SlideShare uma empresa Scribd logo
4 7
REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51
*
Enfermeiro Especialista em Reabilitação, Unidade de Cuidados Intensivos do HAL
**
Interna de Nefrologia no HAL
***
Enfermeiro Chefe da Unidade de Cuidados Intensivos do HAL
****
Diretor da Unidade de Cuidados Intensivos do HAL
IN-EXSUFLAÇÃO MECÂNICA EM CUIDADOS INTENSIVOS
A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO DE ATELECTASIA
PULMONAR
ROBERTO MENDES*
, RAQUEL CHORÃO**, FERNANDO MARTINHO***, JOÃO GABRIEL ****
RESUMO
Este artigo apresenta um caso de atelectasia, resolvido
com a utilização da técnica de in-exsuflação mecânica e
pretende demonstrar a importância dos dispositivos de
tosse assistida na eliminação de secreções brônquicas em
doentes com comprometimento do mecanismo de tosse.
Palavras-chave:In-Exsuflação Mecânica, Tosse Assistida,
Cuidados Intensivos, Atelectasia.
ABSTRACT
This article presents an atelectasis case resolved with
the use of mechanical in-exsufflation and shows the
importance of cough assist devices in the removal of
bronchial secretions in patients with impaired cough
mechanism.
Keywords:Mechanical In-Exsufflation, Cough Assist,
Intensive Care, Atelectasis.
INTRODUÇÃO
O internamento prolongado em cuidados intensivos faz-
se acompanhar de deterioração da condição física a
vários níveis. Este fenómeno ocorre em resultado da res-
trição da atividade física, mesmo que por curtos perío-
dos, sendo influenciado por fatores como a idade, o
estado de saúde prévio, o motivo de internamento e a
terapêutica administrada.1
Por vezes desenvolvem-se estados de fraqueza muscu-
lar generalizada associados ao desenvolvimento de
neuropatias e miopatias durante o curso da doença cri-
tica. Estes estados podem mesmo conduzir à flacidez
dos membros, diminuição dos reflexos extensores mus-
culares, da proprioceção e do reflexo doloroso nas ex-
tremidades e fraqueza da musculatura da parede
torácica. 2
Este enfraquecimento dos músculos torácicos associa-
se a dificuldades no desmame da ventilação e aumento
significativo da taxa de reintubação.3
As dificuldades na permeabilização das vias aéreas são
também um problema importante, uma vez que a debi-
lidade muscular compromete a capacidade de expelir
secreções de forma eficaz. Neste contexto poderão ser
benéficas técnicas manuais ou mecânicas que facilitem
a eliminação dessas secreções.
CASO CLÍNICO
Doente do sexo masculino, 30 anos de idade, admi-
tido na Unidade de Cuidados Intensivos (UCIP) por In-
suficiência Respiratória Global, no contexto de
Síndrome de Privação Alcoólica. Antecedentes pes-
soais de hábitos etanólicos acentuados desde a in-
fância.
À entrada na unidade foi sedado, entubado oro-
traquealmente e conectado a prótese ventilatória em
Pressão Controlada. No internamento desenvolve qua-
dro de Pneumonia Nosocomial, com abundantes se-
creções purulentas, febre, analiticamente com
parâmetros infeciosos, e na Radiografia de Tórax, ima-
gem compatível com condensação pneumónica bila-
teral.
Instituída antibioterapia endovenosa, medicação e
medidas de suporte, com melhoria clínica, radiológi-
ca e analítica, e extubação ao 18º dia; manteve abun-
dantes secreções, que não expelia por falta de cola-
boração. No 20º dia apresentou quadro de atelectasia
pulmonar esquerda (fig. 1), pelo que foi marcada
broncofibroscopia e efectuada tosse assistida com
o insuflador-exsuflador mecânico; no dia seguinte ve-
rificou-se regressão da atelectasia (fig. 2), não sendo
necessária a realização de broncofibroscopia.
Mechanical insufflation - exsufflation in intense care - a case report of pulmonary atelectasis
DISCUSSÃO
A tosse é dos mais importantes mecanismos de defesa
das vias respiratórias, consistindo numa expiração ex-
plosiva, que permite a eliminação de secreções e corpos
estranhos da árvore traqueobrônquica.4
É um mecanis-
mo reflexo que engloba receptores químicos e mecâni-
cos, que após estimulação por corpos estranhos ou se-
creções brônquicas, enviam estímulos através de vias
aferentes vagais para o centro da tosse na medula; as
vias eferentes vagais completam o arco reflexo, enviando
uma resposta motora através dos neurónios motores
para os músculos inspiratórios e expiratórios, laringe e
árvore traqueobrônquica.5
Está provada a maior eficácia da tosse com elevados
volumes e débitos pulmonares, pelo que a capacidade
de produzir um débito expiratório máximo da tosse (Peak
Cough Expiratory Flow – PCEF) irá influenciar o seu re-
sultado final.6
Para isso, é necessário assegurar a inte-
gridade das suas três fases:4,7
1. Fase inspiratória: inspiração profunda – dependente
da força muscular inspiratória – com inalação de um vo-
lume de ar variável;
2. Fase compressiva: encerramento da glote, relaxamen-
to do diafragma e compressão do volume de ar pulmonar
pela força muscular expiratória gerada contra uma glote
encerrada; a resultante pressão intratorácica positiva leva
Fig. 1 – Atelectasia pulmonar esquerda Fig. 2 – Resolução pós tosse assistida
ao estreitamento da traqueia;
3. Fase expiratória, abertura da glote – devido à grande
diferença de pressão entre as vias respiratórias e a at-
mosfera, e o estreitamento da traqueia, ocorre expulsão
do volume de ar comprimido, com produção de elevados
PCEF, e fluxos de ar rápidos pela traqueia, responsáveis
pela mobilização das secreções e eliminação de corpos
estranhos.4,7
Alterações no mecanismo do arco reflexo – disrupção
das vias aferentes, disfunção dos músculos respiratóri-
os ou disfunção bulbar – levam a um mecanismo da tos-
se ineficaz, com consequente retenção de secreções,
maior susceptibilidade a infecções respiratórias, obstru-
ção ao fluxo de ar com aumento do trabalho respiratório,
diminuição da compliance pulmonar e consequentemente
alterações na ventilação-perfusão e nas trocas gaso-
sas.4,5,8
É o que ocorre nos doentes com patologia neuromuscular,
em que qualquer uma das três fases pode estar alterada
ou nos Bronquiticos crónicos e Enfisematosos, por redu-
ção do fluxo expiratório e aumento da viscosidade das
secreções brônquicas.4,5
A clearance das vias aéreas é uma etapa essencial na
abordagem dos pacientes ventilados, particularmente nos
doentes neuromusculares.9
As estratégias existentes in-
cluem o treino dos músculos respiratórios, o recrutamen-
4 8
REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51
4 9
REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51
