SlideShare uma empresa Scribd logo
e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia
AULA 1
Alfabetização Digital
61
Aula 7 - Os fungos
Objetivos:
Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja
capaz de:
1.	 reconhecer a importância dos fungos para a vigilância epide-
miológica em saúde;
2.	 descrever a estrutura dos fungos e seus mecanismos de repro-
dução;
3.	 reconhecer a classificação dos fungos;
4.	 listar as principais doenças causadas por fungos.
7.1 A importância dos fungos
Os fungos são muito conhecidos pela sua capacidade decomposito-
ra. Essa capacidade os coloca numa posição importante nos ciclos da matéria
na natureza, pois são eles, juntamente com algumas espécies de bactérias,
que decompõem a matéria orgânica que “sobra” na natureza (animais e ve-
getais mortos), devolvendo algumas substâncias úteis ao ambiente. Essa ca-
pacidade decompositora também pode ser prejudicial aos seres vivos, pois
os fungos são responsáveis por diversas doenças nos vegetais e nos animais,
inclusive no homem.
A digestão dos fungos é bastante peculiar, pois eles lançam suas
enzimas digestivas ao meio externo e, só depois, absorvem a matéria já
digerida para dentro de suas células. Esse tipo de digestão é que os torna pa-
togênicos, pois eles degradam o substrato onde vivem. Você já deve ter visto
um alimento sendo degradado por um fungo. Tente visualizar um pedaço de
fruta apodrecendo; aquelas massas cinzentas que recobrem os alimentos em
estado de degradação são fungos. Quando um fungo se desenvolve na pele
ou em outros tecidos do homem, ele também lança suas enzimas digestivas,
provocando lesões conhecidas por micoses.
É importante destacar, aqui, outras utilidades dos fungos, como,
por exemplo, na engenharia genética, na indústria alimentícia (fermento de
pão, bebidas alcoólicas, derivados do leite) e na indústria farmacêutica, o
famoso antibiótico penicilina é extraído de uma espécie de fungo do gênero
Penicilium. A utilização dos fungos na indústria alimentícia se deve à pro-
priedade fermentadora que eles apresentam, ou seja, alguns deles quebram
os alimentos na ausência de oxigênio para conseguirem energia; os produtos
desse processo podem ser úteis, como o álcool (bebidas alcoólicas) e o ácido
lático (queijos).
e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde62
7.2 Características gerais dos fungos
Os fungos mais conhecidos são os bolores, os cogumelos, as orelhas
de pau e as leveduras. As características dos fungos não permitem que eles
sejam classificados no reino animal nem no reino vegetal, e sim em um reino
à parte, denominado reino Fungi.
São organismos eucariontes, heterótrofos, uni ou multicelulares.
A maioria vive no solo alimentando-se de cadáveres de animais e
plantas e de outras matérias orgânicas. Desenvolve-se muito bem em am-
bientes úmidos e com pouca luminosidade, daí o surgimento de mofos nas
paredes e roupas, em nossas casas, quando as temperaturas abaixam. Eles
gostam tanto dos ambientes úmidos que são capazes de crescerem dentro de
geladeiras; você já deve ter visto o mofo que cresce em molhos de tomate,
em pães etc. Existem, também, espécies de fungos parasitas, que vivem à
custa de animais e de plantas vivas e, ainda, espécies que formam associa-
ções mutualísticas com outros seres vivos, como no caso da associação com
as algas; é uma relação de interdependência tão restrita, que eles consti-
tuem, juntos, os liquens.
Figura 25: Liquen.
Fonte: Disponível em <www.infoescola.com/biologia/liquens/>. Acesso em 01 out. 2010.
Outro tipo de associação importante é a que algumas espécies de
fungos fazem com as raízes de plantas, formando as micorrizas. A presença
dos fungos nessas raízes melhora a absorção de alguns micronutrientes pre-
sentes no solo, que são essenciais ao crescimento da planta.
Liquens: associação
entre fungos e algas.
Esse tipo de associação
permite que os liquens
habitem locais onde
nem as algas nem
os fungos sozinhos
não conseguiriam
sobreviver, ou seja,
há uma dependência
mútua onde cada
um desempenha um
papel essencial à
sobrevivência.
e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia 63
Figura 26: Exemplos de fungos.
Fonte: Disponível em <diariodeestudanteonline.blogspot.com/2010/05/>. Acesso em 12 out. 2010.
7.3 Estrutura e organização dos fungos
Alguns fungos são unicelulares e são denominados por leveduras,
mas a maioria é multicelular, constituída por filamentos microscópicos e ra-
mificados, denominados hifas. O corpo do fungo multicelular é formado por
um conjunto de hifas e recebe o nome de micélio. As hifas podem ou não
apresentar septos (paredes transversais). As hifas não septadas, preenchidas
por uma massa citoplasmática que contém centenas de núcleos; são deno-
minadas hifas cenocíticas. No caso das hifas septadas, elas podem ou não
apresentar um ou dois núcleos por célula.
	
