SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste

                                 Faculdade de Medicina

                                 Professor: Carlos Frederico Rodrigues




 SERVIÇO DE NEUROLOGIA E
        NEUROCIRURGIA
Dr. Carlos Frederico Rodrigues
I – INTRODUÇÃO




       Medula Espinhal

 SNC                                       Bulbo

                     tronco cerebral       Ponte

       Encéfalo   cerebelo               Mesencéfalo


                      cérebro
   Cilindro de tecido nervoso, contido no
    canal vertebral e envolvido pelas
    meninges.

   Seu calibre não é uniforme –
    intumescências cervical e lombar –
    Ponto de formação dos plexos braquial
    e lombar, reponsáveis pela inervação
    dos membros superiores e inferiores.

   Extremidade caudal é
    afilada, formando o cone medular.

   Percorrida em toda sua extensão por
    sulcos longitudinais.
   Em toda extensão: fissura mediana
    anterior, ladeada pelos sulcos laterais
    anteriores. Sulco mediano posterior, ladeado
    pelos sulcos laterais posteriores.

   Região cervical: Entre os sulcos laterais
    posteriores e o sulco mediano existem os
    sulcos intermédios posteriores.

   Funículo anterior – entre a fissura mediana
    anterior e o sulco lateral anterior.

   Funículo lateral – entre os sulcos laterais
    anterior e posterior.

   Funículo posterior – sulcos mediano
    posterior e lateral posterior. Na porção
    cervical da medula é dividido, pelo sulco
    intermédio posterior, em fascículo Grácil e
    Cuneiforme.
   Os sulcos da superfície da medula são o local
    onde têm origem os nervos espinhais.
   2 raízes: uma ventral (anterior) e outra dorsal
    (posterior).
   Raíz ventral – nasce do sulco lateral anterior.
   Raíz dorsal – nasce do sulco lateral posterior.
   Na raíz dorsal existe o gânglio da raíz dorsal ou
    gânglio espinhal.
   A porção da medula que dá origem
    a um par de nervos espinhais é
    chamada de Segmento Medular.

   Existem tantos segmentos quanto
    nervos.

   A medula é mais curta que o canal
    vertebral. Terminando em L1-L2.
    Abaixo desse ponto observa-se
    apenas as raízes dos nervos
    espinhais que formam a Cauda
    Equina.
   Envolvida pelas meninges.

   Mais externa – Dura-máter . Entre ela
    e o periósteo – espaço epidural
    ocupado por gorduras e veias.

   Intermédia – Aracnóide – entre ela e a
    dura-máter – espaço subdural.

   Interna – Pia-máter – entre ela e a
    aracnóide- espaço subaracnoideo –
    LCR. Forma o Filamento terminal.
 Divide-se   em Bulbo, Ponte e Mesencéfalo.

 Porçãodo SNC imediatamente rostral à
 Medula.

 Abordagem     caudal para rostral e anterior
 para dorsal.
BULBO




   Continuação direta da medula espinhal – o limite é o primeiro filamento radicular
    – foramen magno.
   Anteriormente: continuação da fissura mediana anterior e dos sulcos laterais
    anteriores.
   Entre a fissura mediana anterior e o sulco lateral anterior, temos uma eminência
    chamada pirâmide.
   Pirâmide – constituída por fibras que descem da área motora do cérebro em
    direção à medula. Cruzam a linha média obliterando a fissura anterior –
    decussassão das pirâmides.
   Lateral ao sulco lateral existe uma outra saliência: Oliva – núcleo Olivar situado
    internamente.
   Separado da Ponte pelo sulco bulbo-pontino.
BULBO




   Nervos cranianos com origem bulbar:
   XII nervo – Hipoglosso – Sulco lateral anterior – entre
    a pirâmide e a oliva.
   IX –X – XI – Sulco lateral posterior em sentido crânio-
    caudal.
   Sulco bulbo-pontino – VI-VII-VIII – Entre os nerovos
    facial e coclear, nasce o Intermédio que faz parte do
    VII Nervo craniano.
PONTE




   Posição intermediária no tronco.
   Superfície anterior possui estriações transversais –
    fibras que formarão os pedúnculos cerebelares
    médios.
   Entre a ponte e o pedúnculo cerebelar médio
    localiza-se a emergência do V nervo craniano.
   Anteriormente apresenta ainda um sulco longitudinal
    – sulco basilar – artéria basilar.
MESENCÉFALO




 Pedúnculos cerebrais – duas colunas que
 penetram no cérebro e delimitam entre si um
 espaço – fossa interpeduncular –
 emergência do III Nervo craniano.
BULBO – DORSAL




   Sulcos laterais posteriores, intermédios e mediano
    posterior. Fásciculos grácil e cuneirforme.

   Terminam em duas saliências – tubéculos – do
    núcleo grácil e cuneirforme. Acima dos tubérculos
    temos a abertura do IV ventrículo.

   Acima dos tubérculos estão presentes os pedúnculos
    cerebelares inferiores – assoalho do IV Ventrículo.
IV VENTRÍCULO




   Maior parte do contorno posterior do do tronco encefálico. Bulbo e Ponte.
   O assoalho do IV ventrículo é percorrido pelo sulco mediano e a cada lado deste
    estão os sulcos limitantes.
   Entre o sulco mediano e os limitantes existe a eminência medial.
   O sulco limitante possui duas depressões – fóvea superior e a fóvea inferior.
   Medialmente à fóvea superior – colículo facial.
   Abaixo da fóvea inferior – trígono do hipoglosso (medial) e do vago (lateral).
   Lateralmente aos sulcos limitantes existe uma área vestibular.
IV VENTRÍCULO




