
 
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantesConstruindo uma forma de jogar   guia de treino para iniciantes
Construindo uma forma de jogar guia de treino para iniciantes
 
Referências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Referências para a Ocupação do Espaço sem BolaReferências para a Ocupação do Espaço sem Bola
Referências para a Ocupação do Espaço sem Bola
 
Métodos de Treino
Métodos de TreinoMétodos de Treino
Métodos de Treino
 
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
Planificacaotaticadapretemporadaemequipesprofissionais 121015090808-phpapp01
 
Pt ponencia ok
Pt ponencia okPt ponencia ok
Pt ponencia ok
 
Periodização Tática - Carlos Carvalhal
Periodização Tática - Carlos CarvalhalPeriodização Tática - Carlos Carvalhal
Periodização Tática - Carlos Carvalhal
 
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdfEbook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
Ebook Modelo-de-Jogo-Periodizacao-Tatica.pdf
 
O desenvolvimento do jogar segundo a PT
O desenvolvimento do jogar segundo a PTO desenvolvimento do jogar segundo a PT
O desenvolvimento do jogar segundo a PT
 
O desenvolvimento do jogar
O desenvolvimento do jogarO desenvolvimento do jogar
O desenvolvimento do jogar
 
El desenvolvimeinto-de-jugar-1217352900071818-9-120211143523-phpapp02 (1)
El desenvolvimeinto-de-jugar-1217352900071818-9-120211143523-phpapp02 (1)El desenvolvimeinto-de-jugar-1217352900071818-9-120211143523-phpapp02 (1)
El desenvolvimeinto-de-jugar-1217352900071818-9-120211143523-phpapp02 (1)
 
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
“A congruência entre a filosofia, o treino e a realidade no Jogo de Futebol” ...
 
Princípios Operacionais de Transição
Princípios Operacionais de TransiçãoPrincípios Operacionais de Transição
Princípios Operacionais de Transição
 
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das ReferênciasO Jogo Coletivo e a Integração das Referências
O Jogo Coletivo e a Integração das Referências
 
A extinção do preparador físico
A extinção do preparador físicoA extinção do preparador físico
A extinção do preparador físico
 
E book (o desenvolvimento do jogar segundo a pt)
E book (o desenvolvimento do jogar segundo a pt)E book (o desenvolvimento do jogar segundo a pt)
E book (o desenvolvimento do jogar segundo a pt)
 

Mais de Leandro Zago

Currículo - Leandro Calixto Zago
Currículo -  Leandro Calixto ZagoCurrículo -  Leandro Calixto Zago
Currículo - Leandro Calixto Zago
Leandro Zago
 
Futebol Interativo - Desenvolvendo para o Jogo
Futebol Interativo - Desenvolvendo para o JogoFutebol Interativo - Desenvolvendo para o Jogo
Futebol Interativo - Desenvolvendo para o Jogo
Leandro Zago
 
O Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e JogoO Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e Jogo
Leandro Zago
 
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da EquipeO Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
Leandro Zago
 
El juego de posición (O Jogo de Posição)
El juego de posición (O Jogo de Posição)El juego de posición (O Jogo de Posição)
El juego de posición (O Jogo de Posição)
Leandro Zago
 
Pós - Graduação - Conteúdos Táticos
Pós - Graduação - Conteúdos TáticosPós - Graduação - Conteúdos Táticos
Pós - Graduação - Conteúdos Táticos
Leandro Zago
 
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e TransiçãoPrincípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Leandro Zago
 
Aspectos Psicológicos Aplicados ao Treinamento
Aspectos Psicológicos Aplicados ao TreinamentoAspectos Psicológicos Aplicados ao Treinamento
Aspectos Psicológicos Aplicados ao Treinamento
Leandro Zago
 
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
Leandro Zago
 
Pressão e Pressing
Pressão e PressingPressão e Pressing
Pressão e Pressing
Leandro Zago
 
Conceitos de Amplitude e Profundidade
Conceitos de Amplitude e ProfundidadeConceitos de Amplitude e Profundidade
Conceitos de Amplitude e Profundidade
Leandro Zago
 
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Leandro Zago
 
Exercícios - Conteúdos Táticos
Exercícios - Conteúdos TáticosExercícios - Conteúdos Táticos
Exercícios - Conteúdos Táticos
Leandro Zago
 
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Leandro Zago
 

Mais de Leandro Zago (14)

Currículo - Leandro Calixto Zago
Currículo -  Leandro Calixto ZagoCurrículo -  Leandro Calixto Zago
Currículo - Leandro Calixto Zago
 
Futebol Interativo - Desenvolvendo para o Jogo
Futebol Interativo - Desenvolvendo para o JogoFutebol Interativo - Desenvolvendo para o Jogo
Futebol Interativo - Desenvolvendo para o Jogo
 
O Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e JogoO Processo de Treino e Jogo
O Processo de Treino e Jogo
 
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da EquipeO Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
O Goleiro inserido no Modelo de Jogo da Equipe
 
El juego de posición (O Jogo de Posição)
El juego de posición (O Jogo de Posição)El juego de posición (O Jogo de Posição)
El juego de posición (O Jogo de Posição)
 
Pós - Graduação - Conteúdos Táticos
Pós - Graduação - Conteúdos TáticosPós - Graduação - Conteúdos Táticos
Pós - Graduação - Conteúdos Táticos
 
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e TransiçãoPrincípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
Princípios Estruturais e Operacionais de Ataque, Defesa e Transição
 
Aspectos Psicológicos Aplicados ao Treinamento
Aspectos Psicológicos Aplicados ao TreinamentoAspectos Psicológicos Aplicados ao Treinamento
Aspectos Psicológicos Aplicados ao Treinamento
 
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)SUB13 - Programação de Atividades (2012)
SUB13 - Programação de Atividades (2012)
 
Pressão e Pressing
Pressão e PressingPressão e Pressing
Pressão e Pressing
 
Conceitos de Amplitude e Profundidade
Conceitos de Amplitude e ProfundidadeConceitos de Amplitude e Profundidade
Conceitos de Amplitude e Profundidade
 
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
Sessões de Treinamento - Curso CBF (Nível B)
 
Exercícios - Conteúdos Táticos
Exercícios - Conteúdos TáticosExercícios - Conteúdos Táticos
Exercícios - Conteúdos Táticos
 
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
Palestra de Abertura - Pós Graduação (Estácio de Sá)
 