Figura 27: Estruturados fungos.
Fonte: Disponível em <www.enq.ufsc.br/.../microorganismos/fungos3.gif>. Acesso em 10 out.
2010.
Figura 28: Tipos de hifas
Fonte: Disponível em <www.enq.ufsc.br/.../microorganismos/fungos3.gif>. Acesso em 10 out.
2010.
e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde64
7.3.1 A parede das hifas
	
A parede das hifas é constituída pelo polissacarídeo quitina, como a
parede celular de alguns animais como os artrópodes (grupo dos insetos, ara-
nhas e crustáceos). Devido a essa semelhança, antigamente, os fungos eram
agrupados no reino animal. Alguns fungos apresentam parede de celulose,
como a parede celular dos vegetais, por isso eles também já foram classi-
ficados como vegetais. Mas o fato de serem heterótrofos os exclui do reino
vegetal, e a digestão extracelular os exclui do reino animal, daí a criação do
reino Fungi para abrigar essas espécies com tantas peculiaridades.
7.3.2 Os corpos de frutificação	
Muitas espécies de fungos formam, em determinadas condições
ambientais, estruturas denominadas corpos de frutificação, de tamanho e
forma variados. Um exemplo de corpos de frutificação são os cogumelos e as
orelhas de pau.
7.4 Reprodução dos Fungos
Os fungos podem se reproduzir assexuada e sexuadamente.
7.4.1 Reprodução assexuada
Os fungos se reproduzem assexuadamente de três formas.
7.4.1.1 Fragmentação
É uma forma bastante simples utilizada por fungos filamentosos: um
micélio se fragmenta originando novos micélios.
7.4.1.2 Brotamento
Fungos unicelulares (leveduras) utilizam essa forma. É também bas-
tante simples: o broto é originado na célula genitora, podendo se soltar ou
permanecer grudado, formando uma cadeia de células.
7.4.1.3 Esporulação
A maioria dos fungos se reproduz assexuadamente por meio de es-
poros, células dotadas de paredes resistentes que , ao germinar, produzem
hifas.
e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia 65
7.4.2 Reprodução sexuada
Os cogumelos de chapéu pertencem a um grupo de fungos chamado
de basidiomicetos. Vamos considerar esse grupo para explicar, de forma sim-
plificada, como ocorre a reprodução dos fungos pluricelulares.
Como vimos, o micélio é formado por um emaranhado de filamen-
tos denominados hifas. Nos fungos terrestres, o micélio se desenvolve, so-
bretudo subterraneamente. Mas hifas férteis organizam, geralmente no meio
aéreo, uma estrutura chamada de corpo de frutificação. Essa estrutura con-
tém um “chapéu” portador de vários esporângios. Cada esporângio é uma
estrutura produtora de unidades de reprodução chamadas esporos.
Uma vez produzidos nos esporângios, os esporos são limitados no
ambiente, podendo se espalhar pela ação do vento; por exemplo: ao encon-
trar condições favoráveis, num certo local, os esporos germinam e originam
hifas que formarão um novo fungo. O número de corpos de frutificação emiti-
dos por um cogumelo de chapéu é variável, conforme a espécie. O micélio de
um único cogumelo Agaricus bisporus, comestível e conhecido como cham-
pignon, é capaz de emitir, em média, de 80 a 100 “chapéus” no meio aéreo.
7.5 Classificação dos fungos
Ainda não existe consenso quanto à classificação dos fungos. Adota-
remos, aqui, a seguinte classificação, que é bastante comum entre os biólo-
gos: dividiremos os fungos em dois filos, apresentados a seguir.
7.5.1 Filo Mixomycota
	
