SlideShare uma empresa Scribd logo
RECEITAS DE PLANTAS COM
PROPRIEDADES INSETICIDAS
NO CONTROLE DE PRAGAS
Falso açafrão (Curcuma longa) Louro (Laurus nobilis)
Hortelã (Mentha spicata)Cravo-de-defunto (Tagetes erecta)
Pimenta malagueta (Capsicum frutescens)
Cinamomo (Melia azedarach)
Neem (Azabirachta indica)
Eucalipto (Eucaliptus citriodora)
Arruda (Ruta graveolens)
Capim cidreira (Cymbopogon citratus) Alho (Allium sativum)Saboneteira (Sapindus saponaria)
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Projeto:Transferências Tecnológicas para Conservação de Grãos e Sementes –
TRANSTECON - Edital MCT/CNPq/MDA/SAF/MDS/SESAN - Nº 36/2007
Coordenadora: Dra. Conceição Aparecida Previero
Instituição Executora: Centro Universitário Luterano de Palmas – CEULP/ULBRA
Avenida Teotônio Segurado, nº 160 - CEP 77054-970 – Palmas -TO
Fone: (63) 3219-8000 / 3219-8033
Fax: (63) 3219-8005
www.ulbra-to.br
Elaboração: Conceição Aparecida Previero, Benjamim Carvalho Lima Junior, Laurena
Knorst Florêncio e
Capa e arte: Geuvar Silva de Oliveira e
Diagramação: Carlos Reutemann Gomes Cerqueira e Benjamim Carvalho Lima Junior
Revisão: Emilleny Lázaro da Silva Sousa e Conceição Aparecida Previero
1ª Edição: 2010
Tiragem: 1000
É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada à fonte e que
não seja para venda ou qualquer fim comercial.
Deise Laiz dos Santos
Carlos Reutemann Gomes Cerqueira
RECEITAS DE PLANTAS
COM PROPRIEDADES
INSETICIDAS NO
1
CONTROLE DE PRAGAS
2
Conceição Aparecida Previero
3
Benjamim Carvalho Lima Júnior
4
Laurena Knorst Florencio
5
Deise Laiz dos Santos
1
Parte do projeto de pesquisa TRANSTECON, aprovado pelo CNPq dentro do programa
MCT/CNPq/MDA/SAF/MDS/SESAN Nº36/2007
2
Doutora em Pós-colheita de Produtos Agrícolas. Coordenadora do projeto TRANSTECON,
conceicaopreviero @gmail.com
3
Engenheiro Agrícola. Bolsista do CNPq (ATP A), no projeto TRANSTECON, benjamim-
junior@bol.com.br
4
Bacharel em Serviço Social. Bolsista do CNPq (EXP3), no projeto TRANSTECON,
laurena_kn@hotmail.com
5
Acadêmica do Curso de Engenharia Agrícola do CEULP/ULBRA. Bolsista do CNPq (ITIA), no projeto
TRANSTECON, deiselaiz@gmail.com
Previero, Conceição Aparecida
P944r Receita de plantas com propriedades inseticidas no controle
de pragas / Conceição Aparecida Previero... [et al.] – Palmas:
CEULP/ULBRA, 2010.
32 p.: il.; 21cm
Inclui Bibliografia
1. Engenharia agrícola 2. Propriedades - inseticidas 3.
Pragas I. Título II.Cartilha
CDU 632.951
Ficha catalográfica elaborada pela Bibliotecária - Raquel Modesto CRB - 2/1285
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
SUMÁRIO
Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Alho branco (Allium sativum). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Arruda (Ruta graveolens) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Cachaça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Capim cidreira (Cymbopogon citratus). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Cinamomo (Melia azedarach). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Cinza vegetal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Cravo-da-índia (Caryophilus aromaticus). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Cravo-de-defunto (Tagetes erecta) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Eucalipto (Eucaliptus citriodora). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Falso-açafrão (Curcuma longa). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Fumo (Nictiana tabacum) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Hortelã (Mentha spicata) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Louro (Laurus nobilis) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Neem (Azadirachta indica) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Pimenta malagueta (Capsicum frutescens) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Saboneteira (Sapindus saponaria) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Consultas bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Sítios eletrônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
O clima tocantinense, por ser tropical, favorece o aparecimento de doenças e pragas na
produção agrícola. Esses agentes (brocas, pulgões, ácaros, carrapatos etc.) não fazem
distinção entre o grande latifundiário e o agricultor familiar. Aos produtores, por sua vez,
cabe a tarefa de escolher como combatê-los, procurando mecanismos que reduzam as
agressões ao meio ambiente. É aqui que a ciência pode, e deve, dar às mãos ao saber
popular e caminhar numa só direção. Esta cartilha é um convite ao caminhar lado a lado
que nos permita o manejo e o uso adequado de produtos que, ao controlar as pragas,
contribuem para o equilíbrio do meio ambiente e o êxito na produção.
No projeto Transferência de Tecnológica para Conservação de Grãos e Sementes
(TRANSTECON), executado pelo Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA)
e parceiros, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico (CNPq), a Universidade, por meio de alunos e técnicos, e os agricultores do
Assentamento Mariana, em Palmas-TO, consolidaram parceria que favorece a troca mútua
de saberes e conhecimentos que, em parte, resultou neste trabalho. Essas parcerias, que se
apresentam na forma de cursos, palestras, oficinas e cartilhas, enfocam o uso de produtos e
extratos naturais de plantas no controle de pragas e quer apoiar atitudes que fortaleçam a
agricultura familiar e contribuam para a preservação ambiental.
Venha conosco! Esta cartilha é a compilação de vários estudos desenvolvidos pelos
professores, profissionais e estudantes que buscam dar cientificidade ao saber popular no
uso de produtos naturais com propriedades inseticidas.
Seja bem-vindo!
APRESENTAÇÃO
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 07
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 0908 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
ALHO BRANCO
Alho branco (Allium sativum), planta perene cujo bulbo (a
"cabeça de alho") é composto por folhas escamiformes (os
"dentes de alho"), comestível e usado tanto como tempero,
fins medicinais e defensivo agrícola.
O extrato do alho branco quando adequadamente
preparado tem ação fungicida, bactericida e controla
insetos nocivos como a lagarta da maçã, pulgão, etc.
Sendo apresentado como defensivo mais barato que os
agrotóxicos, não prejudica os trabalhadores, e é seguro
para o meio ambiente.
O alho fresco possui alina, um amino-ácido sulfurado que se
transforma em alicina, princípio ativo antisséptico, também é rico em iodo, flúor, cálcio,
ferro, fósforo e vitaminas A, B e C, aminoácidos, dentre outros.
1 garrafa do tipo PET (Politereftalato de etileno) higienizada
Dentes de alho com casca
Grãos a serem conservados (feijão, arroz, milho)
Fita crepe
Coloca-se um dente de alho com casca no fundo da garrafa e outro a cada 4 dedos de
grãos secos, a cada camada deve-se assentar bem os grãos, batendo tanto com o fundo
da garrafa sobre um pano de prato e como com as mãos na lateral do recipiente. Não
pode haver espaço livre dentro da garrafa. Ou seja, quando apertada com o dedo a
garrafa não deve ceder. Feche bem com fita crepe ao redor do gargalo. Coloque uma
etiqueta com o nome e validade do produto.
1 dente de alho
2 litros de água
Princípios Ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Receita 1 - Conservação de grãos no período de 1 a 2 anos
Receita 2 - Alho contra brocas, cochonilhas e pulgões e ácaros
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Dicas e Curiosidades
Bata o alho no liquidificador com água (2 litros para cada dente). Em seguida pulverize as
plantas atacadas. Mas, atenção, não use sobre feijões, pois o alho inibe seu crescimento.
1kg de alho
5 litros de água
100g de sabão
20 colheres (de café) de óleo mineral.
Os dentes de alho devem ser finamente
moídos e deixados repousar por 24 horas,
em 20 colheres de óleo mineral. Em outro
vasilhame, dissolva 100 gramas de sabão picado em 5 litros de água, de preferência
quente. Após a dissolução do sabão, mistura-se a solução de alho. Antes de usar, é
aconselhavel filtrar e diluir a mistura com 20 partes de água. Quando pulverizado sobre
as plantas depois de 36 horas não deixa cheiro nos produtos agrícolas.
l A orientação com relação ao tamanho das garrafas e o tipo de grão a ser armazenado
baseia-se no fato de que, depois de aberta a garrafa, o alimento armazenado deve ser
consumido no espaço de 1 semana a 10 dias. Depois desse tempo o alimento estraga-
se com muita facilidade. Eliminando o ar de dentro das garrafas elimina-se o oxigênio
necessário para a existência de insetos e bactérias.
l Quando plantado entre as roseiras, diminui o ataque de pulgões.
Receita 3 – Alho no controle biológico de pragas
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1110 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
ARRUDA
A Arruda (Ruta graveolens) é uma planta da família das
Rutáceas. Também é denominada como arruda-
fedorenta, arruda-doméstica, arruda-dos-jardins, ruta-
de-cheiro-forte. Subarbusto muito cultivado nos jardins
em todo o mundo, devido às suas folhas, fortemente
aromáticas. Atinge até um metro de altura, apresentando
haste lenhosa, ramificada desde a base. As folhas são
alternas, pecioladas, carnudas, glaucas, compostas, de
até 15cm de comprimento. As flores são pequenas e
amareladas. O fruto é capsular, de quatro ou cinco lobos,
salientes e rugosos, abrindo-se superior e inteiramente em
quatro ou cinco valvas.
Rica em óleos esssenciais, flavonóides (rutina), cumarinas e
alcalóides.
Ferva as folhas durante 5 minutos. Deixe esfriar
e pulverize as plantas.
l Uma crença popular de raiz africana,
remontando aos tempos coloniais, dita que
os homens usem um pequeno galho de
folhas por cima de uma orelha, ou que um galho das mesmas seja mantida no
ambiente, para espantar maus espíritos.
l Apesar das propriedades medicinais conhecidas há séculos, o uso interno desta planta
é desaconselhado, pois, em grande quantidade, a arruda pode causar hiperemia
(abundância de sangue) dos órgãos respiratórios, vômitos, sonolência e convulsões.
l O efeito considerado "anticoncepcional" na verdade é abortivo, pois provém da
inibição da implantação do óvulo no útero, sendo que a ingestão da infusão preparada
com a arruda para esta finalidade é muito perigosa e pode provocar fortes
hemorragias.
Princípios ativos:
Curiosidade
Receita - Arruda no combate de Pulgões
CACHAÇA
A cachaça, pinga, ou canha é o nome dado à aguardente
de cana-de-açúcar. A cana-de-açúcar é uma planta
pertencente à família das gramíneas (Saccharum
officinarum) originária da Ásia, onde teve registrado seu
cultivo desde os tempos mais remotos da história. Entre os
aspectos folclóricos do uso da cachaça, propagam-se os
de natureza medicinal, havendo receitas caseiras muitas
elaboradas de remédios utilizando-a como base e seu
emprego na conservação de grãos e produtos agrícolas.
o principal constituinte é o etanol,
proveniente do processo de fermentação da glicose.
½ litro de cachaça
60Kg de feijão
Coloque o feijão sobre um pano e umedeça
com a cachaça, misturar bem e ensaque em
seguida.
l Regulamentada em lei (n° 4.851 de 2003), a cachaça é símbolo nacional que se
entrelaça com a história de nosso povo e nos destaca internacionalmente.
Princípio ativo:
Ingredientes
Modo de preparo
Curiosidade
Receita – Uso da cachaça na conservação de
grãos de feijão
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1312 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
CAPIM CIDREIRA
Capim cidreira (Cymbopogon citratus) é uma planta
herbácea da família das gramíneas, nativa das regiões
tropicais da Ásia e Índia. É caracteristico seu
desenvolvolvimento em moita de rebentos e de sua
inflorescência se extrai um óleo essencial utilizado em
repelentes de insetos. Conhecida também como: capim-
limão, capim santo, capim-cidreira, erva-cidreira, chá-de-
estrada, chá-de-príncipe (ou, apenas príncipe), chá-do-
gabão, capim-cidrão, capim-cidrilho, capim-cidró,
capim-de-cheiro, capim-cheiroso.
óleos essenciais, terpenos, alcalóides, dentre outros.
Folhas e talos do capim limão
100ml de álcool
1 litro de água
2 colheres de sal.
Esmague folhas e talos do capim cidreira até
obter um caldo esverdeado. Depois, deixe
descansar por 24 horas, acrescente 1 litro de
água e 2 colheres de sal, mexa e depois
pulverize sobre o carrapato. No dia seguinte os carrapatos começarão a secar e haverá
queda dos mesmos.
l Na aromaterapia é indicada para pessoas com problema de depressão. O incenso de
erva cidreira confere felicidade e sucesso, ajuda a encontrar o verdadeiro amor, e
combate a timidez e a falta de autoconfiança.
l A erva cidreira é muito confundida com o capim-limão. Aprenda a diferenciar as
espécies: as folhas da cidreira verdadeira têm formato de coração e nervuras sulcadas,
bem diferentes das folhas pontiagudas, que nascem em moitas, do capim-limão.
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Curiosidade
Receita - Erva cidreira com álcool contra
carrapato em animais
CINAMOMO
O Cinamomo (Melia azedarach L.), também conhecido
popularmente como amargoseira, jasmim-de-caiena,
jasmim-de-cachorro, jasmim-de-soldado, árvore-santa,
loureiro-grego, lírio-da-índia, Santa Bárbara é uma árvore
nativa do oriente (da Ásia até a Austrália) e subespontânea
na América, Mediterrâneo e África. Chega a atingir 20
metros de altura. É muito cultivada como árvore
ornamental. Suas folhas são usadas para fins medicinais.
Estudos recentes compravam a eficiência de suas folhas e
frutos como conservante natural de grãos e sementes.
saponinas e alcalóides neurotóxicos (azaridina).
5g de folhas de cinamomo secas e moídas
1Kg de grãos
Embalagem polietileno (embalagem plástica) ou Garrafa PET
Seque as folhas a sombra e moa em seguida. Misture o pó com os grãos e armazene em
embalagem impermeável.
10g de folhas ou frutos de cinamomo
2kg de grãos ou sementes a serem conservadas
1 garrafa do tipo PET (2 litros)
As folhas e/ou frutos secos devem ser moídos e seu pó pode ser usado na conservação de
grãos armazenados em garrafas PET. Os grãos armazenados para alimentação devem
ser higienizados antes de seu consumo.
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Receitas 1 - Folhas de cinamomo utilizadas na conservação de grãos e sementes
Receita 2 – Conservação de grãos e sementes
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1514 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
CINZA VEGETAL
A cinza vegetal é um material rico em potássio, muito
recomendado na literatura mundial para controle de
pragas e até algumas doenças. Pode ser aplicado na
mistura com outros produtos naturais.
potássio.
1kg de cinza vegetal
1kg de cal
100 litros de água
Repouse a cinza na água por 24 horas, coe em
