SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
CPC e IGC 2016
Diretoria de Avaliação da Educação Superior - Daes
Brasília-DF | Novembro 2017
• Processo Avaliativo da Educação Superior
realizado pelo Inep no âmbito do Sinaes
• Síntese do Enade 2016
• Estatísticas dos Indicadores
• Resultados dos Indicadores de Qualidade
da Educação Superior – edição 2016
CPC e IGC
Enfoques da apresentação
Processo Avaliativo da
Educação Superior
realizado pelo Inep no
âmbito do Sinaes
Avaliação Externa
Conforme previsto na lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004:
Art. 1º Fica instituído o Sistema Nacional de Avaliação da Educação
Superior - SINAES, com o objetivo de assegurar processo nacional de
avaliação das instituições de educação superior, dos cursos de graduação e
do desempenho acadêmico de seus estudantes, nos termos do art 9º, VI,
VIII e IX, da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
(...)
I – avaliação institucional, interna e externa, contemplando a análise
global e integrada das dimensões, estruturas, relações, compromisso
social, atividades, finalidades e responsabilidades sociais das instituições
de educação superior e de seus cursos;
SINAES Avaliação interna e externa
Art. 3º A avaliação das instituições de educação superior terá por objetivo
identificar o seu perfil e o significado de sua atuação, por meio de suas
atividades, cursos, programas, projetos e setores, considerando as
diferentes dimensões institucionais, dentre elas obrigatoriamente as
seguintes: (...)
§ 2º Para a avaliação das instituições, serão utilizados procedimentos e
instrumentos diversificados, dentre os quais a autoavaliação e a avaliação
externa in loco.
Art. 8º A realização da avaliação das instituições, dos cursos e do
desempenho dos estudantes será responsabilidade do INEP.
SINAES Avaliação interna e externa
Avaliação ExternaSINAES Processos Avaliativos da Educação Superior
• Estão previstos processos avaliativos vinculados a:
 Autoavaliação
 Processo de autoconhecimento conduzido pela Comissão Própria de
Avaliação (CPA), tendo por finalidades fomentar a cultura de avaliação
institucional e subsidiar os processos de avaliação externa.
 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)
 Realizado para aferir conhecimentos, competências e habilidades
desenvolvidas pelo estudante ao longo do curso.
 Avaliações in loco
 Realizada com uma abordagem mais qualitativa de avaliação sobre as
condições de oferta dos cursos de graduação e da estrutura das IES.
 Indicadores de Qualidade da Educação Superior
 Produzidos com uma abordagem mais quantitativa, subsidiando os
processos de avaliação in loco.
Síntese do Enade 2016
Previsto na lei nº 10.861/2004, que institui o SINAES, o Exame é
realizado pelo Inep, sob a orientação da Comissão Nacional de
Avaliação da Educação Superior (Conaes) e conta com o apoio
técnico de comissões assessoras.
Realizado para aferir o desempenho dos estudantes em relação a
conhecimentos, competências e habilidades desenvolvidas ao
longo do curso.
As áreas de avaliação do Enade, relacionadas às grandes áreas de
conhecimentos do ciclo avaliativo, são definidas, anualmente, em
Portaria específica do Ministério da Educação.
Exame Nacional de Desempenho dos
Estudantes
Bacharelados nas áreas de Saúde, Ciências Agrárias e áreas afins:
Agronomia
Biomedicina
Educação Física
Enfermagem
Farmácia
Fisioterapia
Fonoaudiologia
Medicina
Medicina Veterinária
Nutrição
Odontologia
Serviço Social
Zootecnia
Áreas de Avaliação do Enade 2016
Ano I do Ciclo Avaliativo do Enade
Eixos Tecnológicos em Ambiente e Saúde, Produção
Alimentícia, Recursos Naturais, Militar e Segurança:
Agronegócio
Estética e Cosmética
Gestão Ambiental
Gestão Hospitalar
Radiologia
Áreas de Avaliação do Enade 2016
Ano I do Ciclo Avaliativo do Enade
Indicadores de Qualidade
da Educação Superior
CPC e IGC 2016
São Indicadores de Qualidade da Educação Superior:
