SlideShare uma empresa Scribd logo
Itinerários da Memória
Escravatura e Tráfico Negreiro
na África de Língua Portuguesa
O que ficou na memória dos alunos
de 6º ano, depois da visita desta
exposição no final de Outubro 2009.
magalhães & cr
Esta exposição ajuda-nos a conhecer
melhor o tráfico negreiro.
Os portugueses iam a África e depois
de prenderem muitos negros, futuros
escravos africanos, levavam-nos para
a América. Entre outras coisas,
vendiam-nos para ganhar muito
dinheiro.
Os grandes poços de escravos
africanos :
Angola era um dos maiores
reservatórios de escravos em África.
Os portugueses começaram a ir
procurar escravos neste país no
final do século XV. A estratégia mais
utilizada pelos negros para não
serem apanhados era a fuga. Alguns
guerreiros angolanos vestiam-se
como alguns portugueses para
melhor escaparem.
catatéu & bubu1998
A exposição que vimos no C.D.I apresenta-nos o tráfico
negreiro. Um dos casos interessantes que nós observámos
foi o de Maria Correia, mulata e organizadora do tráfico
negreiro, na ilha do Príncipe. O Pico de São Tomé era
refúgio para os escravos que fugiam aos portugueses. O
largo do Baleizão é um sítio antigo de Terreiro Público onde
se procedia à concentração e à venda de escravos.
Em Angola, na cidade de Luanda, era onde havia mais
escravos.
evita, pipoquita azul & mata8
De Moçambique, Angola, Guiné Bissau, Cabo Verde, São
Tomé e Príncipe partia o Tráfico Negreiro.
Primeiro os portugueses levaram os negros, enganados,
para São Tomé e Príncipe e Cabo Verde. Isso não era muito
difícil pois não falavam a mesma língua. Mas depois, os
portugueses obrigaram os negros a aprender o português.
Para poder dominar o Brasil sem ter que ter trabalho
levaram os negros e começaram a escravizá-los.
skate & ninguém
O tráfego negreiro nasceu com a
comercialização dos pretos que se tornavam
escravos. Foram vendidas pessoas para
trabalharem para outras pessoas. Eram
chicoteados , batidos e torturados pelos
brancos . Os negros eram presos, entre outras
coisas, com instrumentos metálicos.
titi & alzira fernandes
Moçambique:
Em Moçambique, o marfim
era negociado pelos Europeus
juntamente com os escravos.
Angola:
Em Angola, multiplicam-se um pouco
por todo o lado os lugares de memória da escravatura.
O rio Kwanka foi a via líquida
da produção e do transporte de escravos.
A estratégia dos africanos
contra a escravatura foi a fuga.
A violência dos instrumentos destinados
a impedir a liberdade dos homens,
das mulheres e das crianças africanas.
Os escravos enfraquecidos pela fome,
incapazes de prosseguir a viagem eram
abandonados no mato.
brino & mickael
Lugares de onde os brancos levaram os escravos :
• Cabo Verde
• São Tomé e Príncipe
• Guiné Bissau
• Angola
• Aos escravos amarravam os pés com bolas de ferro de 15 kg.
• Os brancos levaram os pretos para o Brasil tornando estes últimos
escravos que tinham de fazer os trabalhos dos brancos.
le roi dragon & rm
Os negros tinham apertados ao pé bolas de
ferro de quinze quilos para impedir a fuga.
Eles eram, às vezes, transportados a pé,
presos ao nível dos ombros/pescoço com um
«tipo de escada de dois níveis». As pessoas
que guardavam estes transportes humanos
tinham uma espingarda e um cacete.
bibi & xana
Nesta exposição, mostram-nos como os
portugueses aproveitavam e enganavam os
negros. Como os africanos não sabiam falar o
português, os portugueses obrigaram-nos a
aprenderem a nossa língua. Isso já era sinal
de escravatura!
bibi & xana
Nesta exposição, mostram-nos como os
portugueses aproveitavam e enganavam os
negros. Como os africanos não sabiam falar o
português, os portugueses obrigaram-nos a
aprenderem a nossa língua. Isso já era sinal
de escravatura!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8 Escravidão Negra
8 Escravidão Negra8 Escravidão Negra
8 Escravidão Negra
Renato Coutinho
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
Rodrigo
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
Professora Natália de Oliveira
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
2013 tráfico negreiro
2013  tráfico negreiro2013  tráfico negreiro
2013 tráfico negreiro
MARIANO C7S
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
Carlos Glufke
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Professor: Ellington Alexandre
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
Rodrigo F Menegatti
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
Lane94
 
