SlideShare uma empresa Scribd logo
Serviço de Neurocirurgia e
           Neurologia

Dr. Carlos Frederico Rodrigues
   Sua estrutura interna é semelhante à medula.

   A substância cinzenta é fragmentada transversal e
    longitudinalmente, dando origem a diversos núcleos.

   Os núcleos que se relacionam com os nervos cranianos
    (recebem suas fibras) ou são constituídos por
    neurônios que vão formar aqueles nervos são
    chamados homólogos à substância cinzenta –
    substância cinzenta homóloga.

   Os demais núcleos encontrados e que não possuem
    relação com os nervos cranianos são chamados de
    substância cinzenta própria.
   Em toda extensão do tronco encontramos
    regiões constituídas por um emaranhado de
    células e fibras nervosas, com uma estrutura
    intermediária entre as substâncias cinzenta e
    branca.

   São conhecidas como formação reticular.
   Substância cinzenta                   Fig 7.1
    homóloga:

   Núcleos dos nervos cranianos –
    bilateralmente em todos os
    níveis (mesencéfalo, ponte e
    bulbo)

   Os motores são mais mediais e
    os sensitivos são mais laterais.

   Estudaremos os núcleos em
    sentido crânio-caudal.
   O primeiro nervo craniano que           Fig 7.1
    nasce do tronco encefálico é o III
    nervo craniano (oculomotor)

   Origina-se em um núcleo
    situado no mesencéfalo, ao nível
    do colículo superior – núcleo do
    oculomotor.

   Em um corte transversal o
    núcleo é dorsomedial e ventral
    ao aqueduto.

   Próximo ao núcleo do
    oculomotor existe o núcleo de
    Edinger-Westphal – origina
    fibras pré-ganglionares
    parassimpáticas .
   No mesencéfalo, ao           Fig 7.1
    nível do colículo
    inferior, encontra-se o
    núcleo do troclear (IV
    par.)

   Inerva o músculo
    oblíquo superior e
    participa da
    motilidade ocular
    extrínseca.
   Começando no mesencéfalo,             Fig 7.1
    mas estendendo-se até ao Bulbo,
    situam-se os núcleos sensitivos
    do trigêmio – V par.

   Núcleo mesencefálico –
    informações proprioceptivas da
    cabeça.

   Núcleo pontino – núcleo
    sensitivo principal do trigêmio.
    Sensações de tato e pressão da
    face.

   No bulbo – núcleo do trato
    espinhal do trigêmio –
    sensações de dor e temperatura
    provenientes da face.
   O V nervo craniano         Fig 7.1
    possui ainda um
    núcleo motor,
    responsável pela
    inervação da
    musculatura da
    mastigação –
    masseter, pterigoideo
    e temporal –
    localizado na ponte –
    núcleo motor do
    trigêmio
   O VI nervo craniano,           7.1
    tem sua origem em um
    núcleo situado na
    ponte, ao nível do
    colículo facial no
    assoalho do IV
    ventrículo.

   Núcleo do abducente,
    responsável pela
    inervação do reto lateral
    na motilidade ocular
    extrínseca.
   Ainda no colículo          Fig 7.1
    facial, situado mais
    profundamente, está o
    núcleo do facial (VII
    par).

   Reponsável pela
    inervação da mímica
    facial.
   Caudalmente, no bulbo,                Fig 7.1
    encontramos os núcleos
    cocleares e um pouco mais
    rostral os núcleos vestibulares.
    Formação do VIII par.

   Os cocleares são dois de cada
    lado e responsáveis pela
    audição. Os vestibulares são 4
    de cada lado e responsáveis
    pelo equilíbrio.

   Os núcleos vestibulares ainda
    enviam e recebem fibras do
    cerebelo e originam um trato
    descendente para a medula –
    trato vestíbulo-espinhal.
   Ao nível do bulbo temos         7.1
    ainda o núcleo ambíguo –
    núcleo motor responsável
    pela inervação da
    musculatura da faringe –
    possui neurônios que
    formarão os IX, X e XI
    pares.

   Outro núcleo bulbar
    relacionado com mais de 1
    nervo, é o núcleo do trato
    solitário VII, IX e X –
    relacionado com a
    gustação e sensibilidade
    visceral.
   No trígono do vago, no          Fig 7.1
    assoalho do IV ventrículo
    – Bulbo – avista-se o
    núcleo motor dorsal do
    vago – fibras pré-
    ganglionares
    parassimpáticas que irão
    sair por este nervo.

