SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
ÁGUA AMÔNIA
Prof. Eduardo
Se dois átomos combinarem entre si,
dizemos que foi estabelecida entre eles
uma
LIGAÇÃO QUÍMICA
Os elétrons mais externos do átomo
são os responsáveis pela
ocorrência da ligação química
Prof. Eduardo Max
Para ocorrer uma ligação química
é necessário que os átomos
percam ou ganhem elétrons, ou, então,
compartilhem seus elétrons
de sua última camada
Na Cl
+ –
H H
O SÓDIO PERDEU
ELÉTRON
O CLORO GANHOU
ELÉTRON
OS ÁTOMOS DE HIDROGÊNIO COMPARTILHARAM
ELÉTRONS
Prof. Eduardo Max
Na maioria das ligações, os átomos ligantes
possuem distribuição eletrônica
semelhante à de um gás nobre, isto é,
apenas o nível K, completo, ou, 8 elétrons em
sua última camada
Esta idéia foi desenvolvida pelos
cientistas
Kossel e Lewis
e ficou conhecida como
TEORIA DO OCTETO
Prof. Eduardo Max
Um átomo que satisfaz A TEORIA DO OCTETO
é estável e é aplicada principalmente
para os elementos do subgrupo A
(representativos)
da tabela periódica
H (Z = 1)
He (Z = 2)
F (Z = 9)
Ne (Z = 10)
Na (Z = 11)
1s1
1s2
2s2
3s1
2p5
INSTÁVEL
1s2
2s2
2p6
1s2
2s2
2p6
1s2
ESTÁVEL
INSTÁVEL
ESTÁVEL
INSTÁVEL
Prof. Eduardo Max
Na maioria das vezes, os átomos que:
Perdem elétrons
são os metais das famílias 1A, 2A e 3A
Recebem elétrons
são ametais das famílias 5A, 6A e 7A
Prof. Eduardo Max
01) Os átomos pertencentes à família dos metais
alcalinos terrosos e dos halogênios adquirem
configuração eletrônica de gases nobres quando,
respectivamente, formam íons com números de
carga:
a) + 1 e – 1.
b) – 1 e + 2.
c) + 2 e – 1.
d) – 2 e – 2.
e) + 1 e – 2.
ALCALINOS
TERROSOS
HALOGÊNIOS
FAMÍLIA 2A
FAMÍLIA 7A
PERDE
2 ELÉTRONS
GANHA
1 ELÉTRONS
+ 2
– 1
Prof. Eduardo Max
02) Um átomo X apresenta 13 prótons e 14 nêutrons.
A carga
do íon estável formado a partir deste átomo
será:a) – 2.
b) – 1.
c) + 1.
d) + 2.
e) + 3.
1s2
2s2
2p6
3s2
3p1
ÚLTIMA
CAMADA
3 ELÉTRONS
PERDE
3 ELÉTRONS
+ 3
X (Z = 13)
LIGAÇÃO IÔNICA ou
ELETROVALENTE
Esta ligação ocorre devido à
ATRAÇÃO ELETROSTÁTICA
entre íons de cargas opostas
Na ligação iônica os átomos ligantes
apresentam uma grande
diferença de eletronegatividade ,
isto é, um é
METAL e o outro AMETAL
LIGAÇÃO ENTRE O SÓDIO (Z = 11) E CLORO (Z = 17)
Na (Z = 11) 1s2
2s2
2p6
3s1
PERDE 1 ELÉTRON
Cl (Z = 17)1s2
2s2
2p6
3s2
3p5
RECEBE 1 ELÉTRON
CLORETO DE SÓDIO
Na Cl
+ –
Na Cl
+ –
Prof. Eduardo Max
UMA REGRA PRÁTICA
Para compostos iônicos
poderemos usar na obtenção da
fórmula final o seguinte
esquema geral
C A
x y
Prof. Eduardo Max
01) A camada mais externa de um elemento X possui
3 elétrons, enquanto a camada mais externa de
outro elemento Y tem 6 elétrons. Uma
provável fórmula de um composto, formado por
esses elementos é:
a) X2Y3.
b) X6Y.
c) X3Y.
d) X6Y3.
e) XY.
X
Y
perde 3 elétrons
ganha 2 elétrons
X3+
Y 2–
X Y
23
Prof. Eduardo Max
02) O composto formado pela combinação do elemento
X (Z = 20) com o elemento Y (Z = 9)
provavelmente tem fórmula:
a) XY.
b)
XY2.
c)
X3Y.
d)
XY3.
e)
X2Y.
X (Z = 20) 4s2
1s2
2s2
2p6
3s2
3p6
Y (Z = 9)
X perde 2 elétrons X 2+
2s2
2p5
1s2
Y ganha 1 elétron Y 1 –
12
YX
Prof. Eduardo Max
A principal característica desta ligação é
o compartilhamento (formação de pares)
de elétrons entre os dois átomos ligantes
Os átomos que participam da ligação
covalente são
AMETAIS, SEMIMETAIS e o
HIDROGÊNIO
Os pares de elétrons compartilhados
são contados para os dois átomos
ligantes
Prof. Eduardo Max
É quando cada um dos átomos ligantes
contribui com
um elétron para a formação do par
Prof. Eduardo Max
Consideremos, como primeiro exemplo, a
união entre dois átomos do
ELEMENTO HIDROGÊNIO (H)
para formar a molécula da substância
SIMPLES HIDROGÊNIO (H2)
H H
H H
FÓRMULA ELETRÔNICA
2H H
FÓRMULA ESTRUTURAL PLANA
FÓRMULA MOLECULAR
H (Z = 1) 1s1
Prof. Eduardo Max
Consideremos, como segundo exemplo, a união
entre dois átomos do
ELEMENTO NITROGÊNIO (N)
para formar a molécula da substância
SIMPLES NITROGÊNIO (N2)
N (Z = 7) 2s2
2p
3
1s2
N NN N FÓRMULA ELETRÔNICA
N N
N
FÓRMULA ESTRUTURAL PLANA
2
FÓRMULA MOLECULAR
Consideremos, como terceiro exemplo, a
união entre dois átomos do ELEMENTO
HIDROGÊNIO e um átomo do ELEMENTO
OXIGÊNIO para formar a substância
COMPOSTA ÁGUA (H2O)
H (Z = 1) 1s1
O (Z = 8) 2s2
2p4
1s2
OH H
O
H H
FÓRMULA ELETRÔNICA
FÓRMULA ESTRUTURAL PLANA
H2O FÓRMULA MOLECULAR
Prof. Eduardo Max
01) Os elementos químicos N e Cl podem
combinar-se
formando a substância:
Dados: N (Z = 7); Cl (Z = 17)
a) NCl e molecular.
b) NCl2 e iônica.
c) NCl2 e molecular.
d) NCl3 e iônica.
e) NCl3 e molecular.
omo os dois átomos são AMETAIS a ligação é molecular (covalen
Cl (Z = 17) 1s2
2s2
2p6
3s2
3p5
N (Z = 7) 1s2
2s2
2p3
NCl
Cl
Cl
NCl3
02) (UESPI) O fosfogênio (COCl2
), um gás incolor, tóxico, de cheiro penetrante,
utilizado na Primeira Guerra Mundial como gás asfixiante, é produzido a
partir da reação:
CO(g)
+ Cl2(g)
 COCl2(g)
Sobre a molécula do fosfogênio, podemos afirmar que ela apresenta:
a) duas ligações duplas e duas ligações simples
b) uma ligação dupla e duas ligações simples
