SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
50 Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia
Brasília 08/04/2015
Fonte: INCA 2014
Fonte: RHC/FOSP – Estado de São Paulo – 2011
*todas as topografias, exceto pele não melanoma.
Distribuição percentual dos casos novos de câncer*
segundo estadiamento clínico.
6%
17%
27%21%
28% 0
I
II
III
IV
Linha do tempo
Set/2011
R-SS 91 – Institui
Comitê
Estadual de
Referência em
Oncologia
R-SS 11 – Dispõe sobre a
representatividade do Comitê
R-SS 15 – Dispõe sobre o
Regimento Interno do Comitê
e da Secretaria executiva
Fev/2012
Plano de
atenção
oncológica
do Estado de
São Paulo
Mar/2012
Linha do tempo
Set/2011
R-SS 91 – Institui
Comitê
Estadual de
Referência em
Oncologia
R-SS 11 – Dispõe sobre a
representatividade do Comitê
R-SS 15 – Dispõe sobre o
Regimento Interno do Comitê
e da Secretaria executiva
Fev/2012
Plano de
atenção
oncológica
do Estado de
São Paulo
Mar/2012
PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DA SAÚDE
Potencialização
das ações de
promoção de estilo
de vida saudável
Programa de
Educação em
Saúde específico
para crianças e
adolescentes
Incremento das
ações de apoio ao
abandono do
tabagismo
Educação para a
prevenção do
câncer em
diferentes mídias
Informação e
sensibilização para
grupos alvo de
rastreamento em
câncer
DETECÇÃO PRECOCE
Políticas para rastreamento de
câncer de colo do útero, mama e
colorretal
Mudança do modelo de
rastreamento oportunístico para
de base populacional
Planejamento e projeto para
implementar rastreamento do
câncer colorretal
ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES
Ferramentas
para
quantificar e
qualificar a
rede
assistencial
Elaboração
de
protocolos
para
diagnóstico,
tratamento e
seguimento
Implantar
regulação do
acesso à
assistência
Implantar a
Rede
Estadual de
Oncologia
Ações para
dimensionar
a rede
credenciada
e identificar
necessidade
s regionais
Plano de
ampliação
do parque
radioterápico
Estabelecer
mecanismos
de avaliação
da rede
credenciada
CUIDADOS PALIATIVOS
Definir necessidades regionais de
cuidados paliativos, de forma
articulada com outras áreas da
saúde
Implementar estudos para definir
modelos de cuidados paliativos
Desenvolver estudos e ações
para política de alívio da dor em
Oncologia
PLANO DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
Linha do tempo
Mar/2012
Comitê definiu lista
de hospitais
candidatos a
receber AL do Plano
de expansão de
Radioterapia do MS
Ago/2012
Definição de
critérios
técnicos para
realização de
pareceres pelo
Comitê Out/2012
Revisão das
políticas nacionais
de rastreamento
de câncer (em
especial mama,
cólon e colo de
útero)
ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES
Ferramentas
para
quantificar e
qualificar a
rede
assistencial
Elaboração de
protocolos
para
diagnóstico,
tratamento e
seguimento
Implantar
regulação do
acesso à
assistência
Implantar a
Rede Estadual
de Oncologia
Ações para
dimensionar a
rede
credenciada e
identificar
necessidades
regionais
Plano de
ampliação do
parque
radioterápico
Estabelecer
mecanismos
de avaliação
da rede
credenciada
PLANO DE EXPANSÃO DA RADIOTERAPIA NO SUS
Secretaria de Atenção à Saúde
Linha do tempo
Mar/2012
Comitê definiu lista
de hospitais
candidatos a
receber AL do Plano
de expansão de
Radioterapia do MS
Ago/2012
Definição de
critérios
técnicos para
realização de
pareceres pelo
Comitê Out/2012
Revisão das
políticas nacionais
de rastreamento
de câncer (em
especial mama,
cólon e colo de
útero)
ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES
Ferramentas
para
quantificar e
qualificar a
rede
assistencial
Elaboração de
protocolos
para
diagnóstico,
tratamento e
seguimento
Implantar
regulação do
acesso à
assistência
Implantar a
Rede Estadual
de Oncologia
Ações para
dimensionar a
rede
credenciada e
identificar
necessidades
regionais
Plano de
ampliação do
parque
radioterápico
Estabelecer
mecanismos
de avaliação
da rede
credenciada
DADOS
DEMOGRÁFICOS
E OFERTAS DE
SERVIÇOS
ESTIMATIVA DE
NECESSIDADES DE
SERVIÇOS VERSUS A
PRODUÇÃO DA REGIÃO
PERFIL DE
MIGRAÇÃO
PARA ACESSO
AOS SERVIÇOS
DE ONCOLOGIA
Linha do tempo
Mar/2012
Comitê definiu lista
de hospitais