• Conceito Enade;
• Indicador de Diferença entre os Desempenhos Esperado e Observado
(IDD);
• Conceito Preliminar de Curso (CPC);
• Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC).
Esses indicadores de qualidade mantêm relação direta com o Ciclo
Avaliativo.
Os cursos são avaliados segundo as áreas de avaliação vinculadas aos Anos
do Ciclo Avaliativo do Enade.
Indicadores de Qualidade da Educação Superior
Grandes Áreas de Conhecimentos do
Ciclo Avaliativo do Enade
Bacharelados e Licenciaturas:
Saúde, Ciências Agrárias e áreas afins. (2016)
Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Humanas e áreas afins. (2015)
Licenciaturas, Ciências Exatas e áreas afins. (2014)
Eixos Tecnológicos:
Ambiente e Saúde, Produção Alimentícia, Recursos Naturais, Militar
e Segurança. (2016)
Gestão e Negócios, Apoio Escolar, Hospitalidade e Lazer, Produção
Cultural e Design. (2015)
Controle e Processos Industriais, Informação e Comunicação,
Infraestrutura, Produção Industrial. (2014)
CPC IGC
Composição e divulgação dos Indicadores
Desempenhos
como
Concluinte de
cursos de
graduação
(Enade)
Conceito Enade
Conceito
Preliminar
de Curso
(CPC)Desempenhos como
Ingressante do curso
do graduação avaliado
(Enem)
Índice Geral
de Cursos
Avaliados da
Instituição
(IGC)
IDD
Corpo Docente
(Censup)
Questionário do
Estudante
(Enade)
Pós-Graduação
(Capes)
Primeira etapa de divulgação:
Dia 01/09/17
Segunda etapa de divulgação:
Dia 23/11/17
Todos os indicadores são expressos em faixas, descritas em uma escala discreta crescente
de valores de 1 (um) a 5 (cinco).
• Os valores brutos atribuídos aos componentes utilizados no cálculo são padronizados e
reescalonados para serem expressos em valores contínuos de 0 (zero) a 5 (cinco).
• Os valores discrepantes (outliers) são desconsiderados como valores mínimo e máximo
no processo de reescalonamento.
Antes do cálculo final, todas as IES têm acesso aos insumos de cálculo e podem se
manifestar no Sistema e-MEC.
Indicadores de Qualidade da Educação Superior
Estatísticas do CPC e IGC 2016
Quantidade
Cursos com conceito CPC na edição 2016 4.196
IES com conceito IGC na edição de 2016 2.121
Cursos com CPC no triênio 2014, 2015, 2016
utilizados para o cálculo do IGC 2016
21.154
Estatísticas dos cursos avaliados
Organização Acadêmica Cursos Estudantes
Centro Universitário 715 42.508
Faculdade 1.421 62.867
IFES/CEFET 102 3.532
Universidade 1.958 107.137
Categoria Administrativa Cursos Estudantes
Pública 1.027 49.549
Privada 3.169 166.495
Modalidade Educacional Cursos Estudantes
Educação Presencial 4.145 195.220
Educação a Distância 51 20.824
CPC 2016
CPC
• Calculado e divulgado para cada curso de graduação
avaliado.
• Identificado pelo código de curso utilizado pelas IES para
inscrição de estudantes e enquadramento em uma das
áreas de avaliação do Enade.
• Para que um curso tenha o CPC calculado, é preciso que
ele possua no mínimo 2 (dois) estudantes concluintes
participantes no Enade.
Conceito Preliminar de Curso
CPC Conceito Preliminar de Curso
DIMENSÃO COMPONENTES PESOS
Desempenho dos Estudantes Nota dos Concluintes no Enade (NC) 20,0%
Valor Agregado
Nota do Indicador de Diferença entre
os Desempenhos Observados e
Esperados (NIDD)
35,0%
Corpo Docente
Nota de Proporção de Mestres (NM) 7,5%
30,0%Nota de Proporção de Doutores (ND) 15,0%
Nota de Regime de Trabalho (NR) 7,5%
Percepção Discente sobre as
Condições do Processo Formativo
Nota Referente à Organização
Didático-pedagógica (NO)
7,5%
15,0%
Nota Referente à Infraestrutura e
Instalações Físicas (NF)
5,0%
Nota Referente às Oportunidades de
Ampliação da Formação Acadêmica e
Profissional (NA)
2,5%
CPC Cursos por Faixa do CPC 2016
0,4%
7,0%
50,5%
40,3%
1,9%
0%
20%
40%
60%
80%
1 2 3 4 5
CPC Números Absolutos
Cursos por faixa do CPC 2016
CPC 2016 - Faixa Quantidade
1 15
2 293
3 2.117
4 1.690
5 81
CPC Cursos por Faixa do CPC 2016
Catego ria Ad m in istrativa
0,5% 0,3%
5,6% 7,4%
38,8%