c) duas ligações duplas e uma ligação simples
d) uma ligação tripla e uma ligação dupla
e) uma ligação tripla e uma simples
Pág.114
Ex. 02
CO
Cl
Cl
03) Observe a estrutura genérica representada abaixo;
Para que o composto esteja corretamente representado, de acordo com as
ligações químicas indicadas na estrutura, X deverá ser substituído pelo
seguinte elemento:
a) fósforo
b) enxofre
c) carbono
d) nitrogênio
e) cloro
X
H
H
O
O
OC
Pág.115
Ex. 02
Prof. Eduardo Max
Se apenas um dos átomos contribuir com
os dois elétrons do par, a ligação será
COVALENTE DATIVA ou COORDENADA
A ligação dativa é indicada por uma seta que
sai do átomo que cede os elétrons chegando
no átomo que recebe estes elétrons, através
do compartilhamento
Prof. Eduardo Max
Vamos mostrar a ligação DATIVA, inicialmente, na molécula do
dióxido de enxofre (SO2),
onde os átomos de oxigênio e enxofre possuem
6 elétrons na camada de valência
S O
O
S O
O
FÓRMULA ELETRÔNICA
FÓRMULA ESTRUTURAL PLANA
SO2
FÓRMULA MOLECULAR
Prof. Eduardo Max
01) O gás carbônico (CO2) é o principal responsável pelo efeito estufa, enquanto
o dióxido de enxofre (SO2) é um dos principais poluentes atmosféricos.
Se considerarmos uma molécula de CO2 e uma molécula de SO2, podemos
afirmar que o número total de elétrons compartilhados em cada molécula é
respectivamente igual a:
Dados: números atômicos: C = 6; 0 = 8; S = 16.
a) 4 e 3.
b) 2 e 4.
c) 4 e 4.
d) 8 e 4.
e) 8 e 6.
CO
O
O
SO
Pág.114
Ex. 03
Prof. Eduardo Max
02) Certo átomo pode formar 3 covalências normais e 1 dativa. Qual
a provável família desse elemento na classificação periódica?
a) 3 A .
b) 4 A .
c) 5 A .
d) 6 A .
e) 7 A .
X 5
A
Prof. Eduardo Max
DESOBEDIÊNCIA À REGRA DO OCTETO
Hoje são conhecidos compostos que não obedecem
à regra do OCTETO
Átomos que ficam estáveis com menos de 8 elétrons
na camada de valência
H Be H
O berílio ficou estável com 4 elétrons
na camada de valência
H Be H
B
F
F
F
O boro ficou estável com 6 elétrons
na camada de valência
B
F
F
F
Prof. Eduardo Max
Átomos que ficam estáveis com mais de 8 elétrons
na camada de valência
S
F
F
F
F
F F
S
F
F
F
F
F F
O enxofre ficou estável com 12 elétrons
na camada de valência
Prof. Eduardo Max
P
Cl
Cl
Cl
ClCl
P
Cl
Cl
Cl
ClCl
O fósforo ficou estável com 10 elétrons
na camada de valência
Prof. Eduardo Max
Átomo que fica estável com número impar de elétrons
na camada de valência
O N O O N O
O nitrogênio ficou estável com 7 elétrons
na camada de valência.
Compostos dos gases nobres
F Xe F Xe
F F
FF
Recentemente foram produzidos vários compostos
com os gases nobres
Estes compostos só ocorrem com gases nobres de
átomos grandes, que comportam a camada expandida
de valência
01) (PUC-SP) Qual das seguintes séries contém todos
os compostos covalentes, cuja estabilização ocorre
sem que atinjam o octeto?
a) BeCl2, BF3, H3BO3, PCl5.
b) CO, NH3, HClO, H2SO3.
c) CO2, NH4OH, HClO2,
H2SO4.
d) HClO3, HNO3, H2CO3, SO2.
e) HCl, HNO3, HCN, SO3.
Prof. Eduardo Max
elementos dos grupos IA a VIIIA da tabela periódica
tendem a
formar ligações químicas de modo a preencher oito
elétrons na
última camada. Esta é a regra do octeto. Mas, como
toda regra
tem exceção, assinale a opção que mostra somente
moléculas
que não obedecem a esta regra:
BH3
CH4
H2
O HCl XeF6
I II III IV V
a) I, II e III.
b) II, II e IV.
c) IV e V.
d) I e IV.
e) I e V.
Prof. Eduardo Max
A forma geométrica de uma molécula pode ser
obtida a partir de vários meios, entre os quais destacamos
as
REGRAS DE HELFERICH,
que podem ser resumidas da seguinte forma:
O C O
OH H
Estas moléculas podem ser LINEARES ou ANGULARES
Se o átomo central “A”
não possui par de elétrons
disponíveis, a molécula é
LINEAR
Se o átomo central “A”
possui um ou mais pares
de elétrons disponíveis,
a molécula é
ANGULAR
Prof. Eduardo Max
B
F
F
F
N
Cl
Cl
Cl
Estas moléculas podem ser TRIGONAL PLANA ou PIRAMIDAL
Se o átomo central “A”
não possui par de
elétrons disponíveis a
geometria da molécula
será
TRIGONAL PLANA
Se o átomo central “A”
possui par de elétrons
disponíveis a
geometria da molécula
será
PIRAMIDAL
C
Cl
Cl
Cl
Cl
Estas moléculas terão uma geometria
TETRAÉDRICA
Prof. Eduardo Max
moléculas do PCl 5
Estas moléculas terão uma geometria
BIPIRÂMIDE TRIGONAL
Prof. Eduardo Max
moléculas do SF6
Estas moléculas terão uma geometria
OCTAÉDRICA
Prof. Eduardo Max
01) Dados os compostos covalentes, com as respectivas
estruturas:
I : BeH2 - linear.
II : CH4 - tetraédrica.
III : H2O - linear.
IV : BF3 - piramidal.
V : NH3 - trigonal plana.
Pode-se afirmar que estão corretas:
a) apenas I e II.
b) apenas II, IV e V.
c) apenas II, III e IV.
d) apenas I, III e V.
e) todas.
Verdadeiro
Falso
Falso
Verdadeiro
Falso
02) As moléculas do CH4 e NH3 apresentam, as
seguintes
respectivamente, as seguintes geometrias:
a) quadrada plana e tetraédrica.
b) pirâmide trigonal e angular.
c) quadrada plana e triangular plana.
d) pirâmide tetragonal e quadrada plana.
e) tetraédrica e pirâmide triangular.
Estas moléculas terão
uma geometria
TETRAÉDRICA
CH4
N
H
H
H
Se o átomo central
“A”
possui par de
