SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
FACULDADE EVANGELICA DO PIAUI-FAEPI
CURSO DE PEDAGOGIA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO
Maria Vitoria Pestana Almeida
RELATORIO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO I
Educação Infantil e Series Iniciais
ROSÁRIO-MA
2014
Maria Vitoria Pestana Almeida
RELATORIO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO I
Educação Infantil e Series Iniciais
Relatório de estagio apresentado à disciplina
Estagio Supervisionado I, do curso de
Pedagogia da Universidade Evangélica do
Piau-FAEPI, Polo de Rosário, para fins de
registro e demonstração das atividades do
Estágio Curricular Supervisionado, bem como
obtenção parcial de nota.
Marizelia Dielle de Freitas
RELATORIO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO I
Educação Infantil e Series Iniciais
Relatório de estagio apresentado à disciplina
Estagio Supervisionado I, do curso de
Pedagogia da Universidade Evangélica do
Piau-FAEPI, Polo de Rosário, para fins de
registro e demonstração das atividades do
Estágio Curricular Supervisionado, bem como
obtenção parcial de nota.
__________________________________________________________________
Supervisora Docente
Aprovado em _____/____/_____
Nota:_________
"A melhor maneira que a gente tem de
fazer possível amanhã alguma coisa que não é
possível de ser feita hoje, é fazer hoje aquilo que hoje
pode ser feito. Mas se eu não fizer hoje o que hoje
pode ser feito e tentar fazer hoje o que hoje não pode
ser feito, dificilmente eu faço amanhã o que hoje
também não pude fazer".
Paulo Freire
Sumário
INTRODUÇÃO...................................................................................................................6
1. CARACTERIZAÇÃO DAESCOLA...........................................................................7
2. DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO.......................................................................8
3. CONCEITOS OBSERVADOS ...................................................................................9
3.1. Métodos e atividades......................................................................................10
3.2. Participação nas atividades...........................................................................10
4. REGÊNCIANO ENSINO FUNDAMENTAL ............................................................11
5. ENSINO INFANTIL..................................................................................................12
5.1. A Rotina na Educação Infantil.......................................................................13
6. CONCLUSÃO ..........................................................................................................15
REFERÊNCIAS...............................................................................................................16
6
INTRODUÇÃO
Este relatório tem a intenção de documentar as experiências no decorrer do
período em que vivenciei na prática tudo que tenho aprendemos na teoria. Visa
apresentar a descrição do local onde foi realizado o estágio, o período de
duração e as atividades desenvolvidas.
Será dividido em duas partes: Ensino Fundamental e Ensino Infantil. Sendo que
ambos foram realizados no âmbito da Unidade Integrada Dep. Ivar Saldanha. É
o momento de aplicar alguns conceitos adquiridos no decorrer do curso de
Pedagogia, e que seja um momento de aprendizado, um momento de tirar as
dúvidas, de integrar-se ao novo ambiente em que iremos trabalhar, e que a partir
da observação da atuação de outros profissionais da área, podermos formar o
perfil de professor que queremos ser.
De qualquer forma, todo o processo supervisionado de intervenção pedagógica
teve como objetivo primordial o valor do desenvolvimento de competências
profissionais, capacitando assim para uma maior compreensão das práticas de
ensino-aprendizagem, refletindo e avaliando-as de modo a construir o início de
uma formação contínua ao longo de toda a vida profissional.
Seguindo o proposto o trabalho realizado durante o período de estágio abrangeu
a relatividade de algumas disciplinas do curso como fonte de aprendizado e
aplicabilidade da teoria com a prática. As disciplinas foram: Pesquisa e Prática
Pedagógica, Didática, Gestão e Coordenação do trabalho pedagógico. A prática
é de grande importância para que possamos ter consciência da realidade dos
alunos e professores das escolas, quando observamos adquirimos experiência,
quando questionamos, sanamos dúvidas antes mesmo de nossa própria prática.
A monitoria em realidades diversas, como temos efetivado, é de grande riqueza
cultural e para um futuro profissional.
O presente trabalho visa fortalecer a relação teoria e prática baseado no principio
metodológico de que o desenvolvimento de competências profissionais implica
em utilizar conceitos adquiridos, na vida acadêmica, profissional e pessoal.
7
1. CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA
A escola na qual foi realizado o estagio supervisionado foi a Escola Municipal de
Ensino Fundamental “ Unidade Integrada Dep. Ivar Saldanha”, localizada no
Povoado São João do Rosário, na Cidade de Rosário-Ma. Foi realizado noturno
matutino e vespertino, no período de 03 de Fevereiro a 16 de Maio nas turmas
da educação infantil e do 3º ano das series iniciais.
A Escola, segundo o Projeto Político Pedagógico, é uma escola identificada com
o compromisso de construção de uma sociedade mais justa. Como um espaço
em que a prática pedagógica é entendida como uma prática de vida, de todos e
com todos, na perspectiva de formar cidadãos e cidadãs que integrem e
contribuam para sua comunidade. Uma escola democrática, competente e
comprometida com a aprendizagem significativa do aluno, buscando transformar
informações em saberes necessários à vida dos alunos.
De acordo com o que observei e pesquisei essa escola é bem conceituada na
comunidade onde ela se encontra inserida, os profissionais são envolvidos e
trabalham com o mesmo objetivo. As salas são amplas e bem arejadas. Uma
coisa que me chamou a atenção foi o hora do recreio, são liberadas todas a salas
de uma vez e mesmo assim não há um tumulto nem a desordem comum a rotina
de grande parte das instituições de ensino.
Por meio de observação do método da professora, observei a interação dos
alunos com a professora, dos alunos entre si e com o ambiente no cotidiano
escolar e o compromisso com a construção do conhecimento do aluno.
Segundo Comenius no livro a persistência da utopia em educação, citado por
Kulesza, Wojciech A. (1992), o método de ensino deve adequar-se aos métodos
de descoberta, e portanto a autonomia do educando, ao contrário do que
preconiza a escola ativa.
Comenius já citava no passado a importância da autonomia do educando, para
que aconteça essa evolução é necessário estarmos atentos ao perfil do aluno de
hoje, que está conectado ao mundo, e o professor tem que acompanhar essa
evolução, para caminharmos juntos.
Segundo a matéria de gestão no curso de pedagogia o gestor é um mediador na
questão da prática pedagógica e da produtividade. Nesse sentido nessa escola
prevalece a gestão mediadora direcionada às metas, ao ensino aprendizagem e
as práticas pedagógicas.
A escola não tem problemas como violência, raramente acontece brigas, os
profissionais estão sempre atentos a qualquer desentendimento e já intervém
em qualquer situação, não dando chance para que o problema cresça. Os pais
são sempre informados sobre os acontecimentos.
8
2. DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO
No decorrer do período do estágio acompanhei inicialmente as atividades
desenvolvidas: ditado de palavras, cópia e numerais, atividades no livro,
observando os alunos e as atividades, compreendendo as questões relativas ao
processo de entendimento de linguagem oral e escrita. Observando para
compreender o processo de construção de conhecimento e aprendizagem dos
alunos.
Na integração com a sala onde participou-se no acompanhamento e realização
das atividades, observou-se que os alunos não acompanham as aulas por igual,
que cada um tem o seu momento, cada um tem sua dificuldade, uns
acompanham mais rápido, outros tem mais dificuldade. É importante estar atento
aos sons da fala, se a criança está falando o mesmo que está lendo, ou seja se
tem coerência entre a fala e a escrita.
No curso de pedagogia na matéria de linguagem oral e escrita, é preciso
segmentar as palavras em sílabas, e as sílabas em fonemas. Esse processo foi
verificado na escola, a repetição de sons, repetindo sílabas. Uso de materiais de
diferentes gêneros, fazendo reflexões sobre a linguagem que nós usamos.
Hoffmann (2005,p.53) se valorizarmos os “erros” dos alunos, considerando-os
essenciais para o “vir a ser” do processo educativo, temos que assumir também
as possibilidadesdas incertezas, das dúvidas, dos questionamentos que possam
ocorrer conosco a partir da análise das respostas deles, favorecendo, então, a
discussão sobre essas idéias novas ou diferentes.
Segundo o que foi ministrado no curso de pedagogia na aula de Fundamentos
Teóricos e Metodológicos de História e Geografia, sempre que estiver ensinando
aos alunos podemos dar aulas expositivas e dialogadas, questionar o porque
disso ou daquilo, deixar os alunos se manifestarem sobre algo que aconteceu no
seu cotidiano.