54,2%54,2%
35,8%
0,9% 2,3%
0%
20%
40%
60%
80%
Pública Privada
1
2
3
4
5
CPC Cursos por faixa do CPC 2016
Organ ização Acad êm ica
0%
20%
40%
60%
80%
Centro Universitário Faculdade IFES/CEFET Universidade
1
2
3
4
5
CPC Cursos por faixa do CPC 2016
Mo d alid ad e Ed u cac io n al
0% 0,4%2%
7%
68,6%
50,2%
27,5%
40,4%
2% 1,9%
0%
20%
40%
60%
80%
Educação a Distância Educação Presencial
1
2
3
4
5
Corpo Docente - Regime de Trabalho
(Parcial e Integral)
Modalidade de ensino Porcentagem Média
Educação a Distância 88%
Educação Presencial 85%
Categoria Administrativa Porcentagem Média
Privada 81%
Pública 96%
Organização Acadêmica Porcentagem Média
Centro Universitário 82%
Faculdade 78%
IFES/CEFET 100%
Universidade 90%
CPC
• É um indicador composto em que seus
componentes podem ser analisados
separadamente, seja na sua forma absoluta ou
relativa.
• Cada componente do CPC tem potencial de ser
transformado em um indicador individualizado.
Conceito Preliminar de Curso
Corpo Docente - Doutores e Mestres
Modalidade
Porcentagem média de
Doutores
Porcentagem média de
Mestres
Educação Presencial 46,4% 38,3%
Educação a Distância 46,3% 44,4%
Categoria Administrativa
Porcentagem média de
Doutores
Porcentagem média de
Mestres
Privado 41,9% 42,3%
Pública 60,7% 26,1%
Organização Acadêmica
Porcentagem média de
Doutores
Porcentagem média de
Mestres
Centro Universitário 48,0% 40,9%
Faculdade 33,8% 44,4%
IFES/CEFET 42,1% 42,7%
Universidade 55,3% 32,8%
Categoria Administrativa
Organização Didático-
pedagógica
Infraestrutura e
Instalações Físicas
Oportunidades de
Ampliação da Formação
Acadêmica e Profissional
Privada 3,54 3,66 3,34
Pública 2,28 2,29 2,75
Valores de 0 a 5
Valores Médios - Percepção Discente
Processo Formativo por Categoria
Administrativa
Organização Acadêmica
Organização Didático-
pedagógica
Infraestrutura e
Instalações Físicas
Oportunidades de
Ampliação da Formação
Acadêmica e Profissional
Centro Universitário 3,68 3,84 3,59
Faculdade 3,66 3,66 3,33
IFES/CEFET 2,32 2,51 2,88
Universidade 2,81 2,95 2,97
Valores de 0 a 5
Valores Médios - Percepção Discente
Condições do Processo Formativo por
Organização Acadêmica
Modalidade
Organização
Didático-pedagógica
Infraestrutura e
Instalações Físicas
Oportunidades de
Ampliação da Formação
Acadêmica e Profissional
Educação Presencial 3,24 3,33 3,21
Educação a Distância 2,71 3,31 2,66
Valores de 0 a 5
Valores Médios - Percepção Discente
Condições do Processo Formativo por
Modalidade
IGC 2016
IGC
• Indicador de qualidade que avalia as Instituições de Educação
Superior. Seu cálculo é realizado anualmente e leva em conta os
seguintes aspectos:
– média dos CPC do último triênio, relativos aos cursos avaliados da instituição;
– média dos conceitos de avaliação dos programas de pós-graduação stricto
sensu atribuídos pela Capes na última avaliação trienal disponível;
– distribuição dos estudantes entre os diferentes níveis de ensino, graduação ou
pós-graduação stricto sensu.
• Para que uma IES tenha o IGC calculado é preciso que ela possua ao
menos um curso com estudantes concluintes inscritos no Enade no
triênio de referência. É preciso ainda que tenha sido possível calcular
o CPC deste(s) curso(s).
Índice Geral de Cursos
IGC Instituições por faixa do IGC 2016
0,4%
14,0%
66,7%
17,4%
1,5%
0%
20%
40%
60%
80%
1 2 3 4 5
IGC Números Absolutos
IES por faixa do IGC 2016
IGC 2016 - Faixa Quantidade
1 9
2 298
3 1.415
4 368
5 31
IGC Instituições por faixa do IGC 2016
Catego ria Ad m in istrativa
0,5% 0%
14,4%
11,7%
68,6%
53,8%
15,7%
28,8%
0,9%
5,7%
0%
20%
40%
60%
80%
Privadas Públicas
1
2
3
4
5
IGC IES por faixa do IGC 2016
Organ ização Acad ê m ica
0%
20%
40%
60%
80%
Centro Universitário Faculdade IFES/CEFET Universidade
1
2
3
4
5
Acesse nossas redes sociais Conheça nossas publicações
INSTAGRAM
FACEBOOK
TWITTER
YOUTUBE
PORTAL INEP
portal.inep.gov.br
Dúvidas e comentários
Fale Conosco
0800-616161
Autoatendimento do Portal do Inep

