Fichamento modelo

24.889 visualizações

Publicada em

modelo de fichamento

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.889
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
151
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fichamento modelo

  1. 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCIFACULDADE METROPOLITANA DE GUARAMIRIMCIENCIA POLITICADIREITO 1.1FICHA DESTAQUES/REFERENTE DE OBRA CIENTÍFICA1. NOME COMPLETO DO AUTOR DO FICHAMENTO: Robson Becker2. OBRA(s) EM FICHAMENTO: PLATÃO, A Republica Saccou, R. São Paulo 1°Ed. 19657.3. ESPECIFICAÇÃO DO REFERENTE UTILIZADO: Referencias Jurídicas contidas na obra dePlatão.4. DESTAQUES CONFORME REFERENTE:4.1 “Aristocles nasceu em Atenas em 428/427 a.C descendente de Sólon eCodros,segundo Aristóteles Platão foi primeiramente discípulo de Cratilo,depoisconheceu Sócrates, acreditava que a filosofia poderia ajuda-lo na política epretendia assim faze-lo, mas após a condenação de Sócrates e aos métodosutilizados pelos aristocratas, preferiu afastar pelo menos momentaneamente dapolítica. Aos quarenta anos viajou para a Itália, depois para o Egito. O que o levoupara a Itália foi o desejo de conhecer a comunidade pitagoricas. Durante essaviagem conheceu Dionísio I que o convida para ir a Saracusa, na Sicilia, comintenção de influenciar o tirano no ideal do rei filosofo. Mas logo se indispôs comele e com sua corte. Estabeleceu forte vinculo de amizade com Dion, parente deDionísio, o qual acreditava que poderia ser discípulo e o tornar o rei filosofo.Dionísio o vendeu como escravo, posteriormente foi resgatado por Anicerides deCirene. Retornando a Atenas fundou Academia, de onde adquiriu grande prestigio,onde posteriormente após outras viagens ali ficou dirigindo a Academia ate suamorte. (p.8-15)”.4.2 “Platão faz Sócrates pronunciar nos diálogos Górgias- Creio ser eu dos poucosatenienses, para não dizer o único, que tenta realizar a verdadeira arte política e oúnico entre os contemporâneos que a pratica”.apenas um bom filosofo poderiaser um bom político,sendo assim construir uma cidade autentica, o Estadofundado sobre o valor supremo da justiça e do bem.Para Platão a Cidade significaconhecer o homem e seu lugar no universo. Considera o problema central danatureza da “justiça”, que constituiu o eixo em torno do qual giram todos osoutros temas e recebe a solução adequada através da observação de como nasceuma cidade perfeita.Um estado nasce porque cada um de nós,não éautárquico,isto é precisamos dos outros para sobreviver.(p10)”4.3 “Orientou-se no sentido de determinar como constituir uma sociedade justa. Bemcomo determinar sua organização, governo e a qualidade dos seus governantes.Para Platão, a educação (paidéia) seria o ponto de partida e principal instrumentode seleção e avaliação das aptidões de cada um. Sendo a alma humana (psikê) umcomposto de três partes: o apetite, a coragem e a razão, todos nascem com essa
  2. 2. combinação, só que uma delas predomina sobre as demais, assim para cadafunção exercida pelo cidadão seria necessário desenvolver sua virtude. Quando oapetite prevalece sobre as demais este pertenceria a classes inferiores.Prevalecendo o espírito corajoso e resoluto, seguramente irão fazer parte daclasse dos guardiões, dos soldados, responsáveis pela segurança da coletividade epelas guerras. Porém se deixando o individuo guiar-se pela sabedoria e pela razãoé obvio que apresenta as melhores aptidões para integrar-se nos setoresdirigentes dessa almejada sociedade. Os governantes deveriam contemplar o beme sua virtude seria sabedoria, este deveria dedicar mais ou menos cinquenta anosde sua vida para os estudos de filosofia, subdivido no teste da dialética e depois daexperiência. A finalidade desta educação do político filosofa constitui em leva-loao Maximo do conhecimento e a contemplação do bem. Basta que cada um siga asleis, dessa cidade, segunda as leis do bem e da justiça.” (p. 13).4.4 “O Filosofo rei em a inteira ideia do bem, do belo e da justiça. Consequentemente,ele terá menos inclinação para cometer injustiças ou de praticar o mal, impedindoos governados de se rebelarem contra a ordem social Acredita que as classesdevem fazer suas funções e desenvolve-las bem, conforme o que é justo. Coloca aque todos devem pensar no bem comum e viver em comunidade sem os vícios doegoísmo e da inveja, critica também as famílias e acredita que os jovens deveriamser tirados de suas famílias e viverem em uma