SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
O handebol começou a ser desenvolvido
na Europa por volta de 1920, motivo pelo
qual os europeus são mestres neste
esporte.
O aparecimento do handebol em
olimpíadas foi em 1936, depois foi
retirado e voltou em 1972, quatro anos
mais tarde o handebol feminino também
passou a fazer parte dos jogos olímpicos.
Fica entre a linha de fundo e a linha de 6m.
Somente o goleiro pode permanecer na área
de gol.
O atacante que penetra essa área é castigado
com um tiro livre; se for propositadamente e
não tiver a posse da bola, será dado lance
livre.
O jogador que invadir a área de gol, depois
de ter lançado a bola, não está sujeito a
qualquer punição, desde que isso não resulte
em prejuízo para a ação do adversário.
O goleiro é o único jogador que pode se
deslocar para qualquer posição da quadra; é
o único que pode parar ou rebater a bola com
os pés (mas isso apenas na sua área), fora
dela deve jogar como qualquer jogador de
linha.
Só será considerado gol a bola que lançada
regularmente ultrapasse inteiramente a linha
de gol por, dentro da baliza.
 A bola ao chão é marcada quando, mantida a
bola dentro da quadra e fora das áreas de
goleiro, ocorrer: falta simultânea de jogadores
das duas equipes; interrupção do jogo por
qualquer motivo ou razão que não se
caracterize como infração as regras.
É permitido lançar, bater, empurrar, socar,
parar e pegar a bola, não importa de que
maneira, com a ajuda das mãos, braços,
cabeça, tronco, coxas e joelhos.
Segurar a bola durante o máximo de três
segundos, mesmo ela estando no chão. Fazer o
máximo de três passos com a bola na mão. É
proibido conduzir ou manejar a bola com os
pés.
 O tiro de meta é ordenado nos seguintes
casos: quando, antes de ultrapassar a linha de
fundo, a bola tenha sido tocada por um
jogador da equipe atacante ou pelo goleiro da
equipe defensora, estando este dentro da sua
área de gol.
 O tiro de meta deve ser cobrado dentro da
área do goleiro, e só ele poderá colocar a bola
em jogo.
 O lance de escanteio é ordenado desde que a
bola tocada pela equipe defensora ultrapasse a
linha de fundo (sem que o goleiro desta tenha
tocado na bola).
 O lance é executado no ponto de interseção
da linha de fundo e a linha lateral, do lado
onde a bola tenha saído.
 Utilizar os braços ou as mãos para se
apoderar da bola. Tirar a bola da mão do
adversário com as mãos abertas, não importa
de que lado.
 Bloquear o caminho ao adversário com o
corpo. É proibido arrancar a bola do
adversário com uma ou duas mãos, assim
como bater com o punho na bola que o
mesmo tem as mãos.
 Este lance apenas é ordenado com a
execução de uma falta grave sobre o
adversário; no momento da cobrança os
jogadores da defesa e ataque deverão
permanecer atrás da linha de 9m.
 O jogador que for cobrar deverá manter um
pé fixo perante a linha de 7m, não podendo
invadí-la ou mover este pé.
 O lance lateral é ordenado desde que a bola
tenha ultrapassado totalmente a linha lateral.
Ao ser cobrado o jogador deverá manter um
pé sobre a linha lateral e o outro fora da
quadra, caso isto seja desrespeitado o árbitro
poderá ordenar nova cobrança de lateral ou
aplicar reversão, dando o direito da cobrança
a equipe adversária.
 Antes da execução de todos os lances citados
acima a bola deverá pousar na mão do
lançador e todos os jogadores deverão ter
tomado a posição regularmente.
 Apenas o lançador pode tocar na bola e este
não deve ficar batendo-a contra o chão, pois
o árbitro pode considerar o lance como
cobrado e aplicar reversão da jogada.
 É ordenado lance livre nos seguintes casos:
entrada ou saída irregular de um jogador;
mau comportamento; faltas cometidas pelos
jogadores na área de gol; lançamento
intencional da bola para sua área de gol;
faltas do goleiro;
 execução ou conduta irregular nos lances de
lateral, escanteio, livre, tiro de meta e 7m;
atitude antidesportiva.
 Este apenas é aplicado a jogadores. Quem
receber esta punição deve permanecer fora
da partida durante um períiodo de dois
minutos (que será controlado pelo
cronometrista), e após podendo retornar ao
jogo com permição da mesa de arbitragem.
 Durante este período o time fica com um
jogador a menos, esta punição é geralmente
aplicada a faltas desnescessárias e a
substituições incorretas.
 Os dois árbitros(juízes) atuam em conjunto
tanto nos lances de defesa e ataque de
ambos os times. (geralmente um árbitro se
situa na linha de fundo, de um lado da
quadra, e o outro na linha de meio campo,
do outro lado da quadra).
 Eles atuam em cooperação e suporte
mútuos, observam além do foco do jogo,
todos os outros jogadores.
 Este é um recurso extremo da arbitragem,
utilizado apenas em casos de agressão física e
verbal. O jogador que sofrer exclusão não pode
voltar a quadra e nem se sentar no banco de
reservas, e seu time permanece até o fim da
partida com um jogador a menos. 
 Serve para advertir qualquer atleta ou técnico.
Aplicado em algumas faltas, por reclamações ou
quando após uma falta o jogador não deixa a
bola no lugar indicado, podendo variar com o
critério de cada árbitro.
 Ao ser aplicado um Cartão Vermelho o
jogador deve retirar-se da quadra, não
podendo nem permanecer no banco de
reservas e nem voltar mais a partida.
 O time permanece durante dois minutos com
um jogador a menos e após pode completar o
time com outro jogador. (O jogador que
receber mais que 3 "Dois Minutos" durante a
partida é automaticamente desqualificado,
sofrendo todo o processo acima descrito)
 O Brasil nunca ganhou uma medalha olímpica
no Handebol.
 O esporte é praticado por cerca de 33 milhões
de atletas em 185 países.
 A maior goleada num jogo oficial de Handebol
ocorreu no ano de 1981. Na ocasião, a seleção
soviética venceu a afegã pelo impressionante
placar de 86 a 2.
 A França é o principal destaque no Handebol
masculino, pois ganhou medalhas de outro nas
Olimpíadas de 2008 (Pequim) e 2012
(Londres). Já no Handebol feminino, o grande
destaque da atualidade é a seleção
dinamarquesa que ganhou medalhas de ouro
nestas duas últimas Olimpíadas.
 Visto como um esporte violento, devido ao
grande número de contatos físicos, a maioria
dos jogadores não se lesiona por causa de
choques, encontrões e trombadas. A maior
inimiga dos atletas nesse esporte é a bola.
Alguns arremessos podem alcançar uma
velocidade de mais de 80 km/h e a uma
distância do goleiro que pode ser menor de
sete metros.
Handebol

