SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Baixar para ler offline
DIFERENCIAÇÃO
   PEDAGÓGICA


Formadora:
Patrícia Almeida
CONTEÚDOS
Diferenciar Porquê?
  Teoria das Inteligências Múltiplas.
  Estilos de Aprendizagem.
  Hierarquia das Necessidades de Maslow.
  Modelo Ecológico.
Diferenciação como factor de inclusão.
  Grupos em risco de exclusão social.
Pedagogia Diferenciada e Diferenciação Pedagógica:
Conceitos.
Tipos de Diferenciação Pedagógica.
Como diferenciar?


                      Patrícia Praça de Almeida   2
Para assegurar uma
selecção justa, vão
fazer   todos     o
mesmo teste. Têm
que subir aquela
árvore.




                      Patrícia Praça de Almeida   3
DIFERENCIAR PORQUÊ?

Todos os alunos apresentam
características próprias.




         Patrícia Praça de Almeida   4
Patrícia Praça de Almeida   5
DIFERENCIAR PORQUÊ?
Cada um revela: pontos fortes e
pontos      fracos,    tipos de
inteligência variados.




           Patrícia Praça de Almeida   6
DIFERENCIAR PORQUÊ?
Para pensar…..

“a Inteligência é a capacidade de
resolver problemas ou produzir
produtos valorizados pela sociedade
em que o indivíduo vive.”
                                             (Gardner e Sternberg)




                 Patrícia Praça de Almeida                           7
DIFERENCIAR PORQUÊ?
 Teoria das Inteligências Múltiplas
  O professor, que considere a teoria das inteligências
múltiplas (Gardner, 1993), deve também ter em conta as
inteligências dos seus alunos.
  Numa escola que valoriza sobretudo as inteligências
linguística e lógico-matemática, os alunos com maior
desenvolvimento noutro tipo de inteligências acabam por
ter menor sucesso.
  Assim, um ensino eficaz deve conceber estratégias que
contemplem as características dos diferentes tipos de
inteligência.



                    Patrícia Praça de Almeida         8
DIFERENCIAR PORQUÊ?
 Características dos sete tipo de inteligências
                               (sinopse)
Tipo de inteligência Características

Linguística          Pensa com palavras. Gosta de ler, escrever, trabalhar
                     com textos e com histórias, fazer jogos de palavras,
                     diálogos e debates.

Lógico-              Pensa através do raciocínio e da dedução. Gosta de
                     experimentar, questionar, calcular, reflectir e raciocinar.
matemática
Visual-espacial      Pensa através de imagens e relações espaciais.
                     Visualiza com facilidade. Gráficos, imagens, diagramas,
                     mapas de ideias, mapas de conceitos são bons
                     auxiliares para a aprendizagem.
                     Gosta de desenhar, elaborar esquemas, fazer puzzles,
                     ler livros ilustrados.
                            Patrícia Praça de Almeida                         9
Tipos de       Características
inteligência

Cinestésica    Toma consciência da realidade através do corpo.
               A melhor forma de ter sucesso na escola é aprender o que aí
               é ensinado com o seu próprio corpo. Aprende fazendo e gosta
               de actividades como: gestos, dramatizações, movimento,
               exercício físico.

Musical        Pensa através do ritmo e da melodia. Gosta de cantar, ouvir,
               marcar ritmos e a criação de melodias podem ser poderosos
               auxiliares na aprendizagem e na memorização.

Interpessoal   Pensa através da troca de ideias com outras pessoas. Gosta
               de organizar, liderar, trabalhar em grupo, participar em
               acontecimentos sociais.

Intrapessoal   Precisa de um tempo e de um espaço               individuais
               introspectivos para amadurecer as ideias.


                           Patrícia Praça de Almeida                   10
Patrícia Praça de Almeida   11
DIFERENCIAR PORQUÊ?
Cada um revela: estilos de
aprendizagem variados.




         Patrícia Praça de Almeida   12
DIFERENCIAR PORQUÊ?
        CASCÃO,
        ENSINEI O
!?!   FLOQUINHO A
                                                    ASSOBIA
       ASSOBIAR !                                  FLOQUINHO
                                                       !!




                                                  EU DISSE QUE
                                                ENSINEI, NÃO QUE
                                                  ELE HAVIA
                                                 APLENDIDO!!!




                    Patrícia Praça de Almeida                      13
DIFERENCIAR PORQUÊ?
    Estilos de aprendizagem
Ensinar e Aprender devem ser vistas
como duas entidades separadas, embora
fortemente ligadas. Há atitudes e
processos ligados ao ensinar, mas há
também atitudes e processos ligados ao
aprender.
                                         (Paulo Freire)




             Patrícia Praça de Almeida               14
DIFERENCIAR PORQUÊ?
 Estilos de aprendizagem




         Patrícia Praça de Almeida   15
DIFERENCIAR PORQUÊ?
    Estilos de aprendizagem
São formas pessoais de apropriação do saber.
Definem à partida as competências mais fortes
e menos fortes do aluno.
São uma preferência característica e dominante
na forma como os alunos recebem e processam
informações.
                                     (Felder, 2002).


                  Patrícia Praça de Almeida       16
DIFERENCIAR PORQUÊ?
       Estilos de aprendizagem
(Canais de Recepção e Tratamento da Informação)

A - Estilo de aprendizagem Visual.
B – Estilo de aprendizagem Auditivo.
C – Estilo de aprendizagem Táctil / Cinestésico.




