SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
FISIOLOGIA DOS
SISTEMAS
Anne Caroline Sabóia de Souza Caria
Potencial de Ação dos
Nervos
• POTENCIAL DE REPOUSO- É o potencial da membrana, antes do início do potencial
de ação. Diz-se que a membrana está “polarizada” durante esse estágio (-90mV)
• DESPOLARIZAÇÃO - A membrana fica subitamente permeável aos ions Na+
permitindo o fluxo deles para o interior do axônio. O estado normal de ‘‘polarização’’
de -90mV é de imediato, neutralizado pelo influxo dos íons sódio com carga positiva
e faz com que o potencial ultrapasse rapidamente o nível zero e torne-se positivo
• REPOLARIZAÇÃO- Em alguns décimos de milésimos de segundo após a membrana
ter ficado muito permeável aos ions Na+, os canais de K+ se abrem mais que o
normal e os canais de Na+ se fecham. Então, a rápida difusão dos ions potássio
para o exterior restabelece o potencial de repouso negativo da membrana
• HIPERPOLARIZAÇÃO- Grande corrente de saída de íons de potássio pelos canais
voltagem-dependentes de potássio gera temporariamente um potencial mais
negativo do que o potencial de repouso de membrana. Esse fenômeno é conhecido
como hiperpolarização de membrana
• PERÍODO REFRATÁRIO RELATIVO- Os canais de Na+ somente
voltam a poder ser estimulados apenas depois que a membrana
estiver totalmente repolarizada. Enquando não houver um número
suficiente de canais de Na+ nessa condição, é possível estimular o
neurônio, mas ele responderá somente se a intensidade for bem
maior. É o que denominamos de período refratário relativo
• PERÍODO REFRATÁRIO ABSOLUTO- Quando os canais estão
totalmente fechados e é impossível estimular o neurônio, por maior
que seja a intensidade do estímulo, dizemos que o período refratário
é absoluto
Resolução de Questões
6. Em uma determinada célula qual das fases abaixo é provocada pela inativação
elétrica dos canais de sódio dependentes de voltagem?
a) Despolarização
b) Período refratário relativo
***c) Período refratário absoluto
d) Repolarização
e) Hiperpolarização
Transporte Ativo Secundário
O contratransporte é um mecanismo de transporte ativo através do qual uma substância é transportada
contra um gradiente eletroquímico, aproveitando a "carona energética" de uma outra substância que é
transportada a favor de seu gradiente eletroquímico, sendo as duas substâncias transportadas em
sentidos opostos
A proteína transportadora apresenta um sítio receptor para a fixação do íon sódio, voltado para o lado
externo da membrana celular, e um sítio receptor para a fixação do íon hidrogênio, voltado para o lado
interno da membrana. Enquanto o sódio é transportado para dentro da célula, o hidrogênio é
transportado para fora da célula, ou seja, os dois íons são transportados em sentidos opostos
O transporte do íon hidrogênio ocorre contra o seu gradiente eletroquímico, graças ao transporte
simultâneo do íon sódio a favor do seu gradiente eletroquímico. Por sua vez, o gradiente eletroquímico
do sódio é mantido pela Na,K-ATPase (a qual realiza transporte ativo primário), logo, o transporte de
hidrogênio é ativo secundário
Resolução de Questões
7. Qual dos seguintes íons sofre contra-transporte para energizar o transporte do
neurotransmissor nas vesículas sinápticas?
a) K+
b) Na+
***c) H+
d) Cl-
e) Ca++
Junções Comunicantes ‘’gap
junctions’’
• É um tipo de especialização do domínio basolateral da membrana
plasmática, são canais protéicos hidrofílicos que medeiam a
comunicação elétrica e/ou metabólica entre células vizinhas
diretamente, sem a necessidade de atravessar a importante barreira que
é o plasmalema
• Às junções comunicantes são atribuídas as funções de união elétrica
e/ou metabólica
8. Qual das seguintes afirmativas com relação às junções comunicantes, gap
junctions, é INCORRETA?
a) Permitem a passagem dos segundos mensageiros de célula para célula
b) Permitem alterações de voltagem em uma célula para se disseminar nas
outras células
c) Podem conter um ou mais tipos de subunidades
***d) Tipicamente são abertas para o espaço extracelular
e) São reguladas por voltagem
Resolução de
Questões
Bainha de Mielina
•É uma bainha rica em lipídeos revestindo muitos axônios tanto no sistema nervoso central
como no periférico. A bainha de mielina é um isolante elétrico que permite uma condução
mais rápida e mais energeticamente eficiente dos impulsos
•Esta bainha é formada pelas membranas celulares das células da glia (células de
Schwann no sistema nervoso periférico e oligodendróglia no sistema nervoso central)
Fonte: Bireme – DeCs (Descritores em Ciência da Saúde)
Bainha de Mielina
Problemas da desmielinização
Se a mielinização começar a se desfazer no cérebro de um indivíduo, podem
ocorrer problemas neurológicos como a esclerose múltipla, a doença de Parkinson
e o mal de Alzheimer
Fatores que interferem na velocidade
de condução do potencial de ação
1- Capacitância da membrana: Quanto maior a capacitância, menor é a velocidade de
condução, já que é necessário maior tempo para descarregar o capacitor (membrana no caso)
2- Resistência (interna e da membrana): Quanto maior a resistência, menor é a velocidade de
condução
3- Diâmetro da fibra nervosa: Quanto maior o diâmetro da fibra, maior é a velocidade
4- Meirinha: Fibras mielinizadas conduzem muito mais rapidamente que fibras não mielinizadas,
visto que as fibras mielinizadas tem menor capacitância, portanto descarregam mais rapidamente,
além do mais a resistência interna não se modifica. Somente a resistência da membrana aumenta.
Além disto, os pot. de ação, são gerados somente em locais de alta condutância, os chamados
Nodos de Ranvier, que são espaços que aparecem a cada 1 a 2 mm, permitindo a chamada
condução saltatória
5- Temperatura: Quanto maior a temperatura, maior é a “agitação” molecular, aumentando
conseqüentemente o fluxo iônico e a velocidade de condução do potencial elétrico
 
