SlideShare uma empresa Scribd logo
 Texto introdutório
 Caracterização do bem cultural
 Diário de campo
 Citações
 Valor patrimonial
O objetivo deste trabalho é dar a conhecer a estação de metro
das Olaias. Para isto iremos abordar as suas características e o que o
fazem ser um valor patrimonial (social, cultural, estético e histórico).
Mostraremos ainda o nosso diário de campo e umas citações
alusivas à estação.
A nossa escolha sobre esta estação deve-se, não só à
proximidade em relação à nossa escola, mas também devido à sua
função e estética. Este bem cultural é material visto que é um bem
tanto arqueológico como paisagístico.
Estação de Metro das Olaias

Metropolitano de Lisboa
Localização:
Freguesia Alto do Pina, concelho
de Lisboa
7 minutos a pé da EAAA
LinhaVermelha
19 de maio de 1998
ArquitetoTomásTaveira
Este arquiteto formado na Escola Superior
de Belas-Artes de Lisboa, fez a sua pós-
graduação em Planeamento Regional e
Urbano, para o que contribuiu este projeto
com uma estruturação urbanística. Em
Lisboa, seguindo o estilo pós-moderno,
fez edifícios espelhados com elementos
geométricos de cores garridas.
Átrio superior e naves dos cais
A sua principal característica é o
facto de ser um espaço tão
elaborado que confere uma
ambiência espacial.
Os acabamentos/ decorações do
espaço são o que mais chama a
atenção. Dez candeeiros artísticos
em metal e acrílico e uma escultura
de metal junto ao elevador
panorâmico em forma de peixe,
foram obra do próprio arquiteto.
Pedro Cabrita Reis (Lisboa, 1956)
Pintor e um dos artistas plásticos
portugueses mais conhecidos.
Escultura em chapa metálica pintada de
preto e branco, denominada
“Ascensão”, que se encontra no átrio,
onde as escadarias e escadas rolantes
convergem, transmitindo a ideia de
uma “subida simbólica”.
Graça Pereira Coutinho (Lisboa, 1971)
Quatro paredes de textura arenosa em
baixo-relevo que levam ao cais do
metro. Estas paredes com marcas de
mãos representam o movimento da
passagem humana pelo local e por isso a
individualidade de cada um.
Pedro Calapez (Lisboa, 1953)
Artista plástico português
Painel cerâmico para o átrio da estação
de metro das Olaias. Este painel é
constituído por duas espessuras, o que
permite uma leitura em relevo.
Rui Sanches (Lisboa, 1954)
Escultura em aço com um aspeto
enferrujado. O autor pretendeu que este
trabalho constituísse uma presença
insólita, poderosa e ao mesmo tempo
discreta, numa perfeita integração no
ambiente podendo mesmo passar por
mais um elemento estrutural.
A saída do túnel da estação Olaias em direção ao Aeroporto leva ao viaduto
sobre o Vale de Chelas. Este viaduto, obra de António Palolo, é revestido por
um conjunto de painéis decorativos com cores fortes, para proporcionar uma
leitura sequencial. Estes painéis foram feitos na Fábrica Viúva Lamego. Esta
intervenção estética para além de diminuir o impacto ambiental, enriquece a
paisagem local.
Canal de notícias norte-americana CNN, elegeu a estação de Olaias
como uma das dez mais belas da Europa.
Jornal inglês The Guardian destaca a estação como uma das 12 mais
bonitas do mundo.
Jornal britânico The Telegraph considerou a estação de metro das
Olaias como a 9ª mais bonita da Europa
“A estação das Olaias foi um projeto do arquiteto Tomás Taveira, o
mesmo arquiteto que projetou as Amoreiras. Tu consegues ver a
semelhança nas colunas da fachada das Amoreiras e as colunas de
dentro da estação das Olaias. Já vi um artigo internacional a dizer que a
estação das olaias está no grupo das estações europeias mais bonitas.”
- Paula Neves (projetista da estação de metro das olaias)
P: Qual era o seu papel na obra?
