SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 22 – LITERATURA

                                    PROFª Edna Prado

       MODERNISMO NO BRASIL


I – CONTEXTO HISTÓRICO

     Muito influenciadas pelos movimentos da Vanguarda Européia e
pelo Modernismo português, as manifestações modernas no Brasil
começam a aparecer muito antes de 1922.

     Veja as próximas imagens:




                  A Avenida paulista (Trianon), em 1917.




                     A Avenida Tiradentes, em 1927.
Essas imagens são da cidade de São Paulo na década de 20 do século passado.
Nesse período São Paulo era considerada a cidade mais moderna de todo o Brasil.
Moderna em todos os sentidos, tanto nos aspectos positivos, quanto nos aspectos
negativos da modernidade. Já nessa época mostrava uma grande desigualdade: de um
lado os grandes proprietários de indústrias, a alta sociedade cafeeira, símbolos da
riqueza, e de outro os operários, os imigrantes, símbolos da miséria e da exploração.



    O marco inicial do Modernismo brasileiro foi a Semana de Arte
Moderna de 1922, que ocorreu na cidade mais avançada, mais
moderna da época:




                            Teatro Municipal de São Paulo.

        Os dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922, entraram para a história da literatura
brasileira , eles formam a conhecida “A Semana de Arte Moderna”, que ocorreu no
teatro Municipal de São Paulo.



      Entretanto, é importante observamos que o Modernismo brasileiro
não começou a partir desse evento. Vários fatos e trabalhos foram
responsáveis pelo o que ocorreu na Semana. Entre os principais
antecedentes da semana de 22 estão: a volta de Oswald de Andrade da
Europa, onde entrou em contato com as inovações propostas pela
Vanguarda Européia, principalmente com o Futurismo de Marinetti; a
primeira exposição dos quadros expressionistas de Lasar Segall,
chocando-se com a pintura acadêmica da época; a fundação da Revista
Orpheu, símbolo do Modernismo em Portugal; a publicação de vários
livros dos autores que participariam mais tarde da Semana de 22 e o
grande estopim e a grande mola propulsora do Modernismo, segundo
muitos estudiosos, a exposição da pintora Anita Malfatti, que como já
vimos recebeu uma forte crítica de Monteiro Lobato, no artigo intitulado
Paranóia ou Mistificação ?
II – PARTICIPANTES DA SEMANA DE 22
      Veja os principais participantes da Semana:




                  * LITERATURA: Mário de Andrade
                                Oswald de Andrade
                                Ronald de Carvalho

                  * PINTURA: Anita Malfatti
                             Tarsila do Amaral
                             Di Cavalcanti

                  * MÚSICA: Heitor Villa-Lobos


       A Semana foi patrocinada pelas pessoas da elite paulistana e
contou até com a presença de um autor já consagrado, membro da
Academia Brasileira de Letras. Graça Aranha, pré-modernista autor do
livro Canaã, foi o responsável pela cerimônia de abertura.

      Veja os cartazes da época sobre o evento:




      Cartaz da Semana de 22 e do Catálogo da Exposição de Artes Plásticas, ambos
desenhados por Di Cavalcanti.



      O evento não foi apenas literário, vários artistas da música, da
pintura, da escultura e de outras áreas, puderam mostrar seus
trabalhos.
Mas qual foi a reação da sociedade da época? Veja os comentários
dos principais jornais da época:


     “Foi como se esperava, um notável fracasso a récita de ontem na
pomposa Semana de Arte Moderna, que melhor e mais acertadamente
deveria chamar-se Semana de Mal – às Artes”.

                                         Jornal Folha da Noite
                                                       fevereiro de 1922



      “As colunas da secção livre deste jornal estão à disposição de
todos aqueles que, atacando a Semana de Arte Moderna, defendam o
nosso patrimônio artístico”.

                                           Jornal O Estado de São Paulo
                                                       fevereiro de 1922


      “É preciso que se saiba que nos manicômios se produzem poemas,
partituras, quadros e estátuas, e que essa arte de doidos tem o mesmo
característico da arte dos futuristas e cubistas que andam soltos por aí”.

                                               Jornal do Comércio
                                                      fevereiro de 1922




III – A SEMANA DE ARTE MODERNA DE 22


     A Semana foi verdadeiramente um choque, uma afronta direta aos
autores e à sociedade da época. Em outras palavras a Semana foi um
escândalo público.

