SlideShare uma empresa Scribd logo
HUMANIZAÇÃO
NA
ENFERMAGEM
PROFESSORA JHORDANA
O QUE É HUMANIZAÇÃO?
Humanização é a ação ou
efeito de humanizar, de tornar
humano ou mais humano,
tornar benévolo,
tornar afável.
• Humanizar segundo o dicionário Aurélio:
1. Adoçar; suavizar; civilizar.
2. Tornar-se humano; compadecer-se.
HUMANIZAR é: valorizar a qualidade do cuidado do
ponto de vista técnico.
• Ou seja, nos colocar no lugar do paciente e enxergá-lo
como um ser biopsicossocial com necessidades
diferentes, e entender que apesar do paciente estar
com todos os equipamentos necessários para sua
sobrevivência, ele está em um local estranho, sendo
cuidado por pessoas estranhas, perdendo suas
intimidades e principalmente com dor.
• A humanização visa justamente trazer o máximo de
conforto e cuidado para o paciente como pessoa.
• O processo de humanização implica a evolução do
Homem, pois ele tenta aperfeiçoar as suas aptidões
através da interação com o seu meio envolvente. Para
cumprir essa tarefa, os indivíduos utilizam recursos e
instrumentos como forma de auxílio. A comunicação é
uma das ferramentas de grande importância na
humanização.
• A humanização é um processo de construção gradual,
realizada através do compartilhamento de
conhecimentos e de sentimentos. No trabalho,
humanizar é acolher esta necessidade de resgate e
articulação de aspectos indissociáveis: o sentimento e o
conhecimento.
• Mais do que isso, é adotar uma prática na qual o
profissional encontre a possibilidade de assumir uma
posição ética de respeito ao outro, de acolhimento do
desconhecido, do imprevisível, do incontrolável, do
diferente e singular, reconhecendo os seus limites. A
possuir uma pré-disposição para a abertura e o
respeito ao próximo como um ser independente e
digno.
• Hoje a ciência tem
muito a oferecer, mas
as pessoas não
oferecem mais nada
além da técnica.
• O doente passou a ser considerado instrumento de:
aprendizagem, estatística e pesquisa. Passando a
representar uma fonte de recursos econômicos para
a organização.
O QUE É HUMANIZAÇÃO NA SAÚDE?
• Humanização na saúde é um conceito relacionado às
interações, estrutura e processos realizados em
unidades de saúde, agregando ambientes e relações
acolhedoras.
• Segundo preconiza o Ministério da Saúde, é uma
proposta para melhorar a qualidade das relações de
trabalho na saúde, principalmente no que diz respeito
à assistência á clientela. (BRASIL 2001 – Humaniza
SUS), ou seja, a valorização dos processos de mudança
dos sujeitos na produção de saúde.
• O termo “humanização” vem sendo utilizado com
frequência no âmbito da saúde.
• É definida como a busca pelo melhor atendimento
aos pacientes e melhores condições para os
trabalhadores, logo, a busca por melhor qualidade nas
unidades de saúde.
• A noção de “humanização” como a forma de assistência
que valorize a qualidade do cuidado do ponto de vista
técnico, associada ao reconhecimento dos direitos do
paciente, de sua subjetividade e referências culturais.
Implica ainda a valorização do profissional e do diálogo
intra e inter equipes.
• Parece estranho falar de humanização para seres
humanos, já que humanizar deveria fazer parte da
natureza do homem, porém mostra-se necessário no
contexto atual que façamos uma revisão de nossas
práticas cotidianas com ênfase na criação de melhores
equipes de trabalho que valorize a dignidade de sua
profissão e do paciente.
ENFERMAGEM E O CUIDADO
HUMANIZADO
• A enfermagem é uma disciplina, que lida com o ser
humano, que é um ser em evolução, tem que haver
humanização.
• Uma pessoa está doente e vai procurar um profissional
da saúde com o desejo que alivie seus sintomas e livre-
o de seu sofrimento. Ele deseja ser cuidado.
A enfermagem nasceu através do
ensino feito por Florence
Nightingale: Treinava pessoas para
cuidar de pessoas. O cuidar é uma
característica da enfermagem.
A arte da enfermagem
