SlideShare uma empresa Scribd logo
Estado da biodiversidade da
Mata Atlântica brasileira
Andrey Carvalho
 A Mata Atlântica, uma das maiores florestas tropicais do
planeta, foi o primeiro bioma a ser explorado durante a colonização
europeia no Brasil. Os sucessivos ciclos econômicos e a contínua
expansão da população humana na região durante os últimos cinco
séculos comprometeram seriamente a integridade ecológica dos
ecossistemas singulares da Mata Atlântica.
 A biota da Mata Atlântica é extremamente diversificada
(Conservation International do Brasil et al., 2000). Mesmo com
extensas áreas ainda pouco conhecidas do ponto de vista
biológico, acredita-se que a região abrigue de 1 a 8% da
biodiversidade mundial. A considerável diversidade ambiental do
bioma Mata Atlântica pode ser a causa da diversidade de espécies e
do alto grau de endemismo. A latitude é um importante eixo de
variação: diferentemente da maioria das outras florestas tropicais,
a Mata Atlântica estende-se por mais de 27 graus. A latitude afeta
grandemente, por exemplo, a distribuição geográfica de lagartos, e
somente uma espécie com distribuição em toda a região foi
encontrada (Vanzolini, 1988). A altitude também é importante: a
Mata Atlântica cobre terrenos que variam do nível do mar a
2.700m, com consequentes gradientes altitudinais de diversidade
(Holt, 1928; Buzzetti, 2000). Por fim, há também a variação
longitudinal: as florestas de interior diferem significativamente
daquelas próximas do litoral (Rizzini, 1997). Juntos, esses três
fatores criam uma diversidade única de paisagens, que explica,
pelo menos em parte, a extraordinária diversidade de espécies da
região.
 Apesar de séculos de investigação científica, a Mata
Atlântica ainda é pouco conhecida. Novas espécies de
vertebrados continuam a ser descritas (Lorini e Persson,
1990; Kobayashi e Langguth, 1999), e muitas,
paradoxalmente, foram descobertas nos arredores de
grandes aglomerados urbanos (Willis e Oniki, 1992). O fato
de que, apesar da enorme redução da cobertura florestal,
poucas espécies tenham sido realmente extintas na região
indica que ainda existem chances de que ações bem
planejadas resultem na conservação da biota da Mata
Atlântica. Entretanto, tais ações precisam ser baseadas na
avaliação do estado atual da biodiversidade e incluir um
conjunto de indicadores bem definidos para monitorar o
sucesso das ações de conservação na região.
 Dois indicadores foram sugeridos para o monitoramento dos
esforços de conservação: o primeiro mede o estado da
biodiversidade em cada região biogeográfica e o segundo
avalia a proteção da biodiversidade na Mata Atlântica
brasileira. A partir da combinação desses dois
indicadores, ações são recomendadas para o planejamento
de estratégias da conservação em cada uma das sub-regiões
da Mata Atlântica.
 Subdivisões biogeográficas
A biota endêmica da Mata Atlântica não se distribui
homogeneamente. A composição de espécies varia
amplamente e, para fins de conservação da biodiversidade, a
Mata Atlântica não pode ser tratada como uma unidade
homogênea, e deve-se levar em consideração as distintas sub-
regiões biogeográficas. A distribuição das espécies florestais
endêmicas de aves, primatas e borboletas – grupos animais
mais bem conhecidos da Mata Atlântica – pode servir de base
para uma classificação biogeográfica sintética preliminar. As
sub-regiões biogeográficas resultantes enquadram-se em dois
