SlideShare uma empresa Scribd logo
Pessoal,

Este é o modelo de um fichamento ideal.

As observações grifadas em amarelo são apenas para alertá-los para os itens que um
fichamento deve conter e, portanto, não devem ser repetidas na versão para entrega. Boa
atividade!



03/04/2011 - Fichamento
   indicações bibliográficas (sobrenome e nome do(a) autor(a), título da obra, local de publicação, editora,
   data, páginas);
CHAUÍ, Marilena. Filosofia. São Paulo: Ática, 2008. pp. 10-17.



NOSSAS CRENÇAS COSTUMEIRAS


    Em nosso cotidiano, estão presentes várias crenças, as crenças costumeiras. Como se
    pode perceber, a ideia está registrada com vocabulário próprio.
    Conceito de crença: “coisas ou ideias em que acreditamos sem questionar, que
    aceitamos porque são óbvias, evidentes.” (p. 1) Aqui, como em outros momentos, a
    citação reforça o registro. Não podemos nos esquecer de assinalar a página da qual a
    citação foi retirada. É preciso selecionar bem o que vai ser citado para não transformar
    o fichamento em uma coletânea de citações do autor.


CONHECENDO AS COISAS
    As crenças costumeiras também são chamadas pela autora de crenças silenciosas. O
    negrito tem a função de reforçar a importância dos termos para a compreensão do
    texto. Se o fichamento estiver sendo feito manualmente, esta ênfase pode expressar-se
    por um grifo ou uso de outra cor de tinta.
    Todos acham óbvio que os seres humanos sigam regras e normas de conduta; tenham
    valores; vivam na companhia dos semelhantes e se distanciem dos diferentes e isso
    nos faz crer que “somos seres sociais, morais e racionais, pois regras, normas, valores,
    finalidades só podem ser estabelecidos por seres conscientes e dotados de raciocínio.”
    (p. 2)
    Consideramos natural precisar dos semelhantes “e por isso tomamos como um fato
    óbvio e inquestionável a existência da sociedade com suas regras, normas, permissões
    e proibições.” (p. 2)

E SE NÃO FOR BEM ASSIM?
       Acreditamos na liberdade, mas que as regras da sociedade nos dominam.
MOMENTOS DE CRISE
   O conflito entre as crenças e o saber indica o momento em que mudamos de atitude.
   “quando aquilo em que sempre acreditamos é contrariado por uma outra forma de
   conhecimento, entramos em crise.” (p. 3)
   Ao questionarmos aquilo em que acreditamos, estamos mudando de atitude. Como
   diz a autora, no momento em que “o que era objeto de crença aparece como algo
   contraditório ou problemático e por isso se transforma em indagação ou interrogação,
   estamos passando da atitude costumeira à atitude filosófica.” (p. 4)
   O desejo de saber é expresso por essa mudança de atitude, ou seja, pelo
   descontentamento com as crenças ou com as opiniões preestabelecidas. “E é
   exatamente isso o que, na origem, a palavra filosofia significa, pois, em grego,
   philosophía quer dizer ‘amor à sabedoria’.” (p. 4)


BUSCANDO A SAÍDA DA CAVERNA OU A ATITUDE FILOSÓFICA

   Ao tomar a decisão de questionar, a pessoa se afasta da vida cotidiana - “pois estaria
   indagando o que são as crenças e os sentimentos que alimentam, silenciosamente,
   nossa existência” - e adota uma atitude filosófica.
   A autora define Filosofia como a “decisão de não aceitar como naturais, óbvias e
   evidentes as coisas, as ideias, os fatos, as situações, os valores, os comportamentos de
   nossa existência cotidiana”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Laércio Góes
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
éTica na história
éTica na históriaéTica na história
éTica na história
Marcela Marangon Ribeiro
 
Fato social Durkheim
Fato social   DurkheimFato social   Durkheim
Fato social Durkheim
Carlos Alberto Monteiro
 
Prova de Filosofia IV bimestre 2015
Prova de Filosofia  IV bimestre 2015Prova de Filosofia  IV bimestre 2015
Prova de Filosofia IV bimestre 2015
Mary Alvarenga
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Marcela Marangon Ribeiro
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
Angela Pereira de Farias
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
Beatriz Schnaider Tontini
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
Jonathan Nascyn
 
Cultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoCultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológico
Direito Nabuco
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
Carlos Tesch
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Uniceuma
 
Indústria cultural cultura de massa pdf
Indústria cultural cultura de massa   pdfIndústria cultural cultura de massa   pdf
Indústria cultural cultura de massa pdf
Celso Firmino Sociologia/Filosofia
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
Mary Alvarenga
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
Paulo Alexandre
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
Edenilson Morais
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Matheus Alves
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
maloa
 

Mais procurados (20)

Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
éTica na história
éTica na históriaéTica na história
éTica na história
 
Fato social Durkheim
Fato social   DurkheimFato social   Durkheim
Fato social Durkheim
 
Prova de Filosofia IV bimestre 2015
Prova de Filosofia  IV bimestre 2015Prova de Filosofia  IV bimestre 2015
Prova de Filosofia IV bimestre 2015
 
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialéticoKarl marx e o materialismo histórico e dialético
Karl marx e o materialismo histórico e dialético
 
Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária    Psicologia Comunitária
Psicologia Comunitária
 
Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
 
Cultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológicoCultura: um conceito antropológico
Cultura: um conceito antropológico
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
 
Indústria cultural cultura de massa pdf
Indústria cultural cultura de massa   pdfIndústria cultural cultura de massa   pdf
Indústria cultural cultura de massa pdf
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
Apostila de sociologia - Volume 1 (1° ano do EM)
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
 

Destaque

Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Rita Gonçalves
 
Como fazer fichamento de texto ou livro
Como fazer fichamento de texto ou livroComo fazer fichamento de texto ou livro
Como fazer fichamento de texto ou livro
Luiz Henrique Araujo
 
Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
Portal do Vestibulando
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
Mister B
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
Raquel Reino
 
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena ChauíPara que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Contatonalua
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
Wladimir Crippa
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Turma Olímpica
 
Fichamento 4
Fichamento 4Fichamento 4
Fichamento 4
grupoterminalidade2
 
Fichamento do texto
Fichamento do texto Fichamento do texto
Fichamento do texto
pibidsociais
 
Fichamento modelo
Fichamento modeloFichamento modelo
Fichamento modelo
Vivi Velozo
 
Fichamento estatuto do desarmamento. índio
Fichamento estatuto do desarmamento. índioFichamento estatuto do desarmamento. índio
Fichamento estatuto do desarmamento. índio
Odinei Maciel
 
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou LivroComo fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
INSTITUTO GENS
 
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Miloka2
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
Como realizar o fichamento
Como realizar o fichamentoComo realizar o fichamento
Como realizar o fichamento
Faell Vasconcelos
 
Atividade 3 fichamento texto 6
Atividade 3 fichamento texto 6Atividade 3 fichamento texto 6
Atividade 3 fichamento texto 6
alessandrogestao
 
Modelo de fichamento de leitura
Modelo de fichamento de leituraModelo de fichamento de leitura
Modelo de fichamento de leitura
Diego Fruscalso
 
Modelo de fichamento
Modelo de fichamentoModelo de fichamento
Modelo de fichamento
Juliana Fonseca Duarte
 
Marilena chauí
Marilena chauíMarilena chauí

Destaque (20)

Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
 
Como fazer fichamento de texto ou livro
Como fazer fichamento de texto ou livroComo fazer fichamento de texto ou livro
Como fazer fichamento de texto ou livro
 
Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
 
Modelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em wordModelo de-fichamento em word
Modelo de-fichamento em word
 
A atitude filosófica
A atitude filosóficaA atitude filosófica
A atitude filosófica
 
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena ChauíPara que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
Para que Filosofia - Introdução do livro Convite á Filosofia de Marilena Chauí
 
Fichamento O Que é Sociologia
Fichamento   O Que é SociologiaFichamento   O Que é Sociologia
Fichamento O Que é Sociologia
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
 