Nightingaliana consiste no cuidar
tanto dos seres humanos sadios,
como doentes, requerendo assim um
conhecimento formal e científico,
vocação, elevado padrão moral e de
sentimentos.
O enfermeiro precisa utilizar seu
conhecimento científico e também sua
capacidade de observação e percepção
para visualizar as necessidades do
paciente e compreender seus
problemas.
A negligência é causadora de um cuidado ineficiente, por isso, é
necessário que a enfermeira tenha conhecimento disso e previna o
mau cuidado, a sobrecarga de atividades, a falta de treinamento.
Mantendo assim o bom equilíbrio da equipe para o atendimento
humanizado.
O cuidado humano é
exercitado, vivido e
sentido no interior de
cada um, envolvendo
atos, princípios, valores,
ética que devem fazer
parte do nosso cotidiano.
✓Acolhimento
• Pode ser definido como o reconhecimento a respeito
das necessidades de saúde de forma integral, ou seja,
tanto no âmbito físico como no psicossocial. Gera confiança e
vínculo entre os envolvidos.
• Processo constitutivo das práticas de produção e promoção
de saúde que implica responsabilização do
trabalhador/equipe pelo usuário, desde a sua chegada até a
sua saída.
QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DE UM
ATENDIMENTO HUMANIZADO NA
ÁREA DA SAÚDE?
• Deve comparecer e sustentar a relação entre
equipes/serviços e usuários/populações.
• É construído de forma coletiva, a partir da análise dos
processos de trabalho e tem como objetivo a construção
de relações de confiança, compromisso e vínculo entre
as equipes/serviços, trabalhador/equipes e usuário
com sua rede sócio afetiva.
• Ouvindo sua queixa,
considerando suas preocupações
e angústias, fazendo uso de
uma escuta qualificada que
possibilite analisar a demanda,
para assim garantir atenção
integral, resolutiva.
•A comunicação verbal e as
expressões usadas na hora da
fala é a ponte entre você e o
outro.
COMO FAZER?
• Com uma escuta qualificada oferecida pelos
trabalhadores às necessidades do usuário, é possível
garantir o acesso oportuno desses usuários a
tecnologias adequadas às suas necessidades,
ampliando a efetividade das práticas de saúde. Isso
assegura, por exemplo, que todos sejam atendidos com
prioridades a partir da avaliação de vulnerabilidade,
gravidade e risco.
• A reflexão sobre a humanização deve considerar a
valorização dos diferentes sujeitos implicados no
processo de produção de saúde: usuários,
trabalhadores e gestores; fomento da autonomia e do
protagonismo desses sujeitos; aumento do grau de
corresponsabilidade na produção de saúde;
estabelecimento de vínculos solidários e de
participação coletiva no processo de gestão;
identificação das necessidades sociais de saúde;
mudança nos modelos de atenção e gestão dos
processos de trabalho, tendo como foco as necessidades
dos cidadãos e a produção de saúde.
POLÍTICA NACIONAL DE
HUMANIZAÇÃO (PNH)
• Busca colocar em prática os princípios do SUS no
cotidiano dos serviços de saúde.
• Estimula a comunicação entre gestores, trabalhadores
e usuários.
• Valorização dos diferentes;
• Estabelecimento de vínculos solidários e de
participação coletiva no processo de gestão;
• Defesa de um SUS que reconhece a diversidade do povo
brasileiro e a todos oferece a mesma atenção à saúde;
• Mapeamento e interação com as demandas sociais,
coletivas e subjetivas de saúde;
• Proposta de um trabalho coletivo para que o SUS seja
mais acolhedor, mais ágil e mais resolutivo;
• Compromisso com a qualificação da ambiência,
melhorando as condições de trabalho e de atendimento;
• Compromisso com a articulação dos processos de
formação com os serviços e práticas de saúde;
• Luta por um SUS mais humano, construído com a
participação de todos e comprometido com a qualidade
dos seus serviços e com a saúde integral para todos e
qualquer um.
QUAL É O OBJETIVO DA
HUMANIZAÇÃO DA SAÚDE?
• Entre os principais objetivos
