SlideShare uma empresa Scribd logo
O QUEO QUEO QUEO QUE ÉÉÉÉ MELHOR PARA O PLANETA...MELHOR PARA O PLANETA...MELHOR PARA O PLANETA...MELHOR PARA O PLANETA...
O QUEO QUEO QUEO QUE ÉÉÉÉ MELHOR PARA O HOMEMMELHOR PARA O HOMEMMELHOR PARA O HOMEMMELHOR PARA O HOMEM
O homem desde a antiguidade, até os nossos
dias tem procurado novas fontes de energia
para realizar suas tarefas diárias.
No começo, usava-se apenas a força de
animais para transportar mercadorias ou arar
a terra.
Os progressos técnicos foram avançando e
novas fontes de energia foram sendo
descobertas, tornando o trabalho humano
mais eficiente
A substituiA substituiA substituiA substituiçççção das ferramentas pelasão das ferramentas pelasão das ferramentas pelasão das ferramentas pelas
mmmmááááquinas, da energia humana pela energiaquinas, da energia humana pela energiaquinas, da energia humana pela energiaquinas, da energia humana pela energia
motriz e do modo de produmotriz e do modo de produmotriz e do modo de produmotriz e do modo de produçççção domão domão domão doméééésticosticosticostico
pelo sistema fabril constituiu a Revolupelo sistema fabril constituiu a Revolupelo sistema fabril constituiu a Revolupelo sistema fabril constituiu a Revoluççççãoãoãoão
Industrial;Industrial;Industrial;Industrial;
revolurevolurevolurevoluçççção, em funão, em funão, em funão, em funçççção do enorme impactoão do enorme impactoão do enorme impactoão do enorme impacto
sobre a estrutura da sociedade, numsobre a estrutura da sociedade, numsobre a estrutura da sociedade, numsobre a estrutura da sociedade, num
processo de transformaprocesso de transformaprocesso de transformaprocesso de transformaçççção acompanhado porão acompanhado porão acompanhado porão acompanhado por
notnotnotnotáááável evoluvel evoluvel evoluvel evoluçççção tecnolão tecnolão tecnolão tecnolóóóógicagicagicagica
Carvão vegetalCarvão vegetalCarvão vegetalCarvão vegetal
O Brasil é o maior produtor de carvão vegetal
do mundo. Infelizmente, no país, essa
atividade tem como principais características
o uso de trabalho escravo e a poluição do ar
gerada pela fumaça dos fornos usados para
fabricar o produto.
A formação do carvão mineral teve início no
Período Carbonífero, na era Paleozóica,
quando imensas florestas de ambientes que
apresentavam decomposição sem oxigênio
(anaeróbicos) - como pântanos, deltas e
estuários de rios e alguns lagos,
principalmente no que hoje corresponde ao
hemisfério norte -, foram soterradas em
camadas horizontais (por isso as reservas de
carvão são, geralmente, veios horizontais de
grande extensão).
O carvão mineral, dependendo do tempo
decorrido do processo de fossilização, pode
ser:
- turfa .....................60% de carbono.
- linhito ...................70% de carbono.
- hulha .................... 80 a 85% de carbono.
- antracito ................90% de carbono
Atualmente, a principal aplicação do
carvão mineral no mundo é a gerageragerageraçççção deão deão deão de
energia elenergia elenergia elenergia eléééétricatricatricatrica por meio de usinas
termelétricas.
Em segundo lugar vem a aplicaaplicaaplicaaplicaççççãoãoãoão
industrialindustrialindustrialindustrial para a
geração de calor (energia térmica)
necessário aos processos de produção,
tais como secagem de produtos,
cerâmicas e fabricação de vidros.
FIGURA 8.1 R
e
s
e
r
v
a
s
m
u
n
d
i
a
is
d
e
c
a
r
v
ã
o
m
i
n
e
r
a
l
-
si
t
u
a
ç
ã
o
e
m
2
0
0
2
(
m
il
h
õ
e
s
d
e
t
o
n
e
l
a
d
a
s
)
FIGURA 8.2 C
o
n
s
u
m
o
m
u
n
d
i
a
l
d
e
c
a
r
v
ã
o
m
i
n
e
r
a
l
e
m
2
0
0
2
(
m
il
h
õ
e
s
d
e
t
E
P
)
No Brasil, as principais reservas de
carvão mineral estão localizadas no Sul
do País, notadamente no Estado do Rio
Grande do Sul, que detém mais de 90%
das reservas nacionais.
No final de 2002, as reservas nacionais
de carvão giravam em torno de 12
bilhões de toneladas, o que
corresponde a mais de 50% das
reservas sul-americanas e a 1,2% das
reservas mundiais.
No Estado de Santa Catarina é
realizada a maior produção de
carvão, com destaque para o
vale do rio Tubarão, nessa
jazida o minério é totalmente
aproveitado pelas indústrias
siderúrgicas, geralmente
localizadas na região Sudeste.
Admite-se que sua origem está ligada à
decomposição de microorganismos
(protozoários,celenterados e outros) causada pela
pouca oxigenação e pela ação de bactérias.
Estes seres decompostos foram, ao longo de
milhões de anos, se acumulando no fundo dos
mares e dos lagos, sendo pressionados pelos
movimentos da crosta terrestre e transformaram-
se na substância oleosa que é o petróleo,
acumulado nas BACIAS SEDIMENTARES.
CONHECIDO DESDE A ANTIGUIDADE, OS
EGÍPCIOS USAVAM O ÓLEO PARA RECOBRIR
RUAS, ACENDER TOCHAS E SEUS
COMPONENTES ERAM USADAS NO PROCESSO
DE MUMIFICAÇÃO.
EXTRAÇÃO SÓ ACONTECEU POR VOLTA DE
1850 NA PENSILVÂNIA, NOS EUA.
A primeira sondagem profunda foi realizada
entre 1892 e 1896, Estado de São Paulo.
Nacionalização das riquezas do nosso
subsolo, pelo Governo e a criação do
Conselho Nacional do Petróleo, em 1938.
Estabelecimento do monopólio estatal,
durante o Governo do Presidente Getúlio
Vargas que, a 3 de outubro de 1953,
promulgou a Lei 2004, criando a Petrobras.
O Brasil conseguiu em 21 de abril de 2006 passar a
ser atendido em 100 % por reservas próprias,
principalmente de sua Bacia de Campos, e começar
a tornar-se exportador líquido.
Em 2007, a Petrobras, anunciou o Campo de Tupi no
meio de uma gigantesca província petrolífera em toda
a camada de Pré-Sal, com 800 km de extensão e 200
km de largura, em 160 mil km2, e que vai do
Espírito Santo a Santa Catarina.
LUGAR ESTADO BARRIS DIA
1º Rio de
Janeiro
1,2 milhão
2º Rio Grande
do Norte
81,5 mil
3º Bahia 45,0 mil
4º Amazonas 42,5 mil
5º Espírito
Santo
40,7 mil
6º Sergipe * 40,0 mil
Afinal, o queAfinal, o queAfinal, o queAfinal, o que éééé a "pra "pra "pra "préééé----sal"?sal"?sal"?sal"?
Pré-sal é uma camada de rochas porosas
localizada entre 5 e 6 mil metros abaixo do
leito submarino, aproximadamente a 400 km
