SlideShare uma empresa Scribd logo
C A P I T U L O 1 9
O P O D E R D A F É – A F É R E L I G I O S A .
C O N D I Ç Ã O D A F É I N A B A L Á V E L – P A R Á B O L A
D A F I G U E I R A S E C A – I N S T R U Ç Õ E S D O S
E S P Í R I T O S : A F É , M Ã E D A E S P E R A N Ç A E D A
C A R I D A D E – A F É D I V I N A E A F É H U M A N A
A fé que transporta
Montanhas!
O Poder da Fé!
 “E depois que veio até o povo, um homem se aproximou Dele,
colocou-se de joelhos aos Seus pés e Lhe disse: Senhor, tende piedade
de meu filho, que é lunático e sofre muito, pois cai muitas vezes no
fogo e muitas vezes na água. Eu o mostrei a Seus discípulos, mas eles
não puderam curá-lo. – Jesus respondeu, dizendo: Oh! geração
incrédula e perversa, até quando estarei convosco? Até quando vos
hei de sofrer?
 E tendo Jesus ameaçado o demônio, ele o deixou e desde aquela hora
ficou o menino curado. Então, os discípulos disseram a Jesus: Por que
nós não pudemos lançá-lo fora? Jesus lhes respondeu: Por causa da
vossa incredulidade. Pois Eu vos digo, em verdade, se tiverdes fé do
tamanho de um grão de mostarda, direis a esta montanha:
Transporta-te daqui para acolá, e ela se transportará, e nada vos será
impossível.”
A fé Robusta e a Fé Vacilante
 No sentido comum, é certo que a confiança em nossas
próprias forças torna-nos capazes de executar coisas
materiais que não podemos fazer, quando duvidamos de nós
mesmos; mas, aqui, é unicamente no sentido moral que se
deve entender essas palavras.
 A fé robusta dá a perseverança, a energia e os recursos
necessários para vencer os obstáculos, tanto nas grandes
como nas pequenas coisas.
 A fé vacilante gera a incerteza, a hesitação, da qual se
aproveitam os adversários que devemos combater. Ela não
busca os meios de vencer, pois não acredita na possibilidade
de vitória.
Fé Sincera e Fé Insegura
 Em uma outra concepção, considera-se fé a confiança que
se tem no cumprimento de determinada coisa, na certeza
de se atingir um objetivo. Ela proporciona um tipo de
lucidez, que faz antever, pelo pensamento, os fins que se
têm em vista e os meios de atingi-los.
 A fé sincera e verdadeira é sempre calma; dá a paciência
que sabe aguardar, pois, tendo seu ponto de apoio na
inteligência e na compreensão das coisas, tem a certeza de
chegar ao fim.
 A fé insegura sente a sua própria fraqueza; quando é
estimulada pelo interesse torna-se furiosa e crê suprir a
força com a violência.
Fé é Magnetismo
 O poder da fé recebe aplicação direta na ação magnética. Por ela,
o homem age sobre o fluido – agente universal – modificando as
suas qualidades e lhe dando uma impulsão, por assim dizer,
irresistível. É por isso que, juntando-se a um grande poder
fluídico normal uma fé ardente, pode-se operar, unicamente pela
sua vontade dirigida para o bem, esses fenômenos estranhos de
curas e de outra natureza, que antigamente eram considerados
milagres e, que, entretanto, não passam de consequências de uma
lei natural.
 Tal é a razão pela qual Jesus disse aos Seus apóstolos: “Se não
conseguistes curar é por causa da vossa pequena fé”.
 O Magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé, quando
posta em ação. É pela fé que ele cura e produz esses fenômenos
estranhos que, antigamente, foram qualificados como milagres.
A fé religiosa - Condição da fé inabalável
 Do ponto de vista religioso, a fé é a crença nos dogmas
particulares que constituem as diferentes religiões, e todas
elas têm os seus artigos de fé.
 A fé não se prescreve, mas se adquire, e a ninguém é recusado
possuí-la, mesmo entre os mais refratários. Falamos de
verdades espirituais fundamentais, e não de tal ou qual
crença. Não é a fé que vai até elas, mas elas é que devem
procurá-la e, se o fizerem com sinceridade, a encontrarão.
Tomai por certo que aqueles que dizem: “Seria melhor se
acreditássemos, mas não o podemos fazer”, dizem-no com os
lábios, e não sinceramente, pois dizendo isso, eles fecham os
ouvidos. As provas, entretanto, crescem ao seu redor.
