SlideShare uma empresa Scribd logo
Direitos de Aprendizagem
Leitura e Escrita em História
Superintendência Regional de Ensino de Caxambu
Programa de Intervenção Pedagógica – PIP
Encontro dos professores de História
“Ler é outro modo de
ouvir”
Marcos Bagno
A Leitura e Escrita em
História
Dimensão
Conceitual
(Saber)
Dimensão
Procedimental
(Saber Fazer)
Dimensão
Atitudinal
(Ser)
(Adaptado Zabala,2002)
A articulação dessas 3 dimensões devem
apresentar um significado para o aluno.
A Leitura e Escrita em
História
Textos
Mas, o que é um
texto?
A Leitura e Escrita em
História
É uma construção, oral ou escrita
caracterizada por um encadeamento de
palavras, organizadas em sequência de
forma a apresentar um significado sobre
um determinado assunto em uma
determinada situação.
(Nery, 2012)
A Leitura e Escrita em
História
Textos são objetos simbólicos que pedem para
ser interpretados. Mais do que decifrar signos e
códigos os leitores procuram compreender os
textos, acompanhando seu encadeamento e
progressão, analisando suas implicações,
aderindo ou não às proposições apresentadas
por seus autores.
As múltiplas possibilidades
de leitura de um texto
Texto
Escrito Oral
Temporal
Mas, o que é
tempo histórico?
As múltiplas possibilidades
de leitura de um texto
“O tempo histórico é produto das
ações, relações e formas de pensar dos
homens, e essas ações variam ao longo
do tempo cronológico”.
As múltiplas possibilidades
de leitura de um texto
Os textos nunca dizem tudo. A compreensão
dos mesmos dependem do trabalho
interpretativo do leitor, o que não significa que
o leitor esteja livre para atribuir qualquer
sentido ao que lê.
O papel do professor é mediar esse processo.
A prática da leitura como
interação entre textos e leitores
o conhecimento do gênero que o texto é
apresentado;
a proficiência leitora acumulada em experiências
anteriores;
a familiaridade com a linguagem usada no texto;
o domínio acerca do assunto tratado;
seus valores e crenças;
os objetivos que orientam a atividade.
O leitor ajusta o texto de acordo com:
Mas, o que é um
gênero textual?
O trabalho com os gêneros do
discurso em História
O gênero é definido como um instrumento para
agir em situações de linguagem. É considerado
como um elemento constitutivo dessa situação.
Uma Unidade do discurso.
(Schneuwly, 1994; 2007)
Ex.: Para se ter notícia tem que ter o Jornal e para
ter o Jornal tem que haver a notícia.
O trabalho com os gêneros do
discurso em História
Os gêneros textuais cumprem funções sociais
específicas, contribuem para a organização de
determinados conteúdos e propiciam esquemas de
interpretação para o leitor.
A estrutura de um poema é distinta da que está
presente em um conto de fadas, em uma carta, em um
artigo científico, em uma reportagem ou em um anúncio
de jornal.
O trabalho com os gêneros do
discurso em História
Domínios sociais de comunicação
Aspectos tipológicos
Exemplos de gêneros orais e escritos
Narrativos, cultura
literária ou ficcional
Contos, fábulas, lendas, narrativas de
aventuras, romance, crônicas
literárias, piadas, etc.
Relatos, documentação
das ações humanas
Relato de viagem, de experiências
vividas, diários, currículos, noticias,
reportagens, históricos, etc.
Argumentativos, discussão de
problemas sociais controversos
Textos de opinião, cartas ao leitor,
assembleias, deliberações, debates
regrados, resenhas criticas, ensaios
Expositivos, transmissão e construção
e saberes
Exposição oral, seminários, palestras,
verbetes, tomada de notas, textos
explicativos,.
Descritivos de ações,
instruções e prescrições
Receita, regulamentos, regras de