to do volume pulmonar (air stacking), a tosse assistida
manualmente e os dispositivos mecânicos para melhorar
a clearance das secreções traqueo-brônquicas, como a
Insuflação-Exsuflação Mecânica (IN-EX). 6,8
Enquanto as
três primeiras requerem a participação do doente, a últi-
ma está indicada para aqueles que, quer pela idade, falta
de colaboração, ou por disfunção bulbar, são incapazes
de cooperar.5
A IN-EX tem tido particular aplicação não só
como adjuvante da clearance das vias aéreas, como tam-
bém para adjuvar no desmame da ventilação mecânica e
traqueostomia, estando os seus resultados demonstra-
dos em diversos estudos.5,6
INSUFLAÇÃO-EXSUFLAÇÃO MECÂNICA
O Cough Assist, ou in-exsuflador mecânico, é um apa-
relho não invasivo que, tal como o seu nome indica,
promove uma insuflação seguida de uma exsuflação
rápida. Esta rápida transição entre insuflação (pres-
são positiva) e exsuflação (pressão negativa) gera um
fluxo expiratório elevado, que procura simular o pro-
cesso de tosse, facilitando o movimento das secre-
ções dos bronquíolos para as vias aéreas superiores
e posterior eliminação, em doentes com tosse inefi-
caz.10
Na década de 50 foi criada uma primeira versão des-
te aparelho – Co-Flactor – muito útil na altura para o
tratamento de doentes com Poliomielite. A partir da déca-
da de 70, com o desenvolvimento da ventilação invasiva,
este aparelho foi progressivamente abandonado, uma
vez que as secreções podiam ser aspiradas diretamente
da traqueia dos doentes. Mais recentemente, com o de-
senvolvimento de novas técnicas de ventilação não
invasiva, como resposta a algumas limitações e compli-
cações da ventilação invasiva, o in-exsuflador voltou a
ser procurado, levando ao lançamento do Cough Assist
em 1993.5,6
Tal como diz Jonh Bach, grande impulsionador desta
técnica desde a década de 50, as técnicas de vibra-
ção torácica, apesar de apresentarem um incontes-
tável efeito na mobilização de secreções, não terão
resultados práticos sem um fluxo de tosse eficiente
que as elimine.11
É neste sentido que a IN-EX se apre-
senta como possível solução para a retenção de se-
creções em doentes com debilidade muscular.6,11,12,13
Esta encontra-se presente em patologias
neuromusculares como a Esclerose Lateral Amiotrófica
(ELA), a distrofia muscular Duchenne, a lesão medular
cervical, entre outras, e é também relativamente fre-
quente em doentes com internamentos prolongados
em cuidados intensivos. Cerca de metade destes
doentes, internados por mais de uma semana, apre-
senta perturbações neuromusculares associadas a fra-
5 0
REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51
queza muscular que, entre outras condicionantes, está
associada a dificuldades no desmame da ventilação e
extubação11
.
A fraqueza muscular associa-se geralmente a respira-
ção superficial, com baixos volumes correntes, associa-
dos a uma capacidade vital pequena e uma tosse pouco
eficaz, por redução da capacidade dos músculos
inspiratórios e expiratórios. Sem conseguir grandes vari-
ações de volume corrente, com os normais suspiros,
estes doentes desenvolvem atelectasias e pneumonias,
que contribuem para o agravamento do quadro clínico,
necessitando muitas vezes de entubação, ou reentubação
traqueal e suporte ventilatório. Neste contexto, a Ventila-
ção Não Invasiva (VNI) poderá contribuir para a reduzir a
sobrecarga dos músculos respiratórios e gerar volumes
correntes adequados, e a tosse assistida facilitará a eli-
minação de secreções, reduzindo o risco de incidência
de atelectasias e pneumonias.15,16,17
Num estudo desenvolvido por Winck e colaboradores, a
propósito da IN-EX em doentes neuromusculares e
obstrutivos, ambos com dificuldade na eliminação de se-
creções e dessaturação associada, foi demonstrado, para
além de uma boa tolerância à técnica, aumento do Peak
Cough Flow (PCF) e na oxigenação no grupo de doentes
neuromusculares. No grupo de doentes obstrutivos veri-
ficou-se também uma melhoria na oxigenação, bem como
da dispneia, sem alterações nos parâmetros ventilatórios.
Os autores sugerem que a IN-EX possa ser um comple-
mento à VNI, ajudando a evitar complicações associa-
das à retenção de secreções, inclusive em situações de
desmame ventilatório e exacerbações de DPOC com ex-
cesso de secreções.13
Em adição aos demonstrados benefícios em situações
crónicas, começam a surgir na literatura relatos de ca-
sos bem sucedidos da aplicação desta técnica na reso-
lução de situações de insuficiência respiratória aguda
subjacente a atelectasias e pneumonias. Nestes casos
a IN-EX para além de contribuir para a remoção das se-
creções promove também a expansão e o recrutamento
alveolar. À medida que a experiência com IN-EX aumen-
ta, reduz-se a necessidade de realizar boncoscopias para
resolver atelectasias.18
Quando comparada com outras técnicas de eliminação
de secreções, como a aspiração traqueal, a in-exuflação
proporcionada pelo Cough Assist aplica para além de
uma pressão positiva inicial (que na aspiração pode ser
substituída por uma insuflação prévia, utilizando um
insuflador manual) uma pressão final negativa em toda a
via aérea, central e periférica, ao passo que a aspiração
se restringe a uma área localizada (raramente alcança o
brônquio esquerdo). Para muitos autores, a IN-EX cons-
titui a recreação mais próxima da tosse natural, e a sua
utilização tem contribuído positivamente no desmame de
doentes neuromusculares, iniciando-se a técnica ainda
com o doente entubado, pelo tubo endotraqueal ou cânu-
la de traqueotomia, e mantendo-a após a extubação, atra-
vés de uma máscara oro-nasal.15,19
.
Segundo um estudo realizado, em Espanha, com doen-
tes portadores de ELA, a IN-EX não só é mais eficaz que
a aspiração convencional direta na eliminação de secre-
5 1
REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51
ções e no aumento da SpO2
, como também é mais confortável e
melhor tolerada, inclusive em doentes traqueostomizados.19
A
utilização desta técnica em combinação com outras manobras
torácicas não invasivas de mobilização de secreções consegue
reduzir bastante, ou em muitos casos evitar, as aspirações
traqueais, reduzindo ou evitando também todo um conjunto de
traumas físicos e psicológicos que lhe estão associados.20
Este
estudo faz também referência ao facto de 80% das pneumonias,
neste tipo de doentes, acontecer no pulmão esquerdo, que rara-
