SlideShare uma empresa Scribd logo
TEORIA CRÍTICA 
ESCOLA DE 
FRANKFURT
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 H i s t ó rico 
 1W9e2i3l, –fi l iaadboe ràtu Uran idvoe rIsnidstaitdueto d dee F Praensqkfuuirsta. Social, por Félix 
 1 9 3 0 - Max Horkheimer assume a direcção do Instituto. 
 E1s9t3a3d –o o n aInzsit, itquutoe (cEoscnsoidlae drae sFuraasn kafcutritv) idéa fedcehs ahdoost ips ealoo EOsst apdrion.c ipais membros da Escola emigram para Paris e, p o s t eriormente, para Nova Iorque. 
 1R9e4se0 a- r cNho.s Estados Unidos, é criado o Institute of Social 
 1A9le5m0 -a nOh aIn.s tituto de Pesquisa Social é reaberto na
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 Principais teóricos 
 Theodor Adorno, Max 
Horkheimer, Herbert Marcuse, 
Walter Benjamin, Jürgen 
Habermas.
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 Obras importantes 
 Dialética do Iluminismo (1947), Adorno 
e Horkheimer. 
 Apresentam reflexões sobre a transformação do 
progresso cultural no seu contrário, a partir da análise 
dos fenómenos sociais, típicos da sociedade norte-americana, 
entre os anos 30 e 40. 

Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 A obra de arte na era da 
reprodutibilidade técnica (1937), Walter 
Benjamin. 
 Reflete sobre a relação arte e 
tecnologia na modernidade, a redefinição 
do conceito de arte e a sua função social.
 Eros e Civilização (1955) e O Homem Unidimensional 
(1964), Herbert Marcuse. Crítica da cultura burguesa, 
influência nos movimentos estudantis de contestação do 
establishment (anos 60), na Europa e nos Estados Unidos. 
 Consciência moral e agir comunicativo (1981), Jürgen 
Habermas. O autor critica a função ideológica da ciência 
e da técnica nas sociedades modernas. Propõe o 
redireccionamento da razão instrumental para a 
emancipação da humanidade através do “agir 
comunicacional”, que possa orientar as acções dos 
sujeitos, com base num “sentido comunitário”.
 Teoria Crítica: propostas gerais 
 Os frankfurtianos elaboram uma teoria crítica das 
sociedades contemporâneas, especificamente 
dos desdobramentos do capitalismo aliado à 
técnica e aos seus impactos sobre a vida dos 
indivíduos. 
 Analisam o sistema da economia de mercado, 
abordando questões como: desemprego, crises 
económicas, terrorismo, anti-semitismo, condição 
global das massas, mercantilização da cultura.
 Propõem temáticas novas através da análise de 
fenômenos superestruturais e do comportamento 
coletivo nas sociedades capitalistas industrializadas. 
 Em nome da racionalização, os processos sociais são 
dominados pela ótica da ciência aliada à técnica, 
traduzida como racionalidade da dominação da 
natureza para fins lucrativos. 
 Denunciam a separação e oposição do indivíduo 
em relação à sociedade.
Teoria Crítica Escola de 
Frankfurt 
 Criticam a dominação dos indivíduos nos 
Estados capitalista e fascista. 
 Apontam o positivismo como estratégia de 
manutenção e reprodução do status quo. 
 Defendem a atividade reflexiva como 
solução da reorganização racional da 
sociedade, embora não apresentem 
soluções práticas para os impasses 
engendrados pelo capitalismo aliado à 
industrialização.
Teoria Crítica -Escola de 
Frankfurt 
 As teses postuladas pelos frankfurtianos enfatizam o papel central que a 
ideologia desempenha em formas de comunicação nas sociedades 
urbanas modernas. E apontam os media como agentes da barbárie 
cultural, veículos propagadores da ideologia das classes dominantes, 
imposta às classes subalternas pela persuasão ou manipulação. 
 Entendem as pesquisas sectoriais e os media como instrumentos de 
manutenção do sistema, através da reprodução de modelos e valores 
sociais.
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 Indústria Cultural 
 Expressão utilizada por Adorno e Horkheimer na 
Dialética do Iluminismo (1947) no capítulo, “A 
Indústria Cultural: O Iluminismo como 
Mistificação das Massas”, em substituição do 
termo “cultura de massas”, para designar a 
produção e difusão de bens simbólicos em 
escala industrial. 
 Para Adorno e Horkheimer, a Indústria Cultural, 
como subsistema da sociedade capitalista, 
reproduz a sua ideologia e estrutura.
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 A Indústria Cultural configura produtos veiculados pelos 
mass media. Portanto, não designa peças culturais 
provindas da elite nem da população menos favorecida. 
 As reflexões de Adorno e Horkheimer assentam na 
constatação de que a sociedade industrial não realizou as 
promessas do iluminismo humanista. 
 O desenvolvimento da técnica e da ciência não trouxe 
um acréscimo de felicidade e liberdade para o Homem.
Teoria Crítica Escola de 
Frankfurt 
 Ao invés de libertar o Homem, o progresso da 
técnica acabou por o escravizar, alienando-o. 
 A reprodutibilidade técnica retirou, tanto da 
cultura popular, como da cultura erudita, o seu 
valor real. O resultado, a indústria cultural, não 
conduz à experiência libertadora da fruição 
estética. 
 O princípio da reprodução deformaria a obra, 
nivelando-a por baixo. Por exemplo: adaptações 
de livros a filmes, que são adocicadas para se 
tornar mais apetecíveis ao consumo.
Teoria Crítica- Escola de 
Frankfurt 
 Para os frankfurtianos, os produtos da Indústria 
Cultural teriam 3 funções: 
(1) Ser comercializados; 
(2) Promover a deturpação e a degradação do 
gosto popular; 
(3) Obter uma atitude passiva dos consumidores.
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 Críticas à Indústria Cultural 
 ”Aquilo que a indústria cultural oferece de 
continuamente novo não é mais do que a 
representação, sob formas sempre diferentes, 
de algo que é sempre igual” (Adorno, 1967, 8). 
 O sistema condiciona o tipo, a qualidade e a 
função do consumo na sociedade. 
 A indústria cultural provoca a homogeneização 
dos padrões de gosto.
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 O indivíduo deixa de decidir autonomamente. O 
conflito soluciona-se com a adesão acrítica de valores 
impostos. 
 À medida que a indústria cultural se consolida, mais 
adquire poder sobre as necessidades do consumidor, 
guiando-o e disciplinando-o. “O consumidor não é 
soberano, como a indústria cultural queria fazer crer, não 
é o sujeito, mas o seu objecto” (Adorno, 1967: 6). 
 A individualidade é substituída pela pseudo-individualidade. 
A ubiquidade, a repetitividade e a 
estandardização da indústria cultural fazem da 
moderna cultura de massa um meio de controlo 
inaudito. 

