SlideShare uma empresa Scribd logo
Baixa Idade Média, na Europa
Desenvolvimento comercial e urbano e a centralização política

Crise no sistema Feudal
Arte Românica  Arte Gótica
Mosteiros Catedrais
Catedrais: Importância do conhecimento (escolástica)
Representação da grandeza de uma cidade e da
sociedade
Nova conceção do Homem, do mundo e de Deus
Gótico Inicial
Gótico Clássico
Gótico Final
 Espaço Amplo
 Verticalidade
 Iluminação
 Espaço com ambiência transcendente
 3 Naves
 Transepto
 Pouco saliente
 Localizado a meio da igreja
 Cabeceira muito desenvolvida
 Arco Quebrado
 Estrutura que suporte o edifício
 Abóbada de cruzaria de ogivas
 Arco botante
Os primeiros sinais desta arquitetura
surgiram no reinado de D. Sancho II,
continuando com o reinado de D.
Afonso III.
O seu apogeu ocorreu no Séc. XV, com
a construção do Mosteiro da Batalha.
Fim da Reconquista (Séc. XIII)  Séc. XVI
Afirmação da nacionalidade portuguesa
Organização administrativa do Estado
Desenvolvimento da economia
Povoamento das terras conquistadas
Consolidação do poder monárquico e a sua afirmação no espaço político europeu
A falta de recursos materiais e a influência das ordens religiosas causaram um grande impacto na
primeira fase do Gótico português.
Idade Média, Séc. XIII
Arquitetura gótica exercida pelas ordens mendicantes.

Ordens Religiosas, em que os seus membros abdicam de tudo o que possuem. Era permitido às
Ordens Mendicantes, mendigar no locais públicos. Os frades dedicavam-se à pregação itinerante
nos meios urbanos
Igrejas e Conventos
“Pobreza, Obediência e Castidade“
Clara, Simples e Sem Ornamentação
Características:
Esquema de 3 naves;
Cobertura de Madeira das naves;
Fachadas com duas torres, uma só torre
ou com ressalto central;
Transepto Saliente;
Cabeceira, coberta por abóbada de cruzaria de ogivas, com 1 ou mais capelas.
Românico vs. Gótico

Gótico Mendicante
Fracos Recursos Económicos  Mão-de-obra especializada no estilo Românico
1389
Monte do Carmo
D. Nuno Álvares Pereira
Construído à semelhança do Mosteiro de Santa Maria
da Vitória e dedicado a Nossa Senhora do Vencimento.
Dificuldades técnicas ao nível dos alicerces e da cabeceira

Irmãos Rodrigo, Afonso e Gonçalo Eanes
(três “mestres conceituados”)

Uma das maiores campanhas arquitetónicas de Lisboa.
Celebrar a vitória na Batalha de Aljubarrota e em forma de
agradecimento a Nossa Senhora do Vencimento.
Albergar os monges - guerreiros da Ordem do Hospital da qual o pai
de D. Nuno tinha sido Grão-mestre.
Celebrar a vitória na Batalha de Aljubarrota e em forma de agradecimento a
Nossa Senhora do Vencimento.
Albergar os monges – guerreiros
da Ordem do Hospital da qual o pai
de D. Nuno tinha sido Grão-mestre.
1863- Joaquim Possidónio Narciso da Silva
1911- com a saída dos arquitetos para a Sociedade dos Arquitetos
Portugueses, e a implantação da República é adotado o seu nome
atual - Associação dos Arqueólogos Portugueses (AAP)
Proteção ao Museu Arqueológico do Carmo
Ponto de encontro entre os mais ilustres arqueólogos do país-
Jornadas Arqueológicas
1864- depois de a Igreja ser entregue à Associação dos Arqueólogos
Portugueses, o seu presidente Possidónio da Silva fundou o museu.
Salvaguardar o património nacional
Museu didático
Margarida Almeida
Sara Lage
11ºP
Disciplina: História e Cultura das Artes
Professora Alexandra Barradas
Ano Letivo 2015/2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
cattonia
 
