SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
Fundamentos da  Psicologia Social Teoria e Pesquisa em Psicologia Social Marcos Emanoel Pereira Departamento de Psicologia / Programa de Pós-Graduação em Psicologia Universidade Federal da Bahia
Pressuposto básico
Pressuposto básico Toda e qualquer disciplina depende de uma clara definição de três elementos
Pressuposto básico Toda e qualquer disciplina depende de uma clara definição de três elementos Objeto
Pressuposto básico Toda e qualquer disciplina depende de uma clara definição de três elementos Objeto Métodos
Pressuposto básico Toda e qualquer disciplina depende de uma clara definição de três elementos Objeto Métodos Matrizes teóricas
Qual o lugar do  ser humano?
Qual o lugar do  ser humano? Concepção de ser humano
Qual o lugar do  ser humano? A antropologia filosófica Concepção de ser humano
Qual o lugar do  ser humano? A antropologia filosófica Concepção de ser humano Ausência de um modelo hegemônico
Fragmentação
Fragmentação Objeto de estudo
Fragmentação Objeto de estudo Métodos de investigação
Fragmentação Objeto de estudo Métodos de investigação Matrizes teóricas
Alternativas
Alternativas Ecletismo
Alternativas Ecletismo Reducionismo
Alternativas Ecletismo Reducionismo Complementarismo
O reducionismo
O reducionismo social
O reducionismo social psicológico
O reducionismo social psicológico biológico
O reducionismo social psicológico biológico físico
Complementarismo
Complementarismo Metodológico
Complementarismo Metodológico métodos  quantitativos métodos  qualitativos
Complementarismo Metodológico métodos  quantitativos métodos  qualitativos
Complementarismo Metodológico métodos  quantitativos métodos  qualitativos
Complementarismo Metodológico métodos  quantitativos métodos  qualitativos explicação
Complementarismo Metodológico métodos  quantitativos métodos  qualitativos explicação compreensão
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986)
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos bios
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível intra-individual de análise
Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível inter-individual de análise
Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível intragrupal de análise
Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível intergrupal de análise
Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível posicional de análise
Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978)
Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978) Dimensão intransitiva
Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978) Dimensão intransitiva referente às proposições a respeito do mundo e das  coisas nele  encontradas
Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978) Dimensão intransitiva Dimensão transitiva referente às proposições a respeito do mundo e das  coisas nele  encontradas
Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978) Dimensão intransitiva Dimensão transitiva referente às proposições a respeito do mundo e das  coisas nele  encontradas  esclarecer as estratégias adotadas pelos pesquisadores para o estudo do mundo real
Complementarismo Dimensão intransitiva é essencial estabelecer uma separação entre o mundo das aparências e uma série de mecanismos, cuja prova de existência é difícil de ser estabelecida, mas cujos efeitos justificam e devem ser necessariamente incluídos em qualquer tentativa de explicação dos eventos que ocorrem no mundo físico e social
Complementarismo Dimensão intransitiva Uma visão estratificada do mundo real passa a ser uma conseqüência inevitável da aceitação que a realidade pode ser apreendida em diferentes níveis.
Complementarismo Dimensão intransitiva “ empirical” o nível empírico dos eventos observados ordinariamente
Complementarismo Dimensão intransitiva “ actual” nível dos fluxos tais como se apresentam “ empirical” o nível empírico dos eventos observados ordinariamente
Complementarismo Dimensão intransitiva “ real” o nível dos entes “realmente” reais   “ actual” nível dos fluxos tais como se apresentam “ empirical” o nível empírico dos eventos observados ordinariamente
Complementarismo empírico corresponde à experiência usual das pessoas no seu dia a dia qualquer concepção de ciência que adote como objetivo último obter um conhecimento preciso deste nível de realidade encontra-se condenada à esterilidade, pois jamais chegará a alcançar a inteligibilidade plena no trato do seu objeto de estudo
Complementarismo actual se refere a um fluxo de acontecimento, geralmente produzido em condições de laboratório, com a finalidade explícita de isolar e avaliar os mecanismos que se manifestam no nível do real A experimentação como exemplo
Complementarismo real se refere aos mecanismos, geralmente ocultos, a serem identificados pelo cientista e considerados na explicação do comportamento
Complementarismo real Fonte: Thagard, 2006  Transformação de moléculas  Reações bioquímicas  Conexões  físicas  Moléculas, tais como neuro-transmissores e proteínas  Molecular  Atividade cerebral Excitação, inibição  Conexões sinápticas  Neurônios, grupos de neurônios  Neurais  Inferências  Processos computacionais  Associações, implicações  Representações mentais  Cognitivo  Influência, decisão grupal   Comunicação  Associações, afiliações  Entes e grupos sociais  Social  Mudanças   Interações   Relações   Componentes Mecanismos
Complementarismo Dimensão transitiva procura enfrentar as discussões, introduzidas por algumas correntes atuais da filosofia da ciência, a respeito do caráter histórico e social do conhecimento científico
Complementarismo Dimensão transitiva O conhecimento, embora tenha por referência objetos que pré-existem e independem do estudioso, deve ser tratado como um produto social e uma vez que a ciência é uma prática social, o conhecimento resultante deve ser entendido como algo intrinsecamente material, embora apreendido sob a lógica desta prática.
Complementarismo O sistematismo de Bunge A caracterização de qualquer domínio de conhecimento científico deve ser precedida pela discussão dos problemas relacionados com a questão ontológica, referente à natureza dos objetos submetidos a investigação, e com a questão epistemológica, relativa aos princípios e procedimentos adotados pelo investigador.
