SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTUDO DA MEDIUNIDADE

      IRRADIAÇÃO
Bases do fenômeno
   de irradiação
O mundo espiritual é
 constituído como o nosso, de
matéria física, com a diferença
   de que este que vemos e
tocamos é denso e o espiritual
é fluídico e de freqüência mais
              alta.
Sua constituição é maleável,
 com extrema mobilidade,
bastando o impulso da força
mental do pensamento para
        plasmá-la.
Sua constituição é maleável,
 com extrema mobilidade,
bastando o impulso da força
mental do pensamento para
        plasmá-la.
Nosso cinco sentidos são
 apenas aberturas na matéria,
   nas quais se localizam as
pontas dos nervos, preparadas
de acordo com a sensação que
        devam captar.
O perispírito é que possui
  sensibilidade.O corpo físico
   denso amortece todas as
       sensações. Nos
desencarnados são muito mais
     agudas pois para as
percepções não necessitam de
órgãos especializados. Sentem
       por todo o corpo.
O sistema nervoso, interligado ao
perispírito, associa o plano etéreo
     ao plano físico. O estado
energético é o intermediário entre
   Espírito e matéria. A mente
 espiritual precisa dessa matéria
  energética para agir sobre a
           matéria densa.
O sistema nervoso permeia
   todo o corpo físico denso,
formando em certos pontos do
  corpo uma espécie de rede
 compacta. São os chamados
plexos nervosos, que possuem
seus correspondentes etéreos
         no perispírito.
Esses vórtices giram com
 intensidade, estabelecendo
   canais de sucção ou de
          expulsão.
  Essas rodas (Chakras em
    sânscrito) giram ao dar
passagem à matéria fluídica,
de dentro para fora ou de fora
         para dentro.
Tanto encarnados como
 desencarnados os Espíritos
assimilam energias das mais
 diversas de forma contínua,
automática e inconsciente em
dependência de seu maior ou
   menor equilíbrio físico e
          espiritual.
Tanto encarnados como
 desencarnados os Espíritos
assimilam energias das mais
 diversas de forma contínua,
automática e inconsciente em
dependência de seu maior ou
   menor equilíbrio físico e
          espiritual.
Os principais centros de força são:
1) – Centro Coronário: É responsável pelas
energias oriundas do plano espiritual,
relacionando-se materialmente com a epífise.
2) – Centro Frontal: localizado entre as
sobrancelhas; relaciona-se materialmente com
os lobos frontais do cérebro.
3) – Centro Laríngeo: É responsável pelas
energias na área da fala.
4) – Centro Cardíaco: Responsável pelas
energias das emoções superiores e
sentimentos. Atua na área do coração e da
circulação.
5) – Centro Esplênico: É o responsável pela
eliminação das energias descartáveis do nosso
perispírito. Atua em todas as áreas das
defesas orgânicas através do sangue.
Relaciona-se materialmente com o baço.
6) – Centro Gástrico: Vitaliza o sistema
digestivo e é também responsável pelas
emoções. Está relacionado materialmente com
o plexo solar.
7) – Centro Genésico ou Básico: É o
responsável pelas energias oriundas da
reprodução, da sexualidade e da criatividade.
Relaciona-se com o sistema reprodutor.
5) – Centro Esplênico: É o responsável pela
eliminação das energias descartáveis do nosso
perispírito. Atua em todas as áreas das
defesas orgânicas através do sangue.
Relaciona-se materialmente com o baço.
6) – Centro Gástrico: Vitaliza o sistema
digestivo e é também responsável pelas
emoções. Está relacionado materialmente com
o plexo solar.
7) – Centro Genésico ou Básico: É o
responsável pelas energias oriundas da
reprodução, da sexualidade e da criatividade.
Relaciona-se com o sistema reprodutor.
Conceitos:
Radiação: energia que é projetada
sob a forma de ondas (como a luz e o
calor)
Vibração: Ato ou efeito de vibrar;
oscilação, movimentação periódica.
Irradiação: Ato ou efeito de emitir
ondas, lançar raios de luz ou de calor,
ou vibrações.
Conceitos:
 De acordo com o Espiritismo,
radiações e vibrações teriam o
 mesmo significado. Seriam as
 projeções do pensamento ou
do sentimento; as energias que
  conseguimos exteriorizar de
         nós mesmos.
O amor vibra em alta
freqüência; já o ódio em baixa.
Irradiamos todos nós através dos
 nossos pensamentos, sentimentos,
  palavras e atos. Essa energia que
  emitimos continuadamente forma
nosso hálito mental e se propaga ao
nosso derredor. Essas energias tem
 reflexos sobre nós mesmos e sobre
 as pessoas que convivem conosco,
os que estão distanciados e todos os
 seus do ambiente em que vivemos.
Nos processos de passe ou
 irradiação, o seareiro, pela ação
de sua vontade dirigida, transmite
aos outros as suas energias vitais,
 que são imediatamente repostas
  pela absorção e metabolização
    automática das energias do
 ambiente pelos centros de força.
A matéria fluídica, movimentada
 pelas vibrações do pensamento,
plasmam aquilo que é idealizado.
  Essas criações podem afetar
outras pessoas se houver força de
vontade e persistência do emissor
   e receptividade daquele que
        estará recebendo.
Relaxamento:
2.Procurar evitar todas as causas,
 pelo menos no dia da reunião, que
 levem o indivíduo a uma tensão;
3.Durante a reunião: manter-se
 relaxado, respirar calmamente,
 tomar na cadeira uma posição
 cômoda, solta, evitando a contração
 dos músculos, para facilitar um bem
 estar físico.
Abstração:
Abstração quer dizer desligamento de
  problemas que não digam respeito
 às finalidades da sessão: problemas
       domésticos, profissionais,
            particulares, etc.
Concentração:
A concentração é a convergência de
  pensamentos para um determinado
 fim. Essa convergência pressupõe a
        eliminação de todos os
     pensamentos que não sejam
   convenientes aos fins desejados.
Manutenção vibratória:
Através da nossa maneira de viver,
 as palavras que pronunciarmos, os
       atos que praticarmos e,
   especialmente, a qualidade dos
nossos pensamentos e sentimentos,
 estaremos formando a nossa faixa
     vibratória, o nosso padrão
             vibratório
A pureza de intenções e sentimentos,
 desejo ardente e desinteressado em
  ajudar, darão ao fluido emitido um
 poder reparador que o aproxima dos
   fluidos espirituais no processo de
               irradiação.
Em estando propriamente em
  trabalho de irradiação, a pessoa
após buscar a devida concentração
 (e o que é importante – mantê-la
durante todo o trabalho), deve orar
e a seguir focalizar o objeto de sua
 irradiação e transmitir através da
sua vontade e do seu pensamento
     vibrações de paz, coragem,
 equilíbrio, paciência, resignação,
                 etc.
ESTUDO DA MEDIUNIDADE

