SlideShare uma empresa Scribd logo
Hiperplasia prostática
benigna
ALUNA: ISADORA SOUZA RIBEIRO
ETAPA: 7
PROFESSOR: MARCELO MORICKOCHI
1º SEMESTRE/2017
CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE FRANCA
Definições e epidemiologia
• Neoplasia benigna mais comum no homem crescimento da próstata;
Sintomas urinários e perda da qualidade de vida;
• 30% de chance do homem necessitar de tratamento;
• 10% de chance de ser submetido a cirurgia.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 2
Definições e epidemiologia
• Muito frequente depois dos 60 anos relação com o envelhecimento:
 HPB histológica: 10% aos 25 anos, 50% aos 60 anos e 95% aos 80 anos;
 HPB clínica:
o 55 anos: 25% com sintomas de esvaziamento;
o 75 anos: 50% com redução da força e calibre do jato urinário.
• Sintomas urinários são oscilantes:
 30-60% melhora subjetiva dos sintomas 3-7 meses depois
 1/3 evolui para cirurgia.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 3
Etiologia - Envelhecimento
• Principal fator de risco;
• Remodelação prostática na zona de transição;
• TGF-beta e Bcl-2: regulam apoptose.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 4
Etiologia - hormonal
• DHT no tecido prostático:
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 5
Etiologia – síndrome metabólica
• Fatores de risco para desenvolver HPB:
 DM não insulino-dependente;
 Hipertensão (PAD elevada);
 Obesidade (IMC > 30);
 Baixos níveis de HDL.
• Conclusão de um estudo: HPB seria um dos componentes da SM.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 6
Etiologia - inflamatório
Processo inflamatório crônico
Demanda de O2
Hipóxia
Fatores de crescimento endoteliais e outros
Neovascularização e crescimento fibromuscular
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 7
Etiologia - genética
• 50% dos homens < 60 anos submetidos a cirurgia tem herança autossômica dominante;
• Parentes do sexo masculino risco 4x maior que a população normal.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 8
Anatomia da próstata
• Relações anatômicas importantes:
 Sua base com o colo da bexiga;
 1ª porção da uretra a perfura da base ao ápice;
 Sua face posterior com a ampola retal.
• Divida anatômica e funcionalmente em:
 Zona periférica (PZ): 75% do total; local preferencial de câncer;
 Zona central (CZ): 20% do total.
 Zona de transição (TZ): 5%. Junto as glândulas periuretrais. HPB.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 9
Fisiopatologia
• Proliferação do estroma fibromuscular e epitélio glandular na região periuretral e TZ:
 Relação estroma-epitélio vai de 2:1 para 4:1.
• Sintomas da HPB:
1. Componente mecânico: dificuldade de esvaziamento vesical ( calibre e resistência uretrais);
2. Componente dinâmico: elevação da resistência uretral ( receptores e atividade alfa-adrenérgica);
3. Componente vesical: hiper- ou hipoatividade (falência detrusora).
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 10
Quadro clínico
1. Sintomas de armazenamento/irritativos:
 Polaciúria: > 8 micções/dia, com intervalo < 3 horas entre elas.
 Urgência: contrações involuntárias do detrusor.
 Nictúria: maior nº de micções durante período normal de sono (esvaziamento vesical incompleto ou
hiperatividade detrusora).
2. Sintomas de esvaziamento/obstrutivos:
 força e calibre do jato e intermitência: resistência uretral
 Hesitância: maior intervalo entre início do desejo miccional e o fluxo.
 Esforço abdominal: tenta pressão intravesical.
 Esvaziamento incompleto
 Gotejamento terminal: permanência urina na uretra bulbar ou falha manutenção da
pressão da musculatura detrusora.
 Retenção urinária aguda
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 11
Diagnóstico
1. Questionário: quantifica os sintomas do trato urinário superior (LUTS/I-PSS):
 Leves: 0-7
 Moderados: 8-19
 Severos: 20-35
 Retenção urinária: 35.
2. Toque retal: avaliar tamanho e consistência, existência de nódulos ou tecido pétreo;
3. Exame de urina tipo I: descartar infecções ou hematúria;
4. PSA.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 12
Diagnóstico – PSA
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 13
Questionário
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 14
Diagnóstico diferencial
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 15
Tratamento
• 2 objetivos:
1. Aliviar manifestações clínicas do paciente;
2. Corrigir complicações relacionadas ao crescimento prostático.
• Conduta:
1. Sintomas leves (I-PSS < 8): acompanhados anualmente.
2. Sintomas moderados a severos (I-PSS > 8): tratamento medicamentoso.
3. Sintomas severos (I-PSS > 19): cirurgia em 30% dos casos.
• Seguimento clínico:
 Orientação sobre doença e monitoração anual;
 Usada na maioria melhora sintomática espontânea em 42-45%.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 16
Tratamento medicamentoso:
alfabloqueadores
•Bloqueia receptores alfa-1 adrenérgicos na musculatura lisa do estroma prostático, uretra e
colo vesical: resistência ao fluxo urinário, melhorando sintomas;
•Induz apoptose celular prostática;
•Principal indicação: próstata de pequeno tamanho e precisa de alívio rápido dos sintomas;
• 30-40% sintomas de esvaziamento;
•Efeitos colaterais: hipotensão ortostática ( tamsulozina e alfusozina – podem levar a
ejaculação retrógrada).
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 17
Tratamento medicamentoso:
inibidores da 5-AR
• 2 isoenzimas 5-AR:
Tipo 1: fígado, pele, folículos pilosos, glândula sebácea e próstata (pequena qtde);
Tipo 2: masculinização do feto e próstata (grande qtde).
• Finasterida: inibe tipo 2;
• Dudasterida: inibe tipos 1 e 2;
• Efeitos:
 70-90% níveis intraprostáticos de DHT;
 volume prostático em 20%;
 PSA em 50%.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 18
Tratamento medicamentoso:
terapia combinada
• Inibidores da 5-AR: atuam sobre componente estático;
• Alfabloqueadores: atuam sobre componente dinâmico;
• Estudos: benefícios da combinação em homens:
 Próstata volumosa na ultrassonografia transretal: > 30 mL
 LUTS: moderados a severos.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 19
Tratamento medicamentoso:
fitoterápicos
• Utilizado na Europa, apesar de guidelines europeus, americanos e SBU não recomendarem;
• Fruto do saw palmetto (Serenoa repens), casca de Pygeum africanum, raiz da Echinacea
purpurea e Hypoxis rooper.
propriedades antiandrogênicas, anti-inflamatórias e antiproliferativas
• Heterogenicidade dos agentes e metodologia aplicada nos estudos.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 20