Resolução de Questões
9. A mielinização dos axônios:
a) reduz a velocidade de condução para promover transmissão mais confiável
***b) força o impulso nervoso para saltar de nó em nó
c) ocorre em excesso na esclerose múltipla
d) leva a um aumento da capacitância efetiva da membrana
e) reduz a constante de comprimento para a disseminação passiva do potencial de
membrana
Potencial Inibitório Pós-sináptico
(PIPS)
É uma diminuição temporária do potencial de membrana pós-sináptico causado por um
fluxo de ions negativos para dentro ou positivos para fora da célula pós-sináptica. É o
oposto do potencial pós-sináptico excitatório, causado por um influxo de íons positivos
para dentro da célula
• O Potencial Inibitório Pós-sináptico é gerado quando há hiperpolarização da célula pós-
sináptica, tornando mais difícil a geração de um potencial de ação
• A duração do PIPS é curta e o potencial da célula rapidamente retorna ao normal
• As sinapses que geram esses potenciais inibitórios geralmente são do tipo axossomáticas,
dessa forma os PIPS compensam seu menor número, pois chegam mais rapidamente à
zona de disparo, além de perderem menos energia em seu trajeto
Os potenciais pós-sinápticos podem ser inibitórios ouOs potenciais pós-sinápticos podem ser inibitórios ou
excitatórios dependendo do neurotransmissorexcitatórios dependendo do neurotransmissor
Potenciais inibitórios pós-sinápticos
Neurotransmissores: GABA, Glicina
Potenciais excitatórios pós-sinápticos
Neurotransmissores: glutamato,
acetilcolina
Resolução de Questões
10. Os potenciais inibitórios pós-sinápticos podem surgir de todos os fatores
seguintes, EXCETO do(a):
a) aumento da permeabilidade da membrana nervosa aos íons Cl-
b) aplicação direta de GABA nos neurônios
c) aumento da permeabilidade da membrana celular aos íons K+
***d) aumento da permeabilidade da membrana celular aos íons Na+
e) inibição do glutamato nos neurônios

