SlideShare uma empresa Scribd logo
Indicações geográficas: agregando
valor ao produto
Experiência da Região da Serra da
Mantiqueira de Minas
Helena Maria Ramos Alves
Embrapa Café
25 MUNICÍPIOS
5492 Km2
MANTIQUEIRA DE MINAS
DADOS DA REGIÃO
- PRODUTORES: 7.800
- PERFIL DOS PRODUTORES: EM SUA MAIORIA PEQUENOS (89%)
- ÁREA EM PRODUÇÃO: 69.500 HECTARES
- PRODUÇÃO ANUAL: 1.340.000 SACAS/ 60KG
Três momentos
Criação da APROCAM – 1997
Obtenção da IP - 2011
Projeto DO
SUSTENTABILIDADE & QUALIDADE
APROCAM
Associação dos Produtores de Café da Mantiqueira
Criação: 1997
Missão:
Desenvolver e promover a cafeicultura na região da
Mantiqueira de Minas com agregação de valor e estímulo
à produção de cafés raros e surpreendentes.
Visão:
Ter a região da Mantiqueira de Minas reconhecida como
produtora dos melhores cafés do mundo.
10/10/2015
A APROCAM é a entidade que representa, controla
e promove a Mantiqueira de Minas, em parceria
com as cooperativas e sindicatos de produtores
que fazem parte da instituição:
COCARIVE
COOPERRITA
COOPERVASS
SINDICATO DOS PRODUTORES RURAIS DE CARMO DE MINAS
SINDICATO DOS PRODUTORES RURAIS DE SANTA RITA DO
SAPUCAÍ
10/10/2015
A Indicação Geográfica, na modalidade Indicação de
Procedência, obtida em 2011, tem como objetivo
demonstrar e garantir que apenas os cafés
produzidos na área demarcada e que seguiram as
normas e regras específicas, estabelecidas no
Regulamento de Uso, pelo Conselho Regulador, é
que podem ser certificados e receber a
denominação Mantiqueira de Minas.
O SELO MANTIQUEIRA DE MINAS - (IP)
10/10/2015
GARANTIA DE ORIGEM E QUALIDADE
10/10/2015
PROJETO DO
MANTIQUEIRA DE MINAS
Dar embasamento técnico-científico para a
conformidade de padrões de identidade e
qualidade dos Cafés da Microrregião da Serra da
Mantiqueira, visando a obtenção de Indicação
Geográfica – Modalidade DO
OBJETIVO GERAL
 Delimitar a área de produção de café
 Caracterizar o ambiente da área delimitada
 Estratificar o ambiente com foco nos Terroirs
 Espacializar e estratificar a qualidade do café
 Avaliar as relações entre a qualidade e o ambiente
 Avaliar as relações entre os genótipos, ambiente e qualidade
 Propor descritores bioquímicos e moleculares para a qualidade
do café
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Safra
Ambiente
24%
33%
16%
10%
6%
4%
7%
a
7,3%
13,5%
29,9%42,9%
6,4%
0,2%
plano
suave ondulado
ondulado
forte ondulado
montanhoso
Helena alves painel - Indicação geografica - região mantiqueira de minas
Frequência de notas dos 22 municípios entre os anos de 2007 e 2011.
ANÁLISE DA FREQUÊNCIA DE NOTAS COM BASE NAS INFORMAÇÕES CEDIDAS PELAS
COOPERATIVAS
Município Média
Baependi 74,4010
Brasópolis -
Cachoeira de Minas 78,1875
Cambuquira 74,4241
Campanha 74,3489
Carmo de Minas 75,0840
Caxambu 74,5844
Conceição das Pedras 71,7500
Conceição do Rio Verde 74,3824
Cristina 72,5014
Dom Viçoso 73,9766
Heliodora 74,4657
Jesuânia 72,6359
Lambari 74,3056
Natércia 74,7700
Olímpio Noronha 70,9793
Paraisópolis -
Pedralva 75,2963
Pouso_alto 68,2424
Santa Rita do Sapucai 74,5329
São Lourenco 69,8421
Soledade de Minas 72,6865
Média das notas entre os anos de 2007 e 2011 por município.
Notas Freq. Notas (%)
>=80 7,575225
>=82 5,234205
>=85 1,890187
>=86 1,468307
Frequência relativa das notas dos 22 municípios entre os anos de
2007 e 2011.
•Disponibilidade de informações secundárias
•Representatividade das características médias das
variáveis ambientais
•Acessibilidade às informações
•Organização dos produtores
•Acesso às fazendas para coleta de amostras
•Contrapartida na execução das campanhas de campo
SELEÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO
DISTRIBUIÇÃO DA QUALIDADE DO CAFÉ
Média de 5 SAFRAS COMERCIAIS
(2007/2008 a 2011/2012)
Safra 2007 - 2008
Nota
Safra 2008 - 2009
Nota
Safra 2010 - 2011
Nota
Safra 2011 - 2012
Nota
Isto também aconteceria com cafés especiais
se apenas frutos maduros fossem colhidos?
(Dados primários obtidos pela equipe do projeto)
Desenho Experimental
O desenho experimental foi baseado na interação ambiente x genótipo x
processamento.
Amostragem
 Lavouras comerciais;
 Amostras Coffea arabica L.
 3 safras: 2010/11, 2011/12, 2012/13
... Carmo de Minas (-22°6', 45°8')
N
S
EW
Coleta das amostras
(Coordenadas Geográficas)
Vertente
Norte
Vertente
Sul
Coleta das amostras
(Três Faixas de altitude)
> 1200m
> 1000 e < 1200m
< 1000m
Coleta das amostras