Esse período de estar na sala de aula é muito importante para compreender
como agir em um primeiro momento, observando as vivências dos alunos e a
vida cotidiana da sala de aula, com todos os problemas que surgem.
Conforme Comenius, citado por Kulesza, Wojciech A. (1992) ao abordar os
problemas educacionais do ponto de vista de uma filosofia de vida total,
Comenius mexeu com problemas que estão longe de estar solucionados, e o
modo como ele fez isso é relevante não somente para o mundo do século
dezessete, mas para o mundo de hoje.
Podemos observar que cada dia pode ser imprevisível. Ocorrem problemas,
desafios, dificuldades, mas também é repleto de alegrias e realizações, com
crianças e jovens ansiosos pela vida e pela descoberta do saber. Os alunos
cantam na sala de aula e nas apresentações festivas da escola. Tive a
oportunidade de assistir a algumas apresentações da turma e confesso que é
algo comovente de se ver.
9
Segundo Hoffmann (2005), A postura do professor frente às alternativas de
solução construídas pelo aluno deveria estar necessariamente comprometida
com tal concepção de erro construtivo.
Podemos considerar que o conhecimento produzido pelo educando, em um certo
momento de sua experiência de vida é um conhecimento em processo de
superação.
A turma é bastante agitada, precisando estar ocupada o tempo todo com
atividades. O professor é muito insistente e exigente, durante a aula. Fala o
tempo todo que é necessário dar uma acelerada nos mais atrasadinhos. A escola
não tem problemas como violência, raramente acontece brigas, os profissionais
estão sempre atentos a qualquer desentendimentos e já intervém em qualquer
situação, não dando chance para que o problema cresça. Os pais são sempre
informados sobre os acontecimentos.
Segundo FREIRE (2000) p.43, uma das primordiais tarefas da pedagogia crítica
radical libertadora é trabalhar a legitimidade do sonho ético- político da
superação da realidade injusta. É trabalhar a genuinidade dessa força da
ideologia fatalista dominante, que estimula a imobilidade dos oprimidos e sua
acomodação à realidade injusta, necessária ao movimento dos dominadores.
O Ensino Fundamental passou por mudanças esses últimos anos, com a
implantação do 9º ano e da entrada no 1º ano com seis anos. Cada vez mais
cedo as crianças adquirem mais responsabilidade. A escola também enfrenta
grandes desafios com os avanços tecnológicos, descobertas científicas,
mudança de valores, atitudes, costumes.
Hoje temos também a responsabilidade social de ensinar na escola a
consciência sobre o meio ambiente, sensibilizar sobre a problemática do lixo,
como foi observado nos conceitos da aula de Temas Transversais, que tem o
objetivo de que as crianças desenvolvam as competências necessárias para o
exercício de uma cidadania responsável .
3. CONCEITOS OBSERVADOS
Na escola de Ensino Fundamental pode-se observar e acompanhar a prática
diária dos alunos, que alguns alunos da 3º ano tinham dificuldades de leitura, já
estava no meio do ano e muitos não sabiam ler. Fiquei observando cada dia
uma classe, desde o 1º ao 5º ano, e observei que tinha uma classe do 2º ano
que precisava de mais ajuda, por ter alunos bagunceiros que não paravam muito
tempo sentados, alguns tinham dificuldade de aprendizagem. Muitos ainda não
sabiam ler. Optei por acompanhar essa classe, até mesmo para ajudar a
professora.
A professora fazia um trabalho de leitura com eles funcionava assim: cada um
escolhia o livro que queria ler, a professora mantinha no fundo da classe um
cantinho com livros de historinhas infantis. Quando algum estava lendo, o outro
já estava esperando a sua vez com um livro na mão. Podia observar a evolução
das crianças no dia a dia.
10
Durante o curso de pedagogia na matéria de Literatura Infanto Juvenil: a cultura
do livro é uma herança de contexto familiar, porém com a modernidade, onde as
mães trabalham e não tem tempo para incentivar a leitura aos filhos. As crianças
não gostam de ficar presa a um livro, quando tem um computador a sua frente.
A professora tomava a leitura e escrevia em que estágio de desenvolvimento
estavam, para fazer o registro dessas informações. Tomava a leitura,
observando repetições de sons, segmentos silábicos. Observando o oral e o
escrito, semelhanças e diferenças. Qual a dificuldade de cada criança, para ser
trabalhada de acordo com o que eles erravam, já que a leitura era feita de um
em um.
Esses conceitos foram relacionados com a aula de Linguagem Oral e Escrita, no
curso de pedagogia, quando a criança aprende, é quando faz relações e
comenta o que leu e compartilha o que leu.
3.1. Métodos e atividades
Sobre os métodos observei uma professora que tinha métodos tradicionais, os
alunos ficavam todos quietos, mal falavam, a aula era formal. A outra professora
interagia com os alunos fazendo perguntas para problematizar a aula, buscando
respostas dos próprios alunos.
Quanto as atividades desenvolvidas: ditado de palavras, cópia, numerais,
atividades no livro, trabalhando com temas e parlendas, atividades artísticas com
incentivo a preservação do meio ambiente.
A professora usava as parlendas e depois fazia perguntas para entendimento,
quanto a personagem, número de personagem, o que aconteceu na parlenda.
De qual assunto trata. Conforme as aulas de Linguagem Oral e Escrita no curso
de pedagogia podemos trabalhar com parlendas dando continuidade na leitura
estabelecendo relações entre o que vem antes e o que vem depois.
Observei que na sala de aula conseguimos ficar com mais segurança, já que
temos aquele certo receio de ficar com uma turma a primeira vez. Observando o
comportamento dos alunos, percebi que tinha um que não conseguia ficar por
muito tempo sentado no lugar, andava o tempo todo, se enroscando embaixo
das carteiras, atrapalhando a aula porque os outros também ficavam agitados, e
acabavam também se levantando do lugar.
3.2. Participação nas atividades
Quando comecei a fase da participação na aula fui muito apoiada pela
professora, e aceita pelos alunos que vinham tirar as dúvidas comigo, eu sentava
com quem tinha mais dificuldade, e assim auxiliava nas dúvidas, descobria sua
necessidade, onde ele precisava melhorar, comunicava para a professora que
sempre procurava apoiar esse aluno nesses pontos que eram identificados.
Segundo FREIRE (2000) p.43, uma das primordiais tarefas da pedagogia crítica
radical libertadora é trabalhar a legitimidade do sonho ético- político da
superação da realidade injusta. É trabalhar a genuinidade dessa força da
11
ideologia fatalista dominante, que estimula a imobilidade dos oprimidos e sua
acomodação à realidade injusta, necessária ao movimento dos dominadores.
Devemos ter sempre um olhar especial para cada situação. Na matéria de
Fundamentos Teóricos e Metodológicos de História e Geografia, o professor não
precisa se preocupar, a criança demonstra o que aprende por meio de atitude.
4. REGÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL
Ao começar a pratica de regência, houve apoio da professora e os alunos
colaboraram.
A prática da regência nos permite algumas mudanças de postura, à medida em
que comparamos com a teoria.
Conforme o que foi visto na aula de Fundamentos Teóricos e Metodológicos de
História e Geografia, o professor deve organizar todos os momentos da aula,
tudo tem que estar esquematizado em sua mente, ser organizado na lousa e
falar sobre a importância da aula.
Não podemos perder de vista que a sala de aula pode ser imprevisível, e por
isso difícil de ser reproduzida, o ambiente é sempre dinâmico, quase impossível
de ser contado em livros ou em relatos de situações vividas.
“Na moderna fenomenologia no que se refere à valorização da subjetividade, os
sentimentos são envolvidos com a sua compreensão, pois o importante não é
que tenhamos o conceito, mas que o tenhamos vivido”. ( Comenius apud
Kuleska, 1992).
É importante estar atento ao que acontece a nossa volta, se os alunos não
brigam enquanto viramos as costas, ou se saem da classe. Temos que estar
atentos a tudo. Devemos por meio de perguntas sondar como está a
aprendizagem, para saber onde interferir, ou até mesmo reavaliar para mudar o
processo. Utilizando outros métodos de ensino, se o atual não estiver dando
resultados, conforme aula de Avaliação da aprendizagem nas séries iniciais, do
curso de Pedagogia.
Kuleska (1992, p.73), em seus estudos Comenius extrai a necessidade básica
de fazer um projeto, um plano de estudos, sem o qual não tem sentido o
estabelecimento de alicerces sólidos sobre os quais se construirá o
conhecimento.
Na etapa da regência quando nos colocamos como orientador da dinâmica em
sala de aula, é necessário dar um passo á frente em relação ao que aprendemos
e tenhamos condições de transpor para a prática observando e interagindo com
a realidade escolar.
Esse é o ponto de aprendizagem do estágio, conseguir fazer relação entre o
conteúdo teórico e as práticas vivenciadas, não é tarefa fácil.
12
5. ENSINO INFANTIL
O estágio foi realizado entre duas e quatro horas por dia, na escola ao qual
realizou-se o estagio referente ao ensino fundamental
Dentro da importância que deve-se ter com a Educação Infantil, relato aqui esse
valoroso trabalho que foi vivenciar esse contexto. Observou-se que aprendemos
mais com as crianças pequenas do que podemos ensinar. Na educação infantil
a criança aprende ouvindo, imitando, participando de brincadeiras e jogos que