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioHerbert Santana
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularHerbert Santana
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsHamilton Nobrega
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada José Vitor Alves
 
Fisiologia do sistema gastrointestinal
Fisiologia do sistema gastrointestinalFisiologia do sistema gastrointestinal
Fisiologia do sistema gastrointestinalVanessa Cunha
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoMauro Cunha Xavier Pinto
 
Fisiologia vascular
Fisiologia vascularFisiologia vascular
Fisiologia vascularLAC
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínicojaninemagalhaes
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Alexandre Naime Barbosa
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasGuilherme Becker
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Jaqueline Almeida
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo ILABIMUNO UFBA
 
Mecânica dos fluidos, circulação e respiração
Mecânica dos fluidos, circulação e respiraçãoMecânica dos fluidos, circulação e respiração
Mecânica dos fluidos, circulação e respiraçãoCaio Maximino
 
Aula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômeAula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômedapab
 
Sistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismoSistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismoEmmanuel Souza
 

Mais procurados (20)

Aula ciclo de krebs
Aula ciclo de krebsAula ciclo de krebs
Aula ciclo de krebs
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
 
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido MuscularFisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
Fisiologia Humana 4 - Tecido Muscular
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada
 
Fisiologia do sistema gastrointestinal
Fisiologia do sistema gastrointestinalFisiologia do sistema gastrointestinal
Fisiologia do sistema gastrointestinal
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Aula 7 Cf1
Aula 7 Cf1Aula 7 Cf1
Aula 7 Cf1
 
Fisiologia vascular
Fisiologia vascularFisiologia vascular
Fisiologia vascular
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?O que é PICO e Pico?
O que é PICO e Pico?
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Mecânica dos fluidos, circulação e respiração
Mecânica dos fluidos, circulação e respiraçãoMecânica dos fluidos, circulação e respiração
Mecânica dos fluidos, circulação e respiração
 
Aula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdômeAula - semiologia do abdôme
Aula - semiologia do abdôme
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Sistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismoSistemas tampão do organismo
Sistemas tampão do organismo
 

Destaque

Biologia membrana plasmatica
Biologia membrana plasmaticaBiologia membrana plasmatica
Biologia membrana plasmaticahillarybtencourt
 
Membrana plasmática prof. delminda
Membrana plasmática   prof. delmindaMembrana plasmática   prof. delminda
Membrana plasmática prof. delmindaProfDelminda
 
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Biologia - Exercícios Resolvidos Membrana...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Biologia - Exercícios Resolvidos Membrana...www.exerciciosresolvidosde.com.br - Biologia - Exercícios Resolvidos Membrana...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Biologia - Exercícios Resolvidos Membrana...Joana Figueredo
 
ENEM : questões Interdisciplinares de Física e Biologia - Conteúdo vinculado ...
ENEM : questões Interdisciplinares de Física e Biologia - Conteúdo vinculado ...ENEM : questões Interdisciplinares de Física e Biologia - Conteúdo vinculado ...
ENEM : questões Interdisciplinares de Física e Biologia - Conteúdo vinculado ...Rodrigo Penna
 
A membrana plasmática(5o grupo)
A membrana plasmática(5o grupo)A membrana plasmática(5o grupo)
A membrana plasmática(5o grupo)Moisés Manuel
 
Farmacologia do sistema nervoso autonomo parassimpatico
Farmacologia do sistema nervoso autonomo parassimpaticoFarmacologia do sistema nervoso autonomo parassimpatico
Farmacologia do sistema nervoso autonomo parassimpaticoalklafke
 
Aula 6 casdvest_citologia_membrana_plasmatica
Aula 6 casdvest_citologia_membrana_plasmaticaAula 6 casdvest_citologia_membrana_plasmatica
Aula 6 casdvest_citologia_membrana_plasmaticaFernando Mori Miyazawa
 
Biologia membrana plasmática
Biologia    membrana plasmáticaBiologia    membrana plasmática
Biologia membrana plasmáticaPedro Lopes
 