      ECTOPLASMIA
Significado
Ectoplasma – do grego ektos = fora,
  exterior e passein = dar forma. No
     âmbito das ciências psíquicas
designa a substância fluídica que, em
 determinadas circunstâncias, emana
  do corpo de certos médiuns, pelos
orifícios naturais, como as narinas e a
     boca, e serve de produção de
      fenômenos de efeitos físicos,
    principalmente materializações.
Significado
 Palavra criada por Charles Richet.
 Recebe outras denominações, tais
   quais: teleplasma (Schrenk –
 Notzing), substância da vitalidade
(Robert Crookal), psicoplasma, éter
     vitalizado (Melton) e fluido
    perispirítico (Allan Kardec).
Características
- Assemelha-se a uma pasta flexível,
 à maneira de uma geléia viscosa e
             semilíquida.
  - Possui um cheiro característico;
 - Nos fenômenos de materialização
espiritual, escorre ao longo do corpo
      do médium que a produz,
   acumulando-se na parte inferior,
adquirindo aspecto vivo e tremulante.
Características
- Está situado entre a matéria densa
        e a matéria perispirítica;
  - Presente não apenas no homem,
mas também em minerais, vegetais e
                 animais;
  - É animada de princípios criativos
 que funcionam como condutores de
      eletricidade e magnetismo;
         - Cor leitosa-prateada;
Características
      - Possui grande poder de
             plasticidade;
 - É sensível à ação da luz comum,
porém suporta radiações do espectro
       de luz que variam do ao
            infravermelho.
Modelagem
Seus princípios criativos funcionam
 como condutores de eletricidade e
  magnetismo e subordinam-se à
     vontade do médium que os
     exterioriza ou dos espíritos
    desencarnados ou não, que
sintonizam com a mente mediúnica;
Modelagem
- A mente mediúnica pode influir nas
       formas materializadas;
 - Em reuniões de materialização, o
pensamento e as atitudes da equipe
  têm ação decisiva no sucesso ou
 fracasso desse gênero de trabalho
            mediúnico;
Modelagem
     - Dá forma parcial ou total às
    entidades que se fazem visíveis,
   substancializa as imagens criadas
  pela imaginação do médium ou dos
     companheiros que o assistem
              mentalmente;
- Dá consistência aos fios, bastonetes
 e outros tipos de formações visíveis
    ou invisíveis nos fenômenos de
                levitação;
Modelagem
 - Varia desde as formas rarefeitas,
que o mantém invisível, até o estado
                 sólido.
- Possui facilidade de recomposição.
 Pedaços recortados são facilmente
                refeitos.
Materialização
- Comumente usado como sinônimo
 de ectoplasmia, é o fenômeno pelo
 qual os espíritos se corporificam e
     tornam-se visíveis a todos os
       participantes das sessões
               mediúnicas;
   - Somente existe materialização
  quando o fenômeno ectoplásmico
       resulta em tangibilidade e
        solidificação de formas;
Materialização
             - Materializando-se,
corporificando-se, o espírito pode ser
         visto, sentido e tocado;
      - Podemos sentir-lhe o calor da
 temperatura, ouvir-lhe as pulsações
    do coração e com ele conversar
              naturalmente;
        - Difere-se de aparição, pois
     neste caso, somente médiuns
  videntes conseguem ver o espírito.
Preparação do ambiente
   Providências da equipe espiritual:
   -Isolamento do local das sessões,
   num círculo de mais ou menos 20
   metros,para interditar o acesso de
        entidades perturbadoras;
-Ionização da atmosfera – preparação
   elétrica e magnética do ambiente;
     Destruição de larvas mentais –
  eliminação de ideoplastias de baixo
              teor vibratório.
Categorias de fluidos que
   constituem o ectoplasma das
    reuniões de materialização:

  Fluido A – representam as forças
superiores e sutis do plano espiritual;
 Fluido B – definido os recursos do
médium e dos demais encarnados da
                equipe;
 Fluido C – constituindo as energias
         tiradas da natureza.
Tipos principais de fenômenos de
             ectoplasmia:
   1. Materializações duradouras –
    materializações completas de
espíritos que podem acontecer vários
        dias, meses e até anos;
    2. Materializações luminosas –
  materializações de mãos, braços,
fagulhas, centelhas, clarões, nuvens.
   Devem ocorrer em ambientes de
          pouca luminosidade;
Tipos principais de fenômenos de
            ectoplasmia:
   3. Agêneres – Modalidade de
aparição tangível. Vai desde a forma
 vaporosa até a outras nitidamente
               visíveis;
     4. Fotografias de espíritos;
        evidente causa física;
Tipos principais de fenômenos de
           ectoplasmia:
 5. Levitação – fenômeno pelo qual
pessoas, animais ou coisas erguem-
  se do solo, elevando-se no ar, a
pequenas ou consideráveis alturas,
com eventuais deslocamentos, sem
       evidente causa física;
Tipos principais de fenômenos de
             ectoplasmia:

6. Transfiguração – mudança de fisionomia
de um corpo encarnado. Há indicações de
        que ocorre da seguinte forma:
   a. O perispírito do médium se expande,
       irradiando ao redor do seu corpo;
    b. Uma espécie de vapor, de natureza
     ectoplásmica, envolve o corpo físico,
   vapor esse decorrente das modificações
           moleculares do perispírito;
Tipos principais de fenômenos de
   ectoplasmia: Transfiguração

 c. O vapor ectoplásmico oculta o
  corpo físico, tornando-o total ou
parcialmente invisível para uma ou
          várias pessoas;
 d. O espírito imprime a esse vapor,
 ou fluido ectoplásmico, a aparência
  que desejar: própria ou de outro.
Tipos principais de fenômenos de
             ectoplasmia:
Poltergeist – do alemão polter – fazer
       ruído e geist = Espírito.
Efeitos físicos que ocorrem com mais
 freqüência neste tipo de fenômeno:
              1. Pedradas
              2. Incêndios
          3. Odores incomuns
   4. Desaparecimento de objetos;
         5. Ruídos estranhos.
Tipos principais de fenômenos de
              ectoplasmia:
 Curas espirituais – Dom que possuem
  certas pessoas de curar pelo simples
toque, pelo olhar, mesmo por um gesto,
       sem o concurso de qualquer
     medicação. O fluido magnético
     (ectoplásmico) desempenha aí
    importante papel. A ele junta-se a
intervenção dos espíritos que associam
     os fluidos do médium aos seus.
Tipos principais de fenômenos de
           ectoplasmia:

   A cura espírita se dá através da
aplicação do passe, pela fluidificação
  da água, pelo hábito saudável da
 oração, pelo enriquecimento da fé –
 obtida por meio de atitudes mentais
   positivas e mudança de hábitos
              negativos.
ESTUDO DA MEDIUNIDADE

    TRANSCOMUNICAÇÃO
      INSTRUMENTAL
O Que é Transcomunicação
       Instrumental

Comunicação com os Espíritos
   através de aparelhos
        eletrônicos.
TCI

O engenheiro brasileiro, Dr.
    Hernani Guimarães,
classificou o fenômeno em
     duas categorias:
    Transcomunicação
         Mediúnica;
Transcomunicação Direta.
Primeiros Contatos

   Em 1959, na Suécia, Friedrich
  Jürgenson, gravando canto de
  pássaros, espantou-se ao ouvir
    coisas estranhas em meio à
    gravação. De começo, eram
barulhos, sinais acústicos, trechos
 de frases. Depois, eram vozes de
pessoas falecidas, que falavam com
   ele e respondiam perguntas.
Primeiros Contatos

  Esse foi apenas o primeiro
 passo nas pesquisas de TCI ,
que hoje acontecem através de
   computadores, radio, fax,
telefone, e com som e imagem
     por aparelhos de tv.
TCI

  Em 1980, enquanto ocorriam os funerais de
     Jürgenson, numa cidade a 700 km. de
    distância, um transcomunicador recebeu
 ordem mental para ligar a tv, sintonizá-la num
canal inexistente e preparar-se para fotografar.
         Após vários minutos de espera,
 repentinamente surgiu um clarão no canto da
tela e aos poucos foi-se formando a imagem de
   Jürgenson. As fotos dessa impressionante
  seqüência foram publicadas no jornal Folha
     Espírita, juntamente com o relato, pelo
     conhecido cientista brasileiro, falecido
recentemente, Dr. Ernane Guimarães Andrade.
TCI
 O sacerdote católico francês, François Brune, da
 ordem de S. Sulpício conheceu, em 1987, o casal
 de pesquisadores de TCI, Jules e Maggy Harsch-
     Fischbac, que conseguiam contato com os
   espíritos (voz e imagem), através de aparelhos
                     eletrônicos.
     Diante das evidências que foi encontrando,
  decidiu-se a também pesquisar esse fenômeno,
    num largo leque de investigação, analisando
 todas as possibilidades, desde manifestações do
 inconsciente (coletivo ou individual), fraudes, até
interferência de emissoras de rádio ou televisão, e
        acabou concluindo (como os demais
  pesquisadores) tratar-se realmente de “mortos”
                     ou espíritos.
TCI

Este tipo de comunicação entre a dimensão
   material e espiritual não é tão simples
     quanto parece, pois há dificuldades
  relacionadas à freqüência e, pelo que os
espíritos dizem, a uma diferença no próprio
fluxo do tempo. Em certos tipos de TCI eles
elaboram as vozes utilizando-se dos ruídos
 do ambiente, ou melhor, dão forma audível
 na dimensão material ás próprias vozes e,
     para isso, há necessidade de muita
                 preparação.
Padre Brune, falando sobre uma sessão de TCI em
                     Luxemburgo, diz:
  “Jules sintonizara o rádio entre duas emissoras, de
   que ouvíamos apenas um chiado. Maggy chamava,
alternadamente, em francês e em alemão uma série de
        interlocutores (espíritos que habitualmente
  comunicavam-se com eles). Pouco a pouco, sobre o
 ruído que servia de fundo, outros sons começavam a
se fazer ouvir, inicialmente pouco distintos. A frase já
  havia começado. O início era incompreensível. Mas
        repentinamente, a voz soou de forma clara:
   “... um substrato imaterial, ou qualquer que seja o
  nome que lhe dêem, “princípio. alma, espírito”, uma
      parcela de eternidade escapa da destruição. A
    infelicidade, hoje, é que as pessoas têm medo da
                           morte.”
Padre Brune, falando sobre uma sessão de TCI em
                     Luxemburgo, diz:
  “Jules sintonizara o rádio entre duas emissoras, de
   que ouvíamos apenas um chiado. Maggy chamava,
alternadamente, em francês e em alemão uma série de
        interlocutores (espíritos que habitualmente
  comunicavam-se com eles). Pouco a pouco, sobre o
 ruído que servia de fundo, outros sons começavam a
se fazer ouvir, inicialmente pouco distintos. A frase já
  havia começado. O início era incompreensível. Mas
        repentinamente, a voz soou de forma clara:
   “... um substrato imaterial, ou qualquer que seja o
  nome que lhe dêem, “princípio. alma, espírito”, uma
      parcela de eternidade escapa da destruição. A
    infelicidade, hoje, é que as pessoas têm medo da
                           morte.”
Padre Brune detalha um fato pioneiro da TCI,
 envolvendo diretamente a Igreja. Conta que o primeiro
caso de voz gravada foi obtido em Milão, no laboratório
de física experimental da Universidade Católica, quando
 o padre Agostino Gemelli, físico de renome e fundador
     da Universidade, então Presidente da Academia
   Pontifícia, realizava experimentos juntamente com o
 padre Pellegrino Ernetti. Padre Gemelli ouviu a voz de
     seu próprio pai gravada em fita cassete, fazendo
   comentário sobre uma observação que ele fizera ao
   padre Ernetti. Ambos levaram o fato e a gravação ao
        conhecimento do Papa Pio XII, que os teria
  tranqüilizado, ao considerar que esse fenômeno é do
    domínio da ciência, estimulando-os a prosseguir,
dizendo que esse fato “poderá, talvez, marcar o início de
 um novo estudo científico que virá a confirmar a fé no
                           além”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramentoO sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
Jose Luiz Maio
 
Centros de Força
Centros de ForçaCentros de Força
Centros de Força
Marcelo Gomez Brito Junior
 
Sintonia e pensamento
Sintonia e pensamentoSintonia e pensamento
Sintonia e pensamento
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
O médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicoO médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnico
home
 
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇAAula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Flávio Soares
 
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúdeOs sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Marcel Jefferson Gonçalves
 
Epífise ou Glândula Pineal
Epífise ou Glândula PinealEpífise ou Glândula Pineal
Epífise ou Glândula Pineal
Wilma Badan C.G.
 