tipos: áreas de endemismo e áreas de transição
 Áreas de endemismo são sub-regiões caracterizadas pela presença
de pelo menos duas espécies endêmicas com distribuições
sobrepostas. Cinco áreas atendem a esse critério, incluindo as
florestas úmidas do Nordeste (Brejos
Nordestinos, Pernambuco, Diamantina e Bahia) e a cadeia de
montanhas costeira (Serra do Mar).
 As áreas de transição são caracterizadas pela ocorrência de
fenômenos biológicos únicos, como zonas de contato entre
espécies afins ou complexos mosaicos de interação entre biotas
com histórias evolutivas distintas. Existem três áreas de transição
na Mata Atlântica: São Francisco, Florestas de Interior e Florestas
de Araucária
O destino da Mata Atlântica
• O estado da biodiversidade florestal, medido pelo ICN
(Índice de Capital Natural) em seis das sub-regiões, é crítico.
Dependendo do critério utilizado para calcular a qualidade
das florestas remanescentes, pode-se dizer que a Mata
Atlântica perdeu de 91% a 96% do seu capital natural. Os
remanescentes florestais estão altamente fragmentados.
Numerosos pequenos fragmentos estão espalhados em uma
matriz que certamente é prejudicial à sobrevivência deles a
longo prazo.
 A destruição de matas na sub-região Florestas de Interior
implica a ruptura de processos ecológicos e evolutivos únicos,
característicos das áreas de transição (Silva, 1998). Em
contraste, a perda de áreas de endemismo como a sub-região
Pernambuco traduz-se em perda completa de linhagens
evolutivas únicas, o que se evidencia pelo grande número de
espécies de vertebrados terrestres criticamente ameaçados. A
extinção de espécies é mais iminente na sub-região
Pernambuco que em qualquer outro setor da Mata Atlântica.
• Com a combinação de ICN e IPB (O Índice de Proteção da
Biodiversidade) , as seguintes recomendações foram
formuladas para serem incorporadas nos esforços para
conservar as sub-regiões da Mata Atlântica:
• Uma vez que a sub-região da Serra do Mar retém muito
capital natural e inclui o melhor sistema de áreas
protegidas, a prioridade deve ser expandir esse
sistema, criando novas UCs de proteção integral, com base
em análises biogeográficas detalhadas da região e da eficácia
das áreas protegidas já estabelecidas.
• Nas sub-regiões com alto ICN e baixo IPB, como os Brejos
Nordestinos, novas UCs de proteção integral maiores que 50km2
devem ser criadas. A criação dessas novas UCs deve considerar a
variação ambiental que existe na sub-região. Em sub-regiões com
baixo ICN e um alto IPB, como as Florestas de Interior, áreas
extensas devem ser restauradas para conectar unidades de
conservação existentes.
• Sub-regiões com baixo ICN e baixo IPB, como Pernambuco, Bahia
e Florestas de Araucária, devem, por isso, ser consideradas
prioridade máxima para ações de conservação, já que são as mais
seriamente ameaçadas. Novas UCs de proteção integral maiores
que 50km2 devem ser criadas. Áreas florestais remanescentes
devem ser expandidas por meio da restauração e conectadas pelo
estabelecimento de corredores ecológicos
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dominios vegetaiss
Dominios vegetaissDominios vegetaiss
Dominios vegetaiss
Fernanda Lopes
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Mata atlântica
Mata atlânticaMata atlântica
Mata atlântica
Sandra Barros
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Ademir Aquino
 
