SlideShare uma empresa Scribd logo
O MODERNISMO EM
PORTUGAL
GERAÇÃO DE ORPHEU
E FERNANDO PESSOA
ALÍRICAMODERNA
Característica comum a todos os
artistas da vanguarda moderna: a
ruptura com a tradição cultural e o
desejo de criar uma nova estética
em face à crise da humanidade
provocada pelos horrores do entre-
guerras.
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Quando digo Eu não me refiro
apenas a mim mas a todo aquele
que couber dentro do jeito em que
está empregado o verbo na
primeira pessoa.
Almada Negreiros, A invenção do dia claro
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
I
Um ente de paixão e sacrifício,
De sofrimento cheio, eis a mulher!
Esmaga o coração dentro do peito,
E nem te doas coração, sequer!
Sê forte, corajoso, não fraquejes
Na luta: sê em Vénus sempre Marte;
Sempre o mundo é vil e infame e os homens
Se te sentem gemer hão-de pisar-te!
Se à vezes tu fraquejas, pobrezinho,
Essa brancura ideal de puro arminho
Eles deixam pra sempre maculada;
E gritam então vis: "Olhem, vejam
É aquela a infame!" e apedrejam
a pobrezita, a triste, a desgraçada!
Leia mais: https://www.luso-
poemas.net/modules/news03/article.php?storyid=380 © Luso-Poemas
II
Ó Mulher! Como é fraca e como és forte!
Como sabes ser doce e desgraçada!
Como sabes fingir quando em teu peito
A tua alma se estorce amargurada!
Quantas morrem saudosas duma image
Adorada que amaram doidamente!
Quantas e quantas almas endoidecem
Enquanto a boca ri alegremente!
Quanta paixão e amor às vezes têm
Sem nunca o confessarem a ninguém
Doces almas de dor e sofrimento!
Paixão que faria a felicidade
Dum rei; amor de sonho e de saudade,
Que se esvai e que foge num lamento!
Leia mais: https://www.luso-
poemas.net/modules/news03/article.php?storyid=380 © Luso-Poemas
FERNANDO
PESSOA
&
Heterônimos
“Com uma tal falta de gente coexistível,
como há hoje, que pode um homem de
sensibilidade fazer senão inventar osseus
amigos, ou quando menos, osseus
companheirosde espírito?”
A fragmentação em Fernando
Pessoa envolve um ato de
fingimento que se completa na
utilização de várias linguagens,
reveladoras do sujeito como um ser
múltiplo.
Parece que Pessoa levou ao extremo
a fragmentação, chegando mesmo à
despersonalização.
Criou não um, mas vários sujeitos
líricos. Entende-se esses sujeitos
líricos como personas, como
máscaras, como criações.
Sua obra é dividida em produção
ortônima e heterônima.
O heterônimo é um personagem criado
pelo poeta, que escreve a sua própria
obra. Tem nome, obra, biografia e,
sobretudo, um estilo próprios.
O autor, o criador do heterônimo,
passa a ser chamado de
“ortônimo” e a sua criação passa a
ser chamada de “heterônimo”, não
havendo possibilidade de
existência de um sem o outro.
Fernando Pessoa foi quem criou
essa designação e é o único caso,
até o momento, de heteronímia na
literatura universal.
OBRA ORTÔNIMA
C a n c i o n e i r o e Q u a d r a a o
Go t o Po p u l a r - p o e i a l ír i c a , d
e
r e f l e x ã o e x i t e n c i a l e o b r e a
a r t e p o é t i c a
M en a gem -(ún i c o l i v r o
p u b l i c a d o e m v i d a ) p o e m a
M í t i c o e N a c i o n a l i t a .
Divide- e em:
🢝1ª parte: Brasão - feitos anteriores às navegações
🢝2ª parte: Mar Português - as grandes conquistas
MAR PORTUGUÊS
“Ó Mar Salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu”.
POEMAS DOCANCIONEIRO:
AUTOPSICOGRAFIA
O poeta é um fingidor,
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só as que ele não tem.
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração
Dizem que finjo ou minto
Tudo o que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação
Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo,
O que me falha ou finda
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio
Do que não está ao pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir? Sinta quem lê!.
Fernando Pessoa
OS HETERÔNIMOS
Heterónimos de Fernando Pessoa: Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos.
Desenhos de José de Almada Negreiros. Pormenor da fachada gravada da Faculdade
de Letras da U.C.L., 1957-61. França, J. Augusto (1974)
Sentir tudo de todas as maneiras,
Viver tudo de todos os lados,
Ser a mesma coisa de todos os modos possíveisao
mesmo tempo,
Realizar em si toda a humanidade de todos os
momentos
Num só momento difuso, profuso,completo e
longínquo.
Álvaro de Campos
Quando o autor faz uso de
“heterônimos”, não se esconde sob
um nome falso. Ocorre bem o
contrário, “ele se coloca em posição
de diálogo com o sujeito lírico que
ele mesmo criou, além de assinar a
sua própria obra.”
HETERÔNIMOS PRINCIP
AIS:
Alberto Caeiro
Ricardo Reis
Álvaro de Campos
Ricardo Reis Álvaro de Campos Alberto Caeiro
Médico Engenheiro Naval Camponês
Poeta culto e calmo Rebelde- tudo questiona Pouca escolaridade- poesia
voltada para natureza
Filosofia de Epicuro irônico Simplicidade da vida
Contentar-se com o que se
tem
razão Sentir- coração
ALBERTO CAEIRO
nasceu em 1889 em Lisboa, mas passou toda sua
vida no campo. Não tinha profissão e educação
mínima.
Poeta da Natureza, linguagem simples,
espontânea, sem rimas, quase uma prosa.
Valoriza o viver de modo simples e objetivo.
Ficções do Interlúdio (O Guardador de Rebanhos;
O pastor Amoroso )
“É preciso desaprender as ideias para aprender as
coisas.”
AlbertoCaeiro
O Pai dos heterônimos, o “mestre”. Aquele cuja poesia mais se
aproximou da do próprio Fernando Pessoa, por encontrar no
sentir a base mais sólida de se viver. Para o mestre, o que
importava era viver o mundo, era nele estar presente, sem
querer saber o porquê de estar-se ali naquele momento, sem
interrogar-se do que se vive. Para Caeiro, o objetivo era
aprender a desaprender, aprender a não pensar, a silenciar a
