SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo da Velocidade de
Hemossedimentação (VHS)
                        Juliana Hernandez
                       Laboratório de Hematologia
       Hospital Universitário João de Barros Barreto
Velocidade de Hemossedimentação (VHS)


                         Plasma se
                         deposita na
                        parte superior
                                         Eritrosedimentação

                         Eritrócitos
                        sedimentam
Sangue colhido com
  anticoagulante
                                             VHS
VHS – Patologias

       Teste                               Sua variação é, quase
                         Amplamente
    Inespecífico                         sempre, sinal de alteração
                          empregado
                                        orgânica ou de enfermidade



                   Processos inflamatórios, infecciosos e neoplásicos

Acompanhar o
curso evolutivo
   de certas
   doenças
Eritrosedimentação - Mecanismo
                    Acontece pela agregação de hemácias e
                    consequente formação de rouleaux


                                 Fenômeno de rouleaux ou empilhamento
                                 das hemácias; observa-se que as hemácias
                                 se dispõem semelhante a pilhas de moedas



        A formação em rouleaux é limitada pela carga
        negativa dos eritrócitos, que se repelem e não se
        agregam.

Essa força repulsiva eletrostática, chamada potencial zeta é
produzido por uma intensa carga negativa em nível da superfície
os eritrócitos, em decorrência da sua riqueza em ácido siálico, o
que explica porque estas células se mantêm separadas
Eritrosedimentação - Mecanismo
Eritrosedimentação - Mecanismo

       VHS      Potencial zeta

 Fibrinogênio>alfaglobulina>gamaglobulina




     VHS        Potencial zeta

 Albumina>lecitina
VHS - Outros fatores



        1. Tamanho dos eritrócitos.
        2. Diferença de densidade entre os
        eritrócitos e o plasma.
        3. Viscosidade do plasma.
        4. Temperatura.
Fatores que afetam o VHS
 A temperatura do local de teste deve ser mantida constante (20 a 25 0C)
enquanto o teste está sendo realizado; baixas temperaturas diminuem a
velocidade de hemossedimentação;

O tubo de sedimentação deve ser mantido exatamente na vertical; mesmo
poucos graus de inclinação podem afetar significativamente a VHS;

O teste deve ser feito em uma bancada livre de vibrações.;

Pipeta mal lavada
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide 1 Aula 1 Hematologia
Slide 1   Aula 1 HematologiaSlide 1   Aula 1 Hematologia
Slide 1 Aula 1 Hematologia
samir12
 
Coagulograma
CoagulogramaCoagulograma
Coagulograma
resenfe2013
 
Hemossedimentação
HemossedimentaçãoHemossedimentação
Hemossedimentação
Gabriella Lourenço
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
HIAGO SANTOS
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
janinemagalhaes
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Helena Amaral
 
Leucemias
Leucemias Leucemias
Imuno-hematologia Básica
Imuno-hematologia BásicaImuno-hematologia Básica
Imuno-hematologia Básica
Thiago Vianna
 
Distúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicosDistúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicos
Julai1991
 
Urinalise 1
Urinalise 1Urinalise 1
Urinalise 1
Rosimeire Areias
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
resenfe2013
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
UEA - Universidade do Estado do Amazonas
 
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
Carlos Frederico Almeida Rodrigues
 
Inflamação
  Inflamação  Inflamação
Inflamação
Safia Naser
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
samir12
 
Sistema hematológico
Sistema hematológicoSistema hematológico
Sistema hematológico
Denise Terenzi
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
Raimundo Tostes
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
Rosimeire Areias
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 

Mais procurados (20)

Slide 1 Aula 1 Hematologia
Slide 1   Aula 1 HematologiaSlide 1   Aula 1 Hematologia
Slide 1 Aula 1 Hematologia
 
Coagulograma
CoagulogramaCoagulograma
Coagulograma
 
Hemossedimentação
HemossedimentaçãoHemossedimentação
Hemossedimentação
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Leucemias
Leucemias Leucemias
Leucemias
 
Imuno-hematologia Básica
Imuno-hematologia BásicaImuno-hematologia Básica
Imuno-hematologia Básica
 
Distúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicosDistúrbios hematológicos
Distúrbios hematológicos
 
Urinalise 1
Urinalise 1Urinalise 1
Urinalise 1
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
 
Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
 
Inflamação
  Inflamação  Inflamação
Inflamação
 
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
Slide 2   Aula 2 LeucóCitosSlide 2   Aula 2 LeucóCitos
Slide 2 Aula 2 LeucóCitos
 
Sistema hematológico
Sistema hematológicoSistema hematológico
Sistema hematológico
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
urinalise
urinaliseurinalise
urinalise
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 

Mais de Julai1991

intercambialidade farmacêutica
intercambialidade farmacêuticaintercambialidade farmacêutica
intercambialidade farmacêutica
Julai1991
 
metilxantinas (cola,cacau, guaraná, erva-mate, café, chá da índia)
metilxantinas (cola,cacau, guaraná, erva-mate, café, chá da índia)metilxantinas (cola,cacau, guaraná, erva-mate, café, chá da índia)
metilxantinas (cola,cacau, guaraná, erva-mate, café, chá da índia)
Julai1991
 
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
Julai1991
 
Maconha e tabaco
Maconha e tabacoMaconha e tabaco
Maconha e tabaco
Julai1991
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
Julai1991
 
Bromatologia Vitaminas
Bromatologia VitaminasBromatologia Vitaminas
Bromatologia Vitaminas
Julai1991
 

Mais de Julai1991 (6)

intercambialidade farmacêutica
intercambialidade farmacêuticaintercambialidade farmacêutica
intercambialidade farmacêutica
 
metilxantinas (cola,cacau, guaraná, erva-mate, café, chá da índia)
metilxantinas (cola,cacau, guaraná, erva-mate, café, chá da índia)metilxantinas (cola,cacau, guaraná, erva-mate, café, chá da índia)
metilxantinas (cola,cacau, guaraná, erva-mate, café, chá da índia)
 
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS (Cromatografia de papel, Cromatografia de camada delg...
 