Fungos gelatinosos ou mixomicetos. Temos, aproximadamente, 600
espécies conhecidas. São bastante coloridos e vivem em matas úmidas e
sombreadas, sobre folhas caídas e troncos apodrecidos.
São fungos cenocíticos, sem hifas, que, na fase vegetativa, lembram
amebas. A característica que diferencia esse filo é que eles não possuem
parede, mas sim uma membrana flexível. Apresentam reprodução sexuada,
formando esporângios onde ocorre a meiose.
e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde66
Figura 29: Exemplo de myxomicota.
Fonte: Disponível em <http://sites.google.com/site/correiamiguel25/home>. Acesso em 20 set.
2010.
7.5.2 Filo eumycota
Apresenta a maior variedade de espécies, aproximadamente 100
mil, distribuídas em quatro classes.
7.5.2.1 Classe Phycomycetes
Os ficomicetos são os fungos mais simples, e a maioria deles não
forma corpo de frutificação.
Figura 30: Desenho esquemático do bolor do pão, um ficomiceto.
Fonte: Disponível em <www.professorjarbasbio.com.br/fungos2.jpg> Acesso em 02 out. 2010.
e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia 67
7.5.2.2 Classe scomycetes
Os ascomicetos apresentam estruturas reprodutivas em forma de
saco, denominadas ascos, que contêm esporos denominados ascósporos.
Figura 31: Ascomiceto.
Fonte: Disponível em <www.infoescola.com>. Acesso em 02 out. 2010.
7.5.2.3 Classe Basidiomycetes
	
Os basidiomicetos formam estruturas reprodutivas denominadas
basídios. A maioria dos basidiomicetos forma corpos de frutificação chama-
dos basidiocarpos, popularmente conhecidos como cogumelos.
Figura 32: Desenho esquemático de um basidiomiceto.
Fonte: Disponível em <www.kalipedia.com/ciencias-vida/tema/basidiom>. Acesso em 20 set.
2010.
e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde68
7.5.2.4 Classe Deuteromycetes
Os deuteromicetos são também chamados fungos imperfeitos. Essa
classe abriga os fungos em que ainda não foram observados fenômenos se-
xuados de reprodução. Diversos fungos dessa classe são parasitas e causam
doenças em plantas e animais.
Espero que você tenha aproveitado bastante esta aula! Leia o resu-
mo a seguir e resolva atentamente as atividades de aprendizagem!
Resumo
Nesta aula, você aprendeu que:
•	 	os fungos apresentam importância em diversas áreas: ecológica,
indústria farmacêutica, indústria alimentícia, dentre outras;
•	 	os fungos pertencem ao reino Fungi, são organismos eucarion-
tes, uni ou multicelulares, heterótrofos e podem apresentar pa-
rede de quitina ou de celulose;
•	 	a forma de digestão dos fungos é extracelular, o que os torna
ótimos decompositores da matéria orgânica;
•	 	os fungos mais conhecidos são: mofos, bolores, leveduras, cogu-
melo e orelha de pau;
•	 o corpo dos fungos é constituído por estruturas denominadas
hifas que, em conjunto, formam o micélio;
•	 	os fungos se reproduzem assexuada e sexuadamente;
•	 	os fungos são classificados como: micomicetos, ficomicetos, as-
comicetos, basidiomicetos e deuteromicetos;
•	 	os fungos podem causar doenças como: micoses superficiais e
profundas, candidíases vaginais, pé de atleta e outras.
Atividades de aprendizagem
1) Comente sobre a importância ecológica dos fungos.
2) Qual a forma de nutrição dos fungos?
3) Qual é a organização básica dos fungos filamentosos?
4) Como os fungos são classificados? Qual o critério utilizado para a classifi-
cação dos fungos?
5) Explique resumidamente os processos de reprodução assexuada dos fungos.
6) Explique como são formados os liquens e as micorrizas.
e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia 69
Referências
AMABIS, J.M. ; MARTHO, G. R.. Conceitos de Biologia. São Paulo, Ed. Moder-
na, 2001. vol. Único.
CIMERMAN, Benjamin. Atlas de Parasitologia. São Paulo: Atheneu, 2002.
FUTUYMA, D.J.. Evolução, Ciência e Sociedade. Sociedade Brasileira de Ge-
nética, São Paulo, 2002.
JAWETZ, M. & ADELBERG. Microbiologia Médica. Rio de Janeiro, Ed. Guana-
bara Koogan S. A., 1998.
NEVES, David Pereira. Parasitologia humana. São Paulo: Atheneu, 2002.
REY, Luís. Bases da parasitologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2002.
STEBBINS, GL. Processos de Evolução Orgânica. São Paulo: EDUSP, 1974.
TORTORA, Gerad J. Microbiologia. Porto Alegre: Artmed, 2002.
http://pt.wikipedia.org/
www.brasilescola.com/biologia
www.todabiologia.com/
www.portalsaofrancisco.com.br
e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde70
Currículo do professor conteudista
Ana Paula Venuto Moura
Possui graduação em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Cató-
lica de Minas Gerais, Belo Horizonte/MG, especializações em Microbiologia,
Genética e Bioquímica e mestrado em Ciências da Saúde - área de concen-
tração: doenças infecto-parasitárias. Atua na área de educação há 15 anos,
como professora de Biologia Geral, Genética, Microbiologia e Metodologia do
Ensino Superior. Atualmente, é professora efetiva de Genética da Universida-
de Estadual de Montes Claros, atuando nos cursos de Biologia, Odontologia e
Medicina, e tutora do curso de Medicina das Faculdades Unidas do Norte de
Minas. Na pesquisa, trabalha com epidemiologia e histopatologia da Leishma-
niose Tegumentar e com metodologias para melhorar o processo de ensino
em Biologia e Química no ensino médio.
( Currículo na plataforma Lattes: http://lattes.cnpq.br/7834927007712461 )