Tratamento minimamente invasivo
• Tratamento-ouro: ressecção transuretral da próstata (RTUP)
morbidade e complicações
Alternativas a ele: TMI
Tempo cirúrgico, permanência hospitalar,
taxas de complicações e custo.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 21
Tratamento minimamente invasivo
• Stents uretrais:
 Introduzidos via endoscópica na uretra prostática;
 Temporários e definitivos;
 Recobertos por urotélio 4-6 meses após;
 Indicação: sem condições clínicas para procedimentos anestésico e cirúrgico;
 custo e transitoriedade de resultados.
• Termoterapia transuretral por micro-ondas (TUMT)
 Liberar calor no interior da próstata pela penetração de agulhas;
 Formação de áreas de necrose de coagulação no tecido prostático reabsorção da necrose melhora dos
sintomas obstrutivos.
 Indicação: escore de sintomas moderados, próstatas < 40 g e lobos laterais proeminentes;
 Complicações: retenção urinária, hematúria, frequência e urgência (até 2 semanas após);
 Vantagem: sob sedação EV e anestesia local, sem necessidade de internação.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 22
Tratamento minimamente invasivo
• Ablação prostática por holmium laser (HoLAP):
 Vaporiza água dos tecidos e tem boa propriedade hemostática;
 Indicação: pacientes em uso de anticoagulantes;
 Desvantagens:
Tempo cirúrgico longo;
Falta de material para estudo anatomopatológico;
Sintomas irritativos prolongados no pós-operatório;
 custo do aparelho e manutenção.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 23
Tratamento cirúrgico
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 24
• Incisão transuretral da próstata (ITUP):
 Do trígono vesical justa-meatal e termina no veromontanum prostático, profundidade até a gordura
retrovesical e prostática, seccionando o colo vesical.
 Fácil execução, rápida recuperação e resultados superponíveis à RTUP;
 Indicação: jovens, sintomatologia de moderada a severa e próstata de pequeno tamanho (< 30 g);
 morbidade (sangramento, problemas de ejaculação e tempo de cateterismo);
 Taxa de retratamento após 5 anos: 15%.
Tratamento cirúrgico
• Ressecção transuretral da próstata (RTUP):
 n°: tratamento farmacológico eficaz e + conhecimento sobre complicações e limitações.
 Próstatas de dimensões < 60 g;
 Melhora sintomática: I-PSS (85 a 90%) e fluxo urinário (150%);
 Complicações intra e perioperatórias:
o Risco de hemorragia com necessidade de transfusão (4%);
o Síndrome pós-RTUP/intoxicação hídrica:
 Absorção intravascular de líquido de irrigação hiposmolar
Hiponatremia, hipercalemia, hemólise, convulsões e coma (2%).
o Complicações tardias: disfunção erétil (4,2%), ejaculação retrógrada (75%), incontinência urinária (1%) e estenose
uretral ou de colo vesical (3% - taxa de retratamento 7-12% em 8 anos).
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 25
Tratamento cirúrgico
• Prostatectomia aberta:
 Incisão abdominal infraumbilical e enucleação do adenoma via transvesical suprapúbica ou por via
retropúbica (técnica de Millin);
 Indicação: próstata de maiores dimensões (> 80 g);
 Melhores resultados a longo prazo nos parâmetros clínicos (95%) e fluxo urinário (200%);
 Taxa de reintervenção (2%);
 Desvantagens:
o Forma terapêutica mais invasiva;
o Transfusões sanguíneas (3 a 5%) e permanência hospitalar prolongada;
o Longo período de inatividade. Apesar disso, temos verificado, nos últimos anos, aumento em sua indicação.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 26
Complicações
• Retenção urinária: 2-10%
 Falência grave do detrusor mediante obstrução;
 Ingestão de alguns medicamentos (anticolinérgicos, antidepressivos, ansiolíticos e vasoconstritores
nasais);
 Infartos na próstata ou de prostatite aguda.
• Litíase vesical:
 Obstrução prostática;
 Recidiva quando se realiza intervenção apenas para remoção de cálculos vesicais, sem cirurgia para
alívio do processo obstrutivo.
• Infecções urinárias: 5%
 Piora sintomas urinários ou desencadeia retenção urinária;
 Por colonização prostática ou de urina residual;
 Bacteremia remoção da próstata se infecção persistente.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 27
Complicações
• Insuficiência renal obstrutiva (pós-renal): 2-3%
 50% é silenciosa dificulta diagnóstico;
 Obriga a realização de cirurgia (após período de sondagem vesical contínua).
• Hematúria macroscópica:
HPB por ruptura de vasos submucosos locais;
Tende a ceder espontaneamente;
Investigar: outras afecções, como tumores ou litíase.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 28
Referências bibliográficas:
1. Nardozza Júnior A, Filho MZ, Reis RB. Urologia Fundamental. São Paulo: Planmark; 2010.
2. Moore KL. Anatomia Orientada para a Clínica. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;
2014.
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 29
Perguntas
1. Os sintomas da HPB podem ser divididos em 2 grandes grupos. Quais são eles e quais seus
sintomas principais?
2. Que exames são necessários para fazer o diagnóstico de HPB?
3. Como é o tratamento dos pacientes com HPB e quais os medicamentos principais?
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 30
Perguntas com respostas
1. Os sintomas da HPB podem ser divididos em 2 grandes grupos. Quais são eles e quais seus
sintomas principais?
a. De armazenamento/irritativos: polaciúria, urgência e nictúria.
b. De esvaziamento/obstrutivos: diminuição da força e calibre do jato urinários, hesitância, esforço
abdominal, esvaziamento incompleto, gotejamento terminal e retenção urinária aguda.
2. O que é necessário para fazer o diagnóstico de HPB?
• Questionário que quantifica e classifica os sintomas, toque retal, urina I e PSA.
3. Como é o tratamento dos pacientes com HPB e quais os medicamentos principais?
 Sintomas leves é acompanhamento clínico, moderado a severo é medicamentoso, severo pode
chegar a cirúrgico.
 Medicamentos: alfabloqueadores (doxasozina, tansulozina) ou inibidores da 5-AR (finasterida ou
dudasterida).
17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3ª aula teórica de urologia hiperplasia prostática benigna - prof. rommel
3ª aula teórica de urologia   hiperplasia prostática benigna - prof. rommel3ª aula teórica de urologia   hiperplasia prostática benigna - prof. rommel
3ª aula teórica de urologia hiperplasia prostática benigna - prof. rommel
Liga Acadêmica de Urologia e Saúde do Homem - UFT
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Oncoguia
 
Ultrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudoUltrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudo
Iared
 
7. trauma do abdome rx do trauma
7. trauma do abdome  rx do trauma7. trauma do abdome  rx do trauma
7. trauma do abdome rx do trauma
Juan Zambon
 
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumáticoDiagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Bruna Cesário
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
pauloalambert
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
Patrícia Prates
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Câncer de pênis
Câncer de pênisCâncer de pênis
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a GestaçãoInfecção do Trato Urinário durante a Gestação
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
pauloalambert
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
pauloalambert
 
Colecistite aguda e crônica
Colecistite aguda e crônicaColecistite aguda e crônica
Colecistite aguda e crônica
Igor Rodrigues
 
DSTS E DIP
DSTS E DIPDSTS E DIP
DSTS E DIP
Thais Benetti
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
O QUE SE SABE DE PSA
O QUE SE SABE DE PSAO QUE SE SABE DE PSA
O QUE SE SABE DE PSA
Urovideo.org
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
Fernanda Marinho
 
Câncer colo retal
Câncer colo retalCâncer colo retal
Câncer colo retal
kalinine
 
Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufop
kalinine
 

Mais procurados (20)

3ª aula teórica de urologia hiperplasia prostática benigna - prof. rommel
3ª aula teórica de urologia   hiperplasia prostática benigna - prof. rommel3ª aula teórica de urologia   hiperplasia prostática benigna - prof. rommel
3ª aula teórica de urologia hiperplasia prostática benigna - prof. rommel
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
 
Ultrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudoUltrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudo
 
7. trauma do abdome rx do trauma
7. trauma do abdome  rx do trauma7. trauma do abdome  rx do trauma
7. trauma do abdome rx do trauma
 
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumáticoDiagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
Diagnóstico por imagem no abdome agudo não traumático
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
 