jogos, textos prescritivos, instruções
O trabalho com os gêneros do
discurso em História
Dolz,
2007
Como o professor de História
pode trabalhar com
os gêneros textuais?
O trabalho com os gêneros do
discurso em História
“A escolha de um gênero se determina pela
esfera, as necessidades da temática, o conjunto
dos participantes e a vontade enunciativa ou
intenção do interlocutor”.
(Bakhtin, 1979)
O trabalho com os gêneros do
discurso em História
Exemplo
• Esfera (Contexto): Ano de escolaridade, escola pública, nível
socioeconômico. O grupo tem acesso ao conteúdo que irá
trabalhar?
• Conjunto dos Participantes (Público Alvo): 9º ano turma
heterogênea, mais meninas que meninos, faixa etária 13
anos.
• Necessidades da temática (Conteúdo – tópico): Eixo III-
Nação Trabalho e Cidadania no Brasil. Tópico 17 – Revolução
de 1930 no Brasil.
• Vontade enunciativa ou intenção do interlocutor (Objetivo -
Habilidade a ser desenvolvida): Compreender o processo de
crise do sistema oligárquico brasileiro, relacionando-o à
ascensão de novas forças políticas e economicas.
O trabalho com os gêneros do
discurso em História
Qual texto caberá melhor para o trabalho
com a turma descrita anteriormente?
O trabalho com os gêneros do
discurso em História
Texto de livro didático
a respeito dos
antecedentes da
Revolução de 1930
no Brasil
Artigo Científico
Vídeo que
aborda a Crise
de 1929.
Reportagem de
jornal a respeito
do confronto entre
as Coreias.
Mediação entre o texto e o leitor
Texto Contexto
Leitor
ANTES da leitura DURANTE a leitura
DEPOIS da leitura
Procedimentos a serem explorados
na leitura do texto
ANTES DURANTE DEPOIS
Levantamento do
conhecimento prévio dos
alunos sobre o assunto;
Confirmação ou retificação
das antecipações ou
expectativas de sentido
criadas antes ou durante a
leitura;
Construção da síntese
semântica do texto;
Expectativas em função da
apresentação dos textos, da
capa, quarta-capa, orelha
etc.;
Esclarecimento de palavras
desconhecidas a partir de
inferência ou consulta a
dicionário;
Troca de impressões a
respeito dos textos lidos
Antecipação do tema ou
ideia principal a partir do
exame de imagens ou de
saliências gráficas;
Busca de informações
complementares em textos
de apoio subordinados ao
texto principal ou por meio
de consulta a enciclopédias,
Internet e outras fontes.
Avaliação crítica do texto
Saber o que as pessoas daquela
comunidade leem, por que leem,
onde leem,o nível de leitura e que
práticas de leitura desenvolvem.
COMO ORGANIZAR A ESCOLA PARA IMPLEMENTAR
BOAS PRÁTICAS DE LEITURA?
Ensinar a ler e a escrever são tarefas de
todos os componentes curriculares
Trabalhar a linguagem escrita significa
trabalhar também a oralidade.
É tarefa da escola possibilitar aos estudantes
conhecer, reconhecer , ler e compreender
diferentes gêneros de textos.
A QUEM CABE A TAREFA DO ENSINO
DA LEITURA E ESCRITA NA ESCOLA?
1 - Referencial de expectativas para o
desenvolvimento da competência leitora e escritora
no ciclo II do Ensino Fundamental - São Paulo:
SME/DOT 2006
2 – Schneuwly, Dolz. Gêneros Orais e Escritos na
Escola, Mercado das Letras, Campinas 2004.
3- Santos, Milton . Território, Globalização e
Fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994 .
4 – Proposta Curricular de História para o 6º ao 9º
ano do Ensino Fundamental de Minas Gerais –
Minas Gerais: SEE -2005.
Referências Bibliográficas
Material adaptado da equipe PIP CBC – Equipe
Central – História.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pauta
PautaPauta
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidade
Denise Oliveira
 