mente, a somente viver o contato direto com a realidade que se
tinha à frente, palpável.A vida para ele era o puro sentir.
O que valia para Caeiro era o hoje, era o presente, era o agora.
Era solitário e neutro. Contrário ao misticismo. Camponês, de
linguagem simples e paradoxal.
O GUARDADOR DE REBANHOS
“Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus
pensamentos
E os meus pensamentos são todos
sensações
Penso com os olhos e com os
ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.”
METAFÍSICA
“Há metafísica bastante em não pensar em nada.
O mistério das coisas? Sei lá o que é o mistério!
O único mistério é haver quem pense no mistério.
(...)
É essa a única missão no Mundo
Essa – existir claramente,
E saber fazê-lo sem pensar nisso.”
RICARDO REIS
nasceu em 1887 na cidade do Porto. Foi
educado num colégio jesuíta, representa a face
humanista de Fernando Pessoa. Estudou grego,
latim e formou-se em medicina. Em 1919 vem
ao Brasil.
Escreveu Odes (composição poética lírica que
entre os gregos antigos se destinava a ser
cantada) com linguagem trabalhada e purista
(postulados gramaticais rígidos).
Sua temática é de inspiração clássica (Concebe
a vida estoicamente).
RicardoReii
A veia clássica dos heterônimos de Fernando Pessoa.
Monarquista, educado em colégio de jesuístas,
amante das culturas grega e latina. Buscou sempre o
mais alto, o impossível em sua poesia, esta refinada,
concisa, com linguagem bem trabalhada e
vocabulário rebuscado. Participou bastante da revista
Presença, da denominada 2ª fase do modernismo
português.
Seus poemas eram odes, poemas líricos, com
métrica, estrofes regulares e variáveis. Suas odes
voltavam-se aos deuses da mitologia grega. Ao
contrário de seu mestre, Reis pensava bastante nos
deuses, esses que, para ele, controlavam o destino
dos homens e estavam acima de tudo.
ODES
Para ser grande, sê inteiro:
nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe
quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua
toda
Brilha, porque alta vive
NÃO SÓ QUEM NOS ODEIA OU NOS
INVEJA
Nos limita e oprime; quem nos ama
Não menos nos limita.
Que os deuses me concedam que, despido
De afetos, tenha a fria liberdade
Dos píncaros sem nada.
Quem quer pouco, tem tudo; quem quer nada
É livre; quem não tem, e não deseja,
Homem, é igual aos deuses.
ÁLVARO DE CAMPOS
nasceu em 1890, em Tavira. Estudou engenharia
(mecânica e naval) na Escócia. Sua obra é dividida
em 3 fase:
1ª Influência Simbolista, tédio diante do mundo –
“Opiário”
2ª Influência do Modernismo, poemas futuristas –
“Ode Triunfal” e “Ode Marítima”
3ª Poesia amarga e angustiada, imagens de uma
vida vazia, desencontro do sujeito com o mundo –
“Tabacaria” e “Lisbon Revisited”.
Álvaro de Campos é o mais fecundo e versátil
heterônimo de Fernando Pessoa, e também o
mais nervoso e emotivo, por vezes até histérico.
Com algumas composições iniciais, que devem
algo ao Decadentismo ("Opiário"), Álvaro de
Campos é, sobretudo, o futurista da exaltação
da energia até ao paroxismo (ao auge), da
velocidade e da força da civilização mecânica do
futuro, patentes na "Ode Triunfal".
É o único heterônimo que conhece
uma evolução ("Fui em tempos
poeta decadente; hoje creio que
estou decadente, e já não o sou").
Passa por três fases:
🢝 a decadentista,
🢝a futurista e sensacionista e, por fim,
🢝a intimista-melancólica.
LISBON REVISITAD
“Não : não quero nada.
Já disse que não quero nada.
Não me venham com conclusões!
A única conclusão é morrer.
Não me tragam estéticas!
Não me falem em moral!
(...)
Não me peguem no braço!
Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sozinho.
Já disse que sou sozinho!
Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!”
TABACARIA
(fragmento)
Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.
Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
FERNANDO
PESSOA NOS
VESTIBULARES E
QUESTÃO01
“Como aludido, Ricardo Reis é um poeta doutrinário. Ele
considera a existência humana um jogo em que, por
definição, sairemos derrotados – o xeque-mate nos é
aplicado pelas mãos hábeis e insondáveis do Destino.”
(OLIVEIRA, Paulo. In: Revista Discutindo Literatura. Ano 1,
2. ed.)
Segundo a citação, Ricardo Reis – heterônimo pagão de
Fernando Pessoa – põe a existência humana nas mãos
das forças irrevogáveis do Destino. Há momentos que
seus versos inflamam-se de tamanha consciência da
brevidade da vida, que beiram a um pessimismo esnobe
por considerar-se único sabedor de que tudo passa.
Deste modo investe-se de certo didatismo e convida o
leitor a atentar para a consciência de que nada somos,
de que nada sabemos. Com base na citação e na
afirmação, interprete os versos em que o poeta,
afastando-se dessa linha, propõe uma meta apenas para
a) Ninguém, na vasta selva virgem
Do mundo inumerável, finalmente
Vê o Deus que conhece.
b) Seja qual for o certo,
Mesmo para com esses
Que cremos sejam deuses, não sejamos
Inteiros numa fé talvez sem causa.
c) Deixemos, Lidia, a ciência que não põe
Mais flores do que a Flora pelos mesmos campos
Nem dá de Apolo ao carro
Outro curso que Apolo.
d) Quero ignorado, e calmo
Por ignorado, e próprio
Por calmo encher meus dias.
De não querer mais deles.
e) Não te destines que não és futura.
Quem sabe se, entre a taça que esvazias,
E ela de novo enchida, não te há sorte
Interpõe o abismo?
a) Ninguém, na vasta selva virgem
Do mundo inumerável, finalmente
Vê o Deus que conhece.
b) Seja qual for o certo,
Mesmo para com esses
Que cremos sejam deuses, não sejamos
Inteiros numa fé talvez sem causa.
c) Deixemos, Lidia, a ciência que não põe
Mais flores do que a Flora pelos mesmos campos
Nem dá de Apolo ao carro
Outro curso que Apolo.
d) Quero ignorado, e calmo
Por ignorado, e próprio
Por calmo encher meus dias.