Fé Cega
 A fé cega, nada examinando, aceita sem controle o
falso e o verdadeiro, e se choca a cada passo com a
evidência da razão. Levada ao extremo, ela produz o
fanatismo. Quando a fé se firma no erro, ela
desmorona cedo ou tarde. É essa fé contra a qual,
principalmente, se levanta o incrédulo, o que mostra
a verdade de que a fé não se impõe. Não admitindo
provas, ela deixa no Espírito um vazio, de onde
nasce a dúvida.
Fé Raciocinada!
 A Fé raciocinada que tem por base a verdade é
a única com futuro assegurado, porque nada deve
temer do progresso do conhecimento, já que o que
é verdadeiro na obscuridade também o é à plena
luz. A fé raciocinada, que se apoia nos fatos e na
lógica, não deixa nenhuma obscuridade: crê-se,
porque se tem a certeza, e somente estamos certos
se compreendemos. É por isso que ela não se
dobra, pois a fé inabalável é somente aquela que
pode encarar a razão face a face em todas as
épocas da Humanidade.
Parábola da figueira seca
 “Quando saíam de Betânia, Ele teve fome, e, vendo ao
longe uma figueira, foi ver se poderia encontrar nela
alguma coisa. Aproximando-se, encontrou apenas folhas,
pois não era tempo de figos. Então, Jesus disse à figueira:
Que jamais ninguém coma de ti nenhum fruto. No dia
seguinte, ao passarem pela figueira, eles a encontraram
seca até as raízes. E Pedro, lembrando-se das palavras de
Jesus, disse-Lhe: Mestre, vês como a figueira que
amaldiçoastes está seca. Jesus, tomando a palavra, lhe
disse: Tende fé em Deus. Eu vos digo, em verdade, que
qualquer um que disser a esta montanha: Tira-te daqui e
lança-te ao mar sem hesitar, no seu coração, e acreditando
firmemente que tudo o que disse sucederá, realmente,
assim vai acontecer.” (Marcos, XI:12-14 e 20-23)
 A figueira seca é o símbolo das pessoas que têm apenas a
aparência bondosa, mas, na verdade, nada produzem de
bom: dos oradores que possuem mais brilho do que solidez;
suas palavras têm o verniz exterior, agradam aos ouvidos;
mas, quando as analisamos, nada revelam de substancial
para o coração. Depois de tê-las ouvido, perguntamos que
proveito delas tiramos. É ainda o símbolo de todos os que
têm os meios de serem úteis e não o são; dos sistemas vazios,
de todas as doutrinas sem base sólida. É por isso que Jesus
as condena à esterilidade, pois chegará o dia em que ficarão
secas até as raízes. Isso quer dizer que todos os sistemas,
todas as doutrinas que não tiverem produzido nenhum bem
para a Humanidade, cairão no nada.
A fé, mãe da esperança e da caridade
 A fé, para ser proveitosa, deve ser ativa; não pode
adormecer. Mãe de todas as virtudes que conduzem a
Deus... A fé, divina inspiração de Deus, desperta todos
os nobres sentimentos que conduzem o homem ao bem:
é a base da regeneração. É preciso, pois, que esta base
seja forte e durável, porque se a menor dúvida vier
abalá-la, o que acontecerá com o edifício que
construístes sobre ela? Erguei, portanto, este edifício
sobre bases inabaláveis.
 .Amai a Deus, mas sabei por que O amais.
 Crede nas suas promessas, mas sabei por que o
fazeis.
A fé divina e a fé humana
 O Cristo, que realizou verdadeiros milagres, mostrou, através dos
mesmos, o que pode o homem quando tem fé – ou seja – a vontade
de querer e a certeza de que essa vontade pode realizar-se a si
mesma. Ora, o que eram esses milagres senão os efeitos naturais
de uma causa desconhecida pelos homens de então, mas hoje em
grande parte explicada, e que será compreendida totalmente com
o estudo do Espiritismo e do Magnetismo.
 O homem de gênio que persegue a realização de alguma grande
empreitada triunfa, se tiver fé, pois ele sente que pode e deve
conseguir, e esta certeza lhe dá uma força imensa.
 O homem de bem que, crendo em seu futuro celeste, quer realizar
em sua vida belas e nobres ações, tira da sua fé e da certeza da
felicidade que o espera, a força necessária.
A fé que transporta Montanhas!.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A fé que transporta Montanhas!.

A fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 eseA fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 ese
ctollin
 
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEMA fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Não perca a sua fé
Não perca a sua féNão perca a sua fé
Não perca a sua fé
Joselito Machado
 
A fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptxA fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptx
LuizHenriqueTDias
 
A Fé nos Reveses da Vida.pptx
A Fé nos Reveses da Vida.pptxA Fé nos Reveses da Vida.pptx
A Fé nos Reveses da Vida.pptx
CanelaLuizCarlosoliv
 
Exercicios da fe
Exercicios da feExercicios da fe
Exercicios da fe
eduhpimentel
 
Ante a tempestade
Ante a tempestadeAnte a tempestade
Ante a tempestade
Helio Cruz
 
A necessidade de aumentar a fé Spurgeon
A necessidade de aumentar a fé   SpurgeonA necessidade de aumentar a fé   Spurgeon
A necessidade de aumentar a fé Spurgeon
Silvio Dutra
 
Quem me tocou
Quem me tocouQuem me tocou
Quem me tocou
Marco Aurelio Recco
 
Quem me tocou
Quem me tocouQuem me tocou
Quem me tocou
Marcelo Monteiro
 
FéFé
Oração do Poder formato grande
Oração  do Poder   formato grandeOração  do Poder   formato grande
Oração do Poder formato grande
orapoder
 
Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê!
Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê!Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê!
Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê!
Sementes de Fé Uma Vida na Palavra
 
Fé e humildade 2 1
Fé e humildade 2 1Fé e humildade 2 1
Fé e humildade 2 1
Cleison Sampaio
 
Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!
Leonardo Pereira
 
E. w. kenyon os dois tipos de fé
E. w. kenyon   os dois tipos de féE. w. kenyon   os dois tipos de fé
E. w. kenyon os dois tipos de fé
Pastor Alexander König Ribeiro
 
De fé em fé
De fé em féDe fé em fé
De fé em fé
Juarez Fragata
 
palestra - grao de mostarda.pptx
palestra - grao de mostarda.pptxpalestra - grao de mostarda.pptx
palestra - grao de mostarda.pptx
LuizAntonioChaves
 
Fronteira católica agosto de 2016
Fronteira católica   agosto de 2016Fronteira católica   agosto de 2016
Fronteira católica agosto de 2016
JORNAL A FAMILIA CATÓLICA
 
O poder do báculo
O poder do báculoO poder do báculo
O poder do báculo
Natanael Araujo
 

Semelhante a A fé que transporta Montanhas!. (20)

A fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 eseA fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 ese
 
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEMA fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
Não perca a sua fé
Não perca a sua féNão perca a sua fé
Não perca a sua fé
 
A fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptxA fé renovada 2023-04-06.pptx
A fé renovada 2023-04-06.pptx
 
A Fé nos Reveses da Vida.pptx
A Fé nos Reveses da Vida.pptxA Fé nos Reveses da Vida.pptx
A Fé nos Reveses da Vida.pptx
 
Exercicios da fe
Exercicios da feExercicios da fe
Exercicios da fe
 
Ante a tempestade
Ante a tempestadeAnte a tempestade
Ante a tempestade
 
A necessidade de aumentar a fé Spurgeon
A necessidade de aumentar a fé   SpurgeonA necessidade de aumentar a fé   Spurgeon
A necessidade de aumentar a fé Spurgeon
 
Quem me tocou
Quem me tocouQuem me tocou
Quem me tocou
 
Quem me tocou
Quem me tocouQuem me tocou
Quem me tocou
 
FéFé
 
Oração do Poder formato grande
Oração  do Poder   formato grandeOração  do Poder   formato grande
Oração do Poder formato grande
 
Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê!
Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê!Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê!
Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê!
 
