SlideShare uma empresa Scribd logo
Culturas do pimentão e da pimenta
Prof. Dr. Paulo César Tavares de Melo
ESALQ/USP
Departamento de Produção Vegetal
Principais países produtores de
pimentão e pimenta*, 2011
País
Área
(x 1000 ha)
Produção
(x 1000 t)
Produtividade
(t/ha)
China 707.215 15.545.683 22,0
México 144.391 2.131.740 14,8
Turquia 93.826 1.975.270 21,0
Estados Unidos 30.910 1.018.490 33,0
Espanha 16.887 898.260 53,2
Nigéria 57.382 449.594 7,8
Holanda 13.570 365.000 26,9
Coreia do Sul 47.388 262.257 5,53
Itália 10.327 229.093 22,2
Argentina 6.645 132.518 19,9
MUNDO 1.897.946 29.939.029 15,8
*Consumo fresco
Fonte: FAOSTAT, 2013
Importância no Mundo
– América do Sul
» menor área cultivada
» menor produção
» rendimento médio
– Ásia
» maior área cultivada
» maior produção
» maior consumidor
» menor rendimento
– Europa
» área cultivada pequena
» produção alta
» maior rendimento
Histórico no Brasil
• Introduzido na década de 20
• Década de 40: Baixada Fluminense
• Seleções locais:
– Baixada Fluminense: ‘Moura’ e ‘Avelar’
– Campinas: ‘Ikeda e ‘Takamashi’
– Guapiara e Suzano: ‘Casca-dura’
• Cruzamentos entre esses cultivares não
exibem vigor de híbrido (Ikuta)
Importância no Brasil
• Entre as solanáceas: batata  tomate  PIMENTÃO
 berinjela  PIMENTA  jiló
• Informações disponíveis: subestimadas em produção,
área, diversidade
• Brasil não figura em publicações sobre o assunto
• Consumo per capita/ano irrisório  0,584 kg*
• Figura entre as 10 hortaliças mais importantes no
estado de São Paulo (2011)**:
– Área cultivada: 2.604 ha
– Produção: 130.751 t
– Rendimento: 50,2 t/ha
– Áreas de produção: Mogi das Cruzes, Sorocaba, Itapetininga,
Mogi Mirim, São João da Boa Vista, Presidente Prudente
**Fonte: Camargo et al., 2011; **POF/IBGE, 2008-2009
Brasil: produção de pimentão e
pimenta, 2006
Região Pimentão (t) Pimenta (t)
Norte 2.034 4.231
Nordeste 77.795 6.417
Sudeste 120.773 5.629
Sul 36.205 746
Centro-Oeste 11.960 1.660
BRASIL 248.767 18.628
Fonte: IBGE-Censo Agropecuário, 2006
Compilação, organização e sistematização: Embrapa Hortaliças
Pimentão: áreas de cultivo em São Paulo
Pimenta: áreas de cultivo em São Paulo
Botânica e sistemática
– Família: Solanaceae
– Gênero: Capsicum
– 40 espécies descritas
(taxonomia GRIN*)
– Todas têm espécies
selvagens com exceção
de C. pubescens
– 5 espécies cultivadas
*http:/www.ars-grin.gov/cgi-bin/npgs/htm/index.pl?language=pt
Botânica e sistemática
Espécies cultivadas:
– C. baccatum
– C. frutescens
– C. annuum
• espécie mais cultivada e de maior variabilidade
• variabilidade no formato, tamanho, cor e pungência
• Ex.: Jalapeño (5,5), Cayenne (8), Serrano (7), Passilla (3,5),
Anaheim (2-3), Agronômico 11 (0), pimentão (0)
– C. chinense
– C. pubescens
Capsicum: espécies cultivadas
C. annuum (pimentão e pimenta Jalapeño)
C. frutescens (pimenta
malagueta)
C. baccatum (pimenta
dedo-de-moça)
C. chinense (pimenta
de cheiro)
C. pubescens (pimenta
rocoto ou locoto)
Pimentas
 Alimento do mundo moderno
 Ainda não teve seu valor econômico
reconhecido no Brasil
 Aumento da variabilidade e disseminação:
contribuição dos aficionados (“chile-head”)
Capsicum: origem e domesticação
• Principais centros de origem  Américas do Sul e
Central
• Evidências arqueológicas: datam de 10.000 a 6.800 a.C.
• Desconhecido na Europa até o século XVI
• Capsicum annuum
– México ou Andes: centro de origem primário
– Guatemala: centro de origem secundário
– México e América Central: centros de diversidade
– Tipos selvagens: desde sul dos EUA, México, América Central até
norte da América do Sul
Evolução de Capsicum
Capsicum: origem e domesticação
• Exploradores procuravam pimenta-do-reino
(Piper nigrum) e encontraram quiyá (Capsicum),
mais ardidas
– 1494  Colombo (segunda viagem) levou para a Espanha (C.
annuum)
– 1542  Índia
– 1548  do Mediterrâneo para a Inglaterra
– Final do século 16  Europa Central
• Aceitação mais rápida do que batata e o tomate
Biologia da reprodução e morfologia
• Planta autógama (autopolinização)
– Taxa de cruzamento natural: 5 a 30%
– Espécie perene
• Características da flor
– Hermafrodita
– 1 estigma e 5 anteras
– Solitária: corola branca, anteras azuis,
pedicelo pendente
– Aparecem em progressão geométrica
– Principal fator de diferenciação botânica entre as espécies
Biologia da reprodução e morfologia
• Características da planta
– Planta herbácea
– Crescimento indeterminado e dicotômico  produção
