SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI
FACULDADE METROPOLITANA DE GUARAMIRIM
CIENCIA POLITICA
DIREITO 1.1
FICHA DESTAQUES/REFERENTE DE OBRA CIENTÍFICA
1. NOME COMPLETO DO AUTOR DO FICHAMENTO: Robson Becker
2. OBRA(s) EM FICHAMENTO: PLATÃO, A Republica Saccou, R. São Paulo 1°Ed. 19657.
3. ESPECIFICAÇÃO DO REFERENTE UTILIZADO: Referencias Jurídicas contidas na obra de
Platão.
4. DESTAQUES CONFORME REFERENTE:
4.1 “Aristocles nasceu em Atenas em 428/427 a.C descendente de Sólon e
Codros,segundo Aristóteles Platão foi primeiramente discípulo de Cratilo,depois
conheceu Sócrates, acreditava que a filosofia poderia ajuda-lo na política e
pretendia assim faze-lo, mas após a condenação de Sócrates e aos métodos
utilizados pelos aristocratas, preferiu afastar pelo menos momentaneamente da
política. Aos quarenta anos viajou para a Itália, depois para o Egito. O que o levou
para a Itália foi o desejo de conhecer a comunidade pitagoricas. Durante essa
viagem conheceu Dionísio I que o convida para ir a Saracusa, na Sicilia, com
intenção de influenciar o tirano no ideal do rei filosofo. Mas logo se indispôs com
ele e com sua corte. Estabeleceu forte vinculo de amizade com Dion, parente de
Dionísio, o qual acreditava que poderia ser discípulo e o tornar o rei filosofo.
Dionísio o vendeu como escravo, posteriormente foi resgatado por Anicerides de
Cirene. Retornando a Atenas fundou Academia, de onde adquiriu grande prestigio,
onde posteriormente após outras viagens ali ficou dirigindo a Academia ate sua
morte. (p.8-15)”.
4.2 “Platão faz Sócrates pronunciar nos diálogos Górgias- Creio ser eu dos poucos
atenienses, para não dizer o único, que tenta realizar a verdadeira arte política e o
único entre os contemporâneos que a pratica”.apenas um bom filosofo poderia
ser um bom político,sendo assim construir uma cidade autentica, o Estado
fundado sobre o valor supremo da justiça e do bem.Para Platão a Cidade significa
conhecer o homem e seu lugar no universo. Considera o problema central da
natureza da “justiça”, que constituiu o eixo em torno do qual giram todos os
outros temas e recebe a solução adequada através da observação de como nasce
uma cidade perfeita.Um estado nasce porque cada um de nós,não é
autárquico,isto é precisamos dos outros para sobreviver.(p10)”
4.3 “Orientou-se no sentido de determinar como constituir uma sociedade justa. Bem
como determinar sua organização, governo e a qualidade dos seus governantes.
Para Platão, a educação (paidéia) seria o ponto de partida e principal instrumento
de seleção e avaliação das aptidões de cada um. Sendo a alma humana (psikê) um
composto de três partes: o apetite, a coragem e a razão, todos nascem com essa
combinação, só que uma delas predomina sobre as demais, assim para cada
função exercida pelo cidadão seria necessário desenvolver sua virtude. Quando o
apetite prevalece sobre as demais este pertenceria a classes inferiores.
Prevalecendo o espírito corajoso e resoluto, seguramente irão fazer parte da
classe dos guardiões, dos soldados, responsáveis pela segurança da coletividade e
pelas guerras. Porém se deixando o individuo guiar-se pela sabedoria e pela razão
é obvio que apresenta as melhores aptidões para integrar-se nos setores
dirigentes dessa almejada sociedade. Os governantes deveriam contemplar o bem
e sua virtude seria sabedoria, este deveria dedicar mais ou menos cinquenta anos
de sua vida para os estudos de filosofia, subdivido no teste da dialética e depois da
experiência. A finalidade desta educação do político filosofa constitui em leva-lo
ao Maximo do conhecimento e a contemplação do bem. Basta que cada um siga as
leis, dessa cidade, segunda as leis do bem e da justiça.” (p. 13).
4.4 “O Filosofo rei em a inteira ideia do bem, do belo e da justiça. Consequentemente,
ele terá menos inclinação para cometer injustiças ou de praticar o mal, impedindo
os governados de se rebelarem contra a ordem social Acredita que as classes
devem fazer suas funções e desenvolve-las bem, conforme o que é justo. Coloca a
que todos devem pensar no bem comum e viver em comunidade sem os vícios do
egoísmo e da inveja, critica também as famílias e acredita que os jovens deveriam
ser tirados de suas famílias e viverem em uma grande comunidade, pois o filósofo
via na existência das famílias como então eram compostas, ordenadas em
poderosos clãs, um fator impeditivo para chegar-se à harmonia, visto que, muitas