   Finalmente o núcleo do
    hipoglosso – fibras do XII
    par. Bulbo, ao nível do
    trígono do hipoglosso,
    pode ser visto na
    superfície do IV
    ventrículo.
   Núcleo rubro – apresenta         7.1
    uma cor avermelhada. É
    um núcleo oval, situado
    no mesencéfalo.

   Recebe fibras do cerebelo
    e do córtex motor. Emite
    fibras para o núcleo olivar
    e dá origem também ao
    trato rubro-espinhal.

   Importante centro de
    controle da motricidade.
   Substância negra – núcleo       Fig 7.2
    situado no limite do
    pedúnculo mesencefálico.

   Seus neurônios são
    pigmentados pela melanina.

   As conexões aferentes e
    eferentes mais importantes
    se fazem com o corpo
    estriado.

   Envia ainda fibras para o
    tálamo e para o colículo
    superior, participando do
    circuito motor.
   O colículo inferior é      7.2
    um núcleo relé das
    vias auditivas.

   Fazem sinapses fibras
    originadas nos
    núcleos cocleares e
    dele partem fibras
    para o corpo
    geniculado medial.
   Na ponte temos ainda          7.2
    os núcleos pontinos.

   Substância cinzenta
    situada na base da
    ponte e que recebem
    fibras das regiões
    motoras do córtéx (trato
    córtico-pontino) e
    enviam fibras para o
    cerebelo.

   Participam do circuito
    motor.
   Núcleo olivar inferior –           7.2
    massa irregular de
    substância cinzenta.

   Localiza-se no bulbo e é
    responsável pela saliência de
    mesmo nome no bulbo.

   Conexões recíprocas com a
    medula.

   Envia fibras para o cerebelo
    através do pedúnculo
    cerebelar inferior.

   Controle da motricidade.
   No bulbo temos ainda os           Fig 7.4
    núcleos grácil e cuneiforme.

   Recebem fibras que sobem,
    respectivamente da medula
    espinhal, pelos fascículos
    grácil e cuneiforme.

   Enviam fibras para o tálamo,
    através do leminisco medial.

   Participam do tato
    discriminativo,
    propriocepção consciente e
    sensibilidade vibratória.
   TRATOS DESCENDENTES                      Fig 7.7
   Trato córtico-espinhal – possui um
    largo trajeto ao longo do tronco
    encefálico, passando pela base do
    mesencéfalo e da ponte e depois
    pelas pirâmides bulbares, onde
    ocorre a decussassão.

   Outro trato que viaja em conjunto
    com o córtico-espinhal é o córtico-
    nuclear ou córtico-bulbar. Origina-
    se na área motora do córtex e
    termina nos núcleos motores dos
    nervos cranianos no tronco.

   Embora terminem antes das
    pirâmides, cruzam a linha média e
    são chamados piramidais. Controle
    voluntário dos movimentos do
    crânio.
   Trato córtico-pontino    Rubro-espinhal,
    – inicia-se em áreas    vestíbulo-espinhal e
    motoras do córtex e     retículo-espinhal –
    termina nos núcleos     papel no controle
    pontinos. Importante    motor.
    para a coordenação
    motora.
   TRATOS ASCENDENTES              Alguns possuem
                                     origem no tronco
   Espinotalâmico e
    espinocerebelares – tratos       cerebral: os
    que passam ao longo do           neurônios
    tronco encefálico com
    destino ao tálamo ou ao
                                     localizados nos
    cerebelo.                        núcleos grácil e
                                     cuneiforme.
   As fibras originadas       O leminisco medial é
    nesses núcleos cruzam       continuação dos
    a linha média e             fascículos grácil e
    originam o leminisco        cuneiforme e possui a
    medial, que se dirige       mesma função.
    ao tálamo.
   Leminisco trigeminal        Termina no tálamo e
    – origina-se no tronco       conduz a
    em todos os núcleos          sensibilidade somática
    sensitivos do nervo          da face.
    trigêmio – cruzam a
    linha média e
    ascendem pelo
    leminisco trigeminal.
   Leminisco lateral –       Outros núcleos
    núcleos cocleares e        sensitivos do tronco
    sobem em direção ao        originam feixes
    colículo inferior. E       ascendentes – trato
    ascendem cruzando a        solitário (gustação).
    linha média até o
    corpo geniculado
    lateral (tálamo).
   TRATOS DE ASSOCIAÇÃO