em camadas
• Características do fruto
– Fruto tipo baga
– Taxa de pegamento: inversamente proporcional ao
número de frutos na planta
– Grande variabilidade de formato, cor, tamanho,
pungência
Pigmentos carotenoides e a cor do
fruto em Capsicum
• Existem mais de 30 pigmentos envolvidos com
as cores dos frutos de pimentão e pimentas. Os
principais são:
– clorofila verde a e b;
– luteína, zeaxantina, violaxantina, anteraxantina, beta-
criptoxantina e beta-caroteno;
– capsantina, capsorubina e criptocapsina só ocorrem em
Capsicum
– A capsantina contribui com 60% dos carotenoides totais nos
frutos maduros
– Capsantina e capsorubina aumentam com o
amadurecimento  promovem a cor vermelha
– Betacaroteno e violaxantina  responsáveis pela cor
amarelo-alaranjada
– O betacaroteno representa 95% da provitamina A em frutos
verdes e 93% em frutos maduros
– A quantidade de carotenoides depende  cultivar, estádio
de maturação e condições de cultivo
Fisiologia do desenvolvimento
• Temperatura: principal fator
– faixa ideal: entre 16 e 35oC
– < 16oC  desenvolvimento vegetativo prejudicado
– > 35oC  aborto de frutos
• Luz
– Luminosidade: exigente (aborto)
– Intensidade da luz: pouca interferência
• Fotoperíodo: comportamento neutro
• Umidade relativa
– 50 a 70% (favorece florescimento e pegamento)
Composição química
• Afetam nutrição, sabor, aroma e cor
• Teor  depende de idade da planta, condições edafoclimáticas,
espécie etc.
• Principais componentes: vitaminas e carotenoides
(a) Vitaminas
- Vitamina C (ácido ascórbico)
▪ 46 a 243 mg/100 g de peso fresco (60 mg/dia)
▪ aumenta com a maturação
▪ diminui com a desidratação e o cozimento
- Vitamina E (tocoferol)
▪ 3,7 a 236 mg/100 de peso seco (8 a 10 mg/dia)
Composição química
(b) Carotenoides
– 30 pigmentos diferentes (capsantina: 60%)
– Funções na planta:
 proteger os cloroplastos contra danos oxidativos
 atrair pássaros para dispersão de sementes
– Possui propriedades antioxidantes: o betacaroteno
funciona como um “lixeiro”, ligando-se aos radicais
livres ou, simplesmente, promovem a eliminação do
O2 e dos radicais livres
– Propriedades anticancerígenas
Pungência
O princípio ativo mais
importante da pungência é
a capsaicina
> 80% do conteúdo de capsaicina
são encontrados na placenta
Pimenta
Teor de capsaicina
(unidades Scoville)
Pimentão 0
Pimenta doce 0
Cambuci 00 ~ 500
Ancho, Poblano 1,000 ~ 2,000
Mulato, Pasilla 1,000 ~ 2,000
Anaheim 500 ~ 2,500
Rocotillo 1,500 ~ 2,500
Jalapeno, Mirasol 2,500 ~ 5,000
Chipotle 5,000 ~ 8,000
Serrano, Dedo de moça 5,000 ~ 25,000
Manzano 12,000 ~ 30,000
Tabasco, Ají, Malagueta 30,000 ~ 50,000
Cayenne 30,000 ~ 50,000
Santaka 45,000 ~ 60,000
Chiltepin 60,000 ~ 85,000
Cumari ?
Jamaican Hot 100,000 ~ 200,000
Habanero 100,000 ~ 325,000
Scotch Bonnet 150,000 ~ 325,000
Red Savina Habanero 300,000 ~ 570,000
Jolokias 800.000 – 1.000.000
Trinidad Scorpion Butch T 1.300.000
Capsaicina Pura 15-16.000.000
Variabilidadenapungência
(picância)
Kharika
Red Savina Naga Naga Morich
Bhut Bih
Mem Trinidad ScorpionBhut chocolate
Moruga Scorpion
Formas de consumo
– Fruto ao natural (cru ou cozido):
• imaturo: verde, roxo, chocolate
• maduro: creme, amarelo, laranja, vermelho, roxo,
marrom e “preto”
– Condimento: páprica doce e picante (pó)
– Indústria de embutidos (pó, pedaços)
– Conservas (molhos, escabeche, picles)
– Corante: gema de ovos (pó)
– Geléias
– Outros: spray paralisante, emplastro, repelente
Formas de consumo
Produtos artesanais
Pimenta-de-bico*
(Capsicum chinense)
*Pimenta doce
Formas de consumo
Formas de consumo: páprica
Páprica e páprica oleoresina são usadas numa ampla
gama de alimentos como corantes e flavorizantes
Corante alimentar
Produção de pimenta Tabasco na
região de Cali, Colombia – 2005.
Culturas do pimentao e da pimenta 2013
Outras formas de uso
Outras formas de uso: pimenta ornamental
Segmentação varietal
• EUA: quadrado e cônico
curto (“bell pepper”)
– padrões: ‘California
Wonder’ e ‘Yolo Wonder’
• Europa: retangular e
cônico longo
– padrão: ‘Lamuyo’
Segmentação varietal
• Brasil:
– Padrão semicônico: grupo Casca Dura
• campo e cultivo protegido
• resistência aos potyvirus (PVY, TEV...)
• polpa fina: menor peso
– Padrão retangular: tipo “Lamuyo”
• Adaptado para cultivo protegido
• Suscetível ao PVY
• Polpa  espessa maior peso
– Padrão quadrado
• Campo e cultivo protegido
• Resistência e suscetibilidade a viroses