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
Leandro De Lima
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
Aline Melo
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
João Bastos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
FungosFungos
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Biologia fungos
Biologia fungosBiologia fungos
Biologia fungos
Fabio Gabriel
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
paula aragao
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
guestaef3f66
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Altair Hoepers
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
1239460606 reino dos_fungos
1239460606 reino dos_fungos1239460606 reino dos_fungos
1239460606 reino dos_fungos
Pelo Siro
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
Leonardo Kaplan
 
fungos
fungosfungos
fungos
Dilo Nianga
 
Biologia - O Reino Fungi.
Biologia - O Reino Fungi.Biologia - O Reino Fungi.
Biologia - O Reino Fungi.
Julia Maldonado Garcia
 
Os fungos
Os fungosOs fungos
Os fungos
Simone Miranda
 

Mais procurados (19)

Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Reino dos fungos
Reino dos fungosReino dos fungos
Reino dos fungos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Biologia fungos
Biologia fungosBiologia fungos
Biologia fungos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
1239460606 reino dos_fungos
1239460606 reino dos_fungos1239460606 reino dos_fungos
1239460606 reino dos_fungos
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Aula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino FungiAula 7º ano - Reino Fungi
Aula 7º ano - Reino Fungi
 
fungos
fungosfungos
fungos
 
Biologia - O Reino Fungi.
Biologia - O Reino Fungi.Biologia - O Reino Fungi.
Biologia - O Reino Fungi.
 
Os fungos
Os fungosOs fungos
Os fungos
 

Destaque

Maseno conference
Maseno conferenceMaseno conference
Maseno conference
Silas Ongudi
 
Maseno ppt
Maseno pptMaseno ppt
Maseno ppt
Silas Ongudi
 
Auditoría de sistemas fundamentos
Auditoría de sistemas fundamentosAuditoría de sistemas fundamentos
Auditoría de sistemas fundamentos
Docente Contaduría
 
Credentials Ecuador
Credentials EcuadorCredentials Ecuador
Credentials Ecuador
latinpr
 
Ist 448 648 group presentation
Ist 448 648 group presentationIst 448 648 group presentation
Ist 448 648 group presentation
Michael Scinto
 
Lesbian slideshow
Lesbian slideshowLesbian slideshow
Lesbian slideshow
Kyra Lollar
 
flipkart
flipkartflipkart
flipkart
Spice Digital
 
Epoxy resin presented by biswajit maity
Epoxy resin  presented by biswajit maityEpoxy resin  presented by biswajit maity
Epoxy resin presented by biswajit maity
Biswajit Maity
 
RSEGuia tecnica colombiana rse 180
RSEGuia tecnica colombiana rse 180RSEGuia tecnica colombiana rse 180
RSEGuia tecnica colombiana rse 180
Docente Contaduría
 
Proyek Fisika Akhir Semester
Proyek Fisika Akhir SemesterProyek Fisika Akhir Semester
Proyek Fisika Akhir Semester
Meghawati
 
Generacion del '80
Generacion del '80Generacion del '80
Generacion del '80
MapacaSirica
 

Destaque (11)

Maseno conference
Maseno conferenceMaseno conference
Maseno conference
 
Maseno ppt
Maseno pptMaseno ppt
Maseno ppt
 
Auditoría de sistemas fundamentos
Auditoría de sistemas fundamentosAuditoría de sistemas fundamentos
Auditoría de sistemas fundamentos
 