Teoria Crítica Escola de 
Frankfurt 
 “O espectador não deve agir pela sua 
própria cabeça: o produto prescreve todas as 
reacções: não pelo seu contexto objectivo 
que desaparece mal se volta para a 
faculdade de pensar – mas através de sinais. 
Qualquer conexão lógica que exija 
perspicácia intelectual, é escrupulosamente 
evitada” (Horkheimer; Adorno, 1947: 148).
Teoria Crítica - Escola de 
Frankfurt 
 “A sociedade é sempre a vencedora e o 
indivíduo não passa de um fantoche 
manipulado pelas normas sociais” Adorno apud 
Wolf (1994: 77). 
 Os produtos da indústria cultural paralisam a 
imaginação e a espontaneidade, impedindo a 
atividade mental do indivíduo. 
 A indústria cultural reflete o modelo do 
mecanismo econômico, que domina o tempo 
de trabalho e de lazer.
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 A estrutura multiestratificada das mensagens 
reflecte a estratégia de manipulação da indústria 
cultural. 
 A recepção das mensagens dos media escapam 
ao controlo da consciência. O espectador absorve 
ordens, indicações, proibições, sem senso crítico. 
 Uma das estratégias de dominação da indústria 
cultural é a estereotipização, modelos simplificados 
indispensáveis para organizar e antecipar as 
experiências humanas.
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 A divisão dos produtos em géneros conduz ao 
desenvolvimento de formas fixas e impõe modelos 
estabelecidos de expectativas. 
 Os sujeitos encontram-se privados da 
verdadeira compreensão da realidade e da 
experiência de vida pelo uso constante de óculos 
esfumaçados, oferecidos pelo sistema através da 
indústria cultural.
Teoria Crítica 
Escola de Frankfurt 
 “O espectador olha (...) Tudo se desenrola diante 
dos seus olhos, mas ele não pode tocar, aderir 
corporalmente àquilo que contempla. Em 
compensação, o olho do espectador está em toda a 
parte (...) sempre vê tudo em plano aproximado (...) 
mesmo o que está mais próximo está infinitamente 
distante da imagem, sempre presente, é verdade, 
nunca materializada. Ele participa do espectáculo, 
mas a sua participação é sempre pelo intermédio do 
corifeu, mediador, jornalista, locutor, fotógrafo, 
cameraman, herói imaginário” (Edgar Morin, Cultura 
de massas no século XX: o espírito do tempo, p. 74).
Cultura de massa 
 Segundo Eclea Bosi a cultura de massa não passa, 
na verdade, de um oceano de imposições ditadas 
pelos meios de comunicação, muitas vezes 
identicamente destinadas às mais diferentes 
regiões e povos. Não é por outro motivo que as 
massas, sejam da América, Europa ou Ásia, 
apreciam e produzem a mesma arte, vestem as 
mesmas roupas, gostam das mesmas comidas. 
Não é por razão diversa que os estilos, as maneiras, 
as tradições, enfim, a cultura peculiar de cada 
povo vem dando lugar, em larga medida, a uma 
triste vitrine universal (BOSI, 2000: 102). 
 BOSI, Eclea (2000), Cultura de massa e cultura popular. 
Rio de Janeiro: Vozes.
CULTURA DE MASSA 
 Para Orlando Fideli, cultura de massa, nos 
nossos dias, é um conceito amplo, que abrange 
por muitas vezes toda e qualquer manifestação 
de actividades ditas populares. Assim sendo, do 
carnaval ao rock, dos jeans à coca-cola, das 
novelas de televisão às revistas em quadrinhos, 
tudo hoje, pode ser inserido no cómodo e 
amplo conceito de cultura de massa (FIDELI, 
2008: 1). 
 FEDELI, Orlando (2008), Cultura Popular e Cultura 
de Elite, cultura de massa. São Paulo: Associação 
Cultural Montfort.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Teoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentaçãoTeoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentação
Paulo Bastos
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Juliana Corvino de Araújo
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Leandro Nazareth Souto
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
Paula Meyer Piagentini
 
Poder e política
Poder e políticaPoder e política
Poder e política
Edenilson Morais
 
Modernidade x pos modernidade
Modernidade x pos modernidadeModernidade x pos modernidade
Modernidade x pos modernidade
Funvic - Fundação de Ensino de Mococa
 
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massaAlta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Aline Corso
 
Pós-modernismo slide
Pós-modernismo slidePós-modernismo slide
Pós-modernismo slide
Marietamorais
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Juliana Corvino de Araújo
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
roberto mosca junior
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Durkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weberDurkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weber
Arinaldo Martins
 
O Que é PolíTica
O Que é PolíTicaO Que é PolíTica
O Que é PolíTica
Robson Santos
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
maynara marques
 

Mais procurados (20)