   O IV – Ventrículo se comunica com o III ventrículo através do
    Aqueduto Cerebral – Sylvius, com o canal central da
    medula, com o espaço subaracnoideo através dos foramens de
    Luschka e Magendie.
   Pendente do teto do IV Ventrículo existe o plexo coróide do IV
    Ventrículo.
   Acima e ao lado do IV Ventrículo estão os pedúnculos
    cerebelares superiores.
   Entre os pedúculos cerebelares superiores está o véu medular
    superior – teto do IV Ventrículo.
MESENCÉFALO




   Quatro eminências arredondadas que são os colículos superiores e os colículos
    inferiores.
   Abaixo dos colículos inferiores ocorre a emergência do nervo troclear – IV
    Nervo.
   O colículo inferior se une no diencéfalo ao corpo geniculado medial – através do
    braço do colículo inferior.
   O colículo superior mantém ligação com o corpo geniculado lateral através do
    braço do colículo superior.
   O corpo geniculado medial e os colículos inferiores fazem parte das vias da
    audição.
   Corpo geniculado lateral e os colículos superiores fazem parte das vias da
    visão.
MESENCÉFALO




 Os
   colículos constituem o chamado teto do
 Mesencéfalo.

 Localizam-seimportantes grupos neuronais do
 mesencéfalo: a substância negra e o núcleo
 rubro.

 Localiza-se
            ainda o aqueduto cerebral
 (cavidade do mesencéfalo).
 Situa-seposteriormente ao tronco
 encefálico e inferiormente à região
 posterior do cérebro.

 Possuiuma porção mediana, o
 Vérmis, ladeado pelos hemisférios
 cerebelares.

A superfície do cerebelo apresenta
 lâminas transversais de tecido nervoso –
 as folhas do cerebelo.
   O córtex (substância
    cinzente) localiza-se
    externamente.
   Internamente fica a
    substância branca –
    corpo medular do
    cerebelo.
   No interior do corpo
    medular estão os núcleos
    centrais do cerebelo:
    fastigial, globoso, embolif
    orme e denteado.
   Em um corte sagital passando
    pelo Vérmis – cerebelo se
    assemelha a uma árvore.
   O ramo mais inferior é o nódulo e
    a ele se liga de cada lado, uma
    porção do hemisfério chamada
    flóculo.
   Os flóculos ficam logo abaixo dos
    pedúnculos cerebelares médios –
    ligam o cerebelo à ponte.
   O nódulo e o flóculo formam o lobo
    flóculo-nodular, separado do corpo
    do cerebelo pela fissura póstero-
    lateral.
   Examinando o corpo do
    cerebelo

   Fissura prima que divide
    o cerebelo em lobo
    anterior e posterior.

   3 lobos cerebelares:
    anterior, posterior e
    flóculo-nodular.
    Separados entre si pelas
    fissuras prima e póstero-
    lateral.
 Esta divisão, com base
 anatômica, encontra correspondência
 filogenética.

 Flóculo-nodular   – arquicerebelo.

 Loboanterior, pirâmide e úvula –
 paleocerebelo.

 Lobo   posterior – neocerebelo.
 Porção
       mais rostral e mais desenvolvida
 do SNC.

 Derivadade duas vesículas embrionárias
 – diencéfalo e telencéfalo.

 Como  o telencéfalo cresce rápido e
 engloba o diencéfalo, as estruturas
 derivadas dessa última só são visíveis na
 face interior do encéfalo ou em cortes.
   Origina quatro regiões cerebrais: o tálamo, o hipotálamo, o
    epitálamo e o subtálamo. Quase todas fazendo parte da
    parede do III ventrículo.
   O III Ventrículo é uma fenda mediana quese comunica com o
    IV ventrículo através do aqueduto cerebral e com os
    ventrículos laterais através dos foramens interventriculares.
   Na parede do III ventrículo observa-se um sulco que vai do
    foramen interventricular ao aqueduto cerebral – o sulco
    hipotalâmico.
   As estruturas situadas acima desse sulco pertencem ao
    tálamo e as abaixo dele pertencem ao hipotálamo.
O  tálamo tem uma forma ovalada e está
 frquentemente ligado ao tálamo do lado
 oposto por uma ponte de tecido nervoso –
 a aderência intertalâmica.

A porção posterior do tálamo leva o nome
 de pulvinar do tálamo que está ligado ao
 corpo geniculado lateral e medial.
   O hipotálamo situa-se inferiormente ao tálamo.
   Forma a parede do III ventrículo.
   Estruturas visíveis na face inferior do cérebro – o quiasma óptico, o
    túber cinéreo e os corpos mamilares.
   Os corpos mamilares são duas eminências arredondadas situadas
    na frente dos pedúnculos cerebrais.
   Os nervos ópticos emergem do quiasma óptico, posteriormente ao
    qual podem ser vistos os dois tratos ópticos.
   A região entre os corpos mamilares eo quiasma óptico chama-se
    túber cinéreo – origem do infundíbulo da hipófise.
   O subtálamo não é visível na parede do
    ventrículo, encontra-se entre o mesencéfalo e o
    hipotálamo e só pode ser visualizado em
    cortes, sob a forma de núcleos subtalâmicos.

   O epitálamo situa-se posteriormente ao tálamo e
    nele encontramos o corpo pineal.