(Dois Processamentos)
NATURAL DESMUCILADO
Dois grupos de genótipos – Frutos vermelhos e amarelos
Colheita manual seletiva
Separação hidráulica
Separação manual
Despolpmento
Secagem em bandejas suspensas
Coleta e Processamento das amostras
Análise Sensorial
Specialty Coffee Association of America – SCAA
Contornos considerando o evento
de interesse notas >=80.
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,00
-22,02
-22,04
-22,06
-22,08
-22,10
-22,12
-22,14
-22,16
-22,18
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
Contornos considerando o evento
de interesse notas >=81.
FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,00
-22,02
-22,04
-22,06
-22,08
-22,10
-22,12
-22,14
-22,16
-22,18
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
Contornos considerando o evento
de interesse notas >=82.
FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,00
-22,02
-22,04
-22,06
-22,08
-22,10
-22,12
-22,14
-22,16
-22,18
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
Contornos considerando o evento
de interesse notas >=83.
FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,00
-22,02
-22,04
-22,06
-22,08
-22,10
-22,12
-22,14
-22,16
-22,18
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
Contornos considerando o evento
de interesse notas >=84.
FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,00
-22,02
-22,04
-22,06
-22,08
-22,10
-22,12
-22,14
-22,16
-22,18
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
Contornos considerando o evento
de interesse notas >=85.
FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,000
-22,025
-22,050
-22,075
-22,100
-22,125
-22,150
-22,175
LONGITUDE
LATITUDE
-45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26
-22,00
-22,02
-22,04
-22,06
-22,08
-22,10
-22,12
-22,14
-22,16
-22,18
>
–
–
–
–
–
< 0,70
0,70 0,75
0,75 0,80
0,80 0,85
0,85 0,90
0,90 0,95
0,95
p
ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA
SAFRA & VERTENTE
CEREJA DESMUCILADO FRUTOS AMARELOS
Altitude 1100m & Nota Final 85
CEREJA DESMUCILADO FRUTOS VERMELHOS
Altitude 1100m & Nota Final 86
NATURAL FRUTOS AMARELOS
Altitude 1100m & Nota Final 86
NATURAL FRUTOS VERMELHOS
Altitude 1100m & Nota Final 85
DENOMINAÇÃO DE ORIGEM
MANTIQUEIRA DE MINAS
PROCESSAMENTO VIA ÚMIDA
ALTITUDE ACIMA DE 1100 METROS
FRUTOS AMARELOS: NOTA ACIMA DE 85 PONTOS
FRUTOS VERMELHOS: NOTA ACIMA DE 85 PONTOS
Perfil Sensorial:
Acidez cítrica, corpo cremoso, sabor floral/cítrico e
intensidades de acidez e corpo média/alta e
intensidade de doçura alta.
VIA SECA (CAFÉS NATURAIS)
ALTITUDE ACIMA DE 1100 METROS
FRUTOS AMARELOS: NOTA ACIMA DE 86 PONTOS
FRUTOS VERMELHOS: NÃO RECOMENDADO
Perfil Sensorial:
Acidez cítrica, corpo cremoso, sabor frutado/cítrico e
intensidades de acidez, corpo e doçura alta.
DENOMINAÇÃO DE ORIGEM
MANTIQUEIRA DE MINAS
__________________________________________________________________
De 12 edições que a região participou do Concurso -
Cup of Execellence – Early Harvest – BSCA, produtores
da Mantiqueira de Minas venceram 08 edições; (2002 a
2014)
De 04 edições do Concurso - Cup of Execellence – Late
Harvest – BSCA , produtores da Mantiqueira de Minas
venceram as 04 edições; ( 2011 a 2014)
10/10/2015
IMPACTOS DESTAS AÇÕES
BENEFÍCIOS AOS PRODUTORES:
 Proteção e reconhecimento nacional e internacional da
região;
 Agregação de valor ao produto;
 Desenvolvimento sustentável;
 Perpetuação da cafeicultura na região pela juventude e
implantação de empresas do setor;
 Perspectivas de geração de emprego;
 Abertura e fortalecimento de atividades e de serviços,
relacionadas à valorização do patrimônio, às atividades
turísticas, gastronômicas, entre outras.
10/10/2015
BENEFÍCIOS AO CONSUMIDOR:
 Produto com garantia de Origem e
Qualidade;
 Rastreabilidade do produto;
 Certeza de adquirir um produto que
respeita as leis ambientais e sociais;
 Agregação de valor.
10/10/2015
10/10/2015
 Número de Selos – 2500
 Número de Produtores que utilizaram o Selo –
65
 Países para os quais já exportou:
Austrália, Alemanha, Bélgica, Coréia do Sul,
Estados Unidos , Inglaterra, Itália e Japão.
10/10/2015
Aumento a cada ano, do volume
exportado
 Aumento da solicitação do Selo pelo
importador
 Aumento da porcentagem de café de
qualidade:
2011 – café com nota acima 84 pontos:
somavam 7%
Atualmente 25%
Helena alves painel - Indicação geografica - região mantiqueira de minas