seguida. Misture a cal virgem hidratada e pulverize.
A adição de soro de leite (1 a 2%) na mistura de cinza com água pode favorecer o seu
efeito no combate contra pragas e moléstias.
50g de cinza vegetal
100 litros de água
6 colheres (café) de querosene
Repouse as cinzas por 24 horas em 4 litros de água, coe e acrescente o querosene,
misture bem e aplicar.
100g de cinza
60Kg de feijão
Misture 100g da cinza vegetal para cada 60kg de feijão. Ensaque e guarde.
Princípio ativo:
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Receita 1 – Cinza vegetal para o combate a lagartas
e vaquinhas
Receita 2 – Cinza vegetal para combater insetos sugadores e larva minadora
Receita 3 – Cinza vegetal para conservação de grão de feijão
Receita 3 – Extrato aquoso de folhas
e frutos a 10% utilizado no controle
de pulgões
Receita 4 – Cinamomo contra gafanhotos e pulgões
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Dicas e Curiosidades
100g de folhas e frutos de Cinamomo
1 litro de água
1 pulverizador de pequeno porte
Macere as folhas e frutos de Cinamomo
em água, faça infusão por 24 horas, coe e pulverize na cultura desejada, semanalmente.
Folhas ou frutos de cinamomo
Água fervente
Álcool
1 pulverizador de pequeno porte
Deixe as folhas de molho em água fervente por cerca de 10 minutos, após esfriar,
pulverize. No caso de utilização dos frutos, corte-os e deixe de molho em uma solução
com 50% de água e 50% de álcool durante 24 horas. Coe e pulverize em seguida.
l As folhas e frutos do cinamomo são tóxicas e sua ingestão pode causar aumento da
salivação, náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia intensa; em casos graves
pode ocorrer depressão do sistema nervoso central.
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1716 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
CRAVO-DA-ÍNDIA
O cravo-da-índia (Caryophilus aromaticus) é nativo das
ilhas Molucas, na Indonésia, também conhecido
popularmente como craveiro-da-índia, cravina-de-túnis,
cravo-de-cabecinha, cravoária e rosa-da-índia. O botão
de sua flor, quando seco, é utilizado como especiaria, com
emprego na culinária, na fabricação de medicamentos e
como conservante natural.
Suas flores contém 15-20% de
essência constituída na maior parte de eugenol, pequenas
quantidades de acetileugenol, cariofileno e
metilamilcetona.
Milho de canjica
5 colheres de chá de cravo-da-índia
1 garrafa PET
Fita crepe
Coloque 1 colher de chá de cravo no fundo da garrafa PET e a cada 4 dedos de milho de
canjica, repita o processo, soque bem para acomodação dos grãos, até que não haja
mais espaço. Feche bem a tampa e vede com fita crepe. Os grãos armazenados devem ficar
em ambiente seco e arejado e não devem ser expostos a luz solar.
1kg de feijão
25g de cravo da índia
1 garrafa PET (1 litro)
Distribuir os cravos igualmente entre os grãos de feijão.
Dividir 1Kg dos grãos de feijão em recipientes vedados
com plástico, fazer pequenos furos com alfinete para permitir a troca de ar.
Cobrir as bordas dos recipientes com algodão para impedir o ataque de formigas.
l Os cravos são botões das flores que ainda não abriram. Quando está fresco é rosa,
depois de seco adquire a coloração marrom-rústico.
l Por ser extremamente duro, é muito difícil de ser triturado em um pilão, por isso é
recomendo o uso de moedor de café para obter o cravo em pó.
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Dicas e Curiosidades
Receita 1– Uso do cravo-da-índia no armazenamento do milho de canjica
Receita 2 – Uso do cravo-da-índia na conservação
do feijão, contra o caruncho
CRAVO-DE-DEFUNTO
O cravo-de-defunto (Tagetes erecta) também conhecido
por cravo-amarelo, cravo-de-defunto, cravo-africano,
cravo-da-índia, rosa-da-índia é nativo do México.
Requer cultivo a pleno sol, em solo composto
de terra de jardim e terra vegetal, com regas regulares.
Tolerante ao frio, pode ser cultivada em todo o país.
Multiplica-se por sementes.
Cineol, linalol, carvona, ocimento,
dextra-llinoleno, fenol, anetol, eugenol, quercetagetina.
1 litro de Álcool
15 litros de Água
200g da planta macerada
Folhas e flores de cravo-de-defunto
Macere folhas e flores e coloque em álcool diluído
em água por 12 horas. Pulverize sobre as plantas
atacadas.
1kg de folhas e/ou talo de cravo-de-defunto
10 litros de água.
Misture 1kg de folhas e/ou talos de cravo-de-defunto em 10 litros de água. Leve ao fogo e
deixe ferver durante meia hora. Coe o caldo obtido e pulverize as plantas atacadas.
l O cravo-de-defunto quando plantado em hortas, jardins ou pomares, repele insetos e
mantém o solo livre de nematóides. Plante tagetes junto aos tomateiros para evitar a
broca do tomate. Alem disso, quando usado como cama para cães, afugenta
pulgas
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Curiosidade
Receita 1 – Cravo-de-defunto para repelir insetos
em tomateiro
Receita 2 - Combate a pulgões, ácaros e algumas lagartas
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1918 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
EUCALIPTO
O Eucalipto (Eucaliptus citriodora), pertence ao gênero
Corymbia e Angophora, que inclui mais de 700 espécies,
quase todas originárias da Austrália, existindo apenas um
pequeno número de espécies próprias dos territórios
vizinhos da Nova Guiné e Indonésia, e mais uma espécie (a
mais setentrional) no sul das Filipinas. Adaptados a
praticamente a todas as condições climáticas, os eucaliptos
caracterizam a paisagem da Oceania de uma forma que
não é comparável a qualquer outra espécie. O eucalipto é
uma planta utilizada quase em sua totalidade para diversos
fins, Ex: indústria farmacêutica, movelaria, celulose,
produtos de limpeza, cosméticos e na agricultura.
Terpenos, canfeno, limoneno, mirtenol, borneol, pinocarveol,
flavonóides, cetonas, aldeídos e taninos.
5g de folhas de eucalipto secas e moídas
1Kg de grãos
Embalagem polietileno (embalagem plástica) ou garrafa PET
Seque as folhas a sombra, quando estiverem bem seca, moa. Use o pó para conservar
grãos armazenados. Os grãos armazenados para
alimentação devem ser lavados antes de seu consumo.
Folhas de eucalipto natural
Grãos
Após o armazenamento do milho no paiol, colha folhas de eucaliptos, de cheiro forte, e
coloque em camadas. Para cada 20cm de milho, uma camada de 3cm de folha de
eucalipto. O tempo de ação das folhas é de aproximadamente 90 dias.
l As pesquisas florestais comprovam que as árvores de eucalipto consomem a mesma
quantidade de água que outras espécies vegetais, inclusive as matas nativas. O
eucalipto usa a água disponível de forma mais eficiente, produzindo mais madeira com
a mesma quantidade de água, negando a fama de que o eucalipto "seca o solo".
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Curiosidades
Receitas 1 - Folhas de eucalipto utilizadas na conservação de grãos e sementes
Receita 2 - Uso de folhas de eucalipto na conservação
de grãos (feijão, milho, arroz)
FALSO-AÇAFRÃO
O falso-açafrão (Curcuma longa L.), conhecido também
como cúrcuma, turmérico, açafrão-da-índia, açafroa e
gengibre amarelo, é uma planta herbácea da família do
gengibre (Zingiberaceae), originária da Ásia (Índia e
Indonésia). A parte utilizada da planta é o rizoma (raiz),
que externamente apresenta uma coloração
esbranquiçada ou acinzentada e internamente
amarelada. Sua característica principal é como digestivo
e ativador da função hepática, contudo pode ser utilizado
com eficácia na conservação de grãos.
Óleo essencial, pigmentos,
um princípio amargo, ácidos orgânicos, resina e
amido.
5g de falso açafrão seco e moído
1Kg de grãos
Embalagem polietileno ou garrafa PET
Seque as folhas a sombra, quando estiverem bem seca, moa. Use o pó para conservação
de grãos armazenados. Os grãos armazenados para alimentação devem ser lavados antes
de seu consumo.
l Para obter um produto de boa qualidade dê preferência pela compra do rizoma que
após seco, deve ser triturado, ao invés do pó pronto que muitas vezes no processo de
industrialização sofre alterações.
l Por que falso-açafrão? O açafrão verdadeiro (Crocus sativus L.) é extraído do estigma
(pólem) das flores, tem origem na região do mar Mediterrâneo, é usado principalmente
na culinária. Atualmente é a especiaria mais cara do mundo, são necessárias cerca de
100 mil flores para obter 5kg de estigmas.
l No Brasil usa-se o rizoma, produzido em vários estados, mas Mara Rosa-GO é
conhecida como a capital brasileira do açafrão, onde existem cerca de 200 produtores
e desses 95% são micro e pequenas propriedades.
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Dica e Curiosidade
Receita – Falso-açafrão utilizado na
conservação de grãos e sementes
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2120 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
FUMO
Atende pelo nome cientifico de Nicotiana tabacum, e
tabaco é o nome comum. Originário da América do Sul,
das folhas é extraída a substância chamada nicotina, que
a princípio era usado para fins terapêuticos, mas pesquisas
tem demonstrado que o significado médico-terapêutico
do tabaco caiu por terra há décadas, cedendo lugar ao
combate à dependência química que as substâncias
constantes do cigarro causam. Mas, há muitos anos é
utilizado na agricultura como fungicida e as receitas são
passadas de geração para geração.
Nicotina.
50g de fumo picado
Pimenta malagueta
11 litros de água
1 recipiente (1litro)
Numa garrafa misture o fumo de corda picado e um punhado de pimenta malagueta.
Complete com 1 litro de água e deixe repousar por uma semana. Dilua em 10 litros de
água e pulverize o extrato de fumo com pimenta sobre as lagartas.
20cm fumo de corda
Álcool líquido ou gel
100g sabão neutro
10 litros de água
Princípio ativo:
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Coloque um pouco do fumo de corda picado numa tigela e cubra com álcool (líquido ou
gel). Espere o fumo absorver todo o álcool, acrescente novamente um pouco de álcool
diluído em água. Deixe por 48 horas em local fresco. Torça o preparado em um pano ralo
e guarde numa garrafa em local escuro. Acrescente 10 litros de água, coe e pulverize este
extrato sobre as folhas.
Receita 1- Extrato de fumo com pimenta contra lagartas
Receita 2 – Fumo no controle de pulgões
Receita 3 – Calda de fumo e cinzas para pulgões
Receita 4 – Sabão e fumo contra cochonilhas
Receita 5 - Conservação de sementes de feijão-macassar, utilizando raspa de fumo
em rolo, casca do fruto de laranja-cravo (Citrus reticulata L.) desidratadas e moída
“em pó” e frutos de pimenta do reino (Piper nigrum L.) desidratado e moído “em pó”.
Ingredientes
100g de fumo de corda
100g de cinzas
10 litros de água.
Modo de preparo
Desfibre o 100g de fumo num recipiente com 1 litro de água, deixe em maceração por
24 horas. Em seguida acrescente as 100g de cinzas vegetal o restante da água. Coe em
peneira fina e pulverize as plantas. O tratamento pode ser repetido por várias vezes,
contudo, se usado em hortaliças, deve ser consumido sete dias após da última aplicação.
Ingredientes
50g de sabão neutro
5 litros de água
Fumo picado
Óleo mineral
Modo de preparo
Dilua o sabão neutro raspado na água quente. Deixe esfriar, coe e pulverize ou regar sob
pressão. Em casos de ataques muito fortes, utilize a calda de sabão e fumo acrescida de
óleo mineral. Se forem poucas as plantas atacadas, lave as partes afetadas com bucha,
água e sabão ou detergente
Ingredientes
Casca de laranja-cravo
Frutos de pimenta do reino
Fumo de corda
1Kg grãos de feijão
1 garrafa PET ou silos metálicos
Modo de preparo
Seque as cascas de laranja ao sol sobre lona plástica. Em seguida moa ou triture a
pimenta do reino em moinho manual ou pilão, em seguida raspe em camadas finas o
fumo de corda e misture os ingredientes, retire 10g e adicionar em cada 1kg de sementes.
Esse procedimento garantirá o grau de umidade, germinação e integridade da semente.
Curiosidade
l Você sabia que na agricultura a nicotina é utilizada como inseticida sob a forma de
sulfato de nicotina e como vermífugo na pecuária? Alem disso, pode ser transformada
em ácido nicotínico e ser usada como suplemento alimentar.
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2322 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
HORTELÃ
A Hortelã (Mentha spicata), também conhecida como
hortelã-das-hortas, hortelã-comum, hortelã-das-
cozinhas, hortelã-dos-temperos ou simplesmente hortelã-
verde, é uma planta herbácea perene, da família
Lamiaceae (Labiadas), atingindo 30–100 cm. Erva
utilizada desde a antiguidade, com sua origem confundida
com os mitos. Usada pelos egípcios, hebreus, gregos,
medievais, romanos e americanos, durante o século IX
foram introduzidas na Europa muitas variedades. Além de
seus variados fins medicinais essa planta também é
utilizada como repelente.
óleo essencial (terpenos), aldeídos e taninos, resinas, flavonóides,
ácidos, carotenos, vitaminas e outros
A hortelã plantada nas bordaduras de canteiros
repele ratos, formigas e insetos.
1 litro de água
1 maço Hortelã
Ferva a hortelã em 1 litro de água, deixe esfriar, coe e pulverize sobre as plantas. O chá de
hortelã é muito útil para as plantas em geral, protegendo-as.
Fresca: deve ser acondicionada na geladeira em saco plástico, por alguns dias.
Para congelar: retire e pique as folhas finamente. Coloque em uma forma de gelo com
água e leve ao congelador.
Como secar: seque ao ar livre, em local sombreado e bem ventilado, por alguns dias.
No microondas: lave e seque bem as folhas, separe do talo e forre o prato do
microondas com papel absorvente. Espalhe as folhas sobre o papel, deixe o centro do
prato livre. Leve ao micro em potência máxima de três a quatro minutos.
Seca ou em pó: deve ser guardada ao abrigo da luz, respeitando o prazo da validade.
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Dica de conservação
l
l
l
l
l
Receita 1– Hortelã contra ratos e formigas
Receita 2– Hortelã como repelente natural
LOURO
A louro (Laurus nobilis), é uma espécie originária do
Mediterrâneo. Nome popular: Louro-comum, loureiro-dos-
poetas, loureiro-de-Apolo, loureiro-de presunto. Varia entre
5 e 10m, mas pode atingir até 20m de altura. Suas folhas são
vistosas, coriáceas e com odor muito característico, por isso
são muito usadas na culinária. O seu fruto é do tipo baga e
quando maduro tem cor negra. Além disso a madeira dessa
árvore é de excelente qualidade. Suas folhas têm
propriedades conservantes.
Princípios amargos, taninos e um óleo essencial.
1 garrafa PET (1 litro)
Farinha
Folhas de louro
Armazenar nas garrafas PET, colocar 4 dedos de farinha, 1 folha de louro, mais 4 dedos
de farinha , até que não haja mais espaço. Socar a garrafa para a retirada do ar e fechar
bem com fita crepe. Os produtos armazenados devem ficar em ambiente seco e arejados
longe do concreto e não deve ser expostos a luz solar.