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Edmar Alves da Cruz
 
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃOBIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Dominios morfoclimáticos
Dominios morfoclimáticosDominios morfoclimáticos
Dominios morfoclimáticos
Pessoal
 
Demétrio melo domínios brasileiros
Demétrio melo domínios brasileirosDemétrio melo domínios brasileiros
Demétrio melo domínios brasileiros
Deto - Geografia
 
Slides biomas da amazonia
Slides biomas da amazoniaSlides biomas da amazonia
Slides biomas da amazonia
Lianny Siqueira
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Deto - Geografia
 
Conservação no brasil
Conservação  no brasilConservação  no brasil
Conservação no brasil
Wallace Soares Cocati
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
ExpressãO GráFica
ExpressãO GráFicaExpressãO GráFica
ExpressãO GráFica
renatotesta
 
Unidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazôniaUnidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazônia
Universidade Federal Rural da Amazônia
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Maria da Paz
 
Dominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exerciciosDominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exercicios
Ademir Aquino
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
martallbo
 
Slides grupo 4
Slides grupo 4Slides grupo 4
Slides grupo 4
nacirbertini
 
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
Conceição Fontolan
 
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJManual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Urialisson Queiroz
 

Mais procurados (20)

Dominios vegetaiss
Dominios vegetaissDominios vegetaiss
Dominios vegetaiss
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
Mata atlântica
Mata atlânticaMata atlântica
Mata atlântica
 
Dominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanasDominios morfoclimaticos superhumanas
Dominios morfoclimaticos superhumanas
 
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros Apresentação domínios  morfoclimáticos brasileiros
Apresentação domínios morfoclimáticos brasileiros
 
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃOBIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
 
Dominios morfoclimáticos
Dominios morfoclimáticosDominios morfoclimáticos
Dominios morfoclimáticos
 
Demétrio melo domínios brasileiros
Demétrio melo domínios brasileirosDemétrio melo domínios brasileiros
Demétrio melo domínios brasileiros
 
Slides biomas da amazonia
Slides biomas da amazoniaSlides biomas da amazonia
Slides biomas da amazonia
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
 
Conservação no brasil
Conservação  no brasilConservação  no brasil
Conservação no brasil
 
Biomas do mundo
Biomas do mundoBiomas do mundo
Biomas do mundo
 
ExpressãO GráFica
ExpressãO GráFicaExpressãO GráFica
ExpressãO GráFica
 
Unidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazôniaUnidades de conservação na amazônia
Unidades de conservação na amazônia
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Dominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exerciciosDominios morfoclimaticos exercicios
Dominios morfoclimaticos exercicios
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Slides grupo 4
Slides grupo 4Slides grupo 4
Slides grupo 4
 
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE   2017
BIOMAS BRASILEIROS E A CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017
 
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJManual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
 

Destaque

Sala Verde Inhotim Informativo 17
Sala Verde Inhotim   Informativo 17Sala Verde Inhotim   Informativo 17
Sala Verde Inhotim Informativo 17
José André
 
Eco agricultura prod_ruminantes
Eco agricultura prod_ruminantesEco agricultura prod_ruminantes
Eco agricultura prod_ruminantes
Jose Ferrão
 
El Valor De Una Puerta
El Valor  De  Una PuertaEl Valor  De  Una Puerta
Estratégias de Business & Biodiversity
Estratégias de Business & BiodiversityEstratégias de Business & Biodiversity
Estratégias de Business & Biodiversity
ngoliveira
 
Monitoramento in situ_da_biodiversidade_versao_final_05.12.2013
Monitoramento in situ_da_biodiversidade_versao_final_05.12.2013Monitoramento in situ_da_biodiversidade_versao_final_05.12.2013
Monitoramento in situ_da_biodiversidade_versao_final_05.12.2013
Reicla Larissa Villela
 
Insetos como indicadores de qualidade ambiental
Insetos como indicadores de qualidade ambientalInsetos como indicadores de qualidade ambiental
Insetos como indicadores de qualidade ambiental
William Rodrigues
 
Introdução ao monitoramento ambiental
Introdução ao monitoramento ambientalIntrodução ao monitoramento ambiental
Introdução ao monitoramento ambiental
Ricardo Finotti
 
Livro praticas restauracao_mata_ciliar-copiar
Livro praticas restauracao_mata_ciliar-copiarLivro praticas restauracao_mata_ciliar-copiar
Livro praticas restauracao_mata_ciliar-copiar
meliscamargo
 
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
cbsaf
 
Palestra alessandra
Palestra alessandraPalestra alessandra
Palestra alessandra
ambiental
 
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a BiodiversidadeURGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
Paula Lopes da Silva
 
Guia das aves comuns
Guia das aves comunsGuia das aves comuns
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Renata Araújo
 
Economia da Biodiversidade e dos Ecossistemas: Primeiros Passos
Economia da Biodiversidade e dos Ecossistemas: Primeiros PassosEconomia da Biodiversidade e dos Ecossistemas: Primeiros Passos
Economia da Biodiversidade e dos Ecossistemas: Primeiros Passos
Empresas e Biodiversidade
 
Bioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental vBioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental v
Filgueira Nogueira
 
Indicadores ambientais
Indicadores ambientaisIndicadores ambientais
Indicadores ambientais
Caetana Coevas
 