elétrons
disponíveis a
geometria da
molécula será
PIRAMIDAL
ClH
CLORO
é mais eletronegativo que o
HIDROGÊNIO
d+ d-
Prof. Eduardo Max
HH
Os dois átomos
possuem a mesma
ELETRONEGATIVIDADE
Prof. Eduardo Max
A polaridade de uma molécula
que possui mais de dois átomos é expressa pelo
VETOR MOMENTO DE DIPOLO RESULTANTE ( )u
Se ele for NULO, a molécula será APOLAR;
caso contrário, POLAR.
Prof. Eduardo Max
CO O
A resultante das forças é nula
(forças de mesma intensidade, mesma direção
e sentidos opostos)
A molécula do CO2 é APOLAR
O
H H
A resultante das forças é
diferente de ZERO
A molécula da água é
POLAR
Prof. Eduardo Max
01) Assinale a opção na qual as duas substâncias são
apolares:
a) NaCl e CCl4.
b) HCl e N2.
c) H2O e O2.
d) CH4 e Cl2.
e) CO2 e HF.
CH4 e CCl4 têm geometria TETRAÉDRICA
com todos os ligantes
do carbono iguais, portanto, são
APOLARES
CH4, CCl4,
CO2 tem geometria LINEAR
com todos os ligantes
do carbono iguais, portanto, é
APOLAR
CO2,
N2, O2 e Cl2 são substâncias SIMPLES,
portanto, são
APOLARES
N2, O2, Cl2.
Prof. Eduardo Max
) (UFES) A molécula que apresenta momento dipolar difere
de zero (molecular polar) é:
a) CS2.
b)
CBr4.
c)
BCl3.
d)
BeH2.
e) NH3.
NH3 tem geometria
piramidal, portanto, é
POLAR
NH3 tem geometria
piramidal, portanto, é
POLAR
03)(UFRS) O momento dipolar é a medida quantitativa dapolaridade de uma
ligação. Emmoléculas apolares, aresultantedos momentos dipolares referentes
atodas as ligações apresentavalorigualazero. Entreas substâncias covalentes
abaixo:
I)CH4 II)CS2 III)HBr IV)N2
Quais as queapresentamaresultantedomomentodipolarigualazero?
CH4
Molécula
tetraédricaque
são
APOLARES
moléculas
LINEARES
com ligantes
iguais são
APOLARES
S C S BrH
moléculas
DIATÔMICAS
com ligantes
diferentes são
POLARES
NN
moléculas
DIATÔMICAS
com ligantes
iguais são
APOLARES
São as ligações que resultam da
interação
ENTRE MOLÉCULAS, isto é,
mantêm unidas moléculas de uma
substância
As ligações INTERMOLECULARES podem ser em:
Dipolo permanente – dipolo permanente
Dipolo induzido – dipolo induzido ou
forças de dispersão de London
Ponte de hidrogênio
Prof. Eduardo Max
Em uma MOLÉCULA POLAR sua
extremidade NEGATIVA atrai a extremidade POSITIVA da
molécula vizinha, o mesmo ocorre com sua extremidade positiva
que interage com a parte negativa de outra molécula vizinha
+ – + – + –
+– +– +–
Nas moléculas APOLARES, uma nuvem
de elétrons se encontra em constante movimento
H H– H H –
Se, durante uma fração de segundo, esta nuvem eletrônica
estiver deslocada para um dos extremos da molécula,
pode-se dizer que foi criado um
DIPOLO INDUZIDO,
isto é, por um pequeno espaço a molécula possui PÓLOS
Um caso extremo de atração dipolo – dipolo ocorre quando
temos o HIDROGÊNIO ligado a átomos pequenos e
muito eletronegativos, especialmente
o FLÚOR, o OXIGÊNIO e o NITROGÊNIO.
Esta forte atração chama-se
PONTE DE HIDROGÊNIO,
sendo verificada nos estados sólido e líquido
HF
H F H F
HF
Prof. Eduardo Max
As pontes de hidrogênio são mais intensas que
as forças dipolo – dipolo permanente, e estas mais intensas que
as interações dipolo – dipolo induzido
O
H
O
H
O
H
H
O
H H
O
H
H
H
H
O
H
H
01) Compostos de HF, NH3 e H2O apresentam
pontos de
fusão e ebulição maiores quando comparados
com H2S
e HCl, por exemplo, devido às:
a) forças de Van Der
Waals.
b) forças de London.
c) pontes de hidrogênio.
d) interações
eletrostáticas.
e) ligações iônicas.
Prof. Eduardo Max
para o estado gasoso em condições ambiente; por outro
lado, o
gelo comum derrete nas mesmas condições em água
líquida, a
qual passa para o estado gasoso numa temperatura
próxima a
100°C. Nas três mudanças de estados físicos,
respectivamente,
são rompidas:
a) ligações covalentes, pontes de hidrogênio e pontes
de hidrogênio.
b) interações de Van der Waals, ligações iônicas e
ligações iônicas.
c) interações de Van der Waals, pontes de hidrogênio e
ligações covalentes.
d) interações de Van der Waals, pontes de hidrogênio e
pontes de hidrogênio.
e) interações de Van der Waals, pontes de hidrogênio
e interações de Van der Waals.
03) Considere o texto abaixo.
“Nos icebergs, as moléculas polares da água associam-se
por.................................
No gelo seco, as moléculas apolares do dióxido de carbono unem-
se por
...................................... . Conseqüentemente, a 1 atm de pressão, é
possível
prever que a mudança de estado de agregação do gelo ocorra a uma
temperatura
................ do que a do gelo seco.”
I
II
III
Para completá-lo corretamente, I, II e III devem ser substituídos,
respectivamente, por:
a) Forças de London, pontes de hidrogênio e menor.
b) Pontes de hidrogênio, forças de Van der Waals e
maior.
c) Forças de Van der Waals, pontes de hidrogênio e
maior.
d) Forças de Van der Waals, forças de London e
menor.
e) Pontes de hidrogênio, pontes de hidrogênio e
maior.
PONTES DEHIDROGÊNIO
FORÇAS DEVAN DERWAALS
MAIOR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Slide tabela periodica
Slide tabela periodicaSlide tabela periodica
Slide tabela periodica
 
