SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Corridas do hipódromo
(Capítulo X)
Trabalho realizado por:
Alexandra, nº 2
Ana Luísa, nº 4
Joana, nº 17
Marisa, nº 21
Escola Secundária de Alberto Sampaio
Ciências Socioeconómicas – 11ºM
2011-2012 - Português
Resumo do episódio
Carlos estava cansado da sua relação com a Condessa de Gouvarinho e
quando esta lhe diz que se quer encontrar com ele em Santarém, este tenta
recusar pois quer se libertar dela devido às suas loucuras e a ele não
conseguir tirar da cabeça Maria Eduarda. No entanto, acaba por ceder aos
desejos da Gouvarinho.
Num dos jantares no Ramalhete, o tema de conversa concentra-se nas
Corridas do hipódromo que estavam prestes a se realizar em Belém.
No dia das corridas, fazem-se apostas, onde todos apostam contra
Vladimiro, cavalo em que Carlos tinha apostado. Vladimiro vence e Carlos
ganha 12 libras, facto muito comentado. Carlos tenta aproveitar a situação
para encontrar a sua amada, o que acaba por não acontecer, e para falar
com Dâmaso com o objetivo de saber se este conseguiu convidar os Castro
Gomes para um serão na casa de Craft. No entanto, quando Carlos
encontra Dâmaso é confrontado com a noticia de que Castro Gomes
partira para o Brasil, ficando a mulher em Lisboa num andar arrendado na
casa de Cruges.
Temas abordados
Ω As corridas do Hipódromo;
Ω O atraso da sociedade lisboeta;
Ω A sua falta de civismo;
Ω Desejo de imitação do estrangeiro;
Ω Sociedade que vive de aparências.
Ω Falta de coerência entre os trajes e a ocasião;
Ω Desprazer revelado pelo facto de as pessoas não revelarem qualquer interesse
pelo invento;
Ω A desordem e agressões físicas não adequadas ao evento.
Personagens
 Carlos da Maia:
 Culto e bem educado
 Cosmopolitista
 Sensual
 Diletantista
 Alto de pele branca e olhos negros
 Maria Eduarda
 Misteriosa
 Nunca é vitima de criticas
 Sensual
 Alta, loira de olhos negros
 Intitulada de “Deusa” e “perfeita”
 Dâmaso Salcede:
 Súmula de defeitos:
 Presumido
 Cobarde
 Sem dignidade
 Baixo e gordo
 Condessa de Gouvarinho
 Imoral
 Sem escrúpulos
 Fútil
 Cabelos crespos e ruivos
 Pele clara, fina e doce
 Nariz petulante
 Olhos negros e brilhantes
Tomás de Alencar:
 Poeta romântico
 Incoerente
 Contradiz-se
 Falso moralista
 Alto e asceta
 D. Maria da Cunha
 Faz parte da alta sociedade
 Elevado nível de cultura e
de saber como estar
 Possuidora de uma beleza encantadora
 Gosta de estar presente em todos os
eventos/acontecimentos sociais
Costumes socioculturais da época
 Uso de vestuário de “missa” para todo o tipo de eventos sociais,
(vestuário inadequado);
 Estar presente não por interesse pelo evento mas apenas para ver
quem está e como vai vestido e/ou acompanhado;
 Imitar os acontecimentos/eventos realizados no estrangeiro
Elementos descritivos
e seu simbolismo
Ω O hipódromo parecia um arraial;
Ω As pessoas não sabiam ocupar os seus lugares;
Ω As senhoras traziam "vestidos sérios de missa";
Ω O bufete tinha um aspecto nojento;
Ω A 1ª corrida terminou numa cena de pancadaria;
Ω As 3ª e 4ª corridas terminaram bruscamente;
Ω Desinteresse generalizado;
Ω A sorte de Carlos, ganhando todas as apostas, é indício de futura desgraça.
(Sorte no jogo… Azar no amor).
Marcas queirosianas
Ω Sinestesia - “…e a escaldar na luz…”
Ω Adjectivação - “…cheirinho adocicado e triste…”
Ω Uso do diminutivo - “…cheirinho adocicado…”
Ω Uso do advérbio – “…pasmava languidamente…”
Ω Uso do gerúndio - “Carlos, rindo, …”
Ω Discurso indirecto livre – “Nessa tarde lá tinham voltado as palavras que ela
balbuciava, caída sobre o seu peito, com os olhos afogados numa ternura
suplicante “ se tu quiseres! Que felizes que seriamos! Que vida adorável!
Ambos sós! …” …. ?”
Ω Neologismos - «vermelhejavam» ou «negrejavam»;
Ω Empréstimos- “ … era um gentleman…”
Conclusão
Com o estudo deste episódio podemos concluir que os objetivos das corridas
foram um fracasso total, que a sociedade lisboeta estava atrasada em relação a
outras sociedades como a francesa e a inglesa, que a sociedade portuguesa vivia
muito de aparências e que não demonstravam qualquer interesse por
eventos/acontecimentos culturais.
Foi interessante fazer este trabalho pois ajudou nos a compreender um
pouco mais a nossa antiga sociedade e fez nos perceber algumas diferenças
entre a nossa antiga sociedade e a nossa atual sociedade. Esperemos que
tenham gostado do nosso trabalho e que vos tenha ajudado a compreender
um pouco melhor este episódio tão importante desta obra tão comentada e
referida como um retrato da nossa sociedade na segunda metade do século
XIX.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI. Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI. Rita Magalhães
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaMariana Silva
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Sofia Yuna
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensLurdes Augusto
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasNeizy Mandinga
 
