SlideShare uma empresa Scribd logo
LEI DE LIBERDADE
O QUE É LIBERDADE?
   Liberdade é a faculdade que permite ao indivíduo
    decidir ou agir conforme sua própria vontade.



   Desta forma, o homem é, por natureza, dono de si
    mesmo, isto é, tem o direito de fazer tudo quanto
    achar conveniente ou necessário à conservação e
    ao desenvolvimento de sua vida. Essa liberdade,
    porém, não é absoluta, e nem poderia sê-lo, pela
    simples razão de que, convivendo em sociedade, o
    homem tem o dever de respeitar esse mesmo
    direito em cada um de seus semelhantes” (Caligaris,
    Rodolfo. As leis morais. 2001)
Liberdade Natural
   não existe liberdade absoluta pois precisamos uns
    dos outros para sobreviver.

   essa dependência não nos tira o direito de sermos
    donos de nós mesmos.

   o ser humano muitas vezes prega uma coisa e Põe
    em pratica o oposto. Exige do outro um
    determinado comportamento, mas não o pratica.
Liberdade de Pensamento
    e de Consciência
   A compreensão da lei de liberdade nos faz
    perceber que, para progredir, precisamos uns dos
    outros e que todos temos direitos recíprocos, que
    precisam ser respeitados, uma vez que qualquer
    prejuízo que provoquemos ao semelhante, em
    decorrência dos nossos atos, não ficará impune
    perante a Lei de Deus.

   É por esta razão que o ensinamento de Jesus de
    não fazer aos outros o que não gostaríamos que os
    outros nos fizessem – ensinamento conhecido
    como “REGRA DE OURO” – estabelece os limites
    da nossa liberdade e nos orienta como viver em
    sociedade, conforme os direitos e os deveres que
    nos cabem
   A lei de liberdade é bem compreendida quando aprendemos
    a fazer relação entre a liberdade de pensar e liberdade de
    consciência.

   Como sabemos, a liberdade de pensar é plena no ser
    humano: No pensamento goza o homem de ilimitada
    liberdade, pois que não há como pôr-lhe peias.

   Voando nas asas do pensamento, a mente espiritual reflete
    as próprias idéias e as idéias das mentes com as quais se
    afiniza, nos processos naturais de sintonia.


   Nos seres primitivos [a mente] aparece sob a ganga do
    instinto, nas almas humanas surge entre as ilusões que
    salteiam a inteligência, e revela-se nos Espíritos
    Aperfeiçoados por brilhante precioso a retratar a Glória
    Divina.
   Estudando-a     de   nossa    posição    espiritual,
    confinados que nos achamos entre a animalidade e
    a angelitude, somos impelidos a interpretá-la como
    sendo o campo de nossa consciência desperta, na
    faixa evolutiva em que o conhecimento adquirido
    nos permite operar.

   Compreende-se, pois, que o pensamento tudo
    move, criando e transformando, destruindo e
    refazendo para acrisolar e sublimar.


   A consciência, nesse contexto, representa, como
    nos esclarecem os Espíritos da Codificação, um
    pensamento íntimo, que pertence ao homem, como
    todos os outros pensamentos.
   Ela é o centro da personalidade, centro permanente,
    indestrutível, que persiste e se mantém através de todas as
    transformações do indivíduo. A consciência é não somente
    a faculdade de perceber, mas também o sentimento que
    temos de viver, agir, pensar, querer. É una e indivisível.

   A consciência, entendida como faculdade de estabelecer
    julgamentos morais ou juízos de valor, é um atributo pelo
    qual o homem pode conhecer e julgar sua realidade e a
    realidade do outro.

   Os julgamentos feitos pela consciência e as interpretações
    de atos e fatos do cotidiano apresentam limitações, visto que
    estão fundamentados em parâmetros morais que cada um
    estabelece para si.
É  a consciência fruto de experiências e
 crenças individuais, elaboradas no contexto
 cultural onde a criatura humana está
 inserida, e que se manifesta de acordo com
 a evolução espiritual do ser.


 Assim,  enquanto a liberdade de pensar é
 ilimitada, a liberdade de consciência sofre
 restrição, já que depende do nível evolutivo
 do Espírito
ESCRAVIDÃO
   Outro abuso da manifestação da consciência é a
    escravidão, ou seja, a submissão da vontade, do
    cerceamento da liberdade de ir e vir, de agir e de pensar do
    Ser.