mente é “aspirado” com a técnica de aspiração por sonda.
APLICAÇÃO PRÁTICA
O Cough Assist apesar de ser um aparelho relativamente sim-
ples de utilizar é passível de uma série de ajustes e programa-
ções, que não sendo as corretas podem colocar o doente numa
situação desconfortável. Vejamos quais os parâmetros passí-
veis de ajuste e as recomendações encontradas na literatura:
- Modo manual / automático – No modo manual, é o operador
que manualmente controla a duração da insuflação, da
exsuflação e da pausa, este modo permite uma melhor sin-
cronização com a insuflação e a tosse do doente; no modo
automático, o aparelho administra ciclos de insuflação /
exsuflação / pausa, de acordo com os tempos programados;21
- Tempos de insuflação, exsuflação e pausa – Função só
está ativa no em modo automático – Nos diversos estu-
dos consultados foram utilizados diferentes tempos,
como 2, 3, 1 segundos, ou 3, 4, 4 segundos, ou ainda
uma insuflação de 3 segundos e uma exsuflação de 2
segundos. Sublinhamos que o objetivo será procurar a
melhor sincronia com doente e conseguir a máxima
insuflação seguida da máxima exsuflação;6,11,19
- Pressões inspiratória e expiratória – As pressões a aplicar
vão de 0 a 60 cm de H2
O. O recomendado é que seja feito
uma aumento progressivo das pressões, para adaptação
do doente, até um valor ótimo de +/- 40 cm de H2
O. Casos
de elevada resistência das vias aéreas ou redução da
compliance pulmonar podem beneficiar de pressões mais
elevadas (+/- 60 cm de H2
O).5,6,21
Winck e Gonçalves suge-
rem o seguinte esquema de progressão: 6 ciclos a 15 cm
H2
O, 6 ciclos a 30 cm de H2
O e 6 ciclos a 40 cm de H2
O; 6
- Fluxo – É possível optar por alto ou baixo fluxo. Em adultos,
geralmente a opção recai na modalidade de alto fluxo, sendo
o baixo fluxo mais vocacionado para crianças e para doentes
com instabilidade nas vias aéreas superiores. Quando utili-
zado o modo de baixo fluxo, o operador deve assegurar-se
de que usou um tempo inalatório adequado à completa ex-
pansão torácica.
A técnica pode ser combinada com técnicas manuais de
cinesioterapia, nomeadamente a drenagem postural, as
percussões, as vibrações e a tosse assistida, para au-
mentar a sua eficácia. Em casos de dificuldade na remo-
ção das secreções é recomendável a realização de
nebulizações antes da aplicação da tosse assistida.
BIBLIOGRAFIA
1. MOFFAT, F; JONES, M - Physiotherapy in intensiva care. In BERSTEN,
A; NEIL, S - Oh’s Intensive Care Manual. 6ª ed. [s.l.] : Elsevier, 2009. ISBN
978-0-7020-3096-3. p. 43-51
2. ANTONIAZZI, P; FERRAZ, F - Polineuromiopatia do doente crítico. Prática
Hospitalar. ISSN 1679-5512. 57 (2008), p. 126-128
3. CANINEU, R et al. - Polineuropatia do doente crítico: um diagnóstico
comum em medicina intensiva? Revista Brasileira de Terapia Intensiva.
ISSN 0103-507X. 18:3 (2006), p. 307-310
4. SIVASOTHY, P. et al.- Effect of manually assisted cough and mechanical
insufflation on cough flow of normal subjects, patients with chronic
obstructive pulmonary disease (COPD), and patients with respiratory muscle
weakness. Thorax. ISSN 0040-6376. 56 (2001), p. 438-444
5. HOMNICK, DN - Mechanical Insufflation-Exsufflation for Airway Mucus
Clearance. Respiratory Care. ISSN 0020-1324. 52:10 (2007), p. 1296-1307
6. WINCK, JC et al - Effects of Mechanical In-Exsufflation in Chronic
Ventilatory Failure, a preliminary evaluation. Revista Portuguesa Medicina
Intensiva. ISSN 0872 – 3087. 11 (2002), p. 512
7. MICHEL, T et al - Limits of Effective Cough-Augmentation Techniques in
Patients With Neuromuscular Disease. Respiratory Care. ISSN 0020-1324.
54: 3 (2009), p. 359-366
8. DEAN, H - Airway Clearance: Physiology, Pharmacology, Techniques,
and Practice. Respiratory Care. ISSN 0020-1324. 52:10 (2007), p. 1392-
1396
9. ROCHA, JA; MIRANDA, MJ - Disfunção Ventilatória na Doença do
Neurónio Motor, quando e como intervir. Acta Médica Portuguesa. ISSN
1646-0758. 20 (2007), p. 157-165
10. PHILIPS RESPIRONICS - CoughAssist Mechanical Insufflator-
Exsufflator [em linha]; s.d [consult. 20 Nov. 2009] disponível em:
http://www.coughassist.com
11. BACH, JR - Mechanical insufflation/exsufflation: has it come of age? A
commentary. European Respiratory Journal. ISSN 0903-1936. 21: 3 (2003), p.
385-386
12. CHATWIN, M et al - Cough augmentation with mechanical insufflation/
exsufflation in patients with neuromuscular weakness. European Respiratory
Journal. ISSN 0903-1936. 21:3 (2003), p. 502-508
13. WINCK, JC et al - Effects of Mechanical Insufflation-Exsufflation on
Respiratory Parameters for Patients With Chronic Airway Secretion
Encumbrance. Chest. ISSN 1931-3543. 126:3 (2004), p. 774-80
14. YOUNG, GB; HAMMOND, R. - A stronger approach to weakness in the
intensive care unit. Critical Care. ISSN 1364-8535. 8:6 (2004), p. 416-418
15. FINDER, JD - Airway Clearance in the ICU. RT for Decision Makers in
Respiratory Care [em linha]; 2005 [consult. 24 Nov. 2009] disponível em:
http://www.rtmagazine.com/issues/articles/2005-03_03.asp
16. MARTINS, A et al - Cough Assist - A propósito de um caso clínico.
Resumo de poster apresentado no XI Congresso Nacional de Medicina
Intensiva [em linha]; 2008 [consult. 24 Nov. 2009] disponível em: http://
w w w . s p c i . o r g / c o n g r e s s o s /
?imr=559&cong=5&opc=3&evento=80&apresentacao=39
17. SILVA, L et al - Cough Assist em doentes com lesão medular aguda cervical
- Um caso clínico. Resumo de poster apresentado no XI Congresso Nacional
de Medicina Intensiva [em linha]; 2008 [consult. 26 Nov. 2009] disponível em:
h t t p : / / w w w . s p c i . o r g / c o n g r e s s o s
imr=559&cong=5&opc=3&evento=80&apresentacao=39
18. MARINHO, A et al - In-exsuflação mecânica no tratamento da atelectasia
e insuficiência respiratória aguda. Revista Portuguesa de Pneumologia.
ISSN 0873-2159. 12: 2 (2006) Suplemento 1: 57
19. SANCHO, J et al - Mechanical Insufflation-Exsufflation vs. Tracheal
Suctioning via Tracheostomy Tubes for Patients with Amyotrophic Lateral
Sclerosis, A Pilot Study. American Journal of Physical Medicine &
Rehabilitation. ISSN 0894-9115. 82:10 (2003), p. 750-753
20. MIDLEY, A – Manejo de secreciones bronquiales y ventilación no invasiva.
In: RODRÍGUEZ, AME - Tratado de ventilaión no invasiva, Madrid: Aula
Médica, 2006, p. 273-276
21. GONÇALVES, MR; WINCK, JC - Commentary: Exploring the potential
of mechanical insufflation-exsufflation. Breathe. ISSN 1810-6838. 4: 4
(2006), p. 326-329