Fichamento 4
Fichamento 4Fichamento 4
Fichamento 4
 
Fichamento do texto
Fichamento do texto Fichamento do texto
Fichamento do texto
 
Fichamento modelo
Fichamento modeloFichamento modelo
Fichamento modelo
 
Fichamento estatuto do desarmamento. índio
Fichamento estatuto do desarmamento. índioFichamento estatuto do desarmamento. índio
Fichamento estatuto do desarmamento. índio
 
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou LivroComo fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
 
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Como realizar o fichamento
Como realizar o fichamentoComo realizar o fichamento
Como realizar o fichamento
 
Atividade 3 fichamento texto 6
Atividade 3 fichamento texto 6Atividade 3 fichamento texto 6
Atividade 3 fichamento texto 6
 
Modelo de fichamento de leitura
Modelo de fichamento de leituraModelo de fichamento de leitura
Modelo de fichamento de leitura
 
Modelo de fichamento
Modelo de fichamentoModelo de fichamento
Modelo de fichamento
 
Marilena chauí
Marilena chauíMarilena chauí
Marilena chauí
 

Semelhante a Fichamento Marilena Chauí - Filosofia e atitude filosófica

Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 01 - O que Po...
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 01 - O que Po...Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 01 - O que Po...
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 01 - O que Po...
Jordano Santos Cerqueira
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Andrea Parlen
 
A razao (1)
A razao (1)A razao (1)
A razao (1)
Carlos Custodio
 
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Diego Góes
 
Revista Projeto Inove 03
Revista Projeto Inove 03Revista Projeto Inove 03
Revista Projeto Inove 03
projetoinove
 
Apostila de filosofia senac 2012
Apostila de filosofia senac 2012Apostila de filosofia senac 2012
Apostila de filosofia senac 2012
LuizfmRamos
 
Tipos de ouvintes e de pregadores
Tipos de ouvintes e de pregadoresTipos de ouvintes e de pregadores
Tipos de ouvintes e de pregadores
Fernando Maia
 
A dimensão pessoal e social da Ética.pdf
A dimensão pessoal e social da Ética.pdfA dimensão pessoal e social da Ética.pdf
A dimensão pessoal e social da Ética.pdf
jmapinho
 
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdfRápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rosiberto Goncalves
 
AUTOCONHECIMENTO ENQUANTO POSSIBILIDADE EPISTEMOLÓGICA
AUTOCONHECIMENTO ENQUANTO POSSIBILIDADE EPISTEMOLÓGICAAUTOCONHECIMENTO ENQUANTO POSSIBILIDADE EPISTEMOLÓGICA
AUTOCONHECIMENTO ENQUANTO POSSIBILIDADE EPISTEMOLÓGICA
Robson Barcelos
 
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Essencialismo_e_Anti_Essencialismo_e_pra.pptx
Essencialismo_e_Anti_Essencialismo_e_pra.pptxEssencialismo_e_Anti_Essencialismo_e_pra.pptx
Essencialismo_e_Anti_Essencialismo_e_pra.pptx
Nertan Dias
 
Tipologia Argumentativa
Tipologia ArgumentativaTipologia Argumentativa
Tipologia Argumentativa
Ricardo Mota
 
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdfMathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Elizabete Vidal
 
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosóficoFilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
mro5060
 
Sobre o pensamento dogmático
Sobre o pensamento dogmáticoSobre o pensamento dogmático
Sobre o pensamento dogmático
Fernando Alcoforado
 
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógicoA educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
educacaofederal
 
Texto25 P7
Texto25 P7Texto25 P7
Texto25 P7
renatotf
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 02 - Traços
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 02 - TraçosFaceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 02 - Traços
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 02 - Traços
Jordano Santos Cerqueira
 
Conceitos Básicos - Literatura
Conceitos Básicos - LiteraturaConceitos Básicos - Literatura
Conceitos Básicos - Literatura
Carson Souza
 

Semelhante a Fichamento Marilena Chauí - Filosofia e atitude filosófica (20)

Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 01 - O que Po...
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 01 - O que Po...Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 01 - O que Po...
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 01 - O que Po...
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
 
A razao (1)
A razao (1)A razao (1)
A razao (1)
 
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
Deus, uma ideia improvável -- Religião, psicologia, filosofia e sociedade. - ...
 
