SlideShare uma empresa Scribd logo
deEça deQueiroz
OSMAIAS deEça deQueiroz
As Corridas de
Cavalos
As Corridas de
Cavalos
- A ligação entre a intriga principal e a crónica de costumes ;
- Objetivos deste episódio ;
- Espaço físico e sociocultural ;
-A visão caricatural da sociedade feminina ;
- O fracasso das corridas ;
- Contradição flagrante entre o ser e o parecer ;
- Forte crítica ao provincianismo snoob .
As Corridas de
Cavalos
A intrigaprincipal Pressupõe um desfecho. Os acontecimentos
sucedem-se por uma relação de causalidade. Ação
fechada porque no final há a destruição da família.
Construção de ambientes e atuação de personagens-
-tipo. Ação aberta .
A crónica de costumes
As Corridas de
Cavalos
A ligaçãoentre a intriga principal e a crónica de costumes
- A partir da ação fulcral – amores de Carlos e Maria Eduarda – Eça de
Queirós pretendeu, em Os Maias, retratar a sociedade portuguesa dos
fins do século XIX.
- De facto, a ação central e a crónica de costumes entrelaçam-se e
complementam-se artisticamente de forma a dar à obra uma unidade
incontestável:
- As corridas – Carlos procura um encontro com Maria Eduarda - “No Domingo,
pois, daí a cinco dias, eram as corridas…E “ela” estaria lá, ele ia conhecê-la, enfim!”
As Corridas de
Cavalos
Os objetivos deste episódio
- O contacto de Carlos com a alta sociedade lisboeta, incluindo o rei;
- Uma visão panorâmica desta sociedade sobre o olhar crítico de Carlos;
- A tentativa frustrada de igualar Lisboa às demais capitais europeias;
- Denunciar o cosmopolitismo postiço da sociedade.
As Corridas de
Cavalos
Espaçofísicoe sociocultural
- Desinteresse generalizado – incapacidade de apreciar as corridas;
- Ninguém comprava o programa das corridas- “Um garoto ia apregoando desconsola-
damente programas das corridas que ninguém comprava”.
- Domingo muito quente, monótono, lento – “de um vivo e monótono implacável,
que na lentidão das horas de Verão cansa a alma, e vagamente entristece.” .
As Corridas de
Cavalos
Espaçofísicoe sociocultural
- Atributos que presidiam o cenário: mau gosto, improvisação, provincianismo e
pobreza que se traduzem na desadequação do espaço ao evento.
- O espaço é inadequado:
-a entrada – “À entrada do hipódromo, abertura escalavrada num muro de quintarola (…)” ;
-as tribunas – “Erguiam-se as tribunas públicas, com o feitio de traves mal pregadas, como
palanques
-de arraial. A da esquerda, vazia, por pintar, mostrava á luz as fendas do tabuado .” .
- falta um balcão de apostas ;
-o bufete - “dois criados, estonteados e sujos, achatavam à pressa as fatias de sanduíches com
as mãos húmidas da espuma da cerveja”.
As Corridas de
Cavalos
A visão caricaturalda sociedade feminina
- É de denotar o comportamento da assistência feminina, “que nada fazia de útil” .
- A conformidade do vestuário à ocasião parece não ser a melhor e acaba por traduzir
não só a falta de gosto mas, sobretudo, o ridículo de uma situação que se pretende
requintada sem o ser – “Seguiam devagar ao comprido da tribuna. Debruçadas no rebordo, numa
fila muda, olhando vagamente, como de uma janela em dia de procissão. Estavam ali todas as senhoras
que vêm ni High Life dos jornais (…) ”, “A maior parte tinha vestidos sérios de missa” e “É um canteirinh
de camélias meladas” – esta última remete transcrição para para o desajuste das mulheres que vão ve
as corridas pela primeira vez.
As Corridas de
Cavalos
Público / Concorrentes
- Alta sociedade (tribunas públicas); Rei D. Luís (Tribuna real).
- O público pertence à alta sociedade lisboeta mas revela comportamentos
desajustados: Vestuário, Carência de motivação, Desinteresse pelo
fenómeno desportivo.
- É de denotar também o comportamento desadequado dos concorrentes: “De
repente, fora, houve um rebuliço (…) era uma desordem! (…)” – discórdia no resultado
perto da tribuna Real, o que remete para a falta de respeito e de civismo.
