SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA
O QUE É FILOSOFIA 
PHILO: 
AMIZADE / AMOR / DESEJO 
SOPHIA: 
SABEDORIA
FILOSOFIA: 
AMOR A SABEDORIA 
FILÓSOFO: 
AMIGO / AMANTE DA SABEDORIA
A CORUJA E A FILOSOFIA 
A coruja da Filosofia é 
a 
Coruja de Minerva. 
Minerva – Athena
LOCAL: 
MILETO 
DATA: 
SÉCULO VI a C
Primeiro 
Filósofo: 
TALES DE 
MILETO
FILOSOFIA 
CARÁTER RACIONAL 
MITO ------------ RAZÃO
Filosofia 
O que marca o surgimento da Filosofia é seu 
caráter racional. 
Os homens passam de uma explicação 
mitológica do mundo para uma explicação 
racional. 
Ao perceberem as contradições e limitações 
dos mitos, eles reformulam e racionalizam as 
narrativas míticas, transformando-as em uma 
explicação inteiramente nova e diferente.
Filosofia – Cosmologia 
Conhecimento racional 
da ordem do mundo 
ou da Natureza.
Mito e Filosofia 
O mito falava em deuses, como Zeus, 
Perséfone e Gaia. Narrava a origem dos 
seres celestes e terrestres como derivados 
das relações com os deuses. 
A Filosofia fala em céu, mar e terra. 
Ela explica o surgimento desses seres por 
composição, combinação e separação dos 
quatro elementos – úmido, seco, quente e 
frio, ou água, terra, fogo e ar.
Mito e Filosofia 
O mito narrava a origem através de 
genealogias derivadas de forças divinas 
sobrenaturais e personalizadas. 
A Filosofia, ao contrário, explica a produção 
natural das coisas por elementos e causas 
naturais e impessoais.
Mito e Filosofia 
O mito pretendia narrar como as coisas eram ou 
tinham sido no passado imemorial, longínquo e 
fabuloso, voltando-se para o que era antes que tudo 
existisse tal como existe no presente. 
A Filosofia, ao contrário, se preocupa em explicar 
como e por que, no passado, no presente e no 
futuro (isto é, na totalidade do tempo), as coisas são 
como são;
Mito e Filosofia 
O mito não se importava com 
contradições, com o fabuloso e o 
incompreensível, não só porque esses 
eram traços próprios da narrativa 
mítica, como também porque a 
confiança e a crença no mito vinham 
da autoridade religiosa do narrador.
Mito e Filosofia 
A Filosofia, ao contrário, não admite 
contradições, fabulação e coisas 
incompreensíveis, mas exige que a 
explicação seja coerente, lógica e racional; 
Além disso, a autoridade da explicação não 
vem da pessoa do filósofo, mas da razão, 
que é a mesma em todos os seres 
humanos.
A EXPLICAÇÃO DO 
MUNDO 
MMIITTOO 
DDIISSCCUURRSSOO 
IINNTTUUIIÇÇÃÃOO CCOOMMPPRREEEENNSSIIVVAA 
DDAA RREEAALLIIDDAADDEE 
TTRRAADDIIÇÇÃÃOO CCOOLLEETTIIVVAA 
NNÃÃOO SSUUJJEEIITTOO ÀÀ CCRRÍÍTTIICCAA 
LLOOGGOOSS 
RRAAZZÃÃOO 
EELLAABBOORRAAÇÇÃÃOO IINNDDIIVVIIDDUUAALL 
SSUUJJEEIITTOO ÀÀ CCRRÍÍTTIICCAA 
EEXXPPLLIICCAAÇÇÃÃOO DDOO MMUUNNDDOO // CCOOSSMMOOSS
O FILÓSOFO 
PITÁGORAS DE SAMOS 
SÉCULO V a C 
OBSERVADOR
O FILÓSOFO 
Não é movido por interesses comerciais – não 
coloca o saber como propriedade sua, como uma 
coisa para ser comprada e vendida no mercado; 