vezes, o egocentrismo delas, os interesses particulares dos clãs conflitava-se
abertamente com os interesses gerais da pólis. Neste tipo de sociedade era
abolida qualquer distinção entre homens e mulheres, inclusive participando do
serviço militar, pois sua presença impediria os homens de se acorvadarem no
campo de batalha.” (p. 18).
4.5 “Sócrates caminhando até o Pireu com o intuito de fazer as orações à deusa e de
celebrar a festa que os habitantes faziam, é encontrado por Polemarco filho de
Céfalo¹, que impede por determinado período Sócrates de partir. Ao chegarem à
casa de Polemarco, Sócrates e seus amigos se deparam com vários personagens,
dentre eles: Lísias e Eutidemo, irmãos de Polemarco, Trasímaco de Calcedônia² e
Céfalo. Sócrates é bem recebido pelo anfitrião da casa, que em retribuição elogia a
Céfalo dizendo ser prazeroso conversar com pessoas de idade avançada, como se
necessitasse de informações sobre os caminhos da vida em que ainda deveria
percorrer. Sendo assim, Céfalo passa a falar da experiência própria e a defender
que esta fase da vida, segundo a educação tradicional, ou seja, os poetas, serão
pesados às pessoas que não apresentam sensatez. Neste dialogo Cefalo expõe que
nem sempre a velhice pode ser ruim, mas depende da juventude que ele tenha
tido e como ele foi se foi justo ou não, se este foi justo em sua vida não terá medo,
e ficara tranquilo com sua chegada ao Hades, mas se este pouco se importou em
cometer injustiças enquanto novo, sua espera será angustiosa, pois com certeza
sua consciência o castigará. Também relata o dizer de Sófocles o qual, coloca que o
homem velho fica mais sábio, e que é capaz de controlar seus desejos, colocando
assim uma pessoa mais temperante.” (p.67).
4.6 “A investigação de Sócrates resulta na refutação das premissas de Céfalo, que se
retira logo após concordar com Sócrates. Polemarco então assume a discussão,
apropria-se da definição do pai e melhora em certo aspecto afirmando ser a justiça
fazer bem aos amigos e mal aos inimigos, concepção de justiça advinda do poeta
Simônides, ainda uma inclinação à tradição. Sócrates acredita que fazer mal a um
inimigo é de certa maneira, fazer com que eles se tornem mais injusto, portanto,
fazer mal a um inimigo é cometer uma injustiça e não se pode em determinada
ação utilizar-se da justiça para fazer o mal, ou seja, não se pode atribuir vingança à
justiça.” (p.72).
4.7 Após varias teses sobre a justiça, como um lobo esperando para falar aparece
Trasimaco,que diz: - Trasímaco. Para ele, a justiça é uma espécie de
preponderância de quem faz a lei. Quem está no poder tem o domínio sobre a
classe que cumpre a lei, consequentemente, a classe dominada cumpre a vontade
do mais forte. Entretanto, segundo Sócrates, se um governante se enganar e fizer
uma lei que o prejudique e se alguém cumpre esta norma, isto de modo nenhum
será conveniente a quem é mais forte. Então Sócrates o interpõe confirmando que
não podemos definir o que é justiça porém sabemos que a justiça é uma virtude
da alma,fazendo o que é certo no momento certo, não enganando ninguém e
acatando as leis ,acredita ele que um homem justo vive melhor e governa
melhor ,e ser justo é o que difere do que governa mal. Trasimaco coloca que o
injusto tem mais vantagens que o justo porque pode enganar e tirar proveito de
todas as situações sem ter sequer consciência do mal que esta fazendo ,porque
acredita ele , que não seja mal, beneficiar e se aproveitar dos outros.Sócrates
infere dizendo que o homem justo é mais feliz e virtuoso.”(p.95)
5. REGISTROS PESSOAIS DO FICHADOR SOBRE OS DESTAQUES SELECIONADOS E SUA
UTILIDADE PARA A PESQUISA E/OU APRENDIZAGEM EFETIVA HAVIDA COM O FICHAMENTO:
Platão coloca a sociedade ideal a partir da sociedade justa, com educação para todos, mas
considera que os governantes devem instruir-se através da filosofia. Sócrates tenta achar a
definição da justiça mas não obtém a resposta definitiva,porém alega que o homem justo é
feliz e virtuoso,e que um governante também deve ser assim, A obra oferece uma boa
abordagem quanto ao enfoque empregado ao bem, à virtude e à justiça. O autor se mostrou à
frente de seu tempo em suas ideias e posicionamentos, embora ainda não necessariamente os
ideais para os tempos atuais.
Guaramirim, SC, 14 de maio de 2012.
Nome completo (assinar)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De PesquisaAula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De PesquisaJonathas Carvalho
 
