SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Universidade Federal do Pará
I Instituto de Ciências Biológicas
Ciências Morfofisiológicas - Anatomia
Esclerose Múltipla
Docente:Dinair Pamplona dos Santos
Discentes:Felipa Mahyra Calandrini Tembé
Gabriela Joice P. Cardoso
Gabriella Lima Oliveira
Joanna Angélica A. de Oliveira
Milene Neves Soares
Suenne Paes Carreiro
O QUE É ESCLEROSE MÚLTIPLA?
• A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença inflamatória
crônica do Sistema Nervoso Central (SNC).
• Sua causa ainda é desconhecida.
• Não é hereditária
• Se manifesta de diferentes modos.
• Afeta o cérebro e cordão espinhal.
• É uma doença autoimune.
• E desmielinizante, ou seja,
que provoca a destruição da bainha
de mielina.
BAINHA DE MIELINA
• A bainha de mielina é uma estrutura que envolve os axônios
facilitando e acelerando a propagação do estímulo elétrico.
• A mielina do Sistema Nervoso Central é produzida por células
chamadas oligondendrócitos e sua produção é iniciada a partir de
estímulos de outras células do SNC, os astrócitos.
• A mielina do Sistema Nervoso Periférico é produzida pelas células de
Schwann, sua produção é iniciada a partir da presença do axônio.
• A bainha de mielina
 Isolante
Eficiência na propagação do
impulso
• A mielina está disposta em
seções
•Na presença de mielina o
impulso elétrico salta de um
nódulo para outro, ao invés de
ter que viajar a distância
inteira do axônio.
•A condução é saltatória.
Como Funciona?
Epidemiologia
• mais comum em mulheres brancas
• faixa etária de 35-50 anos
• segunda maior causa de incapacidade
neurológica em pessoas jovens após trauma
craniano
Ressonância
QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA DOENÇA?
-Variáveis;
-Primeiras manifestações em geral são
alterações visuais, motoras e sensitivas;
- Geralmente a doença provoca surtos
cujo sintomas podem ser discreto ou
intensos.
SINTOMAS E SINAIS INICIAIS
MAIS COMUNS ?
• Debilidade;
• Perda visual unilateral;
• Falta de coordenação e parestesias;
• Incontinências;
• Hesitação no andar;
• Retenção urinária;
• Vertigens;
• Perda da audição;
• Dor facial;
• Dores no braço, pernas e tronco;
•Estes sintomas podem levar horas ou dias para surgir.
•Em média a doença provoca mais ou menos um surto por
ano
• A velocidade de remissão varia, mas geralmente ocorre
depois de duas a oitos semanas do surto
•Ainda não existe explicação para o aparecimento e
desaparecimento dos sintomas
QUAL É O TRATAMENTO?
• A causa da doença ainda é desconhecida;
• Os medicamentos são extremamente caros, mas em contrapartida são todos
distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
• Os tratamentos disponíveis têm vários objetivos. O primeiro deles é
tratar com fármacos as inflamações quando elas acontecem (surtos).
Outros fármacos são utilizados para a prevenção de novas inflamações
(surtos).
• Tratamento convencional:
Imunomoduladores
Imunossupressores/ Corticosteroides/ Imunoglobulina/ Plasmaferese
Medicação específica para os sintomas
•Tratamento Multidisciplinar
Frente a qualquer
necessidade humana
específica:"Deficiências",
qualquer questão de Saúde
Física ou Saúde Mental ou
qualquer outro elemento da
vida,as piores chagas são
sempre o dogmatismo, a
ignorância/intolerância e o
preconceito!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
pauloalambert
 
Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.
Solange Leite
 
Anamnese neurológica
Anamnese neurológicaAnamnese neurológica
Anamnese neurológica
pauloalambert
 

Mais procurados (20)

Ela- Esclerose Lateral Amiotrófica
Ela- Esclerose Lateral Amiotrófica Ela- Esclerose Lateral Amiotrófica
Ela- Esclerose Lateral Amiotrófica
 
Esclerose Múltipla
Esclerose MúltiplaEsclerose Múltipla
Esclerose Múltipla
 
Esclerose lateral amiotrófica
Esclerose lateral amiotróficaEsclerose lateral amiotrófica
Esclerose lateral amiotrófica
 
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
 
Esclerose multipla1
Esclerose multipla1Esclerose multipla1
Esclerose multipla1
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronariana
 
EMcontros: Papel do Enfermeiro na Esclerose Multipla
EMcontros: Papel do Enfermeiro na Esclerose MultiplaEMcontros: Papel do Enfermeiro na Esclerose Multipla
EMcontros: Papel do Enfermeiro na Esclerose Multipla
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
 
Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.Seminário alzheimer.
Seminário alzheimer.
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Anamnese neurológica
Anamnese neurológicaAnamnese neurológica
Anamnese neurológica
 
Trabalho anemia
Trabalho anemiaTrabalho anemia
Trabalho anemia
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Doença Arterial Obstrutiva Periférica
Doença Arterial Obstrutiva PeriféricaDoença Arterial Obstrutiva Periférica
Doença Arterial Obstrutiva Periférica
 

Semelhante a Esclerose múltipla apresentação

Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
Pedui
 
Dsnervooso 1232367792130399-3
Dsnervooso 1232367792130399-3Dsnervooso 1232367792130399-3
Dsnervooso 1232367792130399-3
Pelo Siro
 
slide esclerose múltipla e lúpus.pptx
slide esclerose múltipla e lúpus.pptxslide esclerose múltipla e lúpus.pptx
slide esclerose múltipla e lúpus.pptx
KarenBellartOficial
 
Lesão nervosa periferica
Lesão nervosa perifericaLesão nervosa periferica
Lesão nervosa periferica
japaforozero
 