l Fresca – guarde suas folhas, depois de limpas, em recipiente fechado, ou sacos
plásticos próprios para alimentos, da geladeira, por alguns dias.
l Seca ou desidratada – guarde-as em vidros fechados, (de preferência escuros), em
local protegido da umidade e luminosidade.
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Dica de conservação
Receita - Conservação de farinha
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2524 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
NEEM
O Neem (Nim) (Azadirachta indica) é uma planta que
pertence à família do mogno e do cedro. São árvores de
grande porte, podendo atingir até 30m de altura e 2,5m
de diâmetro. Nativa de todo o subcontinente indiano e
resistente a seca. Além de fornecer madeira, é muito
conhecida por suas propriedades medicinais e
terapêuticas encontradas nas sementes, folhas e casca. É
bastante utilizada na agricultura, no combate a lagartas e
pragas como nematóides, fungos e bactérias. Na indústria
farmacêutica é utilizada na fabricação de produtos de
higiene e limpeza. É uma das plantas de maior potencial
no controle de pragas, atuando sobre 95% dos insetos nocivos.
azadiractina, meliantrol, salanina, além de vilasinina. O conjunto
dessas substâncias e a ação específica de cada uma delas em separado produzem
diferentes efeitos sobre os insetos, como repelência, esterilidade, desorientação na
oviposição, efeito letal, regulador do crescimento, entre outros.
l Contém a maior parte de ingredientes ativos; controla mais de 400
espécies de insetos/pragas, além de fungos e nematóides.
l Óleo da semente: Obtido pela prensagem em prensa hidráulica (chega-se a 47% de
óleo); a dosagem vai depender da praga a ser controlada e da cultura onde ela ocorre.
l Torta da semente: Material resultante da prensagem da semente para extrair o óleo;
incorporado ao solo, controla diversos fungos. É utilizado como vermífugo na
alimentação animal e como adubo orgânico ou em misturas com fertilizantes
nitrogenados para inibir a nitrificação e aumentar a eficiência do fertilizante.
l Folha e extrato aquoso da folha: Possui ingredientes ativos em menor concentração
do que as sementes; folhas verdes ou secas, incorporadas ao solo, controlam fungos
patogênicos e nematóides. Nos animais, combate carrapatos e mosca-de-chifre.
l Polpa do fruto: É rica em carboidrato e pode ser usada na produção de álcool ou de
gás metano.
l Extrato aquoso: Os extratos podem ser preparados com a simples trituração das
sementes, das folhas ou da torta. Esse pó obtido da trituração deve descansar por 12
horas em água, para só então ser filtrado o líquido, ser diluído na concentração
adequada para a praga em questão, e poder ser utilizado na pulverização das áreas
infestadas. Essa solução deve ser usada em 24 horas para que não se perca a ação dos
princípios ativos do Neem.
Princípios ativos:
Produtos do Neem
Modo de preparo de extratos do Neem
Sementes:
l
obtendo-se no máximo 47% de óleo, que contém cerca de 10% da azadiractina
existente no fruto. Essa prensagem pode se dar por prensa manual ou mecânica, ou
mesmo por pilão. A torta restante (muito rica em azadiractina), tem efeito nematicida e
serve também como adubo orgânico, podendo também ser secada e utilizada
posteriormente para preparo de extratos inseticidas, em mistura com água e filtração.
Normalmente a prensagem de 1kg de semente de Neem gera cerca de 150ml de óleo.
5g de folhas de Neem secas e moídas
1Kg de grãos
Seque as folhas a sombra, quando estiverem bem secas, moa. Use o pó para conservar
grãos armazenados. Os grãos armazenados para alimentação devem ser lavados antes
de seu consumo.
25 a 50g de sementes moídas
1 litro de água
Amarre em um pano as sementes moídas, deixando repousar em um litro de água por 1
dia. Pulverizar sobre a cultura
5Kg de sementes de neem secas e moídas
5 litros de água
10g de sabão
Colocar os 5 quilos de sementes moídas em um saco de pano, amarrar e colocar em 5
litros de água. Depois de 12 horas, espremer e dissolver 10 gramas de sabão neste
extrato. Misture bem e acrescente água para obter 100 litros de preparado. Aplique sobre
as plantas infestadas, imediatamente depois de preparado.
Extração do óleo: O óleo inseticida é extraído pela prensagem das sementes,
Receita 1 - Folhas do Neem utilizadas na conservação de grãos e sementes
Receita 2 - Sementes do Neem como inseticida para controle de lagarta do
cartucho, lagarta das hortaliças, gafanhoto
Receita 3 - Sementes do Neem como inseticida
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2726 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
PIMENTA MALAGUETA
A pimenta malagueta (Capsicum frutescens) também
conhecida por malaguetinha-caipira, a cultura popular no
interior dos estados de Minas Gerais e de Goiás, identifica
a maioria das variedades encontradas no comércio com o
rótulo de "pimenta-café". Esta denominação decorre do
aroma característico da fruta que se assemelha ao cheiro
do grão de café em fase de secagem. Nativa de regiões
tropicais da América, este arbusto possui folhas ovais,
acuminadas, flores alvas e bagas fusiformes, vermelhas,
bastante picantes, utilizadas como condimento e excitantes do aparelho digestivo. Tem
boa eficiência quando concentrada e misturada com outros defensivos naturais, no
combate a pulgões, vaquinhas, grilos e lagartas.
constitui boa fonte de vitaminas, principalmente C e, em tipos
ingeridos secos, vitamina A. Apresenta ainda cálcio, ferro, caroteno, tiamina, niacina,
riboflavina e fibras.
5g de pimentas malaguetas secas e moídas
1Kg de grãos
Embalagem polietileno (embalagem plástica) ou
garrafa PET
Secar o fruto a sombra. Misturar as folhas secas e moídas com os grãos e armazenar em
embalagem impermeável.
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Receita 1 – Pimenta malagueta utilizada na
conservação de grãos e sementes
Receitas 4 - O prensado de Neem utilizado como inseticida no solo
Receitas sugeridas utilizando óleo de Neem para controle de insetos e pragas
Receita 5
Receita 6
Receita 7
Receita 8
Receita 9
Misturando-se com o solo na base de 1 a 2 t/ha. Esta medida protege berinjela contra
minadoras e tomates contra nematóides e septorioses.
Óleo de Neem a 2% (20ml/l) utilizado contra gorgulho (Sitophilus zeamais)
Extrato aquoso de folhas de Neem a 7% (70ml/l) utilizado contra vaquinha (Ceratoma
tingomarianus)
Óleo de Neem a 0,5% (5ml/l) utilizado contra Pulgão (acerola)
Óleo de Neem (2ml) + óleo safrol (2ml), para 200 sementes utilizado contra caruncho do
feijoeiro (Zabrotes subfasciatus)
Óleo de Neem a 4%(40ml/l) + 1% de sabão neutro utilizado contra mosca branca
(Bemisia argentifolii)
l O Nim inibe a alimentação de insetos, repelente natural de insetos, interrompe o
crescimento do inseto por provocar distúrbios na ecdise, troca de fase, impede
comunicação sexual dos insetos, diminuindo a postura e matando ovos, larvas e insetos
adultos, percevejo castanho, lagarta elasmo, poró, vaquinha etc.. não contamina
insetos benéficos à lavoura e predadores naturais.
Dicas e Curiosidades
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2928 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
SABONETEIRA
A saboneteira (Sapindus saponaria L.) é uma árvore de
quatro a nove metros de altura, bastante ramosa, também
conhecida como: fruta-de-sabão, jequitiguaçu, pau-de-
sabão, sabão-de-macaco, sabão-de-mico, sabão-de-
soldado, sabãozinho, sabonete, sabonete-de-soldado,
saboneteiro. Seus frutos muito ricos em saponina, quando
esfregado na água, produzem forte espuma com
propriedade inseticida e sarnicida.
saponinas, ácidos graxos, amirina,
antocianina, esteróides insaturados, triterpenos, luteolina,
tanino, rutina, sitosterol.
6 frutos
60Kg de grãos
Amasse seis frutos, depois misture com os grãos e armazene em local seco e protegido.
Os frutos amassados funcionam como inseticida.
10ml de extrato
1Kg de feijão
Para preparação, deve-se colocar em um vidro com tampa rosqueável 50g do fruto em
pó em 100ml de acetona. A mistura deverá ser muito bem agitada e deixada em repouso
por 24 horas. Decorrido o tempo, será filtrada, dando o extrato acetônico de saboneteira.
Adicionar o extrato acetônico em álcool etilico, na proporção de 20ml do extrato para
980ml de álcool. Mistura 10ml do preparado com álcool para cada 1kg de feijão.
s frutos, ricos em saponina, produzem espuma, sendo usados como sabão pelos
indígenas, e tem ação eficaz contra piolhos.
Princípios ativos:
Ingredientes
Modo de preparo
Ingredientes
Modo de preparo
Curiosidade
l O
Receita 1 – Saboneteira utilizada como inseticida
Receita 2 – Extrato acetônico alcoólico de saboneteira contra ataque do caruncho
no feijão
Receita 2 – Empregada como um defensivo natural em pequenas hortas e
pomares
Receita 3 – Pimenta repelente de pulgão e cochonilha
Receita 4 – Pimenta repelente de pulgão e cochonilha
Ingredientes
50g de fumo de corda picado
1 punhado de pimenta vermelha
1 litro de álcool
250g de sabão em pó ou detergente
10 litros de água
Modo de preparo
Dentro do álcool, coloque o fumo e a pimenta, deixando essa mistura curtir durante 7
dias. Para usar essa solução, dilua o conteúdo em água com o sabão em pó dissolvido ou
então, detergente, de modo que o inseto grude nas folhas e nos frutos. No caso de
hortaliças e medicinais, aconselha-se respeitar um intervalo mínimo de 12 dias antes da
colheita.
Ingredientes
500g de pimenta vermelha (malagueta)
4 litros de água
5 colheres (sopa) de sabão de coco em pó
Modo de preparo
Bater as pimentas em um liquidificador com 2 litros de água até a maceração total. Coar
o preparado e misturar com o sabão de coco em pó, acrescentando então os 2 litros de
água restantes. Pulverizar sobre as plantas atacadas.
Coloque a pimenta em uma vasilha e soque-a até triturar bem. Cubra com água e deixe
descansar de um dia para o outro. No dia seguinte, mexa bem e coe para não entupir o
pulverizador.
Curiosidade
O cultivo de pimentas era uma característica de tribos indígenas brasileiras quando do
descobrimento do Brasil. Com a imensa variabilidade de pimentas nativas, certamente
pode-se supor que diversas tribos cultivavam e colhiam pimentas; e o plantio de
pimenta por tribos indígenas continua até hoje, como entre os índios mundurucus, da
bacia do rio Tapajós.
l
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 3130 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS
CONSULTAS BIBLIOGRÁFICAS
BALTAZAR, A. B. S.; Uso de açafrão (Curcuma longa L.) para controle de insetos em
milho (Zea mays L.) armazenado. Dissertação apresentada em cumprimento parcial
aos requisitos para obtenção do Título de Mestre em Engenharia Agrícola – Área de
Concentração: Pre – Processamento de Produtos Agropecuários. Campinas-SP,
novembro de 1994. 122p.
BRUNHEROTTO, R., Bioatividade de extratos aquosos de (Melia azedarach L. e
Azadirachta índica A. Juss) sobre Tuta absoluta criadas em diferentes genótipos de
tomateiro. Piracicaba, ESALQ – USP, 2000. 76p. (Dissertação de Mestrado – escola
Superior de Agronomia Luiz de Queiroz).
DE NARDO E. A. B., Frighetto R. S., Contieri, M. A., Barbosa, S. C. P., Avaliação de
diferentes pós e extratos vegetais no tratamento de sementes de feijão ( Phaseolus
vulgaris L.) contra o caruncho Acanthoscelides obtetus (Say). In: Congresso
Brasileiro de Entomologia, 14, 24/29 jan. 1993, Piracicaba. Resumos... Piracicaba:
Sociedade Brasileira Entomólogica do Brasil, 1993. 224p.
GUERRA, M. S.; Receituário caseiro: alternativa para o controle de pragas e
doenças de plantas cultivadas e de seus produtos. Embrater, Brasília-DF, 1985. 166p.
LOTUFFO, D. C.; Efeito do uso de folha de eucalipto (Eucalipitus citriodora) na
armazenagem de milho (Zea mays L.) em espiga, com palha, em pequenas
propriedades rurais. Tese de Mestrado, apresentada à Faculdade de Engenharia
Agrícola da Universidade Estadual de Campinas. Campinas-SP, 1998. 102p.
MECELIS, N. R.; Efeito de produtos vegetais na qualidade fisiológica e anitária de
sementes de labe-labe (Dolichos lablab L.) na armazenagem. Universidade
Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Agrícola. Campinas-SP, 1999. 90p.
PREVIERO C. A., Nóbrega S. L., Fernandez G. A. V., Maranhão N. P., Sampaio C. P.;
Avaliação do Falso-Açafrão na qualidade de sementes de milho (Zea mays l.)
armazenado. Escrito para apresentação no XXXV Congresso Brasileiro de Engenharia
Agrícola - CONBEA. João Pessoa-PB, 2006.
PREVIERO C. A., Nóbrega S. L., Costa C. M., Maranhão N. P.; Uso do Nim (Azadirachta
índica A. Juss) na conservação sementes de milho durante o armazenamento em
Palmas, Tocantins. Escrito para apresentação no XXXII Congresso Brasileiro de
Engenharia Agrícola - CONBEA. Goiânia-GO, 2003.
PREVIERO C. A., Nóbrega S. L., Negreiros F. S., Sobrinho D. B.; Tratamento alternativo
na infestação de insetos em sementes de milho durante o armazenamento. Escrito
SÍTIOS ELETRÔNICOS
ALIMENTOS VEGETAIS. Disponível em: < www.portalsaofrancisco.com.br > consulta em
março de 2010
ARMAZENAR ALIMENTOS EM GARRAFAS PLÁSTICAS (PET). Disponível em:
<http://www.scribd.com/doc/11814227/Armazenar-alimentos-em-Garrafas-Plasticas-
PET > consulta em março de 2010
CONTROLE NATURAL DE PRAGAS. Disponível em:
<http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./agropecuario/index.html
&conteudo=./agropecuario/artigos/controlepragas.html > consulta em março de 2010
NATURAL RURAL; Tudo que você precisa saber sobre o NEEM / NIM e muita mais!
Disponível em: < http://guia.mercadolivre.com.br/tudo-voc-precisa-saber-sobre-neem-
nim-muita-mais-12624-VGP > consulta em abril de 2010
NICOTINA. Disponível em <http://www.euvouparardefumar.com/nicotina/ > consulta
em abril de 2010
PLANTAS E ERVAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS. Disponível em
<http://www.plantamed.com.br/plantaservas/especies/Sapindus_saponaria.htm >
consulta em abril de 2010
PLANTAS MEDICINAIS. Disponível em
<http://www.cantoverde.org/150plantas/organizacao.htm > consulta em abril de 2010
PRODUTOS E SERVIÇOS AGROFLORESTAIS PRODUÇĂO E COMERCIALIZAÇĂO DE
MUDAS, SEMENTES, ÓLEO, TORTA E PÓ DE NIM. Guanambi-Bh. Disponível em:
<www.nimbahia.com.br > consulta em março de 2010
para apresentação no XXXII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA.
Goiânia-GO, 2003.
TAKAHASHI, M. & Yabiku, H.; Corantes naturais: usos, restrições e perspectivas.
Revista brasileira de corantes naturais. Viçosa-MG, v. 1, nº 1, p. 246-247, 1992.
XERENTE, D. K., PREVIERO, C.A., FLORENCIO, L.K., SOUZA, E.L.S. Uso popular de
plantas medicinais no Assentamento Mariana, em Palmas – TO. Escrito para
apresentação na IX Jornada de Iniciação Científica do CEULP/ULBRA. Palmas-TO, 2009,
Anais CD.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
ABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliçasABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliças
Lenildo Araujo
 