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
Nathália Vasconcelos
 
Bioindicadores de qualidade ambiental iv
Bioindicadores de qualidade ambiental ivBioindicadores de qualidade ambiental iv
Bioindicadores de qualidade ambiental iv
Filgueira Nogueira
 
Especies bioindicadoras
Especies bioindicadorasEspecies bioindicadoras
Especies bioindicadoras
delmaliceo3
 
Biosfera Cientic
Biosfera CienticBiosfera Cientic
Biosfera Cientic
guest7b65ee
 

Destaque (20)

Sala Verde Inhotim Informativo 17
Sala Verde Inhotim   Informativo 17Sala Verde Inhotim   Informativo 17
Sala Verde Inhotim Informativo 17
 
Eco agricultura prod_ruminantes
Eco agricultura prod_ruminantesEco agricultura prod_ruminantes
Eco agricultura prod_ruminantes
 
El Valor De Una Puerta
El Valor  De  Una PuertaEl Valor  De  Una Puerta
El Valor De Una Puerta
 
Estratégias de Business & Biodiversity
Estratégias de Business & BiodiversityEstratégias de Business & Biodiversity
Estratégias de Business & Biodiversity
 
Monitoramento in situ_da_biodiversidade_versao_final_05.12.2013
Monitoramento in situ_da_biodiversidade_versao_final_05.12.2013Monitoramento in situ_da_biodiversidade_versao_final_05.12.2013
Monitoramento in situ_da_biodiversidade_versao_final_05.12.2013
 
Insetos como indicadores de qualidade ambiental
Insetos como indicadores de qualidade ambientalInsetos como indicadores de qualidade ambiental
Insetos como indicadores de qualidade ambiental
 
Introdução ao monitoramento ambiental
Introdução ao monitoramento ambientalIntrodução ao monitoramento ambiental
Introdução ao monitoramento ambiental
 
Livro praticas restauracao_mata_ciliar-copiar
Livro praticas restauracao_mata_ciliar-copiarLivro praticas restauracao_mata_ciliar-copiar
Livro praticas restauracao_mata_ciliar-copiar
 
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
 
Palestra alessandra
Palestra alessandraPalestra alessandra
Palestra alessandra
 
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a BiodiversidadeURGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
 
Guia das aves comuns
Guia das aves comunsGuia das aves comuns
Guia das aves comuns
 
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
Monitoramento Ambiental (Desmatamento) - Renata Pontes Araújo (201103535-8)
 
Economia da Biodiversidade e dos Ecossistemas: Primeiros Passos
Economia da Biodiversidade e dos Ecossistemas: Primeiros PassosEconomia da Biodiversidade e dos Ecossistemas: Primeiros Passos
Economia da Biodiversidade e dos Ecossistemas: Primeiros Passos
 
Bioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental vBioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental v
 
Indicadores ambientais
Indicadores ambientaisIndicadores ambientais
Indicadores ambientais
 
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
 
Bioindicadores de qualidade ambiental iv
Bioindicadores de qualidade ambiental ivBioindicadores de qualidade ambiental iv
Bioindicadores de qualidade ambiental iv
 
Especies bioindicadoras
Especies bioindicadorasEspecies bioindicadoras
Especies bioindicadoras
 
Biosfera Cientic
Biosfera CienticBiosfera Cientic
Biosfera Cientic
 

Semelhante a Mata atlântica

atlas dos manguezais do Brasil - Ministério do Meio Ambiente
atlas dos manguezais do Brasil - Ministério do Meio Ambienteatlas dos manguezais do Brasil - Ministério do Meio Ambiente
atlas dos manguezais do Brasil - Ministério do Meio Ambiente
eliezerconceicao
 
Biodiversidade - Biomas Brasileiros
Biodiversidade - Biomas BrasileirosBiodiversidade - Biomas Brasileiros
Biodiversidade - Biomas Brasileiros
Angelita Silva
 
A conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagensA conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagens
Uelson E E
 
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃOBIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Os biomas brasileiros ......
Os biomas brasileiros ......Os biomas brasileiros ......
Os biomas brasileiros ......
Anacleto Damiani
 