Emile Durkheim
Emile DurkheimEmile Durkheim
Emile Durkheim
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Teoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentaçãoTeoria crítica apresentação
Teoria crítica apresentação
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Poder e política
Poder e políticaPoder e política
Poder e política
 
Modernidade x pos modernidade
Modernidade x pos modernidadeModernidade x pos modernidade
Modernidade x pos modernidade
 
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massaAlta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
 
Pós-modernismo slide
Pós-modernismo slidePós-modernismo slide
Pós-modernismo slide
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Durkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weberDurkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weber
 
O Que é PolíTica
O Que é PolíTicaO Que é PolíTica
O Que é PolíTica
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 

Semelhante a teoria Crítica e Escola de Frankfurt

Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
nanasimao
 
Escola frankfurt
Escola frankfurtEscola frankfurt
Escola frankfurt
Weicker Gutierrez
 
Escola De Frankfurt
Escola De FrankfurtEscola De Frankfurt
Escola De Frankfurt
guestb5c7bce5
 
Indústria-Cultural.pptx
Indústria-Cultural.pptxIndústria-Cultural.pptx
Indústria-Cultural.pptx
MelissaVicente8
 
Indústria-Cultural e sociedade de consumo
Indústria-Cultural e sociedade de consumoIndústria-Cultural e sociedade de consumo
Indústria-Cultural e sociedade de consumo
RosineideSilva15
 
Marxismo e comunicação
Marxismo e comunicaçãoMarxismo e comunicação
Marxismo e comunicação
richard_romancini
 
Teoria crítica
Teoria críticaTeoria crítica
Teoria crítica
Geso Júnior
 
Design gráfico 2011 2a aula -17/08/2011
Design  gráfico  2011  2a aula -17/08/2011Design  gráfico  2011  2a aula -17/08/2011
Design gráfico 2011 2a aula -17/08/2011
Unip e Uniplan
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Maíra Masiero
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Ana Dall'Agnol
 
Theodor W. Adorno
Theodor W. AdornoTheodor W. Adorno
Theodor W. Adorno
Faustino dos Santos
 
Teoria da comunicação Unidade IV
Teoria da comunicação Unidade IVTeoria da comunicação Unidade IV
Teoria da comunicação Unidade IV
Harutchy
 
O que é Indústria Cultural
O que é Indústria CulturalO que é Indústria Cultural
O que é Indústria Cultural
Maria Cristina Bortolozo
 
Teoria Critica e Escola de Frankfurt
Teoria Critica e Escola de FrankfurtTeoria Critica e Escola de Frankfurt
Teoria Critica e Escola de Frankfurt
Maria Cristina Bortolozo
 
Em defesa de um novo projeto iluminista
Em defesa de um novo projeto iluministaEm defesa de um novo projeto iluminista
Em defesa de um novo projeto iluminista
Fernando Alcoforado
 
Teoria critica e escola de Frankfurt
Teoria critica e escola de FrankfurtTeoria critica e escola de Frankfurt
Teoria critica e escola de Frankfurt
Edenilson Morais
 
Ebook rsc
Ebook rscEbook rsc
Teorias da comunição resumo teórico
Teorias da comunição resumo teóricoTeorias da comunição resumo teórico
Teorias da comunição resumo teórico
Professor Sérgio Duarte
 
Cultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptxCultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptx
EDUARDOSOARESGUIA1
 
Design gráfico
Design  gráficoDesign  gráfico
Design gráfico
Unip e Uniplan
 

Semelhante a teoria Crítica e Escola de Frankfurt (20)

Teoria Crítica
Teoria CríticaTeoria Crítica
Teoria Crítica
 
Escola frankfurt
Escola frankfurtEscola frankfurt
Escola frankfurt
 
Escola De Frankfurt
Escola De FrankfurtEscola De Frankfurt
Escola De Frankfurt
 
Indústria-Cultural.pptx
Indústria-Cultural.pptxIndústria-Cultural.pptx
Indústria-Cultural.pptx
 