As Corridas de
Cavalos
Público / Concorrentes
- Para além do comportamento do público feminino é de denotar também o
comportamento dos homens e o papel que desempenham neste ambiente, onde nada
parece motiva-los : “numa pasmaceira tristonha”
As Corridas de
Cavalos
Público / Concorrentes
- A desordem, originada pelo jóquei que montava o cavalo “Júpiter” e que insultava
Mendonça, o juiz das corridas, pois considerava ter perdido injustamente em
detrimento do Pinheiro, que montara o Escocês e que obtivera a vitória por ser íntimo
de Mendonça. Tomava-se partido, havia insultos, até que Vargas resolveu com um
encontrão para os lados desafiar o jóquei – foi, então, que se ouviu uma série de
Expressões como “Morra”; e “Ordem”, se viram chapéus pelo ar, se ouviam baques
surdos de murros.
As Corridas de
Cavalos
Público / Concorrentes
- A carácter antagónico entre o que as pessoas são e o que querem parecer encontra-
presente em passagens como a seguinte: “Por entre o alarido vibravam, furiosamente,
os apitos da polícia; senhoras, com saias apanhadas, fugiam através da pista, procurando
espavoridamente as carruagens – e um sopro grosseiro de desordem reles passava so-
bre o hipódromo, desmanchando a linha postiça de civilização e a atitude forçada de
decoro …” .
As Corridas de
Cavalos
Público / Concorrentes
- Diferença entre o que as pessoas são (provincianas) e o que elas querem transparece
(civilizadas)
“Aquela corrida insípida, sem cavalos, sem jóqueis, com meia dúzia
de pessoas a bocejar em roda...”
“... tudo aquilo era uma intrujice...”
-porque era “... um divertimento que não estava nos hábitos do país.”
As Corridas de
Cavalos
- Este episodio é uma verdadeira sátira ao desejo de imitar o que se faz no estrangeiro
(imitação reprovada por Afonso da Maia), por um esforço de cosmopolitismo, e ao
provincianismo do acontecimento. As corridas no hipódromo permitem, igualmente,
apreciar de forma irónica e caricatural uma sociedade burguesa que vive de aparência
- O desejo de imitar o que se faz no estrangeiro com improvisações; o provincianismo
do acontecimento e a mentalidade ridícula de políticos como Gouvarinho, que via
“brilhar civilização ” nos chapéus que se agitavam numa corrida de cavalos.
-No meio desta mediocridade, destacam-se Carlos e Craft pelo seu à-vontade e pela
sua familiaridade com este tipo de acontecimentos sociais. Dâmaso, o novo-rico
endinheirado, ávido de copiar Carlos, destaca-se pela negativa, pelo seu“podre de
chique”.
Conclusão
As Corridas de
Cavalos
Conclusão
- Esta imitação desadequada de modas estrangeiras dão ao evento um ar de
provincianismo snoob. É o retrato da sociedade lisboeta que Ega pretende retratar com
a sua comédia com o significativo título “O Lodaçal” .
-As corridas servem, para Eça, criticar , através de recursos expressivos como as
metáforas, a ironia e até mesmo o sarcasmo, a mentalidade e o comportamento da alta
burguesia: o aborrecimento, motivado pelo facto das pessoas não revelarem qualquer
interesse pelo evento.
As Corridas de
Cavalos
-http://purl.pt/93/1/iconografia/imagens/a7620/a7620.html
-http://figaro.fis.uc.pt/queiros/obras/Maias/Maias_20001210.pd
f
Bibliografia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
Sara Leonardo
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
AnaGomes40
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
Mariana Silva
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Lurdes Augusto
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
Fátima Teixeira Kika
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
Maria Teresa Soveral
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Maria Teixiera
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
keve semedo
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
nanasimao
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
António Fernandes
 