Complementarismo O sistematismo de Bunge A obra de Mario Bunge merece destaque no que concerne a esta discussão no âmbito das ciências sociais, pois aponta para duas direções divergentes de tratamento da questão, mostra as fragilidades destes modelos e apresenta uma síntese que representa bem a solução alternativa encontrada por muitos estudiosos (Bunge,  1987)
Complementarismo O sistematismo de Bunge
Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo
Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo Holismo
Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo Holismo Sistematismo
Pressupostos ontológicos sociedade não pode atuar diretamente sobre o indivíduos, mas sim  indiretamente , pois a ação individual é determinada também pela posição social do indivíduo  as relações entre duas sociedades envolvem duas totalidades e as  mudanças sociais são supra-individuais   as sociedades  não podem agir  diretamente sobre os grupos  relações  entre  indivíduos e sociedade  existem propriedades que decorrem dos agregados, assim como propriedades emergentes  existem, sendo irredutíveis aos indivíduos  não   existem  propriedades   emergentes ou globais  um s istema concreto  de indivíduos interconectados  sociedade deveria ser considerada como uma  totalidade  que transcende aos seus membros  a sociedade deve ser considerada uma  coleção de indivíduos  - qualquer supraindividualidade é uma ficção  pressupostos ontológicos  Sistematismo   Holismo   Individualismo   Característica
Pressupostos metodológicos devem ser testadas  a partir de  observações  realizadas com indivíduos  n ão podem ser testadas  ou, no máximo, contrastadas com dados globais  exclusivamente a  observação   de comportamentos   individuais  teste das hipóteses e avaliação das teorias   interações  entre  os indivíduos e  as totalidades  em termos de  unidades supra-individuais,  tais como o Estado, ou de forças supra-individuais, tais como a consciência coletiva ou a organização social   levando em consideração exclusivamente as  ações e intenções individuais   explicação   o estudo dos f atores socialmente relevantes dos indivíduos , bem como as p ropriedades e mudanças dos grupos  sociais entendidos como totalidades  estudo das  propriedades e mudanças globais   o estudo dos  indivíduos   pressupostos   metodológicos   Sistematismo   Holismo   Individualismo   Característica
Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo o estado de um sistema social é uma f unção dos estados dos componentes individuais 
Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo o estado de um sistema social é uma f unção dos estados dos componentes individuais    Holismo   o estado de um indivíduo é uma  função do estado da sociedade  em que ele vive
Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo o estado de um sistema social é uma f unção dos estados dos componentes individuais    Holismo   o estado de um indivíduo é uma  função do estado da sociedade  em que ele vive   Sistematismo   o estado de um sistema social é uma  função das propriedades dos seus componentes individuais, sendo o inverso igualmente verdadeiro
O sistematismo A análise de um sistema deve levar em consideração três elementos fundamentais o contexto a organização estrutural  os componentes
O sistematismo A análise de um sistema deve levar em consideração três elementos fundamentais o contexto a organização estrutural  os componentes O modelo sistêmico incorpora estes três elementos; o  modelo atomista retira a importância da estrutura; o modelo holista desconsidera os componentes do sistema.
O sistematismo (a) composição diferente, mesmo contexto, mesma estrutura (b) mesma composição, mesmo contexto, estruturas diferentes (c) composição diferente, mesmo contexto, estruturas diferentes (d) composição diferente, contextos diferente, estruturas diferentes
O sistematismo Os  conceitos oriundos das tradições individualistas e holistas podem ser importantes para a compreensão dos fenômenos sociais, mas se o objetivo for extrapolar os limites da compreensão e envolver a explicação, é imprescindível que se leve em consideração conceitos oriundos de uma perspectiva relacional Ritzer e Gindoff (1992)
O sistematismo Três modalidades distintas de sistematismo
O sistematismo Três modalidades distintas de sistematismo micro -> macro  concede prioridade aos fenômenos microssociais e que pode ser identificado com a psicologia social psicológica
O sistematismo Três modalidades distintas de sistematismo micro -> macro  concede prioridade aos fenômenos microssociais e que pode ser identificado com a psicologia social psicológica   macro -> micro  ressalta os fenômenos macrossociais e que pode ser identificado com a psicologia social sociológica
O sistematismo Três modalidades distintas de sistematismo micro -> macro  concede prioridade aos fenômenos microssociais e que pode ser identificado com a psicologia social psicológica   macro -> micro  ressalta os fenômenos macrossociais e que pode ser identificado com a psicologia social sociológica  dialético  situado em um ponto médio, que não acentua qualquer uma das perspectivas; pode ser identificado nas abordagens emergentes da psicologia social e da sociologia   Alvaro e Garrido (2003)
Referências Alvaro, J. e Garrido, A. (2003).  Psicologia social: perspectivas psicologicas y sociologicas. Mc-Graw-Hill/Interamericana de España Bhasker, R. (1978). A realist theory of science. Hassocks, Sussex: Harvester Press Bunge, M.(1980).  Epistemologia - Curso de atualização. SP: T. A. Queiroz Bunge, M. & Ardila, R. (2002). Filosofía de la psicología.  México: Siglo Veintiuno Editores   Doise, W. (1986). Levels of explanation in social psychology. Cambridge: Cambridge University Press. Ritzer, G. e Gindoff, P. (1992) Methodological relationalism: lessons for and from social psychology. Social Psychology Quarterly, 55, 2, 128-140.   Rychlak, J. (1993). A suggested principle of complementarity for psychology. American Psychologist, 48, 9, 933-942. Thagard, P. (2006). Hot Thought. Mechanisms and Applications of Emotional Cognition. Cambridge, Mass: MIT Press