Arte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptxArte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptx
JuditeBarbosa1
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
TathianaBarbosa
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
Ana Barreiros
 
O Coliseu De Roma
O Coliseu De RomaO Coliseu De Roma
O Coliseu De Roma
Sílvia Mendonça
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
Cultura da Catedral - Pintura Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Pintura Gótica em PortugalCultura da Catedral - Pintura Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Pintura Gótica em Portugal
Carlos Vieira
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
Ana Barreiros
 
4.romanicoem portugal
4.romanicoem portugal4.romanicoem portugal
4.romanicoem portugal
Ana Barreiros
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
Ana Barreiros
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
Carlos Vieira
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
A cultura do mosteiro
A cultura do mosteiroA cultura do mosteiro
A cultura do mosteiro
Carla Teixeira
 
Panteão de Paris
Panteão de ParisPanteão de Paris
Panteão de Paris
hcaslides
 
A pintura gótica ii
A pintura gótica iiA pintura gótica ii
A pintura gótica ii
Ana Barreiros
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica
Vítor Santos
 
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentistaCultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Carlos Vieira
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
kyzinha
 
Cultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senadoCultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senado
Carlos Vieira
 

Mais procurados (20)

Romanico em portugal
Romanico em portugalRomanico em portugal
Romanico em portugal
 
Arte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptxArte Românica e Gótica.pptx
Arte Românica e Gótica.pptx
 
Manuelino
ManuelinoManuelino
Manuelino
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
O Coliseu De Roma
O Coliseu De RomaO Coliseu De Roma
O Coliseu De Roma
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
Cultura da Catedral - Pintura Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Pintura Gótica em PortugalCultura da Catedral - Pintura Gótica em Portugal
Cultura da Catedral - Pintura Gótica em Portugal
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
4.romanicoem portugal
4.romanicoem portugal4.romanicoem portugal
4.romanicoem portugal
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
A cultura do mosteiro
A cultura do mosteiroA cultura do mosteiro
A cultura do mosteiro
 
Panteão de Paris
Panteão de ParisPanteão de Paris
Panteão de Paris
 
A pintura gótica ii
A pintura gótica iiA pintura gótica ii
A pintura gótica ii
 
02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica02 arquitetura gótica
02 arquitetura gótica
 
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentistaCultura do Palácio - Arquitectura renascentista
Cultura do Palácio - Arquitectura renascentista
 
Arte gótica
Arte gótica Arte gótica
Arte gótica
 
Cultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senadoCultura do Senado - Augusto e senado
Cultura do Senado - Augusto e senado
 

Semelhante a Igreja do Convento do Carmo

RomâNico
RomâNicoRomâNico
RomâNico
Hist8
 
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptxhistoria-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
Sandra Sousa
 
Mosteirodos Jeronimos
Mosteirodos JeronimosMosteirodos Jeronimos
Mosteirodos Jeronimos
lanapaiva
 
J arte românica
J arte românicaJ arte românica
J arte românica
António Silva
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Mosteiro dos Jerónimos
Mosteiro dos JerónimosMosteiro dos Jerónimos
Mosteiro dos Jerónimos
Umberto Pacheco
 
Portal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimosPortal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimos
Sara Oliveira
 
O românico
O românicoO românico
O românico
Carla Teixeira
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Hca Faro
 
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
ssuser3b314d
 
MosteirodosjeróNimos M Psom
MosteirodosjeróNimos M PsomMosteirodosjeróNimos M Psom
MosteirodosjeróNimos M Psom
cab3032
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
cattonia
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
becresforte
 
Cultura,arte e religião
Cultura,arte e religiãoCultura,arte e religião
Cultura,arte e religião
Teresa Maia
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
cattonia
 
Miranda visitacentrohistorico
Miranda visitacentrohistoricoMiranda visitacentrohistorico
Miranda visitacentrohistorico
yousoumirandes
 