   O III ventrículo é limitado, anteriormente, pela
    lâmina teminal, uma estrutura telencefálica e
    superiormente pela tela coróide.
 Origina
        a maior parte dos hemisférios
 cerebrais.
A superfície de cada hemisfério cerebral pode
 ser dividida em lobos, tomando-se como
 pontos de referência os sulcos lá existentes.
 Cada lobo leva o nome do osso suprajacente
 – frontal, parietal, temporal e occipital.
 Um quinto lobo cerebral, denominado
 ínsula, situa-se internamente.
 O lobo frontal apresenta dois sulcos horizontais:
  sulco frontal superior e sulco frontal inferior.
 Delimitam 3 giros: giro frontal superior, médio e
  inferior.
 Giro frontal inferior no hemisfério dominante –
  palavra falada.
 Ainda no lobo frontal existe um sulco paralelo ao
  sulco central, o sulco pré-central.
 Entre o sulco central e pré-central está o giro pré-
  central, principal área motora do córtex.
 No lobo Parietal observa-se posteriormente
 ao sulco central e paralelamente a ele, o
 sulco pós-central.
 Entre o sulco pós-central e o sulco central
 localiza-se o giro pós-central – área
 somestésica.
 Perpendicularmente  ao sulco pós-central está
 presente outro sulco: intraparietal.
 Divide   o Parietal em superior e inferior.
 No   lobo parietal inferior existem dois giros:

 Supramarginal    (sobre a extremidade do
    sulco de Sylvius) e

    Giro Angular (sobre o sulco temporal
    superior)
 Nolobo temporal temos dois sulcos
 horizontais:

 Sulco   temporal superior

 Sulco   temporal inferior

 Delimitam    o giro temporal superior, médio
 e inferior.
 Afastando-se as bordas do sulco de
 Sylvius pode se observar, no assoalho
 formado pelo giro temporal superior, a
 existência de giros transversos – giro
 temporal transverso anterior – centro da
 audição.
 Facemedial do hemisfério a estrutura mais
 evidente é o corpo caloso.
É uma comissura – fibras que passam de um
 hemisfério ao outro.
 Abaixoda parte anterior do corpo caloso
 temos a comissura anterior.
 Acima  da comissura anterior temos um feixe
 de fibras denominado fórnix.
 Entre
      o Fórnix e o corpo caloso existe uma
 membrana, o septo pelúcido, que é a
 parede medial do ventrículo lateral.

 Acima  do corpo caloso existe um sulco, o
 sulco do corpo caloso e acima dele um
 giro, o giro do Cíngulo.
 Nolobo occipital localiza-se o sulco parieto-
 occipital que divide-se em parieto-occipital
 propriamente dito e calcarino – área da visão.

 Entreo sulco calcarino e o parieto-occipital
 existe um lóbulo denominado cúneo.

 Entre
      o sulco parieto-occipital e o ramo
 marginal do sulco do cíngulo é o pré-cúneo.
 Face   inferior do lobo frontal:

 Giro   reto (medial)

 Sulco   olfatório (lateral)

 Sulcos   e giros orbitais (extremo lateral)

 Sulcoolfatório está o trato olfatório onde
 se localiza o bulbo olfatório – I NC.
Fig 3.2
 Emmeio à substância branca, podemos
 observar os núcleos da base.
 Caudado.

 Lentiforme.

 Amigadalóide.

 Além deles, visualizamos os ventrículos
 laterais
Fig 3.20
O núcleo caudado situa-se lateralmente ao
 ventrícul lateral.
 Próximo à cabeça do núcleo caudado está
 situado mais lateralmente o núcleo
 lentiforme.
O  lentiforme divide-se em: putâmen (lateral) e
 globo pálido (medial).
O  último núcleo é o amigdalóide que está
 situado no lobo temporal.
Fig 3.18
 Entreo caudado e o núcleo lentiforme e
 entre estes e o tálamo, situa-se a cápsula
 interna.

 Estruturapor onde passa a maior parte
 das fibras que chegam ou saem do córtex
 cerebral.
   Os ventrículos laterais possuem uma forma
    irregular, apresentando um corno anterior (lobo
    frontal), corno posterior (lobo occipital) e um corno
    inferior (lobo temporal)

   No interior dos ventrículos situa-se o plexo
    coróide.

   No corno inferior do ventrículo lateral existe uma
    eminência que é o hipocampo – substância
    cinzenta invaginada para dentro dos ventrículos.
Fig.3.21.
   A meninge mais externa e espessa é a dura-
    máter.
   Justaposta internamente aos ossos do crânio.
   Origina duas pregas importantes, a foice do
    cérebro, situada entre os dois hemisférios
    cerebrais e a tenda do cerebelo, situada entre o
    cérebro e o cerebelo.
   Nos pontosue de dobra da dura formam-se os
    seios durais – circula sangue venoso.
 Onde se forma a foice do cérebro localiza-
 se o seio sagital superior.

 Onde  se forma a tenda do cerebelo está o
 seio transverso.

 Noencontro da tenda com a foice está o
 seio reto.
 Abaixoda dura-máter está a aracnóide e
 abaixo dessa a pia-máter.
 Em algumas regiões o espaço subaracnoideo
 é amplo, formando cavidades que são as
 cisternas subaracnoideas.
 Entreo cerebelo e o bulbo existe a cisterna
 magna, abaixo da cauda equina está a
 cisterna lombar. São os pontos onde se
 punciona o líquor.
O  líquor é um líquido cristalino encontrado no
 interior dos ventrículos cerebrais e no espaço
 subaracnoideo.
É produzido a partir do sangue, ao nível dos
 plexos coróides nos ventrículos.
 Constitui
          um coxim líquido para proteger o
 cérebro e a medula.
 Reabsorvido  nas granulações aracnoideas no
 interior dos seios durais
O SNC é irrigado por dois sistemas arteriais:
 carotídeo e vertebral.
 Carótidas   internas originam: cerebral anterior
 e média.
 ACA  – acompanha o sulco do corpo caloso e
 irriga a face medial do cérebro.
 ACM   – acompanha a fissura de Sylvius e
 irriga os ramos da face dorsolateral.
 Asvertebrais irrigam a medula e o cerebelo e
 se fundem na face ventral da ponte formando
 a artéria basilar.
 Basilar   origina as cerebrais posteriores.
 AsACAs se ligam pela artéria comunicante
 anterior.
 AsArtérias cerebrais posteriores se
 comunicam com o sistema carotídeo pelas
 artérias comunicantes posteriores.
A drenagem venosa é realizada pelos
 seios durais e então para as jugulares.