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O ensino de Psicologia Social
O ensino de Psicologia SocialO ensino de Psicologia Social
O ensino de Psicologia Socialmnatrodrigues
 
Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)Adalene Sales
 
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfHistória da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfPedro R. Coutinho
 
Cognição Social
Cognição SocialCognição Social
Cognição Socialnockinhas22
 
O que é a psicologia social silvia t. maurer lane
O que é a psicologia social   silvia t. maurer laneO que é a psicologia social   silvia t. maurer lane
O que é a psicologia social silvia t. maurer laneLeandro Santos da Silva
 
Diagnosticos em psicologia lpcc 2
Diagnosticos em psicologia lpcc 2Diagnosticos em psicologia lpcc 2
Diagnosticos em psicologia lpcc 2Rui Pedro Dias Ruca
 
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxTeorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxJessicaDassi
 

Mais procurados (20)

O ensino de Psicologia Social
O ensino de Psicologia SocialO ensino de Psicologia Social
O ensino de Psicologia Social
 
Representações Sociais
Representações SociaisRepresentações Sociais
Representações Sociais
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
 
Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)Cognição social (slides da aula)
Cognição social (slides da aula)
 
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfHistória da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
 
Aula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à PsicologiaAula 1 - Introdução à Psicologia
Aula 1 - Introdução à Psicologia
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
Introdução à Psicologia Jurídica
Introdução à Psicologia JurídicaIntrodução à Psicologia Jurídica
Introdução à Psicologia Jurídica
 
Grupoterapias
GrupoterapiasGrupoterapias
Grupoterapias
 
Cognição Social
Cognição SocialCognição Social
Cognição Social
 
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia Aula 1 -  Fundamentos de Psicologia
Aula 1 - Fundamentos de Psicologia
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
O que é a psicologia social silvia t. maurer lane
O que é a psicologia social   silvia t. maurer laneO que é a psicologia social   silvia t. maurer lane
O que é a psicologia social silvia t. maurer lane
 
Diagnosticos em psicologia lpcc 2
Diagnosticos em psicologia lpcc 2Diagnosticos em psicologia lpcc 2
Diagnosticos em psicologia lpcc 2
 
Psicoterapias miriam
Psicoterapias miriamPsicoterapias miriam
Psicoterapias miriam
 
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptxTeorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
Teorias e Técnicas Psicoterápicas I - Aula 4.pptx
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 