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasProf. Saulo Bezerra
 
Organização e desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo Tempo
Organização e desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo TempoOrganização e desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo Tempo
Organização e desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo Tempopstec25
 
Futsal
FutsalFutsal
FutsalSutier
 
ESPORTES DE INVASÃO.pptx
ESPORTES DE INVASÃO.pptxESPORTES DE INVASÃO.pptx
ESPORTES DE INVASÃO.pptxDANIELDESOUZA67
 
Basquetebol na escola
Basquetebol na escolaBasquetebol na escola
Basquetebol na escolaevandrolhp
 
Slide história da educação física-blog
Slide história da educação física-blogSlide história da educação física-blog
Slide história da educação física-blogestudosacademicospedag
 
História da educação física
História da educação física História da educação física
História da educação física Marcone Almeida
 
Atividade física e saúde
Atividade física e saúdeAtividade física e saúde
Atividade física e saúdeFatima Costa
 
Apresentação voleibol
Apresentação voleibol Apresentação voleibol
Apresentação voleibol Inácio Júnior
 
Ginástica Artística
Ginástica ArtísticaGinástica Artística
Ginástica Artísticawaldeck
 
Esportes coletivos caracterizacao - elementos comuns
Esportes coletivos   caracterizacao - elementos comunsEsportes coletivos   caracterizacao - elementos comuns
Esportes coletivos caracterizacao - elementos comunsCeliomar Queiros
 
Atletismo na escola
Atletismo na escolaAtletismo na escola
Atletismo na escolaevandrolhp
 

Mais procurados (20)

Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
 
Atividade física adaptada
Atividade física adaptadaAtividade física adaptada
Atividade física adaptada
 
Historia da Educação Física
Historia da Educação FísicaHistoria da Educação Física
Historia da Educação Física
 
Organização e desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo Tempo
Organização e desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo TempoOrganização e desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo Tempo
Organização e desenvolvimento Pedagógico do Esporte no Programa Segundo Tempo
 
Futsal
FutsalFutsal
Futsal
 
Futsal
Futsal Futsal
Futsal
 
Lutas.
Lutas.Lutas.
Lutas.
 