Membrana Completo Power Point
Membrana Completo Power PointMembrana Completo Power Point
Membrana Completo Power PointTiago Domingos
 
Membrana celular e transporte membranares (biologia humana)
 Membrana celular e transporte membranares (biologia humana) Membrana celular e transporte membranares (biologia humana)
Membrana celular e transporte membranares (biologia humana)isabelalexandrapinto
 
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-robertoexercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-robertoKassen Azanki
 
Caderno De Biologia 1 º ano E.M
Caderno De Biologia 1 º ano E.MCaderno De Biologia 1 º ano E.M
Caderno De Biologia 1 º ano E.MLucas De David
 
baker-tilly-international-2015-global-annual-review
baker-tilly-international-2015-global-annual-reviewbaker-tilly-international-2015-global-annual-review
baker-tilly-international-2015-global-annual-reviewFakhriddin Saydullaev
 
Презентация по архитектуре бренда
Презентация по архитектуре брендаПрезентация по архитектуре бренда
Презентация по архитектуре брендаРома Алексеев
 

Destaque (20)

2009 membrana plasmática
2009   membrana plasmática2009   membrana plasmática
2009 membrana plasmática
 
plantas
plantasplantas
plantas
 
Biologia membrana plasmatica
Biologia membrana plasmaticaBiologia membrana plasmatica
Biologia membrana plasmatica
 
Membrana plasmática prof. delminda
Membrana plasmática   prof. delmindaMembrana plasmática   prof. delminda
Membrana plasmática prof. delminda
 
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Biologia - Exercícios Resolvidos Membrana...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Biologia - Exercícios Resolvidos Membrana...www.exerciciosresolvidosde.com.br - Biologia - Exercícios Resolvidos Membrana...
www.exerciciosresolvidosde.com.br - Biologia - Exercícios Resolvidos Membrana...
 
Membrana plasmática aula 4
Membrana plasmática   aula 4Membrana plasmática   aula 4
Membrana plasmática aula 4
 
ENEM : questões Interdisciplinares de Física e Biologia - Conteúdo vinculado ...
ENEM : questões Interdisciplinares de Física e Biologia - Conteúdo vinculado ...ENEM : questões Interdisciplinares de Física e Biologia - Conteúdo vinculado ...
ENEM : questões Interdisciplinares de Física e Biologia - Conteúdo vinculado ...
 
A membrana plasmática(5o grupo)
A membrana plasmática(5o grupo)A membrana plasmática(5o grupo)
A membrana plasmática(5o grupo)
 
Farmacologia do sistema nervoso autonomo parassimpatico
Farmacologia do sistema nervoso autonomo parassimpaticoFarmacologia do sistema nervoso autonomo parassimpatico
Farmacologia do sistema nervoso autonomo parassimpatico
 
MEMBRANA PLASMATICA
MEMBRANA PLASMATICAMEMBRANA PLASMATICA
MEMBRANA PLASMATICA
 
Aula 6 casdvest_citologia_membrana_plasmatica
Aula 6 casdvest_citologia_membrana_plasmaticaAula 6 casdvest_citologia_membrana_plasmatica
Aula 6 casdvest_citologia_membrana_plasmatica
 
Biologia membrana plasmática
Biologia    membrana plasmáticaBiologia    membrana plasmática
Biologia membrana plasmática
 
Membrana Completo Power Point
Membrana Completo Power PointMembrana Completo Power Point
Membrana Completo Power Point
 
Membrana celular e transporte membranares (biologia humana)
 Membrana celular e transporte membranares (biologia humana) Membrana celular e transporte membranares (biologia humana)
Membrana celular e transporte membranares (biologia humana)
 
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-robertoexercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
 
Caderno De Biologia 1 º ano E.M
Caderno De Biologia 1 º ano E.MCaderno De Biologia 1 º ano E.M
Caderno De Biologia 1 º ano E.M
 
baker-tilly-international-2015-global-annual-review
baker-tilly-international-2015-global-annual-reviewbaker-tilly-international-2015-global-annual-review
baker-tilly-international-2015-global-annual-review
 
Презентация по архитектуре бренда
Презентация по архитектуре брендаПрезентация по архитектуре бренда
Презентация по архитектуре бренда
 