Câncer de pênis
Câncer de pênisCâncer de pênis
Câncer de pênis
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a GestaçãoInfecção do Trato Urinário durante a Gestação
Infecção do Trato Urinário durante a Gestação
 
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Colecistite aguda e crônica
Colecistite aguda e crônicaColecistite aguda e crônica
Colecistite aguda e crônica
 
DSTS E DIP
DSTS E DIPDSTS E DIP
DSTS E DIP
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
O QUE SE SABE DE PSA
O QUE SE SABE DE PSAO QUE SE SABE DE PSA
O QUE SE SABE DE PSA
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
 
Câncer colo retal
Câncer colo retalCâncer colo retal
Câncer colo retal
 
Apendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufopApendicite aguda ufop
Apendicite aguda ufop
 

Destaque

Stretching Guidance UI Design for Smart Watch
Stretching Guidance UI Design for Smart WatchStretching Guidance UI Design for Smart Watch
Stretching Guidance UI Design for Smart Watch
Seunghun Yoo
 
Marcadores tumorales.
Marcadores tumorales.Marcadores tumorales.
Marcadores tumorales.
Javier Analco II
 
Antivirales
AntiviralesAntivirales
Antivirales
Miguel Rodrifuez
 
Causas comunes de la caspa | Thermo Group CA
Causas comunes de la caspa | Thermo Group CACausas comunes de la caspa | Thermo Group CA
Causas comunes de la caspa | Thermo Group CA
Thermo Group CA
 
Colon irritable
Colon irritableColon irritable
Colon irritable
Gaston Garcia HD
 
Farmacos sist resp junio 2013 sesion 2.1 uft
Farmacos sist resp junio 2013 sesion 2.1 uftFarmacos sist resp junio 2013 sesion 2.1 uft
Farmacos sist resp junio 2013 sesion 2.1 uft
Alejandro Letelier
 
Onicomicosis
OnicomicosisOnicomicosis
Onicomicosis
Miguel Thenorio
 
Mucoliticos v2
Mucoliticos v2Mucoliticos v2
Mucoliticos v2
Jordi Fabrega
 
Farmaco antiparasitarios
Farmaco antiparasitariosFarmaco antiparasitarios
Farmaco antiparasitarios
Daniel zxcv
 
Razas de perros
Razas de perrosRazas de perros
Razas de perros
belen del moral marin
 
Antimicoticos
AntimicoticosAntimicoticos
Antimicoticos
eddynoy velasquez
 
Fármacos antimicóticos
Fármacos antimicóticosFármacos antimicóticos
Fármacos antimicóticos
Ely Meza
 
Medicamentos otc
Medicamentos otcMedicamentos otc
Medicamentos otc
Mayra Lozada
 
Migraña [autoguardado]
Migraña [autoguardado]Migraña [autoguardado]
Migraña [autoguardado]
adrianamutis
 
Generalidades en Corticoterapia Tópica
Generalidades en Corticoterapia TópicaGeneralidades en Corticoterapia Tópica
Generalidades en Corticoterapia Tópica
DR. JOSE RAUL GONZALEZ VASQUEZ
 
Farmacos antimicoticos sss
Farmacos antimicoticos sssFarmacos antimicoticos sss
Farmacos antimicoticos sss
magdiel vazquez
 
Fármacos antieméticos
Fármacos antieméticosFármacos antieméticos
Fármacos antieméticos
Chechë Rojas
 
Farmacologia del sd
Farmacologia del sdFarmacologia del sd
Farmacologia del sd
jhonatan bertel solano
 
Fisiología pulmonar 1
Fisiología pulmonar 1Fisiología pulmonar 1
Fisiología pulmonar 1
carlosandresrg
 
Fisiología respiratoria 3
Fisiología respiratoria 3Fisiología respiratoria 3
Fisiología respiratoria 3
carlosandresrg
 

Destaque (20)

Stretching Guidance UI Design for Smart Watch
Stretching Guidance UI Design for Smart WatchStretching Guidance UI Design for Smart Watch
Stretching Guidance UI Design for Smart Watch
 
Marcadores tumorales.
Marcadores tumorales.Marcadores tumorales.
Marcadores tumorales.
 
Antivirales
AntiviralesAntivirales
Antivirales
 
Causas comunes de la caspa | Thermo Group CA
Causas comunes de la caspa | Thermo Group CACausas comunes de la caspa | Thermo Group CA
Causas comunes de la caspa | Thermo Group CA
 
Colon irritable
Colon irritableColon irritable
Colon irritable
 
Farmacos sist resp junio 2013 sesion 2.1 uft
Farmacos sist resp junio 2013 sesion 2.1 uftFarmacos sist resp junio 2013 sesion 2.1 uft
Farmacos sist resp junio 2013 sesion 2.1 uft
 
Onicomicosis
OnicomicosisOnicomicosis
Onicomicosis
 
Mucoliticos v2
Mucoliticos v2Mucoliticos v2
Mucoliticos v2
 
Farmaco antiparasitarios
Farmaco antiparasitariosFarmaco antiparasitarios
Farmaco antiparasitarios
 