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TRALI - Lesão pulmonar aguda associada à transfusão
TRALI - Lesão pulmonar aguda associada à transfusãoTRALI - Lesão pulmonar aguda associada à transfusão
TRALI - Lesão pulmonar aguda associada à transfusão
Mayara Rodrigues
 
Ventiladores pulmonares
Ventiladores pulmonaresVentiladores pulmonares
Ventiladores pulmonares
Natha Fisioterapia
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
Marcela Mihessen
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
pryloock
 
Apostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânicaApostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânica
Natha Fisioterapia
 
Risco Cirúrgico Em Pneumonia
Risco Cirúrgico Em PneumoniaRisco Cirúrgico Em Pneumonia
Risco Cirúrgico Em Pneumonia
Alex Eduardo Ribeiro
 
Vni nas dnm
Vni nas dnmVni nas dnm
Vni nas dnm
ruiantoninho
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
José Alexandre Pires de Almeida
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Mayara Rodrigues
 
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias AéreasEzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
José Alexandre Pires de Almeida
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
José Alexandre Pires de Almeida
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Bruno Cavalcante Costa
 
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoCuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Fabricio Mendonca
 
Técnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratóriaTécnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratória
glendamsaito
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
ctisaolucascopacabana
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
Gilmar Roberto Batista
 
Fisioterapia em cardiologia
Fisioterapia em cardiologiaFisioterapia em cardiologia
Fisioterapia em cardiologia
José Ilton
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Iv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vniIv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vni
ctisaolucascopacabana
 

Mais procurados (19)

TRALI - Lesão pulmonar aguda associada à transfusão
TRALI - Lesão pulmonar aguda associada à transfusãoTRALI - Lesão pulmonar aguda associada à transfusão
TRALI - Lesão pulmonar aguda associada à transfusão
 
Ventiladores pulmonares
Ventiladores pulmonaresVentiladores pulmonares
Ventiladores pulmonares
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
Apostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânicaApostila ventilação mecânica
Apostila ventilação mecânica
 
Risco Cirúrgico Em Pneumonia
Risco Cirúrgico Em PneumoniaRisco Cirúrgico Em Pneumonia
Risco Cirúrgico Em Pneumonia
 
Vni nas dnm
Vni nas dnmVni nas dnm
Vni nas dnm
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias AéreasEzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmoCuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
Cuidados no paciente asmático e abordagem do broncoespasmo
 
Técnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratóriaTécnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratória
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
Fisioterapia em cardiologia
Fisioterapia em cardiologiaFisioterapia em cardiologia
Fisioterapia em cardiologia
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Iv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vniIv curso teórico prático vni
Iv curso teórico prático vni
 

Semelhante a In exuflação mcânica em cuidados intensivos

Artigo atelectasias
Artigo atelectasiasArtigo atelectasias
Artigo atelectasias
Simone Tiengo Andreto
 
Supl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes funçãoSupl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes função
Shirley Lima Campos
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdftcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
marcioafonsopolizell
 
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amibFisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Géssyca Thayza
 
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
NaldoCastro7
 
Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma m...
Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma  m...Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma  m...
Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma m...
cuidadoaoadulto
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
Bruno Cavalcante Costa
 
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação PulmonarRevisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Flávia Salame
 
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação PulmonarRevisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Flávia Salame
 