 Dasjugulares passam para a veia cava
 superior e de volta ao coração.
Fig 3.24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Tronco Encefálico - Macroscopia - Neuroanatomia FAMECA
Tronco Encefálico - Macroscopia - Neuroanatomia FAMECA Tronco Encefálico - Macroscopia - Neuroanatomia FAMECA
Tronco Encefálico - Macroscopia - Neuroanatomia FAMECA
Faculdade de Medicina de Catanduva (FAMECA)
 
NEUROANATOMIA - FAMECA - MEDULA ESPINHAL - 2016
NEUROANATOMIA - FAMECA - MEDULA ESPINHAL - 2016 NEUROANATOMIA - FAMECA - MEDULA ESPINHAL - 2016
NEUROANATOMIA - FAMECA - MEDULA ESPINHAL - 2016
Faculdade de Medicina de Catanduva (FAMECA)
 
Medula Espinhal
Medula EspinhalMedula Espinhal
Medula Espinhal
Olavo Valente
 
Tronco encéfalico
Tronco encéfalicoTronco encéfalico
Tronco encéfalico
Mariaheht
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Jucie Vasconcelos
 
NEUROANATOMIA - FAMECA - NERVOS CRANIANOS - 2016
NEUROANATOMIA - FAMECA - NERVOS CRANIANOS - 2016 NEUROANATOMIA - FAMECA - NERVOS CRANIANOS - 2016
NEUROANATOMIA - FAMECA - NERVOS CRANIANOS - 2016
Faculdade de Medicina de Catanduva (FAMECA)
 
Estrutura Branca do Cérebro
Estrutura Branca do CérebroEstrutura Branca do Cérebro
Estrutura Branca do Cérebro
Alisson Vasconcelos Dos Anjos
 
Resumo Medula Espinhal
Resumo Medula EspinhalResumo Medula Espinhal
Resumo Medula Espinhal
guest96d46e1
 
Medula Espinhal - Macroscopia
Medula Espinhal - MacroscopiaMedula Espinhal - Macroscopia
Medula Espinhal - Macroscopia
Alisson Vasconcelos Dos Anjos
 
Neuroanatomia medula espinhal
Neuroanatomia   medula espinhalNeuroanatomia   medula espinhal
Neuroanatomia medula espinhal
neuroliga-nortemineira
 
Estrutura da Ponte
Estrutura da PonteEstrutura da Ponte
Estrutura da Ponte
Alisson Vasconcelos Dos Anjos
 
Meninges e liquor
Meninges e liquorMeninges e liquor
Meninges e liquor
Michele Sousa
 
Meninges
MeningesMeninges
Meninges
Olavo Valente
 
Anatomia do telencéfalo
Anatomia do telencéfaloAnatomia do telencéfalo
Anatomia do telencéfalo
Caio Maximino
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Medresumos 2016   omf - cardiovascularMedresumos 2016   omf - cardiovascular
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Jucie Vasconcelos
 
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  CrânioAnatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Alex Eduardo Ribeiro
 
D I E N CÉ F A L O
D I E N CÉ F A L OD I E N CÉ F A L O
D I E N CÉ F A L O
neuroliga-nortemineira
 

Mais procurados (20)

Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Tronco encefálico
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
 
Tronco Encefálico - Macroscopia - Neuroanatomia FAMECA
Tronco Encefálico - Macroscopia - Neuroanatomia FAMECA Tronco Encefálico - Macroscopia - Neuroanatomia FAMECA
Tronco Encefálico - Macroscopia - Neuroanatomia FAMECA
 
NEUROANATOMIA - FAMECA - MEDULA ESPINHAL - 2016
NEUROANATOMIA - FAMECA - MEDULA ESPINHAL - 2016 NEUROANATOMIA - FAMECA - MEDULA ESPINHAL - 2016
NEUROANATOMIA - FAMECA - MEDULA ESPINHAL - 2016
 
Medula Espinhal
Medula EspinhalMedula Espinhal
Medula Espinhal
 
Tronco encéfalico
Tronco encéfalicoTronco encéfalico
Tronco encéfalico
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
 
NEUROANATOMIA - FAMECA - NERVOS CRANIANOS - 2016
NEUROANATOMIA - FAMECA - NERVOS CRANIANOS - 2016 NEUROANATOMIA - FAMECA - NERVOS CRANIANOS - 2016
NEUROANATOMIA - FAMECA - NERVOS CRANIANOS - 2016
 
Estrutura Branca do Cérebro
Estrutura Branca do CérebroEstrutura Branca do Cérebro
Estrutura Branca do Cérebro
 
Resumo Medula Espinhal
Resumo Medula EspinhalResumo Medula Espinhal
Resumo Medula Espinhal
 
Medula Espinhal - Macroscopia
Medula Espinhal - MacroscopiaMedula Espinhal - Macroscopia
Medula Espinhal - Macroscopia
 
Neuroanatomia medula espinhal
Neuroanatomia   medula espinhalNeuroanatomia   medula espinhal
Neuroanatomia medula espinhal
 
Estrutura da Ponte
Estrutura da PonteEstrutura da Ponte
Estrutura da Ponte
 
Meninges e liquor
Meninges e liquorMeninges e liquor
Meninges e liquor
 
Meninges
MeningesMeninges
Meninges
 
Anatomia do telencéfalo
Anatomia do telencéfaloAnatomia do telencéfalo
Anatomia do telencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
 