Não é movido pelo desejo de competir – não faz 
das idéias e dos conhecimentos uma habilidade 
para vencer competidores ou “atletas 
intelectuais”;
O FILÓSOFO 
É movido pelo desejo de observar, 
contemplar, julgar e avaliar as coisas, as 
ações, a vida: pelo desejo de saber. 
A verdade não pertence a ninguém, ela é o 
que buscamos e que está diante de nós 
para ser contemplada e vista, se tivermos 
olhos (do espírito) para vê-la.
MOTIVOS 
• ESPANTO 
• ADMIRAÇÃO 
• DESEJO NATURAL DE SABER
ININTTEERRRROOGGAAÇÇÕÕEESS F FILILOOSSÓÓFFICICAASS 
(1) O QUE É ? 
(2) POR QUE É ? 
(3) COMO É ? 
(1) O QUE É ? 
(2) POR QUE É ? 
(3) COMO É ?
CRENÇAS COTIDIANAS 
X 
QUESTÕES FILOSÓFICAS
• O QUE É O TEMPO ? 
• O QUE É A REALIDADE ? 
• O QUE É LIBERDADE ? 
• O QUE É NORMALIDADE ? 
• O QUE É SER BOM ?
ATITUDE FILOSÓFICA 
Tomar distância da vida cotidiana e de si 
mesmo; interrogar a si mesmo, desejando 
conhecer por que cremos no que cremos, 
por que sentimos o que sentimos e o que 
são nossas crenças e nossos sentimentos.
ATITUDE FILOSÓFICA 
Decisão de não aceitar como óbvias e 
evidentes as coisas, as idéias, os fatos, as 
situações, os valores, os comportamentos 
de nossa existência cotidiana; jamais 
aceitá-los sem antes havê-los investigado e 
compreendido.
ATITUDE CRÍTICA 
DUVIDAR 
Dizer não ao senso comum, aos pré-conceitos, 
aos pré-juízos, aos fatos e às 
idéias da experiência cotidiana, ao que 
“todo mundo diz”, ao estabelecido.
INTERROGAR 
Interrogar sobre o que são as coisas, as idéias, os fatos, 
as situações, os comportamentos, os valores, nós 
mesmos. 
Questionar sobre o porquê disso tudo e de nós e sobre 
como tudo isso é assim e não de outra maneira. 
O que é? Por que é? Como é? Essas são as 
indagações fundamentais da atitude filosófica.
ATIVIDADE FILOSÓFICA 
• REFLEXÃO CRÍTICA 
• RACIONAL 
• RADICAL 
• PROFUNDA 
• SISTEMÁTICA
SÓCRATES (470-399) 
SÉCULO III 
“SÓ SEI QUE NADA 
SEI” 
QUESTIONAR
Para que serve a Filosofia? 
[1] Se abandonarmos a ingenuidade e os 
preconceitos do senso comum for útil; 
[2] Se não nos deixarmos guiar pela submissão 
às idéias dominantes e aos poderes 
estabelecidos for útil; 
[3] Se buscarmos compreender a significação do 
mundo, da cultura, da história for útil;
Para que serve a Filosofia? 
[4] Se conhecermos o sentido das criações 
humanas nas artes, nas ciências, na ética e na 
política for útil; 
[5] Se dar a cada um de nós e à nossa 
sociedade os meios para serem conscientes de 
si e de suas ações numa prática que deseja a 
liberdade e a felicidade para todos for útil;
Então podemos dizer que a 
Filosofia é o mais útil de 
todos os saberes de que 
os seres humanos são 
capazes.
QUAL A FUNÇÃO DO FILÓSOFO ?
CONVITE AO MERGULHO NA 
ATIVIDADE FILOSÓFICA 
FILOSOFIA 
• REFLEXÃO CRÍTICA RACIONAL 
• RADICAL 
• SISTEMÁTICA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_ejaApostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_eja
Claudio Santos
 