R: “A minha função na estação das Olaias era de projetista do projeto
de betão armado. Durante a manhã fazia o projeto na gabinete (os
cálculos e os desenhos) e à tarde fazia assistência técnica na obra,
ia ver os erros ou as dúvidas das pessoas que construíam e corrigia
explicava o projeto.
Os construtores estavam unidos num ACE ( Associação
de Empresas) e era conceção-construção, isto é, fazíamos o projeto e
construíamos.”
P: Reparámos que a obra está adaptada a
deficientes (escadas rolantes, escadas normais
e elevadores) foi sempre essa a intenção ?
R: “O projeto de arquitetura de uma estação de metropolitano deve
obedecer a algumas regras de cálculo que está no regulamento de
dimensionamento do Metropolitano de Lisboa. Algumas destas
são precisamente as acessibilidades para utentes e para deficientes:
exemplo tem de ter sempre elevadores, acessos pensados para
com mobilidade reduzida. Por curiosidade também tens regras de
dimensionamento das lajes que tem de resistir a cargas 5 vezes
superiores a um edifício normal ( dizem que a ideia é que resista a
bombardeamento ).”
P: Como acha que correu a obra? Houve algum
problema?
R: “A obra correu muito bem, não houve problemas de maior e esta
estação estava incluída na rede de metropolitano feita para chegar à
exposição 98 e à estação do Oriente.”
P: O que acha do resultado final?
R: “Acho que o resultado final foi muito bom, entregámos a obra no
prazo acordado com o dono da obra (o metropolitano), foi bem
construída”
“O infinito é ele menos o metro em que avultamos; a eternidade é ela
menos a hora em que vivemos.”
(PASCOAESTeixeira, “Viver”)
“O metro é como o tempo, ele passa até que o perdemos. Então ele
volta a passar e repete-o até finalmente o apanhar-mos.”
(Autor desconhecido)
https://www.youtube.com/watch?v=VR6zm14495w
A estação de metro das Olaias representa aspetos importantes
como a utilidade social, valor cultural, valor estético e sentido
histórico.
No sentido da utilidade social, a estação de metro das Olaias
veio facilitar o acesso à zona onde está construída. Antes da
construção da estação, o caminho para, não só a escola mas também
os edifícios circundantes da estação, era feito através da Alameda ou
pelo Areeiro o que dificultava o dia a dia das pessoas que percorriam
esse caminho.
Veio também embelezar e melhorar uma zona, ou seja, é uma
estação mundialmente reconhecida como uma das mais bonitas inserida
numa zona socialmente empobrecida. Serve também como contra ponto
de emoções, ou seja, ao entrar num local embelezado e colorido, o estado
de espírito do ser humano altera-se .
Quanto ao valor cultural, a estação de metro só por si é um símbolo
cultural por onde passaram grandes. Ao ser reconhecida como uma das
mais bonitas estações de metro o seu valor cultural subiu, não só pelo
reconhecimento que recebeu, mas também pelo que representa enquanto
obra de arte.
Ana Rita Nogueira
Beatriz Baptista
Margarida Almeida
Sara Lage
11ºP
Especialização em Audiovisuais (Cinema e Som)
Ano Letivo 2015/2016
Disciplina: Gestão de Artes
Professor José Batista Marques

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Metro das Olaias

Metrô de estocolmo
Metrô de estocolmoMetrô de estocolmo
Metrô de estocolmo
Luzia Gabriele
 
Aldo rossi
Aldo rossiAldo rossi
Aldo rossi
Isabella Marra
 
“IMPACTOS URBANÍSTICOS E SOCIAIS DE UMA ESTAÇÃO DE METRÔ: O CASO DA FREGUESIA...
“IMPACTOS URBANÍSTICOS E SOCIAIS DE UMA ESTAÇÃO DE METRÔ: O CASO DA FREGUESIA...“IMPACTOS URBANÍSTICOS E SOCIAIS DE UMA ESTAÇÃO DE METRÔ: O CASO DA FREGUESIA...
“IMPACTOS URBANÍSTICOS E SOCIAIS DE UMA ESTAÇÃO DE METRÔ: O CASO DA FREGUESIA...
Diamantino Augusto Sardinha Neto
 