Razas de perros
Razas de perrosRazas de perros
Razas de perros
 
Antimicoticos
AntimicoticosAntimicoticos
Antimicoticos
 
Fármacos antimicóticos
Fármacos antimicóticosFármacos antimicóticos
Fármacos antimicóticos
 
Medicamentos otc
Medicamentos otcMedicamentos otc
Medicamentos otc
 
Migraña [autoguardado]
Migraña [autoguardado]Migraña [autoguardado]
Migraña [autoguardado]
 
Generalidades en Corticoterapia Tópica
Generalidades en Corticoterapia TópicaGeneralidades en Corticoterapia Tópica
Generalidades en Corticoterapia Tópica
 
Farmacos antimicoticos sss
Farmacos antimicoticos sssFarmacos antimicoticos sss
Farmacos antimicoticos sss
 
Fármacos antieméticos
Fármacos antieméticosFármacos antieméticos
Fármacos antieméticos
 
Farmacologia del sd
Farmacologia del sdFarmacologia del sd
Farmacologia del sd
 
Fisiología pulmonar 1
Fisiología pulmonar 1Fisiología pulmonar 1
Fisiología pulmonar 1
 
Fisiología respiratoria 3
Fisiología respiratoria 3Fisiología respiratoria 3
Fisiología respiratoria 3
 

Semelhante a Hiperplasia prostática benigna

Caso clínico urologia
Caso clínico  urologiaCaso clínico  urologia
Caso clínico urologia
Vanessa Boeira
 
Retenção urinária
Retenção urináriaRetenção urinária
Retenção urinária
CET Hospital Lagoa Anestesiologia
 
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - SobralTransplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Renan Miranda Cavalcante
 
Tumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosTumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos Hepáticos
Fernanda Clara
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de Ovário
Mateus Cornélio
 
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
jacquesveronica5d
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
Urovideo.org
 
HAS
HASHAS
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Urovideo.org
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Urovideo.org
 
MN em Urologia
MN em UrologiaMN em Urologia
MN em Urologia
caduanselmi
 
Cirrosis
CirrosisCirrosis
Cirrosis
janinemagalhaes
 
Salvage Radical Prostatectomy: An Alternative Treatment For Local Recurrence ...
Salvage Radical Prostatectomy: An Alternative Treatment For Local Recurrence ...Salvage Radical Prostatectomy: An Alternative Treatment For Local Recurrence ...
Salvage Radical Prostatectomy: An Alternative Treatment For Local Recurrence ...
Urovideo.org
 
Patologia da Prostatta
Patologia da ProstattaPatologia da Prostatta
Patologia da Prostatta
alleyrand
 
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex MellerAula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
Alex Meller
 
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
blogped1
 
BIÓPSIA RENAL: QUANDO INDICAR?
BIÓPSIA RENAL: QUANDO INDICAR?BIÓPSIA RENAL: QUANDO INDICAR?
BIÓPSIA RENAL: QUANDO INDICAR?
Urovideo.org
 
Tratamento Cirúrgico das Metástases Hepáticas de Origem Colorretal
Tratamento Cirúrgico das Metástases Hepáticas de Origem ColorretalTratamento Cirúrgico das Metástases Hepáticas de Origem Colorretal
Tratamento Cirúrgico das Metástases Hepáticas de Origem Colorretal
Ozimo Gama
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
federicoestudio
 

Semelhante a Hiperplasia prostática benigna (20)

Caso clínico urologia
Caso clínico  urologiaCaso clínico  urologia
Caso clínico urologia
 
Retenção urinária
Retenção urináriaRetenção urinária
Retenção urinária
 
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - SobralTransplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
Transplante renal - Liga de Nefrologia UFC - Sobral
 
Tumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosTumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos Hepáticos
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de Ovário
 
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE DIAGNOSTICO GUIADO POR ULTRASSOM NO INCIO DA INTER...
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
 
HAS
HASHAS
HAS
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2010
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
 
MN em Urologia
MN em UrologiaMN em Urologia
MN em Urologia
 
Cirrosis
CirrosisCirrosis
Cirrosis
 
Salvage Radical Prostatectomy: An Alternative Treatment For Local Recurrence ...
Salvage Radical Prostatectomy: An Alternative Treatment For Local Recurrence ...Salvage Radical Prostatectomy: An Alternative Treatment For Local Recurrence ...
Salvage Radical Prostatectomy: An Alternative Treatment For Local Recurrence ...
 
Patologia da Prostatta
Patologia da ProstattaPatologia da Prostatta
Patologia da Prostatta
 
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex MellerAula Litíase renal - Dr Alex Meller
Aula Litíase renal - Dr Alex Meller
 
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
 
BIÓPSIA RENAL: QUANDO INDICAR?
BIÓPSIA RENAL: QUANDO INDICAR?BIÓPSIA RENAL: QUANDO INDICAR?
BIÓPSIA RENAL: QUANDO INDICAR?
 