integram músicas, identificando figuras geométricas, reconhecendo escritas
numéricas.
Segundo as aulas do curso de pedagogia, a matemática na educação infantil,
visa desenvolvimento de suas habillidades. Essa tarefa a escola desenvolve,
considera que as crianças têm vivências a ser consideradas antes de ingressar
na escola, e cria estratégias a partir disso. O educador infantil precisa ter visão
geral para trabalhar com situações que permitam uma aproximação das crianças
com a matemática.
Kuleska (1992), cita que na exposição detalhada dos fundamentos de seu
método, Comenius relata e fundamenta que o homem só pode ser bem formado
se essa formação se iniciar desde a mais tenra idade. A formação do professor
é um dos fatores mais importantes para a formação de padrões de qualidade
adequados na educação, qualquer que seja a modalidade de ensino, no caso da
criança menor, a capacitação específica é muito variável.
A educação infantil é a primeira etapa da educação básica, a faixa etária é de
zero a seis anos e é oferecida em creches e pré - escolas. É importante que essa
etapa seja tranquila e proveitosa para a criança, que ela consiga desenvolver-se
sem problemas, que o convívio com os amiguinhos e educadores seja
harmonioso, pois é uma fase de desenvolvimento muito significativa para a vida
adulta, qualquer trauma que a criança sofra nessa idade de até seis anos pode
ser marcante, e um acontecimento negativo, pode causar um grande trauma no
futuro.
Nas etapas desse desenvolvimento, a educação infantil deve cumprir duas
funções complementares: cuidar e educar complementando os cuidados e
educação realizados na família. Assim o adulto que trabalha na creche ou na
pré-escola deve ser reconhecido como profissional e a ele devem ser garantidas
condições de trabalho.
Embora tenhamos ciência que alguns profissionais de educação infantil não têm
formação adequada. Quando pensamos no perfil do profissional de educação
infantil, pensamos no objetivo que queremos alcançar com as crianças, um lugar
seguro e limpo onde as crianças passem o dia, o profissional deve apresentar
característica apropriada para essa finalidade e estar disposto a limpar, cuidar,
alimentar e evitar riscos de quedas e machucados, controlando e contendo um
certo número de crianças.
Geralmente as pessoas que se dispõem a esse trabalho são mulheres de baixa
instrução e por isso ganham salários baixos. Em decorrência desse fator
13
acontece muita rotatividade, baixa assiduidade, pessoas desmotivadas, com
dificuldade de acompanhar treinamentos, e atividades que exigem o domínio da
leitura e escrita. O melhor desempenho dessas pessoas vai depender das
características individuais de personalidade de cada um.
No curso de pedagogia estudamos que para a criança se desenvolver é preciso
que o profissional esteja preparado para tal função, a escola Sonho Verde
desenvolve suas atividades pensando nisso e prepara atividades para que isso
aconteça. Procura por meio de atividades com música ajudar no
desenvolvimento psicomotor.
Freire (2000), “devo assumir tão criticamente quanto possível sua politicidade,
se na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas
para transformá-lo.”
Se o objetivo é preparar as crianças para o ingresso na sociedade, o profissional
exigido deve ser o pedagogo.
5.1. A Rotina na Educação Infantil
A rotina diária da educação infantil é muito diversificada. Pois as crianças ficam
cansadas facilmente com as atividades e por isso temos que mudar várias vezes
de conteúdos. Temos que estar atento ao desenvolvimento integral da criança
tanto físico como mental. Estar atento para estar integrado com a família
partilhando os cuidados e responsabilidade em todo o processo de evolução da
criança, já que essa é a fase mais importante. Proporciona à criança estabilidade
e confiança. Dá noções de organização e espaço.
Hoffmann (2005), O que se pretende para a educação infantil? Proporcionar
evolução tanto mental como intelectual as crianças em um ambiente livre de
tensões e limitações. Educadores disponíveis concretamente para acompanhar
e oportunizar vivências enriquecedoras.
Muito importante é uma roda de conversa na educação infantil, dá sensação de
acolhimento e segurança, e oportunidade das crianças trocar idéiase falar sobre
suas vivências. Temos que organizar o espaço para que todos possam falar,
nessa atividade o professor deve observar quais são os assuntos de seu
interesse e desenvolver atividades que estimulem a construção do
conhecimento.
Conforme o que foi observado no curso de pedagogia e nas atividades
vivenciadas na escola, contar estórias é essencial para a construção do
conhecimento, é um momento rico para a alfabetização. Na matéria de Literatura
Infantil, foi observado assim como na escola que os estilos literários enriquecem
o desenvolvimento da leitura e da escrita.
Podemos observar a capacidade de concentração e interação. É interessante
que todos querem falar ao mesmo tempo, o professor pode aproveitar esses
momentos para inserir noções de organização, como: falar um de cada vez,
levantar a mão quando quiser falar, devemos esperar o colega falar para depois
chegar a vez.
14
A criança não pode se sentir integrada a uma escola que lhe proporciona uma
situação constante de prova, de teste, onde a tensão se mantém e onde a
criança e sua família são pré-julgadas e responsabilizadas pelo fracasso (...) São
crianças que não passam numa prova de ritmo e sabem fazer uma batucada,Que
não tem equilíbrio e coordenação motora e andam em muros e árvores. Que não
tem discriminação auditiva e reconhecem cantos de pássaros. (Macedo, 1988,
p. 48-51).
Uma atividade gratificante é a de contar estória, as carinhas que as crianças
fazem é muito gratificante. É um momento muito valioso, que a criança
desenvolve o ouvir, sonhar, pensar. A roda de estória, é um momento muito rico
para a alfabetização, já que ao ouvir as histórias pelo professor, as crianças
podem experimentar vários estilos literários e assim vão desenvolvendo para a
leitura e a escrita.
Para as crianças de até três anos também existe os livros de tecido ou plástico,
só que na escola onde realizou-se o estágio não existe nenhum exemplar com
esse tipo de material.
Dessa forma a criança não poderia pegar, pois o livro de papel pode rasgar, e
quando este ato ocorria devíamos tomar muito cuidade. Fazer atividade com
crianças pequenas não estão todas dispostas ao mesmo tempo, e quando
enjoam do que estão fazendo, não fazem mais.Também tem aqueles que
choram, sem motivo aparente, ou porque querem a mãe, assim exigem muito
mais atenção.
É difícil integrar a todos nas atividades ao mesmo tempo, e quando enjoam do
que estão fazendo, não fazem mais. Entre uma parada e outra a professora vai
fazendo a educação acontecer, entre uma pergunta e outra que vai surgindo, e
como tem pergunta. As atividades podem ser incrementada com músicas ,
pinturas, fantasias.
Algumas atividades vivenciadas na escola: Colagem com palito, pintura com
tinta, Origame, pintura com lápis e giz, escrita de vogal, manuseios de livros de
estorinhas infantis. Reconhecendo e treinando o nome, canto coletivo, numerais,
brincadeiras –corre cotia, vivo ou morto, marcação no calendário, parque, pinos,
traçados, bambolê, massa de modelar, mosaico, bolinhas de crepom, colagem
com palito, confecção de gravata, dedoche, confecção de fantoche, desenho
livre, quebra cabeça, coreografia, entre outras, cada atividade correspondente a
faixa etária equivalente.
Segundo matéria de arte e música na educação infantil, a experimentação de
diferentes modos de linguagem visual, pintura ,desenho, gravura, escultura, o
manuseio de materiais, são instrumentos e suportes técnicos e recursos
expressivos. A arte pode construir um ser autônomo e responsável.
15
6. CONCLUSÃO
Fazer o estágio foi muito gratificante, é uma experiência inesquecível, com
certeza vou levar para a vida toda. Nessa fase acho que ainda está se formando
o perfil de um professor, tão importante quanto a educação infantil é esse
processo.
Em reconhecimento ao maravilhoso trabalho realizado nas escolas em que
vivenciei o estágio, me proporcionando de forma produtiva e proveitosa a
realização deste, tem aqui o meu agradecimento a todos os que colaboraram
para esse trabalho.
As situações me proporcionaram visão de como resolver problemas e de como
agir em um ambiente escolar, levando em conta o decorrer do dia não devemos
sempre lembrar que somos educadores e que cada criança pode estar
dependendo de um olhar especial para o seu desenvolvimento, por isso não
devemos perder a calma nunca e sim pensar em estratégias e alternativas,
desenvolver competência para o melhor desempenho do educando.
No convívio com vários tipos diferentes de profissionais da área, pude observar
o quanto se faz necessário o professor estar sempre se atualizando, pois as
crianças precisam de soluções para a problemática do ensino. Como na aula de
Tecnologia da Educação, durante o curso de pedagogia, em um mundo em que
todos estão sempre com pressa, o professor não pode ficar para atrasado
achando que já sabe tudo, temos que nos atualizar sempre e levar para a escola,
sempre novidades.
REFERÊNCIAS
Maria vitoria estagio
Maria vitoria estagio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil filicianunes
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Arivaldom
 