Estudo de Caso Terminal Rodoviário Lapa-SP
Estudo de Caso Terminal Rodoviário Lapa-SPEstudo de Caso Terminal Rodoviário Lapa-SP
Estudo de Caso Terminal Rodoviário Lapa-SP
Luciana Paixão Arquitetura
 
Portfolio_Lucas
Portfolio_LucasPortfolio_Lucas
Portfolio_Lucas
Lucas Vieira
 
008 pontes do porto
008 pontes do porto008 pontes do porto
008 pontes do porto
venture-spain
 
Estudo Premilinar de ideias Area da Perimetral. RJ. – Projeto Reuse, Refaça, ...
Estudo Premilinar de ideias Area da Perimetral. RJ. – Projeto Reuse, Refaça, ...Estudo Premilinar de ideias Area da Perimetral. RJ. – Projeto Reuse, Refaça, ...
Estudo Premilinar de ideias Area da Perimetral. RJ. – Projeto Reuse, Refaça, ...
Carolina Dardi
 
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
François Urban, MBA
 
Roteiro do Centro Histórico de Campinas (SP)
Roteiro do Centro Histórico de Campinas (SP)Roteiro do Centro Histórico de Campinas (SP)
Roteiro do Centro Histórico de Campinas (SP)
Elton Zanoni
 
3o coloquio Brasil-Portugal
3o coloquio Brasil-Portugal3o coloquio Brasil-Portugal
3o coloquio Brasil-Portugal
Diamantino Augusto Sardinha Neto
 
Resenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria GamboaResenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria Gamboa
IZIS PAIXÃO
 
Pontes do porto
Pontes do portoPontes do porto
Pontes do porto
Paula Andrade
 
Pontes do Porto
Pontes do PortoPontes do Porto
Pontes do Porto
Umberto Pacheco
 
Museu da Língua Portuguesa
Museu da Língua PortuguesaMuseu da Língua Portuguesa
Museu da Língua Portuguesa
Jéssica Lucas
 
Arquitetura do Ferro
Arquitetura do FerroArquitetura do Ferro
Arquitetura do Ferro
Marcia Rodrigues
 
Vamos Construir Um Projecto Para A Avenida
Vamos Construir Um Projecto Para A AvenidaVamos Construir Um Projecto Para A Avenida
Vamos Construir Um Projecto Para A Avenida
Jose Carlos Mota
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
Carla Freitas
 
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdfAula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
SilviaRaquelChiarell1
 
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2Arquitetura moderna e contemporanea parte 2
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2
denise lugli
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
Jorge Almeida
 

Semelhante a Metro das Olaias (20)

Metrô de estocolmo
Metrô de estocolmoMetrô de estocolmo
Metrô de estocolmo
 
Aldo rossi
Aldo rossiAldo rossi
Aldo rossi
 
“IMPACTOS URBANÍSTICOS E SOCIAIS DE UMA ESTAÇÃO DE METRÔ: O CASO DA FREGUESIA...
“IMPACTOS URBANÍSTICOS E SOCIAIS DE UMA ESTAÇÃO DE METRÔ: O CASO DA FREGUESIA...“IMPACTOS URBANÍSTICOS E SOCIAIS DE UMA ESTAÇÃO DE METRÔ: O CASO DA FREGUESIA...
“IMPACTOS URBANÍSTICOS E SOCIAIS DE UMA ESTAÇÃO DE METRÔ: O CASO DA FREGUESIA...
 