da humanização na saúde,
vale citar a melhora na
qualidade dos serviços e a
potencialização dos
tratamentos, aumentando as
chances e reduzindo o
tempo para a cura do
paciente.
• Começando pela qualidade nos serviços, podemos dizer
que incluir uma abordagem acolhedora e pequenas
gentilezas torna mais leve o dia a dia de gestores,
médicos, enfermeiros, auxiliares, funcionários da
limpeza etc.
• Isso porque a comunicação não violenta e
transparente melhora as relações dentro das
equipes de saúde, conferindo clareza para simplificar o
planejamento e execução de processos.
• Outros pontos chave são a estrutura e a jornada do
paciente dentro do estabelecimento, que necessitam
englobar locais confortáveis para espera, informações
corretas e diminuição de filas.
• Procedimentos humanizados também impactam a
escolha, orientação e eficiência das terapias ofertadas
aos pacientes, que tendem a melhorar mais rápido
quando se sentem acolhidos.
• Afinal, se procuraram por um serviço de saúde, esses
indivíduos estão passando por um momento delicado,
de confusão e com as emoções exacerbadas, o que pede
atenção e tranquilidade para que recebam o suporte
necessário.
❑ A gestão do trabalho, propõe-se a promoção de ações
que assegurem a participação dos trabalhadores nos
processos de discussão e decisão, fortalecendo e
valorizando os trabalhadores, sua motivação, seu
desenvolvimento e seu crescimento profissional;
• No eixo da atenção, propõe-se uma política
incentivadora de ações integrais, promocionais e
intersetoriais de saúde, inovando nos processos de
trabalho que busquem o compartilhamento dos
cuidados, resultando em aumento da autonomia e
protagonismo dos sujeitos envolvidos;
RESULTADOS ESPERADOS
• Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação
do acesso;
• Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em
critérios de risco;
• Implantação de modelo de atenção com
responsabilização e vínculo;
• Garantia dos direitos dos usuários;
• Valorização do trabalho na saúde;
• Gestão participativa nos serviços.
DESAFIOS PARA O PROCESSO DE
HUMANIZAÇÃO
• Banalização do sofrimento;
• Contato superficial entre o profissional e o paciente;
Nesse processo, ocorre um desligamento do sofrimento
do outro e o “medo” produz uma separação subjetiva
entre os que estão cuidando e os que deveriam ser
cuidados.
• A intolerância afetiva para
com a própria emoção
reacional acaba levando o
sujeito a abstrair-se de
sofrimento alheio por uma
atitude de indiferença – logo,
de intolerância para com o que
provoca seu sofrimento.
Nesse sentido emerge a necessidade de trabalhar o sofrimento
psíquico do trabalhadores de enfermagem, pois o desgaste psicológico
e más condições na infraestrutura ( super-lotamento , falta de
materiais de trabalho e até mesmo sobre carga devido a poucos
profissionais na equipe) interfere na qualidade de vida dessas
pessoas e na qualidade da assistência prestada.
• O cuidar tornou-se mecanizado, fragmentado e tanto
as pessoas que cuidam com as que recebem cuidado,
parecem ter esquecido que esta habilidade/qualidade,
além de constituir uma ação é um valor, um
comportamento. Os enfermeiros devem ser atuantes
não só na administração das atividades, mas sim estar
em constante interação com o meio cuidar/cuidado
para através do seu conhecimento, desenvolver a
humanização. Isso nos confere, tanto mais
responsabilidade, quanto desafios.
PERGUNTAS:
• Qual a sua compreensão sobre assistência humanizada na
Enfermagem?
• A Humanização é essencial para a pratica de enfermagem? Por que?
• Na sua percepção como será a evolução do quadro clínico do paciente
quando há humanização na assistência de enfermagem? Justifique.
• No seu ponto de vista o que poderia ser feito para que o atendimento
em saúde fosse mais humanizado?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Humanização em enfermagem slides pptx...