                    Patrícia Praça de Almeida      17
“Como estamos a iniciar o ano, gostaria de
informar o Sr. Professor de que o meu estilo
de aprendizagem é Táctil - Cinestésico.”
             Patrícia Praça de Almeida         18
As capacidades e processos de aprendizagem

Capacidades               Processos
Sensoriais                Recepção da informação
Perceptivas               Selecção da informação

Cognitivas
1.   Atenção cognitiva    1.      Atribuição de significado pessoal à
2.   Memória                      informação – compreensão
3.   Raciocínio           2.      Integração
                          3.      Evocação/organização mental da
                                  resposta
Motoras                   Resposta (se o aluno aprendeu consegue
                          explicar por palavras suas)

                         Patrícia Praça de Almeida                 19
DIFERENCIAR PORQUÊ?

Cada um revela: interesses e
necessidades diferentes.




          Patrícia Praça de Almeida   20
DIFERENCIAR PORQUÊ?




      Patrícia Praça de Almeida   21
Patrícia Praça de Almeida   22
Patrícia Praça de Almeida   23
Tratar por igual, o que é diferente é discriminar negativamente…
                        Patrícia Praça de Almeida                  24
                    (Principio da não desigualdade)
DIFERENCIAR PORQUÊ?

Cada indivíduo está inserido num
           contexto.



 MODELO ECOLÓGICO DE BONFERBRENNER




             Patrícia Praça de Almeida   25
Patrícia Praça de Almeida   26
Patrícia Praça de Almeida   27
DIFERENCIAÇÃO COMO FACTOR DE INCLUSÃO
      GRUPOS EM RISCO DE EXCLUSÃO SOCIAL




                 Patrícia Praça de Almeida   28
DIFERENCIAÇÃO COMO FACTOR DE INCLUSÃO
      GRUPOS EM RISCO DE EXCLUSÃO SOCIAL
                (MINORITÁRIOS)




                 Patrícia Praça de Almeida   29
Patrícia Praça de Almeida   30
PEDAGOGIA DIFERENCIADA
                  O que é?
A pedagogia diferenciada é uma pedagogia
dos processos:


desencadeia-se num ambiente de aprendizagem
aberto, onde as aprendizagens são explicitadas
e identificadas de modo a que os alunos
aprendam segundo os seus próprios itinerários
de apropriação dos saberes e do fazer.

                                              (Przesmychi)
                  Patrícia Praça de Almeida                  31
DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA
                    O que é?
É a adequação do estilo de ensino aos estilos de aprendizagem.


 Uma educação baseada na diferenciação dos
  estilos de aprendizagem tem como ponto de
  partida a identificação e a valorização das
  competências mais evidentes dos alunos.
 Os professores devem recorrer a estratégias
  diversificadas, materiais e recursos de diferente
  natureza e de formato diverso.

                       Patrícia Praça de Almeida         32
Para Perrenoud…
DIFERENCIAÇÃO é “romper com a
 pedagogia magistral – a mesma lição e os
 mesmos exercícios para todos ao mesmo
 tempo – mas é sobretudo uma maneira de
 pôr em funcionamento uma organização
 de trabalho que integre dispositivos
 didácticos, de forma a colocar cada aluno
 perante a situação mais favorável”.

                Patrícia Praça de Almeida   33
MITOS SOBRE DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA

A diferenciação consiste na realização de
exercícios auto corrigíveis.
A diferenciação consiste na resolução de
situações problema.
O professor não usa o método expositivo.
A diferenciação não resulta em turmas que
pretendem ter médias altas em exames.
 A diferenciação destina-se principalmente
a alunos com NEE.
               Patrícia Praça de Almeida   34
Princípios da diferenciação pedagógica
 1.O   professor põe em evidência o essencial – o que é
   importante.
 2.O professor tem que reconhecer as diferenças entre os
   alunos.
 3.A avaliação e a instrução são inseparáveis – a avaliação
   deve ser continua, formativa. Fazer diários, portefólios,
   inventariar capacidades e aplicar questionários de
   interesse.
 4.Todos os alunos têm de participar na sua própria
   instrução.
 5.As propostas/ desafios de trabalho devem ser exequíveis
   (desafios moderados).


                      Patrícia Praça de Almeida         35
Princípios da diferenciação pedagógica
 6.    A informação/ conteúdos devem ter sentido para o
       aluno.
 7.    O professor e os alunos colaboram no processo de
       aprendizagem: planificam, definem objectivos, reflectem
       sobre o progresso, analisam o sucesso e os fracassos.
 8.    O professor estabelece equilíbrio entre as normas
       individuais e de grupo.
 9.    O professor muda o conteúdo, o processo e o
       produto de acordo com:
      • a disponibilidade dos alunos;
      • o interesse dos alunos;
      • o perfil de aprendizagem dos alunos.


                        Patrícia Praça de Almeida         36
Quais os tipos de Diferenciação Pedagógica?

     Podemos diferenciar ao nível de:
     1.Conteúdos
     2. Processos
     3. Produtos



                 Patrícia Praça de Almeida   37
1. DIFERENCIAÇÃO DE CONTEÚDOS

 Permitir que os alunos
conheçam diferentes tipos de
textos e documentos sobre um
determinado tema;
 Estabelecer as competências e
objectivos para os alunos com
necessidade de adaptações
curriculares e transmitir o que se
espera deles.


