SlideShare uma empresa Scribd logo
ÁGUAS DURAS 
Catarina Pereira e César Pereira 
E1/2 – FQ3
TÓPICOS 
 Águas Duras 
 Definição 
 Origem 
 Classificação 
 Consequências 
 A nível industrial 
 A nível ambiental/ natureza 
 A nível doméstico 
 Padrão de aceitação para consumo humano 
 Dureza da água em Portugal 
 Webgrafia
DEFINIÇÃO 
Desde a nascente até às zonas de captação, a água atravessa diversos solos, 
dissolvendo pelo caminho muitos sais minerais: 
Se a água atravessa um solo 
calcário, terá uma maior 
concentração de sais de cálcio e 
magnésio, é por isso que 
designada de água dura.
ORIGEM 
Natural: Dissolução de minerais contendo cálcio e magnésio. 
CaCO3(s) + H2O(l) + CO2(g) Ca(HCO3)2(aq) 
1- chuva 
2- solo rico em minerais 
3- água subterrânea dureza total alta 
e dureza carbonato alta 
Antropogénica: Despejos industriais.
CLASSIFICAÇÃO 
Dependendo da concentração dos iões, a 
água passa a ser classificada de acordo 
com a tabela acima.
DETERMINAÇÃO DA DUREZA 
Experimentalmente a dureza pode ser 
determinada mediante a titulação da amostra 
com EDTA - ácido etilenodiaminotetracético (ou 
outra técnica analítica que quantifique cálcio e 
magnésio) e expressa como a massa em 
miligramas/L de carbonato de cálcio 
(mgCaCO3/L) que contém o mesmo número 
total de iões da amostra.
CONSEQUÊNCIAS
CONSEQUÊNCIAS A NÍVEL INDUSTRIAL 
 Pode causar problemas nos sistemas de água quente como caldeiras e trocadores de 
calor, pois com o aumento da temperatura os carbonatos precipitam-se e incrustam na 
tubulação, que necessita de maior manutenção. Caso contrário, essa incrustação pode 
causar entupimentos, perda de eficiência e pode chegar até mesmo a explodir.
CONSEQUÊNCIAS A NÍVEL AMBIENTAL 
 A água dos solos, levemente ácida, reage com o carbonato de 
cálcio da rocha calcária e que é insolúvel, transformando-o em 
bicarbonato de cálcio em água: 
Carbonato de Cálcio (s) Bicarbonato de cálcio (aq) 
 Quando esta transformação ocorre em profundidade destrói o 
calcário e dá origem a cavernas.
CONSEQUÊNCIAS A NÍVEL AMBIENTAL 
 A acumulação desta precipitação dá origem a: 
Estalactites Estalagmites
CONSEQUÊNCIAS A NÍVEL DOMÉSTICO 
 Não há evidências de que a dureza cause problemas sanitários; 
 Reduz a formação de espuma, implicando em um maior consumo de sabão; 
 Causa incrustação nas tubulações de água, caldeiras e aquecedores industriais.
PADRÃO DE ACEITAÇÃO PARA CONSUMO HUMANO 
De acordo com a portaria n° 518 de 2004, o valor máximo permitido de dureza da água para 
consumo humano é de até 500 mgCaCO3/L.
DUREZA DA ÁGUA EM PORTUGAL
WEBGRAFIA 
 http://www.agsolve.com.br/noticias/agua-dura-e-seus-riscos 
 http://www.mundoeducacao.com/quimica/agua-dura.htm 
 http://www.infopedia.pt/$agua-dura;jsessionid=31iwbhGmWZZKDWKdidH3TQ__

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Complemento oblíquo
Complemento oblíquoComplemento oblíquo
Complemento oblíquo
Celina Medeiros
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Vitor Perfeito
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Actividades experimentais
Actividades experimentaisActividades experimentais
Actividades experimentais
Tânia Reis
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro  Camões LíricoTeste 1 Fevereiro  Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
Vanda Sousa
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
margaridabt
 