Revista Projeto Inove 03
Revista Projeto Inove 03Revista Projeto Inove 03
Revista Projeto Inove 03
 
Apostila de filosofia senac 2012
Apostila de filosofia senac 2012Apostila de filosofia senac 2012
Apostila de filosofia senac 2012
 
Tipos de ouvintes e de pregadores
Tipos de ouvintes e de pregadoresTipos de ouvintes e de pregadores
Tipos de ouvintes e de pregadores
 
A dimensão pessoal e social da Ética.pdf
A dimensão pessoal e social da Ética.pdfA dimensão pessoal e social da Ética.pdf
A dimensão pessoal e social da Ética.pdf
 
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdfRápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
Rápido e Devagar Duas Formas de Pensar - Daniel Kahneman.pdf
 
AUTOCONHECIMENTO ENQUANTO POSSIBILIDADE EPISTEMOLÓGICA
AUTOCONHECIMENTO ENQUANTO POSSIBILIDADE EPISTEMOLÓGICAAUTOCONHECIMENTO ENQUANTO POSSIBILIDADE EPISTEMOLÓGICA
AUTOCONHECIMENTO ENQUANTO POSSIBILIDADE EPISTEMOLÓGICA
 
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
 
Essencialismo_e_Anti_Essencialismo_e_pra.pptx
Essencialismo_e_Anti_Essencialismo_e_pra.pptxEssencialismo_e_Anti_Essencialismo_e_pra.pptx
Essencialismo_e_Anti_Essencialismo_e_pra.pptx
 
Tipologia Argumentativa
Tipologia ArgumentativaTipologia Argumentativa
Tipologia Argumentativa
 
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdfMathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
Mathew Lipman, Ann Margaret Sharp e outros - Filosofia para Crianças.pdf
 
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosóficoFilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
FilosofiaIntrodução a filosofia e senso comum e filosófico
 
Sobre o pensamento dogmático
Sobre o pensamento dogmáticoSobre o pensamento dogmático
Sobre o pensamento dogmático
 
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógicoA educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
A educação espiritualizada e suas implicações no fazer pedagógico
 
Texto25 P7
Texto25 P7Texto25 P7
Texto25 P7
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 02 - Traços
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 02 - TraçosFaceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 02 - Traços
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Filosofia do Direito - 02 - Traços
 
Conceitos Básicos - Literatura
Conceitos Básicos - LiteraturaConceitos Básicos - Literatura
Conceitos Básicos - Literatura
 

Mais de Vitoria Cancelli

Mapa mostre explique 2012
Mapa mostre explique 2012Mapa mostre explique 2012
Mapa mostre explique 2012
Vitoria Cancelli
 
Helenismo
HelenismoHelenismo
Helenismo
Vitoria Cancelli
 
Silogismo
SilogismoSilogismo
Silogismo
Vitoria Cancelli
 
Apresentação de seminários
Apresentação de semináriosApresentação de seminários
Apresentação de seminários
Vitoria Cancelli
 
Álbum de imagens 5 – Períodos da pré-história
Álbum de imagens 5 – Períodos da pré-históriaÁlbum de imagens 5 – Períodos da pré-história
Álbum de imagens 5 – Períodos da pré-história
Vitoria Cancelli
 
Álbum de imagens 4 – Evolução humana
Álbum de imagens 4 – Evolução humana Álbum de imagens 4 – Evolução humana
Álbum de imagens 4 – Evolução humana
Vitoria Cancelli
 
Álbum de imagens 3 - Formação da Terra e surgimento da vida
Álbum de imagens 3 - Formação da Terra e surgimento da vida Álbum de imagens 3 - Formação da Terra e surgimento da vida
Álbum de imagens 3 - Formação da Terra e surgimento da vida
Vitoria Cancelli
 
Álbum de imagens 3 - Formação da terra e surgimento da vida
Álbum de imagens 3 - Formação da terra e surgimento da vidaÁlbum de imagens 3 - Formação da terra e surgimento da vida
Álbum de imagens 3 - Formação da terra e surgimento da vida
Vitoria Cancelli
 
Álbum de imagens 2 - Sítios arqueologicos
Álbum de imagens 2 - Sítios arqueologicosÁlbum de imagens 2 - Sítios arqueologicos
Álbum de imagens 2 - Sítios arqueologicos
Vitoria Cancelli
 