                      Patrícia Praça de Almeida   38
2. DIFERENCIAÇÃO DE PROCESSOS
Estratégias e actividades de acordo com o perfil dos
    alunos:
    Resumo da aula no seu início;
    Realização de questões orientadoras/ questões de
    partida (competências essenciais);
    Instruções concretas;
    Técnica dos andaimes – scaffolding;

   Transmissão de estratégias cognitivas e
   metacognitivas;
   Formação de grupos;
   Quadro de tarefas/ objectivos;
   Organização de portefólios;
   Realização de exercícios/ ficheiros/ jogos;
                    Patrícia Praça de Almeida          39
2. DIFERENCIAÇÃO DE PROCESSOS
Formação de dicionários de conceitos;
Utilização de recursos de apoio à organização do
estudo;
Estratégia Puzzle: Desenvolvimento de
interdependência;
Valorização do feedback dos alunos;
Negociação de prémios;
Auto – avaliação do trabalho realizado (diário; semanal;
mensal…);



                    Patrícia Praça de Almeida          40
3. DIFERENCIAÇÃO DE PRODUTOS
•A avaliação tradicional valoriza os
testes padronizados, destinados ao
“aluno médio”.
•A avaliação contínua é muitas vezes
desvalorizada.
•O professor pode usar diferentes
instrumentos para avaliação:
    Grelhas de observação;
    Portefólios;
    Trabalhos de casa;
    Fichas de avaliação;
•A avaliação deve ter em conta o
desenvolvimento intraindividual do
aluno.                Patrícia Praça de Almeida   41
PEDAGOGIA DIFERENCIADA
                   Como fazer?
A nível da sala de aula preconiza-se por:

1. Atitude flexível e sensibilidade do professor.
2. Gestão aberta do tempo lectivo.
3. Análise dos estilos de aprendizagem dos alunos.
4. Valorização do trabalho autónomo dos alunos.
5. Negociação aluno/professor.
6. Diversificação de estratégias, actividades, materiais.
7. Utilização de novas formas de avaliação.
8. Trabalho de equipa.


                     Patrícia Praça de Almeida              42
1. Atitude flexível e sensibilidade
do professor
Ultrapassar a insegurança que sente face à perspectiva de
“abandonar” formas de ensinar que aprendeu.
Rentabilizar o seu saber fazer e a sua experiência, em novas
abordagens do acto educativo.
Criar um clima de boa vontade com os colegas para a
experimentação conjunta de novos percursos.
Implementar o trabalho de equipa para a elaboração de
instrumentos de trabalho:
     1.   Inventário de objectivos.
     2.   Tabelas de progressão na aprendizagem.
     3.   Fichas de avaliação diagnostica das dificuldades do aluno.
     4.   Fichas de auto-avaliação no fim de uma sequência de aprendizagem.
     5.   Fichas de trabalho autónomo variadas e adaptadas aos diferentes
          processos de aprendizagem.

                           Patrícia Praça de Almeida                  43
1. Atitudes dos envolvidos
 •Abertura à mudança;
 •Criação e promoção de um clima
 seguro, encorajador, eficiente e
 colaborativo;
 •Estabelecimento de regras;
 •Valorização de todos os envolvidos;
 •Incentivo à auto - estima, à motivação,
 à regulação de comportamentos e ao
 sucesso;
 •Distribuição    de      tarefas   entre
 professores e alunos.
              Patrícia Praça de Almeida     44
2. Gestão aberta do tempo lectivo

 Para realizar um projecto de pedagogia
 diferenciada é importante diferenciar os
 conteúdos e os processos, o que exige
 uma estruturação do tempo diferente.
 O professor planifica e organiza o tempo
 e os grupos de acordo com os estilos de
 aprendizagem dos seus alunos.



              Patrícia Praça de Almeida   45
3. Análise dos estilos de
    aprendizagem dos alunos
                Discussão/Reflexão

  Como fazer a análise do estilo de aprendizagem dos
  alunos?
  Que forma de ter em conta o respeito pelo estilo de
  aprendizagem do aluno?
  Que possibilidades de escolha tem o aluno e em que
  domínios?
  Qual o papel do professor no processo de
  aprendizagem?
  Que tipos de avaliação vai utilizar?


                  Patrícia Praça de Almeida      46
3. Análise dos estilos de aprendizagem dos
                   alunos

 Como identificar os estilos de aprendizagem?
      Para identificar os estilos de aprendizagem
      de um aluno, o professor tem que recolher
      informação relativamente a cada aluno, nos
      seguintes aspectos:
 1.   A motivação (grau de envolvimento na tarefa).
 2.   As capacidades e processos de aprendizagem.
 3.   Os saberes prévios do aluno.
 4.   Os hábitos e métodos de trabalho.

                    Patrícia Praça de Almeida   47
Caracterização dos alunos:
      Interesses e expectativas;
      Estilos de aprendizagem;
      Inteligências Múltiplas;
      Aprendizagens de cada área.


Quanto mais o Professor sabe sobre o seu aluno mais eficaz
se torna o processo de ensino - aprendizagem.
Esta informação pode ser utilizada para ajudar os alunos
a conhecerem melhor a sua forma de aprender.

                       Patrícia Praça de Almeida           48
5. Negociação

 A negociação entre professor/alunos: regras devem
 estar bem definidas desde o início do ano.
 Os alunos definem com o professor objectivos de
 aprendizagem individual/turma, estabelecendo os
 conteúdos, a forma de os abordar (trabalho
 individual/de grupo), o tempo necessário para a sua
 concretização.
 Discussão de “prémios” ou “penalidades”.