BDavis Resume 2015
BDavis Resume 2015BDavis Resume 2015
BDavis Resume 2015
 

Semelhante a Fisiologia questoes

Potencial De AçãO Bio
Potencial De AçãO  BioPotencial De AçãO  Bio
Potencial De AçãO Bioari lima
 
Aula 2 material complementar
Aula 2 material complementarAula 2 material complementar
Aula 2 material complementardidicadoida
 
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoEquilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoJoão Felix
 
Fisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervosoFisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervosomianaalexandra
 
Transportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxTransportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxCarinaCardoso25
 
Neuro 1 aula 4 290311 bioeletrogênese
Neuro 1 aula 4 290311 bioeletrogêneseNeuro 1 aula 4 290311 bioeletrogênese
Neuro 1 aula 4 290311 bioeletrogêneseThiago Lemos
 
Potencial de membrana fij
Potencial de membrana fijPotencial de membrana fij
Potencial de membrana fijDalu Barreto
 
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoNeurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoVanessa Cunha
 
Potencial de ação enf
Potencial de ação enfPotencial de ação enf
Potencial de ação enfNathalia Fuga
 
2 - Bioeletricidade.pdf
2 - Bioeletricidade.pdf2 - Bioeletricidade.pdf
2 - Bioeletricidade.pdfBarraLab
 
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioFisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioPedro Miguel
 
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivosHugo Martins
 
Potencial de ação
Potencial de açãoPotencial de ação
Potencial de açãoednaldoj
 
09. Potencial de Ação Anexos.pptx.pdf
09. Potencial de Ação Anexos.pptx.pdf09. Potencial de Ação Anexos.pptx.pdf
09. Potencial de Ação Anexos.pptx.pdfBernardoNigri2
 

Semelhante a Fisiologia questoes (20)

Potencial De AçãO Bio
Potencial De AçãO  BioPotencial De AçãO  Bio
Potencial De AçãO Bio
 
Aula 2 material complementar
Aula 2 material complementarAula 2 material complementar
Aula 2 material complementar
 
Biofísica
BiofísicaBiofísica
Biofísica
 
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de AçãoEquilíbrio Iônico e Potencial de Ação
Equilíbrio Iônico e Potencial de Ação
 
Fisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervosoFisiologia sistema nervoso
Fisiologia sistema nervoso
 
Transportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptxTransportes e Impulso nervoso.pptx
Transportes e Impulso nervoso.pptx
 
Neuro 1 aula 4 290311 bioeletrogênese
Neuro 1 aula 4 290311 bioeletrogêneseNeuro 1 aula 4 290311 bioeletrogênese
Neuro 1 aula 4 290311 bioeletrogênese
 
Bioeletrogênese
BioeletrogêneseBioeletrogênese
Bioeletrogênese
 
Potencial de membrana fij
Potencial de membrana fijPotencial de membrana fij
Potencial de membrana fij
 
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoNeurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
 
Potencial de ação
Potencial de açãoPotencial de ação
Potencial de ação
 
Potencial de ação enf
Potencial de ação enfPotencial de ação enf
Potencial de ação enf
 
99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso99257205 tecido-nervoso
99257205 tecido-nervoso
 
2 - Bioeletricidade.pdf
2 - Bioeletricidade.pdf2 - Bioeletricidade.pdf
2 - Bioeletricidade.pdf
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Neurofisiologia
 
Neurofisiologia
NeurofisiologiaNeurofisiologia
Neurofisiologia
 
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônioFisiologia - Potencial de Ação no neurônio
Fisiologia - Potencial de Ação no neurônio
 
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos(10) biologia e geologia   10º ano - regulação nos seres vivos
(10) biologia e geologia 10º ano - regulação nos seres vivos
 
Potencial de ação
Potencial de açãoPotencial de ação
Potencial de ação
 
09. Potencial de Ação Anexos.pptx.pdf
09. Potencial de Ação Anexos.pptx.pdf09. Potencial de Ação Anexos.pptx.pdf
09. Potencial de Ação Anexos.pptx.pdf
 