   A escravidão, independentemente das formas em que se
    manifeste, é contrária à lei de Deus, porque é um abuso de
    força, mesmo quando faz parte dos costumes de um povo.


   A Escravidão é contrária à Natureza a lei humana que
    consagra a escravidão, pois que assemelha o homem ao
    irracional e o degrada física e moralmente. A escravidão
    humana é um mal. E o mal é sempre o mal e não há
    sofisma que faça se torne boa uma ação má. A
    responsabilidade, porém, do mal é relativa aos meios de
    que o homem disponha para compreendê-lo. Aquele que
    tira proveito da Lei da escravidão é sempre culpado de
    violação da lei da Natureza.
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
   A despeito de todo sofrimento existente no Planeta,
    é certo que a Humanidade tem progredido,
    ocorrendo uma preocupação mundial de valorizar a
    paz entre os povos e entre os indivíduos: de século
    para século, menos dificuldade encontra o homem
    para pensar sem peias e, a cada geração que surge,
    mais ampla se torna as garantias individuais no que
    tange à inviolabilidade do foro íntimo. Nas
    dissensões religiosas, as chamas das fogueiras
    foram substituídas pelas luzes do esclarecimento, e
    na catequese filosófica ou política , estejamos certos,
    daqui para o futuro, buscar-se-á empregar, cada vez
    mais, a força da persuasão ao invés da imposição
    pela força. (Caligaris, Rodolfo. As leis morais. 2001)
Livre Arbítrio e fatalidade
  “Nenhum vento sopra a favor
     daquele que não sabe
         para onde ir.”

           Sêneca
 Livre-Arbítrio
               é a faculdade que tem o indivíduo
  de determinar a sua própria conduta, ou, em
  outras palavras, a possibilidade que ele tem de,
  entre duas ou mais razões suficientes de
  querer ou de agir, escolher uma delas e fazer
  que prevaleça sobre as outras.

É   a condição básica para que a pessoa
  programe a sua vida e construa seu futuro,
  entendendo porém que os direitos individuais
  devem ser respeitados pelas regras da
  sociedade.
 Fatalidade:
            qualidade de fatal; destino que não
 se pode evitar; fado; fatalismo.

 Fado:
      destino, sorte, estrela; o que
 necessariamente tem de ser

A  Doutrina Espírita ensina que a fatalidade
 existe unicamente pela escolha que o espírito
 fez, ao encarnar, desta ou daquele prova para
 sofrer. Escolhendo-a, insistiu para si uma
 espécie de destino, que é a conseqüência
 mesma da posição em que vem a achar-se
 colocado.
   Essas provas planejadas são de natureza física, pois,
    pelo que toca às provas morais e às tentações, o
    Espírito, conservando o livre arbítrio quanto ao bem e
    ao mal, é sempre senhor de ceder ou de vencer .



   As doutrinas que pregam a existência de um fatalismo
    comandando a vida das pessoas em todos os
    sentidos, do nascimento a morte. Ensinam que todos
    acontecimentos estão previamente fixados por uma
    causa sobrenatural, cabendo ao homem apenas o
    regozijar-se, se favorecido com boa sorte, ou
    resignar-se, se o destino lhe for adverso
 Os   predestinacionistas   baseiam–se    na
 soberania da graça divina, ensinam que desde
 a toda a eternidade algumas almas foram
 predestinadas a uma vida de retidão e, depois
 da morte, à bem-aventurança celestial,
 enquanto outras foram de antemão marcadas
 para uma vida reprovável e,conseqüentemente,
 precondenadas às penas no inferno.

 Essas doutrinas como se vê, reduzem o
 homem a simples autômato, sem mérito nem
 responsabilidade...
   O espiritismo nos apresenta ensinamentos mais
    concordantes com a justiça, bondade e misericórdia
    divina. A fatalidade é entendida como um produto do
    livre-arbítrio, cujos acontecimentos resultam de
    escolhas previamente definidas, na maioria das vezes
    no plano espiritual.