Indústria-Cultural e sociedade de consumo
Indústria-Cultural e sociedade de consumoIndústria-Cultural e sociedade de consumo
Indústria-Cultural e sociedade de consumo
 
Marxismo e comunicação
Marxismo e comunicaçãoMarxismo e comunicação
Marxismo e comunicação
 
Teoria crítica
Teoria críticaTeoria crítica
Teoria crítica
 
Design gráfico 2011 2a aula -17/08/2011
Design  gráfico  2011  2a aula -17/08/2011Design  gráfico  2011  2a aula -17/08/2011
Design gráfico 2011 2a aula -17/08/2011
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
 
Theodor W. Adorno
Theodor W. AdornoTheodor W. Adorno
Theodor W. Adorno
 
Teoria da comunicação Unidade IV
Teoria da comunicação Unidade IVTeoria da comunicação Unidade IV
Teoria da comunicação Unidade IV
 
O que é Indústria Cultural
O que é Indústria CulturalO que é Indústria Cultural
O que é Indústria Cultural
 
Teoria Critica e Escola de Frankfurt
Teoria Critica e Escola de FrankfurtTeoria Critica e Escola de Frankfurt
Teoria Critica e Escola de Frankfurt
 
Em defesa de um novo projeto iluminista
Em defesa de um novo projeto iluministaEm defesa de um novo projeto iluminista
Em defesa de um novo projeto iluminista
 
Teoria critica e escola de Frankfurt
Teoria critica e escola de FrankfurtTeoria critica e escola de Frankfurt
Teoria critica e escola de Frankfurt
 
Ebook rsc
Ebook rscEbook rsc
Ebook rsc
 
Teorias da comunição resumo teórico
Teorias da comunição resumo teóricoTeorias da comunição resumo teórico
Teorias da comunição resumo teórico
 
Cultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptxCultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptx
 
Design gráfico
Design  gráficoDesign  gráfico
Design gráfico
 

Mais de Lucio Braga

Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber   a Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoWeber   a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Lucio Braga
 
A sociologia compreensiva de weber
A sociologia compreensiva de weber  A sociologia compreensiva de weber
A sociologia compreensiva de weber
Lucio Braga
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Lucio Braga
 
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSBOs Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Lucio Braga
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
Lucio Braga
 
Consumo e cidadania
Consumo  e cidadaniaConsumo  e cidadania
Consumo e cidadania
Lucio Braga
 
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy DèbordMídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
Lucio Braga
 
Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo  Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo
Lucio Braga
 
Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismoEstado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo
Lucio Braga
 
Questões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médioQuestões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médio
Lucio Braga
 
Estrutura e mobilidade social conecte
Estrutura e mobilidade social   conecteEstrutura e mobilidade social   conecte
Estrutura e mobilidade social conecte
Lucio Braga
 
Mobilidade social link
Mobilidade social linkMobilidade social link
Mobilidade social link
Lucio Braga
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
Lucio Braga
 
Fato patologico e anomia
Fato patologico e anomiaFato patologico e anomia
Fato patologico e anomia
Lucio Braga
 
Raízes do brasil – sergio buarque de holanda
Raízes do brasil – sergio buarque de holandaRaízes do brasil – sergio buarque de holanda
Raízes do brasil – sergio buarque de holanda
Lucio Braga
 
Atividade elias
Atividade eliasAtividade elias
Atividade elias
Lucio Braga
 
Norbert elias processo civilizador
Norbert elias  processo civilizadorNorbert elias  processo civilizador
Norbert elias processo civilizador
Lucio Braga
 
Os sertões euclides_da_cunha
Os sertões euclides_da_cunhaOs sertões euclides_da_cunha
Os sertões euclides_da_cunha
Lucio Braga
 
Tramitacao- Marco Civil da Internet
Tramitacao- Marco Civil da InternetTramitacao- Marco Civil da Internet
Tramitacao- Marco Civil da Internet
Lucio Braga
 