Fisiologia questoes

  • 1. FISIOLOGIA DOS SISTEMAS Anne Caroline Sabóia de Souza Caria
  • 2. Potencial de Ação dos Nervos • POTENCIAL DE REPOUSO- É o potencial da membrana, antes do início do potencial de ação. Diz-se que a membrana está “polarizada” durante esse estágio (-90mV) • DESPOLARIZAÇÃO - A membrana fica subitamente permeável aos ions Na+ permitindo o fluxo deles para o interior do axônio. O estado normal de ‘‘polarização’’ de -90mV é de imediato, neutralizado pelo influxo dos íons sódio com carga positiva e faz com que o potencial ultrapasse rapidamente o nível zero e torne-se positivo • REPOLARIZAÇÃO- Em alguns décimos de milésimos de segundo após a membrana ter ficado muito permeável aos ions Na+, os canais de K+ se abrem mais que o normal e os canais de Na+ se fecham. Então, a rápida difusão dos ions potássio para o exterior restabelece o potencial de repouso negativo da membrana • HIPERPOLARIZAÇÃO- Grande corrente de saída de íons de potássio pelos canais voltagem-dependentes de potássio gera temporariamente um potencial mais negativo do que o potencial de repouso de membrana. Esse fenômeno é conhecido como hiperpolarização de membrana
  • 3. • PERÍODO REFRATÁRIO RELATIVO- Os canais de Na+ somente voltam a poder ser estimulados apenas depois que a membrana estiver totalmente repolarizada. Enquando não houver um número suficiente de canais de Na+ nessa condição, é possível estimular o neurônio, mas ele responderá somente se a intensidade for bem maior. É o que denominamos de período refratário relativo • PERÍODO REFRATÁRIO ABSOLUTO- Quando os canais estão totalmente fechados e é impossível estimular o neurônio, por maior que seja a intensidade do estímulo, dizemos que o período refratário é absoluto
  • 4. Resolução de Questões 6. Em uma determinada célula qual das fases abaixo é provocada pela inativação elétrica dos canais de sódio dependentes de voltagem? a) Despolarização b) Período refratário relativo ***c) Período refratário absoluto d) Repolarização e) Hiperpolarização
  • 5. Transporte Ativo Secundário O contratransporte é um mecanismo de transporte ativo através do qual uma substância é transportada contra um gradiente eletroquímico, aproveitando a "carona energética" de uma outra substância que é transportada a favor de seu gradiente eletroquímico, sendo as duas substâncias transportadas em sentidos opostos A proteína transportadora apresenta um sítio receptor para a fixação do íon sódio, voltado para o lado externo da membrana celular, e um sítio receptor para a fixação do íon hidrogênio, voltado para o lado interno da membrana. Enquanto o sódio é transportado para dentro da célula, o hidrogênio é transportado para fora da célula, ou seja, os dois íons são transportados em sentidos opostos O transporte do íon hidrogênio ocorre contra o seu gradiente eletroquímico, graças ao transporte simultâneo do íon sódio a favor do seu gradiente eletroquímico. Por sua vez, o gradiente eletroquímico do sódio é mantido pela Na,K-ATPase (a qual realiza transporte ativo primário), logo, o transporte de hidrogênio é ativo secundário
  • 6. Resolução de Questões 7. Qual dos seguintes íons sofre contra-transporte para energizar o transporte do neurotransmissor nas vesículas sinápticas? a) K+ b) Na+ ***c) H+ d) Cl- e) Ca++
  • 7. Junções Comunicantes ‘’gap junctions’’ • É um tipo de especialização do domínio basolateral da membrana plasmática, são canais protéicos hidrofílicos que medeiam a comunicação elétrica e/ou metabólica entre células vizinhas diretamente, sem a necessidade de atravessar a importante barreira que é o plasmalema • Às junções comunicantes são atribuídas as funções de união elétrica e/ou metabólica
  • 8. 8. Qual das seguintes afirmativas com relação às junções comunicantes, gap junctions, é INCORRETA? a) Permitem a passagem dos segundos mensageiros de célula para célula b) Permitem alterações de voltagem em uma célula para se disseminar nas outras células c) Podem conter um ou mais tipos de subunidades ***d) Tipicamente são abertas para o espaço extracelular e) São reguladas por voltagem Resolução de Questões