ESPORTES DE INVASÃO.pptx
ESPORTES DE INVASÃO.pptxESPORTES DE INVASÃO.pptx
ESPORTES DE INVASÃO.pptx
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Basquetebol na escola
Basquetebol na escolaBasquetebol na escola
Basquetebol na escola
 
Slide história da educação física-blog
Slide história da educação física-blogSlide história da educação física-blog
Slide história da educação física-blog
 
História da educação física
História da educação física História da educação física
História da educação física
 
Atividade física e saúde
Atividade física e saúdeAtividade física e saúde
Atividade física e saúde
 
Apresentação voleibol
Apresentação voleibol Apresentação voleibol
Apresentação voleibol
 
Ginástica Artística
Ginástica ArtísticaGinástica Artística
Ginástica Artística
 
Futsal
Futsal Futsal
Futsal
 
Esportes coletivos caracterizacao - elementos comuns
Esportes coletivos   caracterizacao - elementos comunsEsportes coletivos   caracterizacao - elementos comuns
Esportes coletivos caracterizacao - elementos comuns
 
Atletismo na escola
Atletismo na escolaAtletismo na escola
Atletismo na escola
 
Ginastica historia
Ginastica historiaGinastica historia
Ginastica historia
 
Basquete, regras e fundamentos
Basquete, regras e fundamentosBasquete, regras e fundamentos
Basquete, regras e fundamentos
 

Semelhante a Handebol

Semelhante a Handebol (20)

Regras básicas do handebol
Regras básicas do handebolRegras básicas do handebol
Regras básicas do handebol
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
HANDEBOL.ppt
HANDEBOL.pptHANDEBOL.ppt
HANDEBOL.ppt
 
Regulamento handebol juo 2013
Regulamento handebol juo 2013Regulamento handebol juo 2013
Regulamento handebol juo 2013
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Andebol 101209122214-phpapp01 2
Andebol 101209122214-phpapp01 2Andebol 101209122214-phpapp01 2
Andebol 101209122214-phpapp01 2
 
Andebol regras
Andebol regras Andebol regras
Andebol regras
 
Andebol regrasdejogo1
Andebol regrasdejogo1Andebol regrasdejogo1
Andebol regrasdejogo1
 
Andebol
AndebolAndebol
Andebol
 
Apresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdfApresentação basquetebol.pdf
Apresentação basquetebol.pdf
 
Handebol teórica
Handebol   teóricaHandebol   teórica
Handebol teórica
 
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto HeppHandebol Escola Amélia Poletto Hepp
Handebol Escola Amélia Poletto Hepp
 
Apostila handebol
Apostila handebolApostila handebol
Apostila handebol
 
Ginástica e basketball
Ginástica e basketballGinástica e basketball
Ginástica e basketball
 
andebol
andebolandebol
andebol
 
Basquete
BasqueteBasquete
Basquete
 
Apresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdfApresentação andebol.pdf
Apresentação andebol.pdf
 
O andebol
O andebolO andebol
O andebol
 

Mais de Joemille Leal

Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher Joemille Leal
 
Walter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies BenjaminWalter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies BenjaminJoemille Leal
 
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade Joemille Leal
 
O Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas TecnologiasO Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas TecnologiasJoemille Leal
 
O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget Joemille Leal
 
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL  HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL Joemille Leal
 
Reforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações FinaisReforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações FinaisJoemille Leal
 
Trabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFOTrabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFOJoemille Leal
 
Leitura Responsiva.¹
Leitura Responsiva.¹Leitura Responsiva.¹
Leitura Responsiva.¹Joemille Leal
 

Mais de Joemille Leal (20)

Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher 
Dia Internacional da Mulher 
 