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da FilosofiaAula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Turma Olímpica
 
Exercicio de filosofia
Exercicio de filosofiaExercicio de filosofia
Exercicio de filosofia
Marcio
 
Filosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimentoFilosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimento
Francisco Vasconcelos Silva Júnior
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
iranildespm
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Munis Pedro
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Atitudes filosóficas
Atitudes filosóficasAtitudes filosóficas
Atitudes filosóficas
Mary Alvarenga
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Leandro Nazareth Souto
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
BandeiradeMello
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe AssunçãoAULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
Jailson Lima
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
Juliana Corvino de Araújo
 
Introdução a filosofia
Introdução a filosofiaIntrodução a filosofia
Introdução a filosofia
Atividades Diversas Cláudia
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
Silmara Nogueira
 
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-SocráticosAula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Mais procurados (20)

Apostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_ejaApostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_eja
 
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da FilosofiaAula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
Aula 03 - Sócrates e o Nascimento da Filosofia
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
 
Exercicio de filosofia
Exercicio de filosofiaExercicio de filosofia
Exercicio de filosofia
 
Filosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimentoFilosofia 7º ano o conhecimento
Filosofia 7º ano o conhecimento
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Atitudes filosóficas
Atitudes filosóficasAtitudes filosóficas
Atitudes filosóficas
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe AssunçãoAULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
Introdução a filosofia
Introdução a filosofiaIntrodução a filosofia
Introdução a filosofia
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
 
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-SocráticosAula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
Aula 04 e 05 - Os Pré-Socráticos
 

Destaque

Deuses e heróis na Grécia
Deuses e heróis na GréciaDeuses e heróis na Grécia
Deuses e heróis na Grécia
Profª Bruna Morrana
 
Ufrgs 2010 Res His
Ufrgs 2010 Res HisUfrgs 2010 Res His
Ufrgs 2010 Res His
José Augusto Fiorin
 
Geografia brasil população
Geografia   brasil populaçãoGeografia   brasil população
Geografia brasil população
André Luiz Marques
 
6 hábitos das pessoas altamente empáticas
6 hábitos das pessoas altamente empáticas6 hábitos das pessoas altamente empáticas
6 hábitos das pessoas altamente empáticas
Agendor
 
Empirismo e racionalismo
Empirismo e racionalismoEmpirismo e racionalismo
Empirismo e racionalismo
Isabel Aguiar
 
Atividades Mitologia grega 5° ano
Atividades Mitologia grega 5° ano Atividades Mitologia grega 5° ano
Atividades Mitologia grega 5° ano
Ari Filho
 
Avaliação arte musica
Avaliação arte musicaAvaliação arte musica
Avaliação arte musica
Atividades Diversas Cláudia
 

Destaque (7)

Deuses e heróis na Grécia
Deuses e heróis na GréciaDeuses e heróis na Grécia
Deuses e heróis na Grécia
 
Ufrgs 2010 Res His
Ufrgs 2010 Res HisUfrgs 2010 Res His
Ufrgs 2010 Res His
 
Geografia brasil população
Geografia   brasil populaçãoGeografia   brasil população
Geografia brasil população
 
6 hábitos das pessoas altamente empáticas
6 hábitos das pessoas altamente empáticas6 hábitos das pessoas altamente empáticas
6 hábitos das pessoas altamente empáticas
 
Empirismo e racionalismo
Empirismo e racionalismoEmpirismo e racionalismo
Empirismo e racionalismo
 
Atividades Mitologia grega 5° ano
Atividades Mitologia grega 5° ano Atividades Mitologia grega 5° ano
Atividades Mitologia grega 5° ano
 
Avaliação arte musica
Avaliação arte musicaAvaliação arte musica
Avaliação arte musica
 

Semelhante a Mito

Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
Pedro Almeida
 
Filosofia (1)
Filosofia (1)Filosofia (1)
Filosofia (1)
eunamahcado
 
Filosofia da Educação
Filosofia da Educação  Filosofia da Educação
Filosofia da Educação
unieubra
 
A filosofia
A filosofiaA filosofia
A filosofia
AnaKlein1
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Andrea Parlen
 
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
Paulo Alexandre
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Rita Gonçalves
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 04 - Origem
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 04 - OrigemFaceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 04 - Origem
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 04 - Origem
Jordano Santos Cerqueira
 
Apostila básica filosofia
Apostila básica   filosofiaApostila básica   filosofia
Apostila básica filosofia
aloirmd
 
filosofia
filosofiafilosofia
filosofia
Luci Bonini
 
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOTrabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Fabiana Melo Sousa
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de Filosofia
Luci Bonini
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Keiler Vasconcelos
 
Filosofia e o Filosofar
Filosofia e o FilosofarFilosofia e o Filosofar
Filosofia e o Filosofar
MatildeGodinho
 
Mito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptxMito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptx
WelisClemente1
 
Mito e-razão
Mito e-razãoMito e-razão
Mito e-razão
Márcia Quirino
 
Filos rute hk
Filos rute hkFilos rute hk
Filos rute hk
Suelly Francisco
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
mluisavalente
 
Revisão de conteúdo 1º ano
Revisão de conteúdo 1º anoRevisão de conteúdo 1º ano
Revisão de conteúdo 1º ano
Milena Leite
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Clerison Alves
 

Semelhante a Mito (20)

Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
 
Filosofia (1)
Filosofia (1)Filosofia (1)
Filosofia (1)
 
Filosofia da Educação
Filosofia da Educação  Filosofia da Educação
Filosofia da Educação
 