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Mary Alvarenga
 
Modelo resenha-tematica
Modelo resenha-tematicaModelo resenha-tematica
Modelo resenha-tematicaGadelha Pedro
 
COMO ESTUDAR E SE SAIR BEM NA ESCOLA?
COMO ESTUDAR E SE SAIR BEM NA ESCOLA?COMO ESTUDAR E SE SAIR BEM NA ESCOLA?
COMO ESTUDAR E SE SAIR BEM NA ESCOLA?Isabel Aguiar
 
Aula 1- O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Aula 1-  O que e alienação? Prof. Noe AssunçãoAula 1-  O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Aula 1- O que e alienação? Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
RESUMO DO LIVRO I DA REPUBLICA DE PLATÃO
RESUMO DO LIVRO I DA REPUBLICA DE PLATÃORESUMO DO LIVRO I DA REPUBLICA DE PLATÃO
RESUMO DO LIVRO I DA REPUBLICA DE PLATÃORene Lins
 
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoLarissa Almada
 
As diferenças entre as pesquisas exploratória, descritiva e explicativa
As diferenças entre as pesquisas exploratória, descritiva e explicativaAs diferenças entre as pesquisas exploratória, descritiva e explicativa
As diferenças entre as pesquisas exploratória, descritiva e explicativaAna Clara Cavalcante
 
SEMINARIO DE PESQUISA
SEMINARIO DE PESQUISA SEMINARIO DE PESQUISA
SEMINARIO DE PESQUISA Karlla Costa
 
Resenha como fazer
Resenha como fazerResenha como fazer
Resenha como fazervolemar
 
A República de Platão
A República de PlatãoA República de Platão
A República de PlatãoLuci Bonini
 
Modelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraModelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraSérgio Lagoa
 
Planejamento de Filosofia e arte 2º bimestre
Planejamento de Filosofia e  arte  2º bimestrePlanejamento de Filosofia e  arte  2º bimestre
Planejamento de Filosofia e arte 2º bimestreMary Alvarenga
 
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08Rodrigo Cisco
 

Mais procurados (20)

Período Sistemático
Período Sistemático Período Sistemático
Período Sistemático
 
Normas apresentacao trabalho_ensino_medio
Normas apresentacao trabalho_ensino_medioNormas apresentacao trabalho_ensino_medio
Normas apresentacao trabalho_ensino_medio
 