candidatos a
receber AL do Plano
de expansão de
Radioterapia do MS
Ago/2012
Definição de
critérios
técnicos para
realização de
pareceres pelo
Comitê Out/2012
Revisão das
políticas nacionais
de rastreamento
de câncer (em
especial mama,
cólon e colo de
útero)
DETECÇÃO PRECOCE
Políticas para rastreamento de
câncer de colo do útero, mama e
colorretal
Mudança do modelo de
rastreamento oportunístico para de
base populacional
Planejamento e projeto para
implementar rastreamento do
câncer colorretal
POLÍTICAS PARA RASTREAMENTO DE CÂNCER DE COLO DO ÚTERO, MAMA E COLORRETAL
PROGRAMA DE
RASTREAMENTO
POPULAÇÃO
ALVO
MÉTODO PERIODICIDADE OBSERVAÇÕES
COLORRETAL Homens e
mulheres de
50 a 75 anos
Pesquisa de
sangue oculto
nas fezes:casos
positivos
devem ser
submetidos a
colonoscopia
Anual Pacientes com risco aumentado
de Câncer colorretal
(hereditários ou portadores de
doenças inflamatórias
intestinais) possuem programa
diferenciado
CÂNCER DE
MAMA
Mulheres de
50 a 69 anos
Mamografia e
exame clínico
das mamas
Mamografia a cada
dois anos e exame
clínico das mamas
anual
Pacientes com risco aumentado
de câncer de mama devem
iniciar o rastreamento aos 35
anos com exames clínicos de
mama e mamografias anuais
CÂNCER DE
COLO DE ÚTERO
Mulheres de
25 a 64 anos
que já
tiveram
atividade
sexual
Exame
citopatológico
A cada três anos.
Após dois exames
normais
consecutivos
realizados com um
intervalo de um ano
Exames alterados devem seguir
as recomendações do MS
Linha do tempo
Set/2014
I Simpósio
Paulista de
Oncologia
Projeto de
Regulação
Oncológica
Dez/2014
Entrega do
relatório
referente as
visitas aos
hospitais da
RHCCC
Fev -
Nov/2013
FERRAMENTAS PARA QUANTIFICAR E QUALIFICAR A REDE ASSISTENCIAL
ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES
Ferramentas
para
quantificar e
qualificar a
rede
assistencial
Elaboração de
protocolos
para
diagnóstico,
tratamento e
seguimento
Implantar
regulação do
acesso à
assistência
Implantar a
Rede Estadual
de Oncologia
Ações para
dimensionar a
rede
credenciada e
identificar
necessidades
regionais
Plano de
ampliação do
parque
radioterápico
Estabelecer
mecanismos
de avaliação
da rede
credenciada
Para conhecer a realidade das instituições cadastradas para tratamento oncológico no Estado
de São Paulo, a Secretaria Executiva do Comitê Estadual de Referência em Oncologia visitou
cada uma delas. Foram mais de 10.000 km percorridos para visitar hospitais da Rede. Através
de um formulário estruturado foram mapeadas as capacidades instaladas e operacionais dos
serviços, bem como seu perfil assistencial e percentual de estrutura dedicada ao SUS e Saúde
Suplementar. O formulário era dividido em módulos assistenciais:
DADOS CADASTRAIS BÁSICOS
ATIVIDADE DE ENSINO
ONCOLOGIA CLÍNICA, ONCOPEDIATRIA E ONCOHEMATOLOGIA
RADIOTERAPIA
CIRURGIA EM ONCOLOGIA
IODOTERAPIA
UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA
CUIDADOS PALIATIVOS E DOR
SERVIÇO AUXILIAR DE DIAGNÓSTICO E TERAPIA
SERVIÇO DE ARQUIVO MÉDICO
PADRONIZAÇÃO DO TRATAMENTO
APOIO AO PACIENTE
Dos 80 serviços visitados no Estado de São Paulo, 96% dos serviços responderam.
ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES
Ferramentas
para
quantificar e
qualificar a
rede
assistencial
Elaboração de
protocolos
para
diagnóstico,
tratamento e
seguimento
Implantar
regulação do
acesso à
assistência
Implantar a
Rede Estadual
de Oncologia
Ações para
dimensionar a
rede
credenciada e
identificar
necessidades
regionais
Plano de
ampliação do
parque
radioterápico
Estabelecer
mecanismos
de avaliação
da rede
credenciada
ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES
Ferramentas
para
quantificar e
qualificar a
rede
assistencial
Elaboração de
protocolos
para
diagnóstico,
tratamento e
seguimento
Implantar
regulação do
acesso à
assistência
Implantar a
Rede Estadual
de Oncologia
Ações para
dimensionar a
rede
credenciada e
identificar
necessidades
regionais
Plano de
ampliação do
parque
radioterápico
Estabelecer
mecanismos
de avaliação
da rede
credenciada
Roadshow - www.redehebecamargo.saude.sp.gov.br
80 serviços visitados
+ de 10.000 Km
percorridos
ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES
Ferramentas
para
quantificar e
qualificar a
rede
assistencial
Elaboração de
protocolos
para
diagnóstico,
tratamento e
seguimento
Implantar
regulação do
acesso à
assistência
Implantar a
Rede Estadual
de Oncologia
Ações para
dimensionar a
rede
credenciada e
identificar
necessidades
regionais
Plano de
ampliação do
parque
radioterápico
Estabelecer
mecanismos
de avaliação
da rede
credenciada
A Publicação da Lei 12.732, que fixa o
prazo máximo para o início do tratamento
do Câncer no SUS em 60 dias, corrobora
com a necessidade de se criar uma
estrutura de regulação específica para
garantir o acesso dos pacientes
oncológicos às estruturas de saúde nos
prazos adequados.
ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES
Ferramentas
para
quantificar e
qualificar a
rede
assistencial
Elaboração de
protocolos
para
diagnóstico,
tratamento e
seguimento
Implantar
regulação do
acesso à
assistência
Implantar a
Rede Estadual
de Oncologia
Ações para
dimensionar a
rede
credenciada e
identificar
necessidades
regionais
Plano de
ampliação do
parque
radioterápico
Estabelecer
mecanismos
de avaliação
da rede
credenciada
Estão sendo realizadas reuniões individuais com cada serviço para pactuação de
vagas e abertura de agenda no sistema CROSS – ONCO. Até o presente momento
temos:
12 serviços
habilitados em
oncologia
358 vagas
pactuadas
São estimados para o Estado de São Paulo de acordo com a Pop IBGE 2012
e estimativa de incidência INCA 2014 – 101.847 casos novos de
câncer/ano – excluindo pele.
Linha do tempo
Set/2014
I Simpósio
Paulista de
Oncologia
Projeto de
Regulação
Oncológica
Dez/2014
Entrega do
relatório
referente as
visitas aos
hospitais da
RHCCC
Fev -
Nov/2013
Público Total: 668 pessoas (participantes, palestrantes, coordenadores e membros do comitê).
0%
70%
30%
PARTICIPAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA REDE NO SPONCO
INSTITUIÇÕES DA REDE QUE PARTICIPARAM INSTITUIÇÕES DA REDE QUE NÃO PARTICIPARAM
AMOSTRA: 73 HOSPITAIS
Público Total: 668 pessoas (participantes, palestrantes, coordenadores e membros do comitê).
62%16%
6%
2%
2%
2%
10%
PERFIL DOS PARTICIPANTES DO SPONCO
MÉDICOS
ENFERMEIROS
FARMACÊUTICOS
GESTORES
ASSISTENTE SOCIAL
DENTISTA
OUTROS
Linha do tempo
Set/2014
I Simpósio
Paulista de
Oncologia
Projeto de
Regulação
Oncológica
Dez/2014
Entrega do
relatório
referente as
visitas aos
hospitais da
RHCCC
Fev -
Nov/2013
RESUMO DA ANÁLISE SITUACIONAL DA RHCCC
CIRURGIA
ESCALA DE INTENSIDADE DA PRODUÇÃO CIRÚRGICA EM 2013 EM
RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO
Fonte: Portaria MS/SAS n° 140/2014, INCA 2014, DATASUS 2013, FOSP – RHC 2010 e ANS 2013.
ESCALA DE INTENSIDADE DA PREVISÃO DE PRODUÇÃO
UTILIZANDO A CAPACIDADE INSTALADA ATUAL DE CIRURGIA EM
RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO
RESUMO DA ANÁLISE SITUACIONAL DA RHCCC
QUIMIOTERAPIA
ESCALA DE INTENSIDADE DA PRODUÇÃO DE QUIMIOTERAPIA EM 2013
EM RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO
Fonte: Portaria MS/SAS n° 140/2014, INCA 2014, DATASUS 2013, FOSP – RHC 2010 e ANS 2013.
ESCALA DE INTENSIDADE DA PREVISÃO DE PRODUÇÃO
UTILIZANDO A CAPACIDADE INSTALADA ATUAL DE
QUIMIOTERAPIA EM RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO
ESTADO DE SÃO PAULO
RESUMO DA ANÁLISE SITUACIONAL DA RHCCC
RADIOTERAPIA
ESCALA DE INTENSIDADE DA PRODUÇÃO RADIOTERAPIA EM 2013 EM
RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO
Fonte: Portaria MS/SAS n° 140/2014, INCA 2014, DATASUS 2013, FOSP – RHC 2010 e ANS 2013.
* Incluem equipamentos com previsão de instalação pelo Plano de expansão de Radioterapia do Ministério da Saúde (Portaria MS nº 931/2012) e também investimentos da SES-SP.
ESCALA DE INTENSIDADE DA PREVISÃO DE PRODUÇÃO UTILIZANDO A
CAPACIDADE INSTALADA ATUAL* DE RADIOTERAPIA EM RELAÇÃO À
DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO
Obrigada
marisa.madi@hc.fm.usp.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Pacoal Marracini
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Pacoal Marracini7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Pacoal Marracini
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Pacoal MarraciniOncoguia
 