   Fascículo longitudinal
    medial – associa diversas
    regiões do tronco encefálico
    – principalmente núcleos
    vestibulares e o controle do
    movimento dos olhos –
    estabilidade do mundo
    visual.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Alisson Vasconcelos Dos Anjos
 
Introdução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaIntrodução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomia
Caio Maximino
 
Estrutura do bulbo
Estrutura do bulboEstrutura do bulbo
Estrutura do bulbo
Marcus César Petindá Fonseca
 
Tronco encefálico - SNC
Tronco encefálico - SNCTronco encefálico - SNC
Tronco encefálico - SNC
Adriana Mércia
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
pauloalambert
 
Tronco encefálico mesencéfalo
Tronco encefálico mesencéfaloTronco encefálico mesencéfalo
Tronco encefálico mesencéfalo
Williams Pinto Williamsc.Pinto
 
Cerebelo
CerebeloCerebelo
Cerebelo
FranciscoM72
 
Medula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos EspinhaisMedula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos Espinhais
Vânia Caldeira
 
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
Laiz Cristina
 
Meninges e liquor
Meninges e liquorMeninges e liquor
Meninges e liquor
Michele Sousa
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Cleanto Santos Vieira
 
Revisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomiaRevisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomia
pauloalambert
 
Neuroanatomia 20
Neuroanatomia 20Neuroanatomia 20
Neuroanatomia 20
pauloalambert
 
Medula espinhal
Medula espinhalMedula espinhal
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
Marília Gomes
 
Vascularização do encéfalo
Vascularização do encéfaloVascularização do encéfalo
Vascularização do encéfalo
Als Motta
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso central
Sebastiao Margarida
 
Tronco encefálico
Tronco encefálico Tronco encefálico
Tronco encefálico
Jumooca
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
Janderson Physios
 
Aula 4
Aula 4Aula 4

Mais procurados (20)

Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
Introdução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaIntrodução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomia
 
Estrutura do bulbo
Estrutura do bulboEstrutura do bulbo
Estrutura do bulbo
 
Tronco encefálico - SNC
Tronco encefálico - SNCTronco encefálico - SNC
Tronco encefálico - SNC
 
Nervos cranianos
Nervos cranianosNervos cranianos
Nervos cranianos
 
Tronco encefálico mesencéfalo
Tronco encefálico mesencéfaloTronco encefálico mesencéfalo
Tronco encefálico mesencéfalo
 
Cerebelo
CerebeloCerebelo
Cerebelo
 
Medula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos EspinhaisMedula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos Espinhais
 
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
FORMAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
 
Meninges e liquor
Meninges e liquorMeninges e liquor
Meninges e liquor
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Revisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomiaRevisão neuroanatomia
Revisão neuroanatomia
 
Neuroanatomia 20
Neuroanatomia 20Neuroanatomia 20
Neuroanatomia 20
 
Medula espinhal
Medula espinhalMedula espinhal
Medula espinhal
 
Sistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humanaSistema nervoso - anatomia humana
Sistema nervoso - anatomia humana
 
Vascularização do encéfalo
Vascularização do encéfaloVascularização do encéfalo
Vascularização do encéfalo
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso central
 
Tronco encefálico
Tronco encefálico Tronco encefálico
Tronco encefálico
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 

Destaque

Disrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefaliasDisrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefalias
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Ergonomia & segurança
Ergonomia & segurançaErgonomia & segurança
Ergonomia & segurança
washington carlos vieira
 
Controle encefálico do movimento
Controle encefálico do movimentoControle encefálico do movimento
Controle encefálico do movimento
washington carlos vieira
 
Sistema vestibular
Sistema vestibularSistema vestibular
Sistema vestibular
jaadoliv
 
Tálamo, subtálamo e epitálamo
Tálamo, subtálamo e epitálamoTálamo, subtálamo e epitálamo
Tálamo, subtálamo e epitálamo
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Natha Fisioterapia
 
Neuroanatomia medula espinhal
Neuroanatomia   medula espinhalNeuroanatomia   medula espinhal
Neuroanatomia medula espinhal
neuroliga-nortemineira
 

Destaque (7)

Disrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefaliasDisrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefalias
 