Destaque

psicologia social
psicologia socialpsicologia social
psicologia socialfabiana
 
Psicologia social exclusao social
Psicologia social exclusao socialPsicologia social exclusao social
Psicologia social exclusao socialDaniele Rubim
 
Slides atualizados psicologia social (2)
Slides atualizados psicologia social (2)Slides atualizados psicologia social (2)
Slides atualizados psicologia social (2)Conceição Gomes
 
ELEMENTOS DE PSICOLOGIA SOCIAL
ELEMENTOS DE PSICOLOGIA SOCIALELEMENTOS DE PSICOLOGIA SOCIAL
ELEMENTOS DE PSICOLOGIA SOCIALhbussenius
 
Historia de la psicología social
Historia de la psicología socialHistoria de la psicología social
Historia de la psicología socialMónica Martínez
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaRoney Gusmão
 
Plano de ensino psicologia social i
Plano de ensino psicologia social iPlano de ensino psicologia social i
Plano de ensino psicologia social ihendsonsantana
 
Farr, r. m. as raízes da psicologia social moderna capitulo 7
Farr, r. m.   as raízes da psicologia social moderna capitulo 7Farr, r. m.   as raízes da psicologia social moderna capitulo 7
Farr, r. m. as raízes da psicologia social moderna capitulo 7LIVROS PSI
 
Apostila psicologia social comunitária
Apostila psicologia social   comunitáriaApostila psicologia social   comunitária
Apostila psicologia social comunitáriaamanda cristina
 
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitáriaUma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitáriaIsabella Costa
 
Psicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupaisPsicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupaisMichelle Mariana
 

Destaque (16)

Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Psicologia Social
Psicologia SocialPsicologia Social
Psicologia Social
 
psicologia social
psicologia socialpsicologia social
psicologia social
 
Artigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia socialArtigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia social
 
Psicologia social exclusao social
Psicologia social exclusao socialPsicologia social exclusao social
Psicologia social exclusao social
 
Slides atualizados psicologia social (2)
Slides atualizados psicologia social (2)Slides atualizados psicologia social (2)
Slides atualizados psicologia social (2)
 
aconselhamento pastoral
aconselhamento pastoralaconselhamento pastoral
aconselhamento pastoral
 
ELEMENTOS DE PSICOLOGIA SOCIAL
ELEMENTOS DE PSICOLOGIA SOCIALELEMENTOS DE PSICOLOGIA SOCIAL
ELEMENTOS DE PSICOLOGIA SOCIAL
 
Historia de la psicología social
Historia de la psicología socialHistoria de la psicología social
Historia de la psicología social
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Plano de ensino psicologia social i
Plano de ensino psicologia social iPlano de ensino psicologia social i
Plano de ensino psicologia social i
 
Farr, r. m. as raízes da psicologia social moderna capitulo 7
Farr, r. m.   as raízes da psicologia social moderna capitulo 7Farr, r. m.   as raízes da psicologia social moderna capitulo 7
Farr, r. m. as raízes da psicologia social moderna capitulo 7
 
Apostila psicologia social comunitária
Apostila psicologia social   comunitáriaApostila psicologia social   comunitária
Apostila psicologia social comunitária
 
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitáriaUma reflexão sobre a psicologia social comunitária
Uma reflexão sobre a psicologia social comunitária
 
Psicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupaisPsicologia institucional e procesos grupais
Psicologia institucional e procesos grupais
 

Semelhante a Fundamentos Psicologia Social

Aula Explorando Pensamento Sistêmico II Revisar.pptx
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II   Revisar.pptxAula Explorando Pensamento Sistêmico II   Revisar.pptx
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II Revisar.pptxRosangelaPagnota
 
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981Rodnei Reis
 
A construcao do plano da clinica e o conceito de transdisciplinaridade
A construcao do plano da clinica e o  conceito de transdisciplinaridadeA construcao do plano da clinica e o  conceito de transdisciplinaridade
A construcao do plano da clinica e o conceito de transdisciplinaridadeVerônica De Franco Rennó
 
Regina b. de barros e eduardo passos a construção do plano da clínica e o c...
Regina b. de barros e eduardo passos   a construção do plano da clínica e o c...Regina b. de barros e eduardo passos   a construção do plano da clínica e o c...
Regina b. de barros e eduardo passos a construção do plano da clínica e o c...Bruno Martins Soares
 
Aula 3 behaviorismos
Aula 3   behaviorismosAula 3   behaviorismos
Aula 3 behaviorismosLudmila Moura
 