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostosCompostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Luna Oliveira
 
Recomendações para o controle de pragas em hortas urbanas
Recomendações para o controle de pragas em hortas urbanasRecomendações para o controle de pragas em hortas urbanas
Recomendações para o controle de pragas em hortas urbanas
João Siqueira da Mata
 
Mushrooms catalog
Mushrooms catalogMushrooms catalog
Mushrooms catalog
Mistérios Divertidos, Lda
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
Epfr De Estaquinha
 
Práticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolasPráticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolas
Epfr De Estaquinha
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
LeandroSantos137405
 
Artigo bioterra v16_n2_04
Artigo bioterra v16_n2_04Artigo bioterra v16_n2_04
Artigo bioterra v16_n2_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v17_n1_03
Artigo bioterra v17_n1_03Artigo bioterra v17_n1_03
Artigo bioterra v17_n1_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Micologia
 Micologia  Micologia
Micologia
Isabel Freitas
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
Rafael Soares Dias
 
Receitas caseiras para controle de pragas e doenças
Receitas caseiras para controle de pragas e doençasReceitas caseiras para controle de pragas e doenças
Receitas caseiras para controle de pragas e doenças
Raiz Urbana
 
Controle Fitossanitário na Agricultura Orgânica
Controle Fitossanitário na Agricultura OrgânicaControle Fitossanitário na Agricultura Orgânica
Controle Fitossanitário na Agricultura Orgânica
Robson de Aguiar
 
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado MineiroManual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Revista Cafeicultura
 
Manual producao horticolas_mozambic
Manual producao horticolas_mozambicManual producao horticolas_mozambic
Manual producao horticolas_mozambic
PatrickTanz
 
Manual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueiraManual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueira
Joyce Muzy
 
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Revista Cafeicultura
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
VALDECIR QUEIROZ
 
Defensivos alternativos
Defensivos alternativosDefensivos alternativos
Defensivos alternativos
Josimar Oliveira
 

Mais procurados (20)

5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
 
ABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliçasABC Como plantar hortaliças
ABC Como plantar hortaliças
 
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostosCompostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
 
Recomendações para o controle de pragas em hortas urbanas
Recomendações para o controle de pragas em hortas urbanasRecomendações para o controle de pragas em hortas urbanas
Recomendações para o controle de pragas em hortas urbanas
 
Mushrooms catalog
Mushrooms catalogMushrooms catalog
Mushrooms catalog
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
 
Práticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolasPráticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolas
 
Cartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigidaCartilha completa corrigida
Cartilha completa corrigida
 
Artigo bioterra v16_n2_04
Artigo bioterra v16_n2_04Artigo bioterra v16_n2_04
Artigo bioterra v16_n2_04
 
Artigo bioterra v17_n1_03
Artigo bioterra v17_n1_03Artigo bioterra v17_n1_03
Artigo bioterra v17_n1_03
 
Micologia
 Micologia  Micologia
Micologia
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
 
Receitas caseiras para controle de pragas e doenças
Receitas caseiras para controle de pragas e doençasReceitas caseiras para controle de pragas e doenças
Receitas caseiras para controle de pragas e doenças
 
Controle Fitossanitário na Agricultura Orgânica
Controle Fitossanitário na Agricultura OrgânicaControle Fitossanitário na Agricultura Orgânica
Controle Fitossanitário na Agricultura Orgânica
 
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado MineiroManual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
Manual combate broca-do-café na Região do Cerrado Mineiro
 
Manual producao horticolas_mozambic
Manual producao horticolas_mozambicManual producao horticolas_mozambic
Manual producao horticolas_mozambic
 
Manual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueiraManual desidratar-alimentos-figueira
Manual desidratar-alimentos-figueira
 
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
Palestra CAFEICULTOR: SAIBA COMO CONVIVER COM A BROCA-DO-CAFÉ SEM O INSETICID...
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
 
Defensivos alternativos
Defensivos alternativosDefensivos alternativos
Defensivos alternativos
 

Destaque

Erva cidreira
Erva cidreiraErva cidreira
Erva cidreira
keylogg
 
O poder dos chás
O poder  dos chásO poder  dos chás
O poder dos chás
BIGLEONARDO PEREIRA MAIA
 
A cidade e a roça semeando agroecologia - aspta
A cidade e a roça   semeando agroecologia - asptaA cidade e a roça   semeando agroecologia - aspta
A cidade e a roça semeando agroecologia - aspta
Flavio Meireles
 
Agroecologia urbana e práticas sustentáveis 2008
Agroecologia urbana e práticas sustentáveis 2008Agroecologia urbana e práticas sustentáveis 2008
Agroecologia urbana e práticas sustentáveis 2008
John Herbert Badi Zappala
 
Fitoterapia verdades e_mentiras
Fitoterapia verdades e_mentirasFitoterapia verdades e_mentiras
Fitoterapia verdades e_mentiras
Faculdade Mário Schenberg
 
Plantas medicinais e aplicação na industria
Plantas medicinais e aplicação na industriaPlantas medicinais e aplicação na industria
Plantas medicinais e aplicação na industria
Diogo Silva
 
Palestra José Rogerio Emater - Agricultura Sustentável e Extensão Rural
Palestra José Rogerio Emater - Agricultura Sustentável e Extensão RuralPalestra José Rogerio Emater - Agricultura Sustentável e Extensão Rural
Palestra José Rogerio Emater - Agricultura Sustentável e Extensão Rural
Revista Cafeicultura
 
Plantas que curan
Plantas que curanPlantas que curan
Plantas que curan
2010compuadultos
 
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do solo
Rafael Oliveira
 
4. biofertilizante
4. biofertilizante4. biofertilizante
4. biofertilizante
Alexandre Panerai
 
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e PaririErvas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Carlos Carvalho
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
Luciano Marques
 
Agricultura familiar
Agricultura familiarAgricultura familiar
Agricultura familiar
echotangonet
 
95 orgãos dos sentidos 3
95 orgãos dos sentidos 395 orgãos dos sentidos 3
95 orgãos dos sentidos 3
SimoneHelenDrumond
 
Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no BrasilAgricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil
FAO
 
Biofertilizantes - Agroecologia.
Biofertilizantes  - Agroecologia.Biofertilizantes  - Agroecologia.
Biofertilizantes - Agroecologia.
Fabio Souza
 
Plantas Tóxicas
Plantas TóxicasPlantas Tóxicas
Plantas Tóxicas
Diogo Silva
 
Agricultura Familiar
Agricultura FamiliarAgricultura Familiar
Agricultura Familiar
karolaine Silva
 
Agricultura familiar
Agricultura familiarAgricultura familiar
Agricultura familiar
gikapp88
 
Farmacobotânica parte1
Farmacobotânica parte1Farmacobotânica parte1
Farmacobotânica parte1
Julia Martins Ulhoa
 

Destaque (20)

Erva cidreira
Erva cidreiraErva cidreira
Erva cidreira
 
O poder dos chás
O poder  dos chásO poder  dos chás
O poder dos chás
 
A cidade e a roça semeando agroecologia - aspta
A cidade e a roça   semeando agroecologia - asptaA cidade e a roça   semeando agroecologia - aspta
A cidade e a roça semeando agroecologia - aspta
 
Agroecologia urbana e práticas sustentáveis 2008
Agroecologia urbana e práticas sustentáveis 2008Agroecologia urbana e práticas sustentáveis 2008
Agroecologia urbana e práticas sustentáveis 2008
 
Fitoterapia verdades e_mentiras
Fitoterapia verdades e_mentirasFitoterapia verdades e_mentiras
Fitoterapia verdades e_mentiras
 
Plantas medicinais e aplicação na industria
Plantas medicinais e aplicação na industriaPlantas medicinais e aplicação na industria
Plantas medicinais e aplicação na industria
 
Palestra José Rogerio Emater - Agricultura Sustentável e Extensão Rural
Palestra José Rogerio Emater - Agricultura Sustentável e Extensão RuralPalestra José Rogerio Emater - Agricultura Sustentável e Extensão Rural
Palestra José Rogerio Emater - Agricultura Sustentável e Extensão Rural
 
Plantas que curan
Plantas que curanPlantas que curan
Plantas que curan
 
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do solo
 
4. biofertilizante
4. biofertilizante4. biofertilizante
4. biofertilizante
 
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e PaririErvas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
Ervas Medicinais - Erva Doce; Chá Verde; Chá Preto e Pariri
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
 
Agricultura familiar
Agricultura familiarAgricultura familiar
Agricultura familiar
 
95 orgãos dos sentidos 3
95 orgãos dos sentidos 395 orgãos dos sentidos 3
95 orgãos dos sentidos 3
 
Agricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no BrasilAgricultura familiar no Brasil
Agricultura familiar no Brasil
 
Biofertilizantes - Agroecologia.
Biofertilizantes  - Agroecologia.Biofertilizantes  - Agroecologia.
Biofertilizantes - Agroecologia.
 