     Mas o que será que aconteceu de tão diferente nessa semana?

     Logo no primeiro dia, depois da abertura de Graça Aranha, o
músico Villa-Lobos tem sua apresentação interrompida por vários
assobios e vaias da platéia. No segundo dia, a confusão foi ainda maior.
Ronald de Carvalho ao declamar o poema “Os Sapos”, de Manuel
Bandeira, leva o público à loucura, repetindo bravamente o refrão do
texto que se assemelha ao coaxar dos sapos. Mário de Andrade,
quebrando todas as formalidades, recita, entre vaias, um poema nas
escadarias do teatro e, para fechar a noite com chave de ouro, Villa-
Lobos entra no palco de casaca, chinelos e guarda-chuva. A platéia
escandalizada quase parte para a agressão física.

     Dizem as más línguas que entre “famílias direitas” não se
comentavam os acontecimentos da Semana na presença de crianças e
mulheres, tamanha sorte de barbaridades que lá aconteceram e que
sobre a atitude de Villas-Lobos, na realidade não era uma afronta, mas
um calo que o impedia de calçar sapato.

      Diante do acontecido, os organizadores ficaram felicíssimos, pois
conseguiram o que queriam, ou seja, chocar a sociedade, destruir as
estéticas tradicionais e conservadoras.

      Veja a célebre foto do grupo organizador, tirada no almoço de
confraternização logo após o encerramento da semana:




     Veja um fragmento do poema considerado uma espécie de hino do
Modernismo:

       Os sapos

Enfunando os papos,
Saem da penumbra,
Aos pulos, os sapos.
A luz os deslumbra.

Em ronco que aterra,
Berra o sapo-boi:
_ “Meu pai foi à guerra!”
_ “Não foi! _ “Foi!” _ “Não foi!”

O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: _ “Meu cancioneiro
É bem martelado.

Vede como primo
Em comer os hiatos!
Que arte! E nunca rimo
Os termos cognatos.

O meu verso é bom
Frumento sem joio.
Faço rimas com
Consoantes de apoio.

      (...)

Que soluças tu,
Transido de frio,
Sapo-cururu
Da beira do rio ...
                       Manuel Bandeira


       Os Sapos, de Manuel Bandeira é uma paródia do conhecido
poema Profissão de Fé, do parnasiano Olavo Bilac. É um poema-piada,
satirizando a extrema preocupação parnasiana com a forma, ou seja,
com as rimas com a seleção vocabular. É crítica uma aos parnasianos.
A expressão sapo tanoeiro é uma referência direta a Bilac, pois tanoeiro
é um artesão. Lembre-se de que Bilac comparava a tarefa do poeta à do
artesão. E sapo-cururu é o poeta moderno, autêntico, simples, sem
artificialismos.




IV – DESDOBRAMENTOS MODERNISTAS

      Veja os desdobramentos da semana:
Os acontecimentos da semana ganham expressão nacional. As
idéias modernistas aos poucos foram ganhando adeptos por todo o país.
No período de 1922 a 1930, conhecido como a primeira fase
modernista, a fase heróica, a fase de provocação de ruptura, de
inovação, vários grupos, manifestos e revistas difundiram-se no cenário
cultural brasileiro. Entre as revistas destacaram-se:


                                 REVISTAS

                 *Klaxon (São Paulo)
                 * Estética (Rio de Janeiro)
                 * Festa (Rio de Janeiro)
                 * A Revista (Minas Gerais)
                 * Revista Antropofagia (São Paulo)




      A revista Klaxon foi a primeira a circular. Seu nome vem do
termo em francês buzina, numa aproximação com o que ela queria
realmente provocar: barulho, muito barulho. Seus artigos eram
inovadores, exaltavam o progresso e recusavam “a arte vista como
cópia da realidade”.     Os principais organizadores da Semana
participaram ativamente de sua elaboração.

      As revistas Estética e Festa, divulgaram as idéias modernistas no
Rio de Janeiro. A primeira, a partir de um forte nacionalismo, buscou
uma arte genuinamente brasileira. A segunda, ao contrário da maioria,
apresentou um caráter mais espiritualista, identificado com os valores
simbolistas. Uma das principais colaboradoras da revista Festa, foi a
poetisa Cecília Meireles.