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares  classificação quimiogénicasRochas sedimentares  classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
Isabel Lopes
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
Ana Arminda Moreira
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Catir
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
Isabel Lopes
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
Gabriela Bruno
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
Carlos Henrique Tavares
 
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Vitor Perfeito
 
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
MINEDU
 
A terra e os seus subsistemas em interação
A terra e os seus subsistemas em interaçãoA terra e os seus subsistemas em interação
A terra e os seus subsistemas em interação
Marília Pereira
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Tânia Reis
 

Mais procurados (20)

Complemento oblíquo
Complemento oblíquoComplemento oblíquo
Complemento oblíquo
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Actividades experimentais
Actividades experimentaisActividades experimentais
Actividades experimentais
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro  Camões LíricoTeste 1 Fevereiro  Camões Lírico
Teste 1 Fevereiro Camões Lírico
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
 
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares  classificação quimiogénicasRochas sedimentares  classificação quimiogénicas
Rochas sedimentares classificação quimiogénicas
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
 
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º AnoResumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
Resumos Biologia & Geologia (GEOLOGIA) 11º Ano
 
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
 
A terra e os seus subsistemas em interação
A terra e os seus subsistemas em interaçãoA terra e os seus subsistemas em interação
A terra e os seus subsistemas em interação
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 

Destaque

Amaciamento de Águas
Amaciamento de ÁguasAmaciamento de Águas
Amaciamento de Águas
Iana18
 
Dureza agua
Dureza aguaDureza agua
Dureza agua
Daniel Cuevas S
 
Reacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºanoReacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºano
adelinoqueiroz
 
Presentacion dureza de aguas
Presentacion dureza de aguasPresentacion dureza de aguas
Presentacion dureza de aguas
roxamartical
 
Velocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicasVelocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicas
Piedade Alves
 
Tipos de àgua
Tipos de àguaTipos de àgua
Tipos de àgua
Leonardo Fernandes
 
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
Margarida Cardoso
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
Margarida Cardoso
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
Adrianne Mendonça
 
A dureza em aquários de água doce
A dureza em aquários de água doceA dureza em aquários de água doce
A dureza em aquários de água doce
Thalita Santos
 
Reflexão, absorção e refracção do som
Reflexão, absorção e refracção do somReflexão, absorção e refracção do som
Reflexão, absorção e refracção do som
Carla Mesquita
 
Física e química
Física e químicaFísica e química
Física e química
João Duarte
 
Ap6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de PrecipitaçãoAp6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de Precipitação
LABIMUNO UFBA
 
Ondas som e luz 8º ano
Ondas   som e luz 8º anoOndas   som e luz 8º ano
Ondas som e luz 8º ano
Carla Mesquita
 
Resumo Físico-Química
Resumo Físico-QuímicaResumo Físico-Química
Resumo Físico-Química
Maria Catarina Santos
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
LABIMUNO UFBA
 
Som e Luz
Som e LuzSom e Luz
Som e Luz
Fábio Simões
 
O império holandês e inglês
O império holandês e inglêsO império holandês e inglês
O império holandês e inglês
DiogoChico8c
 
Practica#9 determinacion de dureza
Practica#9 determinacion de durezaPractica#9 determinacion de dureza
Practica#9 determinacion de dureza
iqinstrumentales3
 
Som Aula 1
Som Aula 1Som Aula 1
Som Aula 1
mlsmeireles
 

Destaque (20)

Amaciamento de Águas
Amaciamento de ÁguasAmaciamento de Águas
Amaciamento de Águas
 
Dureza agua
Dureza aguaDureza agua
Dureza agua
 
Reacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºanoReacções químicas 8ºano
Reacções químicas 8ºano
 
Presentacion dureza de aguas
Presentacion dureza de aguasPresentacion dureza de aguas
Presentacion dureza de aguas
 
Velocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicasVelocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicas
 
Tipos de àgua
Tipos de àguaTipos de àgua
Tipos de àgua
 
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
4. perturbações no equilibrio dos ecossistemas
 
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria3. fluxo de energia e ciclos de matéria
3. fluxo de energia e ciclos de matéria
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
A dureza em aquários de água doce
A dureza em aquários de água doceA dureza em aquários de água doce
A dureza em aquários de água doce
 
Reflexão, absorção e refracção do som
Reflexão, absorção e refracção do somReflexão, absorção e refracção do som
Reflexão, absorção e refracção do som
 
Física e química
Física e químicaFísica e química
Física e química
 
Ap6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de PrecipitaçãoAp6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de Precipitação
 
Ondas som e luz 8º ano
Ondas   som e luz 8º anoOndas   som e luz 8º ano
Ondas som e luz 8º ano
 
Resumo Físico-Química
Resumo Físico-QuímicaResumo Físico-Química
Resumo Físico-Química
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
 
Som e Luz
Som e LuzSom e Luz
Som e Luz
 
O império holandês e inglês
O império holandês e inglêsO império holandês e inglês
O império holandês e inglês
 
Practica#9 determinacion de dureza
Practica#9 determinacion de durezaPractica#9 determinacion de dureza
Practica#9 determinacion de dureza
 
Som Aula 1
Som Aula 1Som Aula 1
Som Aula 1
 

Semelhante a Águas duras

Cal ifba
Cal ifbaCal ifba
Cal ifba
Caroline lopes
 
Amaciamento das Águas
Amaciamento das  ÁguasAmaciamento das  Águas
Amaciamento das Águas
gueste2e0d6
 
Geologia 11 rochas sedimentares - quimiogéncias
Geologia 11   rochas sedimentares  - quimiogénciasGeologia 11   rochas sedimentares  - quimiogéncias
Geologia 11 rochas sedimentares - quimiogéncias
Nuno Correia
 
Gesso e Cal
Gesso e CalGesso e Cal
Gesso e Cal
arminquimica
 
Corrosão em concreto
Corrosão em concretoCorrosão em concreto
Corrosão em concreto
Alisson André Silva Balbino
 
Revisâo cimento 4
Revisâo cimento 4Revisâo cimento 4
Revisâo cimento 4
Raquel de Carvalho
 
Formação das grutas.pptx
Formação das grutas.pptxFormação das grutas.pptx
Formação das grutas.pptx
Joaquim Luís Correia Lopes
 
Agua dura e_abrandamento
Agua dura e_abrandamentoAgua dura e_abrandamento
Agua dura e_abrandamento
Caio1409
 
Geo 7 rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 7   rochas sedimentares (quimiogénicas)Geo 7   rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 7 rochas sedimentares (quimiogénicas)
Nuno Correia
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.pptAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
CamilaCamposGomezFam
 
A8 - Tratamento de aguas.pdf
A8 - Tratamento de aguas.pdfA8 - Tratamento de aguas.pdf
A8 - Tratamento de aguas.pdf
Fersay
 
Abrandamento de água.ppt
Abrandamento de água.pptAbrandamento de água.ppt
Abrandamento de água.ppt
KleytonBiadola
 
Caldeira tratamento-químico
Caldeira tratamento-químicoCaldeira tratamento-químico
Caldeira tratamento-químico
ROBINSON CARLOS CRISTOVAM SILVA
 
Geo 10 formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Geo 10   formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicasGeo 10   formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Geo 10 formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Nuno Correia
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes (1).pdf
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes (1).pdfAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes (1).pdf
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes (1).pdf
Gabrielcarvalhodasil
 
Tratamento de água caldeira.ppt
Tratamento de água caldeira.pptTratamento de água caldeira.ppt
Tratamento de água caldeira.ppt
MarcoReisBrugnerotto
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.pptAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
LindinalvaDaSilvadia
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.pptAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
JooCarlos821065
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.pptAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
DorisFlores37
 
