SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
INTRODUÇÃO:
Tem-se acentuado, nos últimos anos, a influência do
pensamento pós-moderno no discurso curricular
contemporâneo, tanto no Brasil como em outros países.
Desse modo, algumas ideias características da literatura
pós-moderna começam a repetir-se nos textos de currículo.
Destaco, dentre elas: (a) o abandono das grandes
narrativas;
(b) a descrença em uma consciência unitária, homogênea,
centrada; (c) a rejeição da ideia de utopia;
(d) a preocupação com linguagem e com subjetividade;
(e) a visão de que todo o discurso está saturado de poder;
(f) a celebração da diferença.
O pós-modernismo e não só incompatível com a
teorização crítica moderna como constitui fator
de esterilização da cultura contemporânea
(Saviani, 1991). No caso especifico da
educação, o pós-modernismo é tudo mesmo
como incapaz de fornecer as bases para o
tratamento das deliberações políticas e normais
que os educadores precisam enfrentar (Beyer e
Liston, 1993).
O currículo constitui significativo instrumento utilizados por
diferentes sociedades tanto para desenvolver os
processos de conservação, transformação e renovação
dos conhecimentos historicamente acumulados como para
socializar as crianças e os jovens segundo valores tidos
como desejáveis.
Em função de importância desses processos, a discussão
em torno do currículo assume cada vez mais lugar de
destaque no conhecimento pedagógico.
A ênfase nas diferenças individuais e a preocupação com
a atividade do aluno levam a maior valorização da forma
em detrimento do conteúdo. Currículo passa a significar o
conjunto de experiências a serem vividas pelo estudante
sob a orientação da escola.
 
O conceito de currículo oculto aponta para o fato de
que o “aprendizado” incidental durante um curso pode
contribuir mais para a socialização do estudante que o
conteúdo ensinado nesse curso.
Para Giroux (1993) o pós-modernismo assinala uma
mudança em direção a um conjunto de condições
sociais que estão reconstituindo o mapa social, cultural
e geográfico do mundo e produzindo, ao mesmo tempo
novas formas de crítica cultural.
Essa nova visão de currículo inclui: planos e propostas
(o currículo formal), o que de fato acontece nas escolas
e nas salas de aula (o currículo em ação), bem como
as regras e normas não explicitadas que governam as
relações que se estabelecem nas salas de aula (o
currículo oculto).
Aponta, assim para o fato de que o currículo
desenvolvem-se representações, codificadas de forma
complexa nos documentos, a partir de interesses,
disputas e alianças e decodificadas nas escolas,
também de modo complexo, pelos indivíduos nelas
presentes. Sugere, ainda, a visão do currículo como um
campo de lutas e conflitos em torno de símbolos e
significados.
É somente a partir da aceitação e da
preservação da importância da tradição
moderna, ainda que se procurando avançar
e redefinir questões, que é possível pensar
no diálogo entre o pensamento crítico e o
pensamento pós-moderno e examinar as
integrações que se vêm fazendo.
Uma análise menos superficial da literatura
revela, porém, significativas diferenças no que
tange a interações, significado, natureza, âmbito e
limites de uma utopia.
 
A primeira considera como utopias as descrições
detalhes de alternativas racionais e pragmáticas
as formas existentes de organização social. As
utopias constituem, nesse caso, representações
precisas de um futuro melhor.
A segunda abordagem enfatiza a função
simbólica das construções utópicas e
cabem as utopias não como propostas
concreta de ação, mas como possíveis
projeções de um tempo ou lugar imaginário
no qual conflitos e contradições sociais
podem se confrontar, solucionar, anular,
neutralizar ou transformar.
As utopias são nessa perspectiva, textos
estimuladores da reflexão e da
imaginação, mais que apelos a favor de
um programa especifico de transformação
social.
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
Gabriella Vieira
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofia
Daniele Rubim
 
Aulão ENEM filosofia e sociologia
Aulão ENEM filosofia e sociologiaAulão ENEM filosofia e sociologia
Aulão ENEM filosofia e sociologia
Gerson Coppes
 
Pierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introduçãoPierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introdução
Marcio Neske
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
Marcela Marangon Ribeiro
 
Plano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºanoPlano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºano
Mary Alvarenga
 
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamentoFoucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Ivan Furmann
 

Mais procurados (20)

Durkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weberDurkheim, marx, weber
Durkheim, marx, weber
 
Pensadores da sociologia
Pensadores da sociologiaPensadores da sociologia
Pensadores da sociologia
 
ESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURTESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURT
 
O que é educação
O que é educaçãoO que é educação
O que é educação
 
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
 
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
[Fichamento] charlot, bernard. por uma sociologia do sujeito (33 49)
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofia
 
Aulão ENEM filosofia e sociologia
Aulão ENEM filosofia e sociologiaAulão ENEM filosofia e sociologia
Aulão ENEM filosofia e sociologia
 
filosofia da renascentista
filosofia da renascentista filosofia da renascentista
filosofia da renascentista
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização
 
Pierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introduçãoPierre bourdieu – uma introdução
Pierre bourdieu – uma introdução
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
 
Plano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºanoPlano de curso filosofia-1ºano
Plano de curso filosofia-1ºano
 
Cultura e informação roque laraia
Cultura e informação   roque laraiaCultura e informação   roque laraia
Cultura e informação roque laraia
 
Foucault & deleuze
Foucault & deleuzeFoucault & deleuze
Foucault & deleuze
 
Filosofia e Educação
Filosofia e EducaçãoFilosofia e Educação
Filosofia e Educação
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Marx, durkheim e weber
Marx, durkheim e weberMarx, durkheim e weber
Marx, durkheim e weber
 
Kant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do DeverKant e a Ética do Dever
Kant e a Ética do Dever
 
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamentoFoucault   Noções gerais e sistematização de seu pensamento
Foucault Noções gerais e sistematização de seu pensamento
 

Semelhante a Currículo, Utopia e Pós-Modernidade

Sintese do texto Um passo para fora da sala de aula
Sintese do texto  Um passo para fora da sala de aulaSintese do texto  Um passo para fora da sala de aula
Sintese do texto Um passo para fora da sala de aula
Sonia Piaya
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
afermartins
 
282429582-Resumo-Teoria-Critica-e-Resistencia-Em-Educaca-o-Henry-Giroux.pdf
282429582-Resumo-Teoria-Critica-e-Resistencia-Em-Educaca-o-Henry-Giroux.pdf282429582-Resumo-Teoria-Critica-e-Resistencia-Em-Educaca-o-Henry-Giroux.pdf
282429582-Resumo-Teoria-Critica-e-Resistencia-Em-Educaca-o-Henry-Giroux.pdf
AdrianiSaleteMokfaPa
 
Teorias de currículo: das tradicionais às críticas
Teorias de currículo: das tradicionais às críticasTeorias de currículo: das tradicionais às críticas
Teorias de currículo: das tradicionais às críticas
Lucila Pesce
 
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Sérgio Gonçalves
 

Semelhante a Currículo, Utopia e Pós-Modernidade (20)

Apresentação slide marcos pessoa
Apresentação slide marcos pessoaApresentação slide marcos pessoa
Apresentação slide marcos pessoa
 
Apresentação slide marcos pessoa
Apresentação slide marcos pessoaApresentação slide marcos pessoa
Apresentação slide marcos pessoa
 
Sintese do texto Um passo para fora da sala de aula
Sintese do texto  Um passo para fora da sala de aulaSintese do texto  Um passo para fora da sala de aula
Sintese do texto Um passo para fora da sala de aula
 
Educacao ed1
Educacao ed1Educacao ed1
Educacao ed1
 
Artigo disciplina edir veiga
Artigo   disciplina edir veigaArtigo   disciplina edir veiga
Artigo disciplina edir veiga
 
Artigo disciplina edir veiga
Artigo   disciplina edir veigaArtigo   disciplina edir veiga
Artigo disciplina edir veiga
 
Teto de Currículo.
Teto de Currículo.Teto de Currículo.
Teto de Currículo.
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
282429582-Resumo-Teoria-Critica-e-Resistencia-Em-Educaca-o-Henry-Giroux.pdf
282429582-Resumo-Teoria-Critica-e-Resistencia-Em-Educaca-o-Henry-Giroux.pdf282429582-Resumo-Teoria-Critica-e-Resistencia-Em-Educaca-o-Henry-Giroux.pdf
282429582-Resumo-Teoria-Critica-e-Resistencia-Em-Educaca-o-Henry-Giroux.pdf
 
Texto 2 rockwell ezpeleta
Texto 2 rockwell ezpeletaTexto 2 rockwell ezpeleta
Texto 2 rockwell ezpeleta
 
Teorias de currículo: das tradicionais às críticas
Teorias de currículo: das tradicionais às críticasTeorias de currículo: das tradicionais às críticas
Teorias de currículo: das tradicionais às críticas
 
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
Multiculturalismo, diferença e identidade implicações no ensinoda história pa...
 
Síntese do texto por uma história prazerosa e consequente
Síntese do texto por uma história prazerosa e consequenteSíntese do texto por uma história prazerosa e consequente
Síntese do texto por uma história prazerosa e consequente
 
Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2Apresentação araucária ieda 2
Apresentação araucária ieda 2
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
Abordagem%20de%20uma%20institui%c3%a7%c3%a3o%20escolar%20a%20partir%20de%20um...
 