Plano de-expans--o---apresenta----o-site-28-10-2015 (2)
Plano de-expans--o---apresenta----o-site-28-10-2015 (2)Plano de-expans--o---apresenta----o-site-28-10-2015 (2)
Plano de-expans--o---apresenta----o-site-28-10-2015 (2)estantesaude
 
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo VieiraCâncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo VieiraOncoguia
 
Carta aberta da enfermagem contra o ato médico
Carta aberta da enfermagem contra o ato médicoCarta aberta da enfermagem contra o ato médico
Carta aberta da enfermagem contra o ato médicoJosé Ripardo
 
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...ZairaLessa
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato CoutoCNseg
 
Desenvolvimento de uma ferramenta eficiente para registro e comunicação de ...
Desenvolvimento de uma ferramenta eficiente para registro e comunicação de ...Desenvolvimento de uma ferramenta eficiente para registro e comunicação de ...
Desenvolvimento de uma ferramenta eficiente para registro e comunicação de ...Thiago Julio, MD
 
Saúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha OliveiraSaúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha OliveiraOncoguia
 
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Secretaria de saúde de serra talhada
Secretaria de saúde de serra talhadaSecretaria de saúde de serra talhada
Secretaria de saúde de serra talhadaEvandro Lira
 

Mais procurados (11)

7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Pacoal Marracini
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Pacoal Marracini7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Pacoal Marracini
7º Fórum Oncoguia - 27/06/2017 - Pacoal Marracini
 
PORTARIA INTERMINISTERIAL N. 405, DE 15 DE MARÇO DE 2016
PORTARIA INTERMINISTERIAL N. 405, DE 15 DE MARÇO DE 2016PORTARIA INTERMINISTERIAL N. 405, DE 15 DE MARÇO DE 2016
PORTARIA INTERMINISTERIAL N. 405, DE 15 DE MARÇO DE 2016
 
Plano de-expans--o---apresenta----o-site-28-10-2015 (2)
Plano de-expans--o---apresenta----o-site-28-10-2015 (2)Plano de-expans--o---apresenta----o-site-28-10-2015 (2)
Plano de-expans--o---apresenta----o-site-28-10-2015 (2)
 
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo VieiraCâncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
Câncer avançado: O desafio da falta de dados - Nivaldo Vieira
 
Carta aberta da enfermagem contra o ato médico
Carta aberta da enfermagem contra o ato médicoCarta aberta da enfermagem contra o ato médico
Carta aberta da enfermagem contra o ato médico
 
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
Plano de trabalho do estágio supervisionado i do curso de enfermagem – 1ª ati...
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
 
Desenvolvimento de uma ferramenta eficiente para registro e comunicação de ...
Desenvolvimento de uma ferramenta eficiente para registro e comunicação de ...Desenvolvimento de uma ferramenta eficiente para registro e comunicação de ...
Desenvolvimento de uma ferramenta eficiente para registro e comunicação de ...
 
Saúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha OliveiraSaúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha Oliveira
 
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...
FGV / IBRE – Gestão Hospitalar com Foco na Segurança do Paciente e nos Result...
 
Secretaria de saúde de serra talhada
Secretaria de saúde de serra talhadaSecretaria de saúde de serra talhada
Secretaria de saúde de serra talhada
 

Destaque

Melhorias em Oncologia - Rafael Kaliks
Melhorias em Oncologia - Rafael KaliksMelhorias em Oncologia - Rafael Kaliks
Melhorias em Oncologia - Rafael KaliksOncoguia
 
Manual atencao saude
Manual atencao saudeManual atencao saude
Manual atencao saudenilsonpazjr
 
Desconhecimento sobre o Câncer
Desconhecimento sobre o CâncerDesconhecimento sobre o Câncer
Desconhecimento sobre o CâncerOncoguia
 
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimento dentro da Oncologia
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimentodentro da OncologiaImuno-Oncologia - Novo campo de conhecimentodentro da Oncologia
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimento dentro da OncologiaOncoguia
 
Imunidade parte 1
Imunidade   parte 1Imunidade   parte 1
Imunidade parte 1anabela
 

Destaque (8)

Provas concurso
Provas concursoProvas concurso
Provas concurso
 
Melhorias em Oncologia - Rafael Kaliks
Melhorias em Oncologia - Rafael KaliksMelhorias em Oncologia - Rafael Kaliks
Melhorias em Oncologia - Rafael Kaliks
 
Manual atencao saude
Manual atencao saudeManual atencao saude
Manual atencao saude
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Desconhecimento sobre o Câncer
Desconhecimento sobre o CâncerDesconhecimento sobre o Câncer
Desconhecimento sobre o Câncer
 
Imunocancer
ImunocancerImunocancer
Imunocancer
 
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimento dentro da Oncologia
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimentodentro da OncologiaImuno-Oncologia - Novo campo de conhecimentodentro da Oncologia
Imuno-Oncologia - Novo campo de conhecimento dentro da Oncologia
 
Imunidade parte 1
Imunidade   parte 1Imunidade   parte 1
Imunidade parte 1
 

Semelhante a Expansão e Fortalecimento da Rede Oncológica - Marisa Madi

Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioInfraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioOncoguia
 
PLANO-DE-EXPANS--O---APRESENTA----O-SITE-28-10-2015 (2).pptx
PLANO-DE-EXPANS--O---APRESENTA----O-SITE-28-10-2015 (2).pptxPLANO-DE-EXPANS--O---APRESENTA----O-SITE-28-10-2015 (2).pptx
PLANO-DE-EXPANS--O---APRESENTA----O-SITE-28-10-2015 (2).pptxestantesaude
 
Apresentação - CONITEC em Evidência
Apresentação -  CONITEC em EvidênciaApresentação -  CONITEC em Evidência
Apresentação - CONITEC em EvidênciaCONITEC
 