Fé e humildade 2 1
Fé e humildade 2 1Fé e humildade 2 1
Fé e humildade 2 1
 
Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!Fé humana e fé divina!
Fé humana e fé divina!
 
E. w. kenyon os dois tipos de fé
E. w. kenyon   os dois tipos de féE. w. kenyon   os dois tipos de fé
E. w. kenyon os dois tipos de fé
 
De fé em fé
De fé em féDe fé em fé
De fé em fé
 
palestra - grao de mostarda.pptx
palestra - grao de mostarda.pptxpalestra - grao de mostarda.pptx
palestra - grao de mostarda.pptx
 
Fronteira católica agosto de 2016
Fronteira católica   agosto de 2016Fronteira católica   agosto de 2016
Fronteira católica agosto de 2016
 
O poder do báculo
O poder do báculoO poder do báculo
O poder do báculo
 

Mais de ThiagoPereiraSantos2

Curso para intrutores da doutrina espirita!
Curso para intrutores da doutrina espirita!Curso para intrutores da doutrina espirita!
Curso para intrutores da doutrina espirita!
ThiagoPereiraSantos2
 
Libertação pelo amor.
Libertação pelo amor.Libertação pelo amor.
Libertação pelo amor.
ThiagoPereiraSantos2
 
O poder Das Palavras.pptx
O poder Das Palavras.pptxO poder Das Palavras.pptx
O poder Das Palavras.pptx
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 12.
Estudando André Luiz 1- Cap 12.Estudando André Luiz 1- Cap 12.
Estudando André Luiz 1- Cap 12.
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- cap 13
Estudando André Luiz 1- cap 13Estudando André Luiz 1- cap 13
Estudando André Luiz 1- cap 13
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- cap 14.
Estudando André Luiz 1- cap 14.Estudando André Luiz 1- cap 14.
Estudando André Luiz 1- cap 14.
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 10.
Estudando André Luiz 1- Cap 10.Estudando André Luiz 1- Cap 10.
Estudando André Luiz 1- Cap 10.
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 11.
Estudando André Luiz 1- Cap 11.Estudando André Luiz 1- Cap 11.
Estudando André Luiz 1- Cap 11.
ThiagoPereiraSantos2
 
O Evangelho no Lar.
O Evangelho no Lar.O Evangelho no Lar.
O Evangelho no Lar.
ThiagoPereiraSantos2
 
Quando as pequenas pedras importam.
Quando as pequenas pedras importam.Quando as pequenas pedras importam.
Quando as pequenas pedras importam.
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 9
Estudando André Luiz 1- Cap 9Estudando André Luiz 1- Cap 9
Estudando André Luiz 1- Cap 9
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 8
Estudando André Luiz 1- Cap 8Estudando André Luiz 1- Cap 8
Estudando André Luiz 1- Cap 8
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 7
Estudando André Luiz 1- Cap 7Estudando André Luiz 1- Cap 7
Estudando André Luiz 1- Cap 7
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 6.
Estudando André Luiz 1- Cap 6.Estudando André Luiz 1- Cap 6.
Estudando André Luiz 1- Cap 6.
ThiagoPereiraSantos2
 
O Caminho que devemos seguir.
O Caminho que devemos seguir.O Caminho que devemos seguir.
O Caminho que devemos seguir.
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 5.
Estudando André Luiz 1- Cap 5.Estudando André Luiz 1- Cap 5.
Estudando André Luiz 1- Cap 5.
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- cap 4.
Estudando André Luiz 1- cap 4.Estudando André Luiz 1- cap 4.
Estudando André Luiz 1- cap 4.
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 3.
Estudando André Luiz 1- Cap 3.Estudando André Luiz 1- Cap 3.
Estudando André Luiz 1- Cap 3.
ThiagoPereiraSantos2
 
Estudando André Luiz 1- Cap 2
Estudando André Luiz 1- Cap 2Estudando André Luiz 1- Cap 2
Estudando André Luiz 1- Cap 2
ThiagoPereiraSantos2
 
A auto cura, curando os males espirituais
A auto cura, curando os males espirituais A auto cura, curando os males espirituais
A auto cura, curando os males espirituais
ThiagoPereiraSantos2
 

Mais de ThiagoPereiraSantos2 (20)

Curso para intrutores da doutrina espirita!
Curso para intrutores da doutrina espirita!Curso para intrutores da doutrina espirita!
Curso para intrutores da doutrina espirita!
 