da costa.
A camada tem esse nome por se encontrar
depois da camada de sal que a recobre.
No interior da camada o petróleo e o gás ficam
armazenados nos poros das rochas, sob
altíssima pressão
O gás natural (GN) é a terceira fonte mais
consumida entre os países latinoamericanos,
atrás da produção hídrica e do petróleo.
Com o desenvolvimento da região, a tendência
será o aumento dessa demanda.
Atualmente o GN participa de 54% do consumoAtualmente o GN participa de 54% do consumoAtualmente o GN participa de 54% do consumoAtualmente o GN participa de 54% do consumo
na Argentina, 36% da Venezuela, 14% do Chile ena Argentina, 36% da Venezuela, 14% do Chile ena Argentina, 36% da Venezuela, 14% do Chile ena Argentina, 36% da Venezuela, 14% do Chile e
9% do Brasil9% do Brasil9% do Brasil9% do Brasil
Atualmente são cinco os principais produtores
latinoamericanos – Venezuela, BolVenezuela, BolVenezuela, BolVenezuela, Bolíííívia, Argentina,via, Argentina,via, Argentina,via, Argentina,
Brasil e PeruBrasil e PeruBrasil e PeruBrasil e Peru –, sendo Argentina, Venezuela e
Brasil os maiores consumidores
•Desde setembro de 2003, conta-se com a
descoberta de gás natural na Bacia de
Santos, já chamada de "Bolívia do Litoral
Paulista”.
•O gás do pré-sal
Hidroeletricidade
Biocombustíveis
Eólica
Solar
Marés
• O país possui 403 usinas em opera403 usinas em opera403 usinas em opera403 usinas em operaççççãoãoãoão e 25 em constru25 em constru25 em constru25 em construççççãoãoãoão, além de mais
de 3.500 unidades3.500 unidades3.500 unidades3.500 unidades registradas no Sistema de Informação do Potencial
Hidrelétrico Brasileiro (instrumento desenvolvido pela divisão de Recursos
Hídricos e Inventário da Eletrobrás), em fases diversas de avaliação ou
planejamento.
•A primeira exploraprimeira exploraprimeira exploraprimeira exploraçççção de energia hidrão de energia hidrão de energia hidrão de energia hidrááááulicaulicaulicaulica no Brasil realizou-se em
1889, quando foi instalada a usina Marmelos no rio Paraibuna, em Minasusina Marmelos no rio Paraibuna, em Minasusina Marmelos no rio Paraibuna, em Minasusina Marmelos no rio Paraibuna, em Minas
GeraisGeraisGeraisGerais.
•O grupo Light, primeiro grande grupo estrangeiro a se constituir no país,
instalou em 1911 no rio Tietê, em São Paulo, a Usina Hidrelétrica Parnaíba,
e foi responsável pelo projeto e instalação de grande parte das usinas
hidrelétricas do país na fase inicial do setor
•Com a promulgação do CCCCóóóódigo dedigo dedigo dedigo de ÁÁÁÁguas, em 1934guas, em 1934guas, em 1934guas, em 1934, consagrou-se o
regime das autorizações e concessões para os aproveitamentos
hidrelétricos e foram incorporadas ao patrimônio da União todas as fontes
de energia hidráulica situadas em águas públicas de uso comum e
dominiais. Pelo Código, as empresas estrangeiras não mais podiam ser
concessionárias, mas estavam resguardados os direitos daquelas já
instaladas no país.
A primeira empresa de eletricidade do governo federal foi
a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf),
instituída por decreto-lei de 1945, que marcou o início de
uma reorganização do setor, caracterizada pela divisão
entre a geração e a distribuição de energia e pela
tendência à instalação de centrais de grande porte.
Na década de 1950, as empresas brasileiras passaram a
participar da construção dos grandes empreendimentos
hidrelétricos no país.
•Criada em 1961Criada em 1961Criada em 1961Criada em 1961 para atuar como holding do setorholding do setorholding do setorholding do setor
eleleleléééétricotricotricotrico, a Eletrobrás e suas quatro empresas regionais
(Chesf, Furnas, Eletrosul e Eletronorte) foram incluídas
no Programa Nacional de Desestatização, regulado pela
Lei 9.491/97.
•O órgão regulador do setor elétrico no Brasil é a
Agência Nacional de Energia ElAgência Nacional de Energia ElAgência Nacional de Energia ElAgência Nacional de Energia Eléééétrica (Aneel),trica (Aneel),trica (Aneel),trica (Aneel), autarquia
vinculada ao MinistMinistMinistMinistéééério das Minas e Energiario das Minas e Energiario das Minas e Energiario das Minas e Energia criada pela
Lei 9.427/96.
•Entre suas incumbências, incluem-se a regularização e
fiscalização da produção, transmissão, distribuição e
comercialização de energia elétrica, o controle das
tarifas cobradas aos consumidores e a execução de
diretrizes governamentais para a exploração da energia
elétrica e o aproveitamento do potencial hidráulico.
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Itaiputrica de Itaiputrica de Itaiputrica de Itaipu ---- Rio ParanRio ParanRio ParanRio Paranáááá,,,,
14.000 MW14.000 MW14.000 MW14.000 MW ---- ParanParanParanParanáááá
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Belo Montetrica de Belo Montetrica de Belo Montetrica de Belo Monte ---- Rio XinguRio XinguRio XinguRio Xingu,,,,
11.233 MW11.233 MW11.233 MW11.233 MW ---- ParParParParáááá (aprovado)(aprovado)(aprovado)(aprovado)
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica São Luiz do Tapajtrica São Luiz do Tapajtrica São Luiz do Tapajtrica São Luiz do Tapajóóóóssss ---- RioRioRioRio
TapajTapajTapajTapajóóóóssss, 8.381 MW, 8.381 MW, 8.381 MW, 8.381 MW ---- ParParParParáááá (projetada)(projetada)(projetada)(projetada)
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Tucurutrica de Tucurutrica de Tucurutrica de Tucuruíííí ---- Rio TocantinsRio TocantinsRio TocantinsRio Tocantins,,,,
8.370 MW8.370 MW8.370 MW8.370 MW ---- ParParParParáááá
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Jirautrica de Jirautrica de Jirautrica de Jirau ---- Rio MadeiraRio MadeiraRio MadeiraRio Madeira,,,,
3.450 MW3.450 MW3.450 MW3.450 MW ---- RondôniaRondôniaRondôniaRondônia (licitada)(licitada)(licitada)(licitada)
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Ilha Solteiratrica de Ilha Solteiratrica de Ilha Solteiratrica de Ilha Solteira ---- RioRioRioRio