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
zetesousa
 
Proposta curricular para o 2º ano do ensino fundamental
Proposta curricular para o 2º ano do ensino fundamentalProposta curricular para o 2º ano do ensino fundamental
Proposta curricular para o 2º ano do ensino fundamental
Rosemary Batista
 
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
Antônio Fernandes
 
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIAdireitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
Aprender com prazer
 
2º encontro
2º encontro2º encontro
2º encontro
Naysa Taboada
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
Bete Feliciano
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
Bárbara Caldeira
 
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas finalUnidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
Naysa Taboada
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 
Interface 4 e 5 ano ciclo
Interface 4 e 5 ano cicloInterface 4 e 5 ano ciclo
Interface 4 e 5 ano ciclo
weleslima
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
Naysa Taboada
 
Teorias praticas letramento[1]
Teorias praticas letramento[1]Teorias praticas letramento[1]
Teorias praticas letramento[1]
Kathy Oliveira
 
Unidade 3 1º encontro direitos de língua portuguesa e concepções de escrit...
Unidade 3  1º encontro   direitos de língua portuguesa e concepções de escrit...Unidade 3  1º encontro   direitos de língua portuguesa e concepções de escrit...
Unidade 3 1º encontro direitos de língua portuguesa e concepções de escrit...
Naysa Taboada
 
Planejamento 4º ano
Planejamento 4º anoPlanejamento 4º ano
Planejamento 4º ano
Rafael Souza
 
Planejamento5ºano2015
Planejamento5ºano2015Planejamento5ºano2015
Planejamento5ºano2015
Emile Araujo
 
Alfabetizaçao e letramento
Alfabetizaçao e letramentoAlfabetizaçao e letramento
Alfabetizaçao e letramento
pedagogia para licenciados
 

Mais procurados (18)

Pauta
PautaPauta
Pauta
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidade
 
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
 
Proposta curricular para o 2º ano do ensino fundamental
Proposta curricular para o 2º ano do ensino fundamentalProposta curricular para o 2º ano do ensino fundamental
Proposta curricular para o 2º ano do ensino fundamental
 
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
PROPOSTA CURRICULAR CBC. LÍNGUA PORTUGUESA.
 
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIAdireitos de aprendizagem HISTÓRIA
direitos de aprendizagem HISTÓRIA
 
2º encontro
2º encontro2º encontro
2º encontro
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
Exemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aulaExemplo. plano de aula
Exemplo. plano de aula
 
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas finalUnidade 6 projetos e sequências didáticas final
Unidade 6 projetos e sequências didáticas final
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Interface 4 e 5 ano ciclo
Interface 4 e 5 ano cicloInterface 4 e 5 ano ciclo
Interface 4 e 5 ano ciclo
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
 
Teorias praticas letramento[1]
Teorias praticas letramento[1]Teorias praticas letramento[1]
Teorias praticas letramento[1]
 
Unidade 3 1º encontro direitos de língua portuguesa e concepções de escrit...
Unidade 3  1º encontro   direitos de língua portuguesa e concepções de escrit...Unidade 3  1º encontro   direitos de língua portuguesa e concepções de escrit...
Unidade 3 1º encontro direitos de língua portuguesa e concepções de escrit...
 
Planejamento 4º ano
Planejamento 4º anoPlanejamento 4º ano
Planejamento 4º ano
 
Planejamento5ºano2015
Planejamento5ºano2015Planejamento5ºano2015
Planejamento5ºano2015
 
Alfabetizaçao e letramento
Alfabetizaçao e letramentoAlfabetizaçao e letramento
Alfabetizaçao e letramento
 

Destaque

Cbc e documentos
Cbc e documentosCbc e documentos
Cbc e documentos
André Pereira Rocha
 
História pnld 2014
História pnld 2014História pnld 2014
História pnld 2014
André Pereira Rocha
 
Resolução SEE MG 2197/12
Resolução SEE MG 2197/12Resolução SEE MG 2197/12
Resolução SEE MG 2197/12
André Pereira Rocha
 
Planejamento Escolar
Planejamento EscolarPlanejamento Escolar
Planejamento Escolar
André Pereira Rocha
 
Divindades
DivindadesDivindades
A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagemA avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem
André Pereira Rocha
 
Vamos falar de planejamento
Vamos falar de planejamentoVamos falar de planejamento
Vamos falar de planejamento
André Pereira Rocha
 
Cbc de História anos finais
Cbc de História anos finaisCbc de História anos finais
Cbc de História anos finais
André Pereira Rocha
 
Plano de ensino 9º ano história
Plano de ensino 9º ano históriaPlano de ensino 9º ano história
Plano de ensino 9º ano história
Atividades Diversas Cláudia
 
Plano de ensino 8º ano his´toria
Plano de ensino 8º ano his´toriaPlano de ensino 8º ano his´toria
Plano de ensino 8º ano his´toria
Atividades Diversas Cláudia
 