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Vale dos vinhedos a história da proteção e o desenvolvimento regional palest...
Vale dos vinhedos a história da proteção e o desenvolvimento regional  palest...Vale dos vinhedos a história da proteção e o desenvolvimento regional  palest...
Vale dos vinhedos a história da proteção e o desenvolvimento regional palest...
Revista Cafeicultura
 
Tapetão de Santinato para colhedora de café “Interceptador de café derriçado”
Tapetão de Santinato para colhedora de café “Interceptador de café derriçado”Tapetão de Santinato para colhedora de café “Interceptador de café derriçado”
Tapetão de Santinato para colhedora de café “Interceptador de café derriçado”
Revista Cafeicultura
 
Atlas de microscopia café torrado e moído
Atlas de microscopia café torrado e moídoAtlas de microscopia café torrado e moído
Atlas de microscopia café torrado e moído
Revista Cafeicultura
 
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio caféa importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
Revista Cafeicultura
 
Eustaquio mercado internacional de cafés de alta qualidade e origem controlada
Eustaquio mercado internacional de cafés de alta qualidade e origem controladaEustaquio mercado internacional de cafés de alta qualidade e origem controlada
Eustaquio mercado internacional de cafés de alta qualidade e origem controlada
Revista Cafeicultura
 
Nova tecnica para Poda do Café Conilon para aumento da produtividade
Nova tecnica para Poda do Café Conilon para aumento da produtividadeNova tecnica para Poda do Café Conilon para aumento da produtividade
Nova tecnica para Poda do Café Conilon para aumento da produtividade
Revista Cafeicultura
 
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado MineiroManual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Revista Cafeicultura
 
processamento de cafés para o mercado de alta qualidade e origem controlada ...
processamento de cafés para o mercado de alta qualidade e origem controlada  ...processamento de cafés para o mercado de alta qualidade e origem controlada  ...
processamento de cafés para o mercado de alta qualidade e origem controlada ...
Revista Cafeicultura
 

Destaque (8)

Vale dos vinhedos a história da proteção e o desenvolvimento regional palest...
Vale dos vinhedos a história da proteção e o desenvolvimento regional  palest...Vale dos vinhedos a história da proteção e o desenvolvimento regional  palest...
Vale dos vinhedos a história da proteção e o desenvolvimento regional palest...
 
Tapetão de Santinato para colhedora de café “Interceptador de café derriçado”
Tapetão de Santinato para colhedora de café “Interceptador de café derriçado”Tapetão de Santinato para colhedora de café “Interceptador de café derriçado”
Tapetão de Santinato para colhedora de café “Interceptador de café derriçado”
 
Atlas de microscopia café torrado e moído
Atlas de microscopia café torrado e moídoAtlas de microscopia café torrado e moído
Atlas de microscopia café torrado e moído
 
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio caféa importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
 
Eustaquio mercado internacional de cafés de alta qualidade e origem controlada
Eustaquio mercado internacional de cafés de alta qualidade e origem controladaEustaquio mercado internacional de cafés de alta qualidade e origem controlada
Eustaquio mercado internacional de cafés de alta qualidade e origem controlada
 
Nova tecnica para Poda do Café Conilon para aumento da produtividade
Nova tecnica para Poda do Café Conilon para aumento da produtividadeNova tecnica para Poda do Café Conilon para aumento da produtividade
Nova tecnica para Poda do Café Conilon para aumento da produtividade
 
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado MineiroManual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
 
processamento de cafés para o mercado de alta qualidade e origem controlada ...
processamento de cafés para o mercado de alta qualidade e origem controlada  ...processamento de cafés para o mercado de alta qualidade e origem controlada  ...
processamento de cafés para o mercado de alta qualidade e origem controlada ...
 