ParanParanParanParanáááá, 3.444 MW, 3.444 MW, 3.444 MW, 3.444 MW ---- São PauloSão PauloSão PauloSão Paulo eeee MatoMatoMatoMato
Grosso do SulGrosso do SulGrosso do SulGrosso do Sul
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Xingtrica de Xingtrica de Xingtrica de Xingóóóó ---- Rio SãoRio SãoRio SãoRio São
FranciscoFranciscoFranciscoFrancisco, 3.162 MW, 3.162 MW, 3.162 MW, 3.162 MW ---- AlagoasAlagoasAlagoasAlagoas eeee SergipeSergipeSergipeSergipe
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica Santo Antôniotrica Santo Antôniotrica Santo Antôniotrica Santo Antônio ---- RioRioRioRio
MadeiraMadeiraMadeiraMadeira, 3.150 MW, 3.150 MW, 3.150 MW, 3.150 MW ---- RondôniaRondôniaRondôniaRondônia (licitada)(licitada)(licitada)(licitada)
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica Paulo Afonso IVtrica Paulo Afonso IVtrica Paulo Afonso IVtrica Paulo Afonso IV ---- Rio SãoRio SãoRio SãoRio São
FranciscoFranciscoFranciscoFrancisco, 2.462 MW, 2.462 MW, 2.462 MW, 2.462 MW ---- BahiaBahiaBahiaBahia
Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica Jatobtrica Jatobtrica Jatobtrica Jatobáááá ---- Rio TapajRio TapajRio TapajRio Tapajóóóóssss,,,,
2.338 MW2.338 MW2.338 MW2.338 MW ---- ParParParParáááá (projetada(projetada(projetada(projetada
VantagensVantagensVantagensVantagens
Muito barato após a
represa ser construída
Investimentos dos
governos.
Ex. o oeste dos EUA
investiu pesadamente na
construção de represas.
No Brasil o investimento
do governo também é
considerável.
DesvantagensDesvantagensDesvantagensDesvantagens
Fonte muito limitada pois
depende da elevação da água
Muitas represas disponíveis
existem atualmente (não muito
como uma fonte futura,
dependendo do país)
O colapso da represa conduz
geralmente à perda de vidas
As represas afetam os peixes
(por exemplo as corridas dos
salmões, entre outros, até a
foz do rio)
Os danos ambientais para as
áreas inundadas (acima da
represa) e rio abaixo
VantagensVantagensVantagensVantagens
•O vento é grátis, se disponível
•Boa fonte para suprir a demanda de bombeamento
periódico de água nas fazendas, como já visto em
vários países no início do século.
•DesvantagemDesvantagemDesvantagemDesvantagem
•Necessita 3x a quantidade de geração instalada
para atingir à demanda
•Limitado a poucas áreas .
•O equipamento é caro de se manter
•Necessita de armazenamento de energia de alto
custo (por exemplo baterias)
•Altamente dependente do clima - o vento pode
danificá-lo durante fortes ventanias ou não girar
durante dias, conforme a estação do ano.
•Pode afetar pássaros e colocá-los em perigo
VantagensVantagensVantagensVantagens:
- não contribui para o efeito de estufa
(principal);
- não polui o ar com gases de enxofre,
nitrogénio, particulados, etc.;
- não utiliza grandes áreas de terreno: a
central requer pequenos espaços para sua
instalação;
- não depende da sazonalidade climática
(nem das chuvas, nem dos ventos);
- pouco ou quase nenhum impacto sobre a
biosfera;
-
_grande disponibilidade de combustível;
- é a fonte mais concentrada de geração de
energia
- a quantidade de resíduos radioativos gerados
é extremamente pequena e compacta;
- a tecnologia do processo é bastante
conhecida;
- o risco de transporte do combustível é
significativamente menor quando comparado
ao gás e ao óleo das termoelétricas;
- não necessita de armazenamento da energia
produzida em baterias;
DesvantagensDesvantagensDesvantagensDesvantagens:
- necessidade de armazenar o resíduo nuclear
em locais isolados e protegidos*;
- necessidade de isolar a central após o seu
encerramento;
- é mais cara quando comparada às demais
fontes de energia;
- os resíduos produzidos emitem radiatividade
durante muitos anos;
- dificuldades no armazenamento dos resíduos,
principalmente em questões de localização e
segurança;
- pode interferir com ecossistemas;
- grande risco de acidente na central nuclear.
DDDDéééécada de 60cada de 60cada de 60cada de 60---- 1ª usina comprada dos EUA,
instalada em Angra dos Reis no R.J-operação
em 1985
DDDDéééécada de 70cada de 70cada de 70cada de 70---- acordo com a Alemanha para
a transferência de tecnologia nuclear e a
construção de Angra II (operação em 2000) e
III , (em processo de conclusão)-
Projeto de construProjeto de construProjeto de construProjeto de construçççção de sete novasão de sete novasão de sete novasão de sete novas usinas
nucleares visando à produção de
combustíveis e reatores de pequeno porte
Os países detentores de tecnologia nuclear
podem construir usinas e gerar energia,
como também fabricar bomba atômica, o que
lhes garante superioridade militar em relação
às armas convencionais
O Irã, ferrenho inimigo de Israel, país pró-
ocidente, tem alardeado sua intenção em
dominar a tecnologia nuclear, segundo eles
para fins pacíficos
Agencia Internacional de Energia Atômica
(AIEA) levou o caso para a ONU, propondo
sanções econômicas, difíceis de se
concretizar.
Programa de enriquecimento de urânio no
país dos aiatolás é alvo de sanções por parte
do Conselho de Segurança da ONU
Tratado de Não Proliferação Nuclear permite
que apenas 5 países –EUA, Rússia, China,
Reino Unido e França-mantenham seu arsenal
nuclear.
SolarSolarSolarSolar
A luz solar é grátis, quando disponível
Limitado às áreas ensolaradas do mundo (muita
demanda quando está pouco disponível, por
exemplo no aquecimento solar)
Requer materiais especiais para espelhos/painéis
que pode afetar o meio ambiente
A tecnologia atual requer quantidades grandes de
terra para quantidades pequenas de geração da
energia
BiomassaBiomassaBiomassaBiomassa
•A indústria está em sua infância
•Poderia criar empregos pois plantas
menores poderiam ser usadas.
•Ineficiente se forem usadas plantas
pequenas
•Poderia ser um contribuinte
significativo para o aquecimento
global pois o combustível tem baixo
índice de contenção de calor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Camadas da Terra
Camadas da TerraCamadas da Terra
Camadas da Terra
Ivaildo
 
Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambiente
Marcus Corradini
 
Aula: Consumismo e sustentabilidade
Aula: Consumismo e sustentabilidadeAula: Consumismo e sustentabilidade
Aula: Consumismo e sustentabilidade
Elisane Almeida Pires
 
Funções inorgânicas 9 sno
Funções inorgânicas 9 snoFunções inorgânicas 9 sno
Funções inorgânicas 9 sno
Pedro Alberto Machado
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
João Siqueira da Mata
 
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Julyanne Rodrigues
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Blog do Prof. Elienai
 
Gás Natural
Gás NaturalGás Natural
Gás Natural
Gabriel Resende
 
Atmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - GeografiaAtmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - Geografia
Positivo e Sesi
 
AQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBALAQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBAL
Karina Cunha
 
Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
dianalove15
 
Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)
Gisele A. Barbosa
 
Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis  Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis
PrefeituraBombinhas
 
Dia Mundial do Meio Ambiente
Dia Mundial do Meio Ambiente Dia Mundial do Meio Ambiente
Dia Mundial do Meio Ambiente
ANDRÉA FERREIRA
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
profatatiana
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
Turma Olímpica
 
Consumo Sustentável
Consumo SustentávelConsumo Sustentável
Consumo Sustentável
Marco Santos
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Problemas ambientais (questões do enem)
Problemas ambientais (questões do enem)Problemas ambientais (questões do enem)
Problemas ambientais (questões do enem)
Matheus Alves
 
Modelos Atômicos
Modelos AtômicosModelos Atômicos
Modelos Atômicos
Carlos Priante
 

Mais procurados (20)

Camadas da Terra
Camadas da TerraCamadas da Terra
Camadas da Terra
 
Sustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambienteSustentabilidade e meio ambiente
Sustentabilidade e meio ambiente
 
Aula: Consumismo e sustentabilidade
Aula: Consumismo e sustentabilidadeAula: Consumismo e sustentabilidade
Aula: Consumismo e sustentabilidade
 
Funções inorgânicas 9 sno
Funções inorgânicas 9 snoFunções inorgânicas 9 sno
Funções inorgânicas 9 sno
 
Composto organico
Composto organicoComposto organico
Composto organico
 
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
Polaridadedasmolculaseforasintermoleculares 101024102915-phpapp02
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Gás Natural
Gás NaturalGás Natural
Gás Natural
 
Atmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - GeografiaAtmosfera terrestre - Geografia
Atmosfera terrestre - Geografia
 
AQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBALAQUECIMENTO GLOBAL
AQUECIMENTO GLOBAL
 
Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
 
Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)Evolução ( Lamarck e darwin)
Evolução ( Lamarck e darwin)
 
Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis  Cidades sustentáveis
Cidades sustentáveis
 
Dia Mundial do Meio Ambiente
Dia Mundial do Meio Ambiente Dia Mundial do Meio Ambiente
Dia Mundial do Meio Ambiente
 
Ciclos Biogeoquímicos
Ciclos BiogeoquímicosCiclos Biogeoquímicos
Ciclos Biogeoquímicos
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
 
Consumo Sustentável
Consumo SustentávelConsumo Sustentável
Consumo Sustentável
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
 
Problemas ambientais (questões do enem)
Problemas ambientais (questões do enem)Problemas ambientais (questões do enem)
Problemas ambientais (questões do enem)
 
Modelos Atômicos
Modelos AtômicosModelos Atômicos
Modelos Atômicos
 

Semelhante a HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA

Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Instituto Yes
 
fontesdeenergia-130927185116-phpapp01.pdf
fontesdeenergia-130927185116-phpapp01.pdffontesdeenergia-130927185116-phpapp01.pdf
fontesdeenergia-130927185116-phpapp01.pdf
AntonioEmanuel8
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
robertobraz
 
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Petróleo  - Slides de geografia - 9°BPetróleo  - Slides de geografia - 9°B
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Nádya Dixon
 
Petrole o gas aula 1
Petrole o gas aula 1Petrole o gas aula 1
Petrole o gas aula 1
Mauro Câmara Junior
 
G5 energia
G5   energiaG5   energia
G5 energia
cristbarb
 
Brasil energia
Brasil energiaBrasil energia
Brasil energia
eunamahcado
 
Brasil energia
Brasil energiaBrasil energia
Brasil energia
eunamahcado
 
Matrizes energéticas do brasil
Matrizes energéticas do brasilMatrizes energéticas do brasil
Matrizes energéticas do brasil
Colégio Nova Geração COC
 