Antonio relatório de esatgio super visionado(pedagogia)
Antonio relatório de esatgio super visionado(pedagogia)Antonio relatório de esatgio super visionado(pedagogia)
Antonio relatório de esatgio super visionado(pedagogia)Antonio Sousa
 
Prática docente na educação infantil
Prática docente na educação infantilPrática docente na educação infantil
Prática docente na educação infantilRosinara Azeredo
 
Relatório de estágio docência
Relatório de estágio   docênciaRelatório de estágio   docência
Relatório de estágio docênciaCORTEZ-CORTEZ
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO I
RELATÓRIO DE ESTÁGIO IRELATÓRIO DE ESTÁGIO I
RELATÓRIO DE ESTÁGIO IMagno Araújo
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágioLeilany Campos
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestãomagrid
 
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseaneRelatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseaneFranck Lima
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL IIESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL IIFábio Ribeiro Silva
 
Relatorio final estágio_não escolar e gestão
Relatorio final estágio_não escolar e gestãoRelatorio final estágio_não escolar e gestão
Relatorio final estágio_não escolar e gestãomkbariotto
 
Relatório final miro
Relatório final miroRelatório final miro
Relatório final miroNeuzy Quadros
 
Relatorio estagio supervisionado I Historia 52 pag.
Relatorio estagio supervisionado I Historia 52 pag.Relatorio estagio supervisionado I Historia 52 pag.
Relatorio estagio supervisionado I Historia 52 pag.André Fernandes Passos
 
3 - Relatório Final - projeto extensão - Karina Sakamoto
3 - Relatório Final - projeto extensão - Karina Sakamoto3 - Relatório Final - projeto extensão - Karina Sakamoto
3 - Relatório Final - projeto extensão - Karina SakamotoKarinaSakamoto1
 
Caderno de estagio ef
Caderno de estagio efCaderno de estagio ef
Caderno de estagio efmkbariotto
 
Relatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observaçãoRelatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observaçãoLena_md
 
Relatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
Relatorio estagio pedagogia_thais f. ulianaRelatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
Relatorio estagio pedagogia_thais f. ulianamkbariotto
 

Mais procurados (20)

Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
 
Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil Relatorio estagio educação infantil
Relatorio estagio educação infantil
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Antonio relatório de esatgio super visionado(pedagogia)
Antonio relatório de esatgio super visionado(pedagogia)Antonio relatório de esatgio super visionado(pedagogia)
Antonio relatório de esatgio super visionado(pedagogia)
 
Prática docente na educação infantil
Prática docente na educação infantilPrática docente na educação infantil
Prática docente na educação infantil
 
Relatório de estágio docência
Relatório de estágio   docênciaRelatório de estágio   docência
Relatório de estágio docência
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO I
RELATÓRIO DE ESTÁGIO IRELATÓRIO DE ESTÁGIO I
RELATÓRIO DE ESTÁGIO I
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
Estagio gestão
Estagio gestãoEstagio gestão
Estagio gestão
 
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseaneRelatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL IIESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
 
Relatorio final estágio_não escolar e gestão
Relatorio final estágio_não escolar e gestãoRelatorio final estágio_não escolar e gestão
Relatorio final estágio_não escolar e gestão
 
Relatório final miro
Relatório final miroRelatório final miro
Relatório final miro
 
Relatorio estagio supervisionado I Historia 52 pag.
Relatorio estagio supervisionado I Historia 52 pag.Relatorio estagio supervisionado I Historia 52 pag.
Relatorio estagio supervisionado I Historia 52 pag.
 
3 - Relatório Final - projeto extensão - Karina Sakamoto
3 - Relatório Final - projeto extensão - Karina Sakamoto3 - Relatório Final - projeto extensão - Karina Sakamoto
3 - Relatório Final - projeto extensão - Karina Sakamoto
 
Caderno de estagio ef
Caderno de estagio efCaderno de estagio ef
Caderno de estagio ef
 
Relatório de Regências Ensino Fundamental
Relatório de Regências Ensino Fundamental Relatório de Regências Ensino Fundamental
Relatório de Regências Ensino Fundamental
 
Relatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observaçãoRelatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observação
 
Manual de estágio em educação infantil
Manual de estágio em educação infantilManual de estágio em educação infantil
Manual de estágio em educação infantil
 
Relatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
Relatorio estagio pedagogia_thais f. ulianaRelatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
Relatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
 

Destaque

Diretrizes curriculares nacionais para educação
Diretrizes curriculares nacionais para educaçãoDiretrizes curriculares nacionais para educação
Diretrizes curriculares nacionais para educaçãoPatricia Fernandes
 
Microsoft word roteiro do relatório final do estágio
Microsoft word   roteiro do relatório final do estágioMicrosoft word   roteiro do relatório final do estágio
Microsoft word roteiro do relatório final do estágioKasalcaruaru Elaele
 
Manual de elaboração de relatório de estágio
Manual de elaboração de relatório de estágioManual de elaboração de relatório de estágio
Manual de elaboração de relatório de estágioKasalcaruaru Elaele
 
DCN - DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS
DCN - DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAISDCN - DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS
DCN - DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAISValdeci Correia
 
A percepção de alunos dos 7º anos do Ensino Fundamental sobre os modos de rel...
A percepção de alunos dos 7º anos do Ensino Fundamental sobre os modos de rel...A percepção de alunos dos 7º anos do Ensino Fundamental sobre os modos de rel...
A percepção de alunos dos 7º anos do Ensino Fundamental sobre os modos de rel...Marilia Cavani
 
Fichamento do cap. 3 da obra "Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som de...
Fichamento do cap. 3 da obra "Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som de...Fichamento do cap. 3 da obra "Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som de...
Fichamento do cap. 3 da obra "Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som de...Pesquisa Costa da Lagoa - Capital social
 
Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
 Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3 Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3Claraluz Gris
 
Apresentação Projeto "Educar para Preservar"
Apresentação Projeto "Educar para Preservar"Apresentação Projeto "Educar para Preservar"
Apresentação Projeto "Educar para Preservar"Cleiton10
 
Livro De Registro De Classe
Livro De Registro De ClasseLivro De Registro De Classe
Livro De Registro De Classeguest1c37d0
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágioUFMA e UEMA
 
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!Rogerio Sena
 
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas finalUnidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas finalNaysa Taboada
 
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins RodriguesRelatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins RodriguesKamilla Rodrigues
 
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos HumanosRelatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos HumanosAlessandraLoureiro
 

Destaque (20)

Diretrizes curriculares nacionais para educação
Diretrizes curriculares nacionais para educaçãoDiretrizes curriculares nacionais para educação
Diretrizes curriculares nacionais para educação
 
Microsoft word roteiro do relatório final do estágio
Microsoft word   roteiro do relatório final do estágioMicrosoft word   roteiro do relatório final do estágio
Microsoft word roteiro do relatório final do estágio
 
Manual de elaboração de relatório de estágio
Manual de elaboração de relatório de estágioManual de elaboração de relatório de estágio
Manual de elaboração de relatório de estágio
 
Cap. 3 Entrevistas individuais e grupais de George Gaskell
Cap. 3 Entrevistas individuais e grupais de George GaskellCap. 3 Entrevistas individuais e grupais de George Gaskell
Cap. 3 Entrevistas individuais e grupais de George Gaskell
 
DCN - DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS
DCN - DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAISDCN - DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS
DCN - DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS
 
A percepção de alunos dos 7º anos do Ensino Fundamental sobre os modos de rel...
A percepção de alunos dos 7º anos do Ensino Fundamental sobre os modos de rel...A percepção de alunos dos 7º anos do Ensino Fundamental sobre os modos de rel...
A percepção de alunos dos 7º anos do Ensino Fundamental sobre os modos de rel...
 