Artigosaionara
ArtigosaionaraArtigosaionara
Artigosaionara
dsmb_89
 
Tosse crónica
Tosse crónicaTosse crónica
Tosse crónica
mcertal
 
Artigo enfisema pulmonar
Artigo enfisema pulmonarArtigo enfisema pulmonar
Artigo enfisema pulmonar
Nuno Melo
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
Roberto Mendes
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Flávia Vaz
 
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Jucie Vasconcelos
 
Opioid-free anesthesia/ERAS
Opioid-free anesthesia/ERASOpioid-free anesthesia/ERAS
Opioid-free anesthesia/ERAS
Carlos D A Bersot
 
Doença Pulmonar Intersticial
Doença Pulmonar IntersticialDoença Pulmonar Intersticial
Pneumonectomia
PneumonectomiaPneumonectomia
Pneumonectomia
Richiely Ikeizumi
 

Semelhante a In exuflação mcânica em cuidados intensivos (20)

Artigo atelectasias
Artigo atelectasiasArtigo atelectasias
Artigo atelectasias
 
Supl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes funçãoSupl18 diretrizes função
Supl18 diretrizes função
 
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação MecânicaManobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
Manobra peep-zeep em Ventilação Mecânica
 
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdftcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
tcc fisioterapia respiratoria marcio polizelli.pdf
 
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amibFisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
Fisioterapia em pacientes críticos adultos diretrizes da amib
 
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
 
Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma m...
Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma  m...Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma  m...
Assistência de enfermagem ao paciente portador de anemia falciforme e asma m...
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
 
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação PulmonarRevisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
 
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação PulmonarRevisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
Revisao expressa sobre Reabilitação Pulmonar
 
Artigosaionara
ArtigosaionaraArtigosaionara
Artigosaionara
 
Tosse crónica
Tosse crónicaTosse crónica
Tosse crónica
 
Artigo enfisema pulmonar
Artigo enfisema pulmonarArtigo enfisema pulmonar
Artigo enfisema pulmonar
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
 
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
 
Opioid-free anesthesia/ERAS
Opioid-free anesthesia/ERASOpioid-free anesthesia/ERAS
Opioid-free anesthesia/ERAS
 
Doença Pulmonar Intersticial
Doença Pulmonar IntersticialDoença Pulmonar Intersticial
Doença Pulmonar Intersticial
 
Pneumonectomia
PneumonectomiaPneumonectomia
Pneumonectomia
 

Mais de Roberto Mendes

Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos ...
Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos ...Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos ...
Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos ...
Roberto Mendes
 
Introdução à monitorização eletrocardiográfica
Introdução à monitorização eletrocardiográficaIntrodução à monitorização eletrocardiográfica
Introdução à monitorização eletrocardiográfica
Roberto Mendes
 
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough AssistIn exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
Roberto Mendes
 
Poster: Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados int...
Poster: Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados int...Poster: Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados int...
Poster: Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados int...
Roberto Mendes
 
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivosAlterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Roberto Mendes
 
Ventilação não invasiva no traumatizado medular
Ventilação não invasiva no traumatizado medularVentilação não invasiva no traumatizado medular
Ventilação não invasiva no traumatizado medular
Roberto Mendes
 
Vni no doente cardíaco
Vni no doente cardíacoVni no doente cardíaco
Vni no doente cardíaco
Roberto Mendes
 

Mais de Roberto Mendes (7)

Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos ...
Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos ...Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos ...
Organização dos cuidados de reabilitação nas unidades de cuidados intensivos ...
 
Introdução à monitorização eletrocardiográfica
Introdução à monitorização eletrocardiográficaIntrodução à monitorização eletrocardiográfica
Introdução à monitorização eletrocardiográfica
 
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough AssistIn exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
In exuflação mecânica em cuidados intensivos / Cough Assist
 
Poster: Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados int...
Poster: Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados int...Poster: Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados int...
Poster: Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados int...
 
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivosAlterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos
 
Ventilação não invasiva no traumatizado medular
Ventilação não invasiva no traumatizado medularVentilação não invasiva no traumatizado medular
Ventilação não invasiva no traumatizado medular
 
Vni no doente cardíaco
Vni no doente cardíacoVni no doente cardíaco
Vni no doente cardíaco
 