Administrar e humanizar no hospital contéudo
Administrar e humanizar no hospital contéudo Administrar e humanizar no hospital contéudo
Administrar e humanizar no hospital contéudo
Rayana Dantas
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Jozy Anne Aguiar
 
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptAULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
FLAVIAAMELIACOSTAFAR
 
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mentalTecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
CENAT Cursos
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
Allan Vieira
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Paulo Silva
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
RitaOliveira691334
 
Cola
ColaCola
Humaniza CEPAC - Associação "Criança Especial" de Pais Companheiros
Humaniza CEPAC - Associação "Criança Especial" de Pais CompanheirosHumaniza CEPAC - Associação "Criança Especial" de Pais Companheiros
Humaniza CEPAC - Associação "Criança Especial" de Pais Companheiros
Rodrigo Zandonadi
 
Texto 4 e 5 humanização em ambientes medicos
Texto 4 e 5 humanização em ambientes medicosTexto 4 e 5 humanização em ambientes medicos
Texto 4 e 5 humanização em ambientes medicos
Psicologia_2015
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
NEELLITON SANTOS
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
Francisco Fialho
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
carloslins20
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
petsmufrn
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
EvertonMonteiro19
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Humanização da assistência de enfermagem na Emergência
Humanização da assistência de enfermagem na EmergênciaHumanização da assistência de enfermagem na Emergência
Humanização da assistência de enfermagem na Emergência
NayaneQuirino
 
(Re)Humanização na Saúde
(Re)Humanização na Saúde(Re)Humanização na Saúde
(Re)Humanização na Saúde
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
Adélia Correia
 
Texto 5 psicologia e humanização
Texto 5   psicologia e humanizaçãoTexto 5   psicologia e humanização
Texto 5 psicologia e humanização
Psicologia_2015
 

Semelhante a Humanização em enfermagem slides pptx... (20)

Administrar e humanizar no hospital contéudo
Administrar e humanizar no hospital contéudo Administrar e humanizar no hospital contéudo
Administrar e humanizar no hospital contéudo
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
 
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptAULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
 
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mentalTecnologias leves para o cuidado em saúde mental
Tecnologias leves para o cuidado em saúde mental
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
 
Cola
ColaCola
Cola
 
Humaniza CEPAC - Associação "Criança Especial" de Pais Companheiros
Humaniza CEPAC - Associação "Criança Especial" de Pais CompanheirosHumaniza CEPAC - Associação "Criança Especial" de Pais Companheiros
Humaniza CEPAC - Associação "Criança Especial" de Pais Companheiros
 
Texto 4 e 5 humanização em ambientes medicos
Texto 4 e 5 humanização em ambientes medicosTexto 4 e 5 humanização em ambientes medicos
Texto 4 e 5 humanização em ambientes medicos
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
 
Humanização da assistência de enfermagem na Emergência
Humanização da assistência de enfermagem na EmergênciaHumanização da assistência de enfermagem na Emergência
Humanização da assistência de enfermagem na Emergência
 
(Re)Humanização na Saúde
(Re)Humanização na Saúde(Re)Humanização na Saúde
(Re)Humanização na Saúde
 
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrmsO acolhimento nas práticas de produção de saúde  hrms
O acolhimento nas práticas de produção de saúde hrms
 
Texto 5 psicologia e humanização
Texto 5   psicologia e humanizaçãoTexto 5   psicologia e humanização
Texto 5 psicologia e humanização
 

Mais de jhordana1

Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............
jhordana1
 
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
jhordana1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
jhordana1
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdfaula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
jhordana1
 
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdfAula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
jhordana1
 
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdfAlimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
jhordana1
 
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdfaula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
jhordana1
 
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptxVigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
jhordana1
 
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdfORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
jhordana1
 
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdfVigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
jhordana1
 
alimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infanciaalimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infancia
jhordana1
 
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptxNUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
jhordana1
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
jhordana1
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
jhordana1
 
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptxAgua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
jhordana1
 
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptxTEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
jhordana1
 
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptxTeoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
jhordana1
 

Mais de jhordana1 (20)

Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............Alimentação saudável no idoso.............
Alimentação saudável no idoso.............
 
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......aula acidente vascular cerebral.pdf.......
aula acidente vascular cerebral.pdf.......
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
9. Medicamentos Antimicrobianos.......pdf
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdfaula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
aula sistema único de saúde SUS(2).....pdf
 
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdfAula sobre a Vigilância em saúde......pdf
Aula sobre a Vigilância em saúde......pdf
 
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdfAlimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
Alimentação saudável na infância, adolescência e gestação-2.pdf
 
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdfaula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
aula6nutricaonormaledieteticaprofeuridice-190309222614 (1).pdf
 
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptxVigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
Vigilância em saúde/sanitaria/ambiental.pptx
 
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdfORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM-1.pdf
 