De não querer mais deles.
e) Não te destines que não és futura.
Quem sabe se, entre a taça que esvazias,
E ela de novo enchida, não te há sorte
Interpõe o abismo?
(UFPE) Fernando Pessoa é considerado o maior poeta do
primeiro Modernismo português, pela genial versatilidade de
sua criação. Leia o poema abaixo e analise as questões
seguintes.
Gato que brincas na rua
Como se fosse na cama,
Invejo a sorte que é tua
Porque nem sorte se chama.
Bom servo das leis fatais
Que regem pedras e gentes,
Que tens instintos gerais
E sentes só o que sentes.
És feliz porque és assim,
Todo o nada que és é teu.
Eu vejo-me e estou sem mim,
Conheço-me e não sou eu.
(Fernando Pessoa, Obra Poética.)
QUESTÃO02
( ) Fernando Pessoa, o ortônimo, escreveu uma poesia
diversificada. Além de seu cancioneiro, dialogou, por
exemplo, com a literatura quinhentista, como no caso da
obra Mensagem; compôs poemas dramáticos, poemas
ingleses e quadras ao gosto popular.
( ) No poema lido, o olhar do eu lírico se move para as
coisas ínfimas, para o pormenor, o que desperta a reflexão
filosófica e faz encontrar nessas coisas significados
maiores.
( ) Tal como em Tabacaria, do heterônimo Álvaro de
Campos, em que o poeta se fixa na rapariga que come
chocolate, o poema destacado reflete um momento
existencial do eu lírico, em que a atenção se foca na falta
de preocupação do gato, que espanta o poeta e lhe inspira
inveja.
( ) O sujeito do discurso sente inveja do gato porque o
animal, seguindo a lei de seu destino, sente prazer em
brincar sem ter disso consciência, o que nos permite
remeter à filosofia do heterônimo Alberto Caeiro, para
quem “a luz do sol vale mais que os pensamentos”.
( ) Os dois últimos versos do poema encerram um lamento
do eu lírico e permite concluir que o gato, ao contrário do
(V ) Fernando Pessoa, o ortônimo, escreveu uma poesia
diversificada. Além de seu cancioneiro, dialogou, por
exemplo, com a literatura quinhentista, como no caso da
obra Mensagem; compôs poemas dramáticos, poemas
ingleses e quadras ao gosto popular.
( V ) No poema lido, o olhar do eu lírico se move para as
coisas ínfimas, para o pormenor, o que desperta a reflexão
filosófica e faz encontrar nessas coisas significados
maiores.
(V ) Tal como em Tabacaria, do heterônimo Álvaro de
Campos, em que o poeta se fixa na rapariga que come
chocolate, o poema destacado reflete um momento
existencial do eu lírico, em que a atenção se foca na falta
de preocupação do gato, que espanta o poeta e lhe inspira
inveja.
(V ) O sujeito do discurso sente inveja do gato porque o
animal, seguindo a lei de seu destino, sente prazer em
brincar sem ter disso consciência, o que nos permite
remeter à filosofia do heterônimo Alberto Caeiro, para
quem “a luz do sol vale mais que os pensamentos”.
(F ) Os dois últimos versos do poema encerram um
lamento do eu lírico e permite concluir que o gato, ao
contrário do poeta, não se vê e está centrado em si; não se
conhece, mas sabe o que é, ou seja, um gato.
Relacione os fragmentos a seguir de acordo com as
características dos heterônimos de Fernando Pessoa:
I.
“(...) Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam.”
II.
“(...) Começo a conhecer-me. Não existo.
Sou o intervalo entre o que desejo ser e os
outros me fizeram,
ou metade desse intervalo, porque também há
vida ...
Sou isso, enfim (...)”.
QUESTÃO03
III.
“(...) Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar ...
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar...”.
IV.
“(...) Será que em seu movimento
A brisa lembre a partida,
Ou que a largueza do vento
Lembre o ar livre da ida?
Não sei, mas subitamente
Sinto a tristeza de estar
O sonho triste que há rente
Entre sonhar e sonhar.”
( ) Bernardo Soares.
( ) Álvaro de Campos.
( ) Alberto Caeiro.
( ) Ricardo Reis.
a) IV, II, III e I.
b) I, II, IV e III.
c) III, I, IV e II.
d) II, IV, I e III.
( IV) Bernardo Soares.
(II ) Álvaro de Campos.
(III ) Alberto Caeiro.
(I ) Ricardo Reis.
a) IV, II, IIIe I.
b) I, II, IV e III.
c) III, I, IV e II.
d) II, IV, I e III.
COMENTÁRIOSAOGABARITO
DA QUESTÃO 03
Bernardo Soares é uma espécie de alter ego do
poeta. É dele uma das mais importantes obras
de Fernando Pessoa, Livro do desassossego. A
principal característica de Alberto Caeiro é a
forte ligação com a natureza e a negação de
qualquer tipo de pensamento filosófico. Entre
todos os heterônimos, Álvaro de Campos foi o
único a apresentar fases poéticas diferentes: foi
decadentista, futurista e niilista. Concebida no
estilo Neoclássico, a poesia de Ricardo Reis
caracteriza-se pelo emprego de uma linguagem
culta e precisa, distante de espontaneidade.
ENEM2004
A tirinha de Hagar estabelece um interessante contraponto com o
poema Eu sou do tamanho do que vejo, de Alberto Caeiro
Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo...
Por isso minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...
(Alberto Caeiro)
QUESTÃO04
A tira Hagar e o poema de Alberto Caeiro (um dos
heterônimos de Fernando Pessoa) expressam, com
linguagens diferentes, uma mesma ideia: a de que a
compreensão que temos do mundo é condicionada,
essencialmente,
a) pelo alcance de cada cultura.
b) pela capacidade visual do observador.
c) pelo senso de humor de cada um.
d) pela idade do observador.
e) pela altura do ponto de observação.
A tira Hagar e o poema de Alberto Caeiro (um dos
heterônimos de Fernando Pessoa) expressam, com
linguagens diferentes, uma mesma ideia: a de que a
compreensão que temos do mundo é condicionada,
essencialmente,
a) pelo alcance de cada cultura.
b) pela capacidade visual do observador.
c) pelo senso de humor de cada um.
d) pela idade do observador.
e) pela altura do ponto de observação.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx

FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1
satense
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdfprosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
CarolinaDeCastroCerv1
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
Jonatas Carlos
 
A forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaA forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literatura
Márcio Hilário
 
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando PessoaTexto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Diogo Reis
 
Fernando Pessoa Heterônimos.pptx
Fernando Pessoa Heterônimos.pptxFernando Pessoa Heterônimos.pptx
Fernando Pessoa Heterônimos.pptx
IvanRoldo
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
litegatuga
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
ALYNNE FERREIRA
 
resumos
resumosresumos
resumos
Diogo Tavares
 
Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1
Dina Baptista
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
ESVieira do Minho
 
Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
Custódia Rebocho
 
Prosa e verso
Prosa e versoProsa e verso
Prosa e verso
ma.no.el.ne.ves
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
Jéssica Maria Bartnikowsky
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
Fernanda Cabral
 
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo PaesPoetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
Paula Back
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
Colégio Santa Luzia
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Andréia Peixoto
 

Semelhante a Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx (20)

FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12
FPOH-CT12
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdfprosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
prosas-seguidas-de-odes-mnimas_compress.pdf
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
A forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaA forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literatura
 
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando PessoaTexto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa Heterônimos.pptx
Fernando Pessoa Heterônimos.pptxFernando Pessoa Heterônimos.pptx
Fernando Pessoa Heterônimos.pptx
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
 
resumos
resumosresumos
resumos
 
Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1Poesia do século XX - 1
Poesia do século XX - 1
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Fernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e HeterónimosFernando Pessoa e Heterónimos
Fernando Pessoa e Heterónimos
 
Prosa e verso
Prosa e versoProsa e verso
Prosa e verso
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
 
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo PaesPoetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
Poetas da contemporaneidade: Adélia Prado, Manoel de Barros e José Paulo Paes
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 

Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx

  • 1. O MODERNISMO EM PORTUGAL GERAÇÃO DE ORPHEU E FERNANDO PESSOA
  • 2. ALÍRICAMODERNA Característica comum a todos os artistas da vanguarda moderna: a ruptura com a tradição cultural e o desejo de criar uma nova estética em face à crise da humanidade provocada pelos horrores do entre- guerras.
  • 6. Quando digo Eu não me refiro apenas a mim mas a todo aquele que couber dentro do jeito em que está empregado o verbo na primeira pessoa. Almada Negreiros, A invenção do dia claro
  • 8. I Um ente de paixão e sacrifício, De sofrimento cheio, eis a mulher! Esmaga o coração dentro do peito, E nem te doas coração, sequer! Sê forte, corajoso, não fraquejes Na luta: sê em Vénus sempre Marte; Sempre o mundo é vil e infame e os homens Se te sentem gemer hão-de pisar-te! Se à vezes tu fraquejas, pobrezinho, Essa brancura ideal de puro arminho Eles deixam pra sempre maculada; E gritam então vis: "Olhem, vejam É aquela a infame!" e apedrejam a pobrezita, a triste, a desgraçada! Leia mais: https://www.luso- poemas.net/modules/news03/article.php?storyid=380 © Luso-Poemas
  • 9. II Ó Mulher! Como é fraca e como és forte! Como sabes ser doce e desgraçada! Como sabes fingir quando em teu peito A tua alma se estorce amargurada! Quantas morrem saudosas duma image Adorada que amaram doidamente! Quantas e quantas almas endoidecem Enquanto a boca ri alegremente! Quanta paixão e amor às vezes têm Sem nunca o confessarem a ninguém Doces almas de dor e sofrimento! Paixão que faria a felicidade Dum rei; amor de sonho e de saudade, Que se esvai e que foge num lamento! Leia mais: https://www.luso- poemas.net/modules/news03/article.php?storyid=380 © Luso-Poemas
  • 11. “Com uma tal falta de gente coexistível, como há hoje, que pode um homem de sensibilidade fazer senão inventar osseus amigos, ou quando menos, osseus companheirosde espírito?”
  • 12. A fragmentação em Fernando Pessoa envolve um ato de fingimento que se completa na utilização de várias linguagens, reveladoras do sujeito como um ser múltiplo. Parece que Pessoa levou ao extremo a fragmentação, chegando mesmo à despersonalização.
  • 13. Criou não um, mas vários sujeitos líricos. Entende-se esses sujeitos líricos como personas, como máscaras, como criações.
  • 14. Sua obra é dividida em produção ortônima e heterônima. O heterônimo é um personagem criado pelo poeta, que escreve a sua própria obra. Tem nome, obra, biografia e, sobretudo, um estilo próprios.
  • 15. O autor, o criador do heterônimo, passa a ser chamado de “ortônimo” e a sua criação passa a ser chamada de “heterônimo”, não havendo possibilidade de existência de um sem o outro. Fernando Pessoa foi quem criou essa designação e é o único caso, até o momento, de heteronímia na literatura universal.
  • 16. OBRA ORTÔNIMA C a n c i o n e i r o e Q u a d r a a o Go t o Po p u l a r - p o e i a l ír i c a , d e r e f l e x ã o e x i t e n c i a l e o b r e a a r t e p o é t i c a M en a gem -(ún i c o l i v r o p u b l i c a d o e m v i d a ) p o e m a M í t i c o e N a c i o n a l i t a . Divide- e em: 🢝1ª parte: Brasão - feitos anteriores às navegações 🢝2ª parte: Mar Português - as grandes conquistas
  • 17. MAR PORTUGUÊS “Ó Mar Salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu”.
  • 19. AUTOPSICOGRAFIA O poeta é um fingidor, Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só as que ele não tem. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração
  • 20. Dizem que finjo ou minto Tudo o que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação Não uso o coração. Tudo o que sonho ou passo, O que me falha ou finda É como que um terraço Sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda. Por isso escrevo em meio Do que não está ao pé, Livre do meu enleio, Sério do que não é. Sentir? Sinta quem lê!. Fernando Pessoa
  • 22. Heterónimos de Fernando Pessoa: Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos. Desenhos de José de Almada Negreiros. Pormenor da fachada gravada da Faculdade de Letras da U.C.L., 1957-61. França, J. Augusto (1974)
  • 23. Sentir tudo de todas as maneiras, Viver tudo de todos os lados, Ser a mesma coisa de todos os modos possíveisao mesmo tempo, Realizar em si toda a humanidade de todos os momentos Num só momento difuso, profuso,completo e longínquo. Álvaro de Campos
  • 24. Quando o autor faz uso de “heterônimos”, não se esconde sob um nome falso. Ocorre bem o contrário, “ele se coloca em posição de diálogo com o sujeito lírico que ele mesmo criou, além de assinar a sua própria obra.”