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdftrabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
AntonioMarcos839221
 
Energia e mineração
Energia e mineraçãoEnergia e mineração
Energia e mineração
Diana Lima
 
1º Ma Grupo 06
1º Ma   Grupo 061º Ma   Grupo 06
1º Ma Grupo 06
ProfMario De Mori
 
Unidade 2 7º ano
Unidade 2   7º anoUnidade 2   7º ano
Unidade 2 7º ano
Christie Freitas
 
Recursos Energéticos, fontes de energia e meio ambiente
Recursos Energéticos, fontes de energia e meio ambienteRecursos Energéticos, fontes de energia e meio ambiente
Recursos Energéticos, fontes de energia e meio ambiente
Kleimberg
 
Vamos luta (1)
Vamos luta (1)Vamos luta (1)
Vamos luta (1)
Robson Peixoto
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Maria da Paz
 
Apresentação pré sal
Apresentação pré salApresentação pré sal
Apresentação pré sal
Ana Lu Ribeiro
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
Guilherme Do Rosario
 
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
Homero Alves de Lima
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Cássio Marcelo
 

Semelhante a HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA (20)

Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
fontesdeenergia-130927185116-phpapp01.pdf
fontesdeenergia-130927185116-phpapp01.pdffontesdeenergia-130927185116-phpapp01.pdf
fontesdeenergia-130927185116-phpapp01.pdf
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
Petróleo  - Slides de geografia - 9°BPetróleo  - Slides de geografia - 9°B
Petróleo - Slides de geografia - 9°B
 
Petrole o gas aula 1
Petrole o gas aula 1Petrole o gas aula 1
Petrole o gas aula 1
 
G5 energia
G5   energiaG5   energia
G5 energia
 
Brasil energia
Brasil energiaBrasil energia
Brasil energia
 
Brasil energia
Brasil energiaBrasil energia
Brasil energia
 
Matrizes energéticas do brasil
Matrizes energéticas do brasilMatrizes energéticas do brasil
Matrizes energéticas do brasil
 
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdftrabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
 
Energia e mineração
Energia e mineraçãoEnergia e mineração
Energia e mineração
 
1º Ma Grupo 06
1º Ma   Grupo 061º Ma   Grupo 06
1º Ma Grupo 06
 
Unidade 2 7º ano
Unidade 2   7º anoUnidade 2   7º ano
Unidade 2 7º ano
 
Recursos Energéticos, fontes de energia e meio ambiente
Recursos Energéticos, fontes de energia e meio ambienteRecursos Energéticos, fontes de energia e meio ambiente
Recursos Energéticos, fontes de energia e meio ambiente
 
Vamos luta (1)
Vamos luta (1)Vamos luta (1)
Vamos luta (1)
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação pré sal
Apresentação pré salApresentação pré sal
Apresentação pré sal
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
 
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil01 Aula a História do Petróleo no Brasil
01 Aula a História do Petróleo no Brasil
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 

Mais de mnmaill

RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
mnmaill
 
Cartilha Arborizacao
Cartilha ArborizacaoCartilha Arborizacao
Cartilha Arborizacao
mnmaill
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
mnmaill
 
Manual de Vermicompostagem
Manual de VermicompostagemManual de Vermicompostagem
Manual de Vermicompostagem
mnmaill
 
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
O Ato Conjugal - Tim e Beverly LahyeO Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
mnmaill
 
hidrocabornetoS
hidrocabornetoShidrocabornetoS
hidrocabornetoS
mnmaill
 
Mosquitérica
MosquitéricaMosquitérica
Mosquitérica
mnmaill
 
Como Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel ArtesanalComo Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel Artesanal
mnmaill
 
Oficina Reciclagempet manualparticipante
Oficina Reciclagempet manualparticipanteOficina Reciclagempet manualparticipante
Oficina Reciclagempet manualparticipante
mnmaill
 
Papel Reciclado
Papel RecicladoPapel Reciclado
Papel Reciclado
mnmaill
 
Papel Reciclado
Papel RecicladoPapel Reciclado
Papel Reciclado
mnmaill
 
Quimica radioatividade
Quimica radioatividadeQuimica radioatividade
Quimica radioatividade
mnmaill
 
Isomeria Óptica
Isomeria ÓpticaIsomeria Óptica
Isomeria Óptica
mnmaill
 

Mais de mnmaill (13)

RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
 
Cartilha Arborizacao
Cartilha ArborizacaoCartilha Arborizacao
Cartilha Arborizacao
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
 
Manual de Vermicompostagem
Manual de VermicompostagemManual de Vermicompostagem
Manual de Vermicompostagem
 
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
O Ato Conjugal - Tim e Beverly LahyeO Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
 
hidrocabornetoS
hidrocabornetoShidrocabornetoS
hidrocabornetoS
 
Mosquitérica
MosquitéricaMosquitérica
Mosquitérica
 
Como Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel ArtesanalComo Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel Artesanal
 
Oficina Reciclagempet manualparticipante
Oficina Reciclagempet manualparticipanteOficina Reciclagempet manualparticipante
Oficina Reciclagempet manualparticipante
 
Papel Reciclado
Papel RecicladoPapel Reciclado
Papel Reciclado
 
Papel Reciclado
Papel RecicladoPapel Reciclado
Papel Reciclado
 
Quimica radioatividade
Quimica radioatividadeQuimica radioatividade
Quimica radioatividade
 
Isomeria Óptica
Isomeria ÓpticaIsomeria Óptica
Isomeria Óptica
 

Último

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 

Último (20)