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Medresumos 2016   omf - cardiovascularMedresumos 2016   omf - cardiovascular
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
 
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  CrânioAnatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
 
D I E N CÉ F A L O
D I E N CÉ F A L OD I E N CÉ F A L O
D I E N CÉ F A L O
 

Semelhante a Macroscopia do snc

Tronco Cerebral
Tronco CerebralTronco Cerebral
Tronco Cerebral
kazumialexandre
 
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdfaulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
AyrttonAnacleto2
 
Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Tronco encefálico
Olavo Valente
 
anatomia sistema nervoso - telencéfalo
anatomia   sistema nervoso - telencéfaloanatomia   sistema nervoso - telencéfalo
anatomia sistema nervoso - telencéfalo
AlexandreDesSaints
 
TRONCO ENCEFÁLICO_compressed.pdf - estruturas anatômicas
TRONCO ENCEFÁLICO_compressed.pdf - estruturas anatômicasTRONCO ENCEFÁLICO_compressed.pdf - estruturas anatômicas
TRONCO ENCEFÁLICO_compressed.pdf - estruturas anatômicas
afraidlinxunipam
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
Ana Carolina Andrade
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálicoMedresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Jucie Vasconcelos
 
Tronco EncefáLico MóDulo 6
Tronco EncefáLico  MóDulo 6Tronco EncefáLico  MóDulo 6
Tronco EncefáLico MóDulo 6
Antonio Luis Sanfim
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares CranianosNervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Dr. Peterson Xavier @drpetersonxavier
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Medresumos 2016   neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhalMedresumos 2016   neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Medresumos 2016 neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Jucie Vasconcelos
 
Nervo vestíbulococlear
Nervo vestíbulococlearNervo vestíbulococlear
Nervo vestíbulococlear
Marcelo Madureira Montroni
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponteMedresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Jucie Vasconcelos
 
Medula espinhal
Medula espinhalMedula espinhal
Telencéfalo
Telencéfalo Telencéfalo
Telencéfalo
M3Direciona
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulboMedresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Jucie Vasconcelos
 
Telencéfalo
TelencéfaloTelencéfalo
Telencéfalo
DenisFrotaGuimares
 
Neuroanatomia nervos
Neuroanatomia   nervosNeuroanatomia   nervos
Anatomia do forame magno
Anatomia do forame magnoAnatomia do forame magno
Anatomia do forame magno
Pedro Augusto Sousa Rodrigues
 

Semelhante a Macroscopia do snc (20)

Tronco Cerebral
Tronco CerebralTronco Cerebral
Tronco Cerebral
 
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdfaulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
 
Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Tronco encefálico
 
anatomia sistema nervoso - telencéfalo
anatomia   sistema nervoso - telencéfaloanatomia   sistema nervoso - telencéfalo
anatomia sistema nervoso - telencéfalo
 
TRONCO ENCEFÁLICO_compressed.pdf - estruturas anatômicas
TRONCO ENCEFÁLICO_compressed.pdf - estruturas anatômicasTRONCO ENCEFÁLICO_compressed.pdf - estruturas anatômicas
TRONCO ENCEFÁLICO_compressed.pdf - estruturas anatômicas
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálicoMedresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
 
Tronco EncefáLico MóDulo 6
Tronco EncefáLico  MóDulo 6Tronco EncefáLico  MóDulo 6
Tronco EncefáLico MóDulo 6
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
 
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares CranianosNervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Medresumos 2016   neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhalMedresumos 2016   neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Medresumos 2016 neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
 
Nervo vestíbulococlear
Nervo vestíbulococlearNervo vestíbulococlear
Nervo vestíbulococlear
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponteMedresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
 
Medula espinhal
Medula espinhalMedula espinhal
Medula espinhal
 
Telencéfalo
Telencéfalo Telencéfalo
Telencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulboMedresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
 
Telencéfalo
TelencéfaloTelencéfalo
Telencéfalo
 
Neuroanatomia nervos
Neuroanatomia   nervosNeuroanatomia   nervos
Neuroanatomia nervos
 
Anatomia do forame magno
Anatomia do forame magnoAnatomia do forame magno
Anatomia do forame magno
 

Mais de Carlos Frederico Almeida Rodrigues

Hemorragia periventricular
Hemorragia periventricularHemorragia periventricular
Hemorragia periventricular
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Cefaleia na emergência
Cefaleia na emergênciaCefaleia na emergência
Cefaleia na emergência
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Transtornos do aprendizado
Transtornos do aprendizadoTranstornos do aprendizado
Transtornos do aprendizado
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Disrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefaliasDisrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefalias
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Diagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMADiagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMA
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Neurocirurgia
NeurocirurgiaNeurocirurgia
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriaisPrincípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Quando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologistaQuando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologista
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica patoAnálise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Toc
TocToc
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
Lesões+do..
Lesões+do..Lesões+do..

Mais de Carlos Frederico Almeida Rodrigues (20)

Hemorragia periventricular
Hemorragia periventricularHemorragia periventricular
Hemorragia periventricular
 
Cefaleia na emergência
Cefaleia na emergênciaCefaleia na emergência
Cefaleia na emergência
 
Transtornos do aprendizado
Transtornos do aprendizadoTranstornos do aprendizado
Transtornos do aprendizado
 
Disrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefaliasDisrafismos e hidrocefalias
Disrafismos e hidrocefalias
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Neurofisiologia
 
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
 
Diagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMADiagnósticos desafiadores - COMA
Diagnósticos desafiadores - COMA
 
Neurocirurgia
NeurocirurgiaNeurocirurgia
Neurocirurgia
 
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriaisPrincípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
Princípios das cirurgias dos tumores supratentoriais
 
Quando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologistaQuando encaminhar para um neurologista
Quando encaminhar para um neurologista
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regionalTraumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
Traumatismo craniano – classificação e epidemiologia regional
 
A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Ataxia e ..
 
Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)Apresentação sist. límbico (1)
Apresentação sist. límbico (1)
 
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
Sistema Límbico: uma abordagem neuroanatômica e funcional.
 
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica patoAnálise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
Análise dos aneurismas intracranianos operados na policlínica pato
 
Toc
TocToc
Toc
 
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
Uno cc febril
 
Lesões+do..
Lesões+do..Lesões+do..
Lesões+do..
 

Macroscopia do snc

  • 1. Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste Faculdade de Medicina Professor: Carlos Frederico Rodrigues SERVIÇO DE NEUROLOGIA E NEUROCIRURGIA Dr. Carlos Frederico Rodrigues
  • 2. I – INTRODUÇÃO  Medula Espinhal  SNC Bulbo tronco cerebral Ponte  Encéfalo cerebelo Mesencéfalo cérebro
  • 3. Cilindro de tecido nervoso, contido no canal vertebral e envolvido pelas meninges.  Seu calibre não é uniforme – intumescências cervical e lombar – Ponto de formação dos plexos braquial e lombar, reponsáveis pela inervação dos membros superiores e inferiores.  Extremidade caudal é afilada, formando o cone medular.  Percorrida em toda sua extensão por sulcos longitudinais.
  • 4. Em toda extensão: fissura mediana anterior, ladeada pelos sulcos laterais anteriores. Sulco mediano posterior, ladeado pelos sulcos laterais posteriores.  Região cervical: Entre os sulcos laterais posteriores e o sulco mediano existem os sulcos intermédios posteriores.  Funículo anterior – entre a fissura mediana anterior e o sulco lateral anterior.  Funículo lateral – entre os sulcos laterais anterior e posterior.  Funículo posterior – sulcos mediano posterior e lateral posterior. Na porção cervical da medula é dividido, pelo sulco intermédio posterior, em fascículo Grácil e Cuneiforme.
  • 5. Os sulcos da superfície da medula são o local onde têm origem os nervos espinhais.  2 raízes: uma ventral (anterior) e outra dorsal (posterior).  Raíz ventral – nasce do sulco lateral anterior.  Raíz dorsal – nasce do sulco lateral posterior.  Na raíz dorsal existe o gânglio da raíz dorsal ou gânglio espinhal.
  • 6. A porção da medula que dá origem a um par de nervos espinhais é chamada de Segmento Medular.  Existem tantos segmentos quanto nervos.  A medula é mais curta que o canal vertebral. Terminando em L1-L2. Abaixo desse ponto observa-se apenas as raízes dos nervos espinhais que formam a Cauda Equina.
  • 7. Envolvida pelas meninges.  Mais externa – Dura-máter . Entre ela e o periósteo – espaço epidural ocupado por gorduras e veias.  Intermédia – Aracnóide – entre ela e a dura-máter – espaço subdural.  Interna – Pia-máter – entre ela e a aracnóide- espaço subaracnoideo – LCR. Forma o Filamento terminal.
  • 8.  Divide-se em Bulbo, Ponte e Mesencéfalo.  Porçãodo SNC imediatamente rostral à Medula.  Abordagem caudal para rostral e anterior para dorsal.
  • 9. BULBO  Continuação direta da medula espinhal – o limite é o primeiro filamento radicular – foramen magno.  Anteriormente: continuação da fissura mediana anterior e dos sulcos laterais anteriores.  Entre a fissura mediana anterior e o sulco lateral anterior, temos uma eminência chamada pirâmide.  Pirâmide – constituída por fibras que descem da área motora do cérebro em direção à medula. Cruzam a linha média obliterando a fissura anterior – decussassão das pirâmides.  Lateral ao sulco lateral existe uma outra saliência: Oliva – núcleo Olivar situado internamente.  Separado da Ponte pelo sulco bulbo-pontino.
  • 10. BULBO  Nervos cranianos com origem bulbar:  XII nervo – Hipoglosso – Sulco lateral anterior – entre a pirâmide e a oliva.  IX –X – XI – Sulco lateral posterior em sentido crânio- caudal.  Sulco bulbo-pontino – VI-VII-VIII – Entre os nerovos facial e coclear, nasce o Intermédio que faz parte do VII Nervo craniano.
  • 11.
  • 12. PONTE  Posição intermediária no tronco.  Superfície anterior possui estriações transversais – fibras que formarão os pedúnculos cerebelares médios.  Entre a ponte e o pedúnculo cerebelar médio localiza-se a emergência do V nervo craniano.  Anteriormente apresenta ainda um sulco longitudinal – sulco basilar – artéria basilar.
  • 13. MESENCÉFALO  Pedúnculos cerebrais – duas colunas que penetram no cérebro e delimitam entre si um espaço – fossa interpeduncular – emergência do III Nervo craniano.
  • 14. BULBO – DORSAL  Sulcos laterais posteriores, intermédios e mediano posterior. Fásciculos grácil e cuneirforme.  Terminam em duas saliências – tubéculos – do núcleo grácil e cuneirforme. Acima dos tubérculos temos a abertura do IV ventrículo.  Acima dos tubérculos estão presentes os pedúnculos cerebelares inferiores – assoalho do IV Ventrículo.
  • 15. IV VENTRÍCULO  Maior parte do contorno posterior do do tronco encefálico. Bulbo e Ponte.  O assoalho do IV ventrículo é percorrido pelo sulco mediano e a cada lado deste estão os sulcos limitantes.  Entre o sulco mediano e os limitantes existe a eminência medial.  O sulco limitante possui duas depressões – fóvea superior e a fóvea inferior.  Medialmente à fóvea superior – colículo facial.  Abaixo da fóvea inferior – trígono do hipoglosso (medial) e do vago (lateral).  Lateralmente aos sulcos limitantes existe uma área vestibular.