  • 26. Ricardo Reis Álvaro de Campos Alberto Caeiro Médico Engenheiro Naval Camponês Poeta culto e calmo Rebelde- tudo questiona Pouca escolaridade- poesia voltada para natureza Filosofia de Epicuro irônico Simplicidade da vida Contentar-se com o que se tem razão Sentir- coração
  • 27. ALBERTO CAEIRO nasceu em 1889 em Lisboa, mas passou toda sua vida no campo. Não tinha profissão e educação mínima. Poeta da Natureza, linguagem simples, espontânea, sem rimas, quase uma prosa. Valoriza o viver de modo simples e objetivo. Ficções do Interlúdio (O Guardador de Rebanhos; O pastor Amoroso ) “É preciso desaprender as ideias para aprender as coisas.”
  • 28. AlbertoCaeiro O Pai dos heterônimos, o “mestre”. Aquele cuja poesia mais se aproximou da do próprio Fernando Pessoa, por encontrar no sentir a base mais sólida de se viver. Para o mestre, o que importava era viver o mundo, era nele estar presente, sem querer saber o porquê de estar-se ali naquele momento, sem interrogar-se do que se vive. Para Caeiro, o objetivo era aprender a desaprender, aprender a não pensar, a silenciar a mente, a somente viver o contato direto com a realidade que se tinha à frente, palpável.A vida para ele era o puro sentir. O que valia para Caeiro era o hoje, era o presente, era o agora. Era solitário e neutro. Contrário ao misticismo. Camponês, de linguagem simples e paradoxal.
  • 29. O GUARDADOR DE REBANHOS “Sou um guardador de rebanhos. O rebanho é os meus pensamentos E os meus pensamentos são todos sensações Penso com os olhos e com os ouvidos E com as mãos e os pés E com o nariz e a boca.”
  • 30. METAFÍSICA “Há metafísica bastante em não pensar em nada. O mistério das coisas? Sei lá o que é o mistério! O único mistério é haver quem pense no mistério. (...) É essa a única missão no Mundo Essa – existir claramente, E saber fazê-lo sem pensar nisso.”
  • 31. RICARDO REIS nasceu em 1887 na cidade do Porto. Foi educado num colégio jesuíta, representa a face humanista de Fernando Pessoa. Estudou grego, latim e formou-se em medicina. Em 1919 vem ao Brasil. Escreveu Odes (composição poética lírica que entre os gregos antigos se destinava a ser cantada) com linguagem trabalhada e purista (postulados gramaticais rígidos). Sua temática é de inspiração clássica (Concebe a vida estoicamente).
  • 32. RicardoReii A veia clássica dos heterônimos de Fernando Pessoa. Monarquista, educado em colégio de jesuístas, amante das culturas grega e latina. Buscou sempre o mais alto, o impossível em sua poesia, esta refinada, concisa, com linguagem bem trabalhada e vocabulário rebuscado. Participou bastante da revista Presença, da denominada 2ª fase do modernismo português. Seus poemas eram odes, poemas líricos, com métrica, estrofes regulares e variáveis. Suas odes voltavam-se aos deuses da mitologia grega. Ao contrário de seu mestre, Reis pensava bastante nos deuses, esses que, para ele, controlavam o destino dos homens e estavam acima de tudo.
  • 33. ODES Para ser grande, sê inteiro: nada Teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és No mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda Brilha, porque alta vive
  • 34. NÃO SÓ QUEM NOS ODEIA OU NOS INVEJA Nos limita e oprime; quem nos ama Não menos nos limita. Que os deuses me concedam que, despido De afetos, tenha a fria liberdade Dos píncaros sem nada. Quem quer pouco, tem tudo; quem quer nada É livre; quem não tem, e não deseja, Homem, é igual aos deuses.
  • 35. ÁLVARO DE CAMPOS nasceu em 1890, em Tavira. Estudou engenharia (mecânica e naval) na Escócia. Sua obra é dividida em 3 fase: 1ª Influência Simbolista, tédio diante do mundo – “Opiário” 2ª Influência do Modernismo, poemas futuristas – “Ode Triunfal” e “Ode Marítima” 3ª Poesia amarga e angustiada, imagens de uma vida vazia, desencontro do sujeito com o mundo – “Tabacaria” e “Lisbon Revisited”.
  • 36. Álvaro de Campos é o mais fecundo e versátil heterônimo de Fernando Pessoa, e também o mais nervoso e emotivo, por vezes até histérico. Com algumas composições iniciais, que devem algo ao Decadentismo ("Opiário"), Álvaro de Campos é, sobretudo, o futurista da exaltação da energia até ao paroxismo (ao auge), da velocidade e da força da civilização mecânica do futuro, patentes na "Ode Triunfal".
  • 37. É o único heterônimo que conhece uma evolução ("Fui em tempos poeta decadente; hoje creio que estou decadente, e já não o sou"). Passa por três fases: 🢝 a decadentista, 🢝a futurista e sensacionista e, por fim, 🢝a intimista-melancólica.