   Essas escolhas refletem sempre a necessidade de
    progresso espiritual, e podem ser modificadas
    segundo o livre arbítrio da pessoa, ou replanejadas,
    em se considerando os benefícios que podem resultar
    para alguém. É por esta razão que os espíritos
    superiores afirmam: A fatalidade, verdadeiramente, só
    existe quando há o momento em que deveis aparecer
    e desaparecer deste mundo
 Portanto o exercício do livre arbítrio, tendo em
 vista a nossa felicidade espiritual, é uma tarefa
 árdua que devemos persistir sem desânimo. A
 luta e o trabalho são tão imprescindíveis ao
 aperfeiçoamento do espírito como o pão
 material é indispensável ao corpo físico.

 Nuncahá fatalidade nas opções morais, pois
 uma decisão pessoal infeliz não deve ser vista
 como uma má sorte ou uma imposição de Deus
 a seus filhos. Ora aquele que delibera sobre
 uma coisa é sempre livre de fazê-la ou não
   Tendo o conhecimento superficial das leis de karma,
    podemos conduzir o estudante a um perigoso erro de
    conceito. Que é, de supor imutável o futuro e, por
    conseguinte, de considerar inútil o esforço para
    melhorá-lo, tornar-se melhor, e mais útil a sociedade.

   Em suma a fatalidade que parece presidir aos
    destinos, é resultantes de escolhas estipuladas no
    nosso planejamento reencarnatório e do nosso livre-
    arbítrio nas ações cotidianas.Dessa forma atentos as
    orientações dos espíritos da codificação: Tu mesmo
    escolhes a tua prova. Quanto mais rude ela for e
    melhor a suportares, tanto mais te elevarás
“Uma coisa posso afirmar e provar com palavras
     e atos: é que nos tornamos melhores se
  cremos que é nosso dever seguir em busca da
              verdade desconhecida.”

                   Sócrates
Conhecimento do futuro
   O futuro não pode ser ao homem revelado, somente o
    permitindo Deus em casos raros e excepcionais,
    pois se o conhecesse o homem negligenciaria do
    presente e não obraria com liberdade, dado que seria
    dominado pela idéia de que uma determinada coisa
    tem de acontecer.



   Quando o conhecimento do futuro facilita a execução
    de uma coisa em vez de atrapalhar, Deus permite
    que seja revelado, a fim de obrigar o homem a agir de
    modo diverso que faria se não lhe fosse feita essa
    revelação.
A  perspectiva de um acontecimento pode
 sugerir pensamentos bons ou inspirar bons
 sentimentos. Se a predição não se cumpre, a
 maneira como suportará a decepção por não
 ocorrer o previsto constituir-se-á numa prova,
 que ele triunfará ou não, conforme suportá-la.

 Mesmo  sabendo Deus se o homem passará ou
 não pela prova, essa será sempre necessária
 para dar ao homem a responsabilidade pelas
 sua ação, uma vez que tem a liberdade de
 fazer ou não determinada coisa.
   Dotado da faculdade de escolher entre o bem e o mal,
    a prova tem por efeito submetê-lo à tentação do mal,
    embora saiba Deus se ele se sairá bem ou não.



   Kardec faz uma comparação para facilitar o
    entendimento da questão, citando uma situação
    comum em nosso cotidiano: por muita capaz que seja
    um estudante, por mais certeza que tenha de que se
    sairá bem na prova, não se lhe confere grau algum
    sem o exame, sem que à prova se submeta. O que
    acontece na vida espiritual.
   Vemos, portanto, como salienta Kardec, quão sábia é
    a Providência ao ocultar do homem o conhecimento
    do futuro. A certeza de um acontecimento venturoso o
    levaria à inação; a de um acontecimento infeliz, ao
    desânimo.



   Ambas as situações o paralisariam, tolhendo sua
    iniciativa e o seu livre-arbítrio. A fatalidade dos
    acontecimentos impediria o homem de exercer suas
    faculdades, daí não lhe ser permitido conhecer o
    futuro, salvo em casos excepcionais.
Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade
BIBLIOGRAFIA
 Livro   dos Espíritos.

 Evangelho    Segundo o Espiritismos.