A psicologia social como história gergen
A psicologia social como história   gergenA psicologia social como história   gergen
A psicologia social como história gergenGeisa Gomes
 
Monografia sobre teorias de aprendizagem
Monografia sobre teorias de aprendizagemMonografia sobre teorias de aprendizagem
Monografia sobre teorias de aprendizagemGracieli Henicka
 
O estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagemO estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagemQuitriaSilva2
 
Funcionalismo sistêmico read
Funcionalismo sistêmico readFuncionalismo sistêmico read
Funcionalismo sistêmico readR D
 
Conceitos de sistema de informação
Conceitos de sistema de informaçãoConceitos de sistema de informação
Conceitos de sistema de informaçãoArmando Rivarola
 
Teorias da Complexidade
Teorias da ComplexidadeTeorias da Complexidade
Teorias da ComplexidadeLucila Pesce
 

Semelhante a Fundamentos Psicologia Social (20)

Psicologia Social
Psicologia SocialPsicologia Social
Psicologia Social
 
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II Revisar.pptx
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II   Revisar.pptxAula Explorando Pensamento Sistêmico II   Revisar.pptx
Aula Explorando Pensamento Sistêmico II Revisar.pptx
 
1286
12861286
1286
 
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
 
A construcao do plano da clinica e o conceito de transdisciplinaridade
A construcao do plano da clinica e o  conceito de transdisciplinaridadeA construcao do plano da clinica e o  conceito de transdisciplinaridade
A construcao do plano da clinica e o conceito de transdisciplinaridade
 
Regina b. de barros e eduardo passos a construção do plano da clínica e o c...
Regina b. de barros e eduardo passos   a construção do plano da clínica e o c...Regina b. de barros e eduardo passos   a construção do plano da clínica e o c...
Regina b. de barros e eduardo passos a construção do plano da clínica e o c...
 
Aula 3 behaviorismos
Aula 3   behaviorismosAula 3   behaviorismos
Aula 3 behaviorismos
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
A psicologia social como história gergen
A psicologia social como história   gergenA psicologia social como história   gergen
A psicologia social como história gergen
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Minicurso Humberto Maturana
Minicurso Humberto Maturana Minicurso Humberto Maturana
Minicurso Humberto Maturana
 
Monografia sobre teorias de aprendizagem
Monografia sobre teorias de aprendizagemMonografia sobre teorias de aprendizagem
Monografia sobre teorias de aprendizagem
 
O estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagemO estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagem
 
Unidade 01 psicologia (1)
Unidade 01   psicologia (1)Unidade 01   psicologia (1)
Unidade 01 psicologia (1)
 
Abordagem sistemicaadm
Abordagem sistemicaadmAbordagem sistemicaadm
Abordagem sistemicaadm
 
Funcionalismo sistêmico read
Funcionalismo sistêmico readFuncionalismo sistêmico read
Funcionalismo sistêmico read
 
Conceitos de sistema de informação
Conceitos de sistema de informaçãoConceitos de sistema de informação
Conceitos de sistema de informação
 
Apostila - SOCIAL 2
Apostila - SOCIAL 2Apostila - SOCIAL 2
Apostila - SOCIAL 2
 
Teorias da Complexidade
Teorias da ComplexidadeTeorias da Complexidade
Teorias da Complexidade
 
Psicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucaultPsicologia 1850 a 1950 foucault
Psicologia 1850 a 1950 foucault
 

Mais de Marcos Pereira

Preconceitos, estereótipos e deficiência
Preconceitos, estereótipos e deficiênciaPreconceitos, estereótipos e deficiência
Preconceitos, estereótipos e deficiênciaMarcos Pereira
 
Análise das Representações De Migrantes Nordestinos Na Chanchada
Análise das Representações De Migrantes Nordestinos Na ChanchadaAnálise das Representações De Migrantes Nordestinos Na Chanchada
Análise das Representações De Migrantes Nordestinos Na ChanchadaMarcos Pereira
 
Relações entre essencialismo, entitativade e a expressão automática e control...
Relações entre essencialismo, entitativade e a expressão automática e control...Relações entre essencialismo, entitativade e a expressão automática e control...
Relações entre essencialismo, entitativade e a expressão automática e control...Marcos Pereira
 
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: Steele e Aronson (1995)
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: Steele e Aronson (1995)A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: Steele e Aronson (1995)
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: Steele e Aronson (1995)Marcos Pereira
 
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: definição e caracterização
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: definição e caracterizaçãoA ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: definição e caracterização
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: definição e caracterizaçãoMarcos Pereira
 