     A Revista, foi uma publicação mineira de periodicidade irregular e
que contou, em seu primeiro número, com a colaboração de Carlos
Drummond de Andrade.

        A mais polêmica de todas foi sem dúvida a R e v i s t a
A n t r o p o f a g i a , que segundo seus criadores apresentou duas
“dentições”, ou seja, duas fases. A primeira com publicações mensais e
a segunda com publicações semanais.

      Juntamente com as revistas, vários manifestos foram escritos, de
acordo com a ideologia adotada pelos grupos.
V – MOVIMENTOS MODERNISTAS

      Veja os principais movimentos ou correntes desse período:



                       CORRENTES MODERNISTAS

                   * MOVIMENTO PAU-BRASIL

                   * MOVIMENTO VERDE-AMARELO

                   * MOVIMENTO ANTROPOFÁGICO

                   * MOVIMENTO ESPIRITUALISTA



      Veja a capa da 1ª edição do manifesto Pau-Brasil:




       O movimento Pau-brasil, criado por Oswald de Andrade, tinha como objetivo
a redescoberta e revalorização da cultura primitiva brasileira.

    Oswald queria uma poesia de exportação, daí o nome Pau-Brasil,
nome do primeiro produto exportado pelo Brasil.

      O movimento Verde-Amarelo foi um movimento de reação ao
movimento Pau-Brasil, pois ao contrário do primeiro, propunha uma arte
livre das influências européias, buscando uma identidade realmente
nacional. Para seus adeptos, o nacionalismo de Oswald era um
nacionalismo importado.

      O movimento Antropofágico origina-se no trabalho da pintora
Tarsila do Amaral.

      Veja uns de seus quadros:




                       Urutu, 1928            Antropofagia, 1929




                                  Abaporu, 1928

       A b a p o r u é um termo indígena que significa “aquele que come
gente,“antropófago”. Segundo uma crença indígena, comer o inimigo significava
assimilar suas qualidades.



      Esses quadros fazem parte da chamada galeria antropofágica de
Tarsila. E é com o quadro Abaporu, que tem início o movimento.

      Segundo a própria pintora, a idéia do movimento surgiu quando
ela resolveu dar esse quadro de presente ao então marido Oswald de
Andrade.

      O movimento antropofágico queria justamente isso, “devorar” a
cultura estrangeira, para reelaborá-la com autonomia.
O movimento espiritualista, como o próprio nome já sugere,
voltou-se para o interior do ser humano, para o misticismo e a religião,
mostrando-se um pouco distante da irreverência dos outros
movimentos. Buscava uma conciliação entre o passado e o futuro.

      Há também uma corrente regionalista, voltada para a
valorização da cultura regional, especialmente a nordestina.



VI – FASES MODERNISTAS
     Costuma-se dividir o Modernismo brasileiro em três grandes fases.

     Veja quais são:



                            1ª Fase (1922-1930)
                                  HERÓICA

              •   Oswald de Andrade
              •   Mário de Andrade
              •   Manuel Bandeira
              •   Alcântara Machado

                            2ª Fase (1930-1945)
                              CONSOLIDAÇÃO

              POESIA:
              • Carlos Drummond de Andrade
              • Cecília Meireles
              • Vinícius de Moraes

              PROSA:
              • José Lins do Rego
              • Graciliano Ramos
              • Jorge Amado
3ª Fase (1945 em diante)
                                REFLEXÃO

             •   Guimarães Rosa
             •   Clarice Lispector
             •   João Cabral de Melo Neto



     A primeira fase, conhecida como heróica, compreende o período
de 1922 a 1930 e apresenta o desejo de liberdade, de ruptura e de
destruição do passado como características marcantes. Os principais
autores são: Oswald de Andrade, Mário de Andrade, M a n u e l
Bandeira e Alcântara Machado.

     A segunda se estende de 1930 a 1945 e é conhecida como a fase
da consolidação das conquistas anteriores. Essa segunda fase
subdivide-se em dois grupos: a poesia, em que se destacam: Carlos
Drummond de Andrade, Cecília Meireles e Vinícius de Moraes e a
prosa, representada entre outros autores, por José Lins do Rego,
Graciliano Ramos e Jorge Amado.