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdfVigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
Vigilância em saúde/ vigilância epidemiológica, sanitária, ambiental-1.pdf
 
alimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infanciaalimentação na lactação e primeira infancia
alimentação na lactação e primeira infancia
 
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptxNUTRIÇÃO VITAMINAS  DO GRUPO A D E K.pptx
NUTRIÇÃO VITAMINAS DO GRUPO A D E K.pptx
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DO ALCANCE DE METAS..pptx
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptxAgua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
Agua e carboidratos //Aula nutrição.pptx
 
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptxTEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
TEORIA DAS NECESSIDADES Básicas de enfermagem.pptx
 
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptxTeoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
Teoria da enfermagem de Florence Nightingale.pptx
 

Último

Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Sergio Wilfrido Vazquez Apestegui
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdfQuest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
ighormt
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
rosilenenunes9
 

Último (8)

Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
Saiba agora como aumentar o número de atendimentos médicos sem comprometer a ...
 
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdfQuest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
Quest+Áes para Treinamento Ginecologia.pdf
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
 

Humanização em enfermagem slides pptx...

  • 2. O QUE É HUMANIZAÇÃO? Humanização é a ação ou efeito de humanizar, de tornar humano ou mais humano, tornar benévolo, tornar afável.
  • 3. • Humanizar segundo o dicionário Aurélio: 1. Adoçar; suavizar; civilizar. 2. Tornar-se humano; compadecer-se. HUMANIZAR é: valorizar a qualidade do cuidado do ponto de vista técnico.
  • 4. • Ou seja, nos colocar no lugar do paciente e enxergá-lo como um ser biopsicossocial com necessidades diferentes, e entender que apesar do paciente estar com todos os equipamentos necessários para sua sobrevivência, ele está em um local estranho, sendo cuidado por pessoas estranhas, perdendo suas intimidades e principalmente com dor. • A humanização visa justamente trazer o máximo de conforto e cuidado para o paciente como pessoa.
  • 5. • O processo de humanização implica a evolução do Homem, pois ele tenta aperfeiçoar as suas aptidões através da interação com o seu meio envolvente. Para cumprir essa tarefa, os indivíduos utilizam recursos e instrumentos como forma de auxílio. A comunicação é uma das ferramentas de grande importância na humanização.
  • 6. • A humanização é um processo de construção gradual, realizada através do compartilhamento de conhecimentos e de sentimentos. No trabalho, humanizar é acolher esta necessidade de resgate e articulação de aspectos indissociáveis: o sentimento e o conhecimento.
  • 7. • Mais do que isso, é adotar uma prática na qual o profissional encontre a possibilidade de assumir uma posição ética de respeito ao outro, de acolhimento do desconhecido, do imprevisível, do incontrolável, do diferente e singular, reconhecendo os seus limites. A possuir uma pré-disposição para a abertura e o respeito ao próximo como um ser independente e digno.
  • 8.
  • 9. • Hoje a ciência tem muito a oferecer, mas as pessoas não oferecem mais nada além da técnica. • O doente passou a ser considerado instrumento de: aprendizagem, estatística e pesquisa. Passando a representar uma fonte de recursos econômicos para a organização.
  • 10. O QUE É HUMANIZAÇÃO NA SAÚDE? • Humanização na saúde é um conceito relacionado às interações, estrutura e processos realizados em unidades de saúde, agregando ambientes e relações acolhedoras.
  • 11. • Segundo preconiza o Ministério da Saúde, é uma proposta para melhorar a qualidade das relações de trabalho na saúde, principalmente no que diz respeito à assistência á clientela. (BRASIL 2001 – Humaniza SUS), ou seja, a valorização dos processos de mudança dos sujeitos na produção de saúde.
  • 12. • O termo “humanização” vem sendo utilizado com frequência no âmbito da saúde. • É definida como a busca pelo melhor atendimento aos pacientes e melhores condições para os trabalhadores, logo, a busca por melhor qualidade nas unidades de saúde.