  • 38. LISBON REVISITAD “Não : não quero nada. Já disse que não quero nada. Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer. Não me tragam estéticas! Não me falem em moral! (...) Não me peguem no braço! Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sozinho. Já disse que sou sozinho! Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!”
  • 39. TABACARIA (fragmento) Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. Janelas do meu quarto, Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é (E se soubessem quem é, o que saberiam?), Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente, Para uma rua inacessível a todos os pensamentos, Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa, Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres, Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens, Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada. Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade. Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer, E não tivesse mais irmandade com as coisas Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada De dentro da minha cabeça,
  • 41. QUESTÃO01 “Como aludido, Ricardo Reis é um poeta doutrinário. Ele considera a existência humana um jogo em que, por definição, sairemos derrotados – o xeque-mate nos é aplicado pelas mãos hábeis e insondáveis do Destino.” (OLIVEIRA, Paulo. In: Revista Discutindo Literatura. Ano 1, 2. ed.) Segundo a citação, Ricardo Reis – heterônimo pagão de Fernando Pessoa – põe a existência humana nas mãos das forças irrevogáveis do Destino. Há momentos que seus versos inflamam-se de tamanha consciência da brevidade da vida, que beiram a um pessimismo esnobe por considerar-se único sabedor de que tudo passa. Deste modo investe-se de certo didatismo e convida o leitor a atentar para a consciência de que nada somos, de que nada sabemos. Com base na citação e na afirmação, interprete os versos em que o poeta, afastando-se dessa linha, propõe uma meta apenas para
  • 42. a) Ninguém, na vasta selva virgem Do mundo inumerável, finalmente Vê o Deus que conhece. b) Seja qual for o certo, Mesmo para com esses Que cremos sejam deuses, não sejamos Inteiros numa fé talvez sem causa. c) Deixemos, Lidia, a ciência que não põe Mais flores do que a Flora pelos mesmos campos Nem dá de Apolo ao carro Outro curso que Apolo. d) Quero ignorado, e calmo Por ignorado, e próprio Por calmo encher meus dias. De não querer mais deles. e) Não te destines que não és futura. Quem sabe se, entre a taça que esvazias, E ela de novo enchida, não te há sorte Interpõe o abismo?
  • 43. a) Ninguém, na vasta selva virgem Do mundo inumerável, finalmente Vê o Deus que conhece. b) Seja qual for o certo, Mesmo para com esses Que cremos sejam deuses, não sejamos Inteiros numa fé talvez sem causa. c) Deixemos, Lidia, a ciência que não põe Mais flores do que a Flora pelos mesmos campos Nem dá de Apolo ao carro Outro curso que Apolo. d) Quero ignorado, e calmo Por ignorado, e próprio Por calmo encher meus dias. De não querer mais deles. e) Não te destines que não és futura. Quem sabe se, entre a taça que esvazias, E ela de novo enchida, não te há sorte Interpõe o abismo?
  • 44. (UFPE) Fernando Pessoa é considerado o maior poeta do primeiro Modernismo português, pela genial versatilidade de sua criação. Leia o poema abaixo e analise as questões seguintes. Gato que brincas na rua Como se fosse na cama, Invejo a sorte que é tua Porque nem sorte se chama. Bom servo das leis fatais Que regem pedras e gentes, Que tens instintos gerais E sentes só o que sentes. És feliz porque és assim, Todo o nada que és é teu. Eu vejo-me e estou sem mim, Conheço-me e não sou eu. (Fernando Pessoa, Obra Poética.) QUESTÃO02
  • 45. ( ) Fernando Pessoa, o ortônimo, escreveu uma poesia diversificada. Além de seu cancioneiro, dialogou, por exemplo, com a literatura quinhentista, como no caso da obra Mensagem; compôs poemas dramáticos, poemas ingleses e quadras ao gosto popular. ( ) No poema lido, o olhar do eu lírico se move para as coisas ínfimas, para o pormenor, o que desperta a reflexão filosófica e faz encontrar nessas coisas significados maiores. ( ) Tal como em Tabacaria, do heterônimo Álvaro de Campos, em que o poeta se fixa na rapariga que come chocolate, o poema destacado reflete um momento existencial do eu lírico, em que a atenção se foca na falta de preocupação do gato, que espanta o poeta e lhe inspira inveja. ( ) O sujeito do discurso sente inveja do gato porque o animal, seguindo a lei de seu destino, sente prazer em brincar sem ter disso consciência, o que nos permite remeter à filosofia do heterônimo Alberto Caeiro, para quem “a luz do sol vale mais que os pensamentos”. ( ) Os dois últimos versos do poema encerram um lamento do eu lírico e permite concluir que o gato, ao contrário do