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De PesquisaAula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
Aula Sobre MéTodos E TéCnicas De Pesquisa
 
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano Plano   Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
Plano Bimestral de Filosofia 1º, 2º e 3º ano
 
Modelo resenha-tematica
Modelo resenha-tematicaModelo resenha-tematica
Modelo resenha-tematica
 
COMO ESTUDAR E SE SAIR BEM NA ESCOLA?
COMO ESTUDAR E SE SAIR BEM NA ESCOLA?COMO ESTUDAR E SE SAIR BEM NA ESCOLA?
COMO ESTUDAR E SE SAIR BEM NA ESCOLA?
 
Aula 1- O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Aula 1-  O que e alienação? Prof. Noe AssunçãoAula 1-  O que e alienação? Prof. Noe Assunção
Aula 1- O que e alienação? Prof. Noe Assunção
 
RESUMO DO LIVRO I DA REPUBLICA DE PLATÃO
RESUMO DO LIVRO I DA REPUBLICA DE PLATÃORESUMO DO LIVRO I DA REPUBLICA DE PLATÃO
RESUMO DO LIVRO I DA REPUBLICA DE PLATÃO
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científico
 
As diferenças entre as pesquisas exploratória, descritiva e explicativa
As diferenças entre as pesquisas exploratória, descritiva e explicativaAs diferenças entre as pesquisas exploratória, descritiva e explicativa
As diferenças entre as pesquisas exploratória, descritiva e explicativa
 
SEMINARIO DE PESQUISA
SEMINARIO DE PESQUISA SEMINARIO DE PESQUISA
SEMINARIO DE PESQUISA
 
Avaliação diagnostica filosofia
Avaliação diagnostica filosofiaAvaliação diagnostica filosofia
Avaliação diagnostica filosofia
 
Slides para a qualificação
Slides para a qualificaçãoSlides para a qualificação
Slides para a qualificação
 
Resenha como fazer
Resenha como fazerResenha como fazer
Resenha como fazer
 
Abnt -normas
Abnt  -normasAbnt  -normas
Abnt -normas
 
A República de Platão
A República de PlatãoA República de Platão
A República de Platão
 
Modelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leituraModelo de ficha de leitura
Modelo de ficha de leitura
 
Planejamento de Filosofia e arte 2º bimestre
Planejamento de Filosofia e  arte  2º bimestrePlanejamento de Filosofia e  arte  2º bimestre
Planejamento de Filosofia e arte 2º bimestre
 
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
 

Semelhante a Fichamento modelo

A República de Platão - resumo
A República de Platão - resumoA República de Platão - resumo
A República de Platão - resumoKatia Monteiro
 
Filosofia para-o-enem-2ª-semana
Filosofia para-o-enem-2ª-semanaFilosofia para-o-enem-2ª-semana
Filosofia para-o-enem-2ª-semanaBruno Rezende
 
A importância da educação na formação do indíviduo em platão
A importância da educação na formação do indíviduo em platãoA importância da educação na formação do indíviduo em platão
A importância da educação na formação do indíviduo em platãoSuzane Carvalho
 
Avaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e AristótelesAvaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e AristótelesRafael Oliveira
 
Diletica socratica
Diletica socraticaDiletica socratica
Diletica socraticaKarol Souza
 
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptxAULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptxLuanaAssuno7
 
Vidav e obra de Platão e Sócrates
Vidav e obra de Platão e SócratesVidav e obra de Platão e Sócrates
Vidav e obra de Platão e SócratesFilipe Simão Kembo
 
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoTerceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoMaria Rebelo
 
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)Caio Grimberg
 
Hdh platao a_republica
Hdh platao a_republicaHdh platao a_republica
Hdh platao a_republicaunirio2011
 
Como a sociedade deveria ser organizada segundo a república de platão
Como a sociedade deveria ser organizada segundo a república de platãoComo a sociedade deveria ser organizada segundo a república de platão
Como a sociedade deveria ser organizada segundo a república de platãoPedro Moraes
 