O transporte dos escravos
O transporte dos escravosO transporte dos escravos
O transporte dos escravos
Cantacunda
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 
Brasil Colonial Escravos x Índios
Brasil Colonial Escravos x ÍndiosBrasil Colonial Escravos x Índios
Brasil Colonial Escravos x Índios
guest8ca7c99
 
Escravidão africana (introdução)
Escravidão africana (introdução)Escravidão africana (introdução)
Escravidão africana (introdução)
Dismael Sagás
 
A escravidão no brasil
A escravidão no brasilA escravidão no brasil
A escravidão no brasil
lucavao2010
 
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
araujombarbara
 
Produção e Tráfico de Escravos
Produção e Tráfico de EscravosProdução e Tráfico de Escravos
Produção e Tráfico de Escravos
Débora Rodrigues
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
mhbsilva
 
O escravismo colonial
O escravismo colonialO escravismo colonial
O escravismo colonial
Edenilson Morais
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
Luís Emílio Racional
 
A escravidão do negro africano
A escravidão do negro africanoA escravidão do negro africano
A escravidão do negro africano
garridodocordel
 

Mais procurados (20)

8 Escravidão Negra
8 Escravidão Negra8 Escravidão Negra
8 Escravidão Negra
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
 
2013 tráfico negreiro
2013  tráfico negreiro2013  tráfico negreiro
2013 tráfico negreiro
 
Escravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras HistóriasEscravidão: Outras Histórias
Escravidão: Outras Histórias
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
O transporte dos escravos
O transporte dos escravosO transporte dos escravos
O transporte dos escravos
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Brasil Colonial Escravos x Índios
Brasil Colonial Escravos x ÍndiosBrasil Colonial Escravos x Índios
Brasil Colonial Escravos x Índios
 
Escravidão africana (introdução)
Escravidão africana (introdução)Escravidão africana (introdução)
Escravidão africana (introdução)
 
A escravidão no brasil
A escravidão no brasilA escravidão no brasil
A escravidão no brasil
 
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
 
Produção e Tráfico de Escravos
Produção e Tráfico de EscravosProdução e Tráfico de Escravos
Produção e Tráfico de Escravos
 
Escravidão no Brasil
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
Escravidão no Brasil
 
O escravismo colonial
O escravismo colonialO escravismo colonial
O escravismo colonial
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
A escravidão do negro africano
A escravidão do negro africanoA escravidão do negro africano
A escravidão do negro africano
 

Destaque

Herança escravista
Herança escravistaHerança escravista
Herança escravista
level2012
 
Brasil Colonial 01
Brasil Colonial 01Brasil Colonial 01
Brasil Colonial 01
dmflores21
 
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravosOs europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Zé Knust
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Trabalho escravo 3º ano
Trabalho escravo 3º anoTrabalho escravo 3º ano
Trabalho escravo 3º ano
André Moraes
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
profcacocardozo
 
Brasil negros no sistema colonial
Brasil negros no sistema colonialBrasil negros no sistema colonial
Brasil negros no sistema colonial
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
A escravidão no período colonial
A escravidão no período colonialA escravidão no período colonial
A escravidão no período colonial
Edenilson Morais
 
Africanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistênciaAfricanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistência
Carlos Zaranza
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 

Destaque (10)

Herança escravista
Herança escravistaHerança escravista
Herança escravista
 
Brasil Colonial 01
Brasil Colonial 01Brasil Colonial 01
Brasil Colonial 01
 
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravosOs europeus na áfrica e o tráfico de escravos
Os europeus na áfrica e o tráfico de escravos
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
Trabalho escravo 3º ano
Trabalho escravo 3º anoTrabalho escravo 3º ano
Trabalho escravo 3º ano
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Brasil negros no sistema colonial
Brasil negros no sistema colonialBrasil negros no sistema colonial
Brasil negros no sistema colonial
 