Mais de Lucio Braga (20)

Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber   a Ética Protestante e o Espírito do CapitalismoWeber   a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
Weber a Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo
 
A sociologia compreensiva de weber
A sociologia compreensiva de weber  A sociologia compreensiva de weber
A sociologia compreensiva de weber
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSBOs Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
Os Tipos de Dominação para Weber- 1o.ano - CSB
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
 
Consumo e cidadania
Consumo  e cidadaniaConsumo  e cidadania
Consumo e cidadania
 
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy DèbordMídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
Mídia e Poder na Sociedade espetáculo- Guy Dèbord
 
Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo  Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo
 
Estado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismoEstado liberal e contratualismo
Estado liberal e contratualismo
 
Questões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médioQuestões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médio
 
Estrutura e mobilidade social conecte
Estrutura e mobilidade social   conecteEstrutura e mobilidade social   conecte
Estrutura e mobilidade social conecte
 
Mobilidade social link
Mobilidade social linkMobilidade social link
Mobilidade social link
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
 
Fato patologico e anomia
Fato patologico e anomiaFato patologico e anomia
Fato patologico e anomia
 
Raízes do brasil – sergio buarque de holanda
Raízes do brasil – sergio buarque de holandaRaízes do brasil – sergio buarque de holanda
Raízes do brasil – sergio buarque de holanda
 
Atividade elias
Atividade eliasAtividade elias
Atividade elias
 
Norbert elias processo civilizador
Norbert elias  processo civilizadorNorbert elias  processo civilizador
Norbert elias processo civilizador
 
Os sertões euclides_da_cunha
Os sertões euclides_da_cunhaOs sertões euclides_da_cunha
Os sertões euclides_da_cunha
 
Tramitacao- Marco Civil da Internet
Tramitacao- Marco Civil da InternetTramitacao- Marco Civil da Internet
Tramitacao- Marco Civil da Internet
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