Walter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies BenjaminWalter Benedix Schönflies Benjamin
Walter Benedix Schönflies Benjamin
 
Matrizes Africanas
Matrizes AfricanasMatrizes Africanas
Matrizes Africanas
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
ENEM 2015
ENEM 2015ENEM 2015
ENEM 2015
 
ENEM 2016
ENEM 2016ENEM 2016
ENEM 2016
 
BRASIL X EUA
BRASIL X EUABRASIL X EUA
BRASIL X EUA
 
Homo Neandertal
Homo Neandertal Homo Neandertal
Homo Neandertal
 
MT ST
MT STMT ST
MT ST
 
Revolta da Chibata
Revolta da ChibataRevolta da Chibata
Revolta da Chibata
 
Skinner
SkinnerSkinner
Skinner
 
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
Currículo, Utopia e Pós-Modernidade
 
O Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas TecnologiasO Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
O Perfil do novo profissional frente as novas Tecnologias
 
O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget O Período Sensório Motor, Jean Piaget
O Período Sensório Motor, Jean Piaget
 
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL  HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
HISTÓRIA DAS CRIANÇAS NO BRASIL
 
BULLYING
BULLYING  BULLYING
BULLYING
 
Reforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações FinaisReforma do Ensino Médio - Considerações Finais
Reforma do Ensino Médio - Considerações Finais
 
Autoestima
Autoestima Autoestima
Autoestima
 
Trabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFOTrabalho de Roanld - MOFO
Trabalho de Roanld - MOFO
 
Leitura Responsiva.¹
Leitura Responsiva.¹Leitura Responsiva.¹
Leitura Responsiva.¹
 

Último

FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxMartin M Flynn
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 

Último (20)

FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 

Handebol

  • 1.
  • 2. O handebol começou a ser desenvolvido na Europa por volta de 1920, motivo pelo qual os europeus são mestres neste esporte. O aparecimento do handebol em olimpíadas foi em 1936, depois foi retirado e voltou em 1972, quatro anos mais tarde o handebol feminino também passou a fazer parte dos jogos olímpicos.
  • 3. Fica entre a linha de fundo e a linha de 6m. Somente o goleiro pode permanecer na área de gol. O atacante que penetra essa área é castigado com um tiro livre; se for propositadamente e não tiver a posse da bola, será dado lance livre. O jogador que invadir a área de gol, depois de ter lançado a bola, não está sujeito a qualquer punição, desde que isso não resulte em prejuízo para a ação do adversário.
  • 4. O goleiro é o único jogador que pode se deslocar para qualquer posição da quadra; é o único que pode parar ou rebater a bola com os pés (mas isso apenas na sua área), fora dela deve jogar como qualquer jogador de linha. Só será considerado gol a bola que lançada regularmente ultrapasse inteiramente a linha de gol por, dentro da baliza.
  • 5.  A bola ao chão é marcada quando, mantida a bola dentro da quadra e fora das áreas de goleiro, ocorrer: falta simultânea de jogadores das duas equipes; interrupção do jogo por qualquer motivo ou razão que não se caracterize como infração as regras.
  • 6. É permitido lançar, bater, empurrar, socar, parar e pegar a bola, não importa de que maneira, com a ajuda das mãos, braços, cabeça, tronco, coxas e joelhos. Segurar a bola durante o máximo de três segundos, mesmo ela estando no chão. Fazer o máximo de três passos com a bola na mão. É proibido conduzir ou manejar a bola com os pés.
  • 7.  O tiro de meta é ordenado nos seguintes casos: quando, antes de ultrapassar a linha de fundo, a bola tenha sido tocada por um jogador da equipe atacante ou pelo goleiro da equipe defensora, estando este dentro da sua área de gol.  O tiro de meta deve ser cobrado dentro da área do goleiro, e só ele poderá colocar a bola em jogo.
  • 8.  O lance de escanteio é ordenado desde que a bola tocada pela equipe defensora ultrapasse a linha de fundo (sem que o goleiro desta tenha tocado na bola).  O lance é executado no ponto de interseção da linha de fundo e a linha lateral, do lado onde a bola tenha saído.
  • 9.  Utilizar os braços ou as mãos para se apoderar da bola. Tirar a bola da mão do adversário com as mãos abertas, não importa de que lado.  Bloquear o caminho ao adversário com o corpo. É proibido arrancar a bola do adversário com uma ou duas mãos, assim como bater com o punho na bola que o mesmo tem as mãos.
  • 10.  Este lance apenas é ordenado com a execução de uma falta grave sobre o adversário; no momento da cobrança os jogadores da defesa e ataque deverão permanecer atrás da linha de 9m.  O jogador que for cobrar deverá manter um pé fixo perante a linha de 7m, não podendo invadí-la ou mover este pé.
  • 11.  O lance lateral é ordenado desde que a bola tenha ultrapassado totalmente a linha lateral. Ao ser cobrado o jogador deverá manter um pé sobre a linha lateral e o outro fora da quadra, caso isto seja desrespeitado o árbitro poderá ordenar nova cobrança de lateral ou aplicar reversão, dando o direito da cobrança a equipe adversária.
  • 12.  Antes da execução de todos os lances citados acima a bola deverá pousar na mão do lançador e todos os jogadores deverão ter tomado a posição regularmente.  Apenas o lançador pode tocar na bola e este não deve ficar batendo-a contra o chão, pois o árbitro pode considerar o lance como cobrado e aplicar reversão da jogada.
  • 13.  É ordenado lance livre nos seguintes casos: entrada ou saída irregular de um jogador; mau comportamento; faltas cometidas pelos jogadores na área de gol; lançamento intencional da bola para sua área de gol; faltas do goleiro;  execução ou conduta irregular nos lances de lateral, escanteio, livre, tiro de meta e 7m; atitude antidesportiva.
  • 14.  Este apenas é aplicado a jogadores. Quem receber esta punição deve permanecer fora da partida durante um períiodo de dois minutos (que será controlado pelo cronometrista), e após podendo retornar ao jogo com permição da mesa de arbitragem.  Durante este período o time fica com um jogador a menos, esta punição é geralmente aplicada a faltas desnescessárias e a substituições incorretas.
  • 15.  Os dois árbitros(juízes) atuam em conjunto tanto nos lances de defesa e ataque de ambos os times. (geralmente um árbitro se situa na linha de fundo, de um lado da quadra, e o outro na linha de meio campo, do outro lado da quadra).  Eles atuam em cooperação e suporte mútuos, observam além do foco do jogo, todos os outros jogadores.
  • 16.  Este é um recurso extremo da arbitragem, utilizado apenas em casos de agressão física e verbal. O jogador que sofrer exclusão não pode voltar a quadra e nem se sentar no banco de reservas, e seu time permanece até o fim da partida com um jogador a menos. 
  • 17.  Serve para advertir qualquer atleta ou técnico. Aplicado em algumas faltas, por reclamações ou quando após uma falta o jogador não deixa a bola no lugar indicado, podendo variar com o critério de cada árbitro.
  • 18.  Ao ser aplicado um Cartão Vermelho o jogador deve retirar-se da quadra, não podendo nem permanecer no banco de reservas e nem voltar mais a partida.  O time permanece durante dois minutos com um jogador a menos e após pode completar o time com outro jogador. (O jogador que receber mais que 3 "Dois Minutos" durante a partida é automaticamente desqualificado, sofrendo todo o processo acima descrito)
  • 19.  O Brasil nunca ganhou uma medalha olímpica no Handebol.  O esporte é praticado por cerca de 33 milhões de atletas em 185 países.  A maior goleada num jogo oficial de Handebol ocorreu no ano de 1981. Na ocasião, a seleção soviética venceu a afegã pelo impressionante placar de 86 a 2.
  • 20.  A França é o principal destaque no Handebol masculino, pois ganhou medalhas de outro nas Olimpíadas de 2008 (Pequim) e 2012 (Londres). Já no Handebol feminino, o grande destaque da atualidade é a seleção dinamarquesa que ganhou medalhas de ouro nestas duas últimas Olimpíadas.
  • 21.  Visto como um esporte violento, devido ao grande número de contatos físicos, a maioria dos jogadores não se lesiona por causa de choques, encontrões e trombadas. A maior inimiga dos atletas nesse esporte é a bola. Alguns arremessos podem alcançar uma velocidade de mais de 80 km/h e a uma distância do goleiro que pode ser menor de sete metros.