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: mediadores
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: mediadoresA ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: mediadores
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: mediadoresMarcos Pereira
 
A ameaça dos estereótipos o desempenho individual: outras categorias
A ameaça dos estereótipos o desempenho individual: outras categoriasA ameaça dos estereótipos o desempenho individual: outras categorias
A ameaça dos estereótipos o desempenho individual: outras categoriasMarcos Pereira
 

Mais de Marcos Pereira (8)

Preconceitos, estereótipos e deficiência
Preconceitos, estereótipos e deficiênciaPreconceitos, estereótipos e deficiência
Preconceitos, estereótipos e deficiência
 
Análise das Representações De Migrantes Nordestinos Na Chanchada
Análise das Representações De Migrantes Nordestinos Na ChanchadaAnálise das Representações De Migrantes Nordestinos Na Chanchada
Análise das Representações De Migrantes Nordestinos Na Chanchada
 
Relações entre essencialismo, entitativade e a expressão automática e control...
Relações entre essencialismo, entitativade e a expressão automática e control...Relações entre essencialismo, entitativade e a expressão automática e control...
Relações entre essencialismo, entitativade e a expressão automática e control...
 
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: Steele e Aronson (1995)
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: Steele e Aronson (1995)A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: Steele e Aronson (1995)
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: Steele e Aronson (1995)
 
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: definição e caracterização
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: definição e caracterizaçãoA ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: definição e caracterização
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: definição e caracterização
 
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: mediadores
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: mediadoresA ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: mediadores
A ameaça dos estereótipos e o desempenho individual: mediadores
 
A ameaça dos estereótipos o desempenho individual: outras categorias
A ameaça dos estereótipos o desempenho individual: outras categoriasA ameaça dos estereótipos o desempenho individual: outras categorias
A ameaça dos estereótipos o desempenho individual: outras categorias
 