• Polpa espessa
Manejo cultural
Solo
• Arenosos, de preferência, com boa
drenagem
• Sensível à salinidade
• pH entre 5 e 5,7
Manejo cultural
• Sugestão de adubação para SP
– Plantio
• 20 t/ha de esterco de curral ou 1/3 de esterco de galinha
• 40 kg/ha de N
• 160-600 kg/ha de P2O5*
• 60-180 kg/ha de K2O*
• 2 kg/ha de B
• 2-3 kg/ha de Zn
– Cobertura
• 20-50 kg/ha de N (até a frutificação) e 20-50 kg/ha de K2O (depois
de iniciada a frutificação) em intervalos de 30-35 dias
* Em função do nível de fertilidade do solo: Baixa, Média, Alta
Manejo cultural
Obtenção de mudas
– Gasto de sementes/ha: 14-15 milheiros/ha
– 1 milheiro de sementes = 3 g
• Produção contratada  viveiristas
• Transplantio  aprox. 30 DAP
Produção de mudas de alta qualidade
Produção de mudas de pimentão em estufa agrícola
Manejo cultural
Sistemas de cultivo
• Campo aberto
– pimentão vermelho
– em geral, colhido no estádio "verde"
– custo de produção  cerca de US$ 4.000,00/ha
• Estufa
– todas as cores  agregação de valor
– em geral, colhido no estádio maduro
– custo de produção: US$ 3.000,00/350 m2
Culturas do pimentao e da pimenta 2013
Culturas do pimentao e da pimenta 2013
Culturas do pimentao e da pimenta 2013
0,60 m
0,40 m
Culturas do pimentao e da pimenta 2013
Manejo cultural
Época e plantio
• Campo
– Planalto: setembro a fevereiro
– Litoral: março a julho
• Estufa
– Ano todo  oferta regular
Manejo cultural
Espaçamento
• Campo: 1 a 1,2 m entre linhas por 0,4 a
0,6 m entre plantas
– Estande: 14 a 20 mil plantas/ha
• Estufa: 0,6 m entre linhas por 0,4 m entre
plantas  8 fileiras, com corredor de 1,1 m
Manejo cultural
Condução das plantas
– campo
• crescimento e produção livre
– estufa
• eliminação da primeira flor (ou fruto) e condução com 4
hastes
• desbrota contínua
Tratos culturais
• irrigação
• controle do mato
• controle de pragas e doenças
Sistema de condução
Sistema de poda com dois talos com tutores horizontais
Culturas do pimentao e da pimenta 2013
Sistema de condução
Sistema de poda com três talos com tutores verticais ou do tipo holandês
Colheita e produtividade
• Início da colheita
– Fruto verde: 90 a 100 dias após a semeadura
– Fruto maduro: 120 a 130 dias
• Duração da colheita
– Campo: 50 a 60 dias (ciclo: cerca de 5 meses)
– Estufa: até 9 meses (ciclo: até 13 meses)
• Produtividade
– Campo: 40 a 60 t/ha  200 a 300 cxs/1000 plantas
– Estufa: 3 a 4 kg/planta (80 a 110 t/ha)
Pragas e doenças
Doenças
• Bacterianas
– mancha bacteriana e murcha bacteriana
• Fúngicas
– requeima, antracnose, tombamento, oídio e murcha
de verticílio
• Viróticas
– Potyvirus: mosaico do pimentão (PVY)
– Tospovirus: vira-cabeça (TSWV)
– Cucumovirus: vírus do mosaico do pepino (CMV) 
potencial
– Tobamovirus: Pepper mild mottle virus (PeMMV)
Mancha-de-fitóftora
(Phytophthora capsici)
• Doença de ampla distribuição geográfica;
• Principal doença em cultivo de verão;
• Doença é favorecida por alta temperatura
e alta umidade do solo;
• Controle difícil, especialmente em cultivo
protegido;
• Doença ocorre em qualquer estádio de
desenvolvimento da planta;
• Afeta todos os órgãos da planta;
• Pouca disponibilidade de cultivares
resistentes;
• Mudas enxertadas.
Antracnose (Colletotrichum piperatum)
Sintomas de Antracnose em pimenta
Sintomas de oídio em pimenta
PVY PeMMV
Tospovírus Tospovírus
Pragas e doenças
Pragas
– pulgão
– ácaro
– tripes
– vaquinha
– broca-do-fruto
– percevejos
Ataque de ácaro em pimenta
Embalagem e Comercialização
• Classificação  Padrões Comerciais e Embalagens de
Hortigranjeiros
• Caixa K (11 kg) vs. caixa de papelão (12 kg) vs. caixa
de plástico (18 kg)
Fonte: Gutierrez et al., 2010 – CEAGESP/CQH
Embalagem e Comercialização
Transportador Embrapa Hortaliças
Agregação de valor na comercialização
de hortaliças
Gôndola de um supermercado na Flórida, Estados Unidos
Pimentão em supermercado de Melbourne, Austrália, 2004.
Pimenta em supermercado de Melbourne, Austrália, 2004.
Pimentões coloridos em supermercado de Melbourne, Austrália, 2004.
Culturas do pimentao e da pimenta 2013
paulomelo@usp.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Ariana Francielle
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
Geraldo Henrique
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Geagra UFG
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
éltoon yagami
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
CETEP, FTC, FASA..
 