Mnhnl 0001464-mb-doc-web
Mnhnl 0001464-mb-doc-webMnhnl 0001464-mb-doc-web
Mnhnl 0001464-mb-doc-web
Luciana Costa
 
Biomas
BiomasBiomas
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
Filipe de Oliveira
 
Tc bio
Tc bioTc bio
Biomas Do Brasil E Cerrado
Biomas Do Brasil E CerradoBiomas Do Brasil E Cerrado
Biomas Do Brasil E Cerrado
Diego Yamazaki Bolano
 
Mata Atlantica
Mata AtlanticaMata Atlantica
Mata Atlantica
RAFAELA BARBOSA
 
mata atlântica
mata atlânticamata atlântica
mata atlântica
Jade
 
Biomas e sucessão
Biomas e sucessãoBiomas e sucessão
Biomas e sucessão
Edu Rabelo
 
1 c i_hotspots
1 c i_hotspots1 c i_hotspots
1 c i_hotspots
Tatiana Santos
 
Biomas-Brasileiros-e-suas-nuances_Aulafinal.pptx
Biomas-Brasileiros-e-suas-nuances_Aulafinal.pptxBiomas-Brasileiros-e-suas-nuances_Aulafinal.pptx
Biomas-Brasileiros-e-suas-nuances_Aulafinal.pptx
ClaudioAdriano4
 
Biomas
BiomasBiomas
5 mamiferos
5 mamiferos5 mamiferos
5 mamiferos
Luyz Duarte
 
Edital v costa-final
Edital v costa-finalEdital v costa-final
Edital v costa-final
RevistaAmazônia Editora Círios
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
Márcio Júlio
 
As fronteiras naturais do Brasil
As fronteiras naturais do BrasilAs fronteiras naturais do Brasil
As fronteiras naturais do Brasil
Murderdoll_Natty
 

Semelhante a Mata atlântica (20)

atlas dos manguezais do Brasil - Ministério do Meio Ambiente
atlas dos manguezais do Brasil - Ministério do Meio Ambienteatlas dos manguezais do Brasil - Ministério do Meio Ambiente
atlas dos manguezais do Brasil - Ministério do Meio Ambiente
 
Biodiversidade - Biomas Brasileiros
Biodiversidade - Biomas BrasileirosBiodiversidade - Biomas Brasileiros
Biodiversidade - Biomas Brasileiros
 
A conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagensA conservação do cerrado com imagens
A conservação do cerrado com imagens
 
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃOBIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
BIOMAS E OS FATORES QUE INFLUENCIAM NA SUA FORMAÇÃO
 
Os biomas brasileiros ......
Os biomas brasileiros ......Os biomas brasileiros ......
Os biomas brasileiros ......
 
Mnhnl 0001464-mb-doc-web
Mnhnl 0001464-mb-doc-webMnhnl 0001464-mb-doc-web
Mnhnl 0001464-mb-doc-web
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Tc bio
Tc bioTc bio
Tc bio
 
Biomas Do Brasil E Cerrado
Biomas Do Brasil E CerradoBiomas Do Brasil E Cerrado
Biomas Do Brasil E Cerrado
 
Mata Atlantica
Mata AtlanticaMata Atlantica
Mata Atlantica
 
mata atlântica
mata atlânticamata atlântica
mata atlântica
 
Biomas e sucessão
Biomas e sucessãoBiomas e sucessão
Biomas e sucessão
 
1 c i_hotspots
1 c i_hotspots1 c i_hotspots
1 c i_hotspots
 
Biomas-Brasileiros-e-suas-nuances_Aulafinal.pptx
Biomas-Brasileiros-e-suas-nuances_Aulafinal.pptxBiomas-Brasileiros-e-suas-nuances_Aulafinal.pptx
Biomas-Brasileiros-e-suas-nuances_Aulafinal.pptx
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
5 mamiferos
5 mamiferos5 mamiferos
5 mamiferos
 
Edital v costa-final
Edital v costa-finalEdital v costa-final
Edital v costa-final
 
Caatinga
CaatingaCaatinga
Caatinga
 
As fronteiras naturais do Brasil
As fronteiras naturais do BrasilAs fronteiras naturais do Brasil
As fronteiras naturais do Brasil
 