Doencas demielinizantes
Doencas demielinizantesDoencas demielinizantes
Doencas demielinizantes
José Moraes
 
Clube de Jornalismo - Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla
Clube de Jornalismo - Dia Nacional da Pessoa com Esclerose MúltiplaClube de Jornalismo - Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla
Clube de Jornalismo - Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla
MaisForte Fortalece-te
 

Semelhante a Esclerose múltipla apresentação (20)

Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
 
Dsnervooso 1232367792130399-3
Dsnervooso 1232367792130399-3Dsnervooso 1232367792130399-3
Dsnervooso 1232367792130399-3
 
ECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptxECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptx
 
slide esclerose múltipla e lúpus.pptx
slide esclerose múltipla e lúpus.pptxslide esclerose múltipla e lúpus.pptx
slide esclerose múltipla e lúpus.pptx
 
Epilepsia 2
Epilepsia 2Epilepsia 2
Epilepsia 2
 
Paralisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicadaParalisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicada
 
sistema nervoso
sistema nervoso sistema nervoso
sistema nervoso
 
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (NeuroanatPsicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
 
Epilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quintaEpilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quinta
 
EMULTIPLA2.pdf
EMULTIPLA2.pdfEMULTIPLA2.pdf
EMULTIPLA2.pdf
 
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptxAula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
 
Epilepsia gabi ab
Epilepsia  gabi abEpilepsia  gabi ab
Epilepsia gabi ab
 
Lesão nervosa periferica
Lesão nervosa perifericaLesão nervosa periferica
Lesão nervosa periferica
 
Epilepsia
Epilepsia Epilepsia
Epilepsia
 
Transtornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_kTranstornos cerebrais 10_k
Transtornos cerebrais 10_k
 
Doencas demielinizantes
Doencas demielinizantesDoencas demielinizantes
Doencas demielinizantes
 
Alzheimer
AlzheimerAlzheimer
Alzheimer
 
Clube de Jornalismo - Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla
Clube de Jornalismo - Dia Nacional da Pessoa com Esclerose MúltiplaClube de Jornalismo - Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla
Clube de Jornalismo - Dia Nacional da Pessoa com Esclerose Múltipla
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 

Esclerose múltipla apresentação

  • 1. Universidade Federal do Pará I Instituto de Ciências Biológicas Ciências Morfofisiológicas - Anatomia Esclerose Múltipla Docente:Dinair Pamplona dos Santos Discentes:Felipa Mahyra Calandrini Tembé Gabriela Joice P. Cardoso Gabriella Lima Oliveira Joanna Angélica A. de Oliveira Milene Neves Soares Suenne Paes Carreiro
  • 2. O QUE É ESCLEROSE MÚLTIPLA? • A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença inflamatória crônica do Sistema Nervoso Central (SNC). • Sua causa ainda é desconhecida. • Não é hereditária • Se manifesta de diferentes modos. • Afeta o cérebro e cordão espinhal. • É uma doença autoimune. • E desmielinizante, ou seja, que provoca a destruição da bainha de mielina.
  • 3. BAINHA DE MIELINA • A bainha de mielina é uma estrutura que envolve os axônios facilitando e acelerando a propagação do estímulo elétrico. • A mielina do Sistema Nervoso Central é produzida por células chamadas oligondendrócitos e sua produção é iniciada a partir de estímulos de outras células do SNC, os astrócitos. • A mielina do Sistema Nervoso Periférico é produzida pelas células de Schwann, sua produção é iniciada a partir da presença do axônio.
  • 4. • A bainha de mielina  Isolante Eficiência na propagação do impulso • A mielina está disposta em seções •Na presença de mielina o impulso elétrico salta de um nódulo para outro, ao invés de ter que viajar a distância inteira do axônio. •A condução é saltatória.
  • 6. Epidemiologia • mais comum em mulheres brancas • faixa etária de 35-50 anos • segunda maior causa de incapacidade neurológica em pessoas jovens após trauma craniano
  • 8. QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA DOENÇA? -Variáveis; -Primeiras manifestações em geral são alterações visuais, motoras e sensitivas; - Geralmente a doença provoca surtos cujo sintomas podem ser discreto ou intensos.
  • 9. SINTOMAS E SINAIS INICIAIS MAIS COMUNS ? • Debilidade; • Perda visual unilateral; • Falta de coordenação e parestesias; • Incontinências; • Hesitação no andar; • Retenção urinária; • Vertigens; • Perda da audição; • Dor facial; • Dores no braço, pernas e tronco;
  • 10. •Estes sintomas podem levar horas ou dias para surgir. •Em média a doença provoca mais ou menos um surto por ano • A velocidade de remissão varia, mas geralmente ocorre depois de duas a oitos semanas do surto •Ainda não existe explicação para o aparecimento e desaparecimento dos sintomas
  • 11. QUAL É O TRATAMENTO? • A causa da doença ainda é desconhecida; • Os medicamentos são extremamente caros, mas em contrapartida são todos distribuídos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). • Os tratamentos disponíveis têm vários objetivos. O primeiro deles é tratar com fármacos as inflamações quando elas acontecem (surtos). Outros fármacos são utilizados para a prevenção de novas inflamações (surtos). • Tratamento convencional: Imunomoduladores Imunossupressores/ Corticosteroides/ Imunoglobulina/ Plasmaferese Medicação específica para os sintomas •Tratamento Multidisciplinar
  • 12.
  • 13. Frente a qualquer necessidade humana específica:"Deficiências", qualquer questão de Saúde Física ou Saúde Mental ou qualquer outro elemento da vida,as piores chagas são sempre o dogmatismo, a ignorância/intolerância e o preconceito!