Rastreamento cancer colo_utero
Rastreamento cancer colo_uteroRastreamento cancer colo_utero
Rastreamento cancer colo_uteroannemarie loeschke
 
Regulação - Elaine Gianotti
Regulação - Elaine GianottiRegulação - Elaine Gianotti
Regulação - Elaine GianottiOncoguia
 
13º Conitec em evidencia-2017 REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
13º Conitec em evidencia-2017  REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...13º Conitec em evidencia-2017  REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
13º Conitec em evidencia-2017 REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...CONITEC
 
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007Márcia Rocha
 
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Paulo Albuquerque
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Proqualis
 
A Segurança do Paciente e a Qualidade em Serviços de Saúde no Contexto Nacion...
A Segurança do Paciente e a Qualidade em Serviços de Saúde no Contexto Nacion...A Segurança do Paciente e a Qualidade em Serviços de Saúde no Contexto Nacion...
A Segurança do Paciente e a Qualidade em Serviços de Saúde no Contexto Nacion...AlineRibeiro648347
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa07082001
 
Ampliação da oferta de exames - Lincoln Ferreira
Ampliação da oferta de exames - Lincoln Ferreira Ampliação da oferta de exames - Lincoln Ferreira
Ampliação da oferta de exames - Lincoln Ferreira Oncoguia
 

Semelhante a Expansão e Fortalecimento da Rede Oncológica - Marisa Madi (20)

Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia SampaioInfraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
Infraestrutura Ideal em Oncologia - Patrícia Sampaio
 
PLANO-DE-EXPANS--O---APRESENTA----O-SITE-28-10-2015 (2).pptx
PLANO-DE-EXPANS--O---APRESENTA----O-SITE-28-10-2015 (2).pptxPLANO-DE-EXPANS--O---APRESENTA----O-SITE-28-10-2015 (2).pptx
PLANO-DE-EXPANS--O---APRESENTA----O-SITE-28-10-2015 (2).pptx
 
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A experiência dos Consór...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A experiência dos Consór...CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A experiência dos Consór...
CONASS Debate – Uma Agenda de Eiciência para o SUS – A experiência dos Consór...
 
Apresentação - CONITEC em Evidência
Apresentação -  CONITEC em EvidênciaApresentação -  CONITEC em Evidência
Apresentação - CONITEC em Evidência
 
Rastreamento cancer colo_utero
Rastreamento cancer colo_uteroRastreamento cancer colo_utero
Rastreamento cancer colo_utero
 
Regulação - Elaine Gianotti
Regulação - Elaine GianottiRegulação - Elaine Gianotti
Regulação - Elaine Gianotti
 
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
8ª Assembleia do CONASS – Plano Diretor dos Hospitais - Programa de Apoio ao ...
 
Planejamento das ações dos planos de crônicas nos estados – Atenção X Vigilância
Planejamento das ações dos planos de crônicas nos estados – Atenção X VigilânciaPlanejamento das ações dos planos de crônicas nos estados – Atenção X Vigilância
Planejamento das ações dos planos de crônicas nos estados – Atenção X Vigilância
 
13º Conitec em evidencia-2017 REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
13º Conitec em evidencia-2017  REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...13º Conitec em evidencia-2017  REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
13º Conitec em evidencia-2017 REBRATS: atuação e oportunidades para a comuni...
 
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
Guia metodologicos de doenças crônicas 2007
 
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
 
Plataforma de Modernização da Saúde
Plataforma de Modernização da SaúdePlataforma de Modernização da Saúde
Plataforma de Modernização da Saúde
 
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
Diretrizes para organização e funcionamento dos cta_2010
 
A Segurança do Paciente e a Qualidade em Serviços de Saúde no Contexto Nacion...
A Segurança do Paciente e a Qualidade em Serviços de Saúde no Contexto Nacion...A Segurança do Paciente e a Qualidade em Serviços de Saúde no Contexto Nacion...
A Segurança do Paciente e a Qualidade em Serviços de Saúde no Contexto Nacion...
 
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZAA ORGANIZAÇÃO  DA  ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE:  A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE FORTALEZA
 
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
 
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - BrasilRede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
Rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas - Brasil
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
 
Ampliação da oferta de exames - Lincoln Ferreira
Ampliação da oferta de exames - Lincoln Ferreira Ampliação da oferta de exames - Lincoln Ferreira
Ampliação da oferta de exames - Lincoln Ferreira
 

Mais de Oncoguia

Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveOncoguia
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupOncoguia
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Oncoguia
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasOncoguia
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaOncoguia
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasOncoguia
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Oncoguia
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresOncoguia
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasOncoguia
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Oncoguia
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justaOncoguia
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerOncoguia
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfOncoguia
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecOncoguia
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Oncoguia
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamOncoguia
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...Oncoguia
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Oncoguia
 
Cancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCCancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCOncoguia
 
Como contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecComo contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecOncoguia
 

Mais de Oncoguia (20)

Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' PerspectiveFeelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
Feelings about Radiotherapy: the Brazilian Cancer Patients' Perspective
 
Insights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient GroupInsights from a Brazilian Patient Group
Insights from a Brazilian Patient Group
 
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
Return to work after breast cancer: disparities among patients treated in pub...
 
Obesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicasObesidade e câncer nas políticas públicas
Obesidade e câncer nas políticas públicas
 
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favelaPesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
Pesquisas do Oncoguia mostra visão sobre câncer por quem mora na favela
 
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileirasPercepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
Percepções e prioridades do câncer nas favelas brasileiras
 
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
Consultas Públicas do SUS / Paciente oncológico: informe-se e participe!
 
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadoresImpactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
Impactos do Câncer na vida dos familiares cuidadores
 
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicasCosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
Cosaúde e o processo de incorporação de tecnologias oncológicas
 
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
Relatório de atividades do Instituto Oncoguia / 2021
 
Por uma oncologia mais atual e justa
 Por uma oncologia mais atual e justa Por uma oncologia mais atual e justa
Por uma oncologia mais atual e justa
 
Percepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncerPercepções da população brasileira sobre o câncer
Percepções da população brasileira sobre o câncer
 
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdfDatafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
Datafolha_Oncoguia_PercepcoesSobreOCancer .pdf
 
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da ConitecComo contribuir em Consulta Pública da Conitec
Como contribuir em Consulta Pública da Conitec
 
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
Contribuição Oncoguia com a ATS na SS - 03.2022
 
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health teamStudy of cancer patient's communication of pain to the health team
Study of cancer patient's communication of pain to the health team
 
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
How can we help: The needs of those seeking breast cancer information and sup...
 
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
Caring for colorectal cancer patients: the perspective of informal caregivers...
 
Cancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNCCancer de fígado - ILNC
Cancer de fígado - ILNC
 
Como contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da ConitecComo contribuir em consulta pública da Conitec
Como contribuir em consulta pública da Conitec
 

Último

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 

Último (10)