 Textos   e figuras da Internet

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitosPalestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Tiburcio Santos
 
PALESTRA - LIBERDADE E CONSCIENCIA
PALESTRA - LIBERDADE E CONSCIENCIAPALESTRA - LIBERDADE E CONSCIENCIA
PALESTRA - LIBERDADE E CONSCIENCIA
Mauro Santos
 
Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
Semente de Esperança
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
Roseli Lemes
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
Denise Aguiar
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
Izabel Cristina Fonseca
 
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMOREFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
grupodepaisceb
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
home
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
Lorena Dias
 
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOSAMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
Jorge Luiz dos Santos
 
Auto perdão = felicidade sem culpa
Auto perdão = felicidade sem culpaAuto perdão = felicidade sem culpa
Auto perdão = felicidade sem culpa
Lisete B.
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Marcha do progresso
Marcha do progressoMarcha do progresso
Marcha do progresso
Graça Maciel
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Das ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritosDas ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritos
Izabel Cristina Fonseca
 

Mais procurados (20)

Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitosPalestra ESE cap17 Sede perfeitos
Palestra ESE cap17 Sede perfeitos
 
PALESTRA - LIBERDADE E CONSCIENCIA
PALESTRA - LIBERDADE E CONSCIENCIAPALESTRA - LIBERDADE E CONSCIENCIA
PALESTRA - LIBERDADE E CONSCIENCIA
 
Dia De Finados
Dia De FinadosDia De Finados
Dia De Finados
 
Fé pela ótica espírita
Fé pela ótica espíritaFé pela ótica espírita
Fé pela ótica espírita
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
 
A dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evolução
 
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMOREFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
REFORMA INTIMA E ESPIRITISMO
 
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede PerfeitosESE CAP XVII - Sede Perfeitos
ESE CAP XVII - Sede Perfeitos
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
 
O maior mandamento
O maior mandamentoO maior mandamento
O maior mandamento
 
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOSAMAI OS VOSSOS INIMIGOS
AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
 
Auto perdão = felicidade sem culpa
Auto perdão = felicidade sem culpaAuto perdão = felicidade sem culpa
Auto perdão = felicidade sem culpa
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
 
Marcha do progresso
Marcha do progressoMarcha do progresso
Marcha do progresso
 
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanasDores da Alma, a psicologia das dores humanas
Dores da Alma, a psicologia das dores humanas
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Leis divinas
 
Das ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritosDas ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritos
 

Destaque

Liberdade enfoque espírita
Liberdade   enfoque espíritaLiberdade   enfoque espírita
Liberdade enfoque espírita
Helio Cruz
 
Conhecimento do Futuro (Palestra Espírita)
Conhecimento do Futuro (Palestra Espírita)Conhecimento do Futuro (Palestra Espírita)
Conhecimento do Futuro (Palestra Espírita)
Marcos Antônio Alves
 
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERAESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
Jorge Luiz dos Santos
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
Candice Gunther
 
Influência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no ProgressoInfluência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no Progresso
igmateus
 
Lei de liberdade
Lei de liberdadeLei de liberdade
Marcha do progresso
Marcha do progressoMarcha do progresso
Marcha do progresso
Izabel Cristina Fonseca
 
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso IISegundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
CeiClarencio
 
Lei de Progresso - Instituto Espírita de Educação
Lei de Progresso - Instituto Espírita de EducaçãoLei de Progresso - Instituto Espírita de Educação
Lei de Progresso - Instituto Espírita de Educação
Instituto Espírita de Educação
 
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso ISegundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
CeiClarencio
 

Destaque (10)

Liberdade enfoque espírita
Liberdade   enfoque espíritaLiberdade   enfoque espírita
Liberdade enfoque espírita
 
Conhecimento do Futuro (Palestra Espírita)
Conhecimento do Futuro (Palestra Espírita)Conhecimento do Futuro (Palestra Espírita)
Conhecimento do Futuro (Palestra Espírita)
 
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERAESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
 
Lei do progresso
Lei do progressoLei do progresso
Lei do progresso
 
Influência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no ProgressoInfluência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no Progresso
 
Lei de liberdade
Lei de liberdadeLei de liberdade
Lei de liberdade
 
Marcha do progresso
Marcha do progressoMarcha do progresso
Marcha do progresso
 
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso IISegundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
Segundo Módulo - Aula 09 - Lei do progresso II
 
Lei de Progresso - Instituto Espírita de Educação
Lei de Progresso - Instituto Espírita de EducaçãoLei de Progresso - Instituto Espírita de Educação
Lei de Progresso - Instituto Espírita de Educação
 
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso ISegundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
Segundo Módulo - Aula 08 - Lei do progresso I
 

Semelhante a Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade

Compromisso Com A Consciência
Compromisso Com A ConsciênciaCompromisso Com A Consciência
Compromisso Com A Consciência
Grupo Espírita Cristão
 