A terceira fase, de 1945 em diante, é conhecida como a fase da
reflexão e da universalidade temática. Os principais autores desse
período são: Guimarães Rosa, Clarice Lispector e João Cabral de
Melo Neto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras
colveromachado
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
Zenia Ferreira
 
Naturalismo no Brasil
Naturalismo no BrasilNaturalismo no Brasil
Naturalismo no Brasil
José Ricardo Lima
 
Regência Nominal
Regência NominalRegência Nominal
Regência Nominal
Andriane Cursino
 
Pronomes ensino médio
Pronomes ensino médioPronomes ensino médio
Pronomes ensino médio
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
Cláudia Heloísa
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
paula nery
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
Carolina Loçasso Pereira
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
Diego Prezia
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Walace Cestari
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
Jaqueline Soares
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
Edson Alves
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Locuções
LocuçõesLocuções
Locuções
Edson Dorneles
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
Julianne Rodrigues Pita
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ivan Barreto Dos Santos
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Joyce de Oliveira
 

Mais procurados (20)

Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
A semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentaçãoA semana de arte moderna (1922) apresentação
A semana de arte moderna (1922) apresentação
 
Naturalismo no Brasil
Naturalismo no BrasilNaturalismo no Brasil
Naturalismo no Brasil
 
Regência Nominal
Regência NominalRegência Nominal
Regência Nominal
 
Pronomes ensino médio
Pronomes ensino médioPronomes ensino médio
Pronomes ensino médio
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Locuções
LocuçõesLocuções
Locuções
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 

Destaque

Movimentos modernistas
Movimentos modernistasMovimentos modernistas
Movimentos modernistas
AIESEC João Pessoa
 
Manifesto do verde amarelismo-litertura
Manifesto do verde  amarelismo-literturaManifesto do verde  amarelismo-litertura
Manifesto do verde amarelismo-litertura
walissoon
 
Movimentos modernistas
Movimentos modernistasMovimentos modernistas
Movimentos modernistas
AIESEC João Pessoa
 
Movimentos verde amarelo e anta
Movimentos verde amarelo e antaMovimentos verde amarelo e anta
Movimentos verde amarelo e anta
ma.no.el.ne.ves
 
Manifesto Antropófagico
Manifesto AntropófagicoManifesto Antropófagico
Manifesto Antropófagico
Lyssa Martins
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Priscila Barbosa
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
infoeducp2
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
licss
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
rillaryalvesj
 
Movimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasilMovimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasil
FILIPE NERI
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Carlos Alberto
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
Michele Pó
 
Novos Movimentos de vanguarda
Novos Movimentos de vanguardaNovos Movimentos de vanguarda
Novos Movimentos de vanguarda
Sónia Cruz
 
A vanguarda artística europeia
A vanguarda artística europeiaA vanguarda artística europeia
A vanguarda artística europeia
Fabiana Borges
 
Movimento pau brasil
Movimento pau brasilMovimento pau brasil
Movimento pau brasil
ma.no.el.ne.ves
 
Literatura - Vanguarda Européia
Literatura - Vanguarda EuropéiaLiteratura - Vanguarda Européia
Literatura - Vanguarda Européia
Carson Souza
 
Modernismo no brasil 2014
Modernismo no brasil   2014Modernismo no brasil   2014
Modernismo no brasil 2014
Lidiane Andrade
 
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoMovimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Thiago Rodrigues
 
Movimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Movimentos de Vanguardas Artísticas EuropeiasMovimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Movimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Douglas Capizani Campos
 

Destaque (20)

Movimentos modernistas
Movimentos modernistasMovimentos modernistas
Movimentos modernistas
 
Manifesto do verde amarelismo-litertura
Manifesto do verde  amarelismo-literturaManifesto do verde  amarelismo-litertura
Manifesto do verde amarelismo-litertura
 
Movimentos modernistas
Movimentos modernistasMovimentos modernistas
Movimentos modernistas
 
Movimentos verde amarelo e anta
Movimentos verde amarelo e antaMovimentos verde amarelo e anta
Movimentos verde amarelo e anta
 
Manifesto Antropófagico
Manifesto AntropófagicoManifesto Antropófagico
Manifesto Antropófagico
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Modernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª faseModernismo brasil 1ª fase
Modernismo brasil 1ª fase
 
Movimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasilMovimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasil
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Novos Movimentos de vanguarda
Novos Movimentos de vanguardaNovos Movimentos de vanguarda
Novos Movimentos de vanguarda
 