Aula beterraba.pptx
Aula beterraba.pptxAula beterraba.pptx
Aula beterraba.pptx
AlineAndrade145490
 
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus   Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Lucas Alexandre
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
Tomate
TomateTomate
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Antonio Davi Vaz Lima
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
Geagra UFG
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Killer Max
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Matheus Majela
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
UERGS
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Aula beterraba.pptx
Aula beterraba.pptxAula beterraba.pptx
Aula beterraba.pptx
 
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus   Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
Citricultura e Melhoramento Genético de Citrus
 
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTECOMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
COMPOSICAO QUIMICA DA SEMENTE
 
Tomate
TomateTomate
Tomate
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
Apostila completa 2_parte_horticultura[1][1]
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Morfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiroMorfologia e fenologia do cafeeiro
Morfologia e fenologia do cafeeiro
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Fisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheitaFisiologia pré e pós colheita
Fisiologia pré e pós colheita
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 

Destaque

Agrofisiologia do pimentão apresentação
Agrofisiologia do pimentão apresentaçãoAgrofisiologia do pimentão apresentação
Agrofisiologia do pimentão apresentação
Ernane Nogueira Nunes
 
Pimentas
PimentasPimentas
Pimentas
keylogg
 
Pimenta E Pimentão
Pimenta E PimentãoPimenta E Pimentão
Pimenta E Pimentão
Luiz Fernando
 
Pimenta
PimentaPimenta
Melhoramento genético do pimentão
Melhoramento genético do pimentãoMelhoramento genético do pimentão
Melhoramento genético do pimentão
Adrielly Freitas da Silva
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
Dayenne Herrera
 
Cultivo de tomate
Cultivo de tomateCultivo de tomate
Cultivo de tomate
C.I Blancart S.A.S
 
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Rural Pecuária
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
Tayza Taveira
 
Doenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaDoenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufa
Rodrigo Caetano
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
VALDECIR QUEIROZ
 
Galinha à cabidela
Galinha à cabidelaGalinha à cabidela
Galinha à cabidela
mucamaba
 
Cultivos de horta pemento
Cultivos de horta pementoCultivos de horta pemento
Cultivos de horta pemento
Abel_de_Louxas
 
Cartilha de Arborização - Verso.pdf
Cartilha de Arborização - Verso.pdfCartilha de Arborização - Verso.pdf
Cartilha de Arborização - Verso.pdf
Jaciara Dias
 
Adubação Verde - Tomate Orgânico - UPD São Roque APTA- SAA
Adubação Verde - Tomate Orgânico - UPD São Roque APTA- SAAAdubação Verde - Tomate Orgânico - UPD São Roque APTA- SAA
Adubação Verde - Tomate Orgânico - UPD São Roque APTA- SAA
Agricultura Sao Paulo
 
Manual de adubacao_2004_versao_internet
Manual de adubacao_2004_versao_internetManual de adubacao_2004_versao_internet
Manual de adubacao_2004_versao_internet
Alexandre Panerai
 
Apresentação de pesquisa Cultivo de laranja e produção de suco
Apresentação de pesquisa Cultivo de laranja e produção de sucoApresentação de pesquisa Cultivo de laranja e produção de suco
Apresentação de pesquisa Cultivo de laranja e produção de suco
Instituto Observatório Social
 
Pimentas - cultivo e conserva
Pimentas - cultivo e conservaPimentas - cultivo e conserva
Pimentas - cultivo e conserva
JNR
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
Tayza Taveira
 
Apostila Hotalica Embrapa
Apostila  Hotalica  EmbrapaApostila  Hotalica  Embrapa
Apostila Hotalica Embrapa
IF Baiano - Campus Catu
 

Destaque (20)

Agrofisiologia do pimentão apresentação
Agrofisiologia do pimentão apresentaçãoAgrofisiologia do pimentão apresentação
Agrofisiologia do pimentão apresentação
 
Pimentas
PimentasPimentas
Pimentas
 
Pimenta E Pimentão
Pimenta E PimentãoPimenta E Pimentão
Pimenta E Pimentão
 
Pimenta
PimentaPimenta
Pimenta
 
Melhoramento genético do pimentão
Melhoramento genético do pimentãoMelhoramento genético do pimentão
Melhoramento genético do pimentão
 
Doenças tomateiro
Doenças tomateiroDoenças tomateiro
Doenças tomateiro
 
Cultivo de tomate
Cultivo de tomateCultivo de tomate
Cultivo de tomate
 
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
Boletim técnico do IAC: Calagem e adubação do tomate de mesa
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
 
Doenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaDoenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufa
 
Apostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicasApostila de hortaliças orgânicas
Apostila de hortaliças orgânicas
 
Galinha à cabidela
Galinha à cabidelaGalinha à cabidela
Galinha à cabidela
 
Cultivos de horta pemento
Cultivos de horta pementoCultivos de horta pemento
Cultivos de horta pemento
 
Cartilha de Arborização - Verso.pdf
Cartilha de Arborização - Verso.pdfCartilha de Arborização - Verso.pdf
Cartilha de Arborização - Verso.pdf
 
Adubação Verde - Tomate Orgânico - UPD São Roque APTA- SAA
Adubação Verde - Tomate Orgânico - UPD São Roque APTA- SAAAdubação Verde - Tomate Orgânico - UPD São Roque APTA- SAA
Adubação Verde - Tomate Orgânico - UPD São Roque APTA- SAA
 