Modelo de bohr
Modelo de bohrModelo de bohr
Modelo de bohr
 
Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
 
Propriedades periódicas
Propriedades periódicas Propriedades periódicas
Propriedades periódicas
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Teste de Chama
Teste de ChamaTeste de Chama
Teste de Chama
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Hibridização de orbitais atômicos
Hibridização de orbitais atômicosHibridização de orbitais atômicos
Hibridização de orbitais atômicos
 
Aula sobre grandezas químicas
Aula sobre grandezas químicasAula sobre grandezas químicas
Aula sobre grandezas químicas
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Modelo atômico de bohr
Modelo atômico de bohrModelo atômico de bohr
Modelo atômico de bohr
 
Hidrocarbonetos
HidrocarbonetosHidrocarbonetos
Hidrocarbonetos
 
Aula - Ligação Química
Aula - Ligação QuímicaAula - Ligação Química
Aula - Ligação Química
 
Evolução do modelo atómico (final)
Evolução do modelo atómico (final)Evolução do modelo atómico (final)
Evolução do modelo atómico (final)
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônicaDistribuição eletrônica
Distribuição eletrônica
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 

Destaque

Destaque (11)

Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Guia defeito compressores
Guia defeito compressoresGuia defeito compressores
Guia defeito compressores
 
Fonte de alimentação 25W 12V ou 24V
Fonte de alimentação 25W 12V ou 24VFonte de alimentação 25W 12V ou 24V
Fonte de alimentação 25W 12V ou 24V
 
Os Dez Mandamentos
Os Dez MandamentosOs Dez Mandamentos
Os Dez Mandamentos
 
Cadastro casas espíritas de mg
Cadastro casas espíritas de mgCadastro casas espíritas de mg
Cadastro casas espíritas de mg
 
Diagnósticos de Defeitos Moto
Diagnósticos de Defeitos MotoDiagnósticos de Defeitos Moto
Diagnósticos de Defeitos Moto
 
Metodos Naturais
Metodos Naturais Metodos Naturais
Metodos Naturais
 
Governo Sarney
Governo SarneyGoverno Sarney
Governo Sarney
 
Substantivo 6
Substantivo 6Substantivo 6
Substantivo 6
 
Ar condicionado
Ar condicionadoAr condicionado
Ar condicionado
 
1.13.01.201 rad-703 ver1.03-manual-falhas
1.13.01.201 rad-703 ver1.03-manual-falhas1.13.01.201 rad-703 ver1.03-manual-falhas
1.13.01.201 rad-703 ver1.03-manual-falhas
 