Libertação pelo amor.
Libertação pelo amor.Libertação pelo amor.
Libertação pelo amor.
 
O poder Das Palavras.pptx
O poder Das Palavras.pptxO poder Das Palavras.pptx
O poder Das Palavras.pptx
 
Estudando André Luiz 1- Cap 12.
Estudando André Luiz 1- Cap 12.Estudando André Luiz 1- Cap 12.
Estudando André Luiz 1- Cap 12.
 
Estudando André Luiz 1- cap 13
Estudando André Luiz 1- cap 13Estudando André Luiz 1- cap 13
Estudando André Luiz 1- cap 13
 
Estudando André Luiz 1- cap 14.
Estudando André Luiz 1- cap 14.Estudando André Luiz 1- cap 14.
Estudando André Luiz 1- cap 14.
 
Estudando André Luiz 1- Cap 10.
Estudando André Luiz 1- Cap 10.Estudando André Luiz 1- Cap 10.
Estudando André Luiz 1- Cap 10.
 
Estudando André Luiz 1- Cap 11.
Estudando André Luiz 1- Cap 11.Estudando André Luiz 1- Cap 11.
Estudando André Luiz 1- Cap 11.
 
O Evangelho no Lar.
O Evangelho no Lar.O Evangelho no Lar.
O Evangelho no Lar.
 
Quando as pequenas pedras importam.
Quando as pequenas pedras importam.Quando as pequenas pedras importam.
Quando as pequenas pedras importam.
 
Estudando André Luiz 1- Cap 9
Estudando André Luiz 1- Cap 9Estudando André Luiz 1- Cap 9
Estudando André Luiz 1- Cap 9
 
Estudando André Luiz 1- Cap 8
Estudando André Luiz 1- Cap 8Estudando André Luiz 1- Cap 8
Estudando André Luiz 1- Cap 8
 
Estudando André Luiz 1- Cap 7
Estudando André Luiz 1- Cap 7Estudando André Luiz 1- Cap 7
Estudando André Luiz 1- Cap 7
 
Estudando André Luiz 1- Cap 6.
Estudando André Luiz 1- Cap 6.Estudando André Luiz 1- Cap 6.
Estudando André Luiz 1- Cap 6.
 
O Caminho que devemos seguir.
O Caminho que devemos seguir.O Caminho que devemos seguir.
O Caminho que devemos seguir.
 
Estudando André Luiz 1- Cap 5.
Estudando André Luiz 1- Cap 5.Estudando André Luiz 1- Cap 5.
Estudando André Luiz 1- Cap 5.
 
Estudando André Luiz 1- cap 4.
Estudando André Luiz 1- cap 4.Estudando André Luiz 1- cap 4.
Estudando André Luiz 1- cap 4.
 
Estudando André Luiz 1- Cap 3.
Estudando André Luiz 1- Cap 3.Estudando André Luiz 1- Cap 3.
Estudando André Luiz 1- Cap 3.
 
Estudando André Luiz 1- Cap 2
Estudando André Luiz 1- Cap 2Estudando André Luiz 1- Cap 2
Estudando André Luiz 1- Cap 2
 
A auto cura, curando os males espirituais
A auto cura, curando os males espirituais A auto cura, curando os males espirituais
A auto cura, curando os males espirituais
 

Último

metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
GuilhermeCerqueira17
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
LEILANEGOUVEIA1
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 

Último (14)

metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdfmetafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
metafc3adsica-da-sac3bade-vol-4-luiz-gasparetto.pdf
 
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdfDiscipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
Discipulado Kids 01 Cristão Lição 01.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 

A fé que transporta Montanhas!.