                  Patrícia Praça de Almeida       49
6. Diversificação

 Formas de agrupamento dos alunos;
 Graduação da dificuldade da tarefa;
 exercício; ficha.
 Transmissão de estratégias cognitivas e
 metacognitivas;




               Patrícia Praça de Almeida   50
7. Avaliação
   A     avaliação    tradicional valoriza  os    testes
   padronizados, destinados ao “aluno médio”.
   A avaliação contínua é muitas vezes desvalorizada.
   O professor pode usar diferentes instrumentos para
   avaliação:
Grelhas de observação;
Portefólios;
Trabalhos de casa;
Fichas de avaliação;
   A avaliação deve ter em conta o desenvolvimento
   intraindividual do aluno.


                    Patrícia Praça de Almeida         51
“Diz-me e eu esquecerei,
Ensina-me e eu lembrar-me-ei,
Envolve-me e eu aprenderei.”
                                        Provérbio Chinês




            Patrícia Praça de Almeida                      52

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaFundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaVanessa Casaro
 
RE-VA-M2 - Estilos de Aprendizagem
RE-VA-M2 - Estilos de AprendizagemRE-VA-M2 - Estilos de Aprendizagem
RE-VA-M2 - Estilos de AprendizagemMilton JB Sobreiro
 
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMMapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMInstituto A Vez do Mestre
 
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencaoPsicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencaoSergio Luis dos Santos Lima
 
Aprendereensinar
AprendereensinarAprendereensinar
AprendereensinarVida Bella
 
Andragogia: nova arte de formação
Andragogia: nova arte de formaçãoAndragogia: nova arte de formação
Andragogia: nova arte de formaçãoIsabel Cunha
 
Pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Especial - Pós Educa+ EAD
Pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Especial - Pós Educa+ EADPós-graduação em Psicopedagogia e Educação Especial - Pós Educa+ EAD
Pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Especial - Pós Educa+ EADGrupo Educa Mais EAD
 
O professor, seus saberes e suas crenças
O professor, seus saberes e suas crençasO professor, seus saberes e suas crenças
O professor, seus saberes e suas crençasEzio Souza
 
A psicopedagogia e as modalidades
A psicopedagogia e as modalidadesA psicopedagogia e as modalidades
A psicopedagogia e as modalidadesestudante
 
Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.
Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.
Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.Gliciane S. Aragão
 
Andragogia na educação universitária
Andragogia na educação universitáriaAndragogia na educação universitária
Andragogia na educação universitáriaLoureni Reis
 

Mais procurados (18)

Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogiaFundamentos epistemológicos da psicopedagogia
Fundamentos epistemológicos da psicopedagogia
 
andragogia
andragogiaandragogia
andragogia
 
Andragogia
AndragogiaAndragogia
Andragogia
 
RE-VA-M2 - Estilos de Aprendizagem
RE-VA-M2 - Estilos de AprendizagemRE-VA-M2 - Estilos de Aprendizagem
RE-VA-M2 - Estilos de Aprendizagem
 
História da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didáticaHistória da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didática
 
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVMMapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
Mapa Mental: Psicopedagogia Institucional - IAVM
 
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencaoPsicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao
 
Aprendereensinar
AprendereensinarAprendereensinar
Aprendereensinar
 
Andragogia: nova arte de formação
Andragogia: nova arte de formaçãoAndragogia: nova arte de formação
Andragogia: nova arte de formação
 
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial   pdfApostila o psicopedagogo e a educação especial   pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
 
Pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Especial - Pós Educa+ EAD
Pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Especial - Pós Educa+ EADPós-graduação em Psicopedagogia e Educação Especial - Pós Educa+ EAD
Pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Especial - Pós Educa+ EAD
 
Modalidades de aprendizagem
Modalidades de aprendizagemModalidades de aprendizagem
Modalidades de aprendizagem
 
O professor, seus saberes e suas crenças
O professor, seus saberes e suas crençasO professor, seus saberes e suas crenças
O professor, seus saberes e suas crenças
 
A psicopedagogia e as modalidades
A psicopedagogia e as modalidadesA psicopedagogia e as modalidades
A psicopedagogia e as modalidades
 
Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.
Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.
Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.
 
Dez competências para ensinar
Dez competências para ensinarDez competências para ensinar
Dez competências para ensinar
 
City posto edicao11
City posto edicao11City posto edicao11
City posto edicao11
 
Andragogia na educação universitária
Andragogia na educação universitáriaAndragogia na educação universitária
Andragogia na educação universitária
 

Semelhante a Diferenciacãoo Pedagógica

Dinamizando a prática psicopedagógica mediante o estudo das inteligências múl...
Dinamizando a prática psicopedagógica mediante o estudo das inteligências múl...Dinamizando a prática psicopedagógica mediante o estudo das inteligências múl...
Dinamizando a prática psicopedagógica mediante o estudo das inteligências múl...Amanda Paiva
 
Desenho universal de aprendizagem trabalho
Desenho universal de aprendizagem trabalhoDesenho universal de aprendizagem trabalho
Desenho universal de aprendizagem trabalhoPatimelo2
 
Diferenciação pedagógica
Diferenciação pedagógicaDiferenciação pedagógica
Diferenciação pedagógicaIdalina Jorge
 
Orientação Técnica Educação Financeira - Ensino Fundamental - anos finais
Orientação Técnica Educação Financeira - Ensino Fundamental - anos finaisOrientação Técnica Educação Financeira - Ensino Fundamental - anos finais
Orientação Técnica Educação Financeira - Ensino Fundamental - anos finaisAydê Pereira Salla
 