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Liberdade
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de LiberdadeEvangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Liberdade
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Liberdade
Antonino Silva
 
Resenha de estudos espiritas 08
Resenha de estudos espiritas 08Resenha de estudos espiritas 08
Resenha de estudos espiritas 08
MRS
 
Resenha de estudos espiritas 09
Resenha de estudos espiritas 09Resenha de estudos espiritas 09
Resenha de estudos espiritas 09
MRS
 
Livre arbítrio e lei de causa e efeito
Livre arbítrio e lei de causa e efeitoLivre arbítrio e lei de causa e efeito
Livre arbítrio e lei de causa e efeito
Ailton Guimaraes
 
FILOSOFIA: Consciência & Liberdade
FILOSOFIA: Consciência &  LiberdadeFILOSOFIA: Consciência &  Liberdade
FILOSOFIA: Consciência & Liberdade
BlogSJuniinho
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Marta Gomes
 
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
manumino
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Responsabilidade de consciência
Responsabilidade de consciênciaResponsabilidade de consciência
Responsabilidade de consciência
Dalila Melo
 
E a vida continua
E a vida continuaE a vida continua
E a vida continua
Wanderson Luz
 
Etica e liberdade
Etica e liberdadeEtica e liberdade
Etica e liberdade
Jonathan Araújo
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)
Juarez Costa Costa
 
Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)
Juarez Costa Costa
 
Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)
Juarez Costa Costa
 
Aula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei naturalAula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei natural
Harleyde Santos
 
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Esde x  lei de liberdade - roteiro iiEsde x  lei de liberdade - roteiro ii
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Deborah Oliver
 
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convémTudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Cemica Missionários da Caridade
 

Semelhante a Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade (20)

Compromisso Com A Consciência
Compromisso Com A ConsciênciaCompromisso Com A Consciência
Compromisso Com A Consciência
 
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Liberdade
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de LiberdadeEvangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Liberdade
Evangeliza - Leis Morais da Vida - Lei de Liberdade
 
Resenha de estudos espiritas 08
Resenha de estudos espiritas 08Resenha de estudos espiritas 08
Resenha de estudos espiritas 08
 
Resenha de estudos espiritas 09
Resenha de estudos espiritas 09Resenha de estudos espiritas 09
Resenha de estudos espiritas 09
 
Livre arbítrio e lei de causa e efeito
Livre arbítrio e lei de causa e efeitoLivre arbítrio e lei de causa e efeito
Livre arbítrio e lei de causa e efeito
 
FILOSOFIA: Consciência & Liberdade
FILOSOFIA: Consciência &  LiberdadeFILOSOFIA: Consciência &  Liberdade
FILOSOFIA: Consciência & Liberdade
 
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docxCapítulo X - Lei de Liberdade.docx
Capítulo X - Lei de Liberdade.docx
 
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
Palestra Espirita - Tema livre-arbítrio
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
 
Responsabilidade de consciência
Responsabilidade de consciênciaResponsabilidade de consciência
Responsabilidade de consciência
 
E a vida continua
E a vida continuaE a vida continua
E a vida continua
 
Etica e liberdade
Etica e liberdadeEtica e liberdade
Etica e liberdade
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
 
Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)
 
Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)
 
Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)Aula etica publica (icec)
Aula etica publica (icec)
 
Aula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei naturalAula- Lei divina ou lei natural
Aula- Lei divina ou lei natural
 
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Esde x  lei de liberdade - roteiro iiEsde x  lei de liberdade - roteiro ii
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
 
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convémTudo me é lícito, mas nem tudo me convém
Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém
 

Mais de CeiClarencio

Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - DeusPrimeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - CriaçãoPrimeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vitalPrimeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - EspirítosPrimeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de forçaPrimeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritosPrimeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existenciasPrimeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnaçãoPrimeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritualPrimeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
CeiClarencio
 
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporalPrimeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalhoSegundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reproduçãoSegundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservaçãoSegundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruiçãoSegundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
CeiClarencio
 

Mais de CeiClarencio (20)

Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificaçãoPrimeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
Primeiro Módulo - Aula 1 - Espiritismo - antecedentes da codificação
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
 
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - DeusPrimeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
Primeiro Módulo - Aula 3 - Elementos gerais do universo - Deus
 
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - CriaçãoPrimeiro Módulo - Aula 4 - Criação
Primeiro Módulo - Aula 4 - Criação
 
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vitalPrimeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
Primeiro Módulo - Aula 5 - Principio vital
 
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - EspirítosPrimeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
Primeiro Módulo - Aula 6 - Espirítos
 
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de forçaPrimeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
Primeiro Módulo - Aulas 7 e 8 - Perispirito e centros de força
 
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritosPrimeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
Primeiro Módulo - Aula 9 - Encarnação dos espiritos
 
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
Primeiro Módulo - Aulas 10 e 11 - Retorno da vida corporal e pluralidade das ...
 