  • 1. C A P I T U L O 1 9 O P O D E R D A F É – A F É R E L I G I O S A . C O N D I Ç Ã O D A F É I N A B A L Á V E L – P A R Á B O L A D A F I G U E I R A S E C A – I N S T R U Ç Õ E S D O S E S P Í R I T O S : A F É , M Ã E D A E S P E R A N Ç A E D A C A R I D A D E – A F É D I V I N A E A F É H U M A N A A fé que transporta Montanhas!
  • 2. O Poder da Fé!  “E depois que veio até o povo, um homem se aproximou Dele, colocou-se de joelhos aos Seus pés e Lhe disse: Senhor, tende piedade de meu filho, que é lunático e sofre muito, pois cai muitas vezes no fogo e muitas vezes na água. Eu o mostrei a Seus discípulos, mas eles não puderam curá-lo. – Jesus respondeu, dizendo: Oh! geração incrédula e perversa, até quando estarei convosco? Até quando vos hei de sofrer?  E tendo Jesus ameaçado o demônio, ele o deixou e desde aquela hora ficou o menino curado. Então, os discípulos disseram a Jesus: Por que nós não pudemos lançá-lo fora? Jesus lhes respondeu: Por causa da vossa incredulidade. Pois Eu vos digo, em verdade, se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda, direis a esta montanha: Transporta-te daqui para acolá, e ela se transportará, e nada vos será impossível.”
  • 3. A fé Robusta e a Fé Vacilante  No sentido comum, é certo que a confiança em nossas próprias forças torna-nos capazes de executar coisas materiais que não podemos fazer, quando duvidamos de nós mesmos; mas, aqui, é unicamente no sentido moral que se deve entender essas palavras.  A fé robusta dá a perseverança, a energia e os recursos necessários para vencer os obstáculos, tanto nas grandes como nas pequenas coisas.  A fé vacilante gera a incerteza, a hesitação, da qual se aproveitam os adversários que devemos combater. Ela não busca os meios de vencer, pois não acredita na possibilidade de vitória.
  • 4. Fé Sincera e Fé Insegura  Em uma outra concepção, considera-se fé a confiança que se tem no cumprimento de determinada coisa, na certeza de se atingir um objetivo. Ela proporciona um tipo de lucidez, que faz antever, pelo pensamento, os fins que se têm em vista e os meios de atingi-los.  A fé sincera e verdadeira é sempre calma; dá a paciência que sabe aguardar, pois, tendo seu ponto de apoio na inteligência e na compreensão das coisas, tem a certeza de chegar ao fim.  A fé insegura sente a sua própria fraqueza; quando é estimulada pelo interesse torna-se furiosa e crê suprir a força com a violência.
  • 5. Fé é Magnetismo  O poder da fé recebe aplicação direta na ação magnética. Por ela, o homem age sobre o fluido – agente universal – modificando as suas qualidades e lhe dando uma impulsão, por assim dizer, irresistível. É por isso que, juntando-se a um grande poder fluídico normal uma fé ardente, pode-se operar, unicamente pela sua vontade dirigida para o bem, esses fenômenos estranhos de curas e de outra natureza, que antigamente eram considerados milagres e, que, entretanto, não passam de consequências de uma lei natural.  Tal é a razão pela qual Jesus disse aos Seus apóstolos: “Se não conseguistes curar é por causa da vossa pequena fé”.  O Magnetismo é uma das maiores provas do poder da fé, quando posta em ação. É pela fé que ele cura e produz esses fenômenos estranhos que, antigamente, foram qualificados como milagres.
  • 6. A fé religiosa - Condição da fé inabalável  Do ponto de vista religioso, a fé é a crença nos dogmas particulares que constituem as diferentes religiões, e todas elas têm os seus artigos de fé.  A fé não se prescreve, mas se adquire, e a ninguém é recusado possuí-la, mesmo entre os mais refratários. Falamos de verdades espirituais fundamentais, e não de tal ou qual crença. Não é a fé que vai até elas, mas elas é que devem procurá-la e, se o fizerem com sinceridade, a encontrarão. Tomai por certo que aqueles que dizem: “Seria melhor se acreditássemos, mas não o podemos fazer”, dizem-no com os lábios, e não sinceramente, pois dizendo isso, eles fecham os ouvidos. As provas, entretanto, crescem ao seu redor.