Apostila de didatica parte 1 - visao geral
Apostila de didatica   parte 1 - visao geralApostila de didatica   parte 1 - visao geral
Apostila de didatica parte 1 - visao geralafpinto
 
Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1Priscilla Binotto
 
O que e ensinar
O que e ensinarO que e ensinar
O que e ensinarprointiced
 
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013Andreia Pessôa de Oliveira
 
Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Marlova Balke
 
Pip integracao-uma-urgencia-permanente-aaa
Pip integracao-uma-urgencia-permanente-aaaPip integracao-uma-urgencia-permanente-aaa
Pip integracao-uma-urgencia-permanente-aaaAlexandre Lopes
 
Didática do ensino superior 02 aula 04 de abril de 2013
Didática do ensino superior 02 aula 04 de abril de  2013Didática do ensino superior 02 aula 04 de abril de  2013
Didática do ensino superior 02 aula 04 de abril de 2013Ronilson de Souza Luiz
 
DIDÁCTICA - RUI ALBERTO 2024_091316.pptx
DIDÁCTICA - RUI ALBERTO 2024_091316.pptxDIDÁCTICA - RUI ALBERTO 2024_091316.pptx
DIDÁCTICA - RUI ALBERTO 2024_091316.pptxradiusae2023
 
Capacitacao Consultores Final
Capacitacao Consultores FinalCapacitacao Consultores Final
Capacitacao Consultores FinalCCAC
 

Semelhante a Diferenciacãoo Pedagógica (20)

Diferenciacão pedagogica
Diferenciacão pedagogicaDiferenciacão pedagogica
Diferenciacão pedagogica
 
Dinamizando a prática psicopedagógica mediante o estudo das inteligências múl...
Dinamizando a prática psicopedagógica mediante o estudo das inteligências múl...Dinamizando a prática psicopedagógica mediante o estudo das inteligências múl...
Dinamizando a prática psicopedagógica mediante o estudo das inteligências múl...
 
Desenho universal de aprendizagem trabalho
Desenho universal de aprendizagem trabalhoDesenho universal de aprendizagem trabalho
Desenho universal de aprendizagem trabalho
 
Professor x Educador
Professor x EducadorProfessor x Educador
Professor x Educador
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Diferenciação pedagógica
Diferenciação pedagógicaDiferenciação pedagógica
Diferenciação pedagógica
 
Avaliação - reflexões
Avaliação - reflexõesAvaliação - reflexões
Avaliação - reflexões
 
Orientação Técnica Educação Financeira - Ensino Fundamental - anos finais
Orientação Técnica Educação Financeira - Ensino Fundamental - anos finaisOrientação Técnica Educação Financeira - Ensino Fundamental - anos finais
Orientação Técnica Educação Financeira - Ensino Fundamental - anos finais
 
Apostila de didatica parte 1 - visao geral
Apostila de didatica   parte 1 - visao geralApostila de didatica   parte 1 - visao geral
Apostila de didatica parte 1 - visao geral
 
Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1Didática professores trânsito fácil1
Didática professores trânsito fácil1
 
O que e ensinar
O que e ensinarO que e ensinar
O que e ensinar
 
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
Formação Continuada de professores - Estudo de grupo 2013
 
História da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didáticaHistória da pedagogia e da didática
História da pedagogia e da didática
 
Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2Professor Reflexivo 2
Professor Reflexivo 2
 
Pip integracao-uma-urgencia-permanente-aaa
Pip integracao-uma-urgencia-permanente-aaaPip integracao-uma-urgencia-permanente-aaa
Pip integracao-uma-urgencia-permanente-aaa
 
Celso antunes
Celso antunesCelso antunes
Celso antunes
 
Didática do ensino superior 02 aula 04 de abril de 2013
Didática do ensino superior 02 aula 04 de abril de  2013Didática do ensino superior 02 aula 04 de abril de  2013
Didática do ensino superior 02 aula 04 de abril de 2013
 
DIDÁCTICA - RUI ALBERTO 2024_091316.pptx
DIDÁCTICA - RUI ALBERTO 2024_091316.pptxDIDÁCTICA - RUI ALBERTO 2024_091316.pptx
DIDÁCTICA - RUI ALBERTO 2024_091316.pptx
 
DIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptxDIDÁTICA GERAL.pptx
DIDÁTICA GERAL.pptx
 
Capacitacao Consultores Final
Capacitacao Consultores FinalCapacitacao Consultores Final
Capacitacao Consultores Final
 

Mais de perpetuaparreira

Mais de perpetuaparreira (10)

Diferenciacao pedagogica
Diferenciacao pedagogicaDiferenciacao pedagogica
Diferenciacao pedagogica
 
Diferenciacão Pedagógica
Diferenciacão PedagógicaDiferenciacão Pedagógica
Diferenciacão Pedagógica
 
Nao faz mal ser diferente
Nao faz mal ser diferenteNao faz mal ser diferente
Nao faz mal ser diferente
 
Cif cj
Cif   cjCif   cj
Cif cj
 
manual de apoio à pratica
manual de apoio à praticamanual de apoio à pratica
manual de apoio à pratica
 
Manual de Apoio à Prática
Manual de Apoio à PráticaManual de Apoio à Prática
Manual de Apoio à Prática
 
Declaração de salamanca
Declaração de salamancaDeclaração de salamanca
Declaração de salamanca
 