A vanguarda artística europeia
A vanguarda artística europeiaA vanguarda artística europeia
A vanguarda artística europeia
 
Movimento pau brasil
Movimento pau brasilMovimento pau brasil
Movimento pau brasil
 
Literatura - Vanguarda Européia
Literatura - Vanguarda EuropéiaLiteratura - Vanguarda Européia
Literatura - Vanguarda Européia
 
Modernismo no brasil 2014
Modernismo no brasil   2014Modernismo no brasil   2014
Modernismo no brasil 2014
 
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no ModernismoMovimentos de Vanguarda no Modernismo
Movimentos de Vanguarda no Modernismo
 
Movimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Movimentos de Vanguardas Artísticas EuropeiasMovimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
Movimentos de Vanguardas Artísticas Europeias
 

Semelhante a Literatura aula 22 - modernismo no brasil

Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
PATRICIA VIANA
 
A
AA
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte modernaISJ
 
Arte Moderna
Arte ModernaArte Moderna
Arte Moderna
guest1652ff
 
Arte Moderna
Arte ModernaArte Moderna
Arte Moderna
ISJ
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
José Ricardo Lima
 
Artes semana da arte moderna
Artes  semana da arte modernaArtes  semana da arte moderna
Artes semana da arte moderna
Edwin Juan
 
Modernismo e suas gerações no brasil sintetico
Modernismo e suas gerações no brasil sinteticoModernismo e suas gerações no brasil sintetico
Modernismo e suas gerações no brasil sintetico
Carlos Zaranza
 
12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx
RosenildaAparecidaLa
 
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.pptsemana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
billieeilish3214553
 
Semana da arte moderna
Semana da arte modernaSemana da arte moderna
Semana da arte moderna
ViniciusMSSantos
 
Semana da arte moderna 1992
Semana da arte moderna 1992Semana da arte moderna 1992
Semana da arte moderna 1992
GabrielaLimaPereira
 
Semana da Arte Moderna
Semana da Arte ModernaSemana da Arte Moderna
Semana da Arte Moderna
Rejane Medeiros
 
Arte MODERNA.pptx
Arte MODERNA.pptxArte MODERNA.pptx
Arte MODERNA.pptx
Marcia Tavares
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
Matheus Italo Nascimento
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
Maria da Paz
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
vinicius teles
 

Semelhante a Literatura aula 22 - modernismo no brasil (20)

Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
A
AA
A
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Arte Moderna
Arte ModernaArte Moderna
Arte Moderna
 
Arte Moderna
Arte ModernaArte Moderna
Arte Moderna
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Artes semana da arte moderna
Artes  semana da arte modernaArtes  semana da arte moderna
Artes semana da arte moderna
 
Modernismo e suas gerações no brasil sintetico
Modernismo e suas gerações no brasil sinteticoModernismo e suas gerações no brasil sintetico
Modernismo e suas gerações no brasil sintetico
 
12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx
 
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.pptsemana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
semana-da-arte-moderna-e-manifestos-modernistas-para-os-3os-anos.ppt
 
Semana da arte moderna
Semana da arte modernaSemana da arte moderna
Semana da arte moderna
 
Semana da arte moderna 1992
Semana da arte moderna 1992Semana da arte moderna 1992
Semana da arte moderna 1992
 
Semana da Arte Moderna
Semana da Arte ModernaSemana da Arte Moderna
Semana da Arte Moderna
 
Arte MODERNA.pptx
Arte MODERNA.pptxArte MODERNA.pptx
Arte MODERNA.pptx
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 

Mais de Juliana Oliveira

Interpretação de textos
Interpretação de textosInterpretação de textos
Interpretação de textos
Juliana Oliveira
 
Ppp 1
Ppp 1Ppp 1
Ppp 1
Ppp 1Ppp 1
1º momento
1º momento1º momento
1º momento
Juliana Oliveira
 
Trabalho De Inglês
Trabalho De InglêsTrabalho De Inglês
Trabalho De Inglês
Juliana Oliveira
 
O menino que
O menino queO menino que
O menino que
Juliana Oliveira
 
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Juliana Oliveira
 
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoFigura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Juliana Oliveira
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Juliana Oliveira
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Juliana Oliveira
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Juliana Oliveira
 

Mais de Juliana Oliveira (11)

Interpretação de textos
Interpretação de textosInterpretação de textos
Interpretação de textos
 