A escravidão no período colonial
A escravidão no período colonialA escravidão no período colonial
A escravidão no período colonial
 
Africanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistênciaAfricanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistência
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 

Semelhante a Itinerários da Memória

ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdfATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
Lívia De Paula
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
Dandara Lima
 
Os Escravos Africanos nas Minas Gerais
Os Escravos Africanos nas Minas GeraisOs Escravos Africanos nas Minas Gerais
Os Escravos Africanos nas Minas Gerais
Bruce Portes
 
TRABALHO DA ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
TRABALHO DA  ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRATRABALHO DA  ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
TRABALHO DA ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
JooeRuteBaio
 
áFrica antes dos europeus: Império Mali e Reino do Congo
áFrica antes dos europeus: Império Mali e Reino do CongoáFrica antes dos europeus: Império Mali e Reino do Congo
áFrica antes dos europeus: Império Mali e Reino do Congo
Marcela Marangon Ribeiro
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
amandajv
 
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil coloniaEscravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
GabrielDominguesRoch
 
Quilombo dos Palmares
Quilombo dos PalmaresQuilombo dos Palmares
Quilombo dos Palmares
Lourdes Grasel
 
Aula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América PortuguesaAula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América Portuguesa
LuannaGentil
 
Escravidão moderna
Escravidão modernaEscravidão moderna
Escravidão moderna
Andre Lucas
 
Impacto mutisse
Impacto mutisseImpacto mutisse
Impacto mutisse
mutisse ancha veronica
 
Impacto mutisse
Impacto mutisseImpacto mutisse
Impacto mutisse
mutisse ancha veronica
 
A História dos Africanos na América portuguesa
A História dos Africanos na América portuguesaA História dos Africanos na América portuguesa
A História dos Africanos na América portuguesa
GabrielaLares3
 
Tarefa 2 8 ano
Tarefa 2   8 anoTarefa 2   8 ano
Tarefa 2 8 ano
Marquês de Pombal
 
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptxHISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
MairaDeOliveiraPotri
 
Ancestrais - uma introducao a historia da Africa
Ancestrais - uma introducao a historia da AfricaAncestrais - uma introducao a historia da Africa
Ancestrais - uma introducao a historia da Africa
Monitoria Contabil S/C
 
Os povos de oyó2011 uniabeu
Os povos de oyó2011 uniabeuOs povos de oyó2011 uniabeu
Os povos de oyó2011 uniabeu
Ana Carvalho
 
Diagnostica historia 7ano1
Diagnostica historia 7ano1Diagnostica historia 7ano1
Diagnostica historia 7ano1
Atividades Diversas Cláudia
 
Escravidão negra africana no brasil colônia
Escravidão negra africana no brasil colôniaEscravidão negra africana no brasil colônia
Escravidão negra africana no brasil colônia
Luana Silveeira
 
A áfrica antes dos europeus power point
A áfrica antes dos europeus power pointA áfrica antes dos europeus power point
A áfrica antes dos europeus power point
RosaCarlaRamos
 

Semelhante a Itinerários da Memória (20)

ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdfATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
ATIVIDADE 7º ANO 10-11.pdf
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
 
Os Escravos Africanos nas Minas Gerais
Os Escravos Africanos nas Minas GeraisOs Escravos Africanos nas Minas Gerais
Os Escravos Africanos nas Minas Gerais
 
TRABALHO DA ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
TRABALHO DA  ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRATRABALHO DA  ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
TRABALHO DA ESCRAVATURA--HGP 6º ANO A - D.DINIS QUARTEIRA
 
áFrica antes dos europeus: Império Mali e Reino do Congo
áFrica antes dos europeus: Império Mali e Reino do CongoáFrica antes dos europeus: Império Mali e Reino do Congo
áFrica antes dos europeus: Império Mali e Reino do Congo
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil coloniaEscravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
Escravidão Africana no brasil escravidão brasil colonia
 