Declaração de Salamanca
Declaração de SalamancaDeclaração de Salamanca
Declaração de Salamanca
 
Declaração de Salamanca
Declaração de SalamancaDeclaração de Salamanca
Declaração de Salamanca
 
Declaração de Salamanca
Declaração de SalamancaDeclaração de Salamanca
Declaração de Salamanca
 

Último

UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 

Diferenciacãoo Pedagógica

  • 1. DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida
  • 2. CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico. Diferenciação como factor de inclusão. Grupos em risco de exclusão social. Pedagogia Diferenciada e Diferenciação Pedagógica: Conceitos. Tipos de Diferenciação Pedagógica. Como diferenciar? Patrícia Praça de Almeida 2
  • 3. Para assegurar uma selecção justa, vão fazer todos o mesmo teste. Têm que subir aquela árvore. Patrícia Praça de Almeida 3
  • 4. DIFERENCIAR PORQUÊ? Todos os alunos apresentam características próprias. Patrícia Praça de Almeida 4
  • 6. DIFERENCIAR PORQUÊ? Cada um revela: pontos fortes e pontos fracos, tipos de inteligência variados. Patrícia Praça de Almeida 6
  • 7. DIFERENCIAR PORQUÊ? Para pensar….. “a Inteligência é a capacidade de resolver problemas ou produzir produtos valorizados pela sociedade em que o indivíduo vive.” (Gardner e Sternberg) Patrícia Praça de Almeida 7
  • 8. DIFERENCIAR PORQUÊ? Teoria das Inteligências Múltiplas O professor, que considere a teoria das inteligências múltiplas (Gardner, 1993), deve também ter em conta as inteligências dos seus alunos. Numa escola que valoriza sobretudo as inteligências linguística e lógico-matemática, os alunos com maior desenvolvimento noutro tipo de inteligências acabam por ter menor sucesso. Assim, um ensino eficaz deve conceber estratégias que contemplem as características dos diferentes tipos de inteligência. Patrícia Praça de Almeida 8
  • 9. DIFERENCIAR PORQUÊ? Características dos sete tipo de inteligências (sinopse) Tipo de inteligência Características Linguística Pensa com palavras. Gosta de ler, escrever, trabalhar com textos e com histórias, fazer jogos de palavras, diálogos e debates. Lógico- Pensa através do raciocínio e da dedução. Gosta de experimentar, questionar, calcular, reflectir e raciocinar. matemática Visual-espacial Pensa através de imagens e relações espaciais. Visualiza com facilidade. Gráficos, imagens, diagramas, mapas de ideias, mapas de conceitos são bons auxiliares para a aprendizagem. Gosta de desenhar, elaborar esquemas, fazer puzzles, ler livros ilustrados. Patrícia Praça de Almeida 9
  • 10. Tipos de Características inteligência Cinestésica Toma consciência da realidade através do corpo. A melhor forma de ter sucesso na escola é aprender o que aí é ensinado com o seu próprio corpo. Aprende fazendo e gosta de actividades como: gestos, dramatizações, movimento, exercício físico. Musical Pensa através do ritmo e da melodia. Gosta de cantar, ouvir, marcar ritmos e a criação de melodias podem ser poderosos auxiliares na aprendizagem e na memorização. Interpessoal Pensa através da troca de ideias com outras pessoas. Gosta de organizar, liderar, trabalhar em grupo, participar em acontecimentos sociais. Intrapessoal Precisa de um tempo e de um espaço individuais introspectivos para amadurecer as ideias. Patrícia Praça de Almeida 10
  • 11. Patrícia Praça de Almeida 11
  • 12. DIFERENCIAR PORQUÊ? Cada um revela: estilos de aprendizagem variados. Patrícia Praça de Almeida 12
  • 13. DIFERENCIAR PORQUÊ? CASCÃO, ENSINEI O !?! FLOQUINHO A ASSOBIA ASSOBIAR ! FLOQUINHO !! EU DISSE QUE ENSINEI, NÃO QUE ELE HAVIA APLENDIDO!!! Patrícia Praça de Almeida 13
  • 14. DIFERENCIAR PORQUÊ? Estilos de aprendizagem Ensinar e Aprender devem ser vistas como duas entidades separadas, embora fortemente ligadas. Há atitudes e processos ligados ao ensinar, mas há também atitudes e processos ligados ao aprender. (Paulo Freire) Patrícia Praça de Almeida 14
  • 15. DIFERENCIAR PORQUÊ? Estilos de aprendizagem Patrícia Praça de Almeida 15
  • 16. DIFERENCIAR PORQUÊ? Estilos de aprendizagem São formas pessoais de apropriação do saber. Definem à partida as competências mais fortes e menos fortes do aluno. São uma preferência característica e dominante na forma como os alunos recebem e processam informações. (Felder, 2002). Patrícia Praça de Almeida 16
  • 17. DIFERENCIAR PORQUÊ? Estilos de aprendizagem (Canais de Recepção e Tratamento da Informação) A - Estilo de aprendizagem Visual. B – Estilo de aprendizagem Auditivo. C – Estilo de aprendizagem Táctil / Cinestésico. Patrícia Praça de Almeida 17
  • 18. “Como estamos a iniciar o ano, gostaria de informar o Sr. Professor de que o meu estilo de aprendizagem é Táctil - Cinestésico.” Patrícia Praça de Almeida 18