Geo 9 formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 9   formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)Geo 9   formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 9 formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Nuno Correia
 

Semelhante a Águas duras (20)

Cal ifba
Cal ifbaCal ifba
Cal ifba
 
Amaciamento das Águas
Amaciamento das  ÁguasAmaciamento das  Águas
Amaciamento das Águas
 
Geologia 11 rochas sedimentares - quimiogéncias
Geologia 11   rochas sedimentares  - quimiogénciasGeologia 11   rochas sedimentares  - quimiogéncias
Geologia 11 rochas sedimentares - quimiogéncias
 
Gesso e Cal
Gesso e CalGesso e Cal
Gesso e Cal
 
Corrosão em concreto
Corrosão em concretoCorrosão em concreto
Corrosão em concreto
 
Revisâo cimento 4
Revisâo cimento 4Revisâo cimento 4
Revisâo cimento 4
 
Formação das grutas.pptx
Formação das grutas.pptxFormação das grutas.pptx
Formação das grutas.pptx
 
Agua dura e_abrandamento
Agua dura e_abrandamentoAgua dura e_abrandamento
Agua dura e_abrandamento
 
Geo 7 rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 7   rochas sedimentares (quimiogénicas)Geo 7   rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 7 rochas sedimentares (quimiogénicas)
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.pptAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
 
A8 - Tratamento de aguas.pdf
A8 - Tratamento de aguas.pdfA8 - Tratamento de aguas.pdf
A8 - Tratamento de aguas.pdf
 
Abrandamento de água.ppt
Abrandamento de água.pptAbrandamento de água.ppt
Abrandamento de água.ppt
 
Caldeira tratamento-químico
Caldeira tratamento-químicoCaldeira tratamento-químico
Caldeira tratamento-químico
 
Geo 10 formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Geo 10   formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicasGeo 10   formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
Geo 10 formação de rochas sedimentares - rochas quimiogénicas
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes (1).pdf
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes (1).pdfAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes (1).pdf
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes (1).pdf
 
Tratamento de água caldeira.ppt
Tratamento de água caldeira.pptTratamento de água caldeira.ppt
Tratamento de água caldeira.ppt
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.pptAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.pptAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
 
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.pptAula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
Aula_2_Materiais de Construcao I-Aglomerantes.ppt
 
Geo 9 formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 9   formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)Geo 9   formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 9 formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
 

Mais de Alexandra Pereira

Moçambique CPLP
Moçambique CPLPMoçambique CPLP
Moçambique CPLP
Alexandra Pereira
 
Comunismo & Capitalismo
Comunismo & CapitalismoComunismo & Capitalismo
Comunismo & Capitalismo
Alexandra Pereira
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
Alexandra Pereira
 
Televisão Digital Terrestre
Televisão Digital TerrestreTelevisão Digital Terrestre
Televisão Digital Terrestre
Alexandra Pereira
 
Padrões Fractais
Padrões FractaisPadrões Fractais
Padrões Fractais
Alexandra Pereira
 
Métodos Contracetivos
Métodos ContracetivosMétodos Contracetivos
Métodos Contracetivos
Alexandra Pereira
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente TransmissiveisDoenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente Transmissiveis
Alexandra Pereira
 
Ondas electromagneticas e mecânicas
Ondas electromagneticas e mecânicasOndas electromagneticas e mecânicas
Ondas electromagneticas e mecânicas
Alexandra Pereira
 

Mais de Alexandra Pereira (8)

Moçambique CPLP
Moçambique CPLPMoçambique CPLP
Moçambique CPLP
 
Comunismo & Capitalismo
Comunismo & CapitalismoComunismo & Capitalismo
Comunismo & Capitalismo
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Televisão Digital Terrestre
Televisão Digital TerrestreTelevisão Digital Terrestre
Televisão Digital Terrestre
 