Mais de Andrey Moreira

Introdução a fisiologia
Introdução a fisiologiaIntrodução a fisiologia
Introdução a fisiologia
Andrey Moreira
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
Andrey Moreira
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
Andrey Moreira
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
Andrey Moreira
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Andrey Moreira
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
Andrey Moreira
 
Sistema Cardio respiratório
Sistema Cardio respiratórioSistema Cardio respiratório
Sistema Cardio respiratório
Andrey Moreira
 
Filogenia arthropoda
Filogenia arthropodaFilogenia arthropoda
Filogenia arthropoda
Andrey Moreira
 
Comportamento reprodutivo
Comportamento reprodutivoComportamento reprodutivo
Comportamento reprodutivo
Andrey Moreira
 
Ciclo do enxofre
Ciclo do enxofreCiclo do enxofre
Ciclo do enxofre
Andrey Moreira
 

Mais de Andrey Moreira (10)

Introdução a fisiologia
Introdução a fisiologiaIntrodução a fisiologia
Introdução a fisiologia
 
Mitose e meiose
Mitose e meioseMitose e meiose
Mitose e meiose
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
 
Sistema Cardio respiratório
Sistema Cardio respiratórioSistema Cardio respiratório
Sistema Cardio respiratório
 
Filogenia arthropoda
Filogenia arthropodaFilogenia arthropoda
Filogenia arthropoda
 
Comportamento reprodutivo
Comportamento reprodutivoComportamento reprodutivo
Comportamento reprodutivo
 
Ciclo do enxofre
Ciclo do enxofreCiclo do enxofre
Ciclo do enxofre
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 