Semelhante a Helena alves painel - Indicação geografica - região mantiqueira de minas

Flávio Meira Borém - Melhoria da Qualidade e Agregação de Valor do Café Arábica
Flávio Meira Borém - Melhoria da Qualidade e  Agregação de Valor do Café ArábicaFlávio Meira Borém - Melhoria da Qualidade e  Agregação de Valor do Café Arábica
Flávio Meira Borém - Melhoria da Qualidade e Agregação de Valor do Café Arábica
Revista Cafeicultura
 
Cilésio abel
Cilésio abelCilésio abel
Cilésio abel
Revista Cafeicultura
 
Imaflora 2013
Imaflora 2013Imaflora 2013
Custo-de-producao-de-cafe-nas-montanhas-CBPC39-palestra-krohling.pdf
Custo-de-producao-de-cafe-nas-montanhas-CBPC39-palestra-krohling.pdfCusto-de-producao-de-cafe-nas-montanhas-CBPC39-palestra-krohling.pdf
Custo-de-producao-de-cafe-nas-montanhas-CBPC39-palestra-krohling.pdf
FilipeEduardoSPirova
 
Viticultura
ViticulturaViticultura
Clipping cnc 09112015
Clipping cnc 09112015Clipping cnc 09112015
Clipping cnc 09112015
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Estratégia Agrícola
Estratégia AgrícolaEstratégia Agrícola
Estratégia Agrícola
Américo Ferraz
 
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Revista Cafeicultura
 
A Cafeicultura no Sul de Minas - Agrocafé 2012
A Cafeicultura no Sul de Minas - Agrocafé 2012A Cafeicultura no Sul de Minas - Agrocafé 2012
A Cafeicultura no Sul de Minas - Agrocafé 2012
Revista Cafeicultura
 
Palestra Vargem Alta Fabiano V2
Palestra Vargem Alta Fabiano V2Palestra Vargem Alta Fabiano V2
Palestra Vargem Alta Fabiano V2
Fabiano Tristão Alixandre
 
Clipping cnc 10042017 versão de impressão
Clipping cnc 10042017   versão de impressãoClipping cnc 10042017   versão de impressão
Clipping cnc 10042017 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
IAS 2023 REC.pptx
IAS 2023 REC.pptxIAS 2023 REC.pptx
IAS 2023 REC.pptx
EduardoGuambeJnior
 
Clipping cnc 22072015
Clipping cnc 22072015Clipping cnc 22072015
Clipping cnc 22072015
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Palestra boas praticas para colheita mecanizada do cafeeiro ms felipe santi...
Palestra boas praticas para colheita mecanizada do cafeeiro   ms felipe santi...Palestra boas praticas para colheita mecanizada do cafeeiro   ms felipe santi...
Palestra boas praticas para colheita mecanizada do cafeeiro ms felipe santi...
Revista Cafeicultura
 
UTZ - João Paulo
UTZ - João PauloUTZ - João Paulo
UTZ - João Paulo
equipeagroplus
 
Primeira Estimativa Safra Brasileira de Cafe Janeiro 2013
Primeira Estimativa Safra Brasileira de Cafe Janeiro 2013Primeira Estimativa Safra Brasileira de Cafe Janeiro 2013
Primeira Estimativa Safra Brasileira de Cafe Janeiro 2013
Revista Cafeicultura
 
Conab 1ª estimativa da produção de café para a safra 2013 2014
Conab 1ª estimativa da produção de café para a safra 2013 2014Conab 1ª estimativa da produção de café para a safra 2013 2014
Conab 1ª estimativa da produção de café para a safra 2013 2014
Luiz Valeriano
 
Palestra simposio poços de calda - 2010 - jackeline
Palestra simposio   poços de calda - 2010 - jackelinePalestra simposio   poços de calda - 2010 - jackeline
Palestra simposio poços de calda - 2010 - jackeline
Revista Cafeicultura
 
Reunião do Conselho Diretor da Rede de Pesquisa do Café do Cerrado
Reunião do Conselho  Diretor da Rede de Pesquisa do Café do CerradoReunião do Conselho  Diretor da Rede de Pesquisa do Café do Cerrado
Reunião do Conselho Diretor da Rede de Pesquisa do Café do Cerrado
Revista Cafeicultura
 
Livro de resumo do 14º agrocafé 2013 simpósio nacional do agronegócio café
Livro de resumo do 14º agrocafé 2013   simpósio nacional do agronegócio caféLivro de resumo do 14º agrocafé 2013   simpósio nacional do agronegócio café
Livro de resumo do 14º agrocafé 2013 simpósio nacional do agronegócio café
Revista Cafeicultura
 

Semelhante a Helena alves painel - Indicação geografica - região mantiqueira de minas (20)

