Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.

6.659 visualizações

Publicada em

O olhar Sociológico

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.659
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociologia - O processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade.

  1. 1. SOCIOLOGIA 1ª Série 1º Bimestre O Processo de desnaturalização ou estranhamento da realidade. 07/03/2015 Prof. Manoelito 1
  2. 2. 07/03/2015 Prof. Manoelito 2 Conteúdos e temas:  A construção de um olhar de estranhamento sobre a realidade;  Diferenciação entre o olhar do sociólogo e o olhar do senso comum.
  3. 3. 07/03/2015 Prof. Manoelito 3 Competências e habilidades:  Desenvolver o espírito crítico e sua capacidade de observação da sociedade;  Desenvolver habilidades de leitura, produção de textos contínuos e expressão oral;  Iniciar a construção de um olhar sociológico sobre a realidade;  Tornar o aluno consciente de que não há olhar natural, todos os olhares são sempre construções.
  4. 4. 07/03/2015 Prof. Manoelito 4 Por que é importante entender a especificidade do olhar sociológico sobre a realidade? Qual é esse olhar? O Processo de construção do olhar sociológico.
  5. 5. 07/03/2015 Prof. Manoelito 5 Para a construção do olhar sociológico, é preciso lançar um olhar de estranhamento sobre a realidade, é preciso “desnaturalizar” o olhar. A Sociologia, enquanto ciência, possui preocupações próprias e, consequentemente, uma forma específica de voltar seu olhar para a realidade.
  6. 6. 07/03/2015 Prof. Manoelito 6 O treino do olhar é o primeiro passo para a construção de um olhar sociológico para a realidade, e este se faz com base no estranhamento do cotidiano. Estamos acostumados a encarar tudo como natural, como se o mundo e as coisas que nos cercam fossem “naturais” e sempre tivessem sido assim. Para desenvolver um olhar sociológico é preciso quebrar tal forma de encarar a realidade.
  7. 7. 07/03/2015 Prof. Manoelito 7 O olhar de estranhamento tem a ver com observar a realidade e compreender que o nosso olhar nunca é neutro. O ser humano não olha simplesmente. Toda vez que observa algo, o faz a partir de uma perspectiva, de um ponto de vista.
  8. 8. 07/03/2015 Prof. Manoelito 8 Esse olhar é repleto de prenoções que podem ser positivas ou negativas. E o estranhamento nos ajuda a ter consciência disso. Um dos objetivos da Sociologia, no Ensino Médio, é debruçar-se sobre tais preconceitos e prenoções, identificando e ressignificando-os.
  9. 9. 07/03/2015 Prof. Manoelito 9 O imediatismo do olhar Por que é preciso se distanciar do olhar do senso comum para desenvolver um olhar científico? É porque a Sociologia é uma ciência e o conhecimento científico não é construído com base no senso comum.
  10. 10. 07/03/2015 Prof. Manoelito 10 Leiam os dois textos reproduzidos a seguir que podem ajudá-los na tarefa de mostrar a importância do estudo da Sociologia e a diferença entre o olhar da ciência e o olhar do senso comum.
  11. 11. 07/03/2015 Prof. Manoelito 11 Texto 1 Olhamos o mundo e parece que simplesmente vemos as coisas tal como elas são. Entretanto, ao olhar alguma coisa e nomeá-la, é preciso ter antes uma ideia do que ela seja; as pessoas têm alguma ideia do que é um carro, e, por isso, quando veem diferentes carros, podem dizer que viram um. O olhar humano sempre está repleto de prenoções sobre a realidade que nos ajudam a compreendê-la. E elas estão repletas de conhecimento do senso comum.
  12. 12. 07/03/2015 Prof. Manoelito 12 O conhecimento do senso comum é uma forma válida de pensamento, mas não é a única possível. Há, por exemplo, o conhecimento científico. O conhecimento científico parte do senso comum para olhar a realidade, mas ele sempre precisa ir além do senso comum.
  13. 13. 07/03/2015 Prof. Manoelito 13 Nosso olhar nunca é um olhar neutro, ele está sempre repleto dessas prenoções que vêm do senso comum. Para lançar um olhar sociológico sobre a realidade é necessário afastar-se dessa forma de observá-la. E é necessário um método. Método é a forma pela qual um cientista observa e analisa seu objeto de estudo. Ou seja, é o modo como estuda a realidade. Os métodos variam de uma ciência para outra, dependendo do seu objeto de estudo, ou seja, daquilo que elas estudam.
  14. 14. 07/03/2015 Prof. Manoelito 14 Toda construção científica é um lento processo de afastamento do senso comum. Não se pensa sociologicamente quando imerso no senso comum. O problema é que estamos imersos nele. Nossa maneira de pensar, de agir e de sentir está repleta desse tipo de conhecimento.