teoria Crítica e Escola de Frankfurt

  • 1. TEORIA CRÍTICA ESCOLA DE FRANKFURT
  • 2. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  H i s t ó rico  1W9e2i3l, –fi l iaadboe ràtu Uran idvoe rIsnidstaitdueto d dee F Praensqkfuuirsta. Social, por Félix  1 9 3 0 - Max Horkheimer assume a direcção do Instituto.  E1s9t3a3d –o o n aInzsit, itquutoe (cEoscnsoidlae drae sFuraasn kafcutritv) idéa fedcehs ahdoost ips ealoo EOsst apdrion.c ipais membros da Escola emigram para Paris e, p o s t eriormente, para Nova Iorque.  1R9e4se0 a- r cNho.s Estados Unidos, é criado o Institute of Social  1A9le5m0 -a nOh aIn.s tituto de Pesquisa Social é reaberto na
  • 3. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  Principais teóricos  Theodor Adorno, Max Horkheimer, Herbert Marcuse, Walter Benjamin, Jürgen Habermas.
  • 4. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  Obras importantes  Dialética do Iluminismo (1947), Adorno e Horkheimer.  Apresentam reflexões sobre a transformação do progresso cultural no seu contrário, a partir da análise dos fenómenos sociais, típicos da sociedade norte-americana, entre os anos 30 e 40. 
  • 5. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica (1937), Walter Benjamin.  Reflete sobre a relação arte e tecnologia na modernidade, a redefinição do conceito de arte e a sua função social.
  • 6.  Eros e Civilização (1955) e O Homem Unidimensional (1964), Herbert Marcuse. Crítica da cultura burguesa, influência nos movimentos estudantis de contestação do establishment (anos 60), na Europa e nos Estados Unidos.  Consciência moral e agir comunicativo (1981), Jürgen Habermas. O autor critica a função ideológica da ciência e da técnica nas sociedades modernas. Propõe o redireccionamento da razão instrumental para a emancipação da humanidade através do “agir comunicacional”, que possa orientar as acções dos sujeitos, com base num “sentido comunitário”.
  • 7.  Teoria Crítica: propostas gerais  Os frankfurtianos elaboram uma teoria crítica das sociedades contemporâneas, especificamente dos desdobramentos do capitalismo aliado à técnica e aos seus impactos sobre a vida dos indivíduos.  Analisam o sistema da economia de mercado, abordando questões como: desemprego, crises económicas, terrorismo, anti-semitismo, condição global das massas, mercantilização da cultura.
  • 8.  Propõem temáticas novas através da análise de fenômenos superestruturais e do comportamento coletivo nas sociedades capitalistas industrializadas.  Em nome da racionalização, os processos sociais são dominados pela ótica da ciência aliada à técnica, traduzida como racionalidade da dominação da natureza para fins lucrativos.  Denunciam a separação e oposição do indivíduo em relação à sociedade.
  • 9. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  Criticam a dominação dos indivíduos nos Estados capitalista e fascista.  Apontam o positivismo como estratégia de manutenção e reprodução do status quo.  Defendem a atividade reflexiva como solução da reorganização racional da sociedade, embora não apresentem soluções práticas para os impasses engendrados pelo capitalismo aliado à industrialização.
  • 10. Teoria Crítica -Escola de Frankfurt  As teses postuladas pelos frankfurtianos enfatizam o papel central que a ideologia desempenha em formas de comunicação nas sociedades urbanas modernas. E apontam os media como agentes da barbárie cultural, veículos propagadores da ideologia das classes dominantes, imposta às classes subalternas pela persuasão ou manipulação.  Entendem as pesquisas sectoriais e os media como instrumentos de manutenção do sistema, através da reprodução de modelos e valores sociais.
  • 11. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  Indústria Cultural  Expressão utilizada por Adorno e Horkheimer na Dialética do Iluminismo (1947) no capítulo, “A Indústria Cultural: O Iluminismo como Mistificação das Massas”, em substituição do termo “cultura de massas”, para designar a produção e difusão de bens simbólicos em escala industrial.  Para Adorno e Horkheimer, a Indústria Cultural, como subsistema da sociedade capitalista, reproduz a sua ideologia e estrutura.
  • 12. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  A Indústria Cultural configura produtos veiculados pelos mass media. Portanto, não designa peças culturais provindas da elite nem da população menos favorecida.  As reflexões de Adorno e Horkheimer assentam na constatação de que a sociedade industrial não realizou as promessas do iluminismo humanista.  O desenvolvimento da técnica e da ciência não trouxe um acréscimo de felicidade e liberdade para o Homem.
  • 13. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  Ao invés de libertar o Homem, o progresso da técnica acabou por o escravizar, alienando-o.  A reprodutibilidade técnica retirou, tanto da cultura popular, como da cultura erudita, o seu valor real. O resultado, a indústria cultural, não conduz à experiência libertadora da fruição estética.  O princípio da reprodução deformaria a obra, nivelando-a por baixo. Por exemplo: adaptações de livros a filmes, que são adocicadas para se tornar mais apetecíveis ao consumo.