Credentials Ecuador
Credentials EcuadorCredentials Ecuador
Credentials Ecuador
 
Ist 448 648 group presentation
Ist 448 648 group presentationIst 448 648 group presentation
Ist 448 648 group presentation
 
Lesbian slideshow
Lesbian slideshowLesbian slideshow
Lesbian slideshow
 
flipkart
flipkartflipkart
flipkart
 
Epoxy resin presented by biswajit maity
Epoxy resin  presented by biswajit maityEpoxy resin  presented by biswajit maity
Epoxy resin presented by biswajit maity
 
RSEGuia tecnica colombiana rse 180
RSEGuia tecnica colombiana rse 180RSEGuia tecnica colombiana rse 180
RSEGuia tecnica colombiana rse 180
 
Proyek Fisika Akhir Semester
Proyek Fisika Akhir SemesterProyek Fisika Akhir Semester
Proyek Fisika Akhir Semester
 
Generacion del '80
Generacion del '80Generacion del '80
Generacion del '80
 

Semelhante a Material 7ª semana

Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
Jose Luis Lopez Carrillo
 
Fungos resumão principais características
Fungos resumão principais característicasFungos resumão principais características
Fungos resumão principais características
Alberto Fruck
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Ikaro Slipk
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
Isabella Silva
 
Fungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicosFungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicos
Rogger Wins
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
Isabella Silva
 
REINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.pptREINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.ppt
AdemirSantos70
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
Pelo Siro
 
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivemTudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
pedrohenriquefreire11
 
Reinofungi
ReinofungiReinofungi
Reinofungi
Pelo Siro
 
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Albano Novaes
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
Lorena Siqueira
 
Fungos
FungosFungos
Fungos noturno 3 D
Fungos  noturno 3 D Fungos  noturno 3 D
Fungos noturno 3 D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Fungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e ProtistaFungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e Protista
José Emílio
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
Markelly Marques
 
Aula reino fungi
Aula reino fungiAula reino fungi
Aula reino fungi
Plínio Gonçalves
 
Reino fungi - Leitura
Reino fungi - LeituraReino fungi - Leitura
Reino fungi - Leitura
emanuel
 
Frente 3 Aula 6 Reino fungi.pptx
Frente 3 Aula 6 Reino fungi.pptxFrente 3 Aula 6 Reino fungi.pptx
Frente 3 Aula 6 Reino fungi.pptx
AlissonPedrosa3
 

Semelhante a Material 7ª semana (20)

Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
 
Fungos resumão principais características
Fungos resumão principais característicasFungos resumão principais características
Fungos resumão principais características
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Avaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia IIAvaliação parcial de Biologia II
Avaliação parcial de Biologia II
 
Fungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicosFungos fitopatogenicos
Fungos fitopatogenicos
 
Avaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia iiAvaliação parcial de biologia ii
Avaliação parcial de biologia ii
 
REINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.pptREINO FUNGI.ppt
REINO FUNGI.ppt
 
5 fungi
5   fungi5   fungi
5 fungi
 
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivemTudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
Tudo sobre os reinos animais e fungos omo vivem
 
Reinofungi
ReinofungiReinofungi
Reinofungi
 
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
Ppoint.Fungos.2009 C Nat.#
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Fungos noturno 3 D
Fungos  noturno 3 D Fungos  noturno 3 D
Fungos noturno 3 D
 
Fungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e ProtistaFungi, Monera e Protista
Fungi, Monera e Protista
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Aula reino fungi
Aula reino fungiAula reino fungi
Aula reino fungi
 
Reino fungi - Leitura
Reino fungi - LeituraReino fungi - Leitura
Reino fungi - Leitura
 
Frente 3 Aula 6 Reino fungi.pptx
Frente 3 Aula 6 Reino fungi.pptxFrente 3 Aula 6 Reino fungi.pptx
Frente 3 Aula 6 Reino fungi.pptx
 

Último

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 

Último (20)

DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 

Material 7ª semana

  • 1. e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia AULA 1 Alfabetização Digital 61 Aula 7 - Os fungos Objetivos: Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de: 1. reconhecer a importância dos fungos para a vigilância epide- miológica em saúde; 2. descrever a estrutura dos fungos e seus mecanismos de repro- dução; 3. reconhecer a classificação dos fungos; 4. listar as principais doenças causadas por fungos. 7.1 A importância dos fungos Os fungos são muito conhecidos pela sua capacidade decomposito- ra. Essa capacidade os coloca numa posição importante nos ciclos da matéria na natureza, pois são eles, juntamente com algumas espécies de bactérias, que decompõem a matéria orgânica que “sobra” na natureza (animais e ve- getais mortos), devolvendo algumas substâncias úteis ao ambiente. Essa ca- pacidade decompositora também pode ser prejudicial aos seres vivos, pois os fungos são responsáveis por diversas doenças nos vegetais e nos animais, inclusive no homem. A digestão dos fungos é bastante peculiar, pois eles lançam suas enzimas digestivas ao meio externo e, só depois, absorvem a matéria já digerida para dentro de suas células. Esse tipo de digestão é que os torna pa- togênicos, pois eles degradam o substrato onde vivem. Você já deve ter visto um alimento sendo degradado por um fungo. Tente visualizar um pedaço de fruta apodrecendo; aquelas massas cinzentas que recobrem os alimentos em estado de degradação são fungos. Quando um fungo se desenvolve na pele ou em outros tecidos do homem, ele também lança suas enzimas digestivas, provocando lesões conhecidas por micoses. É importante destacar, aqui, outras utilidades dos fungos, como, por exemplo, na engenharia genética, na indústria alimentícia (fermento de pão, bebidas alcoólicas, derivados do leite) e na indústria farmacêutica, o famoso antibiótico penicilina é extraído de uma espécie de fungo do gênero Penicilium. A utilização dos fungos na indústria alimentícia se deve à pro- priedade fermentadora que eles apresentam, ou seja, alguns deles quebram os alimentos na ausência de oxigênio para conseguirem energia; os produtos desse processo podem ser úteis, como o álcool (bebidas alcoólicas) e o ácido lático (queijos).
  • 2. e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde62 7.2 Características gerais dos fungos Os fungos mais conhecidos são os bolores, os cogumelos, as orelhas de pau e as leveduras. As características dos fungos não permitem que eles sejam classificados no reino animal nem no reino vegetal, e sim em um reino à parte, denominado reino Fungi. São organismos eucariontes, heterótrofos, uni ou multicelulares. A maioria vive no solo alimentando-se de cadáveres de animais e plantas e de outras matérias orgânicas. Desenvolve-se muito bem em am- bientes úmidos e com pouca luminosidade, daí o surgimento de mofos nas paredes e roupas, em nossas casas, quando as temperaturas abaixam. Eles gostam tanto dos ambientes úmidos que são capazes de crescerem dentro de geladeiras; você já deve ter visto o mofo que cresce em molhos de tomate, em pães etc. Existem, também, espécies de fungos parasitas, que vivem à custa de animais e de plantas vivas e, ainda, espécies que formam associa- ções mutualísticas com outros seres vivos, como no caso da associação com as algas; é uma relação de interdependência tão restrita, que eles consti- tuem, juntos, os liquens. Figura 25: Liquen. Fonte: Disponível em <www.infoescola.com/biologia/liquens/>. Acesso em 01 out. 2010. Outro tipo de associação importante é a que algumas espécies de fungos fazem com as raízes de plantas, formando as micorrizas. A presença dos fungos nessas raízes melhora a absorção de alguns micronutrientes pre- sentes no solo, que são essenciais ao crescimento da planta. Liquens: associação entre fungos e algas. Esse tipo de associação permite que os liquens habitem locais onde nem as algas nem os fungos sozinhos não conseguiriam sobreviver, ou seja, há uma dependência mútua onde cada um desempenha um papel essencial à sobrevivência.