Mediunidade aula 15 - reunioes mediunicas
Mediunidade   aula 15 - reunioes mediunicasMediunidade   aula 15 - reunioes mediunicas
Mediunidade aula 15 - reunioes mediunicas
Augusto Luvisotto
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Cynthia Castro
 
Evangeliza - Passe
Evangeliza - PasseEvangeliza - Passe
Evangeliza - Passe
Antonino Silva
 
O fluido vital
O fluido vitalO fluido vital
O fluido vital
Wanderson Luz
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Cynthia Castro
 
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De RosaAula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Cynthia Castro
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
jcevadro
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
Bruno Cechinel Filho
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
Jorge Luiz dos Santos
 
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiunsOlm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Carlos Alberto Freire De Souza
 

Mais procurados (20)

O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramentoO sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
O sono, sonhos, emancipação da alma, desdobramento
 
Centros de Força
Centros de ForçaCentros de Força
Centros de Força
 
Sintonia e pensamento
Sintonia e pensamentoSintonia e pensamento
Sintonia e pensamento
 
O médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnicoO médium e o exercício mediúnico
O médium e o exercício mediúnico
 
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇAAula 2 CENTROS DE FORÇA
Aula 2 CENTROS DE FORÇA
 
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúdeOs sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
 
Epífise ou Glândula Pineal
Epífise ou Glândula PinealEpífise ou Glândula Pineal
Epífise ou Glândula Pineal
 
Mediunidade aula 15 - reunioes mediunicas
Mediunidade   aula 15 - reunioes mediunicasMediunidade   aula 15 - reunioes mediunicas
Mediunidade aula 15 - reunioes mediunicas
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
 
Evangeliza - Passe
Evangeliza - PasseEvangeliza - Passe
Evangeliza - Passe
 
O fluido vital
O fluido vitalO fluido vital
O fluido vital
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
 
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De RosaAula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
Aula - Perispírito e suas propriedades - Rosana De Rosa
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
 
Roteiro 1 influência dos espíritos
Roteiro 1   influência dos espíritosRoteiro 1   influência dos espíritos
Roteiro 1 influência dos espíritos
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiunsOlm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
Olm 100922-médiuns escreventes-especiais-formação dos médiuns
 

Destaque

Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Luciana Correia
 
O subconsciente
O subconscienteO subconsciente
O subconsciente
Alberto Maurício Danon
 
Doença – a cura – a autocura
Doença – a cura – a autocuraDoença – a cura – a autocura
Doença – a cura – a autocura
Victor Passos
 
Saúde e espiritualidade
Saúde e espiritualidadeSaúde e espiritualidade
Saúde e espiritualidade
Victor Passos
 
2013-03-17-Aula-Psicossomática a Luz do Espiritismo-Rosana De Rosa
2013-03-17-Aula-Psicossomática a Luz do Espiritismo-Rosana De Rosa2013-03-17-Aula-Psicossomática a Luz do Espiritismo-Rosana De Rosa
2013-03-17-Aula-Psicossomática a Luz do Espiritismo-Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Artista Peruano
Artista PeruanoArtista Peruano
Artista PeruanoGrace SB
 
Saude e Espiritualidade
Saude e EspiritualidadeSaude e Espiritualidade
Saude e Espiritualidade
Otavio Castello
 
Mestre, mentor, guia ou anjo da guarda?
Mestre, mentor, guia ou anjo da guarda?Mestre, mentor, guia ou anjo da guarda?
Mestre, mentor, guia ou anjo da guarda?
Novo Despertar
 
Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
Wilma Badan C.G.
 
Palavra e responsabilidade
Palavra e responsabilidadePalavra e responsabilidade
Palavra e responsabilidade
arianerodrigues
 
Saude espiritual
Saude espiritualSaude espiritual
Saude espiritual
Eugenio Rocha
 
A cura verdadeira - Emmanuel/Chico Xavier
A cura verdadeira - Emmanuel/Chico XavierA cura verdadeira - Emmanuel/Chico Xavier
A cura verdadeira - Emmanuel/Chico Xavier
Alaide Chaded
 
Influencias espirituais,obsessão e a eficácia da prece
Influencias espirituais,obsessão e a eficácia da preceInfluencias espirituais,obsessão e a eficácia da prece
Influencias espirituais,obsessão e a eficácia da prece
Celene Muniz
 
As curas de jesus
As curas de jesusAs curas de jesus
As curas de jesus
Lisete B.
 
A força da convicção do amparo dos benfeitores espirituais (animação só vista...
A força da convicção do amparo dos benfeitores espirituais (animação só vista...A força da convicção do amparo dos benfeitores espirituais (animação só vista...
A força da convicção do amparo dos benfeitores espirituais (animação só vista...
Fatima Carvalho
 
16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"
Lar Irmã Zarabatana
 
Primeira reuniao GECD - 2014
Primeira reuniao GECD - 2014Primeira reuniao GECD - 2014
Primeira reuniao GECD - 2014
Patricia Farias
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
Alexsandro Prates
 
Saude integral aula 4
Saude integral aula 4Saude integral aula 4
Saude integral aula 4
Andre Luiz Campos
 
Espiritualidade e emoções
Espiritualidade e emoçõesEspiritualidade e emoções
Espiritualidade e emoções
Victor Passos
 

Destaque (20)

Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
O subconsciente
O subconscienteO subconsciente
O subconsciente
 
Doença – a cura – a autocura
Doença – a cura – a autocuraDoença – a cura – a autocura
Doença – a cura – a autocura
 
Saúde e espiritualidade
Saúde e espiritualidadeSaúde e espiritualidade
Saúde e espiritualidade
 
2013-03-17-Aula-Psicossomática a Luz do Espiritismo-Rosana De Rosa
2013-03-17-Aula-Psicossomática a Luz do Espiritismo-Rosana De Rosa2013-03-17-Aula-Psicossomática a Luz do Espiritismo-Rosana De Rosa
2013-03-17-Aula-Psicossomática a Luz do Espiritismo-Rosana De Rosa
 
Artista Peruano
Artista PeruanoArtista Peruano
Artista Peruano
 
Saude e Espiritualidade
Saude e EspiritualidadeSaude e Espiritualidade
Saude e Espiritualidade
 
Mestre, mentor, guia ou anjo da guarda?
Mestre, mentor, guia ou anjo da guarda?Mestre, mentor, guia ou anjo da guarda?
Mestre, mentor, guia ou anjo da guarda?
 
Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
 
Palavra e responsabilidade
Palavra e responsabilidadePalavra e responsabilidade
Palavra e responsabilidade
 
Saude espiritual
Saude espiritualSaude espiritual
Saude espiritual
 
A cura verdadeira - Emmanuel/Chico Xavier
A cura verdadeira - Emmanuel/Chico XavierA cura verdadeira - Emmanuel/Chico Xavier
A cura verdadeira - Emmanuel/Chico Xavier
 
Influencias espirituais,obsessão e a eficácia da prece
Influencias espirituais,obsessão e a eficácia da preceInfluencias espirituais,obsessão e a eficácia da prece
Influencias espirituais,obsessão e a eficácia da prece
 
As curas de jesus
As curas de jesusAs curas de jesus
As curas de jesus
 
A força da convicção do amparo dos benfeitores espirituais (animação só vista...
A força da convicção do amparo dos benfeitores espirituais (animação só vista...A força da convicção do amparo dos benfeitores espirituais (animação só vista...
A força da convicção do amparo dos benfeitores espirituais (animação só vista...
 
16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"16/08/2013 - "Doença e cura"
16/08/2013 - "Doença e cura"
 
Primeira reuniao GECD - 2014
Primeira reuniao GECD - 2014Primeira reuniao GECD - 2014
Primeira reuniao GECD - 2014
 
Saúde emocional
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
 
Saude integral aula 4
Saude integral aula 4Saude integral aula 4
Saude integral aula 4
 
Espiritualidade e emoções
Espiritualidade e emoçõesEspiritualidade e emoções
Espiritualidade e emoções
 

Semelhante a Irradiação

Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corposMocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Sergio Lima Dias Junior
 
Seminário Perispírito II USE Piracicaba
Seminário Perispírito II USE PiracicabaSeminário Perispírito II USE Piracicaba
Seminário Perispírito II USE Piracicaba
Alan Diniz Souza
 
2.1.4 perispirito
2.1.4   perispirito2.1.4   perispirito
2.1.4 perispirito
Marta Gomes
 
2 aula cepuc - o espírito e seus corpos
2   aula cepuc - o espírito e seus corpos2   aula cepuc - o espírito e seus corpos
2 aula cepuc - o espírito e seus corpos
Sergio Lima Dias Junior
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
jcevadro
 
Parte 1 cláudia campos
Parte 1   cláudia camposParte 1   cláudia campos
Parte 1 cláudia campos
Claudia Barbosa Campos
 
Corpos Espirituais
Corpos EspirituaisCorpos Espirituais
Corpos Espirituais
paikachambi
 
Parte ii chacras principais
Parte ii   chacras principaisParte ii   chacras principais
Parte ii chacras principais
Lívia Maria Pereira
 
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessãoAssistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
Rivaldo Guedes Corrêa. Jr
 
Curso energizacao ou fluidoterapia
Curso energizacao ou fluidoterapiaCurso energizacao ou fluidoterapia
Curso energizacao ou fluidoterapia
SergioMello
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
40 curso passe2
40 curso passe240 curso passe2
40 curso passe2
Ademilson Figueiredo
 
40 curso passe2
40 curso passe240 curso passe2
40 curso passe2
Ademilson Figueiredo
 
Os centros de força segundo andré luiz
Os centros de força segundo andré luizOs centros de força segundo andré luiz
Os centros de força segundo andré luiz
Edivaldo Coimbra
 
Chacras Parte II
Chacras   Parte IIChacras   Parte II
Chacras Parte II
Lívia Maria Pereira
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
Marta Gomes
 
Concentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e IrradiaçãoConcentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e Irradiação
Graça Maciel
 
Prática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoPrática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispírito
FEEAK
 
Criações fluídicas
Criações fluídicasCriações fluídicas
Criações fluídicas
Marcelo Noronha
 
PENSAMENTO-E-MEDIUNIDADE-SEMINÁRIO-FEB-25-06-2016-ARISMAR.pdf
PENSAMENTO-E-MEDIUNIDADE-SEMINÁRIO-FEB-25-06-2016-ARISMAR.pdfPENSAMENTO-E-MEDIUNIDADE-SEMINÁRIO-FEB-25-06-2016-ARISMAR.pdf
PENSAMENTO-E-MEDIUNIDADE-SEMINÁRIO-FEB-25-06-2016-ARISMAR.pdf
CleversonRoberto2
 

Semelhante a Irradiação (20)

Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corposMocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
Mocidade Espírita Chico Xavier - Aula 2 O espírito e seus corpos
 
Seminário Perispírito II USE Piracicaba
Seminário Perispírito II USE PiracicabaSeminário Perispírito II USE Piracicaba
Seminário Perispírito II USE Piracicaba
 
2.1.4 perispirito
2.1.4   perispirito2.1.4   perispirito
2.1.4 perispirito
 
2 aula cepuc - o espírito e seus corpos
2   aula cepuc - o espírito e seus corpos2   aula cepuc - o espírito e seus corpos
2 aula cepuc - o espírito e seus corpos
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 
Parte 1 cláudia campos
Parte 1   cláudia camposParte 1   cláudia campos
Parte 1 cláudia campos
 
Corpos Espirituais
Corpos EspirituaisCorpos Espirituais
Corpos Espirituais
 
Parte ii chacras principais
Parte ii   chacras principaisParte ii   chacras principais
Parte ii chacras principais
 
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessãoAssistência espiritual, obsessão e desobsessão
Assistência espiritual, obsessão e desobsessão
 
Curso energizacao ou fluidoterapia
Curso energizacao ou fluidoterapiaCurso energizacao ou fluidoterapia
Curso energizacao ou fluidoterapia
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
 