  • 7. Fé Cega  A fé cega, nada examinando, aceita sem controle o falso e o verdadeiro, e se choca a cada passo com a evidência da razão. Levada ao extremo, ela produz o fanatismo. Quando a fé se firma no erro, ela desmorona cedo ou tarde. É essa fé contra a qual, principalmente, se levanta o incrédulo, o que mostra a verdade de que a fé não se impõe. Não admitindo provas, ela deixa no Espírito um vazio, de onde nasce a dúvida.
  • 8. Fé Raciocinada!  A Fé raciocinada que tem por base a verdade é a única com futuro assegurado, porque nada deve temer do progresso do conhecimento, já que o que é verdadeiro na obscuridade também o é à plena luz. A fé raciocinada, que se apoia nos fatos e na lógica, não deixa nenhuma obscuridade: crê-se, porque se tem a certeza, e somente estamos certos se compreendemos. É por isso que ela não se dobra, pois a fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão face a face em todas as épocas da Humanidade.
  • 9. Parábola da figueira seca  “Quando saíam de Betânia, Ele teve fome, e, vendo ao longe uma figueira, foi ver se poderia encontrar nela alguma coisa. Aproximando-se, encontrou apenas folhas, pois não era tempo de figos. Então, Jesus disse à figueira: Que jamais ninguém coma de ti nenhum fruto. No dia seguinte, ao passarem pela figueira, eles a encontraram seca até as raízes. E Pedro, lembrando-se das palavras de Jesus, disse-Lhe: Mestre, vês como a figueira que amaldiçoastes está seca. Jesus, tomando a palavra, lhe disse: Tende fé em Deus. Eu vos digo, em verdade, que qualquer um que disser a esta montanha: Tira-te daqui e lança-te ao mar sem hesitar, no seu coração, e acreditando firmemente que tudo o que disse sucederá, realmente, assim vai acontecer.” (Marcos, XI:12-14 e 20-23)
  • 10.  A figueira seca é o símbolo das pessoas que têm apenas a aparência bondosa, mas, na verdade, nada produzem de bom: dos oradores que possuem mais brilho do que solidez; suas palavras têm o verniz exterior, agradam aos ouvidos; mas, quando as analisamos, nada revelam de substancial para o coração. Depois de tê-las ouvido, perguntamos que proveito delas tiramos. É ainda o símbolo de todos os que têm os meios de serem úteis e não o são; dos sistemas vazios, de todas as doutrinas sem base sólida. É por isso que Jesus as condena à esterilidade, pois chegará o dia em que ficarão secas até as raízes. Isso quer dizer que todos os sistemas, todas as doutrinas que não tiverem produzido nenhum bem para a Humanidade, cairão no nada.
  • 11. A fé, mãe da esperança e da caridade  A fé, para ser proveitosa, deve ser ativa; não pode adormecer. Mãe de todas as virtudes que conduzem a Deus... A fé, divina inspiração de Deus, desperta todos os nobres sentimentos que conduzem o homem ao bem: é a base da regeneração. É preciso, pois, que esta base seja forte e durável, porque se a menor dúvida vier abalá-la, o que acontecerá com o edifício que construístes sobre ela? Erguei, portanto, este edifício sobre bases inabaláveis.  .Amai a Deus, mas sabei por que O amais.  Crede nas suas promessas, mas sabei por que o fazeis.
  • 12. A fé divina e a fé humana  O Cristo, que realizou verdadeiros milagres, mostrou, através dos mesmos, o que pode o homem quando tem fé – ou seja – a vontade de querer e a certeza de que essa vontade pode realizar-se a si mesma. Ora, o que eram esses milagres senão os efeitos naturais de uma causa desconhecida pelos homens de então, mas hoje em grande parte explicada, e que será compreendida totalmente com o estudo do Espiritismo e do Magnetismo.  O homem de gênio que persegue a realização de alguma grande empreitada triunfa, se tiver fé, pois ele sente que pode e deve conseguir, e esta certeza lhe dá uma força imensa.  O homem de bem que, crendo em seu futuro celeste, quer realizar em sua vida belas e nobres ações, tira da sua fé e da certeza da felicidade que o espera, a força necessária.