grande comunidade, pois o filósofovia na existência das famílias como então eram compostas, ordenadas empoderosos clãs, um fator impeditivo para chegar-se à harmonia, visto que, muitasvezes, o egocentrismo delas, os interesses particulares dos clãs conflitava-seabertamente com os interesses gerais da pólis. Neste tipo de sociedade eraabolida qualquer distinção entre homens e mulheres, inclusive participando doserviço militar, pois sua presença impediria os homens de se acorvadarem nocampo de batalha.” (p. 18).4.5 “Sócrates caminhando até o Pireu com o intuito de fazer as orações à deusa e decelebrar a festa que os habitantes faziam, é encontrado por Polemarco filho deCéfalo¹, que impede por determinado período Sócrates de partir. Ao chegarem àcasa de Polemarco, Sócrates e seus amigos se deparam com vários personagens,dentre eles: Lísias e Eutidemo, irmãos de Polemarco, Trasímaco de Calcedônia² eCéfalo. Sócrates é bem recebido pelo anfitrião da casa, que em retribuição elogia aCéfalo dizendo ser prazeroso conversar com pessoas de idade avançada, como senecessitasse de informações sobre os caminhos da vida em que ainda deveriapercorrer. Sendo assim, Céfalo passa a falar da experiência própria e a defenderque esta fase da vida, segundo a educação tradicional, ou seja, os poetas, serãopesados às pessoas que não apresentam sensatez. Neste dialogo Cefalo expõe quenem sempre a velhice pode ser ruim, mas depende da juventude que ele tenhatido e como ele foi se foi justo ou não, se este foi justo em sua vida não terá medo,e ficara tranquilo com sua chegada ao Hades, mas se este pouco se importou emcometer injustiças enquanto novo, sua espera será angustiosa, pois com certezasua consciência o castigará. Também relata o dizer de Sófocles o qual, coloca que ohomem velho fica mais sábio, e que é capaz de controlar seus desejos, colocandoassim uma pessoa mais temperante.” (p.67).4.6 “A investigação de Sócrates resulta na refutação das premissas de Céfalo, que seretira logo após concordar com Sócrates. Polemarco então assume a discussão,apropria-se da definição do pai e melhora em certo aspecto afirmando ser a justiçafazer bem aos amigos e mal aos inimigos, concepção de justiça advinda do poetaSimônides, ainda uma inclinação à tradição. Sócrates acredita que fazer mal a uminimigo é de certa maneira, fazer com que eles se tornem mais injusto, portanto,fazer mal a um inimigo é cometer uma injustiça e não se pode em determinada
  3. 3. ação utilizar-se da justiça para fazer o mal, ou seja, não se pode atribuir vingança àjustiça.” (p.72).4.7 Após varias teses sobre a justiça, como um lobo esperando para falar apareceTrasimaco,que diz: - Trasímaco. Para ele, a justiça é uma espécie depreponderância de quem faz a lei. Quem está no poder tem o domínio sobre aclasse que cumpre a lei, consequentemente, a classe dominada cumpre a vontadedo mais forte. Entretanto, segundo Sócrates, se um governante se enganar e fizeruma lei que o prejudique e se alguém cumpre esta norma, isto de modo nenhumserá conveniente a quem é mais forte. Então Sócrates o interpõe confirmando quenão podemos definir o que é justiça porém sabemos que a justiça é uma virtudeda alma,fazendo o que é certo no momento certo, não enganando ninguém eacatando as leis ,acredita ele que um homem justo vive melhor e governamelhor ,e ser justo é o que difere do que governa mal. Trasimaco coloca que oinjusto tem mais vantagens que o justo porque pode enganar e tirar proveito detodas as situações sem ter sequer consciência do mal que esta fazendo ,porqueacredita ele , que não seja mal, beneficiar e se aproveitar dos outros.Sócratesinfere dizendo que o homem justo é mais feliz e virtuoso.”(p.95)5. REGISTROS PESSOAIS DO FICHADOR SOBRE OS DESTAQUES SELECIONADOS E SUAUTILIDADE PARA A PESQUISA E/OU APRENDIZAGEM EFETIVA HAVIDA COM O FICHAMENTO:Platão coloca a sociedade ideal a partir da sociedade justa, com educação para todos, masconsidera que os governantes devem instruir-se através da filosofia. Sócrates tenta achar adefinição da justiça mas não obtém a resposta definitiva,porém alega que o homem justo éfeliz e virtuoso,e que um governante também deve ser assim, A obra oferece uma boaabordagem quanto ao enfoque empregado ao bem, à virtude e à justiça. O autor se mostrou àfrente de seu tempo em suas ideias e posicionamentos, embora ainda não necessariamente osideais para os tempos atuais.Guaramirim, SC, 14 de maio de 2012.Nome completo (assinar)

×