40 curso passe2
40 curso passe240 curso passe2
40 curso passe2
 
40 curso passe2
40 curso passe240 curso passe2
40 curso passe2
 
Os centros de força segundo andré luiz
Os centros de força segundo andré luizOs centros de força segundo andré luiz
Os centros de força segundo andré luiz
 
Chacras Parte II
Chacras   Parte IIChacras   Parte II
Chacras Parte II
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
 
Concentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e IrradiaçãoConcentração Aura e Irradiação
Concentração Aura e Irradiação
 
Prática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispíritoPrática mediúnica - perispírito
Prática mediúnica - perispírito
 
Criações fluídicas
Criações fluídicasCriações fluídicas
Criações fluídicas
 
PENSAMENTO-E-MEDIUNIDADE-SEMINÁRIO-FEB-25-06-2016-ARISMAR.pdf
PENSAMENTO-E-MEDIUNIDADE-SEMINÁRIO-FEB-25-06-2016-ARISMAR.pdfPENSAMENTO-E-MEDIUNIDADE-SEMINÁRIO-FEB-25-06-2016-ARISMAR.pdf
PENSAMENTO-E-MEDIUNIDADE-SEMINÁRIO-FEB-25-06-2016-ARISMAR.pdf
 

Último

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 

Último (10)

PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 

Irradiação

  • 1. ESTUDO DA MEDIUNIDADE IRRADIAÇÃO
  • 2. Bases do fenômeno de irradiação
  • 3. O mundo espiritual é constituído como o nosso, de matéria física, com a diferença de que este que vemos e tocamos é denso e o espiritual é fluídico e de freqüência mais alta.
  • 4. Sua constituição é maleável, com extrema mobilidade, bastando o impulso da força mental do pensamento para plasmá-la.
  • 5. Sua constituição é maleável, com extrema mobilidade, bastando o impulso da força mental do pensamento para plasmá-la.
  • 6. Nosso cinco sentidos são apenas aberturas na matéria, nas quais se localizam as pontas dos nervos, preparadas de acordo com a sensação que devam captar.
  • 7. O perispírito é que possui sensibilidade.O corpo físico denso amortece todas as sensações. Nos desencarnados são muito mais agudas pois para as percepções não necessitam de órgãos especializados. Sentem por todo o corpo.
  • 8. O sistema nervoso, interligado ao perispírito, associa o plano etéreo ao plano físico. O estado energético é o intermediário entre Espírito e matéria. A mente espiritual precisa dessa matéria energética para agir sobre a matéria densa.
  • 9. O sistema nervoso permeia todo o corpo físico denso, formando em certos pontos do corpo uma espécie de rede compacta. São os chamados plexos nervosos, que possuem seus correspondentes etéreos no perispírito.
  • 10. Esses vórtices giram com intensidade, estabelecendo canais de sucção ou de expulsão. Essas rodas (Chakras em sânscrito) giram ao dar passagem à matéria fluídica, de dentro para fora ou de fora para dentro.
  • 11. Tanto encarnados como desencarnados os Espíritos assimilam energias das mais diversas de forma contínua, automática e inconsciente em dependência de seu maior ou menor equilíbrio físico e espiritual.
  • 12. Tanto encarnados como desencarnados os Espíritos assimilam energias das mais diversas de forma contínua, automática e inconsciente em dependência de seu maior ou menor equilíbrio físico e espiritual.
  • 13. Os principais centros de força são: 1) – Centro Coronário: É responsável pelas energias oriundas do plano espiritual, relacionando-se materialmente com a epífise. 2) – Centro Frontal: localizado entre as sobrancelhas; relaciona-se materialmente com os lobos frontais do cérebro. 3) – Centro Laríngeo: É responsável pelas energias na área da fala. 4) – Centro Cardíaco: Responsável pelas energias das emoções superiores e sentimentos. Atua na área do coração e da circulação.
  • 14. 5) – Centro Esplênico: É o responsável pela eliminação das energias descartáveis do nosso perispírito. Atua em todas as áreas das defesas orgânicas através do sangue. Relaciona-se materialmente com o baço. 6) – Centro Gástrico: Vitaliza o sistema digestivo e é também responsável pelas emoções. Está relacionado materialmente com o plexo solar. 7) – Centro Genésico ou Básico: É o responsável pelas energias oriundas da reprodução, da sexualidade e da criatividade. Relaciona-se com o sistema reprodutor.
  • 15. 5) – Centro Esplênico: É o responsável pela eliminação das energias descartáveis do nosso perispírito. Atua em todas as áreas das defesas orgânicas através do sangue. Relaciona-se materialmente com o baço. 6) – Centro Gástrico: Vitaliza o sistema digestivo e é também responsável pelas emoções. Está relacionado materialmente com o plexo solar. 7) – Centro Genésico ou Básico: É o responsável pelas energias oriundas da reprodução, da sexualidade e da criatividade. Relaciona-se com o sistema reprodutor.
  • 16. Conceitos: Radiação: energia que é projetada sob a forma de ondas (como a luz e o calor) Vibração: Ato ou efeito de vibrar; oscilação, movimentação periódica. Irradiação: Ato ou efeito de emitir ondas, lançar raios de luz ou de calor, ou vibrações.
  • 17. Conceitos: De acordo com o Espiritismo, radiações e vibrações teriam o mesmo significado. Seriam as projeções do pensamento ou do sentimento; as energias que conseguimos exteriorizar de nós mesmos.
  • 18. O amor vibra em alta freqüência; já o ódio em baixa.
  • 19. Irradiamos todos nós através dos nossos pensamentos, sentimentos, palavras e atos. Essa energia que emitimos continuadamente forma nosso hálito mental e se propaga ao nosso derredor. Essas energias tem reflexos sobre nós mesmos e sobre as pessoas que convivem conosco, os que estão distanciados e todos os seus do ambiente em que vivemos.
  • 20. Nos processos de passe ou irradiação, o seareiro, pela ação de sua vontade dirigida, transmite aos outros as suas energias vitais, que são imediatamente repostas pela absorção e metabolização automática das energias do ambiente pelos centros de força.
  • 21. A matéria fluídica, movimentada pelas vibrações do pensamento, plasmam aquilo que é idealizado. Essas criações podem afetar outras pessoas se houver força de vontade e persistência do emissor e receptividade daquele que estará recebendo.
  • 22. Relaxamento: 2.Procurar evitar todas as causas, pelo menos no dia da reunião, que levem o indivíduo a uma tensão; 3.Durante a reunião: manter-se relaxado, respirar calmamente, tomar na cadeira uma posição cômoda, solta, evitando a contração dos músculos, para facilitar um bem estar físico.
  • 23. Abstração: Abstração quer dizer desligamento de problemas que não digam respeito às finalidades da sessão: problemas domésticos, profissionais, particulares, etc.
  • 24. Concentração: A concentração é a convergência de pensamentos para um determinado fim. Essa convergência pressupõe a eliminação de todos os pensamentos que não sejam convenientes aos fins desejados.
  • 25. Manutenção vibratória: Através da nossa maneira de viver, as palavras que pronunciarmos, os atos que praticarmos e, especialmente, a qualidade dos nossos pensamentos e sentimentos, estaremos formando a nossa faixa vibratória, o nosso padrão vibratório
  • 26. A pureza de intenções e sentimentos, desejo ardente e desinteressado em ajudar, darão ao fluido emitido um poder reparador que o aproxima dos fluidos espirituais no processo de irradiação.
  • 27. Em estando propriamente em trabalho de irradiação, a pessoa após buscar a devida concentração (e o que é importante – mantê-la durante todo o trabalho), deve orar e a seguir focalizar o objeto de sua irradiação e transmitir através da sua vontade e do seu pensamento vibrações de paz, coragem, equilíbrio, paciência, resignação, etc.
  • 28. ESTUDO DA MEDIUNIDADE ECTOPLASMIA
  • 29. Significado Ectoplasma – do grego ektos = fora, exterior e passein = dar forma. No âmbito das ciências psíquicas designa a substância fluídica que, em determinadas circunstâncias, emana do corpo de certos médiuns, pelos orifícios naturais, como as narinas e a boca, e serve de produção de fenômenos de efeitos físicos, principalmente materializações.
  • 30. Significado Palavra criada por Charles Richet. Recebe outras denominações, tais quais: teleplasma (Schrenk – Notzing), substância da vitalidade (Robert Crookal), psicoplasma, éter vitalizado (Melton) e fluido perispirítico (Allan Kardec).
  • 31. Características - Assemelha-se a uma pasta flexível, à maneira de uma geléia viscosa e semilíquida. - Possui um cheiro característico; - Nos fenômenos de materialização espiritual, escorre ao longo do corpo do médium que a produz, acumulando-se na parte inferior, adquirindo aspecto vivo e tremulante.
  • 32. Características - Está situado entre a matéria densa e a matéria perispirítica; - Presente não apenas no homem, mas também em minerais, vegetais e animais; - É animada de princípios criativos que funcionam como condutores de eletricidade e magnetismo; - Cor leitosa-prateada;
  • 33. Características - Possui grande poder de plasticidade; - É sensível à ação da luz comum, porém suporta radiações do espectro de luz que variam do ao infravermelho.
  • 34. Modelagem Seus princípios criativos funcionam como condutores de eletricidade e magnetismo e subordinam-se à vontade do médium que os exterioriza ou dos espíritos desencarnados ou não, que sintonizam com a mente mediúnica;
  • 35. Modelagem - A mente mediúnica pode influir nas formas materializadas; - Em reuniões de materialização, o pensamento e as atitudes da equipe têm ação decisiva no sucesso ou fracasso desse gênero de trabalho mediúnico;
  • 36. Modelagem - Dá forma parcial ou total às entidades que se fazem visíveis, substancializa as imagens criadas pela imaginação do médium ou dos companheiros que o assistem mentalmente; - Dá consistência aos fios, bastonetes e outros tipos de formações visíveis ou invisíveis nos fenômenos de levitação;