Plantas Tóxicas
Plantas TóxicasPlantas Tóxicas
Plantas Tóxicas
 
Agricultura Familiar
Agricultura FamiliarAgricultura Familiar
Agricultura Familiar
 
Agricultura familiar
Agricultura familiarAgricultura familiar
Agricultura familiar
 
Farmacobotânica parte1
Farmacobotânica parte1Farmacobotânica parte1
Farmacobotânica parte1
 

Semelhante a RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS

Pragas em-hortas
Pragas em-hortasPragas em-hortas
Pragas em-hortas
IPVC.ESTG
 
Abc controle de pragas
Abc controle de pragasAbc controle de pragas
Abc controle de pragas
pauloweimann
 
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantasABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
Lenildo Araujo
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
João Siqueira da Mata
 
Horta organica
Horta organicaHorta organica
Horta organica
Lindon Johnsons Lemos
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
pauloweimann
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Evelyn Golin
 
Caldas naturais 2_1_
Caldas naturais 2_1_Caldas naturais 2_1_
Caldas naturais 2_1_
Joyce Muzy
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Luciano Marques
 
Caldas naturais
Caldas naturaisCaldas naturais
Caldas naturais
Gustavo Passos
 
Caldas naturais
Caldas naturais Caldas naturais
Caldas naturais
Gustavo Passos
 
Apostila mip
Apostila mipApostila mip
Apostila mip
Raul Matos Araújo
 
Manual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaManual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da Água
Sérgio Amaral
 
Manual de boas práticas agrícolas
Manual de boas práticas agrícolasManual de boas práticas agrícolas
Manual de boas práticas agrícolas
EPE - Escola Profissional de Esposende
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
Leandro Almeida
 
Técnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialTécnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do material
Luís Filipe Marinho
 
Conservação e manutenção de estradas não pavimentadas: estudo técnico da Rodo...
Conservação e manutenção de estradas não pavimentadas: estudo técnico da Rodo...Conservação e manutenção de estradas não pavimentadas: estudo técnico da Rodo...
Conservação e manutenção de estradas não pavimentadas: estudo técnico da Rodo...
Pantanal Editoral
 
Ciência em Foco
Ciência em FocoCiência em Foco
Ciência em Foco
Pantanal Editoral
 
Métodos para estudo da dinâmica de raízes
Métodos para estudo da dinâmica de raízesMétodos para estudo da dinâmica de raízes
Métodos para estudo da dinâmica de raízes
Pantanal Editoral
 
Características agronômicas da soja em função da adubação nitrogenada associa...
Características agronômicas da soja em função da adubação nitrogenada associa...Características agronômicas da soja em função da adubação nitrogenada associa...
Características agronômicas da soja em função da adubação nitrogenada associa...
Pantanal Editoral
 

Semelhante a RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS (20)

Pragas em-hortas
Pragas em-hortasPragas em-hortas
Pragas em-hortas
 
Abc controle de pragas
Abc controle de pragasAbc controle de pragas
Abc controle de pragas
 
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantasABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
ABC Controle alternativo de pragas e doenças das plantas
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
 
Horta organica
Horta organicaHorta organica
Horta organica
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
 
Caldas naturais 2_1_
Caldas naturais 2_1_Caldas naturais 2_1_
Caldas naturais 2_1_
 
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
Apostila MIP (Manejo Integrado de Pragas)
 
Caldas naturais
Caldas naturaisCaldas naturais
Caldas naturais
 
Caldas naturais
Caldas naturais Caldas naturais
Caldas naturais
 
Apostila mip
Apostila mipApostila mip
Apostila mip
 
Manual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaManual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da Água
 
Manual de boas práticas agrícolas
Manual de boas práticas agrícolasManual de boas práticas agrícolas
Manual de boas práticas agrícolas
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
 
Técnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do materialTécnicas de desinfecção do material
Técnicas de desinfecção do material
 
Conservação e manutenção de estradas não pavimentadas: estudo técnico da Rodo...
Conservação e manutenção de estradas não pavimentadas: estudo técnico da Rodo...Conservação e manutenção de estradas não pavimentadas: estudo técnico da Rodo...
Conservação e manutenção de estradas não pavimentadas: estudo técnico da Rodo...
 
Ciência em Foco
Ciência em FocoCiência em Foco
Ciência em Foco
 
Métodos para estudo da dinâmica de raízes
Métodos para estudo da dinâmica de raízesMétodos para estudo da dinâmica de raízes
Métodos para estudo da dinâmica de raízes
 
Características agronômicas da soja em função da adubação nitrogenada associa...
Características agronômicas da soja em função da adubação nitrogenada associa...Características agronômicas da soja em função da adubação nitrogenada associa...
Características agronômicas da soja em função da adubação nitrogenada associa...
 

Mais de mnmaill

Cartilha Arborizacao
Cartilha ArborizacaoCartilha Arborizacao
Cartilha Arborizacao
mnmaill
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
mnmaill
 
Manual de Vermicompostagem
Manual de VermicompostagemManual de Vermicompostagem
Manual de Vermicompostagem
mnmaill
 
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
O Ato Conjugal - Tim e Beverly LahyeO Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
mnmaill
 
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAHIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
mnmaill
 
hidrocabornetoS
hidrocabornetoShidrocabornetoS
hidrocabornetoS
mnmaill
 
Mosquitérica
MosquitéricaMosquitérica
Mosquitérica
mnmaill
 
Como Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel ArtesanalComo Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel Artesanal
mnmaill
 
Oficina Reciclagempet manualparticipante
Oficina Reciclagempet manualparticipanteOficina Reciclagempet manualparticipante
Oficina Reciclagempet manualparticipante
mnmaill
 
Papel Reciclado
Papel RecicladoPapel Reciclado
Papel Reciclado
mnmaill
 
Papel Reciclado
Papel RecicladoPapel Reciclado
Papel Reciclado
mnmaill
 
Quimica radioatividade
Quimica radioatividadeQuimica radioatividade
Quimica radioatividade
mnmaill
 
Isomeria Óptica
Isomeria ÓpticaIsomeria Óptica
Isomeria Óptica
mnmaill
 

Mais de mnmaill (13)

Cartilha Arborizacao
Cartilha ArborizacaoCartilha Arborizacao
Cartilha Arborizacao
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
 
Manual de Vermicompostagem
Manual de VermicompostagemManual de Vermicompostagem
Manual de Vermicompostagem
 
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
O Ato Conjugal - Tim e Beverly LahyeO Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
O Ato Conjugal - Tim e Beverly Lahye
 
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAHIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
 
hidrocabornetoS
hidrocabornetoShidrocabornetoS
hidrocabornetoS
 
Mosquitérica
MosquitéricaMosquitérica
Mosquitérica
 
Como Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel ArtesanalComo Fazer Papel Artesanal
Como Fazer Papel Artesanal
 
Oficina Reciclagempet manualparticipante
Oficina Reciclagempet manualparticipanteOficina Reciclagempet manualparticipante
Oficina Reciclagempet manualparticipante
 
Papel Reciclado
Papel RecicladoPapel Reciclado
Papel Reciclado
 
Papel Reciclado
Papel RecicladoPapel Reciclado
Papel Reciclado
 
Quimica radioatividade
Quimica radioatividadeQuimica radioatividade
Quimica radioatividade
 