Quilombo dos Palmares
Quilombo dos PalmaresQuilombo dos Palmares
Quilombo dos Palmares
 
Aula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América PortuguesaAula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América Portuguesa
 
Escravidão moderna
Escravidão modernaEscravidão moderna
Escravidão moderna
 
Impacto mutisse
Impacto mutisseImpacto mutisse
Impacto mutisse
 
Impacto mutisse
Impacto mutisseImpacto mutisse
Impacto mutisse
 
A História dos Africanos na América portuguesa
A História dos Africanos na América portuguesaA História dos Africanos na América portuguesa
A História dos Africanos na América portuguesa
 
Tarefa 2 8 ano
Tarefa 2   8 anoTarefa 2   8 ano
Tarefa 2 8 ano
 
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptxHISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
 
Ancestrais - uma introducao a historia da Africa
Ancestrais - uma introducao a historia da AfricaAncestrais - uma introducao a historia da Africa
Ancestrais - uma introducao a historia da Africa
 
Os povos de oyó2011 uniabeu
Os povos de oyó2011 uniabeuOs povos de oyó2011 uniabeu
Os povos de oyó2011 uniabeu
 
Diagnostica historia 7ano1
Diagnostica historia 7ano1Diagnostica historia 7ano1
Diagnostica historia 7ano1
 
Escravidão negra africana no brasil colônia
Escravidão negra africana no brasil colôniaEscravidão negra africana no brasil colônia
Escravidão negra africana no brasil colônia
 
A áfrica antes dos europeus power point
A áfrica antes dos europeus power pointA áfrica antes dos europeus power point
A áfrica antes dos europeus power point
 

Mais de Isabel DA COSTA

LUANDA LISBOA PARAISO de Djaimilia Pereira de Almeida
LUANDA LISBOA PARAISO de Djaimilia Pereira de AlmeidaLUANDA LISBOA PARAISO de Djaimilia Pereira de Almeida
LUANDA LISBOA PARAISO de Djaimilia Pereira de Almeida
Isabel DA COSTA
 
Guia do encontro de 12 4-2019
Guia do encontro de 12 4-2019Guia do encontro de 12 4-2019
Guia do encontro de 12 4-2019
Isabel DA COSTA
 
Projeto Unesco 3e (avril 2019)
Projeto Unesco 3e (avril 2019)Projeto Unesco 3e (avril 2019)
Projeto Unesco 3e (avril 2019)
Isabel DA COSTA
 
Projeto Unesco - Turma do 10º ano (Secção Portugesa do LI)
Projeto Unesco - Turma do 10º ano (Secção Portugesa do LI)Projeto Unesco - Turma do 10º ano (Secção Portugesa do LI)
Projeto Unesco - Turma do 10º ano (Secção Portugesa do LI)
Isabel DA COSTA
 
Criação de peças à maneira de joana vasconcelos
Criação de peças à maneira de joana vasconcelosCriação de peças à maneira de joana vasconcelos
Criação de peças à maneira de joana vasconcelos
Isabel DA COSTA
 
4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras
Isabel DA COSTA
 
6e avaliação de leituras
6e  avaliação de leituras6e  avaliação de leituras
6e avaliação de leituras
Isabel DA COSTA
 
Cm1 autoavaliação de leituras
Cm1 autoavaliação de leiturasCm1 autoavaliação de leituras
Cm1 autoavaliação de leituras
Isabel DA COSTA
 
5e avaliação de leituras
5e avaliação de leituras5e avaliação de leituras
5e avaliação de leituras
Isabel DA COSTA
 
Dama e o unicornio (turma de 7º ano)
Dama e o unicornio (turma de 7º ano)Dama e o unicornio (turma de 7º ano)
Dama e o unicornio (turma de 7º ano)
Isabel DA COSTA
 
Texto preferido o mundo ao contrário 6º ano
Texto preferido o mundo ao contrário 6º anoTexto preferido o mundo ao contrário 6º ano
Texto preferido o mundo ao contrário 6º ano
Isabel DA COSTA
 
Mandela texto preferido
Mandela   texto preferidoMandela   texto preferido
Mandela texto preferido
Isabel DA COSTA
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
Isabel DA COSTA
 