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existenciasPrimeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
Primeiro Módulo - Aula 12 - Pluralidade das existencias
 
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnaçãoPrimeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
Primeiro Módulo - Aula 13 - Resusurreição e reencarnação
 
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritualPrimeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
 
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da almaPrimeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
Primeiro Módulo - Aula 15 - Emancipação da alma
 
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporalPrimeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
Primeiro Módulo - Aula 16 - Intervenção dos espiritos no mundo corporal
 
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturaisSegundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
Segundo Módulo - Aula 1 e 2 - Leis divinas e naturais
 
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalhoSegundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
Segundo Módulo - Aula 03 - Lei do trabalho
 
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reproduçãoSegundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
Segundo Módulo - Aula 04 - Lei da reprodução
 
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservaçãoSegundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
Segundo Módulo - Aula 05 - Lei de conservação
 
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruiçãoSegundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
Segundo Módulo - Aula 06 - Lei da destruição
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
 

Segundo Módulo - Aula 11 - Lei de liberdade

  • 2. O QUE É LIBERDADE?
  • 3. Liberdade é a faculdade que permite ao indivíduo decidir ou agir conforme sua própria vontade.  Desta forma, o homem é, por natureza, dono de si mesmo, isto é, tem o direito de fazer tudo quanto achar conveniente ou necessário à conservação e ao desenvolvimento de sua vida. Essa liberdade, porém, não é absoluta, e nem poderia sê-lo, pela simples razão de que, convivendo em sociedade, o homem tem o dever de respeitar esse mesmo direito em cada um de seus semelhantes” (Caligaris, Rodolfo. As leis morais. 2001)
  • 4. Liberdade Natural  não existe liberdade absoluta pois precisamos uns dos outros para sobreviver.  essa dependência não nos tira o direito de sermos donos de nós mesmos.  o ser humano muitas vezes prega uma coisa e Põe em pratica o oposto. Exige do outro um determinado comportamento, mas não o pratica.
  • 5. Liberdade de Pensamento e de Consciência
  • 6. A compreensão da lei de liberdade nos faz perceber que, para progredir, precisamos uns dos outros e que todos temos direitos recíprocos, que precisam ser respeitados, uma vez que qualquer prejuízo que provoquemos ao semelhante, em decorrência dos nossos atos, não ficará impune perante a Lei de Deus.  É por esta razão que o ensinamento de Jesus de não fazer aos outros o que não gostaríamos que os outros nos fizessem – ensinamento conhecido como “REGRA DE OURO” – estabelece os limites da nossa liberdade e nos orienta como viver em sociedade, conforme os direitos e os deveres que nos cabem
  • 7. A lei de liberdade é bem compreendida quando aprendemos a fazer relação entre a liberdade de pensar e liberdade de consciência.  Como sabemos, a liberdade de pensar é plena no ser humano: No pensamento goza o homem de ilimitada liberdade, pois que não há como pôr-lhe peias.  Voando nas asas do pensamento, a mente espiritual reflete as próprias idéias e as idéias das mentes com as quais se afiniza, nos processos naturais de sintonia.  Nos seres primitivos [a mente] aparece sob a ganga do instinto, nas almas humanas surge entre as ilusões que salteiam a inteligência, e revela-se nos Espíritos Aperfeiçoados por brilhante precioso a retratar a Glória Divina.
  • 8. Estudando-a de nossa posição espiritual, confinados que nos achamos entre a animalidade e a angelitude, somos impelidos a interpretá-la como sendo o campo de nossa consciência desperta, na faixa evolutiva em que o conhecimento adquirido nos permite operar.  Compreende-se, pois, que o pensamento tudo move, criando e transformando, destruindo e refazendo para acrisolar e sublimar.  A consciência, nesse contexto, representa, como nos esclarecem os Espíritos da Codificação, um pensamento íntimo, que pertence ao homem, como todos os outros pensamentos.