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 

HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA

  • 1. O QUEO QUEO QUEO QUE ÉÉÉÉ MELHOR PARA O PLANETA...MELHOR PARA O PLANETA...MELHOR PARA O PLANETA...MELHOR PARA O PLANETA... O QUEO QUEO QUEO QUE ÉÉÉÉ MELHOR PARA O HOMEMMELHOR PARA O HOMEMMELHOR PARA O HOMEMMELHOR PARA O HOMEM
  • 2. O homem desde a antiguidade, até os nossos dias tem procurado novas fontes de energia para realizar suas tarefas diárias. No começo, usava-se apenas a força de animais para transportar mercadorias ou arar a terra. Os progressos técnicos foram avançando e novas fontes de energia foram sendo descobertas, tornando o trabalho humano mais eficiente
  • 3. A substituiA substituiA substituiA substituiçççção das ferramentas pelasão das ferramentas pelasão das ferramentas pelasão das ferramentas pelas mmmmááááquinas, da energia humana pela energiaquinas, da energia humana pela energiaquinas, da energia humana pela energiaquinas, da energia humana pela energia motriz e do modo de produmotriz e do modo de produmotriz e do modo de produmotriz e do modo de produçççção domão domão domão doméééésticosticosticostico pelo sistema fabril constituiu a Revolupelo sistema fabril constituiu a Revolupelo sistema fabril constituiu a Revolupelo sistema fabril constituiu a Revoluççççãoãoãoão Industrial;Industrial;Industrial;Industrial; revolurevolurevolurevoluçççção, em funão, em funão, em funão, em funçççção do enorme impactoão do enorme impactoão do enorme impactoão do enorme impacto sobre a estrutura da sociedade, numsobre a estrutura da sociedade, numsobre a estrutura da sociedade, numsobre a estrutura da sociedade, num processo de transformaprocesso de transformaprocesso de transformaprocesso de transformaçççção acompanhado porão acompanhado porão acompanhado porão acompanhado por notnotnotnotáááável evoluvel evoluvel evoluvel evoluçççção tecnolão tecnolão tecnolão tecnolóóóógicagicagicagica
  • 4.
  • 5. Carvão vegetalCarvão vegetalCarvão vegetalCarvão vegetal O Brasil é o maior produtor de carvão vegetal do mundo. Infelizmente, no país, essa atividade tem como principais características o uso de trabalho escravo e a poluição do ar gerada pela fumaça dos fornos usados para fabricar o produto.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. A formação do carvão mineral teve início no Período Carbonífero, na era Paleozóica, quando imensas florestas de ambientes que apresentavam decomposição sem oxigênio (anaeróbicos) - como pântanos, deltas e estuários de rios e alguns lagos, principalmente no que hoje corresponde ao hemisfério norte -, foram soterradas em camadas horizontais (por isso as reservas de carvão são, geralmente, veios horizontais de grande extensão).
  • 10. O carvão mineral, dependendo do tempo decorrido do processo de fossilização, pode ser: - turfa .....................60% de carbono. - linhito ...................70% de carbono. - hulha .................... 80 a 85% de carbono. - antracito ................90% de carbono
  • 11. Atualmente, a principal aplicação do carvão mineral no mundo é a gerageragerageraçççção deão deão deão de energia elenergia elenergia elenergia eléééétricatricatricatrica por meio de usinas termelétricas. Em segundo lugar vem a aplicaaplicaaplicaaplicaççççãoãoãoão industrialindustrialindustrialindustrial para a geração de calor (energia térmica) necessário aos processos de produção, tais como secagem de produtos, cerâmicas e fabricação de vidros.
  • 12.
  • 15. No Brasil, as principais reservas de carvão mineral estão localizadas no Sul do País, notadamente no Estado do Rio Grande do Sul, que detém mais de 90% das reservas nacionais. No final de 2002, as reservas nacionais de carvão giravam em torno de 12 bilhões de toneladas, o que corresponde a mais de 50% das reservas sul-americanas e a 1,2% das reservas mundiais.
  • 16.
  • 17. No Estado de Santa Catarina é realizada a maior produção de carvão, com destaque para o vale do rio Tubarão, nessa jazida o minério é totalmente aproveitado pelas indústrias siderúrgicas, geralmente localizadas na região Sudeste.
  • 18.
  • 19. Admite-se que sua origem está ligada à decomposição de microorganismos (protozoários,celenterados e outros) causada pela pouca oxigenação e pela ação de bactérias. Estes seres decompostos foram, ao longo de milhões de anos, se acumulando no fundo dos mares e dos lagos, sendo pressionados pelos movimentos da crosta terrestre e transformaram- se na substância oleosa que é o petróleo, acumulado nas BACIAS SEDIMENTARES.
  • 20. CONHECIDO DESDE A ANTIGUIDADE, OS EGÍPCIOS USAVAM O ÓLEO PARA RECOBRIR RUAS, ACENDER TOCHAS E SEUS COMPONENTES ERAM USADAS NO PROCESSO DE MUMIFICAÇÃO. EXTRAÇÃO SÓ ACONTECEU POR VOLTA DE 1850 NA PENSILVÂNIA, NOS EUA.
  • 21. A primeira sondagem profunda foi realizada entre 1892 e 1896, Estado de São Paulo. Nacionalização das riquezas do nosso subsolo, pelo Governo e a criação do Conselho Nacional do Petróleo, em 1938. Estabelecimento do monopólio estatal, durante o Governo do Presidente Getúlio Vargas que, a 3 de outubro de 1953, promulgou a Lei 2004, criando a Petrobras.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. O Brasil conseguiu em 21 de abril de 2006 passar a ser atendido em 100 % por reservas próprias, principalmente de sua Bacia de Campos, e começar a tornar-se exportador líquido. Em 2007, a Petrobras, anunciou o Campo de Tupi no meio de uma gigantesca província petrolífera em toda a camada de Pré-Sal, com 800 km de extensão e 200 km de largura, em 160 mil km2, e que vai do Espírito Santo a Santa Catarina.
  • 26. LUGAR ESTADO BARRIS DIA 1º Rio de Janeiro 1,2 milhão 2º Rio Grande do Norte 81,5 mil 3º Bahia 45,0 mil 4º Amazonas 42,5 mil 5º Espírito Santo 40,7 mil 6º Sergipe * 40,0 mil
  • 27.