Ergonomia & segurança
Ergonomia & segurançaErgonomia & segurança
Ergonomia & segurança
 
Controle encefálico do movimento
Controle encefálico do movimentoControle encefálico do movimento
Controle encefálico do movimento
 
Sistema vestibular
Sistema vestibularSistema vestibular
Sistema vestibular
 
Tálamo, subtálamo e epitálamo
Tálamo, subtálamo e epitálamoTálamo, subtálamo e epitálamo
Tálamo, subtálamo e epitálamo
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Neuroanatomia medula espinhal
Neuroanatomia   medula espinhalNeuroanatomia   medula espinhal
Neuroanatomia medula espinhal
 

Semelhante a Tronco encefálico

Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFaloAula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
kazumialexandre
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponteMedresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Jucie Vasconcelos
 
Neuroanatomia nervos
Neuroanatomia   nervosNeuroanatomia   nervos
Medula espinhal profunda
Medula espinhal profundaMedula espinhal profunda
Medula espinhal profunda
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
Ana Carolina Andrade
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulboMedresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Jucie Vasconcelos
 
Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
Liga de neurociências
 
introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
 introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
MarliaSousa8
 
Documento trabalho de Neuroanatomia
Documento trabalho de NeuroanatomiaDocumento trabalho de Neuroanatomia
Documento trabalho de Neuroanatomia
Anderson Santana
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Egberto Neto
 
SIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptxSIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptx
MayaraKaroliny1
 
Vias sensoriais
Vias sensoriaisVias sensoriais
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdfaulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
AyrttonAnacleto2
 
cerebelo funcional.pptx
cerebelo funcional.pptxcerebelo funcional.pptx
cerebelo funcional.pptx
GabrielPintoMalowa
 
Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Sistema nervoso2
Sistema nervoso2
mariabraz
 
3 medula espinhal
3 medula espinhal3 medula espinhal
3 medula espinhal
José Ribamar Costa Júnior
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
SamuelXavier27
 
O sistema nervoso
O sistema nervoso O sistema nervoso
O sistema nervoso
Nubia Karla
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
Luciano Souza
 

Semelhante a Tronco encefálico (20)

Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFaloAula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponteMedresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
 
Neuroanatomia nervos
Neuroanatomia   nervosNeuroanatomia   nervos
Neuroanatomia nervos
 
Medula espinhal profunda
Medula espinhal profundaMedula espinhal profunda
Medula espinhal profunda
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulboMedresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
 
Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
 
introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
 introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
 
Documento trabalho de Neuroanatomia
Documento trabalho de NeuroanatomiaDocumento trabalho de Neuroanatomia
Documento trabalho de Neuroanatomia
 
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso HumanoAnatomia do Sistema Nervoso Humano
Anatomia do Sistema Nervoso Humano
 
SIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptxSIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptx
 
Vias sensoriais
Vias sensoriaisVias sensoriais
Vias sensoriais
 
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdfaulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
 
cerebelo funcional.pptx
cerebelo funcional.pptxcerebelo funcional.pptx
cerebelo funcional.pptx
 
Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Sistema nervoso2
Sistema nervoso2
 
3 medula espinhal
3 medula espinhal3 medula espinhal
3 medula espinhal
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
O sistema nervoso
O sistema nervoso O sistema nervoso
O sistema nervoso
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 

Mais de Carlos Frederico Almeida Rodrigues

Hemorragia periventricular
Hemorragia periventricularHemorragia periventricular
Hemorragia periventricular
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Cefaleia na emergência
Cefaleia na emergênciaCefaleia na emergência
Cefaleia na emergência
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Transtornos do aprendizado
Transtornos do aprendizadoTranstornos do aprendizado
Transtornos do aprendizado
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Diagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMADiagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMA
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Neurocirurgia
NeurocirurgiaNeurocirurgia
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriaisPrincípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Quando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologistaQuando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologista
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica patoAnálise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Toc
TocToc
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
Lesões+do..
Lesões+do..Lesões+do..
Vias motoras
Vias motorasVias motoras

Mais de Carlos Frederico Almeida Rodrigues (20)

Hemorragia periventricular
Hemorragia periventricularHemorragia periventricular
Hemorragia periventricular
 
Cefaleia na emergência
Cefaleia na emergênciaCefaleia na emergência
Cefaleia na emergência
 
Transtornos do aprendizado
Transtornos do aprendizadoTranstornos do aprendizado
Transtornos do aprendizado
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Neurofisiologia
 
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
 
Diagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMADiagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMA
 
Neurocirurgia
NeurocirurgiaNeurocirurgia
Neurocirurgia
 
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriaisPrincípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
 
Quando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologistaQuando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologista
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
 
A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Ataxia e ..
 
Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)
 
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
 
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica patoAnálise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
 
Toc
TocToc
Toc
 
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
Uno cc febril
 
Lesões+do..
Lesões+do..Lesões+do..
Lesões+do..
 
Vias motoras
Vias motorasVias motoras
Vias motoras
 

Tronco encefálico

  • 1. Serviço de Neurocirurgia e Neurologia Dr. Carlos Frederico Rodrigues
  • 2. Sua estrutura interna é semelhante à medula.  A substância cinzenta é fragmentada transversal e longitudinalmente, dando origem a diversos núcleos.  Os núcleos que se relacionam com os nervos cranianos (recebem suas fibras) ou são constituídos por neurônios que vão formar aqueles nervos são chamados homólogos à substância cinzenta – substância cinzenta homóloga.  Os demais núcleos encontrados e que não possuem relação com os nervos cranianos são chamados de substância cinzenta própria.
  • 3. Em toda extensão do tronco encontramos regiões constituídas por um emaranhado de células e fibras nervosas, com uma estrutura intermediária entre as substâncias cinzenta e branca.  São conhecidas como formação reticular.
  • 4. Substância cinzenta  Fig 7.1 homóloga:  Núcleos dos nervos cranianos – bilateralmente em todos os níveis (mesencéfalo, ponte e bulbo)  Os motores são mais mediais e os sensitivos são mais laterais.  Estudaremos os núcleos em sentido crânio-caudal.
  • 5. O primeiro nervo craniano que  Fig 7.1 nasce do tronco encefálico é o III nervo craniano (oculomotor)  Origina-se em um núcleo situado no mesencéfalo, ao nível do colículo superior – núcleo do oculomotor.  Em um corte transversal o núcleo é dorsomedial e ventral ao aqueduto.  Próximo ao núcleo do oculomotor existe o núcleo de Edinger-Westphal – origina fibras pré-ganglionares parassimpáticas .
  • 6. No mesencéfalo, ao  Fig 7.1 nível do colículo inferior, encontra-se o núcleo do troclear (IV par.)  Inerva o músculo oblíquo superior e participa da motilidade ocular extrínseca.
  • 7. Começando no mesencéfalo,  Fig 7.1 mas estendendo-se até ao Bulbo, situam-se os núcleos sensitivos do trigêmio – V par.  Núcleo mesencefálico – informações proprioceptivas da cabeça.  Núcleo pontino – núcleo sensitivo principal do trigêmio. Sensações de tato e pressão da face.  No bulbo – núcleo do trato espinhal do trigêmio – sensações de dor e temperatura provenientes da face.
  • 8. O V nervo craniano  Fig 7.1 possui ainda um núcleo motor, responsável pela inervação da musculatura da mastigação – masseter, pterigoideo e temporal – localizado na ponte – núcleo motor do trigêmio
  • 9. O VI nervo craniano,  7.1 tem sua origem em um núcleo situado na ponte, ao nível do colículo facial no assoalho do IV ventrículo.  Núcleo do abducente, responsável pela inervação do reto lateral na motilidade ocular extrínseca.
  • 10. Ainda no colículo  Fig 7.1 facial, situado mais profundamente, está o núcleo do facial (VII par).  Reponsável pela inervação da mímica facial.
  • 11. Caudalmente, no bulbo,  Fig 7.1 encontramos os núcleos cocleares e um pouco mais rostral os núcleos vestibulares. Formação do VIII par.  Os cocleares são dois de cada lado e responsáveis pela audição. Os vestibulares são 4 de cada lado e responsáveis pelo equilíbrio.  Os núcleos vestibulares ainda enviam e recebem fibras do cerebelo e originam um trato descendente para a medula – trato vestíbulo-espinhal.
  • 12. Ao nível do bulbo temos  7.1 ainda o núcleo ambíguo – núcleo motor responsável pela inervação da musculatura da faringe – possui neurônios que formarão os IX, X e XI pares.  Outro núcleo bulbar relacionado com mais de 1 nervo, é o núcleo do trato solitário VII, IX e X – relacionado com a gustação e sensibilidade visceral.