Manual de adubacao_2004_versao_internet
Manual de adubacao_2004_versao_internetManual de adubacao_2004_versao_internet
Manual de adubacao_2004_versao_internet
 
Apresentação de pesquisa Cultivo de laranja e produção de suco
Apresentação de pesquisa Cultivo de laranja e produção de sucoApresentação de pesquisa Cultivo de laranja e produção de suco
Apresentação de pesquisa Cultivo de laranja e produção de suco
 
Pimentas - cultivo e conserva
Pimentas - cultivo e conservaPimentas - cultivo e conserva
Pimentas - cultivo e conserva
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
 
Apostila Hotalica Embrapa
Apostila  Hotalica  EmbrapaApostila  Hotalica  Embrapa
Apostila Hotalica Embrapa
 

Semelhante a Culturas do pimentao e da pimenta 2013

HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericulturaHORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
MariaRibeiro194699
 
Cultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapaCultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapa
Alexandre Panerai
 
A cultura da manga
A cultura da mangaA cultura da manga
A cultura da manga
Nevio Carlos de Alarcão
 
A cajaraneira spondias sp.
A cajaraneira spondias sp.A cajaraneira spondias sp.
A cajaraneira spondias sp.
Francisco Porto Filho
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
Fattore
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
Luciano Marques
 
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
mnmaill
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
Leandro Almeida
 
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
Vida Agroecologia - Agricultura do Futuro
 
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-20132ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
Fattore
 
Embrapa urucum
Embrapa urucumEmbrapa urucum
Embrapa urucum
pauloweimann
 
Viticultura
ViticulturaViticultura
Deny Sanábio e Georgeton Silveira - Políticas Públicas para Promover a Qualid...
Deny Sanábio e Georgeton Silveira - Políticas Públicas para Promover a Qualid...Deny Sanábio e Georgeton Silveira - Políticas Públicas para Promover a Qualid...
Deny Sanábio e Georgeton Silveira - Políticas Públicas para Promover a Qualid...
Oxya Agro e Biociências
 
RESGATE DE CONHECIMENTOS TRADICIONAIS: PRODUÇÃO E CONSUMO DE PLANTAS NÃO CONV...
RESGATE DE CONHECIMENTOS TRADICIONAIS: PRODUÇÃO E CONSUMO DE PLANTAS NÃO CONV...RESGATE DE CONHECIMENTOS TRADICIONAIS: PRODUÇÃO E CONSUMO DE PLANTAS NÃO CONV...
RESGATE DE CONHECIMENTOS TRADICIONAIS: PRODUÇÃO E CONSUMO DE PLANTAS NÃO CONV...
Rural Pecuária
 
Cultivares e praticas de cultivo 3.0
Cultivares e praticas de cultivo 3.0Cultivares e praticas de cultivo 3.0
Cultivares e praticas de cultivo 3.0
Delfinópolis Emater-MG
 
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdfcultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
FabrizioAranha2
 
Contribuições do Centro de Frutas IAC para a Fruticultura brasileira
Contribuições do Centro de Frutas IAC para a Fruticultura brasileiraContribuições do Centro de Frutas IAC para a Fruticultura brasileira
Contribuições do Centro de Frutas IAC para a Fruticultura brasileira
Agricultura Sao Paulo
 
Microbiologia da silagem aula glaucia
Microbiologia da silagem  aula glauciaMicrobiologia da silagem  aula glaucia
Microbiologia da silagem aula glaucia
Glaucia Moraes
 
Apresentação em slide shows de como produzir batata reno
Apresentação em slide shows de como produzir batata renoApresentação em slide shows de como produzir batata reno
Apresentação em slide shows de como produzir batata reno
LtoxCasimiro
 
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
Marcelo Forest
 

Semelhante a Culturas do pimentao e da pimenta 2013 (20)

HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericulturaHORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
HORTIFRUTICULTURA - discipl olericultura
 
Cultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapaCultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapa
 
A cultura da manga
A cultura da mangaA cultura da manga
A cultura da manga
 
A cajaraneira spondias sp.
A cajaraneira spondias sp.A cajaraneira spondias sp.
A cajaraneira spondias sp.
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Receita organica defensivo
Receita organica defensivoReceita organica defensivo
Receita organica defensivo
 
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDASRECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
RECEITAS DE PLANTAS COM PROPRIEDADES INSETICIDAS
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
 
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
5 beneficios do uso de adubos verdes na agricultura organica
 
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-20132ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
2ª apresentação de floricultura do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013
 
Embrapa urucum
Embrapa urucumEmbrapa urucum
Embrapa urucum
 
Viticultura
ViticulturaViticultura
Viticultura
 
Deny Sanábio e Georgeton Silveira - Políticas Públicas para Promover a Qualid...
Deny Sanábio e Georgeton Silveira - Políticas Públicas para Promover a Qualid...Deny Sanábio e Georgeton Silveira - Políticas Públicas para Promover a Qualid...
Deny Sanábio e Georgeton Silveira - Políticas Públicas para Promover a Qualid...
 
RESGATE DE CONHECIMENTOS TRADICIONAIS: PRODUÇÃO E CONSUMO DE PLANTAS NÃO CONV...
RESGATE DE CONHECIMENTOS TRADICIONAIS: PRODUÇÃO E CONSUMO DE PLANTAS NÃO CONV...RESGATE DE CONHECIMENTOS TRADICIONAIS: PRODUÇÃO E CONSUMO DE PLANTAS NÃO CONV...
RESGATE DE CONHECIMENTOS TRADICIONAIS: PRODUÇÃO E CONSUMO DE PLANTAS NÃO CONV...
 