  • 28. Afinal, o queAfinal, o queAfinal, o queAfinal, o que éééé a "pra "pra "pra "préééé----sal"?sal"?sal"?sal"? Pré-sal é uma camada de rochas porosas localizada entre 5 e 6 mil metros abaixo do leito submarino, aproximadamente a 400 km da costa. A camada tem esse nome por se encontrar depois da camada de sal que a recobre. No interior da camada o petróleo e o gás ficam armazenados nos poros das rochas, sob altíssima pressão
  • 29. O gás natural (GN) é a terceira fonte mais consumida entre os países latinoamericanos, atrás da produção hídrica e do petróleo. Com o desenvolvimento da região, a tendência será o aumento dessa demanda. Atualmente o GN participa de 54% do consumoAtualmente o GN participa de 54% do consumoAtualmente o GN participa de 54% do consumoAtualmente o GN participa de 54% do consumo na Argentina, 36% da Venezuela, 14% do Chile ena Argentina, 36% da Venezuela, 14% do Chile ena Argentina, 36% da Venezuela, 14% do Chile ena Argentina, 36% da Venezuela, 14% do Chile e 9% do Brasil9% do Brasil9% do Brasil9% do Brasil Atualmente são cinco os principais produtores latinoamericanos – Venezuela, BolVenezuela, BolVenezuela, BolVenezuela, Bolíííívia, Argentina,via, Argentina,via, Argentina,via, Argentina, Brasil e PeruBrasil e PeruBrasil e PeruBrasil e Peru –, sendo Argentina, Venezuela e Brasil os maiores consumidores
  • 30. •Desde setembro de 2003, conta-se com a descoberta de gás natural na Bacia de Santos, já chamada de "Bolívia do Litoral Paulista”. •O gás do pré-sal
  • 31.
  • 33.
  • 34.
  • 35. • O país possui 403 usinas em opera403 usinas em opera403 usinas em opera403 usinas em operaççççãoãoãoão e 25 em constru25 em constru25 em constru25 em construççççãoãoãoão, além de mais de 3.500 unidades3.500 unidades3.500 unidades3.500 unidades registradas no Sistema de Informação do Potencial Hidrelétrico Brasileiro (instrumento desenvolvido pela divisão de Recursos Hídricos e Inventário da Eletrobrás), em fases diversas de avaliação ou planejamento. •A primeira exploraprimeira exploraprimeira exploraprimeira exploraçççção de energia hidrão de energia hidrão de energia hidrão de energia hidrááááulicaulicaulicaulica no Brasil realizou-se em 1889, quando foi instalada a usina Marmelos no rio Paraibuna, em Minasusina Marmelos no rio Paraibuna, em Minasusina Marmelos no rio Paraibuna, em Minasusina Marmelos no rio Paraibuna, em Minas GeraisGeraisGeraisGerais. •O grupo Light, primeiro grande grupo estrangeiro a se constituir no país, instalou em 1911 no rio Tietê, em São Paulo, a Usina Hidrelétrica Parnaíba, e foi responsável pelo projeto e instalação de grande parte das usinas hidrelétricas do país na fase inicial do setor •Com a promulgação do CCCCóóóódigo dedigo dedigo dedigo de ÁÁÁÁguas, em 1934guas, em 1934guas, em 1934guas, em 1934, consagrou-se o regime das autorizações e concessões para os aproveitamentos hidrelétricos e foram incorporadas ao patrimônio da União todas as fontes de energia hidráulica situadas em águas públicas de uso comum e dominiais. Pelo Código, as empresas estrangeiras não mais podiam ser concessionárias, mas estavam resguardados os direitos daquelas já instaladas no país.
  • 36. A primeira empresa de eletricidade do governo federal foi a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), instituída por decreto-lei de 1945, que marcou o início de uma reorganização do setor, caracterizada pela divisão entre a geração e a distribuição de energia e pela tendência à instalação de centrais de grande porte. Na década de 1950, as empresas brasileiras passaram a participar da construção dos grandes empreendimentos hidrelétricos no país.
  • 37. •Criada em 1961Criada em 1961Criada em 1961Criada em 1961 para atuar como holding do setorholding do setorholding do setorholding do setor eleleleléééétricotricotricotrico, a Eletrobrás e suas quatro empresas regionais (Chesf, Furnas, Eletrosul e Eletronorte) foram incluídas no Programa Nacional de Desestatização, regulado pela Lei 9.491/97. •O órgão regulador do setor elétrico no Brasil é a Agência Nacional de Energia ElAgência Nacional de Energia ElAgência Nacional de Energia ElAgência Nacional de Energia Eléééétrica (Aneel),trica (Aneel),trica (Aneel),trica (Aneel), autarquia vinculada ao MinistMinistMinistMinistéééério das Minas e Energiario das Minas e Energiario das Minas e Energiario das Minas e Energia criada pela Lei 9.427/96. •Entre suas incumbências, incluem-se a regularização e fiscalização da produção, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica, o controle das tarifas cobradas aos consumidores e a execução de diretrizes governamentais para a exploração da energia elétrica e o aproveitamento do potencial hidráulico.
  • 38. Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Itaiputrica de Itaiputrica de Itaiputrica de Itaipu ---- Rio ParanRio ParanRio ParanRio Paranáááá,,,, 14.000 MW14.000 MW14.000 MW14.000 MW ---- ParanParanParanParanáááá Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Belo Montetrica de Belo Montetrica de Belo Montetrica de Belo Monte ---- Rio XinguRio XinguRio XinguRio Xingu,,,, 11.233 MW11.233 MW11.233 MW11.233 MW ---- ParParParParáááá (aprovado)(aprovado)(aprovado)(aprovado) Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica São Luiz do Tapajtrica São Luiz do Tapajtrica São Luiz do Tapajtrica São Luiz do Tapajóóóóssss ---- RioRioRioRio TapajTapajTapajTapajóóóóssss, 8.381 MW, 8.381 MW, 8.381 MW, 8.381 MW ---- ParParParParáááá (projetada)(projetada)(projetada)(projetada) Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Tucurutrica de Tucurutrica de Tucurutrica de Tucuruíííí ---- Rio TocantinsRio TocantinsRio TocantinsRio Tocantins,,,, 8.370 MW8.370 MW8.370 MW8.370 MW ---- ParParParParáááá Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Jirautrica de Jirautrica de Jirautrica de Jirau ---- Rio MadeiraRio MadeiraRio MadeiraRio Madeira,,,, 3.450 MW3.450 MW3.450 MW3.450 MW ---- RondôniaRondôniaRondôniaRondônia (licitada)(licitada)(licitada)(licitada)