Fichamento do cap. 3 da obra "Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som de...
Fichamento do cap. 3 da obra "Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som de...Fichamento do cap. 3 da obra "Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som de...
Fichamento do cap. 3 da obra "Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som de...
 
Perdido esquecido e encontrado
Perdido esquecido e encontradoPerdido esquecido e encontrado
Perdido esquecido e encontrado
 
Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
 Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3 Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
Fichamento do livro de Carlos Brandão "O Que é Educação Popular" cap. 2 e 3
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
1363970315927(1)
1363970315927(1)1363970315927(1)
1363970315927(1)
 
Apresentação Projeto "Educar para Preservar"
Apresentação Projeto "Educar para Preservar"Apresentação Projeto "Educar para Preservar"
Apresentação Projeto "Educar para Preservar"
 
Grupo focal
Grupo focalGrupo focal
Grupo focal
 
Livro De Registro De Classe
Livro De Registro De ClasseLivro De Registro De Classe
Livro De Registro De Classe
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
 
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!Portfolio unopar administração 7º periodo   conceito excelente!
Portfolio unopar administração 7º periodo conceito excelente!
 
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas finalUnidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
 
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins RodriguesRelatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
Relatorio de estágio final.de estagio Supervisionado Kamilla Martins Rodrigues
 
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos HumanosRelatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
Relatório Final de Estágio Supervisionado - Recursos Humanos
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
 

Semelhante a Maria vitoria estagio

exemplo_de _relatorio_de_pedagogia_maria_aparecida.pdf
exemplo_de _relatorio_de_pedagogia_maria_aparecida.pdfexemplo_de _relatorio_de_pedagogia_maria_aparecida.pdf
exemplo_de _relatorio_de_pedagogia_maria_aparecida.pdfGuilhermeRangel25
 
Portifólio rondinelle
Portifólio rondinellePortifólio rondinelle
Portifólio rondinellefamiliaestagio
 
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silvaEsp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silvahelio123456
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagenshelio123456
 
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.renatalguterres
 
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTEA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTEProfessorPrincipiante
 
BRINCANDO E APRENDENDO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL ENTRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...
BRINCANDO E APRENDENDO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL ENTRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...BRINCANDO E APRENDENDO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL ENTRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...
BRINCANDO E APRENDENDO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL ENTRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...ProfessorPrincipiante
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreirapedagogianh
 
LETRAMENTO DO PROFESSOR DE LÍNGUA MATERNA: A CONFLUÊNCIA DE SABERES DIVERSOS
LETRAMENTO DO PROFESSOR DE LÍNGUA MATERNA: A CONFLUÊNCIA DE SABERES DIVERSOSLETRAMENTO DO PROFESSOR DE LÍNGUA MATERNA: A CONFLUÊNCIA DE SABERES DIVERSOS
LETRAMENTO DO PROFESSOR DE LÍNGUA MATERNA: A CONFLUÊNCIA DE SABERES DIVERSOSProfessorPrincipiante
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisRosinara Azeredo
 
Capacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteCapacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteanjalylopes
 
Reflexão módulo 0 - Vera Oliveira
Reflexão módulo 0 - Vera OliveiraReflexão módulo 0 - Vera Oliveira
Reflexão módulo 0 - Vera OliveiraVera Oliveira
 
A Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do ProfessorA Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do Professorcefaprodematupa
 
Portfólio de estágio supervisionado
Portfólio de estágio supervisionadoPortfólio de estágio supervisionado
Portfólio de estágio supervisionadomikhaspeeka
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete MantovaniDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete MantovaniIveteMantovani
 
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
Modelo artigo prática docente i  1- -1-Modelo artigo prática docente i  1- -1-
Modelo artigo prática docente i 1- -1-pedagogianh
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisrenatalguterres
 

Semelhante a Maria vitoria estagio (20)

exemplo_de _relatorio_de_pedagogia_maria_aparecida.pdf
exemplo_de _relatorio_de_pedagogia_maria_aparecida.pdfexemplo_de _relatorio_de_pedagogia_maria_aparecida.pdf
exemplo_de _relatorio_de_pedagogia_maria_aparecida.pdf
 
Portifólio rondinelle
Portifólio rondinellePortifólio rondinelle
Portifólio rondinelle
 
Portfóli eliane
Portfóli elianePortfóli eliane
Portfóli eliane
 
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silvaEsp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
 
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
 
Portifolio finalizado
Portifolio finalizadoPortifolio finalizado
Portifolio finalizado
 
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTEA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
 
BRINCANDO E APRENDENDO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL ENTRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...
BRINCANDO E APRENDENDO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL ENTRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...BRINCANDO E APRENDENDO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL ENTRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...
BRINCANDO E APRENDENDO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL ENTRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
 
LETRAMENTO DO PROFESSOR DE LÍNGUA MATERNA: A CONFLUÊNCIA DE SABERES DIVERSOS
LETRAMENTO DO PROFESSOR DE LÍNGUA MATERNA: A CONFLUÊNCIA DE SABERES DIVERSOSLETRAMENTO DO PROFESSOR DE LÍNGUA MATERNA: A CONFLUÊNCIA DE SABERES DIVERSOS
LETRAMENTO DO PROFESSOR DE LÍNGUA MATERNA: A CONFLUÊNCIA DE SABERES DIVERSOS
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Capacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parteCapacitação de Ciências - 2ª parte
Capacitação de Ciências - 2ª parte
 
Portfólioa
PortfólioaPortfólioa
Portfólioa
 
Reflexão módulo 0 - Vera Oliveira
Reflexão módulo 0 - Vera OliveiraReflexão módulo 0 - Vera Oliveira
Reflexão módulo 0 - Vera Oliveira
 
A Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do ProfessorA Prática Pedagógica do Professor
A Prática Pedagógica do Professor
 
Portfólio de estágio supervisionado
Portfólio de estágio supervisionadoPortfólio de estágio supervisionado
Portfólio de estágio supervisionado
 
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete MantovaniDiretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental - Ivete Mantovani
 
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
Modelo artigo prática docente i  1- -1-Modelo artigo prática docente i  1- -1-
Modelo artigo prática docente i 1- -1-
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 