Tratamento Cirúrgico das Metástases Hepáticas de Origem Colorretal
Tratamento Cirúrgico das Metástases Hepáticas de Origem ColorretalTratamento Cirúrgico das Metástases Hepáticas de Origem Colorretal
Tratamento Cirúrgico das Metástases Hepáticas de Origem Colorretal
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
 

Mais de Isadora Ribeiro

Condiloma acuminado
Condiloma acuminadoCondiloma acuminado
Condiloma acuminado
Isadora Ribeiro
 
Tratamento diabetes mellitus
Tratamento diabetes mellitusTratamento diabetes mellitus
Tratamento diabetes mellitus
Isadora Ribeiro
 
Obstetrícia: diabetes gestacional, imunização, hepatites virais, HIV e hemorr...
Obstetrícia: diabetes gestacional, imunização, hepatites virais, HIV e hemorr...Obstetrícia: diabetes gestacional, imunização, hepatites virais, HIV e hemorr...
Obstetrícia: diabetes gestacional, imunização, hepatites virais, HIV e hemorr...
Isadora Ribeiro
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
Isadora Ribeiro
 
Semiologia psiquiátrica
Semiologia psiquiátricaSemiologia psiquiátrica
Semiologia psiquiátrica
Isadora Ribeiro
 
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Isadora Ribeiro
 
Família
FamíliaFamília
Família
Isadora Ribeiro
 
Processo de territorialização
Processo de territorializaçãoProcesso de territorialização
Processo de territorialização
Isadora Ribeiro
 

Mais de Isadora Ribeiro (8)

Condiloma acuminado
Condiloma acuminadoCondiloma acuminado
Condiloma acuminado
 
Tratamento diabetes mellitus
Tratamento diabetes mellitusTratamento diabetes mellitus
Tratamento diabetes mellitus
 
Obstetrícia: diabetes gestacional, imunização, hepatites virais, HIV e hemorr...
Obstetrícia: diabetes gestacional, imunização, hepatites virais, HIV e hemorr...Obstetrícia: diabetes gestacional, imunização, hepatites virais, HIV e hemorr...
Obstetrícia: diabetes gestacional, imunização, hepatites virais, HIV e hemorr...
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
 
Semiologia psiquiátrica
Semiologia psiquiátricaSemiologia psiquiátrica
Semiologia psiquiátrica
 
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
Promoção da saúde e prevenção de doenças: intervenções comuns às doenças crôn...
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Processo de territorialização
Processo de territorializaçãoProcesso de territorialização
Processo de territorialização
 