Semelhante a Ligações Químicas - 1º ano

Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações QuímicasVinny Silva
 
Aula ligação química lidiane
Aula ligação química lidianeAula ligação química lidiane
Aula ligação química lidianeThiago Santos
 
INTRODUÇÃO À LIGAÇÃO QUÍMICA 9° ANO
INTRODUÇÃO À LIGAÇÃO QUÍMICA 9° ANOINTRODUÇÃO À LIGAÇÃO QUÍMICA 9° ANO
INTRODUÇÃO À LIGAÇÃO QUÍMICA 9° ANOSocorro Barros
 
Exerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligaçõesExerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligaçõesRenata Martins
 
Aula_Átomo e modelos atômicos_Final.pptx
Aula_Átomo e modelos atômicos_Final.pptxAula_Átomo e modelos atômicos_Final.pptx
Aula_Átomo e modelos atômicos_Final.pptxLucianeTomzRodrigues
 
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdfQUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdfLuiz Avelar
 
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRN
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRNAula Quimica Organica,- introdução- IFRN
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRNthaliasampaio2
 

Semelhante a Ligações Químicas - 1º ano (20)

Ligações química
Ligações químicaLigações química
Ligações química
 
Aula 5 Ligações Quimicas
Aula 5   Ligações QuimicasAula 5   Ligações Quimicas
Aula 5 Ligações Quimicas
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
239
239239
239
 
Ligacoes
LigacoesLigacoes
Ligacoes
 
Aula ligação química lidiane
Aula ligação química lidianeAula ligação química lidiane
Aula ligação química lidiane
 
Estruturas de Lewis
Estruturas de LewisEstruturas de Lewis
Estruturas de Lewis
 
Estruturas de Lewis
Estruturas de LewisEstruturas de Lewis
Estruturas de Lewis
 
INTRODUÇÃO À LIGAÇÃO QUÍMICA 9° ANO
INTRODUÇÃO À LIGAÇÃO QUÍMICA 9° ANOINTRODUÇÃO À LIGAÇÃO QUÍMICA 9° ANO
INTRODUÇÃO À LIGAÇÃO QUÍMICA 9° ANO
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Exerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligaçõesExerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligações
 
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômicaAula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
Aula 2: Estrutura atômica e ligação interatômica
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
Aula_Átomo e modelos atômicos_Final.pptx
Aula_Átomo e modelos atômicos_Final.pptxAula_Átomo e modelos atômicos_Final.pptx
Aula_Átomo e modelos atômicos_Final.pptx
 
Teoria atômica
Teoria atômicaTeoria atômica
Teoria atômica
 
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdfQUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
QUÍMICA, apostila-46pag pré vestibular gratuita material para estudar em pdf
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
 
Ligações químicas
Ligações químicas Ligações químicas
Ligações químicas
 
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRN
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRNAula Quimica Organica,- introdução- IFRN
Aula Quimica Organica,- introdução- IFRN
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 