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Salto apresentação(04 05)
Salto apresentação(04 05)Salto apresentação(04 05)
Salto apresentação(04 05)
wdnilmacms
 

Mais procurados (11)

Como se calcula o CPC
Como se calcula o CPCComo se calcula o CPC
Como se calcula o CPC
 
Apresentação do CPA
Apresentação do CPAApresentação do CPA
Apresentação do CPA
 
Slides Enade PUCRS 2010
Slides Enade PUCRS 2010Slides Enade PUCRS 2010
Slides Enade PUCRS 2010
 
Mauro Kreus - Ciclo Palestras CFA - Enade
Mauro Kreus -  Ciclo Palestras CFA - EnadeMauro Kreus -  Ciclo Palestras CFA - Enade
Mauro Kreus - Ciclo Palestras CFA - Enade
 
Apresentação SINAES para que fazer ENADE 2015
Apresentação SINAES para que fazer ENADE 2015 Apresentação SINAES para que fazer ENADE 2015
Apresentação SINAES para que fazer ENADE 2015
 
Apresentação do simulado ENADE
Apresentação do simulado ENADEApresentação do simulado ENADE
Apresentação do simulado ENADE
 
Palestra Dr. irineu Barreto Jr
Palestra Dr. irineu Barreto JrPalestra Dr. irineu Barreto Jr
Palestra Dr. irineu Barreto Jr
 
RESULTADOS DOS INDICADORES - CPC E IGC 2017
RESULTADOS DOS INDICADORES - CPC E IGC 2017RESULTADOS DOS INDICADORES - CPC E IGC 2017
RESULTADOS DOS INDICADORES - CPC E IGC 2017
 
Salto apresentação(04 05)
Salto apresentação(04 05)Salto apresentação(04 05)
Salto apresentação(04 05)
 
Palestra Enade 2015 Universidade Metodista SINAES
Palestra Enade 2015 Universidade Metodista SINAESPalestra Enade 2015 Universidade Metodista SINAES
Palestra Enade 2015 Universidade Metodista SINAES
 
Presskit enade2017 e_indicadores_de_qualidade
Presskit enade2017 e_indicadores_de_qualidadePresskit enade2017 e_indicadores_de_qualidade
Presskit enade2017 e_indicadores_de_qualidade
 

Semelhante a INEP - INDICADORES DE QUALIDADE 2016

Indicadores de Qualidade do Ensino Superior.pdf
Indicadores de Qualidade do Ensino Superior.pdfIndicadores de Qualidade do Ensino Superior.pdf
Indicadores de Qualidade do Ensino Superior.pdf
ssuser2080e0
 
Aulas avaliacao capes (1)
Aulas avaliacao capes (1)Aulas avaliacao capes (1)
Aulas avaliacao capes (1)
João Alberto
 
(26.10.2011) Regulação do Ensino Superior | Instrumentos - Prof. Antonio Freitas
(26.10.2011) Regulação do Ensino Superior | Instrumentos - Prof. Antonio Freitas(26.10.2011) Regulação do Ensino Superior | Instrumentos - Prof. Antonio Freitas
(26.10.2011) Regulação do Ensino Superior | Instrumentos - Prof. Antonio Freitas
ANGRAD
 
apresentacao_result.pdfjjjejejejrdjjdufu
apresentacao_result.pdfjjjejejejrdjjdufuapresentacao_result.pdfjjjejejejrdjjdufu
apresentacao_result.pdfjjjejejejrdjjdufu
dio7ff
 
2010 avaliação institucional fundasul 21-10[1] novo[1]
2010   avaliação institucional fundasul 21-10[1] novo[1]2010   avaliação institucional fundasul 21-10[1] novo[1]
2010 avaliação institucional fundasul 21-10[1] novo[1]
Iuri Florisbal
 
Indicadores De Qualidade Mestrado
Indicadores De Qualidade MestradoIndicadores De Qualidade Mestrado
Indicadores De Qualidade Mestrado
Jocivania
 

Semelhante a INEP - INDICADORES DE QUALIDADE 2016 (20)

Avaliação da Educação Superior – SINAES e Indicadores de Qualidade
Avaliação da Educação Superior – SINAES e Indicadores de QualidadeAvaliação da Educação Superior – SINAES e Indicadores de Qualidade
Avaliação da Educação Superior – SINAES e Indicadores de Qualidade
 
Indicadores de Qualidade do Ensino Superior.pdf
Indicadores de Qualidade do Ensino Superior.pdfIndicadores de Qualidade do Ensino Superior.pdf
Indicadores de Qualidade do Ensino Superior.pdf
 
Aulas avaliacao capes (1)
Aulas avaliacao capes (1)Aulas avaliacao capes (1)
Aulas avaliacao capes (1)
 
Avaliação da Educação Superior: o que dizem os novos indicadores
Avaliação da Educação Superior: o  que dizem os novos indicadoresAvaliação da Educação Superior: o  que dizem os novos indicadores
Avaliação da Educação Superior: o que dizem os novos indicadores
 
Os impactos e os desafios da avaliação sobre os cursos de Administração: o qu...
Os impactos e os desafios da avaliação sobre os cursos de Administração: o qu...Os impactos e os desafios da avaliação sobre os cursos de Administração: o qu...
Os impactos e os desafios da avaliação sobre os cursos de Administração: o qu...
 