Análise Capitulo XV - Os Maias
Análise Capitulo XV -  Os MaiasAnálise Capitulo XV -  Os Maias
Análise Capitulo XV - Os Maiasmonicasantosilva
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasDina Baptista
 

Mais procurados (20)

Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI. Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
Os Maias - Capitulos XII, XV e XVI.
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Os Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIIIOs Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIII
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização
 
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagensOs Maias de Eça de Queirós - personagens
Os Maias de Eça de Queirós - personagens
 
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os MaiasApresentação do Simbolismo N`Os Maias
Apresentação do Simbolismo N`Os Maias
 
Análise Capitulo XV - Os Maias
Análise Capitulo XV -  Os MaiasAnálise Capitulo XV -  Os Maias
Análise Capitulo XV - Os Maias
 
Tomás de Alencar
Tomás de AlencarTomás de Alencar
Tomás de Alencar
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
 
Os Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IVOs Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IV
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Os Maias-Capitulo 9
Os Maias-Capitulo 9Os Maias-Capitulo 9
Os Maias-Capitulo 9
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Os Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XVOs Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XV
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 

Semelhante a Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)

Semelhante a Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias) (20)

Os Maias XII capítulo
Os Maias XII capítuloOs Maias XII capítulo
Os Maias XII capítulo
 
Senhora - José de Alencar
Senhora - José de AlencarSenhora - José de Alencar
Senhora - José de Alencar
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completo
 
A ceia-dos-mortos-salma-ferraz
A ceia-dos-mortos-salma-ferrazA ceia-dos-mortos-salma-ferraz
A ceia-dos-mortos-salma-ferraz
 
Corridas do hipódromo de belém
Corridas do hipódromo de belémCorridas do hipódromo de belém
Corridas do hipódromo de belém
 
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
"O Cortiço" - Aluísio de Azevedo
 
Caracteristicas_tragicas_das_personagens_Os_Maias.pptx
Caracteristicas_tragicas_das_personagens_Os_Maias.pptxCaracteristicas_tragicas_das_personagens_Os_Maias.pptx
Caracteristicas_tragicas_das_personagens_Os_Maias.pptx
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
José de Alencar - Encarnação
José de Alencar - EncarnaçãoJosé de Alencar - Encarnação
José de Alencar - Encarnação
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
 
clara_dos_anjos análise PAVE.pptx
clara_dos_anjos análise PAVE.pptxclara_dos_anjos análise PAVE.pptx
clara_dos_anjos análise PAVE.pptx
 
A nobreza humana
A nobreza humana A nobreza humana
A nobreza humana
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Obras do Plano Nacional de Leitura
Obras do Plano Nacional de LeituraObras do Plano Nacional de Leitura
Obras do Plano Nacional de Leitura
 
Fragmentos
FragmentosFragmentos
Fragmentos
 
Fragmentos
FragmentosFragmentos
Fragmentos
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Portugues7em
Portugues7emPortugues7em
Portugues7em
 

Mais de Alexandra Soares

Mais de Alexandra Soares (8)

Em petiz de tarde (Cesário verde)
Em petiz   de tarde (Cesário verde)Em petiz   de tarde (Cesário verde)
Em petiz de tarde (Cesário verde)
 
Discrimination
DiscriminationDiscrimination
Discrimination
 
Consumer rights
Consumer rightsConsumer rights
Consumer rights
 
Horticultura, Floricultura e Fruticultura
Horticultura, Floricultura e FruticulturaHorticultura, Floricultura e Fruticultura
Horticultura, Floricultura e Fruticultura
 
Degradação das cidades
Degradação das cidadesDegradação das cidades
Degradação das cidades
 
Globalização cultural
Globalização culturalGlobalização cultural
Globalização cultural
 
Fontes de crescimento economico
Fontes de crescimento economicoFontes de crescimento economico
Fontes de crescimento economico
 
Apadrinhamento civil
Apadrinhamento civilApadrinhamento civil
Apadrinhamento civil
 

Último

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 

Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)