  • 16. IV VENTRÍCULO  O IV – Ventrículo se comunica com o III ventrículo através do Aqueduto Cerebral – Sylvius, com o canal central da medula, com o espaço subaracnoideo através dos foramens de Luschka e Magendie.  Pendente do teto do IV Ventrículo existe o plexo coróide do IV Ventrículo.  Acima e ao lado do IV Ventrículo estão os pedúnculos cerebelares superiores.  Entre os pedúculos cerebelares superiores está o véu medular superior – teto do IV Ventrículo.
  • 17. MESENCÉFALO  Quatro eminências arredondadas que são os colículos superiores e os colículos inferiores.  Abaixo dos colículos inferiores ocorre a emergência do nervo troclear – IV Nervo.  O colículo inferior se une no diencéfalo ao corpo geniculado medial – através do braço do colículo inferior.  O colículo superior mantém ligação com o corpo geniculado lateral através do braço do colículo superior.  O corpo geniculado medial e os colículos inferiores fazem parte das vias da audição.  Corpo geniculado lateral e os colículos superiores fazem parte das vias da visão.
  • 18. MESENCÉFALO  Os colículos constituem o chamado teto do Mesencéfalo.  Localizam-seimportantes grupos neuronais do mesencéfalo: a substância negra e o núcleo rubro.  Localiza-se ainda o aqueduto cerebral (cavidade do mesencéfalo).
  • 19.
  • 20.  Situa-seposteriormente ao tronco encefálico e inferiormente à região posterior do cérebro.  Possuiuma porção mediana, o Vérmis, ladeado pelos hemisférios cerebelares. A superfície do cerebelo apresenta lâminas transversais de tecido nervoso – as folhas do cerebelo.
  • 21. O córtex (substância cinzente) localiza-se externamente.  Internamente fica a substância branca – corpo medular do cerebelo.  No interior do corpo medular estão os núcleos centrais do cerebelo: fastigial, globoso, embolif orme e denteado.
  • 22. Em um corte sagital passando pelo Vérmis – cerebelo se assemelha a uma árvore.  O ramo mais inferior é o nódulo e a ele se liga de cada lado, uma porção do hemisfério chamada flóculo.  Os flóculos ficam logo abaixo dos pedúnculos cerebelares médios – ligam o cerebelo à ponte.  O nódulo e o flóculo formam o lobo flóculo-nodular, separado do corpo do cerebelo pela fissura póstero- lateral.
  • 23. Examinando o corpo do cerebelo  Fissura prima que divide o cerebelo em lobo anterior e posterior.  3 lobos cerebelares: anterior, posterior e flóculo-nodular. Separados entre si pelas fissuras prima e póstero- lateral.
  • 24.  Esta divisão, com base anatômica, encontra correspondência filogenética.  Flóculo-nodular – arquicerebelo.  Loboanterior, pirâmide e úvula – paleocerebelo.  Lobo posterior – neocerebelo.
  • 25.
  • 26.  Porção mais rostral e mais desenvolvida do SNC.  Derivadade duas vesículas embrionárias – diencéfalo e telencéfalo.  Como o telencéfalo cresce rápido e engloba o diencéfalo, as estruturas derivadas dessa última só são visíveis na face interior do encéfalo ou em cortes.
  • 27. Origina quatro regiões cerebrais: o tálamo, o hipotálamo, o epitálamo e o subtálamo. Quase todas fazendo parte da parede do III ventrículo.  O III Ventrículo é uma fenda mediana quese comunica com o IV ventrículo através do aqueduto cerebral e com os ventrículos laterais através dos foramens interventriculares.  Na parede do III ventrículo observa-se um sulco que vai do foramen interventricular ao aqueduto cerebral – o sulco hipotalâmico.  As estruturas situadas acima desse sulco pertencem ao tálamo e as abaixo dele pertencem ao hipotálamo.
  • 28. O tálamo tem uma forma ovalada e está frquentemente ligado ao tálamo do lado oposto por uma ponte de tecido nervoso – a aderência intertalâmica. A porção posterior do tálamo leva o nome de pulvinar do tálamo que está ligado ao corpo geniculado lateral e medial.
  • 29. O hipotálamo situa-se inferiormente ao tálamo.  Forma a parede do III ventrículo.  Estruturas visíveis na face inferior do cérebro – o quiasma óptico, o túber cinéreo e os corpos mamilares.  Os corpos mamilares são duas eminências arredondadas situadas na frente dos pedúnculos cerebrais.  Os nervos ópticos emergem do quiasma óptico, posteriormente ao qual podem ser vistos os dois tratos ópticos.  A região entre os corpos mamilares eo quiasma óptico chama-se túber cinéreo – origem do infundíbulo da hipófise.
  • 30. O subtálamo não é visível na parede do ventrículo, encontra-se entre o mesencéfalo e o hipotálamo e só pode ser visualizado em cortes, sob a forma de núcleos subtalâmicos.  O epitálamo situa-se posteriormente ao tálamo e nele encontramos o corpo pineal.  O III ventrículo é limitado, anteriormente, pela lâmina teminal, uma estrutura telencefálica e superiormente pela tela coróide.
  • 31.  Origina a maior parte dos hemisférios cerebrais. A superfície de cada hemisfério cerebral pode ser dividida em lobos, tomando-se como pontos de referência os sulcos lá existentes. Cada lobo leva o nome do osso suprajacente – frontal, parietal, temporal e occipital.  Um quinto lobo cerebral, denominado ínsula, situa-se internamente.