C:\Fakepath\1o Dia De Aula 2010 1
C:\Fakepath\1o Dia De Aula   2010 1C:\Fakepath\1o Dia De Aula   2010 1
C:\Fakepath\1o Dia De Aula 2010 1
 
Avaliacao de Cursos de Graduação Presencial e EAD
Avaliacao de Cursos de Graduação Presencial e EADAvaliacao de Cursos de Graduação Presencial e EAD
Avaliacao de Cursos de Graduação Presencial e EAD
 
Enangrad 2014 Inep
Enangrad 2014 InepEnangrad 2014 Inep
Enangrad 2014 Inep
 
Enangrad 2014 Inep
Enangrad 2014 InepEnangrad 2014 Inep
Enangrad 2014 Inep
 
(26.10.2011) Regulação do Ensino Superior | Instrumentos - Prof. Antonio Freitas
(26.10.2011) Regulação do Ensino Superior | Instrumentos - Prof. Antonio Freitas(26.10.2011) Regulação do Ensino Superior | Instrumentos - Prof. Antonio Freitas
(26.10.2011) Regulação do Ensino Superior | Instrumentos - Prof. Antonio Freitas
 
apresentacao_result.pdfjjjejejejrdjjdufu
apresentacao_result.pdfjjjejejejrdjjdufuapresentacao_result.pdfjjjejejejrdjjdufu
apresentacao_result.pdfjjjejejejrdjjdufu
 
Comissão Própria de Avaliação - CPAa
Comissão Própria de Avaliação - CPAaComissão Própria de Avaliação - CPAa
Comissão Própria de Avaliação - CPAa
 
Orientações alunos
Orientações alunosOrientações alunos
Orientações alunos
 
Interdisciplinaridade e o sistema nacional de pós graduação
Interdisciplinaridade e o sistema nacional de pós graduaçãoInterdisciplinaridade e o sistema nacional de pós graduação
Interdisciplinaridade e o sistema nacional de pós graduação
 
Manual do ENADE 2016 - Atualizado
Manual do ENADE 2016 - AtualizadoManual do ENADE 2016 - Atualizado
Manual do ENADE 2016 - Atualizado
 
Reunião PedagóGica Colegiado De Curso 2010 1
Reunião PedagóGica   Colegiado De Curso   2010 1Reunião PedagóGica   Colegiado De Curso   2010 1
Reunião PedagóGica Colegiado De Curso 2010 1
 
2010 avaliação institucional fundasul 21-10[1] novo[1]
2010   avaliação institucional fundasul 21-10[1] novo[1]2010   avaliação institucional fundasul 21-10[1] novo[1]
2010 avaliação institucional fundasul 21-10[1] novo[1]
 
A formação do Administrador e o mercado de trabalho - Adm. Carlos Augusto Mat...
A formação do Administrador e o mercado de trabalho - Adm. Carlos Augusto Mat...A formação do Administrador e o mercado de trabalho - Adm. Carlos Augusto Mat...
A formação do Administrador e o mercado de trabalho - Adm. Carlos Augusto Mat...
 
Indicadores De Qualidade Mestrado
Indicadores De Qualidade MestradoIndicadores De Qualidade Mestrado
Indicadores De Qualidade Mestrado
 
ENADE.pdf
ENADE.pdfENADE.pdf
ENADE.pdf
 

Mais de SOL MARKETING EDUCACIONAL

Mais de SOL MARKETING EDUCACIONAL (20)

Advogado 4.0
Advogado 4.0Advogado 4.0
Advogado 4.0
 
DIREITO DIGITAL INFOGRÁFICO
DIREITO DIGITAL INFOGRÁFICO DIREITO DIGITAL INFOGRÁFICO
DIREITO DIGITAL INFOGRÁFICO
 
COMO ADVOGAR NA ERA DIGITAL? 30 FERRAMENTAS INCRÍVEIS
COMO ADVOGAR NA ERA DIGITAL? 30 FERRAMENTAS INCRÍVEISCOMO ADVOGAR NA ERA DIGITAL? 30 FERRAMENTAS INCRÍVEIS
COMO ADVOGAR NA ERA DIGITAL? 30 FERRAMENTAS INCRÍVEIS
 
PROGRAMA EXCLUSIVO EMPRESAS PARCEIRAS
PROGRAMA EXCLUSIVO EMPRESAS PARCEIRAS PROGRAMA EXCLUSIVO EMPRESAS PARCEIRAS
PROGRAMA EXCLUSIVO EMPRESAS PARCEIRAS
 
EDITAL PROUNI - 2020.1
EDITAL PROUNI - 2020.1EDITAL PROUNI - 2020.1
EDITAL PROUNI - 2020.1
 
TREINAMENTO INGRESSO
TREINAMENTO INGRESSO TREINAMENTO INGRESSO
TREINAMENTO INGRESSO
 
ENEM 2020 DIGITAL
ENEM 2020 DIGITAL ENEM 2020 DIGITAL
ENEM 2020 DIGITAL
 
ENEM 2020 - EDITAL
ENEM 2020 - EDITAL ENEM 2020 - EDITAL
ENEM 2020 - EDITAL
 
Programa bolsa de estudos aprendiz
Programa bolsa de estudos aprendizPrograma bolsa de estudos aprendiz
Programa bolsa de estudos aprendiz
 