Álbum 1 - Teorias sobre o surgimento da vida
Álbum 1 - Teorias sobre o surgimento da vidaÁlbum 1 - Teorias sobre o surgimento da vida
Álbum 1 - Teorias sobre o surgimento da vida
Vitoria Cancelli
 
Ficha
Ficha Ficha
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Vitoria Cancelli
 
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Vitoria Cancelli
 
Projeto matrix e a filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto matrix e a filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...Projeto matrix e a filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto matrix e a filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Vitoria Cancelli
 
Projeto Matrix e a Filosofia - Roteiro para leitura exploratória - padrão de ...
Projeto Matrix e a Filosofia - Roteiro para leitura exploratória - padrão de ...Projeto Matrix e a Filosofia - Roteiro para leitura exploratória - padrão de ...
Projeto Matrix e a Filosofia - Roteiro para leitura exploratória - padrão de ...
Vitoria Cancelli
 
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 3
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 3Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 3
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 3
Vitoria Cancelli
 
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 4
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 4Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 4
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 4
Vitoria Cancelli
 
Modelo de leitura - Texto Marilena Chauí - página 1
Modelo de leitura - Texto Marilena Chauí - página 1Modelo de leitura - Texto Marilena Chauí - página 1
Modelo de leitura - Texto Marilena Chauí - página 1
Vitoria Cancelli
 
Metodologia científica leitura
Metodologia científica   leituraMetodologia científica   leitura
Metodologia científica leitura
Vitoria Cancelli
 
Metodologia científica leitura
Metodologia científica   leituraMetodologia científica   leitura
Metodologia científica leitura
Vitoria Cancelli
 

Mais de Vitoria Cancelli (20)

Mapa mostre explique 2012
Mapa mostre explique 2012Mapa mostre explique 2012
Mapa mostre explique 2012
 
Helenismo
HelenismoHelenismo
Helenismo
 
Silogismo
SilogismoSilogismo
Silogismo
 
Apresentação de seminários
Apresentação de semináriosApresentação de seminários
Apresentação de seminários
 
Álbum de imagens 5 – Períodos da pré-história
Álbum de imagens 5 – Períodos da pré-históriaÁlbum de imagens 5 – Períodos da pré-história
Álbum de imagens 5 – Períodos da pré-história
 
Álbum de imagens 4 – Evolução humana
Álbum de imagens 4 – Evolução humana Álbum de imagens 4 – Evolução humana
Álbum de imagens 4 – Evolução humana
 
Álbum de imagens 3 - Formação da Terra e surgimento da vida
Álbum de imagens 3 - Formação da Terra e surgimento da vida Álbum de imagens 3 - Formação da Terra e surgimento da vida
Álbum de imagens 3 - Formação da Terra e surgimento da vida
 
Álbum de imagens 3 - Formação da terra e surgimento da vida
Álbum de imagens 3 - Formação da terra e surgimento da vidaÁlbum de imagens 3 - Formação da terra e surgimento da vida
Álbum de imagens 3 - Formação da terra e surgimento da vida
 
Álbum de imagens 2 - Sítios arqueologicos
Álbum de imagens 2 - Sítios arqueologicosÁlbum de imagens 2 - Sítios arqueologicos
Álbum de imagens 2 - Sítios arqueologicos
 
Álbum 1 - Teorias sobre o surgimento da vida
Álbum 1 - Teorias sobre o surgimento da vidaÁlbum 1 - Teorias sobre o surgimento da vida
Álbum 1 - Teorias sobre o surgimento da vida
 
Ficha
Ficha Ficha
Ficha
 
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
 
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto Matrix e a Filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
 
Projeto matrix e a filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto matrix e a filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...Projeto matrix e a filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
Projeto matrix e a filosofia - roteiro para leitura analítica - padrão de res...
 
Projeto Matrix e a Filosofia - Roteiro para leitura exploratória - padrão de ...
Projeto Matrix e a Filosofia - Roteiro para leitura exploratória - padrão de ...Projeto Matrix e a Filosofia - Roteiro para leitura exploratória - padrão de ...
Projeto Matrix e a Filosofia - Roteiro para leitura exploratória - padrão de ...
 