In exuflação mcânica em cuidados intensivos

  • 1. 4 7 REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51 * Enfermeiro Especialista em Reabilitação, Unidade de Cuidados Intensivos do HAL ** Interna de Nefrologia no HAL *** Enfermeiro Chefe da Unidade de Cuidados Intensivos do HAL **** Diretor da Unidade de Cuidados Intensivos do HAL IN-EXSUFLAÇÃO MECÂNICA EM CUIDADOS INTENSIVOS A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO DE ATELECTASIA PULMONAR ROBERTO MENDES* , RAQUEL CHORÃO**, FERNANDO MARTINHO***, JOÃO GABRIEL **** RESUMO Este artigo apresenta um caso de atelectasia, resolvido com a utilização da técnica de in-exsuflação mecânica e pretende demonstrar a importância dos dispositivos de tosse assistida na eliminação de secreções brônquicas em doentes com comprometimento do mecanismo de tosse. Palavras-chave:In-Exsuflação Mecânica, Tosse Assistida, Cuidados Intensivos, Atelectasia. ABSTRACT This article presents an atelectasis case resolved with the use of mechanical in-exsufflation and shows the importance of cough assist devices in the removal of bronchial secretions in patients with impaired cough mechanism. Keywords:Mechanical In-Exsufflation, Cough Assist, Intensive Care, Atelectasis. INTRODUÇÃO O internamento prolongado em cuidados intensivos faz- se acompanhar de deterioração da condição física a vários níveis. Este fenómeno ocorre em resultado da res- trição da atividade física, mesmo que por curtos perío- dos, sendo influenciado por fatores como a idade, o estado de saúde prévio, o motivo de internamento e a terapêutica administrada.1 Por vezes desenvolvem-se estados de fraqueza muscu- lar generalizada associados ao desenvolvimento de neuropatias e miopatias durante o curso da doença cri- tica. Estes estados podem mesmo conduzir à flacidez dos membros, diminuição dos reflexos extensores mus- culares, da proprioceção e do reflexo doloroso nas ex- tremidades e fraqueza da musculatura da parede torácica. 2 Este enfraquecimento dos músculos torácicos associa- se a dificuldades no desmame da ventilação e aumento significativo da taxa de reintubação.3 As dificuldades na permeabilização das vias aéreas são também um problema importante, uma vez que a debi- lidade muscular compromete a capacidade de expelir secreções de forma eficaz. Neste contexto poderão ser benéficas técnicas manuais ou mecânicas que facilitem a eliminação dessas secreções. CASO CLÍNICO Doente do sexo masculino, 30 anos de idade, admi- tido na Unidade de Cuidados Intensivos (UCIP) por In- suficiência Respiratória Global, no contexto de Síndrome de Privação Alcoólica. Antecedentes pes- soais de hábitos etanólicos acentuados desde a in- fância. À entrada na unidade foi sedado, entubado oro- traquealmente e conectado a prótese ventilatória em Pressão Controlada. No internamento desenvolve qua- dro de Pneumonia Nosocomial, com abundantes se- creções purulentas, febre, analiticamente com parâmetros infeciosos, e na Radiografia de Tórax, ima- gem compatível com condensação pneumónica bila- teral. Instituída antibioterapia endovenosa, medicação e medidas de suporte, com melhoria clínica, radiológi- ca e analítica, e extubação ao 18º dia; manteve abun- dantes secreções, que não expelia por falta de cola- boração. No 20º dia apresentou quadro de atelectasia pulmonar esquerda (fig. 1), pelo que foi marcada broncofibroscopia e efectuada tosse assistida com o insuflador-exsuflador mecânico; no dia seguinte ve- rificou-se regressão da atelectasia (fig. 2), não sendo necessária a realização de broncofibroscopia. Mechanical insufflation - exsufflation in intense care - a case report of pulmonary atelectasis
  • 2. DISCUSSÃO A tosse é dos mais importantes mecanismos de defesa das vias respiratórias, consistindo numa expiração ex- plosiva, que permite a eliminação de secreções e corpos estranhos da árvore traqueobrônquica.4 É um mecanis- mo reflexo que engloba receptores químicos e mecâni- cos, que após estimulação por corpos estranhos ou se- creções brônquicas, enviam estímulos através de vias aferentes vagais para o centro da tosse na medula; as vias eferentes vagais completam o arco reflexo, enviando uma resposta motora através dos neurónios motores para os músculos inspiratórios e expiratórios, laringe e árvore traqueobrônquica.5 Está provada a maior eficácia da tosse com elevados volumes e débitos pulmonares, pelo que a capacidade de produzir um débito expiratório máximo da tosse (Peak Cough Expiratory Flow – PCEF) irá influenciar o seu re- sultado final.6 Para isso, é necessário assegurar a inte- gridade das suas três fases:4,7 1. Fase inspiratória: inspiração profunda – dependente da força muscular inspiratória – com inalação de um vo- lume de ar variável; 2. Fase compressiva: encerramento da glote, relaxamen- to do diafragma e compressão do volume de ar pulmonar pela força muscular expiratória gerada contra uma glote encerrada; a resultante pressão intratorácica positiva leva Fig. 1 – Atelectasia pulmonar esquerda Fig. 2 – Resolução pós tosse assistida ao estreitamento da traqueia; 3. Fase expiratória, abertura da glote – devido à grande diferença de pressão entre as vias respiratórias e a at- mosfera, e o estreitamento da traqueia, ocorre expulsão do volume de ar comprimido, com produção de elevados PCEF, e fluxos de ar rápidos pela traqueia, responsáveis pela mobilização das secreções e eliminação de corpos estranhos.4,7 Alterações no mecanismo do arco reflexo – disrupção das vias aferentes, disfunção dos músculos respiratóri- os ou disfunção bulbar – levam a um mecanismo da tos- se ineficaz, com consequente retenção de secreções, maior susceptibilidade a infecções respiratórias, obstru- ção ao fluxo de ar com aumento do trabalho respiratório, diminuição da compliance pulmonar e consequentemente alterações na ventilação-perfusão e nas trocas gaso- sas.4,5,8 É o que ocorre nos doentes com patologia neuromuscular, em que qualquer uma das três fases pode estar alterada ou nos Bronquiticos crónicos e Enfisematosos, por redu- ção do fluxo expiratório e aumento da viscosidade das secreções brônquicas.4,5 A clearance das vias aéreas é uma etapa essencial na abordagem dos pacientes ventilados, particularmente nos doentes neuromusculares.9 As estratégias existentes in- cluem o treino dos músculos respiratórios, o recrutamen- 4 8 REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51