  • 13. • A noção de “humanização” como a forma de assistência que valorize a qualidade do cuidado do ponto de vista técnico, associada ao reconhecimento dos direitos do paciente, de sua subjetividade e referências culturais. Implica ainda a valorização do profissional e do diálogo intra e inter equipes.
  • 14. • Parece estranho falar de humanização para seres humanos, já que humanizar deveria fazer parte da natureza do homem, porém mostra-se necessário no contexto atual que façamos uma revisão de nossas práticas cotidianas com ênfase na criação de melhores equipes de trabalho que valorize a dignidade de sua profissão e do paciente.
  • 15. ENFERMAGEM E O CUIDADO HUMANIZADO • A enfermagem é uma disciplina, que lida com o ser humano, que é um ser em evolução, tem que haver humanização. • Uma pessoa está doente e vai procurar um profissional da saúde com o desejo que alivie seus sintomas e livre- o de seu sofrimento. Ele deseja ser cuidado.
  • 16. A enfermagem nasceu através do ensino feito por Florence Nightingale: Treinava pessoas para cuidar de pessoas. O cuidar é uma característica da enfermagem. A arte da enfermagem Nightingaliana consiste no cuidar tanto dos seres humanos sadios, como doentes, requerendo assim um conhecimento formal e científico, vocação, elevado padrão moral e de sentimentos.
  • 17. O enfermeiro precisa utilizar seu conhecimento científico e também sua capacidade de observação e percepção para visualizar as necessidades do paciente e compreender seus problemas. A negligência é causadora de um cuidado ineficiente, por isso, é necessário que a enfermeira tenha conhecimento disso e previna o mau cuidado, a sobrecarga de atividades, a falta de treinamento. Mantendo assim o bom equilíbrio da equipe para o atendimento humanizado.
  • 18. O cuidado humano é exercitado, vivido e sentido no interior de cada um, envolvendo atos, princípios, valores, ética que devem fazer parte do nosso cotidiano.
  • 19. ✓Acolhimento • Pode ser definido como o reconhecimento a respeito das necessidades de saúde de forma integral, ou seja, tanto no âmbito físico como no psicossocial. Gera confiança e vínculo entre os envolvidos. • Processo constitutivo das práticas de produção e promoção de saúde que implica responsabilização do trabalhador/equipe pelo usuário, desde a sua chegada até a sua saída. QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DE UM ATENDIMENTO HUMANIZADO NA ÁREA DA SAÚDE?
  • 20. • Deve comparecer e sustentar a relação entre equipes/serviços e usuários/populações. • É construído de forma coletiva, a partir da análise dos processos de trabalho e tem como objetivo a construção de relações de confiança, compromisso e vínculo entre as equipes/serviços, trabalhador/equipes e usuário com sua rede sócio afetiva.
  • 21. • Ouvindo sua queixa, considerando suas preocupações e angústias, fazendo uso de uma escuta qualificada que possibilite analisar a demanda, para assim garantir atenção integral, resolutiva. •A comunicação verbal e as expressões usadas na hora da fala é a ponte entre você e o outro.
  • 22. COMO FAZER? • Com uma escuta qualificada oferecida pelos trabalhadores às necessidades do usuário, é possível garantir o acesso oportuno desses usuários a tecnologias adequadas às suas necessidades, ampliando a efetividade das práticas de saúde. Isso assegura, por exemplo, que todos sejam atendidos com prioridades a partir da avaliação de vulnerabilidade, gravidade e risco.
  • 23. • A reflexão sobre a humanização deve considerar a valorização dos diferentes sujeitos implicados no processo de produção de saúde: usuários, trabalhadores e gestores; fomento da autonomia e do protagonismo desses sujeitos; aumento do grau de corresponsabilidade na produção de saúde; estabelecimento de vínculos solidários e de participação coletiva no processo de gestão; identificação das necessidades sociais de saúde; mudança nos modelos de atenção e gestão dos processos de trabalho, tendo como foco as necessidades dos cidadãos e a produção de saúde.
  • 24. POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO (PNH) • Busca colocar em prática os princípios do SUS no cotidiano dos serviços de saúde. • Estimula a comunicação entre gestores, trabalhadores e usuários. • Valorização dos diferentes; • Estabelecimento de vínculos solidários e de participação coletiva no processo de gestão;