Retratos portugueses cm1 (2)
Retratos portugueses cm1 (2)Retratos portugueses cm1 (2)
Retratos portugueses cm1 (2)
Isabel DA COSTA
 
Qual a história preferida?
Qual a história preferida?Qual a história preferida?
Qual a história preferida?
Isabel DA COSTA
 
Entrada de diário
Entrada de diárioEntrada de diário
Entrada de diário
Isabel DA COSTA
 
O twinny na exposição índios xingu
O twinny na exposição índios xingu O twinny na exposição índios xingu
O twinny na exposição índios xingu
Isabel DA COSTA
 
O Twinny em Petrópolis
O Twinny em PetrópolisO Twinny em Petrópolis
O Twinny em Petrópolis
Isabel DA COSTA
 
Twinny em Parati
Twinny em ParatiTwinny em Parati
Twinny em Parati
Isabel DA COSTA
 
A turma de 4º ano apresenta-se
A turma de 4º ano apresenta-seA turma de 4º ano apresenta-se
A turma de 4º ano apresenta-se
Isabel DA COSTA
 

Mais de Isabel DA COSTA (20)

LUANDA LISBOA PARAISO de Djaimilia Pereira de Almeida
LUANDA LISBOA PARAISO de Djaimilia Pereira de AlmeidaLUANDA LISBOA PARAISO de Djaimilia Pereira de Almeida
LUANDA LISBOA PARAISO de Djaimilia Pereira de Almeida
 
Guia do encontro de 12 4-2019
Guia do encontro de 12 4-2019Guia do encontro de 12 4-2019
Guia do encontro de 12 4-2019
 
Projeto Unesco 3e (avril 2019)
Projeto Unesco 3e (avril 2019)Projeto Unesco 3e (avril 2019)
Projeto Unesco 3e (avril 2019)
 
Projeto Unesco - Turma do 10º ano (Secção Portugesa do LI)
Projeto Unesco - Turma do 10º ano (Secção Portugesa do LI)Projeto Unesco - Turma do 10º ano (Secção Portugesa do LI)
Projeto Unesco - Turma do 10º ano (Secção Portugesa do LI)
 
Criação de peças à maneira de joana vasconcelos
Criação de peças à maneira de joana vasconcelosCriação de peças à maneira de joana vasconcelos
Criação de peças à maneira de joana vasconcelos
 
4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras4e avaliação de leituras
4e avaliação de leituras
 
6e avaliação de leituras
6e  avaliação de leituras6e  avaliação de leituras
6e avaliação de leituras
 
Cm1 autoavaliação de leituras
Cm1 autoavaliação de leiturasCm1 autoavaliação de leituras
Cm1 autoavaliação de leituras
 
5e avaliação de leituras
5e avaliação de leituras5e avaliação de leituras
5e avaliação de leituras
 
Dama e o unicornio (turma de 7º ano)
Dama e o unicornio (turma de 7º ano)Dama e o unicornio (turma de 7º ano)
Dama e o unicornio (turma de 7º ano)
 
Texto preferido o mundo ao contrário 6º ano
Texto preferido o mundo ao contrário 6º anoTexto preferido o mundo ao contrário 6º ano
Texto preferido o mundo ao contrário 6º ano
 
Mandela texto preferido
Mandela   texto preferidoMandela   texto preferido
Mandela texto preferido
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Retratos portugueses cm1 (2)
Retratos portugueses cm1 (2)Retratos portugueses cm1 (2)
Retratos portugueses cm1 (2)
 
Qual a história preferida?
Qual a história preferida?Qual a história preferida?
Qual a história preferida?
 