Cultivares e praticas de cultivo 3.0
Cultivares e praticas de cultivo 3.0Cultivares e praticas de cultivo 3.0
Cultivares e praticas de cultivo 3.0
 
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdfcultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
 
Contribuições do Centro de Frutas IAC para a Fruticultura brasileira
Contribuições do Centro de Frutas IAC para a Fruticultura brasileiraContribuições do Centro de Frutas IAC para a Fruticultura brasileira
Contribuições do Centro de Frutas IAC para a Fruticultura brasileira
 
Microbiologia da silagem aula glaucia
Microbiologia da silagem  aula glauciaMicrobiologia da silagem  aula glaucia
Microbiologia da silagem aula glaucia
 
Apresentação em slide shows de como produzir batata reno
Apresentação em slide shows de como produzir batata renoApresentação em slide shows de como produzir batata reno
Apresentação em slide shows de como produzir batata reno
 
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01
 

Culturas do pimentao e da pimenta 2013

  • 1. Culturas do pimentão e da pimenta Prof. Dr. Paulo César Tavares de Melo ESALQ/USP Departamento de Produção Vegetal
  • 2. Principais países produtores de pimentão e pimenta*, 2011 País Área (x 1000 ha) Produção (x 1000 t) Produtividade (t/ha) China 707.215 15.545.683 22,0 México 144.391 2.131.740 14,8 Turquia 93.826 1.975.270 21,0 Estados Unidos 30.910 1.018.490 33,0 Espanha 16.887 898.260 53,2 Nigéria 57.382 449.594 7,8 Holanda 13.570 365.000 26,9 Coreia do Sul 47.388 262.257 5,53 Itália 10.327 229.093 22,2 Argentina 6.645 132.518 19,9 MUNDO 1.897.946 29.939.029 15,8 *Consumo fresco Fonte: FAOSTAT, 2013
  • 3. Importância no Mundo – América do Sul » menor área cultivada » menor produção » rendimento médio – Ásia » maior área cultivada » maior produção » maior consumidor » menor rendimento – Europa » área cultivada pequena » produção alta » maior rendimento
  • 4. Histórico no Brasil • Introduzido na década de 20 • Década de 40: Baixada Fluminense • Seleções locais: – Baixada Fluminense: ‘Moura’ e ‘Avelar’ – Campinas: ‘Ikeda e ‘Takamashi’ – Guapiara e Suzano: ‘Casca-dura’ • Cruzamentos entre esses cultivares não exibem vigor de híbrido (Ikuta)
  • 5. Importância no Brasil • Entre as solanáceas: batata  tomate  PIMENTÃO  berinjela  PIMENTA  jiló • Informações disponíveis: subestimadas em produção, área, diversidade • Brasil não figura em publicações sobre o assunto • Consumo per capita/ano irrisório  0,584 kg* • Figura entre as 10 hortaliças mais importantes no estado de São Paulo (2011)**: – Área cultivada: 2.604 ha – Produção: 130.751 t – Rendimento: 50,2 t/ha – Áreas de produção: Mogi das Cruzes, Sorocaba, Itapetininga, Mogi Mirim, São João da Boa Vista, Presidente Prudente **Fonte: Camargo et al., 2011; **POF/IBGE, 2008-2009
  • 6. Brasil: produção de pimentão e pimenta, 2006 Região Pimentão (t) Pimenta (t) Norte 2.034 4.231 Nordeste 77.795 6.417 Sudeste 120.773 5.629 Sul 36.205 746 Centro-Oeste 11.960 1.660 BRASIL 248.767 18.628 Fonte: IBGE-Censo Agropecuário, 2006 Compilação, organização e sistematização: Embrapa Hortaliças
  • 7. Pimentão: áreas de cultivo em São Paulo
  • 8. Pimenta: áreas de cultivo em São Paulo
  • 9. Botânica e sistemática – Família: Solanaceae – Gênero: Capsicum – 40 espécies descritas (taxonomia GRIN*) – Todas têm espécies selvagens com exceção de C. pubescens – 5 espécies cultivadas *http:/www.ars-grin.gov/cgi-bin/npgs/htm/index.pl?language=pt
  • 10. Botânica e sistemática Espécies cultivadas: – C. baccatum – C. frutescens – C. annuum • espécie mais cultivada e de maior variabilidade • variabilidade no formato, tamanho, cor e pungência • Ex.: Jalapeño (5,5), Cayenne (8), Serrano (7), Passilla (3,5), Anaheim (2-3), Agronômico 11 (0), pimentão (0) – C. chinense – C. pubescens
  • 11. Capsicum: espécies cultivadas C. annuum (pimentão e pimenta Jalapeño) C. frutescens (pimenta malagueta) C. baccatum (pimenta dedo-de-moça) C. chinense (pimenta de cheiro) C. pubescens (pimenta rocoto ou locoto)
  • 12. Pimentas  Alimento do mundo moderno  Ainda não teve seu valor econômico reconhecido no Brasil  Aumento da variabilidade e disseminação: contribuição dos aficionados (“chile-head”)
  • 13. Capsicum: origem e domesticação • Principais centros de origem  Américas do Sul e Central • Evidências arqueológicas: datam de 10.000 a 6.800 a.C. • Desconhecido na Europa até o século XVI • Capsicum annuum – México ou Andes: centro de origem primário – Guatemala: centro de origem secundário – México e América Central: centros de diversidade – Tipos selvagens: desde sul dos EUA, México, América Central até norte da América do Sul