  • 19. As capacidades e processos de aprendizagem Capacidades Processos Sensoriais Recepção da informação Perceptivas Selecção da informação Cognitivas 1. Atenção cognitiva 1. Atribuição de significado pessoal à 2. Memória informação – compreensão 3. Raciocínio 2. Integração 3. Evocação/organização mental da resposta Motoras Resposta (se o aluno aprendeu consegue explicar por palavras suas) Patrícia Praça de Almeida 19
  • 20. DIFERENCIAR PORQUÊ? Cada um revela: interesses e necessidades diferentes. Patrícia Praça de Almeida 20
  • 21. DIFERENCIAR PORQUÊ? Patrícia Praça de Almeida 21
  • 22. Patrícia Praça de Almeida 22
  • 23. Patrícia Praça de Almeida 23
  • 24. Tratar por igual, o que é diferente é discriminar negativamente… Patrícia Praça de Almeida 24 (Principio da não desigualdade)
  • 25. DIFERENCIAR PORQUÊ? Cada indivíduo está inserido num contexto. MODELO ECOLÓGICO DE BONFERBRENNER Patrícia Praça de Almeida 25
  • 26. Patrícia Praça de Almeida 26
  • 27. Patrícia Praça de Almeida 27
  • 28. DIFERENCIAÇÃO COMO FACTOR DE INCLUSÃO GRUPOS EM RISCO DE EXCLUSÃO SOCIAL Patrícia Praça de Almeida 28
  • 29. DIFERENCIAÇÃO COMO FACTOR DE INCLUSÃO GRUPOS EM RISCO DE EXCLUSÃO SOCIAL (MINORITÁRIOS) Patrícia Praça de Almeida 29
  • 30. Patrícia Praça de Almeida 30
  • 31. PEDAGOGIA DIFERENCIADA O que é? A pedagogia diferenciada é uma pedagogia dos processos: desencadeia-se num ambiente de aprendizagem aberto, onde as aprendizagens são explicitadas e identificadas de modo a que os alunos aprendam segundo os seus próprios itinerários de apropriação dos saberes e do fazer. (Przesmychi) Patrícia Praça de Almeida 31
  • 32. DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA O que é? É a adequação do estilo de ensino aos estilos de aprendizagem. Uma educação baseada na diferenciação dos estilos de aprendizagem tem como ponto de partida a identificação e a valorização das competências mais evidentes dos alunos. Os professores devem recorrer a estratégias diversificadas, materiais e recursos de diferente natureza e de formato diverso. Patrícia Praça de Almeida 32
  • 33. Para Perrenoud… DIFERENCIAÇÃO é “romper com a pedagogia magistral – a mesma lição e os mesmos exercícios para todos ao mesmo tempo – mas é sobretudo uma maneira de pôr em funcionamento uma organização de trabalho que integre dispositivos didácticos, de forma a colocar cada aluno perante a situação mais favorável”. Patrícia Praça de Almeida 33
  • 34. MITOS SOBRE DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA A diferenciação consiste na realização de exercícios auto corrigíveis. A diferenciação consiste na resolução de situações problema. O professor não usa o método expositivo. A diferenciação não resulta em turmas que pretendem ter médias altas em exames. A diferenciação destina-se principalmente a alunos com NEE. Patrícia Praça de Almeida 34
  • 35. Princípios da diferenciação pedagógica 1.O professor põe em evidência o essencial – o que é importante. 2.O professor tem que reconhecer as diferenças entre os alunos. 3.A avaliação e a instrução são inseparáveis – a avaliação deve ser continua, formativa. Fazer diários, portefólios, inventariar capacidades e aplicar questionários de interesse. 4.Todos os alunos têm de participar na sua própria instrução. 5.As propostas/ desafios de trabalho devem ser exequíveis (desafios moderados). Patrícia Praça de Almeida 35
  • 36. Princípios da diferenciação pedagógica 6. A informação/ conteúdos devem ter sentido para o aluno. 7. O professor e os alunos colaboram no processo de aprendizagem: planificam, definem objectivos, reflectem sobre o progresso, analisam o sucesso e os fracassos. 8. O professor estabelece equilíbrio entre as normas individuais e de grupo. 9. O professor muda o conteúdo, o processo e o produto de acordo com: • a disponibilidade dos alunos; • o interesse dos alunos; • o perfil de aprendizagem dos alunos. Patrícia Praça de Almeida 36
  • 37. Quais os tipos de Diferenciação Pedagógica? Podemos diferenciar ao nível de: 1.Conteúdos 2. Processos 3. Produtos Patrícia Praça de Almeida 37
  • 38. 1. DIFERENCIAÇÃO DE CONTEÚDOS Permitir que os alunos conheçam diferentes tipos de textos e documentos sobre um determinado tema; Estabelecer as competências e objectivos para os alunos com necessidade de adaptações curriculares e transmitir o que se espera deles. Patrícia Praça de Almeida 38
  • 39. 2. DIFERENCIAÇÃO DE PROCESSOS Estratégias e actividades de acordo com o perfil dos alunos: Resumo da aula no seu início; Realização de questões orientadoras/ questões de partida (competências essenciais); Instruções concretas; Técnica dos andaimes – scaffolding; Transmissão de estratégias cognitivas e metacognitivas; Formação de grupos; Quadro de tarefas/ objectivos; Organização de portefólios; Realização de exercícios/ ficheiros/ jogos; Patrícia Praça de Almeida 39