  • 46. (V ) Fernando Pessoa, o ortônimo, escreveu uma poesia diversificada. Além de seu cancioneiro, dialogou, por exemplo, com a literatura quinhentista, como no caso da obra Mensagem; compôs poemas dramáticos, poemas ingleses e quadras ao gosto popular. ( V ) No poema lido, o olhar do eu lírico se move para as coisas ínfimas, para o pormenor, o que desperta a reflexão filosófica e faz encontrar nessas coisas significados maiores. (V ) Tal como em Tabacaria, do heterônimo Álvaro de Campos, em que o poeta se fixa na rapariga que come chocolate, o poema destacado reflete um momento existencial do eu lírico, em que a atenção se foca na falta de preocupação do gato, que espanta o poeta e lhe inspira inveja. (V ) O sujeito do discurso sente inveja do gato porque o animal, seguindo a lei de seu destino, sente prazer em brincar sem ter disso consciência, o que nos permite remeter à filosofia do heterônimo Alberto Caeiro, para quem “a luz do sol vale mais que os pensamentos”. (F ) Os dois últimos versos do poema encerram um lamento do eu lírico e permite concluir que o gato, ao contrário do poeta, não se vê e está centrado em si; não se conhece, mas sabe o que é, ou seja, um gato.
  • 47. Relacione os fragmentos a seguir de acordo com as características dos heterônimos de Fernando Pessoa: I. “(...) Mas serenamente Imita o Olimpo No teu coração. Os deuses são deuses Porque não se pensam.” II. “(...) Começo a conhecer-me. Não existo. Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram, ou metade desse intervalo, porque também há vida ... Sou isso, enfim (...)”. QUESTÃO03
  • 48. III. “(...) Eu não tenho filosofia: tenho sentidos... Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é, mas porque a amo, e amo-a por isso, Porque quem ama nunca sabe o que ama Nem sabe por que ama, nem o que é amar ... Amar é a eterna inocência, E a única inocência não pensar...”.
  • 49. IV. “(...) Será que em seu movimento A brisa lembre a partida, Ou que a largueza do vento Lembre o ar livre da ida? Não sei, mas subitamente Sinto a tristeza de estar O sonho triste que há rente Entre sonhar e sonhar.”
  • 50. ( ) Bernardo Soares. ( ) Álvaro de Campos. ( ) Alberto Caeiro. ( ) Ricardo Reis. a) IV, II, III e I. b) I, II, IV e III. c) III, I, IV e II. d) II, IV, I e III.
  • 51. ( IV) Bernardo Soares. (II ) Álvaro de Campos. (III ) Alberto Caeiro. (I ) Ricardo Reis. a) IV, II, IIIe I. b) I, II, IV e III. c) III, I, IV e II. d) II, IV, I e III.
  • 52. COMENTÁRIOSAOGABARITO DA QUESTÃO 03 Bernardo Soares é uma espécie de alter ego do poeta. É dele uma das mais importantes obras de Fernando Pessoa, Livro do desassossego. A principal característica de Alberto Caeiro é a forte ligação com a natureza e a negação de qualquer tipo de pensamento filosófico. Entre todos os heterônimos, Álvaro de Campos foi o único a apresentar fases poéticas diferentes: foi decadentista, futurista e niilista. Concebida no estilo Neoclássico, a poesia de Ricardo Reis caracteriza-se pelo emprego de uma linguagem culta e precisa, distante de espontaneidade.
  • 53. ENEM2004 A tirinha de Hagar estabelece um interessante contraponto com o poema Eu sou do tamanho do que vejo, de Alberto Caeiro Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo... Por isso minha aldeia é grande como outra qualquer Porque sou do tamanho do que vejo E não do tamanho da minha altura... (Alberto Caeiro) QUESTÃO04
  • 54. A tira Hagar e o poema de Alberto Caeiro (um dos heterônimos de Fernando Pessoa) expressam, com linguagens diferentes, uma mesma ideia: a de que a compreensão que temos do mundo é condicionada, essencialmente, a) pelo alcance de cada cultura. b) pela capacidade visual do observador. c) pelo senso de humor de cada um. d) pela idade do observador. e) pela altura do ponto de observação.
  • 55. A tira Hagar e o poema de Alberto Caeiro (um dos heterônimos de Fernando Pessoa) expressam, com linguagens diferentes, uma mesma ideia: a de que a compreensão que temos do mundo é condicionada, essencialmente, a) pelo alcance de cada cultura. b) pela capacidade visual do observador. c) pelo senso de humor de cada um. d) pela idade do observador. e) pela altura do ponto de observação.