Modelo de Jogo

  • 1. Leandro Zago Básica 3 – Modelo de Jogo 1. O que é Modelo de Jogo ? O conceito de modelo de jogo (MJ) aparece nesse momento muito pertinente nas literaturas buscadas pelos profissionais que estão sempre à procura de evolução sobre questões ligadas aos esportes coletivos e almejam tornar cada vez mais consistente sua filosofia de trabalho. Enquanto no Brasil pouquíssimo material foi produzido sobre o tema, na Europa ele é alvo de discussões há muito tempo, como podemos observar nesse trecho escrito por Teodurescu em 1984, em que o autor considera que “o modelo de jogo é uma referência, construída a partir de outras referências de ordem de rendimento superior, que postulam um conjunto de ações individuais e coletivas dos jogadores e da equipe, integradas com o espírito físico e psíquico característico do jogo”. Na década de 90, o autor Júlio Garganta escreveu bastante sobre o assunto, devido à relação que o mesmo tem com sua proposta metodológica de ensino para os jogos desportivos coletivos. A partir do pressuposto que o processo de ensino / aprendizagem deve pautar-se pela eficácia, isto é, pela capacidade de produzir os efeitos pretendidos, torna-se imprescindível a existência de referenciais que, para além de possibilitarem a definição dos objetivos, orientem a seleção dos meios e métodos mais adequados para alcançá-los (Garganta, 1985). Complementando
  • 2. Leandro Zago este conceito, defende que o processo de ensino do Futebol deve reportar-se a um conjunto de princípios ou idéias (modelos), que expressam os aspectos a que se atribui maior importância e que se pretende ver cumpridos. 2. Definições de Modelo de Jogo na Universidade e no Campo Recentemente, José Mourinho (2006), afirmou que ter um modelo de jogo definido é o mais importante para uma equipe de futebol, e tal modelo é um conjunto de princípios que dão organização a sua equipe por isso deve ter relevância especial desde o primeiro dia de trabalho. O treinador português define MJ como a direção que faz com que os jogadores possam nos quatro momentos do jogo (veremos mais à frente este tema), pensar sob a mesma perspectiva. Para o treinador Rafa Benitez (2007) o MJ é a finalidade a que se destinam os treinamentos para dar uma identidade de jogo à equipe. Leitão (2009) define MJ como a orientação (norte) que permite a todos os jogadores de uma equipe ter a mesma leitura do jogo, de forma organizada em todos os momentos do jogo. O treinadores e os autores, em publicações com intervalos maiores ou menores de tempo referem-se ao conceito de MJ com muita proximidade, apesar de utilizam-se de algumas palavras distintas para descrevê-lo, de acordo com o enfoque com que cada um tem sobre o mesmo tema.
  • 3. Leandro Zago 3. O Conteúdo do Modelo de Jogo Segundo Bayer (1986), os princípios de jogo representam a fonte da ação, definem as propriedades invariáveis sobre as quais se realizarão as estruturas fundamentais do desenrolar dos acontecimentos. Os princípios de jogo aplicados pelo jogador e pela equipe devem manter uma congruência muito grande entre eles e com o Modelo de Jogo pretendido para a equipe. Castelo (1996) afirma que o MJ compreende a evolução dinâmica e criativa do jogo ao longo do seu processo de desenvolvimento. Durante a evolução do jogo, vão se alternando as exigências de resposta a cada situação problema, tornando imprescindível coordenação entre as resposta dos jogadores e suas equipes para que os padrões coletivos comecem a dar identidade ao sistema (equipe). Figura 1 – Grandes Princípios segundo Vítor Frade (2002) Sem aprofundar-se na discussão em relação às bolas paradas (se é que podemos assim chamar) se pertencem ou não a um dos quatro primeiros grupos (figura 1), pode-se observar que o Professor Vítor Frade (2002) dividiu toda a estrutura acontecimental do jogo em quatro grandes momentos, como já havia sido citado
  • 4. Leandro Zago por José Mourinho. Para o autor, todas as ações do jogo estão contidas em um desses quatro momentos, por ele denominados de Grandes Princípios. O nome Grandes Princípios vem em decorrência de, dentro de cada deles, existirem os respectivos Princípios de Jogo, que contém os seus respectivos Sub-Princípios, onde se encontram os Sub-Princípios dos Sub-Princípios e assim sucessivamente. Todos subjugados ao MJ e respeitando uma hierarquia de acordo com o nível em que se encontra. 4. O Processo de Construção de um Modelo de Jogo O modelo de jogo é o núcleo de toda a periodização tática, sem a definição do modelo torna-se descontextualizado o trabalho sob a perspectiva da periodização tática. O foco nesse novo cenário está na forma de jogar que será construída ao longo da temporada, visando uma regularidade competitiva e evolução constante nos comportamentos da dominante tática para que se atinja o “pico do modelo de jogo” como objetivo do processo. Figura 2 – Do Modelo Idealizado ao Modelo Concreto
  • 5. Leandro Zago A periodização deve englobar a especificidade do MJ adotado em aspectos cognitivos, físicos, táticos, técnicos e psicológicos, além dos princípios e sub- princípios de jogo que serão aplicados pela equipe nas organizações ofensiva, defensiva e nas transições defesa - ataque e ataque-defesa. A modelação (figura 2) é um processo que acontece quando o Modelo Idealizado, e que guia o processo de treinamento, vai se concretizando em comportamentos apresentados de forma individual e coletiva com uma regularidade que permite tornar a equipe um modelo único. Construir um MJ a partir das metodologias tradicionais soa incoerente, porque de um lado estão as teorias pautadas na complexidade, integração (MJ) e de outro, processos fragmentadores, característica comum aos métodos de treinamento atualmente utilizados em que tática, técnica, preparação física e emocional são trabalhadas de maneira isolada. 5. Ter ou não um Modelo de Jogo é uma opção ? Portanto, modelo de jogo não é somente a tática usada pelo treinador, mas sim um conjunto de ações, pensamentos e princípios seguidos pela equipe. Ao elaborar os treinos, deve-se levar em conta o MJ previamente definido, ou seja, o processo de treinamento deve englobar exercícios que seguem o MJ escolhido pelo treinador. E que fique claro que todas as equipes possuem um MJ, independente do método de treino aplicado e do conhecimento do treinador sobre o tema, o que poderá variar é o quão elaborado (ou não) é o MJ que determinada equipe apresenta no campo. Colocar onze jogadores no campo defensivo e “dar chutões” ou jogar realizando uma zona pressionante são dois MJ com um grau de complexidade bem distinto, desde a forma como se operacionalizar um treinamento para construí-los, passando pela assimilação dos atletas, até sua aplicação no jogo. O treinador, na fase inicial do trabalho deve definir o modelo de jogo da equipe junto com sua comissão técnica, levando em conta sua idéia de jogo, a
  • 6. Leandro Zago característica dos jogadores, os princípios de jogo, a organização funcional e a estrutura do clube. O modelo de jogo deve ter objetivos bem definidos e bem claros para todos, para que cheguem a atingir tais metas. Porém, devem saber que esse modelo de jogo pode sofrer ajustes, para que haja um aperfeiçoamento gradativo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Amieiro, N. (2005) Defesa à Zona no Futebol: Um pretexto para refletir sobre o jogar ... bem, ganhando! Edição do Autor. Bayer, C (1986) La enseñanza de los juegos desportivos colectivosl. Hispano Europea. Barcelona. Frade, V. (2002) Apontamentos das aulas de Metodologia Aplicada II, Opção de Futebol. FCDEF-UP. Porto. Não publicado. Oliveira, B. et al (2006) Mourinho: Porquê tantas vitórias?. Editora Gradiva. Teodurescu, L. (1984) Problemas de Teoria e Metodologia nos Jogos Desportivos. Livros Horizonte.