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 

Expansão e Fortalecimento da Rede Oncológica - Marisa Madi

  • 1. 50 Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia Brasília 08/04/2015
  • 2.
  • 4.
  • 5. Fonte: RHC/FOSP – Estado de São Paulo – 2011 *todas as topografias, exceto pele não melanoma. Distribuição percentual dos casos novos de câncer* segundo estadiamento clínico. 6% 17% 27%21% 28% 0 I II III IV
  • 6. Linha do tempo Set/2011 R-SS 91 – Institui Comitê Estadual de Referência em Oncologia R-SS 11 – Dispõe sobre a representatividade do Comitê R-SS 15 – Dispõe sobre o Regimento Interno do Comitê e da Secretaria executiva Fev/2012 Plano de atenção oncológica do Estado de São Paulo Mar/2012
  • 7.
  • 8. Linha do tempo Set/2011 R-SS 91 – Institui Comitê Estadual de Referência em Oncologia R-SS 11 – Dispõe sobre a representatividade do Comitê R-SS 15 – Dispõe sobre o Regimento Interno do Comitê e da Secretaria executiva Fev/2012 Plano de atenção oncológica do Estado de São Paulo Mar/2012
  • 9. PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DA SAÚDE Potencialização das ações de promoção de estilo de vida saudável Programa de Educação em Saúde específico para crianças e adolescentes Incremento das ações de apoio ao abandono do tabagismo Educação para a prevenção do câncer em diferentes mídias Informação e sensibilização para grupos alvo de rastreamento em câncer DETECÇÃO PRECOCE Políticas para rastreamento de câncer de colo do útero, mama e colorretal Mudança do modelo de rastreamento oportunístico para de base populacional Planejamento e projeto para implementar rastreamento do câncer colorretal ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES Ferramentas para quantificar e qualificar a rede assistencial Elaboração de protocolos para diagnóstico, tratamento e seguimento Implantar regulação do acesso à assistência Implantar a Rede Estadual de Oncologia Ações para dimensionar a rede credenciada e identificar necessidade s regionais Plano de ampliação do parque radioterápico Estabelecer mecanismos de avaliação da rede credenciada CUIDADOS PALIATIVOS Definir necessidades regionais de cuidados paliativos, de forma articulada com outras áreas da saúde Implementar estudos para definir modelos de cuidados paliativos Desenvolver estudos e ações para política de alívio da dor em Oncologia PLANO DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO
  • 10. Linha do tempo Mar/2012 Comitê definiu lista de hospitais candidatos a receber AL do Plano de expansão de Radioterapia do MS Ago/2012 Definição de critérios técnicos para realização de pareceres pelo Comitê Out/2012 Revisão das políticas nacionais de rastreamento de câncer (em especial mama, cólon e colo de útero)
  • 11. ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES Ferramentas para quantificar e qualificar a rede assistencial Elaboração de protocolos para diagnóstico, tratamento e seguimento Implantar regulação do acesso à assistência Implantar a Rede Estadual de Oncologia Ações para dimensionar a rede credenciada e identificar necessidades regionais Plano de ampliação do parque radioterápico Estabelecer mecanismos de avaliação da rede credenciada PLANO DE EXPANSÃO DA RADIOTERAPIA NO SUS Secretaria de Atenção à Saúde
  • 12. Linha do tempo Mar/2012 Comitê definiu lista de hospitais candidatos a receber AL do Plano de expansão de Radioterapia do MS Ago/2012 Definição de critérios técnicos para realização de pareceres pelo Comitê Out/2012 Revisão das políticas nacionais de rastreamento de câncer (em especial mama, cólon e colo de útero)
  • 13. ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES Ferramentas para quantificar e qualificar a rede assistencial Elaboração de protocolos para diagnóstico, tratamento e seguimento Implantar regulação do acesso à assistência Implantar a Rede Estadual de Oncologia Ações para dimensionar a rede credenciada e identificar necessidades regionais Plano de ampliação do parque radioterápico Estabelecer mecanismos de avaliação da rede credenciada DADOS DEMOGRÁFICOS E OFERTAS DE SERVIÇOS ESTIMATIVA DE NECESSIDADES DE SERVIÇOS VERSUS A PRODUÇÃO DA REGIÃO PERFIL DE MIGRAÇÃO PARA ACESSO AOS SERVIÇOS DE ONCOLOGIA
  • 14. Linha do tempo Mar/2012 Comitê definiu lista de hospitais candidatos a receber AL do Plano de expansão de Radioterapia do MS Ago/2012 Definição de critérios técnicos para realização de pareceres pelo Comitê Out/2012 Revisão das políticas nacionais de rastreamento de câncer (em especial mama, cólon e colo de útero)
  • 15. DETECÇÃO PRECOCE Políticas para rastreamento de câncer de colo do útero, mama e colorretal Mudança do modelo de rastreamento oportunístico para de base populacional Planejamento e projeto para implementar rastreamento do câncer colorretal POLÍTICAS PARA RASTREAMENTO DE CÂNCER DE COLO DO ÚTERO, MAMA E COLORRETAL PROGRAMA DE RASTREAMENTO POPULAÇÃO ALVO MÉTODO PERIODICIDADE OBSERVAÇÕES COLORRETAL Homens e mulheres de 50 a 75 anos Pesquisa de sangue oculto nas fezes:casos positivos devem ser submetidos a colonoscopia Anual Pacientes com risco aumentado de Câncer colorretal (hereditários ou portadores de doenças inflamatórias intestinais) possuem programa diferenciado CÂNCER DE MAMA Mulheres de 50 a 69 anos Mamografia e exame clínico das mamas Mamografia a cada dois anos e exame clínico das mamas anual Pacientes com risco aumentado de câncer de mama devem iniciar o rastreamento aos 35 anos com exames clínicos de mama e mamografias anuais CÂNCER DE COLO DE ÚTERO Mulheres de 25 a 64 anos que já tiveram atividade sexual Exame citopatológico A cada três anos. Após dois exames normais consecutivos realizados com um intervalo de um ano Exames alterados devem seguir as recomendações do MS
  • 16. Linha do tempo Set/2014 I Simpósio Paulista de Oncologia Projeto de Regulação Oncológica Dez/2014 Entrega do relatório referente as visitas aos hospitais da RHCCC Fev - Nov/2013