Miranda visitacentrohistorico
Miranda visitacentrohistoricoMiranda visitacentrohistorico
Miranda visitacentrohistorico
yousoumirandes
 
G arte romana em portugal
G arte romana em portugalG arte romana em portugal
G arte romana em portugal
António Silva
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Andrea Dressler
 

Semelhante a Igreja do Convento do Carmo (20)

RomâNico
RomâNicoRomâNico
RomâNico
 
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptxhistoria-da-cultura-e-das-artes.pptx
historia-da-cultura-e-das-artes.pptx
 
Mosteirodos Jeronimos
Mosteirodos JeronimosMosteirodos Jeronimos
Mosteirodos Jeronimos
 
J arte românica
J arte românicaJ arte românica
J arte românica
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Mosteiro dos Jerónimos
Mosteiro dos JerónimosMosteiro dos Jerónimos
Mosteiro dos Jerónimos
 
Portal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimosPortal sul dos jerónimos
Portal sul dos jerónimos
 
O românico
O românicoO românico
O românico
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
 
MosteirodosjeróNimos M Psom
MosteirodosjeróNimos M PsomMosteirodosjeróNimos M Psom
MosteirodosjeróNimos M Psom
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
 
A arte românica
A arte românicaA arte românica
A arte românica
 
Cultura,arte e religião
Cultura,arte e religiãoCultura,arte e religião
Cultura,arte e religião
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
A arte medieval
A arte medievalA arte medieval
A arte medieval
 
Miranda visitacentrohistorico
Miranda visitacentrohistoricoMiranda visitacentrohistorico
Miranda visitacentrohistorico
 
Miranda visitacentrohistorico
Miranda visitacentrohistoricoMiranda visitacentrohistorico
Miranda visitacentrohistorico
 
G arte romana em portugal
G arte romana em portugalG arte romana em portugal
G arte romana em portugal
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 

Mais de Iga Almeida

Human Trafficking
Human TraffickingHuman Trafficking
Human Trafficking
Iga Almeida
 
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - GhibertiPorta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Iga Almeida
 
As Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os MaiasAs Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os Maias
Iga Almeida
 
Petit Trianon
Petit TrianonPetit Trianon
Petit Trianon
Iga Almeida
 
Metro das Olaias
Metro das OlaiasMetro das Olaias
Metro das Olaias
Iga Almeida
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
Iga Almeida
 
Lies
LiesLies
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
Iga Almeida
 
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Iga Almeida
 
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
Iga Almeida
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos RelvasCasa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Iga Almeida
 
Fotojornalismo
FotojornalismoFotojornalismo
Fotojornalismo
Iga Almeida
 
As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais
Iga Almeida
 
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de PlanosLinguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Iga Almeida
 
Emily Dickinson
Emily DickinsonEmily Dickinson
Emily Dickinson
Iga Almeida
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
Iga Almeida
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar português
Iga Almeida
 
Radiação Solar
Radiação SolarRadiação Solar
Radiação Solar
Iga Almeida
 
O Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de PortugalO Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de Portugal
Iga Almeida
 

Mais de Iga Almeida (20)

Human Trafficking
Human TraffickingHuman Trafficking
Human Trafficking
 
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - GhibertiPorta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
 
As Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os MaiasAs Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os Maias
 
Petit Trianon
Petit TrianonPetit Trianon
Petit Trianon
 
Metro das Olaias
Metro das OlaiasMetro das Olaias
Metro das Olaias
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Lies
LiesLies
Lies
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
 
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos RelvasCasa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos Relvas
 
Fotojornalismo
FotojornalismoFotojornalismo
Fotojornalismo
 
As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais
 
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de PlanosLinguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
 
Emily Dickinson
Emily DickinsonEmily Dickinson
Emily Dickinson
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar português
 
Radiação Solar
Radiação SolarRadiação Solar
Radiação Solar
 
O Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de PortugalO Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de Portugal
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Igreja do Convento do Carmo