Último

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

Ligações Químicas - 1º ano

  • 2. Se dois átomos combinarem entre si, dizemos que foi estabelecida entre eles uma LIGAÇÃO QUÍMICA Os elétrons mais externos do átomo são os responsáveis pela ocorrência da ligação química Prof. Eduardo Max
  • 3. Para ocorrer uma ligação química é necessário que os átomos percam ou ganhem elétrons, ou, então, compartilhem seus elétrons de sua última camada Na Cl + – H H O SÓDIO PERDEU ELÉTRON O CLORO GANHOU ELÉTRON OS ÁTOMOS DE HIDROGÊNIO COMPARTILHARAM ELÉTRONS Prof. Eduardo Max
  • 4. Na maioria das ligações, os átomos ligantes possuem distribuição eletrônica semelhante à de um gás nobre, isto é, apenas o nível K, completo, ou, 8 elétrons em sua última camada Esta idéia foi desenvolvida pelos cientistas Kossel e Lewis e ficou conhecida como TEORIA DO OCTETO Prof. Eduardo Max
  • 5. Um átomo que satisfaz A TEORIA DO OCTETO é estável e é aplicada principalmente para os elementos do subgrupo A (representativos) da tabela periódica H (Z = 1) He (Z = 2) F (Z = 9) Ne (Z = 10) Na (Z = 11) 1s1 1s2 2s2 3s1 2p5 INSTÁVEL 1s2 2s2 2p6 1s2 2s2 2p6 1s2 ESTÁVEL INSTÁVEL ESTÁVEL INSTÁVEL Prof. Eduardo Max
  • 6. Na maioria das vezes, os átomos que: Perdem elétrons são os metais das famílias 1A, 2A e 3A Recebem elétrons são ametais das famílias 5A, 6A e 7A Prof. Eduardo Max
  • 7. 01) Os átomos pertencentes à família dos metais alcalinos terrosos e dos halogênios adquirem configuração eletrônica de gases nobres quando, respectivamente, formam íons com números de carga: a) + 1 e – 1. b) – 1 e + 2. c) + 2 e – 1. d) – 2 e – 2. e) + 1 e – 2. ALCALINOS TERROSOS HALOGÊNIOS FAMÍLIA 2A FAMÍLIA 7A PERDE 2 ELÉTRONS GANHA 1 ELÉTRONS + 2 – 1 Prof. Eduardo Max
  • 8. 02) Um átomo X apresenta 13 prótons e 14 nêutrons. A carga do íon estável formado a partir deste átomo será:a) – 2. b) – 1. c) + 1. d) + 2. e) + 3. 1s2 2s2 2p6 3s2 3p1 ÚLTIMA CAMADA 3 ELÉTRONS PERDE 3 ELÉTRONS + 3 X (Z = 13)
  • 9. LIGAÇÃO IÔNICA ou ELETROVALENTE Esta ligação ocorre devido à ATRAÇÃO ELETROSTÁTICA entre íons de cargas opostas Na ligação iônica os átomos ligantes apresentam uma grande diferença de eletronegatividade , isto é, um é METAL e o outro AMETAL
  • 10. LIGAÇÃO ENTRE O SÓDIO (Z = 11) E CLORO (Z = 17) Na (Z = 11) 1s2 2s2 2p6 3s1 PERDE 1 ELÉTRON Cl (Z = 17)1s2 2s2 2p6 3s2 3p5 RECEBE 1 ELÉTRON CLORETO DE SÓDIO Na Cl + – Na Cl + – Prof. Eduardo Max
  • 11. UMA REGRA PRÁTICA Para compostos iônicos poderemos usar na obtenção da fórmula final o seguinte esquema geral C A x y Prof. Eduardo Max
  • 12. 01) A camada mais externa de um elemento X possui 3 elétrons, enquanto a camada mais externa de outro elemento Y tem 6 elétrons. Uma provável fórmula de um composto, formado por esses elementos é: a) X2Y3. b) X6Y. c) X3Y. d) X6Y3. e) XY. X Y perde 3 elétrons ganha 2 elétrons X3+ Y 2– X Y 23 Prof. Eduardo Max
  • 13. 02) O composto formado pela combinação do elemento X (Z = 20) com o elemento Y (Z = 9) provavelmente tem fórmula: a) XY. b) XY2. c) X3Y. d) XY3. e) X2Y. X (Z = 20) 4s2 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 Y (Z = 9) X perde 2 elétrons X 2+ 2s2 2p5 1s2 Y ganha 1 elétron Y 1 – 12 YX Prof. Eduardo Max
  • 14. A principal característica desta ligação é o compartilhamento (formação de pares) de elétrons entre os dois átomos ligantes Os átomos que participam da ligação covalente são AMETAIS, SEMIMETAIS e o HIDROGÊNIO Os pares de elétrons compartilhados são contados para os dois átomos ligantes Prof. Eduardo Max
  • 15. É quando cada um dos átomos ligantes contribui com um elétron para a formação do par Prof. Eduardo Max
  • 16. Consideremos, como primeiro exemplo, a união entre dois átomos do ELEMENTO HIDROGÊNIO (H) para formar a molécula da substância SIMPLES HIDROGÊNIO (H2) H H H H FÓRMULA ELETRÔNICA 2H H FÓRMULA ESTRUTURAL PLANA FÓRMULA MOLECULAR H (Z = 1) 1s1 Prof. Eduardo Max
  • 17. Consideremos, como segundo exemplo, a união entre dois átomos do ELEMENTO NITROGÊNIO (N) para formar a molécula da substância SIMPLES NITROGÊNIO (N2) N (Z = 7) 2s2 2p 3 1s2 N NN N FÓRMULA ELETRÔNICA N N N FÓRMULA ESTRUTURAL PLANA 2 FÓRMULA MOLECULAR
  • 18. Consideremos, como terceiro exemplo, a união entre dois átomos do ELEMENTO HIDROGÊNIO e um átomo do ELEMENTO OXIGÊNIO para formar a substância COMPOSTA ÁGUA (H2O) H (Z = 1) 1s1 O (Z = 8) 2s2 2p4 1s2 OH H O H H FÓRMULA ELETRÔNICA FÓRMULA ESTRUTURAL PLANA H2O FÓRMULA MOLECULAR Prof. Eduardo Max
  • 19. 01) Os elementos químicos N e Cl podem combinar-se formando a substância: Dados: N (Z = 7); Cl (Z = 17) a) NCl e molecular. b) NCl2 e iônica. c) NCl2 e molecular. d) NCl3 e iônica. e) NCl3 e molecular. omo os dois átomos são AMETAIS a ligação é molecular (covalen Cl (Z = 17) 1s2 2s2 2p6 3s2 3p5 N (Z = 7) 1s2 2s2 2p3 NCl Cl Cl NCl3
  • 20. 02) (UESPI) O fosfogênio (COCl2 ), um gás incolor, tóxico, de cheiro penetrante, utilizado na Primeira Guerra Mundial como gás asfixiante, é produzido a partir da reação: CO(g) + Cl2(g)  COCl2(g) Sobre a molécula do fosfogênio, podemos afirmar que ela apresenta: a) duas ligações duplas e duas ligações simples b) uma ligação dupla e duas ligações simples c) duas ligações duplas e uma ligação simples d) uma ligação tripla e uma ligação dupla e) uma ligação tripla e uma simples Pág.114 Ex. 02 CO Cl Cl