  • 1. Corridas do hipódromo (Capítulo X) Trabalho realizado por: Alexandra, nº 2 Ana Luísa, nº 4 Joana, nº 17 Marisa, nº 21 Escola Secundária de Alberto Sampaio Ciências Socioeconómicas – 11ºM 2011-2012 - Português
  • 2. Resumo do episódio Carlos estava cansado da sua relação com a Condessa de Gouvarinho e quando esta lhe diz que se quer encontrar com ele em Santarém, este tenta recusar pois quer se libertar dela devido às suas loucuras e a ele não conseguir tirar da cabeça Maria Eduarda. No entanto, acaba por ceder aos desejos da Gouvarinho. Num dos jantares no Ramalhete, o tema de conversa concentra-se nas Corridas do hipódromo que estavam prestes a se realizar em Belém. No dia das corridas, fazem-se apostas, onde todos apostam contra Vladimiro, cavalo em que Carlos tinha apostado. Vladimiro vence e Carlos ganha 12 libras, facto muito comentado. Carlos tenta aproveitar a situação para encontrar a sua amada, o que acaba por não acontecer, e para falar com Dâmaso com o objetivo de saber se este conseguiu convidar os Castro Gomes para um serão na casa de Craft. No entanto, quando Carlos encontra Dâmaso é confrontado com a noticia de que Castro Gomes partira para o Brasil, ficando a mulher em Lisboa num andar arrendado na casa de Cruges.
  • 3. Temas abordados Ω As corridas do Hipódromo; Ω O atraso da sociedade lisboeta; Ω A sua falta de civismo; Ω Desejo de imitação do estrangeiro; Ω Sociedade que vive de aparências. Ω Falta de coerência entre os trajes e a ocasião; Ω Desprazer revelado pelo facto de as pessoas não revelarem qualquer interesse pelo invento; Ω A desordem e agressões físicas não adequadas ao evento.
  • 4. Personagens  Carlos da Maia:  Culto e bem educado  Cosmopolitista  Sensual  Diletantista  Alto de pele branca e olhos negros  Maria Eduarda  Misteriosa  Nunca é vitima de criticas  Sensual  Alta, loira de olhos negros  Intitulada de “Deusa” e “perfeita”
  • 5.  Dâmaso Salcede:  Súmula de defeitos:  Presumido  Cobarde  Sem dignidade  Baixo e gordo  Condessa de Gouvarinho  Imoral  Sem escrúpulos  Fútil  Cabelos crespos e ruivos  Pele clara, fina e doce  Nariz petulante  Olhos negros e brilhantes
  • 6. Tomás de Alencar:  Poeta romântico  Incoerente  Contradiz-se  Falso moralista  Alto e asceta  D. Maria da Cunha  Faz parte da alta sociedade  Elevado nível de cultura e de saber como estar  Possuidora de uma beleza encantadora  Gosta de estar presente em todos os eventos/acontecimentos sociais
  • 7. Costumes socioculturais da época  Uso de vestuário de “missa” para todo o tipo de eventos sociais, (vestuário inadequado);  Estar presente não por interesse pelo evento mas apenas para ver quem está e como vai vestido e/ou acompanhado;  Imitar os acontecimentos/eventos realizados no estrangeiro
  • 8. Elementos descritivos e seu simbolismo Ω O hipódromo parecia um arraial; Ω As pessoas não sabiam ocupar os seus lugares; Ω As senhoras traziam "vestidos sérios de missa"; Ω O bufete tinha um aspecto nojento; Ω A 1ª corrida terminou numa cena de pancadaria; Ω As 3ª e 4ª corridas terminaram bruscamente; Ω Desinteresse generalizado; Ω A sorte de Carlos, ganhando todas as apostas, é indício de futura desgraça. (Sorte no jogo… Azar no amor).
  • 9. Marcas queirosianas Ω Sinestesia - “…e a escaldar na luz…” Ω Adjectivação - “…cheirinho adocicado e triste…” Ω Uso do diminutivo - “…cheirinho adocicado…” Ω Uso do advérbio – “…pasmava languidamente…” Ω Uso do gerúndio - “Carlos, rindo, …” Ω Discurso indirecto livre – “Nessa tarde lá tinham voltado as palavras que ela balbuciava, caída sobre o seu peito, com os olhos afogados numa ternura suplicante “ se tu quiseres! Que felizes que seriamos! Que vida adorável! Ambos sós! …” …. ?” Ω Neologismos - «vermelhejavam» ou «negrejavam»; Ω Empréstimos- “ … era um gentleman…”
  • 10. Conclusão Com o estudo deste episódio podemos concluir que os objetivos das corridas foram um fracasso total, que a sociedade lisboeta estava atrasada em relação a outras sociedades como a francesa e a inglesa, que a sociedade portuguesa vivia muito de aparências e que não demonstravam qualquer interesse por eventos/acontecimentos culturais. Foi interessante fazer este trabalho pois ajudou nos a compreender um pouco mais a nossa antiga sociedade e fez nos perceber algumas diferenças entre a nossa antiga sociedade e a nossa atual sociedade. Esperemos que tenham gostado do nosso trabalho e que vos tenha ajudado a compreender um pouco melhor este episódio tão importante desta obra tão comentada e referida como um retrato da nossa sociedade na segunda metade do século XIX.