Estudo de Caso Terminal Rodoviário Lapa-SP
Estudo de Caso Terminal Rodoviário Lapa-SPEstudo de Caso Terminal Rodoviário Lapa-SP
Estudo de Caso Terminal Rodoviário Lapa-SP
 
Portfolio_Lucas
Portfolio_LucasPortfolio_Lucas
Portfolio_Lucas
 
008 pontes do porto
008 pontes do porto008 pontes do porto
008 pontes do porto
 
Estudo Premilinar de ideias Area da Perimetral. RJ. – Projeto Reuse, Refaça, ...
Estudo Premilinar de ideias Area da Perimetral. RJ. – Projeto Reuse, Refaça, ...Estudo Premilinar de ideias Area da Perimetral. RJ. – Projeto Reuse, Refaça, ...
Estudo Premilinar de ideias Area da Perimetral. RJ. – Projeto Reuse, Refaça, ...
 
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
 
Roteiro do Centro Histórico de Campinas (SP)
Roteiro do Centro Histórico de Campinas (SP)Roteiro do Centro Histórico de Campinas (SP)
Roteiro do Centro Histórico de Campinas (SP)
 
3o coloquio Brasil-Portugal
3o coloquio Brasil-Portugal3o coloquio Brasil-Portugal
3o coloquio Brasil-Portugal
 
Resenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria GamboaResenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria Gamboa
 
Pontes do porto
Pontes do portoPontes do porto
Pontes do porto
 
Pontes do Porto
Pontes do PortoPontes do Porto
Pontes do Porto
 
Museu da Língua Portuguesa
Museu da Língua PortuguesaMuseu da Língua Portuguesa
Museu da Língua Portuguesa
 
Arquitetura do Ferro
Arquitetura do FerroArquitetura do Ferro
Arquitetura do Ferro
 
Vamos Construir Um Projecto Para A Avenida
Vamos Construir Um Projecto Para A AvenidaVamos Construir Um Projecto Para A Avenida
Vamos Construir Um Projecto Para A Avenida
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdfAula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
Aula 2_Ecletismo e Neoclassicismo.pdf
 
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2Arquitetura moderna e contemporanea parte 2
Arquitetura moderna e contemporanea parte 2
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 

Mais de Iga Almeida

Human Trafficking
Human TraffickingHuman Trafficking
Human Trafficking
Iga Almeida
 
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - GhibertiPorta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Iga Almeida
 
As Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os MaiasAs Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os Maias
Iga Almeida
 
Petit Trianon
Petit TrianonPetit Trianon
Petit Trianon
Iga Almeida
 
Igreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do CarmoIgreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do Carmo
Iga Almeida
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
Iga Almeida
 
Lies
LiesLies
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
Iga Almeida
 
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Iga Almeida
 
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
Iga Almeida
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos RelvasCasa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Iga Almeida
 
Fotojornalismo
FotojornalismoFotojornalismo
Fotojornalismo
Iga Almeida
 
As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais
Iga Almeida
 
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de PlanosLinguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Iga Almeida
 
Emily Dickinson
Emily DickinsonEmily Dickinson
Emily Dickinson
Iga Almeida
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
Iga Almeida
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar português
Iga Almeida
 
Radiação Solar
Radiação SolarRadiação Solar
Radiação Solar
Iga Almeida
 
O Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de PortugalO Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de Portugal
Iga Almeida
 

Mais de Iga Almeida (20)

Human Trafficking
Human TraffickingHuman Trafficking
Human Trafficking
 
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - GhibertiPorta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
Porta Leste do Batistério de Florença - Ghiberti
 
As Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os MaiasAs Gerações n'Os Maias
As Gerações n'Os Maias
 
Petit Trianon
Petit TrianonPetit Trianon
Petit Trianon
 
Igreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do CarmoIgreja do Convento do Carmo
Igreja do Convento do Carmo
 
Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"Cesário Verde - "Ao Gás"
Cesário Verde - "Ao Gás"
 
Lies
LiesLies
Lies
 
René Descartes
René DescartesRené Descartes
René Descartes
 
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
Cinema Mudo: "Madame Du Barry" (1919)
 