Ad2 de didatica
Ad2 de didaticaAd2 de didatica
Ad2 de didatica
 
Fundamentos metodologicos ensino_historia
Fundamentos metodologicos ensino_historiaFundamentos metodologicos ensino_historia
Fundamentos metodologicos ensino_historia
 
A história na educação básica selva
A história na educação básica selvaA história na educação básica selva
A história na educação básica selva
 

Mais de Joemille Leal

Mais de Joemille Leal (20)

Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher 
 
Walter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies BenjaminWalter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies Benjamin
 
Matrizes Africanas
Matrizes AfricanasMatrizes Africanas
Matrizes Africanas
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
ENEM 2015
ENEM 2015ENEM 2015
ENEM 2015
 
ENEM 2016
ENEM 2016ENEM 2016
ENEM 2016
 
BRASIL X EUA
BRASIL X EUABRASIL X EUA
BRASIL X EUA
 
Homo Neandertal
Homo Neandertal Homo Neandertal
Homo Neandertal
 
MT ST
MT STMT ST
MT ST
 
Revolta da Chibata
Revolta da ChibataRevolta da Chibata
Revolta da Chibata
 
Skinner
SkinnerSkinner
Skinner
 
O Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas TecnologiasO Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
 
O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget
 
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL  HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
 
BULLYING
BULLYING  BULLYING
BULLYING
 
Reforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações FinaisReforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações Finais
 
Autoestima
Autoestima Autoestima
Autoestima
 
Trabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFOTrabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFO
 
Leitura Responsiva.¹
Leitura Responsiva.¹Leitura Responsiva.¹
Leitura Responsiva.¹
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 

Currículo, Utopia e Pós-Modernidade

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4. INTRODUÇÃO: Tem-se acentuado, nos últimos anos, a influência do pensamento pós-moderno no discurso curricular contemporâneo, tanto no Brasil como em outros países. Desse modo, algumas ideias características da literatura pós-moderna começam a repetir-se nos textos de currículo. Destaco, dentre elas: (a) o abandono das grandes narrativas; (b) a descrença em uma consciência unitária, homogênea, centrada; (c) a rejeição da ideia de utopia; (d) a preocupação com linguagem e com subjetividade; (e) a visão de que todo o discurso está saturado de poder; (f) a celebração da diferença.
  • 5. O pós-modernismo e não só incompatível com a teorização crítica moderna como constitui fator de esterilização da cultura contemporânea (Saviani, 1991). No caso especifico da educação, o pós-modernismo é tudo mesmo como incapaz de fornecer as bases para o tratamento das deliberações políticas e normais que os educadores precisam enfrentar (Beyer e Liston, 1993).
  • 6.
  • 7. O currículo constitui significativo instrumento utilizados por diferentes sociedades tanto para desenvolver os processos de conservação, transformação e renovação dos conhecimentos historicamente acumulados como para socializar as crianças e os jovens segundo valores tidos como desejáveis. Em função de importância desses processos, a discussão em torno do currículo assume cada vez mais lugar de destaque no conhecimento pedagógico. A ênfase nas diferenças individuais e a preocupação com a atividade do aluno levam a maior valorização da forma em detrimento do conteúdo. Currículo passa a significar o conjunto de experiências a serem vividas pelo estudante sob a orientação da escola.
  • 8.   O conceito de currículo oculto aponta para o fato de que o “aprendizado” incidental durante um curso pode contribuir mais para a socialização do estudante que o conteúdo ensinado nesse curso. Para Giroux (1993) o pós-modernismo assinala uma mudança em direção a um conjunto de condições sociais que estão reconstituindo o mapa social, cultural e geográfico do mundo e produzindo, ao mesmo tempo novas formas de crítica cultural.
  • 9. Essa nova visão de currículo inclui: planos e propostas (o currículo formal), o que de fato acontece nas escolas e nas salas de aula (o currículo em ação), bem como as regras e normas não explicitadas que governam as relações que se estabelecem nas salas de aula (o currículo oculto). Aponta, assim para o fato de que o currículo desenvolvem-se representações, codificadas de forma complexa nos documentos, a partir de interesses, disputas e alianças e decodificadas nas escolas, também de modo complexo, pelos indivíduos nelas presentes. Sugere, ainda, a visão do currículo como um campo de lutas e conflitos em torno de símbolos e significados.
  • 10. É somente a partir da aceitação e da preservação da importância da tradição moderna, ainda que se procurando avançar e redefinir questões, que é possível pensar no diálogo entre o pensamento crítico e o pensamento pós-moderno e examinar as integrações que se vêm fazendo.
  • 11.
  • 12. Uma análise menos superficial da literatura revela, porém, significativas diferenças no que tange a interações, significado, natureza, âmbito e limites de uma utopia.   A primeira considera como utopias as descrições detalhes de alternativas racionais e pragmáticas as formas existentes de organização social. As utopias constituem, nesse caso, representações precisas de um futuro melhor.
  • 13.
  • 14. A segunda abordagem enfatiza a função simbólica das construções utópicas e cabem as utopias não como propostas concreta de ação, mas como possíveis projeções de um tempo ou lugar imaginário no qual conflitos e contradições sociais podem se confrontar, solucionar, anular, neutralizar ou transformar. As utopias são nessa perspectiva, textos estimuladores da reflexão e da imaginação, mais que apelos a favor de um programa especifico de transformação social.