  • 25. • Defesa de um SUS que reconhece a diversidade do povo brasileiro e a todos oferece a mesma atenção à saúde; • Mapeamento e interação com as demandas sociais, coletivas e subjetivas de saúde; • Proposta de um trabalho coletivo para que o SUS seja mais acolhedor, mais ágil e mais resolutivo; • Compromisso com a qualificação da ambiência, melhorando as condições de trabalho e de atendimento;
  • 26. • Compromisso com a articulação dos processos de formação com os serviços e práticas de saúde; • Luta por um SUS mais humano, construído com a participação de todos e comprometido com a qualidade dos seus serviços e com a saúde integral para todos e qualquer um.
  • 27. QUAL É O OBJETIVO DA HUMANIZAÇÃO DA SAÚDE? • Entre os principais objetivos da humanização na saúde, vale citar a melhora na qualidade dos serviços e a potencialização dos tratamentos, aumentando as chances e reduzindo o tempo para a cura do paciente.
  • 28. • Começando pela qualidade nos serviços, podemos dizer que incluir uma abordagem acolhedora e pequenas gentilezas torna mais leve o dia a dia de gestores, médicos, enfermeiros, auxiliares, funcionários da limpeza etc. • Isso porque a comunicação não violenta e transparente melhora as relações dentro das equipes de saúde, conferindo clareza para simplificar o planejamento e execução de processos.
  • 29. • Outros pontos chave são a estrutura e a jornada do paciente dentro do estabelecimento, que necessitam englobar locais confortáveis para espera, informações corretas e diminuição de filas. • Procedimentos humanizados também impactam a escolha, orientação e eficiência das terapias ofertadas aos pacientes, que tendem a melhorar mais rápido quando se sentem acolhidos.
  • 30. • Afinal, se procuraram por um serviço de saúde, esses indivíduos estão passando por um momento delicado, de confusão e com as emoções exacerbadas, o que pede atenção e tranquilidade para que recebam o suporte necessário.
  • 31. ❑ A gestão do trabalho, propõe-se a promoção de ações que assegurem a participação dos trabalhadores nos processos de discussão e decisão, fortalecendo e valorizando os trabalhadores, sua motivação, seu desenvolvimento e seu crescimento profissional;
  • 32. • No eixo da atenção, propõe-se uma política incentivadora de ações integrais, promocionais e intersetoriais de saúde, inovando nos processos de trabalho que busquem o compartilhamento dos cuidados, resultando em aumento da autonomia e protagonismo dos sujeitos envolvidos;
  • 33. RESULTADOS ESPERADOS • Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação do acesso; • Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em critérios de risco; • Implantação de modelo de atenção com responsabilização e vínculo;
  • 34. • Garantia dos direitos dos usuários; • Valorização do trabalho na saúde; • Gestão participativa nos serviços.
  • 35. DESAFIOS PARA O PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO • Banalização do sofrimento; • Contato superficial entre o profissional e o paciente; Nesse processo, ocorre um desligamento do sofrimento do outro e o “medo” produz uma separação subjetiva entre os que estão cuidando e os que deveriam ser cuidados.
  • 36. • A intolerância afetiva para com a própria emoção reacional acaba levando o sujeito a abstrair-se de sofrimento alheio por uma atitude de indiferença – logo, de intolerância para com o que provoca seu sofrimento. Nesse sentido emerge a necessidade de trabalhar o sofrimento psíquico do trabalhadores de enfermagem, pois o desgaste psicológico e más condições na infraestrutura ( super-lotamento , falta de materiais de trabalho e até mesmo sobre carga devido a poucos profissionais na equipe) interfere na qualidade de vida dessas pessoas e na qualidade da assistência prestada.
  • 37. • O cuidar tornou-se mecanizado, fragmentado e tanto as pessoas que cuidam com as que recebem cuidado, parecem ter esquecido que esta habilidade/qualidade, além de constituir uma ação é um valor, um comportamento. Os enfermeiros devem ser atuantes não só na administração das atividades, mas sim estar em constante interação com o meio cuidar/cuidado para através do seu conhecimento, desenvolver a humanização. Isso nos confere, tanto mais responsabilidade, quanto desafios.
  • 38. PERGUNTAS: • Qual a sua compreensão sobre assistência humanizada na Enfermagem? • A Humanização é essencial para a pratica de enfermagem? Por que? • Na sua percepção como será a evolução do quadro clínico do paciente quando há humanização na assistência de enfermagem? Justifique. • No seu ponto de vista o que poderia ser feito para que o atendimento em saúde fosse mais humanizado?