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
"Estou cansado, é claro," Álvaro de Campos
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Casa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos RelvasCasa-Estúdio Carlos Relvas
Casa-Estúdio Carlos Relvas
 
Fotojornalismo
FotojornalismoFotojornalismo
Fotojornalismo
 
As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais As Estruturas Visuais
As Estruturas Visuais
 
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de PlanosLinguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
 
Emily Dickinson
Emily DickinsonEmily Dickinson
Emily Dickinson
 
Energias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não RenováveisEnergias Renováveis e Não Renováveis
Energias Renováveis e Não Renováveis
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar português
 
Radiação Solar
Radiação SolarRadiação Solar
Radiação Solar
 
O Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de PortugalO Potencial Solar de Portugal
O Potencial Solar de Portugal
 

Metro das Olaias

  • 1.
  • 2.  Texto introdutório  Caracterização do bem cultural  Diário de campo  Citações  Valor patrimonial
  • 3. O objetivo deste trabalho é dar a conhecer a estação de metro das Olaias. Para isto iremos abordar as suas características e o que o fazem ser um valor patrimonial (social, cultural, estético e histórico). Mostraremos ainda o nosso diário de campo e umas citações alusivas à estação. A nossa escolha sobre esta estação deve-se, não só à proximidade em relação à nossa escola, mas também devido à sua função e estética. Este bem cultural é material visto que é um bem tanto arqueológico como paisagístico.
  • 4. Estação de Metro das Olaias  Metropolitano de Lisboa Localização: Freguesia Alto do Pina, concelho de Lisboa 7 minutos a pé da EAAA LinhaVermelha
  • 5. 19 de maio de 1998 ArquitetoTomásTaveira Este arquiteto formado na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, fez a sua pós- graduação em Planeamento Regional e Urbano, para o que contribuiu este projeto com uma estruturação urbanística. Em Lisboa, seguindo o estilo pós-moderno, fez edifícios espelhados com elementos geométricos de cores garridas.
  • 6. Átrio superior e naves dos cais A sua principal característica é o facto de ser um espaço tão elaborado que confere uma ambiência espacial. Os acabamentos/ decorações do espaço são o que mais chama a atenção. Dez candeeiros artísticos em metal e acrílico e uma escultura de metal junto ao elevador panorâmico em forma de peixe, foram obra do próprio arquiteto.
  • 7. Pedro Cabrita Reis (Lisboa, 1956) Pintor e um dos artistas plásticos portugueses mais conhecidos. Escultura em chapa metálica pintada de preto e branco, denominada “Ascensão”, que se encontra no átrio, onde as escadarias e escadas rolantes convergem, transmitindo a ideia de uma “subida simbólica”.
  • 8. Graça Pereira Coutinho (Lisboa, 1971) Quatro paredes de textura arenosa em baixo-relevo que levam ao cais do metro. Estas paredes com marcas de mãos representam o movimento da passagem humana pelo local e por isso a individualidade de cada um.
  • 9. Pedro Calapez (Lisboa, 1953) Artista plástico português Painel cerâmico para o átrio da estação de metro das Olaias. Este painel é constituído por duas espessuras, o que permite uma leitura em relevo.
  • 10. Rui Sanches (Lisboa, 1954) Escultura em aço com um aspeto enferrujado. O autor pretendeu que este trabalho constituísse uma presença insólita, poderosa e ao mesmo tempo discreta, numa perfeita integração no ambiente podendo mesmo passar por mais um elemento estrutural.
  • 11. A saída do túnel da estação Olaias em direção ao Aeroporto leva ao viaduto sobre o Vale de Chelas. Este viaduto, obra de António Palolo, é revestido por um conjunto de painéis decorativos com cores fortes, para proporcionar uma leitura sequencial. Estes painéis foram feitos na Fábrica Viúva Lamego. Esta intervenção estética para além de diminuir o impacto ambiental, enriquece a paisagem local.