  • 15. Capsicum: origem e domesticação • Exploradores procuravam pimenta-do-reino (Piper nigrum) e encontraram quiyá (Capsicum), mais ardidas – 1494  Colombo (segunda viagem) levou para a Espanha (C. annuum) – 1542  Índia – 1548  do Mediterrâneo para a Inglaterra – Final do século 16  Europa Central • Aceitação mais rápida do que batata e o tomate
  • 16. Biologia da reprodução e morfologia • Planta autógama (autopolinização) – Taxa de cruzamento natural: 5 a 30% – Espécie perene • Características da flor – Hermafrodita – 1 estigma e 5 anteras – Solitária: corola branca, anteras azuis, pedicelo pendente – Aparecem em progressão geométrica – Principal fator de diferenciação botânica entre as espécies
  • 17. Biologia da reprodução e morfologia • Características da planta – Planta herbácea – Crescimento indeterminado e dicotômico  produção em camadas • Características do fruto – Fruto tipo baga – Taxa de pegamento: inversamente proporcional ao número de frutos na planta – Grande variabilidade de formato, cor, tamanho, pungência
  • 18. Pigmentos carotenoides e a cor do fruto em Capsicum • Existem mais de 30 pigmentos envolvidos com as cores dos frutos de pimentão e pimentas. Os principais são: – clorofila verde a e b; – luteína, zeaxantina, violaxantina, anteraxantina, beta- criptoxantina e beta-caroteno; – capsantina, capsorubina e criptocapsina só ocorrem em Capsicum – A capsantina contribui com 60% dos carotenoides totais nos frutos maduros – Capsantina e capsorubina aumentam com o amadurecimento  promovem a cor vermelha – Betacaroteno e violaxantina  responsáveis pela cor amarelo-alaranjada – O betacaroteno representa 95% da provitamina A em frutos verdes e 93% em frutos maduros – A quantidade de carotenoides depende  cultivar, estádio de maturação e condições de cultivo
  • 19. Fisiologia do desenvolvimento • Temperatura: principal fator – faixa ideal: entre 16 e 35oC – < 16oC  desenvolvimento vegetativo prejudicado – > 35oC  aborto de frutos • Luz – Luminosidade: exigente (aborto) – Intensidade da luz: pouca interferência • Fotoperíodo: comportamento neutro • Umidade relativa – 50 a 70% (favorece florescimento e pegamento)
  • 20. Composição química • Afetam nutrição, sabor, aroma e cor • Teor  depende de idade da planta, condições edafoclimáticas, espécie etc. • Principais componentes: vitaminas e carotenoides (a) Vitaminas - Vitamina C (ácido ascórbico) ▪ 46 a 243 mg/100 g de peso fresco (60 mg/dia) ▪ aumenta com a maturação ▪ diminui com a desidratação e o cozimento - Vitamina E (tocoferol) ▪ 3,7 a 236 mg/100 de peso seco (8 a 10 mg/dia)
  • 21. Composição química (b) Carotenoides – 30 pigmentos diferentes (capsantina: 60%) – Funções na planta:  proteger os cloroplastos contra danos oxidativos  atrair pássaros para dispersão de sementes – Possui propriedades antioxidantes: o betacaroteno funciona como um “lixeiro”, ligando-se aos radicais livres ou, simplesmente, promovem a eliminação do O2 e dos radicais livres – Propriedades anticancerígenas
  • 22. Pungência O princípio ativo mais importante da pungência é a capsaicina > 80% do conteúdo de capsaicina são encontrados na placenta
  • 23. Pimenta Teor de capsaicina (unidades Scoville) Pimentão 0 Pimenta doce 0 Cambuci 00 ~ 500 Ancho, Poblano 1,000 ~ 2,000 Mulato, Pasilla 1,000 ~ 2,000 Anaheim 500 ~ 2,500 Rocotillo 1,500 ~ 2,500 Jalapeno, Mirasol 2,500 ~ 5,000 Chipotle 5,000 ~ 8,000 Serrano, Dedo de moça 5,000 ~ 25,000 Manzano 12,000 ~ 30,000 Tabasco, Ají, Malagueta 30,000 ~ 50,000 Cayenne 30,000 ~ 50,000 Santaka 45,000 ~ 60,000 Chiltepin 60,000 ~ 85,000 Cumari ? Jamaican Hot 100,000 ~ 200,000 Habanero 100,000 ~ 325,000 Scotch Bonnet 150,000 ~ 325,000 Red Savina Habanero 300,000 ~ 570,000 Jolokias 800.000 – 1.000.000 Trinidad Scorpion Butch T 1.300.000 Capsaicina Pura 15-16.000.000 Variabilidadenapungência (picância)
  • 24. Kharika Red Savina Naga Naga Morich Bhut Bih Mem Trinidad ScorpionBhut chocolate Moruga Scorpion
  • 25. Formas de consumo – Fruto ao natural (cru ou cozido): • imaturo: verde, roxo, chocolate • maduro: creme, amarelo, laranja, vermelho, roxo, marrom e “preto” – Condimento: páprica doce e picante (pó) – Indústria de embutidos (pó, pedaços) – Conservas (molhos, escabeche, picles) – Corante: gema de ovos (pó) – Geléias – Outros: spray paralisante, emplastro, repelente