  • 3. e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia 63 Figura 26: Exemplos de fungos. Fonte: Disponível em <diariodeestudanteonline.blogspot.com/2010/05/>. Acesso em 12 out. 2010. 7.3 Estrutura e organização dos fungos Alguns fungos são unicelulares e são denominados por leveduras, mas a maioria é multicelular, constituída por filamentos microscópicos e ra- mificados, denominados hifas. O corpo do fungo multicelular é formado por um conjunto de hifas e recebe o nome de micélio. As hifas podem ou não apresentar septos (paredes transversais). As hifas não septadas, preenchidas por uma massa citoplasmática que contém centenas de núcleos; são deno- minadas hifas cenocíticas. No caso das hifas septadas, elas podem ou não apresentar um ou dois núcleos por célula. Figura 27: Estruturados fungos. Fonte: Disponível em <www.enq.ufsc.br/.../microorganismos/fungos3.gif>. Acesso em 10 out. 2010. Figura 28: Tipos de hifas Fonte: Disponível em <www.enq.ufsc.br/.../microorganismos/fungos3.gif>. Acesso em 10 out. 2010.
  • 4. e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde64 7.3.1 A parede das hifas A parede das hifas é constituída pelo polissacarídeo quitina, como a parede celular de alguns animais como os artrópodes (grupo dos insetos, ara- nhas e crustáceos). Devido a essa semelhança, antigamente, os fungos eram agrupados no reino animal. Alguns fungos apresentam parede de celulose, como a parede celular dos vegetais, por isso eles também já foram classi- ficados como vegetais. Mas o fato de serem heterótrofos os exclui do reino vegetal, e a digestão extracelular os exclui do reino animal, daí a criação do reino Fungi para abrigar essas espécies com tantas peculiaridades. 7.3.2 Os corpos de frutificação Muitas espécies de fungos formam, em determinadas condições ambientais, estruturas denominadas corpos de frutificação, de tamanho e forma variados. Um exemplo de corpos de frutificação são os cogumelos e as orelhas de pau. 7.4 Reprodução dos Fungos Os fungos podem se reproduzir assexuada e sexuadamente. 7.4.1 Reprodução assexuada Os fungos se reproduzem assexuadamente de três formas. 7.4.1.1 Fragmentação É uma forma bastante simples utilizada por fungos filamentosos: um micélio se fragmenta originando novos micélios. 7.4.1.2 Brotamento Fungos unicelulares (leveduras) utilizam essa forma. É também bas- tante simples: o broto é originado na célula genitora, podendo se soltar ou permanecer grudado, formando uma cadeia de células. 7.4.1.3 Esporulação A maioria dos fungos se reproduz assexuadamente por meio de es- poros, células dotadas de paredes resistentes que , ao germinar, produzem hifas.
  • 5. e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia 65 7.4.2 Reprodução sexuada Os cogumelos de chapéu pertencem a um grupo de fungos chamado de basidiomicetos. Vamos considerar esse grupo para explicar, de forma sim- plificada, como ocorre a reprodução dos fungos pluricelulares. Como vimos, o micélio é formado por um emaranhado de filamen- tos denominados hifas. Nos fungos terrestres, o micélio se desenvolve, so- bretudo subterraneamente. Mas hifas férteis organizam, geralmente no meio aéreo, uma estrutura chamada de corpo de frutificação. Essa estrutura con- tém um “chapéu” portador de vários esporângios. Cada esporângio é uma estrutura produtora de unidades de reprodução chamadas esporos. Uma vez produzidos nos esporângios, os esporos são limitados no ambiente, podendo se espalhar pela ação do vento; por exemplo: ao encon- trar condições favoráveis, num certo local, os esporos germinam e originam hifas que formarão um novo fungo. O número de corpos de frutificação emiti- dos por um cogumelo de chapéu é variável, conforme a espécie. O micélio de um único cogumelo Agaricus bisporus, comestível e conhecido como cham- pignon, é capaz de emitir, em média, de 80 a 100 “chapéus” no meio aéreo. 7.5 Classificação dos fungos Ainda não existe consenso quanto à classificação dos fungos. Adota- remos, aqui, a seguinte classificação, que é bastante comum entre os biólo- gos: dividiremos os fungos em dois filos, apresentados a seguir. 7.5.1 Filo Mixomycota Fungos gelatinosos ou mixomicetos. Temos, aproximadamente, 600 espécies conhecidas. São bastante coloridos e vivem em matas úmidas e sombreadas, sobre folhas caídas e troncos apodrecidos. São fungos cenocíticos, sem hifas, que, na fase vegetativa, lembram amebas. A característica que diferencia esse filo é que eles não possuem parede, mas sim uma membrana flexível. Apresentam reprodução sexuada, formando esporângios onde ocorre a meiose.
  • 6. e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde66 Figura 29: Exemplo de myxomicota. Fonte: Disponível em <http://sites.google.com/site/correiamiguel25/home>. Acesso em 20 set. 2010. 7.5.2 Filo eumycota Apresenta a maior variedade de espécies, aproximadamente 100 mil, distribuídas em quatro classes. 7.5.2.1 Classe Phycomycetes Os ficomicetos são os fungos mais simples, e a maioria deles não forma corpo de frutificação. Figura 30: Desenho esquemático do bolor do pão, um ficomiceto. Fonte: Disponível em <www.professorjarbasbio.com.br/fungos2.jpg> Acesso em 02 out. 2010.