Plano de ensino6º ano história
Plano de ensino6º ano históriaPlano de ensino6º ano história
Plano de ensino6º ano história
Atividades Diversas Cláudia
 
Plano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano históriaPlano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano história
Atividades Diversas Cláudia
 
Planejamento Escolar
Planejamento EscolarPlanejamento Escolar
Planejamento Escolar
folilim
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casosArtigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Ruanna Guido
 
Direitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Direitos de Aprendizagem em Leitura e EscritaDireitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Direitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Ruanna Guido
 
Resolução SEE/MG nº 2197/12
Resolução SEE/MG nº 2197/12Resolução SEE/MG nº 2197/12
Resolução SEE/MG nº 2197/12
Ruanna Guido
 
Jogo: Corrida Pitagórica
Jogo: Corrida PitagóricaJogo: Corrida Pitagórica
Jogo: Corrida Pitagórica
Ruanna Guido
 
Construindo itens de forma contextualizada
Construindo itens de forma contextualizadaConstruindo itens de forma contextualizada
Construindo itens de forma contextualizada
Ruanna Guido
 
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
Ruanna Guido
 

Destaque (20)

Cbc e documentos
Cbc e documentosCbc e documentos
Cbc e documentos
 
História pnld 2014
História pnld 2014História pnld 2014
História pnld 2014
 
Resolução SEE MG 2197/12
Resolução SEE MG 2197/12Resolução SEE MG 2197/12
Resolução SEE MG 2197/12
 
Planejamento Escolar
Planejamento EscolarPlanejamento Escolar
Planejamento Escolar
 
Divindades
DivindadesDivindades
Divindades
 
A avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagemA avaliação da aprendizagem
A avaliação da aprendizagem
 
Vamos falar de planejamento
Vamos falar de planejamentoVamos falar de planejamento
Vamos falar de planejamento
 
Cbc de História anos finais
Cbc de História anos finaisCbc de História anos finais
Cbc de História anos finais
 
Plano de ensino 9º ano história
Plano de ensino 9º ano históriaPlano de ensino 9º ano história
Plano de ensino 9º ano história
 
Plano de ensino 8º ano his´toria
Plano de ensino 8º ano his´toriaPlano de ensino 8º ano his´toria
Plano de ensino 8º ano his´toria
 
Plano de ensino6º ano história
Plano de ensino6º ano históriaPlano de ensino6º ano história
Plano de ensino6º ano história
 
Plano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano históriaPlano de ensino 7º ano história
Plano de ensino 7º ano história
 
Planejamento Escolar
Planejamento EscolarPlanejamento Escolar
Planejamento Escolar
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casosArtigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
Artigos da Resolução SEE/MG, não evidenciado nos estudos de casos
 
Direitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Direitos de Aprendizagem em Leitura e EscritaDireitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
Direitos de Aprendizagem em Leitura e Escrita
 
Resolução SEE/MG nº 2197/12
Resolução SEE/MG nº 2197/12Resolução SEE/MG nº 2197/12
Resolução SEE/MG nº 2197/12
 
Jogo: Corrida Pitagórica
Jogo: Corrida PitagóricaJogo: Corrida Pitagórica
Jogo: Corrida Pitagórica
 
Construindo itens de forma contextualizada
Construindo itens de forma contextualizadaConstruindo itens de forma contextualizada
Construindo itens de forma contextualizada
 
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
O jogo como estratégia para brincar, refletir e aprender.
 

Semelhante a Leitura e escrita em História

Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
Adauto Martins
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
Lais Renata
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
Claudio Pessoa
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
elannialins
 
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino MédioOT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
Claudia Elisabete Silva
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
ElieneDias
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Soleducador1
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
Bete Feliciano
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silva
waleri
 
Encontro do dia 17/04/2012
Encontro do dia 17/04/2012Encontro do dia 17/04/2012
Encontro do dia 17/04/2012
Formação Cooperativa
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
Fabiana Aparecida Scapi Araujo
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
Fabiana Aparecida Scapi Araujo
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
Fabiana Aparecida Scapi Araujo
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
Fabiana Aparecida Scapi Araujo
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
Fabiana Aparecida Scapi Araujo
 