Maria vitoria estagio

  • 1. FACULDADE EVANGELICA DO PIAUI-FAEPI CURSO DE PEDAGOGIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Maria Vitoria Pestana Almeida RELATORIO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO I Educação Infantil e Series Iniciais ROSÁRIO-MA 2014
  • 2. Maria Vitoria Pestana Almeida RELATORIO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO I Educação Infantil e Series Iniciais Relatório de estagio apresentado à disciplina Estagio Supervisionado I, do curso de Pedagogia da Universidade Evangélica do Piau-FAEPI, Polo de Rosário, para fins de registro e demonstração das atividades do Estágio Curricular Supervisionado, bem como obtenção parcial de nota.
  • 3. Marizelia Dielle de Freitas RELATORIO DE ESTAGIO SUPERVISIONADO I Educação Infantil e Series Iniciais Relatório de estagio apresentado à disciplina Estagio Supervisionado I, do curso de Pedagogia da Universidade Evangélica do Piau-FAEPI, Polo de Rosário, para fins de registro e demonstração das atividades do Estágio Curricular Supervisionado, bem como obtenção parcial de nota. __________________________________________________________________ Supervisora Docente Aprovado em _____/____/_____ Nota:_________
  • 4. "A melhor maneira que a gente tem de fazer possível amanhã alguma coisa que não é possível de ser feita hoje, é fazer hoje aquilo que hoje pode ser feito. Mas se eu não fizer hoje o que hoje pode ser feito e tentar fazer hoje o que hoje não pode ser feito, dificilmente eu faço amanhã o que hoje também não pude fazer". Paulo Freire
  • 5. Sumário INTRODUÇÃO...................................................................................................................6 1. CARACTERIZAÇÃO DAESCOLA...........................................................................7 2. DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO.......................................................................8 3. CONCEITOS OBSERVADOS ...................................................................................9 3.1. Métodos e atividades......................................................................................10 3.2. Participação nas atividades...........................................................................10 4. REGÊNCIANO ENSINO FUNDAMENTAL ............................................................11 5. ENSINO INFANTIL..................................................................................................12 5.1. A Rotina na Educação Infantil.......................................................................13 6. CONCLUSÃO ..........................................................................................................15 REFERÊNCIAS...............................................................................................................16
  • 6. 6 INTRODUÇÃO Este relatório tem a intenção de documentar as experiências no decorrer do período em que vivenciei na prática tudo que tenho aprendemos na teoria. Visa apresentar a descrição do local onde foi realizado o estágio, o período de duração e as atividades desenvolvidas. Será dividido em duas partes: Ensino Fundamental e Ensino Infantil. Sendo que ambos foram realizados no âmbito da Unidade Integrada Dep. Ivar Saldanha. É o momento de aplicar alguns conceitos adquiridos no decorrer do curso de Pedagogia, e que seja um momento de aprendizado, um momento de tirar as dúvidas, de integrar-se ao novo ambiente em que iremos trabalhar, e que a partir da observação da atuação de outros profissionais da área, podermos formar o perfil de professor que queremos ser. De qualquer forma, todo o processo supervisionado de intervenção pedagógica teve como objetivo primordial o valor do desenvolvimento de competências profissionais, capacitando assim para uma maior compreensão das práticas de ensino-aprendizagem, refletindo e avaliando-as de modo a construir o início de uma formação contínua ao longo de toda a vida profissional. Seguindo o proposto o trabalho realizado durante o período de estágio abrangeu a relatividade de algumas disciplinas do curso como fonte de aprendizado e aplicabilidade da teoria com a prática. As disciplinas foram: Pesquisa e Prática Pedagógica, Didática, Gestão e Coordenação do trabalho pedagógico. A prática é de grande importância para que possamos ter consciência da realidade dos alunos e professores das escolas, quando observamos adquirimos experiência, quando questionamos, sanamos dúvidas antes mesmo de nossa própria prática. A monitoria em realidades diversas, como temos efetivado, é de grande riqueza cultural e para um futuro profissional. O presente trabalho visa fortalecer a relação teoria e prática baseado no principio metodológico de que o desenvolvimento de competências profissionais implica em utilizar conceitos adquiridos, na vida acadêmica, profissional e pessoal.
  • 7. 7 1. CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA A escola na qual foi realizado o estagio supervisionado foi a Escola Municipal de Ensino Fundamental “ Unidade Integrada Dep. Ivar Saldanha”, localizada no Povoado São João do Rosário, na Cidade de Rosário-Ma. Foi realizado noturno matutino e vespertino, no período de 03 de Fevereiro a 16 de Maio nas turmas da educação infantil e do 3º ano das series iniciais. A Escola, segundo o Projeto Político Pedagógico, é uma escola identificada com o compromisso de construção de uma sociedade mais justa. Como um espaço em que a prática pedagógica é entendida como uma prática de vida, de todos e com todos, na perspectiva de formar cidadãos e cidadãs que integrem e contribuam para sua comunidade. Uma escola democrática, competente e comprometida com a aprendizagem significativa do aluno, buscando transformar informações em saberes necessários à vida dos alunos. De acordo com o que observei e pesquisei essa escola é bem conceituada na comunidade onde ela se encontra inserida, os profissionais são envolvidos e trabalham com o mesmo objetivo. As salas são amplas e bem arejadas. Uma coisa que me chamou a atenção foi o hora do recreio, são liberadas todas a salas de uma vez e mesmo assim não há um tumulto nem a desordem comum a rotina de grande parte das instituições de ensino. Por meio de observação do método da professora, observei a interação dos alunos com a professora, dos alunos entre si e com o ambiente no cotidiano escolar e o compromisso com a construção do conhecimento do aluno. Segundo Comenius no livro a persistência da utopia em educação, citado por Kulesza, Wojciech A. (1992), o método de ensino deve adequar-se aos métodos de descoberta, e portanto a autonomia do educando, ao contrário do que preconiza a escola ativa. Comenius já citava no passado a importância da autonomia do educando, para que aconteça essa evolução é necessário estarmos atentos ao perfil do aluno de hoje, que está conectado ao mundo, e o professor tem que acompanhar essa evolução, para caminharmos juntos. Segundo a matéria de gestão no curso de pedagogia o gestor é um mediador na questão da prática pedagógica e da produtividade. Nesse sentido nessa escola prevalece a gestão mediadora direcionada às metas, ao ensino aprendizagem e as práticas pedagógicas. A escola não tem problemas como violência, raramente acontece brigas, os profissionais estão sempre atentos a qualquer desentendimento e já intervém em qualquer situação, não dando chance para que o problema cresça. Os pais são sempre informados sobre os acontecimentos.
  • 8. 8 2. DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO No decorrer do período do estágio acompanhei inicialmente as atividades desenvolvidas: ditado de palavras, cópia e numerais, atividades no livro, observando os alunos e as atividades, compreendendo as questões relativas ao processo de entendimento de linguagem oral e escrita. Observando para compreender o processo de construção de conhecimento e aprendizagem dos alunos. Na integração com a sala onde participou-se no acompanhamento e realização das atividades, observou-se que os alunos não acompanham as aulas por igual, que cada um tem o seu momento, cada um tem sua dificuldade, uns acompanham mais rápido, outros tem mais dificuldade. É importante estar atento aos sons da fala, se a criança está falando o mesmo que está lendo, ou seja se tem coerência entre a fala e a escrita. No curso de pedagogia na matéria de linguagem oral e escrita, é preciso segmentar as palavras em sílabas, e as sílabas em fonemas. Esse processo foi verificado na escola, a repetição de sons, repetindo sílabas. Uso de materiais de diferentes gêneros, fazendo reflexões sobre a linguagem que nós usamos. Hoffmann (2005,p.53) se valorizarmos os “erros” dos alunos, considerando-os essenciais para o “vir a ser” do processo educativo, temos que assumir também as possibilidadesdas incertezas, das dúvidas, dos questionamentos que possam ocorrer conosco a partir da análise das respostas deles, favorecendo, então, a discussão sobre essas idéias novas ou diferentes. Segundo o que foi ministrado no curso de pedagogia na aula de Fundamentos Teóricos e Metodológicos de História e Geografia, sempre que estiver ensinando aos alunos podemos dar aulas expositivas e dialogadas, questionar o porque disso ou daquilo, deixar os alunos se manifestarem sobre algo que aconteceu no seu cotidiano. Esse período de estar na sala de aula é muito importante para compreender como agir em um primeiro momento, observando as vivências dos alunos e a vida cotidiana da sala de aula, com todos os problemas que surgem. Conforme Comenius, citado por Kulesza, Wojciech A. (1992) ao abordar os problemas educacionais do ponto de vista de uma filosofia de vida total, Comenius mexeu com problemas que estão longe de estar solucionados, e o modo como ele fez isso é relevante não somente para o mundo do século dezessete, mas para o mundo de hoje. Podemos observar que cada dia pode ser imprevisível. Ocorrem problemas, desafios, dificuldades, mas também é repleto de alegrias e realizações, com crianças e jovens ansiosos pela vida e pela descoberta do saber. Os alunos cantam na sala de aula e nas apresentações festivas da escola. Tive a oportunidade de assistir a algumas apresentações da turma e confesso que é algo comovente de se ver.