Hiperplasia prostática benigna

  • 1. Hiperplasia prostática benigna ALUNA: ISADORA SOUZA RIBEIRO ETAPA: 7 PROFESSOR: MARCELO MORICKOCHI 1º SEMESTRE/2017 CURSO DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE FRANCA
  • 2. Definições e epidemiologia • Neoplasia benigna mais comum no homem crescimento da próstata; Sintomas urinários e perda da qualidade de vida; • 30% de chance do homem necessitar de tratamento; • 10% de chance de ser submetido a cirurgia. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 2
  • 3. Definições e epidemiologia • Muito frequente depois dos 60 anos relação com o envelhecimento:  HPB histológica: 10% aos 25 anos, 50% aos 60 anos e 95% aos 80 anos;  HPB clínica: o 55 anos: 25% com sintomas de esvaziamento; o 75 anos: 50% com redução da força e calibre do jato urinário. • Sintomas urinários são oscilantes:  30-60% melhora subjetiva dos sintomas 3-7 meses depois  1/3 evolui para cirurgia. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 3
  • 4. Etiologia - Envelhecimento • Principal fator de risco; • Remodelação prostática na zona de transição; • TGF-beta e Bcl-2: regulam apoptose. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 4
  • 5. Etiologia - hormonal • DHT no tecido prostático: 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 5
  • 6. Etiologia – síndrome metabólica • Fatores de risco para desenvolver HPB:  DM não insulino-dependente;  Hipertensão (PAD elevada);  Obesidade (IMC > 30);  Baixos níveis de HDL. • Conclusão de um estudo: HPB seria um dos componentes da SM. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 6
  • 7. Etiologia - inflamatório Processo inflamatório crônico Demanda de O2 Hipóxia Fatores de crescimento endoteliais e outros Neovascularização e crescimento fibromuscular 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 7
  • 8. Etiologia - genética • 50% dos homens < 60 anos submetidos a cirurgia tem herança autossômica dominante; • Parentes do sexo masculino risco 4x maior que a população normal. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 8
  • 9. Anatomia da próstata • Relações anatômicas importantes:  Sua base com o colo da bexiga;  1ª porção da uretra a perfura da base ao ápice;  Sua face posterior com a ampola retal. • Divida anatômica e funcionalmente em:  Zona periférica (PZ): 75% do total; local preferencial de câncer;  Zona central (CZ): 20% do total.  Zona de transição (TZ): 5%. Junto as glândulas periuretrais. HPB. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 9
  • 10. Fisiopatologia • Proliferação do estroma fibromuscular e epitélio glandular na região periuretral e TZ:  Relação estroma-epitélio vai de 2:1 para 4:1. • Sintomas da HPB: 1. Componente mecânico: dificuldade de esvaziamento vesical ( calibre e resistência uretrais); 2. Componente dinâmico: elevação da resistência uretral ( receptores e atividade alfa-adrenérgica); 3. Componente vesical: hiper- ou hipoatividade (falência detrusora). 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 10
  • 11. Quadro clínico 1. Sintomas de armazenamento/irritativos:  Polaciúria: > 8 micções/dia, com intervalo < 3 horas entre elas.  Urgência: contrações involuntárias do detrusor.  Nictúria: maior nº de micções durante período normal de sono (esvaziamento vesical incompleto ou hiperatividade detrusora). 2. Sintomas de esvaziamento/obstrutivos:  força e calibre do jato e intermitência: resistência uretral  Hesitância: maior intervalo entre início do desejo miccional e o fluxo.  Esforço abdominal: tenta pressão intravesical.  Esvaziamento incompleto  Gotejamento terminal: permanência urina na uretra bulbar ou falha manutenção da pressão da musculatura detrusora.  Retenção urinária aguda 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 11
  • 12. Diagnóstico 1. Questionário: quantifica os sintomas do trato urinário superior (LUTS/I-PSS):  Leves: 0-7  Moderados: 8-19  Severos: 20-35  Retenção urinária: 35. 2. Toque retal: avaliar tamanho e consistência, existência de nódulos ou tecido pétreo; 3. Exame de urina tipo I: descartar infecções ou hematúria; 4. PSA. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 12
  • 13. Diagnóstico – PSA 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 13
  • 16. Tratamento • 2 objetivos: 1. Aliviar manifestações clínicas do paciente; 2. Corrigir complicações relacionadas ao crescimento prostático. • Conduta: 1. Sintomas leves (I-PSS < 8): acompanhados anualmente. 2. Sintomas moderados a severos (I-PSS > 8): tratamento medicamentoso. 3. Sintomas severos (I-PSS > 19): cirurgia em 30% dos casos. • Seguimento clínico:  Orientação sobre doença e monitoração anual;  Usada na maioria melhora sintomática espontânea em 42-45%. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 16
  • 17. Tratamento medicamentoso: alfabloqueadores •Bloqueia receptores alfa-1 adrenérgicos na musculatura lisa do estroma prostático, uretra e colo vesical: resistência ao fluxo urinário, melhorando sintomas; •Induz apoptose celular prostática; •Principal indicação: próstata de pequeno tamanho e precisa de alívio rápido dos sintomas; • 30-40% sintomas de esvaziamento; •Efeitos colaterais: hipotensão ortostática ( tamsulozina e alfusozina – podem levar a ejaculação retrógrada). 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 17
  • 18. Tratamento medicamentoso: inibidores da 5-AR • 2 isoenzimas 5-AR: Tipo 1: fígado, pele, folículos pilosos, glândula sebácea e próstata (pequena qtde); Tipo 2: masculinização do feto e próstata (grande qtde). • Finasterida: inibe tipo 2; • Dudasterida: inibe tipos 1 e 2; • Efeitos:  70-90% níveis intraprostáticos de DHT;  volume prostático em 20%;  PSA em 50%. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 18
  • 19. Tratamento medicamentoso: terapia combinada • Inibidores da 5-AR: atuam sobre componente estático; • Alfabloqueadores: atuam sobre componente dinâmico; • Estudos: benefícios da combinação em homens:  Próstata volumosa na ultrassonografia transretal: > 30 mL  LUTS: moderados a severos. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 19
  • 20. Tratamento medicamentoso: fitoterápicos • Utilizado na Europa, apesar de guidelines europeus, americanos e SBU não recomendarem; • Fruto do saw palmetto (Serenoa repens), casca de Pygeum africanum, raiz da Echinacea purpurea e Hypoxis rooper. propriedades antiandrogênicas, anti-inflamatórias e antiproliferativas • Heterogenicidade dos agentes e metodologia aplicada nos estudos. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 20