Flávio Meira Borém - Melhoria da Qualidade e Agregação de Valor do Café Arábica
Flávio Meira Borém - Melhoria da Qualidade e  Agregação de Valor do Café ArábicaFlávio Meira Borém - Melhoria da Qualidade e  Agregação de Valor do Café Arábica
Flávio Meira Borém - Melhoria da Qualidade e Agregação de Valor do Café Arábica
 
Cilésio abel
Cilésio abelCilésio abel
Cilésio abel
 
Imaflora 2013
Imaflora 2013Imaflora 2013
Imaflora 2013
 
Custo-de-producao-de-cafe-nas-montanhas-CBPC39-palestra-krohling.pdf
Custo-de-producao-de-cafe-nas-montanhas-CBPC39-palestra-krohling.pdfCusto-de-producao-de-cafe-nas-montanhas-CBPC39-palestra-krohling.pdf
Custo-de-producao-de-cafe-nas-montanhas-CBPC39-palestra-krohling.pdf
 
Viticultura
ViticulturaViticultura
Viticultura
 
Clipping cnc 09112015
Clipping cnc 09112015Clipping cnc 09112015
Clipping cnc 09112015
 
Estratégia Agrícola
Estratégia AgrícolaEstratégia Agrícola
Estratégia Agrícola
 
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
 
A Cafeicultura no Sul de Minas - Agrocafé 2012
A Cafeicultura no Sul de Minas - Agrocafé 2012A Cafeicultura no Sul de Minas - Agrocafé 2012
A Cafeicultura no Sul de Minas - Agrocafé 2012
 
Palestra Vargem Alta Fabiano V2
Palestra Vargem Alta Fabiano V2Palestra Vargem Alta Fabiano V2
Palestra Vargem Alta Fabiano V2
 
Clipping cnc 10042017 versão de impressão
Clipping cnc 10042017   versão de impressãoClipping cnc 10042017   versão de impressão
Clipping cnc 10042017 versão de impressão
 
IAS 2023 REC.pptx
IAS 2023 REC.pptxIAS 2023 REC.pptx
IAS 2023 REC.pptx
 
Clipping cnc 22072015
Clipping cnc 22072015Clipping cnc 22072015
Clipping cnc 22072015
 
Palestra boas praticas para colheita mecanizada do cafeeiro ms felipe santi...
Palestra boas praticas para colheita mecanizada do cafeeiro   ms felipe santi...Palestra boas praticas para colheita mecanizada do cafeeiro   ms felipe santi...
Palestra boas praticas para colheita mecanizada do cafeeiro ms felipe santi...
 
UTZ - João Paulo
UTZ - João PauloUTZ - João Paulo
UTZ - João Paulo
 
Primeira Estimativa Safra Brasileira de Cafe Janeiro 2013
Primeira Estimativa Safra Brasileira de Cafe Janeiro 2013Primeira Estimativa Safra Brasileira de Cafe Janeiro 2013
Primeira Estimativa Safra Brasileira de Cafe Janeiro 2013
 
Conab 1ª estimativa da produção de café para a safra 2013 2014
Conab 1ª estimativa da produção de café para a safra 2013 2014Conab 1ª estimativa da produção de café para a safra 2013 2014
Conab 1ª estimativa da produção de café para a safra 2013 2014
 
Palestra simposio poços de calda - 2010 - jackeline
Palestra simposio   poços de calda - 2010 - jackelinePalestra simposio   poços de calda - 2010 - jackeline
Palestra simposio poços de calda - 2010 - jackeline
 
Reunião do Conselho Diretor da Rede de Pesquisa do Café do Cerrado
Reunião do Conselho  Diretor da Rede de Pesquisa do Café do CerradoReunião do Conselho  Diretor da Rede de Pesquisa do Café do Cerrado
Reunião do Conselho Diretor da Rede de Pesquisa do Café do Cerrado
 
Livro de resumo do 14º agrocafé 2013 simpósio nacional do agronegócio café
Livro de resumo do 14º agrocafé 2013   simpósio nacional do agronegócio caféLivro de resumo do 14º agrocafé 2013   simpósio nacional do agronegócio café
Livro de resumo do 14º agrocafé 2013 simpósio nacional do agronegócio café
 

Mais de Revista Cafeicultura

Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdfPanaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Revista Cafeicultura
 
Acb denuncia tc e mm 2019
Acb denuncia  tc e mm 2019Acb denuncia  tc e mm 2019
Acb denuncia tc e mm 2019
Revista Cafeicultura
 
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Revista Cafeicultura
 
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagensGotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Revista Cafeicultura
 
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
Revista Cafeicultura
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Revista Cafeicultura
 
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IACAdubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Revista Cafeicultura
 
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Revista Cafeicultura
 
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Revista Cafeicultura
 
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Revista Cafeicultura
 
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Revista Cafeicultura
 
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha  Palestra fale melhor e venda maisFernando cunha  Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Revista Cafeicultura
 