Def_est
Def_estDef_est
Def_est
 

Fundamentos Psicologia Social

  • 1. Fundamentos da Psicologia Social Teoria e Pesquisa em Psicologia Social Marcos Emanoel Pereira Departamento de Psicologia / Programa de Pós-Graduação em Psicologia Universidade Federal da Bahia
  • 3. Pressuposto básico Toda e qualquer disciplina depende de uma clara definição de três elementos
  • 4. Pressuposto básico Toda e qualquer disciplina depende de uma clara definição de três elementos Objeto
  • 5. Pressuposto básico Toda e qualquer disciplina depende de uma clara definição de três elementos Objeto Métodos
  • 6. Pressuposto básico Toda e qualquer disciplina depende de uma clara definição de três elementos Objeto Métodos Matrizes teóricas
  • 7. Qual o lugar do ser humano?
  • 8. Qual o lugar do ser humano? Concepção de ser humano
  • 9. Qual o lugar do ser humano? A antropologia filosófica Concepção de ser humano
  • 10. Qual o lugar do ser humano? A antropologia filosófica Concepção de ser humano Ausência de um modelo hegemônico
  • 13. Fragmentação Objeto de estudo Métodos de investigação
  • 14. Fragmentação Objeto de estudo Métodos de investigação Matrizes teóricas
  • 21. O reducionismo social psicológico
  • 22. O reducionismo social psicológico biológico
  • 23. O reducionismo social psicológico biológico físico
  • 26. Complementarismo Metodológico métodos quantitativos métodos qualitativos
  • 27. Complementarismo Metodológico métodos quantitativos métodos qualitativos
  • 28. Complementarismo Metodológico métodos quantitativos métodos qualitativos
  • 29. Complementarismo Metodológico métodos quantitativos métodos qualitativos explicação
  • 30. Complementarismo Metodológico métodos quantitativos métodos qualitativos explicação compreensão
  • 31. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986)
  • 32. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos
  • 33. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos bios
  • 34. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios
  • 35. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
  • 36. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
  • 37. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
  • 38. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
  • 39. Complementarismo O complementarismo conceitual de Rychlak (1986) physikos cogito bios socius
  • 40. Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível intra-individual de análise
  • 41. Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível inter-individual de análise
  • 42. Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível intragrupal de análise
  • 43. Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível intergrupal de análise
  • 44. Complementarismo O perspectivismo de Doise (1986) nível posicional de análise
  • 45. Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978)
  • 46. Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978) Dimensão intransitiva
  • 47. Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978) Dimensão intransitiva referente às proposições a respeito do mundo e das coisas nele encontradas
  • 48. Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978) Dimensão intransitiva Dimensão transitiva referente às proposições a respeito do mundo e das coisas nele encontradas
  • 49. Complementarismo O realismo crítico de Bashkar (1978) Dimensão intransitiva Dimensão transitiva referente às proposições a respeito do mundo e das coisas nele encontradas esclarecer as estratégias adotadas pelos pesquisadores para o estudo do mundo real
  • 50. Complementarismo Dimensão intransitiva é essencial estabelecer uma separação entre o mundo das aparências e uma série de mecanismos, cuja prova de existência é difícil de ser estabelecida, mas cujos efeitos justificam e devem ser necessariamente incluídos em qualquer tentativa de explicação dos eventos que ocorrem no mundo físico e social
  • 51. Complementarismo Dimensão intransitiva Uma visão estratificada do mundo real passa a ser uma conseqüência inevitável da aceitação que a realidade pode ser apreendida em diferentes níveis.
  • 52. Complementarismo Dimensão intransitiva “ empirical” o nível empírico dos eventos observados ordinariamente
  • 53. Complementarismo Dimensão intransitiva “ actual” nível dos fluxos tais como se apresentam “ empirical” o nível empírico dos eventos observados ordinariamente
  • 54. Complementarismo Dimensão intransitiva “ real” o nível dos entes “realmente” reais “ actual” nível dos fluxos tais como se apresentam “ empirical” o nível empírico dos eventos observados ordinariamente
  • 55. Complementarismo empírico corresponde à experiência usual das pessoas no seu dia a dia qualquer concepção de ciência que adote como objetivo último obter um conhecimento preciso deste nível de realidade encontra-se condenada à esterilidade, pois jamais chegará a alcançar a inteligibilidade plena no trato do seu objeto de estudo
  • 56. Complementarismo actual se refere a um fluxo de acontecimento, geralmente produzido em condições de laboratório, com a finalidade explícita de isolar e avaliar os mecanismos que se manifestam no nível do real A experimentação como exemplo
  • 57. Complementarismo real se refere aos mecanismos, geralmente ocultos, a serem identificados pelo cientista e considerados na explicação do comportamento
  • 58. Complementarismo real Fonte: Thagard, 2006 Transformação de moléculas Reações bioquímicas Conexões físicas Moléculas, tais como neuro-transmissores e proteínas Molecular Atividade cerebral Excitação, inibição Conexões sinápticas Neurônios, grupos de neurônios Neurais Inferências Processos computacionais Associações, implicações Representações mentais Cognitivo Influência, decisão grupal Comunicação Associações, afiliações Entes e grupos sociais Social Mudanças Interações Relações Componentes Mecanismos
  • 59. Complementarismo Dimensão transitiva procura enfrentar as discussões, introduzidas por algumas correntes atuais da filosofia da ciência, a respeito do caráter histórico e social do conhecimento científico
  • 60. Complementarismo Dimensão transitiva O conhecimento, embora tenha por referência objetos que pré-existem e independem do estudioso, deve ser tratado como um produto social e uma vez que a ciência é uma prática social, o conhecimento resultante deve ser entendido como algo intrinsecamente material, embora apreendido sob a lógica desta prática.