  • 21. 03) Observe a estrutura genérica representada abaixo; Para que o composto esteja corretamente representado, de acordo com as ligações químicas indicadas na estrutura, X deverá ser substituído pelo seguinte elemento: a) fósforo b) enxofre c) carbono d) nitrogênio e) cloro X H H O O OC Pág.115 Ex. 02 Prof. Eduardo Max
  • 22. Se apenas um dos átomos contribuir com os dois elétrons do par, a ligação será COVALENTE DATIVA ou COORDENADA A ligação dativa é indicada por uma seta que sai do átomo que cede os elétrons chegando no átomo que recebe estes elétrons, através do compartilhamento Prof. Eduardo Max
  • 23. Vamos mostrar a ligação DATIVA, inicialmente, na molécula do dióxido de enxofre (SO2), onde os átomos de oxigênio e enxofre possuem 6 elétrons na camada de valência S O O S O O FÓRMULA ELETRÔNICA FÓRMULA ESTRUTURAL PLANA SO2 FÓRMULA MOLECULAR Prof. Eduardo Max
  • 24. 01) O gás carbônico (CO2) é o principal responsável pelo efeito estufa, enquanto o dióxido de enxofre (SO2) é um dos principais poluentes atmosféricos. Se considerarmos uma molécula de CO2 e uma molécula de SO2, podemos afirmar que o número total de elétrons compartilhados em cada molécula é respectivamente igual a: Dados: números atômicos: C = 6; 0 = 8; S = 16. a) 4 e 3. b) 2 e 4. c) 4 e 4. d) 8 e 4. e) 8 e 6. CO O O SO Pág.114 Ex. 03 Prof. Eduardo Max
  • 25. 02) Certo átomo pode formar 3 covalências normais e 1 dativa. Qual a provável família desse elemento na classificação periódica? a) 3 A . b) 4 A . c) 5 A . d) 6 A . e) 7 A . X 5 A Prof. Eduardo Max
  • 26. DESOBEDIÊNCIA À REGRA DO OCTETO Hoje são conhecidos compostos que não obedecem à regra do OCTETO Átomos que ficam estáveis com menos de 8 elétrons na camada de valência H Be H O berílio ficou estável com 4 elétrons na camada de valência H Be H
  • 27. B F F F O boro ficou estável com 6 elétrons na camada de valência B F F F Prof. Eduardo Max
  • 28. Átomos que ficam estáveis com mais de 8 elétrons na camada de valência S F F F F F F S F F F F F F O enxofre ficou estável com 12 elétrons na camada de valência Prof. Eduardo Max
  • 29. P Cl Cl Cl ClCl P Cl Cl Cl ClCl O fósforo ficou estável com 10 elétrons na camada de valência Prof. Eduardo Max
  • 30. Átomo que fica estável com número impar de elétrons na camada de valência O N O O N O O nitrogênio ficou estável com 7 elétrons na camada de valência.
  • 31. Compostos dos gases nobres F Xe F Xe F F FF Recentemente foram produzidos vários compostos com os gases nobres Estes compostos só ocorrem com gases nobres de átomos grandes, que comportam a camada expandida de valência
  • 32. 01) (PUC-SP) Qual das seguintes séries contém todos os compostos covalentes, cuja estabilização ocorre sem que atinjam o octeto? a) BeCl2, BF3, H3BO3, PCl5. b) CO, NH3, HClO, H2SO3. c) CO2, NH4OH, HClO2, H2SO4. d) HClO3, HNO3, H2CO3, SO2. e) HCl, HNO3, HCN, SO3. Prof. Eduardo Max
  • 33. elementos dos grupos IA a VIIIA da tabela periódica tendem a formar ligações químicas de modo a preencher oito elétrons na última camada. Esta é a regra do octeto. Mas, como toda regra tem exceção, assinale a opção que mostra somente moléculas que não obedecem a esta regra: BH3 CH4 H2 O HCl XeF6 I II III IV V a) I, II e III. b) II, II e IV. c) IV e V. d) I e IV. e) I e V. Prof. Eduardo Max
  • 34. A forma geométrica de uma molécula pode ser obtida a partir de vários meios, entre os quais destacamos as REGRAS DE HELFERICH, que podem ser resumidas da seguinte forma:
  • 35. O C O OH H Estas moléculas podem ser LINEARES ou ANGULARES Se o átomo central “A” não possui par de elétrons disponíveis, a molécula é LINEAR Se o átomo central “A” possui um ou mais pares de elétrons disponíveis, a molécula é ANGULAR Prof. Eduardo Max
  • 36. B F F F N Cl Cl Cl Estas moléculas podem ser TRIGONAL PLANA ou PIRAMIDAL Se o átomo central “A” não possui par de elétrons disponíveis a geometria da molécula será TRIGONAL PLANA Se o átomo central “A” possui par de elétrons disponíveis a geometria da molécula será PIRAMIDAL
  • 37. C Cl Cl Cl Cl Estas moléculas terão uma geometria TETRAÉDRICA Prof. Eduardo Max
  • 38. moléculas do PCl 5 Estas moléculas terão uma geometria BIPIRÂMIDE TRIGONAL Prof. Eduardo Max
  • 39. moléculas do SF6 Estas moléculas terão uma geometria OCTAÉDRICA Prof. Eduardo Max
  • 40. 01) Dados os compostos covalentes, com as respectivas estruturas: I : BeH2 - linear. II : CH4 - tetraédrica. III : H2O - linear. IV : BF3 - piramidal. V : NH3 - trigonal plana. Pode-se afirmar que estão corretas: a) apenas I e II. b) apenas II, IV e V. c) apenas II, III e IV. d) apenas I, III e V. e) todas. Verdadeiro Falso Falso Verdadeiro Falso
  • 41. 02) As moléculas do CH4 e NH3 apresentam, as seguintes respectivamente, as seguintes geometrias: a) quadrada plana e tetraédrica. b) pirâmide trigonal e angular. c) quadrada plana e triangular plana. d) pirâmide tetragonal e quadrada plana. e) tetraédrica e pirâmide triangular. Estas moléculas terão uma geometria TETRAÉDRICA CH4 N H H H Se o átomo central “A” possui par de elétrons disponíveis a geometria da molécula será PIRAMIDAL