Isomeria Óptica
Isomeria ÓpticaIsomeria Óptica
Isomeria Óptica
 

Último

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS

  • 1. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS Falso açafrão (Curcuma longa) Louro (Laurus nobilis) Hortelã (Mentha spicata)Cravo-de-defunto (Tagetes erecta) Pimenta malagueta (Capsicum frutescens) Cinamomo (Melia azedarach) Neem (Azabirachta indica) Eucalipto (Eucaliptus citriodora) Arruda (Ruta graveolens) Capim cidreira (Cymbopogon citratus) Alho (Allium sativum)Saboneteira (Sapindus saponaria)
  • 2. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Projeto:Transferências Tecnológicas para Conservação de Grãos e Sementes – TRANSTECON - Edital MCT/CNPq/MDA/SAF/MDS/SESAN - Nº 36/2007 Coordenadora: Dra. Conceição Aparecida Previero Instituição Executora: Centro Universitário Luterano de Palmas – CEULP/ULBRA Avenida Teotônio Segurado, nº 160 - CEP 77054-970 – Palmas -TO Fone: (63) 3219-8000 / 3219-8033 Fax: (63) 3219-8005 www.ulbra-to.br Elaboração: Conceição Aparecida Previero, Benjamim Carvalho Lima Junior, Laurena Knorst Florêncio e Capa e arte: Geuvar Silva de Oliveira e Diagramação: Carlos Reutemann Gomes Cerqueira e Benjamim Carvalho Lima Junior Revisão: Emilleny Lázaro da Silva Sousa e Conceição Aparecida Previero 1ª Edição: 2010 Tiragem: 1000 É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada à fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. Deise Laiz dos Santos Carlos Reutemann Gomes Cerqueira RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO 1 CONTROLE DE PRAGAS 2 Conceição Aparecida Previero 3 Benjamim Carvalho Lima Júnior 4 Laurena Knorst Florencio 5 Deise Laiz dos Santos 1 Parte do projeto de pesquisa TRANSTECON, aprovado pelo CNPq dentro do programa MCT/CNPq/MDA/SAF/MDS/SESAN Nº36/2007 2 Doutora em Pós-colheita de Produtos Agrícolas. Coordenadora do projeto TRANSTECON, conceicaopreviero @gmail.com 3 Engenheiro Agrícola. Bolsista do CNPq (ATP A), no projeto TRANSTECON, benjamim- junior@bol.com.br 4 Bacharel em Serviço Social. Bolsista do CNPq (EXP3), no projeto TRANSTECON, laurena_kn@hotmail.com 5 Acadêmica do Curso de Engenharia Agrícola do CEULP/ULBRA. Bolsista do CNPq (ITIA), no projeto TRANSTECON, deiselaiz@gmail.com Previero, Conceição Aparecida P944r Receita de plantas com propriedades inseticidas no controle de pragas / Conceição Aparecida Previero... [et al.] – Palmas: CEULP/ULBRA, 2010. 32 p.: il.; 21cm Inclui Bibliografia 1. Engenharia agrícola 2. Propriedades - inseticidas 3. Pragas I. Título II.Cartilha CDU 632.951 Ficha catalográfica elaborada pela Bibliotecária - Raquel Modesto CRB - 2/1285
  • 3. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS SUMÁRIO Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07 Alho branco (Allium sativum). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08 Arruda (Ruta graveolens) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Cachaça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Capim cidreira (Cymbopogon citratus). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 Cinamomo (Melia azedarach). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Cinza vegetal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Cravo-da-índia (Caryophilus aromaticus). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Cravo-de-defunto (Tagetes erecta) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Eucalipto (Eucaliptus citriodora). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Falso-açafrão (Curcuma longa). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Fumo (Nictiana tabacum) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Hortelã (Mentha spicata) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Louro (Laurus nobilis) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Neem (Azadirachta indica) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Pimenta malagueta (Capsicum frutescens) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Saboneteira (Sapindus saponaria) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Consultas bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Sítios eletrônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
  • 4. O clima tocantinense, por ser tropical, favorece o aparecimento de doenças e pragas na produção agrícola. Esses agentes (brocas, pulgões, ácaros, carrapatos etc.) não fazem distinção entre o grande latifundiário e o agricultor familiar. Aos produtores, por sua vez, cabe a tarefa de escolher como combatê-los, procurando mecanismos que reduzam as agressões ao meio ambiente. É aqui que a ciência pode, e deve, dar às mãos ao saber popular e caminhar numa só direção. Esta cartilha é um convite ao caminhar lado a lado que nos permita o manejo e o uso adequado de produtos que, ao controlar as pragas, contribuem para o equilíbrio do meio ambiente e o êxito na produção. No projeto Transferência de Tecnológica para Conservação de Grãos e Sementes (TRANSTECON), executado pelo Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) e parceiros, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Universidade, por meio de alunos e técnicos, e os agricultores do Assentamento Mariana, em Palmas-TO, consolidaram parceria que favorece a troca mútua de saberes e conhecimentos que, em parte, resultou neste trabalho. Essas parcerias, que se apresentam na forma de cursos, palestras, oficinas e cartilhas, enfocam o uso de produtos e extratos naturais de plantas no controle de pragas e quer apoiar atitudes que fortaleçam a agricultura familiar e contribuam para a preservação ambiental. Venha conosco! Esta cartilha é a compilação de vários estudos desenvolvidos pelos professores, profissionais e estudantes que buscam dar cientificidade ao saber popular no uso de produtos naturais com propriedades inseticidas. Seja bem-vindo! APRESENTAÇÃO RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 07
  • 5. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 0908 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS ALHO BRANCO Alho branco (Allium sativum), planta perene cujo bulbo (a "cabeça de alho") é composto por folhas escamiformes (os "dentes de alho"), comestível e usado tanto como tempero, fins medicinais e defensivo agrícola. O extrato do alho branco quando adequadamente preparado tem ação fungicida, bactericida e controla insetos nocivos como a lagarta da maçã, pulgão, etc. Sendo apresentado como defensivo mais barato que os agrotóxicos, não prejudica os trabalhadores, e é seguro para o meio ambiente. O alho fresco possui alina, um amino-ácido sulfurado que se transforma em alicina, princípio ativo antisséptico, também é rico em iodo, flúor, cálcio, ferro, fósforo e vitaminas A, B e C, aminoácidos, dentre outros. 1 garrafa do tipo PET (Politereftalato de etileno) higienizada Dentes de alho com casca Grãos a serem conservados (feijão, arroz, milho) Fita crepe Coloca-se um dente de alho com casca no fundo da garrafa e outro a cada 4 dedos de grãos secos, a cada camada deve-se assentar bem os grãos, batendo tanto com o fundo da garrafa sobre um pano de prato e como com as mãos na lateral do recipiente. Não pode haver espaço livre dentro da garrafa. Ou seja, quando apertada com o dedo a garrafa não deve ceder. Feche bem com fita crepe ao redor do gargalo. Coloque uma etiqueta com o nome e validade do produto. 1 dente de alho 2 litros de água Princípios Ativos: Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Receita 1 - Conservação de grãos no período de 1 a 2 anos Receita 2 - Alho contra brocas, cochonilhas e pulgões e ácaros Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Dicas e Curiosidades Bata o alho no liquidificador com água (2 litros para cada dente). Em seguida pulverize as plantas atacadas. Mas, atenção, não use sobre feijões, pois o alho inibe seu crescimento. 1kg de alho 5 litros de água 100g de sabão 20 colheres (de café) de óleo mineral. Os dentes de alho devem ser finamente moídos e deixados repousar por 24 horas, em 20 colheres de óleo mineral. Em outro vasilhame, dissolva 100 gramas de sabão picado em 5 litros de água, de preferência quente. Após a dissolução do sabão, mistura-se a solução de alho. Antes de usar, é aconselhavel filtrar e diluir a mistura com 20 partes de água. Quando pulverizado sobre as plantas depois de 36 horas não deixa cheiro nos produtos agrícolas. l A orientação com relação ao tamanho das garrafas e o tipo de grão a ser armazenado baseia-se no fato de que, depois de aberta a garrafa, o alimento armazenado deve ser consumido no espaço de 1 semana a 10 dias. Depois desse tempo o alimento estraga- se com muita facilidade. Eliminando o ar de dentro das garrafas elimina-se o oxigênio necessário para a existência de insetos e bactérias. l Quando plantado entre as roseiras, diminui o ataque de pulgões. Receita 3 – Alho no controle biológico de pragas
  • 6. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1110 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS ARRUDA A Arruda (Ruta graveolens) é uma planta da família das Rutáceas. Também é denominada como arruda- fedorenta, arruda-doméstica, arruda-dos-jardins, ruta- de-cheiro-forte. Subarbusto muito cultivado nos jardins em todo o mundo, devido às suas folhas, fortemente aromáticas. Atinge até um metro de altura, apresentando haste lenhosa, ramificada desde a base. As folhas são alternas, pecioladas, carnudas, glaucas, compostas, de até 15cm de comprimento. As flores são pequenas e amareladas. O fruto é capsular, de quatro ou cinco lobos, salientes e rugosos, abrindo-se superior e inteiramente em quatro ou cinco valvas. Rica em óleos esssenciais, flavonóides (rutina), cumarinas e alcalóides. Ferva as folhas durante 5 minutos. Deixe esfriar e pulverize as plantas. l Uma crença popular de raiz africana, remontando aos tempos coloniais, dita que os homens usem um pequeno galho de folhas por cima de uma orelha, ou que um galho das mesmas seja mantida no ambiente, para espantar maus espíritos. l Apesar das propriedades medicinais conhecidas há séculos, o uso interno desta planta é desaconselhado, pois, em grande quantidade, a arruda pode causar hiperemia (abundância de sangue) dos órgãos respiratórios, vômitos, sonolência e convulsões. l O efeito considerado "anticoncepcional" na verdade é abortivo, pois provém da inibição da implantação do óvulo no útero, sendo que a ingestão da infusão preparada com a arruda para esta finalidade é muito perigosa e pode provocar fortes hemorragias. Princípios ativos: Curiosidade Receita - Arruda no combate de Pulgões CACHAÇA A cachaça, pinga, ou canha é o nome dado à aguardente de cana-de-açúcar. A cana-de-açúcar é uma planta pertencente à família das gramíneas (Saccharum officinarum) originária da Ásia, onde teve registrado seu cultivo desde os tempos mais remotos da história. Entre os aspectos folclóricos do uso da cachaça, propagam-se os de natureza medicinal, havendo receitas caseiras muitas elaboradas de remédios utilizando-a como base e seu emprego na conservação de grãos e produtos agrícolas. o principal constituinte é o etanol, proveniente do processo de fermentação da glicose. ½ litro de cachaça 60Kg de feijão Coloque o feijão sobre um pano e umedeça com a cachaça, misturar bem e ensaque em seguida. l Regulamentada em lei (n° 4.851 de 2003), a cachaça é símbolo nacional que se entrelaça com a história de nosso povo e nos destaca internacionalmente. Princípio ativo: Ingredientes Modo de preparo Curiosidade Receita – Uso da cachaça na conservação de grãos de feijão
  • 7. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1312 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS CAPIM CIDREIRA Capim cidreira (Cymbopogon citratus) é uma planta herbácea da família das gramíneas, nativa das regiões tropicais da Ásia e Índia. É caracteristico seu desenvolvolvimento em moita de rebentos e de sua inflorescência se extrai um óleo essencial utilizado em repelentes de insetos. Conhecida também como: capim- limão, capim santo, capim-cidreira, erva-cidreira, chá-de- estrada, chá-de-príncipe (ou, apenas príncipe), chá-do- gabão, capim-cidrão, capim-cidrilho, capim-cidró, capim-de-cheiro, capim-cheiroso. óleos essenciais, terpenos, alcalóides, dentre outros. Folhas e talos do capim limão 100ml de álcool 1 litro de água 2 colheres de sal. Esmague folhas e talos do capim cidreira até obter um caldo esverdeado. Depois, deixe descansar por 24 horas, acrescente 1 litro de água e 2 colheres de sal, mexa e depois pulverize sobre o carrapato. No dia seguinte os carrapatos começarão a secar e haverá queda dos mesmos. l Na aromaterapia é indicada para pessoas com problema de depressão. O incenso de erva cidreira confere felicidade e sucesso, ajuda a encontrar o verdadeiro amor, e combate a timidez e a falta de autoconfiança. l A erva cidreira é muito confundida com o capim-limão. Aprenda a diferenciar as espécies: as folhas da cidreira verdadeira têm formato de coração e nervuras sulcadas, bem diferentes das folhas pontiagudas, que nascem em moitas, do capim-limão. Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Curiosidade Receita - Erva cidreira com álcool contra carrapato em animais CINAMOMO O Cinamomo (Melia azedarach L.), também conhecido popularmente como amargoseira, jasmim-de-caiena, jasmim-de-cachorro, jasmim-de-soldado, árvore-santa, loureiro-grego, lírio-da-índia, Santa Bárbara é uma árvore nativa do oriente (da Ásia até a Austrália) e subespontânea na América, Mediterrâneo e África. Chega a atingir 20 metros de altura. É muito cultivada como árvore ornamental. Suas folhas são usadas para fins medicinais. Estudos recentes compravam a eficiência de suas folhas e frutos como conservante natural de grãos e sementes. saponinas e alcalóides neurotóxicos (azaridina). 5g de folhas de cinamomo secas e moídas 1Kg de grãos Embalagem polietileno (embalagem plástica) ou Garrafa PET Seque as folhas a sombra e moa em seguida. Misture o pó com os grãos e armazene em embalagem impermeável. 10g de folhas ou frutos de cinamomo 2kg de grãos ou sementes a serem conservadas 1 garrafa do tipo PET (2 litros) As folhas e/ou frutos secos devem ser moídos e seu pó pode ser usado na conservação de grãos armazenados em garrafas PET. Os grãos armazenados para alimentação devem ser higienizados antes de seu consumo. Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Receitas 1 - Folhas de cinamomo utilizadas na conservação de grãos e sementes Receita 2 – Conservação de grãos e sementes