Sócrates, platão e os sofistas
Sócrates, platão e os sofistasSócrates, platão e os sofistas
Sócrates, platão e os sofistasElisama Lopes
 
Filosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e AristótelesFilosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e AristótelesMarcos Goulart
 
Módulo 4 a filosofia das luzes
Módulo 4   a filosofia das luzesMódulo 4   a filosofia das luzes
Módulo 4 a filosofia das luzesEscoladocs
 
Filosofia Do Direito Gregos Ao Medievo
Filosofia Do Direito Gregos Ao MedievoFilosofia Do Direito Gregos Ao Medievo
Filosofia Do Direito Gregos Ao MedievoLuci Bonini
 
Platão e a cidade ideal
Platão e a cidade idealPlatão e a cidade ideal
Platão e a cidade idealirenio soares
 
Filosofia do Direito: dilemas e perspectivas
Filosofia do Direito: dilemas e perspectivasFilosofia do Direito: dilemas e perspectivas
Filosofia do Direito: dilemas e perspectivasFábio Nogueira, PhD
 
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istotelesA dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istotelesJoao Carlos
 

Semelhante a Fichamento modelo (20)

A República de Platão - resumo
A República de Platão - resumoA República de Platão - resumo
A República de Platão - resumo
 
Filosofia para-o-enem-2ª-semana
Filosofia para-o-enem-2ª-semanaFilosofia para-o-enem-2ª-semana
Filosofia para-o-enem-2ª-semana
 
A importância da educação na formação do indíviduo em platão
A importância da educação na formação do indíviduo em platãoA importância da educação na formação do indíviduo em platão
A importância da educação na formação do indíviduo em platão
 
Avaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e AristótelesAvaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
Avaliação de Filosofia - Platão e Aristóteles
 
Diletica socratica
Diletica socraticaDiletica socratica
Diletica socratica
 
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptxAULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
AULA FILOSOFIA - SOFISTAS SÓCRATES E PLATÃO - .pptx
 
Vidav e obra de Platão e Sócrates
Vidav e obra de Platão e SócratesVidav e obra de Platão e Sócrates
Vidav e obra de Platão e Sócrates
 
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoTerceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, Platão
 
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)Resenha critica do fedro (caio grimberg)
Resenha critica do fedro (caio grimberg)
 
Hdh platao a_republica
Hdh platao a_republicaHdh platao a_republica
Hdh platao a_republica
 
Como a sociedade deveria ser organizada segundo a república de platão
Como a sociedade deveria ser organizada segundo a república de platãoComo a sociedade deveria ser organizada segundo a república de platão
Como a sociedade deveria ser organizada segundo a república de platão
 
Apostila 2 filosofia cpia
Apostila 2 filosofia   cpiaApostila 2 filosofia   cpia
Apostila 2 filosofia cpia
 
Sócrates, platão e os sofistas
Sócrates, platão e os sofistasSócrates, platão e os sofistas
Sócrates, platão e os sofistas
 
Filosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e AristótelesFilosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e Aristóteles
 
Política
PolíticaPolítica
Política
 
Módulo 4 a filosofia das luzes
Módulo 4   a filosofia das luzesMódulo 4   a filosofia das luzes
Módulo 4 a filosofia das luzes
 
Filosofia Do Direito Gregos Ao Medievo
Filosofia Do Direito Gregos Ao MedievoFilosofia Do Direito Gregos Ao Medievo
Filosofia Do Direito Gregos Ao Medievo
 
Platão e a cidade ideal
Platão e a cidade idealPlatão e a cidade ideal
Platão e a cidade ideal
 
Filosofia do Direito: dilemas e perspectivas
Filosofia do Direito: dilemas e perspectivasFilosofia do Direito: dilemas e perspectivas
Filosofia do Direito: dilemas e perspectivas
 
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istotelesA dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
A dimensão política segundo platão e a crítica de ar istoteles
 