  • 21. Tratamento minimamente invasivo • Tratamento-ouro: ressecção transuretral da próstata (RTUP) morbidade e complicações Alternativas a ele: TMI Tempo cirúrgico, permanência hospitalar, taxas de complicações e custo. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 21
  • 22. Tratamento minimamente invasivo • Stents uretrais:  Introduzidos via endoscópica na uretra prostática;  Temporários e definitivos;  Recobertos por urotélio 4-6 meses após;  Indicação: sem condições clínicas para procedimentos anestésico e cirúrgico;  custo e transitoriedade de resultados. • Termoterapia transuretral por micro-ondas (TUMT)  Liberar calor no interior da próstata pela penetração de agulhas;  Formação de áreas de necrose de coagulação no tecido prostático reabsorção da necrose melhora dos sintomas obstrutivos.  Indicação: escore de sintomas moderados, próstatas < 40 g e lobos laterais proeminentes;  Complicações: retenção urinária, hematúria, frequência e urgência (até 2 semanas após);  Vantagem: sob sedação EV e anestesia local, sem necessidade de internação. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 22
  • 23. Tratamento minimamente invasivo • Ablação prostática por holmium laser (HoLAP):  Vaporiza água dos tecidos e tem boa propriedade hemostática;  Indicação: pacientes em uso de anticoagulantes;  Desvantagens: Tempo cirúrgico longo; Falta de material para estudo anatomopatológico; Sintomas irritativos prolongados no pós-operatório;  custo do aparelho e manutenção. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 23
  • 24. Tratamento cirúrgico 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 24 • Incisão transuretral da próstata (ITUP):  Do trígono vesical justa-meatal e termina no veromontanum prostático, profundidade até a gordura retrovesical e prostática, seccionando o colo vesical.  Fácil execução, rápida recuperação e resultados superponíveis à RTUP;  Indicação: jovens, sintomatologia de moderada a severa e próstata de pequeno tamanho (< 30 g);  morbidade (sangramento, problemas de ejaculação e tempo de cateterismo);  Taxa de retratamento após 5 anos: 15%.
  • 25. Tratamento cirúrgico • Ressecção transuretral da próstata (RTUP):  n°: tratamento farmacológico eficaz e + conhecimento sobre complicações e limitações.  Próstatas de dimensões < 60 g;  Melhora sintomática: I-PSS (85 a 90%) e fluxo urinário (150%);  Complicações intra e perioperatórias: o Risco de hemorragia com necessidade de transfusão (4%); o Síndrome pós-RTUP/intoxicação hídrica:  Absorção intravascular de líquido de irrigação hiposmolar Hiponatremia, hipercalemia, hemólise, convulsões e coma (2%). o Complicações tardias: disfunção erétil (4,2%), ejaculação retrógrada (75%), incontinência urinária (1%) e estenose uretral ou de colo vesical (3% - taxa de retratamento 7-12% em 8 anos). 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 25
  • 26. Tratamento cirúrgico • Prostatectomia aberta:  Incisão abdominal infraumbilical e enucleação do adenoma via transvesical suprapúbica ou por via retropúbica (técnica de Millin);  Indicação: próstata de maiores dimensões (> 80 g);  Melhores resultados a longo prazo nos parâmetros clínicos (95%) e fluxo urinário (200%);  Taxa de reintervenção (2%);  Desvantagens: o Forma terapêutica mais invasiva; o Transfusões sanguíneas (3 a 5%) e permanência hospitalar prolongada; o Longo período de inatividade. Apesar disso, temos verificado, nos últimos anos, aumento em sua indicação. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 26
  • 27. Complicações • Retenção urinária: 2-10%  Falência grave do detrusor mediante obstrução;  Ingestão de alguns medicamentos (anticolinérgicos, antidepressivos, ansiolíticos e vasoconstritores nasais);  Infartos na próstata ou de prostatite aguda. • Litíase vesical:  Obstrução prostática;  Recidiva quando se realiza intervenção apenas para remoção de cálculos vesicais, sem cirurgia para alívio do processo obstrutivo. • Infecções urinárias: 5%  Piora sintomas urinários ou desencadeia retenção urinária;  Por colonização prostática ou de urina residual;  Bacteremia remoção da próstata se infecção persistente. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 27
  • 28. Complicações • Insuficiência renal obstrutiva (pós-renal): 2-3%  50% é silenciosa dificulta diagnóstico;  Obriga a realização de cirurgia (após período de sondagem vesical contínua). • Hematúria macroscópica: HPB por ruptura de vasos submucosos locais; Tende a ceder espontaneamente; Investigar: outras afecções, como tumores ou litíase. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 28
  • 29. Referências bibliográficas: 1. Nardozza Júnior A, Filho MZ, Reis RB. Urologia Fundamental. São Paulo: Planmark; 2010. 2. Moore KL. Anatomia Orientada para a Clínica. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2014. 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 29
  • 30. Perguntas 1. Os sintomas da HPB podem ser divididos em 2 grandes grupos. Quais são eles e quais seus sintomas principais? 2. Que exames são necessários para fazer o diagnóstico de HPB? 3. Como é o tratamento dos pacientes com HPB e quais os medicamentos principais? 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 30
  • 31. Perguntas com respostas 1. Os sintomas da HPB podem ser divididos em 2 grandes grupos. Quais são eles e quais seus sintomas principais? a. De armazenamento/irritativos: polaciúria, urgência e nictúria. b. De esvaziamento/obstrutivos: diminuição da força e calibre do jato urinários, hesitância, esforço abdominal, esvaziamento incompleto, gotejamento terminal e retenção urinária aguda. 2. O que é necessário para fazer o diagnóstico de HPB? • Questionário que quantifica e classifica os sintomas, toque retal, urina I e PSA. 3. Como é o tratamento dos pacientes com HPB e quais os medicamentos principais?  Sintomas leves é acompanhamento clínico, moderado a severo é medicamentoso, severo pode chegar a cirúrgico.  Medicamentos: alfabloqueadores (doxasozina, tansulozina) ou inibidores da 5-AR (finasterida ou dudasterida). 17/02/2017 HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA 31