  • 9. 9 Segundo Hoffmann (2005), A postura do professor frente às alternativas de solução construídas pelo aluno deveria estar necessariamente comprometida com tal concepção de erro construtivo. Podemos considerar que o conhecimento produzido pelo educando, em um certo momento de sua experiência de vida é um conhecimento em processo de superação. A turma é bastante agitada, precisando estar ocupada o tempo todo com atividades. O professor é muito insistente e exigente, durante a aula. Fala o tempo todo que é necessário dar uma acelerada nos mais atrasadinhos. A escola não tem problemas como violência, raramente acontece brigas, os profissionais estão sempre atentos a qualquer desentendimentos e já intervém em qualquer situação, não dando chance para que o problema cresça. Os pais são sempre informados sobre os acontecimentos. Segundo FREIRE (2000) p.43, uma das primordiais tarefas da pedagogia crítica radical libertadora é trabalhar a legitimidade do sonho ético- político da superação da realidade injusta. É trabalhar a genuinidade dessa força da ideologia fatalista dominante, que estimula a imobilidade dos oprimidos e sua acomodação à realidade injusta, necessária ao movimento dos dominadores. O Ensino Fundamental passou por mudanças esses últimos anos, com a implantação do 9º ano e da entrada no 1º ano com seis anos. Cada vez mais cedo as crianças adquirem mais responsabilidade. A escola também enfrenta grandes desafios com os avanços tecnológicos, descobertas científicas, mudança de valores, atitudes, costumes. Hoje temos também a responsabilidade social de ensinar na escola a consciência sobre o meio ambiente, sensibilizar sobre a problemática do lixo, como foi observado nos conceitos da aula de Temas Transversais, que tem o objetivo de que as crianças desenvolvam as competências necessárias para o exercício de uma cidadania responsável . 3. CONCEITOS OBSERVADOS Na escola de Ensino Fundamental pode-se observar e acompanhar a prática diária dos alunos, que alguns alunos da 3º ano tinham dificuldades de leitura, já estava no meio do ano e muitos não sabiam ler. Fiquei observando cada dia uma classe, desde o 1º ao 5º ano, e observei que tinha uma classe do 2º ano que precisava de mais ajuda, por ter alunos bagunceiros que não paravam muito tempo sentados, alguns tinham dificuldade de aprendizagem. Muitos ainda não sabiam ler. Optei por acompanhar essa classe, até mesmo para ajudar a professora. A professora fazia um trabalho de leitura com eles funcionava assim: cada um escolhia o livro que queria ler, a professora mantinha no fundo da classe um cantinho com livros de historinhas infantis. Quando algum estava lendo, o outro já estava esperando a sua vez com um livro na mão. Podia observar a evolução das crianças no dia a dia.
  • 10. 10 Durante o curso de pedagogia na matéria de Literatura Infanto Juvenil: a cultura do livro é uma herança de contexto familiar, porém com a modernidade, onde as mães trabalham e não tem tempo para incentivar a leitura aos filhos. As crianças não gostam de ficar presa a um livro, quando tem um computador a sua frente. A professora tomava a leitura e escrevia em que estágio de desenvolvimento estavam, para fazer o registro dessas informações. Tomava a leitura, observando repetições de sons, segmentos silábicos. Observando o oral e o escrito, semelhanças e diferenças. Qual a dificuldade de cada criança, para ser trabalhada de acordo com o que eles erravam, já que a leitura era feita de um em um. Esses conceitos foram relacionados com a aula de Linguagem Oral e Escrita, no curso de pedagogia, quando a criança aprende, é quando faz relações e comenta o que leu e compartilha o que leu. 3.1. Métodos e atividades Sobre os métodos observei uma professora que tinha métodos tradicionais, os alunos ficavam todos quietos, mal falavam, a aula era formal. A outra professora interagia com os alunos fazendo perguntas para problematizar a aula, buscando respostas dos próprios alunos. Quanto as atividades desenvolvidas: ditado de palavras, cópia, numerais, atividades no livro, trabalhando com temas e parlendas, atividades artísticas com incentivo a preservação do meio ambiente. A professora usava as parlendas e depois fazia perguntas para entendimento, quanto a personagem, número de personagem, o que aconteceu na parlenda. De qual assunto trata. Conforme as aulas de Linguagem Oral e Escrita no curso de pedagogia podemos trabalhar com parlendas dando continuidade na leitura estabelecendo relações entre o que vem antes e o que vem depois. Observei que na sala de aula conseguimos ficar com mais segurança, já que temos aquele certo receio de ficar com uma turma a primeira vez. Observando o comportamento dos alunos, percebi que tinha um que não conseguia ficar por muito tempo sentado no lugar, andava o tempo todo, se enroscando embaixo das carteiras, atrapalhando a aula porque os outros também ficavam agitados, e acabavam também se levantando do lugar. 3.2. Participação nas atividades Quando comecei a fase da participação na aula fui muito apoiada pela professora, e aceita pelos alunos que vinham tirar as dúvidas comigo, eu sentava com quem tinha mais dificuldade, e assim auxiliava nas dúvidas, descobria sua necessidade, onde ele precisava melhorar, comunicava para a professora que sempre procurava apoiar esse aluno nesses pontos que eram identificados. Segundo FREIRE (2000) p.43, uma das primordiais tarefas da pedagogia crítica radical libertadora é trabalhar a legitimidade do sonho ético- político da superação da realidade injusta. É trabalhar a genuinidade dessa força da
  • 11. 11 ideologia fatalista dominante, que estimula a imobilidade dos oprimidos e sua acomodação à realidade injusta, necessária ao movimento dos dominadores. Devemos ter sempre um olhar especial para cada situação. Na matéria de Fundamentos Teóricos e Metodológicos de História e Geografia, o professor não precisa se preocupar, a criança demonstra o que aprende por meio de atitude. 4. REGÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Ao começar a pratica de regência, houve apoio da professora e os alunos colaboraram. A prática da regência nos permite algumas mudanças de postura, à medida em que comparamos com a teoria. Conforme o que foi visto na aula de Fundamentos Teóricos e Metodológicos de História e Geografia, o professor deve organizar todos os momentos da aula, tudo tem que estar esquematizado em sua mente, ser organizado na lousa e falar sobre a importância da aula. Não podemos perder de vista que a sala de aula pode ser imprevisível, e por isso difícil de ser reproduzida, o ambiente é sempre dinâmico, quase impossível de ser contado em livros ou em relatos de situações vividas. “Na moderna fenomenologia no que se refere à valorização da subjetividade, os sentimentos são envolvidos com a sua compreensão, pois o importante não é que tenhamos o conceito, mas que o tenhamos vivido”. ( Comenius apud Kuleska, 1992). É importante estar atento ao que acontece a nossa volta, se os alunos não brigam enquanto viramos as costas, ou se saem da classe. Temos que estar atentos a tudo. Devemos por meio de perguntas sondar como está a aprendizagem, para saber onde interferir, ou até mesmo reavaliar para mudar o processo. Utilizando outros métodos de ensino, se o atual não estiver dando resultados, conforme aula de Avaliação da aprendizagem nas séries iniciais, do curso de Pedagogia. Kuleska (1992, p.73), em seus estudos Comenius extrai a necessidade básica de fazer um projeto, um plano de estudos, sem o qual não tem sentido o estabelecimento de alicerces sólidos sobre os quais se construirá o conhecimento. Na etapa da regência quando nos colocamos como orientador da dinâmica em sala de aula, é necessário dar um passo á frente em relação ao que aprendemos e tenhamos condições de transpor para a prática observando e interagindo com a realidade escolar. Esse é o ponto de aprendizagem do estágio, conseguir fazer relação entre o conteúdo teórico e as práticas vivenciadas, não é tarefa fácil.