Entrada de diário
Entrada de diárioEntrada de diário
Entrada de diário
 
O twinny na exposição índios xingu
O twinny na exposição índios xingu O twinny na exposição índios xingu
O twinny na exposição índios xingu
 
O Twinny em Petrópolis
O Twinny em PetrópolisO Twinny em Petrópolis
O Twinny em Petrópolis
 
Twinny em Parati
Twinny em ParatiTwinny em Parati
Twinny em Parati
 
A turma de 4º ano apresenta-se
A turma de 4º ano apresenta-seA turma de 4º ano apresenta-se
A turma de 4º ano apresenta-se
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 

Itinerários da Memória

  • 1. Itinerários da Memória Escravatura e Tráfico Negreiro na África de Língua Portuguesa O que ficou na memória dos alunos de 6º ano, depois da visita desta exposição no final de Outubro 2009.
  • 2. magalhães & cr Esta exposição ajuda-nos a conhecer melhor o tráfico negreiro. Os portugueses iam a África e depois de prenderem muitos negros, futuros escravos africanos, levavam-nos para a América. Entre outras coisas, vendiam-nos para ganhar muito dinheiro. Os grandes poços de escravos africanos : Angola era um dos maiores reservatórios de escravos em África. Os portugueses começaram a ir procurar escravos neste país no final do século XV. A estratégia mais utilizada pelos negros para não serem apanhados era a fuga. Alguns guerreiros angolanos vestiam-se como alguns portugueses para melhor escaparem.
  • 3. catatéu & bubu1998 A exposição que vimos no C.D.I apresenta-nos o tráfico negreiro. Um dos casos interessantes que nós observámos foi o de Maria Correia, mulata e organizadora do tráfico negreiro, na ilha do Príncipe. O Pico de São Tomé era refúgio para os escravos que fugiam aos portugueses. O largo do Baleizão é um sítio antigo de Terreiro Público onde se procedia à concentração e à venda de escravos. Em Angola, na cidade de Luanda, era onde havia mais escravos.
  • 4. evita, pipoquita azul & mata8 De Moçambique, Angola, Guiné Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe partia o Tráfico Negreiro. Primeiro os portugueses levaram os negros, enganados, para São Tomé e Príncipe e Cabo Verde. Isso não era muito difícil pois não falavam a mesma língua. Mas depois, os portugueses obrigaram os negros a aprender o português. Para poder dominar o Brasil sem ter que ter trabalho levaram os negros e começaram a escravizá-los.
  • 5. skate & ninguém O tráfego negreiro nasceu com a comercialização dos pretos que se tornavam escravos. Foram vendidas pessoas para trabalharem para outras pessoas. Eram chicoteados , batidos e torturados pelos brancos . Os negros eram presos, entre outras coisas, com instrumentos metálicos.
  • 6. titi & alzira fernandes Moçambique: Em Moçambique, o marfim era negociado pelos Europeus juntamente com os escravos. Angola: Em Angola, multiplicam-se um pouco por todo o lado os lugares de memória da escravatura. O rio Kwanka foi a via líquida da produção e do transporte de escravos. A estratégia dos africanos contra a escravatura foi a fuga. A violência dos instrumentos destinados a impedir a liberdade dos homens, das mulheres e das crianças africanas. Os escravos enfraquecidos pela fome, incapazes de prosseguir a viagem eram abandonados no mato.
  • 7. brino & mickael Lugares de onde os brancos levaram os escravos : • Cabo Verde • São Tomé e Príncipe • Guiné Bissau • Angola • Aos escravos amarravam os pés com bolas de ferro de 15 kg. • Os brancos levaram os pretos para o Brasil tornando estes últimos escravos que tinham de fazer os trabalhos dos brancos.
  • 8. le roi dragon & rm Os negros tinham apertados ao pé bolas de ferro de quinze quilos para impedir a fuga. Eles eram, às vezes, transportados a pé, presos ao nível dos ombros/pescoço com um «tipo de escada de dois níveis». As pessoas que guardavam estes transportes humanos tinham uma espingarda e um cacete.
  • 9. bibi & xana Nesta exposição, mostram-nos como os portugueses aproveitavam e enganavam os negros. Como os africanos não sabiam falar o português, os portugueses obrigaram-nos a aprenderem a nossa língua. Isso já era sinal de escravatura!
  • 10. bibi & xana Nesta exposição, mostram-nos como os portugueses aproveitavam e enganavam os negros. Como os africanos não sabiam falar o português, os portugueses obrigaram-nos a aprenderem a nossa língua. Isso já era sinal de escravatura!