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Revista Cafeicultura
 
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Revista Cafeicultura
 
Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018
Revista Cafeicultura
 
Uso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agriculturaUso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agricultura
Revista Cafeicultura
 
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-caféCampanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Revista Cafeicultura
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Revista Cafeicultura
 
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Revista Cafeicultura
 
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca Adubação no cafeeiro: Teorias...
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca  Adubação no cafeeiro: Teorias...Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca  Adubação no cafeeiro: Teorias...
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca Adubação no cafeeiro: Teorias...
Revista Cafeicultura
 

Mais de Revista Cafeicultura (20)

Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdfPanaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
 
Acb denuncia tc e mm 2019
Acb denuncia  tc e mm 2019Acb denuncia  tc e mm 2019
Acb denuncia tc e mm 2019
 
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
 
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagensGotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
 
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
 
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IACAdubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
 
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
 
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
 
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
 
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
 
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha  Palestra fale melhor e venda maisFernando cunha  Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
 
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
 
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
 
Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018
 
Uso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agriculturaUso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agricultura
 
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-caféCampanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
 
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
 
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca Adubação no cafeeiro: Teorias...
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca  Adubação no cafeeiro: Teorias...Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca  Adubação no cafeeiro: Teorias...
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca Adubação no cafeeiro: Teorias...
 

Último

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 

Último (20)