Padrões Fractais
Padrões FractaisPadrões Fractais
Padrões Fractais
 
Métodos Contracetivos
Métodos ContracetivosMétodos Contracetivos
Métodos Contracetivos
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente TransmissiveisDoenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente Transmissiveis
 
Ondas electromagneticas e mecânicas
Ondas electromagneticas e mecânicasOndas electromagneticas e mecânicas
Ondas electromagneticas e mecânicas
 

Último

Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 

Último (7)

Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 

Águas duras

  • 1. ÁGUAS DURAS Catarina Pereira e César Pereira E1/2 – FQ3
  • 2. TÓPICOS  Águas Duras  Definição  Origem  Classificação  Consequências  A nível industrial  A nível ambiental/ natureza  A nível doméstico  Padrão de aceitação para consumo humano  Dureza da água em Portugal  Webgrafia
  • 3. DEFINIÇÃO Desde a nascente até às zonas de captação, a água atravessa diversos solos, dissolvendo pelo caminho muitos sais minerais: Se a água atravessa um solo calcário, terá uma maior concentração de sais de cálcio e magnésio, é por isso que designada de água dura.
  • 4. ORIGEM Natural: Dissolução de minerais contendo cálcio e magnésio. CaCO3(s) + H2O(l) + CO2(g) Ca(HCO3)2(aq) 1- chuva 2- solo rico em minerais 3- água subterrânea dureza total alta e dureza carbonato alta Antropogénica: Despejos industriais.
  • 5. CLASSIFICAÇÃO Dependendo da concentração dos iões, a água passa a ser classificada de acordo com a tabela acima.
  • 6. DETERMINAÇÃO DA DUREZA Experimentalmente a dureza pode ser determinada mediante a titulação da amostra com EDTA - ácido etilenodiaminotetracético (ou outra técnica analítica que quantifique cálcio e magnésio) e expressa como a massa em miligramas/L de carbonato de cálcio (mgCaCO3/L) que contém o mesmo número total de iões da amostra.
  • 8. CONSEQUÊNCIAS A NÍVEL INDUSTRIAL  Pode causar problemas nos sistemas de água quente como caldeiras e trocadores de calor, pois com o aumento da temperatura os carbonatos precipitam-se e incrustam na tubulação, que necessita de maior manutenção. Caso contrário, essa incrustação pode causar entupimentos, perda de eficiência e pode chegar até mesmo a explodir.
  • 9. CONSEQUÊNCIAS A NÍVEL AMBIENTAL  A água dos solos, levemente ácida, reage com o carbonato de cálcio da rocha calcária e que é insolúvel, transformando-o em bicarbonato de cálcio em água: Carbonato de Cálcio (s) Bicarbonato de cálcio (aq)  Quando esta transformação ocorre em profundidade destrói o calcário e dá origem a cavernas.
  • 10. CONSEQUÊNCIAS A NÍVEL AMBIENTAL  A acumulação desta precipitação dá origem a: Estalactites Estalagmites
  • 11. CONSEQUÊNCIAS A NÍVEL DOMÉSTICO  Não há evidências de que a dureza cause problemas sanitários;  Reduz a formação de espuma, implicando em um maior consumo de sabão;  Causa incrustação nas tubulações de água, caldeiras e aquecedores industriais.
  • 12. PADRÃO DE ACEITAÇÃO PARA CONSUMO HUMANO De acordo com a portaria n° 518 de 2004, o valor máximo permitido de dureza da água para consumo humano é de até 500 mgCaCO3/L.
  • 13. DUREZA DA ÁGUA EM PORTUGAL
  • 14. WEBGRAFIA  http://www.agsolve.com.br/noticias/agua-dura-e-seus-riscos  http://www.mundoeducacao.com/quimica/agua-dura.htm  http://www.infopedia.pt/$agua-dura;jsessionid=31iwbhGmWZZKDWKdidH3TQ__