Portaria MEC 40%
Portaria MEC  40%Portaria MEC  40%
Portaria MEC 40%
 
PROJETO MATURIDADE
PROJETO MATURIDADE PROJETO MATURIDADE
PROJETO MATURIDADE
 
Operacao ENEM 2019
Operacao ENEM 2019Operacao ENEM 2019
Operacao ENEM 2019
 
Press Kit Enem 2019
Press Kit Enem 2019Press Kit Enem 2019
Press Kit Enem 2019
 
Caderno Política Nacional de Alfabetização
Caderno Política Nacional de Alfabetização Caderno Política Nacional de Alfabetização
Caderno Política Nacional de Alfabetização
 
Press kit Enem 2019
Press kit Enem 2019Press kit Enem 2019
Press kit Enem 2019
 
EDITAL ENADE 2019
EDITAL ENADE 2019EDITAL ENADE 2019
EDITAL ENADE 2019
 
EXPOCIEE SP 2018
EXPOCIEE SP 2018EXPOCIEE SP 2018
EXPOCIEE SP 2018
 
RESULTADOS ENEM 2018
RESULTADOS ENEM 2018RESULTADOS ENEM 2018
RESULTADOS ENEM 2018
 
P-FIES - PRIMEIRO EDITAL DE 2019
P-FIES -  PRIMEIRO EDITAL DE 2019P-FIES -  PRIMEIRO EDITAL DE 2019
P-FIES - PRIMEIRO EDITAL DE 2019
 
EDITAL ENADE 2018
EDITAL ENADE 2018EDITAL ENADE 2018
EDITAL ENADE 2018
 

Último

O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
Autonoma
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
Autonoma
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
azulassessoria9
 

Último (20)

Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 

INEP - INDICADORES DE QUALIDADE 2016

  • 1. CPC e IGC 2016 Diretoria de Avaliação da Educação Superior - Daes Brasília-DF | Novembro 2017
  • 2. • Processo Avaliativo da Educação Superior realizado pelo Inep no âmbito do Sinaes • Síntese do Enade 2016 • Estatísticas dos Indicadores • Resultados dos Indicadores de Qualidade da Educação Superior – edição 2016 CPC e IGC Enfoques da apresentação
  • 3. Processo Avaliativo da Educação Superior realizado pelo Inep no âmbito do Sinaes
  • 4. Avaliação Externa Conforme previsto na lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Art. 1º Fica instituído o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES, com o objetivo de assegurar processo nacional de avaliação das instituições de educação superior, dos cursos de graduação e do desempenho acadêmico de seus estudantes, nos termos do art 9º, VI, VIII e IX, da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (...) I – avaliação institucional, interna e externa, contemplando a análise global e integrada das dimensões, estruturas, relações, compromisso social, atividades, finalidades e responsabilidades sociais das instituições de educação superior e de seus cursos; SINAES Avaliação interna e externa
  • 5. Art. 3º A avaliação das instituições de educação superior terá por objetivo identificar o seu perfil e o significado de sua atuação, por meio de suas atividades, cursos, programas, projetos e setores, considerando as diferentes dimensões institucionais, dentre elas obrigatoriamente as seguintes: (...) § 2º Para a avaliação das instituições, serão utilizados procedimentos e instrumentos diversificados, dentre os quais a autoavaliação e a avaliação externa in loco. Art. 8º A realização da avaliação das instituições, dos cursos e do desempenho dos estudantes será responsabilidade do INEP. SINAES Avaliação interna e externa
  • 6. Avaliação ExternaSINAES Processos Avaliativos da Educação Superior • Estão previstos processos avaliativos vinculados a:  Autoavaliação  Processo de autoconhecimento conduzido pela Comissão Própria de Avaliação (CPA), tendo por finalidades fomentar a cultura de avaliação institucional e subsidiar os processos de avaliação externa.  Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)  Realizado para aferir conhecimentos, competências e habilidades desenvolvidas pelo estudante ao longo do curso.  Avaliações in loco  Realizada com uma abordagem mais qualitativa de avaliação sobre as condições de oferta dos cursos de graduação e da estrutura das IES.  Indicadores de Qualidade da Educação Superior  Produzidos com uma abordagem mais quantitativa, subsidiando os processos de avaliação in loco.
  • 8. Previsto na lei nº 10.861/2004, que institui o SINAES, o Exame é realizado pelo Inep, sob a orientação da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes) e conta com o apoio técnico de comissões assessoras. Realizado para aferir o desempenho dos estudantes em relação a conhecimentos, competências e habilidades desenvolvidas ao longo do curso. As áreas de avaliação do Enade, relacionadas às grandes áreas de conhecimentos do ciclo avaliativo, são definidas, anualmente, em Portaria específica do Ministério da Educação. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes
  • 9. Bacharelados nas áreas de Saúde, Ciências Agrárias e áreas afins: Agronomia Biomedicina Educação Física Enfermagem Farmácia Fisioterapia Fonoaudiologia Medicina Medicina Veterinária Nutrição Odontologia Serviço Social Zootecnia Áreas de Avaliação do Enade 2016 Ano I do Ciclo Avaliativo do Enade
  • 10. Eixos Tecnológicos em Ambiente e Saúde, Produção Alimentícia, Recursos Naturais, Militar e Segurança: Agronegócio Estética e Cosmética Gestão Ambiental Gestão Hospitalar Radiologia Áreas de Avaliação do Enade 2016 Ano I do Ciclo Avaliativo do Enade
  • 11. Indicadores de Qualidade da Educação Superior CPC e IGC 2016
  • 12. São Indicadores de Qualidade da Educação Superior: • Conceito Enade; • Indicador de Diferença entre os Desempenhos Esperado e Observado (IDD); • Conceito Preliminar de Curso (CPC); • Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC). Esses indicadores de qualidade mantêm relação direta com o Ciclo Avaliativo. Os cursos são avaliados segundo as áreas de avaliação vinculadas aos Anos do Ciclo Avaliativo do Enade. Indicadores de Qualidade da Educação Superior
  • 13. Grandes Áreas de Conhecimentos do Ciclo Avaliativo do Enade Bacharelados e Licenciaturas: Saúde, Ciências Agrárias e áreas afins. (2016) Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Humanas e áreas afins. (2015) Licenciaturas, Ciências Exatas e áreas afins. (2014) Eixos Tecnológicos: Ambiente e Saúde, Produção Alimentícia, Recursos Naturais, Militar e Segurança. (2016) Gestão e Negócios, Apoio Escolar, Hospitalidade e Lazer, Produção Cultural e Design. (2015) Controle e Processos Industriais, Informação e Comunicação, Infraestrutura, Produção Industrial. (2014) CPC IGC
  • 14. Composição e divulgação dos Indicadores Desempenhos como Concluinte de cursos de graduação (Enade) Conceito Enade Conceito Preliminar de Curso (CPC)Desempenhos como Ingressante do curso do graduação avaliado (Enem) Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC) IDD Corpo Docente (Censup) Questionário do Estudante (Enade) Pós-Graduação (Capes) Primeira etapa de divulgação: Dia 01/09/17 Segunda etapa de divulgação: Dia 23/11/17
  • 15. Todos os indicadores são expressos em faixas, descritas em uma escala discreta crescente de valores de 1 (um) a 5 (cinco). • Os valores brutos atribuídos aos componentes utilizados no cálculo são padronizados e reescalonados para serem expressos em valores contínuos de 0 (zero) a 5 (cinco). • Os valores discrepantes (outliers) são desconsiderados como valores mínimo e máximo no processo de reescalonamento. Antes do cálculo final, todas as IES têm acesso aos insumos de cálculo e podem se manifestar no Sistema e-MEC. Indicadores de Qualidade da Educação Superior