  • 39. Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Ilha Solteiratrica de Ilha Solteiratrica de Ilha Solteiratrica de Ilha Solteira ---- RioRioRioRio ParanParanParanParanáááá, 3.444 MW, 3.444 MW, 3.444 MW, 3.444 MW ---- São PauloSão PauloSão PauloSão Paulo eeee MatoMatoMatoMato Grosso do SulGrosso do SulGrosso do SulGrosso do Sul Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica de Xingtrica de Xingtrica de Xingtrica de Xingóóóó ---- Rio SãoRio SãoRio SãoRio São FranciscoFranciscoFranciscoFrancisco, 3.162 MW, 3.162 MW, 3.162 MW, 3.162 MW ---- AlagoasAlagoasAlagoasAlagoas eeee SergipeSergipeSergipeSergipe Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica Santo Antôniotrica Santo Antôniotrica Santo Antôniotrica Santo Antônio ---- RioRioRioRio MadeiraMadeiraMadeiraMadeira, 3.150 MW, 3.150 MW, 3.150 MW, 3.150 MW ---- RondôniaRondôniaRondôniaRondônia (licitada)(licitada)(licitada)(licitada) Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica Paulo Afonso IVtrica Paulo Afonso IVtrica Paulo Afonso IVtrica Paulo Afonso IV ---- Rio SãoRio SãoRio SãoRio São FranciscoFranciscoFranciscoFrancisco, 2.462 MW, 2.462 MW, 2.462 MW, 2.462 MW ---- BahiaBahiaBahiaBahia Usina HidrelUsina HidrelUsina HidrelUsina Hidreléééétrica Jatobtrica Jatobtrica Jatobtrica Jatobáááá ---- Rio TapajRio TapajRio TapajRio Tapajóóóóssss,,,, 2.338 MW2.338 MW2.338 MW2.338 MW ---- ParParParParáááá (projetada(projetada(projetada(projetada
  • 40. VantagensVantagensVantagensVantagens Muito barato após a represa ser construída Investimentos dos governos. Ex. o oeste dos EUA investiu pesadamente na construção de represas. No Brasil o investimento do governo também é considerável. DesvantagensDesvantagensDesvantagensDesvantagens Fonte muito limitada pois depende da elevação da água Muitas represas disponíveis existem atualmente (não muito como uma fonte futura, dependendo do país) O colapso da represa conduz geralmente à perda de vidas As represas afetam os peixes (por exemplo as corridas dos salmões, entre outros, até a foz do rio) Os danos ambientais para as áreas inundadas (acima da represa) e rio abaixo
  • 41.
  • 42. VantagensVantagensVantagensVantagens •O vento é grátis, se disponível •Boa fonte para suprir a demanda de bombeamento periódico de água nas fazendas, como já visto em vários países no início do século. •DesvantagemDesvantagemDesvantagemDesvantagem •Necessita 3x a quantidade de geração instalada para atingir à demanda •Limitado a poucas áreas . •O equipamento é caro de se manter •Necessita de armazenamento de energia de alto custo (por exemplo baterias) •Altamente dependente do clima - o vento pode danificá-lo durante fortes ventanias ou não girar durante dias, conforme a estação do ano. •Pode afetar pássaros e colocá-los em perigo
  • 43.
  • 44. VantagensVantagensVantagensVantagens: - não contribui para o efeito de estufa (principal); - não polui o ar com gases de enxofre, nitrogénio, particulados, etc.; - não utiliza grandes áreas de terreno: a central requer pequenos espaços para sua instalação; - não depende da sazonalidade climática (nem das chuvas, nem dos ventos); - pouco ou quase nenhum impacto sobre a biosfera; -
  • 45. _grande disponibilidade de combustível; - é a fonte mais concentrada de geração de energia - a quantidade de resíduos radioativos gerados é extremamente pequena e compacta; - a tecnologia do processo é bastante conhecida; - o risco de transporte do combustível é significativamente menor quando comparado ao gás e ao óleo das termoelétricas; - não necessita de armazenamento da energia produzida em baterias;
  • 46. DesvantagensDesvantagensDesvantagensDesvantagens: - necessidade de armazenar o resíduo nuclear em locais isolados e protegidos*; - necessidade de isolar a central após o seu encerramento; - é mais cara quando comparada às demais fontes de energia; - os resíduos produzidos emitem radiatividade durante muitos anos; - dificuldades no armazenamento dos resíduos, principalmente em questões de localização e segurança; - pode interferir com ecossistemas; - grande risco de acidente na central nuclear.
  • 47. DDDDéééécada de 60cada de 60cada de 60cada de 60---- 1ª usina comprada dos EUA, instalada em Angra dos Reis no R.J-operação em 1985 DDDDéééécada de 70cada de 70cada de 70cada de 70---- acordo com a Alemanha para a transferência de tecnologia nuclear e a construção de Angra II (operação em 2000) e III , (em processo de conclusão)- Projeto de construProjeto de construProjeto de construProjeto de construçççção de sete novasão de sete novasão de sete novasão de sete novas usinas nucleares visando à produção de combustíveis e reatores de pequeno porte
  • 48.
  • 49. Os países detentores de tecnologia nuclear podem construir usinas e gerar energia, como também fabricar bomba atômica, o que lhes garante superioridade militar em relação às armas convencionais O Irã, ferrenho inimigo de Israel, país pró- ocidente, tem alardeado sua intenção em dominar a tecnologia nuclear, segundo eles para fins pacíficos
  • 50. Agencia Internacional de Energia Atômica (AIEA) levou o caso para a ONU, propondo sanções econômicas, difíceis de se concretizar. Programa de enriquecimento de urânio no país dos aiatolás é alvo de sanções por parte do Conselho de Segurança da ONU Tratado de Não Proliferação Nuclear permite que apenas 5 países –EUA, Rússia, China, Reino Unido e França-mantenham seu arsenal nuclear.
  • 51. SolarSolarSolarSolar A luz solar é grátis, quando disponível Limitado às áreas ensolaradas do mundo (muita demanda quando está pouco disponível, por exemplo no aquecimento solar) Requer materiais especiais para espelhos/painéis que pode afetar o meio ambiente A tecnologia atual requer quantidades grandes de terra para quantidades pequenas de geração da energia
  • 52. BiomassaBiomassaBiomassaBiomassa •A indústria está em sua infância •Poderia criar empregos pois plantas menores poderiam ser usadas. •Ineficiente se forem usadas plantas pequenas •Poderia ser um contribuinte significativo para o aquecimento global pois o combustível tem baixo índice de contenção de calor