  • 3. 4 9 REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51 to do volume pulmonar (air stacking), a tosse assistida manualmente e os dispositivos mecânicos para melhorar a clearance das secreções traqueo-brônquicas, como a Insuflação-Exsuflação Mecânica (IN-EX). 6,8 Enquanto as três primeiras requerem a participação do doente, a últi- ma está indicada para aqueles que, quer pela idade, falta de colaboração, ou por disfunção bulbar, são incapazes de cooperar.5 A IN-EX tem tido particular aplicação não só como adjuvante da clearance das vias aéreas, como tam- bém para adjuvar no desmame da ventilação mecânica e traqueostomia, estando os seus resultados demonstra- dos em diversos estudos.5,6 INSUFLAÇÃO-EXSUFLAÇÃO MECÂNICA O Cough Assist, ou in-exsuflador mecânico, é um apa- relho não invasivo que, tal como o seu nome indica, promove uma insuflação seguida de uma exsuflação rápida. Esta rápida transição entre insuflação (pres- são positiva) e exsuflação (pressão negativa) gera um fluxo expiratório elevado, que procura simular o pro- cesso de tosse, facilitando o movimento das secre- ções dos bronquíolos para as vias aéreas superiores e posterior eliminação, em doentes com tosse inefi- caz.10 Na década de 50 foi criada uma primeira versão des- te aparelho – Co-Flactor – muito útil na altura para o tratamento de doentes com Poliomielite. A partir da déca- da de 70, com o desenvolvimento da ventilação invasiva, este aparelho foi progressivamente abandonado, uma vez que as secreções podiam ser aspiradas diretamente da traqueia dos doentes. Mais recentemente, com o de- senvolvimento de novas técnicas de ventilação não invasiva, como resposta a algumas limitações e compli- cações da ventilação invasiva, o in-exsuflador voltou a ser procurado, levando ao lançamento do Cough Assist em 1993.5,6 Tal como diz Jonh Bach, grande impulsionador desta técnica desde a década de 50, as técnicas de vibra- ção torácica, apesar de apresentarem um incontes- tável efeito na mobilização de secreções, não terão resultados práticos sem um fluxo de tosse eficiente que as elimine.11 É neste sentido que a IN-EX se apre- senta como possível solução para a retenção de se- creções em doentes com debilidade muscular.6,11,12,13 Esta encontra-se presente em patologias neuromusculares como a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), a distrofia muscular Duchenne, a lesão medular cervical, entre outras, e é também relativamente fre- quente em doentes com internamentos prolongados em cuidados intensivos. Cerca de metade destes doentes, internados por mais de uma semana, apre- senta perturbações neuromusculares associadas a fra-
  • 4. 5 0 REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51 queza muscular que, entre outras condicionantes, está associada a dificuldades no desmame da ventilação e extubação11 . A fraqueza muscular associa-se geralmente a respira- ção superficial, com baixos volumes correntes, associa- dos a uma capacidade vital pequena e uma tosse pouco eficaz, por redução da capacidade dos músculos inspiratórios e expiratórios. Sem conseguir grandes vari- ações de volume corrente, com os normais suspiros, estes doentes desenvolvem atelectasias e pneumonias, que contribuem para o agravamento do quadro clínico, necessitando muitas vezes de entubação, ou reentubação traqueal e suporte ventilatório. Neste contexto, a Ventila- ção Não Invasiva (VNI) poderá contribuir para a reduzir a sobrecarga dos músculos respiratórios e gerar volumes correntes adequados, e a tosse assistida facilitará a eli- minação de secreções, reduzindo o risco de incidência de atelectasias e pneumonias.15,16,17 Num estudo desenvolvido por Winck e colaboradores, a propósito da IN-EX em doentes neuromusculares e obstrutivos, ambos com dificuldade na eliminação de se- creções e dessaturação associada, foi demonstrado, para além de uma boa tolerância à técnica, aumento do Peak Cough Flow (PCF) e na oxigenação no grupo de doentes neuromusculares. No grupo de doentes obstrutivos veri- ficou-se também uma melhoria na oxigenação, bem como da dispneia, sem alterações nos parâmetros ventilatórios. Os autores sugerem que a IN-EX possa ser um comple- mento à VNI, ajudando a evitar complicações associa- das à retenção de secreções, inclusive em situações de desmame ventilatório e exacerbações de DPOC com ex- cesso de secreções.13 Em adição aos demonstrados benefícios em situações crónicas, começam a surgir na literatura relatos de ca- sos bem sucedidos da aplicação desta técnica na reso- lução de situações de insuficiência respiratória aguda subjacente a atelectasias e pneumonias. Nestes casos a IN-EX para além de contribuir para a remoção das se- creções promove também a expansão e o recrutamento alveolar. À medida que a experiência com IN-EX aumen- ta, reduz-se a necessidade de realizar boncoscopias para resolver atelectasias.18 Quando comparada com outras técnicas de eliminação de secreções, como a aspiração traqueal, a in-exuflação proporcionada pelo Cough Assist aplica para além de uma pressão positiva inicial (que na aspiração pode ser substituída por uma insuflação prévia, utilizando um insuflador manual) uma pressão final negativa em toda a via aérea, central e periférica, ao passo que a aspiração se restringe a uma área localizada (raramente alcança o brônquio esquerdo). Para muitos autores, a IN-EX cons- titui a recreação mais próxima da tosse natural, e a sua utilização tem contribuído positivamente no desmame de doentes neuromusculares, iniciando-se a técnica ainda com o doente entubado, pelo tubo endotraqueal ou cânu- la de traqueotomia, e mantendo-a após a extubação, atra- vés de uma máscara oro-nasal.15,19 . Segundo um estudo realizado, em Espanha, com doen- tes portadores de ELA, a IN-EX não só é mais eficaz que a aspiração convencional direta na eliminação de secre-