  • 37. Modelagem - Varia desde as formas rarefeitas, que o mantém invisível, até o estado sólido. - Possui facilidade de recomposição. Pedaços recortados são facilmente refeitos.
  • 38. Materialização - Comumente usado como sinônimo de ectoplasmia, é o fenômeno pelo qual os espíritos se corporificam e tornam-se visíveis a todos os participantes das sessões mediúnicas; - Somente existe materialização quando o fenômeno ectoplásmico resulta em tangibilidade e solidificação de formas;
  • 39. Materialização - Materializando-se, corporificando-se, o espírito pode ser visto, sentido e tocado; - Podemos sentir-lhe o calor da temperatura, ouvir-lhe as pulsações do coração e com ele conversar naturalmente; - Difere-se de aparição, pois neste caso, somente médiuns videntes conseguem ver o espírito.
  • 40. Preparação do ambiente Providências da equipe espiritual: -Isolamento do local das sessões, num círculo de mais ou menos 20 metros,para interditar o acesso de entidades perturbadoras; -Ionização da atmosfera – preparação elétrica e magnética do ambiente; Destruição de larvas mentais – eliminação de ideoplastias de baixo teor vibratório.
  • 41. Categorias de fluidos que constituem o ectoplasma das reuniões de materialização: Fluido A – representam as forças superiores e sutis do plano espiritual; Fluido B – definido os recursos do médium e dos demais encarnados da equipe; Fluido C – constituindo as energias tiradas da natureza.
  • 42. Tipos principais de fenômenos de ectoplasmia: 1. Materializações duradouras – materializações completas de espíritos que podem acontecer vários dias, meses e até anos; 2. Materializações luminosas – materializações de mãos, braços, fagulhas, centelhas, clarões, nuvens. Devem ocorrer em ambientes de pouca luminosidade;
  • 43. Tipos principais de fenômenos de ectoplasmia: 3. Agêneres – Modalidade de aparição tangível. Vai desde a forma vaporosa até a outras nitidamente visíveis; 4. Fotografias de espíritos; evidente causa física;
  • 44. Tipos principais de fenômenos de ectoplasmia: 5. Levitação – fenômeno pelo qual pessoas, animais ou coisas erguem- se do solo, elevando-se no ar, a pequenas ou consideráveis alturas, com eventuais deslocamentos, sem evidente causa física;
  • 45. Tipos principais de fenômenos de ectoplasmia: 6. Transfiguração – mudança de fisionomia de um corpo encarnado. Há indicações de que ocorre da seguinte forma: a. O perispírito do médium se expande, irradiando ao redor do seu corpo; b. Uma espécie de vapor, de natureza ectoplásmica, envolve o corpo físico, vapor esse decorrente das modificações moleculares do perispírito;
  • 46. Tipos principais de fenômenos de ectoplasmia: Transfiguração c. O vapor ectoplásmico oculta o corpo físico, tornando-o total ou parcialmente invisível para uma ou várias pessoas; d. O espírito imprime a esse vapor, ou fluido ectoplásmico, a aparência que desejar: própria ou de outro.
  • 47. Tipos principais de fenômenos de ectoplasmia: Poltergeist – do alemão polter – fazer ruído e geist = Espírito. Efeitos físicos que ocorrem com mais freqüência neste tipo de fenômeno: 1. Pedradas 2. Incêndios 3. Odores incomuns 4. Desaparecimento de objetos; 5. Ruídos estranhos.
  • 48. Tipos principais de fenômenos de ectoplasmia: Curas espirituais – Dom que possuem certas pessoas de curar pelo simples toque, pelo olhar, mesmo por um gesto, sem o concurso de qualquer medicação. O fluido magnético (ectoplásmico) desempenha aí importante papel. A ele junta-se a intervenção dos espíritos que associam os fluidos do médium aos seus.
  • 49. Tipos principais de fenômenos de ectoplasmia: A cura espírita se dá através da aplicação do passe, pela fluidificação da água, pelo hábito saudável da oração, pelo enriquecimento da fé – obtida por meio de atitudes mentais positivas e mudança de hábitos negativos.
  • 50. ESTUDO DA MEDIUNIDADE TRANSCOMUNICAÇÃO INSTRUMENTAL
  • 51. O Que é Transcomunicação Instrumental Comunicação com os Espíritos através de aparelhos eletrônicos.
  • 52. TCI O engenheiro brasileiro, Dr. Hernani Guimarães, classificou o fenômeno em duas categorias: Transcomunicação Mediúnica; Transcomunicação Direta.
  • 53. Primeiros Contatos Em 1959, na Suécia, Friedrich Jürgenson, gravando canto de pássaros, espantou-se ao ouvir coisas estranhas em meio à gravação. De começo, eram barulhos, sinais acústicos, trechos de frases. Depois, eram vozes de pessoas falecidas, que falavam com ele e respondiam perguntas.
  • 54. Primeiros Contatos Esse foi apenas o primeiro passo nas pesquisas de TCI , que hoje acontecem através de computadores, radio, fax, telefone, e com som e imagem por aparelhos de tv.
  • 55. TCI Em 1980, enquanto ocorriam os funerais de Jürgenson, numa cidade a 700 km. de distância, um transcomunicador recebeu ordem mental para ligar a tv, sintonizá-la num canal inexistente e preparar-se para fotografar. Após vários minutos de espera, repentinamente surgiu um clarão no canto da tela e aos poucos foi-se formando a imagem de Jürgenson. As fotos dessa impressionante seqüência foram publicadas no jornal Folha Espírita, juntamente com o relato, pelo conhecido cientista brasileiro, falecido recentemente, Dr. Ernane Guimarães Andrade.
  • 56. TCI O sacerdote católico francês, François Brune, da ordem de S. Sulpício conheceu, em 1987, o casal de pesquisadores de TCI, Jules e Maggy Harsch- Fischbac, que conseguiam contato com os espíritos (voz e imagem), através de aparelhos eletrônicos. Diante das evidências que foi encontrando, decidiu-se a também pesquisar esse fenômeno, num largo leque de investigação, analisando todas as possibilidades, desde manifestações do inconsciente (coletivo ou individual), fraudes, até interferência de emissoras de rádio ou televisão, e acabou concluindo (como os demais pesquisadores) tratar-se realmente de “mortos” ou espíritos.
  • 57. TCI Este tipo de comunicação entre a dimensão material e espiritual não é tão simples quanto parece, pois há dificuldades relacionadas à freqüência e, pelo que os espíritos dizem, a uma diferença no próprio fluxo do tempo. Em certos tipos de TCI eles elaboram as vozes utilizando-se dos ruídos do ambiente, ou melhor, dão forma audível na dimensão material ás próprias vozes e, para isso, há necessidade de muita preparação.
  • 58. Padre Brune, falando sobre uma sessão de TCI em Luxemburgo, diz: “Jules sintonizara o rádio entre duas emissoras, de que ouvíamos apenas um chiado. Maggy chamava, alternadamente, em francês e em alemão uma série de interlocutores (espíritos que habitualmente comunicavam-se com eles). Pouco a pouco, sobre o ruído que servia de fundo, outros sons começavam a se fazer ouvir, inicialmente pouco distintos. A frase já havia começado. O início era incompreensível. Mas repentinamente, a voz soou de forma clara: “... um substrato imaterial, ou qualquer que seja o nome que lhe dêem, “princípio. alma, espírito”, uma parcela de eternidade escapa da destruição. A infelicidade, hoje, é que as pessoas têm medo da morte.”
  • 59. Padre Brune, falando sobre uma sessão de TCI em Luxemburgo, diz: “Jules sintonizara o rádio entre duas emissoras, de que ouvíamos apenas um chiado. Maggy chamava, alternadamente, em francês e em alemão uma série de interlocutores (espíritos que habitualmente comunicavam-se com eles). Pouco a pouco, sobre o ruído que servia de fundo, outros sons começavam a se fazer ouvir, inicialmente pouco distintos. A frase já havia começado. O início era incompreensível. Mas repentinamente, a voz soou de forma clara: “... um substrato imaterial, ou qualquer que seja o nome que lhe dêem, “princípio. alma, espírito”, uma parcela de eternidade escapa da destruição. A infelicidade, hoje, é que as pessoas têm medo da morte.”
  • 60. Padre Brune detalha um fato pioneiro da TCI, envolvendo diretamente a Igreja. Conta que o primeiro caso de voz gravada foi obtido em Milão, no laboratório de física experimental da Universidade Católica, quando o padre Agostino Gemelli, físico de renome e fundador da Universidade, então Presidente da Academia Pontifícia, realizava experimentos juntamente com o padre Pellegrino Ernetti. Padre Gemelli ouviu a voz de seu próprio pai gravada em fita cassete, fazendo comentário sobre uma observação que ele fizera ao padre Ernetti. Ambos levaram o fato e a gravação ao conhecimento do Papa Pio XII, que os teria tranqüilizado, ao considerar que esse fenômeno é do domínio da ciência, estimulando-os a prosseguir, dizendo que esse fato “poderá, talvez, marcar o início de um novo estudo científico que virá a confirmar a fé no além”.