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 3
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 3Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 3
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 3
 
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 4
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 4Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 4
Modelo de leitura - texto Marilena Chauí - página 4
 
Modelo de leitura - Texto Marilena Chauí - página 1
Modelo de leitura - Texto Marilena Chauí - página 1Modelo de leitura - Texto Marilena Chauí - página 1
Modelo de leitura - Texto Marilena Chauí - página 1
 
Metodologia científica leitura
Metodologia científica   leituraMetodologia científica   leitura
Metodologia científica leitura
 
Metodologia científica leitura
Metodologia científica   leituraMetodologia científica   leitura
Metodologia científica leitura
 

Último

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

Fichamento Marilena Chauí - Filosofia e atitude filosófica

  • 1. Pessoal, Este é o modelo de um fichamento ideal. As observações grifadas em amarelo são apenas para alertá-los para os itens que um fichamento deve conter e, portanto, não devem ser repetidas na versão para entrega. Boa atividade! 03/04/2011 - Fichamento indicações bibliográficas (sobrenome e nome do(a) autor(a), título da obra, local de publicação, editora, data, páginas); CHAUÍ, Marilena. Filosofia. São Paulo: Ática, 2008. pp. 10-17. NOSSAS CRENÇAS COSTUMEIRAS Em nosso cotidiano, estão presentes várias crenças, as crenças costumeiras. Como se pode perceber, a ideia está registrada com vocabulário próprio. Conceito de crença: “coisas ou ideias em que acreditamos sem questionar, que aceitamos porque são óbvias, evidentes.” (p. 1) Aqui, como em outros momentos, a citação reforça o registro. Não podemos nos esquecer de assinalar a página da qual a citação foi retirada. É preciso selecionar bem o que vai ser citado para não transformar o fichamento em uma coletânea de citações do autor. CONHECENDO AS COISAS As crenças costumeiras também são chamadas pela autora de crenças silenciosas. O negrito tem a função de reforçar a importância dos termos para a compreensão do texto. Se o fichamento estiver sendo feito manualmente, esta ênfase pode expressar-se por um grifo ou uso de outra cor de tinta. Todos acham óbvio que os seres humanos sigam regras e normas de conduta; tenham valores; vivam na companhia dos semelhantes e se distanciem dos diferentes e isso nos faz crer que “somos seres sociais, morais e racionais, pois regras, normas, valores, finalidades só podem ser estabelecidos por seres conscientes e dotados de raciocínio.” (p. 2) Consideramos natural precisar dos semelhantes “e por isso tomamos como um fato óbvio e inquestionável a existência da sociedade com suas regras, normas, permissões e proibições.” (p. 2) E SE NÃO FOR BEM ASSIM? Acreditamos na liberdade, mas que as regras da sociedade nos dominam.
  • 2. MOMENTOS DE CRISE O conflito entre as crenças e o saber indica o momento em que mudamos de atitude. “quando aquilo em que sempre acreditamos é contrariado por uma outra forma de conhecimento, entramos em crise.” (p. 3) Ao questionarmos aquilo em que acreditamos, estamos mudando de atitude. Como diz a autora, no momento em que “o que era objeto de crença aparece como algo contraditório ou problemático e por isso se transforma em indagação ou interrogação, estamos passando da atitude costumeira à atitude filosófica.” (p. 4) O desejo de saber é expresso por essa mudança de atitude, ou seja, pelo descontentamento com as crenças ou com as opiniões preestabelecidas. “E é exatamente isso o que, na origem, a palavra filosofia significa, pois, em grego, philosophía quer dizer ‘amor à sabedoria’.” (p. 4) BUSCANDO A SAÍDA DA CAVERNA OU A ATITUDE FILOSÓFICA Ao tomar a decisão de questionar, a pessoa se afasta da vida cotidiana - “pois estaria indagando o que são as crenças e os sentimentos que alimentam, silenciosamente, nossa existência” - e adota uma atitude filosófica. A autora define Filosofia como a “decisão de não aceitar como naturais, óbvias e evidentes as coisas, as ideias, os fatos, as situações, os valores, os comportamentos de nossa existência cotidiana”.