  • 42. ClH CLORO é mais eletronegativo que o HIDROGÊNIO d+ d- Prof. Eduardo Max
  • 43. HH Os dois átomos possuem a mesma ELETRONEGATIVIDADE Prof. Eduardo Max
  • 44. A polaridade de uma molécula que possui mais de dois átomos é expressa pelo VETOR MOMENTO DE DIPOLO RESULTANTE ( )u Se ele for NULO, a molécula será APOLAR; caso contrário, POLAR. Prof. Eduardo Max
  • 45. CO O A resultante das forças é nula (forças de mesma intensidade, mesma direção e sentidos opostos) A molécula do CO2 é APOLAR
  • 46. O H H A resultante das forças é diferente de ZERO A molécula da água é POLAR Prof. Eduardo Max
  • 47. 01) Assinale a opção na qual as duas substâncias são apolares: a) NaCl e CCl4. b) HCl e N2. c) H2O e O2. d) CH4 e Cl2. e) CO2 e HF. CH4 e CCl4 têm geometria TETRAÉDRICA com todos os ligantes do carbono iguais, portanto, são APOLARES CH4, CCl4, CO2 tem geometria LINEAR com todos os ligantes do carbono iguais, portanto, é APOLAR CO2, N2, O2 e Cl2 são substâncias SIMPLES, portanto, são APOLARES N2, O2, Cl2. Prof. Eduardo Max
  • 48. ) (UFES) A molécula que apresenta momento dipolar difere de zero (molecular polar) é: a) CS2. b) CBr4. c) BCl3. d) BeH2. e) NH3. NH3 tem geometria piramidal, portanto, é POLAR NH3 tem geometria piramidal, portanto, é POLAR
  • 49. 03)(UFRS) O momento dipolar é a medida quantitativa dapolaridade de uma ligação. Emmoléculas apolares, aresultantedos momentos dipolares referentes atodas as ligações apresentavalorigualazero. Entreas substâncias covalentes abaixo: I)CH4 II)CS2 III)HBr IV)N2 Quais as queapresentamaresultantedomomentodipolarigualazero? CH4 Molécula tetraédricaque são APOLARES moléculas LINEARES com ligantes iguais são APOLARES S C S BrH moléculas DIATÔMICAS com ligantes diferentes são POLARES NN moléculas DIATÔMICAS com ligantes iguais são APOLARES
  • 50. São as ligações que resultam da interação ENTRE MOLÉCULAS, isto é, mantêm unidas moléculas de uma substância As ligações INTERMOLECULARES podem ser em: Dipolo permanente – dipolo permanente Dipolo induzido – dipolo induzido ou forças de dispersão de London Ponte de hidrogênio Prof. Eduardo Max
  • 51. Em uma MOLÉCULA POLAR sua extremidade NEGATIVA atrai a extremidade POSITIVA da molécula vizinha, o mesmo ocorre com sua extremidade positiva que interage com a parte negativa de outra molécula vizinha + – + – + – +– +– +–
  • 52. Nas moléculas APOLARES, uma nuvem de elétrons se encontra em constante movimento H H– H H – Se, durante uma fração de segundo, esta nuvem eletrônica estiver deslocada para um dos extremos da molécula, pode-se dizer que foi criado um DIPOLO INDUZIDO, isto é, por um pequeno espaço a molécula possui PÓLOS
  • 53. Um caso extremo de atração dipolo – dipolo ocorre quando temos o HIDROGÊNIO ligado a átomos pequenos e muito eletronegativos, especialmente o FLÚOR, o OXIGÊNIO e o NITROGÊNIO. Esta forte atração chama-se PONTE DE HIDROGÊNIO, sendo verificada nos estados sólido e líquido HF H F H F HF Prof. Eduardo Max
  • 54. As pontes de hidrogênio são mais intensas que as forças dipolo – dipolo permanente, e estas mais intensas que as interações dipolo – dipolo induzido O H O H O H H O H H O H H H H O H H
  • 55. 01) Compostos de HF, NH3 e H2O apresentam pontos de fusão e ebulição maiores quando comparados com H2S e HCl, por exemplo, devido às: a) forças de Van Der Waals. b) forças de London. c) pontes de hidrogênio. d) interações eletrostáticas. e) ligações iônicas. Prof. Eduardo Max
  • 56. para o estado gasoso em condições ambiente; por outro lado, o gelo comum derrete nas mesmas condições em água líquida, a qual passa para o estado gasoso numa temperatura próxima a 100°C. Nas três mudanças de estados físicos, respectivamente, são rompidas: a) ligações covalentes, pontes de hidrogênio e pontes de hidrogênio. b) interações de Van der Waals, ligações iônicas e ligações iônicas. c) interações de Van der Waals, pontes de hidrogênio e ligações covalentes. d) interações de Van der Waals, pontes de hidrogênio e pontes de hidrogênio. e) interações de Van der Waals, pontes de hidrogênio e interações de Van der Waals.
  • 57. 03) Considere o texto abaixo. “Nos icebergs, as moléculas polares da água associam-se por................................. No gelo seco, as moléculas apolares do dióxido de carbono unem- se por ...................................... . Conseqüentemente, a 1 atm de pressão, é possível prever que a mudança de estado de agregação do gelo ocorra a uma temperatura ................ do que a do gelo seco.” I II III Para completá-lo corretamente, I, II e III devem ser substituídos, respectivamente, por: a) Forças de London, pontes de hidrogênio e menor. b) Pontes de hidrogênio, forças de Van der Waals e maior. c) Forças de Van der Waals, pontes de hidrogênio e maior. d) Forças de Van der Waals, forças de London e menor. e) Pontes de hidrogênio, pontes de hidrogênio e maior. PONTES DEHIDROGÊNIO FORÇAS DEVAN DERWAALS MAIOR