Os Maias estrutura
Os Maias estruturaOs Maias estrutura
Os Maias estrutura
CostaIdalina
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
LuisMagina
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2
Paula Rebelo
 
Os Maias - árvore genealógica
Os Maias - árvore genealógicaOs Maias - árvore genealógica
Os Maias - árvore genealógica
António Fernandes
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
Helena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Os maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intrigaOs maias: Características trágicas da intriga
Os maias: Características trágicas da intriga
 
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição (exceto cap. VI, VII, VIII) de Camilo Castelo Branco
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Os maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analiseOs maias-resumo-e-analise
Os maias-resumo-e-analise
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
 
Os Maias estrutura
Os Maias estruturaOs Maias estrutura
Os Maias estrutura
 
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida RomânticaTrabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
Trabalho sobre Os Maias - Episódios da Vida Romântica
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2
 
Os Maias - árvore genealógica
Os Maias - árvore genealógicaOs Maias - árvore genealógica
Os Maias - árvore genealógica
 
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os MaiasA Evolução do Ramalhete - Os Maias
A Evolução do Ramalhete - Os Maias
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 

Destaque

A Educação nos Maias
A Educação nos MaiasA Educação nos Maias
A Educação nos Maias
mauro dinis
 
Jantar No Hotel Central - Os Maias
Jantar No Hotel Central - Os MaiasJantar No Hotel Central - Os Maias
Jantar No Hotel Central - Os Maias
mauro dinis
 
Eusébiozinho
EusébiozinhoEusébiozinho
Eusébiozinho
mauro dinis
 
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os MaiasEvolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
mauro dinis
 
Discurso Político - Martin Luther King
Discurso Político - Martin Luther KingDiscurso Político - Martin Luther King
Discurso Político - Martin Luther King
mauro dinis
 
Discurso Político - Martin Luther King
Discurso Político - Martin Luther KingDiscurso Político - Martin Luther King
Discurso Político - Martin Luther King
mauro dinis
 
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Alexandra Soares
 
D. Madalena - Frei Luis de Sousa - Power Point
D. Madalena - Frei Luis de Sousa - Power PointD. Madalena - Frei Luis de Sousa - Power Point
D. Madalena - Frei Luis de Sousa - Power Point
mauro dinis
 
D. Madalena - Frei Luis de Sousa
D. Madalena - Frei Luis de SousaD. Madalena - Frei Luis de Sousa
D. Madalena - Frei Luis de Sousa
mauro dinis
 
Manual de archivo y correspondencia
Manual de archivo y correspondenciaManual de archivo y correspondencia
Manual de archivo y correspondencia
armando gonzalez
 
Quindio para todos
Quindio para todosQuindio para todos
Quindio para todos
alexander muñoz florian
 
Hacia un nuevo modelo economico sostenible y estacionario
Hacia un nuevo modelo economico sostenible y estacionarioHacia un nuevo modelo economico sostenible y estacionario
Hacia un nuevo modelo economico sostenible y estacionario
Carlos Hernandez Montes
 
Chap 9
Chap 9Chap 9
Chap 9
appu george
 
Red de ordenadores de una vivienda
Red de ordenadores de una viviendaRed de ordenadores de una vivienda
Red de ordenadores de una vivienda
Sonia Patrón Revilla
 
Gdz informatika rivkind_2013
Gdz informatika rivkind_2013Gdz informatika rivkind_2013
Gdz informatika rivkind_2013
Lucky Alex
 
Gdz informatika morze_2014
Gdz informatika morze_2014Gdz informatika morze_2014
Gdz informatika morze_2014
Lucky Alex
 
Vocabulario de informática
Vocabulario de informáticaVocabulario de informática
Vocabulario de informática
Edgar Fabian Franco Correa
 
Ppt historia cepre semana 13
Ppt historia cepre semana 13Ppt historia cepre semana 13
Ppt historia cepre semana 13
Rómulo Romero Centeno
 
Programação Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Criança é Prioridade
Programação Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Criança é PrioridadeProgramação Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Criança é Prioridade
Programação Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Criança é Prioridade
Governo do Estado do Ceará
 
Diseño taller informática_java
Diseño taller informática_javaDiseño taller informática_java
Diseño taller informática_java
Gabriel Mondragón
 

Destaque (20)

A Educação nos Maias
A Educação nos MaiasA Educação nos Maias
A Educação nos Maias
 
Jantar No Hotel Central - Os Maias
Jantar No Hotel Central - Os MaiasJantar No Hotel Central - Os Maias
Jantar No Hotel Central - Os Maias
 
Eusébiozinho
EusébiozinhoEusébiozinho
Eusébiozinho
 
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os MaiasEvolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
Evolução e Simbologia do Ramalhete - Os Maias
 
Discurso Político - Martin Luther King
Discurso Político - Martin Luther KingDiscurso Político - Martin Luther King
Discurso Político - Martin Luther King
 