  • 9. Ela é o centro da personalidade, centro permanente, indestrutível, que persiste e se mantém através de todas as transformações do indivíduo. A consciência é não somente a faculdade de perceber, mas também o sentimento que temos de viver, agir, pensar, querer. É una e indivisível.  A consciência, entendida como faculdade de estabelecer julgamentos morais ou juízos de valor, é um atributo pelo qual o homem pode conhecer e julgar sua realidade e a realidade do outro.  Os julgamentos feitos pela consciência e as interpretações de atos e fatos do cotidiano apresentam limitações, visto que estão fundamentados em parâmetros morais que cada um estabelece para si.
  • 10. É a consciência fruto de experiências e crenças individuais, elaboradas no contexto cultural onde a criatura humana está inserida, e que se manifesta de acordo com a evolução espiritual do ser.  Assim, enquanto a liberdade de pensar é ilimitada, a liberdade de consciência sofre restrição, já que depende do nível evolutivo do Espírito
  • 12. Outro abuso da manifestação da consciência é a escravidão, ou seja, a submissão da vontade, do cerceamento da liberdade de ir e vir, de agir e de pensar do Ser.  A escravidão, independentemente das formas em que se manifeste, é contrária à lei de Deus, porque é um abuso de força, mesmo quando faz parte dos costumes de um povo.  A Escravidão é contrária à Natureza a lei humana que consagra a escravidão, pois que assemelha o homem ao irracional e o degrada física e moralmente. A escravidão humana é um mal. E o mal é sempre o mal e não há sofisma que faça se torne boa uma ação má. A responsabilidade, porém, do mal é relativa aos meios de que o homem disponha para compreendê-lo. Aquele que tira proveito da Lei da escravidão é sempre culpado de violação da lei da Natureza.
  • 14. A despeito de todo sofrimento existente no Planeta, é certo que a Humanidade tem progredido, ocorrendo uma preocupação mundial de valorizar a paz entre os povos e entre os indivíduos: de século para século, menos dificuldade encontra o homem para pensar sem peias e, a cada geração que surge, mais ampla se torna as garantias individuais no que tange à inviolabilidade do foro íntimo. Nas dissensões religiosas, as chamas das fogueiras foram substituídas pelas luzes do esclarecimento, e na catequese filosófica ou política , estejamos certos, daqui para o futuro, buscar-se-á empregar, cada vez mais, a força da persuasão ao invés da imposição pela força. (Caligaris, Rodolfo. As leis morais. 2001)
  • 15. Livre Arbítrio e fatalidade “Nenhum vento sopra a favor daquele que não sabe para onde ir.” Sêneca
  • 16.  Livre-Arbítrio é a faculdade que tem o indivíduo de determinar a sua própria conduta, ou, em outras palavras, a possibilidade que ele tem de, entre duas ou mais razões suficientes de querer ou de agir, escolher uma delas e fazer que prevaleça sobre as outras. É a condição básica para que a pessoa programe a sua vida e construa seu futuro, entendendo porém que os direitos individuais devem ser respeitados pelas regras da sociedade.
  • 17.  Fatalidade: qualidade de fatal; destino que não se pode evitar; fado; fatalismo.  Fado: destino, sorte, estrela; o que necessariamente tem de ser A Doutrina Espírita ensina que a fatalidade existe unicamente pela escolha que o espírito fez, ao encarnar, desta ou daquele prova para sofrer. Escolhendo-a, insistiu para si uma espécie de destino, que é a conseqüência mesma da posição em que vem a achar-se colocado.
  • 18. Essas provas planejadas são de natureza física, pois, pelo que toca às provas morais e às tentações, o Espírito, conservando o livre arbítrio quanto ao bem e ao mal, é sempre senhor de ceder ou de vencer .  As doutrinas que pregam a existência de um fatalismo comandando a vida das pessoas em todos os sentidos, do nascimento a morte. Ensinam que todos acontecimentos estão previamente fixados por uma causa sobrenatural, cabendo ao homem apenas o regozijar-se, se favorecido com boa sorte, ou resignar-se, se o destino lhe for adverso