  • 13. No trígono do vago, no  Fig 7.1 assoalho do IV ventrículo – Bulbo – avista-se o núcleo motor dorsal do vago – fibras pré- ganglionares parassimpáticas que irão sair por este nervo.  Finalmente o núcleo do hipoglosso – fibras do XII par. Bulbo, ao nível do trígono do hipoglosso, pode ser visto na superfície do IV ventrículo.
  • 14. Núcleo rubro – apresenta  7.1 uma cor avermelhada. É um núcleo oval, situado no mesencéfalo.  Recebe fibras do cerebelo e do córtex motor. Emite fibras para o núcleo olivar e dá origem também ao trato rubro-espinhal.  Importante centro de controle da motricidade.
  • 15. Substância negra – núcleo  Fig 7.2 situado no limite do pedúnculo mesencefálico.  Seus neurônios são pigmentados pela melanina.  As conexões aferentes e eferentes mais importantes se fazem com o corpo estriado.  Envia ainda fibras para o tálamo e para o colículo superior, participando do circuito motor.
  • 16. O colículo inferior é  7.2 um núcleo relé das vias auditivas.  Fazem sinapses fibras originadas nos núcleos cocleares e dele partem fibras para o corpo geniculado medial.
  • 17. Na ponte temos ainda  7.2 os núcleos pontinos.  Substância cinzenta situada na base da ponte e que recebem fibras das regiões motoras do córtéx (trato córtico-pontino) e enviam fibras para o cerebelo.  Participam do circuito motor.
  • 18. Núcleo olivar inferior –  7.2 massa irregular de substância cinzenta.  Localiza-se no bulbo e é responsável pela saliência de mesmo nome no bulbo.  Conexões recíprocas com a medula.  Envia fibras para o cerebelo através do pedúnculo cerebelar inferior.  Controle da motricidade.
  • 19. No bulbo temos ainda os  Fig 7.4 núcleos grácil e cuneiforme.  Recebem fibras que sobem, respectivamente da medula espinhal, pelos fascículos grácil e cuneiforme.  Enviam fibras para o tálamo, através do leminisco medial.  Participam do tato discriminativo, propriocepção consciente e sensibilidade vibratória.
  • 20. TRATOS DESCENDENTES  Fig 7.7  Trato córtico-espinhal – possui um largo trajeto ao longo do tronco encefálico, passando pela base do mesencéfalo e da ponte e depois pelas pirâmides bulbares, onde ocorre a decussassão.  Outro trato que viaja em conjunto com o córtico-espinhal é o córtico- nuclear ou córtico-bulbar. Origina- se na área motora do córtex e termina nos núcleos motores dos nervos cranianos no tronco.  Embora terminem antes das pirâmides, cruzam a linha média e são chamados piramidais. Controle voluntário dos movimentos do crânio.
  • 21. Trato córtico-pontino Rubro-espinhal, – inicia-se em áreas vestíbulo-espinhal e motoras do córtex e retículo-espinhal – termina nos núcleos papel no controle pontinos. Importante motor. para a coordenação motora.
  • 22. TRATOS ASCENDENTES  Alguns possuem origem no tronco  Espinotalâmico e espinocerebelares – tratos cerebral: os que passam ao longo do neurônios tronco encefálico com destino ao tálamo ou ao localizados nos cerebelo. núcleos grácil e cuneiforme.
  • 23. As fibras originadas  O leminisco medial é nesses núcleos cruzam continuação dos a linha média e fascículos grácil e originam o leminisco cuneiforme e possui a medial, que se dirige mesma função. ao tálamo.
  • 24. Leminisco trigeminal  Termina no tálamo e – origina-se no tronco conduz a em todos os núcleos sensibilidade somática sensitivos do nervo da face. trigêmio – cruzam a linha média e ascendem pelo leminisco trigeminal.
  • 25. Leminisco lateral –  Outros núcleos núcleos cocleares e sensitivos do tronco sobem em direção ao originam feixes colículo inferior. E ascendentes – trato ascendem cruzando a solitário (gustação). linha média até o corpo geniculado lateral (tálamo).
  • 26. TRATOS DE ASSOCIAÇÃO  Fascículo longitudinal medial – associa diversas regiões do tronco encefálico – principalmente núcleos vestibulares e o controle do movimento dos olhos – estabilidade do mundo visual.