  • 8. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1514 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS CINZA VEGETAL A cinza vegetal é um material rico em potássio, muito recomendado na literatura mundial para controle de pragas e até algumas doenças. Pode ser aplicado na mistura com outros produtos naturais. potássio. 1kg de cinza vegetal 1kg de cal 100 litros de água Repouse a cinza na água por 24 horas, coe em seguida. Misture a cal virgem hidratada e pulverize. A adição de soro de leite (1 a 2%) na mistura de cinza com água pode favorecer o seu efeito no combate contra pragas e moléstias. 50g de cinza vegetal 100 litros de água 6 colheres (café) de querosene Repouse as cinzas por 24 horas em 4 litros de água, coe e acrescente o querosene, misture bem e aplicar. 100g de cinza 60Kg de feijão Misture 100g da cinza vegetal para cada 60kg de feijão. Ensaque e guarde. Princípio ativo: Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Receita 1 – Cinza vegetal para o combate a lagartas e vaquinhas Receita 2 – Cinza vegetal para combater insetos sugadores e larva minadora Receita 3 – Cinza vegetal para conservação de grão de feijão Receita 3 – Extrato aquoso de folhas e frutos a 10% utilizado no controle de pulgões Receita 4 – Cinamomo contra gafanhotos e pulgões Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Dicas e Curiosidades 100g de folhas e frutos de Cinamomo 1 litro de água 1 pulverizador de pequeno porte Macere as folhas e frutos de Cinamomo em água, faça infusão por 24 horas, coe e pulverize na cultura desejada, semanalmente. Folhas ou frutos de cinamomo Água fervente Álcool 1 pulverizador de pequeno porte Deixe as folhas de molho em água fervente por cerca de 10 minutos, após esfriar, pulverize. No caso de utilização dos frutos, corte-os e deixe de molho em uma solução com 50% de água e 50% de álcool durante 24 horas. Coe e pulverize em seguida. l As folhas e frutos do cinamomo são tóxicas e sua ingestão pode causar aumento da salivação, náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia intensa; em casos graves pode ocorrer depressão do sistema nervoso central.
  • 9. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1716 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS CRAVO-DA-ÍNDIA O cravo-da-índia (Caryophilus aromaticus) é nativo das ilhas Molucas, na Indonésia, também conhecido popularmente como craveiro-da-índia, cravina-de-túnis, cravo-de-cabecinha, cravoária e rosa-da-índia. O botão de sua flor, quando seco, é utilizado como especiaria, com emprego na culinária, na fabricação de medicamentos e como conservante natural. Suas flores contém 15-20% de essência constituída na maior parte de eugenol, pequenas quantidades de acetileugenol, cariofileno e metilamilcetona. Milho de canjica 5 colheres de chá de cravo-da-índia 1 garrafa PET Fita crepe Coloque 1 colher de chá de cravo no fundo da garrafa PET e a cada 4 dedos de milho de canjica, repita o processo, soque bem para acomodação dos grãos, até que não haja mais espaço. Feche bem a tampa e vede com fita crepe. Os grãos armazenados devem ficar em ambiente seco e arejado e não devem ser expostos a luz solar. 1kg de feijão 25g de cravo da índia 1 garrafa PET (1 litro) Distribuir os cravos igualmente entre os grãos de feijão. Dividir 1Kg dos grãos de feijão em recipientes vedados com plástico, fazer pequenos furos com alfinete para permitir a troca de ar. Cobrir as bordas dos recipientes com algodão para impedir o ataque de formigas. l Os cravos são botões das flores que ainda não abriram. Quando está fresco é rosa, depois de seco adquire a coloração marrom-rústico. l Por ser extremamente duro, é muito difícil de ser triturado em um pilão, por isso é recomendo o uso de moedor de café para obter o cravo em pó. Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Dicas e Curiosidades Receita 1– Uso do cravo-da-índia no armazenamento do milho de canjica Receita 2 – Uso do cravo-da-índia na conservação do feijão, contra o caruncho CRAVO-DE-DEFUNTO O cravo-de-defunto (Tagetes erecta) também conhecido por cravo-amarelo, cravo-de-defunto, cravo-africano, cravo-da-índia, rosa-da-índia é nativo do México. Requer cultivo a pleno sol, em solo composto de terra de jardim e terra vegetal, com regas regulares. Tolerante ao frio, pode ser cultivada em todo o país. Multiplica-se por sementes. Cineol, linalol, carvona, ocimento, dextra-llinoleno, fenol, anetol, eugenol, quercetagetina. 1 litro de Álcool 15 litros de Água 200g da planta macerada Folhas e flores de cravo-de-defunto Macere folhas e flores e coloque em álcool diluído em água por 12 horas. Pulverize sobre as plantas atacadas. 1kg de folhas e/ou talo de cravo-de-defunto 10 litros de água. Misture 1kg de folhas e/ou talos de cravo-de-defunto em 10 litros de água. Leve ao fogo e deixe ferver durante meia hora. Coe o caldo obtido e pulverize as plantas atacadas. l O cravo-de-defunto quando plantado em hortas, jardins ou pomares, repele insetos e mantém o solo livre de nematóides. Plante tagetes junto aos tomateiros para evitar a broca do tomate. Alem disso, quando usado como cama para cães, afugenta pulgas Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Curiosidade Receita 1 – Cravo-de-defunto para repelir insetos em tomateiro Receita 2 - Combate a pulgões, ácaros e algumas lagartas
  • 10. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 1918 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS EUCALIPTO O Eucalipto (Eucaliptus citriodora), pertence ao gênero Corymbia e Angophora, que inclui mais de 700 espécies, quase todas originárias da Austrália, existindo apenas um pequeno número de espécies próprias dos territórios vizinhos da Nova Guiné e Indonésia, e mais uma espécie (a mais setentrional) no sul das Filipinas. Adaptados a praticamente a todas as condições climáticas, os eucaliptos caracterizam a paisagem da Oceania de uma forma que não é comparável a qualquer outra espécie. O eucalipto é uma planta utilizada quase em sua totalidade para diversos fins, Ex: indústria farmacêutica, movelaria, celulose, produtos de limpeza, cosméticos e na agricultura. Terpenos, canfeno, limoneno, mirtenol, borneol, pinocarveol, flavonóides, cetonas, aldeídos e taninos. 5g de folhas de eucalipto secas e moídas 1Kg de grãos Embalagem polietileno (embalagem plástica) ou garrafa PET Seque as folhas a sombra, quando estiverem bem seca, moa. Use o pó para conservar grãos armazenados. Os grãos armazenados para alimentação devem ser lavados antes de seu consumo. Folhas de eucalipto natural Grãos Após o armazenamento do milho no paiol, colha folhas de eucaliptos, de cheiro forte, e coloque em camadas. Para cada 20cm de milho, uma camada de 3cm de folha de eucalipto. O tempo de ação das folhas é de aproximadamente 90 dias. l As pesquisas florestais comprovam que as árvores de eucalipto consomem a mesma quantidade de água que outras espécies vegetais, inclusive as matas nativas. O eucalipto usa a água disponível de forma mais eficiente, produzindo mais madeira com a mesma quantidade de água, negando a fama de que o eucalipto "seca o solo". Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Curiosidades Receitas 1 - Folhas de eucalipto utilizadas na conservação de grãos e sementes Receita 2 - Uso de folhas de eucalipto na conservação de grãos (feijão, milho, arroz) FALSO-AÇAFRÃO O falso-açafrão (Curcuma longa L.), conhecido também como cúrcuma, turmérico, açafrão-da-índia, açafroa e gengibre amarelo, é uma planta herbácea da família do gengibre (Zingiberaceae), originária da Ásia (Índia e Indonésia). A parte utilizada da planta é o rizoma (raiz), que externamente apresenta uma coloração esbranquiçada ou acinzentada e internamente amarelada. Sua característica principal é como digestivo e ativador da função hepática, contudo pode ser utilizado com eficácia na conservação de grãos. Óleo essencial, pigmentos, um princípio amargo, ácidos orgânicos, resina e amido. 5g de falso açafrão seco e moído 1Kg de grãos Embalagem polietileno ou garrafa PET Seque as folhas a sombra, quando estiverem bem seca, moa. Use o pó para conservação de grãos armazenados. Os grãos armazenados para alimentação devem ser lavados antes de seu consumo. l Para obter um produto de boa qualidade dê preferência pela compra do rizoma que após seco, deve ser triturado, ao invés do pó pronto que muitas vezes no processo de industrialização sofre alterações. l Por que falso-açafrão? O açafrão verdadeiro (Crocus sativus L.) é extraído do estigma (pólem) das flores, tem origem na região do mar Mediterrâneo, é usado principalmente na culinária. Atualmente é a especiaria mais cara do mundo, são necessárias cerca de 100 mil flores para obter 5kg de estigmas. l No Brasil usa-se o rizoma, produzido em vários estados, mas Mara Rosa-GO é conhecida como a capital brasileira do açafrão, onde existem cerca de 200 produtores e desses 95% são micro e pequenas propriedades. Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Dica e Curiosidade Receita – Falso-açafrão utilizado na conservação de grãos e sementes
  • 11. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2120 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS FUMO Atende pelo nome cientifico de Nicotiana tabacum, e tabaco é o nome comum. Originário da América do Sul, das folhas é extraída a substância chamada nicotina, que a princípio era usado para fins terapêuticos, mas pesquisas tem demonstrado que o significado médico-terapêutico do tabaco caiu por terra há décadas, cedendo lugar ao combate à dependência química que as substâncias constantes do cigarro causam. Mas, há muitos anos é utilizado na agricultura como fungicida e as receitas são passadas de geração para geração. Nicotina. 50g de fumo picado Pimenta malagueta 11 litros de água 1 recipiente (1litro) Numa garrafa misture o fumo de corda picado e um punhado de pimenta malagueta. Complete com 1 litro de água e deixe repousar por uma semana. Dilua em 10 litros de água e pulverize o extrato de fumo com pimenta sobre as lagartas. 20cm fumo de corda Álcool líquido ou gel 100g sabão neutro 10 litros de água Princípio ativo: Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Coloque um pouco do fumo de corda picado numa tigela e cubra com álcool (líquido ou gel). Espere o fumo absorver todo o álcool, acrescente novamente um pouco de álcool diluído em água. Deixe por 48 horas em local fresco. Torça o preparado em um pano ralo e guarde numa garrafa em local escuro. Acrescente 10 litros de água, coe e pulverize este extrato sobre as folhas. Receita 1- Extrato de fumo com pimenta contra lagartas Receita 2 – Fumo no controle de pulgões Receita 3 – Calda de fumo e cinzas para pulgões Receita 4 – Sabão e fumo contra cochonilhas Receita 5 - Conservação de sementes de feijão-macassar, utilizando raspa de fumo em rolo, casca do fruto de laranja-cravo (Citrus reticulata L.) desidratadas e moída “em pó” e frutos de pimenta do reino (Piper nigrum L.) desidratado e moído “em pó”. Ingredientes 100g de fumo de corda 100g de cinzas 10 litros de água. Modo de preparo Desfibre o 100g de fumo num recipiente com 1 litro de água, deixe em maceração por 24 horas. Em seguida acrescente as 100g de cinzas vegetal o restante da água. Coe em peneira fina e pulverize as plantas. O tratamento pode ser repetido por várias vezes, contudo, se usado em hortaliças, deve ser consumido sete dias após da última aplicação. Ingredientes 50g de sabão neutro 5 litros de água Fumo picado Óleo mineral Modo de preparo Dilua o sabão neutro raspado na água quente. Deixe esfriar, coe e pulverize ou regar sob pressão. Em casos de ataques muito fortes, utilize a calda de sabão e fumo acrescida de óleo mineral. Se forem poucas as plantas atacadas, lave as partes afetadas com bucha, água e sabão ou detergente Ingredientes Casca de laranja-cravo Frutos de pimenta do reino Fumo de corda 1Kg grãos de feijão 1 garrafa PET ou silos metálicos Modo de preparo Seque as cascas de laranja ao sol sobre lona plástica. Em seguida moa ou triture a pimenta do reino em moinho manual ou pilão, em seguida raspe em camadas finas o fumo de corda e misture os ingredientes, retire 10g e adicionar em cada 1kg de sementes. Esse procedimento garantirá o grau de umidade, germinação e integridade da semente. Curiosidade l Você sabia que na agricultura a nicotina é utilizada como inseticida sob a forma de sulfato de nicotina e como vermífugo na pecuária? Alem disso, pode ser transformada em ácido nicotínico e ser usada como suplemento alimentar.
  • 12. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2322 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS HORTELÃ A Hortelã (Mentha spicata), também conhecida como hortelã-das-hortas, hortelã-comum, hortelã-das- cozinhas, hortelã-dos-temperos ou simplesmente hortelã- verde, é uma planta herbácea perene, da família Lamiaceae (Labiadas), atingindo 30–100 cm. Erva utilizada desde a antiguidade, com sua origem confundida com os mitos. Usada pelos egípcios, hebreus, gregos, medievais, romanos e americanos, durante o século IX foram introduzidas na Europa muitas variedades. Além de seus variados fins medicinais essa planta também é utilizada como repelente. óleo essencial (terpenos), aldeídos e taninos, resinas, flavonóides, ácidos, carotenos, vitaminas e outros A hortelã plantada nas bordaduras de canteiros repele ratos, formigas e insetos. 1 litro de água 1 maço Hortelã Ferva a hortelã em 1 litro de água, deixe esfriar, coe e pulverize sobre as plantas. O chá de hortelã é muito útil para as plantas em geral, protegendo-as. Fresca: deve ser acondicionada na geladeira em saco plástico, por alguns dias. Para congelar: retire e pique as folhas finamente. Coloque em uma forma de gelo com água e leve ao congelador. Como secar: seque ao ar livre, em local sombreado e bem ventilado, por alguns dias. No microondas: lave e seque bem as folhas, separe do talo e forre o prato do microondas com papel absorvente. Espalhe as folhas sobre o papel, deixe o centro do prato livre. Leve ao micro em potência máxima de três a quatro minutos. Seca ou em pó: deve ser guardada ao abrigo da luz, respeitando o prazo da validade. Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Dica de conservação l l l l l Receita 1– Hortelã contra ratos e formigas Receita 2– Hortelã como repelente natural LOURO A louro (Laurus nobilis), é uma espécie originária do Mediterrâneo. Nome popular: Louro-comum, loureiro-dos- poetas, loureiro-de-Apolo, loureiro-de presunto. Varia entre 5 e 10m, mas pode atingir até 20m de altura. Suas folhas são vistosas, coriáceas e com odor muito característico, por isso são muito usadas na culinária. O seu fruto é do tipo baga e quando maduro tem cor negra. Além disso a madeira dessa árvore é de excelente qualidade. Suas folhas têm propriedades conservantes. Princípios amargos, taninos e um óleo essencial. 1 garrafa PET (1 litro) Farinha Folhas de louro Armazenar nas garrafas PET, colocar 4 dedos de farinha, 1 folha de louro, mais 4 dedos de farinha , até que não haja mais espaço. Socar a garrafa para a retirada do ar e fechar bem com fita crepe. Os produtos armazenados devem ficar em ambiente seco e arejados longe do concreto e não deve ser expostos a luz solar. l Fresca – guarde suas folhas, depois de limpas, em recipiente fechado, ou sacos plásticos próprios para alimentos, da geladeira, por alguns dias. l Seca ou desidratada – guarde-as em vidros fechados, (de preferência escuros), em local protegido da umidade e luminosidade. Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Dica de conservação Receita - Conservação de farinha