  • 1.
  • 2.
  • 3. Baixa Idade Média, na Europa Desenvolvimento comercial e urbano e a centralização política  Crise no sistema Feudal Arte Românica  Arte Gótica Mosteiros Catedrais
  • 4. Catedrais: Importância do conhecimento (escolástica) Representação da grandeza de uma cidade e da sociedade Nova conceção do Homem, do mundo e de Deus
  • 6.  Espaço Amplo  Verticalidade  Iluminação  Espaço com ambiência transcendente  3 Naves  Transepto  Pouco saliente  Localizado a meio da igreja  Cabeceira muito desenvolvida
  • 7.  Arco Quebrado  Estrutura que suporte o edifício  Abóbada de cruzaria de ogivas  Arco botante
  • 8. Os primeiros sinais desta arquitetura surgiram no reinado de D. Sancho II, continuando com o reinado de D. Afonso III. O seu apogeu ocorreu no Séc. XV, com a construção do Mosteiro da Batalha. Fim da Reconquista (Séc. XIII)  Séc. XVI
  • 9. Afirmação da nacionalidade portuguesa Organização administrativa do Estado Desenvolvimento da economia Povoamento das terras conquistadas Consolidação do poder monárquico e a sua afirmação no espaço político europeu A falta de recursos materiais e a influência das ordens religiosas causaram um grande impacto na primeira fase do Gótico português.
  • 10. Idade Média, Séc. XIII Arquitetura gótica exercida pelas ordens mendicantes.  Ordens Religiosas, em que os seus membros abdicam de tudo o que possuem. Era permitido às Ordens Mendicantes, mendigar no locais públicos. Os frades dedicavam-se à pregação itinerante nos meios urbanos
  • 11. Igrejas e Conventos “Pobreza, Obediência e Castidade“ Clara, Simples e Sem Ornamentação
  • 12. Características: Esquema de 3 naves; Cobertura de Madeira das naves; Fachadas com duas torres, uma só torre ou com ressalto central; Transepto Saliente; Cabeceira, coberta por abóbada de cruzaria de ogivas, com 1 ou mais capelas.
  • 13. Românico vs. Gótico  Gótico Mendicante Fracos Recursos Económicos  Mão-de-obra especializada no estilo Românico
  • 14.
  • 15. 1389 Monte do Carmo D. Nuno Álvares Pereira Construído à semelhança do Mosteiro de Santa Maria da Vitória e dedicado a Nossa Senhora do Vencimento.
  • 16. Dificuldades técnicas ao nível dos alicerces e da cabeceira  Irmãos Rodrigo, Afonso e Gonçalo Eanes (três “mestres conceituados”)  Uma das maiores campanhas arquitetónicas de Lisboa.
  • 17. Celebrar a vitória na Batalha de Aljubarrota e em forma de agradecimento a Nossa Senhora do Vencimento. Albergar os monges - guerreiros da Ordem do Hospital da qual o pai de D. Nuno tinha sido Grão-mestre.
  • 18. Celebrar a vitória na Batalha de Aljubarrota e em forma de agradecimento a Nossa Senhora do Vencimento. Albergar os monges – guerreiros da Ordem do Hospital da qual o pai de D. Nuno tinha sido Grão-mestre.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. 1863- Joaquim Possidónio Narciso da Silva 1911- com a saída dos arquitetos para a Sociedade dos Arquitetos Portugueses, e a implantação da República é adotado o seu nome atual - Associação dos Arqueólogos Portugueses (AAP) Proteção ao Museu Arqueológico do Carmo Ponto de encontro entre os mais ilustres arqueólogos do país- Jornadas Arqueológicas
  • 32.
  • 33. 1864- depois de a Igreja ser entregue à Associação dos Arqueólogos Portugueses, o seu presidente Possidónio da Silva fundou o museu. Salvaguardar o património nacional Museu didático
  • 34.
  • 35.
  • 36. Margarida Almeida Sara Lage 11ºP Disciplina: História e Cultura das Artes Professora Alexandra Barradas Ano Letivo 2015/2016