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 

Helena alves painel - Indicação geografica - região mantiqueira de minas

  • 1. Indicações geográficas: agregando valor ao produto Experiência da Região da Serra da Mantiqueira de Minas Helena Maria Ramos Alves Embrapa Café
  • 4. DADOS DA REGIÃO - PRODUTORES: 7.800 - PERFIL DOS PRODUTORES: EM SUA MAIORIA PEQUENOS (89%) - ÁREA EM PRODUÇÃO: 69.500 HECTARES - PRODUÇÃO ANUAL: 1.340.000 SACAS/ 60KG
  • 5. Três momentos Criação da APROCAM – 1997 Obtenção da IP - 2011 Projeto DO SUSTENTABILIDADE & QUALIDADE
  • 6. APROCAM Associação dos Produtores de Café da Mantiqueira Criação: 1997 Missão: Desenvolver e promover a cafeicultura na região da Mantiqueira de Minas com agregação de valor e estímulo à produção de cafés raros e surpreendentes. Visão: Ter a região da Mantiqueira de Minas reconhecida como produtora dos melhores cafés do mundo. 10/10/2015
  • 7. A APROCAM é a entidade que representa, controla e promove a Mantiqueira de Minas, em parceria com as cooperativas e sindicatos de produtores que fazem parte da instituição: COCARIVE COOPERRITA COOPERVASS SINDICATO DOS PRODUTORES RURAIS DE CARMO DE MINAS SINDICATO DOS PRODUTORES RURAIS DE SANTA RITA DO SAPUCAÍ 10/10/2015
  • 8. A Indicação Geográfica, na modalidade Indicação de Procedência, obtida em 2011, tem como objetivo demonstrar e garantir que apenas os cafés produzidos na área demarcada e que seguiram as normas e regras específicas, estabelecidas no Regulamento de Uso, pelo Conselho Regulador, é que podem ser certificados e receber a denominação Mantiqueira de Minas. O SELO MANTIQUEIRA DE MINAS - (IP) 10/10/2015 GARANTIA DE ORIGEM E QUALIDADE
  • 11. Dar embasamento técnico-científico para a conformidade de padrões de identidade e qualidade dos Cafés da Microrregião da Serra da Mantiqueira, visando a obtenção de Indicação Geográfica – Modalidade DO OBJETIVO GERAL
  • 12.  Delimitar a área de produção de café  Caracterizar o ambiente da área delimitada  Estratificar o ambiente com foco nos Terroirs  Espacializar e estratificar a qualidade do café  Avaliar as relações entre a qualidade e o ambiente  Avaliar as relações entre os genótipos, ambiente e qualidade  Propor descritores bioquímicos e moleculares para a qualidade do café OBJETIVOS ESPECÍFICOS
  • 17. Frequência de notas dos 22 municípios entre os anos de 2007 e 2011. ANÁLISE DA FREQUÊNCIA DE NOTAS COM BASE NAS INFORMAÇÕES CEDIDAS PELAS COOPERATIVAS
  • 18. Município Média Baependi 74,4010 Brasópolis - Cachoeira de Minas 78,1875 Cambuquira 74,4241 Campanha 74,3489 Carmo de Minas 75,0840 Caxambu 74,5844 Conceição das Pedras 71,7500 Conceição do Rio Verde 74,3824 Cristina 72,5014 Dom Viçoso 73,9766 Heliodora 74,4657 Jesuânia 72,6359 Lambari 74,3056 Natércia 74,7700 Olímpio Noronha 70,9793 Paraisópolis - Pedralva 75,2963 Pouso_alto 68,2424 Santa Rita do Sapucai 74,5329 São Lourenco 69,8421 Soledade de Minas 72,6865 Média das notas entre os anos de 2007 e 2011 por município.
  • 19. Notas Freq. Notas (%) >=80 7,575225 >=82 5,234205 >=85 1,890187 >=86 1,468307 Frequência relativa das notas dos 22 municípios entre os anos de 2007 e 2011.
  • 20. •Disponibilidade de informações secundárias •Representatividade das características médias das variáveis ambientais •Acessibilidade às informações •Organização dos produtores •Acesso às fazendas para coleta de amostras •Contrapartida na execução das campanhas de campo SELEÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO
  • 21. DISTRIBUIÇÃO DA QUALIDADE DO CAFÉ Média de 5 SAFRAS COMERCIAIS (2007/2008 a 2011/2012)
  • 22. Safra 2007 - 2008 Nota
  • 23. Safra 2008 - 2009 Nota
  • 24. Safra 2010 - 2011 Nota
  • 25. Safra 2011 - 2012 Nota
  • 26. Isto também aconteceria com cafés especiais se apenas frutos maduros fossem colhidos? (Dados primários obtidos pela equipe do projeto)
  • 27. Desenho Experimental O desenho experimental foi baseado na interação ambiente x genótipo x processamento. Amostragem  Lavouras comerciais;  Amostras Coffea arabica L.  3 safras: 2010/11, 2011/12, 2012/13 ... Carmo de Minas (-22°6', 45°8')
  • 28. N S EW Coleta das amostras (Coordenadas Geográficas) Vertente Norte Vertente Sul
  • 29. Coleta das amostras (Três Faixas de altitude) > 1200m > 1000 e < 1200m < 1000m
  • 30. Coleta das amostras (Dois Processamentos) NATURAL DESMUCILADO Dois grupos de genótipos – Frutos vermelhos e amarelos
  • 31. Colheita manual seletiva Separação hidráulica Separação manual Despolpmento Secagem em bandejas suspensas Coleta e Processamento das amostras
  • 32. Análise Sensorial Specialty Coffee Association of America – SCAA
  • 33. Contornos considerando o evento de interesse notas >=80. LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,00 -22,02 -22,04 -22,06 -22,08 -22,10 -22,12 -22,14 -22,16 -22,18 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p
  • 34. Contornos considerando o evento de interesse notas >=81. FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,00 -22,02 -22,04 -22,06 -22,08 -22,10 -22,12 -22,14 -22,16 -22,18 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175
  • 35. Contornos considerando o evento de interesse notas >=82. FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,00 -22,02 -22,04 -22,06 -22,08 -22,10 -22,12 -22,14 -22,16 -22,18 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p
  • 36. Contornos considerando o evento de interesse notas >=83. FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,00 -22,02 -22,04 -22,06 -22,08 -22,10 -22,12 -22,14 -22,16 -22,18 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p
  • 37. Contornos considerando o evento de interesse notas >=84. FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,00 -22,02 -22,04 -22,06 -22,08 -22,10 -22,12 -22,14 -22,16 -22,18 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p
  • 38. Contornos considerando o evento de interesse notas >=85. FRUTOS AMARELOS FRUTOS VERMELHOS LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,000 -22,025 -22,050 -22,075 -22,100 -22,125 -22,150 -22,175 LONGITUDE LATITUDE -45,10-45,12-45,14-45,16-45,18-45,20-45,22-45,24-45,26 -22,00 -22,02 -22,04 -22,06 -22,08 -22,10 -22,12 -22,14 -22,16 -22,18 > – – – – – < 0,70 0,70 0,75 0,75 0,80 0,80 0,85 0,85 0,90 0,90 0,95 0,95 p
  • 40. CEREJA DESMUCILADO FRUTOS AMARELOS Altitude 1100m & Nota Final 85
  • 41. CEREJA DESMUCILADO FRUTOS VERMELHOS Altitude 1100m & Nota Final 86
  • 42. NATURAL FRUTOS AMARELOS Altitude 1100m & Nota Final 86
  • 43. NATURAL FRUTOS VERMELHOS Altitude 1100m & Nota Final 85
  • 44. DENOMINAÇÃO DE ORIGEM MANTIQUEIRA DE MINAS PROCESSAMENTO VIA ÚMIDA ALTITUDE ACIMA DE 1100 METROS FRUTOS AMARELOS: NOTA ACIMA DE 85 PONTOS FRUTOS VERMELHOS: NOTA ACIMA DE 85 PONTOS Perfil Sensorial: Acidez cítrica, corpo cremoso, sabor floral/cítrico e intensidades de acidez e corpo média/alta e intensidade de doçura alta.
  • 45. VIA SECA (CAFÉS NATURAIS) ALTITUDE ACIMA DE 1100 METROS FRUTOS AMARELOS: NOTA ACIMA DE 86 PONTOS FRUTOS VERMELHOS: NÃO RECOMENDADO Perfil Sensorial: Acidez cítrica, corpo cremoso, sabor frutado/cítrico e intensidades de acidez, corpo e doçura alta. DENOMINAÇÃO DE ORIGEM MANTIQUEIRA DE MINAS
  • 46. __________________________________________________________________ De 12 edições que a região participou do Concurso - Cup of Execellence – Early Harvest – BSCA, produtores da Mantiqueira de Minas venceram 08 edições; (2002 a 2014) De 04 edições do Concurso - Cup of Execellence – Late Harvest – BSCA , produtores da Mantiqueira de Minas venceram as 04 edições; ( 2011 a 2014) 10/10/2015 IMPACTOS DESTAS AÇÕES
  • 47. BENEFÍCIOS AOS PRODUTORES:  Proteção e reconhecimento nacional e internacional da região;  Agregação de valor ao produto;  Desenvolvimento sustentável;  Perpetuação da cafeicultura na região pela juventude e implantação de empresas do setor;  Perspectivas de geração de emprego;  Abertura e fortalecimento de atividades e de serviços, relacionadas à valorização do patrimônio, às atividades turísticas, gastronômicas, entre outras. 10/10/2015
  • 48. BENEFÍCIOS AO CONSUMIDOR:  Produto com garantia de Origem e Qualidade;  Rastreabilidade do produto;  Certeza de adquirir um produto que respeita as leis ambientais e sociais;  Agregação de valor. 10/10/2015
  • 49. 10/10/2015  Número de Selos – 2500  Número de Produtores que utilizaram o Selo – 65  Países para os quais já exportou: Austrália, Alemanha, Bélgica, Coréia do Sul, Estados Unidos , Inglaterra, Itália e Japão.
  • 50. 10/10/2015 Aumento a cada ano, do volume exportado  Aumento da solicitação do Selo pelo importador  Aumento da porcentagem de café de qualidade: 2011 – café com nota acima 84 pontos: somavam 7% Atualmente 25%