Mais de Vivi Velozo

Apostila de etica
Apostila de eticaApostila de etica
Apostila de eticaVivi Velozo
 
Regimes dos bens do casamento
Regimes dos bens do casamento  Regimes dos bens do casamento
Regimes dos bens do casamento Vivi Velozo
 
Fichamenmtoa dos delitos e das penas
Fichamenmtoa dos delitos e das penasFichamenmtoa dos delitos e das penas
Fichamenmtoa dos delitos e das penasVivi Velozo
 
Empreendedorismor
EmpreendedorismorEmpreendedorismor
EmpreendedorismorVivi Velozo
 
Os denunciantes invejosos. vivi
Os denunciantes invejosos. viviOs denunciantes invejosos. vivi
Os denunciantes invejosos. viviVivi Velozo
 
Dos Delitos e das penas
 Dos Delitos e das penas Dos Delitos e das penas
Dos Delitos e das penasVivi Velozo
 
Desajuste da sentença slide
Desajuste da sentença  slideDesajuste da sentença  slide
Desajuste da sentença slideVivi Velozo
 
Condominio edilício vivi
Condominio edilício viviCondominio edilício vivi
Condominio edilício viviVivi Velozo
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalizaçãoVivi Velozo
 
Constitucional ii vivi
Constitucional ii viviConstitucional ii vivi
Constitucional ii viviVivi Velozo
 

Mais de Vivi Velozo (11)

Apostila de etica
Apostila de eticaApostila de etica
Apostila de etica
 
Regimes dos bens do casamento
Regimes dos bens do casamento  Regimes dos bens do casamento
Regimes dos bens do casamento
 
Fichamenmtoa dos delitos e das penas
Fichamenmtoa dos delitos e das penasFichamenmtoa dos delitos e das penas
Fichamenmtoa dos delitos e das penas
 
Empreendedorismor
EmpreendedorismorEmpreendedorismor
Empreendedorismor
 
Os denunciantes invejosos. vivi
Os denunciantes invejosos. viviOs denunciantes invejosos. vivi
Os denunciantes invejosos. vivi
 
Dos Delitos e das penas
 Dos Delitos e das penas Dos Delitos e das penas
Dos Delitos e das penas
 
Desajuste da sentença slide
Desajuste da sentença  slideDesajuste da sentença  slide
Desajuste da sentença slide
 
Condominio edilício vivi
Condominio edilício viviCondominio edilício vivi
Condominio edilício vivi
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
 
Constitucional ii vivi
Constitucional ii viviConstitucional ii vivi
Constitucional ii vivi
 
Paper getulio
Paper getulioPaper getulio
Paper getulio
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 