Ppp 1
Ppp 1Ppp 1
Ppp 1
 
Ppp 1
Ppp 1Ppp 1
Ppp 1
 
1º momento
1º momento1º momento
1º momento
 
Trabalho De Inglês
Trabalho De InglêsTrabalho De Inglês
Trabalho De Inglês
 
O menino que
O menino queO menino que
O menino que
 
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
Prticadeensinolnguainglesa planodeaula-090516200037-phpapp02
 
Figura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativoFigura de linguagem conotativo x denotativo
Figura de linguagem conotativo x denotativo
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Literatura aula 20 - vanguarda européia
Literatura   aula 20 - vanguarda européiaLiteratura   aula 20 - vanguarda européia
Literatura aula 20 - vanguarda européia
 

Literatura aula 22 - modernismo no brasil

  • 1. AULA 22 – LITERATURA PROFª Edna Prado MODERNISMO NO BRASIL I – CONTEXTO HISTÓRICO Muito influenciadas pelos movimentos da Vanguarda Européia e pelo Modernismo português, as manifestações modernas no Brasil começam a aparecer muito antes de 1922. Veja as próximas imagens: A Avenida paulista (Trianon), em 1917. A Avenida Tiradentes, em 1927.
  • 2. Essas imagens são da cidade de São Paulo na década de 20 do século passado. Nesse período São Paulo era considerada a cidade mais moderna de todo o Brasil. Moderna em todos os sentidos, tanto nos aspectos positivos, quanto nos aspectos negativos da modernidade. Já nessa época mostrava uma grande desigualdade: de um lado os grandes proprietários de indústrias, a alta sociedade cafeeira, símbolos da riqueza, e de outro os operários, os imigrantes, símbolos da miséria e da exploração. O marco inicial do Modernismo brasileiro foi a Semana de Arte Moderna de 1922, que ocorreu na cidade mais avançada, mais moderna da época: Teatro Municipal de São Paulo. Os dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922, entraram para a história da literatura brasileira , eles formam a conhecida “A Semana de Arte Moderna”, que ocorreu no teatro Municipal de São Paulo. Entretanto, é importante observamos que o Modernismo brasileiro não começou a partir desse evento. Vários fatos e trabalhos foram responsáveis pelo o que ocorreu na Semana. Entre os principais antecedentes da semana de 22 estão: a volta de Oswald de Andrade da Europa, onde entrou em contato com as inovações propostas pela Vanguarda Européia, principalmente com o Futurismo de Marinetti; a primeira exposição dos quadros expressionistas de Lasar Segall, chocando-se com a pintura acadêmica da época; a fundação da Revista Orpheu, símbolo do Modernismo em Portugal; a publicação de vários livros dos autores que participariam mais tarde da Semana de 22 e o grande estopim e a grande mola propulsora do Modernismo, segundo muitos estudiosos, a exposição da pintora Anita Malfatti, que como já vimos recebeu uma forte crítica de Monteiro Lobato, no artigo intitulado Paranóia ou Mistificação ?
  • 3. II – PARTICIPANTES DA SEMANA DE 22 Veja os principais participantes da Semana: * LITERATURA: Mário de Andrade Oswald de Andrade Ronald de Carvalho * PINTURA: Anita Malfatti Tarsila do Amaral Di Cavalcanti * MÚSICA: Heitor Villa-Lobos A Semana foi patrocinada pelas pessoas da elite paulistana e contou até com a presença de um autor já consagrado, membro da Academia Brasileira de Letras. Graça Aranha, pré-modernista autor do livro Canaã, foi o responsável pela cerimônia de abertura. Veja os cartazes da época sobre o evento: Cartaz da Semana de 22 e do Catálogo da Exposição de Artes Plásticas, ambos desenhados por Di Cavalcanti. O evento não foi apenas literário, vários artistas da música, da pintura, da escultura e de outras áreas, puderam mostrar seus trabalhos.