Notas do Editor

  1. Good morning ladies and gentlemen   It is a pleasure to be here.   I would like to thank SCAA for giving me this unique opportunity to discuss coffee science with all of you.   In the last 15 years we are dedicated to understanding the contribution of processing and the interaction between environment and genotype on coffee quality.
  2. The following data were collected in regional cooperatives in the South of Minas Gerais – Brazil.   Here, it is possible to observe the spatial distribution of quality in the 2007-2008 commercial crop.   Bullets with different colors represent the average scores for all lots produced each year from each farm.   The orange and green bullets represent coffee with a defective beverage.   Scores from 70 to 80, represented by yellow bullets, mean commercial coffees.   The blue, pink and red bullets represent coffee with scores above 80, and they are classified as specialty coffees.    In 2007 coffee with scores between 70 to 80 were predominant.   In the next slides, we can see that distribution of quality changes in response to annual climatic changes.
  3. In 2008-2009, the quality was better than in 2007.   Observe that the total rainfall was equal to the previous year; however the annual mean temperature was lower.   In this year, the blue and yellow bullets were predominant.
  4. In 2009-2010 quality decreased and scores below 70 were predominant, indicating a great deal of defects.   Observe that, again, the total rainfall was equal to previous years. However the annual mean temperature reached the lowest value.   This may indicate high cloudiness and few hours of sun for drying coffee on patios. If so, this condition would be favorable to forming defective beans.
  5. In 2010-2011 and 2011-2012, the scenario was completely different.   Here it is possible to observe the occurrence of coffee with scores above 80.
  6. In 2011-2012 we observed the best quality among the five years of data analysis, as a result of the better climatic conditions.   All these changes in coffee quality are exactly what the market focuses on.   But, what are the reasons for these changes?   As I previously said, the answer is: variation in climatic conditions and lack of technology and knowledge.
  7. However, does the same thing happen with specialty coffees if only ripe fruits are harvested and high post-harvest technology is used?
  8. Samples of coffee (Coffea arabica L.) were collected over three harvest seasons (2009/10, 2010/11 and 2011/12) from commercial farms located in the municipality of Carmo de Minas, Minas Gerais, Brazil.
  9. All of the harvest, processing and drying procedures were completed in accordance with technical recommendations.
  10. Além disso, os pequenos RNAs são os principais moduladores das respostas epigenéticas a hibridação de genomas influenciando os principais processos celulares envolvidos com a funcionabilidade e estabilidade de núcleos que contenham dois ou mais genomas diferentes. Esse mecanismo de modelagem do transcriptoma, chama atenção por sua versatilidade. E foi com vistas nessa grande variedade funcional que propusemos este trabalho no qual são apresentadas as seqüências, estruturas, possíveis funções e padrões de expressão dos microRNAs no cafeeiro.