Fichamento modelo

  • 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI FACULDADE METROPOLITANA DE GUARAMIRIM CIENCIA POLITICA DIREITO 1.1 FICHA DESTAQUES/REFERENTE DE OBRA CIENTÍFICA 1. NOME COMPLETO DO AUTOR DO FICHAMENTO: Robson Becker 2. OBRA(s) EM FICHAMENTO: PLATÃO, A Republica Saccou, R. São Paulo 1°Ed. 19657. 3. ESPECIFICAÇÃO DO REFERENTE UTILIZADO: Referencias Jurídicas contidas na obra de Platão. 4. DESTAQUES CONFORME REFERENTE: 4.1 “Aristocles nasceu em Atenas em 428/427 a.C descendente de Sólon e Codros,segundo Aristóteles Platão foi primeiramente discípulo de Cratilo,depois conheceu Sócrates, acreditava que a filosofia poderia ajuda-lo na política e pretendia assim faze-lo, mas após a condenação de Sócrates e aos métodos utilizados pelos aristocratas, preferiu afastar pelo menos momentaneamente da política. Aos quarenta anos viajou para a Itália, depois para o Egito. O que o levou para a Itália foi o desejo de conhecer a comunidade pitagoricas. Durante essa viagem conheceu Dionísio I que o convida para ir a Saracusa, na Sicilia, com intenção de influenciar o tirano no ideal do rei filosofo. Mas logo se indispôs com ele e com sua corte. Estabeleceu forte vinculo de amizade com Dion, parente de Dionísio, o qual acreditava que poderia ser discípulo e o tornar o rei filosofo. Dionísio o vendeu como escravo, posteriormente foi resgatado por Anicerides de Cirene. Retornando a Atenas fundou Academia, de onde adquiriu grande prestigio, onde posteriormente após outras viagens ali ficou dirigindo a Academia ate sua morte. (p.8-15)”. 4.2 “Platão faz Sócrates pronunciar nos diálogos Górgias- Creio ser eu dos poucos atenienses, para não dizer o único, que tenta realizar a verdadeira arte política e o único entre os contemporâneos que a pratica”.apenas um bom filosofo poderia ser um bom político,sendo assim construir uma cidade autentica, o Estado fundado sobre o valor supremo da justiça e do bem.Para Platão a Cidade significa conhecer o homem e seu lugar no universo. Considera o problema central da natureza da “justiça”, que constituiu o eixo em torno do qual giram todos os outros temas e recebe a solução adequada através da observação de como nasce uma cidade perfeita.Um estado nasce porque cada um de nós,não é autárquico,isto é precisamos dos outros para sobreviver.(p10)” 4.3 “Orientou-se no sentido de determinar como constituir uma sociedade justa. Bem como determinar sua organização, governo e a qualidade dos seus governantes. Para Platão, a educação (paidéia) seria o ponto de partida e principal instrumento de seleção e avaliação das aptidões de cada um. Sendo a alma humana (psikê) um composto de três partes: o apetite, a coragem e a razão, todos nascem com essa
  • 2. combinação, só que uma delas predomina sobre as demais, assim para cada função exercida pelo cidadão seria necessário desenvolver sua virtude. Quando o apetite prevalece sobre as demais este pertenceria a classes inferiores. Prevalecendo o espírito corajoso e resoluto, seguramente irão fazer parte da classe dos guardiões, dos soldados, responsáveis pela segurança da coletividade e pelas guerras. Porém se deixando o individuo guiar-se pela sabedoria e pela razão é obvio que apresenta as melhores aptidões para integrar-se nos setores dirigentes dessa almejada sociedade. Os governantes deveriam contemplar o bem e sua virtude seria sabedoria, este deveria dedicar mais ou menos cinquenta anos de sua vida para os estudos de filosofia, subdivido no teste da dialética e depois da experiência. A finalidade desta educação do político filosofa constitui em leva-lo ao Maximo do conhecimento e a contemplação do bem. Basta que cada um siga as leis, dessa cidade, segunda as leis do bem e da justiça.” (p. 13). 4.4 “O Filosofo rei em a inteira ideia do bem, do belo e da justiça. Consequentemente, ele terá menos inclinação para cometer injustiças ou de praticar o mal, impedindo os governados de se rebelarem contra a ordem social Acredita que as classes devem fazer suas funções e desenvolve-las bem, conforme o que é justo. Coloca a que todos devem pensar no bem comum e viver em comunidade sem os vícios do egoísmo e da inveja, critica também as famílias e acredita que os jovens deveriam ser tirados de suas famílias e viverem em uma grande comunidade, pois o filósofo via na existência das famílias como então eram compostas, ordenadas em poderosos clãs, um fator impeditivo para chegar-se à harmonia, visto que, muitas vezes, o egocentrismo delas, os interesses particulares dos clãs conflitava-se abertamente com os interesses gerais da pólis. Neste tipo de sociedade era abolida qualquer distinção entre homens e mulheres, inclusive participando do serviço militar, pois sua presença impediria os homens de se acorvadarem no campo de batalha.” (p. 18). 