  • 30. Formas de consumo: páprica Páprica e páprica oleoresina são usadas numa ampla gama de alimentos como corantes e flavorizantes
  • 32. Produção de pimenta Tabasco na região de Cali, Colombia – 2005.
  • 35. Outras formas de uso: pimenta ornamental
  • 36. Segmentação varietal • EUA: quadrado e cônico curto (“bell pepper”) – padrões: ‘California Wonder’ e ‘Yolo Wonder’ • Europa: retangular e cônico longo – padrão: ‘Lamuyo’
  • 37. Segmentação varietal • Brasil: – Padrão semicônico: grupo Casca Dura • campo e cultivo protegido • resistência aos potyvirus (PVY, TEV...) • polpa fina: menor peso – Padrão retangular: tipo “Lamuyo” • Adaptado para cultivo protegido • Suscetível ao PVY • Polpa  espessa maior peso – Padrão quadrado • Campo e cultivo protegido • Resistência e suscetibilidade a viroses • Polpa espessa
  • 38. Manejo cultural Solo • Arenosos, de preferência, com boa drenagem • Sensível à salinidade • pH entre 5 e 5,7
  • 39. Manejo cultural • Sugestão de adubação para SP – Plantio • 20 t/ha de esterco de curral ou 1/3 de esterco de galinha • 40 kg/ha de N • 160-600 kg/ha de P2O5* • 60-180 kg/ha de K2O* • 2 kg/ha de B • 2-3 kg/ha de Zn – Cobertura • 20-50 kg/ha de N (até a frutificação) e 20-50 kg/ha de K2O (depois de iniciada a frutificação) em intervalos de 30-35 dias * Em função do nível de fertilidade do solo: Baixa, Média, Alta
  • 40. Manejo cultural Obtenção de mudas – Gasto de sementes/ha: 14-15 milheiros/ha – 1 milheiro de sementes = 3 g • Produção contratada  viveiristas • Transplantio  aprox. 30 DAP
  • 41. Produção de mudas de alta qualidade Produção de mudas de pimentão em estufa agrícola
  • 42. Manejo cultural Sistemas de cultivo • Campo aberto – pimentão vermelho – em geral, colhido no estádio "verde" – custo de produção  cerca de US$ 4.000,00/ha • Estufa – todas as cores  agregação de valor – em geral, colhido no estádio maduro – custo de produção: US$ 3.000,00/350 m2
  • 48. Manejo cultural Época e plantio • Campo – Planalto: setembro a fevereiro – Litoral: março a julho • Estufa – Ano todo  oferta regular
  • 49. Manejo cultural Espaçamento • Campo: 1 a 1,2 m entre linhas por 0,4 a 0,6 m entre plantas – Estande: 14 a 20 mil plantas/ha • Estufa: 0,6 m entre linhas por 0,4 m entre plantas  8 fileiras, com corredor de 1,1 m
  • 50. Manejo cultural Condução das plantas – campo • crescimento e produção livre – estufa • eliminação da primeira flor (ou fruto) e condução com 4 hastes • desbrota contínua Tratos culturais • irrigação • controle do mato • controle de pragas e doenças
  • 51. Sistema de condução Sistema de poda com dois talos com tutores horizontais
  • 53. Sistema de condução Sistema de poda com três talos com tutores verticais ou do tipo holandês
  • 54. Colheita e produtividade • Início da colheita – Fruto verde: 90 a 100 dias após a semeadura – Fruto maduro: 120 a 130 dias • Duração da colheita – Campo: 50 a 60 dias (ciclo: cerca de 5 meses) – Estufa: até 9 meses (ciclo: até 13 meses) • Produtividade – Campo: 40 a 60 t/ha  200 a 300 cxs/1000 plantas – Estufa: 3 a 4 kg/planta (80 a 110 t/ha)
  • 55. Pragas e doenças Doenças • Bacterianas – mancha bacteriana e murcha bacteriana • Fúngicas – requeima, antracnose, tombamento, oídio e murcha de verticílio • Viróticas – Potyvirus: mosaico do pimentão (PVY) – Tospovirus: vira-cabeça (TSWV) – Cucumovirus: vírus do mosaico do pepino (CMV)  potencial – Tobamovirus: Pepper mild mottle virus (PeMMV)
  • 56. Mancha-de-fitóftora (Phytophthora capsici) • Doença de ampla distribuição geográfica; • Principal doença em cultivo de verão; • Doença é favorecida por alta temperatura e alta umidade do solo; • Controle difícil, especialmente em cultivo protegido; • Doença ocorre em qualquer estádio de desenvolvimento da planta; • Afeta todos os órgãos da planta; • Pouca disponibilidade de cultivares resistentes; • Mudas enxertadas.
  • 59. Sintomas de oídio em pimenta
  • 61. Pragas e doenças Pragas – pulgão – ácaro – tripes – vaquinha – broca-do-fruto – percevejos
  • 62. Ataque de ácaro em pimenta
  • 63. Embalagem e Comercialização • Classificação  Padrões Comerciais e Embalagens de Hortigranjeiros • Caixa K (11 kg) vs. caixa de papelão (12 kg) vs. caixa de plástico (18 kg) Fonte: Gutierrez et al., 2010 – CEAGESP/CQH
  • 65. Agregação de valor na comercialização de hortaliças Gôndola de um supermercado na Flórida, Estados Unidos
  • 66. Pimentão em supermercado de Melbourne, Austrália, 2004.
  • 67. Pimenta em supermercado de Melbourne, Austrália, 2004.
  • 68. Pimentões coloridos em supermercado de Melbourne, Austrália, 2004.