Maconha e tabaco
Maconha e tabacoMaconha e tabaco
Maconha e tabaco
 
Esquizofrenia
EsquizofreniaEsquizofrenia
Esquizofrenia
 
Bromatologia Vitaminas
Bromatologia VitaminasBromatologia Vitaminas
Bromatologia Vitaminas
 

Estudo da velocidade de hemossedimentação (vhs)

  • 1. Estudo da Velocidade de Hemossedimentação (VHS) Juliana Hernandez Laboratório de Hematologia Hospital Universitário João de Barros Barreto
  • 2. Velocidade de Hemossedimentação (VHS) Plasma se deposita na parte superior Eritrosedimentação Eritrócitos sedimentam Sangue colhido com anticoagulante VHS
  • 3. VHS – Patologias Teste Sua variação é, quase Amplamente Inespecífico sempre, sinal de alteração empregado orgânica ou de enfermidade Processos inflamatórios, infecciosos e neoplásicos Acompanhar o curso evolutivo de certas doenças
  • 4. Eritrosedimentação - Mecanismo Acontece pela agregação de hemácias e consequente formação de rouleaux Fenômeno de rouleaux ou empilhamento das hemácias; observa-se que as hemácias se dispõem semelhante a pilhas de moedas A formação em rouleaux é limitada pela carga negativa dos eritrócitos, que se repelem e não se agregam. Essa força repulsiva eletrostática, chamada potencial zeta é produzido por uma intensa carga negativa em nível da superfície os eritrócitos, em decorrência da sua riqueza em ácido siálico, o que explica porque estas células se mantêm separadas
  • 6. Eritrosedimentação - Mecanismo VHS Potencial zeta Fibrinogênio>alfaglobulina>gamaglobulina VHS Potencial zeta Albumina>lecitina
  • 7. VHS - Outros fatores 1. Tamanho dos eritrócitos. 2. Diferença de densidade entre os eritrócitos e o plasma. 3. Viscosidade do plasma. 4. Temperatura.
  • 8. Fatores que afetam o VHS  A temperatura do local de teste deve ser mantida constante (20 a 25 0C) enquanto o teste está sendo realizado; baixas temperaturas diminuem a velocidade de hemossedimentação; O tubo de sedimentação deve ser mantido exatamente na vertical; mesmo poucos graus de inclinação podem afetar significativamente a VHS; O teste deve ser feito em uma bancada livre de vibrações.; Pipeta mal lavada

Notas do Editor

  1. Ao deixarmos repousar, posicionado verticalmente, uma pipeta de Westergren preenchida com sangue colhido com anticoagulante, se observa que, depois de algum tempo, os eritrócitos sedimentam em seu fundo, formando-se duas fases que correspondem ao plasma (parte superior) e as células sangüíneas constituídas fundamentalmente por eritrócitos (parte inferior). Este processo se denomina eritrosedimentação e a velocidade com que se realiza (VHS ou VSG) pode variar em diversas situações patológicas.
  2. Apesar do VHS ser um teste inespecífico, ele é amplamente empregado na prática clínica, pois sua variação é quase sempre sinal de alteração orgânica ou de enfermidade. Assim, devido a freqüente correlação entre a VHS e o grau de atividade da enfermidade, sua determinação é de grande utilidade para acompanhar o curso evolutivo de certas afecções, entre as que se destacam, os processos inflamatórios crônicos (artrite reumatóide, polimialgia reumática e tuberculose, lúpus eritematoso, linfomas)
  3. O mecanismo da eritrosedimentação não é bem conhecido. Parece obedecer a interações eletrostáticas entre a superfície dos eritrócitos e diversas proteínas plasmáticas que favorecem (fibrinogênio e globulinas) ou dificultam (albumina) o empilhamento destes corpúsculos vermelhos. As principais macromoléculas que contribuem para o aumento da VHS em ordem decrescente são o fibrinogênio, a alfaglobulina e a gamaglobulina . As principais macromoléculas que contribuem para retardo da VHS são a albumina e a lecitina , porém não há correlação absoluta entre a VHS e algumas das frações protéicas do plasma
  4. As principais macromoléculas que contribuem para o aumento da VHS em ordem decrescente são o fibrinogênio, a alfaglobulina e a gamaglobulina . As principais macromoléculas que contribuem para retardo da VHS são a albumina e a lecitina , porém não há correlação absoluta entre a VHS e algumas das frações protéicas do plasma. A intensidade do potencial zeta depende em grande parte da composição protéica do plasma e especialmente da relação entre a concentração de albumina, globulinas e fibrinogênio. Sendo assim, a albumina tende a aumentar o potencial zeta distanciando mais as hemácias, enquanto as globulinas e, sobretudo o fibrinogênio diminuem o potencial zeta favorecendo o empilhamento das hemácias, portanto, aumentando a velocidade de queda dos glóbulos vermelhos. Isto se deve ao fato de que tanto o fibrinogênio como as globulinas têm um maior peso molecular e uma conformação espacial menos esférica que a albumina, o que aumenta a constante dielétrica do plasma e reduz o potencial zeta eritrocitário. De acordo com este mecanismo, o valor normal da VHS resulta do equilíbrio entre as principais proteínas plasmáticas