  • 17. FERRAMENTAS PARA QUANTIFICAR E QUALIFICAR A REDE ASSISTENCIAL ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES Ferramentas para quantificar e qualificar a rede assistencial Elaboração de protocolos para diagnóstico, tratamento e seguimento Implantar regulação do acesso à assistência Implantar a Rede Estadual de Oncologia Ações para dimensionar a rede credenciada e identificar necessidades regionais Plano de ampliação do parque radioterápico Estabelecer mecanismos de avaliação da rede credenciada Para conhecer a realidade das instituições cadastradas para tratamento oncológico no Estado de São Paulo, a Secretaria Executiva do Comitê Estadual de Referência em Oncologia visitou cada uma delas. Foram mais de 10.000 km percorridos para visitar hospitais da Rede. Através de um formulário estruturado foram mapeadas as capacidades instaladas e operacionais dos serviços, bem como seu perfil assistencial e percentual de estrutura dedicada ao SUS e Saúde Suplementar. O formulário era dividido em módulos assistenciais: DADOS CADASTRAIS BÁSICOS ATIVIDADE DE ENSINO ONCOLOGIA CLÍNICA, ONCOPEDIATRIA E ONCOHEMATOLOGIA RADIOTERAPIA CIRURGIA EM ONCOLOGIA IODOTERAPIA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS E DOR SERVIÇO AUXILIAR DE DIAGNÓSTICO E TERAPIA SERVIÇO DE ARQUIVO MÉDICO PADRONIZAÇÃO DO TRATAMENTO APOIO AO PACIENTE Dos 80 serviços visitados no Estado de São Paulo, 96% dos serviços responderam.
  • 18. ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES Ferramentas para quantificar e qualificar a rede assistencial Elaboração de protocolos para diagnóstico, tratamento e seguimento Implantar regulação do acesso à assistência Implantar a Rede Estadual de Oncologia Ações para dimensionar a rede credenciada e identificar necessidades regionais Plano de ampliação do parque radioterápico Estabelecer mecanismos de avaliação da rede credenciada
  • 19. ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES Ferramentas para quantificar e qualificar a rede assistencial Elaboração de protocolos para diagnóstico, tratamento e seguimento Implantar regulação do acesso à assistência Implantar a Rede Estadual de Oncologia Ações para dimensionar a rede credenciada e identificar necessidades regionais Plano de ampliação do parque radioterápico Estabelecer mecanismos de avaliação da rede credenciada Roadshow - www.redehebecamargo.saude.sp.gov.br 80 serviços visitados + de 10.000 Km percorridos
  • 20. ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES Ferramentas para quantificar e qualificar a rede assistencial Elaboração de protocolos para diagnóstico, tratamento e seguimento Implantar regulação do acesso à assistência Implantar a Rede Estadual de Oncologia Ações para dimensionar a rede credenciada e identificar necessidades regionais Plano de ampliação do parque radioterápico Estabelecer mecanismos de avaliação da rede credenciada A Publicação da Lei 12.732, que fixa o prazo máximo para o início do tratamento do Câncer no SUS em 60 dias, corrobora com a necessidade de se criar uma estrutura de regulação específica para garantir o acesso dos pacientes oncológicos às estruturas de saúde nos prazos adequados.
  • 21. ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES Ferramentas para quantificar e qualificar a rede assistencial Elaboração de protocolos para diagnóstico, tratamento e seguimento Implantar regulação do acesso à assistência Implantar a Rede Estadual de Oncologia Ações para dimensionar a rede credenciada e identificar necessidades regionais Plano de ampliação do parque radioterápico Estabelecer mecanismos de avaliação da rede credenciada Estão sendo realizadas reuniões individuais com cada serviço para pactuação de vagas e abertura de agenda no sistema CROSS – ONCO. Até o presente momento temos: 12 serviços habilitados em oncologia 358 vagas pactuadas São estimados para o Estado de São Paulo de acordo com a Pop IBGE 2012 e estimativa de incidência INCA 2014 – 101.847 casos novos de câncer/ano – excluindo pele.
  • 22. Linha do tempo Set/2014 I Simpósio Paulista de Oncologia Projeto de Regulação Oncológica Dez/2014 Entrega do relatório referente as visitas aos hospitais da RHCCC Fev - Nov/2013
  • 23.
  • 24. Público Total: 668 pessoas (participantes, palestrantes, coordenadores e membros do comitê). 0% 70% 30% PARTICIPAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA REDE NO SPONCO INSTITUIÇÕES DA REDE QUE PARTICIPARAM INSTITUIÇÕES DA REDE QUE NÃO PARTICIPARAM AMOSTRA: 73 HOSPITAIS
  • 25. Público Total: 668 pessoas (participantes, palestrantes, coordenadores e membros do comitê). 62%16% 6% 2% 2% 2% 10% PERFIL DOS PARTICIPANTES DO SPONCO MÉDICOS ENFERMEIROS FARMACÊUTICOS GESTORES ASSISTENTE SOCIAL DENTISTA OUTROS
  • 26. Linha do tempo Set/2014 I Simpósio Paulista de Oncologia Projeto de Regulação Oncológica Dez/2014 Entrega do relatório referente as visitas aos hospitais da RHCCC Fev - Nov/2013
  • 27. RESUMO DA ANÁLISE SITUACIONAL DA RHCCC CIRURGIA ESCALA DE INTENSIDADE DA PRODUÇÃO CIRÚRGICA EM 2013 EM RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Fonte: Portaria MS/SAS n° 140/2014, INCA 2014, DATASUS 2013, FOSP – RHC 2010 e ANS 2013. ESCALA DE INTENSIDADE DA PREVISÃO DE PRODUÇÃO UTILIZANDO A CAPACIDADE INSTALADA ATUAL DE CIRURGIA EM RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO
  • 28. RESUMO DA ANÁLISE SITUACIONAL DA RHCCC QUIMIOTERAPIA ESCALA DE INTENSIDADE DA PRODUÇÃO DE QUIMIOTERAPIA EM 2013 EM RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Fonte: Portaria MS/SAS n° 140/2014, INCA 2014, DATASUS 2013, FOSP – RHC 2010 e ANS 2013. ESCALA DE INTENSIDADE DA PREVISÃO DE PRODUÇÃO UTILIZANDO A CAPACIDADE INSTALADA ATUAL DE QUIMIOTERAPIA EM RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO
  • 29. RESUMO DA ANÁLISE SITUACIONAL DA RHCCC RADIOTERAPIA ESCALA DE INTENSIDADE DA PRODUÇÃO RADIOTERAPIA EM 2013 EM RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Fonte: Portaria MS/SAS n° 140/2014, INCA 2014, DATASUS 2013, FOSP – RHC 2010 e ANS 2013. * Incluem equipamentos com previsão de instalação pelo Plano de expansão de Radioterapia do Ministério da Saúde (Portaria MS nº 931/2012) e também investimentos da SES-SP. ESCALA DE INTENSIDADE DA PREVISÃO DE PRODUÇÃO UTILIZANDO A CAPACIDADE INSTALADA ATUAL* DE RADIOTERAPIA EM RELAÇÃO À DEMANDA ESTIMADA NO ESTADO DE SÃO PAULO