  • 12. 12 5. ENSINO INFANTIL O estágio foi realizado entre duas e quatro horas por dia, na escola ao qual realizou-se o estagio referente ao ensino fundamental Dentro da importância que deve-se ter com a Educação Infantil, relato aqui esse valoroso trabalho que foi vivenciar esse contexto. Observou-se que aprendemos mais com as crianças pequenas do que podemos ensinar. Na educação infantil a criança aprende ouvindo, imitando, participando de brincadeiras e jogos que integram músicas, identificando figuras geométricas, reconhecendo escritas numéricas. Segundo as aulas do curso de pedagogia, a matemática na educação infantil, visa desenvolvimento de suas habillidades. Essa tarefa a escola desenvolve, considera que as crianças têm vivências a ser consideradas antes de ingressar na escola, e cria estratégias a partir disso. O educador infantil precisa ter visão geral para trabalhar com situações que permitam uma aproximação das crianças com a matemática. Kuleska (1992), cita que na exposição detalhada dos fundamentos de seu método, Comenius relata e fundamenta que o homem só pode ser bem formado se essa formação se iniciar desde a mais tenra idade. A formação do professor é um dos fatores mais importantes para a formação de padrões de qualidade adequados na educação, qualquer que seja a modalidade de ensino, no caso da criança menor, a capacitação específica é muito variável. A educação infantil é a primeira etapa da educação básica, a faixa etária é de zero a seis anos e é oferecida em creches e pré - escolas. É importante que essa etapa seja tranquila e proveitosa para a criança, que ela consiga desenvolver-se sem problemas, que o convívio com os amiguinhos e educadores seja harmonioso, pois é uma fase de desenvolvimento muito significativa para a vida adulta, qualquer trauma que a criança sofra nessa idade de até seis anos pode ser marcante, e um acontecimento negativo, pode causar um grande trauma no futuro. Nas etapas desse desenvolvimento, a educação infantil deve cumprir duas funções complementares: cuidar e educar complementando os cuidados e educação realizados na família. Assim o adulto que trabalha na creche ou na pré-escola deve ser reconhecido como profissional e a ele devem ser garantidas condições de trabalho. Embora tenhamos ciência que alguns profissionais de educação infantil não têm formação adequada. Quando pensamos no perfil do profissional de educação infantil, pensamos no objetivo que queremos alcançar com as crianças, um lugar seguro e limpo onde as crianças passem o dia, o profissional deve apresentar característica apropriada para essa finalidade e estar disposto a limpar, cuidar, alimentar e evitar riscos de quedas e machucados, controlando e contendo um certo número de crianças. Geralmente as pessoas que se dispõem a esse trabalho são mulheres de baixa instrução e por isso ganham salários baixos. Em decorrência desse fator
  • 13. 13 acontece muita rotatividade, baixa assiduidade, pessoas desmotivadas, com dificuldade de acompanhar treinamentos, e atividades que exigem o domínio da leitura e escrita. O melhor desempenho dessas pessoas vai depender das características individuais de personalidade de cada um. No curso de pedagogia estudamos que para a criança se desenvolver é preciso que o profissional esteja preparado para tal função, a escola Sonho Verde desenvolve suas atividades pensando nisso e prepara atividades para que isso aconteça. Procura por meio de atividades com música ajudar no desenvolvimento psicomotor. Freire (2000), “devo assumir tão criticamente quanto possível sua politicidade, se na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo.” Se o objetivo é preparar as crianças para o ingresso na sociedade, o profissional exigido deve ser o pedagogo. 5.1. A Rotina na Educação Infantil A rotina diária da educação infantil é muito diversificada. Pois as crianças ficam cansadas facilmente com as atividades e por isso temos que mudar várias vezes de conteúdos. Temos que estar atento ao desenvolvimento integral da criança tanto físico como mental. Estar atento para estar integrado com a família partilhando os cuidados e responsabilidade em todo o processo de evolução da criança, já que essa é a fase mais importante. Proporciona à criança estabilidade e confiança. Dá noções de organização e espaço. Hoffmann (2005), O que se pretende para a educação infantil? Proporcionar evolução tanto mental como intelectual as crianças em um ambiente livre de tensões e limitações. Educadores disponíveis concretamente para acompanhar e oportunizar vivências enriquecedoras. Muito importante é uma roda de conversa na educação infantil, dá sensação de acolhimento e segurança, e oportunidade das crianças trocar idéiase falar sobre suas vivências. Temos que organizar o espaço para que todos possam falar, nessa atividade o professor deve observar quais são os assuntos de seu interesse e desenvolver atividades que estimulem a construção do conhecimento. Conforme o que foi observado no curso de pedagogia e nas atividades vivenciadas na escola, contar estórias é essencial para a construção do conhecimento, é um momento rico para a alfabetização. Na matéria de Literatura Infantil, foi observado assim como na escola que os estilos literários enriquecem o desenvolvimento da leitura e da escrita. Podemos observar a capacidade de concentração e interação. É interessante que todos querem falar ao mesmo tempo, o professor pode aproveitar esses momentos para inserir noções de organização, como: falar um de cada vez, levantar a mão quando quiser falar, devemos esperar o colega falar para depois chegar a vez.
  • 14. 14 A criança não pode se sentir integrada a uma escola que lhe proporciona uma situação constante de prova, de teste, onde a tensão se mantém e onde a criança e sua família são pré-julgadas e responsabilizadas pelo fracasso (...) São crianças que não passam numa prova de ritmo e sabem fazer uma batucada,Que não tem equilíbrio e coordenação motora e andam em muros e árvores. Que não tem discriminação auditiva e reconhecem cantos de pássaros. (Macedo, 1988, p. 48-51). Uma atividade gratificante é a de contar estória, as carinhas que as crianças fazem é muito gratificante. É um momento muito valioso, que a criança desenvolve o ouvir, sonhar, pensar. A roda de estória, é um momento muito rico para a alfabetização, já que ao ouvir as histórias pelo professor, as crianças podem experimentar vários estilos literários e assim vão desenvolvendo para a leitura e a escrita. Para as crianças de até três anos também existe os livros de tecido ou plástico, só que na escola onde realizou-se o estágio não existe nenhum exemplar com esse tipo de material. Dessa forma a criança não poderia pegar, pois o livro de papel pode rasgar, e quando este ato ocorria devíamos tomar muito cuidade. Fazer atividade com crianças pequenas não estão todas dispostas ao mesmo tempo, e quando enjoam do que estão fazendo, não fazem mais.Também tem aqueles que choram, sem motivo aparente, ou porque querem a mãe, assim exigem muito mais atenção. É difícil integrar a todos nas atividades ao mesmo tempo, e quando enjoam do que estão fazendo, não fazem mais. Entre uma parada e outra a professora vai fazendo a educação acontecer, entre uma pergunta e outra que vai surgindo, e como tem pergunta. As atividades podem ser incrementada com músicas , pinturas, fantasias. Algumas atividades vivenciadas na escola: Colagem com palito, pintura com tinta, Origame, pintura com lápis e giz, escrita de vogal, manuseios de livros de estorinhas infantis. Reconhecendo e treinando o nome, canto coletivo, numerais, brincadeiras –corre cotia, vivo ou morto, marcação no calendário, parque, pinos, traçados, bambolê, massa de modelar, mosaico, bolinhas de crepom, colagem com palito, confecção de gravata, dedoche, confecção de fantoche, desenho livre, quebra cabeça, coreografia, entre outras, cada atividade correspondente a faixa etária equivalente. Segundo matéria de arte e música na educação infantil, a experimentação de diferentes modos de linguagem visual, pintura ,desenho, gravura, escultura, o manuseio de materiais, são instrumentos e suportes técnicos e recursos expressivos. A arte pode construir um ser autônomo e responsável.
  • 15. 15 6. CONCLUSÃO Fazer o estágio foi muito gratificante, é uma experiência inesquecível, com certeza vou levar para a vida toda. Nessa fase acho que ainda está se formando o perfil de um professor, tão importante quanto a educação infantil é esse processo. Em reconhecimento ao maravilhoso trabalho realizado nas escolas em que vivenciei o estágio, me proporcionando de forma produtiva e proveitosa a realização deste, tem aqui o meu agradecimento a todos os que colaboraram para esse trabalho. As situações me proporcionaram visão de como resolver problemas e de como agir em um ambiente escolar, levando em conta o decorrer do dia não devemos sempre lembrar que somos educadores e que cada criança pode estar dependendo de um olhar especial para o seu desenvolvimento, por isso não devemos perder a calma nunca e sim pensar em estratégias e alternativas, desenvolver competência para o melhor desempenho do educando. No convívio com vários tipos diferentes de profissionais da área, pude observar o quanto se faz necessário o professor estar sempre se atualizando, pois as crianças precisam de soluções para a problemática do ensino. Como na aula de Tecnologia da Educação, durante o curso de pedagogia, em um mundo em que todos estão sempre com pressa, o professor não pode ficar para atrasado achando que já sabe tudo, temos que nos atualizar sempre e levar para a escola, sempre novidades.