  • 40. 2. DIFERENCIAÇÃO DE PROCESSOS Formação de dicionários de conceitos; Utilização de recursos de apoio à organização do estudo; Estratégia Puzzle: Desenvolvimento de interdependência; Valorização do feedback dos alunos; Negociação de prémios; Auto – avaliação do trabalho realizado (diário; semanal; mensal…); Patrícia Praça de Almeida 40
  • 41. 3. DIFERENCIAÇÃO DE PRODUTOS •A avaliação tradicional valoriza os testes padronizados, destinados ao “aluno médio”. •A avaliação contínua é muitas vezes desvalorizada. •O professor pode usar diferentes instrumentos para avaliação: Grelhas de observação; Portefólios; Trabalhos de casa; Fichas de avaliação; •A avaliação deve ter em conta o desenvolvimento intraindividual do aluno. Patrícia Praça de Almeida 41
  • 42. PEDAGOGIA DIFERENCIADA Como fazer? A nível da sala de aula preconiza-se por: 1. Atitude flexível e sensibilidade do professor. 2. Gestão aberta do tempo lectivo. 3. Análise dos estilos de aprendizagem dos alunos. 4. Valorização do trabalho autónomo dos alunos. 5. Negociação aluno/professor. 6. Diversificação de estratégias, actividades, materiais. 7. Utilização de novas formas de avaliação. 8. Trabalho de equipa. Patrícia Praça de Almeida 42
  • 43. 1. Atitude flexível e sensibilidade do professor Ultrapassar a insegurança que sente face à perspectiva de “abandonar” formas de ensinar que aprendeu. Rentabilizar o seu saber fazer e a sua experiência, em novas abordagens do acto educativo. Criar um clima de boa vontade com os colegas para a experimentação conjunta de novos percursos. Implementar o trabalho de equipa para a elaboração de instrumentos de trabalho: 1. Inventário de objectivos. 2. Tabelas de progressão na aprendizagem. 3. Fichas de avaliação diagnostica das dificuldades do aluno. 4. Fichas de auto-avaliação no fim de uma sequência de aprendizagem. 5. Fichas de trabalho autónomo variadas e adaptadas aos diferentes processos de aprendizagem. Patrícia Praça de Almeida 43
  • 44. 1. Atitudes dos envolvidos •Abertura à mudança; •Criação e promoção de um clima seguro, encorajador, eficiente e colaborativo; •Estabelecimento de regras; •Valorização de todos os envolvidos; •Incentivo à auto - estima, à motivação, à regulação de comportamentos e ao sucesso; •Distribuição de tarefas entre professores e alunos. Patrícia Praça de Almeida 44
  • 45. 2. Gestão aberta do tempo lectivo Para realizar um projecto de pedagogia diferenciada é importante diferenciar os conteúdos e os processos, o que exige uma estruturação do tempo diferente. O professor planifica e organiza o tempo e os grupos de acordo com os estilos de aprendizagem dos seus alunos. Patrícia Praça de Almeida 45
  • 46. 3. Análise dos estilos de aprendizagem dos alunos Discussão/Reflexão Como fazer a análise do estilo de aprendizagem dos alunos? Que forma de ter em conta o respeito pelo estilo de aprendizagem do aluno? Que possibilidades de escolha tem o aluno e em que domínios? Qual o papel do professor no processo de aprendizagem? Que tipos de avaliação vai utilizar? Patrícia Praça de Almeida 46
  • 47. 3. Análise dos estilos de aprendizagem dos alunos Como identificar os estilos de aprendizagem? Para identificar os estilos de aprendizagem de um aluno, o professor tem que recolher informação relativamente a cada aluno, nos seguintes aspectos: 1. A motivação (grau de envolvimento na tarefa). 2. As capacidades e processos de aprendizagem. 3. Os saberes prévios do aluno. 4. Os hábitos e métodos de trabalho. Patrícia Praça de Almeida 47
  • 48. Caracterização dos alunos: Interesses e expectativas; Estilos de aprendizagem; Inteligências Múltiplas; Aprendizagens de cada área. Quanto mais o Professor sabe sobre o seu aluno mais eficaz se torna o processo de ensino - aprendizagem. Esta informação pode ser utilizada para ajudar os alunos a conhecerem melhor a sua forma de aprender. Patrícia Praça de Almeida 48
  • 49. 5. Negociação A negociação entre professor/alunos: regras devem estar bem definidas desde o início do ano. Os alunos definem com o professor objectivos de aprendizagem individual/turma, estabelecendo os conteúdos, a forma de os abordar (trabalho individual/de grupo), o tempo necessário para a sua concretização. Discussão de “prémios” ou “penalidades”. Patrícia Praça de Almeida 49
  • 50. 6. Diversificação Formas de agrupamento dos alunos; Graduação da dificuldade da tarefa; exercício; ficha. Transmissão de estratégias cognitivas e metacognitivas; Patrícia Praça de Almeida 50
  • 51. 7. Avaliação A avaliação tradicional valoriza os testes padronizados, destinados ao “aluno médio”. A avaliação contínua é muitas vezes desvalorizada. O professor pode usar diferentes instrumentos para avaliação: Grelhas de observação; Portefólios; Trabalhos de casa; Fichas de avaliação; A avaliação deve ter em conta o desenvolvimento intraindividual do aluno. Patrícia Praça de Almeida 51
  • 52. “Diz-me e eu esquecerei, Ensina-me e eu lembrar-me-ei, Envolve-me e eu aprenderei.” Provérbio Chinês Patrícia Praça de Almeida 52