Fabiana
FabianaFabiana
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
Fabiana Aparecida Scapi Araujo
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Ana Camila
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Rosemary Batista
 
255 4
255 4255 4

Semelhante a Leitura e escrita em História (20)

Generos textuais
Generos textuais Generos textuais
Generos textuais
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Gêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1docGêneros textuais.1doc
Gêneros textuais.1doc
 
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino MédioOT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
OT Língua Portuguesa - Ensino Fundamental Ciclo II e Ensino Médio
 
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escolaPNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
PNAIC - Porque ensinar gêneros textuais na escola
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
 
Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2Unidade 5 - parte 2
Unidade 5 - parte 2
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silva
 
Encontro do dia 17/04/2012
Encontro do dia 17/04/2012Encontro do dia 17/04/2012
Encontro do dia 17/04/2012
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
 
Fabiana
FabianaFabiana
Fabiana
 
Sequência didática sobre cópia
Sequência didática sobre   cópiaSequência didática sobre   cópia
Sequência didática sobre cópia
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 
255 4
255 4255 4
255 4
 

Leitura e escrita em História

  • 1. Direitos de Aprendizagem Leitura e Escrita em História Superintendência Regional de Ensino de Caxambu Programa de Intervenção Pedagógica – PIP Encontro dos professores de História
  • 2. “Ler é outro modo de ouvir” Marcos Bagno
  • 3. A Leitura e Escrita em História Dimensão Conceitual (Saber) Dimensão Procedimental (Saber Fazer) Dimensão Atitudinal (Ser) (Adaptado Zabala,2002)
  • 4. A articulação dessas 3 dimensões devem apresentar um significado para o aluno. A Leitura e Escrita em História Textos
  • 5. Mas, o que é um texto? A Leitura e Escrita em História
  • 6. É uma construção, oral ou escrita caracterizada por um encadeamento de palavras, organizadas em sequência de forma a apresentar um significado sobre um determinado assunto em uma determinada situação. (Nery, 2012) A Leitura e Escrita em História
  • 7. Textos são objetos simbólicos que pedem para ser interpretados. Mais do que decifrar signos e códigos os leitores procuram compreender os textos, acompanhando seu encadeamento e progressão, analisando suas implicações, aderindo ou não às proposições apresentadas por seus autores.
  • 8. As múltiplas possibilidades de leitura de um texto Texto Escrito Oral Temporal
  • 9. Mas, o que é tempo histórico? As múltiplas possibilidades de leitura de um texto
  • 10. “O tempo histórico é produto das ações, relações e formas de pensar dos homens, e essas ações variam ao longo do tempo cronológico”. As múltiplas possibilidades de leitura de um texto
  • 11. Os textos nunca dizem tudo. A compreensão dos mesmos dependem do trabalho interpretativo do leitor, o que não significa que o leitor esteja livre para atribuir qualquer sentido ao que lê. O papel do professor é mediar esse processo. A prática da leitura como interação entre textos e leitores
  • 12. o conhecimento do gênero que o texto é apresentado; a proficiência leitora acumulada em experiências anteriores; a familiaridade com a linguagem usada no texto; o domínio acerca do assunto tratado; seus valores e crenças; os objetivos que orientam a atividade. O leitor ajusta o texto de acordo com:
  • 13. Mas, o que é um gênero textual? O trabalho com os gêneros do discurso em História
  • 14. O gênero é definido como um instrumento para agir em situações de linguagem. É considerado como um elemento constitutivo dessa situação. Uma Unidade do discurso. (Schneuwly, 1994; 2007) Ex.: Para se ter notícia tem que ter o Jornal e para ter o Jornal tem que haver a notícia. O trabalho com os gêneros do discurso em História
  • 15. Os gêneros textuais cumprem funções sociais específicas, contribuem para a organização de determinados conteúdos e propiciam esquemas de interpretação para o leitor. A estrutura de um poema é distinta da que está presente em um conto de fadas, em uma carta, em um artigo científico, em uma reportagem ou em um anúncio de jornal. O trabalho com os gêneros do discurso em História