Discurso Político - Martin Luther King
Discurso Político - Martin Luther KingDiscurso Político - Martin Luther King
Discurso Político - Martin Luther King
 
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
Corridas do hipodromo (Cap. X - Os Maias)
 
D. Madalena - Frei Luis de Sousa - Power Point
D. Madalena - Frei Luis de Sousa - Power PointD. Madalena - Frei Luis de Sousa - Power Point
D. Madalena - Frei Luis de Sousa - Power Point
 
D. Madalena - Frei Luis de Sousa
D. Madalena - Frei Luis de SousaD. Madalena - Frei Luis de Sousa
D. Madalena - Frei Luis de Sousa
 
Manual de archivo y correspondencia
Manual de archivo y correspondenciaManual de archivo y correspondencia
Manual de archivo y correspondencia
 
Quindio para todos
Quindio para todosQuindio para todos
Quindio para todos
 
Hacia un nuevo modelo economico sostenible y estacionario
Hacia un nuevo modelo economico sostenible y estacionarioHacia un nuevo modelo economico sostenible y estacionario
Hacia un nuevo modelo economico sostenible y estacionario
 
Chap 9
Chap 9Chap 9
Chap 9
 
Red de ordenadores de una vivienda
Red de ordenadores de una viviendaRed de ordenadores de una vivienda
Red de ordenadores de una vivienda
 
Gdz informatika rivkind_2013
Gdz informatika rivkind_2013Gdz informatika rivkind_2013
Gdz informatika rivkind_2013
 
Gdz informatika morze_2014
Gdz informatika morze_2014Gdz informatika morze_2014
Gdz informatika morze_2014
 
Vocabulario de informática
Vocabulario de informáticaVocabulario de informática
Vocabulario de informática
 
Ppt historia cepre semana 13
Ppt historia cepre semana 13Ppt historia cepre semana 13
Ppt historia cepre semana 13
 
Programação Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Criança é Prioridade
Programação Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Criança é PrioridadeProgramação Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Criança é Prioridade
Programação Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Criança é Prioridade
 
Diseño taller informática_java
Diseño taller informática_javaDiseño taller informática_java
Diseño taller informática_java
 

Semelhante a Corrida De Cavalos - Os Maias

Os Maias, Eça de Queirós
Os Maias, Eça de QueirósOs Maias, Eça de Queirós
Os Maias, Eça de Queirós
Cristina Martins
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas  EuropeiasVanguardas  Europeias
Vanguardas Europeias
terceirob
 
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdfAnalise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Alzira Padrão Figueiredo
 
Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde
Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário VerdeImagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde
Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde
Burghard Baltrusch
 
A Cidade e as Serras.ppt
A Cidade e as Serras.pptA Cidade e as Serras.ppt
A Cidade e as Serras.ppt
ssuser0817c4
 
A Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras A Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras
Cristina Porini
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
Maria Teixiera
 
Corridas do hipódromo de belém
Corridas do hipódromo de belémCorridas do hipódromo de belém
Corridas do hipódromo de belém
BarbaraFTFernandes
 
A alma encantadora das ruas
A alma encantadora das ruasA alma encantadora das ruas
A alma encantadora das ruas
acheiotexto
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
luisprista
 
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-camposFicha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
João Martins
 
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, SimbolismoRealismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Paula Meyer Piagentini
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Walace Cestari
 
O quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário VerdeO quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
Futurismo marinetti
Futurismo   marinettiFuturismo   marinetti
Futurismo marinetti
sabrina_acquaviva
 
Fragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasFragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistas
Karin Cristine
 
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURAVanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
SarahAkaida
 
Vanguardas modernismo artes visuais.....
Vanguardas  modernismo artes visuais.....Vanguardas  modernismo artes visuais.....
Vanguardas modernismo artes visuais.....
LuanyChristina2
 
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artísticoVanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
YuriGonalves20
 
Vanguardas.ppt
Vanguardas.pptVanguardas.ppt
Vanguardas.ppt
WILLYSONMELO
 

Semelhante a Corrida De Cavalos - Os Maias (20)

Os Maias, Eça de Queirós
Os Maias, Eça de QueirósOs Maias, Eça de Queirós
Os Maias, Eça de Queirós
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas  EuropeiasVanguardas  Europeias
Vanguardas Europeias
 
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdfAnalise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
Analise_SentimentoOcidental_CesarioVerde.pdf
 
Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde
Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário VerdeImagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde
Imagens para "O Sentimento dum Ocidental" de Cesário Verde
 
A Cidade e as Serras.ppt
A Cidade e as Serras.pptA Cidade e as Serras.ppt
A Cidade e as Serras.ppt
 
A Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras A Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Corridas do hipódromo de belém
Corridas do hipódromo de belémCorridas do hipódromo de belém
Corridas do hipódromo de belém
 
A alma encantadora das ruas
A alma encantadora das ruasA alma encantadora das ruas
A alma encantadora das ruas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 66 (e 66 r)
 
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-camposFicha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
Ficha analise-poema-ode-triunfal-alvaro-de-campos
 
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, SimbolismoRealismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
O quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário VerdeO quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário Verde
 
Futurismo marinetti
Futurismo   marinettiFuturismo   marinetti
Futurismo marinetti
 
Fragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasFragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistas
 
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURAVanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
Vanguardas-LITERATURAS-EUROPIAS-LITERATURA
 
Vanguardas modernismo artes visuais.....
Vanguardas  modernismo artes visuais.....Vanguardas  modernismo artes visuais.....
Vanguardas modernismo artes visuais.....
 
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artísticoVanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
Vanguardas Europeias e o modernismo como movimento artístico
 
Vanguardas.ppt
Vanguardas.pptVanguardas.ppt
Vanguardas.ppt
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 