  • 9. Bainha de Mielina •É uma bainha rica em lipídeos revestindo muitos axônios tanto no sistema nervoso central como no periférico. A bainha de mielina é um isolante elétrico que permite uma condução mais rápida e mais energeticamente eficiente dos impulsos •Esta bainha é formada pelas membranas celulares das células da glia (células de Schwann no sistema nervoso periférico e oligodendróglia no sistema nervoso central) Fonte: Bireme – DeCs (Descritores em Ciência da Saúde)
  • 10. Bainha de Mielina Problemas da desmielinização Se a mielinização começar a se desfazer no cérebro de um indivíduo, podem ocorrer problemas neurológicos como a esclerose múltipla, a doença de Parkinson e o mal de Alzheimer
  • 11. Fatores que interferem na velocidade de condução do potencial de ação 1- Capacitância da membrana: Quanto maior a capacitância, menor é a velocidade de condução, já que é necessário maior tempo para descarregar o capacitor (membrana no caso) 2- Resistência (interna e da membrana): Quanto maior a resistência, menor é a velocidade de condução 3- Diâmetro da fibra nervosa: Quanto maior o diâmetro da fibra, maior é a velocidade 4- Meirinha: Fibras mielinizadas conduzem muito mais rapidamente que fibras não mielinizadas, visto que as fibras mielinizadas tem menor capacitância, portanto descarregam mais rapidamente, além do mais a resistência interna não se modifica. Somente a resistência da membrana aumenta. Além disto, os pot. de ação, são gerados somente em locais de alta condutância, os chamados Nodos de Ranvier, que são espaços que aparecem a cada 1 a 2 mm, permitindo a chamada condução saltatória 5- Temperatura: Quanto maior a temperatura, maior é a “agitação” molecular, aumentando conseqüentemente o fluxo iônico e a velocidade de condução do potencial elétrico  
  • 12. Resolução de Questões 9. A mielinização dos axônios: a) reduz a velocidade de condução para promover transmissão mais confiável ***b) força o impulso nervoso para saltar de nó em nó c) ocorre em excesso na esclerose múltipla d) leva a um aumento da capacitância efetiva da membrana e) reduz a constante de comprimento para a disseminação passiva do potencial de membrana
  • 13. Potencial Inibitório Pós-sináptico (PIPS) É uma diminuição temporária do potencial de membrana pós-sináptico causado por um fluxo de ions negativos para dentro ou positivos para fora da célula pós-sináptica. É o oposto do potencial pós-sináptico excitatório, causado por um influxo de íons positivos para dentro da célula • O Potencial Inibitório Pós-sináptico é gerado quando há hiperpolarização da célula pós- sináptica, tornando mais difícil a geração de um potencial de ação • A duração do PIPS é curta e o potencial da célula rapidamente retorna ao normal • As sinapses que geram esses potenciais inibitórios geralmente são do tipo axossomáticas, dessa forma os PIPS compensam seu menor número, pois chegam mais rapidamente à zona de disparo, além de perderem menos energia em seu trajeto
  • 14. Os potenciais pós-sinápticos podem ser inibitórios ouOs potenciais pós-sinápticos podem ser inibitórios ou excitatórios dependendo do neurotransmissorexcitatórios dependendo do neurotransmissor Potenciais inibitórios pós-sinápticos Neurotransmissores: GABA, Glicina Potenciais excitatórios pós-sinápticos Neurotransmissores: glutamato, acetilcolina
  • 15. Resolução de Questões 10. Os potenciais inibitórios pós-sinápticos podem surgir de todos os fatores seguintes, EXCETO do(a): a) aumento da permeabilidade da membrana nervosa aos íons Cl- b) aplicação direta de GABA nos neurônios c) aumento da permeabilidade da membrana celular aos íons K+ ***d) aumento da permeabilidade da membrana celular aos íons Na+ e) inibição do glutamato nos neurônios