  • 7. e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia 67 7.5.2.2 Classe scomycetes Os ascomicetos apresentam estruturas reprodutivas em forma de saco, denominadas ascos, que contêm esporos denominados ascósporos. Figura 31: Ascomiceto. Fonte: Disponível em <www.infoescola.com>. Acesso em 02 out. 2010. 7.5.2.3 Classe Basidiomycetes Os basidiomicetos formam estruturas reprodutivas denominadas basídios. A maioria dos basidiomicetos forma corpos de frutificação chama- dos basidiocarpos, popularmente conhecidos como cogumelos. Figura 32: Desenho esquemático de um basidiomiceto. Fonte: Disponível em <www.kalipedia.com/ciencias-vida/tema/basidiom>. Acesso em 20 set. 2010.
  • 8. e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde68 7.5.2.4 Classe Deuteromycetes Os deuteromicetos são também chamados fungos imperfeitos. Essa classe abriga os fungos em que ainda não foram observados fenômenos se- xuados de reprodução. Diversos fungos dessa classe são parasitas e causam doenças em plantas e animais. Espero que você tenha aproveitado bastante esta aula! Leia o resu- mo a seguir e resolva atentamente as atividades de aprendizagem! Resumo Nesta aula, você aprendeu que: • os fungos apresentam importância em diversas áreas: ecológica, indústria farmacêutica, indústria alimentícia, dentre outras; • os fungos pertencem ao reino Fungi, são organismos eucarion- tes, uni ou multicelulares, heterótrofos e podem apresentar pa- rede de quitina ou de celulose; • a forma de digestão dos fungos é extracelular, o que os torna ótimos decompositores da matéria orgânica; • os fungos mais conhecidos são: mofos, bolores, leveduras, cogu- melo e orelha de pau; • o corpo dos fungos é constituído por estruturas denominadas hifas que, em conjunto, formam o micélio; • os fungos se reproduzem assexuada e sexuadamente; • os fungos são classificados como: micomicetos, ficomicetos, as- comicetos, basidiomicetos e deuteromicetos; • os fungos podem causar doenças como: micoses superficiais e profundas, candidíases vaginais, pé de atleta e outras. Atividades de aprendizagem 1) Comente sobre a importância ecológica dos fungos. 2) Qual a forma de nutrição dos fungos? 3) Qual é a organização básica dos fungos filamentosos? 4) Como os fungos são classificados? Qual o critério utilizado para a classifi- cação dos fungos? 5) Explique resumidamente os processos de reprodução assexuada dos fungos. 6) Explique como são formados os liquens e as micorrizas.
  • 9. e-Tec Brasil/CEMF/UnimontesNoções em Biologia 69 Referências AMABIS, J.M. ; MARTHO, G. R.. Conceitos de Biologia. São Paulo, Ed. Moder- na, 2001. vol. Único. CIMERMAN, Benjamin. Atlas de Parasitologia. São Paulo: Atheneu, 2002. FUTUYMA, D.J.. Evolução, Ciência e Sociedade. Sociedade Brasileira de Ge- nética, São Paulo, 2002. JAWETZ, M. & ADELBERG. Microbiologia Médica. Rio de Janeiro, Ed. Guana- bara Koogan S. A., 1998. NEVES, David Pereira. Parasitologia humana. São Paulo: Atheneu, 2002. REY, Luís. Bases da parasitologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. STEBBINS, GL. Processos de Evolução Orgânica. São Paulo: EDUSP, 1974. TORTORA, Gerad J. Microbiologia. Porto Alegre: Artmed, 2002. http://pt.wikipedia.org/ www.brasilescola.com/biologia www.todabiologia.com/ www.portalsaofrancisco.com.br
  • 10. e-Tec Brasil/CEMF/Unimontes Vigilância em Saúde70 Currículo do professor conteudista Ana Paula Venuto Moura Possui graduação em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Cató- lica de Minas Gerais, Belo Horizonte/MG, especializações em Microbiologia, Genética e Bioquímica e mestrado em Ciências da Saúde - área de concen- tração: doenças infecto-parasitárias. Atua na área de educação há 15 anos, como professora de Biologia Geral, Genética, Microbiologia e Metodologia do Ensino Superior. Atualmente, é professora efetiva de Genética da Universida- de Estadual de Montes Claros, atuando nos cursos de Biologia, Odontologia e Medicina, e tutora do curso de Medicina das Faculdades Unidas do Norte de Minas. Na pesquisa, trabalha com epidemiologia e histopatologia da Leishma- niose Tegumentar e com metodologias para melhorar o processo de ensino em Biologia e Química no ensino médio. ( Currículo na plataforma Lattes: http://lattes.cnpq.br/7834927007712461 )