A filosofia
A filosofiaA filosofia
A filosofia
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
 
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020Aula de filosofia 1 ano   i bimestre 2020
Aula de filosofia 1 ano i bimestre 2020
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 04 - Origem
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 04 - OrigemFaceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 04 - Origem
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 04 - Origem
 
Apostila básica filosofia
Apostila básica   filosofiaApostila básica   filosofia
Apostila básica filosofia
 
filosofia
filosofiafilosofia
filosofia
 
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOTrabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de Filosofia
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
 
Filosofia e o Filosofar
Filosofia e o FilosofarFilosofia e o Filosofar
Filosofia e o Filosofar
 
Mito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptxMito a Filosofia.pptx
Mito a Filosofia.pptx
 
Mito e-razão
Mito e-razãoMito e-razão
Mito e-razão
 
Filos rute hk
Filos rute hkFilos rute hk
Filos rute hk
 
Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia Filosofia, retórica e democracia
Filosofia, retórica e democracia
 
Revisão de conteúdo 1º ano
Revisão de conteúdo 1º anoRevisão de conteúdo 1º ano
Revisão de conteúdo 1º ano
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 

Mais de Isabel Aguiar

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
Isabel Aguiar
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
Isabel Aguiar
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Isabel Aguiar
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
Isabel Aguiar
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
Isabel Aguiar
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
Isabel Aguiar
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
Isabel Aguiar
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
Isabel Aguiar
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
Isabel Aguiar
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
Isabel Aguiar
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
Isabel Aguiar
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
Isabel Aguiar
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 

Mais de Isabel Aguiar (20)