  • 13. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2524 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS NEEM O Neem (Nim) (Azadirachta indica) é uma planta que pertence à família do mogno e do cedro. São árvores de grande porte, podendo atingir até 30m de altura e 2,5m de diâmetro. Nativa de todo o subcontinente indiano e resistente a seca. Além de fornecer madeira, é muito conhecida por suas propriedades medicinais e terapêuticas encontradas nas sementes, folhas e casca. É bastante utilizada na agricultura, no combate a lagartas e pragas como nematóides, fungos e bactérias. Na indústria farmacêutica é utilizada na fabricação de produtos de higiene e limpeza. É uma das plantas de maior potencial no controle de pragas, atuando sobre 95% dos insetos nocivos. azadiractina, meliantrol, salanina, além de vilasinina. O conjunto dessas substâncias e a ação específica de cada uma delas em separado produzem diferentes efeitos sobre os insetos, como repelência, esterilidade, desorientação na oviposição, efeito letal, regulador do crescimento, entre outros. l Contém a maior parte de ingredientes ativos; controla mais de 400 espécies de insetos/pragas, além de fungos e nematóides. l Óleo da semente: Obtido pela prensagem em prensa hidráulica (chega-se a 47% de óleo); a dosagem vai depender da praga a ser controlada e da cultura onde ela ocorre. l Torta da semente: Material resultante da prensagem da semente para extrair o óleo; incorporado ao solo, controla diversos fungos. É utilizado como vermífugo na alimentação animal e como adubo orgânico ou em misturas com fertilizantes nitrogenados para inibir a nitrificação e aumentar a eficiência do fertilizante. l Folha e extrato aquoso da folha: Possui ingredientes ativos em menor concentração do que as sementes; folhas verdes ou secas, incorporadas ao solo, controlam fungos patogênicos e nematóides. Nos animais, combate carrapatos e mosca-de-chifre. l Polpa do fruto: É rica em carboidrato e pode ser usada na produção de álcool ou de gás metano. l Extrato aquoso: Os extratos podem ser preparados com a simples trituração das sementes, das folhas ou da torta. Esse pó obtido da trituração deve descansar por 12 horas em água, para só então ser filtrado o líquido, ser diluído na concentração adequada para a praga em questão, e poder ser utilizado na pulverização das áreas infestadas. Essa solução deve ser usada em 24 horas para que não se perca a ação dos princípios ativos do Neem. Princípios ativos: Produtos do Neem Modo de preparo de extratos do Neem Sementes: l obtendo-se no máximo 47% de óleo, que contém cerca de 10% da azadiractina existente no fruto. Essa prensagem pode se dar por prensa manual ou mecânica, ou mesmo por pilão. A torta restante (muito rica em azadiractina), tem efeito nematicida e serve também como adubo orgânico, podendo também ser secada e utilizada posteriormente para preparo de extratos inseticidas, em mistura com água e filtração. Normalmente a prensagem de 1kg de semente de Neem gera cerca de 150ml de óleo. 5g de folhas de Neem secas e moídas 1Kg de grãos Seque as folhas a sombra, quando estiverem bem secas, moa. Use o pó para conservar grãos armazenados. Os grãos armazenados para alimentação devem ser lavados antes de seu consumo. 25 a 50g de sementes moídas 1 litro de água Amarre em um pano as sementes moídas, deixando repousar em um litro de água por 1 dia. Pulverizar sobre a cultura 5Kg de sementes de neem secas e moídas 5 litros de água 10g de sabão Colocar os 5 quilos de sementes moídas em um saco de pano, amarrar e colocar em 5 litros de água. Depois de 12 horas, espremer e dissolver 10 gramas de sabão neste extrato. Misture bem e acrescente água para obter 100 litros de preparado. Aplique sobre as plantas infestadas, imediatamente depois de preparado. Extração do óleo: O óleo inseticida é extraído pela prensagem das sementes, Receita 1 - Folhas do Neem utilizadas na conservação de grãos e sementes Receita 2 - Sementes do Neem como inseticida para controle de lagarta do cartucho, lagarta das hortaliças, gafanhoto Receita 3 - Sementes do Neem como inseticida Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo
  • 14. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2726 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS PIMENTA MALAGUETA A pimenta malagueta (Capsicum frutescens) também conhecida por malaguetinha-caipira, a cultura popular no interior dos estados de Minas Gerais e de Goiás, identifica a maioria das variedades encontradas no comércio com o rótulo de "pimenta-café". Esta denominação decorre do aroma característico da fruta que se assemelha ao cheiro do grão de café em fase de secagem. Nativa de regiões tropicais da América, este arbusto possui folhas ovais, acuminadas, flores alvas e bagas fusiformes, vermelhas, bastante picantes, utilizadas como condimento e excitantes do aparelho digestivo. Tem boa eficiência quando concentrada e misturada com outros defensivos naturais, no combate a pulgões, vaquinhas, grilos e lagartas. constitui boa fonte de vitaminas, principalmente C e, em tipos ingeridos secos, vitamina A. Apresenta ainda cálcio, ferro, caroteno, tiamina, niacina, riboflavina e fibras. 5g de pimentas malaguetas secas e moídas 1Kg de grãos Embalagem polietileno (embalagem plástica) ou garrafa PET Secar o fruto a sombra. Misturar as folhas secas e moídas com os grãos e armazenar em embalagem impermeável. Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Receita 1 – Pimenta malagueta utilizada na conservação de grãos e sementes Receitas 4 - O prensado de Neem utilizado como inseticida no solo Receitas sugeridas utilizando óleo de Neem para controle de insetos e pragas Receita 5 Receita 6 Receita 7 Receita 8 Receita 9 Misturando-se com o solo na base de 1 a 2 t/ha. Esta medida protege berinjela contra minadoras e tomates contra nematóides e septorioses. Óleo de Neem a 2% (20ml/l) utilizado contra gorgulho (Sitophilus zeamais) Extrato aquoso de folhas de Neem a 7% (70ml/l) utilizado contra vaquinha (Ceratoma tingomarianus) Óleo de Neem a 0,5% (5ml/l) utilizado contra Pulgão (acerola) Óleo de Neem (2ml) + óleo safrol (2ml), para 200 sementes utilizado contra caruncho do feijoeiro (Zabrotes subfasciatus) Óleo de Neem a 4%(40ml/l) + 1% de sabão neutro utilizado contra mosca branca (Bemisia argentifolii) l O Nim inibe a alimentação de insetos, repelente natural de insetos, interrompe o crescimento do inseto por provocar distúrbios na ecdise, troca de fase, impede comunicação sexual dos insetos, diminuindo a postura e matando ovos, larvas e insetos adultos, percevejo castanho, lagarta elasmo, poró, vaquinha etc.. não contamina insetos benéficos à lavoura e predadores naturais. Dicas e Curiosidades
  • 15. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 2928 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS SABONETEIRA A saboneteira (Sapindus saponaria L.) é uma árvore de quatro a nove metros de altura, bastante ramosa, também conhecida como: fruta-de-sabão, jequitiguaçu, pau-de- sabão, sabão-de-macaco, sabão-de-mico, sabão-de- soldado, sabãozinho, sabonete, sabonete-de-soldado, saboneteiro. Seus frutos muito ricos em saponina, quando esfregado na água, produzem forte espuma com propriedade inseticida e sarnicida. saponinas, ácidos graxos, amirina, antocianina, esteróides insaturados, triterpenos, luteolina, tanino, rutina, sitosterol. 6 frutos 60Kg de grãos Amasse seis frutos, depois misture com os grãos e armazene em local seco e protegido. Os frutos amassados funcionam como inseticida. 10ml de extrato 1Kg de feijão Para preparação, deve-se colocar em um vidro com tampa rosqueável 50g do fruto em pó em 100ml de acetona. A mistura deverá ser muito bem agitada e deixada em repouso por 24 horas. Decorrido o tempo, será filtrada, dando o extrato acetônico de saboneteira. Adicionar o extrato acetônico em álcool etilico, na proporção de 20ml do extrato para 980ml de álcool. Mistura 10ml do preparado com álcool para cada 1kg de feijão. s frutos, ricos em saponina, produzem espuma, sendo usados como sabão pelos indígenas, e tem ação eficaz contra piolhos. Princípios ativos: Ingredientes Modo de preparo Ingredientes Modo de preparo Curiosidade l O Receita 1 – Saboneteira utilizada como inseticida Receita 2 – Extrato acetônico alcoólico de saboneteira contra ataque do caruncho no feijão Receita 2 – Empregada como um defensivo natural em pequenas hortas e pomares Receita 3 – Pimenta repelente de pulgão e cochonilha Receita 4 – Pimenta repelente de pulgão e cochonilha Ingredientes 50g de fumo de corda picado 1 punhado de pimenta vermelha 1 litro de álcool 250g de sabão em pó ou detergente 10 litros de água Modo de preparo Dentro do álcool, coloque o fumo e a pimenta, deixando essa mistura curtir durante 7 dias. Para usar essa solução, dilua o conteúdo em água com o sabão em pó dissolvido ou então, detergente, de modo que o inseto grude nas folhas e nos frutos. No caso de hortaliças e medicinais, aconselha-se respeitar um intervalo mínimo de 12 dias antes da colheita. Ingredientes 500g de pimenta vermelha (malagueta) 4 litros de água 5 colheres (sopa) de sabão de coco em pó Modo de preparo Bater as pimentas em um liquidificador com 2 litros de água até a maceração total. Coar o preparado e misturar com o sabão de coco em pó, acrescentando então os 2 litros de água restantes. Pulverizar sobre as plantas atacadas. Coloque a pimenta em uma vasilha e soque-a até triturar bem. Cubra com água e deixe descansar de um dia para o outro. No dia seguinte, mexa bem e coe para não entupir o pulverizador. Curiosidade O cultivo de pimentas era uma característica de tribos indígenas brasileiras quando do descobrimento do Brasil. Com a imensa variabilidade de pimentas nativas, certamente pode-se supor que diversas tribos cultivavam e colhiam pimentas; e o plantio de pimenta por tribos indígenas continua até hoje, como entre os índios mundurucus, da bacia do rio Tapajós. l
  • 16. RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS 3130 RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS NO CONTROLE DE PRAGAS CONSULTAS BIBLIOGRÁFICAS BALTAZAR, A. B. S.; Uso de açafrão (Curcuma longa L.) para controle de insetos em milho (Zea mays L.) armazenado. Dissertação apresentada em cumprimento parcial aos requisitos para obtenção do Título de Mestre em Engenharia Agrícola – Área de Concentração: Pre – Processamento de Produtos Agropecuários. Campinas-SP, novembro de 1994. 122p. BRUNHEROTTO, R., Bioatividade de extratos aquosos de (Melia azedarach L. e Azadirachta índica A. Juss) sobre Tuta absoluta criadas em diferentes genótipos de tomateiro. Piracicaba, ESALQ – USP, 2000. 76p. (Dissertação de Mestrado – escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz). DE NARDO E. A. B., Frighetto R. S., Contieri, M. A., Barbosa, S. C. P., Avaliação de diferentes pós e extratos vegetais no tratamento de sementes de feijão ( Phaseolus vulgaris L.) contra o caruncho Acanthoscelides obtetus (Say). In: Congresso Brasileiro de Entomologia, 14, 24/29 jan. 1993, Piracicaba. Resumos... Piracicaba: Sociedade Brasileira Entomólogica do Brasil, 1993. 224p. GUERRA, M. S.; Receituário caseiro: alternativa para o controle de pragas e doenças de plantas cultivadas e de seus produtos. Embrater, Brasília-DF, 1985. 166p. LOTUFFO, D. C.; Efeito do uso de folha de eucalipto (Eucalipitus citriodora) na armazenagem de milho (Zea mays L.) em espiga, com palha, em pequenas propriedades rurais. Tese de Mestrado, apresentada à Faculdade de Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas. Campinas-SP, 1998. 102p. MECELIS, N. R.; Efeito de produtos vegetais na qualidade fisiológica e anitária de sementes de labe-labe (Dolichos lablab L.) na armazenagem. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Agrícola. Campinas-SP, 1999. 90p. PREVIERO C. A., Nóbrega S. L., Fernandez G. A. V., Maranhão N. P., Sampaio C. P.; Avaliação do Falso-Açafrão na qualidade de sementes de milho (Zea mays l.) armazenado. Escrito para apresentação no XXXV Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA. João Pessoa-PB, 2006. PREVIERO C. A., Nóbrega S. L., Costa C. M., Maranhão N. P.; Uso do Nim (Azadirachta índica A. Juss) na conservação sementes de milho durante o armazenamento em Palmas, Tocantins. Escrito para apresentação no XXXII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA. Goiânia-GO, 2003. PREVIERO C. A., Nóbrega S. L., Negreiros F. S., Sobrinho D. B.; Tratamento alternativo na infestação de insetos em sementes de milho durante o armazenamento. Escrito SÍTIOS ELETRÔNICOS ALIMENTOS VEGETAIS. Disponível em: < www.portalsaofrancisco.com.br > consulta em março de 2010 ARMAZENAR ALIMENTOS EM GARRAFAS PLÁSTICAS (PET). Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/11814227/Armazenar-alimentos-em-Garrafas-Plasticas- PET > consulta em março de 2010 CONTROLE NATURAL DE PRAGAS. Disponível em: <http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./agropecuario/index.html &conteudo=./agropecuario/artigos/controlepragas.html > consulta em março de 2010 NATURAL RURAL; Tudo que você precisa saber sobre o NEEM / NIM e muita mais! Disponível em: < http://guia.mercadolivre.com.br/tudo-voc-precisa-saber-sobre-neem- nim-muita-mais-12624-VGP > consulta em abril de 2010 NICOTINA. Disponível em <http://www.euvouparardefumar.com/nicotina/ > consulta em abril de 2010 PLANTAS E ERVAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS. Disponível em <http://www.plantamed.com.br/plantaservas/especies/Sapindus_saponaria.htm > consulta em abril de 2010 PLANTAS MEDICINAIS. Disponível em <http://www.cantoverde.org/150plantas/organizacao.htm > consulta em abril de 2010 PRODUTOS E SERVIÇOS AGROFLORESTAIS PRODUÇĂO E COMERCIALIZAÇĂO DE MUDAS, SEMENTES, ÓLEO, TORTA E PÓ DE NIM. Guanambi-Bh. Disponível em: <www.nimbahia.com.br > consulta em março de 2010 para apresentação no XXXII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA. Goiânia-GO, 2003. TAKAHASHI, M. & Yabiku, H.; Corantes naturais: usos, restrições e perspectivas. Revista brasileira de corantes naturais. Viçosa-MG, v. 1, nº 1, p. 246-247, 1992. XERENTE, D. K., PREVIERO, C.A., FLORENCIO, L.K., SOUZA, E.L.S. Uso popular de plantas medicinais no Assentamento Mariana, em Palmas – TO. Escrito para apresentação na IX Jornada de Iniciação Científica do CEULP/ULBRA. Palmas-TO, 2009, Anais CD.