  • 12. Canal de notícias norte-americana CNN, elegeu a estação de Olaias como uma das dez mais belas da Europa. Jornal inglês The Guardian destaca a estação como uma das 12 mais bonitas do mundo. Jornal britânico The Telegraph considerou a estação de metro das Olaias como a 9ª mais bonita da Europa
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. “A estação das Olaias foi um projeto do arquiteto Tomás Taveira, o mesmo arquiteto que projetou as Amoreiras. Tu consegues ver a semelhança nas colunas da fachada das Amoreiras e as colunas de dentro da estação das Olaias. Já vi um artigo internacional a dizer que a estação das olaias está no grupo das estações europeias mais bonitas.” - Paula Neves (projetista da estação de metro das olaias)
  • 18. P: Qual era o seu papel na obra? R: “A minha função na estação das Olaias era de projetista do projeto de betão armado. Durante a manhã fazia o projeto na gabinete (os cálculos e os desenhos) e à tarde fazia assistência técnica na obra, ia ver os erros ou as dúvidas das pessoas que construíam e corrigia explicava o projeto. Os construtores estavam unidos num ACE ( Associação de Empresas) e era conceção-construção, isto é, fazíamos o projeto e construíamos.”
  • 19. P: Reparámos que a obra está adaptada a deficientes (escadas rolantes, escadas normais e elevadores) foi sempre essa a intenção ? R: “O projeto de arquitetura de uma estação de metropolitano deve obedecer a algumas regras de cálculo que está no regulamento de dimensionamento do Metropolitano de Lisboa. Algumas destas são precisamente as acessibilidades para utentes e para deficientes: exemplo tem de ter sempre elevadores, acessos pensados para com mobilidade reduzida. Por curiosidade também tens regras de dimensionamento das lajes que tem de resistir a cargas 5 vezes superiores a um edifício normal ( dizem que a ideia é que resista a bombardeamento ).”
  • 20. P: Como acha que correu a obra? Houve algum problema? R: “A obra correu muito bem, não houve problemas de maior e esta estação estava incluída na rede de metropolitano feita para chegar à exposição 98 e à estação do Oriente.”
  • 21. P: O que acha do resultado final? R: “Acho que o resultado final foi muito bom, entregámos a obra no prazo acordado com o dono da obra (o metropolitano), foi bem construída”
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. “O infinito é ele menos o metro em que avultamos; a eternidade é ela menos a hora em que vivemos.” (PASCOAESTeixeira, “Viver”) “O metro é como o tempo, ele passa até que o perdemos. Então ele volta a passar e repete-o até finalmente o apanhar-mos.” (Autor desconhecido) https://www.youtube.com/watch?v=VR6zm14495w
  • 29. A estação de metro das Olaias representa aspetos importantes como a utilidade social, valor cultural, valor estético e sentido histórico. No sentido da utilidade social, a estação de metro das Olaias veio facilitar o acesso à zona onde está construída. Antes da construção da estação, o caminho para, não só a escola mas também os edifícios circundantes da estação, era feito através da Alameda ou pelo Areeiro o que dificultava o dia a dia das pessoas que percorriam esse caminho.
  • 30. Veio também embelezar e melhorar uma zona, ou seja, é uma estação mundialmente reconhecida como uma das mais bonitas inserida numa zona socialmente empobrecida. Serve também como contra ponto de emoções, ou seja, ao entrar num local embelezado e colorido, o estado de espírito do ser humano altera-se . Quanto ao valor cultural, a estação de metro só por si é um símbolo cultural por onde passaram grandes. Ao ser reconhecida como uma das mais bonitas estações de metro o seu valor cultural subiu, não só pelo reconhecimento que recebeu, mas também pelo que representa enquanto obra de arte.
  • 31. Ana Rita Nogueira Beatriz Baptista Margarida Almeida Sara Lage 11ºP Especialização em Audiovisuais (Cinema e Som) Ano Letivo 2015/2016 Disciplina: Gestão de Artes Professor José Batista Marques