  15. 15. 07/03/2015 Prof. Manoelito 15 Apesar de ser uma forma válida de conhecimento, não é ciência. A ciência se constrói a partir de um cuidado metodológico ao olhar a realidade que procura se afastar dos juízos de valor típicos do senso comum. E para construir um olhar sociológico sobre a realidade, o primeiro recurso metodológico é o olhar de estranhamento.
  16. 16. 07/03/2015 Prof. Manoelito 16 Texto 2 Sociologia e formação pessoal: A importância do estudo da Sociologia Em que medida a Sociologia pode contribuir para a sua formação pessoal? Muitos diriam que essa ciência social, num currículo de ensino médio, tem a função de formar o “cidadão crítico”. Mas essa justificativa – até porque a ideia de formar o cidadão crítico anda meio banalizada –, não é suficiente.
  17. 17. 07/03/2015 Prof. Manoelito 17 Pensar sobre esse tema significa uma oportunidade ímpar para se aproximar da sociologia como campo de saber e compreender algo de suas preocupações. Vale a pena inserir nesse contexto o papel mais fundamental que o pensamento sociológico realiza na formação do jovem: a desnaturalização das concepções ou explicações dos fenômenos sociais.
  18. 18. 07/03/2015 Prof. Manoelito 18 Razões objetivas e humanas Desnaturalizar os fenômenos sociais significa não perder de vista a sua historicidade. É considerar que eles nem sempre foram assim. É perceber que certas mudanças ou descontinuidades históricas são fruto de decisões. Estas revelam interesses e, portanto, são fruto de razões objetivas e humanas.
  19. 19. 07/03/2015 Prof. Manoelito 19 A desnaturalização dos fenômenos sociais também depende de nos distanciarmos daquilo que nos rodeia e de que participamos, para focalizar as relações sociais sem estarmos envolvidos. Significa considerar que os fenômenos sociais não são imediatamente conhecidos.
  20. 20. 07/03/2015 Prof. Manoelito 20 Reconhecendo as causas Para explicar um fenômeno social é preciso procurar as causas que estão além do sujeito, isto é, buscar as causas externas a ele, mas que têm implicações decisivas sobre ele. Essas causas devem apresentar certa regularidade, periodicidade e um papel específico em relação ao todo social.
  21. 21. 07/03/2015 Prof. Manoelito 21 Aprender a observar Uma aproximação em relação à sociologia, mesmo no ensino médio, exige que o aluno aprenda procedimentos mais rigorosos de observação das relações sociais. E, ainda, que saiba, pelo menos em alguma medida, como o conhecimento é elaborado nas ciências sociais. Para compreender e formular explicações para os fenômenos sociais é preciso ter conhecimento da linguagem por meio da qual esse conhecimento é criado e comunicado.
  22. 22. 07/03/2015 Prof. Manoelito 22 Características do conhecimento do senso comum.  Imediatista: o senso comum caracteriza-se, muitas vezes, por ser extremamente simplista e despreocupado quanto ao emprego de definições e terminologias. Não é, portanto, fruto de uma reflexão cuidadosa;
  23. 23. 07/03/2015 Prof. Manoelito 23 Superficial: a superficialidade dessa forma de conhecimento está relacionada com o fato de que ele se conforma com a aparência, com o que lhe é familiar, permanecendo na superfície das coisas;
  24. 24. 07/03/2015 Prof. Manoelito 24 Acrítico: outra característica é o fato de ele ser, muitas vezes, uma forma de conhecimento acrítico, ou seja, não estabelece uma visão aprofundada do que vê, não questiona o que é dito;
  25. 25. 07/03/2015 Prof. Manoelito 25 Cheio de sentimentos: muitas vezes, nossa visão da realidade é excessivamente marcada pelas nossas emoções, e as emoções normalmente tiram a objetividade da pessoa, pois são pessoais e não estão baseadas na razão. Elas podem nos fazer agir de forma irracional;
  26. 26. 07/03/2015 Prof. Manoelito 26 Cheio de preconceitos: ele também é, muitas vezes, repleto de preconceitos. O preconceito é o conceituar antecipadamente, ou seja, é a atitude de achar que já se sabe algo, sem realmente conhecê-lo, valendo-se de explicações prontas repletas de juízos de valor. Portanto, a atitude preconceituosa em relação à realidade e a tudo o que a cerca é aquela da pessoa que julga sem conhecer, com base no que acredita que é ou no que deva ser.
  27. 27. 07/03/2015 Prof. Manoelito 27 Tais características estão intimamente relacionadas, pois alimentam umas às outras. Desse modo, se quisermos construir um conhecimento coerente e consistente, precisamos afastar as prenoções e os julgamentos de valor que estão presentes no senso comum.
  28. 28. 07/03/2015 Prof. Manoelito 28 FIM

×