  • 61. Complementarismo O sistematismo de Bunge A caracterização de qualquer domínio de conhecimento científico deve ser precedida pela discussão dos problemas relacionados com a questão ontológica, referente à natureza dos objetos submetidos a investigação, e com a questão epistemológica, relativa aos princípios e procedimentos adotados pelo investigador.
  • 62. Complementarismo O sistematismo de Bunge A obra de Mario Bunge merece destaque no que concerne a esta discussão no âmbito das ciências sociais, pois aponta para duas direções divergentes de tratamento da questão, mostra as fragilidades destes modelos e apresenta uma síntese que representa bem a solução alternativa encontrada por muitos estudiosos (Bunge, 1987)
  • 64. Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo
  • 65. Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo Holismo
  • 66. Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo Holismo Sistematismo
  • 67. Pressupostos ontológicos sociedade não pode atuar diretamente sobre o indivíduos, mas sim indiretamente , pois a ação individual é determinada também pela posição social do indivíduo as relações entre duas sociedades envolvem duas totalidades e as mudanças sociais são supra-individuais as sociedades não podem agir diretamente sobre os grupos relações entre indivíduos e sociedade existem propriedades que decorrem dos agregados, assim como propriedades emergentes existem, sendo irredutíveis aos indivíduos não  existem propriedades  emergentes ou globais um s istema concreto de indivíduos interconectados sociedade deveria ser considerada como uma totalidade que transcende aos seus membros a sociedade deve ser considerada uma coleção de indivíduos - qualquer supraindividualidade é uma ficção pressupostos ontológicos Sistematismo Holismo Individualismo Característica
  • 68. Pressupostos metodológicos devem ser testadas a partir de observações realizadas com indivíduos n ão podem ser testadas ou, no máximo, contrastadas com dados globais exclusivamente a observação  de comportamentos  individuais teste das hipóteses e avaliação das teorias interações entre os indivíduos e as totalidades em termos de unidades supra-individuais, tais como o Estado, ou de forças supra-individuais, tais como a consciência coletiva ou a organização social  levando em consideração exclusivamente as ações e intenções individuais explicação o estudo dos f atores socialmente relevantes dos indivíduos , bem como as p ropriedades e mudanças dos grupos sociais entendidos como totalidades estudo das propriedades e mudanças globais o estudo dos indivíduos pressupostos  metodológicos Sistematismo Holismo Individualismo Característica
  • 69. Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo o estado de um sistema social é uma f unção dos estados dos componentes individuais 
  • 70. Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo o estado de um sistema social é uma f unção dos estados dos componentes individuais  Holismo   o estado de um indivíduo é uma função do estado da sociedade em que ele vive
  • 71. Complementarismo O sistematismo de Bunge Atomismo o estado de um sistema social é uma f unção dos estados dos componentes individuais  Holismo   o estado de um indivíduo é uma função do estado da sociedade em que ele vive Sistematismo   o estado de um sistema social é uma função das propriedades dos seus componentes individuais, sendo o inverso igualmente verdadeiro
  • 72. O sistematismo A análise de um sistema deve levar em consideração três elementos fundamentais o contexto a organização estrutural os componentes
  • 73. O sistematismo A análise de um sistema deve levar em consideração três elementos fundamentais o contexto a organização estrutural os componentes O modelo sistêmico incorpora estes três elementos; o modelo atomista retira a importância da estrutura; o modelo holista desconsidera os componentes do sistema.
  • 74. O sistematismo (a) composição diferente, mesmo contexto, mesma estrutura (b) mesma composição, mesmo contexto, estruturas diferentes (c) composição diferente, mesmo contexto, estruturas diferentes (d) composição diferente, contextos diferente, estruturas diferentes
  • 75. O sistematismo Os conceitos oriundos das tradições individualistas e holistas podem ser importantes para a compreensão dos fenômenos sociais, mas se o objetivo for extrapolar os limites da compreensão e envolver a explicação, é imprescindível que se leve em consideração conceitos oriundos de uma perspectiva relacional Ritzer e Gindoff (1992)
  • 76. O sistematismo Três modalidades distintas de sistematismo
  • 77. O sistematismo Três modalidades distintas de sistematismo micro -> macro concede prioridade aos fenômenos microssociais e que pode ser identificado com a psicologia social psicológica
  • 78. O sistematismo Três modalidades distintas de sistematismo micro -> macro concede prioridade aos fenômenos microssociais e que pode ser identificado com a psicologia social psicológica macro -> micro ressalta os fenômenos macrossociais e que pode ser identificado com a psicologia social sociológica
  • 79. O sistematismo Três modalidades distintas de sistematismo micro -> macro concede prioridade aos fenômenos microssociais e que pode ser identificado com a psicologia social psicológica macro -> micro ressalta os fenômenos macrossociais e que pode ser identificado com a psicologia social sociológica dialético situado em um ponto médio, que não acentua qualquer uma das perspectivas; pode ser identificado nas abordagens emergentes da psicologia social e da sociologia Alvaro e Garrido (2003)
  • 80. Referências Alvaro, J. e Garrido, A. (2003). Psicologia social: perspectivas psicologicas y sociologicas. Mc-Graw-Hill/Interamericana de España Bhasker, R. (1978). A realist theory of science. Hassocks, Sussex: Harvester Press Bunge, M.(1980).  Epistemologia - Curso de atualização. SP: T. A. Queiroz Bunge, M. & Ardila, R. (2002). Filosofía de la psicología. México: Siglo Veintiuno Editores Doise, W. (1986). Levels of explanation in social psychology. Cambridge: Cambridge University Press. Ritzer, G. e Gindoff, P. (1992) Methodological relationalism: lessons for and from social psychology. Social Psychology Quarterly, 55, 2, 128-140. Rychlak, J. (1993). A suggested principle of complementarity for psychology. American Psychologist, 48, 9, 933-942. Thagard, P. (2006). Hot Thought. Mechanisms and Applications of Emotional Cognition. Cambridge, Mass: MIT Press