  • 4. Mas qual foi a reação da sociedade da época? Veja os comentários dos principais jornais da época: “Foi como se esperava, um notável fracasso a récita de ontem na pomposa Semana de Arte Moderna, que melhor e mais acertadamente deveria chamar-se Semana de Mal – às Artes”. Jornal Folha da Noite fevereiro de 1922 “As colunas da secção livre deste jornal estão à disposição de todos aqueles que, atacando a Semana de Arte Moderna, defendam o nosso patrimônio artístico”. Jornal O Estado de São Paulo fevereiro de 1922 “É preciso que se saiba que nos manicômios se produzem poemas, partituras, quadros e estátuas, e que essa arte de doidos tem o mesmo característico da arte dos futuristas e cubistas que andam soltos por aí”. Jornal do Comércio fevereiro de 1922 III – A SEMANA DE ARTE MODERNA DE 22 A Semana foi verdadeiramente um choque, uma afronta direta aos autores e à sociedade da época. Em outras palavras a Semana foi um escândalo público. Mas o que será que aconteceu de tão diferente nessa semana? Logo no primeiro dia, depois da abertura de Graça Aranha, o músico Villa-Lobos tem sua apresentação interrompida por vários assobios e vaias da platéia. No segundo dia, a confusão foi ainda maior. Ronald de Carvalho ao declamar o poema “Os Sapos”, de Manuel
  • 5. Bandeira, leva o público à loucura, repetindo bravamente o refrão do texto que se assemelha ao coaxar dos sapos. Mário de Andrade, quebrando todas as formalidades, recita, entre vaias, um poema nas escadarias do teatro e, para fechar a noite com chave de ouro, Villa- Lobos entra no palco de casaca, chinelos e guarda-chuva. A platéia escandalizada quase parte para a agressão física. Dizem as más línguas que entre “famílias direitas” não se comentavam os acontecimentos da Semana na presença de crianças e mulheres, tamanha sorte de barbaridades que lá aconteceram e que sobre a atitude de Villas-Lobos, na realidade não era uma afronta, mas um calo que o impedia de calçar sapato. Diante do acontecido, os organizadores ficaram felicíssimos, pois conseguiram o que queriam, ou seja, chocar a sociedade, destruir as estéticas tradicionais e conservadoras. Veja a célebre foto do grupo organizador, tirada no almoço de confraternização logo após o encerramento da semana: Veja um fragmento do poema considerado uma espécie de hino do Modernismo: Os sapos Enfunando os papos, Saem da penumbra, Aos pulos, os sapos. A luz os deslumbra. Em ronco que aterra,
  • 6. Berra o sapo-boi: _ “Meu pai foi à guerra!” _ “Não foi! _ “Foi!” _ “Não foi!” O sapo-tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: _ “Meu cancioneiro É bem martelado. Vede como primo Em comer os hiatos! Que arte! E nunca rimo Os termos cognatos. O meu verso é bom Frumento sem joio. Faço rimas com Consoantes de apoio. (...) Que soluças tu, Transido de frio, Sapo-cururu Da beira do rio ... Manuel Bandeira Os Sapos, de Manuel Bandeira é uma paródia do conhecido poema Profissão de Fé, do parnasiano Olavo Bilac. É um poema-piada, satirizando a extrema preocupação parnasiana com a forma, ou seja, com as rimas com a seleção vocabular. É crítica uma aos parnasianos. A expressão sapo tanoeiro é uma referência direta a Bilac, pois tanoeiro é um artesão. Lembre-se de que Bilac comparava a tarefa do poeta à do artesão. E sapo-cururu é o poeta moderno, autêntico, simples, sem artificialismos. IV – DESDOBRAMENTOS MODERNISTAS Veja os desdobramentos da semana:
  • 7. Os acontecimentos da semana ganham expressão nacional. As idéias modernistas aos poucos foram ganhando adeptos por todo o país. No período de 1922 a 1930, conhecido como a primeira fase modernista, a fase heróica, a fase de provocação de ruptura, de inovação, vários grupos, manifestos e revistas difundiram-se no cenário cultural brasileiro. Entre as revistas destacaram-se: REVISTAS *Klaxon (São Paulo) * Estética (Rio de Janeiro) * Festa (Rio de Janeiro) * A Revista (Minas Gerais) * Revista Antropofagia (São Paulo) A revista Klaxon foi a primeira a circular. Seu nome vem do termo em francês buzina, numa aproximação com o que ela queria realmente provocar: barulho, muito barulho. Seus artigos eram inovadores, exaltavam o progresso e recusavam “a arte vista como cópia da realidade”. Os principais organizadores da Semana participaram ativamente de sua elaboração. As revistas Estética e Festa, divulgaram as idéias modernistas no Rio de