  • 16. Estatísticas do CPC e IGC 2016 Quantidade Cursos com conceito CPC na edição 2016 4.196 IES com conceito IGC na edição de 2016 2.121 Cursos com CPC no triênio 2014, 2015, 2016 utilizados para o cálculo do IGC 2016 21.154
  • 17. Estatísticas dos cursos avaliados Organização Acadêmica Cursos Estudantes Centro Universitário 715 42.508 Faculdade 1.421 62.867 IFES/CEFET 102 3.532 Universidade 1.958 107.137 Categoria Administrativa Cursos Estudantes Pública 1.027 49.549 Privada 3.169 166.495 Modalidade Educacional Cursos Estudantes Educação Presencial 4.145 195.220 Educação a Distância 51 20.824
  • 19. CPC • Calculado e divulgado para cada curso de graduação avaliado. • Identificado pelo código de curso utilizado pelas IES para inscrição de estudantes e enquadramento em uma das áreas de avaliação do Enade. • Para que um curso tenha o CPC calculado, é preciso que ele possua no mínimo 2 (dois) estudantes concluintes participantes no Enade. Conceito Preliminar de Curso
  • 20. CPC Conceito Preliminar de Curso DIMENSÃO COMPONENTES PESOS Desempenho dos Estudantes Nota dos Concluintes no Enade (NC) 20,0% Valor Agregado Nota do Indicador de Diferença entre os Desempenhos Observados e Esperados (NIDD) 35,0% Corpo Docente Nota de Proporção de Mestres (NM) 7,5% 30,0%Nota de Proporção de Doutores (ND) 15,0% Nota de Regime de Trabalho (NR) 7,5% Percepção Discente sobre as Condições do Processo Formativo Nota Referente à Organização Didático-pedagógica (NO) 7,5% 15,0% Nota Referente à Infraestrutura e Instalações Físicas (NF) 5,0% Nota Referente às Oportunidades de Ampliação da Formação Acadêmica e Profissional (NA) 2,5%
  • 21. CPC Cursos por Faixa do CPC 2016 0,4% 7,0% 50,5% 40,3% 1,9% 0% 20% 40% 60% 80% 1 2 3 4 5
  • 22. CPC Números Absolutos Cursos por faixa do CPC 2016 CPC 2016 - Faixa Quantidade 1 15 2 293 3 2.117 4 1.690 5 81
  • 23. CPC Cursos por Faixa do CPC 2016 Catego ria Ad m in istrativa 0,5% 0,3% 5,6% 7,4% 38,8% 54,2%54,2% 35,8% 0,9% 2,3% 0% 20% 40% 60% 80% Pública Privada 1 2 3 4 5
  • 24. CPC Cursos por faixa do CPC 2016 Organ ização Acad êm ica 0% 20% 40% 60% 80% Centro Universitário Faculdade IFES/CEFET Universidade 1 2 3 4 5
  • 25. CPC Cursos por faixa do CPC 2016 Mo d alid ad e Ed u cac io n al 0% 0,4%2% 7% 68,6% 50,2% 27,5% 40,4% 2% 1,9% 0% 20% 40% 60% 80% Educação a Distância Educação Presencial 1 2 3 4 5
  • 26. Corpo Docente - Regime de Trabalho (Parcial e Integral) Modalidade de ensino Porcentagem Média Educação a Distância 88% Educação Presencial 85% Categoria Administrativa Porcentagem Média Privada 81% Pública 96% Organização Acadêmica Porcentagem Média Centro Universitário 82% Faculdade 78% IFES/CEFET 100% Universidade 90%
  • 27. CPC • É um indicador composto em que seus componentes podem ser analisados separadamente, seja na sua forma absoluta ou relativa. • Cada componente do CPC tem potencial de ser transformado em um indicador individualizado. Conceito Preliminar de Curso
  • 28. Corpo Docente - Doutores e Mestres Modalidade Porcentagem média de Doutores Porcentagem média de Mestres Educação Presencial 46,4% 38,3% Educação a Distância 46,3% 44,4% Categoria Administrativa Porcentagem média de Doutores Porcentagem média de Mestres Privado 41,9% 42,3% Pública 60,7% 26,1% Organização Acadêmica Porcentagem média de Doutores Porcentagem média de Mestres Centro Universitário 48,0% 40,9% Faculdade 33,8% 44,4% IFES/CEFET 42,1% 42,7% Universidade 55,3% 32,8%
  • 29. Categoria Administrativa Organização Didático- pedagógica Infraestrutura e Instalações Físicas Oportunidades de Ampliação da Formação Acadêmica e Profissional Privada 3,54 3,66 3,34 Pública 2,28 2,29 2,75 Valores de 0 a 5 Valores Médios - Percepção Discente Processo Formativo por Categoria Administrativa
  • 30. Organização Acadêmica Organização Didático- pedagógica Infraestrutura e Instalações Físicas Oportunidades de Ampliação da Formação Acadêmica e Profissional Centro Universitário 3,68 3,84 3,59 Faculdade 3,66 3,66 3,33 IFES/CEFET 2,32 2,51 2,88 Universidade 2,81 2,95 2,97 Valores de 0 a 5 Valores Médios - Percepção Discente Condições do Processo Formativo por Organização Acadêmica
  • 31. Modalidade Organização Didático-pedagógica Infraestrutura e Instalações Físicas Oportunidades de Ampliação da Formação Acadêmica e Profissional Educação Presencial 3,24 3,33 3,21 Educação a Distância 2,71 3,31 2,66 Valores de 0 a 5 Valores Médios - Percepção Discente Condições do Processo Formativo por Modalidade
  • 33. IGC • Indicador de qualidade que avalia as Instituições de Educação Superior. Seu cálculo é realizado anualmente e leva em conta os seguintes aspectos: – média dos CPC do último triênio, relativos aos cursos avaliados da instituição; – média dos conceitos de avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu atribuídos pela Capes na última avaliação trienal disponível; – distribuição dos estudantes entre os diferentes níveis de ensino, graduação ou pós-graduação stricto sensu. • Para que uma IES tenha o IGC calculado é preciso que ela possua ao menos um curso com estudantes concluintes inscritos no Enade no triênio de referência. É preciso ainda que tenha sido possível calcular o CPC deste(s) curso(s). Índice Geral de Cursos
  • 34. IGC Instituições por faixa do IGC 2016 0,4% 14,0% 66,7% 17,4% 1,5% 0% 20% 40% 60% 80% 1 2 3 4 5
  • 35. IGC Números Absolutos IES por faixa do IGC 2016 IGC 2016 - Faixa Quantidade 1 9 2 298 3 1.415 4 368 5 31
  • 36. IGC Instituições por faixa do IGC 2016 Catego ria Ad m in istrativa 0,5% 0% 14,4% 11,7% 68,6% 53,8% 15,7% 28,8% 0,9% 5,7% 0% 20% 40% 60% 80% Privadas Públicas 1 2 3 4 5
  • 37. IGC IES por faixa do IGC 2016 Organ ização Acad ê m ica 0% 20% 40% 60% 80% Centro Universitário Faculdade IFES/CEFET Universidade 1 2 3 4 5
  • 38. Acesse nossas redes sociais Conheça nossas publicações INSTAGRAM FACEBOOK TWITTER YOUTUBE PORTAL INEP portal.inep.gov.br Dúvidas e comentários Fale Conosco 0800-616161 Autoatendimento do Portal do Inep