Corrida De Cavalos - Os Maias

  • 4. As Corridas de Cavalos - A ligação entre a intriga principal e a crónica de costumes ; - Objetivos deste episódio ; - Espaço físico e sociocultural ; -A visão caricatural da sociedade feminina ; - O fracasso das corridas ; - Contradição flagrante entre o ser e o parecer ; - Forte crítica ao provincianismo snoob .
  • 5. As Corridas de Cavalos A intrigaprincipal Pressupõe um desfecho. Os acontecimentos sucedem-se por uma relação de causalidade. Ação fechada porque no final há a destruição da família. Construção de ambientes e atuação de personagens- -tipo. Ação aberta . A crónica de costumes
  • 6. As Corridas de Cavalos A ligaçãoentre a intriga principal e a crónica de costumes - A partir da ação fulcral – amores de Carlos e Maria Eduarda – Eça de Queirós pretendeu, em Os Maias, retratar a sociedade portuguesa dos fins do século XIX. - De facto, a ação central e a crónica de costumes entrelaçam-se e complementam-se artisticamente de forma a dar à obra uma unidade incontestável: - As corridas – Carlos procura um encontro com Maria Eduarda - “No Domingo, pois, daí a cinco dias, eram as corridas…E “ela” estaria lá, ele ia conhecê-la, enfim!”
  • 7. As Corridas de Cavalos Os objetivos deste episódio - O contacto de Carlos com a alta sociedade lisboeta, incluindo o rei; - Uma visão panorâmica desta sociedade sobre o olhar crítico de Carlos; - A tentativa frustrada de igualar Lisboa às demais capitais europeias; - Denunciar o cosmopolitismo postiço da sociedade.
  • 8. As Corridas de Cavalos Espaçofísicoe sociocultural - Desinteresse generalizado – incapacidade de apreciar as corridas; - Ninguém comprava o programa das corridas- “Um garoto ia apregoando desconsola- damente programas das corridas que ninguém comprava”. - Domingo muito quente, monótono, lento – “de um vivo e monótono implacável, que na lentidão das horas de Verão cansa a alma, e vagamente entristece.” .
  • 9. As Corridas de Cavalos Espaçofísicoe sociocultural - Atributos que presidiam o cenário: mau gosto, improvisação, provincianismo e pobreza que se traduzem na desadequação do espaço ao evento. - O espaço é inadequado: -a entrada – “À entrada do hipódromo, abertura escalavrada num muro de quintarola (…)” ; -as tribunas – “Erguiam-se as tribunas públicas, com o feitio de traves mal pregadas, como palanques -de arraial. A da esquerda, vazia, por pintar, mostrava á luz as fendas do tabuado .” . - falta um balcão de apostas ; -o bufete - “dois criados, estonteados e sujos, achatavam à pressa as fatias de sanduíches com as mãos húmidas da espuma da cerveja”.
  • 10. As Corridas de Cavalos A visão caricaturalda sociedade feminina - É de denotar o comportamento da assistência feminina, “que nada fazia de útil” . - A conformidade do vestuário à ocasião parece não ser a melhor e acaba por traduzir não só a falta de gosto mas, sobretudo, o ridículo de uma situação que se pretende requintada sem o ser – “Seguiam devagar ao comprido da tribuna. Debruçadas no rebordo, numa fila muda, olhando vagamente, como de uma janela em dia de procissão. Estavam ali todas as senhoras que vêm ni High Life dos jornais (…) ”, “A maior parte tinha vestidos sérios de missa” e “É um canteirinh de camélias meladas” – esta última remete transcrição para para o desajuste das mulheres que vão ve as corridas pela primeira vez.
  • 11. As Corridas de Cavalos Público / Concorrentes - Alta sociedade (tribunas públicas); Rei D. Luís (Tribuna real). - O público pertence à alta sociedade lisboeta mas revela comportamentos desajustados: Vestuário, Carência de motivação, Desinteresse pelo fenómeno desportivo. - É de denotar também o comportamento desadequado dos concorrentes: “De repente, fora, houve um rebuliço (…) era uma desordem! (…)” – discórdia no resultado perto da tribuna Real, o que remete para a falta de respeito e de civismo.
  • 12. As Corridas de Cavalos Público / Concorrentes - Para além do comportamento do público feminino é de denotar também o comportamento dos homens e o papel que desempenham neste ambiente, onde nada parece motiva-los : “numa pasmaceira tristonha”
  • 13. As Corridas de Cavalos Público / Concorrentes - A desordem, originada pelo jóquei que montava o cavalo “Júpiter” e que insultava Mendonça, o juiz das corridas, pois considerava ter perdido injustamente em detrimento do Pinheiro, que montara o Escocês e que obtivera a vitória por ser íntimo de Mendonça. Tomava-se partido, havia insultos, até que Vargas resolveu com um encontrão para os lados desafiar o jóquei – foi, então, que se ouviu uma série de Expressões como “Morra”; e “Ordem”, se viram chapéus pelo ar, se ouviam baques surdos de murros.
  • 14. As Corridas de Cavalos Público / Concorrentes - A carácter antagónico entre o que as pessoas são e o que querem parecer encontra- presente em passagens como a seguinte: “Por entre o alarido vibravam, furiosamente, os apitos da polícia; senhoras, com saias apanhadas, fugiam através da pista, procurando espavoridamente as carruagens – e um sopro grosseiro de desordem reles passava so- bre o hipódromo, desmanchando a linha postiça de civilização e a atitude forçada de decoro …” .
  • 15. As Corridas de Cavalos Público / Concorrentes - Diferença entre o que as pessoas são (provincianas) e o que elas querem transparece (civilizadas) “Aquela corrida insípida, sem cavalos, sem jóqueis, com meia dúzia de pessoas a bocejar em roda...” “... tudo aquilo era uma intrujice...” -porque era “... um divertimento que não estava nos hábitos do país.”
  • 16. As Corridas de Cavalos - Este episodio é uma verdadeira sátira ao desejo de imitar o que se faz no estrangeiro (imitação reprovada por Afonso da Maia), por um esforço de cosmopolitismo, e ao provincianismo do acontecimento. As corridas no hipódromo permitem, igualmente, apreciar de forma irónica e caricatural uma sociedade burguesa que vive de aparência - O desejo de imitar o que se faz no estrangeiro com improvisações; o provincianismo do acontecimento e a mentalidade ridícula de políticos como Gouvarinho, que via “brilhar civilização ” nos chapéus que se agitavam numa corrida de cavalos. -No meio desta mediocridade, destacam-se Carlos e Craft pelo seu à-vontade e pela sua familiaridade com este tipo de acontecimentos sociais. Dâmaso, o novo-rico endinheirado, ávido de copiar Carlos, destaca-se pela negativa, pelo seu“podre de chique”. Conclusão
  • 17. As Corridas de Cavalos Conclusão - Esta imitação desadequada de modas estrangeiras dão ao evento um ar de provincianismo snoob. É o retrato da sociedade lisboeta que Ega pretende retratar com a sua comédia com o significativo título “O Lodaçal” . -As corridas servem, para Eça, criticar , através de recursos expressivos como as metáforas, a ironia e até mesmo o sarcasmo, a mentalidade e o comportamento da alta burguesia: o aborrecimento, motivado pelo facto das pessoas não revelarem qualquer interesse pelo evento.