  • 16. Domínios sociais de comunicação Aspectos tipológicos Exemplos de gêneros orais e escritos Narrativos, cultura literária ou ficcional Contos, fábulas, lendas, narrativas de aventuras, romance, crônicas literárias, piadas, etc. Relatos, documentação das ações humanas Relato de viagem, de experiências vividas, diários, currículos, noticias, reportagens, históricos, etc. Argumentativos, discussão de problemas sociais controversos Textos de opinião, cartas ao leitor, assembleias, deliberações, debates regrados, resenhas criticas, ensaios Expositivos, transmissão e construção e saberes Exposição oral, seminários, palestras, verbetes, tomada de notas, textos explicativos,. Descritivos de ações, instruções e prescrições Receita, regulamentos, regras de jogos, textos prescritivos, instruções O trabalho com os gêneros do discurso em História Dolz, 2007
  • 17. Como o professor de História pode trabalhar com os gêneros textuais? O trabalho com os gêneros do discurso em História
  • 18. “A escolha de um gênero se determina pela esfera, as necessidades da temática, o conjunto dos participantes e a vontade enunciativa ou intenção do interlocutor”. (Bakhtin, 1979) O trabalho com os gêneros do discurso em História
  • 19. Exemplo • Esfera (Contexto): Ano de escolaridade, escola pública, nível socioeconômico. O grupo tem acesso ao conteúdo que irá trabalhar? • Conjunto dos Participantes (Público Alvo): 9º ano turma heterogênea, mais meninas que meninos, faixa etária 13 anos. • Necessidades da temática (Conteúdo – tópico): Eixo III- Nação Trabalho e Cidadania no Brasil. Tópico 17 – Revolução de 1930 no Brasil. • Vontade enunciativa ou intenção do interlocutor (Objetivo - Habilidade a ser desenvolvida): Compreender o processo de crise do sistema oligárquico brasileiro, relacionando-o à ascensão de novas forças políticas e economicas. O trabalho com os gêneros do discurso em História
  • 20. Qual texto caberá melhor para o trabalho com a turma descrita anteriormente? O trabalho com os gêneros do discurso em História Texto de livro didático a respeito dos antecedentes da Revolução de 1930 no Brasil Artigo Científico Vídeo que aborda a Crise de 1929. Reportagem de jornal a respeito do confronto entre as Coreias.
  • 21. Mediação entre o texto e o leitor Texto Contexto Leitor ANTES da leitura DURANTE a leitura DEPOIS da leitura
  • 22. Procedimentos a serem explorados na leitura do texto ANTES DURANTE DEPOIS Levantamento do conhecimento prévio dos alunos sobre o assunto; Confirmação ou retificação das antecipações ou expectativas de sentido criadas antes ou durante a leitura; Construção da síntese semântica do texto; Expectativas em função da apresentação dos textos, da capa, quarta-capa, orelha etc.; Esclarecimento de palavras desconhecidas a partir de inferência ou consulta a dicionário; Troca de impressões a respeito dos textos lidos Antecipação do tema ou ideia principal a partir do exame de imagens ou de saliências gráficas; Busca de informações complementares em textos de apoio subordinados ao texto principal ou por meio de consulta a enciclopédias, Internet e outras fontes. Avaliação crítica do texto
  • 23. Saber o que as pessoas daquela comunidade leem, por que leem, onde leem,o nível de leitura e que práticas de leitura desenvolvem. COMO ORGANIZAR A ESCOLA PARA IMPLEMENTAR BOAS PRÁTICAS DE LEITURA?
  • 24. Ensinar a ler e a escrever são tarefas de todos os componentes curriculares Trabalhar a linguagem escrita significa trabalhar também a oralidade. É tarefa da escola possibilitar aos estudantes conhecer, reconhecer , ler e compreender diferentes gêneros de textos. A QUEM CABE A TAREFA DO ENSINO DA LEITURA E ESCRITA NA ESCOLA?
  • 25. 1 - Referencial de expectativas para o desenvolvimento da competência leitora e escritora no ciclo II do Ensino Fundamental - São Paulo: SME/DOT 2006 2 – Schneuwly, Dolz. Gêneros Orais e Escritos na Escola, Mercado das Letras, Campinas 2004. 3- Santos, Milton . Território, Globalização e Fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994 . 4 – Proposta Curricular de História para o 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental de Minas Gerais – Minas Gerais: SEE -2005. Referências Bibliográficas
  • 26. Material adaptado da equipe PIP CBC – Equipe Central – História.