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 

Mito

  • 2. O QUE É FILOSOFIA PHILO: AMIZADE / AMOR / DESEJO SOPHIA: SABEDORIA
  • 3. FILOSOFIA: AMOR A SABEDORIA FILÓSOFO: AMIGO / AMANTE DA SABEDORIA
  • 4. A CORUJA E A FILOSOFIA A coruja da Filosofia é a Coruja de Minerva. Minerva – Athena
  • 5. LOCAL: MILETO DATA: SÉCULO VI a C
  • 7. FILOSOFIA CARÁTER RACIONAL MITO ------------ RAZÃO
  • 8. Filosofia O que marca o surgimento da Filosofia é seu caráter racional. Os homens passam de uma explicação mitológica do mundo para uma explicação racional. Ao perceberem as contradições e limitações dos mitos, eles reformulam e racionalizam as narrativas míticas, transformando-as em uma explicação inteiramente nova e diferente.
  • 9. Filosofia – Cosmologia Conhecimento racional da ordem do mundo ou da Natureza.
  • 10. Mito e Filosofia O mito falava em deuses, como Zeus, Perséfone e Gaia. Narrava a origem dos seres celestes e terrestres como derivados das relações com os deuses. A Filosofia fala em céu, mar e terra. Ela explica o surgimento desses seres por composição, combinação e separação dos quatro elementos – úmido, seco, quente e frio, ou água, terra, fogo e ar.
  • 11. Mito e Filosofia O mito narrava a origem através de genealogias derivadas de forças divinas sobrenaturais e personalizadas. A Filosofia, ao contrário, explica a produção natural das coisas por elementos e causas naturais e impessoais.
  • 12. Mito e Filosofia O mito pretendia narrar como as coisas eram ou tinham sido no passado imemorial, longínquo e fabuloso, voltando-se para o que era antes que tudo existisse tal como existe no presente. A Filosofia, ao contrário, se preocupa em explicar como e por que, no passado, no presente e no futuro (isto é, na totalidade do tempo), as coisas são como são;
  • 13. Mito e Filosofia O mito não se importava com contradições, com o fabuloso e o incompreensível, não só porque esses eram traços próprios da narrativa mítica, como também porque a confiança e a crença no mito vinham da autoridade religiosa do narrador.
  • 14. Mito e Filosofia A Filosofia, ao contrário, não admite contradições, fabulação e coisas incompreensíveis, mas exige que a explicação seja coerente, lógica e racional; Além disso, a autoridade da explicação não vem da pessoa do filósofo, mas da razão, que é a mesma em todos os seres humanos.
  • 15. A EXPLICAÇÃO DO MUNDO MMIITTOO DDIISSCCUURRSSOO IINNTTUUIIÇÇÃÃOO CCOOMMPPRREEEENNSSIIVVAA DDAA RREEAALLIIDDAADDEE TTRRAADDIIÇÇÃÃOO CCOOLLEETTIIVVAA NNÃÃOO SSUUJJEEIITTOO ÀÀ CCRRÍÍTTIICCAA LLOOGGOOSS RRAAZZÃÃOO EELLAABBOORRAAÇÇÃÃOO IINNDDIIVVIIDDUUAALL SSUUJJEEIITTOO ÀÀ CCRRÍÍTTIICCAA EEXXPPLLIICCAAÇÇÃÃOO DDOO MMUUNNDDOO // CCOOSSMMOOSS
  • 16. O FILÓSOFO PITÁGORAS DE SAMOS SÉCULO V a C OBSERVADOR
  • 17. O FILÓSOFO Não é movido por interesses comerciais – não coloca o saber como propriedade sua, como uma coisa para ser comprada e vendida no mercado; Não é movido pelo desejo de competir – não faz das idéias e dos conhecimentos uma habilidade para vencer competidores ou “atletas intelectuais”;
  • 18. O FILÓSOFO É movido pelo desejo de observar, contemplar, julgar e avaliar as coisas, as ações, a vida: pelo desejo de saber. A verdade não pertence a ninguém, ela é o que buscamos e que está diante de nós para ser contemplada e vista, se tivermos olhos (do espírito) para vê-la.
  • 19. MOTIVOS • ESPANTO • ADMIRAÇÃO • DESEJO NATURAL DE SABER
  • 20. ININTTEERRRROOGGAAÇÇÕÕEESS F FILILOOSSÓÓFFICICAASS (1) O QUE É ? (2) POR QUE É ? (3) COMO É ? (1) O QUE É ? (2) POR QUE É ? (3) COMO É ?
  • 21. CRENÇAS COTIDIANAS X QUESTÕES FILOSÓFICAS
  • 22. • O QUE É O TEMPO ? • O QUE É A REALIDADE ? • O QUE É LIBERDADE ? • O QUE É NORMALIDADE ? • O QUE É SER BOM ?
  • 23. ATITUDE FILOSÓFICA Tomar distância da vida cotidiana e de si mesmo; interrogar a si mesmo, desejando conhecer por que cremos no que cremos, por que sentimos o que sentimos e o que são nossas crenças e nossos sentimentos.
  • 24. ATITUDE FILOSÓFICA Decisão de não aceitar como óbvias e evidentes as coisas, as idéias, os fatos, as situações, os valores, os comportamentos de nossa existência cotidiana; jamais aceitá-los sem antes havê-los investigado e compreendido.
  • 25. ATITUDE CRÍTICA DUVIDAR Dizer não ao senso comum, aos pré-conceitos, aos pré-juízos, aos fatos e às idéias da experiência cotidiana, ao que “todo mundo diz”, ao estabelecido.
  • 26. INTERROGAR Interrogar sobre o que são as coisas, as idéias, os fatos, as situações, os comportamentos, os valores, nós mesmos. Questionar sobre o porquê disso tudo e de nós e sobre como tudo isso é assim e não de outra maneira. O que é? Por que é? Como é? Essas são as indagações fundamentais da atitude filosófica.
  • 27. ATIVIDADE FILOSÓFICA • REFLEXÃO CRÍTICA • RACIONAL • RADICAL • PROFUNDA • SISTEMÁTICA
  • 28. SÓCRATES (470-399) SÉCULO III “SÓ SEI QUE NADA SEI” QUESTIONAR
  • 29. Para que serve a Filosofia? [1] Se abandonarmos a ingenuidade e os preconceitos do senso comum for útil; [2] Se não nos deixarmos guiar pela submissão às idéias dominantes e aos poderes estabelecidos for útil; [3] Se buscarmos compreender a significação do mundo, da cultura, da história for útil;
  • 30. Para que serve a Filosofia? [4] Se conhecermos o sentido das criações humanas nas artes, nas ciências, na ética e na política for útil; [5] Se dar a cada um de nós e à nossa sociedade os meios para serem conscientes de si e de suas ações numa prática que deseja a liberdade e a felicidade para todos for útil;
  • 31. Então podemos dizer que a Filosofia é o mais útil de todos os saberes de que os seres humanos são capazes.
  • 32. QUAL A FUNÇÃO DO FILÓSOFO ?
  • 33. CONVITE AO MERGULHO NA ATIVIDADE FILOSÓFICA FILOSOFIA • REFLEXÃO CRÍTICA RACIONAL • RADICAL • SISTEMÁTICA