4.5 “Sócrates caminhando até o Pireu com o intuito de fazer as orações à deusa e de celebrar a festa que os habitantes faziam, é encontrado por Polemarco filho de Céfalo¹, que impede por determinado período Sócrates de partir. Ao chegarem à casa de Polemarco, Sócrates e seus amigos se deparam com vários personagens, dentre eles: Lísias e Eutidemo, irmãos de Polemarco, Trasímaco de Calcedônia² e Céfalo. Sócrates é bem recebido pelo anfitrião da casa, que em retribuição elogia a Céfalo dizendo ser prazeroso conversar com pessoas de idade avançada, como se necessitasse de informações sobre os caminhos da vida em que ainda deveria percorrer. Sendo assim, Céfalo passa a falar da experiência própria e a defender que esta fase da vida, segundo a educação tradicional, ou seja, os poetas, serão pesados às pessoas que não apresentam sensatez. Neste dialogo Cefalo expõe que nem sempre a velhice pode ser ruim, mas depende da juventude que ele tenha tido e como ele foi se foi justo ou não, se este foi justo em sua vida não terá medo, e ficara tranquilo com sua chegada ao Hades, mas se este pouco se importou em cometer injustiças enquanto novo, sua espera será angustiosa, pois com certeza sua consciência o castigará. Também relata o dizer de Sófocles o qual, coloca que o homem velho fica mais sábio, e que é capaz de controlar seus desejos, colocando assim uma pessoa mais temperante.” (p.67). 4.6 “A investigação de Sócrates resulta na refutação das premissas de Céfalo, que se retira logo após concordar com Sócrates. Polemarco então assume a discussão, apropria-se da definição do pai e melhora em certo aspecto afirmando ser a justiça fazer bem aos amigos e mal aos inimigos, concepção de justiça advinda do poeta Simônides, ainda uma inclinação à tradição. Sócrates acredita que fazer mal a um inimigo é de certa maneira, fazer com que eles se tornem mais injusto, portanto, fazer mal a um inimigo é cometer uma injustiça e não se pode em determinada
  • 3. ação utilizar-se da justiça para fazer o mal, ou seja, não se pode atribuir vingança à justiça.” (p.72). 4.7 Após varias teses sobre a justiça, como um lobo esperando para falar aparece Trasimaco,que diz: - Trasímaco. Para ele, a justiça é uma espécie de preponderância de quem faz a lei. Quem está no poder tem o domínio sobre a classe que cumpre a lei, consequentemente, a classe dominada cumpre a vontade do mais forte. Entretanto, segundo Sócrates, se um governante se enganar e fizer uma lei que o prejudique e se alguém cumpre esta norma, isto de modo nenhum será conveniente a quem é mais forte. Então Sócrates o interpõe confirmando que não podemos definir o que é justiça porém sabemos que a justiça é uma virtude da alma,fazendo o que é certo no momento certo, não enganando ninguém e acatando as leis ,acredita ele que um homem justo vive melhor e governa melhor ,e ser justo é o que difere do que governa mal. Trasimaco coloca que o injusto tem mais vantagens que o justo porque pode enganar e tirar proveito de todas as situações sem ter sequer consciência do mal que esta fazendo ,porque acredita ele , que não seja mal, beneficiar e se aproveitar dos outros.Sócrates infere dizendo que o homem justo é mais feliz e virtuoso.”(p.95) 5. REGISTROS PESSOAIS DO FICHADOR SOBRE OS DESTAQUES SELECIONADOS E SUA UTILIDADE PARA A PESQUISA E/OU APRENDIZAGEM EFETIVA HAVIDA COM O FICHAMENTO: Platão coloca a sociedade ideal a partir da sociedade justa, com educação para todos, mas considera que os governantes devem instruir-se através da filosofia. Sócrates tenta achar a definição da justiça mas não obtém a resposta definitiva,porém alega que o homem justo é feliz e virtuoso,e que um governante também deve ser assim, A obra oferece uma boa abordagem quanto ao enfoque empregado ao bem, à virtude e à justiça. O autor se mostrou à frente de seu tempo em suas ideias e posicionamentos, embora ainda não necessariamente os ideais para os tempos atuais. Guaramirim, SC, 14 de maio de 2012. Nome completo (assinar)