  • 14. Teoria Crítica- Escola de Frankfurt  Para os frankfurtianos, os produtos da Indústria Cultural teriam 3 funções: (1) Ser comercializados; (2) Promover a deturpação e a degradação do gosto popular; (3) Obter uma atitude passiva dos consumidores.
  • 15. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  Críticas à Indústria Cultural  ”Aquilo que a indústria cultural oferece de continuamente novo não é mais do que a representação, sob formas sempre diferentes, de algo que é sempre igual” (Adorno, 1967, 8).  O sistema condiciona o tipo, a qualidade e a função do consumo na sociedade.  A indústria cultural provoca a homogeneização dos padrões de gosto.
  • 16. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  O indivíduo deixa de decidir autonomamente. O conflito soluciona-se com a adesão acrítica de valores impostos.  À medida que a indústria cultural se consolida, mais adquire poder sobre as necessidades do consumidor, guiando-o e disciplinando-o. “O consumidor não é soberano, como a indústria cultural queria fazer crer, não é o sujeito, mas o seu objecto” (Adorno, 1967: 6).  A individualidade é substituída pela pseudo-individualidade. A ubiquidade, a repetitividade e a estandardização da indústria cultural fazem da moderna cultura de massa um meio de controlo inaudito. 
  • 17. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  “O espectador não deve agir pela sua própria cabeça: o produto prescreve todas as reacções: não pelo seu contexto objectivo que desaparece mal se volta para a faculdade de pensar – mas através de sinais. Qualquer conexão lógica que exija perspicácia intelectual, é escrupulosamente evitada” (Horkheimer; Adorno, 1947: 148).
  • 18. Teoria Crítica - Escola de Frankfurt  “A sociedade é sempre a vencedora e o indivíduo não passa de um fantoche manipulado pelas normas sociais” Adorno apud Wolf (1994: 77).  Os produtos da indústria cultural paralisam a imaginação e a espontaneidade, impedindo a atividade mental do indivíduo.  A indústria cultural reflete o modelo do mecanismo econômico, que domina o tempo de trabalho e de lazer.
  • 19. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  A estrutura multiestratificada das mensagens reflecte a estratégia de manipulação da indústria cultural.  A recepção das mensagens dos media escapam ao controlo da consciência. O espectador absorve ordens, indicações, proibições, sem senso crítico.  Uma das estratégias de dominação da indústria cultural é a estereotipização, modelos simplificados indispensáveis para organizar e antecipar as experiências humanas.
  • 20. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  A divisão dos produtos em géneros conduz ao desenvolvimento de formas fixas e impõe modelos estabelecidos de expectativas.  Os sujeitos encontram-se privados da verdadeira compreensão da realidade e da experiência de vida pelo uso constante de óculos esfumaçados, oferecidos pelo sistema através da indústria cultural.
  • 21. Teoria Crítica Escola de Frankfurt  “O espectador olha (...) Tudo se desenrola diante dos seus olhos, mas ele não pode tocar, aderir corporalmente àquilo que contempla. Em compensação, o olho do espectador está em toda a parte (...) sempre vê tudo em plano aproximado (...) mesmo o que está mais próximo está infinitamente distante da imagem, sempre presente, é verdade, nunca materializada. Ele participa do espectáculo, mas a sua participação é sempre pelo intermédio do corifeu, mediador, jornalista, locutor, fotógrafo, cameraman, herói imaginário” (Edgar Morin, Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo, p. 74).
  • 22. Cultura de massa  Segundo Eclea Bosi a cultura de massa não passa, na verdade, de um oceano de imposições ditadas pelos meios de comunicação, muitas vezes identicamente destinadas às mais diferentes regiões e povos. Não é por outro motivo que as massas, sejam da América, Europa ou Ásia, apreciam e produzem a mesma arte, vestem as mesmas roupas, gostam das mesmas comidas. Não é por razão diversa que os estilos, as maneiras, as tradições, enfim, a cultura peculiar de cada povo vem dando lugar, em larga medida, a uma triste vitrine universal (BOSI, 2000: 102).  BOSI, Eclea (2000), Cultura de massa e cultura popular. Rio de Janeiro: Vozes.
  • 23. CULTURA DE MASSA  Para Orlando Fideli, cultura de massa, nos nossos dias, é um conceito amplo, que abrange por muitas vezes toda e qualquer manifestação de actividades ditas populares. Assim sendo, do carnaval ao rock, dos jeans à coca-cola, das novelas de televisão às revistas em quadrinhos, tudo hoje, pode ser inserido no cómodo e amplo conceito de cultura de massa (FIDELI, 2008: 1).  FEDELI, Orlando (2008), Cultura Popular e Cultura de Elite, cultura de massa. São Paulo: Associação Cultural Montfort.