Janeiro. A primeira, a partir de um forte nacionalismo, buscou uma arte genuinamente brasileira. A segunda, ao contrário da maioria, apresentou um caráter mais espiritualista, identificado com os valores simbolistas. Uma das principais colaboradoras da revista Festa, foi a poetisa Cecília Meireles. A Revista, foi uma publicação mineira de periodicidade irregular e que contou, em seu primeiro número, com a colaboração de Carlos Drummond de Andrade. A mais polêmica de todas foi sem dúvida a R e v i s t a A n t r o p o f a g i a , que segundo seus criadores apresentou duas “dentições”, ou seja, duas fases. A primeira com publicações mensais e a segunda com publicações semanais. Juntamente com as revistas, vários manifestos foram escritos, de acordo com a ideologia adotada pelos grupos.
  • 8. V – MOVIMENTOS MODERNISTAS Veja os principais movimentos ou correntes desse período: CORRENTES MODERNISTAS * MOVIMENTO PAU-BRASIL * MOVIMENTO VERDE-AMARELO * MOVIMENTO ANTROPOFÁGICO * MOVIMENTO ESPIRITUALISTA Veja a capa da 1ª edição do manifesto Pau-Brasil: O movimento Pau-brasil, criado por Oswald de Andrade, tinha como objetivo a redescoberta e revalorização da cultura primitiva brasileira. Oswald queria uma poesia de exportação, daí o nome Pau-Brasil, nome do primeiro produto exportado pelo Brasil. O movimento Verde-Amarelo foi um movimento de reação ao movimento Pau-Brasil, pois ao contrário do primeiro, propunha uma arte livre das influências européias, buscando uma identidade realmente
  • 9. nacional. Para seus adeptos, o nacionalismo de Oswald era um nacionalismo importado. O movimento Antropofágico origina-se no trabalho da pintora Tarsila do Amaral. Veja uns de seus quadros: Urutu, 1928 Antropofagia, 1929 Abaporu, 1928 A b a p o r u é um termo indígena que significa “aquele que come gente,“antropófago”. Segundo uma crença indígena, comer o inimigo significava assimilar suas qualidades. Esses quadros fazem parte da chamada galeria antropofágica de Tarsila. E é com o quadro Abaporu, que tem início o movimento. Segundo a própria pintora, a idéia do movimento surgiu quando ela resolveu dar esse quadro de presente ao então marido Oswald de Andrade. O movimento antropofágico queria justamente isso, “devorar” a cultura estrangeira, para reelaborá-la com autonomia.
  • 10. O movimento espiritualista, como o próprio nome já sugere, voltou-se para o interior do ser humano, para o misticismo e a religião, mostrando-se um pouco distante da irreverência dos outros movimentos. Buscava uma conciliação entre o passado e o futuro. Há também uma corrente regionalista, voltada para a valorização da cultura regional, especialmente a nordestina. VI – FASES MODERNISTAS Costuma-se dividir o Modernismo brasileiro em três grandes fases. Veja quais são: 1ª Fase (1922-1930) HERÓICA • Oswald de Andrade • Mário de Andrade • Manuel Bandeira • Alcântara Machado 2ª Fase (1930-1945) CONSOLIDAÇÃO POESIA: • Carlos Drummond de Andrade • Cecília Meireles • Vinícius de Moraes PROSA: • José Lins do Rego • Graciliano Ramos • Jorge Amado
  • 11. 3ª Fase (1945 em diante) REFLEXÃO • Guimarães Rosa • Clarice Lispector • João Cabral de Melo Neto A primeira fase, conhecida como heróica, compreende o período de 1922 a 1930 e apresenta o desejo de liberdade, de ruptura e de destruição do passado como características marcantes. Os principais autores são: Oswald de Andrade, Mário de Andrade, M a n u e l Bandeira e Alcântara Machado. A segunda se estende de 1930 a 1945 e é conhecida como a fase da consolidação das conquistas anteriores. Essa segunda fase subdivide-se em dois grupos: a poesia, em que se destacam: Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles e Vinícius de Moraes e a prosa, representada entre outros autores, por José Lins do Rego, Graciliano Ramos e Jorge Amado. A terceira fase, de 1945 em diante, é conhecida como a fase da reflexão e da universalidade temática. Os principais autores desse período são: Guimarães Rosa, Clarice Lispector e João Cabral de Melo Neto.