  • 5. 5 1 REVISTA DE SAÚDE AMATO LUSITANO 2013; 32:47-51 ções e no aumento da SpO2 , como também é mais confortável e melhor tolerada, inclusive em doentes traqueostomizados.19 A utilização desta técnica em combinação com outras manobras torácicas não invasivas de mobilização de secreções consegue reduzir bastante, ou em muitos casos evitar, as aspirações traqueais, reduzindo ou evitando também todo um conjunto de traumas físicos e psicológicos que lhe estão associados.20 Este estudo faz também referência ao facto de 80% das pneumonias, neste tipo de doentes, acontecer no pulmão esquerdo, que rara- mente é “aspirado” com a técnica de aspiração por sonda. APLICAÇÃO PRÁTICA O Cough Assist apesar de ser um aparelho relativamente sim- ples de utilizar é passível de uma série de ajustes e programa- ções, que não sendo as corretas podem colocar o doente numa situação desconfortável. Vejamos quais os parâmetros passí- veis de ajuste e as recomendações encontradas na literatura: - Modo manual / automático – No modo manual, é o operador que manualmente controla a duração da insuflação, da exsuflação e da pausa, este modo permite uma melhor sin- cronização com a insuflação e a tosse do doente; no modo automático, o aparelho administra ciclos de insuflação / exsuflação / pausa, de acordo com os tempos programados;21 - Tempos de insuflação, exsuflação e pausa – Função só está ativa no em modo automático – Nos diversos estu- dos consultados foram utilizados diferentes tempos, como 2, 3, 1 segundos, ou 3, 4, 4 segundos, ou ainda uma insuflação de 3 segundos e uma exsuflação de 2 segundos. Sublinhamos que o objetivo será procurar a melhor sincronia com doente e conseguir a máxima insuflação seguida da máxima exsuflação;6,11,19 - Pressões inspiratória e expiratória – As pressões a aplicar vão de 0 a 60 cm de H2 O. O recomendado é que seja feito uma aumento progressivo das pressões, para adaptação do doente, até um valor ótimo de +/- 40 cm de H2 O. Casos de elevada resistência das vias aéreas ou redução da compliance pulmonar podem beneficiar de pressões mais elevadas (+/- 60 cm de H2 O).5,6,21 Winck e Gonçalves suge- rem o seguinte esquema de progressão: 6 ciclos a 15 cm H2 O, 6 ciclos a 30 cm de H2 O e 6 ciclos a 40 cm de H2 O; 6 - Fluxo – É possível optar por alto ou baixo fluxo. Em adultos, geralmente a opção recai na modalidade de alto fluxo, sendo o baixo fluxo mais vocacionado para crianças e para doentes com instabilidade nas vias aéreas superiores. Quando utili- zado o modo de baixo fluxo, o operador deve assegurar-se de que usou um tempo inalatório adequado à completa ex- pansão torácica. A técnica pode ser combinada com técnicas manuais de cinesioterapia, nomeadamente a drenagem postural, as percussões, as vibrações e a tosse assistida, para au- mentar a sua eficácia. Em casos de dificuldade na remo- ção das secreções é recomendável a realização de nebulizações antes da aplicação da tosse assistida. BIBLIOGRAFIA 1. MOFFAT, F; JONES, M - Physiotherapy in intensiva care. In BERSTEN, A; NEIL, S - Oh’s Intensive Care Manual. 6ª ed. [s.l.] : Elsevier, 2009. ISBN 978-0-7020-3096-3. p. 43-51 2. ANTONIAZZI, P; FERRAZ, F - Polineuromiopatia do doente crítico. Prática Hospitalar. ISSN 1679-5512. 57 (2008), p. 126-128 3. CANINEU, R et al. - Polineuropatia do doente crítico: um diagnóstico comum em medicina intensiva? Revista Brasileira de Terapia Intensiva. ISSN 0103-507X. 18:3 (2006), p. 307-310 4. SIVASOTHY, P. et al.- Effect of manually assisted cough and mechanical insufflation on cough flow of normal subjects, patients with chronic obstructive pulmonary disease (COPD), and patients with respiratory muscle weakness. Thorax. ISSN 0040-6376. 56 (2001), p. 438-444 5. HOMNICK, DN - Mechanical Insufflation-Exsufflation for Airway Mucus Clearance. Respiratory Care. ISSN 0020-1324. 52:10 (2007), p. 1296-1307 6. WINCK, JC et al - Effects of Mechanical In-Exsufflation in Chronic Ventilatory Failure, a preliminary evaluation. Revista Portuguesa Medicina Intensiva. ISSN 0872 – 3087. 11 (2002), p. 512 7. MICHEL, T et al - Limits of Effective Cough-Augmentation Techniques in Patients With Neuromuscular Disease. Respiratory Care. ISSN 0020-1324. 54: 3 (2009), p. 359-366 8. DEAN, H - Airway Clearance: Physiology, Pharmacology, Techniques, and Practice. Respiratory Care. ISSN 0020-1324. 52:10 (2007), p. 1392- 1396 9. ROCHA, JA; MIRANDA, MJ - Disfunção Ventilatória na Doença do Neurónio Motor, quando e como intervir. Acta Médica Portuguesa. ISSN 1646-0758. 20 (2007), p. 157-165 10. PHILIPS RESPIRONICS - CoughAssist Mechanical Insufflator- Exsufflator [em linha]; s.d [consult. 20 Nov. 2009] disponível em: http://www.coughassist.com 11. BACH, JR - Mechanical insufflation/exsufflation: has it come of age? A commentary. European Respiratory Journal. ISSN 0903-1936. 21: 3 (2003), p. 385-386 12. CHATWIN, M et al - Cough augmentation with mechanical insufflation/ exsufflation in patients with neuromuscular weakness. European Respiratory Journal. ISSN 0903-1936. 21:3 (2003), p. 502-508 13. WINCK, JC et al - Effects of Mechanical Insufflation-Exsufflation on Respiratory Parameters for Patients With Chronic Airway Secretion Encumbrance. Chest. ISSN 1931-3543. 126:3 (2004), p. 774-80 14. YOUNG, GB; HAMMOND, R. - A stronger approach to weakness in the intensive care unit. Critical Care. ISSN 1364-8535. 8:6 (2004), p. 416-418 15. FINDER, JD - Airway Clearance in the ICU. RT for Decision Makers in Respiratory Care [em linha]; 2005 [consult. 24 Nov. 2009] disponível em: http://www.rtmagazine.com/issues/articles/2005-03_03.asp 16. MARTINS, A et al - Cough Assist - A propósito de um caso clínico. Resumo de poster apresentado no XI Congresso Nacional de Medicina Intensiva [em linha]; 2008 [consult. 24 Nov. 2009] disponível em: http:// w w w . s p c i . o r g / c o n g r e s s o s / ?imr=559&cong=5&opc=3&evento=80&apresentacao=39 17. SILVA, L et al - Cough Assist em doentes com lesão medular aguda cervical - Um caso clínico. Resumo de poster apresentado no XI Congresso Nacional de Medicina Intensiva [em linha]; 2008 [consult. 26 Nov. 2009] disponível em: h t t p : / / w w w . s p c i . o r g / c o n g r e s s o s imr=559&cong=5&opc=3&evento=80&apresentacao=39 18. MARINHO, A et al - In-exsuflação mecânica no tratamento da atelectasia e insuficiência respiratória aguda. Revista Portuguesa de Pneumologia. ISSN 0873-2159. 12: 2 (2006) Suplemento 1: 57 19. SANCHO, J et al - Mechanical Insufflation-Exsufflation vs. Tracheal Suctioning via Tracheostomy Tubes for Patients with Amyotrophic Lateral Sclerosis, A Pilot Study. American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation. ISSN 0894-9115. 82:10 (2003), p. 750-753 20. MIDLEY, A – Manejo de secreciones bronquiales y ventilación no invasiva. In: RODRÍGUEZ, AME - Tratado de ventilaión no invasiva, Madrid: Aula Médica, 2006, p. 273-276 21. GONÇALVES, MR; WINCK, JC - Commentary: Exploring the potential of mechanical insufflation-exsufflation. Breathe. ISSN 1810-6838. 4: 4 (2006), p. 326-329