Mata atlântica

  • 1. Estado da biodiversidade da Mata Atlântica brasileira Andrey Carvalho
  • 2.  A Mata Atlântica, uma das maiores florestas tropicais do planeta, foi o primeiro bioma a ser explorado durante a colonização europeia no Brasil. Os sucessivos ciclos econômicos e a contínua expansão da população humana na região durante os últimos cinco séculos comprometeram seriamente a integridade ecológica dos ecossistemas singulares da Mata Atlântica.
  • 3.  A biota da Mata Atlântica é extremamente diversificada (Conservation International do Brasil et al., 2000). Mesmo com extensas áreas ainda pouco conhecidas do ponto de vista biológico, acredita-se que a região abrigue de 1 a 8% da biodiversidade mundial. A considerável diversidade ambiental do bioma Mata Atlântica pode ser a causa da diversidade de espécies e do alto grau de endemismo. A latitude é um importante eixo de variação: diferentemente da maioria das outras florestas tropicais, a Mata Atlântica estende-se por mais de 27 graus. A latitude afeta grandemente, por exemplo, a distribuição geográfica de lagartos, e somente uma espécie com distribuição em toda a região foi encontrada (Vanzolini, 1988). A altitude também é importante: a Mata Atlântica cobre terrenos que variam do nível do mar a 2.700m, com consequentes gradientes altitudinais de diversidade (Holt, 1928; Buzzetti, 2000). Por fim, há também a variação longitudinal: as florestas de interior diferem significativamente daquelas próximas do litoral (Rizzini, 1997). Juntos, esses três fatores criam uma diversidade única de paisagens, que explica, pelo menos em parte, a extraordinária diversidade de espécies da região.
  • 4.  Apesar de séculos de investigação científica, a Mata Atlântica ainda é pouco conhecida. Novas espécies de vertebrados continuam a ser descritas (Lorini e Persson, 1990; Kobayashi e Langguth, 1999), e muitas, paradoxalmente, foram descobertas nos arredores de grandes aglomerados urbanos (Willis e Oniki, 1992). O fato de que, apesar da enorme redução da cobertura florestal, poucas espécies tenham sido realmente extintas na região indica que ainda existem chances de que ações bem planejadas resultem na conservação da biota da Mata Atlântica. Entretanto, tais ações precisam ser baseadas na avaliação do estado atual da biodiversidade e incluir um conjunto de indicadores bem definidos para monitorar o sucesso das ações de conservação na região.
  • 5.  Dois indicadores foram sugeridos para o monitoramento dos esforços de conservação: o primeiro mede o estado da biodiversidade em cada região biogeográfica e o segundo avalia a proteção da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. A partir da combinação desses dois indicadores, ações são recomendadas para o planejamento de estratégias da conservação em cada uma das sub-regiões da Mata Atlântica.
  • 6.  Subdivisões biogeográficas A biota endêmica da Mata Atlântica não se distribui homogeneamente. A composição de espécies varia amplamente e, para fins de conservação da biodiversidade, a Mata Atlântica não pode ser tratada como uma unidade homogênea, e deve-se levar em consideração as distintas sub- regiões biogeográficas. A distribuição das espécies florestais endêmicas de aves, primatas e borboletas – grupos animais mais bem conhecidos da Mata Atlântica – pode servir de base para uma classificação biogeográfica sintética preliminar. As sub-regiões biogeográficas resultantes enquadram-se em dois tipos: áreas de endemismo e áreas de transição
  • 7.  Áreas de endemismo são sub-regiões caracterizadas pela presença de pelo menos duas espécies endêmicas com distribuições sobrepostas. Cinco áreas atendem a esse critério, incluindo as florestas úmidas do Nordeste (Brejos Nordestinos, Pernambuco, Diamantina e Bahia) e a cadeia de montanhas costeira (Serra do Mar).  As áreas de transição são caracterizadas pela ocorrência de fenômenos biológicos únicos, como zonas de contato entre espécies afins ou complexos mosaicos de interação entre biotas com histórias evolutivas distintas. Existem três áreas de transição na Mata Atlântica: São Francisco, Florestas de Interior e Florestas de Araucária
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. O destino da Mata Atlântica • O estado da biodiversidade florestal, medido pelo ICN (Índice de Capital Natural) em seis das sub-regiões, é crítico. Dependendo do critério utilizado para calcular a qualidade das florestas remanescentes, pode-se dizer que a Mata Atlântica perdeu de 91% a 96% do seu capital natural. Os remanescentes florestais estão altamente fragmentados. Numerosos pequenos fragmentos estão espalhados em uma matriz que certamente é prejudicial à sobrevivência deles a longo prazo.
  • 18.  A destruição de matas na sub-região Florestas de Interior implica a ruptura de processos ecológicos e evolutivos únicos, característicos das áreas de transição (Silva, 1998). Em contraste, a perda de áreas de endemismo como a sub-região Pernambuco traduz-se em perda completa de linhagens evolutivas únicas, o que se evidencia pelo grande número de espécies de vertebrados terrestres criticamente ameaçados. A extinção de espécies é mais iminente na sub-região Pernambuco que em qualquer outro setor da Mata Atlântica.
  • 19. • Com a combinação de ICN e IPB (O Índice de Proteção da Biodiversidade) , as seguintes recomendações foram formuladas para serem incorporadas nos esforços para conservar as sub-regiões da Mata Atlântica: • Uma vez que a sub-região da Serra do Mar retém muito capital natural e inclui o melhor sistema de áreas protegidas, a prioridade deve ser expandir esse sistema, criando novas UCs de proteção integral, com base em análises biogeográficas detalhadas da região e da eficácia das áreas protegidas já estabelecidas.
  • 20. • Nas sub-regiões com alto ICN e baixo IPB, como os Brejos Nordestinos, novas UCs de proteção integral maiores que 50km2 devem ser criadas. A criação dessas novas UCs deve considerar a variação ambiental que existe na sub-região. Em sub-regiões com baixo ICN e um alto IPB, como as Florestas de Interior, áreas extensas devem ser restauradas para conectar unidades de conservação existentes. • Sub-regiões com baixo ICN e baixo IPB, como Pernambuco, Bahia e Florestas de Araucária, devem, por isso, ser consideradas prioridade máxima para ações de conservação, já que são as mais seriamente ameaçadas. Novas UCs de proteção integral maiores que 50km2 devem ser criadas. Áreas florestais remanescentes devem ser expandidas por meio da restauração e conectadas pelo estabelecimento de corredores ecológicos