  • 19.  Os predestinacionistas baseiam–se na soberania da graça divina, ensinam que desde a toda a eternidade algumas almas foram predestinadas a uma vida de retidão e, depois da morte, à bem-aventurança celestial, enquanto outras foram de antemão marcadas para uma vida reprovável e,conseqüentemente, precondenadas às penas no inferno.  Essas doutrinas como se vê, reduzem o homem a simples autômato, sem mérito nem responsabilidade...
  • 20. O espiritismo nos apresenta ensinamentos mais concordantes com a justiça, bondade e misericórdia divina. A fatalidade é entendida como um produto do livre-arbítrio, cujos acontecimentos resultam de escolhas previamente definidas, na maioria das vezes no plano espiritual.  Essas escolhas refletem sempre a necessidade de progresso espiritual, e podem ser modificadas segundo o livre arbítrio da pessoa, ou replanejadas, em se considerando os benefícios que podem resultar para alguém. É por esta razão que os espíritos superiores afirmam: A fatalidade, verdadeiramente, só existe quando há o momento em que deveis aparecer e desaparecer deste mundo
  • 21.  Portanto o exercício do livre arbítrio, tendo em vista a nossa felicidade espiritual, é uma tarefa árdua que devemos persistir sem desânimo. A luta e o trabalho são tão imprescindíveis ao aperfeiçoamento do espírito como o pão material é indispensável ao corpo físico.  Nuncahá fatalidade nas opções morais, pois uma decisão pessoal infeliz não deve ser vista como uma má sorte ou uma imposição de Deus a seus filhos. Ora aquele que delibera sobre uma coisa é sempre livre de fazê-la ou não
  • 22. Tendo o conhecimento superficial das leis de karma, podemos conduzir o estudante a um perigoso erro de conceito. Que é, de supor imutável o futuro e, por conseguinte, de considerar inútil o esforço para melhorá-lo, tornar-se melhor, e mais útil a sociedade.  Em suma a fatalidade que parece presidir aos destinos, é resultantes de escolhas estipuladas no nosso planejamento reencarnatório e do nosso livre- arbítrio nas ações cotidianas.Dessa forma atentos as orientações dos espíritos da codificação: Tu mesmo escolhes a tua prova. Quanto mais rude ela for e melhor a suportares, tanto mais te elevarás
  • 23. “Uma coisa posso afirmar e provar com palavras e atos: é que nos tornamos melhores se cremos que é nosso dever seguir em busca da verdade desconhecida.” Sócrates
  • 25. O futuro não pode ser ao homem revelado, somente o permitindo Deus em casos raros e excepcionais, pois se o conhecesse o homem negligenciaria do presente e não obraria com liberdade, dado que seria dominado pela idéia de que uma determinada coisa tem de acontecer.  Quando o conhecimento do futuro facilita a execução de uma coisa em vez de atrapalhar, Deus permite que seja revelado, a fim de obrigar o homem a agir de modo diverso que faria se não lhe fosse feita essa revelação.
  • 26. A perspectiva de um acontecimento pode sugerir pensamentos bons ou inspirar bons sentimentos. Se a predição não se cumpre, a maneira como suportará a decepção por não ocorrer o previsto constituir-se-á numa prova, que ele triunfará ou não, conforme suportá-la.  Mesmo sabendo Deus se o homem passará ou não pela prova, essa será sempre necessária para dar ao homem a responsabilidade pelas sua ação, uma vez que tem a liberdade de fazer ou não determinada coisa.
  • 27. Dotado da faculdade de escolher entre o bem e o mal, a prova tem por efeito submetê-lo à tentação do mal, embora saiba Deus se ele se sairá bem ou não.  Kardec faz uma comparação para facilitar o entendimento da questão, citando uma situação comum em nosso cotidiano: por muita capaz que seja um estudante, por mais certeza que tenha de que se sairá bem na prova, não se lhe confere grau algum sem o exame, sem que à prova se submeta. O que acontece na vida espiritual.
  • 28. Vemos, portanto, como salienta Kardec, quão sábia é a Providência ao ocultar do homem o conhecimento do futuro. A certeza de um acontecimento venturoso o levaria à inação; a de um acontecimento infeliz, ao desânimo.  Ambas as situações o paralisariam, tolhendo sua iniciativa e o seu livre-arbítrio. A fatalidade dos acontecimentos impediria o homem de exercer suas faculdades, daí não lhe ser permitido conhecer o futuro, salvo em casos excepcionais.
  • 30. BIBLIOGRAFIA  Livro dos Espíritos.  Evangelho Segundo o Espiritismos.  Textos e figuras da Internet