  • 32.  O lobo frontal apresenta dois sulcos horizontais: sulco frontal superior e sulco frontal inferior.  Delimitam 3 giros: giro frontal superior, médio e inferior.  Giro frontal inferior no hemisfério dominante – palavra falada.  Ainda no lobo frontal existe um sulco paralelo ao sulco central, o sulco pré-central.  Entre o sulco central e pré-central está o giro pré- central, principal área motora do córtex.
  • 33.
  • 34.  No lobo Parietal observa-se posteriormente ao sulco central e paralelamente a ele, o sulco pós-central.  Entre o sulco pós-central e o sulco central localiza-se o giro pós-central – área somestésica.  Perpendicularmente ao sulco pós-central está presente outro sulco: intraparietal.  Divide o Parietal em superior e inferior.
  • 35.
  • 36.  No lobo parietal inferior existem dois giros:  Supramarginal (sobre a extremidade do sulco de Sylvius) e  Giro Angular (sobre o sulco temporal superior)
  • 37.
  • 38.  Nolobo temporal temos dois sulcos horizontais:  Sulco temporal superior  Sulco temporal inferior  Delimitam o giro temporal superior, médio e inferior.
  • 39.
  • 40.  Afastando-se as bordas do sulco de Sylvius pode se observar, no assoalho formado pelo giro temporal superior, a existência de giros transversos – giro temporal transverso anterior – centro da audição.
  • 41.  Facemedial do hemisfério a estrutura mais evidente é o corpo caloso. É uma comissura – fibras que passam de um hemisfério ao outro.  Abaixoda parte anterior do corpo caloso temos a comissura anterior.  Acima da comissura anterior temos um feixe de fibras denominado fórnix.
  • 42.
  • 43.  Entre o Fórnix e o corpo caloso existe uma membrana, o septo pelúcido, que é a parede medial do ventrículo lateral.  Acima do corpo caloso existe um sulco, o sulco do corpo caloso e acima dele um giro, o giro do Cíngulo.
  • 44.
  • 45.  Nolobo occipital localiza-se o sulco parieto- occipital que divide-se em parieto-occipital propriamente dito e calcarino – área da visão.  Entreo sulco calcarino e o parieto-occipital existe um lóbulo denominado cúneo.  Entre o sulco parieto-occipital e o ramo marginal do sulco do cíngulo é o pré-cúneo.
  • 46.
  • 47.  Face inferior do lobo frontal:  Giro reto (medial)  Sulco olfatório (lateral)  Sulcos e giros orbitais (extremo lateral)  Sulcoolfatório está o trato olfatório onde se localiza o bulbo olfatório – I NC.
  • 49.  Emmeio à substância branca, podemos observar os núcleos da base.  Caudado.  Lentiforme.  Amigadalóide.  Além deles, visualizamos os ventrículos laterais
  • 51. O núcleo caudado situa-se lateralmente ao ventrícul lateral.  Próximo à cabeça do núcleo caudado está situado mais lateralmente o núcleo lentiforme. O lentiforme divide-se em: putâmen (lateral) e globo pálido (medial). O último núcleo é o amigdalóide que está situado no lobo temporal.
  • 53.  Entreo caudado e o núcleo lentiforme e entre estes e o tálamo, situa-se a cápsula interna.  Estruturapor onde passa a maior parte das fibras que chegam ou saem do córtex cerebral.
  • 54. Os ventrículos laterais possuem uma forma irregular, apresentando um corno anterior (lobo frontal), corno posterior (lobo occipital) e um corno inferior (lobo temporal)  No interior dos ventrículos situa-se o plexo coróide.  No corno inferior do ventrículo lateral existe uma eminência que é o hipocampo – substância cinzenta invaginada para dentro dos ventrículos.
  • 56. A meninge mais externa e espessa é a dura- máter.  Justaposta internamente aos ossos do crânio.  Origina duas pregas importantes, a foice do cérebro, situada entre os dois hemisférios cerebrais e a tenda do cerebelo, situada entre o cérebro e o cerebelo.  Nos pontosue de dobra da dura formam-se os seios durais – circula sangue venoso.
  • 57.  Onde se forma a foice do cérebro localiza- se o seio sagital superior.  Onde se forma a tenda do cerebelo está o seio transverso.  Noencontro da tenda com a foice está o seio reto.
  • 58.  Abaixoda dura-máter está a aracnóide e abaixo dessa a pia-máter.  Em algumas regiões o espaço subaracnoideo é amplo, formando cavidades que são as cisternas subaracnoideas.  Entreo cerebelo e o bulbo existe a cisterna magna, abaixo da cauda equina está a cisterna lombar. São os pontos onde se punciona o líquor.
  • 59. O líquor é um líquido cristalino encontrado no interior dos ventrículos cerebrais e no espaço subaracnoideo. É produzido a partir do sangue, ao nível dos plexos coróides nos ventrículos.  Constitui um coxim líquido para proteger o cérebro e a medula.  Reabsorvido nas granulações aracnoideas no interior dos seios durais
  • 60. O SNC é irrigado por dois sistemas arteriais: carotídeo e vertebral.  Carótidas internas originam: cerebral anterior e média.  ACA – acompanha o sulco do corpo caloso e irriga a face medial do cérebro.  ACM – acompanha a fissura de Sylvius e irriga os ramos da face dorsolateral.
  • 61.  Asvertebrais irrigam a medula e o cerebelo e se fundem na face ventral da ponte formando a artéria basilar.  Basilar origina as cerebrais posteriores.  AsACAs se ligam pela artéria comunicante anterior.  AsArtérias cerebrais posteriores se comunicam com o sistema carotídeo pelas artérias comunicantes posteriores.
  • 62. A drenagem venosa é realizada pelos seios durais e então para as jugulares.  Dasjugulares passam para a veia cava superior e de volta ao coração.